Вы находитесь на странице: 1из 2

ESCOLA E.B. 2/3,S.

DE REBORDOSA

Ficha informativa de Língua Portuguesa


FUNÇÕES SINTÁTICAS
• Sujeito — Para pensar e falar das coisas, recorremos, em português, à predicação, distinguindo um ser da
ação ou processo que lhe atribuímos.
- Sujeito simples — É aquele que designa um só ser ou um conjunto de seres.
O carro é meu.

- Sujeito composto — É aquele que designa dois ou mais seres ou conjuntos de seres, considerados
independentemente.
O António e a Sofia são irmãos.
- Sujeito subentendido — É aquele que, sendo conhecido, não está expresso na oração.
O António e a Sofia são irmãos e estudam juntos.
A segunda oração tem o mesmo sujeito da primeira e por isso não é necessário exprimi-lo.

- Sujeito indeterminado — Trata-se de um sujeito que não podemos, ou não queremos, identificar.
Normalmente implica a colocação do verbo na 3ª pessoa do plural ou na 3ª do singular acompanhado do
pronome se.
Dizem que vai haver eleições.
Diz-se que vai haver eleições.
- Orações sem sujeito — Há em português alguns processos que não são atribuídos a qualquer sujeito. Diz-se
então que o sujeito é inexistente:
• Verbos meteorológicos (chover, nevar, trovejar, etc.);
Ontem, choveu muito.
• Verbo haver, usado no sentido de "existir";
Há muita gente preocupada.

• O predicado, constituinte essencial da oração, é aquilo que se declara acerca de um sujeito.


O núcleo do predicado é sempre um verbo, daí que ele assuma formas diferentes, conforme a natureza do verbo.
- Predicado verbal — É constituído por um verbo significativo, que podem ser intransitivo ou transitivo.
Verbos intransitivos — São aqueles que possuem sentido completo, não carecendo, por isso, de qualquer
complemento.
O meu sobrinho já nasceu.
Verbos transitivos - São aqueles que, possuindo embora significação, se revelam insuficientes para exprimir
integralmente a ação, precisando, portanto, de ser completados.
Esse complemento pode ligar-se diretamente ao verbo (complemento direto) ou por intermédio de uma
preposição (complemento indireto). Em alguns casos o verbo exige os dois tipos.
Os rapazes jogam futebol. (CD - "futebol")
O presidente falou ao país. (CI - "ao país")
A Maria escreveu uma carta à tia. (CD - "uma carta", CI - "à tia")
- Predicado nominal — O núcleo do predicado é um verbo de ligação (verbo copulativo, ou verbo predicativo),
sem significação definida, pelo que exige a presença de um elemento que lhe conceda sentido. Esse elemento
designa-se predicativo do sujeito.
Esta paisagem é bonita. ("bonita" - predicativo do sujeito)
Os principais verbos de ligação são: ser, estar, parecer, andar, continuar, ficar, permanecer...
• Elementos complementares da oração.

Geralmente, uma oração não é formada só pelo sujeito e predicado, mas também, por outros elementos
chamados complementares.
Complementos do verbo: complemento direto; Complemento indireto; agente da passiva; complemento
circunstancial e predicativo do complemento direto:
Complementos do nome: aposto; complemento determinativo e atributo.

- COMPLEMENTO DIRETO:
Palavra ou palavras que designam o objeto sobre que direta e imediatamente recai a ação (significada pelo
verbo).
Exemplos: Construí uma casa; Os portugueses difundiram a língua por toda a parte.

- PREDICATIVO DO COMPLEMENTO DIRETO – Alguns verbos pedem, além do complemento direto, uma
palavra ou expressão equivalente que, completando a sua significação, qualifica aquele complemento.
Exemplo: Considerava-o como um filho; Julgavam-no formoso .

- COMPLEMENTO INDIRETO - Palavra ou expressão que designa a pessoa ou coisa sobre que indiretamente
recai a acção expressa pelo verbo: Dou lição aos alunos; Dá-me o prazer de te ver.

- AGENTE DA PASSIVA - Os verbos transitivos, quando estão na voz passiva, têm, geralmente, um nome que
designa o agente da ação sofrida pelo sujeito: O automóvel é conduzido pelo pai.

- COMPLEMENTO CIRCUNSTANCIAL- Palavra ou expressão que designa uma circunstância ocasional da ação
do verbo:
O galo canta de manhã (tempo), na capoeira (lugar), com as galinhas (companhia) para anunciar a manhã
(fim).
São várias as circunstâncias designadas pelo complemento circunstancial: tempo; lugar; modo; companhia;
causa; fim…

- APOSTO- Nome ou equivalente que imediatamente se junta a outro nome para o determinar ou
caracterizar com maior individualização: D. Afonso Henriques, o vencedor de Ourique, foi o primeiro rei de
Portugal.
- COMPLEMENTO DETERMINATIVO. Nome ligado a outro nome pela preposição de, para designar posse,
parentesco, ou o objeto de uma ação ou sentimento: Edifício do Estado; Livro de poesia.

- ATRIBUTO - Adjetivo que se junta imediatamente ao nome para o qualificar: Homem alto.

- VOCATIVO - Quando designamos o nome da pessoa, animal ou coisa personificada para o chamar:
Tens razão, Mariana. Artur! – Chamou o pai.