You are on page 1of 8

F -X C h a n ge F -X C h a n ge

PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
# Maté rias publica da s: # Vis ita s :
N

N
Se xta -fe ira , 11 Ma rço de 111.
y

y
316 1189109
bu

bu
to

to
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k c u -tr a c k

FÓRUM LINKS ESPEC IAIS TRABALHE C ONOSC O FALE C ONOSC O RSS Feed POLÍTIC A DE PUBLIC AÇ ÃO

QUEM SOMOS DIC AS DE ESTUDO MATÉRIAS C OMENTÁRIOS INFO. STF C OMENTÁRIOS INFO. STJ ESPAÇ O C ULTURAL SÚMULAS VINC ULANTES

BUSC AR: Pesquisar

Você está aqui: D. C O NST IT UC IO NAL -> T EXT O S DE C O LABO R ADO R ES -> Re s um o Es que m atizado So bre Aplicabilida de Da s No rma s C ons titucionais E C ont...

C omentários ( 10 ) Versão para Adicionar aos Indique a um amigo Esta matéria já foi lida
impressão favoritos 12137 vezes
- Resumo Esquematizado Sobre Aplicabilidade Das Normas Constitucionais E Controle
05/10/2009 22:22:33

De Constitucionalidade. por Leideléia C arneiro Milhomens

Mais de DIREITO CONSTITUCIONAL / TEXTOS


DE COLABORADORES

RESUMO ESQUEMATIZADO SOBRE APLICABILIDADE DAS


2011 SERÁ O ANO DA AFIRMAÇ ÃO DO ESTADO
DEMOC RÁTIC O DE DIREITO?
NORMAS CONSTITUCIONAIS E CONTROLE DE
CONSTITUCIONALIDADE.
Resumo Esquematizado Sobre Aplicabilidade
Das Normas C onstitucionais E C ontrole De
C onstitucionalidade.

O DIREITO À VIDA: compatibilidade da Lei Por: Leideléia Carneiro Milhomens


11.105 de 2005 com o ordenamento jurídico
brasileiro Email: leiamilhomem@gmail.com

PRINC ÍPIO DO C ONC URSO PÚBLIC O

Olá pessoal, como outrora prometido, retorno abordando controle


As mais lidas do portal
de constitucionalidade e a aplicabilidade das normas também
LEI 11.719/08 E A EMENDATIO LIBELLI E constitucionais em nosso sistema jurídico-normativo. Com a devida
MUTATIO LIBELLI: PARA NUNC A MAIS ERRAR. vênia e aproveitando a oportunidade, agradeço as visitas que meu
artigo anterior obteve dos meus colegas de luta/faculdade. Arduamente
100 Perguntas e Respostas para passar rápido
em concursos públicos sacrificamos noites, madrugadas e fins de semanas em prol de não
sermos meros ocupantes de bancos catedráticos. Acredito que
PROVAS DE C ONC URSO: DA TÁTIC A À
também dividiremos as vitórias. Sem mais, peço que os senhores
PRÁTIC A
perdoem esse momento saudosista, mas, as vezes temos que
PARA QUEM QUER SER DEFENSOR PÚBLIC O relembrar as origens quando caminhamos para o futuro.
Video Aula de
APRESENTAÇ ÃO
Direito
Video Aula de
APLICABILIDADE OU EFICÁCIA DAS NORMAS Direito - 25 DVDs
CONSTITUCIONAIS: 107 Horas De
Video Pague Ao
Receber
www.somaconcursos.…
Em poucas palavras o mestre José Afonso da Silva assim
define: “É a verificação da produção de efeitos por determinada
Automação
norma”. O tema em sua vastidão teórica, e olhe que ela seria capaz de Comercial
Maior controle e
nos levar horas, e, no fim, deixar-nos-ia com o mesmo branco
eficiência
doutrinário do inicio, com a simplicidade de quem ainda tenta entender maximizando seus
resultados
o tema, defino como a capacidade que a norma tem para produzir www.ArtsoftSistemas.…
efeitos na ordem jurídica vigente. Algumas normas inseridas no corpo
constitucional produzem seus efeitos imediatamente, outras normas,
Concurso TRF 1
contudo, clamam por determinada atuação positiva de nosso sistema Videoaulas para o
legislativo infraconstitucional. Por tais distinções entre elas, eis que concurso do TRF
1. Comece a
surgem os famosos conceitos, nosso memorável sistema doutrinário, foi levado a dividi-las. Terei por base, as Estudar Hoje!
classificações constantes da sempre necessária monografia sobre o tema, elaborada pelo elementar jurista José AprovaConcursos.co…

Afonso da Silva, destacarei com as opiniões sempre certeiras e peculiares da ilustre Jurista Maria Helena Diniz,
passaremos também pelo incontestavelmente encantador universo didático que Michel Temer dá ao tema, e, pela PeixeUrbano:
Cadastre-se
simples e absoluta preciosidade acadêmica de sempre, lançarei as opiniões do inigualável jurista Celso Ribeiro Cadastre-se no
Bastos. PeixeUrbano e
Receba Em seu
Email Descontos
Classificação do eminente José Afonso da Silva: de 50 a 98%!
PeixeUrbano.com.br/…

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 1/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
N

N
y

y
bu

bu
to

to
Normas de Eficácia Plena: São as normas que produzem seus efeitos desde a sua edição, as quais têm
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k aplicabilidade imediata. c u -tr a c k

Normas de Eficácia Contida: São norma que possuem efeitos imediatos, mas podem ter seu alcance ou
atuação, limitados por uma norma infraconstitucional, por permissão do próprio texto constitucional.

Normas de Eficácia Limitada: Possuem efeitos, não há o que se questionar sobre isso, todavia, para que possa
atingir seus objetivos precisa de uma norma infraconstitucional de “complementação”. Por isso também a
denominam de norma complementável. Estas são divididas em:

a) Normas de Princípios Institutivos: Possuem eficácia limitada e buscam dar corpo e estruturação às
instituições, órgãos e entidades.

b) Normas Pragmáticas: Estabelecem princípios e programas a serem seguidos pelo governo. (lembre-se que
nossa constituição é nominal). Quando as bancas exigem conhecimento sobre o tema, faz uso da seguinte
expressão: “normas que vinculam o legislador”.

Classificação Conforme Maria Helena Diniz:

Normas de Eficácia Absoluta: São aquelas que não podem sequer sofrer emendas. (temos o hábito de chamá-
las de cláusulas pétreas).

Normas de Eficácia Plenas: a definição esposada pela mesma tem alcance literal idêntico ao conceito de José
Afonso da Silva.

Normas de Eficácia Relativa Restringível: Conceito correspondente às de eficácia contida do mestre José
Afonso da Silva.

Normas de Eficácia Relativa Dependente de Complementação: O conceito corresponde ao conceito das de


eficácia limitada do supra citado jurista.

O sempre irretocável jurista Michel Temer, em sua obra: Elementos de Direito Constitucional (1998, P. 25 a 27),
discorre com o brilhantismo de sempre, o assunto por nós ora abraçado, faço a compilação do mais “útil” de
acordo com nossa realidade fática.

Afirma ele que todas as normas constitucionais são dotadas de eficácia. Algumas, de dupla atuação,
eficácia jurídica e eficácia social; outras permeadas apenas de eficácia jurídica. (Acrescente em seu conceito
pessoal essa afirmação, estive olhando muitas provas, de várias instituições, e diversos graus de dificuldade,
sempre que cobrado era o tema, certeira a resposta que dizia absoluta a teoria aqui elencada; TODAS AS
NORMAS CONSTITUCIONAIS SÃO DOTADAS DE EFICÁCIA).

Sim, venho aqui e afirmo que todas as normas constitucionais possuem eficácia, pode ser que incite o seguinte
questionamento: “Que efeito uma norma de eficácia limitada, que só existe realmente na realidade prática do
sistema, quando surge uma regulamentação infraconstitucional para validá-la poderia ter?
R: Essas despertam de imediato um efeito perante o sistema legislativo, o de editar a norma que garanta o
exercício do direito assegurado na Constituição pelo legislador Originário, posto que, na lógica não se admitiria a
atuação do poder constituinte como mera teoria.

O brilhante Jurista Celso Ribeiro Bastos possui duas classificações, fiz pequenos cortes, mas sempre
preservando a idéia original, as colaciono:

Normas de Aplicação: Possuem aplicação imediata, não necessitam de norma posterior para validar ou afirmar
seu conteúdo efetivo.

Normas de Integração: Necessitam para configurar seus efeitos primários, de uma regulamentação
infraconstitucional.

Senhores, com simples leitura compreendemos que não há distância intelectual entre os conceitos, variações

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 2/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
mínimas, todavia, recomendo aos meus queridos colegas, que fixem certa atenção no ato de decorar os nomes
N

N
y

y
bu

bu
to

to
dados por cada doutrinador, ademais, essa é a grande “pegadinha” realizada pelas bancas sobre tal tema.
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k c u -tr a c k

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE:

Esse assunto será abordado na ótica de dois grandes autores, o sempre objetivo e simplesmente fantástico Paulo
Roberto de Figueiredo Dantas e o já reconhecidamente consagrado jurista e professor Luciano Dalvi.

Pressupostos do Controle de Constitucionalidade:

Este encontra suas razões fundantes em duas idéias básicas: SUPREMACIA CONSTITUCIONAL E RIGIDEZ
CONSTITUCIONAL.

SUPREMACIA CONSTITUCIONAL:

Na leitura do grande Luciano Dalvi: “Temos como certo que pela organização do nosso ordenamento jurídico a
constituição é a nossa lei máxima e, por isso, todas as leis infraconstitucionais devem com ela manter íntima
relação de similitude, ou seja, devem se coadunar sob pena de serem tidas como inconstitucionais, que é a base
do princípio da compatibilidade vertical (ou como defini no artigo anterior, Princípio da Simetria), normas menores
só serão válidas se compatíveis com a lei máxima”.
Hans Kelsen, o mestre de Viena, já afirmava: “a ordem jurídica não é um sistema de normas jurídicas ordenadas
no mesmo plano, situadas umas ao lado das outras, mas é uma construção escalonada em diversos níveis”.

RIGIDEZ CONSTITUCIONAL:

Aqui galgamos pelas famosas classificações constitucionais; a nós agora só importa a que sustenta o
sistema de controle constitucional, mas fica a promessa de um artigo exclusivamente sobre o tema.

A Constituição Brasileira é Rígida, e sua rigidez transparece quando confrontamos o art. 60 com o art. 47
da CF. Aquele que prevê processo especial para Emenda à Constituição. Vejam os senhores que a mesma
complexidade não existe quando se trata da feitura de leis ordinárias, depreende-se com isso que o legislador
não via com bons olhos alterações, por ter medo de que as mesmas viessem a destoar sua visão criadora.

REQUISITOS PARA CONSTITUCIONALIDADE DE UMA NORMA:

Retornando as grandes definições do mestre Paulo Roberto de Figueiredo Dantas: “Para que uma norma
possa ser considerada constitucional, ou seja, consentânea com a constituição em vigor, é preciso que a mesma
atenda a um só tempo, a requisitos de ordem formal e material”.

Constitucionalidade Material:

Veda-se aqui que as leis infraconstitucionais instituam idéias novas, ou, contrárias aos preceitos
constitucionais. Em conceito pouco doutrinário, mas relevante, inconformidade material é quando o legislador
infraconstitucional trata de matéria não permitida, ou, se permitida, de forma diversa do prelecionado na
Constituição.

Constitucionalidade Formal:

Aqui se protege os requisitos de ordem técnica, ou seja, as regras fixadas pela Carta Constitucional acerca
do processo legislativo. E tais regras, como economicamente, e nem por isso carente de efetividade, define o
CPC: Quando não realizadas deixam o ato eivado de nulidade, aqui por analogia, acarreta ao invés de nulidade,
inconstitucionalidade, e em uma visão ainda mais ampla e simplista, gera os mesmos efeitos práticos.

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE FORMAL E MATERIAL:

Tenho a oportunidade de ter um dos melhores constitucionalistas práticos como professor, e segundo o
mesmo, existe uma divisão clássica que se encaixa com perfeição absoluta nessa nossa busca. As enumero:

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 3/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
N

N
y

y
bu

bu
to

to
Inconstitucionalidade Formal: esta se subdivide em três possibilidades: Orgânica; é aquela hipótese em que
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k a constituição delimita competências para determinados atos, desrespeitá-las é incidência certeira nessa divisão. c u -tr a c k

Inconstitucionalidade formal propriamente dita; a realidade desta recai quando se desrespeita o processo
legislativo em se tratando da capacidade de iniciativa para determinado atos. Formal; aqui é a mera desatenção
aos requisitos formais para validade do ato.

Inconstitucionalidade material: Essa aqui já foi abordada alhures, mas nada nos impede de ser sintéticos, e
afirmarmos que simplesmente limita-se aqui que se formule assunto vedado ou de forma desconexa aos ideais
constitucionais.

MODALIDADES DE CONTROLE:

Preventivo: Quando realizado antes da lei ou ato normativo entrar em vigor.


Repressivo: Realizado quando a norma já vigora.

QUANTO AO ÓRGÃO QUE EFETIVA O CONTROLE:

Político – Jurídico e o Misto (esse é a junção dos anteriores).

MODELOS DE CONTROLE:

DIFUSO: É oriundo do modelo norte-americano, caracteriza-se, fundamentalmente, pela verificação de uma


situação concreta, existindo quando há dúvida em relação à constitucionalidade de um ato normativo a ser
aplicado a determinado caso e este conflito é submetido ao judiciário. O controle difuso acontece em uma relação
processual concreta, ou seja, no curso de um processo comum. O julgamento sobre a constitucionalidade ou não
do ato normativo aplicável ao caso concreto no fim não fará parte do julgamento de mérito. Sabemos que os
requisitos da ação são três: PARTE, OBJETO E CAUSA DE PEDIR, e, que a sentença exige RELATÓRIO,
FUNDAMENTAÇÃO E DISPOSITIVO. Em breve análise, veremos que o debate sobre a constitucionalidade da
norma existirá no item causa de pedir, e na sentença não ultrapassará a fundamentação. O que faz coisa julgada
reside no dispositivo. Trocando em miúdos, será assunto incidental em uma lide e a decisão só atingirá as partes
que compuseram o processo. O poder judiciário não anula, nem revoga a lei, apenas nega-lhe eficácia ao caso
concreto. Os efeitos dessa declaração, via de regra, serão sempre ex-nunc.

COMPETÊNCIA PARA REALIZAÇÃO DO CONTROLE DIFUSO:

Qualquer juiz é competente, desde que esteja este no âmbito de suas atribuições. O destaque reside na
possibilidade da questão chegar ao Supremo Tribunal Federal, por meio de recurso extraordinário.

COMPETÊNCIA PARA ARGUIR A QUESTÃO:

As partes, o representante do Ministério Público ou mesmo o Juiz ou Tribunal pode reconhecê-la de


ofício.

POSSIBILIDADE DE SUSPENSÃO E EFEITOS NA FORMA ERGA OMNES:

Não existe obrigatoriedade, mesmo tendo sido declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal,
quando realizado por meio difuso. Trata-se de ato discricionário. Entretanto, segundo jurisprudência do próprio
tribunal, declarada a suspensão do ato, não pode o Senado revogar o ato de suspensão anterior.

DA EXTENSÃO DA SUSPENSÃO:

O Senado não pode restringir ou ampliar a extensão do julgado proferido pelo Supremo Tribunal Federal.
Sua discricionariedade reside na possibilidade de decretar a suspensão ou não, se declarada não pode ser
revogada posteriormente. A vedação aqui constante o impede de interpretar, ampliar ou restringir a extensão do
julgado, faceta da tripartição dos poderes. Permite-se ao Senado suspender leis federais, estaduais ou
municipais, quando declaradas inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal.

- Material brilhante e consultado na feitura desta parte do artigo foi retirado do site: WWW. DIREITO FACIL.COM.

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 4/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
BR e tem como autora a insigne doutora Márcia Pelissari.
N

N
y

y
bu

bu
to

to
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o
c u -tr a c k
.c CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONCENTRADO: .d o
c u -tr a c k
.c

É aquele realizado exclusivamente pelo Supremo Tribunal Federal, e que tem por objetivo a obtenção da
declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual. Independe este da existência de
casos concretos, o exame da constitucionalidade ou não, é o próprio objeto de ser da ação.

EFICÁCIA DA SENTEÇA:

Terá eficácia erga omnes, e efeito ex-tunc. Não há de se cogitar aqui a discricionariedade do Senado em
suspender ou não a eficácia dessa norma, aqui existe a obrigação de suspendê-la. Faculta-se ao Supremo
Tribunal Federal por razões de segurança jurídica ou excepcional interesse social, e por maioria de seus
membros, restringirem os efeitos da decisão, ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em
julgado ou em qualquer outro momento que venha a ser fixado.

FORMAS DE CONTROLE CONCENTRADO:

Ação Direta de Inconstitucionalidade Genérica - Ação Declaratória de Constitucionalidade - Ação Direta


de Inconstitucionalidade por Omissão - Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva e Arguição de
Descumprimento de Preceito Fundamental.

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE GENÉRICA:

Encontra-se prevista no art. 102, inciso I, alínea “a”, da Constituição Federal, processada e julgada
perante o Supremo Tribunal Federal, tendo por objeto o julgamento de lei ou ato normativo federal.
O excelente jurista Paulo Roberto de Figueiredo Dantas afirma que se estiverem tramitando, ao mesmo
tempo, duas ou mais ações diretas de inconstitucionalidade contra lei ou ato normativo estadual, uma perante o
Tribunal de Justiça e outra perante o STF, aquela ficará suspensa até o julgamento final pelo STF. (Recomendo
uma olhada na súmula 642, do STF). Descabe ADI perante lei municipal, esta só pode ser contestada por meio
difuso. A grande jurista Márcia Pelissari destaca que essa ação tem caráter bivalente, não se reconhecendo a
inconstitucionalidade da norma, automaticamente estar-se-á a declará-la constitucional.

DOS LEGITIMADOS:

Todos os constantes no art. 103 da CF. Como a leitura do mesmo está ao alcance de todos, deixo de
listá-los, menciono só o de caráter doutrinário. Insta mencionar que o rol é taxativo, lei ordinária não pode restringir
ou ampliá-lo. Em se tratando de partido político, grande parte da doutrina afirma que se o partido deixar de
possuir a representação nacional, durante a tramitação da ação direta de inconstitucionalidade, ocorrerá à perda
superveniente de legitimidade.

DESTAQUES RELEVANTES:

O artigo 5º da lei 9.868/2001 é claro ao dizer que é impossível a desistência da ação direta de
inconstitucionalidade após sua propositura, e na mesma lei em artigo mais adiante também proíbe
expressamente a intervenção de terceiros. Não cabe a propositura de nova ação sobre o mesmo tema, e nem
ação rescisória. O STF também entende que agora qualquer prejudicado poderá propor reclamação e não
apenas os legitimados, (leitura permitida através da súmula 734 do colendo tribunal).

AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE:

Não se trata de uma criação do constituinte originário, e sim do derivado, inteligência fácil de ser
alcançada quando observamos que surgiu no mundo jurídico através da Emenda Constitucional 3/1993. Elenca
como único competente para apreciar e julga o Supremo Tribunal Federal.

CABIMENTO:

Apenas quando se analisa lei ou ato normativo federal, a doutrina em sua extensa maioria é clara em
afirmar que nunca atingirá leis ou atos normativos estaduais e municipais.

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 5/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
N

N
y

y
bu

bu
to

to
POLÊMICA DOUTRINÁRIA:
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k c u -tr a c k

O talentoso jurista Paulo Roberto de Figueiredo Dantas discorre com uma competência incomparável sobre
o tema, aqui faço breve síntese, mas recomendo aos senhores a leitura de sua obra. A priori, muitos a tinham de
inconstitucional, por colocar o STF como órgão consultivo. Já a colenda corte sempre viu como mecanismo
inequívoco de aperfeiçoamento do controle constitucional brasileiro. Este tribunal sustenta que não se finda em
mera hipótese consultiva já que para existir tal apreciação há de se exigir controvérsia generalizada. Defende-se
que uma decisão nesse tipo de ação, não pode nunca modificar decisão de outro processo ocorrido sobre o
mesmo tema e que já transitou em julgado, nesse caso só incidiria uma ação rescisória, por ser processualmente
falando, o meio apto para se questionar decisão de mérito. Apoiada em várias decisões do STF, essas ações
produzem eficácia contra todos e efeito vinculante. Seus legitimados são os mesmos da ação declaratória de
inconstitucionalidade, também não há que se cogitar a possibilidade de desistência ou intervenção de terceiros.

INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO:

Reconhecemos ao estudar essa modalidade a relevância prática de se entender sobre a aplicabilidade


das normais constitucionais. A referida ação tem seus horizontes na obrigação de conceder eficácia plena às
normas constitucionais que urgem por complementação infraconstitucional. A sentença proferida neste tipo de
ação se esgota na mera sinalização da omissão ao poder competente, todavia, não o obriga a fazer, posto que,
existindo tal desrespeito desconheço qualquer modalidade de ação que os venha a obrigar. Os legitimados são
os mesmos da ADIN.
Detalhe: não existe aqui a possibilidade de concessão de medida liminar.

AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE INTERVENTIVA:

O art. 34 da Constituição da República Federativa do Brasil, lista algumas possibilidades de intervenção


da União nos Estados e destes nos Municípios, assunto realmente fantástico que merece minuciosa apreciação,
que certamente faremos, nesse momento só nos interessa voltar os olhos nas mencionadas no inciso VII. O
sempre qualificado professor Alexandre de Moraes assim define o instituto: “A ação interventiva possui dupla
finalidade, pois pretende a declaração de inconstitucionalidade formal ou material da lei ou ato normativo estadual
e a decretação de intervenção federal no Estado-membro. Constituindo-se, pois, em um controle direto, para fins
concretos, o que torna inviável a concessão de liminar. O único legitimado é o Procurador Geral da República, e
funda-se em ato discricionário deste”.

AÇÃO DE ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL:

Tendo por fonte inicial as definições esboçadas por Conrado Rangel Moreira, iniciaremos a abordagem,
desta que me parece o maior “apego” das bancas atualmente, por seu potencial e complexidade.
É um instrumento de fiscalização concentrado de constitucionalidade. Trazido à tona pela Emenda
Constitucional nº 3/ 1993. O art. 102, § 1º da CRF, verbis: “A argüição de descumprimento de preceito
fundamental, decorrente desta constituição, será apreciada pelo Supremo Tribunal Federal”.
Entende-se aqui que versamos novamente sobre as normas não auto-aplicáveis. O legislador idealizou
essa ação para atingir três objetivos: Evitar lesão a preceito fundamental, reparar lesão e quando for relevante o
fundamento de controvérsia constitucional.
Não há entendimento absoluto em nossa doutrina, olha que busquei até nas legislações comparadas,
do que venha a ser preceito constitucional, então como Conrado Rangel Moreira o fez, limito-me a transcreve na
integra a definição, costumeiramente louvável do eminente jurista José Afonso da Silva: “Preceitos fundamentais
não é expressão sinônima de princípios fundamentais. É mais ampla, abrange essas e todas as prescrições que
dão sentido básico do regime constitucional, como são, por exemplo, as que apontam para autonomia dos
Estados, do Distrito Federal e especificamente as designativas de direitos e garantias fundamentais”.
Essa ação é nitidamente subsidiária, já que a própria lei veda o uso da mesma quando houver
qualquer outro meio eficaz para sanar tal lesividade, Os efeitos dessa decisão serão erga omnes, ex-tunc ou ex-
nunc.
Os notáveis Doutores Orlando Augusto Vianna Alves Ferreira e Rodrigo Pieroni Fernandes, lançam
comentários engrandecedores sobre o tema, e por isso, os tentei compilar e colacionar aqui. “Pode-se dizer que o
descumprimento não se trata especificamente de uma contrariedade à Constituição, mas de violação de
determinados preceitos, os fundamentais. É dizer, trata-se de uma incompatibilidade com parâmetro mais restrito
que a inconstitucionalidade, de âmbito menor”. Ainda segundo eles, ambas as hipóteses de incompatibilidade
com a Constituição, urge ser expurgadas do ordenamento jurídico. Com esta finalidade, sanando o vicio de

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 6/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
inconstitucionalidade e aplicando a sanção de nulidade. Os legitimados para propor essa ação são os mesmos
N

N
y

y
bu

bu
to

to
da ADIN.
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k c u -tr a c k

POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO NOS ATOS MUNICIPAIS:

O grande doutrinador Gilmar Ferreira Mendes afirma ser permitido que não apenas o Distrito Federal,
mas também os direitos estaduais e municipais possam ser objeto de pedido de declaração de
constitucionalidade. Partindo desta conceituação, e por aproximação lógica de efeitos entre a ação declaratória e
a de argüição de descumprimento, não sendo sozinha nesse entendimento, defendo que seja totalmente válida a
discussão de leis estaduais e municipais nesta modalidade. Em suma, dita ação vem permitir que controvérsias
relevantes afetas ao direito pré- constitucional sejam solvidas pelo STF, com eficácia geral e efeito vinculante.

Os autores usados neste resumo foram citados ao longo do mesmo, manifestamente claro que não
esgotamos o tema, muito longe disso, marcado fica próximo artigo, que versará sobre o que aqui é faltante e com
um adentro nas mais recentes atualizações sobre o tema. Desejo a todos sucesso e muita força de vontade,
lembrem-se que talento é mais barato que sal; o que o tornará vencedor ou não, é quão disposto a sacrifícios
você se apresenta.

Submarino.com.br

COMENTÁ RIOS SOBRE A MA TÉRIA

walfredo: Nossa Senhora! q rasgação de seda, pagação de pau, pelo amor de Deus.. nunca vi tantos elogios a simples pessoas, vc
25/02/2011 09:19:51 as tratam como Deuses...

Karla: Nossa, aprendi em 15 minutos o que não consegui fazer em 5 anos.


15/07/2010 17:01:57

diego melo: Arte de escrever..., uma árdua tarefa que só aqueles que se predispõem a fazê-la conhece. O excesso de elogios
12/07/2010 17:58:49 constantes do texto não prejudica a leitura, nem o conteúdo apresentado. Ética e urbanidade na apresentação das
críticas aos textos podem revelar o seu caráter construtivo, a ser considerado, ou destrutivo digno do desprezo. Por isso,
força e avante na árdua jornada de escrever lições jurídicas.

Peçanha: olha, com o teu português é muito complicado de manter uma leitura linear e coerente..capricha mais; além disso, há
07/06/2010 17:35:59 elogios em excesso.

Francisco Cavalcanti Silva: Prezada Leideléia,


26/05/2010 09:31:04 Gostei e parabenizo-a pelo texto, pois o mesmo é bastante elucidativo.
Um forte abraço e um bom dia.
Francisco C avalcanti

Patrícia Pereira: Parabéns Léia!! como não poderia ser diferente, vc elaborou um excelente texto.
28/11/2009 19:57:10

Sílvia Mara de lima: Muito legal o texto, parabéns.


26/10/2009 20:13:33

Leonardo Costa: belo texto, super fácil a compreensão, parabéns futura juiza
15/10/2009 20:27:15

Dayana: HuRulll~~ textO ótimO!! parabÉns Léia... Por issO digO ki qndO eu crEscEr qrO sEr cOmO vC !! rs... taH ótimO viO...
07/10/2009 10:12:46 agOra tO prOnta paRa a prOva...

Carlos Eduardo Vincenzi: Muito bom o texto, Leideléia!


06/10/2009 14:14:04

ENVIA R COMENTÁ RIO

Nome:

E-mail:

* Se u e -m a il nã o fica rá visível
Comentário:

0 de 800 caracteres
Digite as duas
palavras:

Enviar Limpar

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 7/8
F -X C h a n ge F -X C h a n ge
PD PD
11/03/2011 SOSCONCURSEIROS.com.br | Resumo E…

!
W

W
O

O
N

N
y

y
bu

bu
to

to
k

k
lic

lic
C

C
w

w
m

m
w w
w

w
o

o
.d o .c .d o .c
c u -tr a c k c u -tr a c k

QUEM SOMOS | DIC AS DE ESTUDO | C ONC URSOS | FRASE DO DIA | LINKS ESPEC IAIS

MATÉR IAS
Direito Administrativo | Direito C ivil | Direito C onstitucional | Direito C omercial e Econômico | Direito Difusos e C oletivos
Direito Internacional e Humanos | Direito Penal | Direito Previdênciário
Direito Processual C ivil | Direito Processual Penal | Direito Trabalho e Processual do Trabalho
Direito Tributário e Financeiro | Direito Outros

C OMENTÁRIOS INFORMATIVOS STF | C OMENTÁRIOS INFORMATIVOS STJ | ESPAÇ O C ULTURAL


SÚMULAS VINC ULANTES | INFORMATIVO

© C op yrig ht 2008, SO SC O NC UR SEIR O S.C O M.BR

sosconcurseiros.com.br/…/resumo-esqu… 8/8