Вы находитесь на странице: 1из 3

Coleta e princípios ativos

Princípios Ativos - Substâncias que vão atuar como medicinais. Provenientes do metabolismo
secundário das plantas e suas funções fisiológicas, estão divididos em vários grupos de acordo
com suas funções e estrutura química.O óleo essencial é o mais importante sob o ponto de vista
econômico, embora signifique apenas 0,1 % das plantas. Sào líquidos, evaporam sem deixar
resíduos, peso específico menor que a água, insolúveis em água, incolores.

Coleta - A época ideal para coleta de folhas, flores e caules é o início da floração. A parte
subterrânea(raiz/rizoma) deve ser coletada na estação seca (outono-inverno).

Princípios ativos encontrados nas plantas:

1.Gomas - Formam soluções adesivas se colocadas em água quente.. Propriedade emulsionante e


estabilizante

2.Mucilagens: São semelhantes às gomas do ponto de vista químico. Mas com água formam
solução coloidal, viscosa e não adesiva.Principal ação é como antiinflamatória das mucosas, pois
forma uma camada protetora, diminuindo as irritações locais. Em contato com água aumentam
de volume, e apresentam efeito laxativo. Não deve sofrer ebulição prolongada, pois o calor
diminui atividade biológica.

3. Pectina ou subs. pécticas. Sào armazenadas em maiores quantidades nos frutos. Produção de
geléias e antidiarréicos.

4.Taninos: substâncias adstringentes (travosas) encontradas na maioria das plantas medicinais.


Sua ação manifesta-se pela por uma retração do tecido lesado e precipitado de proteínas,
formando uma camada protetora que possibilita o processo de cicatrização associado a uma ação
hemostática e antidiarréica. São bastante solúveis em água e álcool. Não dever sofrer processo de
fervura prolongado e podem ser usados interna e externamente.

5. Glicosídios - Subst frequentes no reino vegetal, composta por uma fração açúcar e outra não
açucar (genina). De acordo com a estrutura da genina, os glicosídios podem ser classificados:

5.1- G.Salicílicos- Os primeiros descobertos foram os salicina, encontrados nas


cascas das árvores Salix e Populus, próximas aos cursos de rios em climas frios.
Ação anti-reumática e anti-pirética.

5.2 G.cianogéticos-Estão presentes em várias famílias (rosaceae,leguminosae,


euphorbiaceae) e quando hidrolisados liberam ácido cianídrico ou prússico, daí a
ação de toxicidade.

5.3. G. Cardiotônicos e cardioativos - grupos de substâncias mais importantes na


terapêutica. São encontrados em vegetais e não foi produzido ainda seu
equivalente sintético. Trata-se de substâncias capazes de regularizar os distúrbios
funcionais do aparelho circulatório, reforçando a atividade cardíaca insuficiente e
restabelecendo a distribuição normal do volume sanguíneo nas artérias e veias.

5.4.G.antraquinônicos- Ação purgante ou laxante. Excita os movimentos


peristálticos do intestino grosso. Deve ser usada com moderação.

1
5.5G.flavonóides - São encontrados em muitas famílias botânicas, usualmente
mais concentradas em folhas e flores. Ação: diurética, antiinflamatória,
antiespasmódica, ação tônica sobre o coração e circulação venosa.

5.6. G. sulfurados - Encontrados em algumas famílias( crucíferas,tropaeoláceas e


liliaceas) e se caracterizam por conter enxofre em suas moléculas. Ação anti-
séptica e estimulante estomacal, consumidos em saladas. Aplicação tópica pode
causar irritação e vasodilatação.

5.7. G. cumarínicos - subs. difundida no reino vegetal..

6.Saponina- subst orgânica que faz espuma quando agitada com água e se parece com
sabão.Tóxicas se injetadas diretamente na corrente sanguínea.

7. Alcalóides- é amarga e tóxica.

8.Lactonas sesquiterpênicas - Subst. amargas encontradas quase sempre na família das


compostas. Algumas são citostáticas, antiinflamatórias e antimicrobianas. Reações alérgicas e
dermatites estão associadas a essas substâncias.

9.Óleos essenciais - subst líquidas, oleosas,voláteis e aromáticas.

10. Resinas- produtos das secreções de células resiníferas, presentes em algumas plantas das
famílias das coníferas e leguminosas, que exsudam mediante incisões.

11.Óleo-resina- subst naturais de consistência espessa, produtos de secreção da planta.


Constituídas por 'óleos essenciais e resinas. ppdes antisépticas das vias respiratórias ou
alucinogênicas, como no caso da cannabis.

12. Componentes minerais- encontrados em quase todas as plantas e indispensáveis aos


processos vitais humanos, com ação reconstituinte e oxidante. São indispensáveis para a
atividade da maioria das enzimas.

13. Vitaminas: Vitaminas hidrossolúveis do grupo B ( B1,B2,B6,B12, C,P) e lipossolúveis do


grupo A (A,D,E,K).

Modo de preparar as ervas.

Infuso - Usado para orgãos delicados da folha, flor e fruto. Proporção 5 gs de erva para cada 100
ml de água. Tampar e repousar de 10 a 15 minutos

Decocto-Usado para orgãos mais duros como raiz, casca e lenho. Proporção: a mesma do infuso.
Colocar a erva na água e ferver em fogo baixo durante 5 a 20 minutos de acordo com o caso.
Repouso de 5 a 10 minutos.

Tintura. Para 100 ml de tintura colocar 10 gs de erva seca( ou 20 gs fresca) e triturar no


liquidificador com 80 ml de álcool, cuja graduação deve variar de 50 a 80 graus, Transferir para
vidro escuro e deixar em repouso por 5 dias, agitando de vez em quando. Coar e ir
acondicionando mais álcool até completar 100 ml. Proporção de erva no álcool é de 20%,
duração de 1 ano.

2
Maceração - Feita em temperatura ambiente, colocar a planta finamente dividida em contato
com líquido extrator (álcool de 40 a 80 graus) em recipiente de aço inoxidável por período de até
4 semanas. Após esse período o macerado deve ser prensado e filtrado.Usado para folhas frescas
ou secas, fruto seco ou raízes frescas. Mesmas doses da tintura.Este processo preserva melhor as
vitaminas e sais minerais.

Tintura vinosa. Vinho branco com graduação alcoolica baixa ( 11 a 12 graus). A proporção é de
5 % de erva para o vinho ( 5 gs de erva seca ou 10 gs de erva fresca para cada 100 ml de vinhos).
Macerar em vidro escuro a droga por uma semana.Coar e manter em lugar fresco,

Óleo medicinal: Preparação na qual o P.A. é dissolvido em óleo comum ou azeite. Colocar a
planta fresca ou seca triturada em maceração, na proporção de 1 parte da planta para 5 de óleo,
ou seja 20 % mantendo em banho maria durante 1 a 3 horas em fogo baixo (a água não deve
ferver). Esfriar, coar e espremer o resíduo. Usado para massagens, cataplasmas, máscaras e
cremes de beleza.

Tisana: Coloque a erva em água já fervendo, cozinhe por 5 min. com a panela tampada e deixe
descandar depois de desligar o fogo por mais 10 min. Coe e use.

Cataplasmas: Aplicação de ervas sobre parte externa do corpo machucada, inchada ou dolorida.
Pode ser feita:

-Ervas frescas: Aplicadas diretamente na área afetada do corpo, sem preparação


prévia.

-Ervas secas: Colocadas no interior de um saquinho e aplicadas frias ou quentes,


de acordo com o caso. Estas cataplasmas são recomendados para combater
cãimbras, nevralgias, dores de ouvidos,etc.

-Forma de pasta: ervas socadas até formarem uma papa, que deve ser aplicada
diretamente ou entre dois panos, no local afetado. Quando não se tem erva fresca,
usa-se a seca. Aí é preciso água fervendo sobre as ervas, para auxiliar formação
da papa.

-Compressas: Cozinhar ervas indicadas até se obter líquido bem forte (3 ou 4


vezes mais que o chá). A seguir mergulha-se pano no líquido, que é torcido e
aplicado na parte dolorida ou afetada.

Inalações: Vapor de certas ervas, para casos de distúrbios ou doenças do aparelho respiratório.
Preparar as ervas como um chá em tisana ou infusão.Não perder o vapor. Tampar o recipiente
enquanto estiver no fogo. Espere esfriar um pouco, com um funil de papel inala-se vapor
profundamente.

Unguento: Pomadas de ervas trituradas em gordura vegetal. No momento do uso é só derreter


em fogo brando.

Banhos: Chás fortes para serem misturados à água da banheira.

Xaropes: Feitos de chás obtidos por decocção ou maceração e misturados com mel para se
saturarem.