You are on page 1of 18

Osciloscópio Analógico

Ricardo Cordeiro nº 4043


José Frade nº 4047
Tiago Cordeiro nº. 2808
Introdução
O que é o osciloscópio?
z O osciloscópio é um instrumento de medida que permite visualizar graficamente
sinais eléctricos;
z Mostra como um sinal eléctrico varia no tempo;
z Permite determinar valores de tensão e temporais de um sinal.
z Permite determinar a frequência de um sinal periódico.
z Permite determinar a componente contínua e alternada de um sinal.
z Permite detectar a interferência de ruído num sinal e, por vezes, eliminá-lo.
z Permite verificar se um dado componente está avariado.
z A utilização do transdutor adequado permite utilizar o osciloscópio para a análise de
sinais não eléctricos, tais como temperatura, pressão, luminosidade, etc.
Diagrama de Blocos (básico):
Princípio de Funcionamento:

• O canal vertical tem como função condicionar os sinais de entrada de modo


a produzir, à saída, um sinal adequado para a deflexão do feixe; a saída do
canal vertical, yy, é a entrada vertical do tubo de raios catódicos (TRC), que
vai provocar a correspondente deflexão vertical no ecrã do osciloscópio;

• O canal horizontal tem como função produzir um sinal de deflexão


horizontal, que é aplicado à entrada xx do TRC;

• O tubo de raios catódicos permite a visualização num ecrã do traçado


gráfico provenientes dos canais horizontal e vertical;
Tubo de raios catódicos

• O tubo de raios catódicos é o componente de saída e de


visualização do osciloscópio;

• A imagem observada resulta do embate do feixe electrónico num


ecrã, constituído por material fosforescente e fluorescente;

• A intensidade luminosa depende da velocidade que foi animado o


feixe electrónico
Visualização: Tubo de raios
Catódicos (TRC)
Tubo de raios catódicos

Geração do feixe:
O feixe é gerado num cátodo aquecido, com grande
quantidade de electrões livres, que são conduzidos em direcção à
grelha e depois acelerados por um ânodo, ambos com potenciais
positivos em relação ao cátodo. O feixe é concentrado por
electrões de focagem e conduzido para o ecrã. A energia contida
nesta massa de electrões, ao embater no ecrã, é parcialmente
convertida em energia luminosa, formando um ponto luminoso.
Tubo de raios catódicos

Ecrã:
O ecrã é constituído por uma superfície revestida por fósforo, que é
um elemento que absorve a energia cinética dos electrões, convertendo-a
em energia luminosa.

z A fluorescência é a característica que o fósforo tem de se iluminar,


quando atingido por electrões a alta velocidade.
z A fosforescência é a sua capacidade de manter essa luminosidade
durante um certo tempo.
Canal Vertical
Canal Horizontal
A base de tempo e circuitos de controlo :
O canal horizontal tem como função principal permitir a
visualização de um sinal em função do tempo. As unidades principais
do canal horizontal são: a base de tempo, o circuito de sincronismo
e o amplificador horizontal. A base de tempo não é mais do que um
gerador de uma rampa de tensão. O circuito de sincronismo assegura
que o varrimento se inicia sempre em pontos do sinal vertical com as
mesma características, quer em amplitude quer em declive. O
amplificador horizontal condiciona o sinal gerado da base de tempo
para os valores de tensão exigidos pelas placas deflectoras horizontais.
Canal Horizontal
A base de tempo :
z O circuito de tempo deve fazer o ponto luminoso deslocar-se periodicamente e a
velocidade constante, na direcção horizontal, da esquerda para a direita, voltando á
posição inicial, e assim sucessivamente.
z Para efectuar este percurso, o circuito de base de tempo proporciona ás placas
verticais uma tensão variável denominada de dente de serra.
z Para se obter uma imagem estável e possível de se analisar, é preciso que a
frequência da tensão em dente de serra sincronize-se com a frequência do sinal a
medir.
Canal Horizontal
A base de tempo :
Canal Horizontal
Canal Horizontal
O Sincronismo :
Se os sinais a serem visualizados não forem periódicos, não é
possível repetir a mesma imagem, não se conseguindo uma visualização
estabilizada do sinal. Mais ainda, mesmo para um sinal periódico, é
necessário que, em cada varrimento, o feixe de electrões percorra
exactamente o mesmo trajecto no ecrã, de modo a que se obtenha uma
imagem estabilizada no ecrã.
Canal Horizontal
O Sincronismo :
Tendo como auxílio a seguinte figura, é
fácil de perceber que, se o sinal em forma
de rampa gerado pela base de tempo não
tiver um período (exactamente) múltiplo do
período do sinal (caso de uv1 e uv2), o
sinal vai ser desenhado em sítios diferentes,
para cada varrimento (caso de uv3). Isto
implica uma visualização não estabilizada
do sinal.
Canal Horizontal
O Sincronismo :
Por esta razão, é necessário existir um sistema que faça com que os sinais de
entrada sejam desenhados sempre nos mesmos pontos do ecrã. No fundo,
pretende-se um sistema que controle o início do sinal em forma de rampa que é
aplicado às placas verticais. Este sistema é normalmente designado como o
sistema de sincronismo ou sistema de disparo (trigger). Este circuito recebe o sinal
do sistema vertical, e faz disparar o início da rampa nos tempos adequados.
Especificações
z Eixo Vertical
Sensibilidade: NORM: 1 mV - 5V / DIV ( Sequência 1 - 2 - 5, 12 faixas )
Precisão: < 3% para 5 mV ~ 5 V / DIV ( 10 °C ~ 35 °C ou 50 °F ~ 95 °F )
< 5% para 1 mV ~ 2 mV / DIV ( 10 °C ~ 35 °C ou 50 °F ~ 95 °F )
Sensibilidade: VARIAVEL:Até 1 / 2,5 ( ou menos ) do valor indicado no painel.

Modos de Operação:
CH1:somente canal CH1
CH2: somente canal CH2
DUAL: CHOP: 0,5 s – 5 ms / DIV
ALT: 2 ms – 0,1 ms / DIV
Quando CHOP ( botão ) é apertado, os dois traços são mostrados no
modo CHOP em todas as faixas.
ADD: CH1 + CH2 ( soma algébrica )

Acoplamento da Entrada: AC / DC / GND


Conclusão

z O comando de Volt/Div permite ajustar a amplitude do sinal aplicado às placas


horizontais (de deflexão vertical), dependendo da amplitude do sinal original.
z O ajuste da velocidade de varrimento. O comando Sec/Div permite ajustar o tempo
por divisão representado horizontalmente no ecrã, dependendo da frequência do sinal
original.
z Os comandos do sistema de sincronismo permitem a estabilização de um sinal
periódico ou a visualização de uma única transição (sinais transitórios).
z O ajuste dos comandos de focagem e intensidade permite a obtenção de uma imagem
nítida e com a visibilidade pretendida.