Вы находитесь на странице: 1из 92

MANUAL DE CONTABILIDADE

APLICADA AO SETOR PÚBLICO


Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.
Válido para o exercício de 2010, de forma facultativa e obrigatoriamente em 2011 para a
União, 2012 para os Estados e 2013 para os Municípios.

(Portaria STN nº 467, de 6 de agosto 2009)

2ª edição

VOLUME II

Procedimentos Contábeis Patrimoniais


MINISTÉRIO DA FAZENDA
SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MANUAL DE CONTABILIDADE
APLICADA AO SETOR PÚBLICO
Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.
Válido para o exercício de 2010, de forma facultativa e obrigatoriamente em 2011 para a
União, 2012 para os Estados e 2013 para os Municípios.

(Portaria STN nº 467, de 6 de agosto 2009)

2ª edição

VOLUME II

Procedimentos Contábeis Patrimoniais

Brasília
2009
É permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.
Disponível também em: http://www.tesouro.fazenda.gov.br
Impresso no Brasil
MINISTRO DA FAZENDA
Guido Mantega
SECRETÁRIO-EXECUTIVO
Nelson Machado
SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL
Arno Hugo Augustin Filho
SECRETÁRIOS-ADJUNTOS
Líscio Fábio de Brasil Camargo
Marcus Pereira Aucélio
Paulo Fontoura Valle
Eduardo Coutinho Guerra
Cléber Ubiratan de Oliveira

COORDENADOR-GERAL DE CONTABILIDADE
Paulo Henrique Feijó da Silva

COORDENADOR-GERAL DE CONTABILIDADE
Gilvan da Silva Dantas
GERENTE DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS
Francisco Wayne Moreira

EQUIPE TÉCNICA
Bruno Ramos Mangualde
Caio César Sales Nogueira
Carla de Tunes Nunes
Felipe Quitete Curi
Henrique Ferreira Souza
Heriberto Henrique Vilela do Nascimento
Renato Lacerda Filho

Informações – STN:
Fone: (61) 3412-3011
Fax: (61) 3412-1459
Correio Eletrônico: ccont.df.stn@fazenda.gov.br
Página Eletrônica: www.tesouro.fazenda.gov.br

COORDENAÇÃO EDITORIAL / REVISÃO DE TEXTO


Secretaria do Tesouro Nacional / Coordenação-Geral de Contabilidade

CRIAÇÃO CAPA: Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional


TIRAGEM: 20.000

Ficha Catalográfica

Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional


Manual de contabilidade aplicada ao setor público : aplicado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos
Municípios : procedimentos contábeis patrimoniais / Ministério da Fazenda, Secretaria do Tesouro Nacional. – 2. ed. –
Brasília : Secretaria do Tesouro Nacional, Coordenação-Geral de Contabilidade, 2009.
92 p. : il. ; 25 cm. – (Manual de contabilidade aplicada ao setor público ; v.2)

“Válido para o exercício de 2010, de forma facultativa e obrigatoriamente em 2011 para a União, 2012 para
os Estados e 2013 para os Municípios (Portaria STN nº 467, de 6 de agosto de 2009)”
ISBN 978-85-87841-39-1

1. Contabilidade pública – Brasil. 2. Contabilidade – Brasil. 3. Patrimônio (Administração pública) –


Brasil. 4. Contas nacionais – Brasil. 5. Finanças públicas – Brasil. I. Titulo. II. Procedimentos contábeis patrimoniais.

CDD: 657.61
CDU: 336.121.8(81)
APRESENTAÇÃO

A Secretaria do Tesouro Nacional – STN, por meio da Coordenação-Geral de Contabilidade


– CCONT, em conjunto com o Grupo Técnico de Procedimentos Contábeis, instituído pela Portaria
STN nº 136/2007, realiza estudos visando a padronização mínima de conceitos e práticas contábeis
no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios.

Com o objetivo de uniformizar as práticas contábeis, este volume aborda os aspectos


relacionados, ao reconhecimento, mensuração, registro, apuração, avaliação e controle do
patrimônio, adequando-os aos dispositivos legais vigentes e aos padrões internacionais de
Contabilidade do Setor Público.

A padronização do registro contábil possibilitará aos usuários acesso a informações


consistentes e confiáveis para a tomada de decisão. Esta uniformização deve abranger atos e fatos no
âmbito do setor público dentre os quais se destaca a gestão do patrimônio público.

Ante o exposto, observa-se que o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público faz
parte das ações da Secretaria do Tesouro Nacional que se apresenta em consonância com as
“Orientações Estratégicas para a Contabilidade aplicada ao Setor Público no Brasil”, documento
elaborado pelo Conselho Federal de Contabilidade com vistas à:

a) convergência aos padrões internacionais de contabilidade aplicados ao setor público;


b) implementação de procedimentos e práticas contábeis que permitam o reconhecimento, a
mensuração, a avaliação e a evidenciação dos elementos que integram o patrimônio público;
c) implantação de sistema de custos no âmbito do setor público brasileiro;
d) melhoria das informações que integram as Demonstrações Contábeis e os Relatórios
necessários à consolidação das contas nacionais;
e) possibilitar a avaliação do impacto das políticas públicas e da gestão, nas dimensões social,
econômica e fiscal, segundo aspectos relacionados à variação patrimonial.

O referido documento estabelece rês grandes diretrizes estratégicas, desdobradas em macro-


objetivos, que contribuem para o desenvolvimento da Contabilidade Aplicada ao Setor Público,
cujas implantações deverão ocorrer a partir da celebração de parcerias entre o Conselho Federal de
Contabilidade (CFC) e instituições que atuam, de forma direta ou indireta, com a Contabilidade
aplicada ao Setor Público:

a) Diretriz 1 - Promover o Desenvolvimento Conceitual da Contabilidade Aplicada ao Setor


Público no Brasil.
b) Diretriz 2 - Estimular a Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade aplicadas
ao Setor Público (IPSAS).
c) Diretriz 3 - Fortalecer institucionalmente a Contabilidade aplicada ao Setor Público.

Assim, o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público busca promover o


desenvolvimento conceitual da contabilidade aplicada ao setor público no Brasil, com o objetivo de
torna-se obra de referência para a classe contábil brasileira. Ganham a comunidade contábil, a
sociedade e o País.
PORTARIA Nº 467, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

Aprova os volumes II -
Procedimentos Contábeis
Patrimoniais, III - Procedimentos
Contábeis Específicos e IV - Plano
de Contas Aplicado ao Setor
Público, da 2ª edição do Manual de
Contabilidade Aplicada ao Setor
Público, e dá outras providências.

O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no exercício das


atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria do
Tesouro Nacional, aprovado pela Portaria MF nº 141, de 10 de julho de 2008,
combinado com o inciso I do art. 4º do Decreto nº 3.589, de 6 de setembro de 2000,
que confere à Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda - STN/MF
a condição de órgão central do Sistema de Contabilidade Federal, e tendo em vista o
disposto no art. 50, § 2º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, e

Considerando as competências do órgão central do Sistema de


Contabilidade Federal, estabelecidas no art. 5º do Decreto nº 3.589, de 2000,
complementadas pela atribuição definida nos incisos XV, XVI e XVII do art. 21 do
Decreto nº 6.764, de 10 de fevereiro de 2009, e conforme art. 18 da Lei nº 10.180,
de 6 de fevereiro de 2001;

Considerando a necessidade de:

a) padronizar os procedimentos contábeis nos três níveis de governo,


com o objetivo de orientar e dar apoio à gestão patrimonial na forma estabelecida na
Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, Lei de Responsabilidade Fiscal;

b) elaborar demonstrações contábeis consolidadas e padronizadas


com base no Plano de Contas Aplicado ao Setor Público, a ser utilizado por todos os
entes da Federação, conforme o disposto no inciso II do art. 1º da Portaria nº 184,
de 25 de agosto de 2008, do Ministério da Fazenda; e

c) instituir instrumento eficiente de orientação comum aos gestores


nos três níveis de governo, mediante consolidação de conceitos, regras e
procedimentos de reconhecimento e apropriação contábil de operações típicas do
setor público dentre as quais destacam-se aquelas relativas às Operações de Crédito,
à Dívida Ativa, às Parcerias Público-Privadas (PPP), ao Regime Próprio de
Previdência Social (RPPS), e ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da
Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

Considerando a necessidade de proporcionar maior transparência


sobre as contas públicas, resolve:

Art. 1º Aprovar os seguintes volumes como partes integrantes da 2ª


edição do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – MCASP:

I - Volume II - Procedimentos Contábeis Patrimoniais;


II - Volume III - Procedimentos Contábeis Específicos;
III - Volume IV - Plano de Contas Aplicado ao Setor Público –
PCASP.

Parágrafo único. A Secretaria do Tesouro Nacional disponibilizará


versão eletrônica do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público no
endereço eletrônico
http://www.tesouro.fazenda.gov.br/legislacao/leg_contabilidade.asp.

Art. 2º Os registros patrimoniais no âmbito da União, dos Estados, do


Distrito Federal e dos Municípios, observarão as orientações contidas no Volume II
do Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público - Procedimentos Contábeis
Patrimoniais, sem prejuízo do atendimento dos instrumentos normativos vigentes.

Parágrafo único. As variações patrimoniais serão reconhecidas pelo


regime de competência patrimonial, visando garantir o reconhecimento de todos os
ativos e passivos das entidades que integram o setor público, conduzir a
contabilidade do setor público brasileiro aos padrões internacionais e ampliar a
transparência sobre as contas públicas.

Art. 3º Todos os volumes aprovados por esta portaria deverão ser


utilizados pelos entes, de forma facultativa, a partir de 2010 e, de forma obrigatória,
a partir de 2011 pela União, de 2012 pelos Estados e Distrito Federal e de 2013
pelos Municípios.
Art. 4º O Volume III do Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor
Público - Procedimentos Contábeis Específicos padroniza os procedimentos
contábeis relativos ao FUNDEB, às Parcerias Público-Privadas, às Operações de
Crédito, ao Regime Próprio da Previdência Social, à Dívida Ativa e a outros
procedimentos de que trata.

Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e tem


seus efeitos aplicados a partir do exercício financeiro de 2010, revogando-se a
Portaria Conjunta STN/SOF nº 3, de 14 de outubro de 2008, nos aspectos
relacionados com procedimentos contábeis patrimoniais e específicos de que tratam
os volumes II - Procedimentos Contábeis Patrimoniais e III - Procedimentos
Contábeis Específicos, à medida que os manuais sejam utilizados de forma
obrigatória pelos entes.

ARNO HUGO AUGUSTIN FILHO


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO....................................................................................................................10
2. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE .............................................................. 12
2.1 PRINCÍPIO DA ENTIDADE ............................................................................................................. 12
2.2 PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE ...................................................................................................... 12
2.3 PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE..................................................................................................... 13
2.4 PRINCÍPIO DO REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL.............................................................................. 13
2.5 PRINCÍPIO DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA ...................................................................................... 14
2.6 PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA ....................................................................................................... 15
2.7 PRINCÍPIO DA PRUDÊNCIA ........................................................................................................... 16
3. COMPOSIÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO........................................................................... 18
3.1 PATRIMÔNIO PÚBLICO ......................................................................................................... 18
3.2 ATIVO ..................................................................................................................................... 18
3.3 PASSIVO .................................................................................................................................. 19
3.3.1 RELAÇÃO ENTRE PASSIVO EXIGÍVEL E AS ETAPAS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ... 20
3.3.1.1 PASSIVO EXIGÍVEL x EMPENHO ....................................................................................... 20
3.3.1.2 PASSIVO EXIGÍVEL x EM LIQUIDAÇÃO ............................................................................. 21
3.3.1.3 PASSIVO EXIGÍVEL x LIQUIDAÇÃO ................................................................................... 21
3.3.1.4 PASSIVO EXIGÍVEL x PAGAMENTO .................................................................................. 21
3.4 PATRIMÔNIO LÍQUIDO/SALDO PATRIMONIAL ........................................................................... 22
4. MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS ............................................................................... 24
4.1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................................... 24
4.2 CONCEITOS .............................................................................................................................. 24
4.3 AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO ............................................................................................... 25
4.3.1 DISPONIBILIDADES ...................................................................................................... 25
4.3.2 CRÉDITOS E obrigações............................................................................................... 26
4.3.3 ESTOQUES ................................................................................................................... 26
4.3.4 INVESTIMENTOS PERMANENTES ................................................................................ 27
4.3.4.1 Método da Equivalência Patrimonial ....................................................................................... 27
4.3.5 IMOBILIZADO .............................................................................................................. 28
4.3.6 INTANGÍVEL ................................................................................................................ 29
5. VARIAÇÕES PATRIMONIAIS ................................................................................................ 30
5.1 QUALITATIVAS ......................................................................................................................... 31
5.1.1 CONCEITO ................................................................................................................... 31
5.1.2 RECONHECIMENTO..................................................................................................... 31
5.2 QUANTITATIVAS (RECEITA E DESPESA SOB ENFOQUE PATRIMONIAL) ................................................ 32
5.2.1 CONCEITO ................................................................................................................... 32
5.2.2 RECONHECIMENTO..................................................................................................... 34
5.2.3 Realização da variação patrimonial ........................................................................... 41
5.3 RESULTADO PATRIMONIAL .................................................................................................. 41
6. PROCEDIMENTOS PATRIMONIAIS ESPECÍFICOS .................................................................. 42
6.1 PROVISÕES ........................................................................................................................... 42
6.2 REAVALIAÇÃO E REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL (IMPAIRMENT) ................................. 42
6.3 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO ....................................................................... 43
6.5 SISTEMA DE CUSTOS ............................................................................................................ 44
6.5.1 Custos de Fabricação .................................................................................................. 46
6.5.2 Comportamento de um Custo .................................................................................... 46
6.5.3 Formas de Custeio ...................................................................................................... 46
6.5.3.1 Custeio por absorção ...................................................................................................... 46
6.5.3.1.1 Custeio por processo ................................................................................................. 46
6.5.3.1.2 Custeio por ordem de produção ................................................................................ 46
6.5.3.2 Custeio variável ............................................................................................................... 47
6.5.3.3 Custeio ABC (custeio baseado em atividades) ................................................................ 47

ANEXO I – RESOLUÇÃO CFC Nº 1111/07 ....................................................................................... 48


ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO (NBC T 16)
.................................................................................................................................................... 54
ANEXO III – PARTE CONTÁBIL DA LEI 4.320/64 ............................................................................. 77
ANEXO IV – ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O
PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO CPC ...................................................................... 80
ANEXO V – RECONHECIMENTO DOS ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, DE ACORDO
COM O PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO CPC .......................................................... 86
ÍNDICE REMISSIVO ....................................................................................................................... 90
INTRODUÇÃO

Este volume, intitulado Procedimentos Contábeis Patrimoniais, visa dar continuidade ao


processo de reunião de conceitos, regras e procedimentos relativos aos atos e fatos patrimoniais e seu
relacionamento com a Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Visa também a harmonização, por
meio do estabelecimento de padrões a serem observados pela Administração Pública, no que se
refere às variações patrimoniais aumentativas e diminutivas, suas classificações, destinações e
registros, para permitir a evidenciação e a consolidação das contas públicas nacionais.

Para cumprimento do objetivo de padronização dos procedimentos, este Manual procura


descrever rotinas e servir como instrumento orientador para a racionalização de aspectos e métodos
patrimoniais relacionados às variações patrimoniais públicas. Busca, assim, melhorar a qualidade e a
consistência das informações prestadas a toda a sociedade, de modo a possibilitar o exercício da
cidadania no controle dos elementos e variações do patrimônio dos Governos Federal, Estadual,
Distrital e Municipal.

É relevante destacar que os reflexos dos fatos e atos no patrimônio público devem ser
registrados pela Contabilidade Pública, contribuindo para o processo de convergência e adaptação às
normas internacionais e respeitando a base legal nacional. A compreensão da lógica dos registros
patrimoniais é determinante para o entendimento da formação, composição e evolução desse
patrimônio.

Nesse sentido, esta obra aborda a composição, mensuração, estruturação e variações que
geram reflexos no patrimônio público, além de apresentar temas específicos, como o sistema de
custos e reflexos da depreciação, amortização e exaustão no patrimônio.
12 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

2. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE


A contabilização da receita sob o enfoque patrimonial (variação patrimonial aumentativa),
assim como a da despesa sob o enfoque patrimonial (variação patrimonial diminutiva), é
regulamentada pelo Conselho Federal de Contabilidade - CFC, por meio da Resolução CFC nº
750/1993, complementada pelo Apêndice I, aprovado pela Resolução CFC nº 774/1994 e pelo
Apêndice II, aprovado pela Resolução CFC nº 1.111/20071.

A Resolução CFC nº 750/1993 consagra os Princípios Fundamentais de Contabilidade, que


são de observância obrigatória no exercício da profissão contábil, constituindo condição de
legitimidade das Normas Brasileiras de Contabilidade. O Apêndice I contém comentários sobre o
conteúdo dos enunciados e o Apêndice II trata da interpretação dos Princípios Fundamentais de
Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público, de acordo com a Resolução 1.111/2007.

Ressalta-se que a Contabilidade Aplicada ao Setor Público constitui ramo da ciência


contábil e deve observar os Princípios Fundamentais de Contabilidade, que representam a essência
das doutrinas e teorias relativas a essa ciência, consoante o entendimento predominante nos
universos científico e profissional do País.

2.1 PRINCÍPIO DA ENTIDADE


“Art. 4º O Princípio da ENTIDADE reconhece o Patrimônio como objeto da
Contabilidade e afirma a autonomia patrimonial, a necessidade da diferenciação de um
Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes, independentemente de
pertencer a uma pessoa, a um conjunto de pessoas, a uma sociedade ou a uma instituição
de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins lucrativos. Por conseqüência, nesta
acepção, o patrimônio não se confunde com aqueles dos seus sócios ou proprietários, no
caso de sociedade ou instituição.

Parágrafo único. O PATRIMÔNIO pertence à ENTIDADE, mas a recíproca não é


verdadeira. A soma ou a agregação contábil de patrimônios autônomos não resulta em
nova ENTIDADE, mas numa unidade de natureza econômico-contábil”. (Resolução CFC
nº 750/1993)

Segundo o Apêndice II à Resolução CFC nº 750/1993, o Princípio da Entidade se afirma, para


o ente público, pela autonomia e responsabilização do patrimônio a ele pertencente. A autonomia
patrimonial tem origem na destinação social do patrimônio e a responsabilização pela
obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos.

2.2 PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE


“Art. 5º A CONTINUIDADE, ou não, da ENTIDADE, bem como a sua vida definida ou
provável, devem ser consideradas quando da classificação e da avaliação das mutações
patrimoniais, quantitativas e qualitativas.

§ 1º A CONTINUIDADE influencia o valor econômico dos ativos e, em muitos casos, o


valor de vencimento dos passivos, especialmente quando a extinção da ENTIDADE tem
prazo determinado, previsto ou previsível.

1
A íntegra da Resolução 1.111/2007 (apêndice II da Resolução 750/1993) encontra-se no Anexo I
desse Manual.
PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE 13

§ 2º A observância do Princípio da CONTINUIDADE é indispensável à correta aplicação


do Princípio da COMPETÊNCIA, por efeito de se relacionar diretamente à quantificação
dos componentes patrimoniais e à formação do resultado, e de se constituir dado
importante para aferir a capacidade futura de geração de resultado”. (Resolução CFC nº
750/1993)

Sob a perspectiva do setor público, a continuidade está vinculada ao estrito cumprimento da


destinação social do seu patrimônio, ou seja, a continuidade da entidade se dá enquanto perdurar sua
finalidade (Apêndice II à Resolução CFC nº 750/1993).

2.3 PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE


“Art. 6° O Princípio da OPORTUNIDADE refere-se, simultaneamente, à tempestividade
e à integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que este seja
feito de imediato e com a extensão correta, independentemente das causas que as
originaram.

Parágrafo único. Como resultado da observância do Princípio da OPORTUNIDADE:

I – desde que tecnicamente estimável, o registro das variações patrimoniais deve ser feito
mesmo na hipótese de somente existir razoável certeza de sua ocorrência;

II – o registro compreende os elementos quantitativos e qualitativos, contemplando os


aspectos físicos e monetários;

III – o registro deve ensejar o reconhecimento universal das variações ocorridas no


patrimônio da ENTIDADE, em um período de tempo determinado, base necessária para
gerar informações úteis ao processo decisório da gestão.” (Resolução CFC nº 750/1993)

Para o setor público, o Princípio da Oportunidade é base indispensável à integridade e à


fidedignidade dos registros contábeis dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio
da entidade pública, observadas as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público.
A integridade e a fidedignidade dizem respeito à necessidade de as variações serem reconhecidas na
sua totalidade, independentemente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência,
visando ao completo atendimento da essência sobre a forma (Apêndice II à Resolução CFC nº
750/1993).

É importante ressaltar que, para atender ao Princípio da Oportunidade, a contabilidade não


pode se restringir ao registro dos fatos decorrentes da execução orçamentária, devendo registrar
tempestivamente todos os fatos que promovam alteração no patrimônio. Essa situação é verificada
em fatos que não decorrem de previsão e execução do orçamento, como, por exemplo, um incêndio
ou outra catástrofe qualquer.

2.4 PRINCÍPIO DO REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL


“Art. 7º - Os componentes do patrimônio devem ser registrados pelos valores originais das
transações com o mundo exterior, expressos a valor presente na moeda do País, que serão
mantidos na avaliação das variações patrimoniais posteriores, inclusive quando
configurarem agregações ou decomposições no interior da ENTIDADE.
14 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

§ único – Do Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL resulta:

I – a avaliação dos componentes patrimoniais deve ser feita com base nos valores de
entrada, considerando-se como tais os resultantes do consenso com os agentes externos ou
da imposição destes;

II – uma vez integrado no patrimônio, o bem, direito ou obrigação não poderão ter alterados
seus valores intrínsecos, admitindo-se, tão-somente, sua decomposição em elementos e/ou
sua agregação, parcial ou integral, a outros elementos patrimoniais;

III – o valor original será mantido enquanto o componente permanecer como parte do
patrimônio, inclusive quando da saída deste;

IV – Os Princípios da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA e do REGISTRO PELO VALOR


ORIGINAL são compatíveis entre si e complementares, dado que o primeiro apenas
atualiza e mantém atualizado o valor de entrada;

V – o uso da moeda do País na tradução do valor dos componentes patrimoniais constitui


imperativo de homogeneização quantitativa dos mesmos.”

Sob a perspectiva do setor público, nos registros dos atos e fatos contábeis será considerado o
valor original dos componentes patrimoniais que, ao longo do tempo, não se confunde com o custo
histórico. Ou seja, o registro pelo valor original corresponde ao valor resultante de consensos de
mensuração com agentes internos ou externos, com base em valores de entrada – a exemplo de custo
histórico, custo histórico corrigido e custo corrente; ou valores de saída – a exemplo de valor de
liquidação, valor de realização, valor presente do fluxo de benefício do ativo e valor justo (Apêndice
II à Resolução CFC nº 750/1993).

Para obedecer ao princípio, é importante que os elementos patrimoniais sejam avaliados


com suficiente regularidade, de maneira que o seu valor registrado não difira significativamente
daquele que possa ser determinado utilizando-se os critérios pertinentes para cada elemento
patrimonial na data de encerramento do balanço patrimonial.

2.5 PRINCÍPIO DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA


“Art. 8º Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser
reconhecidos nos registros contábeis por meio do ajustamento da expressão formal dos
valores dos componentes patrimoniais.” (Resolução CFC nº 750/1993)

Parágrafo único – São resultantes da adoção do Princípio da ATUALIZAÇÃO


MONETÁRIA:

I – a moeda, embora aceita universalmente como medida de valor, não representa unidade

constante em termos do poder aquisitivo;

II – para que a avaliação do patrimônio possa manter os valores das transações originais (art.
7º), é necessário atualizar sua expressão formal em moeda nacional, a fim de que permaneçam
PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE 15

substantivamente corretos os valores dos componentes patrimoniais e, por conseqüência, o do


patrimônio líquido;

III – a atualização monetária não representa nova avaliação, mas, tão-somente, o ajustamento
dos valores originais para determinada data, mediante a aplicação de indexadores, ou outros
elementos aptos a traduzir a variação do poder aquisitivo da moeda nacional em um dado
período.”

Para atendimento ao Princípio da Atualização Monetária, o setor público segue o disposto na


Resolução CFC nº 900/2001, que torna a atualização monetária compulsória quando a inflação
acumulada no triênio, medida com base no Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM/FGV), atingir
100% ou mais (Apêndice II à Resolução CFC nº 750/1993).

2.6 PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA


“Art. 9° As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do
período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem,
independentemente de recebimento ou pagamento.

§ 1° O Princípio da COMPETÊNCIA determina quando as alterações no ativo ou no


passivo resultam em aumento ou diminuição no patrimônio líquido, estabelecendo
diretrizes para classificação das mutações patrimoniais, resultantes da observância do
Princípio da OPORTUNIDADE.

§ 2° O reconhecimento simultâneo das receitas e despesas, quando correlatas, é


conseqüência natural do respeito ao período em que ocorrer sua geração.

§ 3º As receitas consideram-se realizadas:

I – nas transações com terceiros, quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem


compromisso firme de efetivá-lo, quer pela investidura na propriedade de bens
anteriormente pertencentes à ENTIDADE, quer pela fruição de serviços por esta
prestados;

II – quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem
o desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior;

III – pela geração natural de novos ativos independentemente da intervenção de terceiros;

IV – no recebimento efetivo de doações e subvenções.” (Resolução CFC nº 750/1993)

§ 4º Consideram-se incorridas as despesas:

I – quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua


propriedade para terceiro;

II – pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo;

III – pelo surgimento de um passivo, sem o correspondente ativo.”


16 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Sob a perspectiva do setor público, o Princípio da Competência é aquele que reconhece as


transações e os eventos na ocorrência dos respectivos fatos geradores, independentemente do seu
pagamento ou recebimento, aplicando-se integralmente ao Setor Público.

Os fatos que afetam o patrimônio público devem ser contabilizados por competência, e os
seus efeitos devem ser evidenciados nas Demonstrações Contábeis do exercício financeiro com o
qual se relacionam, complementarmente ao registro orçamentário das receitas e das despesas
públicas. (Resolução CFC nº 1.111/07).

Além dos Princípios Fundamentais de Contabilidade, a Contabilidade Aplicada ao Setor


Público deve seguir o disposto nas normas de Direito Financeiro, em especial na Lei nº 4.320/64,
que instituiu um regime orçamentário misto no seu artigo 35, conforme abaixo:

“Art. 35. Pertencem ao exercício financeiro:

I - as receitas nele arrecadadas;

II - as despesas nele legalmente empenhadas.”

Ao mesmo tempo, no artigo 89, a referida lei estabelece que:

“Art. 89 - A contabilidade evidenciará os fatos ligados à administração orçamentária,


financeira, patrimonial e industrial.”

Portanto, observa-se que, além do registro dos fatos ligados à execução orçamentária, exige-se
a evidenciação dos fatos ligados à execução financeira e patrimonial, de maneira que os fatos
modificativos sejam levados à conta de resultado e que as informações contábeis permitam o
conhecimento da composição patrimonial e dos resultados econômicos e financeiros de determinado
exercício:

“Art. 100 - As alterações da situação líquida patrimonial, que abrangem os resultados da


execução orçamentária, bem como as variações independentes dessa execução e as
superveniências e insubsistências ativas e passivas, constituirão elementos da conta
patrimonial.”
(...)
“Art. 104 - A Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as alterações
verificadas no patrimônio, resultantes ou independentes da execução orçamentária, e
indicará o resultado patrimonial do exercício.” Lei nº 4.320/64

Portanto, com o objetivo de evidenciar o impacto dos fatos modificativos no patrimônio, deve
haver o registro da receita sob o enfoque patrimonial (variação patrimonial aumentativa) em função
do fato gerador, em obediência aos princípios da competência e da oportunidade. Ainda, no
momento da arrecadação, deve haver o registro em contas específicas, demonstrando a visão
orçamentária exigida no artigo 35 da Lei nº 4.320/64. Assim, é possível compatibilizar e evidenciar,
de maneira harmônica, as variações patrimoniais e a execução orçamentária ocorridas na entidade.

2.7 PRINCÍPIO DA PRUDÊNCIA


“Art. 10. O Princípio da PRUDÊNCIA determina a adoção do menor valor para os
componentes do ATIVO e do maior para os do PASSIVO, sempre que se apresentem
PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE 17

alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que


alterem o patrimônio líquido.”

§ 1º O Princípio da PRUDÊNCIA impõe a escolha da hipótese de que resulte menor


patrimônio líquido, quando se apresentarem opções igualmente aceitáveis diante dos
demais Princípios Fundamentais de Contabilidade.

§ 2º Observado o disposto no art. 7º, o Princípio da PRUDÊNCIA somente se aplica às


mutações posteriores, constituindo-se ordenamento indispensável à correta aplicação do
Princípio da COMPETÊNCIA.

§ 3º A aplicação do Princípio da PRUDÊNCIA ganha ênfase quando, para definição dos


valores relativos às variações patrimoniais, devem ser feitas estimativas que envolvem
incertezas de grau variável.”

O princípio da prudência adquire relevância quando são feitas estimativas, tais como os
passivos contingentes que representam obrigações possíveis, ou ativos contingentes que são
possíveis ativos, cuja existência depende de fatores imprevisíveis, tais como resultados dos
julgamentos de processos judiciais. Nesse caso, se existirem alternativas igualmente válidas para a
quantificação do fato, será escolhida aquela que resultar no maior valor para o passivo e/ou o menor
para o ativo.
18 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

3. COMPOSIÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO2

3.1 PATRIMÔNIO PÚBLICO


Patrimônio Público é o conjunto de direitos e bens, tangíveis ou intangíveis, onerados ou
não, adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelas entidades do setor
público, que seja portador e represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente à
prestação de serviços públicos ou à exploração econômica por entidades do setor público e suas
obrigações.

O patrimônio público compõe-se dos seguintes elementos:

a) Ativo – compreende os direitos e os bens, tangíveis ou intangíveis


adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelo setor público, que seja
portador e que represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, bem como os mantidos na
condição de fiel depositário;

b) Passivo – compreende as obrigações presentes assumidas pelas entidades


do setor público decorrentes de eventos passados , cujo pagamento se espera que resulte em uma
saída de recursos financeiros, incorporando benefícios econômicos ou potencial de serviços.

c) Patrimônio Líquido, Saldo Patrimonial ou Situação Líquida


Patrimonial – representa a diferença entre o Ativo e o Passivo.

A classificação do ativo e do passivo considera a segregação em “circulante” e “não


circulante”, com base em seus atributos de conversibilidade e exigibilidade, conforme disposto na
Lei nº 6.404/1976 e suas atualizações, bem como a NBCT 16.6 3 – Demonstrações Contábeis,
viabilizando a utilização da classificação patrimonial pelas empresas estatais.

As definições de ativo e passivo identificam os seus aspectos essenciais, mas não tentam
especificar os critérios que precisam ser atendidos para que possam ser reconhecidos no balanço
patrimonial. Ao avaliar se um item se enquadra na definição de ativo, passivo ou patrimônio líquido,
deve-se atentar para a sua essência e realidade econômica e não penas sua forma legal.

3.2 ATIVO
O Ativo compreende o conjunto de os direitos e os bens, tangíveis ou intangíveis
adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelo setor público, que seja
portador e que represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, bem como os mantidos na
condição de fiel depositário.

Os ativos devem ser classificados como circulante quando satisfizerem a um dos seguintes
critérios:

a) estiverem disponíveis para realização imediata; e

2
No Anexo IV desse manual encontram-se os elementos das demonstrações contábeis, de acordo
com o pronunciamento conceitual básico do CPC.
3
Disponível no Anexo II desse Manual.
COMPOSIÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO 19

b) tiverem a expectativa de realização até o término do exercício seguinte.

Os demais ativos devem ser classificados como não circulante.

No Balanço Patrimonial, a divisão em Ativo Financeiro e Ativo Não-Financeiro (Ativo


Permanente) baseia-se nos §§ 1º e 2º do artigo 105 da Lei 4.320/1964:

“§ 1º O Ativo Financeiro compreenderá os créditos e valores realizáveis independentemente de


autorização orçamentária e os valores numerários.

§ 2º O Ativo Permanente compreenderá os bens, créditos e valores, cuja mobilização ou alienação


dependa de autorização legislativa. ”

Um ativo é reconhecido no patrimônio público quando for provável que benefícios futuros
dele provenientes fluirão para a entidade e seu custo ou valor puder ser determinado em bases
confiáveis.

Também são reconhecidos no ativo, mesmo que não gere benefícios futuros, os depósitos
caracterizados no art. 3º da Lei nº 4.320, como entradas compensatórias no ativo e no passivo
financeiro. Os depósitos são representados por cauções em dinheiro para garantia de contratos,
consignações a pagar, retenção de obrigações de terceiros a recolher e outros depósitos com
finalidades especiais, como os para garantia de recursos.

3.3 PASSIVO
O Passivo compreende as obrigações presentes assumidas pelas entidades do setor público
decorrentes de eventos passados, cujo pagamento se espera que resulte em uma saída de recursos
financeiros, incorporando benefícios econômicos ou potencial de serviços.

Os passivos devem ser classificados como circulante quando satisfizerem a um dos


seguintes critérios:

a) corresponderem a valores exigíveis até o término do exercício seguinte; e

b) corresponderem a valores de terceiros ou retenções em nome deles,


quando a entidade do setor público for fiel depositária, independentemente do prazo de exigibilidade.

Os demais passivos devem ser classificados como não circulante.

No Balanço Patrimonial, a divisão em Passivo Financeiro e Passivo Não-Financeiro


(Passivo Permanente) baseia-se nos §§ 3º e 4º do artigo 105 da Lei 4.320/1964:

“§ 3º O Passivo Financeiro compreenderá as dívidas fundadas e outros pagamentos que


independam de autorização orçamentária.

§ 4º O Passivo Permanente compreenderá as dívidas fundadas e outras que dependam de


autorização legislativa para amortização ou resgate.”

Uma característica essencial para a existência de um passivo é que a entidade tenha uma
obrigação presente. Uma obrigação é um dever ou responsabilidade de agir ou fazer de uma certa
maneira. As obrigações podem ser legalmente exigíveis em conseqüência de um contrato ou de
20 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

requisitos estatutários. Esse é normalmente o caso, por exemplo, das contas a pagar por
mercadorias e serviços recebidos.

Um passivo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que uma saída de
recursos envolvendo benefícios econômicos seja exigida em liquidação de uma obrigação presente
e o valor pelo qual essa liquidação se dará possa ser determinado em bases confiáveis. Do ponto de
vista patrimonial, as obrigações em que o fato gerador não tenha ocorrido (por exemplo,
obrigações decorrentes de pedidos de compra de produtos e mercadorias, mas ainda não recebidos)
não são geralmente reconhecidas como passivos nas demonstrações contábeis.

Também são reconhecidos no passivo, pois se caracterizam como obrigações para com
terceiros, os depósitos caracterizados no art. 3º da Lei nº 4.320 como entradas compensatórias no
ativo e no passivo financeiro. Os depósitos são representados por cauções em dinheiro para garantia
de contratos, consignações a pagar, retenção de obrigações de terceiros a recolher e outros depósitos
com finalidades especiais, como os para garantia de recursos.

Para um maior entendimento do conceito de Passivo Financeiro, dentro da contabilidade


patrimonial (de acordo com o Pronunciamento CPC n° 14, de 2008) é importante que se conheça as
definições de Instrumento Financeiro e Passivo Financeiro:

Instrumento financeiro é qualquer contrato que origine um ativo financeiro para uma
entidade e um passivo financeiro ou título patrimonial para outra entidade.

Passivo financeiro é qualquer passivo que seja:

(a) obrigação contratual:


(i) de entregar caixa ou outro ativo financeiro para outra entidade; ou
(ii) de trocar ativos ou passivos financeiros com outra entidade sob condições
potencialmente desfavoráveis para a entidade; ou
(b) contrato que será ou poderá ser liquidado com títulos patrimoniais da própria
entidade e que seja:
(i) um não derivativo no qual a entidade é ou pode ser obrigada a entregar um
número variável de seus próprios títulos patrimoniais; ou
(ii) um derivativo que será ou poderá ser liquidado por outro meio que não a
troca de montante fixo de caixa ou outro ativo financeiro por número fixo de títulos
patrimoniais da própria entidade. Para esse propósito os títulos patrimoniais da própria
entidade não incluem instrumentos que são contratos para recebimento ou entrega futura
de títulos patrimoniais da própria entidade.

3.3.1 RELAÇÃO ENTRE PASSIVO EXIGÍVEL E AS ETAPAS DA


EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA
3.3.1.1 PASSIVO EXIGÍVEL X EMPENHO

Segundo a Lei 4.320/64, em seu art. 58, o empenho de despesa é o ato emanado de
autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de
implemento de condição.
Quando a lei utiliza a palavra “obrigação”, ela não refere-se à obrigação patrimonial
(passivo exigível), pois uma obrigação patrimonial é caracterizada por um fato gerador já ocorrido,
ou, conforme a lei, por uma condição já implementada. A lei refere-se ao comprometimento de
COMPOSIÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO 21

recurso financeiro da entidade governamental que fez o empenho, ou seja, uma obrigação financeira
para fins de cálculo do Superávit Financeiro, fonte da abertura de créditos adicionais nos exercícios
seguintes.

3.3.1.2 PASSIVO EXIGÍVEL X EM LIQUIDAÇÃO

Quando o fato gerador do passivo exigível ocorrer antes do empenho, é necessário o


registro de uma etapa intermediária, entre o empenho e a liquidação, chamada “em liquidação”. Essa
etapa é necessária para que não haja duplicidade no passivo financeiro utilizado para fins de cálculo
do Superávit Financeiro. Caso não houvesse essa etapa, haveria a duplicidade, pois o registro do
valor empenhado estaria na conta “Crédito Empenhado a Liquidar” e o mesmo valor estará
registrado no Passivo da entidade, visto que se trata de um passivo exigível. Como o passivo
financeiro para fins de cálculo do Superávit Financeiro é calculado pela soma da conta “Crédito
Empenhado a Liquidar” com as contas de Passivo que representem obrigações independentes de
autorização orçamentária para serem realizadas, haveria duplicidade nesse cálculo , pois seu
montante será considerado tanto na conta Crédito Empenhado a Liquidar quanto na conta de
obrigação anteriormente contabilizada no passivo exigível.

3.3.1.3 PASSIVO EXIGÍVEL X LIQUIDAÇÃO

Já a liquidação, segundo a Lei 4.320/64, consiste na verificação do direito adquirido pelo


credor tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito, ou seja, é a
verificação de um Passivo Exigível já existente.
Em alguns casos, pode ser que ocorra uma lacuna temporal significativa entre a entrega do
bem, serviço ou fonte de origem daquele crédito e a efetiva liquidação do crédito orçamentário.
Nesses casos, também é necessário o registro da etapa entre o empenho e a liquidação chamada “em
liquidação”, etapa essa que evidencia a ocorrência do fato gerador da Variação Patrimonial
Diminutiva, com o surgimento de um Passivo Exigível, e a não ocorrência da liquidação da despesa
orçamentária.

3.3.1.4 PASSIVO EXIGÍVEL X PAGAMENTO

O pagamento, última etapa da execução da despesa orçamentária, é a efetiva saída do


recurso financeiro que ocasionará a baixa de um passivo exigível existente.

Como exemplo da aplicação dos tópicos anteriores, seguem os registros referentes a uma
operação de crédito.

Contratação da operação de crédito:

Título da Conta
D Disponível (F)
C Obrigações em circulação (P)

Título da Conta
D Receita orçamentária a realizar
C Receita orçamentária realizada

Título da Conta
D Disponibilidade de recursos
C Disponibilidade por destinação de recursos
22 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

No empenho da dotação orçamentária

Título da Conta
D Crédito Orçamentário Disponível
C Crédito Empenhado a Liquidar

Título da Conta
D Crédito Empenhado a Liquidar
C Crédito Empenhado em Liquidação

Título da Conta
D Obrigações em circulação (P)
C Obrigações em circulação (F)

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida

Na liquidação:

Título da Conta
D Crédito Empenhado em Liquidação
C Crédito Empenhado Liquidado a Pagar

Saída do recurso financeiro:

Título da Conta
D Obrigações em circulação (F)
C Banco Conta Movimento (F)

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida
C Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada

Título da Conta
D Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
C Crédito Empenhado Pago

3.4 PATRIMÔNIO LÍQUIDO/SALDO PATRIMONIAL


O Patrimônio Líquido/Saldo Patrimonial representa a diferença positiva entre o Ativo e o
Passivo, compreendendo os recursos próprios da entidade.

Quando o valor do passivo for maior que o valor do ativo, o resultado é denominado
passivo a descoberto.
COMPOSIÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO 23

Integram o Patrimônio Líquido: patrimônio/capital social, reservas de capital, ajustes de


avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria, resultados acumulados e outros
desdobramentos do saldo patrimonial.

No Patrimônio Líquido, deve ser evidenciado o resultado do período segregado dos


resultados acumulados de períodos anteriores.

De acordo com a Resolução do Conselho Federal de Contabilidade nº 1.121, de 28 de março


de 2008, que dispõe sobre a estrutura conceitual para a elaboração e apresentação das demonstrações
contábeis, receitas são aumentos nos benefícios econômicos durante o período contábil sob a forma
de entrada de recursos ou aumento de ativos ou diminuição de passivos, que resultem em aumento
do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de aporte dos proprietários da entidade e as
despesas são decréscimos nos benefícios econômicos durante o período contábil sob a forma de
saída de recursos ou redução de ativos ou incremento em passivos, que resultem em decréscimo do
patrimônio líquido e que não sejam provenientes de distribuição aos proprietários da entidade.

Desta maneira, para fins deste Manual, a receita sob o enfoque patrimonial será denominada
simplesmente de variação patrimonial aumentativa e a despesa sob o enfoque patrimonial será
denominada simplesmente de variação patrimonial diminutiva. Ambas não devem ser confundidas
com a receita e a despesa orçamentária, que serão abordadas no volume I deste Manual.
24 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

4. MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS

4.1 INTRODUÇÃO
Mensuração é o processo que consiste em determinar os valores pelos quais os elementos
das demonstrações contábeis devem ser reconhecidos e apresentados nas demonstrações contábeis.

O patrimônio das entidades do setor público, o orçamento, a execução orçamentária e


financeira e os atos administrativos que provoquem efeitos de caráter econômico e financeiro no
patrimônio da entidade devem ser mensurados ou avaliados monetariamente e registrados pela
contabilidade.

De acordo com o princípio da Oportunidade, as transações no setor público devem ser


reconhecidas e registradas integralmente no momento em que ocorrerem.

Os registros da entidade, desde que estimáveis tecnicamente, devem ser efetuados, mesmo
na hipótese de existir razoável certeza de sua ocorrência.

Os registros contábeis devem ser realizados e os seus efeitos evidenciados nas


demonstrações contábeis do período com os quais se relacionam, reconhecidos, portanto, pelos
respectivos fatos geradores, independentemente do momento da execução orçamentária.

Os registros contábeis das transações das entidades do setor público devem ser efetuados,
considerando as relações jurídicas, econômicas e patrimoniais, prevalecendo, nos conflitos entre
elas, a essência sobre a forma.

A entidade do setor público deve aplicar métodos de mensuração ou avaliação dos ativos e
dos passivos que possibilitem o reconhecimento dos ganhos e das perdas patrimoniais.

O reconhecimento de ajustes decorrentes de omissões e erros de registros ocorridos em anos


anteriores ou de mudanças de critérios contábeis deve ser realizado à conta do patrimônio líquido e
evidenciado em notas explicativas.

4.2 CONCEITOS
Avaliação patrimonial: a atribuição de valor monetário a itens do ativo e do
passivo decorrentes de julgamento fundamentado em consenso entre as partes e que traduza, com
razoabilidade, a evidenciação dos atos e dos fatos administrativos.

Influência significativa: o poder de uma entidade do setor público participar nas


decisões de políticas financeiras e operacionais de outra entidade que dela receba recursos
financeiros a qualquer título ou que represente participação acionária, desde que não signifique um
controle compartilhado sobre essas políticas.

Mensuração: a constatação de valor monetário para itens do ativo e do passivo


decorrente da aplicação de procedimentos técnicos suportados em análises qualitativas e
quantitativas.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para


bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.
MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS 25

Redução ao valor recuperável (impairment): o ajuste ao valor justo ou valor em


uso, quando esses forem inferiores ao valor líquido contábil.

Valor da reavaliação ou valor da redução do ativo a valor recuperável: a


diferença entre o valor líquido contábil do bem e o valor justo ou valor em uso, com base em laudo
técnico.

Valor de aquisição: a soma do preço de compra de um bem com os gastos


suportados direta ou indiretamente para colocá-lo em condição de uso.

Valor de mercado ou valor justo (fair value): o valor pelo qual um ativo pode
ser intercambiado ou um passivo pode ser liquidado entre partes interessadas que atuam em
condições independentes e isentas ou conhecedoras do mercado.

Valor em Uso: o valor presente dos rendimentos futuros do bem esperados ao


longo de seu uso contínuo e de sua alienação ao final de sua vida útil.

Valor bruto contábil: o valor do bem registrado na contabilidade, em uma


determinada data, sem a dedução da correspondente depreciação, amortização ou exaustão
acumulada.

Valor líquido contábil: o valor do bem registrado na contabilidade, em


determinada data, deduzido da correspondente depreciação, amortização ou exaustão acumulada.

Valor realizável líquido: a quantia que a entidade do setor público espera obter
com a alienação de itens de inventário quando deduzidos os gastos estimados para seu acabamento,
alienação ou distribuição.

Valor recuperável: o valor de venda de um ativo menos o custo para a sua


alienação (preço líquido de venda), ou o valor que a entidade do setor público espera recuperar pelo
uso futuro desse ativo nas suas operações, estimado com base nos fluxos de caixa futuros trazidos a
valor presente por meio de taxa de desconto (valor em uso), o que for maior.

4.3 AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO


A avaliação e a mensuração dos elementos patrimoniais nas entidades do setor público
obedecem aos seguintes critérios:

4.3.1 DISPONIBILIDADES

As disponibilidades são mensuradas ou avaliadas pelo valor original, feita a conversão,


quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do Balanço Patrimonial.

As aplicações financeiras de liquidez imediata são mensuradas ou avaliadas pelo valor


original, atualizadas até a data do Balanço Patrimonial.

As atualizações apuradas são contabilizadas em contas de resultado.


26 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

4.3.2 CRÉDITOS E OBRIGAÇÕES

Os direitos, os títulos de créditos e as obrigações são mensurados ou avaliados pelo valor


original, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do
Balanço Patrimonial.

Os riscos de recebimento de direitos são reconhecidos em conta de ajuste, a qual será


reduzida ou anulada quando deixarem de existir os motivos que a originaram.

Os direitos, os títulos de crédito e as obrigações prefixadas são ajustados a valor presente.

Os direitos, os títulos de crédito e as obrigações pós-fixadas são ajustados considerando-se


todos os encargos incorridos até a data de encerramento do balanço.

As provisões são constituídas com base em estimativas pelos prováveis valores de


realização para os ativos e de reconhecimento para os passivos.

As atualizações e os ajustes apurados são contabilizados em contas de resultado.

4.3.3 ESTOQUES

Os estoques são ativos:

- Na forma de materiais ou suprimentos a serem usados no processo de produção;


- Na forma de materiais ou suprimentos a serem usados ou distribuídos na prestação de
serviços;
- Mantidos para a venda ou distribuição no curso normal das operações;
- Usados no curso normal das operações.

Os estoques são mensurados ou avaliados com base no valor de


aquisição/produção/construção ou valor realizável líquido, dos dois o menor.

Os custos de estoques devem abranger todos os custos de compra, conversão e outros custos
incorridos referentes ao deslocamento, como impostos não recuperáveis, custos de transporte e
outros, referente ao processo de produção. Os custos posteriores de armazenagem ou entrega ao
cliente não devem ser absorvidos pelos estoques.

Os gastos de distribuição, de administração geral e financeiros são considerados como


variações patrimoniais diminutivas do período em que ocorrerem e não como custo dos estoques.

Exemplos de despesas excluídas do valor do estoque e reconhecidos como variações


patrimoniais diminutivas do período em que são obtidos:

- Quantias anormais de materiais desperdiçados, mão de obra ou de outros custos de


produção;
- Custos de armazenamento, a menos que sejam necessários no processo de produção antes
de uma nova fase de produção;
- Despesas gerais administrativas que não contribuam para colocar os estoques no seu local
e na sua condição atual;
- Custos de vendas.
MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS 27

Os descontos comerciais, abatimentos e outros itens semelhantes são deduzidos na


determinação do custo de aquisição e, por isso, não devem ser reconhecidos como variação
patrimonial aumentativa.

O método para mensuração e avaliação das saídas dos estoques é o custo médio ponderado,
conforme o inciso III, art. 106 da Lei 4.320/64. Pelo método do custo médio ponderado, o custo de
cada item é determinado a partir da média ponderada do custo de itens semelhantes no começo de
um período, e do custo de itens semelhantes comprados ou produzidos durante o período. A média
pode ser determinada através de uma base periódica ou à medida que cada entrega adicional seja
recebida, o que depende das circunstâncias da entidade.

O custo dos estoques pode não ser recuperável se estes estiverem danificados, se tornarem-
se total ou parcialmente obsoletos ou se os seus preços de venda diminuírem. A prática de reduzir o
custo dos estoques para o valor realizável líquido é consistente com o ponto de vista de que os ativos
não devem ser mensurados em excesso pelos futuros benefícios econômicos ou serviços em
potencial a serem realizados pela sua venda, troca, distribuição ou uso. Assim, quando houver
deterioração física parcial, obsolescência, bem como outros fatores análogos, deve ser utilizado o
valor realizável líquido.

Os resíduos e os refugos também devem ser mensurados, na falta de critério mais adequado,
pelo valor realizável líquido.

As diferenças de valor de estoques que forem conseqüências das situações descritas acima
devem ser refletidas em contas de resultado.

Os estoques de animais e de produtos agrícolas e extrativos são mensurados ou avaliados


pelo valor justo menos os custos estimados de venda, quando atendidas as seguintes condições:

(a) que a atividade seja primária;

(b) que o custo de produção seja de difícil determinação ou que acarrete gastos
excessivos.

Quando os bens forem distribuídos gratuitamente ou a taxas não de mercado, os estoques


serão valorados a custo ou valor de reposição, o menor dos dois.

4.3.4 INVESTIMENTOS PERMANENTES

4.3.4.1 MÉTODO DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

As participações em empresas e em consórcios públicos ou público-privados em que a


administração tenha influência significativa devem ser mensuradas ou avaliadas pelo método da
equivalência patrimonial. O método da equivalência patrimonial será utilizado para os investimentos
em coligadas ou em controladas e em outras sociedades que façam parte de um mesmo grupo ou
estejam sob controle comum4.

Pelo método da equivalência patrimonial, o investimento é inicialmente registrado a preço


de custo e o valor contábil é aumentado ou reduzido conforme o Patrimônio Líquido da investida
aumente ou diminua.

4
Procedimento usado pelas Sociedades Anônimas, conforme a lei nº 11.941/09.
28 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

O valor do investimento permanente avaliado pelo método da equivalência patrimonial será


obtido mediante o seguinte cálculo:

I - aplicação do percentual de participação no capital social sobre o resultado da subtração


do patrimônio líquido da investida do valor do adiantamento para aumento de capital
concedido a essa; e
II - subtração, do montante referido no inciso I, dos lucros não realizados nas operações
intercompanhias, líquidos dos efeitos fiscais.

4.3.4.2 MÉTODO DO CUSTO

As demais participações devem ser mensuradas ou avaliadas de acordo com o custo de


aquisição. Pelo método do custo, o investimento é registrado no ativo permanente a preço de custo.
A entidade investidora somente reconhece o rendimento na medida em que receber as distribuições
de lucros do item investido. As distribuições provenientes de rendimentos sobre investimentos do
ativo permanente são reconhecidas como receita patrimonial.

Os ajustes apurados são contabilizados em contas de resultado.

Também são considerados investimentos permanentes os ativos (por exemplo terras,


terrenos ou prédios) mantidos para fins de renda ou ganho de capital ou ambos, desde que não sejam
usados:

- na produção ou suprimento de bens e serviços ou para propósitos administrativos; ou


- como venda no curso ordinário das operações

O ativo deve ser reconhecido inicialmente pelo seu custo de aquisição. Caso tenha sido
adquirido mediante doação deve ser registrado pelo valor justo na data de aquisição.

Após o reconhecimento inicial, a entidade deve optar entre manter o ativo pelo valor de
custo deduzido das depreciações acumuladas e perdas acumuladas por imparidade ou pelo valor
justo, sendo qualquer ganho ou perda resultante da variação deste valor reconhecida no resultado.

4.3.5 IMOBILIZADO

O ativo imobilizado, incluindo os gastos adicionais ou complementares, é reconhecido


inicialmente com base no valor de aquisição, produção ou construção.

Quando os elementos do ativo imobilizado tiverem vida útil econômica limitada, ficam
sujeitos a depreciação, amortização ou exaustão sistemática durante esse período, sem prejuízo das
exceções expressamente consignadas.

Quando se tratar de ativos do imobilizado obtidos a título gratuito, devem ser registrados
pelo valor justo na data de sua aquisição, sendo que deverá ser considerado o valor resultante da
avaliação obtida com base em procedimento técnico ou valor patrimonial definido nos termos da
doação.

Deve ser evidenciado em notas explicativas o critério de mensuração ou avaliação dos


ativos do imobilizado obtidos a título gratuito, bem como a eventual impossibilidade de sua
valoração, devidamente justificada.
MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS 29

Após o reconhecimento inicial, a entidade detentora do ativo deve optar entre valorá-lo pelo
modelo do custo ou da reavaliação.

O modelo do custo consiste no valor de aquisição, produção ou construção menos a


depreciação acumulada e as perdas acumuladas por imparidade.

O modelo da reavaliação consiste no valor justo sujeito à reavaliação periódica menos a


depreciação acumulada e as perdas acumuladas por imparidade.

Os ganhos e perdas decorrentes da reavaliação devem ser reconhecidos no resultado do


exercício.

Os gastos posteriores à aquisição ou ao registro de elemento do ativo imobilizado devem ser


incorporados ao valor desse ativo quando houver possibilidade de geração de benefícios econômicos
futuros ou potenciais de serviços. Qualquer outro gasto que não gere benefícios futuros deve ser
reconhecido como despesa do período em que seja incorrido.

No caso de transferências de ativos, o valor a atribuir deve ser o valor contábil líquido
constante nos registros da entidade de origem. Em caso de divergência deste critério com o fixado no
instrumento de autorização da transferência, este deve ser evidenciado em notas explicativas.

Os bens de uso compartilhado por mais de uma entidade que absorveram ou absorvem
recursos públicos, ou aqueles eventualmente recebidos em doação, devem ser incluídos no ativo
não circulante da entidade responsável pela sua administração ou controle, estejam, ou não,
afetos a sua atividade operacional.

A mensuração dos bens de uso compartilhado será efetuada, sempre que possível, ao valor
de aquisição ou ao valor de produção e construção.

4.3.6 INTANGÍVEL

Os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da atividade
pública ou exercidos com essa finalidade são mensurados ou avaliados com base no valor de
aquisição ou de produção, deduzido do saldo da respectiva conta de amortização acumulada e do
montante acumulado de quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo de sua vida útil por
redução ao valor recuperável (impairment).

Um ativo intangível deve ser reconhecido somente quando:

- for provável que os benefícios econômicos futuros esperados atribuíveis ao ativo serão
gerados em favor da entidade; e
- o custo do ativo possa ser mensurado com segurança.

O critério de mensuração ou avaliação dos ativos intangíveis obtidos a título gratuito e a


eventual impossibilidade de sua valoração devem ser evidenciados em notas explicativas.

Os gastos posteriores à aquisição ou ao registro de elemento do ativo intangível devem ser


incorporados ao valor desse ativo quando houver possibilidade de geração de benefícios econômicos
futuros ou potenciais de serviços. Qualquer outro gasto deve ser reconhecido como despesa do
período em que tenha incorrido.
30 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

O ágio derivado da expectativa de rentabilidade futura (goodwill) gerado internamente não


deve ser reconhecido como ativo.

5. VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

As variações patrimoniais são transações que resultam em alterações nos elementos


patrimoniais da entidade do setor público, mesmo em caráter compensatório, afetando, ou não, o seu
resultado.

Assim, todas as alterações ocorridas no patrimônio são denominadas Variações


Patrimoniais e podem ser classificadas em:

- Quantitativas;

- Qualitativas;

As variações patrimoniais quantitativas decorrem de transações que aumentam ou


diminuem o patrimônio líquido, subdividindo-se em:

- Variações patrimoniais aumentativas – quando aumentam o patrimônio líquido (receita


sob o enfoque patrimonial);

- Variações patrimoniais diminutivas – quando diminuem o patrimônio líquido


(despesa sob o enfoque patrimonial).

As variações patrimoniais qualitativas alteram a composição dos elementos patrimoniais


sem afetar o patrimônio líquido, determinando modificações apenas na composição específica dos
elementos patrimoniais.

Existem variações que, simultaneamente, alteram a composição qualitativa e a expressão


quantitativa dos elementos patrimoniais e são conhecidas como variações mistas ou compostas.

Dessa maneira, as variações patrimoniais podem ser representadas pela figura abaixo:
VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 31

5.1 QUALITATIVAS
5.1.1 CONCEITO

Variações patrimoniais qualitativas são aquelas em que ocorrem permutações de mesmo


valor dos elementos do Patrimônio, ou seja, as alterações do Patrimônio que não alteram o valor do
Patrimônio Líquido. Como exemplos têm-se a compra de veículo e a contratação de operações de
crédito, que são variações patrimoniais qualitativas, pois o que acontece, no primeiro exemplo, é a
troca (permuta) de uma obrigação de pagar por veículo e, no segundo exemplo, é a entrada de caixa,
advinda do empréstimo, em contrapartida a um registro de uma obrigação de devolução do
empréstimo.

5.1.2 RECONHECIMENTO

Os exemplos do item anterior são assim contabilizados:

Aquisição de um carro (empenho, recebimento de nota fiscal e liquidação)

Título da Conta
D Crédito orçamentário disponível
C Crédito empenhado a liquidar

Título da Conta
D Disponibilidade por destinação de recursos
C Disponibilidade por destinação de recursos comprometida

Título da Conta
Variação
D Imobilizado – Veículos (P) patrimonial
C Obrigações em circulação (F) qualitativa
32 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Título da Conta
D Crédito empenhado a liquidar
C Crédito empenhado liquidado a pagar

Contratação da operação de crédito:

Título da Conta
Variação
D Disponível (F) patrimonial
C Obrigações em circulação (P) qualitativa

Título da Conta
D Receita orçamentária a realizar
C Receita orçamentária realizada

Título da Conta
D Disponibilidade de recursos
C Disponibilidade por destinação de recursos

5.2 QUANTITATIVAS (RECEITA E DESPESA SOB ENFOQUE


PATRIMONIAL)
5.2.1 CONCEITO

Segundo os princípios contábeis, a variação patrimonial aumentativa deve ser registrada no


momento da ocorrência do seu fato gerador, independentemente de recebimento.

A variação patrimonial aumentativa pode ser classificada:

a) Quanto à entidade que apropria a variação patrimonial aumentativa:

- Variação patrimonial aumentativa pública – aquela auferida por entidade pública.

- Variação patrimonial aumentativa privada – aquela auferida por entidade privada.

b) Quanto à dependência da execução orçamentária:

- Variação patrimonial aumentativa resultante da execução orçamentária – são receitas


orçamentárias efetivas arrecadadas, de propriedade do ente, que resultam em aumento do
patrimônio líquido. Exemplo: receita de tributos.
VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 33

- Variação patrimonial aumentativa independente da execução orçamentária – são fatos que


resultam em aumento do patrimônio líquido, que ocorrem independentemente da execução
orçamentária. Exemplo: incorporação de bens (doações recebidas).

c) De acordo com as características e peculiaridades das entidades:

- Governamentais – Abrangem tributos e contribuições.

- Empresariais – Tratam de venda de bens e serviços.

- Financeiras – Versam sobre receitas de juros, dividendos, descontos obtidos etc.

- Transferências – Incluem doações, subvenções, subsídios, auxílios, transferências


intergovernamentais e intragovernamentais recebidas, entre outras.

- Outras Variações Aumentativas – Outras variações patrimoniais aumentativas não


classificadas nos grupos anteriores

Analogamente, a variação patrimonial diminutiva deve ser registrada no momento da


ocorrência do seu fato gerador, independentemente do pagamento.

A variação patrimonial diminutiva pode ser classificada:

a) Quanto à entidade que apropria a despesa:

- Variação patrimonial diminutiva pública – aquela efetuada por entidade pública.

- Variação patrimonial diminutiva privada – aquela efetuada pela entidade privada.

b) Quanto à dependência da execução orçamentária:

- Variação patrimonial diminutiva resultante da execução orçamentária – aquela que


depende de autorização orçamentária para acontecer. Exemplo: despesa com salário,
despesa com serviço, etc.

- Variação patrimonial diminutiva independente da execução orçamentária – aquela que


independe de autorização orçamentária para acontecer. Exemplo: constituição de provisão,
despesa com depreciação, etc.

c) Quanto às ações executadas pelo setor público:

- Pessoal – Trata da remuneração de pessoal do governo e seus encargos.

- Benefícios Sociais – Caracterizados em geral por espécies de transferências com o


objetivo de proteger a população ou segmentos dela contra certos riscos sociais.

- Uso de Bens e Serviços – Consistem de serviços, insumos e matérias-primas empregados


na produção de bens e serviços acrescidos de mercadorias compradas para revenda menos a
34 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

variação líquida de inventários de produtos em elaboração, bens acabados e mercadoria para


revenda.

- Operações Financeiras – Tratam de despesas com juros, descontos concedidos, etc.

- Transferências – Incluem doações, subvenções, subsídios, auxílios, transferências


intergovernamentais e intragovernamentais concedidas, entre outros.

- Outras Variações Diminutivas – Outras variações patrimoniais diminutivas não


classificadas nos grupos anteriores.

Dentro das funções típicas de governo, essas ações se materializam na contraprestação de


bens e serviços à comunidade em algumas situações a preços subsidiados e distribuem renda e
riqueza por meio de transferências e concessão de benefícios sociais.

O mapeamento dos elementos patrimoniais e das transações típicas de governo serve de


ponto de partida conceitual para a construção da estrutura fundamental do Plano de Contas Aplicado
ao Setor Público.

5.2.2 RECONHECIMENTO

A contabilidade aplicada ao setor público é um dos ramos da ciência contábil, e, como


qualquer ramo dessa, deve observar os Princípios Fundamentais de Contabilidade da Competência e
Oportunidade, além dos demais princípios.

O Princípio da Competência estabelece que as receitas e despesas deverão ser incluídas na


apuração do resultado do período em que ocorrerem, independentemente do recebimento ou
pagamento, e o Princípio da Oportunidade dispõe que os registros no patrimônio e das suas mutações
devem ocorrer de imediato e com a extensão correta, independentemente das causas que as
originaram.

Assim, segundo os princípios contábeis, a variação patrimonial aumentativa deve ser


registrada no momento da ocorrência do seu fato gerador, independentemente de recebimento, e,
analogamente, a variação patrimonial diminutiva deve ser registrada no momento da ocorrência do
seu fato gerador, independentemente do pagamento e da execução orçamentária.

Procedendo assim, além de obedecer-se aos Princípios Fundamentais de Contabilidade,


atende-se ao disposto nos artigos 85, 89, 100 e 104 da Lei 4.320/64 5 e no artigo 50, II da LRF,
transcritos abaixo:

Lei 4.320/1964:

“Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem o


acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da composição
patrimonial, a determinação dos custos dos serviços industriais, o levantamento dos
balanços gerais, a análise e a interpretação dos resultados econômicos e
financeiros.”

5
A parte contábil da Lei 4.320/64 pode ser consultada no Anexo III desse manual.
VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 35

“Art. 89. A contabilidade evidenciará os fatos ligados à administração


orçamentária, financeira, patrimonial e industrial.”

“Art. 100. As alterações da situação líquida patrimonial, que abrangem os


resultados da execução orçamentária, bem como as variações independentes dessa
execução e as superveniências e insubsistência ativas e passivas, constituirão
elementos da conta patrimonial.”

“Art. 104. A Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as alterações


verificadas no patrimônio, resultantes ou independentes da execução orçamentária,
e indicará o resultado patrimonial do exercício.”

Lei de Responsabilidade Fiscal – Lei Complementar 101/00:

“Art. 50. Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a


escrituração das contas públicas observará as seguintes:

[...]

II – a despesa e a assunção de compromisso serão registradas segundo o regime de


competência, apurando-se, em caráter complementar, o resultado dos fluxos
financeiros pelo regime de caixa;”

A LRF também determina que o Anexo de Metas Fiscais demonstre a real evolução do
patrimônio líquido do exercício e dos três anteriores. Para que essa informação seja útil e confiável,
também é necessário que os lançamentos observem os Princípios Fundamentais de Contabilidade.

“Art. 4o. A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2 o do art. 165


da Constituição e:

[...]

§ 2o O Anexo conterá, ainda:

[...]

III - evolução do patrimônio líquido, também nos últimos três exercícios,


destacando a origem e a aplicação dos recursos obtidos com a alienação de
ativos;

[...]”

A falta de registro de direitos e obrigações oriundas de variações patrimoniais quantitativas


e qualitativas já incorridas resultará em demonstrações incompatíveis com as normas de
contabilidade, além da geração de informações incompletas em demonstrativos exigidos pela LRF, a
exemplo do Demonstrativo da Dívida Consolidada Líquida, tendo como conseqüência análise
distorcida da situação fiscal e patrimonial do ente.

O reconhecimento da variação patrimonial pode ocorrer em três momentos: para a variação


patrimonial aumentativa, antes, depois ou no momento da arrecadação da receita orçamentária e para
a variação patrimonial diminutiva, antes, depois ou no momento da liquidação da despesa
orçamentária, conforme os exemplos abaixo:
36 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Exemplo 1: reconhecimento da variação patrimonial aumentativa antes da ocorrência da


arrecadação da receita orçamentária.

A legislação que regulamenta o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana –


IPTU estabelece, de modo geral, que o fato gerador deste tributo ocorrerá no dia 1º de janeiro de
cada ano. Nesse momento, deve ser efetuado o seguinte registro contábil:

Título da Conta Variação


patrimonial
D Ativo Circulante – IPTU a Receber (P) quantitativa
C Variação Patrimonial Aumentativa

Nesse caso, registra-se a débito o reconhecimento do direito e a crédito uma variação


patrimonial aumentativa no momento do fato gerador e não no momento da arrecadação, que
acontecerá futuramente. Assim, quando ocorrer a arrecadação, serão feitos os seguintes registros
contábeis:

Título da Conta
Variação
D Banco Conta Movimento (F) patrimonial
C Ativo Circulante – IPTU a Receber (P) qualitativa

Título da Conta
D Receita Orçamentária a Realizar
C Receita Orçamentária Realizada

Título da Conta
D Disponibilidade de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos

Nesses lançamentos, o que acontece patrimonialmente é a troca de um direito por caixa,


constituindo uma variação patrimonial qualitativa.

Deve-se observar que, quando o reconhecimento do crédito a receber basear-se em


estimativas de arrecadação, pode ocorrer:

- excesso de arrecadação, não estando contabilizado o direito referente ao valor em excesso,


ocorre um impacto positivo na situação patrimonial no momento da arrecadação; e

- frustração na arrecadação, devendo-se proceder a baixa do direito por ocasião do


encerramento do exercício.

Exemplo 2: reconhecimento da variação patrimonial aumentativa após a ocorrência da


arrecadação da receita orçamentária.

Quando ocorrer o recebimento antecipado de valores provenientes da venda a termo de


serviços, a receita orçamentária é registrada antes da ocorrência do fato gerador, ou seja, a variação
patrimonial aumentativa ocorre em momento posterior à arrecadação da receita orçamentária.
VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 37

Novamente, o efeito real desses dois lançamentos é uma variação patrimonial qualitativa, pois se
registra a entrada antecipada dos valores em contrapartida à obrigação assumida pela entidade em
prestar o serviço:

Título da Conta Variação


D Banco Conta Movimento (F) patrimonial
C Receita Antecipada de Serviços (P) qualitativa

Título da Conta
D Receita Orçamentária a Realizar
C Receita Orçamentária Realizada

Título da Conta
D Disponibilidade de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos

Quando o serviço for prestado, ocorrerá o fato gerador da variação patrimonial aumentativa,
causando impacto no resultado da entidade pública:

Título da Conta Variação


D Receita Antecipada de Serviços (P) patrimonial
quantitativa
C Variação Patrimonial Aumentativa

Exemplo 3: reconhecimento da variação patrimonial aumentativa junto com a ocorrência da


arrecadação da receita orçamentária.

Quando ocorrer o recebimento de valores provenientes da venda de serviços


concomitantemente com a prestação do serviço, a receita orçamentária é contabilizada junto com a
ocorrência do fato gerador:

Título da Conta Variação


D Banco Conta Movimento (F) patrimonial
C Variação Patrimonial Aumentativa quantitativa

Título da Conta
D Receita Orçamentária a Realizar
C Receita Orçamentária Realizada

Título da Conta
D Disponibilidade de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos

Exemplo 4: reconhecimento da variação patrimonial diminutiva antes da ocorrência da


liquidação da despesa orçamentária.
38 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

O 13° salário, a ser pago no final do ano, deve ser provisionado a cada mês trabalhado, ou
seja, uma variação patrimonial diminutiva deve ser reconhecida mensalmente, mas o empenho,
liquidação e pagamento da despesa orçamentária só acontecerá no mês do pagamento:

Título da Conta Variação


patrimonial
D Variação Patrimonial Diminutiva quantitativa
C Obrigação para 13º (P)

No mês do pagamento, então, haverá o registro da despesa orçamentária.

No empenho da dotação orçamentária:

Título da Conta
D Crédito Orçamentário Disponível
C Crédito Empenhado a Liquidar

Título da Conta
D Crédito Empenhado a Liquidar
C Crédito Empenhado em Liquidação

Título da Conta
D Obrigação para 13º (P)
C Obrigação para 13º (F)

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida

Na liquidação:

Título da Conta
D Crédito Empenhado em Liquidação
C Crédito Empenhado Liquidado a Pagar

Saída do recurso financeiro:

Título da Conta
D Obrigação para 13º (F)
C Banco Conta Movimento (F)

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida
C Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada

Título da Conta
D Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
C Crédito Empenhado Pago
VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 39

Caso o crédito orçamentário conste em orçamento de exercício posterior à ocorrência do


fato gerador da obrigação, deverá ser utilizada natureza de despesa com elemento 92 – Despesas de
Exercícios Anteriores, em cumprimento à Portaria Interministerial STN/SOF nº 163/01 e ao artigo
37 da Lei nº 4.320/1964, que dispõe:

“Art. 37. As despesas de exercícios encerrados, para os quais o orçamento respectivo


consignava crédito próprio, com saldo suficiente para atendê-las, que não se tenham
processados na época própria, bem como os Restos a Pagar com prescrição interrompida e
os compromissos reconhecidos após o encerramento do exercício correspondente, poderão
ser pagos à conta de dotação específica consignada no orçamento, discriminada por
elemento, obedecida, sempre que possível, a ordem cronológica.”

Exemplo 5: reconhecimento da variação patrimonial diminutiva após a liquidação da


despesa orçamentária.

Quando há uma concessão de suprimento de fundos, a despesa orçamentária é empenhada,


liquidada e paga no ato da concessão e só com a prestação de contas do suprido é que há o efetivo
registro da variação patrimonial diminutiva.

No empenho da dotação orçamentária:

Título da Conta
D Crédito Orçamentário Disponível
C Crédito Empenhado a Liquidar

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida
Na liquidação:

Título da Conta
D Crédito Empenhado a Liquidar
C Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
Saída do recurso financeiro:

Título da Conta
D Créditos em circulação – Suprido (P)
C Obrigações em circulação – Suprido (F)

Título da Conta
D Obrigações em circulação – Suprido (F)
C Banco Conta Movimento (F)

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida
C Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada

Título da Conta
D Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
40 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

C Crédito Empenhado Pago

Na prestação de contas:

Título da Conta Variação


Patrimonial
D Variação Patrimonial Diminutiva Quantitativa
C Crédito em circulação- suprido (P)

Exemplo 6: reconhecimento da variação patrimonial diminutiva junto com a liquidação da


despesa orçamentária.

Quando ocorrer liquidação da despesa orçamentária concomitantemente com a prestação do


serviço, a despesa orçamentária e o fato gerador da variação patrimonial diminutiva são
contabilizados juntos:

No empenho da dotação orçamentária:

Título da Conta
D Crédito Orçamentário Disponível
C Crédito Empenhado a Liquidar

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos
C Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida

Liquidação e Reconhecimento da Variação Patrimonial Diminutiva:

Título da Conta
D Crédito Empenhado a Liquidar
C Crédito Empenhado Liquidado

Título da Conta Variação


Patrimonial
D Variação Patrimonial Diminutiva Quantitativa
C Obrigações em Circulação (F)

Saída do recurso financeiro:

Título da Conta
D Obrigações em Circulação (F)
C Banco Conta Movimento (F)

Título da Conta
D Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida
C Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada
VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 41

Título da Conta
D Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
C Crédito Empenhado Pago

5.2.3 REALIZAÇÃO DA VARIAÇÃO PATRIMONIAL

Conforme enunciado pelo Princípio da Competência, considera-se realizada a variação


patrimonial aumentativa:

I - nas transações com contribuintes e terceiros, quando estes efetuarem o pagamento ou


assumirem compromisso firme de efetivá-lo, quer pela ocorrência de um fato gerador de
natureza tributária, investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à
entidade, ou fruição de serviços por esta prestados;
.II - quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o
desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior;
III - pela geração natural de novos ativos independentemente da intervenção de terceiros;
IV - no recebimento efetivo de doações e subvenções.

Da mesma forma, considera-se incorrida a variação patrimonial diminutiva:

I - quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua


propriedade para terceiro;
II - pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo;
III - pelo surgimento de um passivo, sem o correspondente ativo.

5.3 RESULTADO PATRIMONIAL


O resultado patrimonial corresponde à diferença entre o valor total das variações
patrimoniais aumentativas e o valor total das variações patrimoniais diminutivas de um dado
período.

Caso o total das variações patrimoniais aumentativas sejam superiores ao total das variações
patrimoniais diminutivas, diz-se que o resultado patrimonial foi superavitário ou que houve um
superávit patrimonial. Caso contrário, diz-se que o resultado patrimonial foi deficitário ou que houve
um déficit patrimonial.
42 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

6. PROCEDIMENTOS PATRIMONIAIS ESPECÍFICOS

6.1 PROVISÕES
As provisões podem ser distinguidas de outros passivos, tal como contas a pagar e as contas
apropriadas por competência, porque há incertezas sobre a oportunidade ou sobre o valor dos
desembolsos futuros requeridos para seu pagamento. Contas a pagar são passivos para pagamento
de bens e serviços que foram recebidos ou fornecidos e faturados ou formalmente acordados com o
fornecedor. Contas apropriadas por competência são passivos para pagamento de bens e serviços que
foram recebidos ou fornecidos, mas não pagos, faturados ou formalmente combinados com o
fornecedor, incluindo os valores devidos a empregados, por exemplo as quantias relacionadas ao
pagamento de férias.

Uma provisão deve ser reconhecida quando satisfeitas três condições:

I- entidade tem uma obrigação legal ou não formalizada presente, que resulta de um evento
passado,
II- é provável que para pagamento da obrigação seja necessário a saída de recursos que
incorporem benefícios econômicos ou serviços potenciais; e
III- pode ser feita uma estimativa confiável do valor da obrigação.

Se qualquer uma dessas condições não for atendida, a provisão não deve ser reconhecida.

O montante reconhecido como provisão deve ser a melhor estimativa do desembolso


exigido para liquidar a obrigação presente na data do balanço. A melhor estimativa do desembolso
exigido para liquidar a obrigação presente é o montante que uma entidade pagaria para liquidar a
obrigação na data do balanço ou para transferi-la para terceiros naquela data.

6.2 REAVALIAÇÃO E REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL


(IMPAIRMENT)
As reavaliações devem ser feitas utilizando-se o valor justo ou o valor de mercado na data
de encerramento do Balanço Patrimonial, pelo menos:

(a) anualmente, para as contas ou grupo de contas cujos valores de mercado variarem
significativamente em relação aos valores anteriormente registrados; ou

(b) a cada quatro anos, para as demais contas ou grupos de contas.

Na impossibilidade de se estabelecer o valor de mercado, o valor do ativo pode ser definido


com base em parâmetros de referência que considerem características, circunstâncias e localizações
assemelhadas.

Em caso de bens imóveis específicos, o valor justo pode ser estimado utilizando-se o valor
de reposição do ativo devidamente depreciado.

O valor de reposição de um ativo depreciado pode ser estabelecido por referência ao preço
de compra ou construção de um ativo semelhante com similar potencial de serviço.
PROCEDIMENTOS PATRIMONIAIS ESPECÍFICOS 43

Os acréscimos ou os decréscimos do valor do ativo em decorrência, respectivamente, de


reavaliação ou redução ao valor recuperável (impairment) devem ser registrados em contas de
resultado.

6.3 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO


A entidade pública necessita apropriar ao resultado de um período, o desgaste do seu ativo
imobilizado ou intangível, por meio do registro da variação patrimonial diminutiva de depreciação,
amortização ou exaustão, obedecendo ao princípio da competência.

A depreciação é a redução do valor dos bens pelo desgaste ou perda de utilidade por uso,
ação da natureza ou obsolescência.

A amortização é a redução do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade e


quaisquer outros, inclusive ativos intangíveis, com existência ou exercício de duração limitada, ou
cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado.

A exaustão é a redução do valor de investimentos necessários à exploração de recursos


minerais, florestais e outros recursos naturais esgotáveis ou de exaurimento determinado, bem como
do valor de ativos corpóreos utilizados no processo de exploração.

Os bens que sofrem depreciação, amortização ou exaustão são adquiridos por meio de
despesas orçamentárias que retratam uma variação patrimonial qualitativa. Assim, na aquisição de
um veículo, por exemplo, ocorrem os seguintes lançamentos:
Variação
Título da Conta patrimonial
D Veículos (P) qualitativa
C Obrigações em Circulação (F)

Verifica-se que no momento de aquisição não ocorre, e não deve de fato ocorrer, nenhum
impacto no resultado da entidade, pois esse veículo irá servir a vários ciclos operacionais, não sendo
coerente apropriar todo o seu custo em um único período.

Mensalmente, o ente deve apropriar o desgaste desse veículo com o seguinte lançamento:

Título da Conta
D Depreciação – Variação Patrimonial Diminutiva
C Depreciação Acumulada – Conta retificadora do Ativo (P)

Para se entender a técnica da depreciação, é necessário definir alguns conceitos básicos:

- Valor Residual – é o valor pelo qual se espera vender um bem no fim de sua vida útil, com
razoável segurança, deduzidos os gastos esperados para sua alienação.

- Vida Útil – é o período de tempo definido ou estimado tecnicamente, durante o qual se


espera retorno de um bem.

As taxas anuais de depreciação a serem aplicadas no setor público ainda não foram
definidas. Atualmente existem taxas definidas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, visando à
apuração do lucro para as empresas privadas, pois a depreciação tem impacto direto nessa apuração.
44 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Como para o setor público ainda não foi feito estudo para definir os percentuais e estimativa
de vida útil a serem aplicados, os entes que desejarem podem depreciar os seus bens utilizando essas
taxas definidas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil. A relação dos bens objeto de
depreciação, o prazo de vida útil e as taxas anuais podem ser consultados na Instrução Normativa
SRF nº 162, de 31 de dezembro de 1998, alterada pela Instrução Normativa SRF nº 130, de 10 de
novembro de 1999.

Existem vários métodos de cálculos de depreciação, porém, o mais utilizado é o Método


Linear ou de quotas constantes, abaixo descrito:

Método Linear ou de quotas constantes – é o método que distribui o custo do bem em


função exclusiva do tempo de acordo com a seguinte fórmula de cálculo:

Custo Valor Residual


Quota Anual de Depreciação o
n de períodosde vida útil

Outros métodos de depreciação são o de saldos decrescentes, unidades produzidas e o de


horas trabalhadas.

Alguns critérios devem ser observados ao registrar a depreciação:

- A depreciação deve ser divulgada em Notas Explicativas para cada classe do


Imobilizado nas Demonstrações Contábeis, esclarecendo o método utilizado, a vida
útil e a taxa utilizada;

- O valor residual e a vida útil de um bem devem ser revisados no final de cada
exercício, quando as expectativas diferirem das estimativas anteriores; e

- A depreciação deve ser reconhecida até que o valor contábil do ativo seja igual ao
valor residual.

Vale ressaltar que não se depreciam bens em estoque, que ainda não entraram em uso,
porém, a depreciação não cessa quando o ativo torna-se obsoleto ou for retirado temporariamente de
operação.

6.5 SISTEMA DE CUSTOS


O sistema de custos na administração pública está previsto no artigo 99 da Lei nº
4.320/1964, porém de forma restrita aos serviços públicos industriais, conforme abaixo:

“Art. 99. Os serviços públicos industriais, ainda que não organizados como
empresa pública ou autárquica, manterão contabilidade especial para determinação
dos custos, ingressos e resultados, sem prejuízo da escrituração patrimonial e
financeiro comum.”

O Decreto-Lei nº 200/1967, estendeu para toda a administração pública federal a


necessidade de apuração de custos de forma a evidenciar os resultados de gestão:

“Art. 79. A contabilidade deverá apurar os custos dos serviços de forma a


evidenciar os resultados da gestão.”
PROCEDIMENTOS PATRIMONIAIS ESPECÍFICOS 45

O parágrafo 3º do artigo 50 da LRF estabeleceu que a administração pública deve manter


sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária, financeira e
patrimonial.

Para apuração de custos é importante conhecer a diferença entre os seguintes conceitos:

- Gasto: compra de um produto ou serviço qualquer, que gera sacrifício para a entidade,
sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos;

- Custo: é o preço pelo qual se obtém um bem, direito ou serviço. Por extensão, é também o
montante do preço da matéria-prima, mão-de-obra e outros encargos incorridos para a
produção de bens e serviços. Ele é, pois, tanto o preço pelo qual o bem ou serviço foi
adquirido, como o incorrido no processo interno da entidade para prestação serviços ou
obtenção de bens, para venda ou uso interno;

- Despesa: é o sacrifício que não mais trará benefícios futuros. Bens ou serviços
consumidos direta ou indiretamente para obtenção de receitas; e

- Perda: Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária, que não visa à
obtenção de receita.

No controle da ação governamental com enfoque para os resultados, é crescente a


necessidade de a administração pública possuir sistema de contabilização de custos que permita a
análise da eficiência da utilização dos recursos colocados à disposição dos gestores, para execução
dos programas de governo.

Um dos possíveis critérios para a apuração de custos, além de atividades e tarefas pode ser a
utilização dos parâmetros da classificação orçamentária:

1 – Classificação Institucional – Apuração de Custos por Departamento (Órgão);

2 – Classificação Funcional – Apuração de Custos por Função ou Subfunção; e

3 – Classificação Programática – Apuração de Custos por Programa.

Tal escolha decorre do fato da classificação orçamentária da despesa refletir o equivalente


financeiro de um plano de ação do governo, possibilitando avaliação dos resultados das gestões
orçamentárias, financeira e patrimonial, segundo os conceitos constitucionais da eficiência e
eficácia.

Para viabilizar a implantação de sistema de custos, o ente deve ainda, efetuar os registros
contábeis observando os Princípios Fundamentais de Contabilidade, de modo que a haja a correta
contabilização da variação patrimonial diminutiva, possibilitando identificar o momento exato em
que afetam o resultado.

Outro ponto que deve ser analisado na implantação do Sistema de Custos é o caso da
apuração da parcela de custos conjuntos a ser atribuída a cada um dos programas, ou seja, quando
um custo é comum a dois ou mais programas, por exemplo, é necessária a utilização de algum
critério de rateio para efetuar a alocação do custo a cada programa.
46 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

6.5.1 CUSTOS DE FABRICAÇÃO

Os Custos de fabricação dividem-se em três categorias:

Materiais diretos – são aqueles que se tornam parte integrante do produto acabado e que
podem ser relacionados a ele, ou seja, matéria-prima e embalagens;
Mão-de-obra direta – é o termo utilizado para indicar os custos com mão-de-obra que foi
utilizada no produto da organização;
Custo indireto de fabricação – abrange custos que não podem ser relacionados diretamente
com o produto da organização, como por exemplo, a energia elétrica consumida na
produção do produto.

6.5.2 COMPORTAMENTO DE UM CUSTO

O custo pode se comportar de duas maneiras:

Custo variável – é aquele que varia diretamente com o número de produtos produzidos,
como por exemplo, a matéria-prima utilizada;
Custo fixo – é aquele que não varia com a quantidade de números produzidos, como o
aluguel do estabelecimento de produção.

6.5.3 FORMAS DE CUSTEIO

6.5.3.1 CUSTEIO POR ABSORÇÃO

Custeio onde todos os custos de fabricação, fixos e variáveis, são apropriados às unidades
do produto. As formas mais conhecidas desse são os Custeios por processo e por ordem de produção.

6.5.3.1.1 CUSTEIO POR PROCESSO

Custeio onde os custos de um período inteiro (dias, semanas, meses ou anos) de um são
divididos pelo número total de produtos fabricados para se achar o custo unitário de cada produto.
Utilizado quando se produz um único produto.

6.5.3.1.2 CUSTEIO POR ORDEM DE PRODUÇÃO

Custeio utilizado quando produtos diferentes são fabricados. Escolhe-se um critério de


rateio, como por exemplo hora-trabalhada, e apropria-se o custo utilizando esse critério. Ou seja,
nesse caso, caso haja a fabricação de dois produtos, sendo que o primeiro ocupe 70% da horas
trabalhadas pela mão-de-obra e o segundo 30%, o primeiro receberá 70% dos custos indiretos de
fabricação e o segundo receberá os 30% restantes.
PROCEDIMENTOS PATRIMONIAIS ESPECÍFICOS 47

6.5.3.2 CUSTEIO VARIÁVEL

Custeio onde somente os custos de produção variáveis são considerados custos dos
produtos. Isso abrange os materiais diretos, mão-de-obra direta e custos indiretos de fabricação
variáveis. Os custos fixos são considerados despesas do período.

Utilizando-se esse custeio, pode-se calcular a Margem de Contribuição de cada produto


deduzindo os custos variáveis do preço de venda. O resultado é quanto sobra para os custos fixos e o
lucro. O conceito de Margem de Contribuição é importante para a tomada de decisão.

6.5.3.3 CUSTEIO ABC (CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES)

Custeio onde procura-se levar em contas todos e apenas os fatores, fabris ou não, que são
realmente partes do custo de produção. Apesar de exigir mais esforço, tem um resultado mais
próximo do custo real que outras formas de custeio.
48 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

ANEXO I – RESOLUÇÃO CFC Nº 1111/07


RESOLUÇÃO CFC Nº 1111/07

DE 29 DE NOVEMBRO DE 2007
APROVA O APÊNDICE II DA RESOLUÇÃO CFC Nº 750/93 SOBRE OS PRINCÍPIOS
FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE.

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e


regimentais,
CONSIDERANDO a conveniência de um maior esclarecimento sobre o conteúdo e abrangência dos
Princípios Fundamentais de Contabilidade sob a perspectiva do Setor Público,

RESOLVE:

Art. 1º. Aprovar o Apêndice II da Resolução CFC nº. 750/93 sobre os Princípios Fundamentais de
Contabilidade.

Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

MARIA CLARA CAVALCANTE BUGARIM


Presidente do Conselho

ANEXO

APÊNDICE II DA RESOLUÇÃO CFC Nº 750/93

INTERPRETAÇÃO DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE SOB A


PERSPECTIVA DO SETOR PÚBLICO SOBRE OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE
CONTABILIDADE.

INTRODUÇÃO AO APÊNDICE

O ponto de partida para qualquer área do conhecimento humano deve ser sempre os princípios que a
sustentam. Esses princípios espelham a ideologia de determinado sistema, seus postulados básicos e
seus fins. Vale dizer, os princípios são eleitos como fundamentos e qualificações essenciais da
ordem que institui.

Os princípios possuem o condão de declarar e consolidar os altos valores da vida humana e, por isso,
são considerados pedras angulares e vigas-mestras do sistema.

Adicionalmente, as novas demandas sociais estão a exigir um novo padrão de informações geradas
pela Contabilidade Pública, e que seus demonstrativos - item essencial das prestações de contas dos
gestores públicos - devem ser elaborados de modo a facilitar, por parte dos seus usuários e por toda a
sociedade, a adequada interpretação dos fenômenos patrimoniais do setor público, o
acompanhamento do processo orçamentário, a análise dos resultados econômicos e o fluxo
financeiro.

1. INTERPRETAÇÃO DOS PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE SOB A


ANEXO I – RESOLUÇÃO CFC Nº 1111/07 49

PERSPECTIVA DO SETOR PÚBLICO.

1.1. O PRINCÍPIO DA ENTIDADE

1.1.1. O enunciado do Princípio da Entidade

"Art. 4º – O Princípio da ENTIDADE, reconhece o Patrimônio como objeto da Contabilidade e


afirma a autonomia patrimonial,a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no
universo dos patrimônios existentes, independentemente de pertencer a uma pessoa, um conjunto de
pessoas, uma sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins
lucrativos. Por conseqüência, nesta acepção, o patrimônio não se confunde com aquele dos seus
sócios ou proprietários, no caso de sociedade ou instituição.

Parágrafo único – O PATRIMÔNIO pertence à ENTIDADE, mas a recíproca não é verdadeira. A


soma ou agregação contábil de patrimônios autônomos não resulta em nova ENTIDADE, mas numa
unidade de natureza econômico-contábil".

Perspectivas do Setor Público

O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela autonomia e responsabilização do


patrimônio a dele pertencente. A autonomia patrimonial tem origem na destinação social do
patrimônio e a responsabilização pela obrigatoriedade da prestação de contas pelos agentes públicos.

1.2. O PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE.

1.2.1. O enunciado do Princípio da Continuidade

"Art. 5º – A CONTINUIDADE ou não da ENTIDADE, bem como sua vida definida ou provável,
devem ser consideradas quando da classificação e avaliação das mutações patrimoniais, quantitativas
e qualitativas.

§ 1º – A CONTINUIDADE influencia o valor econômico dos ativos e, em muitos casos, o valor ou o


vencimento dos passivos, especialmente quando a extinção da ENTIDADE, tem prazo determinado,
previsto ou previsível.

§ 2º – A observância do Princípio da CONTINUIDADE é indispensável à correta aplicação do


Princípio da COMPETÊNCIA, por efeito de se relacionar diretamente à quantificação dos
componentes patrimoniais e à formação do resultado, e de constituir dado importante para aferir a
capacidade futura de geração de resultado".

Perspectivas do Setor Público

No âmbito da entidade pública, a continuidade está vinculada ao estrito cumprimento da destinação


social do seu patrimônio, ou seja, a continuidade da entidade se dá enquanto perdurar sua finalidade.

1.3. O PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE

1.3.1. O enunciado do Princípio da Oportunidade

"Art. 6º – O Princípio da OPORTUNIDADE refere-se, simultaneamente, à tempestividade e à


integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que este seja feito de
imediato e com a extensão correta, independentemente das causas que as originaram.
50 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Parágrafo único – Como resultado da observância do Princípio da OPORTUNIDADE:

I – desde que tecnicamente estimável, o registro das variações patrimoniais deve ser feito mesmo na
hipótese de somente existir razoável certeza de sua ocorrência.
II – o registro compreende os elementos quantitativos e qualitativos, contemplando os aspectos
físicos e monetários;
III – o registro deve ensejar o reconhecimento universal das variações ocorridas no patrimônio da
ENTIDADE, em um período de tempo determinado, base necessária para gerar informações úteis ao
processo decisório da gestão".

Perspectivas do Setor Público

O Princípio da Oportunidade é base indispensável à integridade e à fidedignidade dos registros


contábeis dos atos e dos fatos que afetam ou possam afetar o patrimônio da entidade pública,
observadas as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público.
A integridade e a fidedignidade dizem respeito à necessidade de as variações serem reconhecidas na
sua totalidade, independentemente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorrência,
visando ao completo atendimento da essência sobre a forma.

1.4. O PRINCÍPIO DO REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL

1.4.1. O enunciado do Princípio do Registro pelo Valor Original

"Art. 7º – Os componentes do patrimônio devem ser registrados pelos valores originais das
transações com o mundo exterior,expressos a valor presente na moeda do País, que serão mantidos
na avaliação das variações patrimoniais posteriores, inclusive quando configurarem agregações ou
decomposições no interior da ENTIDADE.

Parágrafo único – Do Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL resulta:

I – a avaliação dos componentes patrimoniais deve ser feita com base nos valores de entrada,
considerando-se como tais os resultantes do consenso com os agentes externos ou da imposição
destes;
II – uma vez integrados no patrimônio, o bem, direito ou obrigação não poderão ter alterados seus
valores intrínsecos, admitindo-se, tão-somente, sua decomposição em elementos e/ou sua agregação,
parcial ou integral, a outros elementos patrimoniais;
III – o valor original será mantido enquanto o componente permanecer como parte do patrimônio,
inclusive quando da saída deste;
IV – os Princípios da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA e do REGISTRO PELO VALOR
ORIGINAL são compatíveis entre si e complementares, dado que o primeiro apenas atualiza e
mantém atualizado o valor de entrada;
V – o uso da moeda do País na tradução do valor dos componentes patrimoniais constitui imperativo
de homogeneização quantitativa dos mesmos".

Perspectivas do Setor Público

Nos registros dos atos e fatos contábeis será considerado o valor original dos componentes
patrimoniais.
Valor Original, que ao longo do tempo não se confunde com o custo histórico, corresponde ao valor
resultante de consensos de mensuração com agentes internos ou externos, com base em valores de
entrada - a exemplo de custo histórico, custo histórico corrigido e custo corrente; ou valores de
ANEXO I – RESOLUÇÃO CFC Nº 1111/07 51

saída- a exemplo de valor de liquidação, valor de realização, valor presente do fluxo de benefício do
ativo e valor justo.

1.5. O PRINCÍPIO DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA

1.5.1. O enunciado do Princípio da Atualização Monetária

"Art. 8º – Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser reconhecidos nos
registros contábeis através do ajustamento da expressão formal dos valores dos componentes
patrimoniais.

Parágrafo único – São resultantes da adoção do Princípio da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA:

I – a moeda, embora aceita universalmente como medida de valor, não representa unidade constante
em termos do poder aquisitivo;
II – para que a avaliação do patrimônio possa manter os valores das transações originais (art. 7º),é
necessário atualizar sua expressão formal em moeda nacional, a fim de que permaneçam
substantivamente corretos os valores dos componentes patrimoniais e, por conseqüência, o do
Patrimônio Líquido;
III – a atualização monetária não representa nova avaliação, mas, tão-somente, o ajustamento dos
valores originais para determinada data, mediante a aplicação de indexadores, ou outros elementos
aptos a traduzir a variação do poder aquisitivo da moeda nacional em um dado período".

Perspectivas do Setor Público

Na hipótese de que o consenso em torno da mensuração dos elementos patrimoniais identifique e


defina os valores de aquisição, produção, doação, ou mesmo, valores obtidos mediante outras bases
de mensuração, desde que defasadas no tempo, necessita-se de atualizá-lo monetariamente quando a
taxa acumulada de inflação no triênio for igual ou superior a 100%, nos termos da Resolução CFC
nº. 900/2001.

1.6. O PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA

1.6.1. O enunciado do Princípio da Competência

"Art. 9º – As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que
ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento
ou pagamento.

§ 1º – O Princípio da COMPETÊNCIA determina quando as alterações no ativo ou no passivo


resultam em aumento ou diminuição no Patrimônio Líquido, estabelecendo diretrizes para
classificação das mutações patrimoniais, resultantes da observância do Princípio da
OPORTUNIDADE.

§ 2º – O reconhecimento simultâneo das receitas e despesas, quando correlatas, é conseqüência


natural do respeito ao período em que ocorrer sua geração.

§ 3º – As receitas consideram-se realizadas:

I – nas transações com terceiros, quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem compromisso
firme de efetivá-lo,quer pela investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à
ENTIDADE,quer pela fruição de serviços por esta prestados;
52 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

II – quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o
desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior;
III – pela geração natural de novos ativos independentemente de intervenção de terceiros;
IV – no recebimento efetivo de doações e subvenções.

§ 4º – Consideram-se incorridas as despesas:

I – quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua propriedade para
terceiro;
II – pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo.
III – pelo surgimento de um passivo, sem o correspondente ativo".

Perspectivas do Setor Público

O Princípio da Competência é aquele que reconhece as transações e os eventos na ocorrência dos


respectivos fatos geradores, independentemente do seu pagamento ou recebimento, aplicando-se
integralmente ao Setor Público. Os atos e os fatos que afetam o patrimônio público devem ser
contabilizados por competência, e os seus efeitos devem ser evidenciados nas Demonstrações
Contábeis do exercício financeiro com o qual se relacionam, complementarmente ao registro
orçamentário das receitas e das despesas públicas na ocorrência.

1.7. O PRINCÍPIO DA PRUDÊNCIA

1.7.1. O enunciado do Princípio da Prudência

"Art. 10 – O Princípio da PRUDÊNCIA determina a adoção do menor valor para os componentes do


ATIVO e do maior para os do PASSIVO, sempre que se apresentem alternativas igualmente válidas
para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o Patrimônio Líquido.

§ 1º – O Princípio da PRUDÊNCIA impõe a escolha da hipótese de que resulte menor patrimônio


líquido, quando se apresentarem opções igualmente aceitáveis diante dos demais Princípios
Fundamentais de Contabilidade.

§ 2º – Observado o disposto no art. 7º, o Princípio da PRUDÊNCIA somente se aplica às mutações


posteriores, constituindo-se ordenamento indispensável à correta aplicação do Princípio da
COMPETÊNCIA.

§ 3º – A aplicação do Princípio da PRUDÊNCIA ganha ênfase quando, para definição dos valores
relativos às variações patrimoniais, devem ser feitas estimativas que envolvem incertezas de grau
variável".

Perspectivas do Setor Público

As estimativas de valores que afetam o patrimônio devem refletir a aplicação de procedimentos de


mensuração que prefiram montantes, menores para ativos, entre alternativas igualmente válidas, e
valores maiores para passivos.
A prudência deve ser observada quando, existindo um ativo ou um passivo já escriturado por
determinados valores, segundo os Princípios do Valor Original e da Atualização Monetária, surgirem
possibilidades de novas mensurações.
A aplicação do Princípio da Prudência não deve levar a excessos ou a situações classificáveis como
manipulação do resultado, ocultação de passivos, super ou subavaliação de ativos. Pelo contrário, em
consonância com os Princípios Constitucionais da Administração Pública, deve constituir garantia de
ANEXO I – RESOLUÇÃO CFC Nº 1111/07 53

inexistência de valores fictícios, de interesses de grupos ou pessoas, especialmente gestores,


ordenadores e controladores.

Publicada no Diário Oficial da União de 05 de dezembro de 2007.


54 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE


APLICADAS AO SETOR PÚBLICO (NBC T 16)
NBC T 16.1 – CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece a conceituação, o objeto e o campo de aplicação da Contabilidade Aplicada


ao Setor Público.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Campo de Aplicação o espaço de atuação do Profissional de Contabilidade que demanda


estudo, interpretação, identificação, mensuração, avaliação, registro, controle e
evidenciação de fenômenos contábeis, prestação de contas, decorrentes de variações
patrimoniais em entidades que movimentam, aplicam ou guardam recursos e patrimônio
público.
Entidade do Setor Público qualquer pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado,
com autonomia patrimonial, sujeita a controle, quando realizar atividade que tenha
finalidade pública.
Instrumentalização do Controle Social o compromisso fundado na ética profissional, que
pressupõe o exercício cotidiano de fornecer informações que sejam compreensíveis e úteis
aos cidadãos no desempenho de sua soberana atividade de controle do uso de recursos e
patrimônios públicos pelos diversos gestores públicos.
Normas e Técnicas Próprias da Contabilidade Aplicada ao Setor Público o conjunto das
Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público, seus conceitos e
procedimentos de avaliação e mensuração, registro e divulgação de demonstrações
contábeis, aplicação de técnicas que decorrem da evolução científica da Contabilidade, bem
como quaisquer procedimentos técnicos de controle e prestação de contas previstos nos
instrumentos de repasse de recursos e patrimônios públicos que propiciem o controle social.
Patrimônio Público o conjunto de bens e direitos, tangíveis e intangíveis, onerados ou não,
adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pela entidade do setor
público, que seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente
à prestação de serviços públicos.
Projetos e ações de fins ideais todos os esforços para movimentar e gerir recursos e
patrimônio destinados a resolver problemas ou criar condições de promoção social.
Recurso Público o fluxo de riqueza, oriundo ou gerido por entidades do setor público,
destinado ao pagamento de bens adquiridos e serviços consumidos e sujeito a prestação de
contas.
Setor Público o espaço social onde se inscrevem todas as entidades, sejam elas pessoas
físicas;
pessoas jurídicas com ou sem fins lucrativos; órgãos governamentais; organizações não
governamentais; organizações sindicais; organizações sociais em geral; e outras que atuam
desenvolvendo políticas públicas em associação, ou não, com órgãos governamentais e que,
em razão disso, recebem, guardam, movimentam e aplicam recursos ou patrimônio público.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO


ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 55
PÚBLICO (NBC T 16)

3. Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que aplica, no processo
gerador de informações, os Princípios Fundamentais de Contabilidade e as normas contábeis
direcionados ao controle patrimonial de entidades do setor público.

4. O objetivo da Contabilidade Aplicada ao Setor Público é fornecer aos usuários informações sobre
os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica, financeira e física do
patrimônio da entidade do setor público e suas mutações, em apoio ao processo de tomada de
decisão; a adequada prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do
controle social.

5. O objeto da Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o patrimônio público.

6. A função social da Contabilidade Aplicada ao Setor Público deve refletir, sistematicamente, o


ciclo da administração pública para evidenciar informações necessárias à tomada de decisões e à
instrumentalização do controle social.

CAMPO DE APLICAÇÃO
7. O campo de aplicação da Contabilidade Aplicada ao Setor Público abrange todas as entidades
do setor público.

8. As entidades abrangidas pelo campo de aplicação devem observar as normas e as técnicas próprias
da Contabilidade Aplicada ao Setor Público, considerando-se o seguinte escopo:

a) integralmente, pelo menos, as entidades governamentais, inseridas nos orçamentos fiscal


e de seguridade social; os serviços sociais e os conselhos profissionais;
b) parcialmente, no que couber, as demais entidades do setor público, para garantir
procedimentos suficientes de prestação de contas e instrumentalização do controle social.

UNIDADE CONTÁBIL

9. Unidade Contábil é a soma, agregação ou divisão de patrimônios autônomos de uma ou mais


entidades do setor público.

10. O conceito de Unidade Contábil é aplicável nas seguintes situações:

a) registro dos atos e dos fatos que envolvem o patrimônio público ou suas parcelas, em
atendimento à necessidade de controle e prestação de contas, bem como de evidenciação
para os usuários da Contabilidade e instrumentalização do controle social;
b) unificação de parcelas do patrimônio público vinculadas a unidades contábeis
descentralizadas, para fins de controle e evidenciação dos seus resultados;
c) consolidação de entidades do setor público para fins de atendimento de exigências legais
ou necessidades gerenciais.

11. Unidade Contábil é classificada em:

a) Originária – representa o patrimônio das entidades do setor público;


b) Descentralizada – representa parcela do patrimônio de Unidade Contábil Originária;
c) Unificada – representa a soma ou a agregação do patrimônio de duas ou mais Unidades
Contábeis Descentralizadas;
d) Consolidada – representa a soma ou a agregação do patrimônio de duas ou mais
Unidades Contábeis Originárias.
56 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

NBC T 16.2 – PATRIMÔNIO E SISTEMAS CONTÁBEIS

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece o conceito de patrimônio público, sua classificação sob o enfoque contábil,
o conceito e a estrutura do sistema contábil.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Circulante o conjunto de bens e direitos realizáveis e obrigações exigíveis até o término do


exercício seguinte.
Conversibilidade a qualidade do que pode ser conversível, ou seja, característica de
transformação de bens e direitos em moeda.
Exigibilidade a qualidade do que é exigível, ou seja, característica inerente às obrigações
pelo prazo de vencimento.
Não Circulante o conjunto de bens e direitos realizáveis e obrigações exigíveis após o
término do exercício seguinte.
Unidade Contábil a soma, a agregação ou a divisão de patrimônios autônomos de uma ou
mais entidades do setor público.

PATRIMÔNIO PÚBLICO

3. Patrimônio público é o conjunto de bens e direitos, tangíveis e intangíveis, onerados ou não,


adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pela entidade do setor público,
que seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente à prestação de
serviços públicos.

CLASSIFICAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO SOB O ENFOQUE CONTÁBIL

4. O patrimônio público é estruturado em três grupos:

a) Ativo – compreende as disponibilidades, os bens e os direitos, tangíveis e intangíveis


adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelo setor público, que
seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerentes à prestação
de serviços públicos;
b) Passivo – compreende as obrigações assumidas pelas entidades do setor público para
consecução dos serviços públicos ou mantidas na condição de fiel depositário, bem como as
contingências e as provisões;
c) Patrimônio Líquido – representa a diferença entre o Ativo e o Passivo.

5. A classificação dos elementos patrimoniais considera a segregação em “circulante” e “não


circulante”, com base em seus atributos de conversibilidade e exigibilidade.

6. Os ativos devem ser classificados como circulante quando satisfizerem a um dos seguintes
critérios:

a) estarem disponíveis para realização imediata;


b) tiverem a expectativa de realização até o término do exercício seguinte.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 57
PÚBLICO (NBC T 16)

7. Os demais ativos devem ser classificados como não circulante.

8. Os passivos devem ser classificados como circulante quando satisfizerem a um dos seguintes
critérios:

a) corresponderem a valores exigíveis até o término do exercício seguinte;


b) corresponderem a valores de terceiros ou retenções em nome deles, quando a entidade do
setor público for a fiel depositária, independentemente do prazo de exigibilidade.

9. Os demais passivos devem ser classificados como não circulante.

SISTEMA CONTÁBIL

10. O sistema contábil representa a estrutura de informações sobre identificação, mensuração,


avaliação, registro, controle e evidenciação dos atos e dos fatos da gestão do patrimônio público,
com o objetivo de orientar e suprir o processo de decisão, a prestação de contas e a
instrumentalização do controle social.

ESTRUTURA DO SISTEMA CONTÁBIL

11. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é organizada na forma de sistema de informações,


cujos subsistemas, conquanto possam oferecer produtos diferentes em razão da respectiva
especificidade, convergem para o produto final, que é a informação sobre o patrimônio público.

12. O sistema contábil está estruturado nos seguintes subsistemas de informações:

a) Orçamentário – registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao


planejamento e à execução orçamentária;
b) Financeiro – registra, processa e evidencia os fatos relacionados aos ingressos e aos
desembolsos financeiros;
c) Patrimonial – registra, processa e evidencia os fatos não financeiros relacionados com as
variações do patrimônio público;
d) Custos – registra, processa e evidencia os custos da gestão dos recursos e do patrimônio
públicos;
e) Compensação – registra, processa e evidencia os atos de gestão cujos efeitos possam
produzir modificações no patrimônio da entidade do setor público, bem como aqueles com
funções específicas de controle.

13. Os subsistemas contábeis devem ser integrados entre si e a outros subsistemas de informações de
modo a subsidiar a administração pública sobre:

a) desempenho da unidade contábil no cumprimento da sua missão;


b) avaliação dos resultados obtidos na execução dos programas de trabalho com relação à
economicidade, à eficiência, à eficácia e à efetividade;
c) avaliação das metas estabelecidas pelo planejamento;
d) avaliação dos riscos e das contingências.

NBC T 16.3 – PLANEJAMENTO E SEUS INSTRUMENTOS SOB O ENFOQUE CONTÁBIL


58 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece as bases para controle contábil do planejamento desenvolvido pelas
entidades do setor público, expresso em planos hierarquicamente interligados.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Avaliação de desempenho a ferramenta de gestão utilizada para a aferição de aspectos de


economicidade, eficiência, eficácia e efetividade de programas e ações executadas por
entidades do setor público.
Planejamento o processo contínuo e dinâmico voltado à identificação das melhores
alternativas para o alcance da missão institucional, incluindo a definição de objetivos,
metas, meios, prazos de execução, custos e responsabilidades, materializados em planos
hierarquicamente interligados.
Plano hierarquicamente interligado o conjunto de documentos elaborados com a finalidade
de materializar o planejamento por meio de programas e ações, compreendendo desde o
nível estratégico até o nível operacional, bem como propiciar a avaliação e a
instrumentalização do controle.

ESCOPO DE EVIDENCIAÇÃO

3. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público deve permitir a integração dos planos


hierarquicamente interligados, comparando suas metas programadas com as realizadas, e
evidenciando as diferenças relevantes por meio de notas explicativas.

4. A evidenciação deve contribuir para a tomada de decisão e facilitar a instrumentalização do


controle social, de modo a permitir que se conheçam o conteúdo, a execução e a avaliação do
planejamento das entidades do setor público a partir de dois níveis de análise:

a) a coerência entre os planos hierarquicamente interligados nos seus aspectos quantitativos


e qualitativos;
b) a aderência entre os planos hierarquicamente interligados e a sua implementação.

5. As informações dos planos hierarquicamente interligados devem ser detalhadas por ano, ações,
valores e metas.

6. Na avaliação da execução dos planos hierarquicamente interligados, devem ser evidenciadas as


eventuais restrições ocorridas e o seu respectivo impacto.

NBC T 16.4 – TRANSAÇÕES NO SETOR PÚBLICO

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece conceitos, natureza e tipicidades das transações no setor público.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:


ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 59
PÚBLICO (NBC T 16)

Transações no setor público os atos e os fatos que promovem alterações qualitativas ou quantitativas,
efetivas ou potenciais, no patrimônio das entidades do setor público, as quais são objeto de registro
contábil em estrita observância aos Princípios Fundamentais de Contabilidade e às Normas
Brasileiras de Contabilidade.

NATUREZA DAS TRANSAÇÕES NO SETOR PÚBLICO E SEUS REFLEXOS NO


PATRIMÔNIO PÚBLICO

3. De acordo com as características das transações no setor público e os seus reflexos no patrimônio
público, estas podem ser classificadas nas seguintes naturezas:

a) econômico-financeira – corresponde às transações originadas de fatos que afetam o


patrimônio público, em decorrência, ou não, da execução de orçamento, podendo provocar
alterações qualitativas ou quantitativas, efetivas ou potenciais;
b) administrativa – corresponde às transações originadas de atos administrativos, com o
objetivo de dar cumprimento às metas programadas e manter em funcionamento as
atividades da entidade do setor público.

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

4. As variações patrimoniais são transações que promovem alterações nos elementos patrimoniais da
entidade do setor público, mesmo em caráter compensatório, afetando, ou não, o seu resultado.

5. As variações patrimoniais que afetem para mais ou para menos o patrimônio líquido devem
manter correlação com as respectivas contas patrimoniais.

6. Entende-se por correlação a vinculação entre as contas de resultado e as patrimoniais, de forma a


permitir a identificação dos efeitos nas contas patrimoniais produzidos pela movimentação das
contas de resultado.

7. As variações patrimoniais classificam-se em quantitativas e qualitativas.

8. Entende-se como variações quantitativas aquelas decorrentes de transações no setor público que
aumentam ou diminuem o patrimônio líquido.

9. Entende-se como variações qualitativas aquelas decorrentes de transações no setor público que
alteram a composição dos elementos patrimoniais sem afetar o patrimônio líquido.

TRANSAÇÕES QUE ENVOLVEM VALORES DE TERCEIROS

10. Transações que envolvem valores de terceiros são aquelas em que a entidade do setor público
responde como fiel depositária e que não afetam o seu patrimônio líquido.

11. As transações que envolvem valores de terceiros devem ser demonstradas de forma segregada.

NBC T 16.5 – REGISTRO CONTÁBIL

DISPOSIÇÕES GERAIS
60 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

1. Esta Norma estabelece critérios para o registro contábil dos atos e dos fatos que afetam ou possam
vir a afetar o patrimônio das entidades do setor público.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:


Documento de suporte qualquer meio, físico ou eletrônico, utilizado para sustentação ou
comprovação do registro contábil.

FORMALIDADES DO REGISTRO CONTÁBIL

3. A entidade do setor público deve manter procedimentos uniformes de registros contábeis, por
meio de processo manual, mecanizado ou eletrônico, em rigorosa ordem cronológica, como suporte
às informações.

4. São características do registro e da informação contábil no setor público:

a) Objetividade – o registro deve representar a realidade dos fenômenos patrimoniais em


função de critérios técnicos contábeis preestabelecidos em normas ou com base em
procedimentos adequados, sem que incidam preferências individuais que provoquem
distorções na informação produzida.
b) Confiabilidade – o registro e a informação contábil devem reunir requisitos de verdade e
de validade que possibilitem segurança e credibilidade aos usuários no processo de tomada
de decisão.
c) Comparabilidade – os registros e as informações contábeis devem possibilitar a análise
da situação patrimonial de entidades do setor público ao longo do tempo e estaticamente,
bem como a identificação de semelhanças e diferenças dessa situação patrimonial com a de
outras entidades.
d) Compreensibilidade – as informações apresentadas nas demonstrações contábeis devem
ser entendidas pelos usuários. Para esse fim, presume-se que os usuários desenvolvam
conhecimento razoável do ambiente de atuação das entidades do setor público e a
disposição de analisar essas informações com razoável diligência. Todavia, as informações
relevantes sobre temas complexos não devem ser excluídas das demonstrações contábeis,
mesmo sob o pretexto de que pudessem não ser compreendidas pelos usuários.
e) Uniformidade – os registros contábeis e as informações devem observar critérios
padronizados e contínuos de identificação, classificação, mensuração, avaliação e
evidenciação, de modo que as informações fiquem compatíveis, mesmo que geradas por
diferentes entidades. Esse atributo permite a interpretação e a análise, levando-se em
consideração a possibilidade de se comparar a situação econômico-financeira de uma
entidade do setor público em distintas épocas de sua atividade.
f) Verificabilidade – os registros contábeis realizados e as informações apresentadas devem
possibilitar o reconhecimento das suas respectivas validades.
g) Visibilidade – os registros e as informações contábeis devem estar disponíveis para a
sociedade e expressar, com transparência, o resultado da gestão e a situação patrimonial da
entidade do setor público.
h) Tempestividade – os fenômenos patrimoniais devem ser registrados no momento de sua
ocorrência e divulgados em tempo hábil para os usuários.
i) Utilidade – os registros contábeis e as informações apresentadas devem atender às
necessidades específicas dos diversos usuários.
j) Imparcialidade – os registros contábeis devem ser realizados e as informações devem ser
apresentadas de modo a não privilegiar um interesse específico e que não seja de interesse
particular de determinado agente ou entidade.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 61
PÚBLICO (NBC T 16)

k) Fidedignidade – os registros contábeis realizados e as informações apresentadas devem


representar fielmente o fenômeno contábil que lhes dá origem.
l) Representatividade – os registros contábeis e as informações apresentadas devem conter
todos os aspectos relevantes.
m) Integridade – os registros contábeis e as informações apresentadas devem reconhecer os
fenômenos patrimoniais em sua totalidade, não podendo ser omitidas partes do fato gerador.

5. A entidade do setor público deve manter sistema de informação contábil refletido em plano de
contas que compreenda:

a) a terminologia de todas as contas e sua adequada codificação, bem como a identificação


do subsistema a qual pertence, a natureza e o grau de desdobramento, de modo a possibilitar
os registros de valores efetivos e potenciais e a integração dos subsistemas;
b) a enunciação das funções atribuídas a cada uma das contas;
c) o funcionamento das contas;
d) a utilização do método das partidas dobradas em todos os registros dos atos e dos fatos
que afetam ou possam vir a afetar o patrimônio das entidades do setor público, de acordo
com sua natureza orçamentária, financeira, patrimonial e de compensação nos respectivos
subsistemas contábeis;
e) contas específicas que possibilitam a apuração de custos;
f ) tabela de codificação de registros que identifique o tipo de transação, as contas
envolvidas, a movimentação a débito e a crédito e os subsistemas utilizados.

6. O registro deve ser efetuado em idioma e moeda corrente nacionais, em livros ou meios
eletrônicos que permitam a identificação e o seu arquivamento de forma segura.

7. Quando se tratar de transação em moeda estrangeira, esta, além da inscrição gráfica, deve ser
convertida em moeda nacional, aplicando-se-lhe a taxa de câmbio oficial na data da transação.

8. O Livro Diário e o Livro Razão constituem fontes de informações contábeis permanentes e neles
são registradas as transações que afetem ou possam vir a afetar a situação patrimonial.

9. O Livro Diário e o Livro Razão devem ficar à disposição dos usuários e dos órgãos de controle, na
unidade contábil, no prazo estabelecido em legislação específica.

10. Os registros contábeis devem ser efetuados de forma analítica, refletindo a discriminação
constante em documentação de suporte, em consonância com os Princípios Fundamentais de
Contabilidade.

11. Os registros contábeis devem ser validados por contabilistas, com base em documentação hábil e
em conformidade às normas e às técnicas contábeis.

12. Os registros realizados extemporaneamente devem consignar, nos seus históricos, as datas
efetivas das ocorrências e a razão do atraso.

13. São elementos essenciais do registro contábil:

a) a data da ocorrência da transação;


b) a conta debitada;
c) a conta creditada;
62 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

d) o histórico da transação de forma descritiva ou por meio do uso de código de histórico


padronizado, quando se tratar de escrituração eletrônica, baseado em tabela auxiliar inclusa
em plano de contas;
e) o valor da transação;
f) o número de controle para identificar os registros eletrônicos que integram um mesmo
lançamento contábil.

13. O registro dos bens, direitos e obrigações deve possibilitar a indicação dos elementos necessários
à sua perfeita caracterização e identificação.

14. Os atos da administração com potencial de modificar o patrimônio da entidade devem ser
registrados nas contas de compensação.

SEGURANÇA DA DOCUMENTAÇÃO CONTÁBIL

15. As entidades do setor público devem desenvolver procedimentos que garantam a segurança, a
preservação e a disponibilidade dos documentos e dos registros contábeis mantidos em sistemas
eletrônicos.

16. Os documentos em papel podem ser digitalizados e armazenados em meio eletrônico ou


magnético, desde que assinados e autenticados, em observância à NBC T 2.8 – Das Formalidades da
Escrituração Contábil em Forma Eletrônica.

RECONHECIMENTO E BASES DE MENSURAÇÃO OU AVALIAÇÃO APLICÁVEIS

17. O patrimônio das entidades do setor público, o orçamento, a execução orçamentária e financeira
e os atos administrativos que provoquem efeitos de caráter econômico e financeiro no patrimônio da
entidade devem ser mensurados ou avaliados monetariamente e registrados pela contabilidade.

18. As transações no setor público devem ser reconhecidas e registradas integralmente no momento
em que ocorrerem.

19. Os registros da entidade, desde que estimáveis tecnicamente, devem ser efetuados, mesmo na
hipótese de existir razoável certeza de sua ocorrência.

20. Os registros contábeis devem ser realizados e os seus efeitos evidenciados nas demonstrações
contábeis do período com os quais se relacionam, reconhecidos, portanto, pelos respectivos fatos
geradores, independentemente do momento da execução orçamentária.

21. Os registros contábeis das transações das entidades do setor público devem ser efetuados,
considerando as relações jurídicas, econômicas e patrimoniais, prevalecendo nos conflitos entre elas
a essência sobre a forma.

22. A entidade do setor público deve aplicar métodos de mensuração ou avaliação dos ativos e dos
passivos que possibilitem o reconhecimento dos ganhos e das perdas patrimoniais.

23. O reconhecimento de ajustes decorrentes de omissões e erros de registros ocorridos em anos


anteriores ou de mudanças de critérios contábeis deve ser realizado à conta do patrimônio líquido e
evidenciado em notas explicativas.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 63
PÚBLICO (NBC T 16)

24. Na ausência de norma contábil específica, o profissional da contabilidade deve utilizar,


subsidiariamente, normas nacionais e internacionais que tratem de temas similares, evidenciando o
procedimento e os impactos em notas explicativas.

NBC T 16.6 – DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece as demonstrações contábeis a serem elaboradas e divulgadas pelas


entidades do setor público.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Demonstração contábil a técnica contábil que evidencia, em período determinado, as


informações sobre os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária,
econômica, financeira e física do patrimônio de entidades do setor público e suas mutações.
Designações genéricas as expressões que não possibilitam a clara identificação dos
componentes patrimoniais, tais como “diversas contas” ou “contas correntes”.
Versões simplificadas os modelos de demonstrações contábeis elaborados em formato
reduzido, objetivando complementar o processo de comunicação contábil.
Conversibilidade a qualidade do que pode ser conversível, ou seja, característica de
transformação de bens e direitos em moeda.
Exigibilidade a qualidade do que é exigível, ou seja, característica inerente às obrigações
pelo prazo de vencimento.
Método direto o procedimento contábil para elaboração da Demonstração dos Fluxos de
Caixa, que evidencia as movimentações de itens de caixa e seus equivalentes, a partir das
principais classes de recebimentos e pagamentos brutos.
Método indireto o procedimento contábil para elaboração da Demonstração dos Fluxos de
Caixa, que evidencia as principais classes de recebimentos e pagamentos a partir de ajustes
ao resultado patrimonial, nos seguintes elementos:
a) de transações que não envolvem caixa e seus equivalentes;
b) de quaisquer diferimentos ou outras apropriações por competência sobre
recebimentos ou pagamentos;
c) de itens de receita ou despesa orçamentária associados com fluxos de caixa e
seus equivalentes das atividades de investimento ou de financiamento.

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

3. As demonstrações contábeis das entidades definidas no campo Contabilidade Aplicada ao Setor


Público são:

a) Balanço Patrimonial;
b) Balanço Orçamentário;
c) Balanço Financeiro;
d) Demonstração das Variações Patrimoniais;
e) Demonstração dos Fluxos de Caixa;
f ) Demonstração do Resultado Econômico.
64 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

4. As demonstrações contábeis devem ser acompanhadas por anexos, por outros demonstrativos
exigidos por lei e pelas notas explicativas.

5. As demonstrações contábeis apresentam informações extraídas dos registros e dos documentos


que integram o sistema contábil da entidade.

6. As demonstrações contábeis devem conter a identificação da entidade do setor público, da


autoridade
responsável e do contabilista.

7. As demonstrações contábeis devem ser divulgadas com a apresentação dos valores


correspondentes
ao período anterior.

8. Nas demonstrações contábeis, as contas semelhantes podem ser agrupadas; os pequenos saldos
podem ser agregados, desde que indicada a sua natureza e não ultrapassem 10% (dez por cento) do
valor do respectivo grupo de contas, sendo vedadas a compensação de saldos e a utilização de
designações genéricas.

9. Para fins de publicação, as demonstrações contábeis podem apresentar os valores monetários em


unidades de milhar ou em unidades de milhão.

10. Os saldos devedores ou credores das contas retificadoras devem ser apresentados como valores
redutores das contas ou do grupo de contas que lhes deram origem.

DIVULGAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

11. A divulgação das demonstrações contábeis e de suas versões simplificadas é o ato de


disponibilizá-las para a sociedade e compreende, entre outras, as seguintes formas:

a) publicação na imprensa oficial em qualquer das suas modalidades;


b) remessa aos órgãos de controle interno e externo, a associações e a conselhos
representativos;
c) disposição em local público de livre acesso e por prazo determinado;
d) disponibilização em meios de comunicação eletrônicos de acesso público.

BALANÇO PATRIMONIAL

12. O Balanço Patrimonial evidencia qualitativa e quantitativamente a situação patrimonial da


entidade do setor público e está estruturado em:

a) Ativo – compreende as disponibilidades, os bens e os direitos, tangíveis e intangíveis


adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelo setor público, que
seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerentes à prestação
de serviços públicos;
b) Passivo – compreende as obrigações assumidas pelas entidades do setor público para
consecução dos serviços públicos ou mantidas na condição de fiel depositário, bem como as
contingências e as provisões;
c) Patrimônio Líquido – representa a diferença entre o Ativo e o Passivo;
d) Contas de Compensação – compreende os atos que possam afetar o patrimônio.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 65
PÚBLICO (NBC T 16)

13. No Patrimônio Líquido, deve ser evidenciado o resultado do período segregado dos resultados
acumulados de períodos anteriores.

14. A classificação dos elementos patrimoniais considera a segregação em “circulante” e “não


circulante”, com base em seus atributos de conversibilidade e exigibilidade.

15. Os ativos devem ser classificados como “circulante” quando satisfizerem a um dos seguintes
critérios:

a) estarem disponíveis para realização imediata;


b) tiverem a expectativa de realização até o término do exercício seguinte.

16. Os demais ativos devem ser classificados como não circulante.

17. Os passivos devem ser classificados como circulante quando satisfizerem um dos seguintes
critérios:

a) corresponderem a valores exigíveis até o final do exercício seguinte;


b) corresponderem a valores de terceiros ou retenções em nome deles, quando a entidade do
setor público for a fiel depositária, independentemente do prazo de exigibilidade.

18. Os demais passivos devem ser classificados como não circulante.

19. As contas do ativo devem ser dispostas em ordem decrescente de grau de conversibilidade; as
contas do passivo, em ordem decrescente de grau de exigibilidade.

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

20. O Balanço Orçamentário evidencia as receitas e as despesas, por categoria econômica,


confrontando o orçamento inicial e as suas alterações com a execução, demonstrando o resultado
orçamentário e discrimina:

a) as receitas por fonte;


b) as despesas por grupo de natureza.

21. O Balanço Orçamentário é acompanhado do anexo das despesas por função e subfunção e,
opcionalmente, por programa.

22. O Balanço Orçamentário é estruturado de forma a evidenciar a integração entre o planejamento e


a execução orçamentária.

BALANÇO FINANCEIRO
23. O Balanço Financeiro evidencia a movimentação financeira das entidades do setor público no
período a que se refere, e discrimina:

a) a receita orçamentária realizada por destinação de recurso.


b) a despesa orçamentária executada por destinação de recurso e o montante não pago como
parcela retificadora;
c) os recebimentos e os pagamentos extra-orçamentários;
d) as interferências ativas e passivas decorrentes, ou não, da execução orçamentária;
e) o saldo inicial e o saldo final das disponibilidades.
66 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

24. A destinação de recursos orçamentários discrimina, no mínimo, a vinculação nas áreas de saúde,
educação, assistência e previdência social e segurança.

DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

25. A Demonstração das Variações Patrimoniais evidencia as variações qualitativas e quantitativas


resultantes e as independentes da execução orçamentária, bem como o resultado patrimonial.

26. As variações quantitativas são decorrentes de transações no setor público que aumentam ou
diminuem o patrimônio líquido.

27. As variações qualitativas são decorrentes de transações no setor público que alteram a
composição dos elementos patrimoniais sem afetar o patrimônio líquido.

28. Para fins de apresentação na Demonstração das Variações Patrimoniais, as variações devem ser
agrupadas em ativas e passivas com a seguinte discriminação:

a) variações orçamentárias por categoria econômica;


b) mutações e variações independentes da execução orçamentária em grau de detalhamento
compatível com a estrutura do Plano de Contas.

29. O resultado patrimonial do período é apurado pelo confronto entre as variações patrimoniais
ativas e passivas.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

30. A Demonstração dos Fluxos de Caixa permite aos usuários projetar cenários de fluxos futuros de
caixa e elaborar análise sobre eventuais mudanças em torno da capacidade de manutenção do regular
financiamento dos serviços públicos.

31. A Demonstração dos Fluxos de Caixa deve ser elaborada pelo método direto ou indireto e
evidenciar as movimentações havidas no caixa e seus equivalentes, nos seguintes fluxos:

a) das operações;
b) dos investimentos; e
c) dos financiamentos.

32. O fluxo de caixa das operações compreende os ingressos e os desembolsos relacionados com a
ação pública e os demais fluxos que não se qualificam como de investimento ou financiamento.

33. O fluxo de caixa dos investimentos inclui os recursos relacionados à aquisição e à alienação de
ativo não circulante, bem como recebimentos em dinheiro por liquidação de adiantamentos ou
amortização de empréstimos concedidos e outras operações da mesma natureza.

34. O fluxo de caixa dos financiamentos inclui os recursos relacionados à captação e à amortização
de empréstimos e financiamentos.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO

35. A Demonstração do Resultado Econômico evidencia o resultado econômico de ações do setor


público.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 67
PÚBLICO (NBC T 16)

36. A Demonstração do Resultado Econômico deve ser elaborada considerando sua interligação com
o sistema de custos e apresentar na forma dedutiva, pelo menos, a seguinte estrutura:

a) receita econômica dos serviços prestados e dos bens ou dos produtos fornecidos;
b) custos e despesas identificados com a execução da ação pública; e
c) resultado econômico apurado.

37. A receita econômica é o valor apurado a partir de benefícios gerados à sociedade pela ação
pública, obtido por meio da multiplicação da quantidade de serviços prestados, bens ou produtos
fornecidos, pelo custo de oportunidade.

38. Custo de oportunidade é o valor que seria desembolsado na alternativa desprezada de menor
valor entre aquelas consideradas possíveis para a execução da ação pública.

NOTAS EXPLICATIVAS

39. As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

40. As informações contidas nas notas explicativas devem ser relevantes, complementares ou
suplementares àquelas não suficientemente evidenciadas ou não constantes nas demonstrações
contábeis.

41. As notas explicativas incluem os critérios utilizados na elaboração das demonstrações contábeis,
das informações de naturezas patrimonial, orçamentária, econômica, financeira, legal, física, social e
de desempenho e outros eventos não suficientemente evidenciados ou não constantes nas referidas
demonstrações.

NBC T 16.7 – CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece conceitos, abrangência e procedimentos para consolidação das


demonstrações contábeis no setor público.

2. A consolidação das demonstrações contábeis objetiva o conhecimento e a disponibilização de


macroagregados do setor público, a visão global do resultado e a instrumentalização do controle
social.

DEFINIÇÕES

3. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Consolidação de balanços o processo que ocorre pela soma ou pela agregação de saldos ou
grupos de contas, excluídas as transações entre entidades incluídas na consolidação,
formando uma unidade contábil consolidada.
Dependência orçamentária quando uma entidade do setor público necessita de recursos
orçamentários de outra entidade para financiar a manutenção de suas atividades, desde que
não represente aumento de participação acionária.
Dependência regimental quando uma entidade do setor público não dependente
orçamentariamente esteja regimentalmente vinculada a outra entidade.
68 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Relação de dependência a que ocorre quando há dependência orçamentária ou regimental


entre as entidades do setor público.
Unidade Contábil Consolidada a soma ou a agregação do patrimônio de duas ou mais
unidades contábeis originárias.

PROCEDIMENTOS PARA CONSOLIDAÇÃO


4. No processo de consolidação de demonstrações contábeis devem ser consideradas as relações de
dependência entre as entidades do setor público.

5. As demonstrações consolidadas devem abranger as transações contábeis de todas as unidades


contábeis incluídas na consolidação.

6. Os ajustes e as eliminações decorrentes do processo de consolidação devem ser realizados em


documentos auxiliares, não originando nenhum tipo de lançamento na escrituração das entidades que
formam a unidade contábil.

7. As demonstrações contábeis das entidades do setor público, para fins de consolidação, devem ser
levantadas na mesma data.

8. Nos casos de consolidação de demonstrações contábeis com datas diferentes de no máximo 3


meses, devem ser divulgados em notas explicativas os efeitos dos eventos relevantes entre as
diferentes datas.

9. As demonstrações contábeis consolidadas devem ser complementadas por notas explicativas que
contenham, pelo menos, as seguintes informações:

a) identificação e características das entidades do setor público incluídas na consolidação;


b) procedimentos adotados na consolidação;
c) razões pelas quais os componentes patrimoniais de uma ou mais entidades do setor
público não foram avaliados pelos mesmos critérios, quando for o caso;
d) natureza e montantes dos ajustes efetuados;
e) eventos subseqüentes à data de encerramento do exercício que possam ter efeito relevante
sobre as demonstrações contábeis consolidadas.

NBC T 16.8 – CONTROLE INTERNO

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece referenciais para o controle interno como suporte do sistema de informação
contábil, no sentido de minimizar riscos e dar efetividade às informações da contabilidade, visando
contribuir para o alcance dos objetivos da entidade do setor público.

ABRANGÊNCIA

2. Controle interno sob o enfoque contábil compreende o conjunto de recursos, métodos,


procedimentos e processos adotados pela entidade do setor público, com a finalidade de:

a) salvaguardar os ativos e assegurar a veracidade dos componentes patrimoniais;


b) dar conformidade ao registro contábil em relação ao ato correspondente;
c) propiciar a obtenção de informação oportuna e adequada;
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 69
PÚBLICO (NBC T 16)

d) estimular adesão às normas e às diretrizes fixadas;


e) contribuir para a promoção da eficiência operacional da entidade;
f ) auxiliar na prevenção de práticas ineficientes e antieconômicas, erros, fraudes,
malversação, abusos, desvios e outras inadequações.

3. O controle interno deve ser exercido em todos os níveis da entidade do setor público,
compreendendo:

a) a preservação do patrimônio público;


b) o controle da execução das ações que integram os programas;
c) a observância às leis, aos regulamentos e às diretrizes estabelecidas.

CLASSIFICAÇÃO

4. O controle interno é classificado nas seguintes categorias:

a) operacional – relacionado às ações que propiciam o alcance dos objetivos da entidade;


b) contábil – relacionado à veracidade e à fidedignidade dos registros e das demonstrações
contábeis;
c) normativo – relacionado à observância da regulamentação pertinente.

ESTRUTURA E COMPONENTES

5. Estrutura de controle interno compreende ambiente de controle; mapeamento e avaliação de


riscos; procedimentos de controle; informação e comunicação; e monitoramento.

6. O ambiente de controle deve demonstrar o grau de comprometimento da administração e dos


recursos da entidade do setor público para o alcance das finalidades do controle interno.

7. Mapeamento de riscos é a identificação dos eventos ou das condições que podem afetar a
qualidade da informação contábil.

8. Avaliação de riscos corresponde à análise da relevância dos riscos identificados, incluindo:

a) a avaliação da probabilidade de sua ocorrência;


b) a forma como serão gerenciados;
c) a definição das ações a serem implementadas para prevenir a sua ocorrência ou
minimizar seu potencial; e
d) a resposta ao risco, indicando a decisão gerencial para mitigar os riscos, a partir de uma
abordagem geral e estratégica, considerando as hipóteses de eliminação, redução, aceitação
ou compartilhamento.

9. Para efeito desta Norma, entende-se por riscos ocorrências, circunstâncias ou fatos imprevisíveis
que podem afetar a qualidade da informação contábil.

10. Procedimentos de controle são medidas e ações estabelecidas para prevenir ou detectar os riscos
inerentes ou potenciais à tempestividade, à fidedignidade e à precisão da informação contábil,
classificando-se em:

a) procedimentos de prevenção – medidas que antecedem o processamento de um ato ou um


fato, para prevenir a ocorrência de omissões, inadequações e intempestividade da
informação contábil;
70 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

b) procedimentos de detecção – medidas que visem à identificação, concomitante ou a


posteriori, de erros, omissões, inadequações e intempestividade da informação contábil.

11. Monitoramento compreende o acompanhamento dos pressupostos do controle interno, visando


assegurar a sua adequação aos objetivos, ao ambiente, aos recursos e aos riscos.

12. O sistema de informação e comunicação da entidade do setor público deve identificar, armazenar
e comunicar toda informação relevante, na forma e no período determinados, a fim de permitir a
realização dos procedimentos estabelecidos e outras responsabilidades, orientar a tomada de decisão,
permitir o monitoramento de ações e assegurar a realização de todos os objetivos de controle interno.

NBC T 16.9 – DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o registro contábil da depreciação, da


amortização e da exaustão.

DEFINIÇÕES

2. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Amortização a redução do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade e


quaisquer outros, inclusive ativos intangíveis, com existência ou exercício de duração
limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente
limitado.
Depreciação a redução do valor dos bens tangíveis pelo desgaste ou perda de utilidade por
uso, ação da natureza ou obsolescência.
Exaustão a redução do valor, decorrente da exploração, dos recursos minerais, florestais e
outros recursos naturais esgotáveis.
Valor depreciável, amortizável e exaurível o valor original de um ativo deduzido do seu
valor residual.
Valor líquido contábil o valor do bem registrado na Contabilidade, em determinada data,
deduzido da correspondente depreciação, amortização ou exaustão acumulada.
Valor residual o montante líquido que a entidade espera, com razoável segurança, obter por
um ativo no fim de sua vida útil econômica, deduzidos os gastos esperados para sua
alienação.
Vida útil econômica o período de tempo definido ou estimado tecnicamente, durante o qual
se espera obter fluxos de benefícios futuros de um ativo.

CRITÉRIOS DE MENSURAÇÃO E RECONHECIMENTO

3. Para o registro da depreciação, amortização e exaustão devem ser observados os seguintes


aspectos:

a) obrigatoriedade do seu reconhecimento;


b) valor da parcela que deve ser reconhecida no resultado como decréscimo patrimonial, e,
no balanço, representada em conta redutora do respectivo ativo;
c) circunstâncias que podem influenciar seu registro.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 71
PÚBLICO (NBC T 16)

4. O valor depreciado, amortizado ou exaurido, apurado mensalmente, deve ser reconhecido nas
variações patrimoniais do exercício.

5. O valor residual e a vida útil econômica de um ativo devem ser revisados, pelo menos, no final de
cada exercício. Quando as expectativas diferirem das estimativas anteriores, as alterações devem ser
efetuadas.

6. A depreciação, a amortização e a exaustão devem ser reconhecidas até que o valor líquido contábil
do ativo seja igual ao valor residual.

7. A depreciação, a amortização ou a exaustão de um ativo começa quando o item estiver em


condições de uso.

8. A depreciação e a amortização não cessam quando o ativo torna-se obsoleto ou é retirado


temporariamente de operação.

9. Os seguintes fatores devem ser considerados ao se estimar a vida útil econômica de um ativo:

a) a capacidade de geração de benefícios futuros;


b) o desgaste físico decorrente de fatores operacionais ou não;
c) a obsolescência tecnológica;
d) os limites legais ou contratuais sobre o uso ou a exploração do ativo.

10. A vida útil econômica deve ser definida com base em parâmetros e índices admitidos em norma
ou laudo técnico específico.

11. Nos casos de bens reavaliados, a depreciação, a amortização ou a exaustão devem ser calculadas
e registradas sobre o novo valor, considerada a vida útil econômica indicada em laudo técnico
específico.

12. Não estão sujeitos ao regime de depreciação:

a) bens móveis de natureza cultural, tais como obras de artes, antigüidades, documentos,
bens com interesse histórico, bens integrados em coleções, entre outros;
b) bens de uso comum que absorveram ou absorvem recursos públicos, considerados
tecnicamente, de vida útil indeterminada;
c) animais que se destinam à exposição e à preservação;
d) terrenos rurais e urbanos.

MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO

13. Os métodos de depreciação, amortização e exaustão devem ser compatíveis com a vida útil
econômica do ativo e aplicados uniformemente.

14. Sem prejuízo da utilização de outros métodos de cálculo dos encargos de depreciação, podem ser
adotados:

a) o método das quotas constantes: neste método, a taxa de depreciação, amortização ou


exaustão é obtida pelo quociente entre o valor a ser depreciado, amortizado ou exaurido e o
tempo de vida útil econômica do ativo;
b) o método das somas dos dígitos: neste método, a taxa de depreciação, amortização ou
exaustão é obtida da seguinte forma:
72 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

i. somam-se os algarismos que compõem o número de anos de vida útil econômica


do ativo;
ii. multiplica-se o valor a ser depreciado, amortizado ou exaurido, a cada ano, pela
fração cujo denominador é o resultado obtido na alínea “i” deste item, e o
numerador, para o 1º ano, é o tempo de vida útil econômica estimado (n); para o 2º
ano, n-1; para o 3º ano, n-2; e assim sucessivamente até o último ano.
c) o método das unidades produzidas: neste método, a taxa de depreciação, amortização ou
exaustão é o resultado do quociente entre o número de unidades produzidas no período e o
número de unidades estimadas a serem produzidas durante a vida útil econômica do ativo.

15. A depreciação de bens imóveis deve ser calculada com base, exclusivamente, no valor das
construções segregado do valor dos terrenos.

DIVULGAÇÃO DA DEPRECIAÇÃO, DA AMORTIZAÇÃO E DA EXAUSTÃO

16. As demonstrações contábeis devem divulgar, para cada classe de imobilizado, em nota
explicativa:

a) o método utilizado, a vida útil econômica e a taxa utilizada;


b) o valor contábil bruto e a depreciação, a amortização e a exaustão acumuladas no início e
no fim do período;
c) as mudanças nas estimativas em relação a valores residuais, vida útil econômica, método
e taxa utilizados.

NBC T 16.10 – AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS EM ENTIDADES


DO SETOR PÚBLICO

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para a avaliação e a mensuração de ativos e


passivos integrantes do patrimônio de entidades do setor público.

DEFINIÇÕES
2. Para efeito desta Norma, entende-se por:

Avaliação a atribuição de valor monetário a itens do ativo e do passivo decorrentes de


julgamento fundamentado em consenso entre as partes e que traduza, com razoabilidade, a
evidenciação dos atos e dos fatos administrativos.
Influência significativa o poder de uma entidade do setor público participar nas decisões de
políticas financeiras e operacionais da investida, desde que não signifique um controle
conjunto sobre essas políticas.
Mensuração a constatação de valor monetário para itens do ativo e do passivo decorrente da
aplicação de procedimentos técnicos suportados em análises qualitativas e quantitativas.
Reavaliação a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do
ativo, quando esses forem superiores ao valor contábil.
Redução ao valor recuperável (impairment) o ajuste ao valor de mercado ou de consenso
entre as partes para bens do ativo, quando esse for inferior ao valor contábil.
Valor da reavaliação ou valor da redução do ativo a valor recuperável a diferença entre o
valor líquido contábil do bem e o valor de mercado ou de consenso, com base em laudo
técnico.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 73
PÚBLICO (NBC T 16)

Valor de aquisição a soma do preço de compra de um bem com os gastos suportados direta
ou indiretamente para colocá-lo em condição de uso.
Valor de mercado ou valor justo (fair value) o valor pelo qual pode ser intercambiado um
ativo ou cancelado um passivo entre partes conhecidas ou interessadas que atuam em
condições independentes e isentas.
Valor líquido contábil o valor do bem registrado na contabilidade, em determinada data,
deduzido da correspondente depreciação, amortização ou exaustão acumulada.
Valor realizável líquido a quantia que a entidade do setor público espera obter com a
alienação ou a utilização de itens de inventário quando deduzidos os gastos estimados para
seu acabamento, alienação ou utilização.
Valor recuperável o valor de mercado de um ativo menos o custo para a sua alienação, ou o
valor que a entidade do setor público espera recuperar pelo uso futuro desse ativo nas suas
operações, o que for maior.

AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO

3. A avaliação e a mensuração dos elementos patrimoniais nas entidades do setor público obedecem
aos critérios relacionadas nos itens 4 a 40 desta Norma.

DISPONIBILIDADES

4. As disponibilidades em moeda estrangeira são expressas no Balanço Patrimonial ao câmbio


vigente na data de sua elaboração.

5. As aplicações financeiras de liquidez imediata são mensuradas ou avaliadas pelo valor original,
atualizadas até a data do Balanço Patrimonial.

6. As atualizações apuradas são contabilizadas em contas de variação.

CRÉDITOS E DÍVIDAS

7. Os direitos, os títulos de créditos e as obrigações são mensurados ou avaliados pelo valor original,
feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do Balanço
Patrimonial.

8. Os riscos de recebimento de dívidas são reconhecidos em conta de ajuste, a qual será reduzida ou
anulada quando deixarem de existir os motivos que a originaram.

9. Os direitos, os títulos de crédito e as obrigações prefixados são ajustados a valor presente.

10. As provisões são constituídas com base em estimativas pelos prováveis valores de realização
para os ativos e de reconhecimento para os passivos.

11. As atualizações e os ajustes apurados são contabilizados em contas de variação.

ESTOQUES

12. Os estoques são mensurados ou avaliados com base no valor de aquisição ou no valor de
produção ou de construção.

13. Os gastos de distribuição, de administração geral e financeiros são considerados como despesas
do período em que ocorrerem.
74 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

14. Se o valor de aquisição, de produção ou de construção dos estoques for superior ao valor de
mercado, deve ser ajustado ao valor de mercado.

15. O método para mensuração e avaliação das saídas dos estoques é o custo médio ponderado.

16. Quando houver deterioração física parcial, obsolescência, bem como outros fatores análogos,
deve ser utilizado o valor de mercado.

17. Os resíduos e os refugos devem ser valorizados, na falta de critério mais adequado, pelo valor
realizável líquido.

18. Relativamente às situações previstas dos itens 15 a 18 desta Norma, as diferenças de valor de
estoques devem ser refletidas em contas de variação.

19. Os estoques de animais e de produtos agrícolas e extrativos são mensurados ou avaliados pelo
valor de mercado, quando atendidas às seguintes condições:

a) que a atividade seja primária;


b) que o custo de produção seja de difícil determinação ou que acarrete gastos excessivos.

INVESTIMENTOS PERMANENTES

20. As participações em empresas e em consórcios públicos sobre cuja administração se tenha


influência significativa devem ser mensuradas ou avaliadas pelo método da equivalência
patrimonial.

21. As demais participações podem ser mensuradas ou avaliadas de acordo com o custo de aquisição.

22. Os ajustes apurados são contabilizados em contas de variação.

IMOBILIZADO

23. O ativo imobilizado, incluindo os gastos adicionais ou complementares, é mensurado ou avaliado


com base no valor de aquisição, produção ou construção.

24. Quando os respectivos elementos tiverem vida útil econômica limitada, ficam sujeitos a
depreciação, amortização ou exaustão sistemática durante esse período, sem prejuízo das exceções
expressamente consignadas.

25. Em regra, o reconhecimento inicial do ativo imobilizado deve ser contabilizado com base em seu
valor de aquisição ou construção, deduzido da depreciação, da amortização ou da exaustão
acumulada e do montante acumulado de quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo de
sua vida útil por redução ao valor recuperável (impairment).

26. Quando se tratar de ativos do imobilizado obtidos a título gratuito deve ser considerado o valor
resultante da avaliação obtida com base em procedimento técnico ou valor patrimonial definido nos
termos legais.

27. Devem ser evidenciados em notas explicativas o critério de mensuração ou avaliação dos ativos
do imobilizado obtidos a título gratuito, bem como a eventual impossibilidade de sua valoração,
devidamente justificada.
ANEXO II - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR 75
PÚBLICO (NBC T 16)

28. Os gastos posteriores à aquisição ou ao registro de elemento do ativo imobilizado devem ser
incorporados ao valor desse ativo quando houver possibilidade de geração de benefícios econômicos
futuros ou potenciais de serviços, adicionados aos originalmente avaliados. Qualquer outro gasto
deve ser reconhecido como despesa do período em que seja incorrido.

29. No caso de transferências de ativos, o valor a atribuir deve ser o valor contábil líquido constante
nos registros da entidade de origem, salvo se existir valor diferente fixado no instrumento que
autorizou a transferência.

30. Os bens de uso comum que absorveram ou absorvem recursos públicos, ou aqueles
eventualmente recebidos em doação, devem ser incluídos no ativo não circulante da entidade
responsável pela sua administração ou controle, estejam, ou não, afetos a sua atividade operacional.

31. A valorização dos bens de uso comum deve ser efetuada, sempre que possível, ao valor de
aquisição, de produção ou de construção.

INTANGÍVEL

32. Os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da atividade
pública ou exercidos com essa finalidade são mensurados ou avaliados com base no valor de
aquisição ou de produção, deduzido do saldo da respectiva conta de amortização acumulada e do
montante acumulado de quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo de sua vida útil por
redução ao valor recuperável (impairment).

33. Devem ser evidenciados em notas explicativas o critério de mensuração ou avaliação dos ativos
intangíveis obtidos a título gratuito, bem como a eventual impossibilidade de sua valoração,
devidamente justificada.

34. Os gastos posteriores à aquisição ou ao registro de elemento do ativo intangível devem ser
incorporados ao valor desse ativo quando houver possibilidade de geração de benefícios econômicos
futuros ou potenciais de serviços, adicionados ao originalmente avaliados. Qualquer outro gasto deve
ser reconhecido como variação patrimonial diminutiva do período em que seja incorrido.

DIFERIDO

35. As despesas pré-operacionais e os gastos de reestruturação que contribuirão, efetivamente, para a


prestação de serviços públicos de mais de um exercício e que não configurem tão-somente uma
redução de custos ou acréscimo na eficiência operacional, classificados como ativo diferido, são
mensurados ou avaliados pelo custo incorrido, deduzido do saldo da respectiva conta de amortização
acumulada e do montante acumulado de quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo de
sua vida útil por redução ao valor recuperável (impairment).

REAVALIAÇÃO E REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL

36. As reavaliações devem ser feitas utilizando-se o valor justo ou o valor de mercado na data de
encerramento do Balanço Patrimonial, pelo menos:

a) anualmente, para as contas ou grupo de contas cujos valores de mercado variarem


significativamente em relação aos valores anteriormente registrados;
b) a cada quatro anos, para as demais contas ou grupos de contas.
76 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

37. Na impossibilidade de se estabelecer o valor de mercado, o valor do ativo pode ser definido com
base em parâmetros de referência que considerem características, circunstâncias e localizações
assemelhadas.

38. Em caso de bens imóveis específicos, o valor justo pode ser estimado utilizando-se o valor de
reposição do ativo devidamente depreciado.

39. O valor de reposição de um ativo depreciado pode ser estabelecido por referência ao preço de
compra ou construção de um ativo semelhante com similar potencial de serviço.

40. Os acréscimos ou os decréscimos do valor do ativo em decorrência, respectivamente, de


reavaliação ou redução ao valor recuperável (impairment) devem ser registrados em contas de
resultado.
ANEXO III – PARTE CONTÁBIL DA LEI 4.320/64 77

ANEXO III – PARTE CONTÁBIL DA LEI 4.320/64

TÍTULO IX
Da Contabilidade

CAPÍTULO I
Disposições Gerais

Art. 83. A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de todos quantos, de
qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou guardem bens a ela
pertencentes ou confiados.

Art. 84. Ressalvada a competência do Tribunal de Contas ou órgão equivalente, a tomada de


contas dos agentes responsáveis por bens ou dinheiros públicos será realizada ou superintendida
pelos serviços de contabilidade.

Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem o


acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da composição patrimonial, a
determinação dos custos dos serviços industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.

Art. 86. A escrituração sintética das operações financeiras e patrimoniais efetuar-se-á pelo
método das partidas dobradas.

Art. 87. Haverá controle contábil dos direitos e obrigações oriundos de ajustes ou contratos em
que a administração pública for parte.

Art. 88. Os débitos e créditos serão escriturados com individuação do devedor ou do credor e
especificação da natureza, importância e data do vencimento, quando fixada.

Art. 89. A contabilidade evidenciará os fatos ligados à administração orçamentária, financeira


patrimonial e industrial.

CAPÍTULO II
Da Contabilidade Orçamentária e Financeira

Art. 90 A contabilidade deverá evidenciar, em seus registros, o montante dos créditos


orçamentários vigentes, a despesa empenhada e a despesa realizada, à conta dos mesmos créditos, e
as dotações disponíveis.

Art. 91. O registro contábil da receita e da despesa far-se-á de acordo com as especificações
constantes da Lei de Orçamento e dos créditos adicionais.

Art. 92. A dívida flutuante compreende:

I - os restos a pagar, excluídos os serviços da dívida;


II - os serviços da dívida a pagar;
III - os depósitos;
IV - os débitos de tesouraria.
78 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Parágrafo único. O registro dos restos a pagar far-se-á por exercício e por credor distinguindo-
se as despesas processadas das não processadas.

Art. 93. Todas as operações de que resultem débitos e créditos de natureza financeira, não
compreendidas na execução orçamentária, serão também objeto de registro, individuação e controle
contábil.

CAPÍTULO III
Da Contabilidade Patrimonial e Industrial
Art. 94. Haverá registros analíticos de todos os bens de caráter permanente, com indicação dos
elementos necessários para a perfeita caracterização de cada um deles e dos agentes responsáveis
pela sua guarda e administração.

Art. 95 A contabilidade manterá registros sintéticos dos bens móveis e imóveis.

Art. 96. O levantamento geral dos bens móveis e imóveis terá por base o inventário analítico de
cada unidade administrativa e os elementos da escrituração sintética na contabilidade.

Art. 97. Para fins orçamentários e determinação dos devedores, ter-se-á o registro contábil das
receitas patrimoniais, fiscalizando-se sua efetivação.

Art. 98. A divida fundada compreende os compromissos de exigibilidade superior a doze


meses, contraídos para atender a desequilíbrio orçamentário ou a financeiro de obras e serviços
públicos. (Veto rejeitado no D.O. 05/05/1964)

Parágrafo único. A dívida fundada será escriturada com individuação e especificações que
permitam verificar, a qualquer momento, a posição dos empréstimos, bem como os respectivos
serviços de amortização e juros.

Art. 99. Os serviços públicos industriais, ainda que não organizados como empresa pública ou
autárquica, manterão contabilidade especial para determinação dos custos, ingressos e resultados,
sem prejuízo da escrituração patrimonial e financeiro comum.

Art. 100 As alterações da situação líquida patrimonial, que abrangem os resultados da execução
orçamentária, bem como as variações independentes dessa execução e as superveniências e
insubsistência ativas e passivas, constituirão elementos da conta patrimonial.

CAPÍTULO IV
Dos Balanços

Art. 101. Os resultados gerais do exercício serão demonstrados no Balanço Orçamentário, no


Balanço Financeiro, no Balanço Patrimonial, na Demonstração das Variações Patrimoniais, segundo
os Anexos números 12, 13, 14 e 15 e os quadros demonstrativos constantes dos Anexos números 1,
6, 7, 8, 9, 10, 11, 16 e 17.

Art. 102. O Balanço Orçamentário demonstrará as receitas e despesas previstas em confronto


com as realizadas.

Art. 103. O Balanço Financeiro demonstrará a receita e a despesa orçamentárias bem como os
recebimentos e os pagamentos de natureza extra-orçamentária, conjugados com os saldos em espécie
provenientes do exercício anterior, e os que se transferem para o exercício seguinte.
ANEXO III – PARTE CONTÁBIL DA LEI 4.320/64 79

Parágrafo único. Os Restos a Pagar do exercício serão computados na receita extra-


orçamentária para compensar sua inclusão na despesa orçamentária.

Art. 104. A Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as alterações verificadas no


patrimônio, resultantes ou independentes da execução orçamentária, e indicará o resultado
patrimonial do exercício.

Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará:

I - O Ativo Financeiro;
II - O Ativo Permanente;
III - O Passivo Financeiro;
IV - O Passivo Permanente;
V - O Saldo Patrimonial;
VI - As Contas de Compensação.

§ 1º O Ativo Financeiro compreenderá os créditos e valores realizáveis independentemente de


autorização orçamentária e os valores numerários.

§ 2º O Ativo Permanente compreenderá os bens, créditos e valores, cuja mobilização ou


alienação dependa de autorização legislativa.

§ 3º O Passivo Financeiro compreenderá as dívidas fundadas e outros pagamento independa de


autorização orçamentária.

§ 4º O Passivo Permanente compreenderá as dívidas fundadas e outras que dependam de


autorização legislativa para amortização ou resgate.

§ 5º Nas contas de compensação serão registrados os bens, valores, obrigações e situações não
compreendidas nos parágrafos anteriores e que, imediata ou indiretamente, possam vir a afetar o
patrimônio.

Art. 106. A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as normas seguintes:

I - os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor nominal, feita a
conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do balanço;
II - os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de produção ou de
construção;
III - os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.

§ 1° Os valores em espécie, assim como os débitos e créditos, quando em moeda estrangeira,


deverão figurar ao lado das correspondentes importâncias em moeda nacional.

§ 2º As variações resultantes da conversão dos débitos, créditos e valores em espécie serão


levadas à conta patrimonial.

§ 3º Poderão ser feitas reavaliações dos bens móveis e imóveis.


80 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

ANEXO IV – ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS,


DE ACORDO COM O PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL
BÁSICO DO CPC
Demonstrações contábeis retratam os efeitos patrimoniais e financeiros das transações e
outros eventos, agrupando-os em classes de acordo com as suas características econômicas. Essas
classes são chamadas de elementos das demonstrações contábeis. Os elementos diretamente
relacionados à mensuração da posição patrimonial e financeira no balanço são os ativos, os passivos
e o patrimônio líquido. Os elementos diretamente relacionados com a mensuração do desempenho na
demonstração do resultado são as receitas e as despesas. A demonstração das mutações na posição
financeira usualmente reflete os elementos da demonstração do resultado e as mutações nos
elementos do balanço patrimonial; assim sendo, esta Estrutura Conceitual não identifica nenhum
elemento que seja exclusivo dessa demonstração.

A apresentação desses elementos no balanço patrimonial e na demonstração do resultado


envolve um processo de subclassificação. Por exemplo, ativos e passivos podem ser classificados por
sua natureza ou função nos negócios da entidade, a fim de mostrar as informações da maneira mais
útil aos usuários para fins de tomada de decisões econômicas.

Posição Patrimonial e Financeira

Os elementos diretamente relacionados com a mensuração da posição patrimonial financeira são


ativos, passivos e patrimônio líquido. Estes são definidos como segue:

(a) Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do
qual se espera que resultem futuros benefícios econômicos para a entidade;
(b) Passivo é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos já ocorridos, cuja
liquidação se espera que resulte em saída de recursos capazes de gerar benefícios
econômicos;
(c) Patrimônio Líquido é o valor residual dos ativos da entidade depois de deduzidos todos
os seus passivos.

As definições de ativo e passivo identificam os seus aspectos essenciais, mas não tentam
especificar os critérios que precisam ser atendidos para que possam ser reconhecidos no balanço
patrimonial. Assim, as definições abrangem itens que não são reconhecidos como ativos ou passivos
no balanço porque não satisfazem aos critérios de reconhecimento. Especificamente, a expectativa
de que futuros benefícios econômicos fluam para a entidade ou deixem a entidade deve ser
suficientemente certa para que seja atendido o critério de probabilidade, antes que um ativo ou um
passivo seja reconhecido.

Ao avaliar se um item se enquadra na definição de ativo, passivo ou patrimônio líquido,


deve-se atentar para a sua essência e realidade econômica e não apenas sua forma legal. Assim, por
exemplo, no caso do arrendamento financeiro, a essência e a realidade econômica são que o
arrendatário adquire os benefícios econômicos do uso do ativo arrendado pela maior parte da sua
vida útil, como contraprestação de aceitar a obrigação de pagar por esse direito um valor próximo do
valor justo do ativo e o respectivo encargo financeiro. Dessa forma, o arrendamento financeiro dá
origem a itens que satisfazem a definição de um ativo e um passivo e, portanto, são reconhecidos
como tais no balanço patrimonial do arrendatário.

Balanços patrimoniais elaborados de acordo com os Pronunciamentos Técnicos devem incluir como
ativo ou passivo itens que satisfaçam a essas definições.
ANEXO IV – ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O 81
PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO CPC

Ativos

O benefício econômico futuro embutido em um ativo é o seu potencial em contribuir, direta


ou indiretamente, para o fluxo de caixa ou equivalentes de caixa para a entidade. Tal potencial
poderá ser produtivo, quando o recurso for parte integrante das atividades operacionais da entidade.
Poderá também ter a forma de conversibilidade em caixa ou equivalentes de caixa ou poderá ainda
ser capaz de reduzir as saídas de caixa, como no caso de um processo industrial alternativo que
reduza os custos de produção.

A entidade geralmente usa os seus ativos na produção de mercadorias ou prestação de


serviços capazes de satisfazer os desejos e necessidades dos clientes. Tendo em vista que essas
mercadorias ou serviços podem atender aos seus desejos ou necessidades, os clientes se dispõem a
pagar por eles e contribuir assim para o fluxo de caixa da entidade.

Os benefícios econômicos futuros de um ativo podem fluir para a entidade de diversas


maneiras. Por exemplo, um ativo pode ser:
(a) usado isoladamente ou em conjunto com outros ativos na produção de mercadorias e
serviços a serem vendidos pela entidade;
(b) trocado por outros ativos;
(c) usado para liquidar um passivo; ou
(d) distribuído aos proprietários da entidade.

Muitos ativos, por exemplo, máquinas e equipamentos industriais, têm uma substância
física. Entretanto, substância física não é essencial à existência de um ativo; dessa forma, as patentes
e direitos autorais, por exemplo, são ativos, desde que deles sejam esperados benefícios econômicos
futuros para a entidade e que eles sejam por ela controlados.

Muitos ativos, por exemplo, contas a receber e imóveis, estão ligados a direitos legais,
inclusive o direito de propriedade. Ao determinar a existência de um ativo, o direito de propriedade
não é essencial; assim, por exemplo, um imóvel objeto de arrendamento é um ativo, desde que a
entidade controle os benefícios econômicos provenientes da propriedade. Embora a capacidade de
uma entidade controlar os benefícios econômicos normalmente seja proveniente da existência de
direitos legais, um item pode satisfazer a definição de um ativo mesmo quando não há controle legal.
Por exemplo, o know-how obtido por meio de uma atividade de desenvolvimento de produto pode
satisfazer a definição de ativo quando, mantendo o know-how em segredo, a entidade controla os
benefícios econômicos provenientes desse ativo.

Os ativos de uma entidade resultam de transações passadas ou outros eventos passados. As


entidades normalmente obtêm ativos comprando-os ou produzindo-os, mas outras transações ou
eventos podem gerar ativos; por exemplo: um imóvel recebido do governo como parte de um
programa para fomentar o crescimento econômico da região onde se localiza a entidade ou a
descoberta de jazidas minerais. Transações ou eventos previstos para ocorrer no futuro não podem
resultar, por si mesmos, no reconhecimento de ativos; por isso, por exemplo, a intenção de adquirir
estoques não atende, por si só, à definição de um ativo.

Há uma forte associação entre incorrer em gastos e gerar ativos, mas ambas as atividades
não necessariamente coincidem entre si. Assim, o fato de uma entidade ter incorrido num gasto pode
fornecer evidência da sua busca por futuros benefícios econômicos, mas não é prova conclusiva de
que a definição de ativo tenha sido obtida. Da mesma forma, a ausência de um gasto não impede que
um item satisfaça a definição de ativo e se qualifique para reconhecimento no balanço patrimonial;
por exemplo, itens que foram doados à entidade podem satisfazer a definição de ativo.
82 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Passivos

Uma característica essencial para a existência de um passivo é que a entidade tenha uma
obrigação presente. Uma obrigação é um dever ou responsabilidade de agir ou fazer de uma certa
maneira. As obrigações podem ser legalmente exigíveis em conseqüência de um contrato ou de
requisitos estatutários. Esse é normalmente o caso, por exemplo, das contas a pagar por mercadorias
e serviços recebidos. Obrigações surgem também de práticas usuais de negócios, usos e costumes e o
desejo de manter boas relações comerciais ou agir de maneira eqüitativa. Se, por exemplo, uma
entidade decide, por uma questão de política mercadológica ou de imagem, retificar defeitos em seus
produtos, mesmo quando tais defeitos tenham se tornado conhecidos depois que expirou o período
da garantia, as importâncias que espera gastar com os produtos já vendidos constituem-se passivos.

Deve-se fazer uma distinção entre uma obrigação presente e um compromisso futuro. A
decisão da Administração de uma entidade de adquirir ativos no futuro não constitui, por si só, uma
obrigação presente. A obrigação normalmente surge somente quando o ativo é recebido ou a
entidade assina um acordo irrevogável de aquisição do ativo. Neste último caso, a natureza
irrevogável do acordo significa que as conseqüências econômicas de deixar de cumprir a obrigação,
por exemplo, por causa da existência de uma penalidade significativa, deixem a entidade com pouca
ou nenhuma alternativa para evitar o desembolso de recursos em favor da outra parte.

A liquidação de uma obrigação presente geralmente implica na utilização, pela entidade, de


recursos capazes de gerar benefícios econômicos a fim de satisfazer o direito da outra parte. A
extinção de uma obrigação presente pode ocorrer de diversas maneiras, por exemplo, por meio de:

(a) pagamento em dinheiro;


(b) transferência de outros ativos;
(c) prestação de serviços;
(d) substituição da obrigação por outra; ou
(e) conversão da obrigação em capital.

Uma obrigação pode também ser extinta por outros meios, tais como pela renúncia do
credor ou pela perda dos seus direitos creditícios.

Passivos resultam de transações ou outros eventos passados. Assim, por exemplo, a


aquisição de mercadorias e o uso de serviços resultam em contas a pagar (a não ser que pagos
adiantadamente ou na entrega) e o recebimento de um empréstimo resulta na obrigação de liquidá-lo.
Ou uma entidade pode ter a necessidade de reconhecer como passivo futuros abatimentos baseados
no volume das compras anuais dos clientes; nesse caso, a venda das mercadorias no passado é a
transação da qual deriva o passivo.

Alguns passivos somente podem ser mensurados com o emprego de um elevado grau de
estimativa. No Brasil esses passivos são descritos como provisões. A definição de passivo, constante
do item 49, tem um enfoque amplo e assim, se a provisão envolve uma obrigação presente e satisfaz
os demais critérios da definição, ela é um passivo, ainda que seu valor tenha que ser estimado.
Exemplos incluem provisões por pagamentos a serem feitos para satisfazer acordos com garantias
em vigor e provisões para fazer face a obrigações de aposentadoria.

Patrimônio Líquido

Embora o patrimônio líquido seja definido no item 49 como um valor residual, ele pode ter
subclassificações no balanço patrimonial. Por exemplo, recursos aportados pelos sócios, reservas
resultantes de apropriações de lucros e reservas para manutenção do capital podem ser demonstrados
ANEXO IV – ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O 83
PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO CPC

separadamente. Tais classificações podem ser importantes para a tomada de decisão dos usuários das
demonstrações contábeis quando indicarem restrições legais ou de outra natureza sobre a capacidade
que a entidade tem de distribuir ou aplicar de outra forma os seus recursos patrimoniais. Podem
também refletir o fato de que acionistas de uma entidade tenham direitos diferentes em relação ao
recebimento de dividendos ou reembolso de capital.

A constituição de reservas é, às vezes, exigida pelo estatuto ou por lei para dar à entidade e
seus credores uma margem maior de proteção contra os efeitos de prejuízos. Outras reservas podem
ser constituídas em atendimento a leis que concedem isenções ou reduções nos impostos a pagar
quando são feitas transferências para tais reservas. A existência e o valor de tais reservas legais,
estatutárias e fiscais representam informações que podem ser importantes para a tomada de decisão
dos usuários. As transferências para tais reservas são apropriações de lucros acumulados, portanto,
não constituem despesas.

O valor pelo qual o patrimônio líquido é apresentado no balanço patrimonial depende da


mensuração dos ativos e passivos. Normalmente, o valor do patrimônio líquido somente por
coincidência é igual ao valor de mercado das ações da entidade ou da soma que poderia ser obtida
pela venda dos seus ativos e liquidação de seus passivos numa base de item-por-item, ou da entidade
como um todo, numa base de continuidade operacional.

Atividades comerciais e industriais, bem como outros negócios são freqüentemente


exercidos por meio de firmas individuais, sociedades limitadas, entidades estatais e outras
organizações cuja estrutura legal e regulamentar pode ser diferente daquela aplicável às sociedades
por ações. Por exemplo, pode haver poucas restrições, ou nenhuma, sobre a distribuição aos
proprietários ou outros beneficiários de importâncias incluídas no patrimônio líquido.
Independentemente desses fatos, a definição de patrimônio líquido e os outros aspectos desta
Estrutura Conceitual que tratam do patrimônio líquido são igualmente aplicáveis a tais entidades.
Desempenho

O resultado é freqüentemente usado como medida de desempenho ou como base para outras
avaliações, tais como o retorno do investimento ou resultado por ação. Os elementos diretamente
relacionados com a mensuração do resultado são as receitas e as despesas. O reconhecimento e
mensuração das receitas e despesas e, conseqüentemente, do resultado, dependem em parte dos
conceitos de capital e de manutenção do capital usados pela entidade na preparação de suas
demonstrações contábeis.

Receitas e despesas são definidas como segue:

(a) Receitas são aumentos nos benefícios econômicos durante o período contábil sob a
forma de entrada de recursos ou aumento de ativos ou diminuição de passivos, que resultam
em aumentos do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de aporte dos
proprietários da entidade; e
(b) Despesas são decréscimos nos benefícios econômicos durante o período contábil sob a
forma de saída de recursos ou redução de ativos ou incrementos em passivos, que resultam
em decréscimo do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de distribuição aos
proprietários da entidade.

As definições de receitas e despesas identificam os seus aspectos essenciais, mas não


especificam os critérios que precisam ser satisfeitos para que sejam reconhecidas na demonstração
do resultado.
84 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

As receitas e despesas podem ser apresentadas na demonstração do resultado de diferentes


maneiras, de modo que prestem informações relevantes para a tomada de decisões. Por exemplo, é
prática comum distinguir entre receitas e despesas que surgem no curso das atividades usuais da
entidade e as demais. Essa distinção é feita porque a fonte de uma receita é relevante na avaliação da
capacidade que a entidade tenha de gerar caixa ou equivalentes de caixa no futuro; por exemplo,
receitas oriundas de atividades eventuais como a venda de um investimento de longo prazo
normalmente não se repetem numa base regular. Nessa distinção, deve-se levar em conta a natureza
da entidade e suas operações. Itens que resultam das atividades ordinárias de uma entidade podem
ser incomuns em outras entidades.

A distinção entre itens de receitas e de despesas e a sua combinação de diferentes maneiras


também permitem demonstrar várias formas de medir o desempenho da entidade, com maior ou
menor abrangência de itens. Por exemplo, a demonstração do resultado pode apresentar a margem
bruta, o lucro ou prejuízo das atividades ordinárias antes dos tributos sobre o resultado, o lucro ou o
prejuízo das atividades ordinárias depois desses tributos e o lucro ou prejuízo líquido.

Receitas

A definição de receita abrange tanto receitas propriamente ditas como ganhos. A receita
surge no curso das atividades ordinárias de uma entidade e é designada por uma variedade de nomes,
tais como vendas, honorários, juros, dividendos, royalties e aluguéis.

Ganhos representam outros itens que se enquadram na definição de receita e podem ou não
surgir no curso das atividades ordinárias da entidade, representando aumentos nos benefícios
econômicos e, como tal, não diferem, em natureza, das receitas. Conseqüentemente, não são
considerados como um elemento separado nesta Estrutura Conceitual.

Ganhos incluem, por exemplo, aqueles que resultam da venda de ativos nãocorrentes. A
definição de receita também inclui ganhos não realizados; por exemplo, os que resultam da
reavaliação de títulos negociáveis e os que resultam de aumentos no valor de ativos a longo prazo.
Quando esses ganhos são reconhecidos na demonstração do resultado, eles são usualmente
apresentados separadamente, porque sua divulgação é útil para fins de tomada de decisões
econômicas. Esses ganhos são, na maioria das vezes, mostrados líquidos das respectivas despesas.

Vários tipos de ativos podem ser recebidos ou aumentados por meio da receita; exemplos
incluem caixa, contas a receber, mercadorias e serviços recebidos em troca de mercadorias e serviços
fornecidos. A receita também pode resultar da liquidação de passivos. Por exemplo, a entidade pode
fornecer mercadorias e serviços a um credor em liquidação da obrigação de pagar um empréstimo.

Despesas

A definição de despesas abrange perdas assim como as despesas que surgem no curso das
atividades ordinárias da entidade. As despesas que surgem no curso das atividades ordinárias da
entidade incluem, por exemplo, o custo das vendas, salários e depreciação. Geralmente, tomam a
forma de um desembolso ou redução de ativos como caixa e equivalentes de caixa, estoques e ativo
imobilizado.

Perdas representam outros itens que se enquadram na definição de despesas e podem ou não
surgir no curso das atividades ordinárias da entidade, representando decréscimos nos benefícios
econômicos e, como tal, não são de natureza diferente das demais despesas. Assim, não são
consideradas como um elemento à parte nesta Estrutura Conceitual.
ANEXO IV – ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O 85
PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO CPC

Perdas incluem, por exemplo, as que resultam de sinistros como incêndio e inundações,
assim como as que decorrem da venda de ativos não-correntes. A definição de despesas também
inclui as perdas não realizadas, por exemplo, as que surgem dos efeitos dos aumentos na taxa de
câmbio de uma moeda estrangeira com relação aos empréstimos a pagar em tal moeda. Quando as
perdas são reconhecidas na demonstração do resultado, elas são geralmente demonstradas
separadamente, pois sua divulgação é útil para fins de tomada de decisões econômicas. As perdas
são geralmente demonstradas líquidas das respectivas receitas.
86 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

ANEXO V – RECONHECIMENTO DOS ELEMENTOS DAS


DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O
PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO CPC
Reconhecimento é o processo que consiste em incorporar ao balanço patrimonial ou à
demonstração do resultado um item que se enquadre na definição de um elemento e que satisfaça os
critérios de reconhecimento. Envolve a descrição do item, a atribuição do seu valor e a sua inclusão
no balanço patrimonial ou na demonstração do resultado. Os itens que satisfazem os critérios de
reconhecimento devem ser registrados no balanço ou na demonstração do resultado. A falta de
reconhecimento de tais itens não é corrigida pela divulgação das práticas contábeis adotadas nem
pelas notas ou material explicativo.

Um item que se enquadre na definição de ativo ou passivo deve ser reconhecido nas
demonstrações contábeis se:
(a) for provável que algum benefício econômico futuro referente ao item venha a
ser recebido ou entregue pela entidade; e
(b) ele tiver um custo ou valor que possa ser medido em bases confiáveis.

O interrelacionamento entre os elementos significa que um item que se enquadra na


definição e nos critérios de reconhecimento de um determinado elemento, por exemplo, um ativo,
requer automaticamente o reconhecimento de outro elemento, por exemplo, uma receita ou um
passivo.

Probabilidade de Realização de Benefício Econômico Futuro

O conceito de probabilidade é usado nos critérios de reconhecimento para determinar o grau


de incerteza com que os benefícios econômicos futuros referentes ao item venham a ser recebidos ou
entregues pela entidade. As avaliações do grau de incerteza ligado ao fluxo de futuros benefícios
econômicos são feitas com base na evidência disponível quando as demonstrações contábeis são
preparadas. Por exemplo, quando é provável que uma conta a receber devida à entidade seja paga, é
então justificável, na ausência de qualquer evidência em contrário, reconhecer a conta a receber
como um ativo. Para uma grande quantidade de contas a receber, entretanto, algum grau de
inadimplência é normalmente considerado provável; dessa forma, reconhece-se como uma despesa a
esperada redução nos benefícios econômicos.

Confiabilidade da Mensuração

O segundo critério para reconhecimento de um item é que ele possua um custo ou valor que
possa ser determinado em bases confiáveis. Em muitos casos, o custo ou valor precisa ser estimado;
o uso de estimativas razoáveis é uma parte essencial da preparação das demonstrações contábeis e
não prejudica a sua confiabilidade. Quando, entretanto, não puder ser feita uma estimativa razoável,
o item não deve ser reconhecido no balanço patrimonial ou na demonstração do resultado. Por
exemplo, o valor que se espera receber de uma ação judicial pode enquadrar-se nas definições tanto
de um ativo como de uma receita, assim como nos critérios exigidos para reconhecimento; todavia,
se não é possível determinar, em bases confiáveis, o valor que será recebido, ele não deve ser
reconhecido como um ativo ou uma receita; a existência da reclamação deverá ser, entretanto,
divulgada nas notas explicativas ou demonstrações suplementares.

Um item que, em determinado momento, deixe de se enquadrar nos critérios de


reconhecimento constantes do item 83, poderá qualificar-se para reconhecimento em data posterior
como resultado de circunstâncias ou eventos subseqüentes.
ANEXO V – RECONHECIMENTO DOS ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES 87
CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO
CPC

Um item que possui as características de ativo, passivo, receita ou despesa, mas não atende
aos critérios para reconhecimento, pode, entretanto, requerer divulgação nas notas e material
explicativos ou em demonstrações suplementares. Isso será apropriado quando a divulgação do item
for considerada relevante para a avaliação da posição patrimonial e financeira, do desempenho e das
mutações na posição financeira da entidade por parte dos usuários das demonstrações contábeis.

Reconhecimento de Ativos

Um ativo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que benefícios


econômicos futuros dele provenientes fluirão para a entidade e seu custo ou valor puder ser
determinado em bases confiáveis.

Um ativo não é reconhecido no balanço patrimonial quando desembolsos tiverem sido


incorridos ou comprometidos, dos quais seja improvável a geração de benefícios econômicos para a
entidade após o período contábil corrente. Ao invés, tal transação é reconhecida como despesa na
demonstração do resultado. Esse tratamento não implica dizer que a intenção da Administração ao
incorrer na despesa não tenha sido a de gerar benefícios econômicos futuros para a entidade ou que a
Administração tenha sido mal conduzida. A única implicação é que o grau de certeza quanto à
geração de benefícios econômicos para a entidade, após o período contábil corrente, é insuficiente
para justificar o reconhecimento de um ativo.

Reconhecimento de Passivos

Um passivo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que uma


saída de recursos envolvendo benefícios econômicos seja exigida em liquidação de uma obrigação
presente e o valor pelo qual essa liquidação se dará possa ser determinado em bases confiáveis. Na
prática, as obrigações contratuais ainda não integralmente cumpridas de forma proporcional (por
exemplo, obrigações decorrentes de pedidos de compra de produtos e mercadorias, mas ainda não
recebidos) não são geralmente reconhecidas como passivos nas demonstrações contábeis. Contudo,
tais obrigações podem enquadrar-se na definição de passivos e, desde que sejam atendidos os
critérios de reconhecimento nas circunstâncias específicas, poderão qualificar-se para
reconhecimento. Nesses casos, o reconhecimento do passivo exige o reconhecimento dos
correspondentes ativo ou despesa.

Reconhecimento de Receitas

A receita é reconhecida na demonstração do resultado quando resulta em um aumento, que


possa ser determinado em bases confiáveis, nos benefícios econômicos futuros provenientes do
aumento de um ativo ou da diminuição de um passivo. Isso significa, de fato, que o reconhecimento
da receita ocorre simultaneamente com o reconhecimento de aumento de ativo ou de diminuição de
passivo. Mas isso não significa que todo aumento de ativo ou redução de passivo corresponda a uma
receita.

Os procedimentos normalmente adotados na prática para reconhecimento da receita, como


por exemplo o requisito de que a receita deve ter sido ganha, são aplicações dos critérios de
reconhecimento definidos nesta Estrutura Conceitual. Tais procedimentos são geralmente orientados
para restringir o reconhecimento como receita àqueles itens que possam ser determinados em bases
confiáveis e tenham um grau suficiente de certeza.

Reconhecimento de Despesas
88 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

As despesas são reconhecidas na demonstração do resultado quando surge um decréscimo,


que possa ser determinado em bases confiáveis, nos futuros benefícios econômicos provenientes da
diminuição de um ativo ou do aumento de um passivo. Isso significa, de fato, que o reconhecimento
de despesa ocorre simultaneamente com o reconhecimento do aumento do passivo ou da diminuição
do ativo (por exemplo, a provisão para obrigações trabalhistas ou a depreciação de um
equipamento).

As despesas são reconhecidas na demonstração do resultado com base na associação direta


entre elas e os correspondentes itens de receita. Esse processo, usualmente chamado de confrontação
entre despesas e receitas (Regime de Competência), envolve o reconhecimento simultâneo ou
combinado das receitas e despesas que resultem diretamente das mesmas transações ou outros
eventos; por exemplo, os vários componentes de despesas que integram o custo das mercadorias
vendidas devem ser reconhecidos na mesma data em que a receita derivada da venda das
mercadorias é reconhecida. Entretanto, a aplicação do conceito de confrontação da receita e despesa
de acordo com esta Estrutura Conceitual não autoriza o reconhecimento de itens no balanço
patrimonial que não satisfaçam à definição de ativos ou passivos.

Quando se espera que os benefícios econômicos sejam gerados ao longo de vários períodos
contábeis, e a confrontação com a correspondente receita somente possa
ser feita de modo geral e indireto, as despesas são reconhecidas na demonstração do resultado com
base em procedimentos de alocação sistemática e racional. Muitas vezes isso é necessário ao
reconhecer despesas associadas com o uso ou desgaste de ativos, tais como imobilizado, ágio,
marcas e patentes; em tais casos, a despesa é designada como depreciação ou amortização. Esses
procedimentos de alocação destinam-se a reconhecer despesas nos períodos contábeis em que os
benefícios econômicos associados a tais itens sejam consumidos ou expirem.

Uma despesa é reconhecida imediatamente na demonstração do resultado quando um gasto


não produz benefícios econômicos futuros ou quando, e na extensão em que os benefícios
econômicos futuros não se qualificam, ou deixam de se qualificar, para reconhecimento no balanço
patrimonial como um ativo.

Uma despesa é também reconhecida na demonstração do resultado quando um passivo é


incorrido sem o correspondente reconhecimento de um ativo, como no caso de um passivo
decorrente de garantia de produto.

Mensuração dos Elementos das Demonstrações Contábeis

Mensuração é o processo que consiste em determinar os valores pelos quais os elementos


das demonstrações contábeis devem ser reconhecidos e apresentados no balanço patrimonial e na
demonstração do resultado. Esse processo envolve a seleção de uma base específica de mensuração.

Diversas bases de mensuração são empregadas em diferentes graus e em variadas


combinações nas demonstrações contábeis. Essas bases incluem o seguinte:

(a) Custo histórico. Os ativos são registrados pelos valores pagos ou a serem pagos em
caixa ou equivalentes de caixa ou pelo valor justo dos recursos que são entregues para
adquiri-los na data da aquisição, podendo ou não ser atualizados pela variação na
capacidade geral de compra da moeda. Os passivos são registrados pelos valores dos
recursos que foram recebidos em troca da obrigação ou, em algumas circunstâncias (por
exemplo, imposto de renda), pelos valores em caixa ou equivalentes de caixa que serão
necessários para liquidar o passivo no curso normal das operações, podendo também, em
certas circunstâncias, ser atualizados monetariamente.
ANEXO V – RECONHECIMENTO DOS ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES 89
CONTÁBEIS, DE ACORDO COM O PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO DO
CPC
(b) Custo corrente. Os ativos são reconhecidos pelos valores em caixa ou equivalentes de
caixa que teriam de ser pagos se esses ativos ou ativos equivalentes fossem adquiridos na
data do balanço. Os passivos são reconhecidos pelos valores em caixa ou equivalentes de
caixa, não descontados, que seriam necessários para liquidar a obrigação na data do
balanço.
(c) Valor realizável (valor de realização ou de liquidação). Os ativos são mantidos pelos
valores em caixa ou equivalentes de caixa que poderiam ser obtidos pela venda numa forma
ordenada. Os passivos são mantidos pelos seus valores de liquidação, isto é, pelos valores
em caixa e equivalentes de caixa, não descontados, que se espera seriam pagos para liquidar
as correspondentes obrigações no curso normal das operações da entidade.
(d) Valor presente. Os ativos são mantidos pelo valor presente, descontado, do fluxo futuro
de entrada líquida de caixa que se espera seja gerado pelo item no curso normal das
operações da entidade. Os passivos são mantidos pelo valor presente, descontado, do fluxo
futuro de saída líquida de caixa que se espera seja necessário para liquidar o passivo no
curso normal das operações da entidade.

A base de mensuração mais comumente adotada pelas entidades na preparação de suas


demonstrações contábeis é o custo histórico. Ele é normalmente combinado com outras bases de
avaliação. Por exemplo, os estoques são geralmente mantidos pelo menor valor entre o custo e o
valor líquido de realização, os títulos e ações negociáveis podem em determinadas circunstâncias ser
mantidos a valor de mercado e os passivos decorrentes de pensões são mantidos pelo valor presente
de tais benefícios no futuro. Além disso, em algumas circunstâncias entidades usam a base de custo
corrente como uma resposta à incapacidade do modelo contábil de custo histórico enfrentar os
efeitos das mudanças de preços dos ativos não monetários.
90 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

ÍNDICE REMISSIVO

A Despesa orçamentária . 23, 38, 39, 40,


63, 65, 79
Ágio ........................................... 30, 88 Despesas .................. 26, 39, 83, 84, 87
Amortização11, 19, 25, 28, 29, 43, 66, Despesas de exercícios anteriores ..39
70, 71, 72, 73, 74, 75, 78, 79, 88 Disponibilidades ........................25, 73
Anexo de metas fiscais ................... 35 Avaliação e mensuração ........................ 25
Ativo .......................................... 16, 52
E
Conceito..................................................18
Avaliação patrimonial ..................... 24 Estoques ....................................26, 73
Avaliação e mensuração ........................ 26
B
Exaustão11, 25, 28, 43, 70, 71, 72, 73,
Balanço financeiro .......................... 65 74
Balanço orçamentário..................... 65
F
Balanço patrimonial19, 25, 26, 42, 63,
64, 73, 75, 78, 79 Frustração na arrecadação ..............36
C G

Classificação funcional .................... 45 Gasto ...............................................45


Classificação institucional ............... 45 Goodwill ..........................................30
Classificação programática ............. 45 I
Competência ................. 16, 34, 51, 88
Imobilizado ................................ 28, 74
Conselho federal de contabilidade 12, Avaliação e mensuração ........................ 28
23 Impairment.. 25, 29, 43, 72, 74, 75, 76
CPC ...................................... 18, 80, 86 Influência significativa ....................24
Créditos e obrigações Intangível ...................................29, 75
Avaliação e mensuração .........................26 Avaliação e mensuração ........................ 29
Custo ............................. 45, 67, 88, 89 Investimentos permanentes .....27, 74
Custos... 11, 26, 27, 35, 44, 45, 57, 58, Avaliação e mensuração ........................ 27
61, 67, 75, 77, 78, 81
L
D
Lei 4.320/64.....................................77
Déficit patrimonial .......................... 41 LRF ....................................... 34, 35, 45
Demonstração do resultado
M
econômico .................................. 66
Demonstração dos fluxos de caixa . 66 Mensuração .....................................24
Depreciação 11, 25, 28, 29, 33, 43, 44, Método da equivalência patrimonial
70, 71, 72, 73, 74, 84, 88 .....................................................27
Despesa Método do custo ..............................28
Sob o enfoque patrimonial .....................23 Método linear..................................44
Despesa ........................................... 45
ÍNDICE REMISSIVO 91

N Sob o enfoque patrimonial .................... 23


Receita orçamentária .... 36, 37, 40, 65
Nbc t 16 54, 56, 57, 58, 59, 63, 67, 68,
Receitas ...........................................23
70, 72
Receitas ............................... 83, 84, 87
Normas brasileiras de contabilidade
Redução ao valor recuperável .........25
............................ 12, 13, 50, 54, 59
Redução ao valor recuperável...42, 75
Normas brasileiras de contabilidade
Resolução cfc nº 1111/07 ...............48
aplicadas ao setor público .......... 54
Restos a pagar ...........................39, 79
Notas explicativas ........................... 44
Resultado patrimonial .....................41
O
S
Oportunidade ..................... 13, 34, 49
Superávit patrimonial ......................41
P Suprimento de fundos.....................39
Passivo ...................................... 16, 52 V
Conceito..................................................19
Patrimônio líquido Valor bruto contábil: .......................25
Conceito..................................................22 Valor da reavaliação ........................25
Patrimônio público ............. 18, 56, 59 Valor da redução do ativo a valor
Perda ............................................... 45 recuperável ..................................25
Plano de contas aplicado ao setor Valor de aquisição ...........................25
público ........................................ 34 Valor de mercado ............................25
Princípio da atualização monetária 14, Valor em uso ...................................25
51 Valor justo (fair value) ....................25
Princípio da competência ............... 15 Valor líquido contábil .....................25
Princípio da continuidade ......... 12, 49 Valor realizável líquido ...................25
Princípio da entidade ...................... 12 Valor recuperável ......................25, 73
Princípio da oportunidade .............. 13 Valor residual ..................................43
Princípio da prudência .................... 16 Variação patrimonial aumentativa 23,
Princípio do registro pelo valor 27, 32, 36, 37
original ........................................ 13 Variação patrimonial aumentativa
Principios fundamentais da Independente da execução orçamentária
........................................................... 33
contabilidade .............................. 12 Resultante da execução orçamentária... 33
Princípios fundamentais de Variação patrimonial diminutiva ....23,
contabilidade 12, 16, 34, 35, 45, 48, 33, 38, 39, 40, 41, 43, 45, 75
55, 59, 61 Variação patrimonial diminutiva
Provisões ........... 26, 42, 56, 64, 73, 82 Independente da execução orçamentária
Prudência ........................................ 52 ........................................................... 33
Resultante da execução orçamentária... 33
R
Variações patrimoniais ........ 30, 59, 66
Reavaliação ..................................... 24 Variações patrimoniais aumentativas
Reavaliação ............................... 42, 75 .....................................................30
Receita Variações patrimoniais diminutivas 30
92 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS – 2º EDIÇÃO

Variações patrimoniais qualitativas 31 Vida Útil ...........................................43