Вы находитесь на странице: 1из 9

Aula 11

Educação Infantil: legislação


educacional brasileira
2
Sumário

Aula 11 - Educação Infantil: legislação educacional brasileira


Considerações iniciais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
9 Educação Infantil: legislação educacional brasileira�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
9.1 A Constituição Federal de 1988�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
9.2 O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
9.3 A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9394/96 (LDB)���������������������������������������������������������������������������������������5
9.4 O Plano Nacional de Educação (PNE)������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Considerações finais�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Referências�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9

Fundamentos da Educação Infantil


3
Objetivos

Ao final desta aula você será capaz de:

■■ Reconhecer legislações educacionais brasileiras destinadas à Educação Infantil;


■■ Identificar avanços relativos à Educação Infantil, expressos em legislações educacionais brasilei-
ras;
■■ Refletir acerca das metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação para creches e pré-esco-
las.

Considerações iniciais

Caro aluno, em aulas anteriores foi possível compreender que, do ponto de vista legal, nosso país percorreu
longo caminho até que a criança fosse reconhecida como sujeito de direitos. Neste momento, vamos
verificar que após anos de debates e mobilizações a Constituição Federal Brasileira, de 1988, abriu caminho
para transformações importantes. Para se efetivar, os preceitos da Constituição se desdobraram em leis.
No caso da infância, veremos que a lei mais importante é o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em
vigor desde 1990. Por sua vez, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), de 1996, surgiu para
definir as linhas mestras e a organização da educação brasileira, inclusive da Educação Infantil. Por fim,

Fundamentos da Educação Infantil


vamos verificar a função e as contribuições, para o contexto infantil, do Plano Nacional de Educação (PNE),
documento com primeira versão publicada em 2001 e segunda em 2014.

9 Educação Infantil: legislação educacional brasileira

Nas últimas décadas, houve a redefinição de rumos e a expansão da Educação Infantil em nosso país.7 De
fato, cada vez mais, essa modalidade de ensino tem sido tratada como assunto prioritário pelo governo
federal. Uma prova disso é o fato de a atual legislação educacional brasileira demonstrar compromisso
com a população infantil, reconhecendo o acesso a creches e pré-escolas como um direito da criança
e de sua família, e como um dever do Estado. Além disso, os objetivos da Educação Infantil também se
alteraram. Assim, se antes as instituições tinham como principal função guardar as crianças pequenas,
atualmente há uma valorização da perspectiva pedagógica.

Entretanto, é preciso reconhecer que, apesar das várias conquistas relacionadas à Educação Infantil, ainda
há que se buscar um constante aprimoramento dos profissionais e de suas práticas, para que a visão
assistencialista que ainda permeia as instituições públicas seja superada. Somente assim o país poderá
alcançar o cumprimento satisfatório da legislação, consolidando a oferta de ensino de qualidade para
todos.

A seguir, serão feitas algumas considerações sobre os avanços significativos que começam a se configurar
no cenário educacional brasileiro a partir da publicação da Constituição Federal de 1988. Lembre-se de
que o foco de nossas análises é a Educação Infantil. Ressalto que as ideias apresentadas nesta aula são
apenas sínteses e que o contato com os materiais citados, na íntegra, é recomendável.

7 Na aula 7 da disciplina Fundamentos da Educação Infantil, tratamos da história da Educação Infantil no Brasil e de sua expansão, ocorrida nas últimas décadas.
4
9.1 A Constituição Federal de 1988

Saiba mais

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é a lei fundamental e


suprema do país, que norteia os princípios que devem ser seguidos por todas as
outras legislações. Você sabia que essa é a sétima Constituição brasileira desde a
nossa independência? Para consultar o documento, acesse o link a seguir:
<http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/CON1988_05.10.1988/>.
Acesso em: 20/dez/2014.

Em resposta aos movimentos sociais que lutavam em defesa dos direitos das crianças, a Constituição Federal
Brasileira de 1988 representa um marco para que transformações fundamentais ocorressem na Educação
Infantil. Em seu artigo 208, o documento estabelece que:

Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de:
[...]
IV -  atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a seis anos de idade8 (BRASIL, 1988).

Fundamentos da Educação Infantil


Por meio da Constituição de 1988, a legislação do país apresenta pela primeira vez essa modalidade da
educação como um direito da criança e um dever do Estado. A publicação institui ainda que a Educação
Infantil deve ser oferecida pelo poder público municipal e lança uma nova visão acerca do atendimento
de crianças pequenas, opondo-se à ideia de favor prestado às classes menos favorecidas, presente
nas Constituições anteriores. Desse modo, favoreceu o rompimento de paradigmas que, até então,
fundamentavam o trabalho nas instituições infantis, de modo que creches e pré-escolas passassem a
integrar os sistemas educacionais e não mais as áreas de saúde ou assistência social.

Vale ressaltar que, apesar dos grandes avanços alcançados pela Educação Infantil no Brasil, a partir da
publicação da Constituição Federal de 1988, ainda não conseguimos atingir patamares satisfatórios no
atendimento oferecido às crianças.

9.2 O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

A Lei n 8.069 de 13 de julho de 1990, conhecida como Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), passou a
vigorar dois anos após a promulgação da atual Constituição. O ECA aborda o tratamento social e legal que
deve ser oferecido às crianças e adolescentes de nosso país, tendo em vista um novo contexto que valoriza
a proteção, a cidadania e a qualidade da infância.

Assim, para a Educação Infantil, o ECA representa mais uma possibilidade de olhar diferenciado para a
criança, considerada como sujeito em pleno desenvolvimento físico, cognitivo e emocional, e com direito
ao atendimento em creche (0 a 3 anos) e pré-escola (4 a 6 anos):

Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua
pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho,

8 A Lei n 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, amplia o Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula de crianças de seis anos de idade. Desde
então, a Educação Infantil passou a atender crianças de 0 a 5 anos de idade.
5
[...]
Art. 54. É dever do Estado assegurar à criança [...] :
IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a seis anos de idade9 (BRASIL, 1990).

Além dos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, o documento discute outras questões
importantes, como as sanções que poderão ser aplicadas, em caso de ato infracional cometido; os órgãos
que devem se responsabilizar pela assistência prestada aos menores; os crimes cometidos contra a infância,
entre outras.

Saiba mais

Quando se trata da infância brasileira e de seus direitos, o ECA pode ser


considerado a lei mais relevante do país. Para conhecer o documento na íntegra,
acesse: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 20/
dez/2014.

9.3 A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9394/96 (LDB)

Fundamentos da Educação Infantil


Com base na Constituição Federal de 1988, foi elaborada uma nova lei para reger a educação brasileira: a
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei n 9394/96 (LDB). A partir da LDB, a Educação Infantil foi
inserida no sistema educacional como a primeira etapa da Educação Básica, oferecida em creches para a
criança de até 3 anos de idade e em pré-escolas para crianças de 4 a 6 anos:

Art. 21. A educação escolar compõe-se de:


I – educação básica, formada pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio;
II – Educação Superior.
[...]
Art. 29. A Educação Infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvi-
mento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e
social, complementando a ação da família e da comunidade.
Art. 30. A Educação Infantil será oferecida em:
I – creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade;
II – pré-escolas, para as crianças de quatro a seis anos de idade10 (BRASIL, 1996).

Para atender às novas perspectivas da Educação Infantil, tornou-se essencial ultrapassar a concepção
assistencialista que ainda predominava na educação de crianças, modificar a postura de educadores e as
responsabilidades da sociedade perante a infância.

9 Lei n 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, amplia o Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula de crianças de seis anos de idade. Desde
então, a Educação Infantil passou a atender crianças de 0 a 5 anos de idade

10 Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, altera a LDB e amplia o Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula de crianças de seis anos de
idade. Desde então, a Educação Infantil passou a atender crianças de 0 a 5 anos de idade.
6

Saiba mais

Acesse e conheça a LDB, lei que estabelece as diretrizes e bases para a educação
em nosso país. O documento está disponível para consulta em: <http://portal.
mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf>. Acesso em: 20/dez/2014.

Importante

Lembre-se de que a lei nº 11.274/2006 altera a redação de artigos da LDB,


ampliando a duração do Ensino Fundamental de 8 pra 9 anos. Desde então, a
Educação Infantil passou a atender crianças de 0 a 3 anos em creches e de 4 e 5
anos na pré-escola. A inclusão das crianças de 6 anos no Ensino Fundamental leva
em conta as especificidades da faixa etária e a necessária articulação entre as duas
primeiras etapas da Educação Básica.

Fundamentos da Educação Infantil


9.4 O Plano Nacional de Educação (PNE)

Com base no disposto na Constituição Federal, a lei n 10.172, de 9 de janeiro de 2001, instituiu o Plano
Nacional de Educação (PNE) no país. Assim como o próprio nome indica, o PNE é um conjunto de diretrizes
e metas que pretendem nortear as políticas públicas e as ações educacionais do Brasil em relação à gestão
e ao financiamento da educação, às modalidades e aos níveis de ensino, à formação e valorização do
magistério. Com vigência de dez anos, a intenção é que a cada década, o documento seja avaliado, revisto
e novamente proposto para uma nova década.

Após muitas divergências, debates e um atraso de três anos em relação ao previsto inicialmente, em junho
de 2014, um novo plano foi proposto e servirá de base para a educação brasileira pelos próximos 10 anos.
Com a aprovação do PNE 2014-2024, os estados e municípios passaram a elaborar seus Planos Decenais
Municipais de Educação (PDME), que deverão ser aprovados pelas comissões e câmaras municipais até
junho de 2015. A intenção é que os planos dos municípios e estados estejam alinhados ao estabelecido
no PNE. Tendo em vista que planejar é uma tarefa complexa e desafiadora, o Ministério da Educação
(MEC) oferta assistência técnica às Secretarias Municipais de Educação, para que gestores, educadores,
estudantes, pais e a sociedade em geral se mobilizem para a tarefa de elaboração dos planos.

O PNE é composto por metas estruturantes. Em relação à Educação Infantil, destaca-se a meta 1:

Meta 1 - universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a
5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches, de forma a atender, no
mínimo, 50% (cinquenta por cento) das crianças de até 3 (três) anos até o final da vigência deste
PNE (BRASIL, 2014).

Segundo dados do IBGE/Pnad11, em 2014 eram atendidas na educação infantil 82% das crianças de 4 e 5
anos; assim, considera-se que a meta de universalização da pré-escola para todas as crianças brasileiras,
11 Os dados de atendimento de crianças em creches e pré-escolas estão disponíveis em: <http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/1-educacao-in-
fantil>. Acesso em: 20 dez.2014.
7
até 2016, é possível para o país. Mas é preciso ressaltar que os 18% restantes significam quase 1 milhão de
crianças ainda não atendidas e que as desigualdades regionais são marcantes. Além disso, o foco não pode
se restringir ao atendimento, sem um olhar especial para a qualidade do ensino. Já para a etapa de 0 a 3
anos, temos dados preocupantes, pois o PNE 2001-2010 já estabelecia o atendimento de 50% da demanda
existente até 2005. A meta não foi cumprida e agora foi adiada para o final da vigência do plano atual.

As metas estabelecidas no PNE desdobram-se em estratégias que definem as ações a serem implementadas
na educação infantil. A seguir, estão as estratégias relacionadas à meta 1:

1.1 definir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
metas de expansão das respectivas redes públicas de educação infantil segundo padrão nacional de
qualidade, considerando as peculiaridades locais;

1.2 garantir que, ao final da vigência deste PNE, seja inferior a 10% (dez por cento) a diferença entre as
taxas de frequência à educação infantil das crianças de até 3 (três) anos oriundas do quinto de renda
familiar per capita mais elevado e as do quinto de renda familiar per capita mais baixo;

1.3 realizar, periodicamente, em regime de colaboração, levantamento da demanda por creche para a
população de até 3 (três) anos, como forma de planejar a oferta e verificar o atendimento da demanda
manifesta;

Fundamentos da Educação Infantil


1.4 estabelecer, no primeiro ano de vigência do PNE, normas, procedimentos e prazos para definição
de mecanismos de consulta pública da demanda das famílias por creches;

1.5 manter e ampliar, em regime de colaboração e respeitadas as normas de acessibilidade, programa


nacional de construção e reestruturação de escolas, bem como de aquisição de equipamentos, visan-
do à expansão e à melhoria da rede física de escolas públicas de educação infantil;

1.6 implantar, até o segundo ano de vigência deste PNE, avaliação da educação infantil, a ser realizada
a cada 2 (dois) anos, com base em parâmetros nacionais de qualidade, a fim de aferir a infraestrutura
física, o quadro de pessoal, as condições de gestão, os recursos pedagógicos, a situação de acessibili-
dade, entre outros indicadores relevantes;

1.7 articular a oferta de matrículas gratuitas em creches certificadas como entidades beneficentes de
assistência social na área de educação com a expansão da oferta na rede escolar pública;

1.8 promover a formação inicial e continuada dos (as) profissionais da educação infantil, garantindo,
progressivamente, o atendimento por profissionais com formação superior;

1.9 estimular a articulação entre pós-graduação, núcleos de pesquisa e cursos de formação para pro-
fissionais da educação, de modo a garantir a elaboração de currículos e propostas pedagógicas que
incorporem os avanços de pesquisas ligadas ao processo de ensino-aprendizagem e às teorias educa-
cionais no atendimento da população de 0 (zero) a 5 (cinco) anos;

1.10 fomentar o atendimento das populações do campo e das comunidades indígenas e quilombolas
na educação infantil nas respectivas comunidades, por meio do redimensionamento da distribuição
territorial da oferta, limitando a nucleação de escolas e o deslocamento de crianças, de forma a aten-
der às especificidades dessas comunidades, garantido consulta prévia e informada;
8

1.11 priorizar o acesso à educação infantil e fomentar a oferta do atendimento educacional especia-
lizado complementar e suplementar aos (às) alunos (as) com deficiência, transtornos globais do de-
senvolvimento e altas habilidades ou superdotação, assegurando a educação bilíngue para crianças
surdas e a transversalidade da educação especial nessa etapa da educação básica;

1.12 implementar, em caráter complementar, programas de orientação e apoio às famílias, por meio da
articulação das áreas de educação, saúde e assistência social, com foco no desenvolvimento integral
das crianças de até 3 (três) anos de idade;

1.13 preservar as especificidades da educação infantil na organização das redes escolares, garantindo
o atendimento das crianças de 0 (zero) a 5 (cinco) anos em estabelecimentos que atendam a parâme-
tros nacionais de qualidade, e a articulação com a etapa escolar seguinte, visando ao ingresso do (a)
aluno(a) de 6 (seis) anos de idade no ensino fundamental;

1.14 fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do acesso e da permanência das crianças na


educação infantil, em especial dos beneficiários de programas de transferência de renda, em colabora-
ção com as famílias e com os órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à infância;

1.15 promover a busca ativa de crianças em idade correspondente à educação infantil, em parceria
com órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à infância, preservando o direito de opção

Fundamentos da Educação Infantil


da família em relação às crianças de até 3 (três) anos;

1.16 o Distrito Federal e os Municípios, com a colaboração da União e dos Estados, realizarão e publica-
rão, a cada ano, levantamento da demanda manifesta por educação infantil em creches e pré-escolas,
como forma de planejar e verificar o atendimento;

1.17 estimular o acesso à educação infantil em tempo integral, para todas as crianças de 0 (zero) a
5 (cinco) anos, conforme estabelecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil
(BRASIL, 2014).

As metas relacionadas à Educação Infantil envolvem primordialmente o esforço municipal; porém, só serão
atingidas com a contribuição das esferas estadual e federal. Isto porque financiamento, apoio técnico,
diretrizes gerais, formação de professores, entre outros, são fatores imprescindíveis para a Educação
Infantil, mas que não dependem exclusivamente dos municípios.

Saiba mais

A lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o novo PNE, bem como
seus anexos, está disponível para consulta em: <http://www.planalto.gov.br/
CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em: 20/dez/2014.
9
Considerações finais

Caro aluno, neste estudo você adquiriu conhecimentos fundamentais sobre algumas legislações brasileiras
em vigor, sendo possível verificar como cada uma delas ofereceu contribuições para a organização da
Educação Infantil no país. Nossa análise evidenciou que desde a Constituição Federal de 1988, que instituiu
uma nova concepção de infância e da criança como sujeito de direitos, a educação da primeira infância
tem sido um dos assuntos prioritários de governo. Os outros documentos abordados nesta aula, o Estatuto
da Criança e do Adolescente, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e o Plano Nacional de Educação,
resultam da Constituição Federal de 1988, constituindo-se como referências no cenário educacional
brasileiro.

Dando continuidade aos nossos estudos, na próxima aula iremos analisar outro importante documento
para a Educação Infantil brasileira: o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, conhecido pela
sigla RCNEI. Espero por você!

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal: Centro
Gráfico, 1988. 292 p. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.

Fundamentos da Educação Infantil


htm>. Acesso em: 20/dez/2014.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/


ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 20/dez/2014.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.
gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 20/dez/2014.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_


Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em 20/dez/2014.

BRASILEIRO, Tania S. Azevedo; AMARAL, Nair F. Gurgel do; VELANGA, Carmen Tereza (orgs.) Reflexões e
sugestões práticas para atuação na Educação Infantil. Campinas: Alínea, 2008.