Вы находитесь на странице: 1из 1

Prof.

: Charles Jomar
A VELHA CONTRABANDISTA 7) Numere corretamente as frases abaixo, observando a ordem dos
acontecimentos.
Diz que era uma velhinha que sabia andar de lambreta. Todo dia ( ) O fiscal verificou que só havia areia dentro do saco.
ela passava pela fronteira montada na lambreta, com um bruto saco ( ) O pessoal da alfândega começou a desconfiar da velhinha.
atrás da lambreta. O pessoal da Alfândega – tudo malandro velho – ( ) Diante da promessa do fiscal, ela lhe contou a verdade: era
começou a desconfiar da velhinha. contrabando de lambretas.
Um dia, quando ela vinha na lambreta com o saco atrás, o fiscal da ( ) Todo dia, a velhinha passava pela fronteira montada numa
Alfândega mandou ela parar. A velhinha parou e então o fiscal lambreta, com um saco no bagageiro.
( ) Mas, desconfiado, o fiscal passou a revistar a velhinha todos os
perguntou assim pra ela:
dias.
- Escuta aqui, vovozinha, a senhora passa por aqui todo dia, com
( ) Durante um mês, o fiscal interceptou a velhinha e, todas as
esse saco aí atrás. Que diabo a senhora leva nesse saco?
vezes, o que ela levava no saco era areia.
A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os
( ) Então, ele prometeu que não contaria nada a ninguém, mas
outros, que ela adquirira no odontólogo e respondeu:
pediu à velhinha que lhe dissesse qual era o contrabando que fazia.
- É areia!
Aí quem sorriu foi o fiscal. Achou que não era areia nenhuma e
8) Muito próxima do texto oral, a crônica é um
mandou a velhinha saltar da lambreta para examinar o saco. A gênero que aproveita alguns recursos típicos
da fala, como a repetição, para estabelecer a
velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia.
coesão textual. No primeiro parágrafo, por
Muito encabulado, ordenou à velhinha que fosse em frente. Ela exemplo, a palavra “velhinha” repete-se duas
vezes; “lambreta”, três vezes. Pensando ainda
montou na lambreta e foi embora, com o saco de areia atrás.
nos modos de relacionar as palavras, na frase,
Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse especifique outra forma de manter a coesão,
empregada também no primeiro parágrafo
um dia com areia e no outro com muamba, dentro daquele maldito
do texto. Em seguida, explique a diferença
saco. No dia seguinte, quando ela passou na lambreta com o saco de função entre o termo “aí”, ocorrente
no terceiro parágrafo, e o mesmo vocábulo, no
atrás, o fiscal mandou parar outra vez. Perguntou o que é que ela
sexto parágrafo.
levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O fiscal
9) O texto explora bastante um estilo coloquial,
examinou e era mesmo. Durante um mês seguido o fiscal
informal, marcado por um uso deliberado de
interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco gíria e expressões distensas (tudo malandro
velho, muamba, manjo, pra burro, diz que
era areia.
era, pra ela, chateou). Entretanto, em certas
Diz que foi aí que o fiscal se chateou: passagens, o enunciador emprega um vocabulário
mais formal, imprevisível e em contraste
- Olha, vovozinha, eu sou fiscal de alfândega com 40 anos de
com as características gerais do texto.
serviço. Manjo essa coisa de contrabando pra burro. Ninguém me Admitindo essas premissas, identifique um
substantivo, usado no texto, que representa
tira da cabeça que a senhora é contrabandista.
essa quebra de expectativa, em virtude de
- Mas no saco só tem areia! – insistiu a velhinha. E já ia tocar a seu caráter mais formal e tenso. Além disso,
comente por que o tempo pretérito
lambreta, quando o fiscal propôs:
mais-que-perfeito do verbo “adquirir” também
- Eu prometo à senhora que deixo a senhora passar. Não dou parte, reflete um emprego inusitado, quando
considerado o todo textual.
não apreendo, não conto nada a ninguém, mas a senhora vai me
dizer: qual é o contrabando que a senhora está passando por aqui
10) Entre outras características, a assimilação da
todos os dias?
“contribuição milionária de todos os erros”
- O senhor promete que não “espaia” ? – quis saber a velhinha. aplica-se já ao ideário renovador do Modernismo,
no início do século passado. Tendo em
- Juro – respondeu o fiscal.
vista que o texto de Stanislaw Ponte Preta se
- É lambreta. constrói com apoio em variedades lingüísticas
populares, aponte uma palavra, usada no
(Stanislaw Ponte Preta)
texto, que pode significar o aproveitamento
dos “erros” percebidos na fala popular. Na seqüência,
comente o caráter inesperado do uso
Interpretação do texto
desse “erro”, examinando o contexto em que
ele está inserido.
1) O que a velhinha carregava dentro do saco, para despistar o
11) Ainda que o discurso direto ocupe boa parte
guarda? de A velha contrabandista, o discurso indireto
também pode ser encontrado, algumas vezes.
2) O que o autor quis dizer com a expressão “tudo malandro velho”?
Examinando com cuidado o texto, transcreva
um segmento em que se utiliza, na
3) Leia novamente o 4º parágrafo do texto e responda: mesma oração, o discurso indireto mesclado
com o direto – o chamado discurso indireto livre.
Quando o narrador citou os dentes que “ela adquirira no Explicite, ainda, o efeito de sentido que
odontólogo”, a que tipo de dentes ele se referia? essa mistura provoca, nessa passagem.

4) Explique com suas palavras qual foi o truque da velhinha para


enganar o fiscal.
5) Quando a velhinha decidiu contar a verdade?
6) Qual é a grande surpresa da história?

Похожие интересы