Вы находитесь на странице: 1из 38

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 1 de 38
Olá, meu povo! Sejam bem-vindos ao Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais. Nossos estudos contemplarão:
RACIOCÍNIO LÓGICO E QUANTITATIVO
- Conceitos Iniciais de Lógica
- Estruturas Lógicas
- Lógica de Argumentação
- Estruturas Lógicas
- Análise Combinatória

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


- Probabilidade
- Questões Lógicas

Vamos a algumas considerações:


1) Raciocínio Lógico não é difícil. Para aqueles que não vêem com bons olhos este assunto, podem tirar o cavalinho
da chuva. Não precisa ser um “nerd” ou um gênio da matemática (acreditem: não sou nenhum dos dois!) para resolver
as questões de RL. Porém, duas coisas são indispensáveis: CONCENTRAÇÃO e EXERCÍCIOS. Quando falo em exer-
cícios, não falo em 1 ou 2. É preciso praticar o raciocínio lógico, pois, com o tempo, a caneta escreverá sozinha, pois a
mente já está acostumada ao trabalho.
2) O Raciocínio Lógico não é só para concursos, e sim para a vida. Não adianta também chegar em sala de aula,
concentrar-se e fazer os exercícios recomendados. A mente tem que estar “preparada para pensar”. Se alguém não
conhece Sodoku ou Kakuro, recomendo-os. São desafios para que você se acostume a sempre pensar com lógica de
raciocínio.
3) Não adianta estudar somente na sala de aula. Os alunos que estudam Raciocínio Lógico são iguais a Pokemons:
SEMPRE EVOLUINDO! Na sala de aula, você aprende as teorias, comprova em exercícios, tira suas dúvidas. Mas, é
em casa que acontece a fixação.
Acho que é isso! Então, vamos à luta e bons estudos.
PH

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 2 de 38
MÓDULO I – CONCEITOS BÁSICOS

Antes de adentrarmos nos tópicos propriamente ditos, precisamos conhecer um pouco sobre os conceitos iniciais do Raciocínio
Lógico. Vão nos servir para resolvermos questões futuramente.
Proposição: uma sentença declarativa, que será expressa por meio de palavras e números. Uma frase em que nós possamos
atribuir a ela o valor VERDADEIRO ou FALSO;
Exemplos:
- Fortaleza é capital do Ceará. (verdade!)

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


- 10 = 5 + 5 (verdade!)
- O gato late. (Falso!)
- Paulo Henrique é professor. (Também é uma proposição, pois é uma sentença declarativa, mas o valor lógico verdadeiro ou
falso é indeterminado, ou seja, ninguém sabe mesmo se esse cara é mesmo professor... :-D).
E se alguém disser: “Feliz ano novo!”, será que isso é uma proposição verdadeira ou falsa? Nenhuma, pois não se trata de uma
sentença para a qual se possa atribuir um valor lógico. Concluímos, pois, que...
- sentenças exclamativas: “Caramba!” ; “Que carro veloz!”
- sentenças interrogativas: “como é o seu nome?” ; “o jogo foi de quanto?”
- sentenças imperativas: “Estude mais.” ; “Leia aquele livro”.
... não são consideradas proposições. Somente aquelas primeiras – sentenças declarativas – são proposições, pois podemos atri-
buir um valor lógico verdadeiro ou falso.
Importante: Sentenças que não possuem verbo não podem ser consideradas declarativas, conseqüentemente também não são
proposições. ‘O carro é azul’ é uma proposição, porém ‘o carro azul’, por não conter o verbo, não pode ser considerada uma propo-
sição.

Exemplo1: Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica em comum, enquanto uma delas
não tem essa característica.
I. Que belo dia!
II. Um excelente livro de raciocínio lógico.
III. O jogo terminou empatado?
IV. Existe vida em outros planetas do universo.
V. Escreva uma poesia.
A frase que não possui essa característica comum é a:
(A) I. (B) II. (C) III. (D) IV. (E) V.
Exemplo2: Nas sentenças abaixo, apenas A e D são proposições.
A: 12 é menor que 6.
B: Para qual time você torce?
C: x + 3 > 10.
D: Existe vida após a morte.
(Verdadeiro) (Falso)

As proposições podem assumir tanto o valor lógico V ou valor lógico F. São proposições simples. A partir das proposições, pode-
mos definir dois princípios basilares. São eles:

1
Gabarito: D
2
Gabarito: V

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 3 de 38
Princípio da Identidade Uma proposição verdadeira é sempre verdadeira. Uma proposição falsa é sempre falsa.
Princípio da não-contradição Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa simultaneamente.
Princípio do Terceiro Excluído Uma proposição só pode ter dois valores verdades, isto é, é verdadeiro (V) ou falso (F), não
podendo ter outro valor.

Também temos as proposições compostas. São duas ou mais proposições simples, conectadas entre si. Assim, para dizer que uma
proposição composta é verdadeira ou falsa, isso dependerá de duas coisas:
 do valor lógico das proposições componentes;

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


 do tipo de conectivo que as une.
Exemplo:
- Carlos fiscaliza a empresa A E João fiscaliza a empresa B.
Nessa sentença, conhecemos o CONECTIVO ou CONECTIVO LÓGICO. É a parte que conecta, junta duas ou mais proposições.
Nesse exemplo, temos o conectivo E.
Tabela-verdade: é um instrumento eficiente para a especificação de uma composição de proposições. Ao montá-la, conseguiremos
visualizar todas as possibilidades de uma determinada proposição composta. Ela mostra o valor resultando quando um operador
lógico é usado para agregar duas proposições, formando uma proposição complexa e nova.
Montamos assim: Suponha que as duas proposições sendo agregadas sejam A (Carlos fiscaliza a empresa A) e B (João fiscaliza a
empresa B). Cada uma dessas proposições terá dois possíveis valores-verdade: verdadeiro ou falso. Isso nos dá quatro possíveis
combinações.
Proposição 1 Proposição 2 Resultado
Carlos fiscaliza a empresa A (A) João fiscaliza a empresa B (B) A^B
V V V
V F F
F V F
F F F
Exemplo de Tabela-verdade

Em uma tabela-verdade para duas proposições, encontramos 4 valores possíveis. Porém, o que acontecerá com uma tabela-
verdade com 3 proposições? Encontraremos 8 resultados possíveis. Como? O resultado será 2 “elevado” ao número de proposi-
ções da questão. No nosso caso, 23 = 8. como treino, tentem montar a tabela-verdade abaixo. Porém, não antes de conhecermos
os conectivos.
A B C ~A ~C ~A v B A ^ ~C (~A v B) -> (A ^ ~C)

Conectivos: Nada mais é do que a junção entre duas ou mais proposições. Vamos conhecer as principais delas:

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 4 de 38
Conectivo E
A B A^B Também chamado de conjunção, foi utilizado nesse no exemplo de tabela-verdade.
V V V IMPORTANTE! Ao utilizarmos a conjunção, temos que, para que a proposição composta seja verdadeira, as pro-
V F F
posições componentes têm obrigatoriamente que ser verdadeiras. Se não, a proposição composta será falsa.
F V F
F F F

Conectivo OU
A B A∨B Também chamado de disjunção.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


V V V IMPORTANTE! Nesse conectivo, será falsa quando as duas partes que a compõem forem ambas falsas. E nos
V F V demais casos, a disjunção será verdadeira.
F V V
F F F Por exemplo: Paulo joga futebol ou Paulo assiste um filme.

Conectivo SE... ENTÃO


Também chamado condicional, somente será falso se a primeira proposição for verdadeira e a segunda falsa.
A B A→B
Diferente dos outros conectivos anteriores, esse requer um pouco mais de atenção. Vamos dar um exemplo para
V V V
elucidar o caso.
V F F
F V V Pergunto, então, a vocês: alguém sabe onde eu nasci? Se disserem no Ceará (por favor, não falem da minha
F F V cabeça!!!), acertaram. E, se eu nasci no Ceará, então também posso dizer que sou brasileiro. Até aí, tudo bem?
Com essas duas proposições simples, vamos montar nossa proposição composta: Se Paulo é cearense, então Paulo é brasileiro.
Agora, vamos montar nossa tabela-verdade.
1ª Se sou cearense (1ª proposição verdadeira), posso ser brasileiro (2ª proposição verdadeira)? Lógico que sim. Então, o
linha resultado será verdadeiro.
2ª Agora, se sou cearense (1ª proposição verdadeira), posso NÃO ser brasileiro (2ª proposição falsa)? Aí, complicou! Então,
linha o resultado será falso.
3ª Se NÃO sou cearense (1ª proposição falsa), posso ser brasileiro (2ª proposição verdadeira)? Verdadeiro, certo?
linha
4ª Se NÃO sou cearense (1ª proposição falsa), posso NÃO ser brasileiro (2ª proposição falsa)? Verdadeiro, também.
linha
Então, se, na hora da prova, tiverem alguma dúvida sobre o conectivo condicional, é só lembrar da frase e montar a tabela-verdade.
As seguintes expressões podem se empregar como equivalentes de "Se p, então q":
Se A, B A é condição suficiente para B.
B, se A B é condição necessária para A.
Quando A, B A somente se B.
A implica B Todo A é B.
Daí, a proposição condicional: “Se chove, então faz frio” poderá também ser dita das seguintes maneiras:
⇒ Se chove, faz frio. ⇒ Chover é condição suficiente para fazer frio.
⇒ Faz frio, se chove. ⇒ Fazer frio é condição necessária para chover.
⇒ Quando chove, faz frio. ⇒ Chove somente se faz frio.
⇒ Chover implica fazer frio. ⇒ Toda vez que chove, faz frio.

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 5 de 38
Se as proposições p e q forem representadas como conjuntos, por meio de um diagrama, a proposição condicional "Se p então q"
corresponderá à inclusão do conjunto p no conjunto q (p está contido em q)

Conectivo ...SE E SOMENTE SE...

A B A↔B Também chamado de bicondicional, é uma conjunção entre duas condicionais. Então, a bicondicional será falsa
V V V somente quando os valores lógicos das duas proposições que a compõem forem diferentes. Em suma: haverá
V F F duas situações em que a bicondicional será verdadeira: quando antecedente e conseqüente forem ambos verda-
F V F deiros, ou quando forem ambos falsos. Nos demais casos, a bicondicional será falsa.
F F V Assim, ao termos a proposição “Melchiades trabalha se somente se Gionovaldo dorme”, concluímos que, se

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Melchiades trabalha, então Gionovaldo dorme E se Gionovaldo dorme, então Melchiades trabalha.

Conectivo OU... OU...

A B A\/B Também chamada de disjunção exclusiva, apresenta duas situações mutuamente excludentes, ou seja, se uma
V V F delas pode ser verdadeira, a outra será necessariamente falsa. Ambas nunca poderão ser, ao mesmo tempo,
V F V verdadeiras; ambas nunca poderão ser, ao mesmo tempo, falsas.
F V V Exemplo: no dia do aniversário de meu filho Hector, eu disse: Ou te dou um jogo, ou te dou um livro. Posso dar os
F F F dois presentes: claro que não. São EXCLUDENTES. Por isso, caso eu dê um livro, necessariamente não poderei
dar um jogo, e vice-versa.

Negação das proposições

A ~A ou ¬A Não é bem um conectivo, porém é muito utilizado para negar as proposições. Se pergunto: qual é a negação da
proposição “Renata vai ao médico”. Resposta: “Renata NÃO vai ao médico”. Difícil, não??? Mas, cuidado: caso
V F apareça a expressão “Não é verdade” ou “É falso”, elas têm o mesmo significado de uma negação.
F V

Exemplo3: Considere que as letras P, Q, R e T representem proposições e que os símbolos ¬, v, ^ e → sejam operadores
lógicos que constroem novas proposições e significam não, e, ou e então, respectivamente. Na lógica proposicional, cada
proposição assume um único valor (valor-verdade), que pode ser verdadeiro (V) ou falso (F), mas nunca ambos.
Com base nas informações apresentadas no texto acima, julgue os itens a seguir.
Se as proposições P e Q são ambas verdadeiras, então a proposição (¬ P) v (¬ Q) também é verdadeira.
(Verdadeiro) (Falso)
Se a proposição T é verdadeira e a proposição R é falsa, então a proposição R → (¬ T) é falsa.
(Verdadeiro) (Falso)
Se as proposições P e Q são verdadeiras e a proposição R é falsa, então a proposição (P ^ R) → (¬ Q) é verdadeira.
(Verdadeiro) (Falso)
Exemplo4: Dadas as proposições
I) ~( 1 + 1 = 2 <-> 3 + 4 = 5 )
II) ~( 2 + 2 ≠ 4 ^ 3 + 5 = 8 )
III) 43 ≠ 64 <-> ( 3 + 3 = 7 <-> 1 + 1 = 2 )
IV) (23 ≠ 8 v 42 ≠ 43)
V) 34 = 81 <-> ~( 2 + 1 = 3 ^ 5 x 0 = 0)
A que tem valor lógico FALSO é a:
(A) IV (B) V (C) III (D) II (E) I

3
Gabarito: F – F – V
4
Gabarito: B

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 6 de 38
Proposições Logicamente Equivalentes: Dizemos que duas proposições são logicamente equivalentes (ou simplesmente que
são equivalentes) quando são compostas pelas mesmas proposições simples e os resultados de suas tabelas-verdade são idênti-
cos.
Uma conseqüência prática da equivalência lógica é que ao trocar uma dada proposição por qualquer outra que lhe seja equivalente,
estamos apenas mudando a maneira de dizê-la. A equivalência lógica entre duas proposições, p e q, pode ser representada simbo-
licamente como: p  q , ou simplesmente por p = q.
Começaremos com a descrição de algumas equivalências lógicas básicas, as quais convém conhecermos bem, a fim de as utili-
zarmos nas soluções de diversas questões.
Equivalências Básicas:

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


1ª) p e p = p 2ª) p ou p = p
3ª) p e q = q e p 4ª) p ou q = q ou p
5ª) p ↔ q = q ↔ p 6ª) p ↔ q = (p → q) e (q → p)

Equivalências da Condicional
As duas equivalências que se seguem são de fundamental importância. Inclusive, serão utilizadas para resolver algumas questões
do dever de casa que ficaram pendentes. Estas equivalências podem ser verificadas, ou seja, demonstradas, por meio da compara-
ção entre as tabelas-verdade. Ficam como exercício para casa estas demonstrações. São as seguintes as equivalências da condi-
cional:
1ª) Se p, então q = Se não q, então não p. => _________________________________________________________________
Exemplo: Se chove então me molho = Se não me molho então não chove
2ª) Se p, então q = Não p ou q. => _________________________________________________________________
Exemplo: Se estudo então passo no concurso = Não estudo ou passo no concurso
Bom, vamos à prova dos nove. E o trabalho agora é de vocês! A tabela-verdade está montada. Provem, realmente, que essas
proposições são equivalentes:
P Q ~P ~Q ~Q → ~P ~P v Q
V V
V F
F V
F F

Exemplo5: Considere verdadeira a declaração: “Se alguém é brasileiro, então não desiste nunca”. Com base na declaração,
é correto concluir que:
(A) se alguém desiste, então não é brasileiro.
(B) se alguém não desiste nunca, então é brasileiro.
(C) se alguém não desiste nunca, então não é brasileiro.
(D) se alguém não é brasileiro, então desiste.
(E) se alguém não é brasileiro, então não desiste nunca.
Exemplo6: A afirmação: “João não chegou ou Maria está atrasada” equivale logicamente a:
a) Se João não chegou, Maria está atrasada.
b) João chegou e Maria não está atrasada.
c) Se João chegou, Maria não está atrasada.
d) Se João chegou, Maria está atrasada.

5
Gabarito: A
6
Gabarito: D

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 7 de 38
e) João chegou ou Maria não está atrasada.

Negação de Proposições Compostas: Para facilitar o nosso trabalho futuramente, em questões que iremos resolver, vamos
conhecer logo o que acontece com proposições compostas quando negativadas. Daí, conheceremos também quando duas propo-
sições compostas são equivalentes.
Para termos duas proposições equivalentes, é necessário que suas tabelas-verdade sejam idênticas. E vamos provar...
Negação de uma proposição disjuntiva: _____________________________
Para negarmos uma proposição no formato de disjunção, faremos o seguinte:

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


1) Negaremos a primeira;
2) Negaremos a segunda;
3) Trocaremos OU por E.
Para provarmos, vamos mostrar a tabela-verdade de ambas.
A B A∨B ~(A ∨ B) A B ~A ~B (~A ∧ ~B)
V V V V
V F V F
F V F V
F F F F
Conseguiram enxergar? Agora, toda vez que tivermos uma negação de uma conjunção, só precisaremos negar a primeira e a
segunda proposição, e trocarmos OU por E.
Agora, responda: qual é a negação de “Bárbara não é bailarina ou Hector é músico”?
R: _________________________________________________________________________________

Negação de uma proposição conjuntiva: _____________________________


Bem parecida com a anterior. Faremos o seguinte:
1) Negaremos a primeira;
2) Negaremos a segunda;
3) Trocaremos E por OU. (comparem as duas!)
Agora, montem a tabela-verdade para corroborar com o afirmado.
A B A∧B ~(A ∧ B) A B ~A ~B (~A ∨ ~B)
V V V V
V F V F
F V F V
F F F F

Então, resumindo:

Em qualquer dos dois casos, negam-se as duas, depois é só trocar: se for E, coloca OU; se for OU coloca E.

Exemplo7: A negação da afirmação “a onça é pintada ou a zebra não é listrada” é:


A) a onça não é pintada ou a zebra é listrada.
B) a onça não é pintada ou a zebra não é listrada.

7
Gabarito: C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 8 de 38
C) a onça não é pintada e a zebra é listrada.
D) a onça não é pintada e a zebra não é listrada.
E) a onça não é pintada ou a zebra pode ser listrada.
Exemplo8: A negação da proposição “O concurso será regido por este edital e executado pelo CESPE/UnB” estará corre-
tamente simbolizada na forma (¬A) ^ (¬B), isto é, “O concurso não será regido por este edital nem será executado pelo
CESPE/UnB”.
(Verdadeiro) (Falso)

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Negação de uma proposição condicional: _____________________________
Para negarmos uma condicional, basta:
1) Mantermos a primeira;
2) Negarmos a segunda;
3) junta-las com o conectivo E.
A B (A → B) ~(A → B) A B ~B (A ∧ ~B)
V V V V
V F V F
F V F V
F F F F

Existe uma outra forma de encontrarmos uma equivalência entre ~(A → B). Ora, o resultado foi a conjunção (A ∧ ~B). Aí, nós já
descobrimos que a negação de uma __________________ será uma conjunção. Então, teremos:

~(A → B) = (A ∧ ~B) = ~(~A ∨ B)


Complicou? Então, vamos tentar na prática!
Exemplo9: A afirmação “Não é verdade que, se Pedro está em Roma, então Paulo está em Paris” é logicamente equivalente
à afirmação:
a) É verdade que ‘Pedro está em Roma e Paulo está em Paris’.
b) Não é verdade que ‘Pedro está em Roma ou Paulo não está em Paris’.
c) Não é verdade que ‘Pedro não está em Roma ou Paulo não está em Paris’.
d) Não é verdade que ‘Pedro não está em Roma ou Paulo está em Paris’.
e) É verdade que ‘Pedro está em Roma ou Paulo está em Paris’.

Condição necessária e condição suficiente


Muito usado em provas de concursos. O uso das expressões condição suficiente e condição necessária pode ser traduzida como a
utilização do conectivo condicional (Se... então). Lembram-se do nosso exemplo no item 3.3? Vamos ver como fica. Se digo “Paulo
ser cearense é condição suficiente para Paulo ser brasileiro”. Resumindo: para Paulo ser brasileiro só precisa ele ser cearense.
Captaram???
Agora, se dissermos “Paulo ser brasileiro é condição necessária para Paulo ser cearense”, teremos o mesmo resultado. Ora, é
necessário, para Paulo ser cearense, Paulo ser brasileiro. Ou existe cearense não-brasileiro? Só em Sobral (piadinha de cearen-
se...) Usando essa nomenclatura, podemos chager às seguintes conclusões:
 A primeira parte da condicional é uma condição suficiente;
 A segunda parte da condicional é uma condição necessária;

8
Gabarito: C
9
Gabarito: F

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 9 de 38
 Uma condição suficiente gera um resultado necessário.

Exemplo10: Considere que: “se o dia está bonito, então não chove”. Desse modo:
a) não chover é condição necessária para o dia estar bonito.
b) não chover é condição suficiente para o dia estar bonito.
c) chover é condição necessária para o dia estar bonito.
d) o dia estar bonito é condição necessária e suficiente para chover.
e) chover é condição necessária para o dia não estar bonito.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Todo, algum e nenhum.
Quando aparecerem as palavras TODO, ALGUM, ALGUM NÃO e NENHUM, precisamos apenas entender oq eu se pede. Depois,
é só olhar a tabela abaixo e resolver a questão:
Proposição Equivalência Negação
Todo Paulo é bonito
Nenhum Paulo é feio
Algum Paulo é modesto
Algum Paulo não é metido

Sabendo esta tabela, conseguiremos resolver tranquilamente as questões que aparecerem.


Exemplo11: A negação de “Nenhum rondoniense é casado” é:
(A) há pelo menos um rondoniense casado.
(B) alguns casados são rondonienses.
(C) todos os rondonienses são casados.
(D) todos os casados são rondonienses.
(E) todos os rondonienses são solteiros.
Exemplo12: A negação de “À noite, todos os gatos são pardos” é:
a) De dia, todos os gatos são pardos.
b) De dia, nenhum gato é pardo.
c) De dia, existe pelo menos um gato que não é pardo.
d) À noite, existe pelo menos um gato que não é pardo.
e) À noite, nenhum gato é pardo.

7) Tautologia, Contradição, Contingência e Implicação.


Calma que não estou xingando ninguém! Já vimos que uma proposição composta é formada por várias proposições. Os termos
acima citados referem-se ao resultado lógico dessas proposições. Assim:
Tautologia Quando todos os valores lógicos de uma tabela-verdade têm como resultado VERDADEIRO
Contradição Quando todos os valores lógicos de uma tabela-verdade têm como resultado FALSO
Contingência Quando não for tautologia, nem contradição

10
Gabarito: A
11
Gabarito: A
12
Gabarito: D

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 10 de 38
Implicação Ocorre quando uma determinada proposição composta, tendo como conectivo uma condicional (→), for uma
TAUTOLOGIA

Exemplo13: A proposição “na copa de 2010 o Brasil será hexacampeão ou não será hexacampeão”, é um exemplo de:
(A) Contradição.
(B) Equivalência.
(C) Contingência.
(D) Conjunção.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(E) Tautologia.
Exemplo14: Considerando-se a proposição A, formada a partir das proposições B, C etc. mediante o emprego de conecti-
vos (^ ou v), ou de modificador (¬) ou de condicional (→), diz-se que A é uma tautologia quando A tem valor lógico V,
independentemente dos valores lógicos de B, C etc. e diz-se que A é uma contradição quando A tem valor lógico F, inde-
pendentemente dos valores lógicos de B, C etc. Uma proposição A é equivalente a uma proposição B quando A e B têm as
tabelas-verdade iguais, isto é, A e B têm sempre o mesmo valor lógico.
Com base nas informações acima, julgue o item a seguir:
A proposição (A → B) → (¬A v B) é uma tautologia.
(Verdadeiro) (Falso)
Exemplo15: As proposições para as quais a tabela-verdade contém apenas V são denominadas tautologias, ou logicamente
verdadeiras. Se a tabela-verdade contiver apenas F, a proposição é logicamente falsa.
Duas proposições A e B são equivalentes se suas tabelas-verdades forem iguais.
Tendo como referência as informações apresentadas, julgue o item.
A proposição (A v ¬A) → (A ^ ¬A) é logicamente falsa, mas (A ^ ¬A) → (A v ¬A) é uma tautologia.
(Verdadeiro) (Falso)

13
Gabarito: E
14
Gabarito: V
15
Gabarito: V

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 11 de 38
EXERCÍCIOS
01. Se Marcos não estuda, João não passeia. Logo: 07. A afirmação “Se os atletas se dedicarem nos treinamentos e hou-
ver investimento no esporte, então o Brasil será bem sucedido na
(A) Marcos estudar é condição necessária para João não passear. próxima Olimpíada” é logicamente equivalente a:
(B) Marcos estudar é condição suficiente para João passe-ar. (A) Se o Brasil for bem sucedido na próxima Olimpíada, então os
(C) Marcos não estudar é condição necessária para João não pas- atletas se dedicaram nos treinamentos e houve investimento no
sear. esporte.
(D) Marcos não estudar é condição suficiente para João passear. (B) Se o Brasil não for bem sucedido na próxima Olimpíada, então os
atletas não se dedicaram nos treinamentos ou não houve inves-
(E) Marcos estudar é condição necessária para João passear. timento no esporte.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(C) Se os atletas não se dedicarem ao esporte e não houver investi-
02. Sejam p e q proposições e ~p e ~q suas respectivas negações. mento no esporte, então o Brasil não será bem sucedido na pró-
Assinale a opção que apresenta uma tautologia. xima Olimpíada.

(A) p ^ ~p (B) p → ~p (D) Se os atletas não se dedicarem ao esporte ou não houver inves-
timento no esporte, então o Brasil não será bem sucedido na
(C) p v ~p (D) p v q próxima Olimpíada.
(E) ~p → p (E) Se o Brasil não for bem sucedido na próxima Olimpíada, então os
atletas não se dedicaram nos treinamentos e não houve investi-
mento no esporte.
03. Considere as afirmações abaixo.
I. O número de linhas de uma tabela-verdade é sempre um número
08. Na seqüência de frases abaixo, há três proposições.
par.
- Quantos tribunais regionais do trabalho há na região Sudeste do
II. A proposição “ (10 <√10) ↔ (8 – 3 = 6)” é falsa.
Brasil?
III. Se p e q são proposições, então a proposição “(p → q) v (~q)” é
- O TRT/ES lançou edital para preenchimento de 200 vagas.
uma tautologia.
- Se o candidato estudar muito, então ele será aprovado no concurso
É verdade o que se afirma APENAS em:
do TRT/ES.
(A) I. (B) II. (C) III. (D) I e II. (E) I e III.
- Indivíduo com 50 anos de idade ou mais não poderá se inscrever no
concurso do TRT/ES.
04. Dizer que não é verdade que A = B e C = D, é logicamente equiva- (Verdadeiro) (Falso)
lente a dizer que é verdade que:
(A) A não é B e C não é D.
09. Admita que, em um grupo: “se algumas pessoas não são honestas,
(B) A não é B ou C não é D. então algumas pessoas são punidas”. Desse modo, pode-se concluir
que, nesse grupo:
(C) A é B ou C não é D.
a) as pessoas honestas nunca são punidas.
(D) se A não é B, então C é D.
b) as pessoas desonestas sempre são punidas.
(E) se A não é B, então C não é D.
c) se algumas pessoas são punidas, então algumas pessoas não são
honestas.
05. A negação da sentença “A Terra é chata e a Lua é um planeta.” é: d) se ninguém é punido, então não há pessoas desonestas.
(A) Se a Terra é chata, então a Lua não é um planeta. e) se todos são punidos, então todos são desonestos.
(B) Se a Lua não é um planeta, então a Terra não é chata.
(C) A Terra não é chata e a Lua não é um planeta. 10. Entre as opções abaixo, a única com valor lógico verdadeiro é:
(D) A Terra não é chata ou a Lua é um planeta. a) Se Roma é a capital da Itália, Londres é a capital da França.
(E) A Terra não é chata se a Lua não é um planeta. b) Se Londres é a capital da Inglaterra, Paris não é a capital da Fran-
ça.

06. A negação de “Todos os caminhos levam a Roma” é: c) Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França ou Paris é
a capital da França.
(A) “Todos os caminhos não levam a Roma”.
d) Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França ou Paris é
(B) “Nenhum caminho leva a Roma”. a capital da Inglaterra.
(C) “Pelo menos um caminho leva a Roma”. e) Roma é a capital da Itália e Londres não é a capital da Inglaterra.
(D) “Pelo menos um caminho não leva a Roma”.
(E) “Não há caminhos para Roma”.

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 12 de 38
Gabarito
1. E 2. C 3. E 4. B 5. A
6. D 7. B 8. V 9. D 10. C

Rascunho

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 13 de 38
MÓDULO II – ESTRUTURAS LÓGICAS

Bom, pessoal, depois de passarmos pela parte de conceitos básicos (bem teórica), iremos entrar em um assunto que sempre é
cobrado nas provas de RL: Estruturas Lógicas.
As questões referentes a este assunto começam com um conjunto de afirmações, chamadas de premissas, formadas por proposi-
ções simples ou compostas, finalizando com uma conclusão válida, que será a própria resposta procurada.
A melhor maneira de estudarmos, a partir de agora nossa matéria, será mostrar a melhor forma de responder uma questão e depois
colocarmos um exemplo.
- Dica de Resolução:

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


1) consideram-se todas as premissas verdadeiras;
2) procura-se, dentro das premissas, uma proposição que apresente uma única forma de ser verdadeira. Só há duas maneiras:
proposição simples ou utilização de uma conjunção.
Exemplo: Surfo ou estudo. Fumo ou não surfo. Velejo ou não estudo. Ora, não velejo. Assim,
a) estudo e fumo.
b) não fumo e surfo.
c) não velejo e não fumo.
d) estudo e não fumo.
e) fumo e surfo.
Em toda questão de Estrutura Lógica, a 1ª coisa que precisamos fazer é traduzir as nossas premissas em símbolos. Assim, teremos
que:
Su = surfo Es = Estudo Fu = Fumo Ve = Velejo

Agora, as nossas premissas viraram:


P1: Surfo ou estudo = Su v Es
P2: Fumo ou não surfo = Fu v ~Su
P3: Velejo ou não estudo = Ve v ~Es
P4: Não Velejo = ~Ve

Agora, precisamos nos perguntar: dentre as premissas, há alguma proposição simples ou que utilize conjunção? Sim, temos a 4ª
premissa (proposição simples).
Com isso, ~Ve tem que ser verdadeiro, então Ve é falso. Se V é falso, então, a 3ª premissa ficará F v ~Es. A única maneira desta
premissa ser verdadeira é ~Es sendo verdadeira. Logo, Es será falso. Passamos agora para a premissa n° 1, ficando Su v F.
Mesma idéia: para ser verdadeira, Su será Verdadeiro. Por último, temos a 2ª premissa como Fu v F. Então, Fu será verdadeiro.
Pronto, conseguimos encontrar o valor lógico de cada premissa, ficando:
Su = V Es = F Fu = V Ve = F
Surfo Não estudo Fumo Não velejo

A única alternativa que contempla ambas as proposições (notem que cada item tem uma conjunção e que, para ser verdade, ambas
as proposições têm que ser verdadeiras) é a letra E.
Exemplo16: Entre os membros de uma família existe o seguinte arranjo: Se Márcio vai ao shopping, Marta fica em casa. Se
Marta fica em casa, Martinho vai ao shopping. Se Martinho vai ao shopping, Mário fica em casa. Dessa maneira, se Mário
foi ao shopping, pode-se afirmar que:
a) Marta ficou em casa.

16
Gabarito: C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 14 de 38
b) Martinho foi ao shopping.
c) Márcio não foi ao shopping e Marta não ficou em casa.
d) Márcio e Martinho foram ao shopping.
e) Márcio não foi ao shopping e Martinho foi ao shopping.
Exemplo17: A formação das escalas na divisão dos trabalhos da semana, obedece às seguintes proposições:
 Carlos fiscaliza a empresa A e João não fiscaliza a empresa B.
 João fiscaliza a empresa B ou Maria não fiscaliza a empresa D.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


 Augusto fiscaliza a empresa D se e somente se Maria não fiscaliza a empresa B.
Com base nas proposições acima, considerando que cada funcionário deve fiscalizar apenas uma empresa e que todas as
empresas devem ser fiscalizadas, então nessa semana:
A Carlos não fiscaliza a empresa A.
B Augusto fiscaliza a empresa D.
C Maria fiscaliza a empresa B.
D Maria fiscaliza a empresa C.
E João fiscaliza a empresa C.

Bom, mas, e se não tivermos uma proposição simples ou uma conjunção, o que fazer?
- Dica de Resolução:
1) consideram-se todas as premissas verdadeiras;
2) atribui-se um valor lógico (V ou F) para uma das proposições simples:
2.1) Caso tenhamos proposições com condicional (→), o melhor a se fazer é atribuir o valor lógico F para a 2ª parte da proposição;
3) substitui-se o valor lógico nas outras premissas, observando se não haverá nenhuma contradição.
Exemplo: Ricardo, Rogério e Renato são irmãos. Um deles é médico, outro é professor, e o outro é músico. Sabe-se que: 1)
ou Ricardo é médico, ou Renato é médico, 2) ou Ricardo é professor, ou Rogério é músico; 3) ou Renato é músico, ou
Rogério é músico, 4) ou Rogério é professor, ou Renato é professor. Portanto, as profissões de Ricardo, Rogério e Renato
são, respectivamente,
a) professor, médico, músico.
b) médico, professor, músico.
c) professor, músico, médico.
d) músico, médico, professor.
e) médico, músico, professor.
Temos as premissas:
P1: ou Ricardo é médico, ou Renato é médico
P2: ou Ricardo é professor, ou Rogério é músico
P3: ou Renato é músico, ou Rogério é músico
P4: ou Rogério é professor, ou Renato é professor
Agora, definimos um valor lógico para uma das proposições simples. Notem que temos a mesma proposição em duas premissas.
Então, diremos que Rogério é músico é VERDADEIRO. Lembram-se da disjunção exclusiva? Se um dos termos é verdadeiro, o
outro, obrigatoriamente, será falso. Além disso, se Rogério é músico, não poderá ser professor (P4). Logo, Renato é professor. Se
Renato é professor, não pode ser médico (P1). Logo, Ricardo é médico. Encontramos todos os valores lógicos das proposições.
Agora, iremos conferir se há alguma contradição:
V F

17
Gabarito: C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 15 de 38
P1: ou Ricardo é médico, ou Renato é médico
F V
P2: ou Ricardo é professor, ou Rogério é músico
F V
P3: ou Renato é músico, ou Rogério é músico
F V
P4: ou Rogério é professor, ou Renato é professor
Nenhuma contradição! Então, as profissões terão que ser, nesta ordem, MÉDICO, MÚSICO, PROFESSOR. Alternativa E.
Exemplo18: Márcia não é magra ou Renata é ruiva. Beatriz é bailarina ou Renata não é ruiva. Renata não é ruiva ou Beatriz

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


não é bailarina. Se Beatriz não é bailarina então Márcia é magra. Assim,
(A) Márcia não é magra, Renata não é ruiva, Beatriz é bailarina.
(B) Márcia é magra, Renata não é ruiva, Beatriz é bailarina.
(C) Márcia é magra, Renata não é ruiva, Beatriz não é bailarina.
(D) Márcia não é magra, Renata é ruiva, Beatriz é bailarina.
(E) Márcia não é magra, Renata é ruiva, Beatriz não é bailarina.
Exemplo19: As seguintes afirmações, todas elas verdadeiras, foram feitas sobre a ordem dos valores assumidos pelas
variáveis X, Y, Z, W e Q:
i) X < Y e X > Z;
ii) X < W e W < Y se e somente se Y > Z;
iii) Q ≠ W se e somente se Y = X.
Logo:
a) Y > W e Y = X b) Q < Y e Q > Z c) X = Q d) Y = Q e Y > W e) W < Y e W = Z
Exemplo20: A seguir, são apresentadas proposições relativas a um cliente de uma instituição financeira.
 Se Carlos fizer um empréstimo na instituição financeira, então ele não viajará.
 Se Carlos não viajar, então ele comprará um carro novo.
 Se Carlos comprar uma moto ou usar o cartão de crédito, então ele não comprará um carro novo.
 Se Carlos viajar, então ele usará o cartão de crédito.
Considerando que essas proposições sejam verdadeiras, julgue os seguintes itens.
A proposição “se Carlos viajar, então ele não fará um empréstimo na instituição financeira” é verdadeira.
(Verdadeiro) (Falso)
A proposição “se Carlos comprar um carro novo, então ele não comprará uma moto nem usará o cartão de crédito” é falsa.
(Verdadeiro) (Falso)

18
Gabarito: A
19
Gabarito: B
20
Gabarito: A

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 16 de 38
EXERCÍCIOS
01. Maria tem três carros: um Gol, um Corsa e um Fiesta. Um 06. João tem 3 filhos, cujos nomes são Cláudio, Daniel e Leo-
dos carros é branco, o outro é preto, e o outro é azul. Sabe-se nardo, de idades 5, 10 e 15 anos, não necessariamente nesta
que: 1) ou o Gol é branco, ou o Fiesta é branco, 2) ou o Gol é ordem. Sabe-se ainda que:
preto, ou o Corsa é azul, 3) ou o Fiesta é azul, ou o Corsa é
1. ou Cláudio tem 5 anos, ou Leonardo tem 5 anos;
azul, 4) ou o Corsa é preto, ou o Fiesta é preto. Portanto, as
cores do Gol, do Corsa e do Fiesta são, respectivamente, 2. ou Cláudio tem 10 anos, ou Daniel tem 15 anos;
(A) branco, preto, azul 3. ou Leonardo tem 15 anos, ou Daniel tem 15 anos;
(B) preto, azul, branco 4. ou Daniel tem 10 anos, ou Leonardo tem 10 anos;

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(C) azul, branco, preto Conclui-se portanto que as idades de Cláudio, Daniel e Leonar-
do são, respectivamente:
(D) preto, branco, azul
(A) 5, 10 e 15 (B) 10, 15 e 5
(E) branco, azul, preto
(C) 5, 15 e 10 (D) 10, 5 e 15
(E) 15, 5 e 10
02. Sou amiga de Abel ou sou amiga de Oscar. Sou amiga de
Nara ou não sou amiga de Abel. Sou amiga de Clara ou não sou
amiga de Oscar. Ora, não sou amiga de Clara. Assim,
Considere que cada uma das proposições seguintes tenha valor
(A) não sou amiga de Nara e sou amiga de Abel. lógico V.
(B) não sou amiga de Clara e não sou amiga de Nara. I Tânia estava no escritório ou Jorge foi ao centro da cidade.
(C) sou amiga de Nara e amiga de Abel. II Manuel declarou o imposto de renda na data correta e Carla
não pagou o condomínio.
(D) sou amiga de Oscar e amiga de Nara.
III Jorge não foi ao centro da cidade.
(E) sou amiga de Oscar e não sou amiga de Clara.
A partir dessas proposições, é correto afirmar que a proposição:
07. “Carla pagou o condomínio” tem valor lógico F.
03. Considere que as seguintes afirmações sejam verdadeiras:
(Verdadeiro) (Falso)
• Se é noite e não chove, então Paulo vai ao cinema.
08. “Manuel declarou o imposto de renda na data correta e Jorge
• Se não faz frio ou Paulo vai ao cinema, então Márcia vai ao
foi ao centro da cidade” tem valor lógico V.
cinema.
(Verdadeiro) (Falso)
Considerando que, em determinada noite, Márcia não foi ao
cinema, é correto afirmar que, nessa noite, 09. “Tânia não estava no escritório” tem, obrigatoriamente, valor
lógico V.
(A) não fez frio, Paulo não foi ao cinema e choveu.
(Verdadeiro) (Falso)
(B) fez frio, Paulo foi ao cinema e choveu.
(C) fez frio, Paulo não foi ao cinema e choveu.
10. Considere as seguintes afirmações:
(D) fez frio, Paulo não foi ao cinema e não choveu.
I. Se ocorrer uma crise econômica, então o dólar não subirá.
(E) não fez frio, Paulo foi ao cinema e não choveu.
II. Ou o dólar subirá, ou os salários serão reajustados, mas não
ambos.
04. Uma dedução lógica é uma sequência finita de proposições
III. Os salários serão reajustados se, e somente se, não ocorrer
na qual algumas proposições, denominadas premissas, são
uma crise econômica.
supostas verdadeiras, e as demais proposições, chamadas
conclusões, são também verdadeiras por consequência das Sabendo que as três afirmações são verdadeiras, é correto
premissas e de conclusões previamente obtidas. Considere as concluir que, necessariamente,
quatro proposições a seguir.
(A) o dólar não subirá, os salários não serão reajustados e não
A: Se Abel não mora em Vitória, então Beto mora em Serra. ocorrerá uma crise econômica.
B: Se Carlos mora em Serra ou em Vila Velha, então Abel mora (B) o dólar subirá, os salários não serão reajustados e ocorrerá
em Vitória. uma crise econômica.
C: Se Danilo não mora em Vitória, então Carlos mora em Vila (C) o dólar não subirá, os salários serão reajustados e ocorrerá
Velha. uma crise econômica.
D: Beto mora em Linhares. (D) o dólar subirá, os salários serão reajustados e não ocorrerá

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 17 de 38
Sabendo que cada um dos rapazes mora em uma cidade dife- uma crise econômica.
rente, considerando as proposições A, B, C e D como premissas
(E) o dólar não subirá, os salários serão reajustados e não ocor-
de uma dedução lógica, julgue o item que se segue.
rerá uma crise econômica.
Carlos não mora em Vila Velha.
(Verdadeiro) (Falso)

05. Se Pedro não bebe, ele visita Ana. Se Pedro bebe, ele lê
poesias. Se Pedro não visita Ana, ele não lê poesias. Se Pedro
lê poesias, ele não visita Ana. Segue-se, portanto que, Pedro:

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(A) bebe, visita Ana, não lê poesias.
(B) não bebe, visita Ana, não lê poesias.
(C) bebe, não visita Ana, lê poesias.
(D) não bebe, não visita Ana, não lê poesias.
(E) não bebe, não visita Ana, lê poesias.

Gabarito
1. E 2. C 3. C 4. F 5. B
6. C 7. V 8. F 9. F 10. E

Rascunho

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 18 de 38
MÓDULO III – LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO E DIAGRAMAS LÓGICOS

Lógica de Argumentação
Nosso próximo assunto terá muito a ver com o que já vimos. Porém, acrescentaremos novas dicas para facilitar a resolução das
questões.
Argumento nada mais é do que já afirmamos anteriormente: um conjunto de proposições (premissas), associadas a uma conclu-
são. Pode ser válido, quando a conclusão é conseqüência obrigatória das premissas; ou inválida, a verdade das premissas não é
suficiente para garantir a verdade da conclusão. A diferença é que, agora, trabalharemos com representações gráficas para deter-
minarmos se teremos um argumento válido ou inválido.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Silogismo é todo o argumento que consiste em duas premissas e uma conclusão.
Exemplo: É válido o seguinte argumento: Todo cachorro é verde, e tudo que é verde é vegetal, logo todo cachorro é vege-
tal.
(Verdadeiro) (Falso)

Primeiro, quando falarmos de lógica de argumentação, o que vale é a construção e não o conteúdo. No exemplo acima, sabemos
que cachorros não são verdes (só o do Hulk: piadinha!). Porém, nesse momento, devemos esquecer o conteúdo e focarmos nas
premissas e na conclusão. Da frase, temos:
P1: Todo cachorro é verde P2: Tudo que é verde é vegetal C: Todo cachorro é vegetal.

- Dica de Resolução:
1) Se o argumento apresentar proposições categóricas (todo, nenhum, ou algum), utilizam-se diagramas de círculos.
Assim:
P1 P2 C

Após o lindo desenho que vocês farão, vocês irão assegurar que a conclusão é resultado necessário das premissas, ou seja, o
argumento é válido.

Exemplo21: O silogismo é uma forma de raciocínio dedutivo. Na sua forma padronizada, é constituído por três proposições:
as duas primeiras denominam-se premissas e a terceira, conclusão. As premissas são juízos que precedem a conclusão.
Em um silogismo, a conclusão é conseqüência necessária das premissas. Corresponde a um silogismo:
(A) Premissa 1: Todo brasileiro gosta de futebol. (B) Premissa 1: Todo brasileiro gosta de futebol.
Premissa 2: José gosta de futebol. Premissa 2: Todo brasileiro é desportista.
Conclusão: José é brasileiro. Conclusão: Todo desportista gosta de futebol.
(C) Premissa 1: João é mortal. (D) Premissa 1: Todo peixe nada.
Premissa 2: Nenhum homem é imortal. Premissa 2: Alguns mamíferos nadam.
Conclusão: João é homem. Conclusão: Alguns mamíferos são peixes.
(E) Premissa 1: Nenhum mamífero é peixe.
Premissa 2: Alguns mamíferos nadam.
Conclusão: Algum animal que nada não é peixe.

21
Gabarito: D

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 19 de 38
A B C

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


D E

Exemplo22: Considerando como premissas as proposições “Nenhum universitário é analista judiciário” e “Todo analista
judiciário faz curso de informática”, e como conclusão a proposição “Nenhum universitário faz curso de informática”,
então o raciocínio formado por essas proposições é correto.
(Verdadeiro) (Falso)

Veremos agora um exemplo de argumentação sem as “palavras-chaves”.


Exemplo: A argumentação “Se lógica é fácil, então Sócrates foi mico de circo. Lógica não é fácil. Sócrates não foi mico de
circo” é válida e tem a forma
•P→Q
• ¬P
• ¬Q
(Verdadeiro) (Falso)
- Dica de Resolução:
1) Se o argumento apresentar os conectivos, utiliza-se a tabela-verdade.
2) Porém, cuidado: muitas proposições podem tornar a tabela-verdade muito trabalhosa!

P Q P→Q ~P ~Q

V V V F F

V F F F V

F V V V F

F F V V V

22
Gabarito: F

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 20 de 38
O que nos interessa na tabela é a parte onde as premissas são V (3ª e 4ª linhas). Daí, para que o argumento seja válido, a conclu-
são, nessas duas linhas, deverá ser V. Como na 3ª linha, não é, então o argumento é inválido.
Perceberam algo conhecido no Exemplo 02? São os conectivos que vimos nos módulos anteriores. Assim, também poderemos
utilizar algumas das dicas já mostradas anteriormente.
Exemplo23: Suponha que as proposições “Edu tem um laptop ou ele tem um celular” e “Edu ter um celular é condição
necessária para Edu ter um laptop” sejam verdadeiras. Nesse caso, considerando essas proposições como premissas e a
proposição “Edu tem um laptop” como conclusão de um argumento, então esse argumento é válido.
(Verdadeiro) (Falso)

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Existe uma outra situação que trabalharemos como se fosse ‘Estruturas lógicas’, ou seja, analisando as proposições:
Olhem o exemplo:
Exemplo: Se as proposições “Se chove, as ruas da cidade de Vitória estão molhadas”; “As ruas da cidade de Vitória estão
molhadas” e “Está chovendo na cidade de Vitória”, em que duas primeiras são premissas e a terceira é a conclusão de um
argumento, então é correto afirmar que esse argumento é um argumento válido.
(Verdadeiro) (Falso)
Exemplo24: Suponha que a proposição “Se Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade, então Josué mudou de
emprego” seja uma premissa de um argumento. Se a proposição “Josué não mudou de emprego” for outra premissa des-
se argumento, uma conclusão que garante sua validade é expressa pela proposição:
A Josué foi aprovado no concurso e não mudou de cidade.
B Josué não foi aprovado no concurso e mudou de cidade.
C Josué não foi aprovado no concurso ou não mudou de cidade.
D Se Josué não mudou de emprego, então Josué não mudou de cidade.
E Se Josué não mudou de emprego, então Josué não foi aprovado no concurso.

Diagramas Lógicos
No começo desse módulo, começamos a falar um pouco nos diagramas dos círculos, também chamado de diagramas lógicos, para
auxiliar na resolução de certo tipo de questão. Agora, neste módulo, iremos dar uma maior ênfase nesse assunto para solucionar-
mos outro tipo de questões.
Utilizamos os diagramas lógicos quando encontramos proposições categóricas. Proposições do tipo “Todo A é B” afirmam que o
conjunto A é um subconjunto do conjunto B.
Atenção: dizer que Todo A é B não significa o mesmo que Todo B é A.
Enunciados da forma “Nenhum A é B” afirmam que os conjuntos A e B não tem elementos em comum.
Atenção: dizer que Nenhum A é B é logicamente equivalente a dizer que Nenhum B é A.
Por convenção universal em Lógica, proposições da forma “Algum A é B” estabelecem que o conjunto A tem pelo menos um
elemento em comum com o conjunto B. Contudo, quando dizemos que Algum A é B, pressupomos que nem todo A é B.
Atenção: É perfeitamente lógico afirmar que “alguns dos alunos gostaram da aula” mesmo se todos estiverem gostado.
Para melhor entendimento, iremos representar como ficam os diagramas lógicos para cada uma das proposições categóricas:
TODA camisa é azul = V
1 2

23
Gabarito: F
24
Gabarito: C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 21 de 38
Conclusões:
(1) Nenhuma camisa é azul = F (2) Alguma camisa é azul = V (3) Alguma camisa não é azul = F

Exemplo25: Considerando "todo livro é instrutivo" uma proposição verdadeira, é correto inferir que:
(A) "nenhum livro é instrutivo" é uma proposição necessariamente verdadeira.
(B) "algum livro não é instrutivo" é uma proposição verdadeira ou falsa.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(C) "algum livro é instrutivo" é uma proposição verdadeira ou falsa.
(D) "algum livro é instrutivo" é uma proposição necessariamente verdadeira.
(E) "algum livro não é instrutivo" é uma proposição necessariamente verdadeira.

NENHUMA bola é quadrada = V


1

Conclusões:
(1) Toda bola é quadrada = F (2) Alguma bola é quadrada = F (3) Alguma bola não é quadrada = V

ALGUM homem é bom = V


1 2

3 4

Conclusões:
(1) Nenhum homem é bom = F (2) Todo homem é bom = I (3) Algum homem não é bom = I
ALGUM lápis não é branco
1 2 3

25
Gabarito: D

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 22 de 38
Conclusões:
(1) Todo lápis é branco = F (2) Nenhum lápis é branco = I (3) Algum lápis é branco = I

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Exemplo26: Sabe-se que existe pelo menos um A que é B. Sabe-se, também, que todo B é C. Segue-se, portanto, necessari-
amente que:
a) todo C é B
b) todo C é A
c) algum A é C
d) nada que não seja C é A
e) algum A não é C
Vamos montar os diagramas:

Exemplo27: Sabe-se que existe pelo menos um A que é B. Sabe-se, também, que todo B é C. Segue-se, portanto, necessari-
amente que:
a) todo C é B
b) todo C é A
c) algum A é C
d) nada que não seja C é A
e) algum A não é C
Exemplo28: Uma escola de arte oferece aulas de canto, dança, teatro, violão e piano. Todos os professores de canto são,
também, professores de dança, mas nenhum professor de dança é professor de teatro. Todos os profes-sores de violão
são, também, professores de piano, e alguns professores de piano são, também, professores de teatro. Sabe-se que ne-
nhum professor de piano é professor de dança, e como as aulas de piano, violão e teatro não têm nenhum professor em
comum, então:
a) nenhum professor de violão é professor de canto
b) pelo menos um professor de violão é professor de teatro
c) pelo menos um professor de canto é professor de teatro

26
Gabarito: C
27
Gabarito: C
28
Gabarito: A

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 23 de 38
d) todos os professores de piano são professores de canto
e) todos os professores de piano são professores de violão
Exemplo29: Considere o diagrama a seguir, em que U é o conjunto de todos os professores universitários que só lecionam
em faculdades da cidade X, A é o conjunto de todos os professores que lecionam na faculdade A, B é o conjunto de todos
os professores que lecionam na faculdade B e M é o conjunto de todos os médicos que trabalham na cidade X.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Em todas as regiões do diagrama, é correto representar pelo menos um habitante da cidade X. A respeito do diagrama,
foram feitas quatro afirmações:
I. Todos os médicos que trabalham na cidade X e são professores universitários lecionam na faculdade A.
II. Todo professor que leciona na faculdade A e não leciona na faculdade B é médico.
III. Nenhum professor universitário que só lecione em faculdades da cidade X, mas não lecione nem na faculdade A e nem
na faculdade B, é médico.
IV. Algum professor universitário que trabalha na cidade X leciona, simultaneamente, nas faculdades A e B, mas não é
médico.
Está correto o que se afirma APENAS em:
(A) I.
(B) I e III.
(C) I, III e IV.
(D) II e IV.
(E) IV.

29
Gabarito: E

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 24 de 38
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
01. A seguinte argumentação é inválida. 06. Em um grupo de professores, todos os professores de lógica
Premissa 1: Todo funcionário que sabe lidar com orçamento são, também, professores de matemática, mas nenhum profes-
conhece contabilidade. sor de matemática é também professor de história. Todos os
professores de atualidades são professores de geografia, e
Premissa 2: João é funcionário e não conhece contabilidade. alguns professores de geografia são também professores de
Conclusão: João não sabe lidar com orçamento. história. Como nenhum professor de geografia é também profes-
(Verdadeiro) (Falso) sor de matemática, e como neste grupo de professores não
existe nenhum professor que seja de geografia, história e atuali-
dades ao mesmo tempo, assinale a alternativa correta.
02. A seguinte argumentação é válida. A) Pelo menos um professor de atualidades é professor de

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Premissa 1: Toda pessoa honesta paga os impostos devidos. história.
Premissa 2: Carlos paga os impostos devidos. B) Pelo menos um professor de lógica é também professor de
história.
Conclusão: Carlos é uma pessoa honesta.
C) Todos os professores de geografia são professores de lógica.
(Verdadeiro) (Falso)
D) Todos os professores de geografia são professores de atuali-
dades.
03. Se “alguns universitários são empreendedores” e “todos os
E) Nenhum professor de atualidades é também professor de
empreendedores são pessoas competentes”, então, necessari-
lógica.
amente, com as proposições apresentadas, pode-se concluir
que:
A) “algum universitário é uma pessoa competente”; 07. Em uma comunidade, todo trabalhador é responsável. Todo
artista, se não for filósofo, ou é trabalhador ou é poeta. Ora, não
B) “toda pessoa competente é empreendedora”;
há filósofo e não há poeta que não seja responsável. Portanto,
C) “todo empreendedor é universitário”; tem-se que, necessariamente,
D) “nenhuma pessoa competente é universitária”; a) todo responsável é artista
E) “nenhum universitário não é competente”. b) todo responsável é filósofo ou poeta
c) todo artista é responsável
04. Considere as premissas: d) algum filósofo é poeta
P1. Os bebês são ilógicos. e) algum trabalhador é filósofo
P2. Pessoas ilógicas são desprezadas.
P3. Quem sabe amestrar um crocodilo não é desprezado. 08. Se é verdade que "Alguns escritores são poetas" e que
Assinale a única alternativa que não é uma conseqüência lógica "Nenhum músico é poeta", então, também é necessariamente
das três premissas apresentadas. verdade que
a) Bebês não sabem amestrar crocodilos. a) nenhum músico é escritor
b) Pessoas desprezadas são ilógicas. b) algum escritor é músico
c) Pessoas desprezadas não sabem amestrar crocodilos. c) algum músico é escritor
d) Pessoas ilógicas não sabem amestrar crocodilos. d) algum escritor não é músico
e) Bebês são desprezados. e) nenhum escritor é músico

05. Considere que sejam valoradas como V as duas seguintes 09. Algum X é Y. Todo X é Z. Logo,
proposições: “Todo candidato ao cargo de auditor tem diploma a) algum X é Y. b) todo Z é Y.
de engenheiro”; e “Josué é engenheiro”. Nesse caso, como
c) todo Z é X. d) algum X é Z.
consequência da valoração V dessas proposições, é correto
afirmar que também será valorada como V a proposição “Josué e) algum Z é Y.
é candidato ao cargo de auditor”.
(Verdadeiro) (Falso) 10. Em determinada universidade, foi realizado um estudo para
avaliar o grau de satisfação de seus professores e alunos. O
estudo mostrou que, naquela universidade, nenhum aluno é
completamente feliz e alguns professores são completamente
felizes. Uma conclusão logicamente necessária destas informa-
ções é que, naquela universidade, objeto da pesquisa,
a) nenhum aluno é professor.
b) alguns professores são alunos.

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 25 de 38
c) alguns alunos são professores.
d) nenhum professor é aluno.
e) alguns professores não são alunos.

Gabarito:
1. F 2. F 3. A 4. B 5. F 6. E 7. C 8. D 9. E 10. B

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 26 de 38
MÓDULO IV – QUESTÕES LÓGICAS

Neste módulo, o que interessa é resolução de exercícios. Iremos resolver as mais variadas questões de Raciocínio Lógico que
aparecem em concursos públicos de diversas bancas. Vamos começar!

ASSOCIAÇÃO LÓGICA
Exemplo: Os carros de Artur, Bernardo e César são, não necessariamente nesta ordem, uma Brasília, uma Parati e um
Santana. Um dos carros é cinza, um outro é verde, e o outro é azul. O carro de Artur é cinza; o carro de César é o Santana;

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


o carro de Bernardo não é verde e não é a Brasília. As cores da Brasília, da Parati e do Santana são, respectivamente:
a) cinza, verde e azul
b) azul, cinza e verde
c) azul, verde e cinza
d) cinza, azul e verde
e) verde, azul e cinza
Primeira coisa a se fazer: montar um quadro onde, nas linhas teremos os nomes das pessoas; nas colunas, os carros e as cores.
Depois, iremos, item a item, colocando V ou F. Assim:
Resolução:

Exemplo30: Júlio, Carlos e Mariana são empregados de uma mesma empresa, mas têm especialidades diferentes e traba-
lham na empresa com diferentes sistemas operacionais. Sabe-se que:
• o especialista em desenvolvimento de software usa o sistema Macintosh;
• Mariana é especialista em redes de computadores;
• o sistema Windows não é usado por Mariana;
• Júlio não é especialista em desenvolvimento de software.
Execute o seguinte procedimento na tabela abaixo: preencha cada célula com V, se o cruzamento da informação da linha e
da coluna for verdadeiro, e com F, se o cruzamento dessas informações for falso. Observe que, para iniciar, estão marca-
das algumas células com informações dadas acima e outras informações complementares. Após a execução do procedi-
mento, que pode não preencher todas as células, julgue os itens subseqüentes.

30
Gabarito: V - F

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 27 de 38
( ) Júlio é especialista em software básico mas usa o sistema Windows.
( ) Mariana não é especialista em redes de computadores, mas Carlos usa o sistema Macintosh.

Exemplo31: Certo dia, três técnicos judiciários – Altamiro, Benevides e Corifeu – receberam, cada um, um lote de proces-
sos para arquivar e um lote de correspondências a serem expedidas. Considere que:
– tanto a tarefa de arquivamento dos processos, quanto a de expedição das correspondências foram executadas no mes-
mo dia e em um dos seguintes horários: das 10 às 12 horas, das 14 às 16 horas e das 16 às 18 horas;
– apenas Altamiro arquivou os processos e expediu as correspondências que recebeu em um mesmo horário;

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


– nem os processos arquivados e nem as correspondências expedidas por Benevides ocorreram das 10 às 12 horas;
– Corifeu expediu toda a correspondência de seu respectivo lote das 16 às 18 horas.
Nessas condições, é verdade que:
(A) os processos dos lotes de Altamiro e Corifeu foram arquivados das 16 às 18 horas e das 14 às 16 horas, respectivamente.
(B) as correspondências dos lotes de Altamiro e Benevides foram expedidas das 14 às 16 horas e das 10 às 12 horas, respectiva-
mente.
(C) Benevides arquivou os processos de seu lote das 14 às 16 horas e expediu as correspondências do lote que lhe coube das 16
às 18 horas.
(D) o lote de processos que coube a Benevides foi arquivado das 14 às 16 horas e Altamiro expediu as correspondências de seu
lote das 10 às 12 horas.
(E) Altamiro expediu as correspondências de seu lote das 10 às 12 horas e Corifeu arquivou os processos de seu lote das 14 às 16
horas.

Exemplo32: Segundo dados de uma pesquisa, em 2006 cinco deputados − cujas letras iniciais dos nomes eram A, B, C, D e
E − encaminharam à Mesa da Câmara, 9, 12, 14, 15 e 18 projetos, não respectivamente. Constam também nessa pesquisa
as seguintes informações:
− tais deputados tinham 28, 36, 42, 45 e 56 anos de idade e eram filiados ao PT, PSDB, PFL, PSOL e PTB, não necessaria-
mente nesta ordem;
− o deputado mais idoso era filiado ao PSDB;
− o deputado mais jovem era filiado ao PSOL e a letra inicial do seu nome não é B;
− o deputado filiado ao PT tinha 42 anos e a letra inicial do seu nome não é D e nem C;
− tanto o deputado cujo nome começa por E, que apresentou 18 projetos, como o deputado cujo nome começa por C, que
apresentou 15 projetos, não eram filiados ao PSDB e nem ao PFL;
− o deputado cujo nome começa por D apresentou 12 projetos: dois a menos que o filiado ao PTB, cuja letra inicial do
nome não é B;
− o deputado cuja letra inicial do nome é A não era filiado ao PSDB;
− o deputado que tinha 36 anos não foi aquele que apresentou 14 projetos;
− o deputado cuja letra inicial do nome é D não tinha 56 anos.
Com base nas afirmações dadas, é correto afirmar que o deputado filiado ao:
(A) PTB tinha 36 anos.
(B) PSDB apresentou 12 projetos.
(C) PSOL tem por inicial de seu nome a letra C.
(D) PFL tinha 45 anos.
(E) PT apresentou 15 projetos.

31
Gabarito: letra E
32
Gabarito: letra C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 28 de 38
VERDADES E MENTIRAS
Também chamado de ‘Encontrando o Culpado’, esse tipo de questão não apresenta uma técnica de resolução definida, e sim,
várias abordagens que poderão ser feitas. A grande vantagem é que cada aluno, sem qualquer conhecimento teórico de lógica,
pode resolver perfeitamente qualquer questão sobre o assunto.
Exemplo: Pedro encontra-se à frente de três caixas, numeradas de 1 a 3. Cada uma das três caixas contém um e somente
um objeto. Uma delas contém um livro; outra, uma caneta; outra, um diamante. Em cada uma das caixas existe uma inscri-
ção, a saber:
Caixa 1: “O livro está na caixa 3.”

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Caixa 2: “A caneta está na caixa 1.”
Caixa 3: “O livro está aqui.”
Pedro sabe que a inscrição da caixa que contém o livro pode ser verdadeira ou falsa. Sabe, ainda, que a inscrição da caixa
que contém a caneta é falsa, e que a inscrição da caixa que contém o diamante é verdadeira. Com tais informações, Pedro
conclui corretamente que nas caixas 1, 2 e 3 estão, respectivamente,
a) a caneta, o diamante, o livro.
b) o livro, o diamante, a caneta.
c) o diamante, a caneta, o livro.
d) o diamante, o livro, a caneta.
e) o livro, a caneta, o diamante.
A grande sacada desse tipo de questão é buscar afirmações que não podem ser verdadeiras simultaneamente. Daí,monta-se um
quadro com hipóteses de verdade ou mentira. Assim:
Resolução:

Exemplo33: Três amigas, Tânia, Janete e Angélica, estão sentadas lado a lado em um teatro. Tânia sempre fala a verdade;
Janete às vezes fala a verdade; Angélica nunca fala a verdade. A que está sentada à esquerda diz: "Tânia é quem está
sentada no meio". A que está sentada no meio diz: "Eu sou Janete". Finalmente, a que está sentada à direita diz: "Angélica
é quem está sentada no meio". A que está sentada à esquerda, a que está sentada no meio e a que está sentada à direita
são, respectivamente:
a) Janete, Tânia e Angélica
b) Janete, Angélica e Tânia
c) Angélica, Janete e Tânia
d) Angélica, Tânia e Janete
e) Tânia, Angélica e Janete
Exemplo34: Certo dia, três amigos fizeram, cada um deles, uma afirmação:

33
Gabarito: letra B
34
Gabarito: letra C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 29 de 38
Aluísio: – Hoje não é terça-feira.
Benedito: – Ontem foi domingo.
Camilo: – Amanhã será quarta-feira.
Sabe-se que um deles mentiu e que os outros dois falaram a verdade.
Assinale a alternativa que indique corretamente o dia em que eles fizeram essas afirmações.
(A) sábado.
(B) domingo.
(C) segunda-feira.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(D) terça-feira.
(E) quarta-feira.
Exemplo35: Um professor de Lógica percorre uma estrada que liga, em linha reta, as vilas Alfa, Beta e Gama. Em Alfa, ele
avista dois sinais com as seguintes indicações: “Beta a 5 km” e “Gama a 7 km”. Depois, já em Beta, encontra dois sinais
com as indicações: “Alfa a 4 km” e “Gama a 6 km”. Ao chegar a Gama, encontra mais dois sinais: “Alfa a 7 km” e “Beta a 3
km”. Soube, então, que, em uma das três vilas, todos os sinais têm indicações erradas; em outra, todos os sinais têm
indicações corretas; e na outra um sinal tem indicação correta e outro sinal tem indicação errada (não necessariamente
nesta ordem). O professor de Lógica pode concluir, portanto, que as verdadeiras distâncias, em quilômetros, entre Alfa e
Beta, e entre Beta e Gama, são, respectivamente:
a) 5 e 3
b) 5 e 6
c) 4 e 6
d) 4 e 3
e) 5 e 2

QUESTÃO COM DATAS


Algumas bancas, como Cesgranrio e FCC, gostam de explorar questões com datas. A ideia é pedir qual dia da semana de uma
determinada data, a partir de uma data pré-definida na questão.
Exemplo: O ano de 2009 começou em uma quinta-feira. Se durante este ano não existissem domingos, as semanas teriam
apenas 6 dias. Nesse caso, se janeiro continuasse a ter 31 dias, o dia 1o de fevereiro de 2009 não teria caído em um do-
mingo e sim em uma:
(A) segunda-feira.
(B) terça-feira.
(C) quarta-feira.
(D) quinta-feira.
(E) sexta-feira.
A ideia dessa questão é saber:
1) que dia da semana ‘caiu’ um dia.
2) montar um calendário, com base nesse dia, até formar uma semana completa:
3) contar a quantidade de dias até a data que a questão nos pede.
4) dividiremos a quantidade de dias por 7 (7 dias da semana).
5) comparar o resto da divisão com o calendário do item 2.
Resolução:

35
Gabarito: letra E

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 30 de 38
Exemplo36: Os anos bissextos têm 366 dias, um a mais do que aqueles que não são bissextos. Esse dia a mais é colocado
sempre no final do mês de fevereiro, que, nesses casos, passa a terminar no dia 29. Certo ano bissexto começou em uma
segunda-feira. O primeiro dia do mês de março foi um(a)
(A) domingo.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


(B) sábado.
(C) sexta-feira.
(D) quinta-feira.
(E) quarta-feira.
Exemplo37: Ao observar o calendário de um ano, Josué observou que um certo mês começava em um sábado e o mês
seguinte terminava em uma quinta-feira. Em tal ano, o feriado de 7 de setembro ocorreu em:
(A) uma terça-feira.
(B) uma quarta-feira.
(C) uma quinta-feira.
(D) um sábado.
(E) um domingo.
Exemplo38: O calendário do mês de outubro de um certo ano bissexto começa no sábado. É correto afirmar que o primeiro
dia desse ano caiu em uma:
a) quarta
b) quinta
c) sexta
d) sábado
e) domingo

SEQUENCIAS LÓGICAS
Mais um tipo de questão em que o ‘Olho de Tandera’ deve estar mais aberto do que nunca! Cada aluno deve buscar a lógica que a
seqüência está determinando.
Exemplo: Considere que os termos da sucessão (0, 1, 3, 4, 12, 13, ...) obedecem a uma lei de formação. Somando o oitavo e
o décimo termos dessa sucessão obtém-se um número compreendido entre:
a) 150 e 170
b) 130 e 150
c) 110 e 130
d) 90 e 110
e) 70 e 90

Resolução:

36
Gabarito: letra C
37
Gabarito: letra C
38
Gabarito: letra C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 31 de 38
Exemplo39: Assinale qual o número seguinte nesta seqüência:

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


0, 1, 1, 2, 4, 7, 13, 24, ....
(A) 37 (B) 44 (C) 50 (D) 47 (E) 48
Exemplo40: A sequência seguinte apresenta um número e, entre parênteses, a correspondente letra que o representa:
101 (B) − 378 (R) − 492 (?) − 500 (E) − 651 (L)
Se as letras usadas são do alfabeto oficial, então, de acordo com o padrão considerado, a letra que representa o número
492 deve ser:
(A) J (B) O (C) N (D) S (E) U

Exemplo41: Na sequência o símbolo que ocupa a 73ª posição é

(A) (B) (C) (D) (E)

TEORIA DOS CONJUNTOS


É fácil identificar as questões de conjunto que são cobradas em prova. Em todas elas, teremos pessoas (ou animais, ou objetos)
divididas em grupos sobre determinado critério. E esses grupos apresentam elementos em comum, significando que há intersecção
entre eles. Também serão informadas quantidades relativas a esses grupos. Na solução, consideraremos os grupos como conjun-
tos, em seguida faremos os desenhos deles por meio de círculos, mostrando as intersecções entre eles, e acrescentando as quan-
tidades informadas no enunciado. Após isso, efetuaremos alguns desenvolvimentos aritméticos simples para encontrarmos a solu-
ção da questão.
Exemplo: Uma empresa divide-se unicamente nos departamento A e B. Sabe-se que 19 funcionários trabalham em A, 13
trabalham em B e existem 4 funcionários que trabalham em ambos os departamentos. O total de trabalhadores dessa em-
presa é:
(A) 36 (B) 32 (C) 30 (D) 28 (E) 24
DiCA: SEMPRE COMECE PELA INTERSECÇÃO!
Resolução:

Exemplo42: Na seleção de operários da construção civil, foram entrevistados 80 candidatos e constatou-se que:

39
Gabarito: letra B
40
Gabarito: letra B
41
Gabarito: letra A

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 32 de 38
- 45 desses candidatos sabiam lidar com pintura;
- 50 deles sabiam lidar com instalações elétricas;
- 50 sabiam lidar com instalações hidráulicas;
- 15 tinham habilidades nas três modalidades de serviço.
Todos os operários tinham habilidade em pelo menos uma das modalidades acima. Foram contratados todos os que ti-
nham habilidade em exatamente duas modalidades. Nessas condições, o número de candidatos contratados foi:
(A) 20 (B) 10 (C) 35 (D) 60 (E) 55
Exemplo43: Uma pesquisa de opinião foi realizada com 50 pessoas. Essa pesquisa procurava saber que veículos de comu-

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


nicação (jornal, rádio ou televisão) essas pessoas utilizam para tornar conhecimento das notícias diariamente. Após a
pesquisa, descobriu-se que:
41 pessoas utilizam televisão;
33 pessoas utilizam jornal
30 pessoas utilizam rádio
29 pessoas utilizam televisão e jornal
25 pessoas utilizam televisão e rádio
21 pessoas utilizam jornal e rádio
18 pessoas utilizam os três veículos
A quantidade de pessoas que não utilizam nenhum dos três veículos é:
a) 4 b) 1 c) 0 d) 2 e) 3
Exemplo44: Uma pesquisa foi realizada em uma classe de 51 alunos. Verificou-se que 23 alunos possuem computador, 28
alunos possuem telefone celular, 37 alunos possuem passaporte, 13 alunos possuem computador e telefone celular, 15
alunos possuem computador e passaporte e 17 alunos possuem telefone celular e passaporte. Determine o número de
alunos que possuem computador, telefone celular e passaporte.
A) 13 B) 8 C) 15 D) 7 E) 9

OUTRAS QUESTÕES LÓGICAS


Exemplo45: Observe as somas a seguir:

O valor de ♥ é igual a:
(A) 1; (B) 2; (C) 3; (D) 6; (E) 7.
Exemplo46: O Mini Sudoko é um interessante jogo de raciocínio lógico. Ele consiste de 36 quadrados de uma grade 6 X 6,
subdividida em seis grades menores de 3 X 2. O objetivo do jogo é preencher os espaços em branco com os números de 1
a 6, de modo que os números colocados não sejam repetidos nas linhas e nem nas colunas da grade maior, e nem nas
grades menores, como mostra o exemplo abaixo.

42
Gabarito: letra C
43
Gabarito: letra E
44
Gabarito: letra B
45
Gabarito: letra D
46
Gabarito: letra C

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 33 de 38
Observe que no esquema do jogo seguinte duas das casas em branco foram sombreadas. Você deve preencher o esque-
ma de acordo com as regras do jogo, para descobrir quais números deverão ser colocados corretamente nessas duas
casas.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Assim, a soma dos números que deverão ocupar as casas sombreadas é igual a:
(A) 5 (B) 6 (C) 8 (D) 9 (E) 10
Exemplo47: No último mês, cinco vendedores de uma grande loja realizaram as seguintes vendas de pares de calçados:
Paulo vendeu 71, Ricardo 76, Jorge 80, Eduardo 82 e Sérgio 91. Ana é diretora de vendas e precisa calcular a venda média
de pares de calçados realizada por estes cinco vendedores. Para este cálculo, a empresa disponibiliza um software que
calcula automaticamente a média de uma série de valores à medida que os valores vão sendo digitados. Ana observou
que, após digitar o valor de cada uma das vendas realizadas pelos vendedores, a média calculada pelo software era um
número inteiro. Desse modo, o valor da última venda digitada por Ana foi a realizada por:
a) Sérgio b) Jorge c) Paulo d) Eduardo e) Ricardo
Exemplo48: O caixa eletrônico de um banco foi programado para fazer pagamentos utilizando apenas cédulas de R$ 50,00,
R$ 20,00 e R$ 10,00. Ao usar esse caixa, de quantos modos distintos uma pessoa poderá fazer uma retirada de R$ 100,00?
(A) 6 (B) 7 (C) 8 (D) 9 (E) 10
Exemplo49: Comparando-se uma sigla de 3 letras com as siglas MÊS, SIM, BOI, BOL e ASO, sabe-se que:
- MÊS não tem letras em comum com ela;
- SIM tem uma letra em comum com ela, mas que não está na mesma posição;
- BOI tem uma única letra em comum com ela, que está na mesma posição;
- BOL tem uma letra em comum com ela, que não está na mesma posição;
- ASO tem uma letra em comum com ela, que está na mesma posição.
A sigla a que se refere o enunciado dessa questão é:
a) BIL b) ALI c) LAS d) OLI e) ABI

47
Gabarito: letra B
48
Gabarito: letra E
49
Gabarito: letra B

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 34 de 38
EXERCÍCIOS
01. O baterista, o guitarrista e o vocalista de uma banda musical 11. Na sucessão seguinte os números foram colocados obede-
são engenheiros civil, eletrônico e mecânico, não necessariamen- cendo a um determinado padrão.
te nessa ordem. Sabendo que Antônio, João e Pedro são os
nomes dos integrantes da banda, que Antônio é engenheiro civil
e não toca instrumentos musicais, que o engenheiro eletrônico é
o guitarrista da banda e que João não é baterista, analise as
seguintes proposições e assinale a alternativa correta.
I. João é engenheiro eletrônico e guitarrista da banda.
Segundo esse padrão, os números que substituem corretamente
II. Pedro é baterista da banda. X e Y na 8a posição são tais que X + Y é igual a:

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


III. Antônio é vocalista da banda. (A) 95 (B) 135
IV. Pedro é engenheiro eletrônico. (C) 147 (D) 149
(A) Apenas a proposição I é verdadeira. (E) 157
(B) Apenas a proposição II é verdadeira.
(C) Apenas a proposição III é verdadeira. 12. Considere que os dois primeiros pares de palavras foram
escritos segundo determinado critério.
(D) As proposições II e IV são falsas.
temperamento − totem
(E) As proposições I, II e III são verdadeiras.
traficante − tetra
massificar − ?
02. Antônio, José e Paulo são professores de uma universidade
da cidade de São Paulo. Paulo é Paraibano, e os outros dois são De acordo com esse mesmo critério, uma palavra que substituiria
mineiro e paulista, não necessariamente nessa ordem. Os três o ponto de interrogação é
professores são formados em engenharia, física e matemática,
(A) ramas. (B) maras.
mas não se sabe quem é graduado em qual curso. Sabendo que
o físico nunca mudou de cidade, e que o mineiro não é José e (C) armas. (D) samar.
nem é engenheiro, é correto afirmar que:
(E) asmar.
(A) José é paulista e graduado em engenharia.
(B) Paulo não é engenheiro.
13. Em um certo ano, o mês de abril termina em um domingo. É
(C) Antônio é paulista e graduado em física. possível determinar o próximo mês a terminar em um domingo?
(D) José é mineiro e graduado em matemática. (A) Sim, será o mês de setembro do mesmo ano.
(E) Antônio é mineiro e graduado em matemática. (B) Sim, será o mês de outubro do mesmo ano.
(C) Sim, será o mês de dezembro do mesmo ano.
Camila, Fátima, Juliana, Maria e Renata são advogadas e, juntas, (D) Sim, será o mês de janeiro do ano seguinte.
abriram um escritório de advocacia. Cada uma dessas advoga-
(E) Não se pode determinar porque não se sabe se o ano seguin-
das se especializou em uma das seguintes áreas do direito: cível,
te é bissexto ou não.
constitucional, penal, trabalhista e tributária. Maria, Juliana e a da
área penal são solteiras. Nos fins de semana, a da área tributária
vai ao cinema com Fátima. Camila, Juliana e Maria têm menos
14. Observando o calendário de um certo ano, Gabriel percebeu
idade que a da área trabalhista. A da área cível divide a mesma
que havia dois meses consecutivos que totalizavam 60 dias. Se
sala do escritório com Camila, Juliana e Renata; a da área tribu-
esse ano começa em uma segunda-feira, então termina em uma:
tária ocupa sala individual.
(A) segunda-feira.
Tendo como referência a situação hipotética apresentada acima,
julgue os itens que se seguem, a respeito de lógica da argumen- (B) terça-feira.
tação. Caso queira, utilize a tabela no espaço para rascunho.
(C) quarta-feira.
(D) quinta-feira.
(E) sexta-feira.

15. Os anos bissextos têm, ao contrário dos outros anos, 366


dias. Esse dia a mais é colocado sempre no final do mês de
fevereiro, que, nesses casos, passa a terminar no dia 29. O

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 35 de 38
03. ( ) Juliana é da área constitucional e Maria, da área primeiro dia de 2007 caiu em uma segunda-feira. Sabendo que
tributária. 2007 não é ano bissexto, mas 2008 será, em que dia da semana
começará o ano de 2009?
04. ( ) Camila não é da área cível, Fátima é da área penal e
Renata, da área trabalhista. (A) Terça-feira.
(B) Quarta-feira.
05. Um agente de viagens atende três amigas. Uma delas é (C) Quinta-feira.
loura, outra é morena e a outra é ruiva. O agente sabe que uma
(D) Sexta-feira.
delas se chama Bete, outra se chama Elza e a outra se chama
Sara. Sabe, ainda, que cada uma delas fará uma viagem a um (E) Sábado.
país diferente da Europa: uma delas irá à Alemanha, outra irá à

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


França e a outra irá à Espanha. Ao agente de viagens, que queria
identificar o nome e o destino de cada uma, elas deram as se- 16. A malha quadriculada abaixo representa um terreno de for-
guintes informações: mato retangular que deve ser totalmente dividido em sete lotes
A loura: “Não vou à França nem à Espanha”. menores, não necessariamente de mesmo tamanho ou de mes-
ma forma, cada qual contendo uma casa (C), um pomar (P) e um
A morena: “Meu nome não é Elza nem Sara”. lago (L).
A ruiva: “Nem eu nem Elza vamos à França”.
O agente de viagens concluiu, então, acertadamente, que:
(A) A loura é Sara e vai à Espanha.
(B) A ruiva é Sara e vai à França.
(C) A ruiva é Bete e vai à Espanha.
(D) A morena é Bete e vai à Espanha.
Considerando que, na malha, quadradinhos unidos por um único
(E) A loura é Elza e vai à Alemanha. ponto NÃO pertencem a um mesmo lote, então, se cada quadra-
dinho da malha representa uma área real de 180 m2, a área da
superfície do maior dos sete lotes deverá ser, em metros qua-
06. Cinco moças, Ana, Beatriz, Carolina, Denise e Eduarda, estão drados,
vestindo blusas vermelhas ou amarelas. Sabe-se que as moças (A) 1 260
que vestem blusas vermelhas sempre contam a verdade e as que
vestem blusas amarelas sempre mentem. Ana diz que Beatriz (B) 1 440
veste blusa vermelha. Beatriz diz que Carolina veste blusa ama-
(C) 1 800
rela. Carolina, por sua vez, diz que Denise veste blusa amarela.
Por fim, Denise diz que Beatriz e Eduarda vestem blusas de (D) 1 980
cores diferentes. Por fim, Eduarda diz que Ana veste blusa ver-
(E) 2 160
melha. Desse modo, as cores das blusas de Ana, Beatriz, Caroli-
na, Denise e Eduarda são, respectivamente:
(A) amarela, amarela, vermelha, vermelha e amarela. 17. Fichas idênticas são empilhadas de tal forma que, assim que
a pilha inicial recebe a sexta ficha, ela é dividida em duas novas
(B) vermelha, vermelha, vermelha, amarela e amarela.
pilhas: uma com 4 fichas e outra com 2. A partir daí, as fichas
(C) vermelha, amarela, amarela, amarela e amarela. continuam a ser empilhadas, sendo colocadas alternadamente
em cada pilha, na ordem decrescente das suas alturas. Assim
(D) vermelha, amarela, vermelha, amarela e amarela.
que alguma das pilhas formadas recebe a sexta ficha, essa pilha
(E) amarela, amarela, vermelha, amarela e amarela. é dividida em duas novas pilhas, uma com 4, outra com 2 fichas
e as fichas continuam a ser empilhadas seguindo o mesmo
procedimento. No momento em que a 19a ficha vai ser colocada,
07. Cinco aldeões foram trazidos à presença de um velho rei, há:
acusados de haver roubado laranjas do pomar real. Abelim, o (A) 2 pilhas de 5 fichas e 2 pilhas de 4 fichas.
primeiro a falar, falou tão baixo que o rei que era um pouco surdo
não ouviu o que ele disse. Os outros quatro acusados disseram: (B) 2 pilhas de 4 fichas, 2 pilhas de 3 fichas e 2 pilhas de 2 fi-
chas.
Bebelim: Cebelim é inocente.
(C) 1 pilha de 5 fichas, 3 pilhas de 4 fichas, 1 pilha de 3 fichas e 1
Cebelim: Dedelim é inocente. pilha de 2 fichas.
Dedelim: Ebelim é culpado. (D) 1 pilha de 5 fichas, 2 pilhas de 4 fichas, 2 pilhas de 3 fichas e
Ebelim: Abelim é culpado. 1 pilha de 2 fichas.
O mago Merlim, que vira o roubo das laranjas e ouvira as decla- (E) 1 pilha de 5 fichas, 2 pilhas de 4 fichas, 1 pilha de 3 fichas e 1
rações dos cinco acusados, disse então ao rei: Ma-jestade, ape-

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 36 de 38
nas um dos cinco acusados é culpado, e ele disse a verdade; os pilha de 2 fichas.
outros quatro são inocentes e todos os quatro mentiram. O velho
rei, que embora um pouco surdo era muito sábio, logo concluiu
corretamente que o culpado era: 18. No rio Heródoto, há duas ilhas: Alfa e Beta. A ilha Alfa é
ligada à margem direita pela ponte 1 e à margem esquerda pela
(A) Abelim
ponte 2. A ilha Beta é ligada à margem direita pelas pontes 3 e 4,
(B) Bebelim mas não é ligada à margem esquerda. Há ainda as ponte 5 e 6,
que ligam uma ilha à outra. Percursos diferentes passando pelas
(C) Cebelim
pontes são caracterizados por seqüências diferentes formadas
(D) Dedelim com números do conjunto {1, 2, 3, 4, 5, 6}. Por exemplo, (1,2) é
um percurso que começa na margem direta, passa pela ponte 1,
(E) Ebelim

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


atravessa a ilha Alfa e, passando pela ponte 2, termina na mar-
gem esquerda. Note ainda que (1,5,3), (1,5,4) e (3,5,1) são dife-
rentes percursos que saem da margem direita e chegam a essa
08. Ana encontra-se à frente de três salas cujas portas estão mesma margem, passando pelas duas ilhas.
pintadas de verde, azul e rosa. Em cada uma das três salas
encontra-se uma e somente uma pessoa – em uma delas encon-
tra-se Luís; em outra encontra-se Carla; em outra, encontra-se
Diana. Na porta de cada uma das salas existe uma inscrição, a
saber:
Sala verde: “Luís está na sala de porta rosa”
Sala azul: “Carla está na sala de porta verde”
Sala rosa: “Luís está aqui” O nº de percursos diferentes que podem ser feitos, começando
Ana sabe que a inscrição na porta da sala onde Luís se encontra na margem esquerda e terminando na margem direita, visitando
pode ser verdadeira ou falsa. Sabe, ainda, que a inscrição na necessariamente as duas ilhas sem que se passe por uma mes-
porta da sala onde Carla se encontra é falsa, e que a inscrição na ma ponte duas vezes, é:
porta da sala em que Diana se encontra é verdadeira. Com tais (A) menor do que 11.
informações, Ana conclui corretamente que nas salas de portas
verde, azul e rosa encontram-se, respectivamente: (B) maior do que 11 e menor do que 15.
(A) Diana, Luís, Carla (C) maior do que 15 e menor do que 20.
(B) Luís, Diana, Carla (D) maior do que 20 e menor do que 25.
(C) Diana, Carla, Luís (E) maior do que 25.
(D) Carla, Diana, Luís
(E) Luís, Carla, Diana 19. Uma máquina automática que serve café expresso aceita
apenas moedas de 10, 25 ou 50 centavos e não devolve troco.
Considerando que cada café expresso feito nessa máquina custa
09. Cada uma das duas primeiras linhas seguintes apresenta um R$ 1,50, de quantos modos podem ser escolhidas as moedas
par de palavras que foram formadas obedecendo a determinado para colocar na máquina?
critério. Esse mesmo critério deve ser usado para completar a (A) 4
terceira linha, na qual falta uma palavra.
(B) 7
GROSSO − SOGRO
(C) 9
TESTEMUNHAR − ARTES
(D) 11
AMEDRONTAR − ?
(E) 15
A palavra que deve estar no lugar do ponto de interrogação é:
(A) ARAME
20. O número de uma conta bancária é formado por seis alga-
(B) ARDEM rismos, sendo que um deles é zero. Sabe-se que os algarismos
(C) ENTOA que ocupam as casas das unidades, do milhar e da centena de
milhar são iguais e diferentes de zero. A soma do algarismo da
(D) RONDA casa das dezenas com o da casa das centenas é 17, sendo que
(E) TRAMA o algarismo que ocupa a casa das dezenas é uma unidade maior
que o algarismo que ocupa a casa das centenas. Se a soma de
todos os algarismos que compõem essa conta é 23, o algarismo
10. Uma propriedade comum caracteriza o conjunto de palavras que ocupa a casa das unidades é igual a:
seguinte:

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 37 de 38
MARCA – BARBUDO – CRUCIAL – ADIDO – FRENTE – ? (A) 1.
De acordo com tal propriedade, a palavra que, em sequência, (B) 2.
substituiria corretamente o ponto de interrogação é:
(C) 3.
(A) HULHA.
(D) 4.
(B) ILIBADO.
(E) 5.
(C) FOFURA.
(D) DESDITA.
(E) GIGANTE.

Curso de Raciocínio Lógico para Tribunais – Paulo Henrique


Gabarito
1. E 2. E 3. V 4. F 5. E 6. E 7. C 8. C 9. A 10. C
11. B 12. C 13. C 14. B 15. C 16. E 17. D 18. D 19. C 20. B

End.: Av. Carlos Gomes, 2470 - São Cristovão - Fone: 3229-5594 - www.ieex.com.br Página 38 de 38