Вы находитесь на странице: 1из 25

Governo Federal

POLÍTICA NACIONAL

PARA INCLUSÃO SOCIAL DA

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

Maio de 2008

Brasília/DF
2

APRESENTAÇÃO

Este Documento apresenta a Política Nacional para a Inclusão Social da População em


Situação de Rua como forma de orientar a construção e execução de políticas públicas
voltadas a este segmento da sociedade, historicamente à margem das prioridades dos poderes
públicos.

A presente Política é fruto das reflexões e debates do Grupo de Trabalho Interministerial para
Elaboração da Política Nacional de Inclusão Social da População em Situação de Rua,
instituído pelo Decreto s/nº, de 25 de outubro de 2006, e composto pelo Ministério do
Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Ministério das Cidades, Ministério da Educação,
Ministério da Cultura, Ministério da Saúde, Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da
Justiça, Secretaria Especial de Direitos Humanos e Defensoria Pública da União, além da
fundamental participação de representantes do Movimento Nacional de População de Rua
(MNPR), da Pastoral do Povo da Rua e do Colegiado Nacional dos Gestores Municipais da
Assistência Social (CONGEMAS), representando a sociedade civil organizada. Ressalte-se o
protagonismo que o público-alvo desta Política Nacional, por meio do MNPR, tem em todo o
processo de avaliação e discussão das propostas.

A consolidação das idéias inseridas neste Documento percorre um processo necessário de


discussão de seu texto nos diversos fóruns de debate de políticas públicas sociais, de forma a
permitir a mais ampla participação de diferentes segmentos da sociedade.

Este Documento, além da Introdução, na qual se explanam os fatores que propiciam a


reprodução do fenômeno população em situação de rua, está composto pelo tópico
Caracterização da População em Situação de Rua, onde há a descrição, com base na
Pesquisa Nacional da População em Situação de Rua1, do perfil sociodemográfico e
econômico das pessoas em situação de rua. Mais à frente, encontram-se os Princípios e
Diretrizes norteadores da ação pública para a população em situação de rua. Por fim, são
descritas as diversas ações em construção que conformam uma agenda mínima estruturada
por Ações Estratégicas, sob a coordenação dos respectivos setores.

1
Pesquisa Nacional Censitária e Por Amostragem da População em Situação de Rua, realizada em 2007,
sob a coordenação do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Conferir mais detalhes
sobre essa Pesquisa na sessão ‘Caracterização da População em Situação de Rua’.
3
INTRODUÇÃO

As propostas contempladas por esta Política Nacional têm por objetivo abarcar questões
essenciais concernentes à parcela da população que faz das ruas seu espaço principal de
sobrevivência e de ordenação de suas identidades. Estas pessoas relacionam-se com a rua,
segundo parâmetros temporais e identitários diferenciados, vis-a-vis os vínculos familiares,
comunitários ou institucionais presentes e ausentes. Em comum possuem a característica de
estabelecer no espaço público da rua seu palco de relações privadas, o que as caracteriza
como 'população em situação de rua' .

A existência de indivíduos em situação de rua torna patente a profunda desigualdade social


brasileira, e insere-se na lógica do sistema capitalista de trabalho assalariado, cuja pobreza
extrema coadina-se com seu funcionamento (Novak,1997). Fenômeno presente na sociedade
brasileira desde a formação das primeiras cidades (Carvalho, 2002), a existência de pessoas
em situação de rua, traz na própria denominação ‘rua’ a marca do estigma e da exclusão a que
são submetidas. Sua presença incomoda e desconcerta quem busca ver nas ruas a mesma
tranqüilidade asséptica de conjuntos habitacionais com circulação restrita de pessoas.

A população em situação de rua encerra em si o trinômio exprimido pelo termo exclusão:


expulsão, desenraizamento e privação. Segundo a definição de cientistas sociais como Alcock
(1997)) e Castel (1998), exclusão social relaciona-se com situação extrema de ruptura de
relações familiares e afetivas, além de ruptura total ou parcial com o mercado de trabalho e de
não participação social efetiva. Assim, pessoas em situação de rua podem se caracterizar
como vítimas de processos sociais, políticos e econômicos excludentes (Martins,1994).

Como aponta Silva (2006), são comumente enumeradas várias espécies de fatores
motivadores da existência de pessoas em situação de rua, tais como fatores estruturais
(ausência de moradia, inexistência de trabalho e renda, mudanças econômicas e institucionais
de forte impacto social etc.), fatores biográficos (alcoolismo, drogadição, rompimentos dos
vínculos familiares, doenças mentais, perda de todos os bens, etc. além de desastres de
massa e/ou naturais (enchentes, incêndios, terremoto, etc.). Ainda segundo a autora, está claro
que se trata de um fenômeno multifacetado que não pode ser explicado desde uma perspectiva
unívoca e monocausal. São múltiplas as causas de se ir para a rua, assim como são múltiplas
as realidades da população em situação de rua.

“(…) pode-se dizer que o fenômeno população em situação de rua vincula-


se à estrutura da sociedade capitalista e possui uma multiplicidade de
fatores de natureza imediata que o determinam. Na contemporaneidade,
constitui uma expressão radical da questão social, localiza-se nos grandes
centros urbanos, sendo que as pessoas por ele atingidas são
4
estigmatizadas e enfrentam o preconceito como marca do grau de dignidade
e valor moral atribuído pela sociedade. É um fenômeno que tem
características gerais, porém possui particularidades vinculadas ao território
em que se manifesta. No Brasil, essas particularidades são bem definidas.
Há uma tendência à naturalização do fenômeno, que no país se faz
acompanhada da quase inexistência de dados e informações científicas
sobre o mesmo e da inexistência de políticas públicas para enfrentá-lo”.
(Silva, 2006, p.95)

As visões estigmatizantes da sociedade civil, e também do Estado, sobre a população em


situação de rua costumavam restringir-se às pulsões assitencialistas, paternalistas, autoritárias
e de “higienização social”. Essas perspectivas não poderiam dar conta do complexo processo
de reinserção destas pessoas nas lógicas da família, do trabalho, da moradia, da saúde e das
tantas outras esferas de que estão apartadas.

Ao mesmo tempo, a rua não deve ser vista somente como lugar de circulação entre espaços
privados, uma espécie de limbo entre situações reconhecidas, mas como espaço em si, tão
abarcador e produtor de realidades como qualquer outro. Estar na rua é ocupá-la, não como
violação do espaço limpo e vazio. É preciso desconstruir a bipolaridade ontológica entre normal
e anormal colocada para as pessoas em situação de rua, considerando a produção e
reprodução de identidades sociais dentro mesmo do que Gregori (2000) conceitua como
circulação entre espaços e papéis sociais.

A presente Política Nacional faz parte do esforço de estabelecer diretrizes e rumos que
possibilitem a (re)integração destas pessoas às suas redes familiares e comunitárias, o acesso
pleno aos direitos garantidos aos cidadãos brasileiros, o acesso a oportunidades de
desenvolvimento social pleno, considerando as relações e significados próprios produzidos
pela vivência do espaço público da rua. Para tanto, vale-se do protagonismo de movimentos
sociais formados por pessoas em situação de rua, entre outras ações que contribuam para a
efetivação deste processo.

A legislação brasileira vigente reconhece e preconiza a família como lugar essencial e


privilegiado para o desenvolvimento integral dos indivíduos.2 O conceito de família, porém, vem
passando por um interessante processo de ressignificação, resultante tanto de mudanças
ocorridas nas formas de organização social no Brasil3 quanto, especialmente, da luta de

2
A Constituição Federal estabelece que a “família é a base da sociedade” (Art. 226).

3
Neste sentido, é interessante lembrar do estudo de Cínthia Sarti, intitulado A família como espelho: um
estudo sobre a moral dos pobres, de 2000, que demonstra os diversos arranjos societários adotados pelas camadas
mais pobres da sociedade brasileira, como a família extensa e a circulação de crianças entre várias casas da mesma
família
5
diversos movimentos sociais, como o movimento de mulheres e os movimentos em defesa dos
direitos da criança, pelo reconhecimento do direito, na legislação, à diversidade de formas de
estruturação familiar, que cumprem funções familiares tão legítimas quanto aquelas
desempenhadas dentro da família nuclear patriarcal, formada pelo marido (chefe da casa), a
mulher e os filhos. Conforme se lê no Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do
Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária :

“Ou seja, a família nuclear tradicional, herança da família patriarcal


brasileira, deixa de ser o modelo hegemônico e outras formas de
organização familiar, inclusive com expressão histórica, passam a ser
reconhecidas, evidenciando que a família não é estática e que suas funções
de proteção e socialização podem ser exercidas nos mais diversos arranjos
familiares e contextos socioculturais, refutando-se, assim, qualquer idéia
preconcebida de modelo familiar “normal”. (Plano Nacional de Promoção,
Proteção e Defesa do direito de crianças e adolescentes à Convivência
Familiar e Comunitária, página 29)

Neste sentido, vem-se imprimindo grande flexibilidade ao conceito de instituição familiar, não
se tratando mais de conceber um modelo ideal de família, mas sim de ultrapassar a ênfase na
estrutura familiar para enfocar a capacidade de a família, em uma diversidade de arranjos (tais
como família nuclear, família extensa, etc.), ser a célula base de políticas públicas, lugar de
realizações individuais plenas.

Vale demonstrar, de acordo como Bruschini (1981), que a família “não é a soma de indivíduos,
mas um conjunto vivo, contraditório e cambiante de pessoas com sua própria individualidade e
personalidade” (p. 77). Mais do que isto, é crucial afirmar que a família cria e recria realidades,
visões de mundo e apropriações da moral hegemônica, funcionando tanto como local de
crescimento e florescimento de realizações individuais quanto, muitas vezes, como espaço
opressor de individualidades. Ao mesmo tempo em que as famílias submetem-se ao poder
público estatal, elas também são consideradas por este autônomas e capazes de gerir seu
próprio caminho. A partir desta discussão, é imprescindível que as políticas públicas, que têm a
família como célula base, façam as vezes de estimuladoras e reguladoras de suas funções, ao
mesmo tempo envidando esforços para o restabelecimento de laços familiares e sociais
fragilizados e agindo como agente controlador e regulador das inúmeras violências físicas,
psíquicas e simbólicas que acontecem dentro das famílias, muitas vezes levadas a cabo por
alguns de seus membros contra os outros.

É dentro deste universo semântico que se colocam as considerações sobre o enfraquecimento


de vínculos familiares por que tendem a passar as pessoas em situação de rua, e os esforços
tomados pela presente Política para que se restabeleçam os laços familiares fragilizados, ou
6
para que se criem novos laços em múltiplos arranjos familiares e de redes sociais de apoio.

Outro ponto a ser ressaltado é a importância da inclusão desta Política na perspectiva de


políticas públicas que concretizem direitos conquistados historicamente pelo protagonismo da
população-alvo e de seus aliados, combatendo injustiças sociais praticadas contra setores
pauperizados e estigmatizados da população.Trata-se, portanto, do estabelecimento e da
manutenção da inclusão social, que requerem do Estado a provisão de um padrão mínimo de
bem-estar, e da garantia perene destes direitos sociais.

Neste sentido, como apontam teóricos como Oscar Lewis (1978), há que se caracterizar
pessoas em situação de rua não apenas pela falta de atributos, mas por atributos específicos a
elas.

Em 1993, o Congresso Nacional aprovou a Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), que
regulamentou os Artigos 203 e 204 da Constituição Federal, “reconhecendo a Assistência
Social como política pública, direito do cidadão e dever do Estado, além de garantir a
universalização dos direitos sociais”. Posteriormente, a LOAS recebeu alteração para a
inclusão da obrigatoriedade da formulação de programas de amparo à população em situação
de rua, por meio da Lei n 11.258/05, de 30 de dezembro de 2005.

De acordo com a nova legislação, portanto, o poder público municipal passou a ter a tarefa de
manter serviços e programas de atenção à população de rua, garantindo padrões básicos de
dignidade e não-violência na concretização de mínimos sociais e dos direitos de cidadania a
esse segmento social.

Mesmo em face da proeminência aparente que a legislação supracitada sugere para o


tratramento desta temática pela Assistência Social, claro está que a Política Nacional para
Inclusão Social da População em Situação de Rua ganhará concretude no esforço dos
diferentes setores do Poder Público em articulação com a sociedade civil no sentido de
imprimir ações efetivas de prevenção e resgate social.

Assim como as pessoas em situação de rua têm por direito constitucional serem consideradas
cidadãs integrais, também as políticas públicas que as contemplam devem ser pensadas desde
uma perspectiva interdisciplinar e integral, deslocando-se da Assistência Social a
responsabilidade exclusiva pelo atendimento a este segmento.

Dada a heterogeneidade e multiplicidade de indivíduos que compõem as ações para a


denominada população em situação de rua, é de grande importância perceber as intersecções
entre esta política com os variados planos, políticas e marcos legais, tais como o Estatuto do
Idoso, o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Política Nacional para Promoção da
Igualdade Racial, o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, o Plano Nacional de
7
Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e
Comunitária, e tantos outros que se entrecruzam na realidade específica desta população.

A Constituição Federal estabelece, em seu Artigo 5º, a igualdade de todos os cidadãos


brasileiros perante a lei e a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à
segurança e à propriedade. No artigo 6º, lê-se que “são direitos sociais a educação, a saúde, o
trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à
infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição”.

A presente política estrutura-se em dois eixos principais: o primeiro, relativo à verticalidade


federativa, conjuga as ações municipais, estaduais e federais, que devem trabalhar em
complementaridade para atender às demandas da população. O segundo eixo diz respeito à
interdisciplinaridade e intersetorialidade na atuação para a população em situação de rua. São
imprescindíveis os trabalhos conjuntos das diversas pastas governamentais, além de
instituições ou de movimentos da sociedade civil organizada.
8
CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

Um dos desafios a serem enfrentados, ao se propor a construção de uma política nacional para
inclusão social da população em situação de rua, está em sua própria conceituação. A
diversidade de grupos e distintas localizações, a heterogeneidade desta população e das
condições em que se encontra (como por exemplo, a existência de pessoas que não têm
endereço fixo e de pessoas que possuem endereço, porém permanecem a maior parte do
tempo nos logradouros públicos (Ferreira, 2005) tornam difíceis sua caracterização unívoca e
imediata.

A rua pode se constituir num abrigo para os que, sem recursos, dormem circunstancialmente
em logradouros públicos ou pode indicar uma situação na qual a rua representa seu habitat,
propriamente dito, onde encontra-se estabelecida uma intricada rede de relações. O que unifica
essas situações e permite designar os que a vivenciam como populações de rua é o fato de
que, tendo condições de vida extremamente precárias, circunstancialmente ou
permanentemente, utilizam a rua como abrigo ou moradia. “Essas situações podem ser
dispostas num continuum, tendo como referência o tempo de rua; à proporção que aumenta o
tempo, se torna estável a condição de morador (…)”. (Silva, 2006)

Faz-se relevante perceber que o termo “povo da rua” têm passado por revalorização e
ressignificação positiva, devido ao valoroso papel dos movimentos organizados de pessoas em
situação de rua, dentro da idéia de protagonismo social e autonomia sobre suas vidas.

São diversos os grupos de pessoas que estão nas ruas: imigrantes, desempregados, egressos
dos sistemas penitenciário e psiquiátrico, entre outros, que constituem uma enorme gama de
pessoas vivendo o cotidiano das ruas. Ressalte-se ainda a presença dos chamados
“trecheiros”: pessoas que transitam de uma cidade a outra (na maioria das vezes, caminhando
a pé pelas estradas, pedindo carona ou se deslocando com passes de viagem concedidos por
entidades assistenciais).

Mesmo em face da diversidade de motivações de ida à rua e de situações que caracterizam as


situações de rua, utiliza-se no âmbito do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à
Fome, para fins instrumentais, a seguinte definição:

"Grupo populacional heterogêneo, caracterizado por sua condição de


pobreza extrema, pela interrupção ou fragilidade dos vínculos familiares
e pela falta de moradia convencional regular. São pessoas compelidas a
habitar logradouros públicos (ruas, praças, cemitérios, etc.), áreas
degradadas (galpões e prédios abandonados, ruínas, etc.) e,
ocasionalmente, utilizar abrigos e albergues para pernoitar."
9
A população em situação de rua pode ser definida como um grupo populacional heterogêneo
que tem em comum a pobreza, vínculos familiares quebrados ou interrompidos, vivência de um
processo de desfiliação social pela ausência de trabalho assalariado e das proteções derivadas
ou dependentes dessa forma de trabalho, sem moradia convencional regular e tendo a rua
como o espaço de moradia e sustento. Naturalmente, existem muitas outras especificidades
que perpassam a população de rua e devem ser consideradas, como gênero, raça/cor, idade e
deficiências físicas e mentais.

Utilizando-se do conceito de população em situação de rua mencionado, levou-se a cabo,


durante o ano de 2007, uma pesquisa nacional censitária e por amostragem da população em
situação de rua, promovida pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Os
critérios estabelecidos para a realização da pesquisa ou contagem da População em Situação
de Rua foram orientados pelos objetivos de efetuar um levantamento, em escala nacional, o
mais abrangente possível. Partiu-se da premissa de que há tendência de maior concentração
de pessoas em situação de rua em municípios mais populosos e nas capitais dos estados. Os
municípios mais populosos e as capitais concentram maiores recursos, serviços e
possibilidades. Assim, tendem a ser mais procurados por pessoas em situação de
vulnerabilidade que necessitam de oportunidades de emprego e condições mais favoráveis
para a sua sobrevivência.

Nesse sentido, estabeleceu-se como universo da pesquisa os municípios com população igual
ou superior a 300.000 habitantes, as capitais de estado e o Distrito Federal. Foram excluídos
do universo, os municípios que realizaram recentemente levantamento semelhante (Belo
Horizonte-MG, São Paulo-SP, Recife-PE e Porto Alegre-RS). Assim, foram selecionados 71
municípios, sendo 23 capitais e 48 municípios com população igual ou superior a 300.000
habitantes4. A base de dados utilizada para esta seleção foi o DATASUS do ano de 2004. Em
todas as cidades selecionadas foi realizado um censo das pessoas em situação de rua, por
meio da aplicação de um questionário reduzido, e uma pesquisa amostral que investigou um
conjunto maior de questões.

A pesquisa nacional, imprescindível para o conhecimento aprofundado da população em


situação de rua, identificou 31.922 pessoas (maiores de 18 anos) em situação de rua. Este
número total, se considerado juntamente com as pesquisas de outras cidades, cujos dados
estão disponíveis podemos estimar um número aproximado de 50.000 pessoas nas capitais de
estado (e Distrito Federal) e cidades com mais de 300 mil habitantes do Brasil.

4
A realização e organização da pesquisa/contagem foi realizada a partir de oficinas com técnicos do MDS e
do Instituto Meta de Pesquisa de opinião (empresa selecionada por meio de licitação pública), representantes de
secretarias municipais de assistência social, representantes do CONGEMAS e do FONSEAS, além de
representantes dos movimentos sociais que atuam em defesa dos direitos da população em situação de rua.
1
Em termos proporcionais e/ou percentuais, a Pesquisa Nacional aponta para dados
semelhantes àqueles coletadas nas pesquisas municipais supracitadas. A Contagem Nacional
apontou que 0.061% da população das cidades pesquisadas encontram-se em situação de rua.
A partir da Pesquisa nacional foi possível auferir uma diversidade de dados relativos ao perfil
(características socioeconômicas e formação escolar); trajetória de rua (razões de ida à rua,
deslocamentos, entre outros); histórico de internação em instituições; pernoite, vínculos
familiares e trabalho; acesso à alimentação, serviços e cidadania; discriminações sofridas;
participação em movimentos sociais.

A população em situação de rua é predominantemente masculina, 82%. Mais da metade


(53,0%) das pessoas em situação de rua adultas entrevistadas – somente foram entrevistadas
pessoas com 18 anos completos ou mais – se encontra em faixas etárias entre 25 e 44 anos.5

39,1% das pessoas em situação de rua se declararam pardas. Essa proporção é semelhante à
observada no conjunto da população brasileira (38,4%). Declararam-se brancos 29,5% (53,7%
da população em geral) e pretos 27,9% (apenas 6,2% na população em geral). Assim, a
proporção de negros (pardos somados a pretos) é substancialmente maior na população em
situação de rua.

Os níveis de renda são baixos. A maioria (52,6%) recebe entre R$ 20,00 e R$ 80,00 semanais.

74% dos entrevistados sabem ler e escrever. 17,1% não sabem escrever e 8,3% apenas
assinam o próprio nome. A imensa maioria não estuda atualmente (95%). Apenas 3,8% dos
entrevistados afirmaram estar fazendo algum curso (ensino formal 2,1% e profissionalizante
1,7%). Diagnosticou-se que 48,4% não concluíram o primeiro grau e 17,8% não souberam
responder/não lembram/não responderam o seu nível de escolaridade. Apenas 3,2%
concluíram o segundo grau.

A maioria da população pesquisada afirmou que costuma dormir na rua (69,6%). Um grupo
relativamente menor (22,1%) costuma dormir em albergues ou outras instituições. Apenas
8,3% costumam alternar, ora dormindo na rua, ora dormindo em albergues. Na última semana
(em relação à data da entrevista) a maioria dormiu somente na rua (60,5%). Pernoitaram
somente em albergues ou outras instituições 20,0%. E alternaram rua e albergue 8,3%.
Preferem dormir na rua 46,5% dos entrevistados, enquanto 43,8% manifestaram preferência
por dormir em albergues. Entre aqueles que manifestaram preferência por dormir em albergue,
67,6% apontaram a violência como o principal motivo da não preferência por dormir na rua. O
segundo principal motivo foi o desconforto (45,2%). Entre aqueles que manifestaram
preferência por dormir na rua, 43,9% apontaram a falta de liberdade como o principal motivo da
não preferência por dormir em albergue. O segundo principal motivo foi o horário (27,1%) e o

5
Crianças e adolescentes não foram entrevistados.
1
terceiro a proibição do uso de álcool e drogas (21,4%), ambos igualmente relacionados com a
falta de liberdade.

Os principais motivos pelos quais essas pessoas passaram a viver e morar na rua se referem
aos problemas de alcoolismo e/ou drogas (35,5); desemprego (29,8%) e desavenças com
pai/mãe/irmãos (29,1%). Dos entrevistados no censo, 71,3% citaram pelo menos um desses
três motivos (que podem estar correlacionados entre si ou ser conseqüência do outro).

45,8% dos entrevistados sempre viveram no município em que moram atualmente. Dos
restantes (54,2% do total), 56,0% vieram de municípios do mesmo estado de moradia atual e
72,0% vieram de áreas urbanas. Isso significa que uma parte considerável da população em
situação de rua é originária do mesmo local em que se encontra, ou de locais próximos, não
sendo decorrência de deslocamentos ou da migração campo-cidade.

A maioria dos entrevistados (59,9%) viveu em sua vida em um número pequeno de cidades
(até três cidades). 11,9% viveram em 6 cidades ou mais, indicando um comportamento que
pode ser caracterizado como o de “trecheiro”. Dos que já moraram em outra(s) cidade(s),
60,1% não dormiam na rua ou em albergue na cidade anterior. Dos que já moraram em
outra(s) cidade(s), 44,8% se deslocaram em função da procura de oportunidades de trabalho.
O segundo principal motivo foram as desavenças familiares (18,4%).

Do total de indivíduos pesquisados, 48,4% estão há mais de dois anos dormindo na rua ou em
albergue. Dentre aqueles que dormem em albergue, estima-se que o tempo de permanência
seja elevado. Encontram-se no tempo regular de permanência (1 até 6 meses) 30,4%. Estão
há mais tempo 33,3%. E não informaram 36,3%.

Grande parte dos entrevistados apresentou histórico de internação em instituições. 28,1%


afirmaram já ter passado por casa de recuperação de dependentes químicos; 27,0% já
estiveram em algum abrigo institucional; 17,0% admitiram já ter passado por alguma casa de

detenção; 16,7% afirmaram já ter passado por hospital psiquiátrico; 15,0% dos entrevistados já
estiveram em orfanato; 12,2% já estiveram na FEBEM ou instituição equivalente. Cerca de
60% das pessoas em situação de rua entrevistadas afirmaram já ter passado por pelo menos
uma das instituições citadas e 0,7% afirmaram ter passado por todas estas instituições.

Identificou-se eventuais vínculos familiares das pessoas em situação de rua. 51,9% dos
entrevistados possuem algum parente residente na cidade onde se encontram. Porém, 38,9%
deles não mantêm contato com estes parentes e 14,5% mantém contato em períodos
espaçados (de dois em dois meses até um ano). Os contatos são mais freqüentes (diários,
semanais ou mensais) no caso de 34,3% dos entrevistados. 39,2% consideram como bom ou
muito bom o relacionamento que mantém com os parentes que vivem na mesma cidade;
1
enquanto 29,3% consideram este relacionamento ruim ou péssimo. 23,1% mantêm contatos
com parentes que vivem fora da cidade em que se encontram.

A população em situação de rua é composta, em grande parte, por trabalhadores: 70,9%


exercem alguma atividade remunerada. Destas atividades destacam-se: catador de materiais
recicláveis (27,5%), flanelinha (14,1%), construção civil (6,3%), limpeza (4,2%) e
carregador/estivador (3,1%). Pedem dinheiro como principal meio para a sobrevivência apenas
15,7% das pessoas. Estes dados são importantes para desfazer o preconceito muito difundido
que a população em situação de rua é composta por “mendigos” e “pedintes”. Aqueles que
pedem dinheiro para sobreviver constituem minoria. Deste modo, a maioria tem profissão,
ainda que não a estejam exercendo no momento: 58,6% dos entrevistados afirmaram ter
alguma profissão. Entre as profissões mais citadas destacam-se aquelas vinculadas à
construção civil (27,2%), ao comércio (4,4%), ao trabalho doméstico (4,4%) e à mecânica
(4,1%).
Contudo, a maior parte dos trabalhos realizados situa-se na chamada economia informal:
apenas 1,9% dos entrevistados afirmaram estar trabalhando atualmente com carteira assinada.
Esta não é uma situação ocasional: 47,7% dos entrevistados nunca trabalharam com carteira
assinada. Entre aqueles que afirmaram já ter trabalhado alguma vez na vida com carteira
assinada, a maior parte respondeu que isto ocorreu há muito tempo (50,0% há mais de 5 anos;
22,9% de 2 a 5 anos).
A maioria (79,6%) consegue fazer ao menos uma refeição ao dia, sendo que 27,1% compram a
comida com o seu próprio dinheiro e 4,3% utilizam o restaurante popular. Não conseguem se
alimentar todos os dias (ao menos uma refeição por dia) 19,0% dos entrevistados.
29,7% dos entrevistados afirmaram ter algum problema de saúde. Entre os problemas de
saúde mais citados destacam-se: hipertensão (10,1%), problema psiquiátrico/mental (6,1%),
HIV/Aids (5,1%) e problemas de visão/cegueira (4,6%). Dentre os entrevistados, 18,7% fazem
uso de algum medicamento. Postos/centros de saúde são as principais vias de acesso a esses
medicamentos. Daqueles que os utilizam, 48,6% afirmaram consegui-los por esse meio.
Quando doentes, 43,8% dos entrevistados procuram em primeiro lugar o hospital/emergência.
Em segundo lugar, 27,4% procuram o posto de saúde.
Os principais locais utilizados pelas pessoas em situação de rua para tomar banho são a rua
(32,6%), os albergues/abrigos (31,4%), os banheiros públicos (14,2%) e a casa de parentes ou
amigos (5,2%). Para fazer suas necessidades fisiológicas, é mais utilizada a rua (32,5%), os
albergues/abrigos (25,2%), os banheiros públicos (21,3%), os estabelecimentos comerciais
(9,4%) e a casa de parentes ou amigos (2,7%).
24,8% das pessoas em situação de rua não possuem quaisquer documentos de identificação,
o que dificulta a obtenção de emprego formal, o acesso aos serviços e programas
governamentais e o exercício da cidadania. Não possuem título de eleitor 61,6%, carteira de
trabalho 59,9%, CPF 57,4%, certidão de nascimento ou de casamento 49,2% e carteira de
1
identidade 40,7%. Possuem todos os documentos de identificação mencionados apenas
21,9%.
A grande maioria não é atingida pela cobertura dos programas governamentais: 88,5%
afirmaram não receber qualquer benefício dos órgãos governamentais. Entre os benefícios
recebidos se destacaram a aposentadoria (3,2%), o Programa Bolsa Família (2,3%) e o
Benefício de Prestação Continuada (1,3%).
O olhar atento sobre a realidade desse público permite concluir que as pessoas que vivem em
situação de rua sofrem todas as formas de violação de seus direitos humanos, utilizando-se de
diferentes estratégias para sobrevivência. Propor políticas públicas nessa área requer
identificar algumas dessas estratégias.
1
PRINCÍPIOS

I - Promoção e garantia da cidadania e dos direitos humanos;

II - Respeito à dignidade do ser humano, sujeito de direitos civis, políticos, sociais, econômicos
e culturais;

III - Direito ao usufruto, permanência, acolhida e inserção na cidade;

IV - Não-discriminação por motivo de gênero, orientação sexual, origem étnica ou social,


nacionalidade, atuação profissional, religião, faixa etária e situação migratória;

V - Supressão de todo e qualquer ato violento e ação vexatória, inclusive os estigmas


negativos e preconceitos sociais em relação à população em situação de rua.
1
DIRETRIZES

I - Implementação de políticas públicas nas esferas federal, estadual e municipal, estruturando


as políticas de saúde, educação, assistência social, habitação, geração de renda e emprego,
cultura e o sistema de garantia e promoção de direitos, entre outras, de forma intersetorial e
transversal garantindo a estruturação de rede de proteção às pessoas em situação de rua;

II - Complementaridade entre as políticas do Estado e as ações públicas não estatais de


iniciativa da sociedade civil;

III - Garantia do desenvolvimento democrático e de políticas públicas integradas para promoção


das igualdades sociais, de gênero e de raça;

IV - Incentivo à organização política da população em situação de rua e à participação em


instâncias de controle social na formulação, implementação, monitoramento e avaliação das
políticas públicas, assegurando sua autonomia em relação ao Estado;

V - Alocação de recursos nos Planos Plurianuais, Leis de Diretrizes Orçamentárias e Leis


Orçamentárias Anuais para implementação das políticas públicas para a população em
situação de rua;

VI - Elaboração e divulgação de indicadores sociais, econômicos e culturais, sobre a população


em situação de rua;

VII - Sensibilização pública sobre a importância de mudança de paradigmas culturais


concernentes aos direitos humanos, econômicos, sociais e culturais da população em situação
de rua;

VIII - Incentivo à formação e à capacitação de profissionais para atuação na rede de proteção


às pessoas em situação de rua; além da promoção de ações educativas permanentes para a
sociedade;

IX - Ação intersetorial para o desenvolvimento de três eixos centrais: a garantia dos direitos; o
resgate da auto-estima e a reorganização dos projetos de vida.
1
AÇÕES ESTRATÉGICAS

Para conferir concretude aos princípios e diretrizes estabelecidos nesta Política são
apresentadas ações concretas balizadas por debates realizados no âmbito do Grupo de
Trabalho Interministerial sobre População em Situação de Rua. As propostas assinaladas
representam uma agenda mínima de ações, cuja implementação constitui desafio para toda a
sociedade brasileira, tanto para os gestores governamentais quanto para a sociedade civil,
devendo as mesmas serem detalhadas em programas, planos e projetos dos Ministérios e
órgãos, contendo estratégias e mecanismos de operacionalização.

DIREITOS HUMANOS

1. Capacitação dos operadores de direito do Estado (especialmente da força policial)


quanto aos direitos humanos, principalmente àqueles concernentes à população em
situação de rua, incluindo nos cursos de formação conteúdos sobre o tema;

2. Fortalecimento da Ouvidoria para receber denúncias de violações de Direitos Humanos


em geral, e especialmente dos direitos das populações em situação de rua;

3. Responsabilização e combate à impunidade dos crimes e atos de violência que têm


essa população como público-alvo, ampliando, assim, a possibilidade de que a rua seja
um espaço de maior segurança;

4. Oferta de assistência jurídica e disponibilização de mecanismos de acesso a direitos,


incluindo documentos básicos às pessoas em situação de rua, em parceria com os
órgãos de defesa de direitos.

TRABALHO E EMPREGO

1. Inclusão da população em situação de rua como público-alvo prioritário na


intermediação de emprego, na qualificação profissional e no estabelecimento de
parcerias com a iniciativa privada e com o setor público para a criação de novos postos
de trabalho;

2. Promoção de capacitação, qualificação e requalificação profissional da população em


situação de rua;

3. Incentivo às formas cooperadas de trabalho no âmbito de grupos populacionais em


situação de rua;
1
4. Ampliação da discussão sobre níveis de renda para a população em situação de rua;

5. Incentivo a ações que visem a inclusão produtiva e reserva de cotas de trabalho para
população em situação de rua;

6. Promoção de oficinas sobre economia solidária, centradas no fomento e na


capacitação, a partir de recortes regionais, com o apoio do Ministério do Trabalho e
Emprego;

7. Ampliação das cartas de crédito e do crédito solidário para a população em situação de


rua;

8. Garantia de acesso por parte da população em situação de rua a seus direitos


trabalhistas e à aposentadoria.

DESENVOLVIMENTO URBANO/HABITAÇÃO

1. Criação de alternativas de moradia para população em situação de rua nos projetos


habitacionais financiados pelo Governo Federal;

2. Desenvolvimento e implementação de uma política de Locação Social, articulada a


outros ministérios e a governos municipais e estaduais, contemplando a possibilidade
de estabelecimento de bolsas aluguel e/ou alternativas de moradia compartilhadas, com
período máximo de recebimento do benefício;

3. Desenvolvimento de projetos de reforma de imóveis públicos para uso habitacional e


enquadramento da população em situação de rua nos programas de habitação de
interesse social existentes, com ênfase nas áreas centrais urbanas.

4. Disponibilização de imóveis vazios nos centros urbanos, por meio da articulação entre
as esferas de governo para viabilização de projetos de moradia para a população de
rua;

5. Incorporação de projetos de geração de emprego e renda, associativismo e capacitação


profissional em processos de planejamento das áreas centrais;

6. Mobilização e articulação dos atores no que tange a habitação e trabalho social


especificamente voltados para a população em situação de rua;

7. Inclusão de critérios de priorização de projetos que levem em consideração a população


em situação de rua nos programas habitacionais financiados pelo Governo Federal,
1
notadamente o FNHIS (Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social) e o FGTS
(Fundo de garantia por Tempo de Serviço);

8. Garantia de integração entre habitação e meios de sobrevivência, tais como


proximidade dos locais de trabalho, facilidade de transporte, infra-estrutura, etc.;

9. Promoção de diálogo entre o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal para
a revisão e reformulação das modalidades previstas em programas de habitação de
interesse social;

ASSISTÊNCIA SOCIAL

1. Estruturação da rede de acolhida, de acordo com a heterogeneidade e diversidade da


população em situação de rua, reordenando práticas homogeinizadoras, massificadoras
e segregacionistas na oferta dos serviços, especialmente os albergues6;

2. Produção, sistematização de informações, indicadores e índices territorializados das


situações de vulnerabilidade e risco pessoal e social acerca da população em situação
de rua;

3. Inclusão de pessoas em situação de rua no Cadastro Único do Governo Federal para


subsidiar a elaboração e implementação de políticas públicas sociais.

4. Assegurar a inclusão de crianças e adolescentes em situação de trabalho na rua no


Programa de Erradicação do Trabalho Infantil7.

5. Inclusão de pessoas em situação de rua no Benefício de Prestação Continuada8 e no

6
Entende-se por acolhimento, nos termos da atual Política Nacional de Assistência Social, serviços
continuados destinados a adultos (inclusive idosos, pessoas com deficiência, migrantes e refugiados) que se
encontram em situação de rua ou abandono. A rede de acolhida oferece condições para que as pessoas possam
repousar e restabelecer-se. Por meio de acompanhamento profissional devem trabalhar de modo articulado com os
demais serviços da rede, visando ao resgate de vínculos familiares e comunitários ou à construção de novas
referências, bem como à conquista de autonomia para a vida independente.
7
Programa para a Erradicação do Trabalho Infantil - PETI.
8
O Benefício de Prestação Continuada (BPC) corresponde a um direito constitucional na forma de benefício
de um salário mínimo mensal para aquelas pessoas com mais de 65 anos ou com deficiência que não têm
condições de prover o seu sustento, nem de tê-lo provido pela família. São pessoas que compõem família cuja
renda familiar per capita é inferior a ¼ de salário mínimo. Trata-se de benefício intransferível, pessoal, individual, que
tem por objetivo assegurar condições dignas de vida.
1
Programa Bolsa Família, na forma a ser definida9;

6. Conferir incentivos especiais para a freqüência escolar das pessoas inseridas nos
equipamentos da Assistência Social, em parceria com o Ministério da Educação;

7. Promoção de novas oportunidades de trabalho ou inclusão produtiva em articulação


com as políticas públicas de geração de renda para pessoas em vulnerabilidade social.

EDUCAÇÃO

1. Promoção da inclusão das questões de igualdade social, gênero, raça e etnia nos
currículos, reconhecendo e buscando formas de alterar as práticas educativas, a
produção de conhecimento, a educação formal, a cultura e a comunicação
discriminatórias, especialmente com relação à população em situação de rua;

2. Constituição de grupos de estudo que discutam maneiras de a educação ser feita em


meio aberto, sem necessidade de deslocamento até as escolas

3. Oferta regular de educação de jovens e adultos, especialmente no que se refere à


alfabetização, com facilitação de ingresso em sala de aula em qualquer época do ano;

4. Oferta de incentivos à assiduidade escolar para a população em situação de rua, tais


como uniformes e materiais escolares gratuitos, facilitação do transporte de ida e volta
da escola, fornecimento de alimentação, etc.;

5. Inclusão da população em situação de rua nos programas de apoio ao desenvolvimento


de atividades educacionais, culturais e de lazer em escola aberta, especialmente nos
finais de semana;

6. Inclusão do tema população em situação de rua, suas causas e conseqüências, como


parte dos debates sobre essa realidade nacional nas redes de ensino de todo o País.

7. Adequação dos processos de matrícula e permanência nas escolas às realidades das


pessoas em situação de rua, com a flexibilização da exigência de documentos pessoais
e de comprovantes de residência.

8. Promoção de políticas de Inclusão Digital para pessoas em situação de rua.

9
O Programa Bolsa Família consiste em transferência condicionada de renda para famílias em situação de
pobreza, segundo critério de renda familiar.
2
SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

1. Promoção do direito à segurança alimentar e nutricional da população em situação de


rua, por meio de restaurantes populares.

SAÚDE

1. Garantia da atenção integral à saúde das pessoas em situação de rua e adequação


das ações e serviços existentes, assegurando a equidade e o acesso universal no
âmbito do Sistema Único de Saúde, com dispositivos de cuidados interdisciplinares e
multiprofissionais;

2. Fortalecimento das ações de promoção à saúde, a atenção básica, com ênfase no


Programa Saúde da Família sem Domicílio, incluindo prevenção e tratamento de
doenças com alta incidência junto a essa população, como doenças sexualmente
transmissíveis/AIDS, tuberculose, hanseníase, hipertensão arterial, problemas
dermatológicos, entre outras;

3. Fortalecimento das ações de atenção à saúde mental das pessoas em situação de


rua, em especial aqueles com transtornos decorrentes do uso de álcool e outras drogas,
facilitando a localização e o acesso aos Centros de Atendimento Psicossocial (CAPS
I,II, III e AD);
4. Instituição de instâncias de organização da atenção à saúde para a população em
situação de rua nas três esferas do SUS;

5. Inclusão no processo de educação permanente em saúde dos gestores e


trabalhadores de saúde, destacando-se as equipes do Serviço de Atendimento Móvel
de Urgência (SAMU), agentes comunitários de saúde e operadores do Sistema
Nacional de Ouvidoria, dos conteúdos relacionados às necessidades, demandas e
especificidades da população em situação de rua;

6. Divulgação do canal de escuta do usuário: Sistema Nacional de Ouvidoria, Disque-


Saúde (0800611997), junto à população em situação de rua, bem como das demais
instâncias de participação social;
2
7. Apoio às iniciativas de ações intersetoriais que viabilizem a instituição e manutenção
de Casas de Apoio ou similares voltadas para pessoas em situação de rua, em caso de
alta hospitalar, para assegurar a continuidade do tratamento;

8. Incentivo a produção de conhecimento sobre a temática saúde desta população e


aos mecanismos de informação e comunicação;

9. Apoio à participação nas instâncias de controle social do SUS e ao processo de


mobilização junto aos movimentos sociais representantes dessa população;

10. Na seleção de agentes comunitários de saúde, considerar como um dos critérios a


participação de moradores de rua e ex-moradores de rua.

CULTURA

1. Promoção de amplo acesso aos meios de informação, criação, difusão e fruição


cultural, especialmente por parte da população em situação de rua;

2. Desenvolvimento da potencialidade da linguagem artística como fundamental no


processo de reintegração social das pessoas em situação de rua. Neste sentido,
promoção de atividades artísticas especificamente voltadas para esta população, tais
como aulas e prática de teatro, literatura e artesanato;

3. Promoção de ações e debates de ressignificação da rua, deixando de retratá-la como


um simples lugar de passagem e passando a percebê-la como palco de encontros,
diálogos e construção de identidades;

4. Apoio a ações que tenham a cultura como forma de inserção social e construção da
cidadania;

5. Apoio a ações que promovam a geração de ocupação e renda através de atividades


culturais;

6. Promoção de ações de conscientização que alterem a forma de conceber as pessoas


em situação de rua, desconstruindo estigmas e promovendo ressignificações positivas;

7. Garantia de programas voltados para o esporte e o lazer da população em situação de


rua;

8. Incentivo a projetos culturais que tratem de temas presentes na realidade de quem vive
2
nas ruas, além do financiamento de projetos voltados para esse público, seja em seu
desenvolvimento artístico e cultural, seja para a facilitação de seu acesso aos bens
culturais disponíveis na sociedade;

9. Parceria com o Ministério das Cidades para promover o resgate de imóveis da união de
forma integrada com ações culturais, especialmente nos centros das cidades;

10. Parceria com o Ministério da Educação, para apoiar Organizações Não-Governamentais


que proponham projetos que utilizem espaço da escola nos finais de semana, para
oferecimento de atividades para moradores de rua.
2
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALCOCK, Peter. Understanding Poverty (2. ed.). London: MacMillian, 1997.

BRUSCHINI. Teoria crítica da família. Cadernos de Pesquisa nº 37. São Paulo, 1981.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis:


Vozes, 1998.

CARVALHO, José Murilo de. Bestializados: O rio de janeiro e a república que não foi (os). 3.
ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

COSTA, Ana Paula Motta; RENUCO, Adelina Baroni. População em Situação de Rua. Relatório
de Consultoria, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Brasília-DF, abril de
2005.

FERREIRA, Frederico Poley Martins. População em situação de rua, vidas privadas em


espaços públicos: o caso de Belo Horizonte 1998-2005, 2005.

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS (FIPE), PREFEITURA


MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO PAULO. Estimativa do Número de Pessoas em Situação de
Rua da Cidade de São Paulo em 2003. São Paulo, 2003.

LEWIS, Oscar. Hijos de sanchez: Autobiografia de una familia mexicana(los). 16. ed. Mexico: J
Mortiz, 1978.

MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. 2 ed. São Paulo: Paulus,
2003

META Instituto de Pesquisa de opinião. Relatório final. Pesquisa Censitária e Amostral.


População em situação de rua, 2008.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Relatório do I


Encontro Nacional sobre População em Situação de Rua. Secretaria Nacional de Assistência
Social. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Novembro de 2006.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME, PREFEITURA


MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS
GERAIS, INSTITUTO NENUCA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. 2 Censo da
População de rua e análise qualitativa da situação desta população em Belo Horizonte. Belo
Horizonte, abril de 2006

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME, PREFEITURA


2
MUNICIPAL DE RECIFE, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, MOVIMENTO
NACIONAL DE MENINOS E MENINAS DE RUA, ORGANIZAÇÃO DE AUXÍLIO FRATERNO.
Censo e análise qualitativa da população em situação de rua na cidade do Recife. Recife,
2005.

NASCIMENTO, Eurípedes Costa do; JUSTO, José Sterza. Roamers lives and Alcoholism: a
social question. Psicol. Reflex. Crit ,Porto Alegre, v. 13, n. 3, 2000 .

PEREIRA, Potyara A.P. A assistência social na perspectiva dos direitos: crítica aos padrões
dominantes de proteção aos pobres no Brasil. Brasília: Thesaurus,1996.

SILVA, Maria Lucia Lopes da. Mudanças recentes no mundo do trabalho e o fenômeno
população em situação de rua no Brasil 1995-2005. 2006. 220 f. Dissertação (mestrado) -
Universidade de Brasília.

TIENNE, Izalene. Mulher moradora na rua – entre vivências e políticas sociais. Alínea editora.

VIEIRA, M.A, BEZERRA, E. M.R e ROSA, C.M.M (orgs). População de rua: quem é? Como
vive? Como é vista? São Paulo: Hucitec, 1994.
2
LEGISLAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.

Decreto Nº. 4.886, de 20 de novembro de 2003, que institui a Política Nacional de Promoção da
Igualdade Racial (PNPIR) e dá outras providências.

Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Lei no


8.242, de 12 de outubro de 1991.

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção,
proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços
correspondentes e dá outras providências.

Lei n0 10.257, de 10 de julho de 2001, que regulamenta os artigos 182 e 183 da Constituição
Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências.

Lei n0 10.741, de 1º de outubro de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras
providências.

Lei n 11.258, de 30 de dezembro de 2005, que altera a lei n 8.742, de 7 de dezembro de 1993,
que dispõe sobre a organização da Assistência Social.

Política Nacional de Assistência Social – PNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e


Combate a Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Brasília, novembro de 2004.

Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Presidência da República. Secretaria Especial


de Políticas para as Mulheres. Brasília, 2004.

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à


Convivência Familiar e Comunitária. Presidência da República. Secretaria Especial de Direitos
Humanos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. CONANDA. CNAS. Apoio
UNICEF. Brasília, dezembro de 2006.

SUAS Plano 10 - Estratégias e Metas para Implementação da Política de Assistência social no


Brasil. Fotografia da Assistência Social no Brasil na perspectiva do SUAS. Brasília, dezembro
de 2005.