You are on page 1of 15

SUMÁRIO

SUMÁRIO............................................................................3

INTRODUÇÃO....................................................................... 4

1. CONCEITO E FINALIDADE..................................................5

2. IMPORTÂNCIA DE UM PROJETO PARA A ESCOLA.................5

3. A ESCOLA .......................................................................9

4. O PAPEL DA ESCOLA – UMA RÁPIDA VISÃO SOBRE A ESCOLA


ATUAL............................................................................... 10

RFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS.............................................16

MANTOAN, Maria Tereza Egler(Org.). Pensado e fazendo educação de


qualidade. São Paulo. Moderna, 2001. ..................................................16

VEIGA, Ilma Passos A. Projeto político-pedagógico da escola: uma


construção coletiva. In: VEIGA, Ilma Passos A. (Org.). Projeto político-
pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus,
1995. ................................................................................................16
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA

Ismael Carlos Amorim do Nascimento1

Francicley de Melo Marques2

RESUMO: O presente trabalho objetiva discutir a importância do projeto


político-pedagógico na escola, com base nos estudos de Vasconcellos, Veiga,
entre vários outros teóricos, bem como, secundariamente, traçar diferenças
entre a escola hodierna e a pretérita no que concerne á relação professor –
aluno.

Palavras – chave: Projeto Político; Pedagógico; Escola; Professor; Aluno.

INTRODUÇÃO

Estamos muito acostumados a ouvir falar em escola, como ela é


gerida. Como grande instrumento de gestão escolar é de se destacar o Projeto
Político Pedagógico, pelo qual toda escola deve ter definida, para si mesma e
para sua comunidade escolar, uma identidade e um conjunto orientador de
princípios e de normas que iluminem a ação pedagógica cotidiana.

Por via reflexa e secundariamente, este trabalho também tem a


finalidade de falar sobre a escola, da forma como ela era e como é quanto à

1
Discente do Curso de Educação Física do 4º período da Universidade Federal do Acre; email:
shevcarlos@hotmail.com.
2
Discente do Curso de Educação Física do 4º período da Universidade Federal do Acre; e-mail:
francicley_marques@hotmail.com.

4 4
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

relação professor X aluno, fazendo-se, mediante a complexidade da matéria,


aqui, somente uma rápida pincelada e apenas como trabalho secundário.

Pois bem. Como de praxe, é necessário definir o que é o Projeto


Político Pedagógico (doravante PPP), o que será feito no próximo tópico.

1. CONCEITO E FINALIDADE

O PPP vê a escola como um todo em sua perspectiva estratégica, não


apenas em sua dimensão pedagógica. É uma ferramenta gerencial que auxilia
a escola a definir suas prioridades estratégicas, a converter as prioridades em
metas educacionais e outras concretas, a decidir o que fazer para alcançar as
metas de aprendizagem, a medir se os resultados foram atingidos e a avaliar o
próprio desempenho.

O PPP é diferente de planejamento pedagógico. O Planejamento


pedagógico é um conjunto de princípios que norteiam a elaboração e a
execução dos planejamentos, por isso, envolvem diretrizes mais permanentes
que abarcam conceitos subjacentes à educação: Conceitos Antropológicos:
(relativos à existência humana); Conceitos Epistemológicos: aquisição do
conhecimento; Conceitos sobre Valores: pessoais, morais, étnico; Político:
direcionamento hierárquico, regras – aqui daremos importância para o PPP
nesse primeiro momento e em seguida faremos uma breve explanação sobre a
escola.

2. IMPORTÂNCIA DE UM PROJETO PARA A ESCOLA

O PPP é uma ferramenta gerencial que auxilia a escola a definir suas

prioridades estratégicas, a converter as prioridades em metas educacionais e

5 5
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

outras concretas, a decidir o que fazer para alcançar as metas de

aprendizagem, a medir se os resultados foram atingidos e a avaliar o próprio

desempenho. O PPP é diferente de planejamento pedagógico.

A relevância de um projeto escolar consiste no planejamento que

evita improvisação, serviço malfeito, perda de tempo e de dinheiro. Com

planejamento, fica bem claro o que se pretende e o que deve ser feito para se

chegar aonde se quer. Um bom Projeto Político Pedagógico dá segurança à

escola. Escolhem-se as melhores estratégias, o que facilita seu trabalho, pois o

mesmo está fundamentado no Projeto que norteia toda Unidade Escolar. Isso

se faz imprescindível para se ter um rumo, visando à obtenção de resultados

de forma mais eficiente, intensa, rápida e segura.

A escola deve buscar um ideal comum: fazer com que todos os alunos

aprendam. Uma boa sugestão é nomear comissões de pais e encarregá-las de

organizar campeonatos esportivos nos finais de semana na quadra da escola,

cuidar dos banheiros ou da biblioteca, ou seja, essa proposta sintetiza o

pensamento administrativo-pedagógico da instituição e retrata a trajetória que

vem sendo percorrida pela comunidade escolar na consolidação do desejo de

uma educação de qualidade em todos os níveis e modalidades de ensino.

O que procura se propor é que o PPP deva buscar incluir também os

pais dos alunos em sua vida escolar, para que haja não só um monitoramento

mas, um maior interesse quanto à vida escolar de seus filhos bem como,

favorecendo o processo de ensino e aprendizagem, com vistas a melhorar a

relação professor X aluno e pais. Dessa forma, pode-se derruba paradigmas

6 6
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

que estimulem o absenteísmo e a indisciplina do aluno, além da “má” vontade

do professor.

Assim, entende-se que:

O projeto busca um rumo, uma direção. É uma ação intencional, com


um sentido explícito, com um compromisso definido coletivamente.
Por isso, todo projeto pedagógico da escola é, também, um projeto
político por estar intimamente articulado ao compromisso sócio-
político com os interesses reais e coletivos da população majoritária.
(SAVIANI apud VEIGA, 1995, p.93).

Nesse sentido, o projeto político-pedagógico é uma construção coletiva

na qual “o texto estará sempre em processo de aprimoramento, por se tratar de

um ‘tecido’ que nunca se arremata, porque a vida é dinâmica e exige

modificações permanentes.” (EDLER, 2004, p.157). Mas para entendermos

melhor o que é o PPP temos que saber o que é a escola, como ela faz a sua

avaliação, e qual é a concepção de professor e aluno, pois esses são

elementos que formam a escola e são interdependentes – esses pontos vão

ser discutidos logo à frente. Ele é construído, e vivenciado em todos os

momentos, por todos os envolvidos com o processo educativo da escola.

Sendo que autonomia e a gestão democrática da escola fazem parte da própria

natureza do ato pedagógico. A gestão democrática da escola é, portanto, uma

exigência de seu projeto político-pedagógico. Ela exige, em primeiro lugar, uma

mudança de mentalidade de todos os membros da comunidade escolar.

Mudança que implica deixar de lado o velho preconceito de que a escola

7 7
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

pública é apenas um aparelho burocrático do Estado e não uma conquista da

comunidade. Na gestão democrática, pais, alunos, professores e funcionários

assumem sua parte de responsabilidade pelo projeto da escola. Vale ainda

ressaltar que dentro da do âmbito escolar uma gestão democrática é essencial

para que haja a concretização de um PPP eficaz e que abranja o cotidiano da

escola e alcance seus objetivos, logo, reforçando o que já foi dito, ele é

construído e vivenciado em todos os momentos, por todos os envolvidos com o

processo educativo da escola. Sendo assim, autonomia e a gestão democrática

da escola fazem parte da própria natureza do ato pedagógico. A gestão

democrática da escola é, portanto, uma exigência de seu projeto político-

pedagógico. Ela exige, em primeiro lugar, uma mudança de mentalidade de

todos os membros da comunidade escolar. Mudança que implica deixar de lado

o velho preconceito de que a escola pública é apenas um aparelho burocrático

do Estado e não uma conquista da comunidade. Na gestão democrática pais,

alunos, professores e funcionários assumem sua parte de responsabilidade

pelo projeto da escola, assim:

“Projeto é um meio de engajamento coletivo para integrar ações

dispersas, criar sinergias no sentido de buscar soluções alternativas

para diferentes momentos do trabalho pedagógico-administrativo,

desenvolver o sentimento de pertença, mobilizar os protagonistas

para a explicitação de objetivos comuns definindo o norte das ações

a serem desencadeadas, fortalecer a construção de uma coerência

comum, mas indispensável, para que a ação coletiva produza seus

efeitos” (VEIGA, 2003, p. 8).

8 8
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

3. A ESCOLA

A escola é uma a instituição que oportuniza a vivência de

experiências culturais mais amplas e diversificadas, tendo uma pratica

pedagógica solida e satisfatória como afirma Veiga (apud SOUZA, 1992, p. 16)

quando diz que a pratica pedagógica é “uma pratica social orientada por

objetivos, finalidades e conhecimentos, e inserida no contexto da prática

social”, a prática pedagógica é elemento característico da escola sendo que ela

mesma se justifica quanto à sua abordagem/prática preparatória no bojo de seu

trabalho educacional. Nesse sentido, logo:

“A escola insere-se, dialeticamente, na sociedade e, por isso, os/as


alunos/as não estão num dado momento, sendo preparados/as para a
vida e em outro vivendo. A aprendizagem precisa acontecer a partir
de problemas reais. Assim, educar é mais que reproduzir
conhecimento. É, sobretudo, responder aos desafios da sociedade na
busca da transformação. Portanto, “os sujeitos que hoje vão à escola
constituem uma população altamente diversificada, o que gera a
necessidade de prestar atenção às diferentes maneiras de interpretar
o mundo, o conhecimento e as relações sociais.” ( MENEZES, 2006)

A avaliação deve ser feita de modo constante a abrangendo

suas varias “modalidades”, seja ela, processual, avaliativa mediadora,

avaliação formativa – particularmente preferimos o terceiro modo de avaliação,

pois, ele assegura que os processos de construção de conhecimento devem se

9 9
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

adequar às características dos alunos, permitindo a adaptação do ensino às

características individuais.

Outro ponto ainda muito importante a ser abordado é quanto à

questão de concepção de aluno, professor e avaliação. O professor e o aluno

compreendem o ato pedagógico como um processo no qual a pesquisa é o

caminho que possibilita a escuta de sua prática, num movimento de ação-

reflexão-ação.

Para tanto, o professor deve ser dinâmico, criativo, atento às

questões locais, mundiais e tecnológicas; ser conhecedor das concepções

pedagógicas adotadas pela escola, norteadoras da sua ação educativa, como

condição essencial para a autonomia e autoria de pensamento – sendo o ato

de educar com qualidade um ato de transformação social, o que nos remete a

Matoan (2001), que fala que a melhoria na qualidade do ensino se deve tanto

ao atendimento do direito fundamental do acesso à escola, quanto das

condições necessárias para que o mesmo ascenda escolarmente falando.

4. O PAPEL DA ESCOLA – UMA RÁPIDA VISÃO SOBRE A


ESCOLA ATUAL

Podemos definir a Escola como a instituição social que trabalha

com a socialização do conhecimento, formação de hábitos, valores e atitudes,

que muitas vezes também molda do comportamento do individuo, por meio de

um processo chamado de socialização, e é essa socialização entre os

10 10
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

indivíduos/atores de um mesmo contexto e de contextos diferentes que

proporcionam a construção do conhecimento3.

Vivemos em um mundo que passa por grandes e rápidas

mudanças, nesse contexto a escola é o elemento principal dos processos de

percepção e assimilação de tudo que é produzido pelo homem, a cultura, ou

seja, essa mesma é acumulada pelo homem desde os tempos mais remotos

até hoje, e ela pode ser traduzida a uma única palavra, conhecimento. É

inegável que a escola enquanto tempo e espaço cotidiano possui uma

importante função social e, ainda, o quanto há para transformar, melhorar e

fazer. Sem a pretensão de fazer um histórico sobre o seu papel na sociedade

humana, lanço aqui um ângulo de visão sobre a escola, que justifica seu papel

e função, indo dos campos dos seus paradigmas e dificuldades até o lugar

mais singelo e almejado dos sonhos humanos e das utopias que existe em

cada um de nós, que almejamos e desejamos, mas agora tendo a figura do

professor não mais como uma figura antropocêntrica e sim como um mediador

e produtor e incentivador da busca pelo saber, nos levando a entender que

somos parte de um “produto”, uma teia maior, que nada mais é que a educação

e a produção – os professores devem incentivar os alunos a serem sujeitos

ativos e pensantes, estimulando assim sua criatividade e busca pelos saber – e

socialização do conhecimento.

3
Os atores aqui em questão são: alunos, professores, gestores – esses eu chamo de atores diretos pela sua
participação cotidiana na vida em escola e suas relações que chegam até certo ponto ser muito estreitas –
e também, família e sociedade – esses são à meu ver os atores indiretos, pois apesar de estarem inseridos
nesse processo de construção e compartilhamento do conhecimento não atuam de maneira mais incisiva e
incentivadora, pois, acredito que como vivemos em um mundo cada vez mais competitivo e buscamos
cada dia mais “nosso lugar ao sol”, muitas vezes não temos como acompanhar a vida escolar de nossas
crianças e delegamos ainda a escola o papel não só de instruir, mas também educar literalmente nossos
filhos.

11 11
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

Ao fazermos uma analogia entre as escolas do passado com as

escolas atuais, veremos que houve algumas mudanças, mas a principal delas é

a mudança no processo de ensino, no modo de se relacionarem dos alunos X

professores, professores X alunos e alunos X alunos. Saímos daquela visão

saudosista do professor como “o dono da verdade”, da limitação do aluno

quanto a se reconhecer como indivíduo conscientemente inserido em um

processo histórico e não mais como “robôs”, mas sim sujeitos tentando

entender qual o seu real papel na sociedade.

Ao ler alguns textos sobre a escola pudemos notar uma

contradição/dilema quanto ao seu real papel e qual real propósito da escola:

formar cidadãos conscientes que buscam cada dia mais o conhecimento? Ou,

Preparar pessoas para o mercado de trabalho de um mundo cada dia mais

individualista e competitivo?

É certo que ao mesmo tempo a escola se justifica na sociedade,

ela se contradiz quanto algumas de suas práticas, mas podemos entender que

essa contradição é válida, pois, se educar é ensinar a viver, mesmo que de

forma simplificada e limitada, a escola ajuda nesse processo.

As escolas do passado não permitiam que os alunos se

expressassem que fossem capazes de aprender, construir por si só e em

conjunto como os outros alunos, o conhecimento. Como foi dito um pouco

acima, o professor era o dono do Saber e do Conhecimento, mas também é

fato que hoje em dia alguns professores, infelizmente, ainda adotam posturas

como as do passado, deixando com que a autoridade e sua maneira de ensinar

e transmitir o que ele chama de conhecimento, sejam a única maneira correta,

12 12
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

não permitindo ou possibilitando ao aluno, momentos de debate, trocas ou até

mesmo deixar com que o aluno demonstre o seu conhecimento, a sua

bagagem relacionada a determinado tema da aula4.

Alarcão (2003) afirma que a sala de aula deixou de ser um

espaço de transmissão de conhecimento e passou a ser um espaço para

produção de conhecimento, tanto do aluno, quanto do professor.

Infelizmente, em escolas particulares, públicas e até

universidades ainda nos depararmos com alguns professores adotando

posturas ortodoxas. Professores que não se permitem uma abertura para o

novo, para o construtivismo, ou seja, que não permitem que o aluno exponha

seu pensar. E professores assim, a nosso ver, não deveriam fazer parte de

uma rede de ensino, pois, renegam um ponto principal que deve ser adotado

por todos os docentes, “ninguém sabe demais que não possa aprender todo

dia algo novo”!!!.

Nesse sentido, surge o papel da escola:

“A escola tem o papel central de promover a construção do


conhecimento, garantindo ao aluno o acesso ao saber sistematizado
e formação de atitudes e habilidades, proporcionando condições para
o exercício da cidadania plena e a construção de uma sociedade mais
justa” (In: Caderno de Estudo Módulo IV, Progestão p 19, 1999-2000).

4
Alguns professores tanto da rede de ensino fundamental e médio e principalmente nas universidades
sofre de um complexo que para os alunos é um grande entrave nessa relação professor X aluno e nas
escolas não é diferente, esse complexo é conhecido como “complexo de Zeus”, acham que sabem e
podem tudo e o aluno é um mero recipiente que deve “engolir a seco” tudo que é passado a ele e que, e o
mesmo deve dizer “Amém” a toda “verdade” que lhe é imposta e apresentada, e sem abertura para contra-
argumentação ou liberdade de expressão sobre o assunto em questão.

13 13
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

Até agora falamos de profissionais com posturas conservadoras,

mas não esqueçamos que existem profissionais que têm paixão pelo que

fazem, sendo reais mediadores nesse processo de construção do

conhecimento. Profissionais que todos os dias aprendem algo novo e que

também ajudam seus discentes/alunos em suas descobertas.

Esse é o profissional que ajuda aos alunos a abrirem suas

mentes e a fazê-las a continuar crescendo com dizia Einstein5, enquanto outros

fazem apenas para cumprir suas “metas”, seu cronograma dado e receber seu

salário no fim de cada mês. Esse segundo grupo não tem paixão e prazer de

compartilhar com o outro o seu Saber e assim acabam sendo eternos “robôs”

da educação, professores medíocres e que não acrescentam nada à vida do

aluno e não sabem, ou se quer se importam em reconhecer os problemas que

frequentemente assolam seus alunos, sendo o mais freqüente deles a

dificuldade de aprendizagem, bem como também a dificuldade de também lidar

com alunos com necessidades educacionais especiais.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O projeto político-pedagógico vai além de um simples

agrupamento de planos de ensino e de atividade diversas. O projeto não é algo

que é construído e logo esquecido ou encaminhado para o cumprimento de

tarefas burocráticas, muito mesmo “algo para se ficar olhando”, pois, o mesmo

5
Um dos maiores físicos do Século 20 uma vez disse: “Uma mente que se abre a uma nova idéia nunca
volta ao tamanho original”. (Albert Einstein)

14 14
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

é construído, e vivenciado em todos os momentos, por todos os envolvidos

com o processo educativo da escola.

Assim, há a necessidade de se perceber o projeto pedagógico da

escola como um documento que deve estar em sintonia com as necessidades

da comunidade onde a mesma está inserida. De nada adianta ter um projeto

pedagógico que já vem traçado pela Secretaria de Educação, seja ela

Municipal ou Estadual. O projeto pedagógico deve ser construído na escola e

para aquela escola, com a participação de todos os envolvidos no processo

educacional: equipe gestora, professores, funcionários, pais e alunos. Logo,

para que a construção do projeto político pedagógico seja possível não é

necessário convencer os professores, a equipe escolar e os funcionários a

trabalhar mais, ou mobilizá-los de forma espontânea, mas propiciar situações

que lhes permitam aprender a pensar e a realizar o fazer pedagógico de forma

coerente.

E, o professor deve ser liberal, mas sem permitir tudo, não deve

fazer da escola a “Casa da mãe Joana”, mas sim um local de oportunizar

momentos onde possa transformar a rotina de seus alunos com métodos pouco

convencionais. Um professor bem humorado e com posturas construtivistas e

inovadoras que procura propiciar o aprendizado de forma mais eficaz e

eficiente, é aquele que ministra suas aulas com satisfação, havendo uma troca

constante de conhecimentos em sala de aula, assim, ele está colaborando para

que seus alunos abram suas mentes, tenham prazer e vontade de aprender,

como já foi dito páginas acima. Assim, podemos ver que a afirmação de

Fátima (s/d) é valida quando a mesma diz que “o sucesso escolar só é

15 15
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

alcançado com uma educação de qualidade e o envolvimento de todos da

equipe para que isso possa ocorrer”. Para finalizar, sabemos que o projeto

pedagógico é o documento que norteia a educação dentro de uma unidade

escolar. Mas, só há educação de qualidade quando o projeto pedagógico está

enraizado e articulado com a realidade concreta dos educandos. Assim,

acredita-se que o sucesso escolar aconteça e, com isso, eleve a auto-estima

de todos. O sucesso escolar pode se apresentar nos resultados das avaliações

internas e externas, ao comparar o desempenho dos alunos da escola com

alunos de outras escolas.

RFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da


Educação Brasileira: Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília. 30p.

EDLER, Carvalho Rosita. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”.


Porto Alegre: Mediação, 2004.

MANTOAN, Maria Tereza Egler(Org.). Pensado e fazendo educação de


qualidade. São Paulo. Moderna, 2001.

MENEZES, Luis Carlos de. Para que serve a escola? In: Pátio Revista
Pedagógica, ano X, nº 39, Editora Artmed, 2006.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Coordenação do Trabalho Pedagógico: do


projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo:
Libertad, 2002.

VEIGA, Ilma Passos A. Projeto político-pedagógico da escola: uma


construção coletiva. In: VEIGA, Ilma Passos A. (Org.). Projeto político-
pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus,

16 16
O projeto Político Pedagógico e sua Importância.

1995.

VEIGA, I. P. A. Inovações e projeto político-pedagógico: uma relação


regulatória ou emancipatória? Caderno CEDES, vol. 23 n 61, Campinas,
Dec.2003.

OUTRAS FONTES:

BRASIL. Ministério da Educação. Disponível em:


http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/3550/projeto-politico-
pedagogico-a-identidade-da-escola.

Acesso em 18/11/2010.

17 17