Вы находитесь на странице: 1из 11

Aula 2

Fundamentos da Educação Ocidental


2
Sumário
Aula 2 - Fundamentos da Educação Ocidental
Considerações iniciais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
2 Fundamentos da Educação Ocidental���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
2.1 Educação clássica: Grécia�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
2.2 Educação clássica: Roma������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Considerações finais�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 11
Referências�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 11

Fundamentos Históricos da Educação


3
Objetivo

Ao final desta aula você será capaz de:

■Reconhecer
■ as características essenciais da educação grega e romana.

Considerações iniciais

Prezado (a) estudante, vamos dar início à segunda parte de nossa viagem. Desta vez, vamos explorar
as características e os fatos históricos da educação grega e romana, pontuando as aproximações e as
continuidades entre esses dois povos. Veremos que os gregos, ao estabelecer uma nova concepção
de cultura e do lugar ocupado pelo indivíduo na sociedade, trouxeram contribuições decisivas para o
ensino e para as teorias educacionais. De outro lado, acompanharemos brevemente o desenrolar da
educação romana, inicialmente rural, militar e rude, até os requintes da formação enciclopédica, devido
à forte influência da cultura grega. Veremos que o império romano, com sua longa história de conquistas
territoriais, traz consigo o mérito de implantar e solidificar no mundo mediterrâneo a civilização helenística.
Seja bem-vindo aos fundamentos da cultura ocidental!

2 Fundamentos da Educação Ocidental

Fundamentos Históricos da Educação


Segundo Cambi (1999), as experiências educativas do povo grego constituíram, durante milênios, pontos
de referência dos debates e das elaborações em matéria educativa. São os gregos que fixam teorias e
modelos de educar e são responsáveis por maturar e decantar a tradição ocidental. É a experiência grega
que

cria uma linguagem para a pedagogia/educação e a provê de termos técnicos (a começar pela pai-
déia); funda instituições que deixarão a marca em toda a tradição educativa ocidental (como as
escolas de gramática e de retórica, que são o ‘incunábulo’ de alguns métodos da própria escola
moderna: por exemplo, o liceu); chega a constituir uma tradição de modelos, léxicos, instituições, e
ainda autores, textos, experiências, na qual ainda hoje os problemas educativos são colocados, para
um contínuo acerto de contas (CAMBI, 1999, p. 101).

Além disso, o pensamento educacional grego traz a noção de paideia, que universalizou o processo de
formação, ou seja, os programas educacionais precisam atender a todos os aspectos da vida do homem.
A noção vigente passa a ser aquela de que, para formar o homem, a educação deve formar o cidadão,
deixando de ser suficiente a simples e antiga educação baseada na ginástica, música e gramática. A
paidéia torna-se, com o tempo, o ideal educativo da Grécia clássica e passa a designar o resultado do
processo educativo que se prolonga por toda a vida, muito além da escola. Até os dias de hoje, seus ideais
são imitados em praticamente todo o mundo, como um perfeito entendimento da formação social do ser
humano.

Também devemos aos gregos a Pedagogia como teoria, pois coube aos gregos a reflexão sobre a ação
pedagógica, uma vez que a razão se opôs ao conhecimento meramente religioso e mítico predominante
até então.

Os gregos também delinearam a relação educativa, ao superar a relação autoritária e formalista, abstrata
e geralmente impessoal entre o docente e o discente por uma relação mais próxima, fazendo do mestre o
interlocutor fundamental de um processo de formação e um exemplo que induz à imitação.
4
São esses aspectos que evidenciam a experiência educacional grega como inspiradora dentro do Ocidente
romano, depois cristão e medieval, e por fim, também moderno.

2.1 Educação clássica: Grécia

Contextualização

Para entendermos a educação clássica grega, precisamos primeiramente nos


situar geograficamente. A Grécia da Antiguidade ocupava a região sudeste da
Europa e partes da chamada Ásia Menor. Tratava-se de uma península acidentada
e pedregosa, situada na região Sul da Península Balcânica e banhada pelos mares
Egeu, Jônico e Mediterrâneo. Nos tempos antigos, sua topografia montanhosa
e seu fracionamento geográfico natural representaram um sério obstáculo
às comunicações entre uma povoação e outra, o que acabou favorecendo a
formação de reinos isolados e independentes, que com o tempo constituem
as cidades-Estado, mantidas como unidades políticas autônomas. Esse fato, no
entanto, não impediu que ocorressem intercâmbios comerciais e culturais entre
os povos, o que acabou por construir uma profunda unidade espiritual, que deu
vida a uma civilização comum, já que as cidades partilhavam o mesmo idioma e
religião, além de similaridades nas instituições sociais e políticas. Pode-se resumir

Fundamentos Históricos da Educação


o apogeu e a decadência grega da seguinte forma:

(...) as cidades-Estado gregas eram independentes entre si, viviam em luta e


davam vigor – dentro da cidade – a uma intensa vida comunitária, organizada em
torno de valores e de fins comuns, embora separada por grupos e por funções, e
regulada por leis estabelecidas pela própria comunidade; externamente, porém,
alimentavam oposições radicais e alianças frágeis, que condenaram a Grécia a
sofrer a hegemonia primeiro dos persas, depois dos reis da Macedônia, que a
subjugaram, extinguindo sua autonomia e criatividade política (CAMBI, 1999, p.
78).

Em termos gerais, a vida na Grécia antiga era simples: os homens passavam o dia fora de casa, trabalhando
ou conversando com amigos sobre política e outros assuntos. As mulheres cuidavam da roupa e da
alimentação, organizavam o trabalho dos escravos e cuidavam das finanças da família.

Até o século VI a.C., há predominância, entre os gregos, da concepção mítica do mundo, ou seja, as ações
humanas são explicadas pelo sobrenatural, pelo destino e pela interferência divina. Os mitos gregos são
transmitidos oralmente, em canções e em relatos poéticos, recitados de cor em praça pública. Nesses
relatos míticos, o herói depende dos deuses e do destino, faltando-lhe, portanto, o livre arbítrio.

Esse pensamento mítico começa a mudar por volta do século VIII e princípio do VII a.C., por uma série
de fatores, entre os quais se destacam a obra do poeta grego Hesíodo, que enaltece a individualidade
do ser e, consequentemente, começa a transformar a visão que o homem tem de si próprio; o advento
da escrita, que possibilita maior abstração e confronto de ideias e estimula a crítica, além de propiciar
reformas na organização social e novas relações baseadas em um ideal igualitário, como a preparação
para a democracia nascente; a invenção da moeda, que se apresenta como um artifício racional, que
convenciona a noção abstrata de valor, facilitando o comércio e a troca. Essas transformações são, assim,
5
responsáveis por uma nova visão que o homem passa a ter do mundo e de si próprio e culminam com o
aparecimento da pólis (cidade-Estado), onde se encontra a ágora (praça pública), espaço onde ocorrem os
debates dos problemas de interesse comum. Pode-se afirmar, portanto, que

a pólis se constitui com a autonomia da palavra. Não mais a palavra mágica dos mitos, concedida
pelos deuses, e, portanto, comum a todos, mas a palavra humana do conflito, da argumentação. A
expressão da individualidade por meio do debate engendra a política, libertando o homem dos de-
sígnios divinos, para que ele próprio possa tecer seu destino na praça pública (ARANHA, 1996, p. 42).

Essas mudanças dão origem ao cidadão da pólis, figura inexistente no mundo coletivista da tribo e também
traz uma nova concepção de virtude, diferente do valor do guerreiro belo e bom, ético e aristocrático. A
virtude agora é política, voltada para o ideal democrático da igual repartição do poder. Com a democracia,
o ideal educativo passa a ser a formação do cidadão.

A sociedade grega, por privilegiar o desenvolvimento individual e o desenvolvimento dos aspectos da


personalidade, progrediu em direção à educação liberal. Assim, é válido ressaltar que é dos gregos a ideia
de que a educação é preparação para a vida e é também dos gregos que vem o primeiro esforço para
assegurar o desenvolvimento intelectual da personalidade. Em outras palavras, foram os gregos que
formularam o conceito do homem como um ser racional, e foram eles também que colocaram a razão
como instrumento a serviço do próprio homem.

Fundamentos Históricos da Educação


Essa nova concepção do lugar ocupado pelo indivíduo na sociedade repercute no ensino e nas teorias
educacionais. De fato, é na Grécia que são traçadas e executadas ideias sobre a prática pedagógica. De
modo geral, a educação grega centra-se na formação integral, corpo e espírito, ainda que a ênfase se
desloque ora para o preparo esportivo, ou para o debate intelectual, conforme a época ou lugar.

A educação grega pode ser dividida em antigo e novo período, tendo como ponto de divisão os meados
do século V a.C. . O período antigo abarca a Idade Homérica e o Período Histórico. O período clássico
abarca os séculos V e IV a.C., quando tem início o período helenístico.

A seguir, algumas características de cada período.

No Período Homérico, a educação visa ao enaltecimento da superioridade individual. Nesse período, há


o predomínio da tradição oral, concretizada nas duas epopeias atribuídas a Homero – a Ilíada e a Odisseia.
Aquiles e Ulisses, personagens das obras citadas, são os modelos idealizados nas obras. O primeiro
personifica o guerreiro; o outro personifica a honra, a oratória e a superioridade no cumprimento do dever.
É uma educação que visa à formação cortês do nobre, que permanece em casa até os sete anos, quando é
enviado aos palácios de outros nobres para que aprenda, como escudeiro, o ideal cavalheiresco.

No Período Histórico, marcado pelo início das Cidades-Estado e consequentemente pelo aparecimento da
escrita, da moeda, da lei e da pólis, desenvolvem-se as ideias educacionais, o novo pensamento filosófico
e a reformulação das práticas educativas.

O Período Clássico, que abarca os séculos V e IV a.C., é de grande desenvolvimento cultural e científico. É
nesse período que Esparta e Atenas dão vida a modelos políticos, sociais e culturais opostos entre si, mas
verdadeiramente exemplares. A primeira priorizou as virtudes guerreiras e a segunda, o desenvolvimento
do intelecto.
6
De fato, o ideal pedagógico em Esparta centrava-se na formação de cidadãos respeitosos aos deuses,
patriotas, bravos e fortes. Licurgo, legislador espartano, foi o responsável por organizar a educação nessa
cidade-Estado, fazendo do poder político-militar o centro de gravidade da convivência humana. Tratava-
se de uma educação militar, patrocinada pelo Estado, cuja finalidade era assegurar a superioridade sobre
as classes submetidas. A prática da ginástica, com disciplina rígida e controle austero, desenvolvia nos
espartanos o rigor físico e as habilidades guerreiras. Quanto à leitura e à escrita, pouca atenção recebiam
na formação do espartano. Ao contrário dos atenienses, os espartanos não eram educados para os
refinamentos intelectuais, nem apreciavam os debates e os discursos longos. Resume-se assim a educação
espartana:

(...) os jovens deviam exercitar-se para o desenvolvimento das ‘virtudes’ guerreiras e estavam proibi-
dos de se interessar por qualquer assunto que pudesse distraí-los dos exercícios militares. Enquanto
as classes superiores recebiam educação, as demais eram proibidas de qualquer exercício ginástico
e, por temor de alguma revolta por parte deles, até os obrigavam a beber para mostrar aos filhos o
quanto a embriaguez era abominável (SOUZA, 2006, p. 38).

Esparta entrou em conflito com Atenas, na chamada guerra do Peloponeso (451- 404 a.C.). Atenas
saiu enfraquecida e entrou em declínio, mas permaneceu fiel aos próprios costumes e aos próprios
ideais, superados por uma nova civilização, baseada no intercâmbio e na escrita, à qual os espartanos
permaneceram alheios.

Atenas, por volta do século V, tinha cerca de 300 mil habitantes e exercia um influxo sobre toda a Grécia. A

Fundamentos Históricos da Educação


necessidade de uma burocracia culta, que conhecesse a escrita, difundiu-a por todo o povo, e os cidadãos
livres adquiriram o hábito de dedicar-se à oratória, à filosofia, à literatura, desprezando e recusando o
trabalho manual e comercial. Dessa forma, firmou-se um ideal de formação mais culto e civil, ligado à
eloquência e à beleza. Em Atenas, a educação assumiu um papel-chave e complexo, tornando-se matéria
de debate, universalizando-se e superando os limites da pólis. No entanto, ainda que a educação passe
a adquirir um aspecto coletivo e o Estado demonstre interesse, este ainda não toma a educação para si,
deixando-a sob a iniciativa particular. De maneira geral, o processo educativo dos atenienses seguia a
seguinte trajetória:

[...] passam primeiro pelos pais, nutriz e pedagogo; em seguida, são encaminhados ao gramático
e, então, ao citarista e ao paidotriba (em grego, castigador de crianças). Indo ao campo de esportes
pela manhã ou à escola de música no período da tarde, certos aspectos da educação infantil vão
sendo desenvolvidos, mostrando serem, os gregos, apreciadores dos prazeres da poesia, da arte e
da filosofia, sem esquecer, contudo, de que continuavam homens de armas. Quando jovens, são en-
caminhados aos cuidados da cidade, para a aprendizagem das leis, isto é, dos direitos e dos deveres
do cidadão (SOUZA, 2006, p. 39).

Esse processo educativo ateniense é inspirado pela ideia harmônica de formação e pela cultura literária
e musical de valor espiritual, centrada no crescimento da personalidade e da humanidade do jovem. O
que se observa aqui é o nascimento da paideia, ou seja, o ideal de formação humana, nutrida de cultura e
de civilização, que atribui ao homem uma identidade cultural e histórica. Esse humanismo proposto pela
paideia ninguém o possui por natureza, ele é fruto da educação e é o desafio máximo que alimenta todos
os processos de formação.

Ainda que a noção de paideia já esteja presente nas fases mais remotas da cultura grega, é na época dos
sofistas e de Sócrates que ela se afirma e assinala a passagem da educação para a pedagogia. Em outros
termos, caminha-se:

[...] de uma dimensão pragmática da educação para uma dimensão teórica, que se delineia segundo
as características universais e necessárias da filosofia. Nasce a pedagogia como saber autônomo,
7
sistemático, rigoroso; nasce o pensamento da educação como episteme, e não como éthos e como
práxis apenas (CAMBI, 1999, p. 87).

Essa mudança de visão educacional irá impactar fortemente na cultura ocidental, uma vez que os
problemas da educação são reelaborados num nível mais alto e complexo, inserindo-se num processo de
universalidade racional.

A noção de paideia articula-se numa série de modelos pedagógicos, o que a confirma como o centro
teórico da elaboração pedagógica da Antiguidade. Entre os séculos V e IV, estamos diante da paideia dos
sofistas e dos filósofos Sócrates, Platão e Aristóteles, que enriquecem as diversas tendências, correntes
filosóficas e políticas.

Os sofistas eram um tipo de professor, que ensinavam as ciências e as artes, com a finalidade prática da
eloquência. Recebiam críticas por se autodenominarem sábios, por exigir remuneração por seus serviços
e por dar atenção excessiva ao aspecto formal na exposição das ideias, já que se preocupavam mais com a
arte da persuasão do que com a verdade da argumentação.

Sócrates (469-399 a.C) tem como ponto central de sua atuação como filósofo o fato de que ele não queria
propriamente ensinar as pessoas, mas sim ajudá-las a “parir” uma opinião própria, mais acertada, pois o
verdadeiro conhecimento tem de vir de dentro. Sócrates forçava as pessoas a usar a razão e fazia isso
usando o método dialético, ou de conversação, cujo objetivo era estimular a capacidade de pensar.

Fundamentos Históricos da Educação


Como contribuições de Sócrates para a educação pode-se elencar: o conhecimento tem um valor prático
ou moral, e é de natureza universal; obtém-se conhecimento por meio da conversação, que é o processo
objetivo, e o processo subjetivo é o de reflexão e organização da própria experiência; o objetivo da
educação é o desenvolvimento da capacidade de pensar, não apenas de ministrar conhecimento.

Platão e Aristóteles, por sua vez, em suas teorias, interpretaram o sentimento das classes dominantes,
oferecendo respostas para controlar as escolas e seus métodos e para retaliar as rebeliões do individualismo
indisciplinado que o comércio e a indústria introduziam.

Platão (427- 347 a.C.), em sua obra A República, propõe uma educação para a formação de cidadãos integrais,
e não uma educação para essa ou aquela profissão. O fim da educação, para Platão, era a formação de
guardiões do Estado, que soubessem ordenar e obedecer, de acordo com a justiça. Platão preocupava-se
em buscar o bem-estar social, a harmonia entre as classes, através do conhecimento. Para ele, cada classe
social deveria realizar sua função: aos filósofos caberia pensar, aos guerreiros lutar e aos trabalhadores
trabalhar. Assim se obteria a justiça, de acordo com a virtude de cada um.

Para Aristóteles (384-322 a.C.), a finalidade da educação era a felicidade ou o bem, que estaria no
funcionamento da parte mais elevada da natureza humana, a razão. Esse filósofo ensinava que a verdade
devia ser procurada nos fatos objetivos da natureza e na vida social, tanto quanto na alma do homem. Esse
filósofo fundou o Liceu, um centro de estudos e pesquisas que refletia o conteúdo do processo educativo
no nível superior, preparando o cidadão para a contemplação, a mais alta forma de atividade humana.

Observamos, assim, que com Sócrates, estamos diante de uma paideia “como problematização e como
pesquisa, que visa a um indivíduo em constante amadurecimento de si próprio, acolhendo em seu interior
a voz do mestre e fazendo-se mestre de si mesmo” (CAMBI, 1999, p. 88). Platão, por sua vez, trata de dois
tipos de paideia, uma mais ligada à formação da alma individual e outra mais política, ligada aos papéis
sociais dos indivíduos. Em Aristóteles, temos uma paideia no mesmo modelo de Platão, embora mais
8
realista e pragmática, uma vez que se liga a uma sociedade dividida em classes e que exalta a virtude do
ócio.

Conectando Saberes

Prezado(a) aluno(a), para ampliar seus conhecimentos e obter mais informações


sobre os principais filósofos gregos, acesse o endereço eletrônico: <http://
educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/grandes-pensadores-306046.
shtml> . Acesso em: 02/jan/2015.

Nesse endereço, você terá acesso à biografia e ao pensamento de educadores


que fizeram história, da Grécia Antiga aos dias de hoje.

Contextualização

Helenismo: refere-se à influência que a cultura grega (helênica, de Hellas, ou


Grécia) passou a ter no Oriente Próximo (Mediterrâneo oriental: Síria, Egito,
Palestina, chegando até a Pérsia e a Mesopotâmia), após a morte de Alexandre

Fundamentos Históricos da Educação


(323 a.C.) e em consequência de suas conquistas. Como um dos períodos em que
se divide tradicionalmente a história da filosofia, o helenismo vai da morte de
Aristóteles (322 a.C.) ao fechamento das escolas pagãs de filosofia no Império
do Oriente pelo imperador Justiniano (525 d.C.). O principal centro de cultura do
helenismo foi Alexandria, no Egito.

Alexandre era filho de Felipe da Macedônia e estudou em Atenas, tendo como


preceptor o filósofo grego Aristóteles. A organização política do seu império era
inspirada em elementos da civilização grega.

JAPIASSÚ, Hilton. Dicionário Básico de Filosofia. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar,


2001.

No final do século IV a.C, as Cidades-Estado gregas entram em decadência, começando a perder sua
autonomia. A cultura helênica, fundindo-se às civilizações que a dominaram, forma o helenismo e se
universaliza. Pode-se afirmar que Alexandre Magno fez a conquista preliminar e o ensino da arte nas
instituições torna a conquista permanente. Nesse período, a antiga paideia torna-se enciclopédia, ou seja,
educação geral, que reduz ainda mais o aspecto físico e estético, e passa a centrar-se na formação do homem
culto. Há a difusão do conteúdo abrangente das disciplinas humanistas – gramática, retórica e dialética
– e das disciplinas científicas – aritmética, música, geometria e astronomia – além do aperfeiçoamento
do estudo da filosofia. Surgem escolas e universidades, com destaque para a Universidade de Atenas,
resultado da junção da Academia de Platão e do Liceu de Aristóteles. Também nesse período, eleva-se
o papel do pedagogo, com a criação do ensino privado e o desenvolvimento da escrita, da leitura e do
cálculo. Pode-se afirmar que o helenismo estabelece uma ruptura na relação entre o indivíduo e o Estado e
fortalece o crescimento científico e humanístico da cultura, “a qual vem se modelando segundo a tradição
grega, de modo que essa se torna patrimônio comum do Mediterrâneo e momento de unificação e de
maturação de toda a civilização antiga” (CAMBI, 1999, p. 94).
9
2.2 Educação clássica: Roma

Contextualização

Se a Grécia nunca constituiu uma nação, por estar dividida em inúmeras pólis, Roma
desenvolve a concepção de Império, formado de vários povos. A disseminação
da cultura romana provém da expansão do Império Romano e da forma como
encarava o vencido, não o discriminando e sim, oferecendo-lhe o direito da
cidadania romana, em troca do pagamento dos impostos. Ao conquistar a Grécia,
não lhe impôs o latim, mas incorporou o idioma grego, assim como seus padrões
culturais, que se tornaram herança da humanidade (Aranha, 1996, p. 62).

Assim como na Grécia, a sociedade romana era escravista, desvalorizava o trabalho manual e considerava o
trabalho intelectual como um privilégio da aristocracia. Nesse contexto, a educação orienta-se pelo modelo
adequado à elite, ou seja, formar o homem racional, capaz de pensar corretamente e se expressar de forma
convincente. No entanto, em Roma, a reflexão filosófica não recebe atenção de forma sistemática, como
na pedagogia grega, sendo mais usada para discorrer sobre assuntos éticos e morais. De fato, entre os
romanos prevalece a retórica sobre a filosofia, e isso se deve ao fato de os romanos adotarem uma postura

Fundamentos Históricos da Educação


educacional mais prática, voltada para o cotidiano, para a ação política. Para os romanos, o homem era
orador por excelência, e essa habilidade na arte do falar o tornava o verdadeiro político, o homem nascido
para a administração dos assuntos públicos e privados.

Pode-se distinguir três fases na educação romana: a latina original, de natureza patriarcal, na antiga
Monarquia; aquela com influência do helenismo, e a educação no Império. Em todas as épocas, no entanto,
o papel da família recebe destaque, representado pela onipresença paterna e pela ação efetiva da mulher,
ou “mãe romana”.

Na primeira fase da educação romana, de natureza patriarcal, a educação visa perpetuar os valores da
nobreza de sangue e cultuar os ancestrais. O lar era a principal instituição educativa: a imitação e as
práticas diárias eram, respectivamente, o método e os meios educativos. Até o século V a.C, a antiga
Lei das Doze Tábuas influenciou na formação do povo romano, da mesma forma que os poemas de
Homero influenciaram na formação dos gregos. A partir do século IV a.C. são criadas escolas elementares
particulares, que se espalham no século seguinte. Ali se aprende a ler, escrever e contar.

Conectando Saberes

A Leia das Doze Tábuas é uma antiga legislação romana, chamada assim
justamente por ser escrita em doze grandes tábuas. Para saber mais sobre
tal legislação, acesse o link: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/verTexto.
servico=bibliotecaConsultaProdutoBibliotecaSimboloJustica&pagina=tabuas>.
Acesso em: 05/jan/2015.

A partir de meados do século III até a metade do século I a.C. os romanos entram em contato com as
ideias e os costumes gregos, devido às incursões militares e o comércio. Professores gregos passam a
ensinar a sua língua, dando início à formação bilíngue dos romanos. Nesse período, as escolas elementares
10
passam a ser chamadas de escolas de gramática. O ofício de professor era desprezado, como os demais
ofícios em que se ganhava salário. Para sobreviver, os mestres se viam forçados a exercer outros ofícios,
como o de copistas. Com o passar do tempo, a retórica exige o aprofundamento do conteúdo e da forma
do discurso, fazendo com que surja a necessidade de um terceiro grau de educação, representado pela
escola do retor, ou professor de retórica, este mais respeitado e mais bem pago. O que se observa nessa
época é o predomínio da educação aristocrática, por ser privilégio de uma elite, interessada em atividades
intelectuais, mais dignas do que o trabalho manual.

A educação romana durante o Império não será muito diferente daquela oferecida no período anterior.
As mudanças que ocorrem dizem respeito mais à complexidade, à organização e à intervenção do Estado,
uma vez que a expansão do império passa a exigir funcionários bem instruídos e, assim, a continuidade
nos estudos passa a ser uma exigência para aqueles que ocupam altos cargos. Dessa forma,

[...] o Estado, que apenas inspecionava o ensino de iniciativa particular, passa a subvencionar e con-
trolar a legislação, tomando para si a responsabilidade com a educação. Assim, no século I a.C. é
estimulada a criação de escolas municipais em todo o Império (SOUZA, 2006, p. 51).

Com a intervenção estatal, algumas mudanças ocorreram em relação aos professores por parte dos
imperadores: liberação do pagamento de impostos, legislação quanto à pontualidade no pagamento dos
mestres e quanto ao montante a lhes ser pago. Tanto que o imperador Juliano (ano 362), “praticamente
oficializou o ensino, ao exigir que toda a nomeação de professor fosse confirmada pelo Estado” (SOUZA,

Fundamentos Históricos da Educação


2006, p. 52).

A entrada do Estado no processo educativo auxilia na difusão da cultura romana, criando uma unidade
espiritual no Império, ligada à língua e às traduções literárias, “romanizando regiões que eram diferentes
e até discordantes entre si”, e ainda, “a política seguida pelos imperadores no âmbito escolar, mantém fixo
este papel de romanização e de unificação atribuído à escola e à instrução” (CAMBI, 1999, p. 117).

A historiografia romana encerra-se com a difusão do cristianismo, quando ocorre uma ruptura no terreno
educativo: “os cristãos depreciam a retórica e a cultura dos pagãos, atacam as escolas que transmitem uma
literatura contrária ao espírito cristão e orientada para valores diferentes dos evangélicos” (CAMBI, 1999,
p. 118).

Dica

Caro(a) aluno(a), existe uma extensa lista de filmes que retrata a cultura romana
e que abordam conflitos políticos, escravidão, aspectos da sociedade, invasões,
perseguições aos cristãos, etc. Abaixo, seguem algumas sugestões:

Gladiador, de Ridley Scott, 2000.

Ben-Hur, de William Wyler, 1959.

A Queda do Império Romano, de Anthony Mann, 1964.

Spartacus, de Stanley Kubrick e Anthony Mann, 1960.

Alexandre, o Grande, de Oliver Stone, 2004.


11
Considerações finais

Chegamos ao final de nossa segunda aula. Nossa viagem até a Grécia e a Roma na Antiguidade depositou
em nossa bagagem intelectual conhecimentos a respeito dos processos educativos desses dois povos
que, juntos, foram responsáveis pelo pensamento educacional ocidental. Vimos que os gregos cultivavam
a ideia de que pela educação, preparava-se para a vida, além do que se deve a esse povo a formulação do
conceito do homem como um ser racional, cuja razão deveria ser colocada como instrumento a serviço
do próprio homem. Vimos também que o pensamento grego teve repercussões no ensino e nas teorias
educacionais. Os romanos, por sua vez, adotaram uma postura educacional mais prática, voltada para o
cotidiano e para a ação política. Por meio do contato com a cultura grega, os romanos foram organizando
sua própria identidade cultural, acolhendo o grego como língua culta e a noção de homem como sujeito
humano, portador de humanidade universal. A prática pedagógica romana liga-se, assim, ao saber que se
manifesta como mais universal e mais autônomo.

Te espero em nossa próxima aula. Até lá!

Referências

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. Historia da educação. 2. ed. rev. e atual. São Paulo: Moderna, 1996.

Fundamentos Históricos da Educação


CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.

JAPIASSÚ, Hilton. Dicionário Básico de Filosofia. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. 10. ed. São Paulo:
Cortez, 2002.

SOUZA, Neusa Maria Marques de (org.). História da educação: Antiguidade, Idade Média, Idade
Moderna, Contemporânea. São Paulo: Avercamp, 2006.