Вы находитесь на странице: 1из 8

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Projeto Integrador do Seqüencial em Automação para o


Curso de Graduação em Engenharia de Computação
Goiânia/2008

CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO

Contextualização
A importância na automatização de tarefas no mundo moderno vem crescendo
gradativamente. O aumento desta aplicação deve-se ao fato da procura do ser
humano por uma comodidade maior nas tarefas comuns que realiza.
O projeto apresentado trata-se de um sistema de segurança de veículos. Consiste
em proteger o carro de roubos caso um sensor que somente o dono possua seja
acionado. Ao não detectar o procedimento correto de abertura do carro o sistema irá
cortar a alimentação de combustível do carro fazendo com que o mesmo não funcione.
O principal componente do sistema será um sensor para verificar a abertura correta do
carro sendo que o dono irá possuir o único mecanismo que irá desativar este sensor que
controla a ligação ou não do sistema de segurança do carro.

Justificativa

O intuito deste projeto é justamente este: utilizar as ferramentas disponíveis da


automação para proporcionar aos usuários uma maior segurança em relação aos seus
veículos. O grande número de assaltos a veículos em nossa cidade e a necessidade de
prover um serviço de segurança melhor e que permita que a pessoa não deixe seu
veículo seja furtado foram os principais motivos que levaram ao desenvolvimento deste
projeto.
A grande quantidade de tecnologia empregada no desenvolvimento e construção
de veículos permitiu também que a utilização da automação fosse mais facilmente
introduzida. Os componentes eletrônicos fazem parte da maioria dos automóveis e o
incremento dos componentes utilizados neste projeto não acarretariam um custo alto ao
final da produção do veículo.

Objetivos

Os objetivos da realização deste projeto foram os seguintes:

• Como já citado é utilizar as ferramentas disponíveis da automação para


proporcionar aos usuários uma maior segurança em relação aos seus veículos;
• Aplicar os conceitos vistos durante o S Seqüencial em Automação na graduação
em Engenharia de Computação em um projeto prático e que pudesse mostrar-
nos o que o mercado de trabalho irá buscar em um profissional que atua nesta
área;
• Colaborar com o desenvolvimento de tecnologias empregadas na segurança de
veículos ou em outras áreas que utilizem um princípio de segurança parecido ou
igual de funcionamento;
• Garantir uma segurança aos usuários do sistema com a utilização de
componentes simples e que não encareçam o veículo.

Hipóteses

Através da automatização do sistema de segurança de veículos automotivos,


resultará em uma segurança do veiculo contra furtos.
Com a automatização do ar condicionado, o portador do veiculo terá um
conforto maior, já que o ar condicionado será ligado automaticamente de acordo com a
temperatura interna do carro.

Planejamento do Projeto Integrador

Equipamentos/Componentes Utilizados

• PIC16F877;
• Cristal Líquido 4MHZ;
• 8 Leds;
• 2 Resistores de 10K Ω;
• 8 Resistores de 220 Ω;
• Regulador de Tensão 7805;
• Botões – switch;
• Capacitor de 5mF;
• CI MAX232;
• Potenciômetro;
• Cabo Serial;
• Protoboard;
• CLP;
• Computador;

Aplicação

O projeto integrador terá uma aplicação na segurança de veículos


automotivos contra furtos, onde, caso o dono do veiculo não desativar o alarme e tente
abrir o carro o alarme será disparado e a alimentação da ignição será cortada para que o
carro não seja ligado. Já se o alarme for desativado as porta serão destravadas e um
sensor dentro do carro verificará a temperatura interna do carro, caso a temperatura for
muito alta, o ar condicionado será ligado para reduzir a temperatura interna do carro.

Comunicação - Definição Protocolo

IHMS – Lay-Out do Sistema


CAPÍTULO II - Análise Teórica

A descrição de cada componente que foi utilizado na elaboração deste projeto


está listada a seguir:

• PIC16F877: O PIC 16F877 é um microcontrolador da família de 8 bits e núcleo


de 14 bits fabricado pela Microchip Technology. Possui memória flash de
programa com 8192 palavras de 14 bits, memória RAM com 368 bytes e
memória eeprom com 256 bytes. Sua freqüência de operação (clock) vai até
20MHz, resultando em uma velocidade de processamento de 5 MIPS. Seu
conjunto de instruções RISC compõe-se de 35 instruções. Pode funcionar com
alimentação de 2V a 5,5V. Sua pinagem DIP tem 40 pinos.
• Cristal Líquido: Os cristais líquidos são uma classe de materiais que se
apresentam em estados da matéria compreendidos entre o Líquido e o Sólido.
No estado líquido cristalino (ou mesomórfico, do grego Mesos Morphe: entre
dois estados) os materiais apresentam simultaneamente propriedades físicas
características dos líquidos (ex.: fluidez) e propriedades físicas típicas dos
sólidos (ex.: birrefringência). Estes materiais são em geral constituídos por
moléculas orgânicas anisométricas. Estas moléculas têm uma das suas
dimensões muito maior do que as restantes (ex.: podem ter uma forma alongada
(bastonetes) ou a forma de discos). No estado isótropo como em um líquido as
moléculas do cristal líquido encontram-se desordenadas e os seus centros de
massa distribuídos aleatoriamente no espaço, No estado líquido-cristalino as
moléculas podem apresentar variados níveis de ordem molecular (ex.: ordem
orientacional e ordem posicional).
• LED: O LED é um diodo semicondutor (junção P-N) que quando energizado
emite luz visível por isso LED (Diodo Emissor de Luz). A luz não é
monocromática (como em um laser), mas consiste de uma banda espectral
relativamente estreita e é produzida pelas interações energéticas do elétron. O
processo de emissão de luz pela aplicação de uma fonte elétrica de energia é
chamado eletroluminescência. Em qualquer junção P-N polarizada diretamente,
dentro da estrutura, próximo à junção, ocorrem recombinações de lacunas e
elétrons. Essa recombinação exige que a energia possuída por esse elétron, que
até então era livre, seja liberada, o que ocorre na forma de calor ou fótons de luz.
• Resistor: Um resistor (chamado de resistência em alguns casos) é um
dispositivo elétrico muito utilizado em eletrônica, com a finalidade de
transformar energia elétrica em energia térmica (efeito joule), a partir do
material empregado, que pode ser por exemplo carbono. Um resistor ideal é um
componente com uma resistência elétrica que permanece constante
independentemente da tensão ou corrente elétrica que circular pelo dispositivo.
• Regulador de tensão: Um regulador de tensão é um dispositivo, geralmente
formado por semicondutores, tais como diodos Zener e circuitos integrados
reguladores de tensão, que tem por finalidade a manutenção da tensão de saída
um circuito elétrico.
• Capacitor: Um capacitor ou condensador é um componente que armazena
energia num campo elétrico, acumulando um desequilíbrio interno de carga
elétrica. Os formatos típicos consistem em dois eletrodos ou placas que
armazenam cargas opostas. Estas duas placas são condutoras e são separadas por
um isolante ou por um dielétrico. A carga é armazenada na superfície das placas,
no limite com o dielétrico. Devido ao fato de cada placa armazenar cargas
iguais, porém opostas, a carga total no dispositivo é sempre zero.
• Display: Um display (ou mostrador, em português) é um dispositivo para a
apresentação de informação, de modo visual ou táctil, adquirida, armazenada ou
transmitida sob várias formas. Quando a informação de entrada é fornecida
como um sinal elétrico, o display é chamado de "display (ou "painel")
eletrônico". Displays eletrônicos estão disponíveis para apresentação de
informação tanto sob forma visual quanto táctil.
• Transistores: transistor (ou transistor) é um componente eletrônico que
começou a se popularizar na década de 1950 tendo sido o principal responsável
pela revolução da eletrônica na década de 1960, e cujas funções principais são
amplificar e chavear sinais elétricos. O termo vem de transfer resistor (resistor
de transferência), como era conhecido pelos seus inventores. O processo de
transferência de resistência, no caso de um circuito analógico, significa que a
impedância característica do componente varia para cima ou para baixo da
polarização pré-estabelecida. Graças a esta função, a corrente elétrica que passa
entre coletor e emissor do transistor varia dentro de determinados parâmetros
pré-estabelecidos pelo projetista do circuito eletrônico; esta variação é feita
através da variação de corrente num dos terminais chamado base, que
conseqüentemente ocasiona o processo de amplificação de sinal.
• Potenciômetro: Um potenciômetro ou potenciômetro é um componente
eletrônico que possui resistência elétrica ajustável. Geralmente, é um resistor de
três terminais onde a conexão central é deslizante e manipulável. Se todos os
três terminais são usados, ele atua como um divisor de tensão.
• Motor de passo: Um motor de passo é um tipo de motor elétrico que é usado
quando algo tem que ser posicionado muito precisamente ou rotacionado em um
ângulo exato. Em um motor de passo, um ímã permanente, muito forte, é
controlado por uma série de campos eletromagnéticos que são ativados e
desativados eletronicamente. Desse modo, é uma mistura entre um motor de
corrente contínua e um solenóide. Motores de passo não usam escovas ou
comutadores e possuem um número fixo de pólos magnéticos que determinam o
número de passos por revolução. Os motores de passo mais comuns possuem de
3 a 72 passos/revolução, significando que ele leva de 3 a 72 passos para
completar uma volta. Controladores avançados de motores de passo podem
utilizar modulação por largura de pulso para realizarem micropassos, obtendo
uma maior resolução de posição e operação mais macia.
• CI: Um circuito integrado, também conhecido por chip, é um dispositivo
microeletrônico que consiste de muitos transistores e outros componentes
interligados capazes de desempenhar muitas funções. Suas dimensões são
extremamente reduzidas, os componentes são formados em pastilhas de material
semicondutor. A importância da integração está no baixo custo e alto
desempenho, além do tamanho reduzido dos circuitos aliado à alta
confiabilidade e estabilidade de funcionamento. Uma vez que os componentes
são formados ao invés de montados, a resistência mecânica destes permitiu
montagens cada vez mais robustas a choques e impactos mecânicos, permitindo
a concepção de portabilidade dos dispositivos eletrônicos.
• Cabo Serial e USB: Em telecomunicações e ciência da computação,
comunicação serial é o processo de enviar dados (um bit de cada vez),
sequencialmente, num canal de comunicação ou barramento. É diferente da
comunicação paralela, em que todos os bits de cada símbolo são enviados
juntos. A comunicação serial é usada em toda comunicação de longo alcance e
na maioria das redes de computadores, onde o custo de cabos e as dificuldades
de sincronização tornam a comunicação paralela impraticável. Para curtas
distâncias, barramentos seriais estão se tornando cada vez mais comuns devido
ao ponto em que as desvantagens dos barramentos paralelos (densidade de
interconexão) superam suas vantagens de simplicidade. Universal Serial Bus
(USB) é um tipo de conexão Plug and Play que permite a conexão de periféricos
sem a necessidade de desligar o computador. O USB foi concebido na óptica do
conceito de Plug and Play, revolucionário na altura da expansão dos
computadores pessoais, bem como minimizar o esforço de concepção de
periféricos, no que diz respeito ao suporte por parte dos sistemas operacionais
(SO) e hardware.