You are on page 1of 25

HERMES TRIMEGISTO

A LENDA
Hermes era fruto de mais um dos amores proibidos do grande
Senhor Olímpico, era filho de Zeus e Maia, uma bela ninfa, filha do
Titã Atlas, e uma das plêiades. Hera, a implacável esposa de Zeus,
lançou sua raiva e ciúme sobre a ninfa, fazendo-a fugir para as
montanhas, onde se escondeu numa caverna do Monte Cilene para
dar à luz.

Exausta pela fuga e pelo trabalho de parto, Maia adormeceu


depois de enrolar o bebê em faixas e colocá-lo numa cesta, no vão de
um salgueiro, árvore sagrada que simbolizava a fecundidade e a
imortalidade.

Assim que viu a mãe em sono profundo, o ágil Hermes livrou-se


das faixas e saiu em busca de aventura.

Queria mostrar aos deuses suas habilidades para ser aceito entre
eles, provando ser digno de sua condição divina.

Então decidiu roubar o gado real que Apolo, o deus Sol, cultivava
nos campos do rei Admeto, na Tessália. Levou cinqüenta reses.

Para encobrir os rastros, amarrou ramos secos nas patas e


caudas dos animais e escondeu-os numa caverna.

Apolo, que estava distraído, nada percebeu. Quando descobriu o


roubo, pediu aos sátiros de Sileno para procurarem o gado.

Hermes matou dois animais como oferenda aos deuses. Das


tripas esticadas e secas ao fogo fez as cordas que prendeu no casco
vazio de uma tartaruga. E assim, mostrando sua genialidade, criou a
lira, instrumento símbolo das artes na cultura ocidental. Depois,
enrolou-se novamente nas faixas, deitou-se no berço e adormeceu.

Quando Apolo compreendeu a trama, carregou Hermes para ser


julgado perante Zeus. Zeus interrogou habilmente o filho, que insistia
em negar sua façanha.
Zeus

Depois de muita discussão, Zeus - que, no fundo, se divertia


muito com as proezas do menino - ordenou a Hermes que devolvesse
o gado e pedisse desculpas a Apolo. Então, advertiu-o que deveria
respeitar a propriedade e prometer que nunca mais mentiria. Ao que
Hermes respondeu: "Se assim é, faz de mim teu arauto, Pai e ficarei
responsável pela segurança de toda a propriedade divina, não direi
mais mentiras, se bem que não possa prometer que direi sempre
toda a verdade".

Zeus sagrou Hermes o Mensageiro dos Deuses, aquele que fazia


a "ponte" entre deuses e deuses, entre deuses e homens e entre
homens e homens. Era o único ser que podia descer aos Ínferos e
retornar a Terra. Conduzia as almas ao reino dos mortos, o mundo de
Hades, ao qual tinha livre acesso. Viajava constantemente entre o
Olimpo, a Terra e os Ínferos.

Hermes pode ser considerado o grande solteirão do Olimpo.


Nunca se casou e tampouco teve uma companheira constante. Porém
teve inúmeras aventuras amorosas e muitos filhos.

O seu caso amoroso mais importante foi com Afrodite.

Afrodite

Desta união de uma noite só, nasceu Hermafrodita, um ser bissexual


representado como um jovem com seios femininos e longos cabelos,
cujos genitais são masculinos.
A lenda de Hermes e seu culto sobreviveram até o século XVII
através de Hermes Trimegisto, que se tornou para o mundo greco-
latino, e, sobretudo em Roma, um deus muito importante.

Resultante de um sincretismo entre o Hermes olímpico, o


Mercúrio romano e o Thoth egípcio, que teria criado o mundo por
meio da palavra, Hermes Trimegisto era "Hermes três vezes
Máximo", como seu nome indica.

Dele restou uma obra literária, composta de vários escritos


reunidos sob a epígrafe de "Corpus Hermeticum", que é uma fusão de
Filosofia, Religião, Alquimia, Magia e, especialmente, Astrologia.

Mais conhecido por seu nome romano, Mercúrio, era o


Mensageiro dos Deuses.

Os romanos o chamavam Mercúrio e o retratavam com sandálias


aladas e um chapéu.
O MITO
Na mitologia grega ele foi identificado como o mensageiro dos
deuses.

Hermes Trimegisto, "três vezes o maior", era como os gregos


antigos o chamavam.

Conhecido como o protetor das fronteiras e do comércio, ele instituiu


a Alquimia, que se tomou depois à arte da química e da medicina; a
astrologia que formou a base da astronomia; a matemática, a
filosofia e praticamente todas as ciências modernas.

Hermes Trimegisto, sábio três vezes, foi o primeiro sábio que


transmitiu o conhecimento divino e celeste para a humanidade por
escrito: filosofia, química e Cabala.

Alguns afirmam que ele teria sido faraó egípcio. Outros que ele
teria escrito seus ensinamentos em hebraico, o que faz com que se
suponha que fosse hebreu. Viveu durante a época de Moisés, e sendo
faraó, foi iniciado nos mistérios do sacerdócio, preparado para
exercer as funções de rei.

Simbolizava a escrita, o dom da fala e tinha também o dom de


vivificar, pois teria curado o olho do deus Horus.

A tradição egípcia o tinha como mago por ter o dom e o domínio


sobre as palavras.

Hermes também foi chamado de “Ter Maximus” porque tinha


conhecimento perfeito de todas as coisas que existem no mundo.
Hermes, considerado contemporâneo de Abraão, desenvolveu
grande parte do que se tornaria a base para os ensinamentos
esotéricos.

"Os princípios herméticos” podem ser encontrados tanto na mais


antiga das doutrinas indianas quanto nos pergaminhos dos egípcios
antigos, pois os homens sábios vinham de todas as partes para
sentar-se aos pés do hábil Mestre.

Hermes foi e é o Grande Sol Central do Ocultismo, da magia e da


Cabala, cujos raios têm iluminado todos os ensinamentos que foram
publicados desde o seu tempo.

Suas verdades foram conservadas por um pequeno número de


homens, que não esqueceram ou desprezaram seus ensinamentos,
que tratam da Verdade para aqueles que estão preparados para
recebê-la. Sua obra Caibalion planta sementes verdadeiras. Em seus
preceitos, Hermes revela: “Os lábios da Sabedoria estão fechados,
exceto aos ouvidos do Entendimento”.

Unido ao saber teórico, Hermes deixou escritos de caráter mais


prático ligados à magia e à astrologia.

A suas idéias sobre magia pressupõe a existência de fluxos


cósmicos que têm a capacidade de influir na vida terrena. O mago de
forma habilidosa pode canalizar estes fluxos para obter o que deseja.
Isto pode acontecer porque tudo forma uma unidade, tudo está
relacionado com tudo: a mente está em contato com o Espírito e este
com a matéria.

Essas idéias podiam ser colocadas em prática baseadas na astrologia.


Para acionar a energia de um determinado planeta era necessário
conhecer quais os seres do mundo físico (plantas, pedras, animais)
eram associadas a ele. Este conhecimento permitia ao mago o
preparo de talismãs que facilitavam a comunicação com o planeta
determinado. O mago que quisesse captar as forças do planeta
Vênus, devia saber quais as plantas correspondentes a Vênus, assim
como as pedras, metais e animais e utilizá-los ao se dirigir a Vênus.

"Todo saber é o sonho do impossível, mas ai de quem não ousa


aprender tudo e não sabe que para aprender alguma coisa, é preciso
resignar-se e estudar sempre! Dizem que para bem aprender é
preciso esquecer várias vezes..."

A obra de Hermes se refere ao surgimento do cosmos, origem dos


deuses, origem do homem, princípios de moralidade, valor da
palavra, valor do conhecimento. Envolve ainda temas como a
salvação do homem, magia, alquimia e astrologia.

A literatura hermética divide-se em dois segmentos: num estão os


tratados filosóficos (Corpus Hermeticum e Asclépio) e no outro estão
incluídos temas como astrologia, alquimia e magia.
“Corpus Hermeticum” e “ Asclépio” contém temas diversos que
tratam da idéia da salvação do homem através da aquisição de
conhecimento. O homem, segundo suas obras, pode alcançar a
salvação por meio do conhecimento teórico ou praticando
determinados rituais.

Pensamentos relacionados à Cabala:


A necessidade de crer liga-se estreitamente à necessidade de amar.
É por isso que as almas têm necessidade de comungar com as
mesmas esperanças e com o mesmo amor. As crenças isoladas não
passam de dúvidas.

A fé não se inventa, não se impõe não se estabelece por convicção


política; manifesta-se, como a vida, com uma espécie de fatalidade.

A essência do objeto religioso é o mistério, uma vez que a fé


começa no desconhecido e abandona todo o resto às investigações da
ciência. Mas para que o ato de não seja um ato de loucura, a razão
quer que ele seja dirigido e regulado. Chega-se então a uma dupla
definição; a verdadeira religião natural é a religião revelada, acima
das discussões humanas pela comunhão da fé, da esperança e da
caridade. Não há religião sem mistérios e nem mistérios sem
símbolos.

Metáforas não deveriam ser confundidas com realidade, nem fé com


história.

Crer e saber são dois termos que nunca se podem confundir.


Ousemos apenas confirmar que existe um fato imenso, igualmente
apreciável pela fé e pela ciência, um fato que torna Deus visível de
algum modo sobre a terra, um fato incontestável e de alcance
universal; esse fato é a manifestação no mundo, a partir da época
em que começa a revelação cristã, de um espírito evidentemente
divino, mais positivo que a ciência em suas obras, mais
magnificamente ideal em suas aspirações que a mais elevada poesia,
um espírito para o qual era preciso criar um nome novo e que é,
tanto para a ciência quanto para a fé, a expressão do absoluto; a
palavra é caridade e o espírito de que falamos é o espírito da
caridade.

Diante da caridade, a fé e a ciência inclinam-se vencidas. Ela, por si


só, leva à compreensão de Deus porque contém uma revelação
inteira.

A UNIDADE
Para os iniciados da cabala, Deus é a unidade absoluta. A unidade da
inteligência humana demonstra a unidade de Deus.

Na cabala, a unidade é o princípio, a síntese dos números, é a idéia


de Deus e do homem, é a aliança da razão e da fé. A fé não pode ser
oposta à razão, é exigida pelo amor, é idêntica à esperança. Amar,
acreditar e esperar, e esse triplo ímpeto da alma é chamado virtude,
porque é preciso coragem para realizá-la.

A MAGIA e A CABALA
A verdadeira magia, isto é, a ciência tradicional dos magos, é inimiga
mortal dos encantadores; ela impede ou faz cessar os falsos
milagres, hostis a luz e fascinadores de um pequeno número de
testemunhas despreparadas ou crédulas.

A desordem aparente nas leis da natureza é uma mentira; não é,


pois, uma maravilha.

Foi a alta magia que, apoiando o universo sobre as duas colunas de


Hermes e Salomão, dividiu o mundo metafísico em duas zonas
intelectuais, uma branca e luminosa encerrando as idéias positivas, a
outra negra e obscura contendo as idéias negativas, e que deu à
noção sintética da primeira o nome de Deus, à síntese da outra, o
nome de Satã.
O diabo é o uso abusivo de uma força natural; não é nenhuma
pessoa nem uma força; é um vício e, por conseguinte, uma fraqueza.
O inferno não é um lugar, é um estado.

Existe um poder gerador das formas, que cria segundo as leis das
matemáticas eternas, pelo equilíbrio universal. Os signos primitivos
do pensamento delineiam-se por si só na luz, que é o instrumento
material do pensamento. Deus é a alma da luz. A luz universal e
infinita é para nós como o corpo de Deus. A cabala ou a alta magia é
a ciência da luz.

A reforma religiosa de Moisés era inteiramente cabalística, e que o


cristianismo, no instituir um dogma novo, simplesmente
reaproximou-se das fontes primitivas do mosaísmo, e que o
Evangelho não é mais que um véu transparente lançado sobre os
mistérios universais e naturais da iniciação oriental.

Na cabala hebraica, o verbo ou a palavra, segundo os iniciados dessa


ciência, é toda a revelação.

Alquimia

A alquimia, precursora da química e da medicina, foi a ciência


principal da idade média. A busca da pedra filosofal e da capacidade
de transmutação dos metais incluía não só as experiências químicas,
mas também uma série de rituais. A filosofia Hermética era um dos
seus alicerces, assim também como partes de Cabala e da Magia.

Ao longo do tempo, diversos alquimistas descobriram que a


verdadeira transmutação ocorria no próprio homem, numa espécie de
Alquimia da Alma; diversos outros permaneceram na busca sem
sucesso do processo de transformações de metais menos nobres em
ouro; afirma-se que alguns mestres atingiram seus objetivos.

A alquimia também se preocupava com a Cosmogonia do Universo,


com a astrologia e a matemática. Os escritos alquímicos constituíam-
se muitas vezes, de modo codificado ou dissimulado, daí, talvez a
conotação dada ao termo hermético (fechada), acessível apenas para
os iniciados.

A alquimia é das ciências ocultas que, atualmente, mais interesse


tem despertado não só pelos inúmeros livros que ao longo dos
tempos foram escritos sobre a Arte Hermética, mas também, pela
curiosidade de saber algo sobre a veracidade da misteriosa Pedra
Filosofal, também conhecida por Medicina Universal.

Tem-se escrito muito sobre o simbolismo alquímico encontrado nas


catedrais, palácios e até casas senhoriais. É deveras um trabalho
fascinante procurar desvendar o segredo contido nessas figuras
esculpidas na pedra pelos artistas nossos antepassados como
testemunho do seu envolvimento na ciência de Hermes.

No simbolismo alquímico, tanto quanto sabemos, não existiam nem


existem regras fixas. Tudo era, e ainda é deixado à imaginação dos
seus autores e à sua criatividade. Por isso, como é óbvio, isto dá
vazão a especulações ditas "filosóficas" que, muitas vezes, nada têm
a ver com a realidade alquímica.

Durante muito tempo a alquimia foi sinônimo de charlatanismo. Muito


do descrédito da alquimia era devido à falta de publicações sérias,
pois muitas delas eram imitações grosseiras, feitas por falsos
alquimistas nas quais se une o absurdo com a ignorância.

Atualmente, devido ao grande número de traduções das obras


clássicas mais importantes dos grandes Mestres, a opinião de muitas
pessoas mudou completamente.

A palavra alquimia, do árabe, "al-khimia", tem o mesmo significado


de química, só que esta química, antigamente designada por
espagíria, não é a que atualmente conhecemos, mas sim, uma
química transcendental e espiritualista. Sabe-se, que “AL”, em árabe,
designa Ser supremo o Todo-Poderoso, como Al-lah. O termo
alquimia designa desde os tempos mais recuados, a ciência de Deus,
ou seja, a química de Al.

A alquimia é a arte de trabalhar e aperfeiçoar os corpos com a ajuda


da natureza. No sentido restrito do termo, a alquimia sendo uma
técnica é, por isso, uma arte prática. Como tal, ela assenta sobre um
conjunto de teorias relativas à constituição da matéria, à formação de
substâncias inanimadas e vivas, etc.

Para um alquimista, a matéria é composta por três princípios


fundamentais, Enxofre, Mercúrio e Sal, os quais poderão ser
combinados em diversas proporções, para formar novos corpos.
A alquimia operativa, aplicação direta da alquimia teórica, é a procura
da pedra filosofal. Ela reveste-se de dois aspectos principais: a
medicina universal e a transmutação dos metais, sendo uma, a prova
real da outra.

Um alquimista, normalmente, era também um médico, filósofo e


astrólogo, tal como Paraselso, Alberto o Grande, Raimundo Lúlio,
Santo Agostinho, Frei Basílio Valentim e tantos outros grandes
Mestres hoje conhecidos pelas suas obras reputadas de verdadeiras.

Cada Mestre tinha os seus discípulos a quem iniciava na Arte,


transmitindo-lhe os seus conhecimentos. Além disso, para que esse
conhecimento perdurasse pelos tempos, transmitiram-no também por
escrito, nos livros que atualmente conhecemos quase sempre escritos
sob pseudônimo, de forma velada, por meio de alegorias, símbolos ou
figuras.

É isto que dificulta o estudo da alquimia, porque esses símbolos e


figuras não têm um sentido uniforme. Tudo era, e atualmente ainda é
deixado à obra e imaginação dos seus autores.

Eles não procuram o impossível, como vulgarmente se diz, mas sim a


confirmação do que está descrito nos antigos tratados, que os
Mestres nos legaram com vista à obtenção da Medicina Universal ou
Pedra Filosofal.

O alquimista não é um fazedor de ouro como muita gente pensa. A


transmutação só terá lugar, como já dissemos como prova da
veracidade da medicina universal ou pedra filosofal.

Hoje, como no passado, existem também alquimistas. Encontram-se


em todos os extratos sociais, tal como diz Cyliani em Hermes
Revelado: «Reis da Terra, se conhecêsseis o grande número de
pessoas que se entregam, em segredo, nos nossos dias, à procura da
pedra filosofal, ficaríeis admirados.»

Os seus adeptos normalmente trabalham em silêncio, num recanto


das suas casas, onde têm instalado o seu pequeno laboratório. Os
seus instrumentos são cópia daqueles que os seus antepassados
usaram, embora adaptados às condições atuais da energia calórica.

Hoje, a alquimia coabita pacificamente com a ciência e não é raro ver


indivíduos com formação superior nos ramos da ciência, da medicina
e das letras, praticarem a Arte Real.

Foram escritos milhares de livros sobre a Arte, pois ao que parece,


desde fins da Idade Média até ao século XIX, a alquimia esteve na
moda, e não só os gentis homens, nobres e cavaleiros, religiosos,
clérigos e até alguns reis e papas, não só escreveram tratados sobre
a Arte de Hermes, como também freqüentemente a praticaram.
Como é óbvio, isso deu origem a que fossem escritos muitos livros
que nada têm a ver com a verdadeira alquimia.

Atualmente, os livros sobre a Arte Hermética são muito procurados.


Infelizmente, existem muitos livros que aparentam ser obras sérias,
mas não passam de pura especulação. Mesmo assim, são adquiridos
não só por curiosidade, mas também na esperança de deles se extrair
alguns conhecimentos que permitam descobrir algo novo.

Para a felicidade dos pesquisadores, livros sérios existem e são hoje


bem conhecidos pelos estudiosos e investigadores da alquimia.
Muitos deles estão compilados no Theatrum Chemicum, na
Bibliotheca de Mangeti e na Bibliothéque des Philosophes Chimiques
de Salmon.

Há autores clássicos e, sobretudo, alguns modernos que, nos seus


livros, encobrem intencionalmente o nome das matérias e o modus
operandi, quando o poderiam ter feito numa linguagem subtil e
filosófica, apenas entendida pelos verdadeiros alquimistas. Esses
artistas eram, e ainda são chamados "invejosos". No entanto, alguns
Mestres como Alberto o Grande e Nicolau Flamel descreveram
algumas das suas obras em linguagem clara, como refere Alberto o
Grande no seu livro O Composto dos Compostos:

«Não ocultarei uma ciência que me foi revelada pela graça de Deus,
não a guardarei ciosamente para mim, por temor de atrair a sua
maldição. Qual a utilidade de uma ciência guardada em segredo, de
um tesouro escondido? A ciência que aprendi sem ficções, vo-la
transmito sem pena. A inveja transtorna tudo, um homem invejoso
não pode ser justo ante Deus.Toda a ciência e toda a sabedoria
provêm de Deus...»

No entanto, também recomenda que ela não seja revelada a quem


não for merecedor de tais conhecimentos. Este é um procedimento
que normalmente era e ainda é usado para se transmitir a outrem o
nome das matérias e o modus operandi da Obra.

«Recolhei as minhas palavras, lembrai-vos quantos mistérios


encerram, porque neste curto trabalho reuni e expliquei o que mais
de secreto há na alquimia; tudo foi dito simples e claramente, não
omiti nada, tudo se encontra brevemente indicado e tomo Deus por
testemunha de que nos livros dos Filósofos não se pode encontrar
melhor do aquilo que vos disse. Por isso, te suplico, não confies este
tratado a ninguém, não o deixes cair em mãos ímpias, porque
encerra segredos dos filósofos de todos os séculos. Tal quantidade de
pérolas preciosas não deve ser deitada aos porcos e aos indignos. Se,
não obstante, isso suceder, rogo, então a Deus Todo-Poderoso que
não consigas terminar, jamais, esta Obra divina.»

PRINCÍPIOS HERMÉTICOS

Nenhum fragmento dos conhecimentos ocultos possuídos pelo


mundo foi tão zelosamente guardado como os fragmentos dos
Preceitos Herméticos, que chegaram até nós, através dos séculos
passados desde o tempo de seu grande estabelecedor, Hermes, o
Trimegisto, o Mensageiro dos Deuses.

A palavra "conhecimento" corresponde exatamente à palavra


grega "Gnosis", que os iniciados criaram, para não atribuir a si o
maior atributo da Divindade, que é a Ciência.

"O Homem nada sabe, mas é chamado a tudo conhecer."

Do antigo Egito vieram preceitos fundamentais esotéricos


ocultos, que influenciaram todas as raças, nações e povos. O Egito foi
a pátria da Sabedoria Secreta, dos ensinamentos místicos e dele,
todas as nações receberam a Doutrina Secreta.

Todos os preceitos fundamentais básicos introduzidos nos ensinos


esotéricos de cada raça foram formulados por Hermes. Mesmo os
mais antigos preceitos da Índia tiveram indubitavelmente a sua fonte
nos Preceitos Herméticos originais.

De todos os lados do mundo antigo vinham os Mestres para se


prostrarem aos pés do Mestre maior. E ali obtiveram a Chave-Mestra
que explicava e reconciliava seus diferentes pontos de vista e assim
foi consolidada a Doutrina Secreta.

Todos consideravam Hermes, o Mestre dos Mestres.

A obra de Hermes foi feita para implantar a grande Verdade-


Semente e disseminou rapidamente. Todavia as verdades originais
ensinadas por ele foram conservadas intactas em sua pureza original,
por pequeno número de homens e tem sido transmitida entre esses
poucos, dos lábios aos ouvidos.

Sempre existiram alguns Iniciados que conservaram viva a


chama sagrada dos Princípios Herméticos, e cuidando do Altar da
Verdade, procuraram manter sempre acesa a lâmpada Perpétua da
Sabedoria.

Nunca procuraram grande número de seguidores, nem se


preocuparam com a aprovação popular, indiferentes porque sabem
que poucos em cada geração estão preparados para a verdade e a
reconhecerão quando ela lhes for apresentada.

Reservam a carne para os homens feitos, enquanto outros dão


leite às crianças.

Em qualquer lugar que se ache vestígios do Mestre, os ouvidos


dos que estiverem preparados para ouvir os seus ensinamentos se
abrirão completamente. E quando os ouvidos estão preparados para
ouvir, então vêm os lábios para enchê-los com Sabedoria. No mais,
os lábios estarão fechados, exceto para os ouvidos do Entendimento.

Mas não se pode obrigar uma raça mediana a admitir a verdade,


reservada aos mais adiantados no caminho; o espírito da perseguição
ainda não desapareceu da terra.

Se certos Preceitos herméticos fossem divulgados, seus


propagadores seriam odiados e perseguidos...

CAIBALION significa tradição ou preceitos manifestados por um


Ente superior.

No Egito funcionava a maior Loja dos Místicos. Por suas portas


passaram Neófitos, que mais tarde, como Hierofantes, Adeptos e
Mestres saíram para todas as partes do mundo, levando e
transmitindo aos que mereciam os preciosos ensinamentos que
receberam.

Por mais de um milênio, suas doutrinas permaneceram ocultas,


acessíveis a pouquíssimas pessoas. Elas ficaram escondidas nos
mistérios do ocultismo quando as sombras da idade média pairavam
sobre a Europa e a terra estava repleta de guardiões da fé que
torturavam e matavam todos que ousavam investigar os "segredos
obscuros".

Hoje, muito se escreve sobre o conhecimento de Hermes e


especialmente sobre os sete princípios por ele postulados, que
formaram a pedra angular de todo conhecimento. A redescoberta
destes princípios, feita por estudiosos que desenterraram manuscritos
antigos em busca de sabedoria milenar, despertou grande interesse
recentemente. Estes princípios, se utilizados, ajudam as pessoas a
crescer e a amadurecer.
OS SETE PRINCÍPIOS DE HERMES
Estes sete princípios são leis imutáveis da natureza, eles não podem
ser alterados ou destruídos, entretanto, a lei pode ser usada contra a
lei, o mais alto contra o mais baixo, o mais baixo contra o mais alto.

Uma tora de madeira que está na corrente de um rio é levada por


ele, está à mercê da correnteza.

Uma pessoa que nada na direção da corrente, pode usar os


princípios de causa e efeito ou ação e reação para alcançar a margem
do rio e não ser levado por ele.

E para alcançar a margem basta apenas nadar, sem precisar


conhecer os princípios, mas... se os conhecer e os utilizar chegarão à
margem mais rapidamente e com maior segurança.

O mundo em que vivemos é uma espécie de rio, onde você pode


optar entre ser a tora de madeira e deixar-se levar ou ser uma
pessoa que busca os seus objetivos nadando ativamente para a
margem desejada.

É claro que um Grande Pontífice sabe construir pontes para o seu


próprio sucesso e para uma vida melhor para a humanidade, mas
utilizando os Sete Princípios Poderosos, a ponte ficará pronta em
menos tempo, será mais resistente e permitirá um maior número de
pessoas atravessá-la, para construírem juntas o Grande Templo da
Humanidade

O Princípio do Mentalismo;

O Princípio da Correspondência;

O Princípio da Vibração;

O Princípio da Polaridade;

O Princípio do Ritmo;

O Princípio da Causa e Efeito;

O Princípio do Gênero.

1- O PRINCÍPIO DO MENTALISMO: O UNIVERSO


É UMA CRIAÇÃO MENTAL DE DEUS.
O Todo é mental e o Universo é Mental.

O Todo é Espírito, é indefinível em si mesmo, mas considerado como


uma Mente Vivente Infinita e Universal. Todo o Universo é
simplesmente uma Criação Mental do Todo, sujeito às Leis das Coisas
Criadas, e tem sua existência na Mente do Todo, em cuja Mente
vivemos e temos nossa existência.

Imediatamente esbarramos no grande problema inerente a este


princípio, em geral ele é mal interpretado pelas pessoas.

Isto acaso significa que somos o sonho de alguma entidade infinita,


tão distante de nós que nunca poderemos esperar que tenhamos um
vislumbre de compreensão da natureza de DEUS, e, portanto, da
nossa própria.

Somos robôs sem poder, de algum cientista de laboratório


onipotente? Somos criaturas destituídas de vontade própria? Não é
assim.

Assim como o personagem de um romance é a criação do romancista


e, portanto, um aspecto dele, nós todos somos parte do Criador,
assim como o é tudo no Universo.

Nós somos aspectos da totalidade da criação. Assim como somos em


relação a Deus, assim o nosso Universo é em relação a nós.

O seu mundo é muito real e muito seu. Mas pode não ser o meu
mundo, pois, no sentido relativo, meu mundo é uma criação de
minha mente, assim como o seu mundo é uma criação de sua mente.

Todas as coisas são vistas da posição relativa de nossas mentes e do


que você pensa que vê. É claro que todos estão certos, porque você
realmente vê aquilo que pensa que vê.
Isto é verdadeiro apenas porque o mundo que vemos é a nossa
criação mental; assim, se nós o criamos, poderemos, caso
desejarmos, recriá-lo (para melhor ou pior).

Todo o Universo é Mental e quando o Homem dominar sua própria


Mente a colocará em sintonia com a Mente Universal e terá o domínio
da Verdade.

2. O PRINCÍPIO DA CORRESPONDÊNCIA: ASSIM


NO CÉU COMO NA TERRA; ASSIM NA TERRA
COMO, NO CÉU.
O Princípio de Correspondência habilita o Homem a raciocinar
inteligentemente do Conhecido ao Desconhecido.

Assim como acontece no plano físico, acontece no plano mental e,


assim como acontece no plano mental, assim acontece no plano
físico.

Se você aprender a controlar a sua mente, aprenderá a controlar o


seu próprio mundo, pois assim como o Universo é urna criação
mental de Deus, também o seu mundo pessoal é uma criação mental
própria.

3. O PRINCÍPIO DA VIBRAÇÃO: TODAS AS


COISAS ESTÃO EM CONSTANTE E
ININTERRUPTO MOVIMENTO. UMA MUDANÇA
NA VIBRAÇÃO CAUSA UMA MUDANÇA NA
MANIFESTAÇÃO.
Nada está parado, tudo se move tudo vibra. Aquele que compreende
o Princípio da Vibração alcançou o Cetro do Poder.

O dia que o Homem conseguir dominar as 7 escalas da Vibração,


elevar-se-á às vibrações mais sutis, ele receberá do Universo tudo o
que necessita, basta dizer-se que até agora, estamos na 3ª escala,
isto é, nas mais materiais vibrações conhecidas.

A saúde é uma vibração. A doença tem uma vibração. O sucesso tem


uma vibração e o fracasso tem uma vibração. Ao mudar a vibração,
você muda a manifestação.

Quanto mais elevada for a vibração, tanto mais elevada será a


posição na escala...
4. O PRINCÍPIO DA POLARIDADE: T0DAS AS
COISAS SÃO DUPLAS. TUDO TEM SEU PAR DE
OPOSTOS, E ESTES OPOSTOS SÃO DE
NATUREZA IDÊNTICA, DIFERIMOS APENAS NO
GRAU.

Quente e frio são a mesma coisa, como ficou provado no princípio


anterior. Medo e fé. O medo é uma expectativa negativa, você está
esperando que alguma coisa ruim aconteça; fé é uma expectativa
positiva, você está esperando que alguma coisa boa aconteça.
Diferem no grau, mas ambas são expectativas.

Tudo é duplo, tudo em pólos, tem o seu oposto, seu par contrário. O
igual e o diferente são a mesma coisa; os opostos são idênticos em
natureza, só diferem em grau. Os extremos se tocam, todas as
verdades são meias-verdades, todos os paradoxos podem ser
reconciliados.

O Bem e o Mal, O frio e o Calor, a Inteligência e a Ignorância, tudo é


igual. É só uma questão de graus a mais ou a menos.

Tudo existe e não existe ao mesmo tempo, há dois lados de tudo,


todo verso tem o seu reverso, Bem e Mal são a mesma coisa, apenas
um é menos Mal e o outro é menos Bem.

O Baixo não passa de menos Alto, basta dizer que uma pessoa de
determinada raça é mais baixa que outras raças que tem média mais
alta.
O mundo, com toda certeza, seria melhor se ao invés de "Amai o
vosso próximo" tivesse sido dito: "Veja o vosso próximo de um ponto
de vista positivo".

Amar a alguém que está em desacordo com os nossos princípios é


difícil, mas ver este próximo de um ponto de vista positivo é fácil.

E ponto de vista positivo é amor. O amor sempre é solução.

5. O PRINCÍPIO DO RÍTMO: TODAS AS COISAS


TÊM A SUA MARÉ, UMA MARÉ BAIXA E UMA
MARÉ ALTA.
Tudo se manifesta por oscilações compensadas, a medida do
movimento à direita é a mesma do movimento à esquerda. O Ritmo é
a compensação.

E se atentarmos para nossa vida, veremos que segue também um


ritmo alterado com altos e baixos, de alegrias e tristezas.

Fluxo e refluxo podem depender de nós, desde que dominemos


nossas reações e as elevemos. Usar Equilíbrio e Firmeza Mental.

E o que devemos fazer?

Controlar com força concentrada, que não haja nenhum excesso,


nem de alegrias e nem de tristezas, pois o Princípio do Ritmo fará
com que esse excesso seja logo compensado por um excesso oposto.

Todas as coisas sofrem uma ascensão e uma queda. Há um ciclo


rítmico de nascimento, crescimento, degradação e morte em todas as
coisas.

Há ciclos e funções rítmicas que nos afetam constantemente, a cada


momento do dia. Quando acorda, seu dia está nascendo, você inicia o
ciclo do dia. Quando toma o café da manhã, você dá início a um ciclo
que termina quando você acaba de tomar o café. Seu dia morre
quando você vai dormir, período quando o seu ciclo da noite nasce.

Existem ciclos bem conhecidos, como o da lua (28 dias), o do sono


(9O minutos) e outros que precisamos determinar para viver melhor,
usando ao máximo o ponto alto e tentar diminuir o ponto baixo,
elevando-o também.
Mediante o domínio próprio alguns evitam esta oscilação
inconscientemente, porém os Mestres o fazem conscientemente,
mediante um grau de equilíbrio e firmeza mental, a pontos
inacreditáveis.

Este Princípio e o da Polaridade forma estudados secretamente pelos


Hermetistas e os métodos para impedi-los, neutralizá-los e empregá-
los formam uma parte importante da Alquimia Mental do Hermetismo

6. O PRINCÍPIO DA CAUSA E EFEITO: CADA


CAUSA TEM SEU EFEITO E CADA EFEITO TEM
SUA CAUSA.
Toda Causa tem seu Efeito, todo Efeito tem sua Causa, tudo
acontecendo de acordo com a Grande Lei, e o acaso é simplesmente
um nome dado a uma Lei não reconhecida.

Nada acontece por acaso. O acaso e a coincidência são o resultado de


causa não reconhecida.

O acaso é simplesmente um modo de exprimir as causas obscuras, as


causas que não podemos compreender, e se as compreendermos
veremos que são o resultado de uma cadeia de causas, criando esse
efeito, o acaso.

Papus já dizia: "Acreditar sempre que as coisas acontecem porque


tinham que acontecer ou por acaso, é demonstrar preguiça intelectual
e covardia científica.

O seu mundo, o que você recebe dele, são efeitos das causas que
você mesmo colocou.

Dizem que "a vida é um eco, se não gosta do que está recebendo,
procure ver o que você está emitindo”.

Os Mestres elevam-se a planos superiores e dominando seu caráter,


seu gênio e seus Poderes e qualidades, tornam-se causadores em vez
de efeitos.

Empregam o Princípio ao invés de serem dirigidos por ele. Evitando a


causa, livramo-nos dos Efeitos, assim como buscando apenas os
efeitos positivos, começaremos por provocar uma causa também
positiva...
7. O PRINCÍPIO DO GÊNERO: TODAS AS
COISAS TÊM UM ASPECTO MASCULINO E
FEMININO.

O Gênero está em tudo, tudo tem seu Princípio masculino e seu


Princípio feminino, o Gênero se manifestando em todos os planos.

Isto é certo não só no Plano Físico, mas também nos Planos Mental e
Espiritual.

No Plano Físico, este Princípio se manifesta como sexo; nos Planos


Mentais, toma formas superiores, mas é sempre o mesmo Princípio.

Nenhuma criação quer física, mental ou espiritual é possível sem


este Princípio.

A compreensão de suas leis poderá esclarecer a solução de muitos


mistérios da Vida.

O Princípio do Gênero opera sempre na direção da geração,


regeneração e criação. Geração no Plano Físico, regeneração no Plano
Mental e criação no Plano Espiritual.

Todas as coisas masculinas têm também o lado feminino. Se


compreendermos que a geração de uma idéia é a formação do
gérmen dessa idéia, que a regeneração é o aperfeiçoamento dessa
idéia, e a Criação é a realização completa da idéia, poderemos
estudar e compreender este Princípio Hermético.

Os Gêneros se manifestam no plano físico e mental. A força


masculina é a força extrovertida, positiva, instigante. A força
feminina é a força introvertida, receptiva, negativa, criativa.

Isso não tem absolutamente nada a ver com os sexos feminino e


masculino, embora sejam manifestações do princípio do gênero no
plano físico.

Estas forças são básicas, intrínsecas a tudo, desde a menor molécula


até o próprio universo. Tais forças, que alguns chamam de YANG e
YIN, não têm valor, nenhuma delas é boa ou má, mas ambas são
partes necessárias da existência.
• Yang: o princípio activo, diurno, luminoso, quente, masculino.
• Yin: o princípio passivo, noturno, escuro, frio, feminino

Quem souber bem estas duas forças, por certo será uma pessoa de
sucesso.

Para utilizar melhor os dois princípios (masculino e feminino),


precisamos desenvolver a nossa imaginação e a intuição, o que se
consegue com a utilização do hemisfério direito de nosso cérebro
através de controle mental (existem técnicas práticas para tal).

Para aquele que é puro, todas as coisas são puras; para os vis, todas
as coisas são vis e baixas.

A TÁBUA SMARAGDINA
ou
TÁBUA DAS ESMERALDAS
A Tábua Esmeraldina é considerada o texto básico do Esoterismo
Ocidental.

Este texto foi referendado por todos os alquimistas e dificilmente um


alquimista não o sabia de cor ou não o tinha anotado em local visível
em seu laboratório, para constantes meditações. Este texto alquímico
foi escrito em uma esmeralda por Hermes Trimegisto e apesar de
muito reduzido contém todos os ensinamentos da alquimia, basta
conseguir interpretá-lo.

Existem várias versões deste texto, porém com poucas distorções,


isto deve ser devido às inúmeras traduções de idiomas distintos.

Há muito tempo perdida, foi atribuída a Hermes Trimegisto, e foi


descoberta por Alexandre Magno em sua Câmara Mortuária, entrando
para a história com o nome de Tábua Esmeraldina. Ela contém a
quinta essência da sabedoria oculta.

Vamos conhecer seu conteúdo:

I - "É verdadeiro, sem falsidade, certo e muito verdadeiro

(A verdade nos três mundos)

Isto é verdade, não há dúvida: é verdadeiro e confiável.

II - "que àquilo que está em cima é igual àquilo que está


embaixo

(Lei da polaridade, da imantação)

e que àquilo que está embaixo é igual àquilo que está em


cima,

(Lei da analogia, lei dos sinais de apoio)

para realizar os milagres de uma única coisa.

(Lei do Ternário e de série, lei das correspondências)

Vejam, o que está acima é como o que está abaixo; o que está
abaixo é igual ao que está em cima, para que aconteça um único ato
maravilhoso.

III - "E da mesma forma que todas as coisas foram e vieram


do Um,

(Lei da unidade e da criação divinas, lei do Número)


assim todas as coisas nasceram desta coisa única por simples
ato de adaptação.

(Lei da adaptação)

Todas as coisas se formaram através de um único processo, a partir


da mesma matéria-prima.

IV - "O Sol é seu pai, a Lua sua mãe, o vento a carregou em


seu útero, a terra é sua ama de leite.

(Os quatro elementos: Fogo (Sol), Água (a Lua, elemento úmido), Ar


(o vento); Terra)

O Telesma (perfeição) de todo o mundo está aí.


Seu poder não tem limites sobre a Terra.

O Sol é o teu pai; a Lua é a tua mãe. O vento o carregou no ventre e


a Terra o sustentou.

Ele é o pai das obras mágicas, o guardião dos milagres. Suas forças
são perfeitas e é ele que dá vida às luzes.

Trata-se de um fogo que se transforma em terra.

V - "Separarás os elementos da Terra daqueles do Fogo, o


sutil do grosseiro, cuidadosamente com grande habilidade.

(Arcano da salvação; separação do espírito (sutil) e da matéria


(espesso); espiritualização)

Sobe da Terra para o Céu e torna a descer para a Terra e une


para si próprio a força das coisas superiores e inferiores...

(Leis da involução e da evolução)

Desse modo, obterás a glória do mundo e as trevas se


afastarão de ti.

Separem a terra do fogo, separem o sutil do grosseiro, com muito


cuidado e arte.

VI - "Esta coisa é a forte fortaleza de toda força,


(Lei do amor e do sacrifício)

pois vence toda coisa sutil e penetra em toda coisa sólida

(E pela lei do Amor que o Espírito move o universo)

Nele está a força do superior e do inferior. Assim, torna-se regente do


superior e do inferior. Pois, se está com a Lua das luzes, as trevas se
afastam de ti.

Com a força, com a reunião das forças dominarás tudo o que for sutil
e penetrarás em tudo que for denso.

VII - "Assim o mundo foi criado.

(Lei da realização. Amor e Sacrifício criam as obras duráveis)

Na medida em que surgir o macrocosmo, surgirá o microcosmo e esta


é a minha criação.

VIII - "Conseqüentemente esta é a fonte das inúmeras e


admiradas adaptações cujo meio está aqui.

Esta é a criação do pequeno mundo, e desse meio surgirão as obras


dos sábios

IX - "Por esta razão sou chamado Hermes Trimegisto, pois possuo


as três partes da filosofia universal.” Conhecimento absoluto (dos
três planos do universo: divino, astral, físico)

"O que eu disse a respeito da operação do Sol está realizado e


aperfeiçoado

E por isso fui chamado Hermes Trimegisto, Hermes o Três Vezes


Grande.

Bibliografia:
www.esoterismosite.hpg.ig.com.br/aalquimia.htm

www.infonet.com.br/oreunificador/alquimia.htm

br.share.geocities.com/uni_vida/hermes.html
geocities.yahoo.com.br/elijah11maquedes/temp.html

br.share.geocities.com/uni_vida/leis.html

www.vlmaria.com.br/signos/gemeos_origem.htm

www.internewwws.eti.br/materias/mt990901.shtml

www.brazilsite.com.br/mistiscismo/alquimia/alq01.htm

http://www.revistasextosentido.net/news/hermes-trimegisto-o-sabio-
mago-e-alquimista/

http://www.misteriosantigos.com/tabalqu.html