You are on page 1of 27

Conteúdo Programático

Redes Sem Fio


Histórico
Conceitos Básicos
Técnicas de Modulação
Técnicas de acesso ao meio.
Fatores que interferem na propragação das ondas
Eletro Magnéticas.
Especialização em Redes de Computadores Componenentes genéricos de rádio
Weslley Emmanuel Martins Lima
Antenas

Conteúdo Programático Histórico


Padronização das Redes Sem Fio 1820 Hans Oersted descobriu a relação entre a
Tecnologias Sem Fio Emergentes eletricidade e o magnetismo.
As gerações tecnológicas 1831 Michael Faraday teorizou que uma
mudança no campo magnético é necessário para
induzir uma corrente em um circuito
próximo(Teoria da Indução).
Joseph Henry e a primeira transmissão de um
sinal elétrico.
1832 Samuel Morse inventa o telégrafo com a
ajuda de Henry.

1
Histórico Histórico
A condução inicialmente é provada na água.
Morse continua seus trabalhos no estudo de Em 1887, Heinrich Hertz prova que a eletricidade
tecnologias sem fio. viaja em ondas através da atmosfera.
Morse descobre a propriedade da condução em Em 1901, o inventor italiando Guglielmo
seus experimentos. Marconi descobre que as ondas eletromagnéticas
A condução é o fluxo de cargas elétricas através se curvam de acordo com a curvatura da Terra em
de uma substância, resultante de uma diferença de transmissões eletromagnéticas.
potencial elétrico baseado na substância. A ionosfera como meio de transmissão das ondas de
rádio

Conceitos Básicos Conceitos básicos


Uma onda eletromagnética é a propagação de
Rádio Transmissão e recepção sem fio de energia elétrica pela oscilação de campos
impulsos ou sinais elétricos por meio de ondas magnéticos que induzem a oscilação de campos
eletromagnéticas. elétricos;
Campos elétricos são induzidos pela separação de Componentes de uma onda:
cargas positivas e negativas.
Amplitude(a) - volts
Movimentação de cargas elétricas induz campos Velocidade de propagação(v)
elétricos.
Período - segundos
Mudanças no campo elétrico induzem campos Comprimento de onda - metros
magnéticos.
Frequência(f) Hertz

2
Conceitos Básicos
Conceitos Básicos
Velocidade de Propagação Velocidade com a
qual a onda viaja pelo meio. Para propósitos
prático igual à velocidade da luz: 3 x 108m/s.
Período Tempo gasto por um ciclo para passar
por um ponto.
Frequência Quantidade de ciclos que passam
por um ponto em um segundo.

Conceitos Básicos Conceitos Básicos


Modulação de ondas de rádio A modulação corresponde às modificações
A onda portadora tem a função de modular o sinal de realizadas numa onda portadora de maneira a
entrada com uma frequência muitas vezes maior. representar um sinal.
Principais razões: A portadora também é chamada de onda
Melhor transmissão modulada.
Permite a transmissão de vários sinais ao mesmo tempo
sem que haja interferência. O sinal é também chamado de onda moduladora.
Permite a criação de antenas menores.
Cada frequência de portadora é chamada de um
canal.

3
Modulação da Amplitude
Conceitos Básicos
Esquemas de modulação analógico
Modulação da amplitude(AM);
Modulação da frequência(FM);

Modulação da Frequência Esquemas de Modulação Digital


A maioria das informações transmitidas pelos
seres humanos são de natureza analógica. No
entanto, os computadores são binários.
A necessidade de digitalizar fontes analógicas de
informação(música, voz...).
Boas técnicas de digitalização levam a um
resultado de qualidade muito próxima ao sinal
original.
A necessidade de transmitir informações
digitalizadas.

4
On/Off Keying(OOK)
Esquemas de Modulação Digital
Tipos
On/Off Keying(OOK)
Frequency Shift Keying(FSK)
Phase Shift Keying(PSK)
Pulse Amplitude Modulation(PAM)

Frequency Shift Keying(FSK)


Usada pelo padrão 802.11 Camada Física Phase Shift Keying(PSK)

5
Pulse Amplitude Modulation(PAM)
Técnicas de acesso ao meio

Objetivo: Permitir o controle de acesso ao meio


como forma de otimizar a utilização desse recurso.
Define canais de comunicação independentes
Tipos básicos
FDMA(Mútiplo acesso por divisão de frequência)
TDMA(Mútiplo acesso por divisão de tempo)
CDMA(Mútiplo acesso por divisão de código)
SDMA(Mútiplo acesso por divisão de espaço)

FDMA FDMA
Cada canal carrega a informação de um usuário.
Requer bons filtros para evitar interferência de
canais adjacentes.
Exemplo: AMPS: 2 bandas com 833 canais de
30kHz cada.

6
TDMA TDMA
A banda disponível é compartilhada entre os
usuários dividindo-a em time-slots. A transmissão
de dados é descontínua.
Utiliza mais bits de sincronização se comparado
ao FDMA.
Devido à característica da transmissão em
rajadas, existe um menor gasto de bateria(só
transmite durante o tempo de um time-slot).

FDMA e TDMA combinados FDMA e TDMA combinados


Combina a divisão da banda em faixas menores
que por sua vez é dividida no tempo(time-slots).
Leva a uma melhor utilização do espectro.
No GSM as 2 bandas de 25Mhz são divididas em
portadoras de 200kHz cada, que por sua vez são
subdivididas em 8 time slots de 4,615 ms.

7
CDMA CDMA
Todos os usuários transmitem na mesma
banda(simultaneamente) o dado codificado;
somente os detentores da chave conseguem
decifrar o dado. Isso garante maior segurança.
A capacidade não é fixa, depende a relação
sinal/ruído do meio.
É eficiente quando utilizada para muitos usuários.

SDMA SDMA
Usados em redes celulares(células são áreas
irregulares em torno de uma antena).
Atribuir faixas de frequência diferentes a células
adjacentes, de forma a evitar a interferência de
sinal.
Para células distantes, pode-se reutilizar a faixa
de frequência.
Para isto, o alcance a antena deve ser bem
ajustado.

8
Fatores que interferem na propagação A taxa sinal/ruído
de ondas EM A onda deve chegar ao receptor com força
suficiente para permitir a distinção entre a onda e
A Taxa Sinal/Ruído o ruído.
Atenuação A taxa S/N é usada para mostrar a potência do
Reflexão sinal em comparação com a potência do ruído.
Refração Diferentes modulações requerem diferentes taxas
mínimas de S/N.
Linha de visão
Esquemas de modulação digital requerem uma
Penetração menor taxa S/N que esquemas de modulação
analógico.

Atenuação
Atenuação
Fenômeno em que o sinal fica mais fraco a
medida que se afasta da sua fonte. Decorre de A força de um sinal diminui à medida que a
uma divergência natural da densidade do sinal. distância aumenta
Portanto: Potência é proporcional a 1/r2
Objetos contribuem para a atenuação de uma
onda.
Em tais situações, a Potência é proporcional a
1/r3.

9
Atenuação
Reflexão(Bouncing)
Uma forma de minimizar a atenuação é através de
antenas direcionais.
Fenômeno que ocorre quando parte de uma onda
atravessa um objeto e a outra parte é refletida.
A reflexão pode degradar ou melhorar o
desempenho dos sistemas.
Sistemas de rádio AM aproveitam-se desse
fenômeno que ocorre nas camadas superiores da
atmosfera.

Reflexão(Bouncing) Reflexão(Bouncing)
O fenômeno da reflexão só é adequado a sistemas
que operam com ondas de baixa frequência.
Ondas de alta frequência penetram nas camadas
da atmosfera sem que haja reflexão.
Usadas nas comunicações via satélite.
O caso do canion em forma de L.

10
Reflexão(Bouncing)
Reflexão(Bouncing)
O problema do Espalhamento em vários
caminhos.
O sinal alcança o receptor através de vários caminhos
devido à reflexão
Pode causar o cancelamento do sinal se chegarem em
fases diferente.
Pode provocar eco, se os sinais não chegarem ao
receptor fora de sincronia.

Refração
Campo de visão(Line of Sight)
Refere-se à curvatura de uma onda.
Decorre do contato com partículas suspensas no ar Caminho limpo e reto do transmissor para o
e gotículas de água na atmosfera. receptor.

O horizonte absoluto linha reta entre o Sinais de alta frequência exigem um melhor
transmissor e o receptor campo de visão que os sinais de baixa frequência.

O horizonte aparente distância de alcance entre o


transmissor e o receptor decorrente da curvatura da
onda em torno da superfície da terra.

11
Penetração
Componentes genéricos de rádio
Fatores que determinam o grau de penetração:
Tipo de material
Densidade do material
Frequência e potência do sinal
Ex.: Raio-X
O metal não permite a penetração de sinais, o
sinal é absorvido como em uma antena.
Uma das razões para celulares não funcionarem
bem em elevadores

Componentes genéricos de rádio Componentes genéricos de rádio


Codificador do transmissor codifica o sinal Antena do transmissor converte o sinal elétrico
antes de enviá-lo ao modulador em ondas de rádio.
Modulador do transmissor responsável pela Antenar do receptor
modulação do sinal Filtro do canal receptor Permite a passagem
Amplificador do transmissor amplifica o sinal apenas dos sinais de frequência adequada para os
para que possua potência suficiente para alcançar outros componentes.
o receptor
Cabo do transmissor leva o sinal até a antena.

12
Antenas Antenas Ominidirecionais
Dividem-se em: Dipólo de meio comprimento de onda
Omnidirecionais Enviam sinais em todas as Dois condutores posicionados fim-a-fim com um
direções. pequeno espaço entre eles.
Direcionais Focalizam o sinal em uma direção O tamanho total dos dois condutores deve ser metade
específica. do comprimento de onda

Dipólo de um quarto de comprimento


Dipólo de meio
de onda
comprimento de onda
Tipo especial de dipólo de meio comprimento de
onda.
Consiste de um lado de uma dipólo de meio
comprimento de onda montada sobre alguma
superfície.
A superfície deve funcionar como um refletor para
simular a outra metade da dipólo de meio
comprimento de onda.
Ex.: Antena de carro, de telefones celulares, de
telefones sem fio.

13
Antenas direcionais
Antenas Yagi Antenas direcionais
Nome do seu inventor Dr. Hidetsugu Yagi
Antenas Setorizadas
Composta por:
Elemento Refletor - Passivo
Projetadas para dividir uma área de cobertura circular
em setores a fim de facilitar a alocação e o reuso.
Elemento Dirigido - Ativo
Elementos Diretores - Passivos Cada setor tem uma largura de 120 graus.
Ex.: Antenas de Televisão Usadas em telefonia celular
Antenas Planares Antenas Parabólicas
Todos os elementos são colocados no mesmo plano Usadas principalemente em transmissões via satélite.
Usada em radares

Antena Yagi Antenas Planares

14
Antenas Setorizadas
Antenas parabólicas

Tecnologias Existentes
Tecnologias sem fio fixas
Tecnolgias sem fio móveis
Tecnologias e padrões em redes sem
Tecnologias sem fio ópticas
fio

15
Serviço de distribuição multicanal e
Tecnologias fixas sem fio
multiponto(MMDS)
Tecnologia onde o transmissor e o receptor estão Opera na faixa de 2.5 a 2.7 Ghz
em uma posição fixa. Tecnologia complementar à DSL
Principais Tecnologias Provê velocidades entre 1 e 2 Mbps
MMDS
Permite distância entre os nós de aprox. 56Km
LMDS
Requer um campo de visão sem obstáculo
WLL
PTP Microwave
WLAN

Serviço de distribuição multicanal e


multiponto(MMDS) Serviço de ditribuição local
multiponto(LMDS)
Sistema de comunicação sem fio banda larga ponto a
multiponto.
Opera na faixa entre 28 e 38 Ghz.
Oferece velocidades superiores a 500Mbps.
Distância máxima limitada a aprox. de 5 a 8Km.
Também necessita um campo de visão limpo.
Pode ser afetado pelas condições do tempo.

16
Serviço de ditribuição local
multiponto(LMDS) Wireless Local Loop(WLL)
Refere-se a tecnologias fixas sem fio empregadas
para competir/substituir as redes de telefonia
convencionais.
Usa uma arquitetura ponto-a-multiponto.
Um rádio central(RPC) é conectado a uma séria
de RP's(estações base).
Os clientes acessam a rede através de unidades de
acesso fixas(FAU).
No Brasil, é explorado pela Vésper.

Wireless Local Loop(WLL)


Micro-ondas Ponto a Ponto(PTP)
Usada em comunicações ponto-a-ponto
Sofre com a absorção do sinal e espalhamento em
mútiplos caminhos.
Susceptível a condições chamadas:
Armortecimento da chuva o que limita a
distância entre o transmissor e o receptor.

17
Padrões para redes locais sem
Micro-ondas Ponto a Ponto(PTP)
fio(WLAN)
A padronização permitiu uma maior
dissseminação das redes sem fio.
Padrão criado pelo grupo 802 do IEEE
O padrão 802.11 foi criado em 26 de junho de 1997
Especifica desde o tempo até os custos associados à
criação de uma rede sem fio.
Esse padrão cobre a operação de controle d
acesso ao meio(MAC) e as camadas físicas.

A camada física do padrão 802.11


O padrão 802.11 Usam a banda de 2.4 Ghz
FHSS(Frequency Hopping Spread Spectrum)
802.11 define 3 Baseada no envio de rajadas de dados sobre várias
opções para a camada frequências
802.2 física: Os dados saltam entre um conjunto de frequências pré-
Infra-vermelho alocadas(geralmente quatro por comunicação).
802.11 MAC
Rádio Frequência DSSS(Direct Sequence Spread Spectrum)
FHSS DSSS IR DSSS Os dados são divididos em pedaços que são enviados
FHSS simultaneamente por tantas frequências quanto possível.
Permite maiores taxas de transferência, porém estão mais
susceptíveis a interferência.

18
Melhoramentos no padrão 802.11 Melhoramentos no padrão 802.11
original original
802.11g Estão trabalhando no desenvolvimento
O padrão 802.11 foi seguido pelo padrão 802.11b de taxas de transferência maiores usando a banda
e este pel padrão 802.11a com uma largura de de 2.4GHz.
banda cinco vezes maior 802.11h Estão desenvolvendo extensão no
Os padrões: gerenciamento de potência e espectro para o
802.11d Concentrado no desenvolvimento de padrão 802.11a para uso na Europa.
WLAN's em mercados não servidos pelo padrão atual.
802.11f Buscam desenvolver um protocolo que
permita a migração de dispositivos sem fio entre
pontos de acesso(AP) de diferentes fabricantes.

O padrão 802.11b O Padrão 802.11a


Usa DSSS na camada física Surgiu da enorme demanda às tecnologias
A competição de vários dispositivos pelo mesmo operando na banda de 2.4 GHz
espectro de 2.4GHz pode causar Provê velocidades de 25 a 54 Mbps
interferência(telefones sem fio, micro-ondas). Trabalha num spectro de 5GHz, uma banda
As redes Bluetooth menos usada e portanto com uma chance reduzida
Usam a mesma frequência deste padrão de interferência.
Utilizam FHSS na camada física Opera atualmente apenas nos EUA
Alterna entre milhares de frequências em um segundo,
levando a uma maior possibilidade de interferência nas
redes 802.11.

19
O Padrão 802.11e As WLANs e a arquitetura 802.11
Compatível com os padrões 802.11b e 802.11a. Uma rede 802.11 é composta por:
Implementa qualidade de serviço. Acess Point(AP)
Adequado a transmissões multimídia. Distribution System(DS)
Basic Service Set(BSS)
Realizou melhoramentos de segurança.
Extended Service Set(ESS)
Possibilita a transmissão de áudio e vídeo.
Permite serviços de voz sobre IP.

O Basic Service Set Tipos de estrutura


Modelo em que um ou mais dispositivos sem fio Redes Ad-Hoc Redes Estruturadas
comunicam-se com um Acess Point numa única
célula

20
Extended Service Set O mecanismo CSMA-CA
Composta por um conjunto de BSS's Controla o acesso ao meio.
Permite a migração(roam) de uma unidade móvel Uma unidade só transmite quando tem a atenção
entre dois AP's de maneira transparente. da unidade receptora.
A comunicação entre os BSS's é feita através do Chamado Listen Before Talking (LBT).
sistema de distribuição(DS). Antes de transmitir, o dispositivo verifica se está
O DS é a espinha dorsal de uma WLAN. ocorrendo alguma transmissão. Caso esteja, ele
aguarda um período de tempo randômico.

A migração entre células


O mecanismo RTS/CTS A migração(roaming) baseia-se no fato da UM
decidir o momento de mudar o seu acesso à rede de
Request To Send/Clear To Send um AP para outro com um sinal mais forte.
Evita que dois dispositivos tentem transmitir ao É baseado principalmente na taxa S/N.
mesmo tempo.
OS AP's emitem mensagens de sinalização(beacon)
Uma AP sempre envia um RTS para o dispositivo usadas para calcular a taxa S/N.
móvel antes de enviar os dados. O dispositivo
móvel deve responder com uma mensagem CTS Ao migrar a UM deve autenticar-se no novo AP para
para que se inicie a transmissão. que o sistema de reconfigure.
O HandOff

21
Segurança na WLAN WPAN's e a arquitetura 802.15
A vulnerabilidade das redes sem fio decorrente do WPAN Redes que abrangem o espaço em torno de
meio de transmissão utilizado. um dispositivo, aproximadamente 10 metros de raio.
O 802.11 provê três mecanismos para aumentar a Exemplos de redes ad-hoc.
segurança. Os dispositivos se encontram e se comunicam
O uso de SSID exigindo pouco esforço do usuário.
Autenticação através do endereço MAC As redes 802.15 são definidas como redes sem fio de
Serviço de privacidade usando um esquema de curta distância.
criptografia RC-4 dos dados transmitidos, chamado Redes com baixa custo de manutenção e
Wired Equivalency Privacy(WEP).
configuração.
Usa uma chave de 40 bits. Algumas empresas usam uma
chave 104 bits. Esforços têm sido dispensados à sua
interoperabilidade com equipamentos do padrão
802.11

Bluetooth Bluetooth
Nome baseado na figura do rei da Dinamarca Harold Dez ou mais piconets pode ser ligadas criando uma
Blaatand II(Bluetoothe) scatternet.
Inicio-se em 1994 com a Ericsson Distância padrão: 10 metros
Em 1998 grandes empresas se reuniram e criaram um Velocidade máxima é de 740 Kbps.
grupo de desenvolvimento do Bluetooth(SIG).
Não é uma tecnologia que exige campo de visão
Sua evolução está ameaçada pelo grande sucesso do
padrão 802.11. Pode gerar interferência em redes 802.11b há menos
de 10m.
Baseada em piconets Redes ad
- hoc;
Padrão 802.11f propõe uma interperabilidade com
As piconets são constituídas de um nó mestre e de no essas redes
máximos sete nós escravos ativos simultaneamente.

22
Tecnologias sem fio móveis
Bluetooth
Compreende basicamente a telefonia celular.
Rumos da tecnologia da telefonia móvel:
CDMA Estados Unidos.
GSM Europa.
As primeiras tecnologias focavam na comunicação
de voz.(1G e 2G)
As tecnologias emergentes visam tanto suportar
comunicação de voz quanto de dados.(2.5G e 3G)

Tecnologias de primeira geração Tecnologias da Segunda Geração


Tem seu início no final dos anos 70. Caracteriza-se pela implantação dos sistemas
Sistemas predominantes: digitais na telefonia móvel.
AMPS Advanced Mobile Phone System Alguns aparelhos permitem a migração entre
áreas de cobertura digital e analógicas.
TACS Total Access Communication System
NMT Nordic Mobile Telephone A americana Sprint PCS migrou para CDMA e o
resto do mundo optou pelo GSM.
Eram sistemas analógicos que não proviam uma
qualidade de sinal para sistemas de voz. São tecnologias incompatíveis.

23
Tecnologias 2.5G
Juntamente com as tecnologias 3G buscam a
Tecnologias da terceira geração
convergência dos dois padrões(CDMA e GSM) em Promete suportar aplicações que exigem grandes
direção a um padrão global interoperável. larguras de banda
Adequada para transmissões de voz e dados. Ex.: Transmissões de vídeo.
O protocolo WAP como forma de otimizar o uso da Principais tecnologias:
banda limitada em sistemas celulares. EDGE Enhanced Data Rates for GSM Evolution
O GPRS(General Packet Radio Service) foi criado Wideband CDMA
para permitir a comutação de pacotes em sistemas cdma2000
GSM que são baseados na comutação de circuitos. O UMTS(Universal Mobile Telecommunications
O GPRS quadruplicou o throughput dos sistemas System)
GSM. http://www.umtsworld.com/technology/overview.htm

A tecnologia EDGE Evolução tecnológica das redes sem


fio móveis
Permite às redes GSM existentes suportar e
oferecer serviços da terceira geração.
Possibilita uma velocidade de transmissão de
384Kbit/s.
Utiliza alguns conceitos da tecnologia TDMA.
Estrutura do quadro, canais lógicos e largura de banda
de 200kHz.
Uma uma nova técnica de modulação que permite
um uso mais efetivo do espectro(8PSK).

24
Wireless Application Protocol
Wireless Application Protocol
Atualmente sua especificação é mantida pelo WAP
Especificação aberta para entrega de dados Forum:
através de meio sem fio. http://www.openmobilealliance.org/tech/affiliates/wap/wap
index.html
Possibilita o acesso de conteúdo internet através
da telefonia móvel e de PDAs. A unidade móvel possui um browser embutido.
Não é proprietário. O acesso a Internet eh feito através de um gateway
WAP.
Não depende da rede.
Os browsers só interpretam um tipo especial de
Sua especificação iniciou-se em 1997 a partir de páginas escritas na linguagem WML.
um esforço conjunto das empresas: Nokia,
Ericsson, Phone.com e Motorola.

Global System for Mobile


Communications Global System for Mobile
Padrão internacional para transmissão de voz e Communications
dados. A Base Station Subsystem(BSS) é composta por:
O cartão SIM(Subscriber Identity Module) Estação transceptora Base(BTS) contém os componentes
Mantém informações e configurações pessoais que definem uma célula e os protocolos associados.
Componentes da arquitetura GSM: Controlador de estação base(BSC) gerencia os recursos
para as unidades transceptoras e a comunicação com as
Mobile Station centrais de comutação móvel(MSC).
Equipamento móvel
Cartão SIM
Base Station Subsystem
Network Subsystem

25
Global System for Mobile
Global System for Mobile
Communications
Communications
O Network Subsystem controla a comunicação
entre diferentes células;
É composto por:
MSC Central de comutação e controle
VLR Registro de localização de visitantes
HLR Registro de localização de UM local
AUC Central de autenticação
EIR Registro de identidade de equipamento

Limitações do GPRS
General Packet Ratio Service Capacidade da célula limitada para todos os usuários.
Velocidade muito inferior na realidade
Também chamada de GSM-IP
A velocidade de 170Kbps só é atingida se um único
Oferece velocidades entre 56 e 170 Kbps usuário estiver usando todos os timeslots.
Transmissão baseada em pacotes Usa uma técnica de modulação não muito
Tais taxas de transmissão tornam possível o eficiente(GMSK Gaussian minimum-shift keying).
tráfego multimídia. Atrasos na transmissão decorrentes de retransmissões
A comutação de pacotes permite um uso mais de pacotes perdidos durante a transmissão de dados
eficiente do spectro: os recursos de rádio são pelo meio sem fio.
usados apenas quando estão transmitindo ou
recebendo dados.

26
Short Message Service Tecnologias sem fio óticas
Sistema ótico Qualquer sistema que utilize a luz
Serviço que permite o envio de pequenas modulada para transmitir informações pelo ar usando
mensagens( geralmente 160 carcteres) a parte do espectro ótico.
aparelhos que suportam mensagens SMS.
Também conhecido como FSO(free space optics).
Serviço integrado à tecnologia GSM, mas
também suportado em outras tecnologias. Usam o laser infravermelho de baixa potência e uma
série de lentes e espelhos para direcionar diferentes
comprimentos de onda para o receptor.

Tecnologias sem fio óticas Tecnologias sem fio óticas


É uma tecnologia que exige campo de visão
Tem sua performance afetada por neblina e em
menor intensidade pela chuva.
Tecnologia full-duplex sem necessidade de
licenciamento para uso do spectro.
Transmite a uma taxa entre 10 e 155 Mbps com
uma distância máxima de 3.75 Km, em alguns
sistemas a taxas de 1.25Gbps com uma distância
máxima de 350 metros.

27