Вы находитесь на странице: 1из 26

Universidade Federal de Alagoas

Centro de Tecnologia
C
Curso de
d Engenharia
E h i Ci Civil
il

Teoria das Estruturas I


Aula 05

Prof Flávio Barboza de Lima


Prof.
Aula 05

‰ Determinação geométrica das estruturas planas

‰ Cálculo das reações de apoio em estruturas isostáticas


Determinação Geométrica das Estruturas Planas

B
Barras vinculares
i l equivalentes
i l t
Apoio simples, ou Apoio do 1º gênero

Apoio duplo, Apoio do 2º gênero, Articulação ou Rótula

Apoio do 3º gênero ou Engaste


Determinação Geométrica das Estruturas Planas

Treliças

‰ Sendo b o número de barras, incluindo as barras vinculares


equivalentes, e n o número de nós de uma treliça plana, a
condição necessária para que a estrutura tenha a sua posição
determinada é:

b=2n
Determinação Geométrica das Estruturas Planas

Treliças

Classificação quanto à sua determinação geométrica

b<2n Treliça indeterminada (móvel)


(mó el)

b=2n Treliça determinada

b>2n Treliça superdeterminada


Determinação Geométrica das Estruturas Planas
Treliças
Exemplo
4

n = 14
b>2n
Treliça
ç superdeterminada
p
b = 29
Determinação Geométrica das Estruturas Planas

C
Chapas
‰ Para esse estudo, será considerada uma chapa a estrutura ou o
conjunto de peças estruturais responsável pela posição de três ou
mais pontos em seu domínio

Treliça geometricamente
Determinada (n
(n = 7 e b = 14)
14)
“Chapa” de treliça

A chapa possui, dessa forma, três graus de mobilidade no plano


Determinação Geométrica das Estruturas Planas

C
Chapas
‰ A condição para que uma treliça, excluindo
excluindo--se as ligações
externas (barras vinculares) seja uma “chapa”, é dada por
por::

b=2n-3
2 graus de liberdade Treliça como chapa (n = 7 e b = 11)
11)

2 graus de liberdade 3 graus de liberdade


Determinação Geométrica das Estruturas Planas

Chapas
Chapas
‰ Nas estruturas constituídas por chapas e vínculos, são necessários
um ou mais vínculos equivalentes a três barras vinculares
vinculares,, para
que a sua posição seja fixa

‰ Sendo c o número de chapas abertas da estrutura e b o número de


barras vinculares equivalentes
equivalentes,, a condição necessária para que a
que a estrutura
t t seja
j geometricamente
ti t determinada
d t i d é:

b=3c
Determinação Geométrica das Estruturas Planas

Chapas

Classificação quanto à sua determinação geométrica

b<3c E t t
Estrutura indeterminada
i d t i d (móvel)
( ó l)

b=3c Estrutura determinada

b>3c Estrutura superdeterminada


Determinação Geométrica das Estruturas Planas
Chapas
Exemplos
1
(2) (1)

c=1 b=3 b=3c


Estrutura determinada

2
c=1 b=3 b=3c
Estrutura determinada
Determinação Geométrica das Estruturas Planas
Chapas
Exemplos
3
(2)

(2) (2)

c=2 b=6 b=3c


Estrutura determinada
Determinação Geométrica das Estruturas Planas
Chapas
Exemplos
4

(3) Continuidade = 3 barras

(3) (3)

c=1 b=9 b>3c


Estrutura superdeterminada
grau = 6
Determinação Estática das Estruturas Planas

Estruturas em treliças

Classificação quanto à sua determinação estática

b<2n Treliça hipostática

b=2n Treliça isostática

b>2n Treliça hiperestática


Determinação Estática das Estruturas Planas

Estruturas em chapas

Classificação quanto à sua determinação estática

b<3c E t t
Estrutura hi
hipostática
táti

b=3c Estrutura isostática

b>3c Estrutura hiperestática


Cálculo de reações de apoio
‰ Sabemos que um corpo está em equilíbrio quando a resultante de todas
as forças que nele atuam é nula

‰ Com isso a força resultante F e o momento resultante M devem se anular,


resultando, considerando as três dimensões no espaço, nas seguintes
equações de equilíbrio:

∑ Fx = 0 ∑Mx = 0 y

∑F y =0 ∑M y =0 z
x

∑F z =0 ∑M z =0

Particularizando para o caso de estruturas planas com carregamento plano:

∑F x =0 ∑F y =0 ∑M z =0 x
Cálculo de Reações de apoio
‰ A correta aplicação das equações e equilíbrio necessita da completa
especificação de todas as forças externas atuantes sobre a estrutura

‰Di
Diagrama de
d corpo livre
li é a representação
ã esquemática
á i do
d corpo com as
forças atuantes, substituindo-
substituindo-se os vínculos por forças que correspondem
às reações de apoio

‰ Se faz necessário estabelecer uma convenção de sinais para a direção e


sentido das forças, bem como sentido de giro em relação a um pólo em
qualquer ponto da estrutura

y
+
x

Inicialmente admite-
admite-se um sentido para as reações e após aplicado as
equações de equilíbrio caso resulte negativo basta inverter o sentido
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 1 – Viga bi
bi--apoiada com carga concentrada
60kN 60kN
A B

4m 2m RVA RVB

y ∑M A =0
+
x 6 xRVB − 4 x60 + 0 xRVA = 0 ∴ RVB = 40kN

∑M B =0
− 6 xRVA + 2 x60 + 0 xRVB = 0 ∴ RVA = 20kN

60kN

Diagrama de A B

corpo
p livre
20kN 40kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 2 – Viga bi
bi--apoiada com carga uniformemente distribuída
3kN/m R=3x6=18kN

A B

6m RVA RVB
3m 3m

y
∑M A =0
+
x 6 xRVB − 3 x18 = 0 ∴ RVB = 9kN

∑M B =0
− 6 xRVA + 3 x18 = 0 ∴ RVA = 9kN

3kN/m
Diagrama de
A B
corpo
p livre
9kN 9kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 3 – Viga bi
bi--apoiada com carga parcialmente distribuída
6kN/m R=6x4=24kN

A B

2m 4m RVA
4m 2m RVB

y
∑M A =0
+
x 6 xRVB − 4 x 24 = 0 ∴ RVB = 16kN

∑M B =0
− 6 xRVA + 2 x 24 = 0 ∴ RVA = 8kN

6kN/m
Diagrama de
A B
corpo
p livre
8kN 16kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 4 – Viga bi
bi--apoiada com carga triangularmente distribuída
6x6
6kN/m R= = 18kN
2
A B

6m RVA
4m 2m RVB

y
∑M A =0
+
x 6 xRVB − 4 x 2 − 18 = 0 ∴ RVB = 12kN

∑M B =0
− 6 xRVA + 2 x18 = 0 ∴ RVA = 6kN

6kN/m

Diagrama de
A B
corpo
p livre
6kN 12kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 5 – Viga bi
bi--apoiada com carga momento concentrada

30kN.m 30kN.m
A B

2m 4m RVA
RVB

y
∑M A =0
+
x 6 xRVB − 30 = 0 ∴ RVB = 5kN

∑M B =0
− 6 xRVA + 30 = 0 ∴ RVA = −5kN

Diagrama de A
30kN.m
B
corpo
p livre
5kN
5kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 6 – Viga engastada ou em balanço com carga concentrada


20kN 20kN
MA
A B

4m
RVA

y
∑Y =0
+
x RVA − 20 = 0 ∴ RVA = 20kN

∑M A =0
− 4 x 20 + M A = 0 ∴ M A = 80kN .m

20kN
Diagrama de 80kN.m
corpo
p livre A B

20kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 7 – Viga engastada ou em balanço com carga distribuída uniforme


R=5x4=20kN
5kN/m
MA
A B

4m RVA
2m

y
∑Y =0
+
x RVA − 20 = 0 ∴ RVA = 20kN

∑M A =0
− 20 x 2 + M A = 0 ∴ M A = 40kN .m

Diagrama de 5kN/m
40kN.m
corpo
p livre A B

20kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 8 – Viga engastada ou em balanço com carga momento

10kN.m
MA 10kN.m
A B

4m RVA

y
∑Y =0
+
x RVA + 0 = 0 ∴ RVA = 0

∑M A =0
− 10 + M A = 0 ∴ M A = 10kN .m

Diagrama de 5kN/m
40kN.m
corpo
p livre A B

20kN
Cálculo de Reações de apoio - Exemplos

Exemplo 9 – Viga bi
bi--apoiada com balanço e carga uniformemente distribuída
7,5kN/m R=7,5x8=60kN

A B

6m 2m RVA RVB
4m 2m

y
∑M A =0
+
x 6 xRVB − 4 x 60 = 0 ∴ RVB = 40kN

∑M B =0
− 6 xRVA + 2 x 60 = 0 ∴ RVA = 20kN

7,5kN/m
Diagrama de
A
corpo
p livre
B
20kN 40kN