You are on page 1of 3

Faculdade Estácio de Sá

Pós graduação lato sensu em Docência Universitária


Disciplina: Metodologia do ensino superior.
Professora: Ms. Marilza Vanessa Rosa Suanno
Aluno: Thiago Silva Machado de Moura

Práticas pedagógicas inovadoras na educação superior

Existem cerca de quatorze aspectos que contribuem de forma inovadora na


prática pedagógica universitária atualmente.
O aspecto de conhecimentos prévios dos alunos o professor deve realizar coisas
que despertem e façam que as inquietudes, atitudes, valores, interesses dos discentes e a
reflexão coletiva de todo o conhecimento da pessoa sejam utilizados para a
sistematização dos conhecimentos, estimular novos processos investigativos e um
aprofundamento da temática anteriormente desenvolvida. Isso pode ser feito
trabalhando maneiras para despertar a consciência das insuficiências de visões iniciais e
o potencial valor de novas formas e instrumentos de análise, além de a necessidade de
reservar espaços para o diálogo, criar espaços que possibilitem problematizar e trabalhar
os conhecimentos em sua historicidade, trabalhando em uma perspectiva relacional,
planejando atividades que enriqueçam as vivências e reflexões dos discentes por meio
da utilização de textos, filmes, pesquisas, dentre outros, e, também, valorizar a
construção histórica do conhecimento ressaltando que a síntese que existe hoje será
superada por novas sínteses.
No aspecto de aprendizagem coletiva, os alunos tem que aprender e ensinar, pois
no processo de ensinagem, as aprendizagens individuais e coletivas se constroem
reciprocamente e o processo de cooperação potencializa as aprendizagens. Para isso, é
necessária a construção de contextos favoráveis á participação de todos (docente e
discente), valorização das distintas realidades para o processo de aprendizagem,
compreensão de que o cérebro é um órgão social, articulação entre os conhecimentos
acadêmicos e as práticas sociais, de modo que os participantes do processo de ensino-
aprendizagem na universidade se sintam pertencentes a uma cultura universitária, ênfase
na criatividade, na partilha e na cooperação como processo históricossocial e coletivo de
compartilhamento e de sentimento de que professores e alunos pertencem a uma
comunidade e exercem uma inteligência distribuída, além de uma valorização do
trabalho de grupo, planejado para promover a participação de todos.
Em relação ao aspecto de ambientes de aprendizagem, há a necessidade dos
docentes criarem ambientes que sejam desafiadores, e, ao mesmo tempo, acolhedores e
emocionalmente saudáveis. Com isso, deve se possibilitar e promover iniciativas no
sentido de que, nos ambientes de aprendizagem, ocorra um nível de freqüência
condizente com as características necessárias ao conteúdo, como, por exemplo,
ambientes desafiadores que estimulam a metacognição.
O aspecto de metacognição busca promover a tomada de consciência dos modos
próprios de pensar e de resolver problemas por parte dos discentes, identificando e
compreendendo os modos de pensar. Os docentes devem incentivar o diálogo e a arte de
formular perguntas fundamentais aos alunos, promover a reflexão coletiva sobre o que
aprenderam e como aprenderam, e valorizar o registro escrito da atividade mental
desenvolvida no estudo, explicar o que se está compreendendo e como esse processo se
dá.
Há a necessidade de se considerar a afetividade e a inteligência como sendo
interdependentes em seu desenvolvimento, pois se aprende o que tem significado, o que
ativa a emoção, visto que as redes de significado que se constroem nas inter-relações
constituem os fundamentos do ato cognitivo.
O aspecto de sentipensar é um processo que busca resgatar a dimensão
emocional, o sujeito como elemento didático significativo do seu próprio processo de
aprendizagem, de autoaprendizagem e de ecoaprendizagem. As estratégias didáticas
propõem que os indivíduos (professores e alunos) possam entrar em contato com as suas
emoções, seus sentimentos, seus valores, percebendo o quanto a capacidade de ação e
de reflexão são nutridas pelas correntes de energia que circulam pelo corpo, ativadas
pelas emoções. São utilizados diálogos multissensoriais, utilizando-se diferentes
linguagens e estímulos, sejam eles visuais, musicais, verbais, táteis, cinéticos, intuitivos,
meditacionais, dentre outros.
No aspecto da escuta sensível, se propõe uma escuta empática que possibilite ao
indivíduo entrar em sintonia com o outro, adquirindo uma postura de respeito, atenção e
uma busca de compreensão do sujeito que fala. Para desenvolver a capacidade de ter
uma escuta sensível, o professor precisa perceber o universo afetivo e cognitivo do
outro para melhor compreender suas atitudes, seus comportamentos e seus sistemas de
idéias.
Com a utilização do aspecto de escuta musical em cenários de aprendizagem, se
possibilita a harmonização do ambiente e das pessoas, bem como a sensibilização para
sentipensar, desenvolvendo-se aprendizagens complexas e transdisciplinares e
proporciona o desenvolvimento de um conjunto de atitudes, como relaxamento,
concentração, atenção, entrega e fruição de emoções.
Já no aspecto de perguntas mediadoras, são feitas perguntas significativas que
podem surgir ou ser construídas no diálogo entre teoria e prática, entre a observação dos
fenômenos e as teorias que lhe dão suporte. A utilização deste aspecto pode colaborar
para o estabelecimento de relações úteis entre as elaborações do acadêmico e o
pensamento científico. Esta prática deve permitir trabalhar na perspectiva da
complexidade, elaborar perguntas que levem à abertura do processo de aprendizagem e
não ao seu fechamento ou à sua paralisação, evitar perguntas que levem à simplificação
e ao estabelecimento de certezas e verdades inquestionáveis, colocar, lado a lado, a
razão, emoção, a imaginação e a intuição, aliadas também ao imaginário, à sensibilidade
e à criatividade, como condição necessária para a evolução do pensamento, da
consciência, da sensibilidade e do espírito humano.
Através do aspecto de se educar por projeto de trabalho, constroem-se
conhecimento através de projetos centrados em problemas, com perguntas mediadoras.
E no aspecto de formação de professores universitários e pesquisa sobre a
formação do professor universitário tem se a preocupação com a formação continuada
de professores assim como realização de pesquisas sobre a formação dos mesmos.
Através do debate de vários questionamentos em relação a vida dos professores
universitários e das instituições de ensino superior e problemas constatados em
pesquisas, está se chegando a soluções para o aperfeiçoamento eficaz do ensino
universitário brasileiro. Um conceito bastante difundido para a formação de um
professor é o da aprendizagem docente colaborativa, onde um docentes trocam
conhecimentos entre pares/docentes/discentes, aprendendo contextos de análise e de
interpretação de suas próprias atividades e de outros colegas de profissão,
desenvolvendo o compartilhamento de idéias, saberes e fazeres.
O aspecto da teoria tripolar da formação constitui da autoformação (diálogo
consigo mesmo), heteroformação (diálogo com hierarquias superiores) e ecoformação
(formação do individuo pelo meio ambiente), tornando melhor o entendimento da
construção de um indivíduo.
Através do aspecto de pensar por meio do movimento dos operadores cognitivos
do pensamento complexo, argumenta-se que o ensino e a pesquisa, na perspectiva da
complexidade, devem desenvolver-se em torno dos seguintes princípios: princípio
sistêmico-organizacional, princípio hologramático, princípio retroativo, princípio
recursivo, princípio dialógico, princípio auto-eco-organizador ou autoprodução,
princípio da reintrodução do sujeito cognoscente no processo de construção do
conhecimento, princípio ecológico da ação, princípio da enação e princípio ético.
Não há a necessidade de se aplicar todos esses aspectos ao mesmo tempo para se
desenvolver uma docência perfeita, cabe apenas ao docente e as instituições de ensino
superior implantar algumas características ou aspectos que possam ser absorvidos e
aplicados de forma normal no ensino, respeitando também a capacidade dos alunos em
se adequarem às novas realidades que vão sendo adotadas.