Вы находитесь на странице: 1из 5

Profª Maria da Glória de Souza Machado 1

Equilíbrio Químico

Seja a reação em fase aquosa abaixo, ocorrendo num recipiente fechado, sob pressão e
temperatura constante:
N2(g) + 3H2(g) 2NH3(g)

Gráfico 1: Variação das concentrações com o tempo:

− Em t = 0 → [reagentes] = máxima
[produtos] = 0
− A medida que a reação avança:
[reagentes] = diminui
[produtos] = aumenta
− A partir de t’, temos:
[reagentes] = constante
[produtos] = constante

A partir do tempo t’ o equilíbrio químico foi atingido; as concentrações de reagentes e


produtos permanecem inalteradas.

Obs: Durante uma reação a volume (V), pressão (P) e temperatura (T) constantes, ocorre
reversibilidade do processo (complexo ativado se transforma ou em produtos, ou, em
reagentes), portanto o processo é dinâmico, isto é, a reação ocorre nos dois sentidos o tempo
todo, porém quando o equilíbrio é atingido as velocidades nos dois sentidos se igualam.

Para o equilíbrio: N2(g) + 3H2(g) 2NH3(g)


temos:
* v1 = velocidade da reação no sentido direto (da esquerda para direita)
* v2 = velocidade da reação no sentido inverso (da direita para a esquerda)

Gráfico 2: Variação das velocidades com o tempo

em t = 0 → v1 = máxima e v2 = 0
em t’ → v1 = v2 → equilíbrio químico

No equilíbrio químico as concentrações de reagentes


e produtos permanecem inalteradas porque as
velocidades nos dois sentidos se igualam.

Cinética do Equilíbrio

Seja o equilíbrio hipotético abaixo sob V, P e T constantes:

aA(g) + bB(g) cC(g) + dD(g)

Se: v1 = K1[A]a[B]b e v2 = K2[C]c[D]d

No equilíbrio químico: v1 = v2 então: K1[A]a[B]b = K2[C]c[D]d  K1 = [C]c[D]d


K2 [A]a[B]b
Onde:
− K1/K2 = Kc = Constante de equilíbrio em função das concentrações molares.
− [A] e [B] = Concentração dos regentes, em mol/ L, no equilíbrio.
− [C] e [D] = Concentrações dos produtos, em mol/ L, no equilíbrio.
Profª Maria da Glória de Souza Machado 2
Expressão Geral da Constante de Equilíbrio em função das concentrações molares, Kc

Então para o equilíbrio hipotético: aA(g) + bB(g) cC(g) + dD(g) :

Kc = [C]c[D]d .
[A]a[B]b

onde os colchetes são usados para designar as concentrações, em mol/ L, no equilíbrio.

Obs: Kc tem um valor constante, para uma certa temperatura, independente das
concentrações iniciais, volume do recipiente ou pressão.

Equilíbrios Homogêneos e Heterogêneos

Equilíbrio Homogêneo → reagentes e produtos na mesma fase.


Equilíbrio Heterogêneo → reagentes e produtos em fases diferentes.

Exemplos:
1) H2(g) + Cl2(g) 2HCl(g) → Homogêneo
2) Na2CO3(s) Na2O(s) + CO2(g) → Heterogêneo

Obs: Nos equilíbrios heterogêneos, a expressão de constante de equilíbrio, Kc não


incluirá os sólidos e líquidos puros, pois suas concentrações molares são constantes.

Exemplos:
1− CaCO3(s) CaO(s) + CO2(g) => Kc = [CO2]

2− 3Ca2+(aq) + 2PO43-(aq) Ca3(PO4)2(s) => Kc = 1


[Ca2+]3[PO43-]2

3− HCN(aq) + H2O(l) H3O+(aq) + CN-(aq) => Kc = [H3O+][CN-]


[HCN]

Constante de Equilíbrio em função das Pressões Parciais (Kp)

Aplicável a equilíbrios homogêneos gasosos, ou equilíbrio heterogêneo, cuja constante de


equilíbrio é função, apenas, do componente do componente gasoso.

Expressão Geral da Constante de Equilíbrio em função das Pressões Parciais (Kp)

Para o equilíbrio gasoso hipotético abaixo, sob V, P e T constantes:


aA(g) + bB(g) cC(g) + dD(g) => Kp = (PC)c(PD)d
(PA)a(PB)b
Onde:
Kp = Constante de equilíbrio em função das pressões parciais.
PA = pressão parcial do reagente A no equilíbrio.
PB = pressão parcial do reagente B no equilíbrio.
PC = pressão parcial do produto C no equilíbrio.
PD = pressão parcial do produto D no equilíbrio.

Obs: Kp tem um valor constante, para uma certa temperatura, independente das
pressões parciais iniciais, volume do recipiente ou pressão.

Exemplos:
H2(g) + Cl2(g) 2HCl(g) → Homogêneo=> Kp = (PHCl)2
(PH2)( PCl2)

Na2CO3(s) Na2O(s) + CO2(g) → Heterogêneo=> Kp = (PCO2)


Relação entre Kp e Kc
Profª Maria da Glória de Souza Machado 3

Para o equilíbrio: aA(g) + bB(g) cC(g) + dD(g) , temos:

Kp = (PC)c(PD)d e Kc = [C]c[D]d
(PA)a(PB)b [A]a[B]b

Seja Pi, a pressão parcial de um componente qualquer da reação e ni o seu n de mol,


pela equação dos gases perfeitos (Clapeyron ) temos: PiV = ni ..R.T , então: Pi = ni ..R.T
V
se ni / V = [i] ( concentração molar do componente i), temos:  Pi = [i]RT

então para o equilíbrio: aA(g) + bB(g) cC(g) + dD(g) , temos:

Kp = ([C]RT)c ([D]RT)d = [C]c[D]d(RT)c+d => Kp = Kc(RT)[(c+d)-(a+b)]  Kp = Kc(RT)∆n


([A]RT)a([B]RT)b [A]a[B]b(RT)a+b

Onde:
− R = constante dos gases perfeitos (se P em atm e V em L → R = 0,082 atm.L. mol-1. K-1)
− T = temperatura absoluta (Kelvin)
− ∆n = ∑ coeficientes estequiométricos dos produtos - ∑ coeficientes estequiométricos dos
reagentes.

Exercícios
1) Escreva as expressões das constantes de equilíbrio Kc e Kp para cada uma das
seguintes reações:
a) 2 NO (g) + O2 (g) 2 NO2 (g)
b) NO (g) + ½ O2 (g) NO2 (g)
c) 5 CO (g) + I2O5 (g) I2 (g) + 5 CO2 (g)
d) I2 (g) + 5 CO2 (g) 5 CO (g) + I2O5 (g)
e) Ca (HCO3)2 (aq) CaCO3 (s) + H2O (l) + O2 (g)

PS) Deduza qual a relação entre as constantes dos itens a com b, e c com d.

2) Para a reação 3 H2 (g) + N2 (g) 2 NH3 (g) a 300ºC, sua constante de equilíbrio é,
Kc = 9,5. Sabendo que num recipiente de 10 litros, a 300ºC, há em equilíbrio 0,10 mol
de H2 e 0,20 mol de N2, pede-se:
a) qual a concentração em quantidade de matéria de NH3?
b) Qual o valor de Kp para o equilíbrio a 300°C?

3) A uma dada temperatura, foram encontradas em um frasco de 2,0 litros, as seguintes


massas em equilíbrio: H2 = 4,0 x 10-3 g; I2 = 12,7 g HI = 5,6 g
aaaaaaQual o valor de Kc e de Kp para a reação 2 HI (g) H2 (g) + I2 (g)?
Dados: H= 1,0 u; I= 127 u

Lei da Ação das Massas → Q = quociente da ação das massas → relação entre as
concentrações molares ou pressões parciais de reagentes e produtos em qualquer momento
da reação.

Logo, para a reação: aA(g) + bB(g) cC(g) + dD(g)

Q = [C]c[D]d ou Q = (PC)c(PD)d − Fora do equilíbrio Q ≠ Kc ou Kp


[A]a[B]b (PA)a(PB)b − No equilíbrio Q = Kc ou Kp

Obs2: ∆G = RTln(Q/K)
− Se Q < K → ∆G < 0 → Reação espontânea no sentido direto.
− Se Q > K → ∆G > 0 → Reação espontânea no sentido inverso.
− Se Q = K → ∆G = 0 → Equilíbrio químico.
Profª Maria da Glória de Souza Machado 4

Ex.Tem-se o equilíbrio 2HCI (g) H2 (g) + CI2 (g) cujo Kc a Tº C é 1,0 x 10-1.
Determine, justificando, o sentido em que a reação se desloca, e as concentrações no
equilíbrio quando põe-se a reagir em um frasco de 5,0 L:
a) 1,0 mol de H2 e 1,0 mol de CI2.
b) 1,0 mol de H2, 1,0 mol de CI2 e 2,0 mols de HCI.

Deslocamento de Equilíbrio

Princípio de Lê Chatelier: Quando um sistema em equilíbrio sofre qualquer perturbação


externa, o equilíbrio se desloca no sentido oposto ao da perturbação.

1− Influência das concentrações no equilíbrio


Seja o equilíbrio, sob V, T e P constantes: N2(g) + 3H2(g) 2NH3(g)
− Se aumentar [N2] ou de [H2] → o equilíbrio se desloca para a direita e o rendimento da
reação aumenta, pois N2 e H2 são reagentes da reação.
− Se aumentar [NH3] → o equilíbrio se desloca para a esquerda e o rendimento da reação
diminui, pois NH3 é produto.
− Se diminuir [N2] ou de [H2] → o deslocamento é para a esquerda e o rendimento da reação
diminui.
− Se diminuir [NH3] → o equilíbrio se desloca para a direita e o rendimento aumenta.

2− Influência da temperatura no deslocamento do equilíbrio


2.1 Seja a reação hipotética: A(g) B(g) , ∆H>0 (endotérmica)
− Se aumentar T e manter P e [ ] → o equilíbrio se desloca para a direita e o rendimento
aumenta, pois a reação é endotérmica (∆H>0: A + calor → B)
− Se diminuir T e manter a P e [ ] → o equilíbrio se desloca para esquerda pois a reação é
endotérmica.

2.2 Seja a reação hipotética: B(g) A(g) , ∆H<0 (exotérmica)


− Se aumentar T e manter P e [ ] → o equilíbrio se desloca para a esquerda e o rendimento
diminui, pois a reação é exotérmica (∆H<0: B(g) A(g) + calor)
− Se diminuir T e manter a P e [ ] → o equilíbrio se desloca para a direita e o rendimento
aumenta, pois a reação é exotérmica.

3− Influência da Pressão no deslocamento do Equilíbrio


O aumento da pressão produz diminuição do volume dos constituintes gasosos e
consequentemente suas concentrações aumentam, portanto:
− Se aumentar a P e manter a T e massas → o equilíbrio se desloca para o sentido onde o nº
total de moléculas gasosas for menor.

Ex1: N2(g) + 3H2(g) 2NH3(g)


Se aumentar P o equilíbrio se desloca para a direita e o rendimento aumenta, pois o nº
de moléculas gasosas do produto é menor do que dos reagentes.

Ex2: 2NO2(g) 2NO(g) + O2


Se aumentar a P, o deslocamento será para a esquerda, pois o nº de moléculas gasosas
do reagente é menor.

Ex3: H2(g) + I2(g) 2HI


Se aumentar ou diminuir a P, o equilíbrio não se desloca, pois o nº de moléculas dos
reagentes e produtos são iguais.
Exercícios
1) Para a reação 4 NH3 (g) + 3 O2 (g) 2 N 2 (g) + 6 H2O (g) , como a quantidade de NH3, no
equilíbrio, será afetada por:
a) Adição de O2 ao sistema? b) Remoção de água do sistema?
c) Aumento da pressão como conseqüência da d) Aumento da temperatura? (suponha que a
diminuição do volume do recipiente reação, apresenta ∆H>0)
Profª Maria da Glória de Souza Machado 5
Justifique suas respostas.

2) Tem-se a reação: N2(g) + 3 H2(g) 2 NH3 + 22 kcal

Um técnico apresentou como alternativa para aumentar o rendimento da reação, o aumento da


pressão, o aquecimento e o aumento da pressão parcial de N 2. Você concorda com essas
propostas? Justifique.