Вы находитесь на странице: 1из 9

Aula 7

Os caminhos da Educação Infantil no Brasil


2
Sumário
Aula 7 - Os caminhos da Educação Infantil no Brasil
Considerações iniciais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
7 Os caminhos da Educação Infantil no Brasil����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
7.1 História da Educação Infantil no Brasil����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
7.2 A expansão da oferta da Educação Infantil no país���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Considerações finais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Referências�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8

Fundamentos da Educação Infantil


3
Objetivos

Ao final desta aula você será capaz de:

■■ Compreender a trajetória histórica da Educação Infantil no Brasil.


■■ Compreender o papel da Educação Infantil no atual contexto da educação brasileira.

Considerações iniciais

Seja bem-vindo à sétima aula da disciplina Fundamentos da Educação Infantil. Neste momento de nossos
estudos, iremos identificar e refletir acerca de algumas experiências que caracterizam a trajetória brasileira
da educação destinada a crianças pequenas.

Veremos que embora há mais de um século ocorram em nosso país iniciativas relativas a essa modalidade
de ensino, somente nas últimas décadas a Educação Infantil foi reconhecida como direito da criança e de
sua família e como um dever do Estado.

Reflexão

Fundamentos da Educação Infantil


Os gráficos apresentados a seguir demonstram a evolução ocorrida no atendimento
às crianças de creche (0 a 3 anos) e de pré-escola (4 e 5 anos) em nosso país. O que
esses dados, que possuem como fonte o IBGE/Pnad, revelam? Levante hipóteses
sobre as possíveis implicações desses dados. Anote suas reflexões iniciais sobre o
tema. Ao final desta aula, não se esqueça de retomar e reavaliar as suas anotações
iniciais.

Gráfico 1
Fonte: IBGE/Pnad – Elaboração: Todos pela Educação.
4

Gráfico 2
Fonte: IBGE/Pnad – Elaboração: Todos pela Educação.

7 Os caminhos da Educação Infantil no Brasil

A história brasileira da Educação Infantil apresenta características próprias, decorrentes das condições

Fundamentos da Educação Infantil


sociais, culturais, econômicas e políticas do país. Assim, até o século XIX, mães precisavam conciliar o
trabalho com o cuidado dos filhos, pois não existiam instituições para atendimento de crianças pequenas,
a não ser algumas iniciativas isoladas de proteção e amparo à infância que se voltavam ao combate de
problemas como abandono e mortalidade infantil.

No período que antecede a Proclamação da República, assim como ocorria em países europeus, bebês
abandonados por suas mães eram recolhidos nas rodas de expostos existentes em algumas cidades para
serem cuidados em asilos. No Brasil, a primeira roda surgiu em 1730 no Rio de Janeiro.

Guarde essa ideia

A roda dos expostos tinha como objetivo receber crianças enjeitadas pelos
pais. Era um cilindro oco de madeira que girava em torno do seu próprio eixo,
apresentando em uma das faces uma abertura que ficava voltada para a rua.
Colocava-se o bebê no interior desse cilindro que era girado, passando, então, sua
abertura para o interior de uma casa, onde a criança era recolhida e cuidada. Para
visualizar imagens e saber mais sobre este assunto, acesse o link disponibilizado
a seguir: <http://www.santacasasp.org.br/portal/site/quemsomos/museu/
arodadosexpostos>. Acesso em: 15/dez/2014.

Historicamente, experiências de Educação Infantil surgem no Brasil atreladas à classe social das crianças.
As creches, constituídas como espaços assistencialistas, surgem como um direito da mãe trabalhadora
e não da criança, em um ambiente focado na guarda e em aspectos como higiene, alimentação e saúde
infantil. Já as crianças de famílias abastadas são atendidas por instituições privadas como os jardins de
infância, participando de atividades educativas que estimulam e promovem o desenvolvimento cognitivo
e afetivo.
5

A Constituição Federal de 1891 não faz sequer referência à existência da infância. O documento seria
revisto em 1937, mas considera o atendimento de crianças como uma ação baseada nas noções de
amparo e cuidado. Em 1946, a Constituição irá manter a ideia de assistência para se referir ao atendimento
direcionado às crianças. Assim, somente a partir da Constituição de 1988 o governo federal passa a
considerar como dever do Estado e direito da criança o acesso a instituições de Educação Infantil. Por isso,
esse documento é considerado o marco para que ocorressem investimentos públicos e transformações
importantes em relação ao atendimento da criança pequena.

Cicatrizes históricas ainda podem ser percebidas em relação às creches. Apesar de, atualmente, a instituição
ser compreendida como a etapa da Educação Infantil que atende crianças com idade entre 0 a 3 anos,
independentemente de sua classe social, ainda é visível em nossa sociedade o preconceito existente em
relação ao termo, ligado muitas vezes à assistência social e não à educação.

Conectando Saberes

Leia a reportagem da Revista Nova Escola, intitulada “Educação Infantil no


Brasil: cem anos de espera”, que mostra como, nessa modalidade de ensino, o
assistencialismo perdurou por quase um século, perdendo força apenas com a
publicação da Constituição Federal de 1988. O texto sugerido está disponível em:

Fundamentos da Educação Infantil


<http://revistaescola.abril.com.br/formacao/educacao-infantil-brasil-cem-anos-
espera-540838.shtml?page=0>. Acesso em: 15/dez/2014.

7.1 História da Educação Infantil no Brasil

Registros da impressa do Rio de Janeiro, do ano de 1879, mencionam as creches da Europa e a necessidade
de que instituições semelhantes surjam no Brasil, ofertando assistência aos filhos das ex-escravas, das
domésticas e das operárias. De fato, de início, as creches ou asilos serão reconhecidos no Brasil como
instituições de assistência a crianças pobres. Já os jardins de infância surgem como instituições privadas
e com discurso de atendimento pedagógico, atraindo a atenção de famílias abastadas. Em 1875, por
exemplo, um jardim de infância particular foi instalado no Rio de Janeiro por iniciativa do médico Menezes
Vieira, com programação baseada nas ideias pedagógicas do alemão Froebel4.

Kuhlmann Júnior (2001) relata que dois fatos ocorridos em 1899 são marcos importantes para a história da
Educação Infantil brasileira. Nesse ano, é inaugurada uma primeira creche ao lado da Fábrica de Tecidos
Corcovado, no Rio de Janeiro. Durante as duas primeiras décadas do século XX, outras instituições também
seriam inauguradas junto às indústrias para assistência aos filhos de mães operárias.

Naquele mesmo ano de 1899, surge o Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Rio de Janeiro (IPAI-
RJ), que deu início a uma rede assistencial com filiais por muitos lugares do Brasil, influenciando outras
iniciativas. A entidade, fundada pelo médico Moncorvo Filho, desenvolvia programas importantes para a
época ligados à creche, como apoio à mulher grávida, orientações sobre o aleitamento materno, higiene
da criança e vacinação.
Segundo Kuhlmann Júnior (2003), congressos americanos sobre a criança passam a ocorrer a partir de
4 O alemão Friedrich Froebel (1782-1852), reconhecido na história da pedagogia como o idealizador dos jardins de infância, foi tema da quarta aula desta
disciplina.
6
1916, com o objetivo de promover o intercâmbio de experiências e conhecimentos, bem como formular
recomendações de promoção do bem-estar da infância das Américas. O I Congresso acontece em Buenos
Aires. A segunda edição do Congresso ocorre em 1919, em Montevidéu; e a terceira no Brasil, na cidade
do Rio de Janeiro, em 1922. Esses eventos reuniam representantes de diversos setores da sociedade para
discussões com influências médico-higienistas, jurídicas e também religiosas.

Os centros urbanos cresciam e se industrializavam, mas ainda não dispunham de infraestrutura como
saneamento básico, o que aumentava o perigo de epidemias. Nesse sentido, a existência de creches seria
um dos paliativos defendidos por médicos. Desde o final do século XIX, a influência médico-higienista
pode ser observada sobre as questões educacionais. Em 1919, o governo instituiu o Departamento da
Criança, que também defendia a ideia de se fazer uma assistência científica à infância. Nesse período,
vários avanços acerca de conhecimentos sobre micro-organismos e doenças contribuíram para o combate
à mortalidade infantil. A pasteurização do leite de vaca, por exemplo, permitiu que o uso da mamadeira
fosse difundido. Vários médicos se tornaram donos de escolas ou as visitavam periodicamente como
laboratórios. A pediatria e a puericultura5, disciplinas recentes contribuíram para a divulgação de modos
de cuidado da infância.

As influências de caráter judicial se voltavam para a questão da infância abandonada, observando aspectos
trabalhistas e também criminais da sociedade, que de modo preconceituoso considerava a pobreza como
ameaça à tranquilidade da elite. A influência da Igreja Católica pode ser identificada na implementação de
políticas assistenciais e na intervenção sistemática realizada para a manutenção da ordem social.

Fundamentos da Educação Infantil


Nesse período, os investimentos do governo para a área de educação eram destinados para o ensino
primário, que ainda atendia apenas uma parte da população em idade escolar. Paralelamente, ocorriam
no país muitos debates acerca de questões educacionais. Entre outros pontos, discutia-se a educação pré-
escolar como a base do sistema educativo. Alguns educadores brasileiros, como Mário de Andrade, em São
Paulo, se destacaram por seu posicionamento e apresentação de propostas pioneiras.

Saiba mais

Mário de Andrade (1893-1945) foi um escritor brasileiro, participante da Semana de


Arte Moderna de 1922. Escreveu romances, contos, poemas e ensaios, sendo que
Macunaíma, o herói sem nenhum caráter é considerado uma obra revolucionária,
fruto de pesquisa das lendas e mitos indígenas e folclóricos do país.

Em 1935, esse escritor foi nomeado o primeiro diretor do Departamento de


Cultura do município de São Paulo. Nessa ocasião, Mário Andrade criou os parques
infantis nessa cidade. Nesses parques infantis, o escritor promovia concursos de
desenhos e incentivava as atividades artísticas entre as crianças. 6

Durante as décadas de 1940 e 1950, o trabalho desenvolvido em instituições de Educação Infantil


manteve caráter assistencial, voltado para alimentar, cuidar da higiene e da segurança física das crianças.

5 Segundo Kuhlmann Júnior (2001), a puericultura era considerada a ciência da família, pesquisando os conhecimentos relativos à reprodução, ao pré-natal e
ao desenvolvimento infantil.
6 Disponível em <http://revistaescola.abril.com.br/formacao/educacao-infantil-brasil-cem-anos-espera-540838.shtml?page=0>. Acesso em: 15/dez/2014.
7
Sendo assim, a educação e o desenvolvimento intelectual em creches e pré-escolas continuaram pouco
valorizados.

A Lei n 4.024 de 20 de dezembro de 1961 apresentou uma reforma para a educação brasileira. Em seu
texto, a criança de 0 a 6 anos de idade conquista o direito de receber educação em escolas maternais e
jardins de infância. Contudo, apenas soluções paliativas aconteceram e um longo caminho ainda estava
por ser percorrido. No período dos governos militares (1964-1985), as políticas adotadas em nível federal
acentuaram a ideia de creche e pré-escola como instituições de assistência à criança carente. A política
de ajuda governamental às entidades filantrópicas ou assistenciais continuou a prevalecer, incentivando
iniciativas comunitárias, desenvolvidas por leigos e voluntários.

Algumas entidades de atendimento à criança passaram a esboçar uma associação entre o educar e o
cuidar, atentando-se para aspectos curriculares, como o papel da brincadeira e a organização do tempo e
do espaço escolares. Assim, aos poucos, a ideia de compensar carências ampliou-se para a de suprir faltas
culturais como garantia de diminuição do fracasso escolar no ensino primário.

7.2 A expansão da oferta da Educação Infantil no país

No Brasil, a expansão da Educação Infan­til ocorre a partir de legislações que tornam oficiais as exigências
antigas de movimentos sociais relacionados às crianças, às mulheres e aos trabalhadores em geral.

Fundamentos da Educação Infantil


A Constituição Fede­ral de 1988 reconhece o dever do Estado e o direito da criança de ser atendida em
creches e pré-escolas e vincula esse atendimento à área educacional. Nota-se, na referida Constituição, a
inclusão da creche no capítulo da Educação, sendo ressaltado seu caráter educativo, em detrimento do
caráter assistencialista até então característico da instituição.

Em seguida, o Estatuto da Criança e do Adolescente, com base na Lei n 8.069 de julho de 1990, repetiu
em seu Artigo 54 que o Estado tem o dever de oferecer às crianças de 0 a 6 anos de idade o atendimento
em creches e pré-escolas. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9.394/96) regulamenta a
Educação Infantil, definindo-a como primeira etapa da Educação Básica brasileira e indicando como sua
finalidade o bem-estar e o desenvolvimento integral da criança de 0 a 6 anos de idade, complementando a
ação da família e da comunidade. Ainda no que se refere à legislação, são instituídas as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação Infantil, com indicação de aspectos a serem observados na elaboração das
propostas pedagógicas.

Importante

De acordo com a Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, o Ensino Fundamental


passa de 8 para 9 anos de duração. A partir de então, as crianças de 6 anos de
idade, obrigatoriamente, são inseridas no Ensino Fundamental. A Educação
Infantil continua ofertando atendimento a crianças de 0 a 3 anos em creches, e de
4 e 5 anos em pré-escolas.

Desde então, outros documentos foram publicados pelo MEC com o objetivo de subsidiar as práticas de
escolas de Educação Infantil. Entre tais documentos, todos disponíveis no site do MEC (www.mec.gov.
8
br), estão, por exemplo, os Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil, os Indicadores
da Qualidade na Educação Infantil, e os Parâmetros Básicos de Infraestrutura para Instituições de Educação
Infantil.

Importante

Caro estudante, nas próximas aulas faremos estudos específicos sobre legislações
brasileiras e outros documentos relevantes para a organização e o funcionamento
da Educação Infantil no país.

É necessário também reconhecer a ação de agências internacionais que buscam impor um padrão de
atendimento à infância em países pobres ou em desenvolvimento. Entre as agências internacionais, a mais
forte influência vem do Fundo das Nações Unidas para a Infância, conhecido como UNICEF, da Organização
das Nações Unidas, a ONU.

Nas décadas de 1980 e 1990, a discussão acerca da função da creche e da pré-escola é intensificada, buscando
romper com concepções da Educação Infantil como meramente assistencialista e/ou compensatória. Com
a expansão da oferta de Educação Infantil no país, a discussão sobre a qualidade do trabalho oferecido nas

Fundamentos da Educação Infantil


instituições também começa a adquirir destaque. Assim, um dos resultados desse processo que se afasta
da assistência e se aproxima da escolarização será a exigência de formação profissional dos que atuam
nessa modalidade de ensino.

Considerações finais

Caro estudante, nesta aula foi possível conhecer aspectos importantes da história da Educação Infantil em
nosso país. Inicialmente, o atendimento ofertado intencionava basicamente proteger e assistir crianças
pobres. Ao longo do tempo ocorreram mudanças de concepções, e a Educação Infantil se tornou a primeira
etapa da Educação Básica. Houve, então, um movimento de expansão do número de instituições e de
busca por melhorias na formação dos educadores e nas práticas adotadas nessa modalidade de ensino.

Ao abordar a trajetória histórica da Educação Infantil no Brasil, é necessário observar que essa educação,
como direito da criança, ainda é uma conquista recente. Assim, apesar dos avanços, ainda são muitos os
desafios da área, que busca ressignificar crenças e valores relativos à infância, modificando a função da
Educação Infantil de assistencial para pedagógica.

Espero que, com as reflexões desta aula, você tenha conquistado noções importantes sobre o caminho
trilhado pela Educação Infantil em nosso país. Espero também que essas informações auxiliem você a
compreender melhor a atual configuração da Educação Infantil brasileira, tema de nosso próximo estudo.

Referências

FREITAS, Marcos Cezar de. História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2006.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Educando a infância brasileira. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA
9
FILHO, Luciano Mendes (orgs). 500 anos de Educação no Brasil. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre:
Mediação, 2001.

Fundamentos da Educação Infantil