You are on page 1of 20

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Aula 11:
Custo de Capital

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 1 / 11 Orçamento de Empresas


Cincinatti Milacron

“Nós estaríamos muito mais modernizados e


portanto mais competitivos se o nosso custo
( de capital ) tivesse sido mais baixo”
James Geier
Chief Executive Officer
( James Morone and Albert Paulson
“Cost of Capital: The Managerial Perspective”
California Management Review - Summer 1991)

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 2 / 11 Orçamento de Empresas


Componentes do Capital
Capital - representa os fundos usados para financiar
os ativos da empresa e as operações.
Quais são as fontes do Capital?
• Curto Prazo:
Contas a Pagar, Salários a Pagar, Empréstimos de
Curto Prazo e Impostos a Pagar
• Longo Prazo:
Empréstimos de Longo Prazo, Ações Preferenciais,
Ações Ordinárias e Lucros Retidos
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 3 / 11 Orçamento de Empresas
Custo de Capital
Custo de Capital - é a taxa de retorno que uma
empresa precisa obter sobre os seus projetos de
investimentos, para manter o valor de mercado de suas
ações e atrair os recursos necessários para a empresa

Se Risco for mantido constante:


• Taxa de retorno de novos projetos acima do custo de
Capital (da empresa) aumenta valor da empresa
• Taxa de retorno de novos projetos abaixo do custo de
Capital (da empresa) diminui valor da empresa

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 4 / 11 Orçamento de Empresas


Custo de Capital
Premissas Básicas

O Custo de Capital é um conceito dinâmico afetado


por fatores econômicos e empresariais.

Premissas Básicas:
• Risco de negócio / risco operacional - risco que a empresa
corre de não cobrir os custos operacionais - não se altere.
• Risco Financeiro - risco que a empresa corre de ser incapaz
de cumprir com os compromissos financeiros exigidos
(juros, pagamento de empréstimos, dividendos de ações,
etc..) - não se altere.
• Custos depois dos impostos são considerados relevantes -
custo do capital é medido após o Imposto de Renda.
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 5 / 11 Orçamento de Empresas
Custo de Capital
Risco e Custos Financeiros
Custo específico de financiamento
kj = rj + bp + fp
onde - rj - custo livre de risco de um dado tipo de financiamento
bp - prêmio de risco de negócio (business premium)
fp - prêmio de risco financeiro (financial premium)
Exemplo 1: Empresas pertencentes a um segmento de negócio.
Empresa A Empresa B
- Custo empréstimo L.Prazo (-2anos) 8% 10%
- Custo livre de risco 4% 4%
- Risco Financeiro 2% 4%
- Risco de Negócio 2% 2%
- Custo empréstimo L.Prazo (atual) 10% 12%
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 6 / 11 Orçamento de Empresas
Custo de Capital
Conceito Básico
O Custo de Capital é estimado num dado momento. Ele
reflete o custo médio futuro dos fundos por um longo prazo,
com base nas melhores informações disponíveis .
Estrutura-meta de capital é um mix ótimo de financiamento,
através de capital de terceiros e capital próprio cujo objetivo é
maximizar a riqueza dos proprietários da empresa.
Exemplo 2: Oportunidades de Investimento:
A - Custo = $100.000 B - Custo = $100.000
Prazo = 20 anos Prazo = 20 anos
TIR = 7% TIR = 12%
Fonte >>> Endividamento = 6% Capital Próprio = 14% > 12%
OK Não
Mix: 50% capital próprio & 50% financiamento
Custo Médio Ponderado de Capital= 10% ( 0,50 x 6 + 0,50 x 14)
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 7 / 11 Orçamento de Empresas
Custo de Capital
Custo de Fontes Específicas de Capital
O Custo específico de cada fonte de financiamento é o custo
de obtenção dos fundos, hoje, após o imposto de renda, e não
o seu custo histórico, baseado na estrutura de financiamento
atual da empresa.

Balanço
Passivos circulantes
Empréstimos a Longo Prazo


Ativos Patrimônio Líquido Fontes de fundos
Ações Preferenciais a longo prazo
Ações Ordinárias
Lucros Retidos
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 8 / 11 Orçamento de Empresas
Custo da Dívida a Longo Prazo
Custo da Dívida a Longo Prazo é o custo de hoje, após o
imposto de renda, para levantar recursos, a longo prazo através
de títulos de dívida.
Recebimento Líquido da venda de um título de dívida, ou
qualquer título, são os fundos realmente obtidos pela venda.
Custos de Colocação são os custos totais de emissão e venda
de um título
Exemplo 3: Venda de Títulos de Dívida
Valor nominal : $1000
Rendimento do título: 9%
Rendimento de títulos c/ risco semelhante: > 9%
Valor de venda do título: $980 (compensar rendimento + baixo)
Custo de colocação do título 2% do valor nominal
Recebimento Líquido: $960 - (1000 - 20 - 20)
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 9 / 11 Orçamento de Empresas
Custo da Dívida a Longo Prazo
Custo do Empréstimo antes I.R.
Antes do Imposto de Renda
Cálculo através da TIR - taxa interna de retorno sobre o fluxo
de caixa dos títulos.
Se Recebimento Líquido = Valor Nominal
então Custo antes do Imposto = Taxa de Juros do Cupom
Exemplo 4:Valor de face do título: $1000
Recebimento líquido: $960
Juros do cupom: 9% a,a.
Vencimento: 20 anos
Valor da TIR: 9,45% (HP 12C)
Fluxo de Caixa: Ano 0 :$960
1 - 20: $90
20: $1000
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 10 / 11 Orçamento de Empresas
Custo da Dívida a Longo Prazo
Custo do Empréstimo após I.R.

O Custo específico do financiamento deve ser determinado


após o imposto de renda.

Exemplo 5: Custo do empréstimo antes I.R. = 9,4%


Taxa de I.R. = 40%
Qual o custo do empréstimo após I.R?
Sendo: ki - custo do empréstimo após I.R
kd - custo antes do imposto
T - taxa de I.R.
tem-se: ki = kd x ( 1 - T)
ki = 9,4 x ( 1 - 0,40) = 5,6 %

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 11 / 11 Orçamento de Empresas


Custo da Ação Preferencial
Custo da Ação Preferencial - é o custo de hoje para
levantar fundos utilizando esse instrumento.

Dividendos de Ações Preferenciais podem ser declarados


como um montante em unidades monetárias ou uma taxa
percentual anual.
Custo da Ação Preferencial (kp )
kp = Dp onde Dp - dividendos anuais em unidades
Np monetárias
Np - recebimentos líquidos da venda
da ação Np

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 12 / 11 Orçamento de Empresas


Custo da Ação Ordinária
Custo da Ação Ordinária - é a taxa pela qual os investidores
descontam os dividendos esperados da empresa para
determinar o valor da ação.
Métodos de Cálculo do Custo da Ação Ordinária:
a) Modelo de Gordon ( Crescimento Constante )
P0 = D1
ks - g onde P0 - Preço corrente da ação ordinária
D - dividendo anual esperado no final ano 1
1
ks - taxa de retorno exigida s/ ação ordinária
ks = D1 + g g - taxa anual crescimento const. dividendos
P0
b) Modelo de Formação de Preços de Ativos de Capital - CAPM
ks = RF +[ bs x ( km - RF )] kRsF -- retorno
retorno exigido para o ativo s pelo acionista
ativo livre de risco
bs - risco não diversificável do ativo s
km - retorno s/ carteira de ativos de mercado

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 13 / 11 Orçamento de Empresas


Tipos de Risco

Risco Total = Risco não Diversificável + Risco Diversificável


Risco Diversificável - parte do risco atribuível a causas randômicas específicas a
uma firma; pode ser eliminado por meio de diversificação: perda de cliente, greve,
processos, etc.
Risco não diversificável - parte do risco atribuível a fatores de mercado: guerra,
inflação, etc.
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 14 / 11 Orçamento de Empresas
Linha do Mercado de Títulos

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 15 / 11 Orçamento de Empresas


CAPM x Crescimento Constante
CAPM considera diretamente o risco da empresa, refletido
pelo b, para determinar o retorno exigido ou o custo da ação
ordinária.
Modelo de Crescimento Constante não leva em consideração
o risco; ao invés, utiliza o preço de mercado, Po como reflexo
da preferência risco-retorno esperado pelos investidores no
mercado.
O Modelo de Crescimento Constante é frequentemente
preferido, porque os dados são disponíveis mais rapidamente.
O Modelo de Crescimento Constante pode ser facilmente
ajustado com os custos de subscrição e colocação, para se
achar o custo de novas ações ordinárias. O CAPM por não
considerar o P0 torna-se mais difícil a sua aplicação.
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 16 / 11 Orçamento de Empresas
Custo de Lucros Retidos e de
Novas Emissões de Ações Ordinárias
Custo de Lucros Retidos, kr, para a empresa, é o mesmo que o
custo de uma emissão de ações ordinárias inteiramente
subscritas. Este custo só é aceitável se a expectativa do que
acionistas irão ganhar é de pelo menos o retorno exigido para
os fundos reinvestidos.
Custo de Novas Emissões de Ações Ordinárias, kn - é
determinado calculando-se o custo da ação ordinária após
considerar o montante de deságio e atribuir os custos de
colocação / subscrição.
kn = D1 + g onde kn - custo de novas emissões ações ordinárias
D1 - dividendo anual esperado no final ano 1
Nn N - recebimentos líquidos de nova ação
n
ordinária após deságio e custo de colocação
g - taxa anual crescimento const. dividendos
kn > kr > financiamento a longo prazo
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 17 / 11 Orçamento de Empresas
WACC - Custo de Capital da Empresa
Seja r B a taxa de retorno paga pela empresa por capitais
de terceiro, ou taxa de captação de recursos no
mercado
r S a taxa de retorno paga por seu capital próprio
S capital próprio
B capital de terceiros
Tc alíquota de imposto
WACC custo médio ponderado de capital
WACC = S x rS + B x rB x ( 1 - Tc )
B+S B+S
Parcela de Parcela de
Capital Próprio Capital de Terceiros
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 18 / 11 Orçamento de Empresas
WACC - Custo de Capital da Empresa
Exemplo 6: Lambda Corporation
Dívidas = $ 40 milhões
Ações no mercado = $ 60 milhões ( quantidade 3 milhões
a $ 20 / ação )
Taxa de juros da dívida = 15%
Prêmio pelo risco de mercado = 8,5%
Beta da empresa = 1,41
Alíquota de Imposto de Renda = 34%
Taxa de juros Letras do Tesouro = 11%
¶ Custo de Capital de Terceiros após imposto:
rB = 15% x ( 1 - 34% ) = 9,9%
¶ Custo de Capital Próprio:
rS = r F + β x 8,5% = 11% + 1,41 x 8,5% = 23,0%
¶ WACC - Custo médio ponderado de capital
( 60 / 100 * 23,0% ) + ( 40 / 100 * 9,9% ) = 17,8%

Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 19 / 11 Orçamento de Empresas


WACC - Custo de Capital da Empresa

Exemplo 7: Companhia Zero


Custo do Empréstimo, ki = 5,68%
Custo de Ações Preferenciais: kp = 9,33%
Custo de Novas Ações Ordinárias, kn = 13,30%
Custo de Lucros Retidos, kr = 13,00%
Fontes de Capital Proporções-meta
(Valor de Mercado)
Empréstimos Longo Prazo 40%
Ações Preferenciais 10
Ações Ordinárias 50
Tabela 1: Cálculo do Custo Médio Ponderado de Capital
Fonte de Capital Proporção Custo Custo-Ponderado
Empréstimo Longo Prazo 40% 5,68% 2,272%
Ações Preferenciais 10 9,33 0,933
Ações Ordinárias 50 13,00 6,500
Totais 100% 9,705%
Prof. Marco Aurélio Albernaz 1a. aula - 20 / 11 Orçamento de Empresas