Вы находитесь на странице: 1из 7

[Digite texto]

ESTUDO LUMINOTÉCNICO DE SALAS DE AULA USANDO A NORMA DE


LUMINOTÉCNICA

Resumo – O objetivo deste artigo é de estabelecer a  Eletrônica: Compreender o funcionamento do


funcionalidade e aplicabilidade da norma brasileira de circuito eletrônico de equipamentos de medição de
iluminação de ambientes para três salas de aula, onde grandezas elétricas.
docentes e discentes realizam suas atividades. O estudo
foi realizado no Instituto Federal de Santa Catarina –  Eletricidade Básica: Conceitos fundamentais em
câmpus Rau, e mediu a iluminância média das salas eletricidade, tais como: tensão elétrica, corrente
B301,A110 e B 202 deste campus usando a metodologia elétrica e potência elétrica.
da legislação vigente (ABNT NBR ISO/CIE 8995-1).
 Desenho Assistido por Computador: Análise de
Palavras-chave- Luminotécnica, Normatização, planta baixa do Instituto Federal de Santa Catarina,
Instalações elétricas, Luxímetro. Campus Rau.

INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Este estudo tem como objetivo coletar informações Com o estudo da norma de luminotécnica NBR 8995-
sobre o nível de iluminância média de duas salas de aula do 1[1], vigente a partir de março de 2013, pode-se levantar
Instituto Federal de Santa Cataria – campus Rau, com o dados que ajudam a verificar o índice de iluminância de duas
intuito de verificar se as condições de iluminação estão de salas de aulas (Sala de Aula B301,Laboratório de
acordo com a norma ABNT NBR ISO/CIE 8995-1 [1]. O Eletrotécnica A110 e Laboratório de Máquinas B202), do
nível de iluminamento influencia na percepção, no Instituto Federal de Santa Catarina – campus Rau.
rendimento e na fadiga visual dos usuários. O instrumento A norma NBR 8995-1[1] estipula que, para ambientes
que será utilizado para coleta de dados é chamado luxímetro. semelhantes aos estudados neste projeto, os valores mínimos
Ele é um aparelho que tem a função de verificar o nível de para a iluminância, limitação de ofuscamento e qualidade de
iluminamento sobre uma superfície. cor, para que as tarefas visuais sejam realizadas
A luminotécnica é um ramo da Física mais adequadamente, com conforto e segurança, sejam conforme
comumente estudado na área da ergonomia, pois esta estuda os dados apresentados da Tabela 1:
a luz visível e suas influências sobre o comportamento
humano. A luz visível possui característica física não
ionizante, ou seja, ela não tem capacidade de afetar órgãos e Tipo de Lux UGRL Ra
células do corpo, mas se não observados alguns critérios ambiente, tarefa
acerca da sua correta utilização em um ambiente, pode causar ou atividade
desconforto, estresse e fadiga das pessoas que utilizam um Salas de aulas
determinado ambiente regularmente. Exemplos disso são: um noturnas, classes e 500 19 80
ambiente que foi mal projetado, ocasionando ofuscamento da educação de
visão ou baixo nível de iluminação, dificultando a realização adultos.
da tarefa. Salas de aplicação 500 19 80
Para auxiliar o desenvolvimento deste estudo, os e laboratórios.
seguintes assuntos abordados nas disciplinas do Curso Tabela 1: Especificação da iluminância, limitação de
Técnico em Eletrotécnica do Instituto Federal de Santa ofuscamento e qualidade da cor.
Catarina – campus Rau, contribuirão para o seu Fonte: NBR 8995-1
desenvolvimento: Nesta tabela define-se:
 Lux: Iluminância mantida na superfície de
 Instalações Elétricas Residenciais: Estudo de referência estabelecido para a tarefa;
lâmpadas e luminárias. [2]  URGL:Índice limite de ofuscamento unificado;
 Ra: Índice de reprodução de cor mínima.
 Projetos Elétricos: Cálculo luminotécnico em
ambientes. Para medir a quantidade de luminância (lux) nas salas de
aulas, utiliza-se o luxímetro. Deve ser medida em pontos
 Medidas Elétricas: Funcionamento de equipamentos
específicos em áreas pertinentes. As leituras não podem ser
elétricos de medição de grandezas elétricas.
inferiores as especificadas na tabela 1. Levou-se em conta os
fatores que influenciam na iluminância, tais como: cor das
paredes, cor do teto, altura do plano de trabalho,
especificações das lâmpadas e como estão posicionadas e

[Digite texto]
[Digite texto]

dimensionadas.Para não ter a interferência de luz solar, a


coleta de dados foi feita no período noturno.

A norma NBR 8955-1[1], não especifica a quantidade de


pontos para a coleta de dados. Desta forma, neste projeto,
cada sala teve a quantidade de pontos determinada conforme
a necessidade, tendo como referência o artigo
“VERIFICAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DE UMA SALA DE
AULA USANDO A NOVA NORMA DE
LUMINOTÉCNICA – ABNT NBR ISO/CIE 8995/2013
[4]”.

Para obter-se o nível de iluminância das salas de aula


realizou-se a média dos índices de iluminância pontuais,
conforme a figura 1 e figura 2.
A figura 1 corresponde ao Laboratório de Eletrotécnica
A110, onde se optou por 10 pontos de coleta de dados. Eles
estão a dois metros de distância um do outro e dois metros
das paredes. A altura de medição do plano de trabalho é de
80 centímetros.

Figura 2: Pontos de coleta de dados – Sala de aula B301.


Fonte: Projeto elétrico do campus Rau.

A figura 3 corresponde ao Laboratório de máquinas B302


onde optou-se por 9 pontos de coleta de dados. Eles estão a
um metro de distância um do outro e um metro das paredes.
A altura de medição do plano de trabalho é de um metro.

Figura 1: Pontos de coleta de dados – laboratório A110.


Fonte: Projeto elétrico do campus Rau.

A figura 2 corresponde a sala de aula B301 onde optou-


se por 8 pontos de coleta de dados. Eles estão a dois metros
de distância um do outro e um metro e meio das paredes. A
altura de medição do plano de trabalho é de 75 centímetros.
 

Figura 3: Pontos de coleta de dados – laboratório de


máquinas B202.Fonte: Projeto elétrico do campus Rau.

[Digite texto]
[Digite texto]

DESENVOLVIMENTO trabalho. A Figura 5 descreve os componentes/partes que


compõem um luxímetro.
Com o objetivo de verificar a iluminância de três salas A operação de coleta de dados com do luxímetro foi
de aulas do câmpus, atendendo aos critérios adotados da realizada através do seguinte procedimento: Deve ser ligado
norma NBR 8955-1, as seguintes etapas da pesquisa foram com a sua fotocélula tampada, para que seja feita a sua
desenvolvidas: calibração, certificando que quando estiver tampada, em seu
visor digital apareça o valor de zero lux. Feita a calibração do
1. Leitura e interpretação da planta baixa civil e instrumento, deve se colocar no ponto de medição escolhido,
elétrica do câmpus: Através destas foram obtidas as respeitando a altura do plano de trabalho e verificando em
informações acerca da quantidade e distribuição das seu visor a quantidade de lux mostrada no display, coletando
luminárias instaladas em cada ambiente e as estes dados para posterior comparação.
dimensões de cada sala de aula estudada (A110,
B301 E B 202);
2. Mapeamento das salas de aula: Foram realizadas
medições das dimensões de cada sala de aula,
verificadas as alturas das luminárias aos planos de
trabalho, as distâncias entre as luminárias,
verificadas as distribuições das lâmpadas para cada
luminária, assim como as especificações técnicas
das lâmpadas instaladas nas luminárias (potência
elétrica, intensidade luminosa e nível de reprodução
de cor);
3. Estudo da norma NBR 8955-1, que trata sobre
luminotécnica: Nesta etapa, o objetivo foi de
aprender como desenvolver um projeto
luminotécnico para ambientes com afluência de
público, tais como salas de aula, identificando os
principais itens a serem considerados, como a cor
das paredes, cor do teto, quantidade de luminárias,
entre outros. Além disso, também para conhecer
quais os critérios especificados pela norma para a
coleta de dados em um ambiente específico;
4. Desenvolvimento do projeto luminotécnico das
salas de aula observadas onde serão realizadas as
comparações entre os valores medidos e os valores
teóricos calculados nos projetos luminotécnicos
desenvolvidos observando a norma. Além disso,
com os valores determinados nos projetos, será
possível verificar se a escolhas das lâmpadas e
posicionamento das luminárias nas salas de aula
atendem aos requisitos normativos. Figura 4- Luxímetro
5. Comparação entre os dados práticos e teóricos: Ao Fonte:http://www.akso.com.br/produto/luximetros/luximetro_dig
ital_ak309-372
comparar os dados coletados com os especificados
na norma e o projeto teórico desenvolvido, verifica-
se o objetivo deste trabalho.

Para realizar a coleta de dados de iluminância,


utilizamos um luxímetro da marca ICEL. O luxímetro é um
aparelho que verifica a luminosidade em um determinado
ponto de medição. Ele consiste em um mini amperímetro
ligado a uma célula fotoelétrica que, ao ser iluminada, altera
o valor da sua resistência elétrica e, por consequência, a
corrente elétrica no circuito eletrônico interno. Esta diferença
entre os valores de corrente elétrica do circuito eletrônico do
luxímetro, que é alimentado por baterias e o proporcionado
pela célula fotoelétrica é transformada em um sinal elétrico e
convertida para o valor equivalente em lux (unidade de
iluminância) através de números, que são exibidos no
display do equipamento. A Figura 4 mostra um luxímetro
semelhante ao que foi utilizado no desenvolvimento deste

[Digite texto]
[Digite texto]

Figura 6 Pontos de coleta de dados – laboratório A110.


Fonte: Projeto elétrico do campus Rau

Figura 5 – Componentes do Luxímetro


Fonte:http://www.minipa.com.br/images/proposta_tecnica/Mlm-
1011-1300-BR.pdf

Antes de se iniciar a coleta de dados, o luxímetro


fora ligado para se estabelecer em condições normais de
funcionalidade. O luxímetro utilizado é de propriedade do
Instituto Federal de Santa Catarina Campus Rau, da marca
Minipa, modelo LD-100. A duração deste procedimento foi
de aproximadamente 30 minutos, deixando o luxímetro a
condições de leitura de índice 0 lux. Durante o período de
estabilização do equipamento, iniciou-se a marcação dos
pontos de medição anteriormente dimensionados.
A tabela 2 corresponde aos dados de luminosidade
coletados em cada sala de aula. As figuras 6, 7 e 8
correspondem aos pontos e suas respectivas seqüências de
dados coletados

Sala A 110 (lux) B 301 (Lux) B 202 (lux)


Ponto 01 496 594 780
Ponto 02 497 727 883
Ponto 03 514 722 578
Ponto 04 560 747 758 Figura 7: Pontos de coleta de dados – Sala de aula B301.
Ponto 05 527 539 890 Fonte: Projeto elétrico do campus Rau.
Ponto 06 560 522 780
Ponto 07 581 712 777
Ponto 08 670 362 780
Ponto 09 490 - 699
Ponto 10 522 - -
Tabela 2- Nível de luminosidade e pontos medidos nas
salas de aula.
Fonte: Elaborado pelos autores (2018).

[Digite texto]
[Digite texto]

 Sala A110 – Apresentou um nível médio de


luminosidade de 541,7 lux, onde o ponto 08 foi o
máximo com 670 lux e o ponto mínimo foi o 09
com 490 lux. Observando por ponto (local)
medido, os pontos 01, 02 e 09 mesmo estando
abaixo do nível médio exigido, há uma tolerância
de 10%, segundo a norma ABNT NBR ISO/CIE
8995-1, 2013 pag. 24.

 Sala B301 – Apresentou um nível médio de


luminosidade de 615, 25 lux, onde o ponto que
apresentou nível máximo foi o ponto 04, com
luminosidade de 747 lux na área central da sala e
o que apresentou o nível mínimo foi o ponto 05
com luminosidade medida de 362 lux, no canto
superior direito, se orientando pela figura 8. Na
média, a sala B301 está com o índice de
luminosidade dentro da Norma ABNT NBR
ISO/CIE 8995-1, 2013, apenas com o ponto 08
fora. Para corrigir isto, existe duas formas. A
Figura 8: Pontos de coleta de dados – laboratório de primeira forma será aumentar a potência das
máquinas B202. Fonte: Projeto elétrico do campus Rau.
lâmpadas da luminária próxima a medição
número 05, onde a utilizada é de 32W para uma
de 40W. A segunda forma é deslocar a luminária
Em cada uma das medições, o sensor fotoelétrico do
uns 25 cm para a esquerda, ficando em uma
luxímetro foi colocado sobre o ponto demarcado, na altura de
posição mais próxima a parede, onde está a 1,5
trabalho correspondente a cada sala de aula, sendo o
metros da parede e o restante das luminárias está
laboratório de eletrotécnica A110 a 80 cm do piso, a sala de
aproximadamente a 80cm da parede.
aula B302 a 75 cm do piso e laboratório de máquinas a 1
metro do piso. A duração de medida em cada ponto foi de
 Sala B202 – Apresentou um nível médio de
aproximadamente 1 minuto.
luminosidade de 769,44 lux, sendo o ponto 05 de
valor máximo com 890 lux e o ponto 03 de valor
A norma (NBR 8995-1, pág. 03) especifica que os
mínimo com 578 lux, assim a sala está dentro do
principais parâmetros para que o ambiente luminoso seja
índice exigido pela norma ABNT NBR ISO/CIE
eficaz são:
8995-1, 2013.
 Distribuição da luminância;

 Iluminância; O sistema de iluminação do Laboratório de Eletrotécnica


A110 e do Laboratório de Máquinas - B202 apresentaram
 Ofuscamento; uniformidade em seu circuito.
A uniformidade do circuito do Laboratório de
 Direcionalidade da luz; Eletrotécnica A110 é de 0,9, 29% acima do recomendado
pela Norma ABNT NBR ISO/CIE 8995-1, 2013, que é de
 Aspecto da cor da luz e superfícies; 0,7.
A uniformidade do circuito do Laboratório de
 Cintilação; Máquinas - B202 é de 0,75, 7% acima do recomendado pela
norma.
 Luz natural;

 Manutenção.

A uniformidade do circuito da Sala de Aula B301 é


de 0,59, 16% abaixo da razão entre a menor e a média da
iluminação foi de 0,5, valor este 29,5% inferior ao
RESULTADOS EXPERIMENTAIS normatizado (0,7). Este resultado se deve ao fato de um
ponto da sala de aula não atingir o nível mínimo
A medição do nível de luminosidade das salas de aula A110, recomendado, 500 lux, pois a estaria faltando cerca de 15 por
B301 e B202 tiveram os seguintes resultados: cento de uma luminária neste local devido a disposição da

[Digite texto]
[Digite texto]

parede nesta sala de aula, conforme figura 10. [3] Cavalin, Geraldo, 1952 – Instalações Elétricas Prediais/
Geraldo Cavalin, Severino Cervelin. São Paulo: Érica,
1998 ( Coleção Estude e Use, Série Eletricidade).

[4] Jandrei Sartori Spancerski; Evandro André Konopatzki -


VERIFICAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DE UMA SALA
DE AULA USANDO A NOVA NORMA DE
LUMINOTÉCNICA – ABNT NBR ISO/CIE
8995/2013.

Figura 10: Luminária faltante – sala de aula B301. Fonte:


Projeto elétrico do campus Rau.

CONCLUSÃO

Com esse estudo pretendeu identificar e avaliar a


relação entre a iluminação de postos de estudo de salas de
aula. O nível de iluminamento influi na percepção, no
rendimento e na fadiga visual dos usuários, com isso buscou
fazer um estudo luminotécnico das salas de aula.
Para conferir se os pontos de iluminação estão
dentro da norma, fazendo verificação das lâmpadas no
ambiente de estudos, para comparação de dados foi utilizado
o método lumens. O instrumento usado para recolha de
dados foi o luximetro.
Com esses dados podemos comparar com a
metodologia da legislação vigente. Com a comparação de
dados verificamos que duas salas de aula estava dentro
legislação vigente, e uma não estava com isso foi proposto a
troca das lâmpadas naquele ponto onde foi coletado a
medição. Uma boa iliminação os alunos desempenham
tarefas de maneira eficiente, sem fadiga visual e desconforto.

REFERÊNCIAS

[1] ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).


Iluminância de Interiores. ABNT NBR ISO/CIE 8995-
1, 2013.

[2] Mamede Filho, João. Instalações elétricas industriais /


João Mamede Filho. - 8.ed.BARBI, Ivo.

[Digite texto]
[Digite texto]

Apêndice 1: Cronograma

Projeto Integrador fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18

Semana 1

Semana 2

Semana 3

Semana 1

Semana 2

Semana 3

Semana 1

Semana 2

Semana 3
Semana 4

Semana 1

Semana 2

Semana 3

Semana 4

Semana 4

Semana 1

Semana 2

Semana 3

Semana 4
Atividades
Data Início Data Entrega

Pesquisa
26/02/18 12/03/18 Planta baixa do instituto
05/03/18 19/02/18 Mapear as sala que serão avaliadas
26/02/18 09/04/18 Estudar a norma de luminotécnica ( quais normas serão atendidas)
26/03/18 02/04/18 Verificar a característica das lâmpadas utilizadas
Execução
26/03/18 02/04/18 Medir o número de luminância nas salas
09/04/18 14/05/18 Comparar o que foi medido com a norma
Escrita do projeto
26/02/18 12/03/18 Objetivo
05/03/18 14/03/18 Cronograma
14/05/18 06/06/18 Entrega do Banner
16/04/18 30/05/18 Entrega do artigo
07/05/18 13/06/18 Entrega em PowerPoint
04/06/18 13/06/18 Apresentação final
Projeto Integrador

RISCOS
Críticos – Dependência externa forte (Ex: Aquisição de componentes especiais)
Moderados - Riscos de projeto (Ex: Possibilidades de erros na montagem)
Baixos – Sem risco ao projeto (Ex: Coisas não afetam o cronograma “faceis de resolver”)

PESSOAS
Bruno
Rafael
Sheila
Emerson (orientador)
Todos

[Digite texto]