Вы находитесь на странице: 1из 2

A contribuição cultural de escravos-negros é enorme.

Na religião, música, dança,


alimentação, língua, temos a influência negra, apesar da repressão que sofreram
as suas manifestações culturais mais cotidianas.

Influência religiosa

No campo religioso, a contribuição negra é inestimável,


principalmente porque os africanos, ao invés de se
isolarem, aprenderam a conviver com outros setores da
sociedade.

Favoreceu esta convivência, a mentalidade comum a


ambos os grupos étnicos - brancos e negros -, de que a
prática religiosa estava voltada para a satisfação de
algum desejo material ou ideal. As promessas a santos,
pagas com o sacrifício da missa, apresentavam
semelhanças com os pedidos feitos aos deuses e
espíritos africanos em troca de oferendas de diversos
tipos.

Mas, nos primeiros séculos de sua existência no Brasil, os africanos não tiveram
liberdade para praticar os seus cultos religiosos. No período colonial, a religião
negra era vista como arte do Diabo; no Brasil-Império, como desordem pública e
atentado contra a civilização.

Assim, autoridades coloniais, imperiais e provinciais, senhores, padres e policiais


se dividiram entre tolerar e reprimir a prática de seus cultos religiosos.

A tolerância com os batuques religiosos, entretanto, devia-se à conveniência


política: era mantida mais como um antídoto à ameaça que a sua proibição
representava, do que por aceitação das diferenças culturais.

Outras manifestações culturais negras também foram alvo da repressão. Estão


neste caso o samba, revira, capoeira, entrudo e lundú negros.

O racismo

Na sociedade brasileira do século XIX, havia um ambiente


favorável ao preconceito racial, dificultando enormemente a
integração do negro. De fato, no Brasil republicano
predominava o ideal de uma sociedade civilizada, que tinha
como modelo a cultura européia, onde não havia a
participação senão da raça branca. Este ideal, portanto,
contribuía para a existência de um sentimento contrário aos
negros, pardos, mestiços ou crioulos, sentimento este que
se manifestava de várias formas: pela repressão às suas
atividades culturais, pela restrição de acesso a certas
profissões, as "profissões de branco" (profissionais liberais,
por exemplo), também pela restrição de acesso a
logradouros públicos, à moradia em áreas de brancos, à
participação política, e muitas outras formas de rejeição ao negro.

Contra o preconceito e em defesa dos direitos civis e políticos da população


afrobrasileira surgiram jornais, como A Voz da Raça, O Clarim da Alvorada;
clubes sociais negros e, em especial, a Frente Negra Brasileira, que tendo sido
criada em 1931, foi fechada em 1937 pelo Estado Novo.
O samba e a capoeira

Durante o período da revolução de 30, os próprios


núcleos de cultura negra se movimentaram para
ganhar espaço. A criação das escolas de samba no
final dos anos vinte já representara um passo
importante nessa direção. Elas, que durante a
República Velha foram sistematicamente afastadas
de participação do desfile oficial do carnaval carioca,
dominado pelas grandes sociedades carnavalescas,
terminaram sendo plenamente aceitas
posteriormente. Heitor dos Prazeres

No rastro do samba, a capoeira e as religiões


afrobrasileiras também ganharam terreno. Antes
considerada atividade de marginais, a capoeira seria alçada
a autêntico esporte nacional, para o que muito contribuiu a
atuação do baiano Mestre Bimba, criador da chamada
capoeira regional. Tal como os sambistas alojaram o samba
em "escolas", Bimba abrigaria a capoeira em "academias",
que aos poucos passaram a ser freqüentadas pelos filhos
da classe média baiana, inclusive muitos estudantes
universitários.