Вы находитесь на странице: 1из 2

Partes constituintes do Gerador Síncrono

Rotor (campo)
Parte girante da máquina, constituído de um material ferromagnético envolto em um
enrolamento chamado de enrolamento de campo, que tem como função de produzir um
campo magnético constante assim como no caso do gerador de corrente contínua para
interagir com o campo produzido pelo enrolamento do estator.
A tensão aplicada nesse enrolamento é contínua e a intensidade da corrente suportada
por esse enrolamento é muito menor que o enrolamento do estator, além disso o rotor
pode conter dois ou mais enrolamentos, sempre em número par e todos conectados em
série sendo que cada enrolamento será responsável pela produção de um dos pólos do
eletroimã.

Estator (armadura)
Parte fixa da máquina, montada em volta do rotor de forma que o mesmo possa girar em
seu interior, também constituído de um material ferromagnético envolto em um
conjunto de enrolamentos distribuídos ao longo de sua circunferência. Os enrolamentos
do estator são alimentados por um sistema de tensões alternadas trifásicas.
Pelo estator circula toda a energia elétrica gerada, sendo que tanto a tensão quanto a
corrente elétrica que circulam são bastante elevadas em relação ao campo, que tem
como função apenas produzir um campo magnético para "excitar" a máquina de forma
que fosse possível a indução de tensões nos terminais dos enrolamentos do estator.

Comparemos, por exemplo, um gerador de grande porte no qual circulam 18kV e


6556A no estator contra 350V e 1464A no rotor.

[editar] Princípio de funcionamento

[editar] Operando como gerador síncrono


Ao operar como gerador, a energia mecânica é suprida à máquina pela aplicação de um
torque e pela rotação do eixo da mesma, uma fonte de energia mecânica pode ser, por
exemplo, uma turbina hidráulica, a gás ou a vapor. Uma vez estando o gerador ligado à
rede elétrica, sua rotação é ditada pela freqüência da rede, pois a freqüência da tensão
trifásica depende diretamente da velocidade da máquina.

Para que a máquina síncrona seja capaz de efetivamente converter energia mecânica
aplicada a seu eixo, é necessário que o enrolamento de campo localizado no rotor da
máquina seja alimentado por uma fonte de tensão contínua de forma que ao girar o
campo magnético gerado pelos pólos do rotor tenham um movimento relativo aos
condutores dos enrolamentos do estator.

Devido a esse movimento relativo entre o campo magnético dos pólos do rotor, a
intensidade do campo magnético que atravessa os enrolamentos do estator irá variar no
tempo, e assim teremos pela lei de Faraday uma indução de tensões nos terminais dos
enrolamentos do estator. Devido a distribuição e disposição espacial do conjunto de
enrolamentos do estator, as tensões induzidas em seus terminais serão alternadas
senoidais trifásicas.

A corrente elétrica utilizada para alimentar o campo é denominada corrente de


excitação. Quando o gerador está funcionando isoladamente de um sistema elétrico (ou
seja, está em uma ilha de potência), a excitação do campo irá controlar a tensão elétrica
gerada. Quando o gerador está conectado a um sistema elétrico que possui diversos
geradores interligados, a excitação do campo irá controlar a potência reativa gerada.

[editar] Operando como motor síncrono


Ao operar como Motor síncrono, a energia elétrica é suprida à máquina pela aplicação
de tensões alternadas trifásicas nos terminais dos enrolamentos do estator, além disso os
enrolamentos de campo do rotor são alimentados por uma fonte de tensão contínua.

Como as tensões aplicadas aos enrolamentos do estator são alternadas e trifásicas,


circulará nos mesmos uma corrente alternada de mesma freqüência que a tensão, essa
corrente produzirá campos magnéticos também alternados que variam no tempo.

Além disso, devido a disposição espacial dos enrolamentos no estator, esses campos
magnéticos variantes no tempo também irão circular pelo estator, de forma que o campo
magnético resultante rotacionará em torno da circunferência do estator com velocidade
angular proporcional à freqüência da tensão alternada aplicada nos enrolamentos.

Assim, quando um dos pólos do campo magnético gerado pelo enrolamento de campo
do rotor interagirem com o campo girante resultante do estator, tentará se alinhar com o
pólo de sinal oposto, e como o pólo do campo girante do estator está girando, surgirá no
rotor um binário de forças que gerarão um torque de forma que o rotor gire e mantenha
os campos do enrolamento de campo do rotor e o campo girante do estator alinhados.

Com o surgimento do torque, o rotor girará seguindo o sentido e velocidade do campo


girante do estator, logo, a velocidade angular do motor Síncrono estará sincronizada
com a freqüência da tensão alternada aplicada aos enrolamentos do estator.