Вы находитесь на странице: 1из 49

Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Negócios

Planejamento Tributário
Créditos
Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – Senac/SC
Departamento Regional em Santa Catarina

FECOMÉRCIO

Presidente
Bruno Breithaupt

Diretor Regional
Rudney Raulino

Diretoria de Educação Profissional


Ivan Luiz Ecco

Diretoria do Centro de Educação Profissional – Senac EAD


Anderson Redinha Malgueiro

Conteudista
Jackson Pires

Colaboração
Luciano Bernardo

Coordenação Técnica
Setor de Educação a Distância

Coordenação Editorial e Desenvolvimento


Equipe do Setor de Produção – Senac EAD

© Senac | Todos os Direitos Reservados


Sumário
CONTEXTUALIZANDO  ����������������������������������������������������������  5

1 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO  ���������������������  6


1.1 O QUE É PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO?   �������������������������  6
1.2 HIERARQUIA DAS LEIS  ������������������������������������������������  7
1.3 CONCEITO DE TRIBUTO E FUNÇÕES DA TRIBUTAÇÃO   �������  7

2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL  ����������������������������������������������  9


2.1 OBRIGATORIEDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL  �����������  9
2.1.1 Alterações do Código Civil  ����������������������������������������  9
2.1.2 Código Tributário Nacional  �������������������������������������� 10
2.1.3 Regulamento do Imposto de Renda  ����������������������������� 10

3 FUNDAMENTOS DE TRIBUTOS  �������������������������������������������  11


3.1 LUCRO REAL  ����������������������������������������������������������� 12
3.1.1 Modalidades de apuração do cálculo do IR e CSLL  ������������ 13
3.1.2 Balancete de Suspensão e Redução  ������������������������������ 15
3.1.3 Prejuízo fiscal e base negativa da CSLL  ������������������������� 16
3.1.4 Contabilização do IRPJ e CSLL Trimestral   ��������������������� 18
3.2 OPÇÃO PELO LUCRO PRESUMIDO  ��������������������������������� 23
3.2.1 Regime de Caixa  �������������������������������������������������� 24
3.2.2 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ)  ������������������� 24
3.2.3 Prestação de serviços em geral – faturamento a superar R$
120.000,00 durante o ano-calendário  ���������������������������������� 25
3.2.4 Contribuição Social sobre o Lucro Líquido  ��������������������� 26
3.2.5 Alíquota e Adicional do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas
(IRPJ)���������������������������������������������������������������������� 27
3.2.6 Alíquota da Contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL)   � 27
3.2.7 Deduções do IRPJ e da CSLL  ������������������������������������� 27
3.2.8 Apuração e contabilização do IRPJ e da CSLL em empresa mista
(comercial e serviços)  ��������������������������������������������������� 28
3.2.9 Contabilização das retenções de IRPJ e CSLL a serem utilizadas
nas deduções dos tributos a serem pagos.  ����������������������������� 29
3.3 CONTABILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES ORIUNDAS DO LUCRO
ARBITRADO  ������������������������������������������������������������ 31
3.3.1 Opção pelo Arbitrado   �������������������������������������������� 32
3.3.2 Receita Bruta Conhecida  ����������������������������������������� 32
3.3.3 Receita Bruta Não Conhecida  ������������������������������������ 32
3.3.4 Acréscimos à Base Cálculo  ��������������������������������������� 33

4 PIS E COFINS  �����������������������������������������������������������  35


4.1 CUMULATIVIDADE X NÃO CUMULATIVIDADE  ���������������� 35
4.2 REGIME MONOFÁSICO  ����������������������������������������������� 36
4.3 PIS E COFINS – REGIME CUMULATIVO  ��������������������������� 36
4.4 EXCLUSÕES DA BASE DE CÁLCULO  �������������������������������� 36
4.5 ALÍQUOTAS  ������������������������������������������������������������ 37
4.6 APURAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES EM EMPRESAS COMERCIAIS� 37
4.7 APURAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES EM EMPRESAS INDUSTRIAIS  � 38
4.8 APURAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES EM EMPRESAS
PRESTADORAS DE SERVIÇOS  ��������������������������������������� 38

5 TRIBUTAÇÃO COM BASE NO SIMPLES NACIONAL  ���������������������  40


5.1 ALÍQUOTA DE TRIBUTAÇÃO NO SIMPLES NACIONAL  ��������� 42

6 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS  ���������������������������������������������  45

CONSIDERAÇÕES  ������������������������������������������������������������ 46

REFERÊNCIAS  ����������������������������������������������������������������  47


CONTEXTUALIZANDO

Olá! Seja bem-vindo(a) ao curso Planejamento Tributário!


São muitos os fatores que justificam fazer um planejamento tributário, mas o foco principal está na
questão econômica, que tem tido uma crescente procura por parte das empresas, visto que, apesar da
alta carga tributária, é preciso permanecer no mercado e ser competitivo.
Este curso se dá exatamente nesse contexto, em que a preocupação do contribuinte tem sido estru�
turar o seu negócio da melhor maneira que lhe pareça e, para isso, o planejamento contribui para a
diminuição dos custos de seu empreendimento, inclusive dos impostos.
Muitos aspectos no Brasil são o motivo de aumento na carga tributária, até mesmo dos tributos já
existentes como Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social) e a criação de
outros. Os tributos (impostos, taxas e contribuições) representam importante parcela dos custos
das empresas, senão a maior. Diante disso, tornou-se questão de sobrevivência empresarial a correta
administração do ônus tributário.
Ao longo deste curso, você terá a oportunidade de estudar sobre a importância e como utilizar o
planejamento tributário em favor da empresa, para que ela aproveite oportunidades, incentivos
fiscais, aplicação dos créditos de tributos, utilizando o planejamento tributário como estratégia para
o aumento de sua rentabilidade e competitividade da empresa.
Bons estudos!

Planejamento Tributário 5
1 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO
Fazer um planejamento tributário é muito importante para a organização econômica de um contribuinte,
principalmente para aquele que pretende estruturar e manter o seu negócio. O foco principal está na questão
econômica, pois a carga tributária no Brasil é muito alta e conhecer as leis que regem a arrecadação tributária
é essencial para que esse contribuinte pague seus impostos da melhor maneira.

1.1 O QUE É PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO?


O planejamento tributário abrange todos os tributos, sejam eles Federais, Estaduais ou Municipais. Esse
planejamento é aplicável sobre os tributos diretos e indiretos. Observe:
• Tributos diretos - são aqueles que o contribuinte é de fato e de direito responsável pelo recolhi�
mento do tributo (imposto de renda, contribuição social, IPVA, entre outros);
• Tributos indiretos - são aqueles em que o contribuinte de direito é o responsável pelo recolhi�
mento, porém repassa a carga tributária ao consumidor final, que é o contribuinte de fato (ICMS,
IPI, PIS e Cofins).
É no direito tributário que observamos a finalização de um ciclo, ou seja, a arrecadação dos tributos ao ente
público. Nesse processo, o contribuinte busca alternativas para que o fato gerador seja inexistente, fazendo
com que a obrigação tributária não tenha início e consequentemente não haja tributo a ser recolhido.

Importante
Vale lembrar que nem todas as manobras colocadas em ação com o objetivo de pagar menos impostos ao
ente público devem ser aceitas como planejamento tributário.

As empresas têm buscado cada vez mais o planejamento tributário com o objetivo de colocar em prática ações
que possam diminuir a carga tributária. Uma das questões primordiais que as organizações têm buscado num
planejamento tributário é o fato de este ser competitivo e ao mesmo tempo apresentar resultados positivos
(lucros). Também é comum empresas constituírem unidades produtivas (filiais) em Estados, Munícipios ou
Zonas Francas, que oferecem redução do ICMS e imunidade do IPTU.
Esse processo de buscar alternativas para diminuição da carga tributária tem demonstrado um diferencial
competitivo, com resultados favoráveis na melhoria dos processos e pagando menos tributos. A implantação
de um departamento tributário para debater, analisar e definir as ações a respeito da adequação do planeja�
mento tributário é um caminho importante nessa busca de alternativa, pois esse processo deve contar com
a participação das pessoas das áreas de controladoria, finanças, tributos, áreas estratégicas, novos negócios,
vendas, marketing, engenharia, dentre outras.
Veja a seguir quais são os principais conceitos relacionados ao planejamento tributário.
Antes de dar continuidade aos estudos, é importante que você conheça alguns conceitos relacionados ao
planejamento tributário. Veja a seguir a diferença entre Evasão Fiscal, Elisão Fiscal, Elusão Fiscal.
• Evasão Fiscal - podemos resumir a Evasão Fiscal como uma forma de sonegação fiscal, ou seja,
são procedimentos colocados em prática após o fato gerador, por exemplo, omitir os registros nos
livros específicos (fiscais), diminuição de valores devidos através de atos fraudulentos, omitir a
renda tributável.
• Elisão Fiscal - é o planejamento tributário propriamente dito, ou seja, é a execução dos processos
antes do fato gerador, dentro dos atos lícitos, com o objetivo de diminuir a base de cálculo ou
impedir o evento do fato gerador. Por exemplo: empresa optante pelo Lucro Presumido, e que obteve

Planejamento Tributário 6
1 - a importância do planejamento tributário

receita de vendas a prazo, pode escolher por calcular e pagar os tributos federais através do regime
de caixa, dessa forma o imposto seria recolhido mediante o recebimento das vendas parceladas.
• Elusão Fiscal - é quando o contribuinte pratica atos lícitos, mas que podem ter sido realizados
com fraudes ou fora dos preceitos da lei, segundo Tôrres1. Elusivo é aquele que tende a escapulir,
a furtar-se (em geral por meio de argúcia); que se mostra arisco, esquivo, evasivo. Assim, cogi�
tamos da elusão tributária como sendo o fenômeno pelo qual o contribuinte usa de meios dolosos
para evitar a subsunção do negócio praticado ao conceito normativo do fato típico e a respectiva
imputação dos efeitos jurídicos, de constituição da obrigação tributária, tal como previsto em lei.
Perceba, portanto, que Planejamento Tributário nada mais é que a Elisão Fiscal, em que o contribuinte busca
atender à legislação e pagar a menor carga tributária.
Não podemos considerar os atos que reduzam a carga tributária, como planejamento tributário, pois há algumas
exceções como incentivos e opções fiscais. Para que o planejamento tributário seja de fato considerado dentro
dos aspectos lícitos, precisa ser oponível ao fisco, ou seja, que os procedimentos executados e seus efeitos sejam
suportados e eficazes dentro dos preceitos da Legislação e do ente público.
Resumindo, o planejamento tributário tem princípios que direcionam para que o fato esteja dentro dos parâ�
metros da lei, de maneira lícita. Sempre com o objetivo de buscar o melhor resultado para atender ao fisco e
a empresa se beneficiar das possibilidades permitidas pela lei.

1.2 HIERARQUIA DAS LEIS


As leis apresentam uma hierarquia (uma ordem de importância), na qual as de menor grau devem obedecer
às de maior grau:
1º Constituição Federal – o que define a política fundamental, princípios políticos e estabelece a
estrutura, procedimentos, poderes e direitos de um governo. Limita o alcance do próprio governo,
garantindo certos direitos para as pessoas.
2º Tratado Internacional – é o meio pelo qual sujeitos de direito internacional estipulam direitos e obri�
gações entre si.
3º Leis – a lei é “aquilo que se lê”; é uma norma ou conjunto de normas jurídicas criadas através dos
processos próprios do ato normativo e estabelecidas pelas autoridades competentes.
4º Decretos – ordem vinda de uma autoridade superior ou órgão (civil, militar, leigo ou eclesiástico)
que determina o cumprimento de uma resolução.
5º Jurisprudências – é o conjunto das decisões sobre interpretações das leis feitas pelos tribunais
de uma determinada jurisdição.
6º Atos Normativos - portarias, resoluções etc.
7º Contratos, Sentenças Judiciais, Atos e Negócios jurídicos.

1.3 CONCEITO DE TRIBUTO E FUNÇÕES DA TRIBUTAÇÃO


Podemos definir o Estado como o arrecadador dos Tributos e o contribuinte como aquele que recolhe os
tributos ao Estado, sendo que o tributo é o elemento fundamental para a manutenção da máquina estatal.

1  TÔRRES, Heleno. Limites ao Planejamento Tributário: Normas Antielusivas (Normas Gerais e Normas Preventivas). LC 104/01: uma Norma
Antissimulação (não publicado).

Planejamento Tributário 7
1 - a importância do planejamento tributário

O Estado (governo) tem o poder de instituir (criar) tributos. Com base na Constituição Federal, podemos
definir as competências tributárias, conforme o art. 6º da CTN (Código Tributário Nacional) visto na Lei
5.172, de 25 de outubro de 1966:
A atribuição constitucional de competência tributária compreende a competência legislativa plena, ressal-
vadas as limitações contidas na Constituição Federal, nas Constituições dos Estados e nas Leis Orgânicas
do Distrito Federal e dos Municípios, e observado o disposto nesta Lei. (BRASIL, 1966)
Para entender melhor essa afirmação, pense que a União tem autonomia para legislar sobre o Imposto de
Renda (IR), o Estado tem autonomia para legislar sobre o ICMS, assim como o Município tem autonomia
para legislar sobre o ISS.
Veja a seguir como art. 3° do CTN define tributo:
Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não
constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividades administrativa plenamente
vinculada. (BRASIL, 1966)
Com a ocorrência do fato gerador, o contribuinte estará obrigado a pagar o valor do tributo ao ente público.
No planejamento tributário, existe a opção de adequar a obrigação de recolher o tributo sem que o contribuinte
fique com débitos aos cofres públicos.

Saiba mais
Para saber mais sobre fato gerador do tributo acesse o Portal tributário, no link a seguir: <http://www.
portaltributario.com.br/tributario/fato_gerador.htm>.

Importante
É importante compreender que a finalidade principal da tributação é centralizar a arrecadação dos
tributos aos cofres públicos.

Planejamento Tributário 8
2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL
Escrituração contábil é o meio pelo qual procedemos ao registro de fatos contábeis. Embora haja diversas
maneiras de escriturar esses fatos, todas elas procedem de dois métodos fundamentais: o método das Partidas
Simples e o método das Partidas Dobradas.
Esses métodos dizem que, em cada lançamento em sistema de contabilidade, o valor total lançado nas contas
a débito deve ser sempre igual ao total do valor lançado nas contas a crédito. Ou seja, não há devedor sem
credor correspondente. A todo débito corresponde, um crédito de igual valor e vice-versa. Se aumentar de
um lado, deve consequentemente aumentar do outro lado também.

2.1 OBRIGATORIEDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL


Para que seja possível verificar os valores com a finalidade de cálculo de imposto na pessoa jurídica, utilizam-se
dados já lançados em programa de contabilidade e uma execução de contabilidade correta e plena, aliada a um
planejamento contábil. Todos esses elementos constituem uma base para a qualidade informativa das entidades.

Entidade é qualquer pessoa – física (pessoas naturais)


ou jurídica (empresa) – que necessite de contabilidade.

A seguir, você verá quem faz e quando se faz obrigatória a utilização de contabilidade, baseando-se nos códigos
comerciais, Código Civil, Código Tributário Nacional e Legislação do Imposto de Renda.

2.1.1 Alterações do Código Civil


O Código Civil dispôs alterações que muito interessam ao empresário e ao contabilista, em seu capítulo IV
do título IV do livro II.
Veja a seguir o que diz o Código Civil sobre a obrigação pela escrituração contábil.
Art. 1.179. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou
não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação específica, e a levantar
anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico econômico – DRE - Demonstrativo do Resultado do
Exercício, que pode ser mensal, trimestral, semestral ou anual, dependendo do Regime de tributação da empresa.
§1º Salvo o disposto no art. 1.180, o número e a espécie de livros ficam a critério dos interessados. (Art. 1.180 trata
como indispensável o livro Diário).
§2º É dispensado das exigências deste artigo o pequeno empresário a que se refere o art. 970. (Considera-se
pequeno empresário o empresário individual caracterizado como microempresa na forma da lei que aufira receita
bruta anual até R$ 81.000,00).
Art. 1.182. A escrituração ficará sob responsabilidade do contabilista, legalmente habilitado, salvo se nenhum
houver na localidade.
Art. 1.194. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a conservar em boa guarda toda a escrituração,
correspondência e mais papéis concernentes à sua atividade, enquanto não ocorrer prescrição ou decadência no
tocante aos atos neles consignados.

Veja o que diz o Código Civil sobre a remissão:


Art. 970. A lei assegurará tratamento favorecido, diferenciado e simplificado ao empresário rural e ao pequeno
empresário, quanto à inscrição e aos efeitos daí decorrentes.
Art. 1.174. As limitações contidas na outorga de poderes, para serem opostas a terceiros, dependem do
arquivamento e averbação do instrumento no registro público de empresas mercantis.

Como você pôde observar, com exceção do pequeno empresário, de acordo com a lei, caberá ao empresário e à
sociedade empresária elaboração de um sistema de contabilidade, o qual possua uma escrituração uniforme de
seus livros, de acordo com a documentação respectiva, realizando posteriormente o levantamento do balanço
patrimonial e o de resultado econômico (DRE), mantendo assim a importância legal da contabilidade.

Planejamento Tributário 9
2 - escrituração contábil

2.1.2 Código Tributário Nacional


O Código Tributário Nacional, que consta da Lei nº 5.172, trata, também, das obrigações dos contribuintes
a respeito de sua escrituração contábil.
O Código Tributário Nacional traz no seu artigo 14, que trata das exigências legais para manutenção da isenção
tributária que dispõe sobre o patrimônio, a renda ou serviços dos partidos políticos, fundações, entidades,
entre outros. Veja o que diz este artigo:
Art. 14. O disposto na alínea C do inciso IV do artigo 9º é subordinado à observância dos seguintes requisitos:
I – não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título;
II – aplicarem, integralmente, no País, os recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais;
III – manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar a
sua exatidão.

Na falta de cumprimento do disposto nesse artigo, a autoridade competente pode suspender a aplicação do
benefício. Dessa forma, a instituição que desejar obter a sua isenção deverá manter a devida escrituração, que
entendemos tratar-se da escrituração contábil devidamente revestida das formalidades a que estão sujeitos
os demais contribuintes.
Também é estabelecida pelo Código Tributário Nacional a inteira disponibilidade da escrituração contábil,
bem como é instruída a sua conservação no prazo mínimo da prescrição dos créditos tributários.
Diz o artigo 195 do referido instrumento legal:
Art. 195. Para os efeitos da legislação tributária, não tem aplicação quaisquer disposições legais excludentes ou
limitativas do direito de examinar mercadorias, livros, arquivos, documentos, papéis e efeitos comerciais ou fiscais,
dos comerciantes industriais ou produtores, da obrigação destes de exibi-los.
Parágrafo único. Os livros obrigatórios de escrituração comercial e fiscal e os comprovantes dos lançamentos neles efetuados
serão conservados até que ocorra a prescrição dos créditos tributários decorrentes das operações a que se refiram.

2.1.3 Regulamento do Imposto de Renda


O Regulamento do Imposto de Renda, (Decreto 3.000, de 26 de março de 1999), em seus artigos 190 e 527, trata
da escrituração mercantil das empresas do lucro presumido e SIMPLES NACIONAL. Veja o que diz o art. 190:
Art. 190. A microempresa e empresa de pequeno porte, inscritas no SIMPLES NACIONAL, apresentarão,
anualmente, declaração simplificada que será entregue até o último dia útil do mês de março do ano-calendário
subsequente ao da ocorrência dos fatos geradores dos impostos e contribuições.
Parágrafo único. A microempresa e a empresa de pequeno porte estão dispensadas de escrituração comercial desde
que mantenham em boa ordem e guarda e enquanto não decorrido o prazo decadencial e não prescritas eventuais
ações que lhes sejam pertinentes (Lei nº 9.317, art. 7, § 1º):
I – Livro Caixa, no qual deverá estar escriturada toda a sua movimentação financeira, inclusive bancária;
II – Livro de Registro de Inventário, registrados os estoques existentes no término de cada ano-calendário;
II – todos os documentos e demais papéis que serviram de base para a escrituração dos livros referidos.

Agora veja o que diz o art. 527:


Art. 527. A pessoa jurídica habilitada à opção pelo regime de tributação com base no lucro presumido deverá
manter (Lei nº 8.981, art. 45):
I – escrituração contábil nos termos da legislação comercial;
II – Livro Registro de Inventário, no qual deverão constar registrados os estoques existentes no término do
ano-calendário;
III – em boa guarda e ordem, enquanto não decorrido o prazo decadencial e não prescritas eventuais ações que lhes
sejam pertinentes, todos os livros de escrituração obrigatórios por legislação fiscal específica, bem como os demais
papéis que serviram de base para a escrituração comercial e fiscal.

Pode-se destacar que a legislação fiscal estabelece a dispensa, para fins fiscais da manutenção e escrita fiscal. No
entanto, por se tratar de decreto de natureza fiscal, não pode contrariar ou dispensar uma obrigação prevista
em uma lei, como o código civil.

Planejamento Tributário 10
3 FUNDAMENTOS DE TRIBUTOS
Observam-se nos noticiários, jornais e nas conversas paralelas que a questão tributária constitui hoje o fio
condutor de toda problemática que envolve a administração pública brasileira. Nosso país nunca precisou
tanto de recursos para investir e fazer justiça social, mas, por outro lado, o país nunca necessitou tanto de uma
ampla reforma tributária que aliviasse a carga pesada de impostos e promovesse justiça social. Esse é mais
um dilema brasileiro atual.
Para a maioria dos brasileiros, esse é um assunto que, aparentemente, não lhe diz respeito. É senso comum
no Brasil se pensar que o conhecimento sobre tributo seja para a classe política, advogados e profissionais da
área. No entanto, a questão tributária está presente no cotidiano de todas as pessoas em suas mais variadas
atividades, como se alimentar, ir ao supermercado, salão de beleza, ler, dirigir, beber, tomar banho, entre outras.
Essa arrecadação, sobre a qual estamos falando, é fundamental para que o Estado possa cumprir seu papel
primordial com recursos financeiros provenientes, na sua maioria, dos tributos arrecadados, para prestar serviços
que atendam às necessidades públicas. Esses recursos vêm através do pagamento dos tributos pelas pessoas
e são transformados em bens e serviços, tais como: educação; saúde; segurança pública; habitação; estradas;
creches; saneamento básico, dentre outros.
Afinal, o que são tributos? Esses tributos, quando recebidos pela administração pública, devem gerar
uma contraprestação de serviço?
Conforme o artigo 3º do Código Tributário Nacional (CTN):

Tributo é toda prestação pecuniária (em dinheiro) compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor nela
se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade
administrativa plenamente vinculada.

Quando o assunto tributo é tratado, a primeira legislação a ser mencionada, via de regra, é a Constituição
Federal. É ela que permite ao Governo Federal, Estadual e Municipal instituir e cobrar tributos da sociedade.
Veja o que diz o capítulo I do título V da Constituição Federal estabelece:
Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos:
I – impostos;
II – taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos
específicos e divisíveis, prestados ao contribuintes ou posto a sua disposição;
III – contribuições de melhorias, decorrentes de obras públicas.
§ 1º - Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do
contribuinte.
§ 2º – As taxas não poderão ter a base de cálculo própria de impostos.

Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:


I – importação de produtos estrangeiros (II);
II – exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionalizados (IE);
III – renda e proventos de qualquer natureza (IR);
IV – produtos Industrializados (IPI);
V – operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos de valores mobiliários (IOF);
VI – propriedade territorial rural (ITR);
VII – grandes fortunas (IGF).

Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre:
I – transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD);
II – operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transporte interestadual e
intermunicipal e de comunicação, ainda que se inicie no exterior. (ICMS);
III – propriedade de veículo automotor (IPVA).

Planejamento Tributário 11
3 - fundamentos de tributos

Art. 156. Compete aos municípios instituir impostos sobre:


I – propriedade predial e territorial urbana (IPTU);
II – transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de
direitos reais sobre imóveis. (ITBI);
III – serviço de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155. (ISS).

Após conhecermos todos os tributos, partiremos para o cálculo de tributos sobre o lucro líquido das empresas
e para tal, descobriremos adiante, como são feitos os cálculos nas seguintes modalidades de apuração do
lucro: Lucro Real, Lucro Presumido ou Lucro Arbitrado. A opção adotada determinará a forma de cálculo
do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).
Para que possamos planejar, precisamos saber as formas e como apurar e calcular tais valores. Afinal, não tem
como planejar algo que eu não saiba como e onde devo chegar, não é mesmo?
Assim, é importante que você conheça as formas de tributação do IRPJ e da CSLL, saiba como as empresas
calculam os seus tributos e como calculam os tributos sobre o resultado final (lucro ou prejuízo). Assuntos
que você verá a seguir. Prossiga!

3.1 LUCRO REAL


Lucro Real é a chamada regra geral para a apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o
Lucro Líquido (CSLL) da pessoa jurídica.
Nessa modalidade, o Imposto de Renda é determinado a partir do lucro contábil, apurado pelo contabilista
da empresa, acrescido de ajustes (positivos e negativos) requeridos pela legislação fiscal, conforme esquema
a seguir:

Ajustes fiscais positivos Ajustes fiscais negativos Lucro Real ou


(adições) (exclusões) Prejuízo Fiscal do período

ADIÇÕES EXCLUSÕES
• Depreciação • Lucros ou dividendos recebidos, de investimento
• Brindes avaliado pelo custo de aquisição.
• Lucro auferido do exterior • Reversão de provisões não dedutíveis.
• Ajustes de RTT.

O Imposto sobre a renda é amparado pela Constituição Federal de 1988 no art. 153, o qual determina que
seja de competência da união instituí-lo. O art. 6º do Decreto-Lei número 1.598, de 1977, em seu inciso I,
determina que:
Lucro real é o lucro líquido do exercício ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas ou
autorizadas pela legislação tributária.
Veja o que são adições e compensações:
• Adições- referem-se às depreciações, lucros auferidos do exterior etc.
• Compensações- referem-se aos prejuízos prescritos ou autorizados pelo decreto.
A Contribuição Social sobre o lucro líquido foi instituída pela Lei nº 7.689/88, também de competência da
União. Sua apuração é semelhante ao do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e, com isso, a pessoa
jurídica que optar pela apuração do IRPJ por um regime de tributação, automaticamente, optará também o
mesmo para a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Planejamento Tributário 12
3 - fundamentos de tributos

Quais empresas estão obrigadas a calcular IRPJ e CSLL no modelo Lucro Real?
O artigo 14 da Lei nº 9.718, de 1998, define as pessoas jurídicas obrigadas a recolher os tributos na forma
do Lucro Real da seguinte forma:
I – cuja receita total, no ano-calendário anterior, seja superior a R$ 78.000.000,00 ou proporcional ao número de
meses do período;
II – cujas atividades sejam de instituições financeiras ou equiparadas;
III – que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital, oriundos do exterior;
IV – que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do
imposto;
V – que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa, inclusive
mediante balanço ou balancete de suspensão ou redução de imposto;
VI – cuja atividade seja de factoring;
VII – que explorem as atividades de securitização de créditos imobiliários, financeiros e do agronegócio. (incluído
pela Lei nº 12.249, de 2010)

Saiba mais
Factoring é o contrato pelo qual um comerciante ou industrial cede, total ou parcialmente, a uma
instituição financeira créditos de vendas feitas a terceiros, em troca do pagamento de certa comissão,
assumindo a instituição o risco do não recebimento dos créditos.

Para as pessoas jurídicas não enquadradas no ato legal acima, o regime de tributação do Lucro Real poderá
ser adotado por opção. Podemos utilizar como exemplo uma empresa fictícia chamada “Vende Sempre Mais
Ltda.”, cuja receita total no ano-calendário anterior foi de R$ 10.000.000,00. Esta poderá optar pelo regime
de tributação do Lucro Real.

3.1.1 Modalidades de apuração do cálculo do IR e CSLL


O cálculo do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido no
formato Lucro Real pode ser trimestral ou anual, de acordo com a decisão tomada pelos gestores da empresa.
a) Lucro real trimestral
Com a previsão do pagamento trimestral, acreditou-se que os fluxos de caixa melhorariam, já que
o pagamento seria feito no mês subsequente ao trimestre.

Exemplo
Se o lucro real for calculado no primeiro trimestre do ano (janeiro, fevereiro e março), logo o pagamento
do IR e da CSLL será feito em abril.

A apuração tem seus períodos encerrados de acordo com os trimestres civis, nos dias 31 de março,
30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro de cada ano-calendário, conforme previsto no art.
220 do Regulamento do Imposto de Renda.
Porém, cada trimestre corresponde a um período, limitado à compensação do prejuízo fiscal em
30% sobre o lucro fiscal dos próximos trimestres.

Veremos esse assunto mais adiante, por hora é preciso compreender que
o prejuízo fiscal é o valor negativo do lucro real. Esse valor poderá ser
compensado pelo próprio contribuinte e demonstrado em sua escrituração

Planejamento Tributário 13
3 - fundamentos de tributos

Para as pessoas jurídicas que têm prejuízo fiscal, isso acaba sendo um malefício, pois no momento
da compensação, a pessoa jurídica poderá compensar apenas 30% do lucro real seguinte com o
prejuízo dos trimestres anteriores. Enquanto no lucro real anual, a pessoal jurídica pode compensar
os prejuízos fiscais integralmente dentro do mesmo calendário, ou seja, o que aconteceu, ao final,
foi que o desconto ficou limitado para as pessoas que resolveram calcular trimestralmente.

b) Lucro real anual


No momento de opção pelo lucro real anual, a pessoa jurídica deverá fazer o recolhimento mensal
dos tributos, ou seja, no mês subsequente ao período de apuração. A legislação permite duas
modalidades de recolhimento mensal: por estimativa e por balancete de suspensão ou redução. A
lei define o recolhimento por suspensão e por redução.
Conforme artigo 10, I, IN SRF/95, o contribuinte poderá:
Suspender o pagamento do imposto, desde que demonstre que o valor do imposto devido, calculado com base no
lucro real do período em curso, é igual ou inferior à soma do imposto de renda pago, correspondente aos meses
do mesmo ano-calendário, anteriores àquele a que se refere o balanço ou balancete levantado. (brasil, 1997)

Conforme artigo 10, II, IN SRF/95, o contribuinte poderá:

Reduzir o valor do imposto ao montante correspondente à diferença positiva entre o imposto devido no
período em curso, e a soma do imposto de renda pago, correspondente aos meses do mesmo ano-calendário,
anteriores àquele a que se refere o balanço ou balancete levantado. (BRASIL, 1997)

Observe que tanto no Lucro real trimestral como no Lucro real anual as alíquotas são as mesmas:
-- 15% para o IRPJ;
-- 10% para o adicional sobre o lucro que exceder R$ 20.000,00 ao mês;
-- 9% para a CSLL de pessoas jurídicas em geral;
-- 15% para a CSLL de pessoas jurídicas consideradas instituições financeiras, de seguros
privados e de capitalização.
No Lucro real trimestral e no Lucro real anual, as formas de apuração mudam, conforme veremos em seguida.
O recolhimento mensal por estimativa é semelhante ao regime do lucro presumido. Isso porque utiliza as
mesmas bases de presunção previstas no art. 15 da Lei nº 9.249/95, que são aplicadas sobre a receita bruta
do mês acrescida de ganhos de capital, demais receitas e resultados positivos, excetuados os rendimentos ou
ganhos tributados como de aplicações financeiras.

Saiba mais
O Lucro Presumido é uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do
imposto de renda e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido - CSLL das pessoas jurídicas.

No final do ano-calendário, a pessoa jurídica irá apurar o Lucro Real anual. Se optar por fazer o recolhimento
mensal em balancete de redução ou suspensão, o recolhimento mensal poderá ser definido em qualquer período
do ano. Nesse caso, o resultado será comparado ao recolhimento mensal que foi calculado por estimativa:
• Caso o pagamento por estimativa tenha sido menor, a pessoa jurídica fará o recolhimento comple�
mentar através de Darf (Documento de Arrecadação das Receitas Federais) sem a incidência de
juros ou multa.
• Caso o pagamento por estimativa tiver sido maior, até a data do balanço ou balancete de suspensão
ou redução, a pessoa jurídica poderá deixar de recolher a estimativa (suspensão) ou mesmo recolher
a menor (redução).

Planejamento Tributário 14
3 - fundamentos de tributos

No caso da empresa somente efetuar seu balanço no final do ano, e tendo recolhido todos os meses por esti�
mativa, existem as seguintes situações:
• Caso o recolhimento mensal por estimativa seja maior do que o realmente devido pelo balanço, o
contribuinte poderá pedir restituição ou compensar a diferença no pagamento de outros tributos
da esfera federal com a entrega da PER/DCOMP (Declaração de Compensação de Tributos para
a Receita Federal do Brasil).
• Caso o recolhimento por estimativa tenha sido menor do que o realmente devido pelo balanço,
deverá recolher a diferença de acordo com as disposições legais.
Vale lembrar que, obrigatoriamente, se a empresa que tenha calculado o tributo tenha feito o cálculo maior do
que deveria, este deverá constar na Declaração de Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas, que é a declaração
anual de rendimentos e deveres das empresas.
A Secretaria da Receita Federal do Brasil estabelece percentuais a serem aplicados sobre a receita bruta como
forma de estimativa do lucro de acordo com a legislação vigente. O artigo 15 da Lei 9.240/95 e o artigo 25
da Lei 9.430/96 determinam os percentuais a serem aplicados sobre a receita bruta, como você pode ver na
Tabela 1:
Tabela 1 – Percentuais a serem aplicados sobre a receita bruta

Na revenda, para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e


1,6%
gás natural.
8% Na venda de mercadorias e produtos.
8% Na prestação de serviços de transporte de cargas.
8% Na prestação de serviços hospitalares.
8% Na venda de imóveis das empresas com esse objeto social.
8% Nas indústrias gráficas.
8% Na construção civil por empreitada com esse objeto social.
16% Na prestação de serviços de transporte, exceto de cargas.
Na prestação de serviços em geral pelas pessoas jurídicas com receita bruta anual de até
16%
R$ 120.000,00, exceto serviços hospitalares, transportes e profissões regulamentadas.
32% Na prestação de demais serviços não incluídos nos incisos anteriores.

Fonte: Receita Federal (2016).

Esses percentuais dificilmente são alterados, mas é importante estarmos sempre atentos junto ao site da
Secretaria da Receita Federal do Brasil para qualquer alteração ou dúvidas, bem como consultar um contador
de confiança.

3.1.2 Balancete de Suspensão e Redução


No recolhimento do Lucro Real anual, existe a possibilidade da pessoa jurídica suspender (deixar de pagar)
ou reduzir (diminuir) o pagamento do IRPJ (Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas) e CSLL (Contribuição
Social sobre o Lucro Líquido) devidos em qualquer mês do ano, com a elaboração dos chamados balancetes
ou balanços de suspensão, se não houver tributos a serem recolhidos, ou de redução, se o tributo a ser recolhido
for menor que a estimativa no mês; com isso o contribuinte terá como comprovar que a empresa não obteve
lucro real, ou o mesmo foi inferior ao montante estimado.
A suspensão ou redução aplica-se em qualquer mês do ano, podendo iniciar em janeiro. Portanto, se no mês
de janeiro a empresa obteve prejuízo, não há imposto a ser recolhido.

Planejamento Tributário 15
3 - fundamentos de tributos

Exemplo
Imagina que você trabalha em uma empresa do Lucro Real e em março decidiu pedir o balanço patrimonial ao
contador para calcular o IRPJ (Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas) e CSLL (Contribuição Social sobre o
Lucro Líquido) na modalidade de balanço de suspensão. Para tanto, o contador lhe dará o balanço dos meses de
janeiro, fevereiro e março juntos. Caso lá em agosto você decida pedir novamente esse mesmo dado ao contador,
ele lhe dará o Balanço Patrimonial de janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho e julho juntos.

Você sabe o que é Balanço Patrimonial?


Balanço patrimonial é uma demonstração contábil que visa à demonstração do patrimônio de alguém ou de
empresas. Já patrimônio é o conjunto de bens, direitos e obrigações, além do resultado final lucro ou prejuízo.
É uma peça muito importante para a contabilidade e só pode ser feita por profissional de contabilidade
registrado junto ao Conselho Regional de Contabilidade (CRC) de seu Estado.

3.1.3 Prejuízo fiscal e base negativa da CSLL


A pessoa jurídica, optante pelo lucro real, poderá, de acordo com os artigos 15 e 16 da Lei nº 9.065/95,
compensar os prejuízos fiscais e a base negativa da CSLL com lucros fiscais futuros, ou seja, caso seja apre�
sentado prejuízo, esse mesmo valor será compensado da base de cálculo do próximo cálculo do tributo.
Tanto para o lucro real anual quanto para o lucro real trimestral, a compensação é limitada a 30% do lucro
fiscal do período. A diferença entre as duas modalidades é a periodicidade de compensação. Veja a seguir
como se dá essa compensação nas duas modalidades:
• Lucro Real Trimestral - no lucro real trimestral, a compensação de prejuízos fiscais anteriores
limita-se a 30% do lucro fiscal do trimestre.
• Lucro Real Anual - no lucro real anual, a limitação é de 30% por ano-calendário, sendo que
durante os quatro trimestres do ano, os prejuízos fiscais podem ser totalmente compensados com
os lucros do próprio ano através do LALUR (Livro de Apuração do Lucro Real).
Para compreender melhor essa questão, acompanhe a explicação do exemplo a seguir:
1) Se uma empresa obteve receita de R$ 1.500,00 e despesa de R$ 2.000,00 no mês de janeiro,
resultou em um prejuízo contábil de R$ 500,00. Nesse momento, não há impostos a serem pagos,
pois não houve lucro e, sim, prejuízo.
2) Em fevereiro, a receita dessa mesma empresa foi de R$ 2.000,00 e a despesa de R$1.000,00,
ocasionando um lucro de R$ 1.000,00.
3) Pegando o valor do prejuízo contábil de janeiro e ajustando-o a adições e exclusões com base na
legislação tributária (cálculo fiscal), vamos imaginar que o resultado seja de R$ 500,00, sendo essa
a base negativa de CSLL.  Esse resultado fica como crédito para a empresa, sendo um benefício
concedido pelo governo.
4) Quando a empresa for pagar os impostos sobre o lucro de fevereiro, poderá abater 30% do
valor a ser pago com o resultado da base de cálculo negativa de CSLL R$ 500,00.
5) Supondo que o valor a ser pago em impostos seja de R$ 400,00 dos R$ 1.000,00 de lucro
que a empresa obteve, pegamos 30% do lucro fiscal R$1.000,00 e poderemos abater um valor de
R$ 300,00 (30% dos R$1.000,00) para pagar esses R$ 400,00. Nesse caso, seria pago R$ 100,00
(R$ 400,00 – R$ 300,00).
Importante ressaltar que esse crédito é imprescritível, sendo assim, o que não for usado no mês do exercício,
fica acumulado para ser usado no próximo.

Planejamento Tributário 16
3 - fundamentos de tributos

O LALUR (Livro de Apuração do Lucro Real) é um livro de escrituração eminentemente fiscal, obrigatório
a todas as empresas jurídicas contribuintes do IR com base no lucro real. Ele é destinado à apuração extra�
contábil do Lucro Real sujeito à tributação para o Imposto de Renda em cada período de apuração, contendo
elementos que poderão impactar no resultado dos períodos futuros.
O LALUR é composto por duas partes:
• Parte A: destinada aos lançamentos de ajuste do lucro líquido do período (adições, exclusões e/
ou compensações).
• Parte B: destinada exclusivamente ao controle dos valores que não constem da escrituração
comercial, mas devem influenciar a determinação do Lucro Real dos períodos futuros (prejuízos
a compensar, depreciação acelerada, entre outros).
Cada empresa escolhe o seu software de gestão e controle que melhor se adeque às suas necessidades, e o livro de
apuração do lucro real é, hoje em dia, totalmente eletrônico. Veja na Tabela 2 um modelo o livro de apuração do lucro real.
Tabela 2 – Exemplo de Registro dos Ajustes do Lucro Real

PARTE A e B - REGISTRO DOS AJUSTES DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO


Data Histórico Adições Exclusões
31/03/2018 LUCRO LÍQUIDO DO TRIMESTRE    
31/03/2018 Participação Lucros e Resultados – Sócios    
31/03/2018 Doações não dedutíveis    
31/03/2018 Excesso de depreciação incentivada    
31/03/2018 Despesas com brindes    
31/03/2018 TOTAL DAS ADIÇÕES  
31/03/2018 Avaliação positiva de participações em coligadas  
31/03/2018 TOTAL DAS EXCLUSÕES    
31/03/2018 LUCRO REAL DO TRIMESTRE    

Fonte: Elaborada pelo autor (2018).

Sobre as deduções do IRPJ e da CSLL, nos casos de recolhimento mensal dos tributos, a pessoa jurídica poderá
deduzir (descontar) do tributo apurado no mês, o imposto pago ou retido sobre as receitas que integram a
base de cálculo. Veja um exemplo:
A empresa de nome fictício “Prestando Serviços de Qualidade Ltda.” prestou serviço para a empresa, também fictícia,
“Comercial Ponto Alto Ltda.”, no valor de R$ 5.000,00. A empresa “Prestando Serviços de Qualidade Ltda.” emitiu
a Nota Fiscal desse valor e fez a retenção de impostos permitidos por lei. Essa empresa não recebeu os R$5.000,00,
conforme combinado, pois a empresa “Comercial Ponto Alto Ltda.” descontou os impostos antecipados e os repassará
aos cofres públicos. Quando a empresa “Prestando Serviços de Qualidade Ltda.” estiver calculando os seus impostos,
deverá abater ou compensar esses valores que já foram descontados dela dos impostos que deverá pagar.

Retenção refere-se à ideia de desconto. Em outro momento, estudaremos sobre as retenções de tributos.

Sobre o IRPJ e CSLL diferidos, é importante saber que diferimento da tributação do IRPJ (Imposto de
Renda da Pessoa Jurídica) é um método facultado ao contribuinte para postergar o recolhimento da tributação
já reconhecida até a realização da receita (pelo recebimento), fixado para alguns ramos de atividades. Temos
como exemplo as seguintes situações:
Diferimento refere-se ao verbo diferir: jogar para frente, protelar.

Planejamento Tributário 17
3 - fundamentos de tributos

a) o lucro inflacionário não realizado até 31/12/1995, ou seja, o saldo credor da conta de correção
monetária, ajustado de acordo com a legislação fiscal, já registrado contabilmente como receita,
mas que podia ser diferido para efeito de IR.

b) a receita contabilizada, mas não recebida, decorrentes de contratos a longo prazo de construção
por empreitada ou de fornecimento de bens e serviços, quando contratados com entidades
governamentais.

c) o ganho de capital na venda a prazo de bens do ativo imobilizado cujo preço deve ser recebido,
no todo ou em parte, após o término do ano-calendário subsequente.

Bens do ativo imobilizado são formados pelo conjunto de bens necessários à manutenção das ati�
vidades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível: edifícios, máquinas etc.

3.1.4 Contabilização do IRPJ e CSLL Trimestral


Vamos agora observar como se apura o valor do IRPJ (Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas) e a CSLL
(Contribuição Social pelo Lucro Líquido) para empresas optantes do Lucro Real trimestral. Esses dois tributos
devem ser calculados sobre o resultado positivo do resultado (lucro).

Importante
O lucro ou o prejuízo de uma empresa, ou assim chamado como resultado do exercício, é apurado
mediante o confronto de Receitas com despesas e custos, através da DRE – Demonstrativo de Resultado
do Exercício.

Veja o que são receitas, despesas e custos:


• Receitas - são os recursos provenientes da venda de mercadorias ou de uma prestação de serviços.
Se você é professor, por exemplo, o seu salário recebido mensalmente é a sua receita. Se você fosse
um vendedor, o valor das vendas seriam as suas receitas. Nas empresas, as receitas são provenientes
das vendas dos produtos, mercadorias ou da prestação de serviços.
• Despesas - são todos os gastos que uma empresa precisa ter para obter uma receita. Alguns
exemplos de despesas são os salários, água, luz, telefone, os impostos, entre outros.
• Custos - são todos os valores pagos que estão embutidos na produção de um produto ou na
prestação de um serviço. Os custos são repassados aos clientes. Podemos exemplificar da seguinte
forma: Você vai à padaria e compra pães. O pão é produto da mistura de alguns ingredientes como
farinha, açúcar, leite, fermento, dentre outros ingredientes. Todos os valores pagos para a produção
dos pães que você comprou são custos e, logo, você pagará esses custos que são repassados quando
você compra o pão. Ou seja, no preço final do pão, estão embutidos todos os custos da produção
deste, os quais você pagará.
A fórmula contábil para saber se o negócio está indo bem é:

Comparar o total das receitas contra o total dos custos e despesas. Se a minha receita for maior que a minha
despesa, eu tenho um lucro e se a minha despesa for maior que a minha receita, eu tenho um prejuízo.

Planejamento Tributário 18
3 - fundamentos de tributos

Veja na Tabela 3 um modelo de apuração de resultado do exercício de uma empresa fictícia:


Tabela 3 – Exemplo de Apuração de Resultado do Exercício

Apuração de resultado do exercício – 1


RECEITAS DESPESAS
Receita com vendas R$ 10.000,00 Despesa com salários R$ 100,00
Receita com serviços R$ 10.000,00 Despesa com água R$ 100,00
Despesa com luz R$ 100,00
Despesa com brindes R$ 100,00
TOTAL RECEITA R$ 20.000,00 TOTAL DESPESA R$ 400,00
RESULTADO LUCRO R$ 19.600,00
Apuração de resultado do exercício – 2
RECEITAS DESPESAS
Receita com vendas R$ 100,00 Despesa com salários R$ 10.000,00
Receita com serviços R$ 100,00 Despesa com água R$ 10.000,00
    Despesa com luz R$ 10.000,00
    Despesa com brindes R$ 10.000,00
TOTAL RECEITA R$ 200,00 TOTAL DESPESA R$ 40.000,00
RESULTADO PREJUÍZO R$ - 39.800,00

Fonte: Elaborada pelo autor.

Conforme você pôde observar no exemplo, temos duas situações diferentes: a empresa obteve lucro na primeira
apuração e um prejuízo na segunda. Para que os profissionais da contabilidade pudessem padronizar a apuração
de lucro ou prejuízo, foi instituído pelo artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, o instrumento
chamado DRE (Demonstração de Resultado do Exercício).
Para você compreender como se faz essa padronização, acompanhe a explicação do exemplo a seguir.
1) Vamos usar como exemplo a empresa comercial “X”, optante pelo lucro real trimestral, que apresenta
a seguinte Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) para o primeiro trimestre de 2018 vista
na Tabela 4:
Tabela 4 – Exemplo de Demonstração de Resultado do Exercício

Demonstração do Resultado do Exercício R$


RECEITA BRUTA DE VENDAS   R$ 4.000.000,00
(-) Deduções da receita bruta R$ 880.000,00
RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS   R$ 3.120.000,00
(-) Custo das mercadorias vendidas R$ 2.684.000,00
LUCRO BRUTO   R$ 436.000,00
(-) Despesas com vendas R$ 84.240,00
(-) Despesas administrativas R$ 211.946,00
(-) Despesas financeiras R$ 65.967,00
LUCRO OPERACIONAL   R$ 73.847,00
Resultado não operacional
(+) R$ 2.153,00
(venda de resíduos)
LUCRO ANTES DO IRPJ E CSLL   R$ 76.000,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2018).

Planejamento Tributário 19
3 - fundamentos de tributos

2) No demonstrativo em questão, o lucro antes do IRPJ e da CSLL é de R$ 76.000,00. Portanto,


esse valor é a base de cálculo para o IRPJ e a CSLL.
3) Ao utilizar-se do sistema “lucro real”, a legislação não concorda com alguns valores lançados pela
contabilidade da empresa “X” e a orienta a adicionar ou excluir tais valores para achar então o
“lucro real” da operação.
4) A contabilidade da empresa “X” lançou alguns valores que já estão embutidos na DRE, que são
passíveis de serem adicionados novamente ou excluídos para achar o “lucro real” que são: PLR
(Participação nos Lucros e Resultados) sócios, doações não dedutíveis, excesso de depreciação
incentivada, despesas com brinde, avaliação positiva de participações em coligadas.
5) A partir disso, é preciso calcular esses valores apresentados no LALUR (Livro de Apuração do
Lucro Real) para apresentar o novo lucro e assim calcular os tributos, tal como está apresentado
na Tabela 5 a seguir:
Tabela 5 – Cálculo de Tributos da empresa “X”

PARTE A - REGISTRO DOS AJUSTES DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO


Data Histórico Adições Exclusões
31/03/2015 LUCRO LÍQUIDO DO TRIMESTRE R$ 76.000,00    
31/03/2015 PLR Sócios   50.000,00  
31/03/2015 Doações não dedutíveis   12.000,00  
31/03/2015 Excesso de depreciação incentivada   950,00  
31/03/2015 Despesas com brindes   4.500,00  
31/03/2015 TOTAL DAS ADIÇÕES R$ 67.450,00 67.450,00  
31/03/2015 Avaliação positiva de participações em coligadas -R$30.000,00   30.000,00
31/03/2015 TOTAL DAS EXCLUSÕES R$30.000,00    
31/03/2015 LUCRO REAL DO TRIMESTRE R$113.450,00    

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Note que o novo lucro real passou de R$ 76.000,00 para R$ 113.450,00. Isso ocorre porque a legislação não
permite que algumas despesas sejam consideradas redutoras do lucro. Note, portanto, que vamos calcular 15%
do IRPJ e 9% da CSLL sobre o valor de R$ 113.450,00 em vez dos R$ 76.000,00 anterior!
O novo lucro aumentou porque a empresa “X” tinha despesas que usava para abater da receita e apurar o
resultado do exercício, mas a legislação não permite algumas despesas, e, por isso essas despesas voltam para
a DRE como uma adição. É como se adicionássemos essas despesas de volta ao valor de R$ 76.000,00.
Devemos tomar nota quanto a um adicional que se paga de IRPJ sempre que a base de cálculo, ou seja, o valor
sobre o qual se aplicará uma alíquota, ultrapassar R$ 20.000,00 ao mês. Como devemos lembrar, estamos
calculando o lucro com base trimestral. Sendo assim:
R$ 20.000,00 x 3 meses = R$ 60.000,00
R: Pagaremos, portanto, o adicional de IRPJ sobre o que exceder a R$ 60.000,00.
Veja na Tabela 6 a seguir um exemplo da apuração do IR e CSLL da empresa “Fatura Alto Ltda.”, do primeiro
trimestre de 2015:

Planejamento Tributário 20
3 - fundamentos de tributos

Tabela 6 – Apuração do IR e CSLL do 1º Trimestre da empresa “Fatura Alto Ltda.”.

a) LUCRO REAL DO TRIMESTRE R$ 113.450,00


IRPJ 
b) Alíquota 15%
c) IRPJ a recolher (R$ 113.450,00 * 15%.) R$ 17.017,50
ADICIONAL DE IRPJ 
R$ 113.450,00 - R$ 60.000,00 (3 x 20.000,00 mensal adicional) d) R$ 53.450,00
e) Alíquota adicional do IR 10%
f ) Adicional IRPJ a recolher (R$ 53.450,00 * 10%) R$ 5.345,00
Total IRPJ a recolher (R$ 17.017,50 + R$ 5.345,00) R$ 22.362,50
CSLL 
g) LUCRO REAL DO TRIMESTRE R$ 113.450,00
h) Alíquota da CSLL 9%
Total CSLL a recolher (R$ 113.450,00 * 9%) R$ 10.210,50

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Após apuração do saldo a recolher (que nesse caso foi R$ 22.362,50 de IRPJ e R$ 10.210,50 de CSLL), é
preciso escriturar o reconhecimento dos tributos devidos e o recolhimento destes na contabilidade. Veja a
seguir como será feito o lançamento (registro contábil dos tributos) da empresa “Fatura Alto Ltda.”:
1) Para criar a obrigação de IRPJ a ser pago:
Debita – IRPJ (conta de despesa)
Credita – IRPJ a recolher R$22.362,50 (conta do passivo)

2) Para criar a obrigação da CSLL a ser paga:


Debita – CSLL (conta de despesa)
Credita – CSLL a recolher R$10.210,50 (conta do passivo)

3) Quando do pagamento desses tributos (IRPJ da CSLL):


D – IRPJ a recolher R$22.362,50 (conta do passivo)
D – CSLL a recolher R$ 10.210,50 (conta do passivo)
C – Banco ou caixa R$ 32.573,00 (conta do ativo)

A empresa fictícia “Fatura Alto Ltda.” poderá pagar o IRPJ e a CSLL em 3 quotas mensais, iguais e suces�
sivas, conforme determina o artigo 5º da Lei nº 9.430/96, com vencimentos nos últimos dias dos três meses
posteriores ao encerramento do período de apuração.
Veja na Tabela 7 a seguir como ficaria o pagamento parcelado do IRPJ e da CSLL:
Tabela 7 – Parcelamento do Imposto da “Fatura Alto Ltda.”

IMPOSTO DEVIDO IRPJ CSLL


Imposto a pagar R$ 22.362,50 R$ 10.210,50
Quantidade de quotas 3 3
Valor principal de cada cota R$ 7.454,17 R$ 3.403,50

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Planejamento Tributário 21
3 - fundamentos de tributos

Como já dito anteriormente, o pagamento será feito em 3 quotas. Todo pagamento que seja parcelado ou
pago em atraso vai compor-se de três elementos.
• Capital - diz respeito ao valor inicial devido ou parcelado.
• Juros - dizem respeito à atualização do valor entre uma data e outra. Exemplo: R$100,00 hoje
não terá o mesmo valor daqui a 30 dias.
• Multa - refere-se a uma punição por um descumprimento. Exemplo: deveria ter pagado uma
conta na data de ontem, mas esqueci e por isso pagarei a multa, por não ter cumprido com o
acordo que era ter pagado ontem.
Sendo assim, calcularemos os acréscimos financeiros a partir da taxa Selic.

Saiba mais
Para calcular a parte dos juros, a Receita Federal do Brasil, que é a responsável pelos cofres públicos do governo
federal, adota a taxa chamada de Selic (Sistema Especial de Liquidação e de Custódia). É conhecida como taxa
básica de juros da nossa economia brasileira e para esta serve de referência. Ela é usada nos empréstimos feitos
entre os bancos e também nas aplicações feitas por essas instituições bancárias em títulos públicos federais. A
taxa Selic poderá ser consultada diariamente no site da Secretaria da Receita Federal do Brasil.

A taxa Selic a ser utilizada será a do mês, conforme tabela a ser consultada na Secretaria da Receita Federal,
e os juros serão calculados em 0,33% limitados a 20% (supondo 30 dias, 9,90% entre a primeira e a segunda
parcela e 60 dias, entre a primeira e terceira parcela, 19,80%).
Supondo que a Selic de maio/2018 é de 0,777% e a de junho/2018 é de 0,766%, vemos que a conta do IRPJ
e CSLL da empresa “Fatura Alto Ltda.”, a ser parcelada em três, será calculada conforme a demonstração
da Tabela 8:
Tabela 8 – Cálculo do parcelamento da empresa “Fatura Alto Ltda.”

DATA DO
QUOTA TAXA DE JUROS + SELIC IRPJ CSLL
RECOLH.
Primeira 30/04/2018 0 7.454,17 3.403,50
Segunda 30/05/2018 9,90% juros + 0,777% Selic = 10,677% 8.250,05 3.766,89
Terceira 30/06/2018 19,8% juros + 0.766% Selic = 20,566% 8.987,19 4.103,46

Fonte: Elaborada pelo usuário (2018).

Para o cálculo dos valores das quotas, temos que:


Segunda quota (parcela) do IR = R$ 7.454,17 * 10,677% = R$ 8.250,05
Terceira quota (parcela) do IR = R$ 7.454,17 * 20,566% = R$ 8.987,19
Segunda quota (parcela) da CSLL = R$ 3.403,50 * 10,677% = R$ 3.766,89
Terceira quota (parcela) da CSLL = R$ 3.403,50 * 20,566% = R$ 4.103,46

Veja a seguir como será feito o lançamento (registro contábil dos tributos) do pagamento de imposto parcelado
da empresa “Fatura Alto Ltda.”:
1) Pagamento da primeira quota/parcela
Debita – IRPJ a recolher R$ 7.454,17 (conta do passivo)
Debita – CSLL a recolher R$ 3.403,50 (conta do passivo)
Credita – Banco ou caixa R$ 10.857,67. (conta do ativo)

Planejamento Tributário 22
3 - fundamentos de tributos

2) Pagamento da segunda quota/parcela:


Debita - IRPJ a recolher R$ 7.454,17 (conta do passivo)
Debita – CSLL a recolher R$ 3.403,50 (conta do passivo)
Debita – Juros/multa R$ 1.159,27 (conta de despesa)
Credita – Banco ou caixa R$ 12.016,94 (conta do ativo)

3) Pagamento da terceira quota/parcela:


Debita - IRPJ a recolher R$ 7.454,17 (conta do passivo)
Debita – CSLL a recolher R$ 3.403,50 (conta do passivo)
Debita – Juros/multa R$ 2.212,98 (conta de despesa)
Credita – Banco ou caixa R$ 13.090,65 (conta do ativo).

3.2 OPÇÃO PELO LUCRO PRESUMIDO


As pessoas jurídicas só poderão optar pelo Lucro Presumido se não estiverem obrigadas ao Lucro Real,
conforme visto anteriormente no estudo do artigo 14 da Lei 9.718/99.
Relembre o que diz sobre esse assunto a Lei 9.718/99.
Art. 14. Estão obrigadas à apuração do Lucro Real as pessoas jurídicas:
I – cuja receita total, no ano-calendário anterior, seja superior a R$ 78.000.000,00 ou proporcional ao número de
meses do período;
II – cujas atividades sejam de instituições financeiras ou equiparadas;
III – que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital, oriundos do exterior;
IV – que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do
imposto;
V – que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa, inclusive
mediante balanço ou balancete de suspensão ou redução de imposto;
VI – cuja atividade seja de factoring;
VII – que explorem as atividades de securitização de créditos imobiliários, financeiros e do agronegócio. (incluído
pela Lei nº 12.249, de 2010)

É importante observar que, para optar pelo Lucro Presumido, a empresa não poderá estar enquadrada no regime
de Lucro Real definido por lei. Para que possamos entender melhor o funcionamento do Lucro presumido,
temos que entender o que é uma receita. Pense na seguinte reflexão:
Se você é professor, o seu salário recebido mensalmente é a sua receita. Se você fosse um vendedor, o valor
das vendas seriam as suas receitas?
As receitas são recursos provenientes da venda de mercadorias ou de uma prestação de serviço. De forma mais
detalhada, as leis afirmam o seguinte:
Art. 224. A receita bruta das vendas e serviços compreende o produto da venda de bens nas operações de conta própria,
o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia (Lei 8.981/95, artigo 31).
Parágrafo único. Na receita bruta não se incluem as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e os
impostos não cumulativos 1cobrados, destacadamente, do comprador ou contratante dos quais o vendedor dos bens
ou o prestador dos serviços seja mero depositário (Lei 8.981/95, artigo 31, parágrafo único).

A Receita Federal do Brasil divulgou, em seu Manual Explicativo sobre o Lucro Presumido, o seguinte
conceito de receita bruta:
Considera-se como receita bruta total o produto da venda de bens nas operações de conta própria (que quer
dizer venda de mercadorias pertencentes à empresa), o preço dos serviços prestados e o resultado auferido
nas operações de conta alheia (que quer dizer a venda de mercadorias pertencentes a terceiros), acres-
cidos das demais receitas, tais como, rendimentos de aplicações financeiras, receita de locação de imóveis,
descontos ativos, variações monetárias ativas, juros recebidos como remuneração do capital próprio e dos
ganhos de capital.

Planejamento Tributário 23
3 - fundamentos de tributos

Na receita bruta se inclui o ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadoria e Serviços), que é o imposto
sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interes�
tadual, intermunicipal e de comunicação e deverão ser excluídas as vendas que a empresa tenha cancelado, os
descontos concedidos e os impostos não cumulativos.

Impostos não cumulativos são aqueles em que podemos compensar valores já


pagos, cobrados, destacadamente, do comprador, dos quais o vendedor ou presta�
dor é mero depositário ou, em outras palavras, aquele a quem se confia um valor.

Esse assunto é de grande discussão entre os profissionais de contabilidade e a fiscalização, uma vez que o
conceito de renda total e receita bruta são distintos. Vimos que o limite estabelecido em lei de R$ 78.000.000,00
é em relação à receita total e não sobre a receita bruta. Veja a seguir a diferença entre ambas:
• Receita Bruta - estão incluídos os serviços que a empresa preste e/ou as mercadorias que ela venda.
• Receita Total - estão compreendidas a receita bruta, outras receitas operacionais e as receitas não
operacionais, além dos ganhos de capital. A receita total, portanto, engloba a receita bruta.
Quando a empresa opta pelo lucro presumido, essa decisão é definitiva para todo o ano-calendário. O contador
responsável é quem define isto com a administração da empresa. O artigo 26 da Lei 9.430/96 define que a
adesão ao lucro presumido dar-se-á com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido corres�
pondente ao primeiro período de apuração de cada ano-calendário.

3.2.1 Regime de Caixa


A apuração do lucro presumido com base no regime de caixa foi obtida através da Instrução Normativa
104/98. Segundo essa instrução, a empresa irá apurar os tributos de acordo com o recebimento das vendas
de bens e serviços ou da prestação de serviços. O contribuinte pode apurar o regime de caixa de duas formas:
• Livro caixa - quando o controle é feito pelo próprio proprietário, pois não há obrigação de ter
um contador para fazer o controle.
• Escrituração contábil - quando há obrigação do controle ser feito por contador.
Se a empresa em que você trabalha optar pelo regime de caixa, deverá apurar todos os outros tributos da
RFB – PIS, Cofins e CSLL – pelo mesmo regime de caixa, além de ser obrigatório a utilizá-lo durante o
ano-calendário inteiro, ou seja, de janeiro a dezembro, não podendo, desta forma, optar pelo regime de caixa
no meio do exercício, conforme estabelece a IN 104/98 alterada pela IN SRF 247, de 2002, a seguir:
Art. 2º O disposto neste artigo aplica-se, também, à determinação das bases de cálculo da contribuição PIS/Pasep, da
contribuição da seguridade social – Cofins, da contribuição social sobre o lucro líquido e para os optantes pelo SIMPLES.

Como você pôde perceber, uma vez que a empresa optar pelo regime de caixa, deverá apurar todos os tributos
por esse mesmo regime.

3.2.2 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ)


Sempre que for preciso identificar a base de cálculo (sobre qual valor será aplicado uma porcentagem) do IRPJ
das empresas tributadas pelo lucro presumido, devem-se aplicar ao valor considerado como receita bruta os
percentuais divulgados em lei de acordo com cada ramo de atividade da empresa.
O artigo 15 da Lei 9.240/95 e o artigo 25 da Lei 9.430/96 determinam os percentuais a serem aplicados,
conforme demonstrado pela Tabela 9 a seguir:

Planejamento Tributário 24
3 - fundamentos de tributos

Tabela 9 – Percentuais a serem aplicados sobre a receita bruta

Na revenda, para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico


1,6%
carburante e gás natural.
8% Na venda de mercadorias e produtos.
8% Na prestação de serviços de transporte de cargas.
8% Na prestação de serviços hospitalares.
8% Na venda de imóveis das empresas com esse objeto social.
8% Nas indústrias gráficas.
8% Na construção civil por empreitada com esse objeto social.
16% Na prestação de serviços de transporte, exceto de cargas.
Na prestação de serviços em geral pelas pessoas jurídicas com receita bruta
16% anual de até R$ 120.000,00, exceto serviços hospitalares, transportes e
profissões regulamentadas.
32% Na prestação de demais serviços não incluídos nos incisos anteriores.

Fonte: Secretaria da Receita Federal do Brasil.

O lucro presumido é determinado, ainda, pela soma de outras parcelas, além do valor resultante da aplicação
desses percentuais mencionados, conforme o inciso II do artigo 25 da Lei 9.430/96.
II – os ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em aplicações financeiras, as demais receitas e
os resultados positivos decorrentes de receitas não abrangidas pelo inciso anterior e determinados valores nesta lei,
auferidos naquele mesmo período.

Veja a seguir um exemplo de Cálculo do IRPJ de uma empresa prestadora de serviços com a base de cálculo
de 16%. A Tabela 10 traz o faturamento dessa empresa:
Tabela 10 – Empresa com base de cálculo de 16% (Prestação de Serviços)

Primeiro trimestre 16% Segundo trimestre 16%


Faturamento R$ 50.000,00 Faturamento R$ 60.000,00
Base de cálculo R$ 8.000,00 Base de cálculo R$ 9.600,00
IRPJ - 15% R$ 1.200,00 IRPJ - 15% R$ 1.440,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Observe que, aplicando o percentual de 16% de IRPJ sobre o faturamento desta empresa, tem-se a base de
cálculo para o IRPJ (R$ 50.000,00 e R$ 60.000,00). Sobre essa base, aplica-se o percentual de 15% perfazendo
um total de R$1.200,00 no primeiro trimestre e R$1.440,00 no segundo trimestre.

3.2.3 Prestação de serviços em geral – faturamento a superar R$ 120.000,00 durante o


ano-calendário
Chama-se de ano-calendário o ano em que a movimentação ocorre.

Exemplo
Se eu comprei um carro dia 15/10/2011 e 02/11/2015, os anos-calendários serão 2011 e 2015.

Caso a empresa que calcula o tributo se enquadrar nas prestações de serviços em geral, cujo percentual de
presunção, ou de lucro presumido, seja de 16% e no decorrer do ano calendário exceder o limite anual esta�

Planejamento Tributário 25
3 - fundamentos de tributos

belecido de R$ 120.000,00, a empresa deverá recolher a diferença relativa aos trimestres anteriores em quota
única, por meio de Darf (Documento de Arrecadação da Receita Federal) separado, no código 2089 (IRPJ
lucro presumido), até o último dia do mês subsequente ao trimestre em que ocorrer o excesso e nas próximas
apurações deverá calcular com o percentual de 32%.
Vamos apurar a diferença a ser recolhida em quota única por meio de um exemplo para compreender melhor
essa questão. Observe os dados da Tabela 11 a seguir:
Tabela 11 – Exemplo de Cálculo de Tributos

Período Faturamento Faturamento acumulado


Trimestre 1 R$ 50.000,00 R$ 50.000,00
Trimestre 2 R$ 60.000,00 R$ 110.000,00
Trimestre 3 R$ 40.000,00 R$ 150.000,00
Trimestre 4 R$ 55.000,00 R$ 205.000,00
TOTAIS R$ 205.000,00 R$ 205.000,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Com o exemplo, vemos que a partir do trimestre 3, o limite de R$120.000,00 foi ultrapassado e, portanto, a
diferença deverá ser recolhida. Vejamos o cálculo da diferença na Tabela 12:
Tabela 12 – Cálculo da diferença no recolhimento do IRPJ (Cota Única)

Trimestre 1 16% Trimestre 1 32%


Faturamento R$ 50.000,00 Faturamento R$ 50.000,00
Base de cálculo R$ 8.000,00 Base de cálculo R$ 16.000,00
IRPJ - 15% R$ 1.200,00 IRPJ - 15% R$ 2.400,00
Diferença do trimestre 1 R$ 1.200,00
Trimestre 2 16%   32%
Faturamento R$ 60.000,00 Faturamento R$ 60.000,00
Base de cálculo R$ 9.600,00 Base de cálculo R$ 19.200,00
IRPJ - 15% R$ 1.440,00 IRPJ - 15% R$ 2.880,00
Diferença do trimestre 2 R$ 1.440,00
Diferença total dos trimestres a recolher R$ 2.640,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

As bases de cálculo do IRPJ das apurações, a partir do trimestre 3, serão apuradas com o percentual de 32%.

3.2.4 Contribuição Social sobre o Lucro Líquido


Conforme o artigo 29 da Lei 9.430/96, o percentual de presunção do lucro (base positiva) da CSLL corres�
ponde a 12% da receita bruta para as empresas comerciais e industriais. Como no caso do cálculo do IRPJ,
o resultado da presunção será acrescido de ganho de capital, de rendimentos e aplicação financeira e demais
receitas auferidas no trimestre.
O artigo 20 da Lei 9.249/95 fixou a base de cálculo da CSLL em 12% para as pessoas jurídicas comerciais ou indus�
triais e em 32% para as prestadoras de serviços em geral, que são empresas que prestam todos os tipos de serviços.
Entram nessa base de cálculo, serviços de advocacia, de contabilidade, de corretagem de imóveis, entre outros.
Em ambos os casos – empresas comerciais/industriais e prestadoras de serviços - assim como no IRPJ e na
CSLL, quando uma empresa possui vários tipos de atividade – comércio, indústria e serviços, ela deve separar
as receitas por atividade e apurar a base de cálculo de cada atividade.

Planejamento Tributário 26
3 - fundamentos de tributos

Exemplo
Uma oficina mecânica presta os serviços de mão de obra e faz a venda das peças utilizadas no serviço.
Essa empresa deverá separar as receitas com as vendas das peças e com as prestações de serviços ou aqui
chamadas de mão de obra.

Atenção
1) A partir de 1º de setembro de 2003, o percentual da receita bruta considerado para efeito de
determinação da base de cálculo da CSLL, é de 32% (trinta e dois por cento), para as atividades de:
a. aprestação de serviços em geral, observado o disposto no item 2 desta caixa de atenção;
b. intermediação de negócios;
c. administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza;
d. prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito,
seleção de riscos, administração de contas a pagar e a receber, e compra de direitos creditórios
resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring).

2) Para as atividades de prestação de serviços hospitalares e de transporte, inclusive de carga, o percentual


de receita bruta a ser considerado é de 12% (doze por cento).
Fonte: Site da Receita Federal (2018).

3.2.5 Alíquota e Adicional do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ)


Após ser determinada a base de cálculo, devem-se aplicar as alíquotas fixadas na legislação vigente, que poderão
ocorrer das seguintes formas:
• No caso do IRPJ, o artigo 3º da Lei 9.249/95 dispõe que o valor do imposto a recolher será
mediante a aplicação, sobre a base de cálculo, da alíquota de 15%.
• No caso de o montante identificado como o lucro presumido (base de cálculo) ultrapassar o limite
fixado pelo artigo 3º, §1º, Lei 9.249/95, de R$ 20.000,00 multiplicado pelo número de meses do
respectivo período de apuração, há incidência do adicional do Imposto de Renda à alíquota de
10% sobre o valor excedente, conforme já havíamos visto anteriormente.

3.2.6 Alíquota da Contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL)


Na Contribuição social sobre o lucro líquido, a alíquota da CSLL é de 9% para as pessoas jurídicas em geral,
e, de 15%, no caso das pessoas jurídicas consideradas instituições financeiras, de seguros privados e de capi�
talização, aplicada ao montante da base positiva (lucro) presumida conforme artigo 17 da Lei nº 11.727, de
23 de junho de 2008. Não há adicional dessa contribuição.

3.2.7 Deduções do IRPJ e da CSLL


Conforme artigo 15 da Lei 9.430/96: “A pessoa jurídica domiciliada no Brasil que auferir, de fonte no exterior,
receita decorrente da prestação de serviços efetuada diretamente, poderá compensar o imposto pago no país
de domicílio da pessoa física ou jurídica contratante, observado o disposto no art. 26 da Lei nº 9.249, de 26
de dezembro de 1995.” Se o imposto devido for menor que o montante a deduzir, a diferença poderá ainda
ser compensada nas apurações subsequentes.

Planejamento Tributário 27
3 - fundamentos de tributos

A partir de 19/06/2015, a Lei 13.137/2015 altera o valor do faturamento para R$ 215,05, em que deverá
ser aplicado a alíquota de 4,65% de retenção dos referidos tributos. O parágrafo 3º da referida lei diz que:
Fica dispensada a retenção de valor igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais), exceto na hipótese de Documento de
Arrecadação de Receitas Federais - Darf eletrônico efetuado por meio do Siafi.

Em outras palavras, se a base de cálculo for R$ 215,05, não haverá recolhimento. Para haver o recolhimento,
a base de cálculo precisa ser maior que R$ 215,06.
Exemplo:
R$ 215,05 x 4,65 = R$ 9,99
R$ 215,06 x 4,65% = 10,00
Dentre vários assuntos, a Lei 13.137/2015 altera os artigos 31 e 35 da Lei 10.833/2003, para reduzir o limite
legal de dispensa da retenção na fonte das contribuições sociais (CSLL, PIS, e Cofins), incidente sobre os
pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de direito privado pela prestação de
serviços de limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão
de obra, pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos,
administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de serviços profissionais estão sujeitas
à retenção na fonte dos seguintes tributos: PIS 0,65%, Cofins 3% e CSLL 1%.

Importante
Os tributos retidos na fonte não sofrem alteração todos os dias, mas devemos ficar atentos para, quando
ocorrer, mantermos em dia as nossas obrigações. Poderá ser consultado pelo site da Receita Federal do
Brasil e lá será demonstrada qualquer alteração que ocorra.

3.2.8 Apuração e contabilização do IRPJ e da CSLL em empresa mista (comercial e serviços)


Para você compreender a apuração e contabilização do IRPJ e da CSLL, acompanhe a explicação do exemplo
a seguir.
A empresa “Indústria, Comércio e Prestadora de Serviços Limpa Tudo Ltda.”, que produz e comercializa
produtos de limpeza, além de prestar serviços de limpeza, é optante pelo Lucro Presumido. Essa empresa
obteve os valores apontados na Tabela 13 referente à apuração do IRPJ e CSLL 4º trimestre de 2017:
Tabela 13 – Apuração do IRPJ e CSLL da “Indústria, Comércio e Prestadora de Serviços Limpa Tudo Ltda.” (4º trimestre, 2017)

PRODUÇÃO E VENDA DE PRODUTOS DE LIMPEZA


(=) Faturamento bruto (com IPI incluso) R$ 94.500,00
(-) IPI (5%) R$ 4.500,00
Receita com venda de produtos de
(=) R$ 90.000,00
limpeza
(-) Descontos incondicionais concedidos R$ 3.800,00
Faturamento líquido da atividade
(=) R$ 86.200,00
comercial
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA
Receita com prestação de serviços de
(=) R$ 250.000,00
limpeza
(-) Descontos incondicionais concedidos R$ 5.000,00
Faturamento líquido na prestação de
(=) R$ 245.000,00
serviços

Planejamento Tributário 28
3 - fundamentos de tributos

IRPJ
Faturamento líquido comercial (86.200,00 x 8%) = Lucro Presumido R$ 6.896,00
Faturamento líquido serviços (245.000,00 x 32%) = Lucro Presumido R$ 78.400,00
(+) Aluguéis recebidos R$ 1.500,00
(+) Ganho de capital sobre venda de imobilizado R$ 1.000,00
(+) Ganho sobre receita financeira R$ 500,00
(=) Base de cálculo IRPJ R$ 88.296,00
IRPJ (88.296,00 X 15%) R$ 13.244,40
IRPJ (Adicional (88.296,00 - 60.000,00) x 10% R$ 2.829,60
TOTAL IRPJ R$ 16.074,00
CSLL
Faturamento líquido comercial (86.200,00 x 12%) R$ 10.344,00
Faturamento líquido serviços (245.000,00 x 32%) R$ 78.400,00
(+) Aluguéis recebidos R$ 1.500,00
Ganho de capital sobre venda de
(+) R$ 1.000,00
imobilizado
(+) Ganho sobre receitas financeiras R$ 500,00
(=) Base de cálculo CSLL R$ 91.744,00
CSLL (91.744,00 X 9%) R$ 8.256,96
TOTAL CSLL R$ 8.256,96

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Veja a seguir como se dá a contabilização do IRPJ e da CSLL (sem considerar que houve retenção dos
mesmos tributos):
1) Registro do IRPJ a ser pago:
D – Despesa IRPJ (conta de despesa)
C – IRPJ a recolher R$13.244,14 (conta do passivo)

2) Registro do adicional:
D – Despesa IRPJ (conta de despesa)
C – IRPJ a recolher R$ 2.829,60 (conta do passivo)

3) Registro da CSLL a ser paga:


D – Despesa CSLL (conta de despesa)
C – CSLL a recolher R$ 8.256,96 (conta do passivo)

4) Pagamento do IRPJ e da CSLL:


D – IRPJ a recolher R$16.074,00 (conta do passivo)
D – CSLL a recolher R$ 8.256,96 (conta do passivo)
C – Banco ou caixa R$ 24.330,96 (conta do ativo)

3.2.9 Contabilização das retenções de IRPJ e CSLL a serem utilizadas nas deduções dos
tributos a serem pagos.
Para você compreender a contabilização das retenções de IRPJ e CSLL a serem utilizadas nas deduções dos
tributos a serem pagos, acompanhe a explicação do exemplo a seguir.
Supondo que a empresa tomadora dos serviços Gama Leão Ltda. tenha efetuado as seguintes retenções
constantes da Nota Fiscal emitida por uma empresa prestadora de serviços:

Planejamento Tributário 29
3 - fundamentos de tributos

Tabela 14 – Exemplo de Retenções de Imposto de Renda

Serviços de limpeza R$ 6.126,81


IRRF 1,50% R$ 91,90
CSLL 1% R$ 61,27
PIS 0,65% R$ 39,82
Cofins 3% R$ 183,80
Total líquido da NF R$ 5.750,02

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

De acordo com os valores destacados na Tabela 14, a empresa tomadora de serviços Gama Leão Ltda. irá
pagar ao prestador o valor de R$ 5.750,02 , sendo que as retenções tributárias deverão ser recolhidas pelo
tomador em guias de pagamento. Veja a seguir como ocorre a contabilização:
• Debita – Clientes R$ 5.750,02
• Debita – IRRF a recuperar R$ 91,90
• Debita – CSLL a recuperar R$ 61,27
• Debita – PIS a recuperar R$ 39,82
• Debita – Cofins a recuperar R$ 183,80
• Credita – Receitas de serviços R$ 6.126,81
Agora, vamos verificar quais são os valores dos tributos devidos na apuração do Lucro Presumido, com base
no item anterior, considerando as retenções de IRRF e CSLL. Observe os dados da Tabela 15.
Tabela 15 – Valores dos Tributos Devidos.

IRPJ R$ 13.244,40
IRPJ (Adicional) R$ 2.829,60
(-) IRRF R$ 91,90
TOTAL IRPJ A PAGAR R$ 15.982,10
CSLL R$ 8.256,96
(-) CSLL retida na fonte R$ 61,27
TOTAL CSLL A PAGAR R$ 8.195,69

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

De acordo com os valores da tabela, será feita a seguinte compensação dos tributos retidos:
• Debita – IRPJ a recolher R$ 91,90 (Conta do Passivo)
• Credita – IRRF a compensar R$ 91,90 (Conta do Ativo)
• Debita – CSLL a recolher R$ 61,26 (Conta do Passivo)
• Credita – CSLL a compensar R$ 61,26 (Conta do Ativo)
Portanto, o pagamento dos tributos IRPJ e CSLL pelo valor líquido será da seguinte forma:
• Debita – IRPJ a recolher R$ 15.982,10 (Conta do Passivo)
• Debita – CSLL a recolher R$ 8.195,69 (Conta do Passivo)
• Credita – Banco ou caixa R$ 24.177,79 (Conta do Ativo)

Planejamento Tributário 30
3 - fundamentos de tributos

3.3 CONTABILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES ORIUNDAS DO LUCRO


ARBITRADO
O lucro arbitrado é um regime tributário das pessoas jurídicas como o lucro real, presumido e SIMPLES
nacional. Porém, é mais utilizado pelo fisco, que é uma abreviação para o ente fiscalizador, ou seja, os fiscais
de tributos, nas hipóteses previstas na legislação vigente, com o objetivo de arbitrar o lucro da empresa para
aplicar a tributação. Em outras palavras, o Fisco determina o lucro da empresa através de índices de arbi�
tramento (que são porcentagens) juntamente com os de presunção do lucro, aplicados no lucro presumido,
quando a receita bruta é conhecida.

Reflita
Para compreender o que é arbitramento, pense em um árbitro de futebol que é quem decide se os lances
na partida são certos ou errados. Aqui o árbitro poderá ser o fiscal de tributos ou até mesmo o contador da
empresa quando percebe alguma irregularidade.

Quando a receita bruta não é conhecida, existem outras formas de arbitramento do lucro utilizadas somente
pelo fisco. A receita poderá ser conhecida pela venda da mercadoria ou pela prestação de serviços emitida
na nota fiscal, como por exemplo, quando você vai ao mercado comprar leite e pede a nota. Ela pode ser não
conhecida (ou desconhecida) quando pela venda de mercadoria ou prestação de serviços não é emitida a nota
fiscal, como por exemplo, quando você vai ao mercado comprar leite e não pede a nota fiscal.
É importante lembrar que qualquer empresa pode optar pelo lucro arbitrado (ou chamado de autoarbitramento,
pois não precisou de um fiscal para obrigá-la), quando se encontrar nas situações previstas em lei, desde que
a receita bruta seja hipóteses de o lucro ser arbitrado.
Quando tratamos de tributos federais, como o caso do IRPJ, existe um regulamento, um manual com normas
chamado de Regulamento do Imposto de Renda, do ano de 1999, mas que poderá sofrer alterações. Todas
as alterações serão expostas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e, por isso, é muito importante estar
sempre navegando pelo seu site ou por outros sites de confiança, especializados em tributos. Para que o fiscal
chegue à empresa e arbitre o seu lucro, ou seja, diga que você está calculando o seu lucro errado, poderá ser
por alguma das hipóteses abaixo conforme tratado pelo artigo 530 do RIR.
O artigo 530 do Regulamento do Imposto de Renda (RIR/99) prevê as seguintes hipóteses de arbitramento
do lucro:
Art. 530. O imposto devido trimestralmente, no decorrer do ano-calendário, será determinado com base nos
critérios do lucro arbitrado, quando (Lei 8.981, de 1995, artigo 47 e Lei 9.430, de 1996, artigo 1º):
I – o contribuinte, obrigado à tributação com base no lucro real, não mantiver escrituração na forma das leis
comerciais e fiscais, ou deixar de elaborar as demonstrações financeiras exigidas pela legislação fiscal;
II – a escrituração a quem estiver obrigado o contribuinte revelar evidentes indícios de fraudes ou contiver vícios,
erros ou deficiências que a torne imprestável para:
a) identificar a efetiva movimentação financeira, inclusive bancária ou;
b) determinar o lucro real.
III – o contribuinte deixar de apresentar à autoridade tributária os livros e documentos da escrituração comercial e
fiscal, ou o livro caixa, na hipótese do parágrafo único do artigo 527 (obrigatoriedade da apresentação);
IV – o contribuinte optar indevidamente pelo lucro presumido;
V – o comissário ou representante da pessoa jurídica estrangeira deixar de escriturar e apurar o lucro da sua atividade
separadamente do lucro do comitente residente ou domiciliado no exterior (artigo 398); (refere-se aos rendimentos
auferidos em virtude de remessa para o Brasil de mercadorias consignadas a venda no país-importador).
VI – o contribuinte não mantiver, em boa ordem e segundo as normas contábeis recomendadas, livro razão ou fichas
utilizados para resumir e totalizar, por conta ou subconta, os lançamentos efetuados no diário.

As hipóteses ou situações mencionadas poderão ser passíveis de arbitramento do lucro, por isso é importante
conhecer. Caso você venha a trabalhar com situações dessa natureza, deverá ter em mente as informações
sobre tais hipóteses.

Planejamento Tributário 31
3 - fundamentos de tributos

3.3.1 Opção pelo Arbitrado


O artigo 531 do Regulamento do Imposto de Renda (RIR/99) diz que é possível optar pelo lucro arbitrado
quando o contribuinte possui receitas conhecidas ou quando se enquadra nas hipóteses do arbitramento regidas
pelo artigo 530, visto anteriormente. O artigo traz uma redação resumidamente assim:
[...] do regulamento do imposto de renda dispõe que, quando o contribuinte tem o conhecimento de sua
receita bruta e desde que ocorridas as hipóteses no artigo 530, poderá optar pelo recolhimento dos tributos
na forma de lucro arbitrado.

3.3.2 Receita Bruta Conhecida


Quando a receita bruta for conhecida pelo contribuinte (documentada, registrada na contabilidade e com
demonstrações contábeis), o lucro arbitrado será determinado mediante a aplicação, sobre a receita bruta, dos
percentuais fixados no lucro presumido, acrescidos de 20% para determinação da base de cálculo do IRPJ.
Já na CSLL, a base de cálculo das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro arbitrado não será acrescida de 20%
como no IRPJ, mantendo os mesmos percentuais de 12% e 32% do lucro presumido.

Dica
Se a empresa optar pelo lucro arbitrado, fará o cálculo do IRPJ da mesma forma que feito no lucro
presumido, acrescendo 20% a mais do valor da base de cálculo. Já na base de cálculo da CSLL, não haverá
modificação, portanto, será igual a do lucro presumido.

3.3.3 Receita Bruta Não Conhecida


O lucro arbitrado poderá ser determinado quando a receita bruta não for conhecida (não houver documen�
tação, registro e demonstração contábil) através do procedimento de ofício (somente pelo fisco), mediante a
aplicação dos índices previstos no artigo 535 do regulamento do imposto de renda, a seguir:
I – um inteiro e cinco décimos do lucro real referente ao último período em que a pessoa jurídica manteve
escrituração de acordo com as leis comerciais;
II – quatro centésimos da soma dos ativos circulantes, realizável ao longo prazo e permanente, existentes nos último
balanço patrimonial conhecido;
III – sete centésimos do valor do capital, inclusive a sua correção monetária contabilizada como reserva de capital,
constante do último balanço patrimonial conhecido ou registrado nos atos de constituição e alteração da sociedade;
IV – cinco centésimos do valor do patrimônio líquido constante do último balanço patrimonial conhecido;
V – quatro décimos do valor das compras de mercadorias efetuadas no mês;
VI – quatro décimos da soma, em cada mês, dos valores da folha de pagamento dos empregados e das compras de
matéria-prima, produtos intermediários e materiais de embalagens;
VII – oito décimos da soma dos valores devidos ao mês a empregados;
VIII – nove décimos do valor mensal do aluguel devido.
§1º As alternativas previstas nos incisos V, VI e VII, a critério da autoridade lançadora, poderão ter sua
aplicabilidade limitada, respectivamente, às atividades comerciais, industriais e de prestação de serviços e, no caso de
empresas com atividade mista, ser adotados isoladamente em cada atividade. (Lei 8.981, de 1995 art. 51, § 1º).
§2º Para os efeitos da aplicação do disposto no inciso I, quando o lucro real for decorrente de período de apuração
anual, o valor que servirá de base ao arbitramento será proporcional ao número de meses do período apurado
considerado. (Lei 8.981, de 1995, art. 51, § 2º).
§3º No caso dos incisos I a IV, deverá ser efetuada atualização monetária até 31 de dezembro de 1995. (Lei 8.981,
de 1995, artigo 51, § 3º, e Lei 9.249, de 1995, artigo 4º).
§4º No caso deste artigo, os coeficientes de que tratam os incisos II, II e IV deverão ser multiplicados pelo número
de meses do período de apuração. (Lei 9.430, de 1996, artigo 27, § 1º).
§5º Na hipótese de utilização das alternativas de cálculos previstas nos incisos V a VIII, o lucro arbitrado será o valor
resultante da soma dos valores apurados para cada mês do período de apuração. (Lei 9.430, de 1996, artigo 27, § 2º).

Planejamento Tributário 32
3 - fundamentos de tributos

Acima apresentamos para você ter conhecimento como seria feito o arbitramento do lucro caso o fiscal fosse
à empresa.
Note que o valor aplicado pelo fiscal será maior do que o autoarbitramento!

3.3.4 Acréscimos à Base Cálculo


Serão acrescidos, à base de cálculo, os ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em
aplicações financeiras, as demais receitas e os resultados positivos decorrentes de receitas não abrangidas pelo
artigo 531, auferidos no período, assim como ocorre nas demais formas de apuração (Valor recuperado de
custo ou receita).
a) Deduções do IRPJ e da CSLL
O montante a pagar poderá ser deduzido com o importo pago ou retido na fonte sobre as receitas
que integram a base de cálculo, vedada qualquer dedução a título de incentivo fiscal.

b) Não obrigatoriedade da escrituração contábil perante a Receita Federal do Brasil


A escrituração contábil não é obrigatória no lucro arbitrado de acordo com o artigo 530, inciso
VI, do regulamento do imposto de renda, pois a não escrituração contábil pelo contribuinte é
causa para o arbitramento do lucro:
VI – O contribuinte não mantiver, em boa ordem e segundo as normas contábeis recomendadas, livro razão ou
fichas utilizados para resumir e totalizar, por conta ou subconta, os lançamentos efetuados no diário.

Em outras palavras, caso a empresa não tenha escrituração contábil com profissional da contabilidade, deverá
optar pelo lucro arbitrado ou se autoarbitrar.
Acompanhe a explicação por meio de um exemplo de como fazer o cálculo do IRPJ e da CSLL em empresa mista
com base no lucro arbitrado.
Empresa mista é aquela que possui duas receitas, a
de venda de mercadorias e a da prestação de serviços.

A empresa “Comércio de Peças e Serviços de Automóveis Ltda.” comercializa acessórios para carros e presta
serviços de manutenção e reparos. Ela é optante pelo lucro arbitrado e obteve os seguintes valores na apuração
do IRPJ e CSLL no 1º trimestre de 2018:
Tabela 16 – Apuração do IRPJ e CSLL da empresa “Comércio de Peças e Serviços de Automóveis Ltda.” (1º trimestre de 2018).

(=) Faturamento bruto da atividade comercial R$ 45.800,00


(-) Devoluções -R$ 2.200,00
(=) Faturamento líquido da atividade comercial R$ 43.600,00
 

(=) Receita com prestação de serviços R$ 80.000,00


(-) Descontos concedidos R$ 4.000,00
(=) Faturamento líquido prestação de serviços R$ 76.000,00
  IRPJ comercialização – Apuração 
  Faturamento líquido Comercial (43.600,00 * 8%) R$ 3.488,00
  Arbitramento (8% * 20% = 1,6% (Aplicar sobre 43.600,00) R$ 697,60
(=) Subtotal 1 R$ 4.185,60
IRPJ prestação de serviços – Apuração 
  Faturamento líquido prest. Serviços (76.000,00 *32%) R$ 24.320,00
  Arbitramento (32% * 20% = 6,4% aplicar sobre 76.000,00)) R$ 4.864,00
(+) Subtotal 2 R$ 29.184,00
 

Planejamento Tributário 33
3 - fundamentos de tributos

(+) Aluguel recebido R$ 3.000,00


(+) Ganho de capital na venda de imobilizado R$ 4.000,00
(=) Base de cálculo para o IRPJ R$ 40.369,60
  IRPJ (40.369,60*15%) R$ 6.055,44
  Adicional IRPJ (trimestre < 60.000,00) 0
  IRPJ a pagar R$ 6.055,44
 CSLL – Apuração
(=) Faturamento líquido comercial (43.600,00 * 12%) R$ 5.232,00
(+) Faturamento líquido prestação de serviços (76.000,00 * 32%) R$ 24.320,00
(+) Aluguéis recebidos R$ 3.000,00
(+) Ganho de capital na venda de imobilizado R$ 4.000,00
(=) Base de cálculo para a CSLL R$ 36.552,00
  CSLL (36.552,00 * 9%) R$ 3.289,68
  CSLL a pagar R$ 3.289,68

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Veja como foi feita a contabilização do IRPJ e da CSLL a partir dos dados da Tabela 16.
1) Pelo registro do IRPJ a ser pago:
Debita – Despesa com IRPJ R$ 6.055,44 (Conta de despesa)
Credita – IRPJ a recolher R$ 6.055,44 (conta do passivo)

2) Pelo registro da CSLL a ser paga:


Debita – Despesa com CSLL R$ 3.289,68 (Conta de despesa)
Credita – CSLL a recolher R$ 3.289,68 (conta do passivo)

3) Pelo pagamento do IRPJ e da CSLL:


Debita – IRPJ a recolher R$ 6.055,44 (conta do passivo)
Debita – CSLL a recolher R$ 3.289,68 (conta do passivo)
Credita – Banco ou caixa R$ 9.345,12 (conta do ativo)

Planejamento Tributário 34
4 PIS E COFINS
Como temos percebido, as empresas pagam tributos (IRPF e CSLL) sobre o seu lucro, mas também devem
pagar tributo sobre o faturamento com o PIS e Cofins. Veja o que significa PIS e Cofins:
• PIS - o Programa de Integração Social (PIS) tem por objetivo assegurar aos trabalhadores a inte�
gração na vida e no desenvolvimento das empresas. Foi instituído pela Lei Complementar nº 7/70.
• Cofins - a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) foi criada pela Lei
Complementar nº 70/91. Destina-se às despesas com atividades fins das áreas de saúde, previ�
dência e assistência social.
O PIS e a Cofins serão os tributos que a empresa deverá pagar sobre o faturamento. Esses tributos são apurados
e pagos mensalmente.
Quem está obrigado a pagar o PIS e a Cofins?
Segundo o artigo 22 da Lei nº 8.212, de 24/07/1991, as pessoas jurídicas de direito privado e as que lhes são
equiparadas pela legislação do Imposto de Renda, inclusive as empresas públicas, as sociedades de economia
mista e suas subsidiárias, estão obrigadas ao pagamento das contribuições PIS e Cofins.

4.1 CUMULATIVIDADE X NÃO CUMULATIVIDADE


Quando se trata de tributos, devem-se tratar de dois tipos deles:
• Cumulativos - o regime cumulativo é aquele em que não há desconto deste mesmo tributo já
pago antes. O PIS e a Cofins não permitem abater créditos deles.
• Não cumulativos - os tributos não cumulativos são os que permitem descontar os valores já retidos
ou pagos deles mesmos. Por exemplo, se eu já paguei IR no meu contracheque, eu não precisarei
pagá-lo novamente na declaração de IR anual.
As contribuições para o PIS e a Cofins inicialmente foram instituídas pelo regime cumulativo, que consiste
em um método de apuração em que o tributo é exigido por inteiro toda vez que ocorre a hipótese de inci�
dência, sem a possibilidade de creditar-se dos valores pagos nas operações anteriores. As pessoas jurídicas e
equiparadas que apuram o IRPJ com base no presumido ou arbitrado estão sujeitas à incidência cumulativa,
que é o mesmo que dizer: são cumulativos.

Exemplo
As receitas de venda de álcool para fins carburantes, de venda de produtos sujeitos à substituição
tributária, de venda de veículos usados, de energia elétrica e outras dispostas em lei também poderão ser
consideradas de incidência cumulativa (Lei 10.637, de 2002, e Lei 10.833, de 2003).

A partir da Lei 10.637/2002 referente ao PIS e da Lei 10.833/2003 referente à Cofins, foi instituído a essas
contribuições sociais (visando evitar o efeito “cascata”) o regime não cumulativo, que consiste em uma siste�
mática de compensar-se o valor do tributo devido em cada operação com o montante cobrado na operação
anterior. As pessoas jurídicas e equiparadas que apuram o IRPJ com base no lucro real estão sujeitas à inci�
dência não cumulativa.

Planejamento Tributário 35
3 - pis e cofins

4.2 REGIME MONOFÁSICO


O regime monofásico de tributação do PIS e da Cofins consiste em um mecanismo especial, pois atribui a
responsabilidade pelo imposto devido por toda a cadeia a um único contribuinte da cadeia. Sendo assim, o
Fisco criou o regime monofásico de tributação para alguns produtos como de higiene pessoal, medicamentos,
entre outros, como forma de combater a informalidade.
A partir de agora, você estudará as características das contribuições aqui tratadas de acordo com cada regime.

4.3 PIS E COFINS – REGIME CUMULATIVO


O artigo 2º da Lei nº 9.718, de 1998, definiu que as contribuições para o PIS e a Cofins devidas pelas pessoas
jurídicas de direito privado e as que lhes são equiparadas pela legislação do Imposto de Renda, inclusive as
empresas públicas, as sociedades de economia mista e suas subsidiárias, terão como base de cálculo o valor
do seu faturamento.

O faturamento correspondente à receita bruta da pessoa jurídica, entendida


como a totalidade das receitas auferidas, sendo irrelevante o tipo de atividade
exercida pela empresa ou a classificação contábil adotada para a sua escrituração.

O Regulamento do Imposto de Renda em seu artigo 279 define receita bruta da seguinte forma:
Art. 279. A receita bruta das vendas e serviços compreende ao produto da venda de bens nas operações próprias de
conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia.

Podemos concluir então que a base de cálculo para o PIS e a Cofins é a receita bruta de uma empresa.

4.4 EXCLUSÕES DA BASE DE CÁLCULO


A Legislação Tributária permite que se descontem alguns valores da base de cálculo do PIS e da Cofins:
Nos termos do artigo 3º da Lei 9.718/98 e artigo 52 da Lei 12.973/2014, para determinação da base de
cálculo, podem ser excluídos do faturamento:
a) as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos;
b) as reversões de provisões e recuperações de créditos baixados como perda, que não repre�
sentem ingresso de novas receitas, o resultado positivo da avaliação de investimento pelo
valor do patrimônio líquido e os lucros e dividendos derivados de participações societárias,
que tenham sido computados como receita bruta;
c) a receita decorrente da venda de bens classificados no ativo não circulante que tenha sido
computada como receita bruta;
d) a receita reconhecida pela construção, recuperação, ampliação ou melhoramento da infraes�
trutura, cuja contrapartida seja ativo intangível representativo de direito de exploração, no
caso de contratos de concessão de serviços públicos.
É muito importante que você tenha anotado esses descontos caso trabalhe com tributos, além de ficar sempre
ligado nas alterações previstas e informadas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil.

Planejamento Tributário 36
4 - pis e cofins

4.5 ALÍQUOTAS
Você lembra qual o valor da porcentagem do IRPJ e da CSLL? Assim como eles, o PIS e Cofins possuem
porcentagens que são: PIS 0,65% e Cofins 3% para empresas enquadradas no Lucro Presumido.
Para as empresas enquadradas no Lucro Real, as alíquotas são: PIS 1,65% e Cofins 7,6%.

4.6 APURAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES EM EMPRESAS COMERCIAIS


Considerando que vimos antes as porcentagens do PIS e da Cofins, bem como a suas bases de cálculos, vamos
ver como calcular essas porcentagens em uma empresa comercial, por meio da explicação de um exemplo a seguir.
A empresa “Supermercados Canarinho Ltda.”, optante pelo lucro presumido, encerrou o mês de dezembro
de 2017 com as informações de faturamento vistas na Tabela 17.
Tabela 17 – Faturamento da Empresa “Supermercados Canarinho Ltda.”

Informações
(=) Vendas totais de mercadorias R$ 130.000,00
(-) Devolução de vendas -R$ 10.000,00
(+) Aluguel recebido de um imóvel R$ 5.000,00
( ) Receitas Financeiras * R$ -
(=) TOTAL DA BASE DE CÁLCULO R$ 125.000,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2017).

A partir de 01.07.2015, as alíquotas do PIS e COFINS sobre receitas financeiras, inclusive decorrentes de operações
realizadas para fins de hedge, auferidas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao regime de apuração não-cumulativa das
referidas contribuições, serão de 0,65% e 4%, respectivamente.
Aplica-se tal tributação inclusive às pessoas jurídicas que tenham apenas parte de suas receitas submetidas ao
regime de apuração não-cumulativa da Contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS.
Ficam mantidas em 1,65% (um inteiro e sessenta e cinco centésimos por cento) e 7,6% (sete inteiros e seis
décimos por cento), respectivamente, as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS apli�
cáveis aos juros sobre o capital próprio.
Maiores informações vide Decreto 8.426/2015.

Até aqui, encontramos a receita bruta da empresa, com deduções e adições permitidas, comentadas anterior�
mente. Agora veja como se dá o cálculo e contabilização do PIS e da Cofins:
1) Pelos cálculos das contribuições:
PIS 125.000,00 X 0,65% R$ 812,50
Cofins 125.000,00 x 3% R$ 3.750,00

2) Pela contabilização das contribuições:


Debita – Despesa PIS R$ 812,50 (conta de despesa)
Credita – PIS a recolher R$ 812,50 (conta do passivo)
Debita – Despesa Cofins R$ 3.750,00 (conta de despesa)
Credita – Cofins a recolher R$ 3.750,00 (conta do passivo)

Planejamento Tributário 37
4 - pis e cofins

3) Pelo recolhimento dos tributos:


Debita – PIS a recolher R$ 812,50 (conta do passivo)
Debita – Cofins a recolher R$ 3.750,00 (conta do passivo)
Credita – Banco ou caixa R$ 4.562,50 (conta do ativo)

Com base no exemplo, pôde-se perceber que não é complexo o cálculo de PIS e da Cofins. A base de cálculo
é simples de apurar e logo se aplica a sua porcentagem devida.

4.7 APURAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES EM EMPRESAS INDUSTRIAIS


Depois de ter estudado como calcular as porcentagens do PIS e da Cofins numa empresa comercial, veja agora
como calculá-las em uma empresa industrial. Acompanhe a explicação do exemplo a seguir.
A empresa “Metal Forte Ltda.”, optante pelo lucro presumido, encerrou o mês de dezembro com as infor�
mações de faturamento, vistas na Tabela 18.
Tabela 18 – Faturamento da empresa “Metal Forte Ltda.”

Informações
(=) Vendas com IPI R$ 840.000,00
(-) IPI sobre as vendas -R$ 40.000,00
(=) Venda de produtos - sem IPI R$ 800.000,00
(-) Devolução de vendas -R$ 50.000,00
(+) Aluguel de maquinário recebido R$ 25.000,00
( ) Receitas Financeiras * R$ -
( ) Descontos obtidos sobre duplicatas * R$ -
(=) TOTAL DA BASE DE CÁLCULO R$ 775.000,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

Sendo assim, os cálculos da contribuição são:

PIS 775.000,00 X 0,65% R$ 5.037,50


Cofins 775.000,00 x 3% R$ 23.250,00

Observe que em ambos os casos, comercial ou industrial, as formas de cálculo são as mesmas e mais simpli�
ficadas que o próprio IRPJ e a CSLL.

4.8 APURAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES EM EMPRESAS PRES-


TADORAS DE SERVIÇOS
Agora veremos o cálculo do PIS e da Cofins em empresa prestadora de serviços. Acompanhe a explicação
do exemplo a seguir.
A empresa “Construmax Ltda.”, optante pelo Lucro Presumido, encerrou o mês de dezembro de 2017 com
as informações do faturamento vistas na Tabela 19.

Planejamento Tributário 38
4 - pis e cofins

Tabela 19 – Faturamento da empresa Construmax Ltda

Informações 
(=) Receita total R$ 938.000,00
(-) Receita prestação serviços exterior -R$ 40.000,00
(-) Resultado positivo avaliação de investimentos -R$ 30.000,00
(=) TOTAL DA BASE DE CÁLCULO R$ 868.000,00

Fonte: Elaborada pelo autor (2016).

A partir da análise dos dados da Tabela 19, temos os seguintes cálculos da contribuição:

PIS 868.000,00 X 0,65% R$ 5.642,00


Cofins 868.000,00 x 3% R$ 26.040,00

Portanto, para realizar a contabilização das operações, foram abertas duas contas de despesas, sendo elas contas
de resultado, as quais devem ser encerradas quando se pretende efetuar a apuração do resultado e consequen�
temente a elaboração do balanço.
Já as contas de PIS e Cofins a recolher, são contas do Passivo Circulante que representam a obrigação que a
empresa tem frente ao Fisco, carecendo o recolhimento até a data do vencimento. É composto pelas dívidas
de curto prazo que devem ser pagas num prazo de até 12 meses.
Vimos o funcionamento da contabilização do PIS e da Cofins quando a apuração é de acordo com o regime
cumulativo, ou seja, não se apropria dos créditos de operações anteriores.

Saiba mais
Para saber mais sobre o conceito de passivo circulante, leia o seguinte artigo: O que é, Definição e
Significado: <http://conceito.de/passivo-circulante#ixzz3qjrqGisX>

Você estudou como funciona as apurações dos tributos das Empresas enquadradas no Lucro Real, Lucro
Presumido e no Lucro Arbitrado. A seguir, você verá como funciona a tributação das Empresas enquadradas
no Simples Nacional.

Planejamento Tributário 39
5 TRIBUTAÇÃO COM BASE NO SIMPLES NACIONAL
O Simples Nacional é um regime compartilhado de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos aplicável
às Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP), previsto na Lei Complementar nº 123, de 14
de dezembro de 2006.
Abrange a participação de todos os entes federados: União, Estados, Distrito Federal e Municípios. É admi�
nistrado por um Comitê Gestor composto por oito integrantes: quatro da Secretaria da Receita Federal do
Brasil (RFB), dois dos Estados e do Distrito Federal e dois dos Municípios.
As condições necessárias para ingresso no Simples Nacional são:
• Enquadrar-se na definição de microempresa ou de empresa de pequeno porte.
• Cumprir os requisitos previstos na legislação.
• Formalizar a opção pelo Simples Nacional.
As características principais do Regime do Simples Nacional são:
• Ser facultativo.
• Ser irretratável para todo o ano-calendário.
• Abranger os seguintes tributos: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição
para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a Cargo da Pessoa Jurídica (CPP).
• Recolher os tributos abrangidos mediante documento único de arrecadação – DAS.
• Disponibilizar as ME/EPP de sistema eletrônico para a realização do cálculo do valor mensal
devido, geração do DAS e, a partir de janeiro de 2012, para constituição do crédito tributário.
• Apresentar declaração única e simplificada de informações socioeconômicas e fiscais.
• Estipular prazo para recolhimento do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS)
até o dia 20 do mês subsequente àquele em que houver sido auferida a receita bruta.
• Possibilitar aos Estados adotarem sublimites para EPP em função da respectiva participação no
PIB. Os estabelecimentos localizados nesses Estados, cuja receita bruta total extrapolar o respectivo
sublimite, deverão recolher o ICMS e o ISS diretamente ao Estado ou ao Município.
O regime de tributação com base no Simples Nacional atende às ME e EPP desde que estas atendam algumas
exigências. São elas:
a) Microempresas - ME
O empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada que tenha, em cada ano-calendário (ano anterior
ao exercício atual), receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais).

b) Empresas de Pequeno Porte - EPP


O empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada que tenha, em cada ano-calendário, receita
bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 4.800.000,00
(quatro milhões e oitocentos mil reais).

c) Natureza Jurídica
Empresas que não se enquadram como Microempresa e Empresas de Pequeno porte não podem optar
por este tipo de Regime tributário, como por exemplo, as Empresas de Sociedade Anônima (S.A.).

d) Excesso de Receita Bruta


No caso das Microempresas, sua receita bruta não pode ultrapassar o valor de R$ 360.000,00
(trezentos e sessenta mil reais). No caso das Empresas de Pequeno Porte, receita bruta superior a
R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais).

Planejamento Tributário 40
4 - tributação com base no simples nacional

e) Débito Tributário
A empresa não pode ter débitos junto ao fisco, exceto quando estes estão negociados ou em
processo de regularização.

f ) Quadro Societário
Quadro societário refere-se ao titular ou sócio que participa com mais de 10% (dez por cento) do
capital de outra empresa não beneficiada por essa Lei Complementar, desde que a receita bruta
global ultrapasse o limite de R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais).

g) Atividades Econômicas
Existem MEs e EPPs que, devido ao seu ramo de atividade, são vedadas por lei a optarem por
este regime de tributação, como por exemplo, aquelas que exercem atividade de Banco Comercial.

Saiba mais
Para conhecer mais impedimentos para aderir ao Sistema Simples, acesse o art. 17 da Lei 123/06.

Agora que já conhecemos os critérios e conceitos de enquadramento do regime de tributação Simples Nacional,
conheceremos os impostos e contribuições que são recolhidos mensalmente, de maneira unificada.
Veja a seguir os impostos que são recolhidos de forma unificada no regime de tributação do Simples Nacional:
• Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ). 
• Imposto Sobre Produto Industrializado (IPI).
• Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). 
• Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).
• Programa de Integração Social/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep).
• Contribuição Patronal Previdenciária (CPP).
• Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
• Imposto Sobre Serviços (ISS).
O recolhimento desses tributos não exclui a incidência de outros impostos ou contribuições devidos na
qualidade de contribuinte ou responsável. Em relação a outros tributos, deve ser observada a legislação apli�
cável às demais pessoas jurídicas (art. 13, § 1º).
As Empresas de Pequeno Porte (EPPs) que ultrapassarem o valor, de R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos
mil reais) de faturamento, terão o ICMS e o ISS calculados fora da tabela do Simples Nacional, conforme
regras estabelecidas pela lei complementar nº 155 de 27 de outubro de 2016.
Os limites para recolhimento do ICMS e do ISS na forma do Simples Nacional permaneceram em R$
3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais). Sendo assim, uma empresa com faturamento entre R$
3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) e R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais)
poderá ser optante pelo Simples Nacional e, ao mesmo tempo, ter que cumprir suas obrigações relativas ao
ICMS e ao ISS no respectivo Estado, Distrito Federal ou Município.

Planejamento Tributário 41
4 - tributação com base no simples nacional

5.1 ALÍQUOTA DE TRIBUTAÇÃO NO SIMPLES NACIONAL


Para fins de alíquota, será utilizada a receita bruta acumulada dos últimos 12 meses, incluindo a receita do mês
de origem. O percentual deve ser observado conforme atividade exercida pela empresa contida nos Anexos
da Resolução CGSN nº 40.

Os Anexos da Resolução CGSN (Comitê Gestor do Simples Nacional) nº 140 é o ato nor�
mativo que regulariza o Simples Nacional.

Vamos exemplificar como funciona para definir a alíquota a ser aplicada sobre o faturamento para apurar o tributo
do mês. Para isso, considere a receita bruta acumulada dos últimos 12 meses de uma empresa com a atividade
relacionada ao comércio, e que no mês de agosto 2015 obteve receita bruta de vendas de R$ 300.000,00.
Significa dizer que o valor do imposto é de fato o mês de agosto (quando ocorreu o faturamento). A referência
de 12 meses é para identificar a alíquota na tabela. Acompanhe o exemplo a seguir:
1) Uma empresa vendeu no mês de agosto R$ 300.000,00. Para identificar qual a alíquota do imposto
do Simples Nacional, ela precisa saber qual é o faturamento dos últimos 12 meses sem considerar
o mês de agosto. A Tabela 20 a seguir traz esse levantamento:
Tabela 20 – Levantamento do Faturamento de agosto de 2016 a julho de 2017

Período Valor
Agosto/16 50.000,00
Setembro/16 70.000,00
Outubro/16 100.000,00
Novembro/16 150.000,00
Dezembro/16 175.000,00
Janeiro/17 200.000,00
Fevereiro/17 300.000,00
Março/17 95.000,00
Abril/17 150.000,00
Maio/17 100.000,00
Junho/17 50.000,00
Julho/17 300.000,00
Total 1.740.000,00
Fonte: Elaborada pelo autor (2017).

2) De acordo com o valor total acumulado no período (12 meses), temos R$ 1.740.000,00. Agora,
precisamos identificar nos anexos da Lei Complementar nº 123/2006, o percentual de apuração
do tributo.

Saiba mais
Para conhecer a Lei Complementar Nº 123, de 14 de dezembro de 2006, acesse o link a seguir: <http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/lcp/lcp123.htm>.

Veja a Tabela 21 a seguir que traz as Alíquotas e Partilhas do Simples Nacional na modalidade
comércio, que passou a vigorar a partir de 01/01/2018.

Anexo I da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.


Redação dada pela Lei Complementar nº 155, de 27 de outubro de 2016.

Planejamento Tributário 42
5 � tributação com base no simples nacional

Tabela 21 – Alíquotas e Partilha do Simples Nacional – Comércio

Receita Bruta em 12 Meses (em R$) Alíquota Valor a deduzir (em R$)
1ª Faixa Até 180.000,00 4,00% �
2ª Faixa Até 180.000,01 a 360.000,00 7,30%
3ª Faixa De 360.000,01 a 720.00,01 9,50% 13.860,00
4ª Faixa De 720.000,01 a 3.600.000,00 10,70% 22.500,00
5ª Faixa De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 14,30% 87.300,00
6ª Faixa De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 19,00% 378.000,00
Fonte: BRASIL (2016).

3) De acordo com a Tabela 21, a alíquota será de 10,70%, porque o valor acumulado está dentro do
intervalo de R$ 720.00,01 a 1.800.000,00, conforme podemos visualizar abaixo. Portanto, a base
de cálculo é o valor da receita bruta no mês corrente, que neste caso é R$ 300.000,00 (faturamento
de agosto 2017).
4) Depois de identificarmos a alíquota de apuração do tributo, temos que aplicar a seguinte fórmula
para identificar alíquota efetiva:

Em que:
• RBT12: receita bruta total acumulada dos últimos 12 meses
• ALÍQUOTA: alíquota nominal constante dos Anexos I a V da LC nº 123/2006.
• PD: parcela a deduzir constante dos Anexos I a V da LC nº 123/2006.
Vamos aos cálculos:
RBT12: R$ 1.740.000,00 (receita bruta total dos últimos 12 meses)
Alíquota: 10,7% (alíquota conforme tabela (faturamento acumulado dos últimos 12 meses de
R$ 720.000,01 a 1.800.000,00)).
PD: R$ 22.500,00 (parcela a deduzir conforme tabela).
Operação: R$ 1.740.000,00 x 10,7% � R$ 22.500,00 / 1.740.000,00 = 0,0940689
R$ 1.740.000,00 (receita bruta total dos últimos 12 meses) multiplicado pela alíquota de 10,7%
(faixa de receita bruta entre R$ R$ 720.000,01 a 1.800.000,00), diminuído por R$ 22.500,00
(parcela a deduzir conforme tabela) divido por R$ 1.740.000,00 (receita bruta total dos últimos
12 meses).
Valor da alíquota efetiva: 9,40689% (valor do resultado do cálculo acima 0,0940689 multiplicado
por 100)

5) Agora que sabemos o valor da alíquota efetiva, vamos calcular quanto a empresa deverá recolher.
A base de cálculo é o valor da receita bruta no mês corrente, que, nesse caso é R$ 300.000,00
(faturamento de agosto de 2017).
Base de cálculo: R$ 300.000,00 (faturamento de agosto de 2017)
Alíquota efetiva: 9,40689%
Operação: R$ 300.000,00 x 9,40689% (faturamento de agosto de 2017 multiplicado pela alíquota
efetiva)
Recolhimento: R$ 28.220,67.

Planejamento Tributário 43
5 - tributação com base no simples nacional

6) O recolhimento deve ser feito até o 20º dia do mês subsequente àquele em que houver sido
auferida a receita bruta. Na hipótese de a ME ou EPP possuir filiais, o recolhimento dos tributos
do Simples Nacional dar-se-á por intermédio da matriz. Quando não houver expediente bancário
no prazo, os tributos deverão ser pagos até o dia útil imediatamente posterior. O documento de
arrecadação do Simples Nacional é o DAS (Documento de Arrecadação do Simples).

Planejamento Tributário 44
6 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS
Além do cálculo de tributos, o profissional que atua nessa área deverá cumprir outras formalidades, como
envio de declarações e apresentação de relatórios à fiscalização quando necessitar. Sendo assim, conforme
previsão no regulamento do Imposto de Renda (RIR/99) em seu artigo 527, a pessoa jurídica deverá manter
algumas informações dispostas na Lei 8.981, artigo 45.
Segundo a Lei 8.981, de 1995, artigo 45, a pessoa jurídica deverá manter:
I – escrituração contábil nos termos da legislação comercial;
II – Livro Registro de Inventário, no qual deverão estar registrados os estoques existentes no término do ano
calendário;
III – em boa guarda e ordem, enquanto não decorrido o prazo decadencial e não prescritas eventuais ações que lhes
sejam pertinentes, todos os livros de escrituração obrigatórios por legislação fiscal específica, bem como os demais
documentos e papéis que serviram de base para a escrituração comercial e fiscal.
Parágrafo único. O disposto no inciso I deste artigo não se aplica à pessoa jurídica que, no decorrer do ano-calendário,
mantiver Livro Caixa, no qual deverá estar escriturada toda a movimentação financeira, inclusive bancária.

A não necessidade de contador ou a dispensa da escrituração contábil (desde que mantenha o livro caixa) é
válida somente nos termos da legislação tributária, ou seja, para efeitos fiscais (lembra-se de que comentamos
sobre casos em que o dono da empresa cuida de tudo sem a necessidade de um profissional de contabilidade?)
Isso não elimina a necessidade de manter a contabilidade de acordo com o código civil, que em seus artigos 1.179
e seguintes obriga o empresário (a pessoa física que também poderá necessitar de contabilidade) e a sociedade
empresária, que é a empresa ou a pessoa jurídica, a manter e acompanhar o sistema de contabilidade a seguir:
Art. 1.179. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado
ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a
levantar anualmente o balanço patrimonial e de resultado econômico.

A escrituração contábil, além de ser um exemplo de obrigação de acordo com a legislação comercial, é impor�
tante aos sócios da empresa, pois pode haver benefícios tributários na distribuição de lucros e, ainda, a falta
da escrituração é essencial em eventual decretação de falência, podendo até ser caracterizada como fraude.

Planejamento Tributário 45
CONSIDERAÇÕES

Você chegou ao final do curso de Planejamento Tributário, no qual pôde notar a complexidade da
legislação tributária e fiscal aliada a alta carga tributária em nosso país. Você viu que isso aumenta a
importância do departamento de escrituração fiscal em correspondência a um departamento contábil.
Lidar com altos valores tributários e com a complexidade da legislação requer profissionais sempre
bem-treinados e atualizados.
Na contabilidade de uma empresa, a escrituração fiscal é muito importante e, como vimos, dentre
tantas formas de apurar e calcular tributos, escolher uma que não seja ideal poderá comprometer as
atividades de uma organização. Essa carreira vai lhe exigir muita leitura e raciocínio para a aplicação
da legislação de tributos.
Estejam sempre atentos às modificações da legislação tributária, seja ela municipal, estadual ou federal,
pois esse é um papel importante para os que atuam ou atuarão na área. Esperamos que este curso o
ajude a alavancar a sua carreira e conte sempre conosco para as próximas formações.

Atenção
Você finalizou seus estudos neste curso. Agora, realize a atividade Avaliativa, que está disponível no menu
lateral esquerdo da Sala Virtual deste curso no Ambiente Virtual. Lembre-se que para ser aprovado e
receber o certificado, você deverá atingir um aproveitamento superior ou igual a 70%.

Planejamento Tributário 46
REFERÊNCIAS

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.


Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/
ConstituicaoCompilado.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema
Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis
à União, Estados e Municípios. Disponível em: <http://www.planalto.
gov.br/ccivil_03/Leis/L5172.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 8.981, de 20 de janeiro de 1995. Altera a legislação
tributária Federal e dá outras providências. Disponível em: <http://www.
normaslegais.com.br/legislacao/tributario/lei8981.htm>. Acesso em: 26
fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996. Dispõe sobre a legis�
lação tributária federal, as contribuições para a seguridade social, o processo
administrativo de consulta e dá outras providências. Disponível em: <http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9430.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998. Altera a Legislação
Tributária Federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/L9718.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código
Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/
L10406.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 11.727, de 23 de junho de 2008. Dispõe sobre medidas
tributárias destinadas a estimular os investimentos e dá outras provi�
dências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-
2010/2008/Lei/L11727.htm#art42>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Lei nº 13.137, de 19 de junho de 2015. Altera as Leis nos
10.865, de 30 de abril de 2004 e dá outras providências. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13137.
htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.
BRASIL. Regulamento do Imposto de Renda (RIR/99). Decreto nº
3.000, de 26 de março de 1999. Regulamenta a tributação, fiscalização,
arrecadação e administração do Imposto sobre a Renda e Proventos de
Qualquer Natureza. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
decreto/d3000.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.

Planejamento Tributário 47
BRASIL. Lei Complementar nº 155, de 27 de outubro de 2016.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/lcp/
Lcp155.htm>. Acesso em: 07 jul. 2018.
BRASIL. Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/lcp/lcp123.
htm>. Acesso em: 02 JUL. 2018.
PORTAL NORMAS LEGAL. Disponível em: <http://www.normas�
legais.com.br/legislacao/simples-nacional-anexoI.html>. Acesso em:
14 abril 2016.
PORTAL TRIBUTÁRIO. Fato gerados do tributo. Disponível em:
<http://www.portaltributario.com.br/tributario/fato_gerador.htm>.
Acesso em: 02 jul. 2018.
RECEITA FEDERAL. Anexo VII da Resolução CGSN nº 94,
de 29 de novembro de 2011. (art. 8º, § 2º). Disponível em: <http://
www.receita.fazenda.gov.br/publico/Legislacao/Resolucao/2011/
ResolucaoCGSN/Anexo_VII_Resolucao_CGSN_94.doc>. Acesso
em: 26 fev. 2016.
RECEITA FEDERAL. Instrução Normativa SRF nº 51, de 31 de
outubro de 1995. Dispõe sobre a apuração do imposto de renda e da
contribuição social sobre o lucro das pessoas jurídicas no ano-calendário
de 1995. <http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.acti
on?visao=anotado&idAto=13885>. Acesso em: 26 fev. 2016.
RECEITA FEDERAL. Instrução Normativa SRF nº 104, de 24 de
agosto de 1998. Estabelece normas para apuração do Lucro Presumido
com base no regime de caixa. Disponível em: <http://www.normas�
legais.com.br/legislacao/tributario/insrf104.htm>. Acesso em: 26
fev. 2016.
RECEITA FEDERAL. Simples nacional. Disponível em: <http://
www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/Servicos/Grupo.
aspx?grp=t&area=1>. Acesso em: 02 jul. 2018.
RECEITA FEDERAL. Resolução CGSN nº 140, de 22 de maio
de 2018. Disponível em: <http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut�
2consulta/link.action?visao=anotado&idAto=92278>. Acesso em: 02
JUL. 2018.
RECEITA FEDERAL. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
CSLL. Disponível em: <http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso�
-rapido/tributos/CSLL>. Acesso em: 02 jul 2018.
REIS, L. G.; GALLO, M. F.; PEREIRA, C.A. Manual de contabi-
lização de tributos e contribuições sociais. São Paulo: Atlas, 2010.
TABELA do simples nacional. In: PORTAL NORMAS LEGAL.
Anexo I (em negrito). 2012. Disponível em: <http://www.normas�
legais.com.br/legislacao/simples-nacional-anexoI.html>. Acesso em:
14 abr. 2016.
TÔRRES, Heleno. Direito Tributário Internacional - planeja-
mento tributário e operações transnacionais. São Paulo: Revista
dos Tribunais, 2001.

Planejamento Tributário 48
THINKSTOCK. Banco de Imagens. Disponível em: <http://www.
thinkstockphotos.com/>. Acesso em: 26 fev 2016.
SPED. O que é a ECF, obrigatoriedade e prazo de entrega. Disponível
em: <http://sped.rfb.gov.br/pagina/show/1285>. Acesso em: 02 jul. 2018.

Planejamento Tributário 49