Вы находитесь на странице: 1из 45

SUMÁRIO

VIAS ENERGÉTICAS NO EXERCÍCIO ������������������������������������������������������������������������������������������������� 3

NUTRIENTES NO ESPORTE ������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 5


SUPLEMENTAÇÃO ESPORTIVA ��������������������������������������������������������������������������������������������������� 12
SUPLEMENTAÇÃO DE MACRONUTRIENTES �����������������������������������������������������������������������������12
SUPLEMENTAÇÃO ERGOGÊNICA �����������������������������������������������������������������������������������������������15
SUPLEMENTAÇÃO TERAPÊUTICA ����������������������������������������������������������������������������������������������18
SUPLAMENTAÇÃO NUTRICIONAL: ���������������������������������������������������������������������������������������������20
LEGISLAÇÃO E DIRETRIZES �����������������������������������������������������������������������������������������������������������20
SÍNDROME DE OVERTRAINING ������������������������������������������������������������������������������������������������������ 25
AVALIAÇÃO FÍSICA...........................................................................................................................30
TIPOS DE AVALIAÇÃO FÍSICA ��������������������������������������������������������������������������������������������������������33
MATERIAIS NECESSÁRIOS �������������������������������������������������������������������������������������������������������������35
TERMORREGULAÇÃO E HIDRATAÇÃO �������������������������������������������������������������������������������������������39
APOSTILA | Nutrição Esportiva 3

VIAS ENERGÉTICAS NO EXERCÍCIO

ddSistema Fosfato de Creatina (ATP-CP)


Via anaeróbica, reações ocorrem sem a necessidade de oxigênio. As moléculas
ATP e CP são denominadas fosfatos de alta energia, pois com o rompimento
de suas ligações de fosfato, grandes quantidades de energia são liberadas. A
fosfocreatina é armazenada no citosol e funciona como um reservatório de
energia, permitindo a ressíntese do ATP utilizado de maneira extremamente
rápida, garantindo substrato energético por mais tempo ao organismo.
A duração da via ATP-CP é limitada pelas reservas de creatina fosfato do
indivíduo. Vale ressaltar que mesmo que as reservas estejam cheias, os estoques
são suficientes para sustentar apenas poucos segundos de atividade intensa.
A principal vantagem desse sistema é a sua simplicidade e o fato de não depender
de reações químicas complexas ou aparato enzimático altamente especializado.
A reação de ressíntese do ATP através da creatina fosfato envolve apenas uma
etapa mediada pela enzima Creatina Quinase, tornando esta via altamente veloz
na geração de energia, mas em contrapartida, devido às quantidades limitadas
de CP no organismo, uma via de baixo rendimento.
Exemplos no esporte: Lançamentos, levantamento de peso, um soco, chute ou
arremesso.

ddSistema glicogênio ácido lático (glicolítica)


Nessa via metabólica, ocorre liberação de energia para o trabalho muscular a
partir da utilização do glicogênio estocado como substrato energético.
Comparado ao sistema ATP – CP, o processo glicolítico é de menor potência
e de maior capacidade. A glicólise ocorre no citosol, sem a presença de oxigênio.
A importância dos carboidratos para esse sistema está no fato de ser o único
substrato capaz de gerar ATP anaerobicamente.
O piruvato gerado pela glicólise é o ponto crucial na sequência de eventos do
sistema anaeróbico lático. Na falta de oxigênio, o piruvato deixa de ser convertido
a acetil-coA e se converte em ácido lático.
A via glicolítica começa a ser fortemente solicitada quando a intensidade do
exercício permanece aumentada após o período de trabalho da via ATP-CP. Esta
via permite sustentar a atividade sob alta intensidade por mais tempo que a via
APOSTILA | Nutrição Esportiva 4

ATP-CP, mas com queda de potência. É limitada pelos estoques de glicogênio


do organismo e pela capacidade do indivíduo de resistir à acidificação do meio
ocasionada pelo acúmulo de metabólitos (íons de hidrogênio e ácido lático)
produzidos pela glicólise anaeróbica quando demandada por períodos mais
longos.
Exemplos no esporte: Natação (100m), Corridas de Atletismo (400m),
Musculação.

ddSistema Oxidativo
O sistema oxidativo oferece energia através da oxidação dos macronutrientes
dietéticos (proteínas, carboidratos e lipídios) durante a prática esportiva. Esse
processo gera uma pequena quantidade de ATP e uma grande quantidade de
íons de hidrogênio, que são carreados para as mitocôndrias por moléculas
transportadoras de FAD e NAD, para um processo chamado de cadeia respiratória
ou respiração celular. Os citocromos, localizados nas membranas internas das
mitocôndrias, são os responsáveis pelas trocas de energia entre os elétrons que
resultarão na geração de grande quantidade de ATP para a célula.
As principais características desta via são a capacidade de produção energética
por longos períodos, a dependência do oxigênio para a sua ocorrência e a utilização
de todos os macronutrientes como substrato energético.
É um sistema altamente complexo, que envolve a ação de diversas reações
químicas e enzimáticas, o que acaba diminuindo a velocidade de produção de
energia, mas em contrapartida é um sistema altamente eficiente, gerando
altíssimas quantidades de energia sob a forma de ATP.
As principais reações envolvidas são a glicólise, o ciclo do ácido cítrico (ciclo do
ácido tricarboxílico ou ciclo de Krebs) e a respiração celular (fosforilação oxidativa
ou cadeia transportadora de elétrons).
APOSTILA | Nutrição Esportiva 5

PARA FIXAÇÃO

ATP-CP GLICOLÍTICA OXIDATIVA


TIPO DE ATIVIDADE Potência Velocidade Resistência
DURAÇÃO 0-15s Até 2min >2min
LOCAL DO Citosol, Sangue, Fígado e
Citosol Citosol
SUBSTRATO Adipócitos
LOCAL DA REAÇÃO Citosol Citosol Mitocôndrias
VELOCIDADE Imediata Rápida Lenta e prolongada
Glicose, Glicose, Glicogênio,
SUBSTRATO ATP-CP
Glicogênio Aminoácidos, Ácidos graxos
OXIGÊNIO Não Não Sim (Essencial)
Lançamentos Sprints e
EXEMPLOS Maratonas, vôlei, basquete
e arremessos musculação

IMPORTANTE: A separação da atuação das vias energéticas em momentos


específicos é uma convenção didática, para facilitar a compreensão. Na prática,
todas elas atuam em conjunto, variando apenas o percentual de contribuição de
cada uma, a depender da intensidade, momento e atividade realizada.

NUTRIENTES NO ESPORTE

ddCarboidratos
Macronutrientes envolvidos no fornecimento de energia (4kcal/g). Participa
também de processos biossintéticos como a síntese de ácidos nucleicos (RNA e
DNA) e aminoácidos.
Importante: Fonte energética preferencial do organismo. Essencial quando se
fala em desempenho esportivo.
Classificação em unidades de monossacarídeos unidos
Monossacarídeo Dissacarídeo Oligossacarídeo Polissacarídeo
1 molécula 2 moléculas 3 a 10 moléculas > 10 moléculas

MONOSSACARÍDEO DISSACARÍDEO POLISSACARÍDEO


Glicose Maltose (Glicose + Glicose) Amido
Frutose Sacarose (Glicose + Frutose) Celulose
Galactose Lactose (Glicose + Galactose) Glicogênio
APOSTILA | Nutrição Esportiva 6

Podem também ser classificados em simples (mono e dissacarídeos) e


complexos (oligo e polissacarídeos).
O índice glicêmico consiste em uma medida da capacidade do alimento de
elevar a glicemia, podendo sofrer modificação a depender do método de cocção,
associação com outros alimentos e teor de fibra dietética.
A carga glicêmica se refere à quantidade de carboidrato presente em uma
determinada porção alimentar, podendo ser calculado pelo índice glicêmico
do carboidrato dividido por 100 e multiplicado pela quantidade de carboidrato
disponível em gramas na porção de alimento consumido. A carga glicêmica é uma
medida mais efetiva para controle da glicemia do paciente, pois associa além do
índice glicêmico do alimento, a quantidade consumida.

Digestão dos carboidratos


LOCAL AÇÃO

Ação enzimática sobre o amido


Boca
(amilase salivar ou ptialina)

Apenas mistura e dissolução


Estômago
(Inativação da amilase salivar)

Digestão (enzimas intestinais e


Intestino Delgado
pancreáticas)

Resultante deste processo: Dextrinas, Amido intacto (amido resistente), maltoses e


glicoses

Carboidrato no esporte

Os carboidratos consistem em um importante nutriente para a prática e melhora


do desempenho durante atividades de longa duração. Além disso, a reserva e
disponibilidade do glicogênio nos músculos e no fígado podem ser influenciadas
pela ingestão diária de fontes alimentares contendo carboidrato, melhorando
assim o desempenho e a recuperação para a próxima sessão de treinamento.
Suplementos mais utilizados: dextrose, maltodextrina e waxy maize.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 7

Efeito rebote

O efeito rebote consiste em uma situação caracterizada pela diminuição


dos níveis glicêmicos após a ingestão de fontes de carboidratos com alto índice
glicêmico, podendo, em alguns casos, comprometer o desempenho durante o
treinamento físico.
Resumo carboidratos

• Melhora na função cognitiva; Cereais;


• Aumento de desempenho Leguminosas;
esportivo;
Carboidratos Raízes;
• Aumento das reservas do
glicogênio hepático e muscular Tubérculos;
• Proteção da massa muscular. Frutas.

ddLipídeos
Macromoléculas com maior capacidade de fornecer energia ao organismo
(9kcal/g). Desempenha funções importantes como, fornecimento de energia, síntese
de hormônios esteroides, transporte de vitaminas lipossolúveis, composição das
membranas celulares dentre outras.
Podem ser classificados em ácidos graxos saturados e insaturados. Estes
últimos podem ainda ser classificados em ácidos graxos monoinsaturados
(apresentando apenas uma ligação dupla na molécula) e poliinsaturados (mais
de uma ligação dupla), apresentando distinção em relação a sua estrutura,
consistência em temperatura ambiente e funções específicas no corpo.
Fontes alimentares: Sardinha, Salmão, azeite de oliva, castanha do Pará.

Digestão Lipídica

LOCAL AÇÃO

Boca Não há

Ação discreta de algumas enzimas (não


Estômago
significativo)

Emulsão dos lipídios pela bile, permitindo ação


Intestino Delgado
das enzimas digestivas

Lipídeos no esporte
APOSTILA | Nutrição Esportiva 8

1. Fornecimento de energia (modalidades de longa duração)


2. Em dietas restritivas, há um aumento da utilização de lipídios como substrato
3. Principais suplementos: Triglicerídeos de cadeia média (TCM), ômega 3,
EFAS.

Resumo lipídios

Azeites;
• Síntese hormonal;
Óleos;
• Formação das estruturas celulares;
Lipídeos Oleaginosas;
• Fontes consideráveis de energia;
Frutas oleaginosas;
• Relacionados à saúde cardiovascular.

ddProteína
Macromolécula de maior funcionalidade orgânica, fornecendo aproximadamente
(4kcal/g). Composta por aminoácidos, mantidos ligados através de ligações
peptídicas e com capacidade de desempenhar diversas funções no organismo, tais
como: a síntese e renovação de novas proteínas e estruturas celulares (hormônios,
enzimas, proteínas contráteis, transportadores de membrana). Diferentemente
dos carboidratos e lipídeos, as proteínas contém a presença de nitrogênio na sua
molécula, podendo ser divididas em: Proteínas animais (maior teor dos aminoácidos
essenciais) e proteínas vegetais (menor teor dos aminoácidos essenciais).

No esporte

A principal contribuição das proteínas no treinamento esportivo consiste em sua


função no processo de sinalização, construção e reparação celular. Contribuindo
assim para prevenção e diminuição da incidência de lesões, melhora do sistema
imunológico, respostas adaptativas crônicas (hipertrofia muscular) e manutenção
da massa muscular durante estratégias hipocalóricas.
Em determinados momentos do exercício, a contribuição energética proveniente
das proteínas pode aumentar, principalmente durante atividades prolongadas de
longa duração.

Digestão das proteínas


APOSTILA | Nutrição Esportiva 9

LOCAL AÇÃO
Boca Não há
Ação do ácido clorídrico e pepsina sobre as
Estômago proteínas, rompendo boa parte das ligações
peptídicas
Intestino Delgado Digestão enzimática dos peptídeos restantes

Resultante deste processo: aminoácidos, di e tri peptídeos.

Suplementação

A suplementação de proteínas pode ser necessária a depender das


características do treinamento esportivo e da rotina do atleta/desportista.

SUPLEMENTO ORIGEM CARACTERÍSTICAS AMINOÁCIDOS


Whey Protein Soro do leite Solúvel em água e rápida essenciais e não-
digestibilidade/absorção essenciais

Caseína Leite Insolúvel em água e lenta essenciais e não-


digestibilidade/absorção essenciais
BCAA Fontes Solúvel em água e rápida Leucina, isoleucina e
proteicas absorção valina
Beef Protein Carne Média digestibilidade/ essenciais e não-
bovina absorção essenciais
Hiperproteicos Fontes Média digestibilidade/ essenciais e não-
proteicas absorção essenciais

Resumo proteínas
Proteínas • Renovação tecidual; Carnes;
• Síntese hormonal; Pescados;
• Imunidade; Ovos;
• Síntese proteica muscular; Leite e derivados;
• Promove saciedade; Crustáceos;
Mariscos.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 10

ddMICRONUTRIENTES
Desempenham diversas funções no metabolismo:
1. Regulação de importantes vias metabólicas anabólicas e catabólicas
2. Cofatores de reações e enzimas
Dentro da classe dos micronutrientes estão as vitaminas e os minerais
• Deficiências → podem deprecia o rendimento esportivo
• Excesso → (acima dos limites máximos de ingesta) existirá risco de
complicações patológicas (ex: hipersensibilidade, dano ao Sistema
Nervoso Central e outras situações).
Na nutrição esportiva, em situações onde há necessidade da rápida recuperação
fisiológica (geralmente após campeonato/torneio) podem se beneficiar do maior
suporte vitamínico (especialmente as vitaminas antioxidantes), não sendo
prioritários durante as diversas fases do treinamento ou preparação esportiva.

ddVITAMINAS
As vitaminas são compostos reguladores e protetores do organismo, sendo
classificadas: em lipossolúveis e hidrossolúveis.

LIPOSSOLÚVEIS HIDROSSOLÚVEIS
Necessitam de lipídios para seu Não necessitam de lipídios para
aproveitamento / Solúveis em gordura aproveitamento / Solúveis em água
Transportadas pelos vasos linfáticos -
Armazenada no fígado e tecido adiposo Não armazenadas

ddVitaminas lipossolúveis
VITAMINA FUNÇÃO FONTES

Vitamina A Defesa aos radicais livres Cenoura


dentro do núcleo celular. Abóbora
Vitamina E Defesa aos radicais livres Azeite de Oliva
na membrana plasmática Nozes
celular Amendoim
APOSTILA | Nutrição Esportiva 11

VITAMINA FUNÇÃO FONTES


Vitamina K Efeito antiplaquetário Vegetais folhosos escuros
durante cascatas de
coagulação sanguínea.
Vitamina D Aumento na absorção do Exposição ao Sol
cálcio, imunidade e outras Leites e derivados
associações metabólicas. enriquecidos

ddVitaminas hidrossolúveis
VITAMINA FUNÇÃO FONTES

Defesa aos radicais livres Laranja


Vitamina C no citoplasma e membrana Acerola
plasmática celular. Limão
Vitamina H / B7(biotina)
Síntese e reparo de estruturas
celulares, metabolismo
Vitaminas Complexo B energético, hormonal,
proteção do sistema nervoso
e regulação do sono-vigília.

ddMINERAIS
Os minerais são micronutrientes de origem teórica na química. Entretanto,
alguns possuem propriedade orgânica, com isso, desempenhando diversas
funções mantenedoras da homeostasia celular. Sendo divididos em:
• Macroelementos: cálcio, magnésio, sódio, potássio e fósforo.
• Microelementos: ferro, cobre, iodo, manganês, zinco, molibidênio,
cromo, selênio e flúor.

FUNÇÃO MINERAIS
Fortalecimento ósseo Cálcio, Fosforo e Cobre (matriz inorgânica)
Hidratação Sódio, Potássio, Magnésio
Antioxidante Selênio e Manganês
APOSTILA | Nutrição Esportiva 12

FUNÇÃO MINERAIS
Imunidade Zinco
Hematopoese Ferro
Sensibilidade à insulina/ Cofator
Cromo
energético
Cofator do metabolismo energético,
Magnésio
creatina, glutamina e outras.

SUPLEMENTAÇÃO ESPORTIVA

SUPLEMENTAÇÃO DE MACRONUTRIENTES

ddWhey Protein

O que é?
Whey Protein é um produto extraído do leite no processo de fabricação do
queijo, onde é separado o soro do leite da caseína. Posteriormente, o soro do leite
é filtrado e desta forma, categorizam-se os tipos de whey protein.
O soro do leite é fonte de diversos compostos bioativos, assim como proteínas
de alta qualidade, lipídeos, carboidratos, lactose, vitaminas e minerais, enzimas,
hormônios, imunoglobulinas, fatores de crescimento, entre outros.
TIPO COMPOSIÇÃO
Concentrada 70 a 80% de proteínas e a fração restante dividida entre
carboidratos e gorduras
Isolada 90% a 95% de proteínas, podendo ser encontrada isenta de
lactose em sua dose recomendada.
Hidrolisada Sua concentração proteica pode variar, mas devido ao processo
de obtenção, apresenta melhor biodisponibilidade.

DICA: AS WHEY PROTEIN SÃO CLASSIFICADAS DE ACORDO COM O PROCESSO


DE FILTRAÇÃO E, POR CONSEQUÊNCIA, NA BIODISPONIBILIDADE. DESTA FORMA
INFLUENCIANDO DISCRETAMENTE NA VELOCIDADE DE ABSORÇÃO, O QUE NÃO IMPACTA
NO RESULTADO PROPOSTO.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 13

Aplicabilidade

FÁCIL DIGESTÃO E ↑ ANABOLISMO


↓ GORDURA CORPORAL
RÁPIDA ABSORÇÃO MUSCULAR
Por auxiliar na
Devido a sua estrutura
Por auxiliar na promoção manutenção da massa
molecular, o organismo
do balanço nitrogenado muscular em estratégias
demonstra maior facilidade
positivo. hipocalóricas e respostas
na absorção da proteína.
positivas à saciedade.

Caseína

O que é?
Assim como a whey protein, a caseína é obtida do processo de fabricação do
queijo, onde é encontrada em maior proporção que o soro do leite. As principais
diferenças estão na estrutura molecular e perfil de aminoácidos. A caseína tem
um comportamento particular, o que é capaz de formar um gel no estômago,
retardando o processo de digestão e aumentando a saciedade.

Dicas:
• Evite consumir muito próximos aos treinamentos.
• Ideal para complemento de refeições.

ddMaltodextrina e Dextrose
São carboidratos de alto índice glicêmico e por isso, fácil digestão e rápida
absorção. São bastante utilizados nos momentos pré, intra e pós treinamento:

Pré Intra Pós


Fornecimento de energia durante
Fornecimento Otimizar a reposição dos
a prática de exercícios de longa
de energia para estoques de glicogênio
duração, onde as reservas de
atividade que se depletados durante a
energias não são suficientes para
segue atividade física.
finalizar a atividade.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 14

Composição
Ambas são derivadas do amido, porém a dextrose possui parte das suas
ligações previamente hidrolisadas, por isso apresenta índice glicêmico e velocidade
de absorção levemente superiores aos da maltodextrina.

ddHipercalóricos

Definição Composição Função


Utilizados para aumento Compostos em sua maior parte São utilizados
da oferta de energia por CHO, possuindo também principalmente para
(calorias) da dieta. quantidades consideráveis de LIP ganho de peso.
e PTN. Podem ser acrescidos de
vitaminas e minerais.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 15

ddHiperproteicos
O principal nutriente desta categoria de suplementos é a proteína, apresentada
nos produtos como mix de diversas fontes e com baixo teor de carboidratos.

SUPLEMENTAÇÃO ERGOGÊNICA

ddCreatina
A creatina é o principal recurso ergogênico utilizado em exercícios de força, a
qual é sintetizada no fígado e rins e estocada no tecido muscular. As principais
fontes alimentícias são carnes vermelhas e peixes.
Interessante: A creatina atrai água para dentro do sarcoplasma, e acaba
atraindo conjuntamente nutrientes importantes, favorecendo o anabolismo.

Dica: A creatina é considerada com o suplemento alimentar ergogênico de


maior comprovação científica.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 16

ddCafeína
A cafeína é um recurso com enorme popularidade, a qual é encontrada na
grande maioria dos suplementos emagrecedores. Sua principal ação ocorre no
Sistema Nervoso Central.

Principais Funções

Efeitos Adversos

Dica 1: O uso de cafeína é contraindicado para indivíduos com problemas


cardíacos, psicológicos (ansiedade, estresse...) e/ou digestivos (gastrite, refluxo,
úlceras...).
Dica 2: No geral, os efeitos adversos costumam surgir quando a dosagem
utilizada é muito alta ou quando o indivíduo possui sensibilidade à substância.

ddBCAA
São aminoácidos essenciais de cadeia ramificada, naturalmente presentes em
proteínas de alto valor biológico, os quais são metabolizados diretamente no músculo.

*Principal aminoácido estímulante da mTor.


**Na ausência de outros substratos (principalmente CHO).
APOSTILA | Nutrição Esportiva 17

Indicações
1. Esportes extenuantes.
2. Antes e/ou após treinamento (100mg/kg ou 1g/10kg. Ex.: Indivíduo de
70kg = 7g de BCAA).

ddPré-Treinos
São compostos por um mix de substâncias ergogênicas capazes de gerar
estímulos específicos, permitindo aumento do desempenho esportivo.

Principais Substâncias

AUMENTO DE FORÇA E HIPERTROFIA E


FOCO E DISPOSIÇÃO
VASODILATAÇÃO ANTICATABOLISMO
Creatina BCAA Cafeína
Citrulina Glutamina Taurina
Arginina Aminoácidos Essencial

Dica: Pré-treinos, por possuírem um grande potencial de estímulo e melhora do


desempenho esportivo, são ótimos em estratégias de hipertrofia, pois permitem um
melhor aproveitamento do treinamento.

ddTermogênicos
É uma classe de suplementos caracterizada por sua composição em substâncias
estimulantes que, devido algumas de suas funções no catabolismo de gorduras e
estímulo ao aumento da temperatura corporal, podem auxiliar na perda de peso.

Principais Substâncias e suas funções

Dica: Em sua maioria, as contraindicações das substâncias dos termogênicos são as mesmas
da cafeína.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 18

SUPLEMENTAÇÃO TERAPÊUTICA

ddÔmega 3
Ácido graxo insaturado (Ácido alfa-linolênico) encontrado principalmente em
peixes de águas profundas como salmão, sardinha, atum e alguns crustáceos.
Por estas fontes alimentares não fazerem parte do dia a dia de grande parte da
população ocidental, existe um déficit na ingestão diária de ômega 3.
As frações ativas do ômega 3 são o ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido
docosahexaenóico (DHA).

Dica: Alguns produtos de ômega 3 podem conter alérgenos, principalmente os


extraídos de crustáceos, por isso sua indicação deve ser feita com cautela.

Características e funções:
Ação anticoagulante, melhorando o fluxo sanguíneo e consequentemente
pressão arterial; melhora do perfil lipídico (triglicérides, colesterol e suas frações),
melhora permeabilidade das membranas celulares e sua sinalização celular,
favorecendo maior sensibilidade à insulina.

Posologia: 3 a 4g de ômega 3, que correspondem a aproximadamente 500mg


de EPA + DHA.

ddGlutamina
Aminoácido altamente abundante no organismo, condicionalmente essencial,
que pode estar com concentrações reduzidas em determinadas situações, como:
praticantes de atividade física de alto rendimento, atividades extenuantes,
situações de trauma (cirurgias e/ou acidentes) e estresse excessivo.

Características e funções:
1. Suporte ao sistema imune: fornecimento de energia para algumas
células de defesa (linfócitos, neutrófilos e macrófagos).
2. Síntese de glicogênio hepático e muscular
3. ↑ Anabolismo: por ser um aminoácido, pode participar dos processos
de síntese do organismo.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 19

4. Substrato energético: principal substrato utilizado pelas células


intestinais (enterócitos), o que contribui diretamente para uma melhor saúde
intestinal.

Posologia: 5g/dia

ddControprotetores
As principais substâncias ativas dessa classe de suplementos são a condroitina
e a glucosamina, constituintes diretos da matriz cartilaginosa, evidenciando assim
a sua principal função → Tratamento e prevenção de doenças articulares.

Dica: Muito utilizados por praticantes de esportes de força e alto impacto.

Posologia: (1500mg Glucosamina + 1200mg Condroitina) antes de dormir.

ddMultivitamínicos
A utilização de suplementos multivitamínicos tem basicamente 3 funções
principais:
1. Complementação dietética
2. Suporte para dietas restritivas (restrição calórica agressiva, dietas
que excluem grupos alimentares, etc.)
3. Melhora do rendimento esportivo, quando há deficiência.

Dosagem: Segundo as regulamentações da ANVISA os suplementos


multivitamínicos devem conter um mínimo de 25% da RDA e um máximo de 100%
da RDA.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 20

SUPLAMENTAÇÃO NUTRICIONAL:

LEGISLAÇÃO E DIRETRIZES

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL: LEGISLAÇÃO E DIRETRIZES

A tecnologia alavancou pesquisas e popularizou os suplementos nutricionais,


sendo um elemento importante, capaz de auxiliar o planejamento dietético, assim
como, quando necessário maior suporte de nutrientes. Deste modo, foi necessário
estabelecimento da Portaria n. 222/98 e resoluções do CFN (Conselho Federal
de Nutricionistas), para garantir aparato legal para a suplementação nutricional
envolvendo: classificação, regulamentação e prescrição.

1. CLASSIFICAÇÃO E DEFINIÇÕES

A Portaria n. 222/98 da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária),


aplicada aos alimentos especialmente formulados e elaborados para praticantes
de atividade física, sendo inclusos: alimento para atletas, Suplementos vitamínicos
e/ou minerais, Alimentos com agregação de propriedade funcional e Novos
alimentos.

PRODUTOS ADMITIDOS PRODUTOS EXCLUÍDOS

Novos alimentos; Bebidas alcoólicas;


Bebidas gaseificadas;

Alimentos funcionais; Contenham substâncias farmacológicas


(ex: estimulantes, hormônios e outras
consideradas como “doping” pelo (Comitê
Alimentos para Atletas; Olímpico Internacional));
Substâncias medicamentosas e
indicação terapêutica;
Suplementos vitamínicos e/ou
minerais. Medicamentos fitoterápicos;
Formulações a base de aminoácidos
isolados (exceto os BCCA’S ou
aminoácidos essenciais).

A Resolução n. 380/2005 do CFN explicita que os suplementos nutricionais


são alimentos que servem para complementar com calorias, e ou nutrientes a
APOSTILA | Nutrição Esportiva 21

dieta diária de uma pessoa saudável, em casos onde sua ingestão, a partir da
alimentação, seja insuficiente, ou quando a dieta requerer suplementação.

1.1 Alimentos para atletas

Considerados alimentos para fins especiais, destinados a atender as


necessidades nutricionais específicas e auxiliar no desempenho de atletas, isto
é, praticantes de exercício físico com especialização e desempenho máximos
com o objetivo de participação em esporte com esforço muscular intenso. Esses
produtos não podem apresentar substâncias estimulantes, hormônios ou outras
consideradas como “doping” pela Agência Mundial Antidoping (WADA).

CATEGORIA DEFINIÇÃO PARTICULARIDADES

Formulados a partir de
concentração variada de
Repositores eletrólitos, associada a Podem conter potássio,
concentrações variadas de
hidroeletrolíticos vitaminas e ou minerais.
carboidratos, com o objetivo
de reposição hídrica e
eletrolítica
Formulados com nutrientes
Fórmulações variadas contendo
Repositores que permitam o alcance
macromoléculas energéticas
Energéticos e ou manutenção do nível
(LIP, CHO e/ou PTN).
apropriado de energia
Adição de aminoácidos
Predominância de proteína(s) específicos é permitida.
no mínimo 65% de proteínas Podem conter vitaminas e/ou
Alimentos Proteicos de qualidade nutricional minerais.
equivalente às proteínas de Podem conter CHO e LIP
alto valor biológico desde que a soma do VET não
ultrapasse o total de PTN.
CHO < 90%;
PTN: mínimo 65% deve
corresponder à proteína de alto
Formulações variadas para valor biológico;
Alimentos serem utilizadas na adequação
LIP: 1/3 SAT, 1/3 monoinsaturada
Compensadores de nutrientes da dieta de e 1/3 poli-insaturada;
praticantes de atividade física Opcionalmente, estes produtos
podem conter vitaminas e ou
minerais.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 22

CATEGORIA DEFINIÇÃO PARTICULARIDADES

Produtos formulados a partir Constituir no mínimo 70%


de concentrações variadas dos nutrientes energéticos da
de aminoácidos de cadeia formulação, fornecendo na
Aminoácidos de ramificada (leucina, valina e ingestão diária recomendada até
isoleucina), com o objetivo de
cadeia ramificada 100% das necessidades diárias
fornecimento de energia para
atletas. de cada aminoácido.

Outros alimentos Produtos formulados de forma


variada com finalidades
com fins específicos
metabólicas específicas,
para praticantes de decorrentes da prática de NDA
atividade física atividade física

1.2 Suplementos vitamínicos e/ou minerais

Alimentos que servem para complementar, com outros nutrientes, a dieta diária
de uma pessoa saudável, em casos onde sua ingestão, a partir da alimentação,
seja insuficiente, ou quando a dieta requerer suplementação; devem conter um
mínimo de 25% e no máximo 100% da ingestão diária recomendada (IDR) de
vitaminas e/ou minerais, na porção diária indicada pelo fabricante, não podendo
substituir os alimentos, nem serem considerados como dieta exclusiva.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 23

1.3 Alimentos com agregação de propriedade funcional

São aqueles que afirmem ou sugiram a existência de uma relação entre


o consumo de determinado alimento ou seu constituinte e a saúde. Além da
segurança do alimento, o alimento deve ser comprovado cientificamente e não
induzam o consumidor ao engano. As alegações podem descrever o papel
fisiológico do nutriente, desenvolvimento e nas funções normais do organismo.
Sendo apresentados em seus dizeres de rotulagem e ou material publicitário
as alegações aprovadas pela ANVISA devem ser registrados nas categorias
de “Alimentos com Alegações de Propriedade Funcional e ou de Saúde” ou de
“Substâncias Bioativas e Probióticos Isolados com Alegação de Propriedades
Funcional e ou de Saúde”. Assim, devem ter registro prévio à comercialização,
conforme anexo II da Resolução RDC nº 278/2005.

1.4 Novos alimentos

Devem atender aos requisitos previstos na Resolução nº 16/1999, pois se


enquadram em uma dessas situações: alimentos sem tradição de consumo no País,
alimentos que contenham novos ingredientes, alimentos contendo substâncias já
consumidas, adicionadas ou utilizadas em níveis muito superiores aos atualmente
observados nos alimentos que compõem uma dieta regular, alimentos em forma
de apresentação não convencional na área de alimentos, tais como: cápsulas,
comprimidos, tabletes e similares.

2. REGULAMENTAÇÃO

2.1 Rotulagem geral

Além dos dizeres exigidos para os alimentos em geral os Alimentos para Fins
Especiais, devem constar:

2.1.2 Painel principal: a designação conforme sua classificação (ex:


alimento proteico para atletas).

2.1.3 Demais painéis: os Repositores Energéticos e para os Alimentos


Compensadores, a orientação em destaque e negrito: “Crianças, gestantes
e idosos, consumir preferencialmente sob orientação de nutricionista e ou
médico”; os Alimentos Proteicos e para os Aminoácidos de Cadeia Ramificada, a
recomendação em destaque e negrito: “Crianças, gestantes, idosos e portadores de
qualquer enfermidade devem consultar o médico e ou nutricionista”; os Repositores
Hidroeletrolíticos, a recomendação em destaque e negrito: “Recomenda-se que os
portadores de enfermidades consultem um médico e ou nutricionista, antes de
APOSTILA | Nutrição Esportiva 24

consumir este produto”. Havendo obrigatoriedade constar a informação nutricional,


de acordo com o Regulamento de Rotulagem Nutricional.
2.1.4 Proibição: conter expressões, tais como: “anabolizantes”, “bodybuilding”,
“hipertrofia muscular”, “queima de gorduras”, “fat burners”, “aumento da
capacidade sexual”, ou equivalente.

3. PRESCRIÇÃO

O profissional deve se atentar em alguns aspectos fundamentais na escolha


que, quando ignorados podem causar: não obtensão do resultado esperado ou até
mesmo depressão da condição de saúde do indivíduo. Sendo assim, a Resolução n.
390/2006 do CFN regulamenta os aspectos relacionados à prescrição nutricional:
• A prescrição dietética deverá ser pautada diante diretrizes estabelecidas no
diagnóstico nutricional;
• Não ultrapassar o Limite Máximo de Ingestão Tolerada, associando aos
estados fisiológicos específicos, estados patológicos e alterações metabólicas;
APOSTILA | Nutrição Esportiva 25

• A prescrição dietética deverá ser posterior à avaliação nutricional objetiva e


sistematizada;
• Ao realizar a prescrição, atentar-se a condição clinica social e cultural.
Devendo esta alinhada aos princípios da bioética.
• O nutricionista deverá sempre considerar a prescrição dietética de
suplementos nutricionais não poderá ser realizada de forma de forma isolada,
devendo fazer parte da correção do padrão alimentar.
• A prescrição será adequada nas seguintes premissas: adequar o consumo
alimentar, definição do período de utilização do produto e reavaliação do estado
nutricional e planejamento alimentar.

SÍNDROME DE OVERTRAINING

ASPECTOS GERAIS

• Crescente entre atletas de elite, mas pode existir também entre


desportistas amadores.
• Os atletas de alto rendimento são pressionados diariamente a superar
limites, muitas vezes indo além dos seus limites físicos.
• Esse conjunto de fatores acabarão prejudicando o seu rendimento.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 26

Fatores Responsáveis
• O esporte competitivo exige dedicação extrema dos atletas, sendo
comum aumentos desmedidos no volume de treinos, intensidade e
frequência, a fim de conseguir melhora nos resultados.
• O aumento de competições também é um dos fatores que podem levar
a aparição do quadro de overtraning.
• Os fatores psicológicos estão diretamente associados ao quadro. A
excessiva cobrança por bons resultados pode ser usada como exemplo.

Incidência
• Atletas mais treinados
• Esportes individuais: Aqui o fator psicológico é dominante, devido à
cobrança direcionada.
• Esportes de endurance: Por ser uma modalidade com provas
extremamente longas e desgastantes, é um dos esportes que
naturalmente induz ao quadro.

ASPECTOS CLÍNCOS
Diagnostico de exclusão
APOSTILA | Nutrição Esportiva 27

Fatores Predisponentes
• O excesso de treinamento somado a períodos insuficientes de
recuperação são os fatores que poderíamos classificar como os mais
preocupantes.
• Muitas competições em sequência.
• ↑cobrança imposta por familiares, equipe, torcida, patrocinadores e por
outros meios são fatores que podem acabar influenciando na saúde
mental do atleta colaborando para a instalação do quadro.

Sintomatologia
APOSTILA | Nutrição Esportiva 28

Principais hipóteses etiologias


• Citocinas, Fatores Hormonais e Psicológicos: O processo inflamatório
causado pelo exercício também aumenta a produção de citocinas pro-
inflamatórias como IL-1 e IL-6, aumentando assim a liberação de cortisol
e diminuindo a produção de testosterona, além de ativar substancias
responsáveis por alterações de comportamento, aumentando o
estresse e dificultando a recuperação do organismo.
• Glicogênio Muscular: Níveis reduzidos de glicogênio muscular podem
induzir a oxidação de proteínas musculares.
• Glutamina: A redução das concentrações plasmáticas de glutamina
observada em exercícios seria responsável pela supressão da reposta
imune e aumento na taxa e infecções observados no overtraning.
Em condições de exercícios extenuantes, sua concentração pode ser
reduzida. Durante este processo a glutamina pode sofrer desvios no
seu metabolismo podendo alterar a produção de energia pelo fígado
através da gliconeogênese e regulação na acidose instalada, devido
a essa alteração a glutamina disponível para o sistema imunológico é
reduzida o que pode contribuir para o aumento da susceptibilidade a
infecções no trato respiratório superior.
Dica: Vale ressaltar que não há um consenso sobre as hipóteses citadas acima,
como a síndrome é multifatorial é papel do nutricionista junto a equipe do atleta
avalia-lo em todos os âmbitos para que esse diagnósticos seja feito!
APOSTILA | Nutrição Esportiva 29

Prevenção e Tratamento
APOSTILA | Nutrição Esportiva 30

AVALIAÇÃO FÍSICA

A avaliação física tem como objetivo principal estabelecer um parâmetro


comparativo e auxiliar o nutricionista no acompanhamento nutricional do paciente,
visando a manutenção ou melhora da composição corporal.

Tipos de avaliação física

DUPLAMENTE
DIRETOS INDIRETOS
INDIRETOS

Dissecação de
Pesagem Hidrostática Antropometria
cadáveres
MÉTODOS
Tomografia
- Bioimpedância
Computadorizada
Ressonância
- -
Magnética
- Pletismografia -

Principais usos
APOSTILA | Nutrição Esportiva 31

ANTROPOMETRIA
Conjunto de técnicas e medidas padronizadas que visam o estudo da forma,
proporção e composição do corpo humano.

COMPOSIÇÃO CORPORAL
O corpo humano é composto por diferentes tecidos e componentes estruturais,
na avaliação física, os principais componentes avaliados são:

Observação
Dentro da avaliação física existem métodos de avaliação que são capazes de
segmentar o corpo em apenas 2 componentes:
MASSA GORDA MASSA MAGRA
Tecido adiposo Massa Muscular
- Ossos
- Água
- Pele
- Órgãos
APOSTILA | Nutrição Esportiva 32

FATORES QUE INFLUENCIAM A COMPOSIÇÃO CORPORAL

COMPONENTES MOTIVOS

Influencia diretamente a nossa composição corporal.


Através dele podemos exercer adaptações fisiológicas que
EXERCÍCIO proporcionaram mudanças na estrutura dos diferences
componentes corporais.

O código genético de cada indivíduo definirá seu biótipo


corporal, e a distribuição dos diversos componentes
GENÉTICA corporais, definindo o seu perfil de composição corporal.

Está diretamente associada com a composição corporal.


Conforme envelhecemos existe uma diminuição gradativa do
tecido muscular esquelético e uma redução do metabolismo
IDADE corporal, o que favorece o aumento do tecido adiposo.

Com a alimentação conseguimos direcionar o corpo para


um tipo específico de composição corporal, principalmente
ALIMENTAÇÃO quando associada com o exercício físico.

Os hormônios sexuais masculinos e femininos atuam na


expressão do fenótipo, definindo a quantidade de gordura,
SEXO massa muscular e massa óssea característica de cada sexo.

QUANDO DEVO REALIZAR A AVALIAÇÃO FÍSICA?

INDICAÇÕES
1 – Ao iniciar um programa de treinamento físico ou planejamento alimentar
2 – Avaliar de forma periódica para realizar o acompanhamento da evolução do
treinamento ou planejamento alimentar
3 – Ao final de um período de treinamento ou estratégia nutricional, para avaliar os
resultados
APOSTILA | Nutrição Esportiva 33

TIPOS DE AVALIAÇÃO FÍSICA

ddDiretos

Dissecação de cadáveres
Consiste na separação manual dos componentes estruturais do corpo
humano e posterior pesagem de cada componente. A dissecação de
cadáveres é o método mais confiável de se avaliar a estrutura corporal
humana e foi amplamente utilizada em pesquisas para elaboração de
equações de predição de percentual de gordura.

ddIndiretos

PESAGEM HIDROSTÁTICA
A Pesagem Hidrostática se baseia no princípio de Arquimedes para
estimar o percentual de gordura corporal.
PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES: Corpo submerso em água é elevado
a superfície por uma força equivalente a massa do volume da água
deslocada.
A Pesagem Hidrostática consiste em pesar o indivíduo em terra firme e
submerso em água, com o objetivo de encontrar o volume e densidade
corporal. Posteriormente estes dados são inseridos nas equações de Siri
(1961) ou Brozek (1963) para que seja calculado o percentual de gordura
corporal.

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM


Os métodos de diagnóstico por imagem são considerados os mais
confiáveis na categoria de métodos indiretos de avaliação física, dentre eles
podemos citar a Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada
e a Densitometria Óssea (Dexa). As desvantagens desses métodos estão
relacionadas ao alto custo dos equipamentos, profissionais altamente
especializados para operar e interpretar os resultados e a exposição dos
pacientes a radiação emitida pelos equipamentos.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 34

PLETISMOGRAFIA
O indivíduo é colocado dentro de uma câmara de ar pressurizada, onde
será calculado o volume e densidade corporal.
Antes da avaliação iniciar, o volume de ar dentro da câmara vazia é
calculado, posteriormente o volume de ar é calculado com o indivíduo
dentro da câmara. Desta forma pode-se obter os valores do volume e
densidade corporal, que posteriormente são inseridos nas equações de
Siri (1961) ou Brozek (1963) para que seja calculado o percentual de
gordura corporal.

ddDuplamente indiretos

BIOIMPEDÂNCIA
A Impedância Bioelétrica utiliza uma corrente elétrica imperceptível para
mensurar os componentes corporais através da resistência elétrica que
os diferentes tecidos oferecem. Os tecidos magros são os componentes
corporais com menor resistência, graças a sua quantidade de água e
eletrólitos. Além da corrente elétrica, também são inseridos dados do
paciente no equipamento, como altura, idade e nível de atividade física,
para que dessa forma o equipamento possa estimar o percentual de
gordura corporal. Para garantir maior confiabilidade nos dados, é
importante que os avaliados sigam todos os protocolos necessários para
realização do exame de Bioimpedância.

ANTROPOMETRIA
A antropometria é o estudo da forma e proporções do corpo humano, é um
método de baixo custo e não invasivo para o paciente. A antropometria
por dobras cutâneas é considerada um dos métodos mais confiáveis de
avaliação da composição corporal, as principais fontes de erro deste
método estão associadas a perícia técnica do avaliador, calibragem dos
equipamentos e a correta interpretação dos dados e uso das fórmulas.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 35

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Fita métrica
É importante que seja utilizada uma fita inelástica, os seus materiais podem
variar de acordo com a marca e modelo da fita.
• Balança
A balança utilizada deve estar calibrada, também é importante mensurar a
massa corporal na mesma balança, sempre que possível, pois a medida pode
variar de uma balança para outro, caso não estejam com a mesma calibragem.
• Estadiômetro
O Estadiômetro pode ser fixo ou portátil, no caso do fixo, é importante que a
altura de instalação seja calculada corretamente antes da fixação.
• Adipômetro
Na escolha do Adipômetro deve-se tomar alguns cuidados, existem duas
principais categorias de adipômetros:
- Adipômetros Clínicos
- Adipômetros Científicos
A principal diferença entre eles está relacionada à exatidão da médica, na
maioria dos casos, os adipômetros clínicos tem uma escala de leitura de 0,5 mm,
enquanto os Adipômetros Científicos têm uma escala de leitura de 0,1 mm.

PERÍMETROS DOBRAS CUTÂNEAS


Braço Tricipital
Antebraço Bicipital
Ombro Subescapular
AVALIAÇÃO Tórax Axilar Média
ANTROPOMÉTRICA Cintura Peitoral
Abdômen Abdominal
Quadril Supra Ilíaca
Coxa Coxa
Panturrilha Panturrilha
APOSTILA | Nutrição Esportiva 36

POPULAÇÃO DOBRAS PARA DOBRAS PARA


PROTOCÓLOS
VALIDADA HOMENS MULHERES

Estudantes - Tricipital - Subescapular


PROTOCOLO
universitários de - Supra Ilíaca - Supra Ilíaca
DE GUEDES 17-27 anos - Abdômen - Coxa

- Subescapular
- Axilar Média
- Tríceps
PROTOCOLO Homens de 18- - Coxa -
DE POLLOCK 61 anos.
- Supra Ilíaca
(1985)
- Abdômen
- Peitoral

PROTOCOLO - Subescapular
DE SIRI & Homens de 20- - Tríceps
50 anos. -
BROZECK - Coxa
(1961) - Abdômen

PERCENTUAL DE GORDURA
O percentual de gordura corporal é um método simples e rápido para interpretar
os dados coletados na antropometria. Percentuais de gordura muito baixos ou
muito elevados podem exercer riscos à saúde tanto para homens quanto para
mulheres, podendo desencadear distúrbios hormonais, amenorreia, Hipertensão
Arterial Sistêmica, Diabetes Mellitus e outros quadros.

RECOMENDAÇÕES ENERGÉTICAS NO EXERCÍCIO

ddPRÁTICA ESPORTIVA
Quando se trata de prática esportiva, o primeiro ponto que se deve avaliar é
qual o nível que o cliente quer alcançar. Pode ser dividido em dois diferentes ritmos:
Desportismo: Procura de estética, qualidade de vida, saúde, redução de
fatores de risco (obesidade, triglicerídeos e colesterol, dentre outros).

APOSTILA | Nutrição Esportiva 37

Competição: O alto rendimento tende a promover alterações de stress


psicológico e metabólico, catabolismo muscular, desequilíbrio hormonal e aumento
de probabilidade de lesões.
Ao traçar qual será o objetivo adotado, desporte ou competição, o foco é
em buscar o máximo equilíbrio entre a performance (mesmo que baixa no caso
de desporte) e saúde, em ambos os casos, a condição física do cliente, padrão
alimentar e pontos de individualidade devem uma atenção para melhor conduta
de aplicação de fornecimento energético.

ddPONTOS IMPORTANTES
APOSTILA | Nutrição Esportiva 38

ddCOMPONENTES ENERGETICOS

ddFATORES QUE AFETAM O REQUERIMENTO DE ENERGIA


APOSTILA | Nutrição Esportiva 39

ddEQUAÇÕES DE PREDIÇÃO DA NECESSIDADE ENERGÉTICA

TERMORREGULAÇÃO E HIDRATAÇÃO

LÍQUIDOS CORPORAIS

1. Representam de 20 a 40% do peso corporal.


2. Um indivíduo médio possui aproximadamente 42 LITROS DE ÁGUA
CORPORAL, sendo 62% de água intracelular e 38% de fontes extracelulares.
3. Líquido INTRACELULAR = líquido DENTRO da célula.
4. Líquido EXTRACELULAR ou INTERSTICIAL = LÍQUIDO ENTRE AS
CÉLULAS, linfa, líquido dos olhos, SALIVA, trato digestivo e líquido secretado
pelas glândulas (sudoríparas, salivares, etc.)
5. Os volumes NÃO SÃO ESTÁTICOS, porém seus valores médios
resultam de “trocas” constantes entre os compartimentos intra e
extracelular.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 40

6. Embora ocorra PERDA DE ÁGUA corporal a INGESTÃO ADEQUADA


dela MANTÉM OS VOLUMES RELATIVAMENTE ESTÁVEIS.
7. O corpo perde água basicamente a partir da URINA, PELE e FEZES.

Evaporação → principal defesa contra o superaquecimento.


A água vaporizada pelas vias respiratórias e pele (a partir das glândulas
sudoríparas) transfere o calor para o ambiente.

O SUOR NÃO RESFRIA A PELE E SIM A SUA EVAPORAÇÃO.


Umidade relativa do ar muito alta dificulta a evaporação do suor e esfriamento.
• O suor excretado ALÉM DE ÁGUA contém: sódio, potássio cálcio e
magnésio.

VALORES/
CAUSAS SINTOMAS
CONCEITO

↑suor e/ou Inchaço, náuseas,


↑ingestão de vômitos, dor de
Sódio sérico <
Hiponatremia líquidos com cabeça, confusão,
135mmol/L
baixos teores delírio, dificuldade
de sódio em respirar.

Hiperosmolaridade Perda de Letargia, astenia,


ou aumento da líquido sem irritabilidade,
Hipernatremia
concentração de solutos ou convulsões, coma e
sódio plasmático desidratação morte

IMPORTANTE: A perda de potássio através do suor é ínfima.


APOSTILA | Nutrição Esportiva 41

Recomendações para atividades com mais de 3 horas


TEMPERATURA
MOMENTO ÁGUA CARBOIDRATO SÓDIO
DA ÁGUA
Até 2h antes 250 - 500ml - - -
400 - 500 -
Durante 30 - 60g/h 5 - 15ºC
800ml/h 700mg/h
1,25l - 1,5L
1,0 – 1,2g/kg de
Após para cada - -
peso/hora
1kg perdido

ddObesidade
Doença multifatorial, considerada uma das prioridades para as organizações
de saúde na atualidade, devido aos elevados e crescentes números de obesos na
população.

1. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL

1.1 IMC: O Índice de Massa Corporal ainda é o principal e mais acessível


indicador antropométrico para diagnóstico da obesidade. Pode ser calculado
dividindo a massa corporal do indivíduo (em quilogramas) pela altura elevada ao
quadrado (em metros): IMC = massa (kg) / altura2 (m2)
Dentre as muitas classificações do IMC, a obesidade é dividida da seguinte
forma:
1. Obesidade leve ou grau I → IMC 30 a 34,9
2. Obesidade moderada ou grau II → IMC 35 a 39,9
3. Obesidade mórbida ou grau III → IMC > 40
4. Para indivíduos idosos, é considerado Obesidade o IMC ≥ 30

1.2 Risco Cardiovascular: Determinado pela medida da circunferência de


cintura:
HOMEM MULHER CLASSIFICAÇÃO
CC < 94cm CC < 80cm Normal
CC 94 ~102cm CC 80 ~88cm Risco alto
CC > 102cm CC > 88cm Risco muito alto
APOSTILA | Nutrição Esportiva 42

Existe ainda a classificação utilizando a relação cintura quadril, obtida dividindo


o perímetro da cintura pelo perímetro do quadril: Os valores de normalidade para
mulheres e homens, respectivamente são: menor que 0,85 e menor que 0,9.

1.3 Perfil metabólico


Avaliação do perfil lipídico (Colesterol total, colesterol LDL, colesterol HDL e
triglicerídeos) bem como perfil glicêmico.

Malefícios associados à obesidade


1. Dislipidemias: alterações no perfil lipídico.
2. Diabetes mellitus tipo 2
3. Cardiopatias como por exemplo a insuficiência cardíaca
4. Câncer (diversos tipos)
5. Hipertensão arterial
6. Osteoartrites (doenças articulares em consequência da sobrecarga
sobre o esqueleto)

Determinantes da Obesidade
Os três principais fatores para a ocorrência da obesidade são a influência
genética, cultural ou hábitos de vida. Sabe-se que apesar do impacto dos dois
primeiros, os hábitos de vida possuem uma colaboração substancialmente
superior no surgimento do quadro de obesidade, destacando a inatividade física
(sedentarismo) e a alimentação irregular.
APOSTILA | Nutrição Esportiva 43

Emagrecimento
Fatores que impactam diretamente sobre o ganho ou perda de peso:
GANHO PERDA
↑ Consumo Energético ↓ Consumo Energético
↓ Gasto Energético ↑ Gasto Energético
↑ Alimentos de alta densidade ↑ Alimentos de baixa densidade
calórica e baixo valor nutricional calórica e alto valor nutricional

Contribuições da Nutrição e da Atividade Física para o processo de


emagrecimento:
NUTRIÇÃO ATIVIDADE FÍSICA
Garante nutrientes essenciais Aumenta gasto calórico
Favorece a utilização da massa Promove adaptações celulares
gorda favoráveis ao emagrecimento
APOSTILA | Nutrição Esportiva 44

Aspectos fundamentais do planejamento alimentar


Oferta de valor calórico compatível (a utilização de dietas com valor energético
muito baixo pode levar a agravos nutricionais)
Dieta individualizada e ajustada aos hábitos do paciente
Restrições de 500 a 1000kcal/dia
APOSTILA | Nutrição Esportiva 45

Вам также может понравиться