Вы находитесь на странице: 1из 7

COMPARAÇÃO ENTRE A REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA-PR E A REGIÃO

METROPOLITANA DE TERESINA-PI

Kívia Kellen PASCOAL¹


Deisy Tais MANFɹ
Catelem Suelen SILVA¹
Gerusa ANTUNES¹
Solange Smolarek DIAS²

RESUMO

Na prática do planejamento regional ou metropolitano, algumas idéias se mostram benéficas para o


município, enquanto outras, que em teoria também eram, acabam se tornando ineficazes. Assim, o presente
artigo busca analisar e compreender primeiramente, quais as atitudes tomadas nas duas metrópoles escolhidas:
Teresina-PI e Curitiba-PR, o embasamento para essas ações e o resultado obtido, para então avaliar se este foi ou
não importante para o desenvolvimento metropolitano e o motivo. Então, com intenção de comparar atitudes de
planejamento urbano, seus impactos na região e os resultados destes em diferentes realidades sociais, ambientais
e políticas, foi realizado uma ligação entre os fatos obtidos entre os dois municípios. Como base de pesquisa,
foram utilizados diversos artigos encontrados referentes aos temas de planejamento/desenvolvimento
metropolitano, implementações de plano diretor e programas realizados pelas secretarias e governo das
metrópoles citadas.

Palavras-chave: Planejamento regional, Teresina, Curitiba.

1: Autores: pesquisadores do Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional – acadêmicos CAUFAG
2: Orientadora: Coordenadora da pesquisa, docente do CAUFAG, Doutora.

INTRODUÇÃO apresentação da cidade de Teresina, e sua região


O presente artigo, com o assunto de análise metropolitana, e por fim, comparar as duas regiões,
comparativa entre a região metropolitana de Curitiba mostrando como elas eram ao ser criadas, e como
e de Teresina, tem como tema o desenvolvimento estão hoje.
regional nas metrópoles de Curitiba e Teresina.
Sua justificativa profissional, é a de que MATERIAIS E MÉTODOS
ele irá melhorar a prática com os acertos e erros Para desenvolvimento do devido artigo,
percebidos nos municípios apresentados no artigo, houveram pesquisas nas áreas de planejamento
utilizando as experiências citadas para aplicação regional, com foco nas regiões metropolitanas de
própria ou melhoramento. Já a justificativa Curitiba-PR e Teresina-PI. A partir do material
acadêmico-científica, é de oportunizar o obtido, sendo estes livros, artigos acadêmicos e
desenvolvimento de outros trabalhos e/ou estudos publicações, foi feita a análise expondo cada região
que serão feitos utilizando do artigo, dando assim metropolitana e enfim comparando-as. A
continuidade ao assunto, ou até mesmo metodologia científica empregada para a análise e
aprimorando-o. A justificativa socioeconômica, é da descrição foi o método dialético, conforme definição
possibilidade de utilização do presente artigo e descrita por Dias (2008), que considera que os fatos
experiências nele citadas para ganhos municipais ou estão dentro de uma realidade social, econômica e
regionais em quaisquer municípios ou regiões política, e interpreta a realidade de maneira dinâmica
metropolitanas, inclusive as aqui citadas. e totalizante.
O problema de pesquisa do artigo é se há
diferença entre o planejamento regional da cidade de PLANEJAMENTO METROPOLITANO
Curitiba e da cidade de Teresina, e a hipótese do Segundo Saboya [S.d.], o planejamento
grupo é de que há diferente entre o planejamento surgiu como uma resposta aos problemas
regional das duas metrópoles. enfrentados pelas cidades. Ele também cita que a sua
Assim, esse artigo tem como objetivo expressão veio da Inglaterra e dos Estados Unidos,
comparar o desenvolvimento metropolitano de marcando uma forma de encarar a cidade e seus
Curitiba e Teresina, utilizando dos objetivos problemas. Junto com essa expressão houve uma
específicos de realizar a leitura dos artigos modificação importante, onde reconheceu-se o
selecionados, definir, a partir disso o que é fenômeno urbano como algo dinâmico, que levou a
desenvolvimento regional, apresentar o município de encarar a cidade como resultado de sua própria
Curitiba, com suas características, em seguida a história e como algo que está evoluindo no tempo
região metropolitana de Curitiba, partir para a (KOHLSDORF, 1985).

Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG


No Brasil, nas décadas de 60 e 70, as O primeiro plano urbanístico de Curitiba, o
metrópoles foram estruturadas, passando por um Plano Agache de 1942-43, elaborado pelo urbanista
grande processo de crescimento – devido a expansão francês Alfred Agache, destaca-se não apenas pela
populacional e industrial – e absorvendo núcleos questão higiênico-funcional, mas também pela
urbanos que se organizavam ao seu redor. concepção orgânica da cidade, pela estruturação
Caracterizada por um modelo de deslocamento das viária, pela preocupação estética e com a
margens da área urbana (a fronteira cidade/campo), monumentalidade, definindo a cidade em diferentes
essa fase de metropolização gerou desenhos de zonas. Devido aos problemas financeiros e às
territórios semelhantes a uma mancha (LACERDA; ocupações irregulares, o Plano Agache nunca foi
ZANCHETI; DINIZ; [S.d.]). Assim, essa “mancha” implementado (MÜLLER, 2004, p. 41).
tornou-se um território com uma única urbanização Contudo, já enraizava-se a necessidade de
fisicamente, com porém, inúmeras formas de um planejamento, e o curso de Arquitetura da
ocupação urbana: uma unidade que manteve a Universidade Federal do Paraná, contribuiu com
diversidade dos diversos tipos de ocupação histórica. esses anseios urbanísticos, e de lá sairiam muitos
O modelo de metropolização evoluiu, e planejadores que estabeleceram uma relação muito
virou um todo, uma unidade espacial, uma particular com a cidade de Curitiba (TONELLA,
metrópole, que se organiza a partir de um núcleo, e 1997).
que articula os outros núcleos urbanos ligados a ele. Em 1965 foi criado em Curitiba o IPPUC,
Essa relação de dependência/complementaridade, quando começa então a elaboração do atual Plano
apresenta-se como um conjunto de cidades e partes Diretor, sendo implementado no período de 1971-
de cidades, com origem em diferentes épocas 83, na administração de Jaime Lerner e Saul Raiz.
históricas, que se integram assim em um todo único: Segundo Müeller (2004), hoje o sucesso da reforma
uma metrópole. urbana de Curitiba é amplamente associado ao ex-
Assim sendo, todas as “partes” de uma prefeito Jaime Lerner, o qual em grande parte foi
metrópole evoluem juntas, devendo também ser responsável pela criação de uma imagem fortemente
planejadas juntamente. positiva para uma cidade, que antigamente tinha
fama de não possuir caráter semiótico definido.
CURITIBA Segundo Tonella (1997), a cidade de
Curitiba foi fundada no ano de 1693, Curitiba passou a ser visível e não mais comum, a
tornando-se a capital do Estado do Paraná e é hoje partir do início da administração de Jaime Lerner,
considerada uma das mais avançadas cidades da em 1970. Ele fez um plano ousado para a época,
América Latina. Famosa por seu planejamento interferindo na concepção paisagística, alterando seu
urbano, seu sistema de transporte público e pelos anel viário, e eliminando ruas de grande trânsito do
resultados da política ambiental, a gestão urbana de centro, além de atenção ao pedestre. Também criou-
Curitiba é considerada como um “modelo à seguir”, se a Cidade Industrial, que atraiu indústrias de
não só no Brasil, na América Latina toda, mas grande porte ao local. Mas o principal de tudo,
também para centros urbanos no mundo inteiro foram as soluções adotadas no transporte coletivo,
(ZIRKL, 1999, p. 87). Segundo Müller (2004), que foi inclusive exportadas a outros países.
desde os anos 60 Curitiba vive com a fama de ser As maiores contribuições desse período
uma cidade bem planejada. foram o Sistema Trinário, o Plano Massa e a Rede
De acordo com Zirkl (1999), existe uma Integrada de Transportes, foram introduzidos
grande diferença entre Curitiba e as demais cidades também a pedestrianização do centro, a preservação
do Brasil, isto se deve principalmente a elaboração da estrutura do centro tradicional e o tombamento de
de um Plano Diretor em 1966, e a sua real execução casas e prédios antigos. Além disso foi criada a
nos anos seguintes. As demais cidades, apesar de Cidade Industrial de Curitiba (CIC), para atrair
haverem recebido planos semelhantes na mesma investimentos industriais, foram instalados alguns
época, estes não chegaram a ser integral-mente parques e bosques, com o fim de proteger a várzea
concretizados, enquanto em Curitiba o plano foi de ocupações irregulares e também para oferecer
lançado no começo do crescimento urbano, nas áreas de lazer para a população. (OLIVEIRA, 2000,
outras cidades como Rio de Janeiro ou Belo p. 50-54).
Horizonte adotaram os seus planos com as cidades já A cidade, é uma junção da estrutura de
crescidas, assim ficou mais fácil para Curitiba vida, trabalho e mobilidade juntos. E em Curitiba, as
alcançar o crescimento ordenado. Um outro ponto decisões de transportes são feitas através dessas
importante em Curitiba é que por mais de três estruturas, e com edifícios de alta densidade, apenas
décadas o mesmo grupo de planejadores urbanos (no aonde existem grandes ofertas de transporte público.
IPPUC) e da política local se manteve, quase sem Hoje o sistema de transporte coletivo de Curitiba,
interrupções enquanto em outras cidades brasileiras transporta o mesmo número de passageiros do metrô
os governos municipais em conjunto com a equipe de São Paulo. Começou simples, e conforme foi
técnica-administrativa sofreram enormes alterações crescendo o uso, foi sendo melhorado. A população
devido as eleições municipais (ZIRKL, 1999, p. 93). de Curitiba respeita o sistema de transporte público,

Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG


e isso se da devido principalmente ao fato de que o intermunicipal, saúde pública, entre outros
sistema respeita a população (Informação Verbal1). (REQUIA, [S.d.]).
No ano de 2000, iniciou-se alterações do
REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PDI. Houve então processos participativos, com
Em 1973 foi criada Lei Federal reuniões e workshops realizados com as prefeituras
complementar nº14 que regulamentava a criação das municipais, e diversos representantes. Após um
regiões metropolitanas. A região metropolitana de olhar externo da atualidade da Região Metropolitana
Curitiba, mais conhecida como RMC2 foi uma das de Curitiba e seus futuros, em 2004 alcançou-se as
regiões criadas por essa Lei. Segundo Requia [S.d.], respostas às expectativas sobre as possibilidades de
a RMC surgiu em conseqüência da intensificação do desenvolvimento da Região. Assim, revisou-se o
fluxo migratório do campo para a cidade e do plano, adequando-o a um planejamento consistente
processo de urbanização das cidades. (COMEC, [2006]).
Na década de 70, houveram muitas lutas Dentre as ações realizadas pela COMEC
urbanas na Região Metropolitana de Curitiba (maior está o Sistema de Gestão e Proteção dos Mananciais
área de urbanização do Estado). Esse processo da Região Metropolitana de Curitiba, que é um
refletiu uma modernização da agricultura, e processo de regulamentação do uso do solo nas áreas
mudança na estrutura fundiária, combinados a falta de mananciais e tendo como foco principal o
de geração de trabalho na mesma velocidade que a ordenamento territorial. De acordo com Requia
população vinha para a cidade. (BEGA, [S.d.]). [S.d.], os resultados mais significativos desse
Assim necessitou-se a criação da RMC. trabalho podem se verificar nas novas leis de
A constituição da Região Metropolitana de zoneamento, aplicadas em áreas com altos índices de
Curitiba serviu para que fosse planejado um espaço ocupação urbana em territórios de proteção dos
adequado para abrigar as novas empresas que mananciais, de forma a adequar o uso e ocupação
estavam sendo instaladas na região, bem como para desses espaços, para que seja respeitada a sua
as pessoas que estavam migrando do campo para a capacidade e sustentabilidade.
cidade em busca de melhores condições de vida e Nos anos 80, os órgãos metropolitanos,
trabalho (REQUIA, [S.d.]). inclusive a COMEC, passaram por uma fase em que
Em 1978 a COMEC3 criou o Plano de algumas de suas atividades foram extintas.
Desenvolvimento Integrado (PDI), Requia [S.d.] Caracterizou-se pela “ausência de diretrizes de ação
afirma que esse documento fundamenta-se em um e pela carência de objetivos definidos a serem
modelo de organização territorial, visando a ação cumpridos” (FANINI, 2001, p. 30).
metropolitana, prevendo a criação de áreas de Assim, revisou-se o PDI, propondo um
contenção, preservação, promoção e dinamização, grande programa de investimento, que não foi
definidas pela consideração de características e viabilizado junto ao Banco Mundial. Porém, os
potencialidades do espaço e das atividades esforços dos técnicos responsáveis por formular
existentes. De acordo com Lima e Mendonça, o propostas de programas, serviu para a formação de
produto resultante do PDI deveria ser: um conhecimento sobre a região, onde foi
identificado a concentração dos problemas regionais.
[...]uma região equilibrada em suas diferentes (COMEC, [2006])
dinâmicas, na qual o desenvolvimento urbano Na década de 1980, segundo Requia [S.d.],
tivesse o suporte adequado sem que isso
prejudicasse as bases produtivas e a qualidade
surgiu um sistema totalmente inovador, a Rede
de vida humana.(LIMA; MENDONÇA, 2001, Integrada de transportes - RIT, a qual permite que os
p.138) usuários desse meio de locomoção possam efetuar
diversos trajetos com o pagamento de uma única
A COMEC junto com outros órgãos tarifa. A evolução da RIT foi tão significativa, que,
municipais e estaduais buscou a integração, a em 1991, as Linhas Diretas ou Ligeirinhos, como
organização do planejamento e desenvolvimento são mais conhecidos, surgiram para suprir a
sustentável, além da execução das funções públicas necessidade da agilidade requerida nesse tipo de
de interesse comum da população e dos municípios transporte, permitindo o embarque e desembarque
que compõem a RMC, tais como o controle do uso e dentro de “estações tubo", onde as pessoas pagam
ocupação do solo, habitação, abastecimento de água, antecipadamente a tarifa e ficam aguardando os
manejo de resíduos sólidos, transporte coletivo ônibus dentro de “tubos”, construídos especialmente
para operar como uma espécie de metrô.
1
A capital paranaense e os municípios
Trechos de palestra do arquiteto urbanista Jaime Lerner, de
integrantes da Região Metropolitana devem
nome “Cidades não são problemas, Cidades são soluções” em
Curitiba, na Conferência Internacional de Cidades Inovadoras, no constituir o Consórcio Metropolitano de Saúde do
dia 10 de março de 2010. Paraná (Comesp), o qual proporcionará atendimento
2
RMC - Região Metropolitana de Curitiba ambulatorial e hospitalar com qualidade e custo
3
Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba – Instituição acessível, integrando os serviços realizados entre as
pública para o trato das questões de interesse comum da Região cidades consorciadas, bem como oferecendo
Metropolitana de Curitiba.

Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG


atendimento em certas especialidades. (REQUIA, A Teresina original, tal como foi concebida,
[S.d.]) tem suas ruas retas se cruzando de forma que vistas
do alto, o verde dos quintais e das praças são o que
TERESINA quebram a aparência de tabuleiro de xadrez.
Segundo Santana (2000), Teresina está (SALES, 2004).
localizada à margem direita do rio Parnaíba, é
contornada pelo rio Poti e possui uma área de 1.809 REGIÃO METROPOLITANA DE TERESINA
km2. O município situa-se na região centro-norte do A região metropolitana de Teresina,
Estado e polariza as atividades econômicas de sua conhecida como Grande Teresina, foi criada com a
microrregião, nos setores de comércio e serviços. aprovação da Lei Complementar nº 112 de
Abrange uma área de influência que atinge toda a 19/09/2001, e também pelo Decreto nº 4367 de
porção central do Piauí e Municípios vizinhos do 09/11/2002, que regulamenta a criação da Região
Maranhão. Está ligada por via férrea a São Luís e Integrada de Desenvolvimento da Grande
por rodovia a Fortaleza e às principais cidades do Teresina”(RIDE), assim, a cidade de Teresina,
Nordeste. passou a fazer parte de um conglomerado de
Em 1549, Tomé de Souza chegou ao Brasil cidades, junto com outros 12 municípios, com uma
e fundou Salvador para ser a capital da Colônia área total de 10.849,80 Km² e 1.006.801,00 de
trazendo consigo ordem do Rei de Portugal, para habitantes (SALES, 2004.)
garantir a posse da terra. Para auxiliá-lo nessa Tidafi (2009) confirma que a região de
empreitada, contou com a ajuda de Garcia d’Avila, Teresina possui ao seu redor quinze municípios, com
fundador da Casa da Torre, na Bahia. (BANDEIRA, uma população residentes ultrapassando um milhão
2000). de habitantes.
O processo de urbanização, que deslanchou Segundo Sales (2004), todas as cidades da
nos anos 50, intensificou-se nas décadas seguintes região metropolitana compartilham de interesses a
sob o impulso de diversos fatores, entre eles: serem resolvidos de maneira integrada para um
localização geográfica: um entroncamento desenvolvimento sustentável, levando-se em
rodoviário permite a ligação da capital com as consideração a dependência dos demais municípios
demais regiões e Estados do país; construção de um de Teresina. Um dos problemas compartilhados
distrito industrial e de conjuntos habitacionais; entre as cidades, é o desenho urbano que deve filtrar
investimentos públicos em infra-estrutura e em a insolação excessiva.
equipamentos urbanos; crescimento do setor de A região possui apenas 6 varas federais, o
serviços e um elevado movimento migratório. que é totalmente desproporcional com as regiões
Teresina a principio foi uma cidade metropolitanas do sul do Brasil, assim, por mais que
planejada. Seu traçado obedece às orientações das a Justiça Federal do Piauí tente, não tem condições
cartas pombalinas4, com especificidades típicas do de atender plenamente a população (REVISTA
urbanismo português do séc.XII, inclusive no que JUSTIÇA NOVAS VARAS, 2009)
diz respeito à escolha criteriosa da localização, a Os demais municípios da região, tem uma
implantação de suas praças e edifícios institucionais grande dependência de Teresina, por apresentarem
que serviam como balizadores da estrutura urbana uma taxa baixa de urbanização, juntamente com
do território (ABREU, 2000). economia fraca. Assim, Teresina é o centro
Este processo de urbanização foi mais distribuidor de bens e serviços, com um grande
acentuado nas décadas de 1950 e 1960, devido a sua potencial regional devido a maiores infra- estruturas
inserção no cenário nacional e regional, que se na área da saúde, setor empregatício e educação
consolidou no final da década de 1980 e em 1991, (SALES, 2004).
quando a taxa de urbanização alcançou 52,95%. Iwata, Martins, Batista e Brito (2007),
(IBGE, 2007.). afirmam que a região metropolitana de Teresina,
vem se desenvolvendo expressivamente nos últimos
A planta da cidade de Teresina deixa anos e também crescendo de forma acelerada
perceber que o traçado original em xadrez desorganizada, comprometendo toda uma estrutura
constituiu a diretriz básica do crescimento e
ocupação do centro, contido entre o rio Parnaíba
natural e principalmente sem um devido
e o anel ferroviário; aí as ruas são orientadas a planejamento urbano que possa vir promover uma
grosso modo, de norte-sul e leste-oeste, com arborização adequada e suficiente para atender a
ruas estreitas e quadras geralmente de 100 m. demanda da metrópole de Teresina.
essa orientação é percebida nos bairros de
ocupação anterior a 1950. Naqueles de
ocupação mais recente, a urbanização se faz de CURITIBA versus TERESINA
modo menos rígido, em torno de avenidas
radiais, como no sudeste da cidade, ocupado de
Curitiba foi fundada pelo capitão-
1950/60. (MOREIRA, 1972. P.20/21) povoador Matheus Martins Leme, para coroar
“apelos de paz, quietação e bem comum do povo”,
através da então criação da nova Vila e da primeira
4
Ordens expedidas em forma de cartas pelo marquês de Pombal. eleição para Câmara de Vereadores. Segundo Müller

Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG


(2004), desde os anos 60 Curitiba vive com a fama pessoas. É possível identificar que não existe um
de ser uma cidade bem planejada. Seu plano foi planejamento urbano no bairro, apresentando por
cuidadosamente elaborado por Jaime Lerner, tendo tanto conflitos diretos gerado pela falta de estrutura
uma preocupação na preservação da estrutura do de canteiros para suportar o sistema arbóreo e
centro tradicional. também um confronto com a fiação elétrica. No
Assim, a cidade é famosa por seu bairro vermelha é possível identificar existe uma
planejamento urbano, principalmente em questão ao carência no planejamento urbano para a vegetação e
seu transporte público, e considerada como um o paisagismo (IWATA, MARTINS; BATISTA;
modelo a seguir (ZIRKI, 1999). BRITO; 2007).
A constituição da sua região Os danos socioambientais urbanos de
metropolitana, serviu para que fosse planejado um Curitiba podem ser identificados como: poluição
espaço adequado para abrigar as novas empresas que sonora, degradação ambiental e desequilíbrio
estavam sendo instaladas na região (REQUIA, [S.d.] ecológico, com danos à fauna e flora e riscos à
p.04) qualidade de vida (saúde e bem estar) foi adotado
Quanto a Teresina, foi fundada para um critério de classificação para os diferentes tipos
tornar-se sede administrativa da Província do Piauí, de atividades causadoras de impactos negativos ao
Teresina, e totalmente planejada inicialmente, sendo meio ambiente (FRANCISCO, 2005).
inclusive, a primeira cidade no Brasil a ser De acordo com Francismo (2005) esses
planejada, com uma planta em xadrez. (JACOB; danos classificam que a poluição sonora decorrente
HEES; WANIEZ; BRUSTLEIN; 2006) de atividades noturnas vem de restaurantes,
Teresina, quando fundada, foi uma cidade danceterias, bares e casas de show, tendo
planejada com traços típicos do urbanismo reclamações do gênero: música alta, algazarra,
português do século XII, tendo este processo de depredação de bens particulares, desordem
urbanização mais acentuado nas décadas de 1950 a ocasionadas por brigas, colocando em risco a vida
1960 (MOREIRA, 1972). dos moradores de sua saúde a males como: dor,
Santana (2001) afirma que seu principal insônia problemas nervosos, fadiga fraqueza. E
fator para desenvolvimento, foi sua localização ainda dificuldade na concentração mental e do lazer
geográfica, esta permite a ligação da capital com as (MACHADO, 1992).
demais regiões e mais serviço para as pessoas em
conta do elevado movimento migratório. RESULTADOS
De acordo com Moreira (1972), com o Na pesquisa para o desenvolvimento desse
passar dos anos a planta baixa de Teresina deixa artigo, foi obtido diversos materiais e conteúdos
perceber que seu traçado original em xadrez principalmente sobre questões singulares das regiões
constituiu uma diretriz básica do crescimento e a de Teresina e de Curitiba, ou seja, encontrou-se
ocupação do centro deixando a cidade com ruas diversos artigos sobre fatores separados em cada
mais estreitas e quadras desproporcionais, para que a metrópole. A partir da reunião e seleção desse
cidade cresça de maneira equilibrada prevendo material, percebeu-se que há grande diferença entre
melhor condição para o desenvolvimento urbano. a região metropolitana de Curitiba e a região
Segundo Iwata Martins, Batista e Brito metropolitana de Teresina, e esta é desde a fundação
(2007), a região metropolitana de Teresina vem se das mesmas.
desenvolvendo de maneira desorganizada sem um Percebeu-se claramente a diferença do
devido planejamento urbano comprometendo toda início de cada cidade, e assim de cada região
uma estrutura natural. metropolitana. Curitiba foi fundada sem
De acordo com Lombardo (1985), o planejamento, porém com hipóteses de crescimento.
desconforto ambiental causado pelo crescimento da Teresina, em contrapartida, ao ser fundada, já
população contribuiu para que a contaminação esperava-se dela um grande desempenho. Apesar
ambiental resulte num ambiente desagradável para o desse início contrário das duas metrópoles, percebe-
convívio humano. Teresina vem se desenvolvendo se com o passar do tempo uma troca de papéis e de
de uma forma acelerada e desorganizada posição.
comprometendo toda uma estrutura natural,
principalmente o planejamento urbano, arborização ANÁLISE DOS RESULTADOS
adequada e suficiente para atender a demanda da O presente artigo utilizou da junção de
cidade. diversas idéias e informações diferentes. Todas elas
O bairro vermelha possui grande valor foram reunidas e analisadas, e a partir disso, cabe
histórico para a cidade de Teresina, pois o mesmo é como trabalhos futuros a continuidade desses
bastante conhecido por apresentar características de assuntos, ou a exploração de alguns em específico.
bairro residencial e ser próximo ao centro com
marcante presença do comércio. Desta forma torna CONCLUSÃO OU CONSIDERAÇÕES FINAIS
evidente o valor da urbanização neste bairro
Apesar da existência de diversos fatores
contribuindo pra a saúde física e mental do das
problemáticos em Curitiba, esta é famosa

Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG


mundialmente por suas soluções, a maioria efetivada à independência do Brasil. Rio de Janeiro:
pelo prefeito Jaime Lerner. E seus planejadores, Civilização Brasileira, 2000.
trabalham incansavelmente desde os anos 60,
pensando e planejando para solucionar cada fator. ABREU, I. G; LIMA, I. M. M. F. Igreja
No caso de Teresina, apesar de seu início do Amparo: o marco zero de Teresina. Teresina,
organizado, seu planejamento inicial foi ignorado e 2000.
assim, iniciou-se grande desordem. Hoje busca-se
diversas soluções, e as secretarias lançam SALES, M S. T. M. Educação
freqüentemente novos planos e idéias, que se bem Ambiental: A preservação do verde na zona urbana
aplicadas, poderiam alcançar o status de Metrópole de Teresina. Dissertação de Mestrado. UFPI.
bem solucionada que é procurado. Teresina, Jan/2004.
Colocadas em uma linha do tempo, a
situação atual das duas, é a parte que mais se IWATA, B. F; MARTINS, K. A;
aproximam, apesar de ainda estarem muito BATISTA, N. F; BRITO, J. S. Diagnostico sobre o
afastadas. Enquanto Curitiba luta para continuar em confronto entre a arborizacao e o planejamento
sua posição de metrópole bem planejada, Teresina urbano no bairro Vermelha, em Teresina - PI.
esta lutando para iniciar esse caminho, com grandes João Pessoa, 2007.
planejamentos promíscuos, sem ainda porém, grande
porção de ação para efetivar suas “ações” de papel. TONELLA, C. O urbanismo do
desespero – um estudo dos processos de luta pelo
REFERÊNCIAS espaço urbano no Paraná – 1985/9992. São Paulo,
DIAS, S. I. S. Metodologia do trabalho 1997.
científico diretrizes básicas. Cascavel, 2008.
BEGA, M. T. S. A região Metropolitana de
SABOYA, R. O Surgimento do Curitiba e as mobilizações populares: análise de
Planejamento Urbano. Santos: Secretaria de algumas experiências recentes. Curitiba, 1999.
Educação. [S.d.].
FANINI, V. Institucionalização da Região
LACERDA, N; ZANCHETI, S. M; Metropolitana de Curitiba: proposição para um
DINIZ, F. Scielo. Artigos. Planejamento novo modelo. Curitiba: COMEC, 2001.
Metropolitano: uma proposta de conservação
urbana e territorial. Disponível COMEC. Projetos. RMC. Curitiba.
em:<http://www.scielo.cl/scielo.php?pid=S0250- Disponível em:
71612000007900005&script=sci_arttext> <http://www.comec.pr.gov.br/modules/conteudo/con
teudo.php?conteudo=21>
ZIRKL, F. Desenvolvimento urbano de
Curitiba (Brasil): cidade modelo ou uma exceção? TIDAFI, M. R. V. Associativismo popular
[S.l.]: ACTAS, 2003. urbano em Teresina: possibilidades e riscos na
constituição da esfera pública local. Recife, 2009.
MÜLLER, J. Elementos semióticos no
planejamento urbano: o caso de Curitiba. Curitiba, REVISTA JUSTIÇA NOVAS VARAS.
2004. Estudos acerca da necessidade de novas varas da
Justiça Federal no Estado do Piauí. [S.l.], 2009.
OLIVEIRA, D. Curitiba e o mito da
cidade modelo. Curitiba: Editora da UFPR, 2000. JACOB, C. R; HEES, D. R; WANIEZ, P;
BRUSTLEIN, V. Religião e sociedade em capitais
LIMA, C. A; MENDONÇA, F. brasileiras. São Paulo, 2006.
Planejamento urbano-regional e crise ambiental:
Região Metropolitana de Curitiba. São Paulo, 2001. MOREIRA, A. A. N. A cidade de Teresina.
Boletim Geográfico, n. 230. Rio de Janeiro, 1972.
REQUIA, J. B. O desenvolvimento das
metrópoles: o caso da Grande Curitiba. Curitiba. LOMBARDO, M. A. Vegetação e clima.
Encontro nacional sobre arborização urbana 3.
SANTANA, M. W. Programa Moradia Resumo. Curitiba, 1990.
digna e segura em Teresina. Teresina, 2000.
FRANCISCO, D. P. Danos socioambientais
BANDEIRA, L. A. M. O feudo: a Casa urbanos na cidade de Curitiba. Revista Discente
da Torre de Garcia d'Ávila: da conquista dos sertões Expressões Geográficas: Florianópolis, jun/2005.

Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG


Grupo de Pesquisa Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional - CAUFAG

Оценить