Вы находитесь на странице: 1из 25

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
LEI DE EXECUÇÕES PENAIS��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Das Características e classificação dos Estabelecimentos Penais��������������������������������������������������������������������������������2
Das Características gerais dos estabelecimentos penais������������������������������������������������������������������������������������������2
Comentários�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Da penitenciária������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Da Colônia Agrícola, Industrial ou Similar��������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Da Casa do Albergado��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Do Centro de Observação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico������������������������������������������������������������������������������������������������5
Da Cadeia Pública���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Dos Estabelecimentos Penais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Jurisprudência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Diferenciação das Penas Privativas de Liberdade����������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Alterações da Lei 13.167/2015 (Separação dos presos)��������������������������������������������������������������������������������������������������8
Advento da Lei 13.190/2015���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������10

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

LEI DE EXECUÇÕES PENAIS


Das Características e classificação dos Estabelecimentos Penais
Das Características gerais dos estabelecimentos penais
Art. 82. Os estabelecimentos penais destinam-se ao condenado, ao submetido à medida de segurança, ao
preso provisório e ao egresso.
§ 1º – A mulher será recolhida a estabelecimento próprio e adequando à sua condição pessoal.
§ 1° A mulher e o maior de sessenta anos, separadamente, serão recolhidos a estabelecimento próprio e
adequado à sua condição pessoal. (Redação dada pela Lei nº 9.460, de 04/06/97)
§ 2º – O mesmo conjunto arquitetônico poderá abrigar estabelecimentos de destinação diversa desde que
devidamente isolados.
Art. 83. O estabelecimento penal, conforme a sua natureza, deverá contar em suas dependências com
áreas e serviços destinados a dar assistência, educação, trabalho, recreação e prática esportiva.
§ 1º Haverá instalação destinada a estágio de estudantes universitários. (Renumerado pela Lei nº 9.046,
de 18/05/95)
§ 2º Os estabelecimentos penais destinados a mulheres serão dotados de berçário, onde as condenadas
possam amamentar seus filhos. (Incluído pela Lei nº 9.046, de 18/05/95)
§ 2° Os estabelecimentos penais destinados a mulheres serão dotados de berçário, onde as condenadas
possam cuidar de seus filhos, inclusive amamentá-los, no mínimo, até 6 (seis) meses de idade. (Redação
dada pela Lei nº 11.942, de 2009)
§ 3° Os estabelecimentos de que trata o § 2° deste artigo deverão possuir, exclusivamente, agentes do sexo
feminino na segurança de suas dependências internas. (Incluído pela Lei nº 12.121, de 2009).
§ 4° Serão instaladas salas de aulas destinadas a cursos do ensino básico e profissionalizante. (Incluído
pela Lei nº 12.245, de 2010)
§ 5° Haverá instalação destinada à Defensoria Pública. (Incluído pela Lei nº 12.313, de 2010).
Art. 84. O preso provisório ficará separado do condenado por sentença transitada em julgado.
§ 1° O preso primário cumprirá pena em seção distinta daquela reservada para os reincidentes.
§ 2° O preso que, ao tempo do fato, era funcionário da Administração da Justiça Criminal ficará em de-
pendência separada.
Art. 85. O estabelecimento penal deverá ter lotação compatível com a sua estrutura e finalidade.
Parágrafo único. O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária determinará o limite máximo
de capacidade do estabelecimento, atendendo a sua natureza e peculiaridades.
Art. 86. As penas privativas de liberdade aplicadas pela Justiça de uma Unidade Federativa podem ser
executadas em outra unidade, em estabelecimento local ou da União.
§ 1° A União Federal poderá construir estabelecimento penal em local distante da condenação para
recolher, mediante decisão judicial, os condenados à pena superior a 15 (quinze) anos, quando a medida se
justifique no interesse da segurança pública ou do próprio condenado.
§ 1° A União Federal poderá construir estabelecimento penal em local distante da condenação para
recolher os condenados, quando a medida se justifique no interesse da segurança pública ou do próprio
condenado. (Redação dada pela Lei nº 10.792, de 1º.12.2003)
§ 2° Conforme a natureza do estabelecimento, nele poderão trabalhar os liberados ou egressos que se
dediquem a obras públicas ou ao aproveitamento de terras ociosas.
§ 3° Caberá ao juiz competente, a requerimento da autoridade administrativa definir o estabelecimento
prisional adequado para abrigar o preso provisório ou condenado, em atenção ao regime e aos requisitos
estabelecidos. (Incluído pela Lei nº 10.792, de 1º.12.2003)
.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Comentários
Aqui vemos a quem se destinam os estabelecimentos penais: ao preso definitivo, possuindo es-
tabelecimento para preso que cumpre pena em regime fechado, semiaberto e aberto; preso provisó-
rio; submetido à medida de segurança; egresso.
Com fulcro no artigo 5°, inciso XLVIII, que diz que a pena será cumprida em estabelecimentos
distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado. A LEP versa sobre esse
assunto no § 1° do artigo 82, garantindo dessa forma para as mulheres e aos maiores de 60 anos con-
dições próprias, tendo em vista suas condições inerentes à sua fisiologia.
Já o parágrafo 2° prevê que, num mesmo conjunto arquitetônico, poderá haver diversos estabelecimen-
tos distintos. Devemos observar, porém, que quando falamos da casa de albergado, que se diferencia
dos demais sobremaneira, por possuir uma maior aproximação com o retorno do apenado à sociedade,
esse estabelecimento não possuirá limitações físicas e ficará em centros urbanos. Com isso se torna in-
compatível esse estabelecimento estar com os demais.
Como citado acima, os estabelecimentos femininos deverão ser exclusivos, pois deverão possuir,
conforme previsão da Constituição Federal, em seu artigo 5°, inciso L, “às presidiárias serão assegu-
radas condições para que possam permanecer com seus filhos durante o período de amamentação”. A
LEP prevê que a mãe presa deverá amamentar o seu filho por, no mínimo, 6 meses nos berçários.
O parágrafo 3°, do artigo 83 da LEP prevê mais uma característica dos estabelecimentos femini-
nos, obrigando como regra, no interior do estabelecimento, o serviço somente de agentes femininas.
Porém, devemos observar que no artigo 77, § 2º da própria LEP, há uma exceção para essa regra.
“No estabelecimento para mulheres somente se permitirá o trabalho de pessoal do sexo feminino,
salvo quando se tratar de pessoal técnico especializado”. Ou seja, fica claro, então, que a regra é que
o trabalho interno seja somente de agentes do sexo feminino. Todavia, desde que seja um trabalho
técnico, poderá ser exercido por agente do sexo masculino, trazendo, portanto, uma exceção à regra.
Dentro do conceito de individualização dos apenados nos estabelecimentos penais, temos, ainda,
a individualização para o condenado primário e reincidente, evitando uma possível contaminação
com a cultura criminal do preso contumaz. Bem como o que, ao tempo do fato, era funcionário
da administração da Justiça Criminal, também, deverá ter estabelecimento separado, por questões
óbvias de segurança. Deve a sua guia de recolhimento, inclusive, conter a sua qualidade.
Em seu livro, Rogério Sanches da Cunha deixa bem claro que a condição de prisão especial só é garan-
tida após trânsito em julgado para o preso que, à época do fato, era funcionário da administração da
justiça. Vejamos: “O nosso ordenamento jurídico prevê inúmeras outras hipóteses de prisão especial
(I – para dirigentes de entidades sindicais; II – pilotos de aeronaves mercantes; III – oficiais da marinha
mercante; IV – Juízes de paz etc.). Contudo, somente o funcionário da administração criminal tem
garantido, mesmo depois do trânsito em julgado da condenação, prisão especial. No mais dos casos, a
providência de cautela só tem sentido durante o período de prisão provisória. O art. 439 do CPP, com
a nova redação dada pela Lei 12.403/11, não mais assegura prisão especial àquela que tenha exercido
efetivamente a função de jurado.”
Em regra, o preso cumprirá a pena no local onde foi condenado. Porém o caput do artigo 86 da LEP dá
a possibilidade de cumprimento em unidade federativa diferente do local da condenação, havendo a
necessidade da transferência para outro estabelecimento.
Após advento da Lei 10.792/03, o parágrafo 1° do artigo 86 tem seu requisito temporal objetivo
revogado (Necessidade de pena superior a 15 anos). Bastando apenas o requisito subjetivo (interesse
da segurança pública ou do próprio condenado), medida essa que é aplicada aos presos que apresen-
tem risco à segurança social (não se deve confundir com a 2° hipótese de cabimento no RDD, como
já vimos) ou para sua própria segurança.
Da penitenciária
Art. 87. A penitenciária destina-se ao condenado à pena de reclusão, em regime fechado.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Parágrafo único. A União Federal, os Estados, o Distrito Federal e os Territórios poderão construir Pe-
nitenciárias destinadas, exclusivamente, aos presos provisórios e condenados que estejam em regime
fechado, sujeitos ao regime disciplinar diferenciado, nos termos do art. 52 desta Lei. (Incluído pela Lei nº
10.792, de 1º.12.2003)
Art. 88. O condenado será alojado em cela individual que conterá dormitório, aparelho sanitário e lava-
tório.
Parágrafo único. São requisitos básicos da unidade celular:
a) salubridade do ambiente pela concorrência dos fatores de aeração, insolação e condicionamento
térmico adequado à existência humana;
b) área mínima de 6,00m2 (seis metros quadrados).
Art. 89. Além dos requisitos referidos no artigo anterior, a penitenciária de mulheres poderá ser dotada
de seção para gestante e parturiente e de creche com a finalidade de assistir ao menor desamparado cuja
responsável esteja presa.
Art. 89. Além dos requisitos referidos no art. 88, a penitenciária de mulheres será dotada de seção para
gestante e parturiente e de creche para abrigar crianças maiores de 6 (seis) meses e menores de 7 (sete) anos,
com a finalidade de assistir a criança desamparada cuja responsável estiver presa. (Redação dada pela Lei
nº 11.942, de 2009)
Parágrafo único. São requisitos básicos da seção e da creche referidas neste artigo: (Incluído pela Lei nº
11.942, de 2009)
I – atendimento por pessoal qualificado, de acordo com as diretrizes adotadas pela legislação educacio-
nal e em unidades autônomas; e (Incluído pela Lei nº 11.942, de 2009)
II – horário de funcionamento que garanta a melhor assistência à criança e à sua responsável. (Incluído
pela Lei nº 11.942, de 2009)
Art. 90. A penitenciária de homens será construída, em local afastado do centro urbano, à distância que
não restrinja a visitação.

Da Colônia Agrícola, Industrial ou Similar


Art. 91. A Colônia Agrícola, Industrial ou Similar destina-se ao cumprimento da pena em regime semia-
berto.
Art. 92. O condenado poderá ser alojado em compartimento coletivo, observados os requisitos da letra a,
do parágrafo único, do artigo 88, desta Lei.
Parágrafo único. São também requisitos básicos das dependências coletivas:
a) a seleção adequada dos presos;
b) o limite de capacidade máxima que atenda os objetivos de individualização da pena.

Da Casa do Albergado
Da Casa do Albergado
Art. 93. A Casa do Albergado destina-se ao cumprimento de pena privativa de liberdade, em regime
aberto, e da pena de limitação de fim de semana.
Art. 94. O prédio deverá situar-se em centro urbano, separado dos demais estabelecimentos, e caracteri-
zar-se pela ausência de obstáculos físicos contra a fuga.
Art. 95. Em cada região haverá, pelo menos, uma Casa do Albergado, a qual deverá conter, além dos apo-
sentos para acomodar os presos, local adequado para cursos e palestras.
Parágrafo único. O estabelecimento terá instalações para os serviços de fiscalização e orientação dos con-
denados.

Do Centro de Observação
Art. 96. No Centro de Observação realizar-se-ão os exames gerais e o criminológico, cujos resultados
serão encaminhados à Comissão Técnica de Classificação.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Se não houver Centro de Observação, os exames serão realizados pela própria CTC.
Parágrafo único. No Centro poderão ser realizadas pesquisas criminológicas.
Art. 97. O Centro de Observação será instalado em unidade autônoma ou em anexo a estabelecimento
penal.
Art. 98. Os exames poderão ser realizados pela Comissão Técnica de Classificação, na falta do Centro de
Observação.

Do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico


Art. 99. O Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico destina-se aos inimputáveis e semi-imputá-
veis referidos no artigo 26 e seu parágrafo único do Código Penal.
Parágrafo único. Aplica-se ao hospital, no que couber, o disposto no parágrafo único, do artigo 88, desta
Lei.
Art. 100. O exame psiquiátrico e os demais exames necessários ao tratamento são obrigatórios para
todos os internados.
Art. 101. O tratamento ambulatorial, previsto no artigo 97, segunda parte, do Código Penal, será rea-
lizado no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico ou em outro local com dependência médica
adequada.

Da Cadeia Pública
Art. 102. A cadeia pública destina-se ao recolhimento de presos provisórios.
Art. 103. Cada comarca terá, pelo menos 1 (uma) cadeia pública a fim de resguardar o interesse da Ad-
ministração da Justiça Criminal e a permanência do preso em local próximo ao seu meio social e familiar.
Art. 104. O estabelecimento de que trata este Capítulo será instalado próximo de centro urbano, obser-
vando-se na construção as exigências mínimas referidas no artigo 88 e seu parágrafo único desta Lei.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Local de cumpri-
Espécie Pena Características
mento

Tem como preceito principal uma


maior vigilância por agrupar os presos
Em regime que cumprem pena de reclusão em regime
Penitenciária
Fechado fechado. (Observação dos requisitos
básicos de unidade celular, previsto no
parágrafo único do art. 88, LEP).

Possui uma menor vigilância e visa a


Na colônia uma maior coletividade entre os presos.
Em regime semia- agrícola,
(Observação dos requisitos básicos de
berto Industrial
ou Similar. unidade celular, previsto no parágrafo
único do art. 88, LEP).
Caracteriza-se por falta de obstáculos
Casa do alber-
Em regime Aberto físicos, pois se baseia no senso de respon-
gado
sabilidade e na autodisciplina.
Visa à realização de exames gerais e o
criminológico, cujo resultado será encami-
Realização de nhado à comissão técnica de classificação.
Centro de
exames gerais e crimino- (somente na ausência do centro de ob-
Observação
lógicos servação que o exame criminológico será
realizado na própria CTC). Podem ser
realizadas pesquisas criminológicas.
Hospital de
Abrange o semi-imputáveis e inimpu-
Semi-imputáveis e custódia e trata-
táveis. (Ver capítulo de medida de segu-
aos inimputáveis mento psiquiá-
rança).
trico
Cadeia Observa-se a proximidade com o
Presos provisórios
Pública centro urbano.

Dos Estabelecimentos Penais


Jurisprudência
PROGRESSÃO AO REGIME ABERTO. SUPERLOTAÇÃO E PRECARIEDADE DAS CASAS DE AL-
BERGADO. CONSTRANGIMENTO ILEGAL. OCORRÊNCIA. CUMPRIMENTO EM REGIME
ABERTO DOMICILIAR. POSSIBILIDADE. ORDEM CONCEDIDA.
1. Se, por culpa do Estado, o condenado não vem cumprindo pena em estabelecimento prisio-
nal adequado ao regime fixado na decisão judicial (aberto), resta caracterizado o constrangimento
ilegal.
2. A superlotação e a precariedade do estabelecimento penal, é dizer, a ausência de condições
necessárias ao cumprimento da pena em regime aberto, permite ao condenado a possibilidade de ser
colocado em prisão domiciliar, até que solvida a pendência, em homenagem aos princípios da digni-
dade da pessoa humana, da humanidade da pena e da individualização da pena.
3. Ordem concedida para que o paciente seja imediatamente colocado em regime aberto
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

domiciliar, até o surgimento de vaga em casa de albergado com condições mínimas necessárias ao
adequado cumprimento da pena em regime aberto, restabelecido o decisum de primeiro grau.
Encontrado em: ABERTO – AUSÊNCIA DE CASA DE ALBERGADO – PRISÃO DOMICILIAR
STJ – HABEAS CORPUS HC 216828 RS 2011/0201579-0 (STJ) Ministra MARIA THEREZA DE
ASSIS MOURA... ART : 00005 INC:00046 INC:00047 INC:00048 INC:00049 CONSTITUIÇÃO
FEDERAL DE 1988 REGIME PRISIONAL
A pena será cumprida em regime aberto até haver vaga no semiaberto.
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou ao juízo da 5ª Vara Criminal
da Comarca de Ribeirão Preto (SP) que Luiz Carlos Rodrigues cumpra em regime aberto a pena de
dois anos a que foi condenado pela prática do crime de falsificação de documento público (artigo 297
do Código Penal), até que haja vaga no regime semiaberto. Embora não tenha concedido a ordem
no Habeas Corpus (HC 100695) em que a defesa pedia a substituição da pena restritiva de liberdade
por restritiva de direitos, o ministro Gilmar Mendes determinou que, diante da noticiada ausência
de vagas em regime semiaberto em Ribeirão Preto, o condenado não seja encaminhado ao regime
fechado.
Importante consignar que, nos autos deste Habeas, o impetrante apresentou petição noticiando
a prisão do paciente e que, ante a ausência de vaga no regime semiaberto, seria ele encaminhado ao
cumprimento em regime fechado. Verifica-se que esta é uma conduta corriqueira no sistema prisional
brasileiro. Contudo, o réu não pode arcar com ingerência do Estado que, por falta de aparelhamento,
imputa ao condenado regime mais gravoso que o cominado no título judicial. Estou indeferindo da
ordem, mas com a ressalva de que, caso não haja vaga no regime semiaberto, o paciente cumpra a re-
primenda em regime mais benéfico, até a existência de vaga. O que não pode é ele ser mandado para o
regime fechado, afirmou o ministro relator.
O ministro Celso de Mello acompanhou o relator, afirmando que não se pode imputar ao condena-
do uma falha do Estado.
Os benefícios da substituição da pena restritiva de liberdade por restritiva de direitos e o sursis (suspen-
são condicional da pena) foram negados a Luiz Carlos Rodrigues pelo Tribunal de Justiça de São Paulo
(TJ-SP) sob o fundamento de que ele tem péssimos antecedentes criminais. No STJ, o HC foi parcial-
mente concedido no sentido do cumprimento da pena em regime semiaberto. Não satisfeita, a defesa
recorreu ao STF, mas não obteve a substituição da pena.
Irrepreensível o acórdão do Superior Tribunal porquanto decidiu em conformidade com a juris-
prudência desta Corte, no sentido de que, nos termos do artigo 44, inciso III, do Código Penal, para
que a pena privativa de liberdade possa ser substituída por restritiva de direitos, faz-se necessário que
as circunstâncias judiciais do paciente indiquem que a substituição é suficiente. Também afirmo o en-
tendimento deste Supremo de que, a despeito de a condenação aplicada ser inferior a quatro anos, há
circunstâncias desfavoráveis ao paciente, o que possibilita a aplicação do regime mais gravoso para o
cumprimento da pena do que aquele previsto no artigo 33, parágrafo 2º, ‘c’, do Código Penal, devendo
ser mantido o regime semiaberto, concluiu o ministro Gilmar Mendes.
Percebemos, então, com fulcro nesses dois informativos, que na ausência do estabelecimento
adequado para o cumprimento ao qual o apenado faz jus, devido à sua progressão de regime, a ju-
risprudência entende que o preso irá para o estabelecimento menos severo, ou seja, progredindo para
o semiaberto e, na inexistência da colônia agrícola, industrial ou estabelecimento similar, a ten-
dência é o preso cumprir em casa do albergado (estabelecimento destinado aos que cumprem pena
em regime aberto). E, na progressão para o regime aberto, inexistindo casa do albergado, o preso irá
cumprir em prisão domiciliar, até haver a previsão de vagas em seu estabelecimento adequado.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

Diferenciação das Penas Privativas de Liberdade


Regime Se- R e g i m e
Regime Fechado
miaberto Aberto
A pena será A pena será
cumprida em cumprida em casa
A pena é
Local de Cum- colônia agrícola, de albergado ou
cumprida em peni-
primento de pena industrial ou es- estabelecimento
tenciária.
tabelecimento congênere (Prisão
especial. domiciliar).
Necessidade de Não será sub-
exame criminoló- É obrigatório. É facultativo metido a exame
gico criminológico.
A vigilância é Não existirá
constante por ser vigilância, pois se
A vigilância
cumprida em peni- baseia na autodis-
Características será de mínima
tenciária (Institui- ciplina e no senso
segurança.
ções de média ou de responsabili-
máxima segurança). dade.
É admitido, desde É necessária
O trabalho
Do que sejam cumpridos a execução de
externo é permi-
Tr a b a l h o os requisitos previstos algum trabalho
tido e incentivado
Externo em lei e em obras ou para gozar desse
como regra.
serviços públicos. regime.

Alterações da Lei 13.167/2015 (Separação dos presos)


Separação de presos no estabelecimento prisional
A LEP, desde a sua redação original, sempre previu que, dentro do estabelecimento prisional, os
presos provisórios deverão ficar separados dos presos condenados definitivamente. Essa determina-
ção está insculpida no art. 84, caput:
Art. 84. O preso provisório ficará separado do condenado por sentença transitada em julgado.
Preso condenado definitivamente: é aquele que foi condenado e a sentença já transitou em
julgado.
Preso provisório: é aquele que ainda não foi condenado com sentença transitada em julgado,
estando, portanto, preso em virtude de uma prisão cautelar (provisória). Vale ressaltar que, nessa ca-
tegoria de preso provisório, inclui-se tanto a pessoa que ainda nem foi julgada, mas se encontra presa
preventivamente, como o indivíduo que já foi condenado, mas aguarda o julgamento de recurso.
O que fez a Lei nº 13.167/2015?
Criou novos critérios para a separação dos presos no estabelecimento prisional.
O legislador pensou o seguinte: não basta que os presos provisórios fiquem separados dos presos
condenados definitivamente (art. 84, caput). Isso está certo, mas ainda é pouco. É necessário que, na
ala destinada aos presos provisórios, eles sejam divididos de acordo com a espécie de crime pelo qual
estão acusados. De outro lado, na parte do presídio reservada aos presos definitivos, estes também
deverão ser separados conforme a gravidade do crime pelo qual foram condenados.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

Em suma, além de separar os presos em provisórios e condenados, o legislador entendeu necessário


separá-los de acordo com a espécie do crime imputado.
Vejamos como ficou:
REGRA GERAL:
O preso provisório ficará separado do preso condenado por sentença transitada em julgado.

O preso provisório ficará recolhido em cela diferente do preso já condenado definitivamente.


PRESOS PROVISÓRIOS: PRESOS CONDENADOS:
Os presos provisórios ficarão sepa- Os presos condenados definitiva-
rados de acordo com os seguintes mente ficarão separados de acordo
critérios: com os seguintes critérios:
I – acusados pela prática de crimes I – condenados pela prática de
hediondos ou equiparados; crimes hediondos ou equiparados;
II – acusados pela prática de crimes II – reincidentes condenados pela
cometidos com violência ou grave prática de crimes cometidos com
ameaça à pessoa; violência ou grave ameaça à pessoa;
III – acusados pela prática de outros III – primários condenados pela
crimes ou contravenções diversos prática de crimes cometidos com
dos apontados nos incisos I e II. violência ou grave ameaça à pessoa;
IV – demais condenados pela
prática de outros crimes ou contra-
venções em situação diversa das pre-
vistas nos incisos I, II e III.

Qual é o fundamento para essa alteração?


O objetivo do legislador foi o de contribuir para a ressocialização dos reeducandos, evitando que
presos acusados ou condenados por crimes menos graves e violentos convivam diuturnamente com
outros presos a quem são imputados delitos hediondos e violentos.
Dessa forma, busca-se evitar que criminosos contumazes ou perigosos possam cooptar conde-
nados primários que, em tese, teriam maior possibilidade de ressocialização.
Regras Mínimas da ONU para Tratamento das Pessoas Presas
Além disso, o Brasil, ao alterar sua legislação prevendo novos critérios de separação dos detentos,
atende à recomendação internacional prevista no item 8 das Regras Mínimas da ONU para Trata-
mento das Pessoas Presas:
Separação de categorias
8. As diferentes categorias de presos deverão ser mantidas em estabelecimentos prisionais sepa-
rados ou em diferentes zonas de um mesmo estabelecimento prisional, levando-se em consideração
seu sexo e idade, seus antecedentes, as razões da detenção e o tratamento que lhes deve ser aplicado.
(...)
Quando a lei exige que os presos fiquem separados de acordo com os critérios acima expostos,
isso significa que deverão ser construídos novas unidades prisionais? Eles deverão, obrigatoria-
mente, ficar em estabelecimentos prisionais distintos?
NÃO. Não é necessário que os presos fiquem em prédios separados. O mesmo conjunto arquitetônico
poderá abrigar estabelecimentos de destinação diversa desde que devidamente isolados (§ 2º do art. 82
da LEP).
Basta que, dentro da unidade prisional, haja a separação bem nítida e concreta entre os diversos
tipos de preso.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
AlfaCon Concursos Públicos

Assim, dentro de uma mesma unidade prisional podem ficar presos provisórios e condenados,
mas é necessário que eles sejam separados por meio de pavilhões ou ala, havendo um isolamento de
forma a impedir o contato.
De igual forma, no pavilhão dos presos provisórios e no pavilhão dos presos condenados, deverá haver
a subdivisão em alas, raias ou celas de acordo com os critérios impostos nos §§ 1º e 3º do art. 84 da LEP.
Preso ameaçado
A Lei nº 13.167/2015 também traz a previsão de que os presos que estiverem ameaçados deverão
ficar separados dos demais:
Art. 84 (...)
§ 4º O preso que tiver sua integridade física, moral ou psicológica ameaçada pela convivência com os
demais presos ficará segregado em local próprio.” (NR)
Vejamos a íntegra da Lei:
Art. 1º O art. 84 da Lei no 7.210, de 11 de julho de 1984 – Lei de Execução Penal, passa a vigorar com as
seguintes alterações:
“Art. 84. (...)
§ 1º Os presos provisórios ficarão separados de acordo com os seguintes critérios:
I – acusados pela prática de crimes hediondos ou equiparados;
II – acusados pela prática de crimes cometidos com violência ou grave ameaça à pessoa;
III – acusados pela prática de outros crimes ou contravenções diversos dos apontados nos incisos I e II.
(...)
§ 3º Os presos condenados ficarão separados de acordo com os seguintes critérios:
I – condenados pela prática de crimes hediondos ou equiparados;
II – reincidentes condenados pela prática de crimes cometidos com violência ou grave ameaça à pessoa;
III – primários condenados pela prática de crimes cometidos com violência ou grave ameaça à pessoa;
IV – demais condenados pela prática de outros crimes ou contravenções em situação diversa das pre-
vistas nos incisos I, II e III.
§ 4º O preso que tiver sua integridade física, moral ou psicológica ameaçada pela convivência com os
demais presos ficará segregado em local próprio.” (NR)
Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Advento da Lei 13.190/2015


(Da execução indireta nas atividades materiais acessórias, instrumentais ou complementares de-
senvolvidas em estabelecimentos penais e das funções indelegáveis que exigem o poder de polícia).
Art. 83-A. Poderão ser objeto de execução indireta as atividades materiais acessórias, instrumentais ou
complementares desenvolvidas em estabelecimentos penais, e notadamente: (Incluído pela Lei nº 13.190,
de 2015).
I – serviços de conservação, limpeza, informática, copeiragem, portaria, recepção, reprografia, tele-
comunicações, lavanderia e manutenção de prédios, instalações e equipamentos internos e externos;
(Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).
II – serviços relacionados à execução de trabalho pelo preso. (Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).
§ 1° A execução indireta será realizada sob supervisão e fiscalização do poder público. (Incluído pela Lei
nº 13.190, de 2015).
§ 2° Os serviços relacionados neste artigo poderão compreender o fornecimento de materiais, equipamen-
tos, máquinas e profissionais. (Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
10
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 83-B. São indelegáveis as funções de direção, chefia e coordenação no âmbito do sistema penal, bem
como todas as atividades que exijam o exercício do poder de polícia, e notadamente: (Incluído pela Lei nº
13.190, de 2015).
I – classificação de condenados; (Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).
II – aplicação de sanções disciplinares; (Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).
III – controle de rebeliões; (Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).
IV – transporte de presos para órgãos do Poder Judiciário, hospitais e outros locais externos aos estabe-
lecimentos penais. (Incluído pela Lei nº 13.190, de 2015).
Exercícios
01. Assinale a alternativa correta, nos termos da Lei de Execução Penal.
a) A penitenciária de homens será construída em local afastado do centro urbano, mesmo que
assim restrinja a visitação.
b) A penitenciária de mulheres será dotada de seção para gestante e parturiente e de creche.
c) A área mínima da cela individual, nas penitenciárias, deve ser de dez (10) metros quadrados.
d) A penitenciária destina-se ao condenado à pena de detenção ou de reclusão.
e) O preso provisório pode ficar na mesma cela do condenado por sentença transitada em
julgado.
02. Sobre os estabelecimentos penais, assinale a alternativa correta segundo a Lei de Execução
Penal:
a) O mesmo conjunto arquitetônico não poderá abrigar estabelecimentos penais de destinação
diversa, ainda que devidamente isolados.
b) A mulher e o maior de setenta anos, separadamente serão recolhidos estabelecimento penal
próprio e adequado à sua condição pessoal.
c) Os estabelecimentos penais destinam-se ao condenado, ao submetido à medida de seguran-
ça, ao preso provisório e ao egresso.
d) As penas privativas de liberdade aplicadas pela Justiça de uma Unidade Federativa não
podem ser executadas em outra unidade prisional.
e) O Juiz competente para as execuções penais determinará o limite máximo de capacidade do
estabelecimento, atendendo à sua natureza e peculiaridades.
Gabarito
01 - B
02 - C

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
11
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
12
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
13
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
14
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
15
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
16
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
17
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
18
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
19
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
20
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
21
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
22
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
23
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
24
AlfaCon Concursos Públicos

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
25