Вы находитесь на странице: 1из 8

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Relação de Causa e Consequência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Correlação���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Analogia (Comparação)����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Argumento por Dedução��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Silogismo������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Exemplos de Possíveis Relações de Causa e Consequência������������������������������������������������������������������������������������������3
Conectivos��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Causa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Consequência����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Relação de Causa e Consequência


Correlação
Se uma determinada causa provoca uma determinada consequência, é lógico concluir que causa
e consequência estão correlacionadas, mas é preciso demonstrar por que razão isso ocorre.
Assim, é correto afirmar que “falar demais e alto” (A) causa/provoca/tem como consequência a
“afonia” (B), apresentando a razão que liga A e B: as cordas vocais se cansam.
Mais de uma causa pode ser apresentada para uma consequência: “falar alto” (A), “fumar muito”
(B), “beber demais” (C) podem provocar “afonia” (D).
A, B e C são causas da consequência D. Nesse caso, a eliminação de uma ou mais causas não
garante a eliminação da consequência.
As causas, geralmente, são complexas, porque podem ser efeitos de outras causas/consequências:
um indivíduo fuma demais porque é nervoso; é nervoso porque sofre de rejeição; sofre de rejeição
porque foi abandonado pelos pais etc.
Não se deve concluir além do que a(s) causa(s) su gere(m)/suporta(m), pois o fato de se ter encon-
trado pelo menos uma causa já demonstra capacidade de percepção por parte do enunciador.

Analogia (Comparação)
Para haver analogia, não é necessário comparar mais de dois termos (duas ideias, duas situações,
dois indivíduos etc.). Basta destacar o que os assemelha.
Os termos confrontados na comparação devem partir de premissas verdadeiras.
Analogia que elege um modelo
˃˃ Ex.: Há pessoas que preferem tratamento com a medicina alternativa, portanto tudo que se
aproxima dessa área é confiável.
Analogia que privilegia um termo em detrimento de outro
˃˃ Ex.: Café com leite é mais saboroso que cappuccino.

Argumento por Dedução


A verdade contida nas premissas nos dá segurança de que as conclusões são verdadeiras.
Se as premissas “todos os homens são mortais” e “sou homem” são verdadeiras, então também é
verdadeira a conclusão de que “sou mortal”.
Para se discordar desse argumento, é necessário discordar das premissas o que garantiria um
atestado de loucura a quem ousasse ser discordante, pois se trata de premissas incontestáveis.

Silogismo
Silogismo hipotético
˃˃ Premissa: A prática de exercícios físicos contribui para uma vida saudável.
˃˃ Premissa: A vida sedentária não é saudável.
˃˃ Conclusão: Serei mais saudável praticando exercícios físicos.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Silogismo disjuntivo
˃˃ Premissa: O jovem ou se entrega ao convívio social para ser aceito, ou se afasta da companhia
de todos e vive em seu mundo particular.
˃˃ Premissa: O jovem não pode se isolar de seu grupo porque corre o risco de ser marginalizado.
˃˃ Conclusão: O jovem deve entregar-se ao convívio social.

Exemplos de Possíveis Relações de Causa e Consequência


→→ Tema
Constatamos que, no Brasil, existe um grande número de correntes migratórias que se deslocam
do campo para as médias ou grandes cidades.
→→ Causa
A zona rural apresenta inúmeros problemas que dificultam a permanência do homem no campo.
→→ Consequência
As cidades encontram-se despreparadas para absorver esses migrantes e oferecer-lhes condições
de subsistência e de trabalho.
→→ Tema
Muitas pessoas são analfabetas eletrônicas, pois não conseguem operar nem um computador.
→→ Causa
Algumas pessoas têm medo do novo, são mais conservadoras, até em assuntos mais prosaicos.
→→ Consequência
Elas se tornam desajustadas, pois dependem de outras pessoas até para ligar um forno micro-ondas.
→→ Tema
É de fundamental importância a preservação das construções que se constituem em patrimônios
históricos.
→→ Causa
A nação que deixa depredar as construções consideradas como patrimônios históricos destrói
parte da História de seu país.
→→ Consequência
Isso demonstra claramente o subdesenvolvimento de uma nação, pois, quando não se conhece o
passado de um povo e não se valorizam suas tradições, despreza-se a herança cultural deixada por
nossos antepassados.
→→ Tema
A maior parte da classe política não goza de muito prestígio e confiabilidade por parte da população.
→→ Causa
A maioria dos parlamentares preocupa-se muito mais com a discussão dos mecanismos que os
fazem chegar ao poder do que com os problemas reais da população.
→→ Consequência
Os grandes problemas que afligem o povo brasileiro deixam de ser convenientemente discutidos.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

→→ Tema
Muitos jovens deixam-se dominar pelo vício em diversos tipos de entorpecentes, mal que faz
parte de nossa sociedade.
→→ Causa
Algumas pessoas refugiam-se nas drogas na tentativa de esquecer seus problemas.
→→ Consequência
Acabam formando-se dependentes dos psicóticos dos quais se utilizam e, na maioria das vezes,
transformam-se em pessoas inúteis para si mesmas e para a comunidade.

Conectivos
Causa
A ideia de causa está diretamente ligada àquilo que provoca um determinado fato, ao motivo do
que se declara na oração principal. “É aquilo ou aquele que determina um acontecimento”.
Conjunções e locuções causais: porque, como (sempre introduzido na oração anteposta à oração
principal), pois, pois que, já que, uma vez que, visto que.
˃˃ Exemplos:
As ruas ficaram alagadas porque a chuva foi muito forte.
Como ninguém se interessou pelo projeto, não houve alternativa a não ser cancelá-lo.
Já que você não vai, eu também não vou.

Consequência
As orações subordinadas adverbiais consecutivas exprimem um fato que é consequência, que é
efeito do que se declara na oração principal.
São introduzidas pelas conjunções e locuções: que, de forma que, de sorte que, tanto que, etc., e
pelas estruturas tão... que, tanto... que, tamanho... que.
˃˃ Exemplos:
É feio que dói. (É tão feio que, em consequência, causa dor.)
Nunca abandonou seus ideais, de sorte que acabou concretizando-os.
Sua fome era tanta que comeu com casca e tudo.
Exercícios
01. Leia o texto a seguir.
Houve um tempo em que eu comia um monte de coisas e não precisava contar nada para ninguém.
Na civilização contemporânea, on-line, conectada o tempo todo, se não for registrado e postado, não
aconteceu. Comeu, jantou, bebeu? Então, prove. Não está na rede? Então, não vale.
Não estou aqui desfiando lamúrias de dinossauro tecnológico. Pelo contrário: interajo com muita gente e
publico ativamente fotos de minhas fornadas. A vida, hoje, é digital. Contudo, presumo que algumas coisas
não precisam deixar de pertencer à esfera privada. Sendo tudo tão novo nessa área, ainda engatinhamos a
respeito de uma etiqueta que equilibre a convivência entre câmeras, pratos, extroversão, intimidade.
Em meados da década passada, quando a cozinha espanhola de vanguarda ainda povoava os debates
e as fantasias de muitos gourmets, fotografar pratos envolvia um dilema: devorar ou clicar? A criação saía
da cozinha, muitas vezes verticalizada, comumente finalizada com esferas delicadas, espumas fugazes... O
que fazer, capturá-la em seu melhor instante cenográfico, considerando luzes e sombras, e comê-la depois,
já desfigurada, derretida, escorrida? Ou prová-la imediatamente, abrindo mão da imagem? Nunca tive
dúvidas desse tipo (o que talvez faça de mim um bom comensal, mas um mau divulgador).
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Fotos e quitutes tornaram-se indissociáveis, e acho que já estamos nos acostumando. Mas será que
precisa acontecer durante todo o repasto? Não dá para fazer só na chegada do prato e depois comer
sossegado, à maneira analógica? Provavelmente não: há o tratamento da imagem, a publicação, os co-
mentários, as discussões, a contabilidade das curtidas. Reconheço que, talvez antiquadamente, ainda
sinto desconforto em ver casais e famílias à mesa, nos salões, cada qual com seu smartphone, sem
diálogos presenciais ou interações reais. A pizza esfria e perde o viço; mas a foto chega tinindo aos
amigos de rede.
(Adaptado de: CAMARGO, Luiz Américo. Comeu e não postou? Então, não valeu. Disponível em:http://brasil.elpais.com/
brasil/2017/01/09/opinion/1483977251_216185.html)

Percebe-se uma relação de causa e efeito, nessa ordem, entre as orações na seguinte passagem do
texto:
a) Na civilização contemporânea, on-line, conectada o tempo todo, se não for registrado e
postado, não aconteceu. (1º parágrafo)
b) Sendo tudo tão novo nessa área, ainda engatinhamos a respeito de uma etiqueta que equilibre
a convivência entre câmeras, pratos, extroversão, intimidade. (2º parágrafo)
c) Houve um tempo em que eu comia um monte de coisas e não precisava contar nada para
ninguém. (1º parágrafo)
d) Reconheço que, talvez antiquadamente, ainda sinto desconforto em ver casais e famílias à
mesa, nos salões, cada qual com seu smartphone, sem diálogos presenciais ou interações reais.
(4º parágrafo)
e) Contudo, presumo que algumas coisas não precisam deixar de pertencer à esfera privada. (2º
parágrafo)
02. Leia o texto a seguir.
De quati
Aparece um quati escoteiro. Decerto perseguido de cachorro. No chão é ente insuficiente o quati.
Imita ser baleado. O rabo desequilibra de tanto rente na terra.
Agora, se alcança árvore, quati arma banzé1. Arreganha. Monta episódio. E até xinga cachorro.
Igual é o tamanduá. Fora do mato, no limpo, tamanduá nega encrenca. Porém se encontra
zamboada2, vira gente. E desafia cachorro, onça-pintada, tenente.
1) confusão, tumulto
2) moita formada por galhos e ramagens de árvores, cipós, trepadeiras
(BARROS, Manoel de. Livro de pré-coisas. In: Poesia completa. São Paulo, Leya, 2010, p. 235)

Um segmento que expressa ideia de causa, com relação ao trecho que o antecede imediatamente,
está sublinhado em:
a) No chão é ente insuficiente o quati.
b) Agora, se alcança árvore, quati arma banzé.
c) Fora do mato, no limpo, tamanduá nega encrenca.
d) Monta episódio. E até xinga cachorro.
e) O rabo desequilibra de tanto rente na terra.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

03. Para responder à questão, considere o texto abaixo.


A gerontologia, palavra cunhada em 1903, é a ciência que estuda a velhice. Como um campo de
saber específico, cria profissionais e instituições encarregados da formação de especialistas no enve-
lhecimento. Assim, uma nova categoria cultural é produzida: os idosos, como um conjunto autônomo
e coerente que impõe outro recorte à geografia social. A preocupação da sociedade com o processo de
envelhecimento deve-se, sem dúvida, ao fato de os idosos corresponderem a uma parcela da população
cada vez maior.
Terceira idade é uma expressão que surge na década de 1970, quando foi criada na França a
primeira universidade voltada para pessoas com setenta anos ou mais. Essa expressão não é apenas
uma forma de nomear os mais velhos sem uma conotação pejorativa. Sinaliza, antes, mudanças no
significado da velhice. Trata-se de celebrar a velhice como sendo um momento privilegiado para o
lazer. A invenção da terceira idade, ou “melhor idade”, indicaria assim uma experiência inusitada de
envelhecimento, em que o prolongamento da vida nas sociedades contemporâneas ofereceria aos mais
velhos a oportunidade de dispor de saúde, independência financeira e outros meios apropriados para
tornar reais as expectativas de que essa etapa da vida é propícia à satisfação pessoal.
A visão da velhice como um processo contínuo de perdas e de dependência, responsável por um
conjunto de imagens negativas associadas a ela, tem sido substituída pela consideração de que esse é
um momento fecundo para novas conquistas. Proliferaram, na última década, programas voltados
para a terceira idade, como as universidades e os grupos de convivência.
Contudo, o sucesso dessas iniciativas é proporcional à precariedade dos mecanismos de que
dispomos para lidar com a velhice avançada. A nova imagem do idoso não oferece instrumentos
capazes de enfrentar a decadência de habilidades cognitivas e controles físicos e emocionais que são
fundamentais, na nossa sociedade, para que um indivíduo seja reconhecido como capaz do exercí-
cio pleno dos direitos de cidadania. A dissolução desses problemas nas representações gratificantes
da terceira idade fecha o espaço para outras iniciativas voltadas para o atendimento das situações
de abandono e dependência que marcam o avanço da idade. As perdas próprias do envelhecimento
passam, então, a ser vistas como consequência da falta de envolvimento dos mais velhos em atividades
motivadoras ou da adoção de formas de consumo e estilos de vida inadequados.
É, portanto, ilusório pensar que essas mudanças são acompanhadas de uma atitude mais tolerante
em relação às idades. A característica marcante desse processo é a valorização da juventude, que é as-
sociada a valores e a estilos de vida, e não propriamente a um grupo etário específico.
(BOTELHO, S. & SCHWARCZ, L. H. Agenda Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 544-553)

No texto, constituem uma causa e sua decorrência, respectivamente:


a) o fato de o número de idosos ser cada vez maior na sociedade // a celebração da velhice como
uma idade em que novas possibilidades se abrem para o lazer.
b) a criação da expressão “melhor idade” // a necessidade de um termo sem conotação pejorati-
va para nomear o processo de prolongação da vida.
c) as mudanças no significado da velhice para a sociedade // a criação da expressão “terceira idade”.
d) a criação de novas atividades destinadas aos idosos // o surgimento de profissionais especia-
lizados no envelhecimento.
e) a visão da velhice como um processo contínuo de perdas e de dependência // o surgimento
de uma atitude mais tolerante em relação a esse período da vida.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

04. Leia o texto a seguir.


O primeiro... problema que as árvores parecem propor-nos é o de nos conformarmos com a sua
mudez. Desejaríamos que falassem, como falam os animais, como falamos nós mesmos. Entretanto,
elas e as pedras reservam-se o privilégio do silêncio, num mundo em que todos os seres têm pressa de
se desnudar. Fiéis a si mesmas, decididas a guardar um silêncio que não está à mercê dos botânicos,
procuram as árvores ignorar tudo de uma composição social que talvez se lhes afigure monstruosa-
mente indiscreta, fundada que está na linguagem articulada, no jogo de transmissão do mais íntimo
pelo mais coletivo.
Grave e solitário, o tronco vive num estado de impermeabilidade ao som, a que os humanos
só atingem por alguns instantes e através da tragédia clássica. Não logramos comovê-lo, comuni-
car-lhe nossa intemperança. Então, incapazes de trazê-lo à nossa domesticidade, consideramo-lo
um elemento da paisagem, e pintamo-lo. Ele pende, lápis ou óleo, de nossa parede, mas esse arti-
fício não nos ilude, não incorpora a árvore à atmosfera de nossos cuidados. O fumo dos cigarros,
subindo até o quadro, parece vagamente aborrecê-la, e certas árvores de Van Gogh, na sua crispa-
ção, têm algo de protesto.
De resto, o homem vai renunciando a esse processo de captura da árvore através da arte. Uma
revista de vanguarda reúne algumas dessas representações, desde uma tapeçaria persa do século IV,
onde aparece a palmeira heráldica, até Chirico, o criador da árvore genealógica do sonho, e dá a tudo
isso o título: Decadência da Árvore. Vemos através desse documentário que num Claude Lorrain da
Pinacoteca de Munique, Paisagem com Caça, a árvore colossal domina todo o quadro, e a confusão de
homens, cães e animal acuado constitui um incidente mínimo, decorativo. Já em Picasso a árvore se
torna raríssima, e a aventura humana seduz mais o pintor do que o fundo natural em que ela se desen-
volve.
O que será talvez um traço da arte moderna, assinalado por Apollinaire, ao escrever: “Os pintores,
se ainda observam a natureza, já não a imitam, evitando cuidadosamente a reprodução de cenas
naturais observadas ou reconstituídas pelo estudo... Se o fim da pintura continua a ser, como sempre
foi, o prazer dos olhos, hoje pedimos ao amador que procure tirar dela um prazer diferente do propor-
cionado pelo espetáculo das coisas naturais”. Renunciamos assim às árvores, ou nos permitimos fabri-
cá-las à feição dos nossos sonhos, que elas, polidamente, se permitem ignorar.
(Adaptado de: ANDRADE, Carlos Drummond de. “A árvore e o homem”, em Passeios na Ilha, Rio de Janeiro: José Olympio, 1975,
p. 7-8)

Identifica-se um efeito e sua causa, respectivamente, nos segmentos:


a) decididas a guardar um silêncio que não está à mercê dos botânicos // procuram as árvores
ignorar tudo (1ºparágrafo)
b) Renunciamos assim às árvores // ou nos permitimos fabricá-las (4º parágrafo)
c) que talvez se lhes afigure monstruosamente indiscreta // fundada que está na linguagem arti-
culada (1ºparágrafo)
d) incapazes de trazê-lo à nossa domesticidade // consideramo-lo um elemento da paisagem (2º
parágrafo)
e) a aventura humana seduz mais o pintor // do que o fundo natural em que ela se desenvolve (3º
parágrafo)
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

05. Mas vou parar, que não pretendi nesta crônica escrever um manual do perfeito candidato.
Identifica-se, no segmento sublinhado acima,
a) uma finalidade, que reafirma as intenções do autor, expostas no texto.
b) condição, pois o autor conclui não ter conseguido aconselhar o candidato.
c) noção de causa, que justifica a decisão tomada pelo autor.
d) a consequência de uma ação deliberada anteriormente
e) ressalva que restringe o sentido da afirmativa anterior
Gabarito
01 - B
02 - E
03 - C
04 - C
05 - C

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8

Вам также может понравиться