You are on page 1of 41

SOCIEDADE ASSISTENCIAL E EDUCACIONAL

“FONTE NO DESERTO”

OS OBREIROS DA CASA DE DEUS

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 1
Apresentação

Este Seminário Bíblico nasceu da imperiosa vontade do Espírito Santo,


que fez ferver o coração do grande homem de Deus Pr. Jayro Fontes Ferreira
(In Menorian) e levou o Pr. Abimael Fontes Ferreira, seu filho, a pensar no
melhoramento do conhecimento Bíblico de homens e mulheres de Deus, que
compreendendo mais o verdadeiro significado das Escrituras, possam
enriquecer a divulgação do evangelho e assim fortalecer o Reino de Deus.
Espero que todos possam aproveitar essa grande oportunidade dada pelo
ELAETEM aos seus alunos.
Certo de que a idoneidade do Ministério a quem este Instituto pertence
seja a garantia de sua atuação.

Sejam Bem Vindos

Nos Laços do Calvário

Pr. Misael Fontes Ferreira


Diretor Administrativo

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 2
OS OBREIROS DA CASA DE DEUS

I – Introdução:

Sentimo-nos prazerosos em levar adiante a visão de trabalho que o Espírito Santo colocou em
nossos corações. Na verdade, é apenas o início de um plano que visa o preparo de obreiros para servirem
melhor a causa do Mestre.
Sempre fico pensando no tempo que Jesus gastou para preparar doze homens que revolucionariam
o mundo com a pregação do Evangelho. Sua missão principal foi buscar e salvar o perdido e para isto, Ele
investiu todo seu Ministério, capacitando doze homens que seriam seus respectivos representantes depois
de sua partida, aliás, Ele só partiu, depois que esses homens deram as evidências necessárias de que
assimilaram seu ensino.
Creio ser esse, um dos motivos que nos impulsionaram a formar a “Escola de Líderes e
Obreiros” ELO, se é que posso usar essa expressão, mas sinto-me na liberdade de usá-la , pelas razões
que foram expostas acima. Apesar da popularidade de Cristo através de multidões que o cercavam por
todos os lados, fica bem patente o fato de que, sua missão concentrava-se naqueles doze homens. Havia
uma prioridade notável em tudo que fazia, centralizada nos doze. O ensino foi tão penetrante, que tiveram
condições sobejas de documentarem os feitos e ensinos mais importantes de Cristo, que até hoje é de
grande valia, para todo o povo de Deus na terra.
Em segundo lugar, o próprio Cristo, nos chamou, nos capacitou, e, nos enviou a pregar e a ensinar;
mas, para ensinar, é necessário primeiramente aprender. Só podemos ensinar aquilo que aprendemos e, se
aprendemos errado, também ensinaremos errado. Lamentavelmente encontramos muitos “obreiros”, que,
apesar de serem bem intencionados, não conseguem desenvolver bem seus ministérios, exatamente pela
ausência de conhecimento, no exercício do ministério.
Nosso propósito nessa “Escola” preparatória é abrir as cortinas, e focalizar os pré-requisitos
básicos de um obreiro Cristão, pois há um mundo em nossa volta, sem esperança e sem projeção nenhuma
para a vida eterna, ou até mesmo, para a vida. Essas pessoas esperam por nós, e estão cegas: não podem
ver o que vemos, ouvir o que ouvimos. Mas, certamente, poderão ouvir através de cristãos autênticos,
pois temos o antídoto para esse mal que assola a sociedade.
Acredito que, partindo de uma conscientização vocacional, destacando as implicações de um
ministério sadio, as responsabilidades de um obreiro, a ética, o culto, as doutrinas, e a visão de trabalho da
Igreja a que pertencemos, já é um bom avanço para a formação de um ministério unido.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 3
Se ao final dessa Escola de Lideres e Obreiros – ELO, você não tiver nada a acrescentar à sua
visão de trabalho e modo de agir, então cometeremos um leve engano ao convocá-lo; mas, se sua visão
foi despertada, a ponto de preocupá-lo e lhe deixar pensativo a respeito do ministério, então já
conseguimos grandes proezas e, certamente Deus está lhe moldando para uma Segunda chamada.

II – A CHAMADA MINISTERIAL – Ef. 4:11,12

1. A Chamada Ministerial:

1.1. “Ele mesmo concedeu uns para...” (v.11). Essa expressão destaca a necessidade de uma
conscientização da chamada. É usada pelo Apóstolo Paulo em Rm. 1:1 “Paulo, servo de Jesus
Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus””Doulos” , traduzido
como servo, é aquele que não tem vontade própria, sua vontade é a vontade de seu Senhor. A
tradução normal para essa palavra é “escravo”.

Uma outra palavra significativa em Rm.1:1 é “chamado” do Grego Kletòs =

1) chamado, convidado a obter eterna salvação no reino por meio de Cristo.


1b) chamado a algum ofício.
1b1) Selecionado e designado divinamente.

Uma terceira palavra significativa em Rm.1:1 é “separado” do Grego Aphorizo =

1) separar de outros pelo estabelecimento de limites ou uso de critérios, limitar, separar. No


bom sentido: apontar, separar para algum propósito.

Essa separação indica que o obreiro não pode se auto-proclamar. Deve haver um
reconhecimento divino e humano em sua chamada.

1.2. Porque é importante a chamada divina? Qual a razão da chamada? Resumindo, podemos dizer
que a chamada divina tem alguns propósitos importantes:
1.2.1. Esclarecer que o ministério, seja qual for, nunca foi uma profissão na antiga aliança, e muito
menos na atual dispensação. O ministério neotestamentário é um Dom e uma vocação de
Deus. “E Ele mesmo concedeu...” (Ef.4:11). A partir dessa premissa básica, o homem
chamado pelo Senhor deve estar consciente de que:
a) – Do Senhor vem a recompensa. (1 Pe. 5:2-4).
b) – Pelo Senhor ele será julgado. (1Co.4:3-5)

1.3. A certeza da chamada de Deus faz o servo do Senhor superar obstáculos considerados, pelo
homem comum, insuperáveis ou além de qualquer possibilidade humana, pelo contrário, como
poderíamos compreender a posição de Moisés diante das rebeliões e tumultos que ele
enfrentou no deserto? (Nm.12:1 – 16; 14:1 – 9; 16: 1 – 19). Como entender a poderosa oração
intercessória quando Deus quis destruir o povo israelita e fazer dele (Moisés) um novo e
grande povo? (Nm. 14:10 – 19). Só um homem vocacionado por Deus poderia ter capacidade,

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 4
calma e equilíbrio para vencer nesses momentos críticos. Moisés não era um Super-Homem,
mas era um homem chamado pelo Senhor.
Como entender a perseverança de Paulo, que foi dado por morto, depois de ser
apedrejado pelos judeus opositores do evangelho da graça, em continuar na sua missão de pregar
essas boas-novas? (Atos 14:19-22).

Inúmeros outros exemplos poderiam ser citados. Homens, que, no dizer do escritor da Carta
aos Hebreus, “... pela fé, venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam
as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram
forças, na batalha se esforçaram, puseram em fugida os exércitos dos estranhos”. (Hb.11:33,34).

1.4. A chamada é acompanhada da missão. Ninguém que é chamado pelo Senhor vive de um
lado para o outro, de um trabalho para outro sem ter certeza da vontade de Deus. Deus,
quando chama, comissiona seu servo para uma missão especifica.

1.5. A ocasião da chamada:

Se Deus chama como quer, isto é, de modo soberano, é lógico que Ele também chama
quando quer. Não há faixa etária privilegiada, como vemos a seguir:

a) – Desde o ventre, o Senhor chamou Jeremias (Jr.1:5) e Paulo (Gl. 1:15,16).


b) – O Senhor chamou Samuel, sendo este bem jovem (1 Sm. 3:3,4,20); Também Davi (1 Sm.
16;11-13) e, possivelmente Timóteo (Atos 16:1-3). Em qualquer época de nossa existência, o
Senhor pode nos chamar para o ministério ou para o cumprimento de uma missão em
particular.

Quanto às circunstancias das chamadas registradas no texto sagrado, são as mais variadas
possíveis:
O Senhor chamou Davi quando cuidava do rebanho de seu pai (1 Sm.16:11); Eliseu
quando andava lavrando com doze juntas de bois (1 Rs.19:19-21); Paulo a caminho de Damasco, com
o objetivo de prender os cristãos (At.26;12-16).

1.6. A Natureza da chamada


Quanto à natureza intrínseca, a chamada para o ministério neotestamentário apresenta as
seguintes características:

a) – Divina. A responsabilidade da chamada ministerial é do Senhor. “E Ele mesmo concedeu


uns para...”(Ef.4:11). Não se trata de uma incumbência dada por convenção, ou concilio; pois
estes órgãos apenas confirmam, reconhecendo a chamada divina depois de um exame. É o que
o apóstolo Paulo recomendou a Timóteo: “Procura apresentar-se a Deus aprovado, como
obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da Verdade” (2
Tm.2:15). A palavra grega “Dókimos” , traduzida por aprovado, quer dizer “aprovado depois
do exame”. Quando os gregos escolhiam pedras para construção, uma pedra que não
satisfizesse as necessárias especificações, era marcada com um “A”, significando que fora
testada e não encontrada perfeita. Uma pedra perfeita, por outro lado, era chamada de
“Dókimos”, ou seja, a que passou pelo teste.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 5
• Existem chamadas que Deus não tem participação nenhuma tais como:

- Chamada humana. Do tipo “vem pra cá!”. É um simples convite humano, sem
Deus ter qualquer participação. Podemos tomar como exemplo Abraão e Ló.
Abraão foi, de fato, chamado por Deus (Gn.12;4), mas, Ló simplesmente foi “com
ele”, diz a Bíblia. Há obreiros nessa situação: apenas seguindo alguém, sem terem
qualquer chamada individual. Em 1 Sm. 16:6,7, Samuel quase ungiu Eliabe por si
próprio, quando o homem de Deus era Davi.

- Camada própria. È aquela chamada em que a própria pessoa se oferece, sem


nenhuma participação divina.

b) – Pessoal. A chamada para salvação é universal, é para todos, no entanto a chamada


ministerial é pessoal e específica.

1.7. Sinalização da chamada:

a) – Aquele que vê as dificuldades do ofício, mas não se intimida.


b) – Aquele que olha as perseguições, mas contempla a promessa de Deus.
c) – Aquele que quer se ocupar em ganhar almas para o Senhor, ainda que pague o preço de
abusos, desprezos, perseguições ou até a própria viva.
d) – Aquele que deseja ensinar as verdades preciosas de Deus, consolar os tristes, dar direção às
vidas que estão vagando sem rumo.
e) – Aquele que sente a voz de Deus ecoando dentro de si para o ministério.
f) – Não há outra função ou carreira que lhe ofereça tão grande oportunidade de poder servir sua
geração. Os resultados de sua obra são eternos. Sobram-lhe ocasiões para fazer o bem. O gozo
de ver as almas salvas, não pode comparar-se com a satisfação que produz êxito em outra
carreira.

A chamada Ministerial também carece de uma verdadeira piedade, requisito indispensável


para um obreiro Cristão. Seja qual for a “vocação” que um homem simule possuir, “se não foi
vocacionado para a santidade não foi vocacionado para o ministério”. C.H.Spurgeon.
É de suma importância que antes de alguém ingressar no ministério cristão, tenha certeza
de que a seleção foi imposta imperativamente pelo Deus eterno.

O chamado do “Eterno” tem que ressoar através das recamaras de sua alma de modo tão
claro como os sons dos sinos. Sua escolha não é uma preferência entre alternativas. Em última
instância, ele não tem alternativa.

Todas as outras possibilidades se calaram, permanece apenas um chamado inconfundível,


ecoando como a imperiosa intimação do Deus Eterno; “Porque Ele mesmo concedeu...”

III – O MINISTÉRIO CRISTÃO

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 6
1. Definição: A Palavra “Ministro”, usada por Paulo em 1 Co.4:1, vem do termo grego: huperetes =
criado - remador subordinado.

Havia três fileiras de remadores: a primeira, dos bancos superiores, a segunda, dos bancos mais
escondidos e a terceira dos remos inferiores. Estes remadores estavam sujeitos até desmaiarem de
exaustão. Posteriormente, esse vocábulo passou a ser usado em sentido técnico no vocabulário
eclesiástico. O Apóstolo dos gentios assume sua correta posição, como servo de Jesus Cristo, em sua
menção ao termo: “Ministros de Cristo”, pois os ministros do “mar”, isto é, os “remadores”, eram
escravos acorrentados aos seus remos; e o Apóstolo Paulo estava dominado pelo seu Senhor; pois sua
identificação nas epistolas segue sempre essa ordem de servo, de ministro de Jesus Cristo.
Como o Senhor é nosso legítimo proprietário, e a igreja foi edificada n’Ele, dentre seus servos, Ele
fez a sua escolha mais seleta, e deu os obreiros para sua Igreja, como dádiva do seu próprio amor com
um objetivo específico.

2. OS OBJETIVOS DO MINISTÉRIO CRISTÃO:

2.1 Para o aperfeiçoamento dos santos (Ef.4:12). O termo grego para aperfeiçoamento é “Katartismós”
= Capacitação. A palavra era um termo técnico para “consertar um osso quebrado” ou seja correção de
ossos partidos ou restauração de algo ao seu estado primitivo.A raiz dessa palavra é “artios”, que
significa: “ perfeito, completo, totalmente adaptado”, conf. Russel Norman Champlim. Ele nos chamou
para aperfeiçoar santos.

a) – A responsabilidade do Ministro: Spurgeon chama a atenção de seus ouvintes para tomarem


cuidado com o “Ministerialismo”, no qual era definido por ele como aquele que lê a Bíblia como
ministro e ora como ministro, mas somente para pregar aos outros e não para si. O Ministro não
deve se contentar em estar no mesmo nível dos soldados rasos nas fileiras cristãs. Tem que ser um
cristão amadurecido e adiantado, pois o ministério de Cristo tem sido com acerto denominado: sua
escolha mais seleta. Os eleitos de sua eleição. Dizem que os egípcios escolhiam seus sacerdotes
dentre seus melhores filósofos, mais doutos e depois os tinham em alta estima e dentre eles
escolhiam seus reis. Almejamos que os ministros de Deus sejam a nata, de todos os que formam
os exércitos de Cristo. Homens tais que, se a nação quisesse reis, não poderia fazer melhor do que
eleva-los ao trono. Portanto, para tal, Ele nos chamou, nos responsabilizou e nos capacitou.
Aleluia!

b) – Os santos são aperfeiçoados através do ministério da Palavra. Todos os ministros da


Palavra recebem do comandante da Igreja o dom que é a qualificação essencial para seu
ministério. Não é o seu talento natural. Ninguém deve escolher o ministério cristão como carreira
simplesmente porque tem o dom de falar. O ministro é escolhido por Cristo, vocacionado por
Cristo, e recebe o seu Dom Ministerial de Cristo.”...Não é razoável que nós deixemos a Palavra
de Deus e sirvamos as mesas” (Atos 6:2b). “Mas nós perseveraremos na oração e no ministério
da Palavra”. (Atos 6:4) . Os santos são

aperfeiçoados através da pregação e do ensino por meio dos dons ministeriais, daí, a necessidade da
Igreja valorizar cada vez mais os seus ministros, principalmente seus pastores, porque foram dados
por Cristo. “...Sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham
na palavra e na doutrina”. (1 Tm.5:17). (2 Tm 4:2; 1 Tm 1:3; 2:1; 4:6,11, 13-16; 2 Tm. 2:15; Tt.1:5;
2,6; 2:15; 3:1; Hb.13:7) Etc.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 7
2.2 para a obra do ministério (Ef.4:12). Grego: “Ergon diakonias” A diaconia está
relacionada com distribuição, administração. Quando Jesus disse que o Filho do homem não veio para
ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos (Mc.10:45, usou o verbo
“Diakonéo”, para descrever sua própria missão. O maior pregador segundo o critério de Cristo é
aquele que serve melhor no lugar que ocupa.

2.3 Para edificação do corpo de Cristo (Ef.4:12). Grego: “Oikodomé” = Construção, edificação. A
palavra é uma expressão de desenvolvimento. Essa edificação de ordem espiritual faz do corpo
místico de Cristo um templo habitado pelo Espírito de Deus, porque se torna lugar apropriado para
sua residência. Tal como noutros lugares, encontramos aqui, nessa expressão, a combinação das idéias
de edificação de um templo e desenvolvimento de um organismo vivo, de tal modo que a edificação é,
ao mesmo tempo, o crescimento de um organismo vivo. Essa mesma combinação aparece no trecho
de Ef.3:17, no que respeita ao fato da Igreja ser ao mesmo tempo “arraigada” como uma árvore e,
firmada como um edifício levantado sobre seus alicerces. A passagem de 1 Pe. 2:5 refere-se a esse
templo espiritual como algo composto de “pedras vivas”; e isso também combina duas metáforas, a
do estado de crescimento e de vida de um organismo e a de um edifício em formação. Ora, os dons
ministeriais e espirituais têm pôr fim promover o crescimento, o bem-estar e a edificação, ou seja, o
progresso e o desenvolvimento contínuo da Igreja.

2.4 Para que haja unidade na fé (v.13). Grego: “Katantésomen”. O termo grego indica: “chegar a
um alvo”. A unidade requer humildade e concordância doutrinária. “Rogo-vos, porém, irmãos, pelo
nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa e que não haja entre vós
dissensões; antes, sejais unidos, em um mesmo sentido e em um mesmo parecer” (1 Co.1:10). A
unidade conduz ao conhecimento (v.13).Quando o texto refere-se ao conhecimento, logicamente não
está em foco o conhecimento histórico, mas o conhecimento experimental. O efeito da unidade é a
perfeição. “...Até que todos cheguemos a unidade da fé e ao pleno conhecimento do filho de Deus,
a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” (v.13) Grego: “Epignósis” =
“compreensão, percepção, entendimento, consciência“ ; um conhecimento específico”.Equivale a
dizer que quem recebe tal conhecimento, recebe experimentalmente o filho de Deus.

2.5 Para firmeza Espiritual e doutrinária dos crentes.


“Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina,
pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente”. (v.14). Esse verso deixa
bem claro que os dons ministeriais promovem crescimento na Igreja, evita que o crente seja bebê
espiritual, que qualquer um o leva para onde quer, isto é, aqueles que são levados por todos os ventos
de doutrinas. A palavra vento Grego: “anémo”, dá idéia de uma atmosfera má, onde várias correntes
de doutrinas exercem suas forças. Essa firmeza

espiritual gera esclarecimento e proteção contra os falsos mestres, que são praticamente atores. A
palavra engano nesse verso é a tradução do termo grego “kybeía”, sinalizando que esses falsos
mestres são habilidosos em convencer os homens de suas doutrinas. Esse termo nos dá idéia de uma
“fraude intencional”

2.6 Para que haja um bom ajustamento (v.16) grego: “Synarmologúmenon” = Ajustado. O verbo
também quer dizer: “juntar, unir, vincular” (Synarmologéo). Refere-se a um corpo unido pelas juntas
e ligaduras. Esse corpo se caracteriza pela maravilhosa cooperação de muitos elementos que são

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 8
perfeitamente unidos uns aos outros. Nesse corpo nenhum membro fica isolado, e há uma
dependência mútua do corpo inteiro à cabeça. Um corpo bem ajustado: Coopera uns com os outros,
vive unido, rejeita isolamento, cresce adequadamente.

“É melhor abolir os púlpitos do que enchê-los de homens que não tem conhecimento experimental
daquilo que ensinam” C.H.Spurgeon

3. CLASSIFICAÇÃO DOS DONS MINISTERIAIS

3.1 Apóstolo. (enviado, delegado, mensageiro, missionário). Certamente, em razão de sua


importância, o apóstolo vem em primeiro lugar na ordem dos dons ministeriais. A palavra apóstolo
ocorre mais de oitenta vezes no N.T., com o sentido de enviado com uma missão específica.
Correspondente com o sentido ou significado deste título ministerial, vamos encontrar no Novo
Testamento três tipo de apóstolo. Jesus, o Apóstolo enviado pelo Pai (Hb.3:1); Os doze Apóstolos
enviados pelo Filho (João.20:21b); Paulo, Barnabé e outros Apóstolos enviados pelo Espírito Santo
(At. 13:2,4).

3.2 Profetas.
Profeta é aquele que proclama as verdades inspiradas; ou aquele que fala a outrem da parte de
alguém. Nesta sentido, Arão foi profeta de Moisés (Ex. 7:1,2).

A mensagem do profeta pode ser predição de eventos futuros como no caso de Ágabo
(At.21:10,11) ou de Paulo ao predizer a manifestação do “...homem do pecado, com sinais e prodígios
de mentira...” (2 Ts.2:1,2), ou inspirações doutrinárias “...para o aperfeiçoamento dos santos... e
edificação do corpo de Cristo cf. (1 Co.14:3,4).

De todos os dons ministeriais estabelecidos por Cristo em sua Igreja, encontramos em sua própria
pessoa o excelente modelo e o mais elucidativo exemplo.

a) Um dom Ministerial: O profeta no N.T. é um dom ministerial distinto, completamente


diferente do dom de profecia. É um Dom ministerial concedido à Igreja depois que Cristo
“Subiu às alturas (Ef.4:7-11; 1 Co. 12:18).

Em Atos 13:1-3, temos o profeta representando um dom ministerial com o devido


reconhecimento da Igreja. Havia nessa reunião, um grupo de profetas, por quem “disse o
Espírito Santo: Separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho
chamado”. O texto em seguida nos dá clara idéia da autoridade ministerial que tinham. (Atos
13:3). “Então jejuando e orando e, impondo sobre eles as mãos os despediram”. Isto nunca
teria acontecido se não se tratasse de pessoas de reconhecida autoridade ministerial.

b) O Profeta como pregador: Na Igreja Primitiva, sem dúvida os profetas desempenharam


um papel muito importante no ministério da prédica com a devida autoridade e poder divino
que abalava e arrastava os ouvintes. Para reconhecermos hoje esse ministério, temos de voltar
nossa vista para os pregadores que em geral falam por inspiração à medida que pregam.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 9
É certo que alguns pensam que um profeta seja um homem ajoelhado, com os olhos
fechados, a proferir sob o impulso do Espírito Santo, uma mensagem predita ou de
advertência. Este conceito, entretanto não corresponde ao profeta do A .T. nem do N.T.

O mais correto é pensar em um homem sentado a uma mesa, a escrever a mensagem que
Deus lhe vai colocando na mente ou mesmo ditando para outro escrever, como no caso de
Jeremias e Baruque (Jr. 45), falando ao povo para determinadas ocasiões. Outras vezes falando
ao rei, às autoridades de seu país, em audiências obtidas propositadamente, e ainda transpondo
as fronteiras de seu país, andando quilômetros e mais quilômetros levando a mensagem de
Deus a outros povos, exortando-os ao arrependimento e à conversão a Deus como faz em
nossos dias, um pregador do Evangelho, movido pelo Espírito Santo. O profeta como
pregador, portanto, edifica, exorta e consola (1Co.14;4). O profeta como pregador cativa os
corações dos ouvintes com uma declaração da verdade que convence a consciência (1
Co.14:4).

c) Objetivos do Ministério Profético: Um dos principais objetivos do ministério profético do


Antigo Testamento era o de trazer aos homens a preciosa revelação das verdades eternas
encerradas nas escrituras. O conjunto dessas revelações encerra-se com Malaquias. Esse
período foi aquele: “ Deus falou muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais pelos
profetas” (Hb.1:1)

Da mesma maneira que os profetas do A .T. contribuíram para a formação do A .T., assim
também veio a revelação divina, do N.T. Verdades que o Apóstolo Paulo denomina
“...mistério de Cristo, o qual em outras gerações não foi dado a conhecer aos filhos dos
homens, como agora foi revelado aos seus santos apóstolos e profetas no Espírito Santo”
(Ef.3:4,5; Rm. 16:25,26).

Como se pode observar, o profeta ocupa lugar de destaque como contribuinte para o
“...Aperfeiçoamento dos santos...” (Ef. 4:11,12). Foram participantes com os apóstolos na
consolidação da estrutura doutrinária da Igreja, mediante a revelação do plano de Deus para
salvação dos gentios (Ef.3:3-6). Nesse sentido o Apóstolo Paulo afirma que a Igreja está
“edificada sobre o fundamento dos apóstolos e profetas...” (Ef.2:20). “Assim foram
completadas es Escrituras do AT.e NT. Desde então o ofício de profeta permanece, não para
acrescentar algo à perfeita revelação das Escrituras, mas
para edificar o corpo de Cristo mediante o inspirado e inspirador Dom de um ministério que
interpreta e aplica essas Escrituras como nova luz, vida e poder a cada geração e a cada
operação do Espírito Santo” Toda profecia deve ser conferida com o texto definitivo. A
Palavra de Deus sempre será o meio, o equilíbrio, o manual para testar veracidades proféticas
hodiernas. Nesse sentido devemos imitar os Bereanos.

d) Diferenças entre o ministério profético e o Dom de profecia: Convém destacar que o


ministério profético do Novo Testamento difere do Dom de profecia, pois este, todos podem
possuir, mas dom ministerial de profeta é fruto de uma chamada específica. Como exemplo
podemos verificar Atos 21:8-11. Felipe tinha quatro filhas que profetizavam, ou melhor, que
tinham dom de profecia, mas Ágabo era um profeta, isto é, tinha um ministério profético. As
manifestações proféticas do dom de profecia diferem das manifestações do profeta do N.T.
Ambos são dons, só que um é ministerial e outro espiritual.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 10
e) Profetas do Novo Testamento:

1. Barnabé, Simeão etc (Atos 13: 1)


2. Ágabo. (Atos 11:27) . Este verso fala de profetas de Jerusalém que foram para
Antioquia. Veja (Atos 21:10,11).
3. Judas e Silas (Atos 15:32).
4. Segundo o que diz o Apóstolo Paulo em 1 Co. 12:18, o Profeta está em
segundo lugar na Igreja. Onde estão eles? Onde se encaixa o ministério
profético na Igreja de hoje? Certamente em grande parte na exposição da
Palavra de Deus. O Profeta não é aquele que necessariamente recebe a
mensagem momentânea, mas também aquele que recebe enquanto medita,
estuda a Palavra e posteriormente a entrega na unção do Espírito.

3.3 Evangelistas.

O vocábulo evangelista aparece apenas três vezes no Novo Testamento: Filipe, o


Evangelista (Atos 21:8); “Ele mesmo concedeu uns... para Evangelistas”. (Ef.4:11); “Faze a obre de
um Evangelista” (2 Tm. 4:5). Portanto significa aquele que leva o Evangelho, que prega o Evangelho, é,
literalmente “mensageiro de Boas-Novas”. Apesar das referências a esse ofício serem escassas, Ef. 4:11,
torna claro que os Evangelistas constituíam na Igreja primitiva uma ordem de ministério distinto e bem
caracterizado, separado dos Apóstolos, Profetas, Pastores e Mestres.

a) Dom de Evangelista: Filipe foi sem dúvida um dos mais destacados Evangelistas
aos quais o Novo Testamento faz referência. Por seu intermédio o Eunuco Etíope foi conduzido a Cristo e
batizado. Graças ao Ministério desse abnegado Evangelista, muitos samaritanos foram conduzidos ao
conhecimento de Deus e à salvação. E na qualidade de Evangelista que Filipe é encontrado na estrada
entre Jerusalém e Gaza (Atos 8:26), nas cidades ao norte de Azoto (Atos8:40), na cidade de Cesaréia
(Atos 21:8). Ele fora um dos sete primeiros diáconos da Igreja, mas agora elevado a Evangelista. (Atos
6:5).

Convém-nos afirmar que o ministério de Evangelista continua em evidência hoje.


Nomes de grandes Evangelistas como Moody, Wesley, Spurgeon e tantos outros poderosos e
conhecidos homens de Deus que ilustram a história da Igreja dos tempos modernos, é uma prova mais do
que evidente da existência do ministério do Evangelista na Igreja hoje. A Assembléia de Deus no Brasil,
particularmente sabe o quanto deve ao trabalho do Evangelista.

Devido à incorreta concepção do ministério de Evangelista, vemos às vezes, um Evangelista


ocupado com uma pequena Igreja, completamente fora de sua função, ou mesmo sem qualquer evidência
deste dom ministerial. É Evangelista simplesmente porque alguém o determinou ou porque lhe deram este
nome. Isto nada tem a ver com o verdadeiro ministério de Evangelista, como também não tem
fundamento Bíblico. Lamentavelmente, temos muitos Evangelistas e ao mesmo tempo, grande carência
dos mesmos.

b) Características do Evangelista: Um Evangelista no verdadeiro sentido da palavra deve ter as


seguintes qualidades:

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 11
1) Amor pelas almas a ponto de buscá-las uma a uma. A palavra Evangelista tem
estado tão associada aos pregadores de grandes multidões, que aqueles que tem tido este privilégio,
correm sério risco de centralizar o seu ministério e amor nas multidões, se esquecendo dos indivíduos que
as compõem. Porém, Jesus, o Evangelista ímpar de toda a história da Igreja, nos deu exemplo diferente:
amou as almas uma a uma. Não importando o tamanho das multidões às quais falava. Ele as encarava
como se estivesse falando a um só indivíduo. O maior sermão evangelístico de toda a Bíblia (Jo 3), foi
proferido diante de uma só pessoa. Qualquer Evangelista não é digno do ministério que tem, se não é
capaz de amar as almas uma a uma.

2) Convicção de sua chamada. O ministério não é uma aventura à qual devemos


nos lançar sem nenhum propósito definido. Acima de qualquer outro sentimento deve prevalecer a certeza
da chamada divina.

3) Confiança na eficácia do Evangelho. O Evangelho é a arma do Evangelista. Um


Evangelista sem o Evangelho é como um soldado sem arma. Segundo Paulo o Evangelho é o poder de
Deus para salvação de todo aquele que crê, (Rm.1:16). O Evangelho é praticamente o resumo final de
toda mensagem cristã.
O Evangelho é o selo que patenteia o começo, o meio e o fim do autêntico Evangelista. Tire-se o
Evangelho da boca de Paulo e ele não será mais do que um Fariseu melhorado.

4) Intimidade com Deus. A mensagem do Evangelista deve emanar da sua


comunhão com Deus através da Oração e manuseio diário da Bíblia Sagrada. A vocação divina o inspira e
anima. Ele é capaz de exclamar como Paulo “...sobre mim pesa a obrigação...e ai de mim, se não pregar
o Evangelho” (1 Co.9:16).

5) Empenha-se por alcançar resultados: D.L.Moody, o famoso Evangelista


leigo americano que viveu no final do século 19, costumava pregar e no final da mensagem dizer aos
ouvintes que fossem para casa meditando no que acabavam de ouvir e que desejassem aceitar a Jesus que
voltassem a procura-lo no culto da noite seguinte. Certa noite, após pregar na cidade de Chicago,
terminando o culto ele fez esta recomendação, aconteceu que naquela mesma noite a cidade de Chicago
foi semidestruida por um grande incêndio, quando milhares de pessoas morreram, entre as quais muitas
daquelas que haviam ouvido Moody pregar no último Culto. Sentindo-se responsável pelo destino dessas
pessoas, Moody passou a nunca mais concluir uma mensagem sem fazer um apelo.
O Evangelista deve lembrar-se de que quando está pregando, está trabalhando com pessoas que
possuem uma alma eterna; e, levá-las a Cristo, é sem dúvidas, o maior resultado que ele pode auferir do
seu trabalho.

3.4 Pastor.

“De todos os ofícios do Ministério Cristão, o pastorado é o mais conhecido em nossos dias. O
título é dado até mesmo aos ministros em diferentes funções ministeriais. A função é tão honrosa, que o
Antigo Testamento, freqüentemente atribui a Deus o Título de Pastor de Israel” (Jr.23:4 Sl. 23:1; Sl.
80:1). O verbo técnico da terminologia pastoral em hebraico é “Ra’ah”, “apascentar”, do qual vem o
termo “Ro’eh”, pastor; que indica “caminho”, “condutor e guia”. Já no Novo Testamento a palavra pastor
é oriunda do termo grego: “poimen” que significa: apascentador, guarda, aquele que conduz um rebanho
ao pasto, um sustentador.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 12
a) O tema Deus-Pastor está presente nas três partes da Bíblia hebraica: Na Tora,
Nos Profetas e nos Escritos (especialmente nos Salmos). Ele é expressão da cultura nômade que em
decorrência da destruição de Jerusalém e da deportação para Babilônia, aparece, especialmente em
Ezequiel, a figura do Messias pastor e príncipe, Cf. (Ez.34:23,24). O uso do verbo apascentar e seus
sinônimos é freqüente. Entre eles, temos o verbo “raah” – “apascentar”, que é um dos mais importantes.

b) O Dom de Pastor.
Como já foi dito, os títulos às vezes correspondem aos dons ministeriais, e estes se
revelam na prática. Uma coisa é ter o nome de “pastor”, outra é “exercer o pastorado”.
Tem se dito que o Pastor deve ter por fora o couro duríssimo de um rinoceronte e por dentro a
moleza de uma pomba, o celebro de Salomão; a força de uma águia; a graça de um cisne, a afabilidade de
um pardal; as horas noturna do búfalo” Conf. Donald Turner. Em seu livro “A Prática do Pastorado”

O Pastorado eficiente é um dom de cristo. Creio que o coração de um Pastor é diferente do


coração dos demais homens, pois com a chamada, Deus também muda o coração (Veja 1 Sm. 10:6, e o
contexto). Esse dom jamais será fruto de curso especial ou produto de treinamento. Ele vem direto de
Cristo. Não podemos confundir o estudo teológico com a aquisição do Dom. O estudo apenas aperfeiçoa,
ajuda no exercício do Dom. (Tg.1:17).

Os dons ministeriais tanto habilitam e capacitam para o trabalho, como impulsionam a realizá-lo
zelosamente. Disto se conclui que o ministro cujo trabalho é infrutífero, é assinalado por constantes
fracassos, possui apenas o título e não o Dom. O Evangelista que não tem mensagem e não ganha almas
recebeu um título inadequado. O Pastor que com pouco tempo no pastorado de uma Igreja não pode mais
ser tolerado pelos desacertos ou imprudências demonstra a ausência do Dom ministerial. Decidiram sobre
sua separação ministerial, mas Deus não estava nesta decisão.
O Dom ministerial de Pastor se qualifica por diversas virtudes para este ofício. O trabalho do
Senhor requer todas as boas qualidades que um homem possa ter. O homem consciente disto, convicto da
chamada de Deus, não aceitará o ministério pelas honras que dele lhe advirão. Ao contrário, deverá sentir
o peso da responsabilidade a ponto de exclamar como Moisés: “Quem sou eu...?” (Ex.3:11); ou como
Isaias: “Ai de mim...!” (Is.6:5)

c) Qualificações do Pastor. Como parte dessa função, o ministério pastoral abrange os


seguintes encargos:

• Doutrinar os crentes (1 Tm.3:2);


• Apascentar o rebanho de Deus com cuidado e com amor (1 Pe.5:1-3);
• Exercer vigilância espiritual sobre o mesmo (At.20:28);
• Admoestar com longanimidade, com amor (At.20:31; 2 Tm.4:2);
• Cuidar dos necessitados (Gl. 2:9,10);
• Visitar os enfermos e ajudá-los com oração da fé (Tg.5:14,15);
• Cumprir o papel de despenseiro dos mistérios de Deus (1 Co.4:1,2). Etc.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 13
O Pastor que observa as normas divinas nunca estará só; terá sempre a mão divina a ajudá-lo na
solução de todos os problemas na Igreja. Terá paz e estará tranqüilo, na esperança de que, logo que o
Supremo Pastor se manifestar, receberá a incorruptível coroa de glória (1 Pe.5:2-4).

3.5 Mestres.
Mestre é a última categoria de ministros arrolados em Ef. 4:11, pelo Apóstolo Paulo. A palavra no
original grego é “Didáskalos”, e significa: “Ensinador, Professor”.
A importância deste Dom Ministerial se vê na repetição nas três listas de ministérios apresentados
no NT (Rm.12:6-8; 1 Co. 12:28; Ef.4:11).

a) Jesus, O Mestre por excelência: No Evangelho de João 3:2, Nicodemos chamou Jesus de
“Rabi”, que significa grande homem em matéria de ensino, como de fato, Ele tem sido o grande
modelo dos dons ministeriais. Ele é o Mestre Supremo, sem igual, que se identificou através de
sua capacidade doutrinária. Seu ensino era acompanhado de “autoridade” e sabedoria singular.
Seu método pedagógico pode ser exemplificado da seguinte maneira:
1) Simplicidade na linguagem e no estilo (Jo 7:46);
2) Ensinos universais;
3) Ensinava com autoridade (Mt. 7:28,29).

“A doutrina de Jesus ara transmitida no poder do Espírito Santo, ao espírito dos seus ouvintes, qual
resplendor de luz a dissipar-lhes as trevas e a desfazer-lhes as dúvidas, implantando neles profunda
convicção da verdade. Ele mesmo disse: “As palavras que vos tenho dito são espírito e vida” (Jo 6:63)

b) A finalidade do Dom de Mestre: Mestre é o ministro que recebe de Deus o Dom para
Ensinar. A exposição clara e fundamentada da doutrina de Cristo constitui a mais autêntica prova da
veracidade do Evangelho e o mais eficiente meio para edificação dos fieis. Para isso aqueles que possuem
este importante Dom do Ensino, devem dedicar-se e fazê-lo com diligência.
Nas referencias de Paulo e Apólo e outros Mestres em Corinto, ensinar significa também regar
onde outro plantou, ou seja, ajudar para o crescimento. Significa também edificar sobre o fundamento
insubstituível da pessoa de Cristo e, para tanto nos adverte: “...Cada um veja como edifica”, levando em
conta o fundamento e os materiais a serem empregados, os quais deverão ser testados pelo fogo do
julgamento divino, no dia do Senhor (1 Co. 3:10-15).
Através do Dom de Mestre, o Espírito Santo traz luz às mais preciosas e profundas verdades
divinas. Todas, entretanto, são reveladas ou retiradas do tesouro insondável das Escrituras Sagradas.
O ensino Bíblico requer que o Dom seja concedido por Deus . As referências citadas tais como: (Rm
12:6,7; 1 Co. 12:28; Ef. 4:11) mostram que não é um dom natural, apesar de que o dom natural oferece
uma base, mas brilhando acima de tudo está o notável Dom como dádiva de Cristo.
Convém enfatizar que existe hoje grande número de indivíduos ensinando nas Igrejas unicamente
porque possuem o dom natural, no entanto, não possuem o Dom Ministerial de Cristo para tal ensino.
Tais mestres podem até promover divisões no corpo de Cristo, daí, a necessidade de se conservar no
ministério somente aqueles que realmente são chamados.
Nenhum Ministério na unção do Espírito Santo poderia ser árido. Dele “...fluirão rios de água
viva” (Jo 7:38), seja qual for o Dom que haja recebido, tanto na evangelização, no ensino, como na
profecia. O Apóstolo Paulo nos descreve o modo feliz, do ministério de ensino de Apolo, chamando de
irrigação (1 Co.3:6), e na verdade todo ensino que provem de um Dom Ministerial produz bons

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 14
resultados. Os santos, com tal ensino ficarão refrescados e reavivados, porque se diz de Apólo que
“auxiliou muito aqueles que mediante a graça haviam crido” (At.18:27).
A obra do Mestre é edificar o corpo, e nunca dividi-lo. Para que tal ministério seja realizado com
real poder, requer-se mais do que dons naturais, por mais santos que esses possam ser. Necessita-se de
graça especial dada por Deus.
O Mestre sempre depende da unção do Espírito Santo. Seu ensino sempre é lembrado e há
certamente organização no desenvolvimento das idéias e pensamentos apresentados.

c) A Importância do trabalho do Mestre:

1) Prevenir contra a tentação e o pecado. A doutrina não é apenas remédio


curativo; é, antes preventivo. Na Igreja em que a doutrina é ministrada com segurança, há crentes sempre
firmes e fiéis e não perdem a oportunidade de receber instrução. Parece-nos que a falta de Mestres e,
conseqüentemente da doutrina fundamentada nas Escrituras é a causa da instabilidade de muitas Igrejas.

2) Corrigir atitudes e costumes errados (Tg.1:21; Ef.5:25,26). A Palavra


ministrada pelo Mestre que vive e trabalha na dependência do Espírito Santo é poderosa para iluminar o
raciocínio, para tocar as faculdades lógicas, para despertar a consciência adormecida; enfim, para
transportar a alma às realidades da vida, na santa vontade de Deus, pois a palavra nos torna sábios para a
salvação. (2 Tm 3:15)
3) Produzir convicções fortes: Com este objetivo, Paulo orava pelos Colossenses:
“para que os seus corações fossem confortados da forte convicção do entendimento, para
compreenderem plenamente o mistério de Deus” (Cl. 2:2). Esta sempre foi a necessidade da Igreja e dos
cristãos em particular. Crentes sem convicção são como árvores sem raízes. Igrejas sem Mestres da parte
de Deus, aministrar a doutrina cristã, são edificações sem alicerce. Eis porque Deus tem provido à sua
Igreja deste importante ministério, “com vista ao aperfeiçoamento dos santos, para o desempenho do
seu serviço”(Ef.4:12).

4) Preparar para o serviço cristão. Ter a oportunidade de aprender com um Mestre


da parte de Deus é uma grande bênção. Os resultados são incomparavelmente superiores aos que pode
proporcionar os educandários, até de nível superior. A resposta a esta tese pode ser encontrada nos
insucessos de muitas Igrejas, que desprezam os “dons”. Seus educandários produzem poucos obreiros e
estes produzem pouco para o reino de Deus. Se o seu preparo intelectual fosse subordinado às diretrizes e
à dinâmica dos dons sobrenaturais do Espírito Santo, seria o associar das habilidades divinas e humanas,
para um trabalho duplamente proveitoso. A Palavra de Deus, apresentada na sabedoria do Espírito Santo,
promove o preparo para o seu serviço, pois “...é útil para o ensino... a fim de que todo o homem de Deus
seja perfeitamente instruído para toda boa obra” (2 Tm. 3:16, 17).

3.6.1 Presbíteros: A palavra Presbítero ou ancião deriva da palavra grega “Presbyteros” e


originalmente significa apenas um homem de idade. Entre os hebreus, os homens avançados em idade,
com experiência na vida, mereciam respeito e honra. Os juizes e conselheiros foram escolhidos desse
grupo de homens idosos. Sabendo que todas as pessoas devem aprender pela experiência, julgavam que
os anciãos eram os mais sábios e mais preparados para servirem como juízes e conselheiros. Encontra-se
a palavra pela primeira vez no N.T. em Atos 11:30 para designar um oficial da Igreja que presidia as suas
assembléias. Em Mt. 15:2; Mc. 7:3 e Hb. 11:2, o termo se refere aos anciãos do passado. Há também

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 15
referências no N.T. especialmente aos membros do Sinédrio como Anciãos, especialmente quando da sua
perseguição a Jesus e seus discípulos. Obs. Nem sempre são sábios os homens de idade.
No uso técnico, a palavra se refere apenas à posição oficial, sem qualquer referência à idade.
Em Atos 15:2, 22 e Fp. 1:1, os Presbíteros se distinguem dos Apóstolos e Diáconos.
Apesar de nós “Assembleianos”, já termos definido de acordo com o nosso contexto, o termo
“Presbítero e Bispo”, o Novo Testamento mostra em várias referências que os Presbíteros não se
distinguem dos Bispos ou pastores, como oficiais ou ministros das Igrejas. Dependendo da
versão da Escritura que estivermos usando, as palavras “Presbítero”, “Bispo” e “Pastor” eram usadas em
referência à mesma pessoa. Em Atos 20, os oficiais da Igreja em Éfeso são chamados tanto “Presbíteros”
v 17, como “Bispos”, v 18. O mesmo acontece em 1 Pe. 5:1,2, onde os Presbíteros tem a função de
pastorear o rebanho de Deus. Portanto a palavra Pastor é a forma mais comum de designação do Bispo e
Presbítero. Nenhuma das três palavras têm a ver com o desenvolvimento hierárquico do assunto ocorrido
na Igreja a partir do séc. II.
Na atualidade o Presbítero exerce as mesmas atividades do Pastor, quando por este
autorizado. Assim ele pode batizar, efetuar casamentos, celebrar a ceia, ungir os enfermos, dirigir
congregações, etc, etc., devendo, porém ter sempre em mente que ele não é o pastor da Igreja, mas que
deve trabalhar sob sua direção e orientação e dos seus atos prestar-lhe conta.

3.6.2 Bispo: A expressão grega é “Episkopo” que significa: curador, superintendente, administrador,
feitor, governante, guarda. Usa-se este termo no sentido de guardião de almas, aquele que cuida do bem-
estar espiritual do seu rebanho. É neste sentido quase igual o termo “Pastor”. O Bispo, como Pastor , tem
a responsabilidade de ver que o serviço de outras pessoas seja bem feito. Não se encontra no NT. O uso
deste vocábulo para designar um oficial eclesiástico que tenha autoridade sobre outros ministros do
Evangelho. É evidente que trabalhadores zelosos, como Pedro, Paulo Timóteo e Tito, exerceram grande
influência sobre comunidades cristãs e seus obreiros no século I; não por força do título que ostentavam,
mas pelo desvelo e prontidão que mostraram no cumprimento do ministério. O próprio Apóstolo Paulo
recomendou que assim fossem tratados: “ Os Presbíteros que governam bem, sejam estimados por
dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina”(I Tm.5:17).

3.6.3 Diáconos. No texto grego: “servo, ministro, garçom”. O espírito cristão revela-se no fato de que
Jesus tomou palavras humildes, que significava qualidades desprezadas pelos orgulhosos do mundo,
enobrecendo o seu sentido e usando-os. Usou o verbo “Diakonéo” para descrever a sua própria missão .
(Mc.10:45). No sentido teológico da palavra todos somos diáconos, independentemente de seus cargos,
pois, o próprio Cristo tomou o título para si. Porém, há o ministério específico do Diácono. No contexto
de Atos 6: 1 a 4, Diácono é alguém encarregado de servir às mesas.
De acordo com o Capítulo 6 de Atos, o diaconato foi instituído como um ministério efetivo na
Igreja do Novo Testamento, em decorrência de uma crise surgida no atendimento às necessidades
materiais das viúvas pobres, que vivia sob os cuidados da Igreja em Jerusalém. As exigências para o
ofício eram as seguintes:
a) Ter boa reputação.
b) Ser cheio do Espírito Santo.
c) Ser cheio de sabedoria.

O Diácono na Igreja atual: As qualidades já mostradas, necessárias àqueles que


ainda hoje são escolhidos como diáconos, somaríamos ainda aquelas que são requisitadas pelo Apóstolo
Paulo , àqueles que eram escolhidos para exercer este ofício nos seus dias, conforme 1 Tm. 3:8-12. No
entanto, o diácono da Igreja atual exerce funções até certo ponto diferentes das funções que os diáconos
ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica
CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 16
exerciam no NT. Isto não quer dizer que eles sejam inferiores. O Diácono na Igreja primitiva tinha
inicialmente o seu ministério geralmente ligado à área da assistência social aos crentes carentes. Filipe e
Estevão, além do diaconato se projetaram como evangelistas, cf. (At.8:26-39; 8:4-8).

O trabalho do diácono na Igreja hoje é muito diversificado. Ele serve como porteiro, professor da
Escola Dominical, recepcionista, etc. Ajuda cuidar do patrimônio da Igreja, distribuição da Santa Ceia e
uma série de outras atividades.

Muitos daqueles que começaram servindo como Diáconos, face à dedicação, habilidade,
idoneidade e amor demonstrado, galgara, posições de dignidade vindo a se tornarem valorosos Ministros
do Evangelho. Temos uma grande promessa para os diáconos em 1 Tm. 3:13.

Portanto, aqueles que hoje compõem o quadro diaconal aconselhamos o seguinte:

• Incumbir-se de suas funções com todas as forças da sua alma, certo que seu trabalho não será vão
no Senhor.
• Viver em humildade, sem pretensões, sem presunção, de sorte a agradar a Deus e ao ministério.
• Evidenciar provas de um espírito serviçal, fazendo-se da sua Igreja servo não só do Senhor, mas
também dos homens.
• Evitar o espírito de murmuração e insatisfação com o ministério que tem, evitando, portanto,
compara-lo com os ministérios que se mostram mais evidentes na Igreja.

3.6.4 Cooperadores (Cl. 4:11). No original grego “Synergós”, traduzido como cooperador,
ajudador,co-obreiro, conf. Dicionário da Língua Grega. (Rm.16:3; 1 Co. 3:9; 2 Co. 1:24; Fp.
2:25; 1 Ts.3:2; Fp.1:24).
Os Cooperadores tem uma função importantíssima na Igreja atual. Assim como na Igreja
primitiva. Paulo faz menção de seus cooperadores; isto é, aqueles obreiros que estavam auxiliando
como descreve em Cl.4:11. Os Cooperadores, na atualidade, ajudam o ministério diaconal;
auxiliam na portaria da Igreja; no desempenho do culto e Escola dominical, enfim, como se define
a palavra Cooperam, auxiliam naquilo que for necessário, e estão submissos ao pastorado da
Igreja. Na verdade, todos os membros cooperam no trabalho, mas existe o cooperador oficial,
assim como todos têm o dever de evangelizar, entretanto há o Evangelista oficial. O Cooperador
deve ser um membro maduro e submisso, e que preencha os requisitos necessários de um obreiro
cristão.

IV – A RESPONSABILIDADE DO OBREIRO DE DEUS

A palavra responsabilidade está imbuída de obrigações por atos individuais ou coletivos,


de acordo com o âmbito de cuidados que lhe foi delegado. É aquela obrigação de responder pelos seus
atos e de outrem. A responsabilidade do obreiro inclui diversos deveres.
Quando falamos sobre a responsabilidade do obreiro, nos vem a memória uma enorme
lista de cuidados, nos quais podemos citá-los abreviadamente, tais como: individuais, espirituais,
familiares, sociais, educacionais, teológicas, eclesiológicas etc. Não temos condições de descrevê-las
minuciosamente, todavia, discorreremos mais amiúde, sobre as responsabilidade do obreiro na casa do
Senhor.
Por falta de formação, alguns imaginam que o pastor é aquele ministro que faz tudo na

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 17
Igreja, entretanto, esse pensamento é equivocado; mas, temos vestígios de que está diminuindo, através da
ênfase que constantemente está se dando ao trabalho participativo sob a liderança do
pastor.

Desde o princípio, como se verifica na Igreja Primitiva, a Igreja sempre foi composta de obreiros
que assumiram responsabilidades. Temos exemplos sobejos, na Igreja de Jerusalém como se verifica na
escolha de um Apóstolo para assumir o lugar de Judas. Posteriormente, os Apóstolos estavam se
envolvendo com o serviço diaconal e prejudicando o Ministério da Palavra e da Oração, então o Espírito
Santo lhes orientou na eleição dos diáconos cf. At. Cap.6. Encontramos esta prática em todo o NT e por
conseguinte em toda a história da Igreja.

1. As Responsabilidades do Obreiro na Igreja Local.

Essas responsabilidades começam com os membros. Se eles são constantemente instruídos de seus
deveres para com a Igreja, no que tange à fidelidade no horário, pensamento doutrinário, costumes locais,
e acima de tudo, o compromisso com a Igreja; isto é fundamental para a Igreja hodierna, pois há um
crescimento desajustado de Igrejas, e de aventureiros que se autoproclamam “pastores”, sem ordenação e
o devido preparo para o exercício da função, quanto maior não deve ser o compromisso dos obreiros!
Compromisso é a palavra de ordem para membros e obreiros, pois, esses movimentos modernos estão
sempre adocicando a boca de ovelhas de outros rebanhos, chamando-os, e até oferecendo “consagrações”.
Acredito que o crescimento da Igreja deve-se a essa conscientização de todos, mas, principalmente dos
obreiros. Que tipo de compromisso temos com a Igreja? Se qualquer motivo for razão para abandoná-la,
trocando-a por outra mais adiante, ou até argumentando mudança de endereço para transparecer o
abandono mais legítimo, então, nunca tivemos compromisso.

2. Responsabilidades Para Com Os Trabalhos Oficiais.

Os trabalhos oficiais da Igreja são fundamentais para a edificação, evangelismo e crescimento em


geral. Uma Igreja que não pode contar com seus obreiros nos trabalhos oficiais, não terá condições de
levar adiante seus planos, pois, sem a cooperação desse grupo seleto,o trabalho fica prejudicado. É
exatamente por isso que, para ser obreiro é necessário ter consciência da chamada e, saber quais são as
prioridades ministeriais.
O fato de ser obreiro gera em alguns, a ansiedade por maiores cargos e, isso é prejudicial à
ascensão ministerial. Esses problemas se avolumam, quando não há um equilíbrio administrativo, em
relação a convites de igrejas co-irmãs, para pregações. Não quero afirmar com isso, que não se deva
atender aos convites dentro das condições viáveis; todavia, quando não há esse equilíbrio, pode subir ao
coração o fato de que o Pastor está segurando sua chamada para funções mais elevadas, ou então chegar a
drástica conclusão de que não há chances para ele no Ministério a que pertence.
Existe ainda, outro fator interessante, relacionado à responsabilidade do obreiro; isto é, a ausência
sem justificativa de muitos obreiros nos trabalhos. Tenho a impressão de que muitos obreiros levam mais
a sério, seus negócios e sua vida particular, do que a obra de Deus. Como exemplo, podemos citar que se
alguns fizessem no seu emprego, o que fazem na Igreja em relação a responsabilidades e ausências etc. já
teriam sido demitidos a muito. Urge, pois, a necessidade de comprometimento real com os trabalhos
oficiais da Igreja.

3. Responsabilidades Específicas.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 18
As responsabilidades específicas referem-se àqueles cargos liderados por obreiros. Há um
compromisso natural como obreiro, como já nos referimos, entretanto, há também o compromisso
específico, quando esse obreiro lidera departamentos da Igreja, tais como: Professor da Escola
Dominical, Superintendente, Cultos no Lares, Secretaria, Tesouraria, Liderança de Mocidade, etc.
Essas funções são diversificadas de acordo com os departamentos da Igreja. E não são permanentes,
são funções delegadas pelo pastor da Igreja. Nessas responsabilidades específicas os obreiros terão
oportunidade de demonstrarem zêlo especial pelo trabalho. Acredito, que é em decorrência dessa
dedicação do obreiro, que Deus vai elevando-o ministerialmente e espiritualmente. Existem situações
dentro de uma Igreja que geram promoções espirituais e ministeriais.

3.1 Freqüência nas Reuniões de Ministério. As Reuniões Ministeriais acontecem geralmente


uma vez por mês. Sempre no Segundo Sábado de cada mês, isto é, no Campo da Assembléia de Deus em
Joinville. Todo obreiro tem a obrigação de participar, salvo raras exceções, como no caso de trabalho ou
doença. Quando um obreiro não participa das reuniões e nem dá justificativas, certamente suas atitudes
estão dizendo que não está mais no Ministério ou então desistiu da idéia de ser obreiro. Já temos uma
norma interna a esse respeito, no qual o obreiro que faltar três reuniões sem justificativas, será
automaticamente suspenso do quadro de obreiros.Essa suspensão do quadro de obreiros acarretará
prejuízos espirituais na vida do displicente obreiro. Não estamos interessados nos desinteressados. Isso
não acrescente nada.

4. Responsabilidades com o Templo.

Essa responsabilidade relaciona-se com o zelo que o obreiro deve ter para com o templo. Existem
detalhes, que se o pastor não puder contar com os obreiros, os gastos se avolumam. Esse zelo se destaca
quando o obreiro tem aquele cuidado especial, para verificar as torneiras dos banheiros, após o término
dos cultos, ou luzes que não foram apagadas, etc. Aconselha-se aos Diáconos fazerem as verificações
necessárias após os cultos, em todos os sentidos possíveis. Incluem-se os reparos necessários do templo
nessa responsabilidade. Existem reparos que carece de um técnico e outros que todos podem fazer. Ex.
Trocar uma lâmpada queimada, trocar uma tomada, etc. Que esse zelo pela casa do Senhor, esteja no
coração de cada obreiro.
Seria interessante fazer uma escala mensal para não cairmos no erro, de imaginar que todos
deveriam fazer, o que todos imaginaram que todos fizessem, quando nada foi feito.

5. Responsabilidades durante o culto.

Existem situações diversificadas em um culto. O culto pode transcorrer dentro da maior


tranqüilidade, como também, podem ocorrer transtornos. Não podemos esquecer que o culto cristão
enfurece os demônios; e é possível cair pessoas endemoninhadas. Para isso, é necessário que os obreiros
estejam atentos durante o culto. Isto é, aqueles que estiverem na nave da Igreja. É possível também entrar
um embriagado e querer tumultuar o culto se dirigindo ao púlpito, e para isto, necessita-se atenção
redobrada dos obreiros para esses detalhes. Não é difícil
identificar essas pessoas, porque já demonstram de longe seu estado. Querem falar demasiadamente, e às
vezes até atrapalham os cultos. Nesses casos, dependendo da situação, não é possível tolerá-los no culto.
Acredito que uma das tarefas mais difíceis relaciona-se a certas crianças, que infelizmente são
indisciplinadas, e querem andar pelo templo. Algumas mães acham isso normal e não dão a mínima. É
uma situação que carece de um cuidado especial do obreiro no trato com a criança e com a mãe.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 19
Inclui-se nessa responsabilidade, o dever de iniciar os cultos, na ausência do Pastor, ou de outros
oficiais escalados para esta tarefa. Quando os mesmos chegarem, então se passa o trabalho, de acordo
com o seu grau ministerial.
Outro fator primordial durante o culto, relaciona-se aos visitantes. É fundamental que os obreiros
os acomodem e lhes dêem toda a atenção devida, anotando seus nomes, igrejas ou religiões a que
pertencem. No caso de serem membros, é aconselhável solicitarem seus cartões de membros ou
credencial, no caso de serem obreiros. Acima de tudo, o visitante deve ser bem tratado e no final do culto
expressar aquela tradicional expressão: “Volte Sempre!”

V - O OBREIRO E A ÉTICA. (Tt.1:5-11; 2:1, 7-10; 2 Tm.2:15;4:16)

Ética é uma palavra que a principio podemos defini-la como: “estudo dos juízos e apreciação
referente à conduta humana”. Origina-se do grego “Ethos”, que significa: “Costume” e tem uma
atimologia significativa; idêntica ao radical latino “mos”, donde se origina a expressão “Moral”.
a) A Ética é também uma parte da filosofia que estuda os deveres do homem, para com a
sociedade.
b) Ética é na prática aquilo que você pensa e faz.
c) Ética Cristã é a somatória de princípios que dão sentido a vida cristã normal.
d) Ética Bíblica é a maneira de vida que a Bíblia prescreve e aprova.
e) Ética Ministerial relaciona-se à conduta dos obreiros e do ministério em geral. A essa conduta
soma-se a ética cristã ou a ética Bíblica. Quando falamos de ética Pastoral, estamos falando de
uma ética direcionada ao pastor ou ministro, assim coma falamos de “ética médica”, ética do
direito, ética profissional, etc.

1. As Responsabilidades Éticas dos Obreiros:

A Ética Pessoal: traje; unhas; cabelos; sapatos; asseio corporal (barba cabelos dentes, etc).
• Não usar dificuldades financeiras para se desculpar. Obs. Uso de gravata e roupas
adequadas como é nosso costume.
• Evitar comer cebola ou alho em certas ocasiões.
• Nosso corpo é o templo do Espírito Santo. Relaxo não é sinônimo de humildade.

2. A ética e a família:

• Não confundir as coisas. Saber separar o ministério de assuntos familiares.

• Tomar cuidado com certos comentários ministeriais em família. Não confunda o ministério
da Igreja com a sua família.

• Nem todo assunto de reunião ministerial deve ser comentado em família. Esse é um fator
muito difícil. Saibamos fazer a devida separação.

3. A Ética durante a Pregação: Não conversar. Portar-se com reverência.

4. A Ética na Oração: Dependendo da oração, devemos tomar cuidado na pronuncia de certas


palavras próximo de outros irmãos. Altura de voz, tipo de oração, etc.
ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica
CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 20
5. Atitudes Antiéticas no culto:

• Chamar a atenção do púlpito;


• Demonstrar nervosismo;
• Deixar transparecer situações embaraçosas;
• Fazer queixas de obreiros ou da direção da Igreja. Para estas questões existem reuniões
administrativas. Não podemos confundir o sentido do culto.
• Dormir durante o culto.
• Levantar-se constantemente durante o culto.
• Conversar durante o culto.
• Mascar chicletes durante o culto.
• Não participar dos cânticos ou leitura Bíblica.
• Sentar-se irreverentemente.
• O Culto Cristão é lugar de demonstrar ética; principalmente por parte dos obreiros. Nunca
agrida adultos ou crianças. O culto não é para isso.

6. A Ética Comportamental:

• Respeito mútuo para com os companheiros;


• Evitar murmurações de uns contra os outros;
• Submissão aos líderes da Igreja.
• Cumprir com as obrigações e determinações do ministério: freqüência às reuniões.

7. A Ética nas Reuniões Ministeriais

• O exemplo dos líderes.


• Não fazer comentários sobre assuntos internos.
• Respeitar o Pastor da Igreja e os demais Obreiros;
• Maneiras adequadas de se dirigir ao Pastor da Igreja ou ao Pastor Presidente.
• Não atropelar a reunião com comentários paralelos. Respeitar os oradores e aguardar o
término da fala de cada um.

8. A Ética Parlamentar.

• O presidente da Assembléia.
• O pedido de palavra.
• O orador.
• Os apartes.
• Necessidade de obedecer ao regimento interno.

9. Posturas Éticas:

• No controle do nervosismo. Necessidade de equilíbrio para resolver assuntos polêmicos.


Esse equilíbrio justifica-se na nomenclatura: “Homens de Deus, Ministros de Deus”.
ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica
CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 21
• No ouvir as pessoas. “Quem não sabe ouvir também não sabe falar com os outros”. É a
prática mais negligenciada na comunicação. O problema não é conseguir que os homens
falem. O problema é conseguir que a liderança ouça”.

10. Ética nas críticas. Aceite-as com calma. Não se irrite. Não fique nervoso. Se você atua na
vida pública como escritor, professor, pastor, obreiro, ser criticado faz parte do trabalho. Acalme-
se!

11. Dez mandamentos éticos para os obreiros:

1º - Fale com as pessoas. Nada há tão agradável e animado quanto uma palavra de
saudação, particularmente hoje em dia, quando precisamos mais de “sorrisos amáveis”.

2º - Sorria para as pessoas. Lembre-se de que acionamos 72 músculos para franzir a testa, e
somente 14 para sorrir.

3º - Chame as pessoas pelo nome. A musica mais suave para muitos ainda é ouvir o seu
nome.

4º - Seja amigo prestativo. Se você quiser ter amigos, seja amigo.

5º - Seja cordial. Fale e aja com toda sinceridade. Tudo que você fizer, faça com todo
prazer.

6º - Interesse-se sinceramente pelos outros.

7º - Seja generoso ao elogiar, cauteloso ou criticar. Os líderes elogiam. Sabem encorajar,


dar confiança e elevar ou outros.

8º - Saiba considerar os sentimentos dos outros. Existem três lados em uma controvérsia: O
seu, o da outra pessoa e o lado de quem está certo.

9º - Preocupe-se com a opinião dos outros. Três comportamentos verdadeiros do líder: a) –


Ouça; b) – Aprenda; c) – Saiba elogiar.
10º - Procure apresentar um excelente serviço. O que realmente vale em nossa vida é
aquilo que fazemos para os outros.

12. A ÉTICA CRISTÃ NOS RELACIONAMENTOS. (1 Co.10;31-33; Cl.13:12-15).

A pessoa que aceita a Jesus como seu Salvador tem a sua maneira de agir
totalmente modificada, pelo fato de, com o novo nascimento, tornar-se uma nova criatura, que passa
a atuar de uma maneira diferente e freqüentar ambientes também diferentes. No dizer de Paulo, o cristão
é uma carta lida pela sociedade. “Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações”, “Conhecida e
lida por todos os homens, porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo”, “Ministrada por nós e
escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de
carne do coração.” (2 Co,3:2,3)

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 22
1º O Comportamento Humano. Uma série de fatores atua no ser humano e dá motivo
para que a pessoa venha agir ou reagir desta ou daquela maneira. Estes agentes atuantes podem ser de
natureza interna, isto é, partindo do próprio indivíduo, como pode também ser de natureza externa,
partindo de estímulos ambientais. Seja de uma ou de outra, o homem tem sempre condições de reagir
aos estímulos com uma resposta, que é seu comportamento, através do qual ele ficará conhecido no
seu meio ambiente (Pv.12:8).
Além do Lar e da escola, outras instituições sociais tem o dever de cooperar com o
crescimento e desenvolvimento do ser humano. Cabe, portanto, à Igreja a responsabilidade de
influenciar na educação do indivíduo para que nele seja formado um caráter cristão, impregnado das
virtudes e dos valores espirituais que foram concedidos ao homem pelo Criador (Gn.1:26) e que
foram atingidos de maneira terrível pela impureza do pecado.

O Homem é Dotado de Livre Arbítrio. O Livre Arbítrio é a liberdade de escolha. Ele pode
preferir o obedecer ou o desobedecer a Deus, através de suas palavras, de seus atos, de suas ações.
Entretanto, deve ser notado que liberdade implica em responsabilidade. O mesmo Deus que criou o
homem dotando-o de livre arbítrio declarou que o uso dessa liberdade dependeria da sua fidelidade
(Dt. 30:19; Gl.5:13)
A Bíblia está repleta de exemplos, tanto de pessoas que viveram em harmonia com
Deus como também de exemplos negativos daqueles que rejeitaram as leis divinas.
No primeiro grupo podemos citar: Abraão, José, Samuel, os vários Profetas, Paulo,
Timóteo e muitos outros. No segundo grupo podem ser destacados: Saul, Acabe, Acazias, Pecaías e
outros.

b) O Comportamento do Cristão Frente ao Mundo.


O verdadeiro cristão Procura comportar-se de maneira a agradar a Deus. Por essa razão, procura ser um
imitador de Cristo, pois sabe que o mundo e a Igreja são dois grupos distintos. O mundo está sob o
domínio de Satanás (Jo.12:31); a Igreja pertence exclusivamente a Deus (Ef.5:23,24: Ap.21:2). Amar ao
mundo significa dedicar-se aos seus valores, interesses e prazeres. Significa ter satisfação naquilo que
ofende a Deus.
O próprio povo de Israel, que se tornou uma Nação respeitada, teve seus bons e
maus momentos. Quando se comportava de acordo com a vontade divina, era bem sucedido. Caso
contrário, sofria as conseqüências de seu mau comportamento. Quando Deus chamou Abraão e fez com
ele um concerto e lhe prometeu muitas bênçãos, mas também exigiu alguma coisa ao dizer-lhe: “Eu sou
Deus Todo Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito”(Gn.17:1).

c) Andar em Integridade.
O cristão deve ser íntegro tanto em suas ações (Mt.12;33; Rm.6:22) como em suas palavras (Cl.4:6;
Mt.5:37). Cabe ao mesmo, andar com sabedoria e ter uma palavra sempre agradável e temperada. A
conversa do crente deve ser cativante, amável e graciosa. Os filhos de Deus devem ter uma linguagem
originada na graça de Deus e marcada pela pureza (Ef.4:29). Linguagem e atitudes indecentes podem se
tornar em hábitos tão arraigados que estouram subitamente em circunstâncias inesperadas (Mc.14:71).
O apóstolo Pedro recomenda o seguinte: “Porque quem quer amar a vida e ver os dias
bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano “ (1 Pe.3:10), também: (1
Pe.2:21,22; Sl.39:1).

2º O Amor como Fonte de Conduta. O amor deve ser alicerce de toda conduta do cristão
pelo fato de ser um sentimento sublime, envolvente, que produz bem estar e felicidade tanto aos que

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 23
oferecem como aos que recebem. Foi o próprio Deus quem criou a lei do amor para o bem da humanidade
(Lv.19:18).
Acreditamos ser ainda esta a vontade de Deus em relação aos filhos, quando o Apóstolo
Paulo foi inspirado pelo Espírito Santo a escrever aos Efésios: “até que todos cheguemos à unidade da
fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo “
(Ef.4:13). O crescimento, o amadurecimento espiritual se dá a medida que a pessoa vai se comportando
cada vez mais coerente à vontade de Deus.

a) Amor a Deus. Jesus disse: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo teu coração, e de
toda a tua alma, e de todo o teu pensamento” (Mt.22:37). Significa que devemos amar a Deus com todo
nosso ser e quando isso acontece a nossa conduta passa a ser influenciada por tal amor. Amar a Deus é,
sem dúvida alguma, a motivação para uma vida equilibrada, feliz e próspera (Sl.1).

b) Amor ao Próximo. A Bíblia é rica em referencias a esse respeito


(Mt.22:39; Mc.12:31), significando que esse assunto tem muita relação com a conduta do filho de Deus.
O amor ao próximo não deve ser apenas mencionado, mas deve ser, acima de tudo, exercido, e isso pode
ser feito de diversas formas, quer seja em ajuda material, quer em ajuda espiritual.
Respeitar as pessoas, o seu ponto de vista, as intenções, os seus propósitos ou mesmo
discordar das pessoas, sem agressividade ou ironia, são atitudes que demonstram amor (Rm.12:18). Um
amor sem barreiras ou preconceitos é a força de vontade que concederá ao indivíduo a condição
necessária para que seu caráter seja solidificado. O amor, a vontade, o senso de justiça e de obediência, o
espírito de sinceridade e a condição de selecionar entre o bem e o mal são os fatores que concorrerão
grandemente para a formação do caráter. Deve ser levado em conta que a influencia do meio atua em tais
fatores.

c) Amor a si Próprio. Jesus ensinou que o individuo deve amar ao


próximo como ama a si mesmo. E, ninguém quer o mal para si, nem deseja fracassos ou derrotas em sua
própria vida (Pv.11:17). Gostar de si mesmo, sem extremismos, sem adoração ao próprio eu, é um
referencial para se gostar do próximo (Fp.2:3,4)

3º A Natureza Moral do Homem. O homem possui valores e virtudes em sua própria


natureza que lhe conferem condições de bem-viver, desde que esses valores e virtudes sejam considerados
e bem administrados. O hábito é uma disposição adquirida pela experiência. O hábito é uma aptidão que a
pessoa adquire e quanto mais é praticado, mais perfeito e mais automático se torna.
A pessoa que se comporta com integridade não sente prazer em praticar o mal ao próximo,
não usa de leviandades, nem de mentiras ou desonestidade e engano, não alimenta mexericos e muito
menos intrigas ou dissensões, visto que tais comportamentos, não são condizentes com aqueles previstos
para a vida do cristão, e, portanto, condenados por Deus (I Co.6:10). Andar em integridade significa ter o
comportamento moldado na Palavra de Deus.

a) Os Maus Hábitos. Devem ser evitados. Os hábitos exercem grande influência na


formação do caráter, sendo necessário que haja um certo cuidado a fim de que os maus hábitos que,
mesmo depois de aprendidos, podem e devem ser evitados ou mudados para que os bons hábitos possam
ser instalados e vivenciados, segundo Paulo (Cl.3:8-10)

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 24
A mentira traz conseqüências malévolas, destrói, contamina, perverte, leva as pessoas ao
fracasso, provoca desconfiança, atrai o mal. A prática da mentira dá provas de desamor não só ao
próximo, mas também à própria pessoa que a concebe. O mentiroso não terá parte no reino dos céus
(Ap.22:15), porquanto a mentira foi gerada por Satanás (Jo 8:44) e é usada por aqueles que o seguem.

b) Os bons hábitos. Devem ser desenvolvidos e cultivados, pois são próprios a uma
vida transformada pelo poder do Evangelho de Jesus (Ef.5:1-21). Dentre as muitas virtudes e as
qualidades morais que devem enriquecer o indivíduo, o amor é a principal. Ao adquirirmos os hábitos
salutares, que só servirão para enobrecer nosso viver, vamos nos tornar agradáveis e de “boa-fama”.
Sempre será melhor para nós falar bem de alguém, que mal, ajudar ao invés de prejudicar, bendizer em
lugar de amaldiçoar. Mas para agirmos assim, temos que seguir o verdadeiro padrão divino (Tg.4:7-12).
Todos nós temos inúmeras oportunidades de demonstrar amor ao próximo no nosso dia-a-
dia, mas muitas vezes deixamos de fazê-lo por egoísmo ou por esperar oportunidades especiais, ocasiões
em que possamos ser elogiados por nossas boas ações. Por exemplo, até mesmo quando paramos para
ouvir o que uma pessoa sente necessidade de dizer, nesta nossa atitude estamos demonstrando amor
através da consideração que dispensamos à alguém. O novo nascimento é, em grande parte, caracterizado
pela mudança de hábitos e atitudes. Pois a pessoa que recebe a luz divina do Evangelho e aceita a Jesus
como Salvador, arrepende-se de seus pecados e recebe pleno perdão. Daí em diante, ela participa de um
meio ambiente sadio, como membro de uma Igreja e assim vai deixar de exercitar certos maus hábitos,
porque os bons hábitos vão solidificar o seu caráter cristão, como está escrito:”as coisas velhas já
passaram, eis que tudo se fez novo” (II Co.5:17).

c) A Temperança. Significa usar com sabedoria e moderação as coisas relativas ao corpo


e ao espírito, significa sobriedade, moderação, comedimento. (I Tm.3:2, 11; Tt.2:2; Rm.12:3; Gl. 22). O
equilíbrio do é algo que se pode evidenciar na vida do crente. É preciso controle de seus impulsos,
apetites e seus atos, isto é, negar a si mesmo e seguir a Jesus.

4º Resultados da Ética no Ser Humano. Dentre as muitas virtudes que enriquecem ao


homem, o caráter do indivíduo é fundamental na sua honradez. Para se alcançar respeito, admiração e,
sobretudo, confiança tanto nas pessoas mais próximas como daquelas que só, em negócios ou mesmo
socialmente nos rodeiam, temos que viver eticamente.
O sábio Salomão em um de seus provérbios ensinou que: “Fazer justiça e julgar com
retidão é mais aceitável ao Senhor do que lhe oferecer sacrifício” (Pv.21:3). Também o salmista adverte
que Deus ama a justiça (Sl. 33:5). Quando Deus, através de Moisés, deu estatutos e preceitos que
deveriam ser observados pelo povo de Israel, recomendou com ênfase o trato que deveria ser dado ao
povo pelos governantes e juizes (Dt.16:18-22). Esse interesse pela justiça também foi preocupação do
Senhor Jesus. Ele ensinou que a cada um deve ser dado o que é de direito (Mt.22:21).

a) A Justiça. Consiste oferecer a cada um aquilo que lhe compete, aquilo que lhe é por
direito, mesmo que sejam pequenas e insignificantes. A Bíblia é rica em conselhos à esse respeito. “Os
tesouros da impiedade de nada aproveitam; mas a justiça livra da morte” (Pv.10;2; Sl 82:3,4).

b) A Prudência. Como prudência entende-se a maneira de agir com moderação e


Cautela. Significa procurar o caminho reto e segui-lo, evitando o que considera ser fonte de erro ou de
dano, não só para si mesmo como também para outrem (Pv.9:10; 13:16; 14:15; 27:12; Mt.7:24; 10:16;
Ef.5:15).

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 25
c) A perseverança. É a qualidade que consiste na firmeza, na constância, de se
perseguir um objetivo até conquistá-lo. Ser perseverante é estar envolvido de uma coragem especial para
prosseguir, conservar-se firme no propósito, persistir, permanecer fiel, mesmo que para isso, tenha que
sofrer dificuldades. A Bíblia aconselha: “Sede firmes e constantes” (I Co.15;58). O céu será o ganho para
aquele que for fiel, para aquele que perseverar na fé (Mc.13:13).
A Bíblia é o único livro que tem por autor o próprio Deus. Ela é um instrumento
útil para ensinar o homem a comportar-se de maneira correta em relação a Deus, ao seu próximo e até
com relação a si mesmo. A pessoa que aplica os ensinamentos da Palavra de Deus à sua vida profissional,
certamente terá um comportamento exemplar. Esse equilíbrio moral é que conduz a vida à uma existência
mais feliz, porque a Bíblia prevê uma vida de bom comportamento, de pureza, de santidade (Sl. 34:12-
14).

13. ÉTICA MINISTERIAL. (I Tm. 3:1-16)

Quando nos referimos à Ética Ministerial, estamos falando de um comportamento direcionado que
é peculiar do Ministro e Obreiros em geral, assim como comumente ouvimos referência à Ética Médica,
do Direito, e de outras profissões. Assim sendo, essa disciplina rege a conduta esperada de um Ministro
de Deus que é incalculável. (I Co.4:1,2).

1º Princípios Básicos da Ética Ministerial. A Ética nos ensina que, “sendo a veracidade a base
de todo o bom intercurso entre os homens, a lei de conservação social exige de todo homem obediência
estrita à esta lei, em todas as relações com os seus semelhantes”. O colega de Ministério é nosso irmão e
próximo também. (Lc.10:29) e, como tal, devemos-lhe respeito e conservação de seu caráter e reputação,
para uma pura e tranqüila consciência com Deus (Rm.13:7). As epístolas pastorais representam um
verdadeiro código de Ética Ministerial direcionada a todos os Ministros do Senhor.

a) O Princípio da Vocação Divina. O Ministro deve estar consciente de que seu


ministério é uma vocação divina, e que o alcançou não por seus próprios méritos, mas através da
convicção de sua chamada por Deus (Ef.3:7; Hb.5:4; II Co.3:5,6; Gl.1:15,16; Mt.4:21; I Tm. 1:12).
Apesar da posição elevada que exerce, deve sempre se lembrar que está na condição de servo do Senhor
Jesus Cristo. (Tt. 1:1; Fp.1:1; Ap.22:6; Rm.1:1).

b) O Principio da Mordomia. A Mordomia por si só, já é uma doutrina vasta e precisa. E,


dentre tantos tópicos que abrangem esta doutrina, destacamos a “Mordomia do Tempo”, que deve ser
administrada com pleno domínio sobre o seu uso, e com denodada sabedoria (Gn.24:1; 39:4-6; Lc. 12:42-
44; Ef.5:15,17). O tempo é a parte crítica de nossas vidas. Uma vida bem sucedida não é resultado do
acaso, nem é determinada pelo destino ou boa sorte, mas por uma sucessão de dias bem sucedidos.
Encontramos uma vida genuinamente bem-sucedida na oração que Jesus fez ao Pai em João 17:4 “Eu
glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer.” Se esse deve ser nosso
testemunho, então devemos administrar nosso tempo com sabedoria. Em outras palavras, temos de
aprender a administrar a nós mesmos.

c) O Princípio da Reputação e da Atividade. O Ministro deve zelar pela sua


reputação, pois ele é o único que pode manchar o seu próprio caráter. Portanto, deve “garantir” por sua
conduta, a melhor reputação possível do Ministério pastoral (João 1:47; II Pd. 3:14; I Tm. 3:2,7; Cl.1:22;
Fp. 2:15). Suas atividades são de cunho espiritual e eclesiológico e para isto, deve esmerar-se no exercício
ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica
CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 26
de sua vocação, confiando que fará com que seu trabalho prospere. Seu grande negócio é a obra de Deus.
Jesus disse: “O Reino de Deus é semelhante ao homem negociante que busca boas pérolas” (Mt.13:45;
25:14-26).

2º A Ética da Vida Pessoal do Ministro. A vida pública e privada do Ministro deve estar em
harmonia. Charles Spurgeon exorta os Ministros a se empenharem a fim de que o caráter se harmonize,
sob todos os aspectos, com o Ministério que Deus lhes confiou. Ele conta a história de uma pessoa que
pregava tão bem e vivia tão mal, que quando estava no púlpito, todos diziam que nunca devia sair dali, e
quando não estava no púlpito, todos diziam que nunca deveria voltar a subir nele. Depois Spurgeon
desafia-nos com esta analogia: “Que nunca sejamos sacerdotes de Deus no altar e filhos de Belial fora das
portas do tabernáculo”. Os homens deste mundo podem viver uma vida hipócrita impunemente, mas o
homem de Deus nunca! Aquele que estiver entre os pastores deve estar entre os maiores homens. (I
Tm.4:16).

a) Conservar-se Fisicamente Saudável e Cultivar seu Crescimento Espiritual. Deve


conservar-se fisicamente saudável e viver no equilíbrio do sentimento, porque o corpo é o templo do
Espírito Santo, para que possa cumprir a gloriosa Missão que lhe foi confiada por Deus nesta vida
(ICo.6:19, II Tm.4:7; Rm.12:1). Deve também, cultivar seu crescimento espiritual diário, orando,
estudando, meditando e possuindo um coração cheio do fruto e dons do Espírito Santo de Deus e
consagrar toda sua vida ao trabalho do Evangelho (João 21:15-17; II Co.5:7; Hb.12:14; I Ts.5:14;
Gl.5:22; I Co.12:1-11, 30,31;13:1-9).

b) Deve Cultivar uma Vida Irrepreensível. A Primeira qualificação de um Ministro é ter


uma vida “irrepreensível” (I Tm.3:2), não só vivendo de maneira a não ser repreendido, mas sendo de fato
sem repreensão. Ser irrepreensível significa não ter nada em sua vida que Satanás, ou qualquer pessoa,
possa se valer para atacá-lo ou censurá-lo. Isto não denota perfeição, mas diz respeito a viver de modo
que a reputação seja imaculada. É viver uma vida “Como convém a Santos” (Ef.5:3), não permitindo que
os pecados do mundo sejam nomeados por ele ou identificados nele. Como Donald Stamps escreveu: “O
caráter provado daqueles que buscam a liderança na Igreja é mais importante do que a personalidade, o
talento para pregar, a capacidade administrativa ou as realizações acadêmicas. O ponto central das
qualificações incide no comportamento que tem perseverado na sabedoria piedosa e nas escolhas certas”.

c) Deve Cultivar uma Conduta Virtuosa. Um Ministro deve exibir diversas virtudes
positivas: vigilância, sobriedade, honestidade, hospitalidade e aptidão para ensinar. Ser vigilante significa
ser cauteloso e estar sempre alerta. Manter a calma em situações difíceis e tomar decisões sensatas é a
marca distintiva de uma pessoa equilibrada. Ser sóbrio, quer dizer ser discreto, prudente, sério, solene
acerca do trabalho dos outros. Dar séria atenção aos negócios e trabalhar para Deus são características
influentes. Ser honesto diz respeito a ser disciplinado, organizado nos pensamentos e no viver, metódico e
modesto. Reunir As coisas mental, emocional, física e espiritualmente é sinal característico de uma
pessoa bem educada etc.
Deve abster-se dos costumes rudimentares adquiridos que prejudicam a eficácia de seu Ministério
ou na sua influência pessoal (Hb.5:12; 6:1; Gl.4:9).

d) Outras Virtudes Importantes. Deve esforçar-se para viver dentro dos limites de seu
orçamento e com honestidade saldar integralmente seus compromissos financeiros (II Co.8:20,21; 12:14;
Mt.22:21; Rm.13:8). Deve ter o coração cheio de confiança na providência paterna de Deus, em todas as
circunstâncias , sabendo que esta é a vontade d’Ele para sua vida (I Co.1:8-10; Dn 3: 17,18, Mt. 6:30; I
ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica
CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 27
Ts.5:18). Certificar-se de que suas relações familiares são justas e que se constituem exemplo de viver
piedoso para toda a comunidade (I Tm. 3:4-7; Lc.1:6; Ef.5:28). Ter a Bíblia como a Palavra de Deus, a
única regra de fé e prática e usá-la como a substância de seu Ministério docente e profético; bem como
zelar pelo Ministério da Palavra. (II Tm.2:15; 4:1-5; Rm.11:13; I Co.4:1).

3º A Ética nas Relações Eclesiásticas. Em virtude do conhecimento da Palavra de Deus que


possuem os Ministros e da necessidade de entrosamento nas convenções ou ministérios, na dependência
mútua, devem eles ter mais cuidado no relacionamento interpessoal, para que evite o desgaste da imagem
do Pastor diante do rebanho. O amor e o respeito entre os Pastores devem ser o primeiro exemplo a ser
recebido pelo rebanho do Senhor . Infelizmente nem sempre isso acontece. O amor entre os Ministros
deve-se expressar na ajuda mútua, no desejo espontâneo e sincero de ver o progresso do seu colega de
Ministério. Amar nosso companheiro é um mandamento do Senhor Jesus (João 13:34,35; 15:12; 1 João
4:7, 20,21).

a) Em Relação à Denominação. Uma vez que tenha abraçado a Denominação a que


pertence, deve o Ministro manter-se leal a ela (Rm.14:22). Jamais deve criticá-la publicamente, e, se
assim desejar fazê-lo, use a tribuna Convencional e nunca ir a juízo contra ela ou contra qualquer irmão (I
Co.6:1-9). Deve esforçar-se para promover o desenvolvimento de sua Denominação, honrando-a como o
seu próprio testemunho e auxiliando-a nas grandes realizações (At.2:41-47). Esforçar-se para conhecer a
História de sua Denominação, não só no Brasil como suas origens no exterior, manter-se informado como
funciona e extrair lições dos que fizeram a história.

b) Em Relação à Convenção. O Ministro deve ser filiado à Convenção do Estado onde


reside, sujeitando-se às normas regimentares estabelecidas, bem como, conhecer a origem e a história de
sua Convenção. Deve estender as “tendas” de sua congregação, no campo que trabalha, sem que isto
signifique contenda entre irmãos, mas dentro do espírito de entendimento cristão. (Rm.15:20,21; Gn.13:6-
12). Participar das Assembléias Convencionais, usar a linguagem cristã no referir-se aos demais
companheiros, respeitando sempre seus pontos de vistas, embora, aos seus olhos limitados (Rm15:1,2;
Ef.4:2; Cl.3:13).

c) Em Relação à Igreja. Sendo a Igreja o corpo de Cristo, da qual Ele é o cabeça, o e


Pastor um membro em particular, portador de um dom especial, deve tratá-la com grande estima (Ef.5:23;
I Co.12:27; I Pe.5:2; Ef.4:8-11). Deve se dedicar e ser absolutamente imparcial no seu trabalho pastoral,
não deixando se levar por indivíduos ou facções, bem como não pretender levar a Igreja a fazer tão-
somente a sua vontade. (I Pe.5:1-3). Deve manter o respeito com os membros de sua Igreja, e reservado
quanto às confidências dos que se aconselham em aflições ou problemas pessoais (Tg.3:2,8).

4º A Ética nas Atividades Ministeriais. São inúmeras as atividades Ministeriais de um Pastor:


desde a apresentação de um bebê à uma cerimônia fúnebre. Entretanto, é fundamental que o Ministro
conserve a boa Ética diante dos Ministros de sua Denominação e de outras. Cada Obreiro ou Ministro tem
sua Denominação, sua forma de governo, seu Ministério local ou geral, seu próprio sistema doutrinário,
sua Ética e seus princípios próprios. Cada um tem o sagrado dever de tratar o outro com o Maximo
respeito e com a mais acurada cortesia e fraternidade cristã.

a) Em Relação ao Antecessor. O Ministro que deixa o pastorado da Igreja, por motivos


cristãos, deve ser alvo de honra e crédito de seu sucessor. Ao assumir o Pastorado, o novo pastor deve ser

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 28
prudente nas mudanças de estilo deixados pelo seu antecessor. Sempre que possível, o sucessor deve dar
continuidade aos projetos iniciados pelo seu antecessor. Não deve desprezar o seu antecessor, nem
tampouco a sua família, mormente se recebeu da Igreja sua jubilação.

b) Em Relação ao Sucessor. Deve se cuidar para que a passagem do pastorado da Igreja,


a seu sucessor, seja com inteira lisura e a mais transparente possível. Deve entregar todos os bens da
Igreja, através de relatórios completos, ao seu sucessor, bem como lhe dar ciência do que existe em
andamento (Mt.25:14,15). Ao deixar o pastorado, evidenciará sua humildade em Cristo assistindo ao
culto de posse de seu sucessor, ocasião em que receberá as justas homenagens. Excetuam-se os casos em
que o afastamento deu-se por pecado ou erros doutrinários.

c) Em Relação aos Colegas. Zelar pela reputação dos seus colegas quando ela se baseia num
caráter bom, por ser uma das coisas mais preciosas que se possui, e não permitir comentários
desabonadores a seu respeito (João 15:17; I Ts.4:9). Zelar pela natureza, pela moral, pela dignidade e pela
espiritualidade do Ministério Evangélico, tomando, para isso, as providências que a Ética Cristã lhe
indicar (I Tm.5:19-21). Ficar à parte das questões que surjam nas Igrejas de seus colegas, e não se
aproveitar da ocasião para arrebanhar os descontentes, salvo quando for convidado por aquele ou pela
Convenção a que estiver filiado (Pv.26:17; Mt.7:12). Só aceitar convide para pregar em outra Igreja
quando formulado pelo Pastor ou seu substituto legal, respeitando os princípios éticos e bíblicos. Não
interferir nos assuntos da Igreja de um colega ou exercer proselitismo entre seus membros e, muito
menos, abrir ou apoiar trabalhos nas áreas imediatas a sua Igreja, lembrando-se de que o campo é o
mundo e não as igrejas ou jurisdição dos outros (Rm.15:20). Etc.

O tema Ética Ministerial é vasto e pode ser pesquisado em livros específicos na área de Teologia
Pastoral. A abordagem condensada foi apenas o intento de instigar a mente daqueles que se sentirem
atraídos pelo assunto. O Apóstolo Paulo nos legou praticamente um manual de Ética Ministerial em suas
epístolas pastorais, que está a disposição de todos que queiram aprofundar-se um pouco mais no tema.
Esperamos que com essas pinceladas sobre os princípios básicos da Ética Ministerial, vida pessoal do
Ministro, Relações eclesiásticas e atividades Ministeriais, sejam os suficientes para reiterarmos nossos
compromissos Éticos.

VI – O OBREIRO E O CULTO CRISTÃO

1. O Culto Cristão: (Sl.89:7; Sl. 148; João 4:24; Ef.5:19)

O culto em si, seja público (evangelístico) ou oferecido “Á portas fechadas” (com os membros) é
TRIBUTADO e oferecido À DEUS. É também uma HOMENAGEM à divindade e, portanto deve o
obreiro contribuir ao máximo para que essa ADORAÇÃO seja oferecida sem empecilho algum. A
DIREÇÃO DE UM CULTO É DE MUITA RESPONSABILIDADE.

Segundo o nosso “costume” ao dirigir um culto deve-se obedecer a seguinte ordem; salvo se o
Espírito Santo não DISPOR ao contrário:

a) – Com uma ORAÇÃO objetiva.


b) – Cânticos OFICIAIS (de acordo com a mensagem, se for o caso).
c) – Leitura Devocional Bíblica.
d) – Apresentação Geral (sem pormenores)
ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica
CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 29
e) – Testemunhos e Hinos avulsos.
f) – Ofertório: É necessário ministrar o ofertório com incentivos e testemunhos positivos.
g) – Mensagem e apelo.
h) – Avisos e Bênção Apostólica – Conf. 2 Co.13:13.

Obs. As oportunidades de participações com louvores ou testemunhos deverão ser sabiamente


administradas. Para uma padronização dessas participações aconselhamos o seguinte:

• Solo/Louvor: Que seja somente o louvor. A oportunidade será somente para louvor.
• Testemunho: O tempo Maximo de um testemunho deverá ser de 5 minutos; salvo raras
exceções. Existem muitos testemunhos que tomam um tempo precioso, que é o tempo da
palavra. Existem irmãos, que carecem de capacidade de síntese de seus testemunhos. São
muito detalhistas. Necessitam de orientação.
• Palavra: Normalmente para uma Palavra estabelece-se, um tempo de 7 a 10 minutos, que
difere fundamentalmente de um testemunho.

O Padrão Bíblico para o culto evangélico está registrado em I Co.14:26:

1. “SALMOS” (Louvor em Geral)


2. “DOUTRINA” (Mensagem)
3. “REVELAÇÃO “
4. “LÍNGUAS”
5. “INTERPRETAÇÃO” (Manifestações do Espírito Santo).

O culto não é uma reunião social ou um mero ajuntamento de pessoas, é um momento de “Estrito
Contato” com o Ser Supremo, “DEUS”.

2. O Púlpito Cristão:

Todas as grandes organizações do mundo moderno possuem o seu ponto alto, o qual só
pode ser ocupado por alguém que seja capaz e que tenha sido preparado especialmente para
ocupa-lo. O Templo Evangélico tem seu ponto alto, o Púlpito.
O Púlpito é um lugar “Sagrado” assim como o Templo. Figurativamente representa o Santo
do Santo do Tabernáculo do AT. Por isso é mister aprender, qual deve ser o comportamento do
obreiro no Púlpito, ou o que deve ser evitado estando nesse lugar Santo, admitindo que os maus
hábitos no Púlpito são vistos com lente de aumento pela congregação e desviam a atenção do que
é importante.

2.1 O que deve ser evitado:

a) – Relaxo no traje, aparência e asseio (Sua apresentação geral – II Tm.2:15ª). O púlpito não é
lugar para um espantalho, nem tampouco para um pavão.
b) – Toda espécie de maneirismo ( Hábito e cacoetes) desmazelo e descompostura não deve ter
lugar no púlpito.
c) – Não usar no Púlpito expressões grotescas e obscenas. “O Púlpito Evangélico é o lugar de se
pregar a Palavra de Deus”

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 30
d) – Tudo que possa impedir a manifestação do Espírito Santo. Preocupações e angústias devem
ficar de fora do lugar sagrado.

VII – O OBREIRO E AS DOUTRINAS BÁSICAS:

Dentre as pormenorizadas variações doutrinárias, temos a grande responsabilidade de saber


distinguir entre a doutrina bíblica e a extrabíblica e saber quando os supostos doutrinadores usam a Bíblia
para dizer o que a Bíblia não diz. No objetivo de aclarar as doutrinas fundamentais da fé cristã,
procuraremos fornecer através deste Seminário, um esboço contendo as doutrinas que consideramos mais
importantes. (Mt.28:18-20; At.2:42).

Primeiramente, achamos necessário definir a palavra doutrina, que no sentido comum significa
ensino ou instrução. Antônio Gilberto define como ”as verdades fundamentais da Bíblia dispostas em
forma sistemática”. Aurélio Buarque de Holanda define como “Conjunto de Princípios que servem de
base a um sistema religioso, político, filosófico, cientifico, etc. Catequese Cristã. Ensinamento ou
pregação. Opinião de autores. Regra, preceito ou norma. Ex. “Tal procedimento fez doutrina”. Convém
também destacar que segundo o Novo Testamento Grego como se verifica em I Tm. 4:16, a palavra
“Doutrina” é a tradução do termo Grego “Didáskalos” = Mestre, (conforme Ef.4:11).

O Apóstolo Paulo nos informa em sua Carta a Timóteo que “se alguém ensina “OUTRA
DOUTRINA” e não concorda com as sãs palavra de Nosso Senhor Jesus Cristo, e com o ensino que é
segundo a piedade, é soberbo, e nada sabe mas delira acerca de questões e palavras , das quais nascem
invejas, porfias, blasfêmias e ruins suspeitas” (I Tm.6:3,4) “OUTRA DOUTRINA” é o que muitos estão
ensinando conforme o próprio texto Paulino: “Heterodidaskalei” que é: “Ensinar outra doutrina ou
ensinar uma doutrina completamente diferente, ensinar uma doutrina falsa ou herética”. Temos também
nesse texto, a defesa de uma “Doutrina que é segundo a piedade”. O texto diz: “Eusébia”, que é
“Devoção” religiosa. Refere-se à verdadeira reverência a Deus que surge do conhecimento. É a atitude
certa para com Deus e para com a santidade, majestade e amor a Deus.

Essas “outras doutrinas” são oriundas de um conjunto de erros introduzidos por


“Pseudodidaskaloi”, (falsas doutrinas de falsos mestres ou “Pseudoprofetai” , falsos doutrinadores das
verdades bíblicas. (1 Tm 1:20; 4: 1-4; 2 Tm. 2:14-18; Tt. 1:9-15).

O mais lamentável é que, às vezes, até mesmo alguns crentes sinceros, por causa destas
irregularidades, chegam a ponto de vacilarem quanto a fé e galardão que há em Cristo Jesus. Felizmente
isso acontece com todos. Aqueles que estão em Cristo, a Rocha dos Séculos, não se abalam, pois, acerca
deles está escrito que as portas do inferno não prevalecerão contra eles. (Mt.16:18).

O apóstolo Paulo, já nos primórdio do cristianismo, teve de lutar contra esses perturbadores,
designados por “bestas”, “cães”, e “falsos apóstolos” e “falsos obreiros”, que demonstra cabalmente o seu
caráter (1 Co.15:32; 2 Co.11:13; Fp.3:2).

Portanto, não é de admirar que em nossos dias surjam pessoas com as mesmas características e
sentimentos perturbadores.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 31
Com a Bíblia aberta, não teremos dúvidas em responder aos que desejarem, sinceramente, receber
luz, esclarecendo-os sobre todos sos pontos errados, doutrinas esdrúxulas e textos em que os falsos
doutrinadores se apóiam para semearem suas idéias.

Paulo ensinou que ao servo do Senhor não convém contender e que devemos ser pacientes com
todos, prontos a ensinar e esclarecer, conforme determina a Palavra do Senhor.
(1 Co.11:16; 1 Tm.4:6).

O Evangelho de Jesus Cristo consiste em pregação e ensino. O mesmo que disse “ide e pregai”,
também disse: “ide e ensinai”. Podemos observar que a perseverança na doutrina era uma característica
da Igreja Primitiva. (At.2:42)

1. Diferença entre doutrina e costume:

Há costumes bons e ruins. A doutrina bíblica sempre conduz aos bons costumes. (1 Co.15:33).

a) – Quanto à origem: A doutrina é divina o costume é humano.


b) – Quanto ao alcance: A doutrina é geral, o costume é local.
c) – Quanto ao tempo: A doutrina é imutável, o costume é temporário.

2. A Importância da Doutrina para a Igreja e o crente em particular:

• (1 Tm.4:16) “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina...”


• (2 Tm.4:3) “Tempo em que não suportarão a sã doutrina...”
• (Tt. 2:7) “Na doutrina mostre incorrupção...”
• (Tt. 1:9) “ Palavra fiel que é segundo a doutrina...”
• (Hb.13:9) “Doutrinas várias e estranhas...”
• (Gl.1:8) “...Outro evangelho seja anátema”.

3. Doutrinas falsas e doutrinas verdadeiras:

3.1 Há pelo menos três formas de doutrinas: Uma é sublime e santa, duas são perniciosas e
deletérias.

a) – Doutrina de Deus: (At.13:12; Lc.4:32; Pv.4:2; Mt. 7:28; Tt.2:10; João 7:16)
b) – Doutrinas de homens: (Mt.15:16; 16:12; Cl.2:22; Jr.23:16; Tt.1:14)
c) – Doutrina de demônios: (1 Tm.4:1; Tg.2:19; 1 Co.10:21; João 8:44). Há demônios cuja
atividade não é espalhar violência ou outros males ostensivos, mas ocupar-se com o ensino
maléfico, falso, errôneo e enganoso.

4. Podemos classificar as doutrinas bíblicas segundo Antônio Gilberto da Seguinte forma:


a) – Doutrinas da salvação: São mais fáceis de entender.
b) – Doutrinas da fé cristã: Requer um estudo mais profundo da revelação divina.
c) – Doutrinas das coisas futuras: Escatologia.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 32
d) – Teologia Sistemática: Bibliologia; (Estudo dos Livros da Bíblia) Deus (Teologia); Homem
(Antropologia) ; Cristo (Cristologia) ; Anjos (Anjeologia); Salvação
(Soterologia); Espírito Santo (Paracletologia; Pecado (Harmatiologia); Igreja
(Eclesiologia) ; Escatologia, etc.

VIII – O OBREIRO E A VISÃO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO:

Esse tópico não é uma mera sugestão, mas uma explanação sintética do direcionamento
que almejamos no nosso campo de trabalho. Também não estamos querendo insinuar que em outras
Igrejas não há visão. Somente queremos ser mais específicos para os obreiros do campo de Joinville.
De acordo com o avanço das denominações, também houve um avanço de estratégias missionárias
e evangelísticas; tanto é, que podemos verificar essas tendências nas diversas denominações existentes
aqui no Brasil.

1. Oração.
Tudo que fizermos deve ser com muita oração. Aconselhamos que cada irmão ore
no mínimo uma hora por dia. Essa foi a exigência mínima do Senhor Jesus aos seus discípulos. Os
trabalhos da Igreja devem ser precedidos com um período de oração no mínimo de trinta minutos. Essa
norma foi instituída na Convenção de Madureira em Taguatinga em 1.989. Entendo que muitos não a
observam; entretanto faremos dessa norma um costume em nosso campo. Os obreiros deverão ser
exemplos dessa prática. Aconselhamos o jejum pelo menos uma vez por semana. É Bíblico e necessário
para os dias difíceis que vivemos. Sempre com o devido cuidado para não cairmos no fanatismo que se
torna um empecilho na obra de Deus.

2. Ensino.
O ensino é a base de um ministério sadio. Jesus mesmo disse: Ide e ensinai. Não adianta
planejar muito ou sonhar sem que haja estrutura e fundamento. O que segura um cristão na Igreja é o que
ele sabe a respeito de sua fé, isto é, o conhecimento adquirido a respeito da Palavra. Infelizmente, existem
muitos que querem ensinar sem nunca terem aprendido. Esses se esqueceram de que Jesus, antes de partir
preparou doze homens, e para isto, gastou toda sua vida. Nossa estratégia de ensino engloba os cultos de
doutrinas. Escolas Dominicais, Cursos Específicos, como Escolas Bíblicas; Escola de Obreiros que
acontecerá uma vez por ano, direcionada aos aspirantes do Ministério; Cursos de atualização Ministerial
para obreiros antigos; Liderança, e um novo curso de adaptação ministerial destinado aos obreiros de
outros Ministérios que se unirão conosco.
Na atualidade exige-se de todos os candidatos ao Ministério o Curso Básico em Teologia, que
pode ser ministrado pela própria Sede do Ministério. Estamos convencidos de que nossa missão, não é
somente pregar, mas principalmente a de ensinar. É com o ensino que teremos condições de estimular
nossos irmãos a leitura, a pesquisa Bíblica, enfim, estimularemos o crescimento verdadeiro.

3.Evangelismo e Missões.
Não podemos comungar com aquela idéia do passado, em que se imaginava os pecadores
entrando na Igreja sem que houvesse muito esforço. Isso só ocorre em ocasiões de grandes avivamentos.
Muitos imaginam que só devemos orar e o resto o Espírito Santo faz. Isso não é verdade. Esse método de
ficar na Igreja clamando ao Senhor para mandar as almas é contrário ao ensino do NT. O Senhor Jesus
mandou-nos ir as almas. Claro que não vamos dispensar a oração, mas não vamos ficar somente nesse
passo.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 33
3.1 Evangelismo Pessoal. A Igreja e as congregações deverão criar grupos específicos de
evangelismo. Esses grupos deverão ter um líder e secretários para um bom desempenho. É fundamental
que haja reuniões periódicas e palestras específicas. Pode-se usar todos os métodos possíveis, tais como
filmes, palestras, etc., sempre com o objetivo de uma conscientização evangelística.

3.2 O Discipulado cristão: Essa tradição existente na Igreja de que quando um pecador
levanta sua mão e vem a frente, já se resolveu todo seu problema de conversão, é muito antiquada. O
levantamento de uma das mãos é apenas um começo, que se não tomarmos o devido cuidado, não passa
desse simples levantamento de mãos. Daí, a necessidade de discipulado.
Devido à urgência desse trabalho, instituímos a função de membros discipuladores. Esses
membros discipuladores deverão acompanhar o Novo Convertido até que ele possa caminhar sozinho. O
ideal é fazê-lo crescer até que ele se torne um discipulador. Para isso, é necessário persistência e muito
amor ao novo convertido.
Imagine comigo se tivéssemos um grupo de doze irmãos, comprometidos com o
Evangelho em todos os sentidos. Com o mesmo propósito, com a mesma doutrina, com o mesmo
compromisso, que acreditasse que sua missão na terra seria só uma; a de ganhar almas para Cristo e
ensina-las nos caminhos do Senhor. Um grupo que se comprometesse de fazer todos os meios possíveis
para ganhar apenas uma alma por ano. Ensinar essa vida a dar os primeiros passos; acompanhando-a na
oração, nos estudos bíblicos, até que ela se transformasse numa ganhadora de almas com a mesma visão
do discipulador. Que esse grupo fosse preparado durante o tempo suficiente para não desistirem desse
pensamento. Um grupo que realmente fosse preparado para essa missão. Isto é, ganhar uma alma por ano
e treina-la a tal ponto que fizesse o mesmo com outros assumindo esse mesmo compromisso. Com apenas
doze, teríamos os seguintes números nos anos seguintes:

1° Ano12
2º Ano 24
3º Ano 48
4º Ano 96
5º Ano 192
6º Ano 384
7º Ano 768
8º Ano 1536
9º Ano 3072
10º Ano 6144
11º Ano 12288
12º Ano 24576

Parece até utopia, imaginar uma possibilidade dessa natureza, entretanto, isso é possível, desde
que, tenhamos um grupo coeso, que olhe para mesma direção. Se todos os cristãos assumissem seus
compromissos evangelísticos já teríamos evangelizado o mundo.
A indicação do discipulador deverá ser no mesmo dia de sua conversão, isto é de suma
importância. Convém ressaltar ainda que é necessário ministrar um curso aos discipuladores para
consolidar a visão de trabalho, estratégias etc.

3.3 A Carta ao Novo Convertido: Essa carta tem uma importância capital; pois estamos
mostrando nosso interesse, e ao mesmo tempo estaremos estabelecendo nosso primeiro contato após sua
conversão. Motivo que obrigará a secretária do grupo enviá-la no dia seguinte. É necessário que se tenha

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 34
uma carta padrão para esse fim. No momento em que uma pessoa recebe a Cristo, é necessário tomar
todos os cuidados necessários para esse fim: endereço completo; apresentá-lo ao discipulador etc. Com
essas anotações, surge a necessidade de um fichário de novos convertidos na Igreja, para facilitar o
trabalho dos discipuladores e do Pastor da Igreja. Esse fichário, pode ser chamado de Cadastro de Novos
Convertidos.

3.4 Missões. Entendemos que a Missão da Igreja é fazer missões, mas essa missão começa aqui,
não nos confins da terra. Primeiro devemos ganhar almas em nosso País, para depois ganharmos outras
nos confins da terra. Mas, sobretudo, quando falo a palavra “missões”, refiro-me àquela missão que
começa com o preparo, com a conscientização, com a contribuição; em síntese, com aquele pensamento
que todos já sabem: “Orando, indo, e contribuindo”. A missão da Igreja é abrangente, não se restringe
somente ao envio de missionários transculturais como insinuam alguns que ensinam sobre o assunto. A
Igreja que não se conscientizar de que sua tarefa é a tarefa missionária, pode fechar suas portas. Temos
aquela visão de missionários nos confins da terra e nos inícios da terra. Abramos nossos corações e nossas
mãos!

3.5 O Trabalho “Cristo nos Lares”. Uma maneira de envolver a igreja na reprodução de almas e
no crescimento sadio e sistemático. Não é simplesmente uma reunião nos lares. São reuniões com
objetivos definidos. Estudos e palestras evangelísticas objetivando a salvação das almas. Esses grupos são
compostos de líderes e secretárias, que farão uma síntese do conteúdo da reunião. É necessário anotar a
presença dos membros normais do grupo e de outros que estarão aderindo. Inicialmente, adotamos o
número de cinco membros para início de um grupo, e quando chegar a vinte divide-se. Cada membro do
grupo deverá assumir um compromisso de fidelidade com o trabalho. Justificar ausências, não sair sem
que tenha outro em seu lugar, convidar amigos e vizinhos para as reuniões. Jejuar nos dias de reuniões e
acompanhar os novos convertidos integrando-os a Igreja.
Antes do início de um grupo, é necessário realizar uma série de encontros com o grupo inicial para
conscientização e determinação de estratégias. Os grupos deverão ser volantes de sete encontros em
cada lar. Se faz necessário dar ênfase a oração dentro do grupo. Os Estudos Bíblicos são feitos com a
Bíblia de Estudo Pentecostal editada pela CPAD.

4. Cultos:
4.1 Culto da Esperança:Incentivar os irmãos a fazerem campanhas de sete quintas ou sete
quartas de acordo com o dia do culto. É importante não esquecer de que no final de cada
culto deve-se fazer um apelo para novas campanhas. Dessa maneira sempre haverá um grupo
em campanha, outro iniciando e outro encerrando. Esse cultos deverão ser com testemunhos
objetivos e aconselhamos cada congregação formar um grupo de louvor para adoração
congregacional. Quando envolvemos a Igreja na adoração e no louvor, o Espírito Santo tem
mais liberdade de operação.

4.2 Outros Cultos Importantes: Culto da Ovelha desgarrada para os afastados; Culto de
Pentecostes; Culto do Amigo; Culto com os Jovens; Culto com as Crianças; Culto das Senhoras; Culto
dos Vizinhos. São muitos nomes que poderemos usar, esta é apenas uma estratégia para atrair as pessoas
para ouvirem a Mensagem do Evangelho.

5. LIDERANÇA.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 35
Somos responsáveis por nossa geração e para arregimentarmos um exército de discípulos,
necessitamos com urgência gerar líderes, treinando-os para melhor servirem ao Senhor.
É possível imaginar que liderança seja um assunto somente para pastores e obreiros, entretanto, o
tema é pertinente a todos, visto que todos temos tarefas pessoais ou coletivas. De alguma forma, todos
lideram alguma coisa. A liderança começa com a administração pessoal de nossos afazeres, isto é,
negócios, famílias, escola, deveres etc. Alguns não vão muito além disso pelo fato de não possuírem
outros talentos que lhe dariam capacidade de se destacarem como líderes, tais como, a oratória ou
comunicação de grupo etc. Os líderes normalmente deixam transparecer seus dotes.
Quando falamos de liderança cristã, estamos enfocando a capacidade que Deus dá a alguns
membros de seu corpo para comandar. Esses líderes não estão necessariamente nos púlpitos das Igrejas,
mas também nos departamentos das Igrejas. Uma Igreja que cresce é composta de bons líderes, alias, o
crescimento tão esperado por muitos pastores depende muito da valorização que se dá à liderança da
Igreja através de treinamentos constantes. Nosso propósito nessa Escola de Líderes e Obreiros ELO é
fornecer aos diletos obreiros, luzes de liderança, visando um crescimento sadio da Igreja.

Entendemos que esse acontecimento só ocorrerá quando a liderança estiver olhando para a mesma
direção. A visão do Ministério não pode ser bipartida; é necessário que se tenha uma visão clara, e que os
líderes saibam qual é essa visão, para que os liderados aprendam. Em outras palavras, a liderança da
Igreja, deve estar afinada com a visão do Pastor da mesma. Acredito que esta questão é praticamente o
cerne de todo crescimento almejado por muitos pastores.
É com este propósito que Ministramos a Escola de Líderes e Obreiros, porque temos consciência
de que precisamos nos unir em torno de um ideal comum e isso somente acontecerá quando toda
liderança entender a realidade desses fatos.

5.1 O Conceito de Liderança.

O conceito de liderança é tão diversificado quanto o próprio oficio. Dentre os diversos livros
existentes, conforme verifiquei, há uma variedade de conceitos e definições infindas. O conceito depende
muito da formação cultural de cada individuo, todavia, dentre muitas definições, destacaremos aquelas
que julgamos mais importantes.

Liderança é influência, isto é, a habilidade de uma pessoa de influenciar a outros. Um homem


pode liderar outros apenas na medida em que influenciá-los a segui-lo. Este fato é apoiado por definições
de lideranças feitas por homens que exerceram grande influência. Lorde Montgomery como líder militar,
define como “a capacidade e desejo de unir homens e mulheres num propósito comum, e o caráter que
inspira confiança” O Almirante Nimitz disse que liderança pode ser definida como sendo aquela
qualidade, num homem, que inspira suficiente confiança a seus subordinados de modo a aceitarem suas
idéias e obedecerem a seu comando.
O General Charles Gordon perguntou certa vez a Li Hung Chang, um velho líder chinês: “Que é
Liderança?” “Como se divide a humanidade?” Ele recebeu a seguinte resposta enigmática: “Há apenas
três tipos de pessoas no mundo: Aquelas que não se mexem, as que são movíveis, e as que movem os
outros”.

Na área da religião, um líder mundial em círculos estudantis, deu a seguinte definição: ‘Líder é o
homem que conhece o caminho, e sabe manter-se à frente, trazendo outros após si”. Outro líder hindu,
define liderança cristã como uma vocação em que há perfeita mistura de qualidades humanas e divinas,
ou um trabalho harmonioso entre o homem e Deus destinado ao ministério e bênção das demais pessoas”.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 36
Do ponto de vista político um líder deu a seguinte definição: “Líder é a pessoa que tem a
habilidade de fazer com que os outros façam o que não queriam fazer, e gostem de faze-lo”.

Liderança Cristã é uma mistura de qualidades naturais e espirituais. Até mesmo as qualidades
naturais não são oriundas do individuo, mas de Deus, e, portanto, alcança maior afetividade quando
empregadas no serviço de Deus, e para sua glória. As definições acima se referem à liderança em geral.
Embora a liderança cristã exija aquelas qualidades, há outros elementos que suplementam e levam
precedência sobre elas. Personalidade é um fator primordial na liderança natural. “O grau de influência
dependerá da personalidade do homem”., escreveu Lord Montgomery, “da incandescência de que ele é
capaz, da chama que queima dentro dele, do magnetismo que atrairá os corações dos homens para ele”.

Entretanto, o líder cristão influencia aos outros não apenas pelo poder de sua personalidade, mas,
pela personalidade irradiada interpenetrada, e fortalecida pelo Espírito Santo. Visto que ele permite que o
Espírito tome controle integral de sua vida, o poder desse Espírito flui livremente através dele, para os
outros.

A Liderança espiritual é assunto de poder espiritual superior, o qual jamais é gerado pelo próprio
homem. Não existe, de modo algum, um líder espiritual feito por si mesmo. Ele só é capaz de influenciar
os outros espiritualmente porque o Espírito é capaz de trabalhar através dele, num grau superior ao
daqueles a quem ele lidera.

Um princípio geral de liderança, é que só podemos influenciar e liderar outros até o ponto a que
nós mesmos chegamos. A pessoa mais susceptível de sucesso não é aquela que lidera meramente
apontando o caminho, mas a que percorreu pessoalmente. Nós lideramos a medida em que inspiramos
outros a seguir-nos .

O líder é alguém de destaque. Sobre ele estão olhares e esperanças de realizações. Normalmente, é
ele quem vai ajudar o grupo a seguir seu caminho, orientando, sugerindo, trabalhando com a equipe.

O problema é que nós entendemos mal o conceito de líder. Ou é alguém que faz tudo sozinho e o
grupo fica na arquibancada observando para ver se vai dar certo ou não e onde estão as suas falhas e
fraquezas, ou é aquele que dá ordens.

IX – TERMO DE CONPROMISSO MINISTERIAL

1º - Honrar em tudo, na minha vida pessoal, sob a direção do Espírito Santo os sagrados
compromissos do Ministério que me foi concedido, tendo sempre presente as minhas responsabilidades
perante a Igreja e perante o mundo.

2º - Promover a paz e o desenvolvimento espiritual, moral e patrimonial da Igreja a que sirvo,


sendo o exemplo na doutrina, fortalecendo o espírito e praticando a fraternidade e cooperando com as
instituições, obreiros e membros que estiverem sob minha direção, promovendo a boa ordem dos serviços
eclesiásticos e a comunhão espiritual do povo de Deus.

3º - Ser fiel no zelo e nas atribuições a mim conferidas pela Igreja ou por delegação pastoral.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 37
4º - Ter em elevada conta o espírito e a prática da comunhão em lealdade aos meus companheiros
de Ministério, orando em seu favor, amando-os com o amor de Cristo, aconselhando-os e sendo
aconselhado, e zelando de todos os modos, pela pureza do Ministério perante o mundo e a Igreja.

5º - Obedecer aos Estatutos e Regimento Interno, da Igreja e da Convenção, bem como acatar com
humildade as observações e as restrições disciplinares da Igreja, do ministério Geral a que estou sujeito, e
das Convenções Filiadas (Estadual e Nacional).

6º - Em caso de objeções de consciência, de divergências doutrinárias ou por qualquer outro


motivo que leve a desligar-me ou ser desligado da Igreja, processar normal e pacificamente esse
desligamento, não provocando, sob qualquer pretexto, perturbação, cismas no seio da Igreja e da entidade
que esteja jurisdicionado ou dirigindo, não levantar questões jurídicas contra a Igreja ou Convenção, em
qualquer circunstância.

7º - Honrar, com soluções honestas, os compromissos assumidos para com a Igreja, a Convenção,
a sociedade e o indivíduo.

8º - Praticar a fidelidade nos Dízimos e a generosidade nas ofertas para com a obra de Deus,
sendo o exemplo dos fieis.

9º - Ser observador das necessidades da Igreja atendendo sempre que possível para suprir
carências zelando para manter a ordem a harmonia e manutenção dos locais de culto.

X – CONCLUSÃO

Como conclusão, salientamos que o ELO – Escola de Líderes e Obreiros não é tudo. É apenas
uma parda visão de como os obreiros e aspirantes devem encarar o ministério. Acredito que toda
organização que deseja o crescimento faz questão de mostrar a visão desse crescimento aos seus
líderes e liderados e, a compreensão é fundamental para que se vá adiante.

Tenho plena certeza de que, o doador dos dons ministeriais esteve presente, ministrando aos
nossos corações e nos revelando a profundidade e a extensão do ministério que Ele tem com cada um de
nós.

Espero que essas notinhas sobre a chamada ministerial, o ministério cristão, a responsabilidade do
obreiro; a ética do obreiro; o obreiro e o culto cristão; o obreiro e as doutrinas básicas;o obreiro e a visão
de trabalho do ministério sirvam como mola propulsora para um ministério profícuo; e como uma triagem
separando os vocacionados para o trabalho do Senhor.

Certamente um aventureiro não resistiria as provações e nem se inclinaria às verdades ministeriais


esboçadas neste curso. Infelizmente, já cometemos alguns erros no passado em relação a recebimento de
obreiros, mas temos aprendido muito com a experiência. Se no passado tivéssemos os cursos que temos, e
em especial o ELO, já teríamos evitado muitos problemas. Por incrível que pareça, alguns não passariam
nem no simples teste de freqüentar as aulas de um curso preparatório, quanto mais em ser obreiro. Não
estou me referindo àqueles que responsavelmente justificam suas ausências por motivos justos.

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 38
Além dessa Escola, cujo propósito é dar uma visão panorâmica do Ministério cristão; convém
relembrar que os aspirantes ao ministério deverão preencher os seguintes pré-requisitos:

1. Ser membro maduro;


2. Ter uma vida consagrada;
3. Ter compromisso com sua Igreja, e com seu ministério;
4. Ser dizimista;
5. Freqüentar regularmente as reuniões ministeriais aos segundos sábados de cada mês e
as convocações do Pastor Presidente da Igreja e outras que forem necessárias.
6. Ser batizado com o Espírito Santo.
7. Comprometer-se a fazer a Escola de Líderes e Obreiros – ELO

Não tenho dúvidas de que o Senhor está nos moldando para grandes coisas nestes últimos dias que
estamos vivendo nessa terra. Deus pode contar com você?

“Um grande compromisso com o grande mandamento e com a grande comissão fará nascer uma
grande Igreja”. (Rick Warren).

XI – BIBLIOGRAFIA

FRISTZ, Rienecker/RIGERS, Cleon, Chave línguistica do Novo Testamento Grego. Tradução de


Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero, Edições Vida Nova, São Paulo, 1988

TAYLOR,W.C. Dicionário do Novo Testamento Grego, 8ª Ed. Juerp, Rio de Janeiro, 1986.

CHMAPLIN, Russel Norman, O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, Vol. IV,
Millenium, São Paulo.

BARCLAY, William, Palavras Chaves do Novo Testamento, 2ª Ed. Tradução Gordon Chown,
Edições Vida Nova, São Paulo, 1988.

BITTENCOURT, José Domingos; Apostila de Administração Pastoral; Escola Bíblica Fraternal


do ABCD . Assembléia de deus Utinga.

CRABTREE, A . R. A Doutrina Bíblica do Ministério, 2ª Ed. Juerp, Rio de Janeiro, 1981.

SOUZA, Estevão Ângelo de, Títulos e Dons do Ministério Cristão. CPAD. Riode Janeiro, R.J.
1993.

GEE, Donald, Os Dons do Ministério de Cristo, Tradução de Waldemar W. Wey, Ed Vida,


Miami, Flórida E.U.A !987.

BARRIENTOS, Alberto, Trabalho Pastoral, Princípios e Alternativas, Editora Cristã Unida,


Campinas – SP – 1991.

SPURGEON, C.H. Lições aos meus alunos, Vol. 2 PES, São Paulo – SP – 1990

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 39
JIWETT, John Henry, O Pregador Sua Vida e Obra, Tradução de Odayr Olivetti Casa Editora
Presbiteriana – São Paulo – SP 1969.

KESSLER, Nemuel, Ética Pastoral , 4 Ed. CPAD – Rio de Janeiro – RJ. 1994

MENDES, José Demerval, Esboço de Teologia Pastoral, CPAD – Rio de Janeiro – RJ 1988.

TURNER, Donald T., A Prática do Pastorado, IBR – São Paulo – SP 1983

SPURGEON. C.H. Um Ministério Ideal, Vol. I e II, PES – São Paulo – SP 1990.

CROCE, José Elias, Mensagens do Salmo 23. A . D. Vila Guacuri – São Paulo – SP 1998

OLIVEIRA, Raimundo, Maturidade Cristã, Revista da Escola Dominical – 3º Trimestre 1988 –


CPAD

CROCE, José Elias, Liderança Cristã, Primeira Escola Bíblica da Assembléia de Deus do Guacurí,
São Paulo – SP Nov. de 1999.

CROCE, José Elias, Dons Ministeriais e Espirituais, XI Escola Bíblica da Fraternal do ABCD –
São Paulo, Julho de 1998.

Autor Pr. José Elias Croce – IEAD – Vila Guacuri – São Paulo – SP

Adaptada por Pr. Abimael Fontes Ferreira – IEAD – Joinville – SC

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 40
Coordenação Geral

Pr. Abimael Fontes Ferreira

Bacharel em Teologia Pela Faculdade FAITA.


Presidente da IEAD – Joinville/SC
Presidente do ELAETEM – Escola Latino Americana de Ensino Teológico e Missões
Presidente da Sociedade Assistencial e Educacional Fonte no Deserto
Secretário Executivo da CONEMAD-SC

ELAETEM – Escola Latino Americana de Educ. Teológica e Missiológica


CNPJ. 01.447.260/0001-72 – Banco do Brasil Ag. 2981-5 C/C 27048-2
Rua Fátima, 1.140 – Sala 302 – Fátima – Joinville/SC – 89229-101 –
el 47– 3454-8356
Página 41