Вы находитесь на странице: 1из 61

GEOMANCIA MODERNA

APRESENTAÇÃO

É com grande satisfação que temos a oportunidade de levar ao público leitor brasileiro

esta obra que aborda a mais precisa e confiável Arte Divinatória existente. Após cerca de vinte e cinco anos de estudos e convivência com a Geomancia, nas suas mais diversas variações, decidimos elaborar este livro, que aborda a Geomancia sob sua forma mais prática e exata. Nesses anos todos, a Geomancia nos tem servido de forma surpreendentemente positiva, permitindo que investigássemos todo tipo de ocorrência, quer nossa, quer alheia, pouca importa se nossa interrogação se referisse a passado, futuro ou presente. Graças à Geomancia e a sua praticidade de execução e simplicidade interpretativa, pudemos auxiliar inúmeras pessoas, respondendo certeiramente às suas indagações. Esperamos, sinceramente, que todas as pessoas que se detiverem a estudar este livrinho encontrem, em suas páginas, a mesma amiga fiel com quem temos contado ao longo de mais de duas décadas - a GEOMANCIA!

ORIGEM HISTÓRICA

A origem da Geomancia perde-se na noite dos tempos.

Hermes Trimegistos já fazia referência a ela, ao dizer que “o que está em cima é igual ao

que se encontra embaixo”.

A Geomancia espalhou-se por todo o mundo árabe, em época de cultura pré-Islâmica,

tendo sido levada pelos árabes à Europa, posteriormente tendo se infiltrado por toda a

África negra, e daí ao Novo Mundo, por causa do tráfico de escravos.

Com o tempo, a prática Geomântica foi tomando novas formas, sendo que, na atualidade

é parte integrante dos Cultos Afro (Indigenous Faith/Nigéria; Candomblé/Brasil;

Vudú/Haití; Lucumí/Cuba; Santería/Estados Unidos) e prática frequente dentro de diversas Sociedades Secretas de cunho mágico (Ordo Templi Orientis, Ordo Templi Orientis Antiqua, Golden Dawn, Aurum Solis, etc.).

É de se notar que no chamado “Jogo-dos-Búzios”, variedade de Geomancia, têm-se uma

forma de mitologia criada em torno das Figuras Geomânticas, numa forma extremamente

rica de Arte Divinatória.

À essas “figuras mitologizadas”, por assim dizer, dá-se o nome de Odú, que tem o

significado de caminho do destino. Ao longo dos Séculos, a Geomancia foi disseminada pela Europa, lá tendo sofrido

diversas corrupções, algumas estruturais, outras interpretativas, e esse é o motivo pelo qual o leitor familiarizado com o Tema certamente encontrará distinções entre este trabalho e outras obras do assunto.

É de se notar, especialmente, a inversão de nomes (e consequentes interpretação) das

figuras 2122, originalmente chamada Albus, “o branco” em Latim, e 2212, cujo nome era Rubeus, “o vermelho” em Latim. Encontramos, em inúmeras obras, esses nomes trocados, fato que tira da Geomancia sua precisão, pois a interpretação equivocada estraga a certitude do oráculo. Foi Don Néroman, engenheiro francês e grande pesquisador do ocultismo, quem corrigiu

esses erros, que perduraram desde a Idade Média até os dias atuais. Infelizmente, porém, ainda há uma imensidão de pessoas praticando a Geomancia de forma equivocada, o que acabou por relegá-la a um segundo plano.

Mesmo em obras de autores de relevo como Robert Fludd, Aleister Crowley e Israel Regardie, entre outros, esses enganos se repetem, numa cabal prova de que um autor copiou das obras de outros, sem sequer pensar no que fazia! Temos a felicidade de encontrar num escritor patrício o maior divulgador dos ensinamentos de D. Néroman: nosso amigo Panisha, com quem muito aprendemos sobre Geomancia, Astrologia, Medicina e da vida em geral, nos últimos dez anos. Panisha, autor de várias obras do assunto, foi nossa maior fonte de inspiração e consulta para este livrinho que esperamos repita o sucesso de suas obras, reconhecidas e aclamadas internacionalmente. Natural será que o Leitor encontre, neste Livro, inúmeros trechos semelhantes à passagens das Obras daquele Mestre - simples de explicar, pois é impossível melhorar ou sequer alterar suas sábias palavras. Panisha é, sem sombra de dúvida, o “papa” do assunto. Além da óbvia (e necessária) consulta aos livros de Panisha, nos amparamos, também, nos escritos de Don Néroman, Maurice Béquart e Max Duval. Os leitores das obras desses três autores perceberão o quanto de suas palavras fizemos nossas, embora tenhamos conceitos peculiares com relação a diversos tópicos, fruto de nossa experiência pessoal. Enfim, aquí estamos para introduzir os interessados nessa que é a mais prática, precisa e interessante de todas as Artes Divinatórias existentes - a GEOMANCIA!

DEFINIÇÃO DE GEOMANClA

A Geomancia, atualmente, pode ser definida de diversas formas:

a) Segundo Panisha, podemos definí-la como a Arte Divinatória em que a resposta a uma

pergunta formulada vem através do subconsciente segundo regras especiais;

b) Segundo Don Néroman, a Geomancia seria a Arte Divinatória na qual uma pergunta

formulada torna-se uma interrogação feita pelo subconsciente aos Planetas Astrológicos, vindo a resposta através do inconsciente, além de ser a única forma válida de Astrologia Horária, episódica;

c) Segundo importantes autores do ocultismo ocidental, entre eles Aleister Crowley, Israel

Regardie, Melita Denning, Osborne Phillips e diversos outros, a Geomancia é a Arte Divinatória na qual uma pergunta formulada interroga Inteligências Geomânticas (em

algumas correntes, submissas a Planetas Astrológicos), que respondem à mesma através do nosso subconsciente;

d) Segundo praticantes modernos, menos ligados a organizações e dogmas, a

Geomancia é a Arte Divinatória na qual uma pergunta formulada interroga Elementais da Terra (Gnomos), que respondem à mesma por intermédio de nosso subconsciente;

e) Segundo os praticantes de Cultos Afro, a Geomancia, tratada como “Culto de Ifá” e

“Fundamentos de Ifá”, uma pergunta formulada torna-se uma interrogação às Entidades ligadas à prática realizada, que então utiliza-se de nosso subconsciente para respondê-la;

f) De acordo com nossas pesquisas e experiências, a Geomancia é a Arte Divinatória que, fazendo uso de uma estrutura egregórica pré-estabelecida, aonde encontram-se todos os parâmetros fixos e variáveis utilizadas em sua prática, uma vez formulada uma pergunta por alguém que conheça, compreenda e aceite sua estrutura e ditames, a mesma torna- se uma interrogação a Inteligências não-humanas, ligadas a energias Planetárias e Elementais, que enviam a resposta ao subconsciente do Geomancista, que só então obterá a resposta decifrada por um método mântico submetido à “lei das sincronicidades” (ver obras de Carl Gustav Jung), mas verificável racional e sequencialmente. Além disso, podemos dizer que a Geomancia é a Arte Divinatória que consiste em formar as assim chamadas Figuras Geomânticas e de as situar nas 12 Casas Geomânticas, semelhantes às 12 Casas Astrológicas. Como há 15 Figuras para 12 Casas, as 3 Figuras

restantes formam o chamado Tribunal Geomântico, composto de 2 Testemunhas e de 1 juiz. Esse dispositivo mostra bem a dualidade do Tema Geomântico: de um lado o questionador, representado pelas 12 Casas do Sensitivo Geomântico e, de outro lado, as 3 Figuras do Tribunal, respondendo à questão proposta.

A PRESENÇA DA GEOMANCIA NO MUNDO MÁGICO E NAS SOCIEDADES SECRETAS

A Geomancia esteve presente na vida e obra dos mais importantes autores do assunto,

como é fácil verificar numa simples consulta às obras de Israel Regardie, Samuel Liddel MacGregor Mathers, Aleister Crowley, Michael Bertiaux, Melita Denning, Osborne Phillips, Chic Cicero, Ophiel, Donald Tyson, Dolores Ascroft-Nowicki, Fernandes Portugal, Pierre Fatumbi Verger, Lidia Cabrera, Franz Bardon, entre muitos outros. Entre as Sociedades Secretas, a Geomancia sempre ocupou lugar de honra. Baseados em nossa vivência dentro dessas entidades, podemos afirmar:

a) Geomancia sózinha nos dá 90% de acerto;

b) Astrologia sózinha não serve para nada, em nossa opinião, mas acompanhada da

Geomancia nos dá 95% de acerto;

c) Geomancia + Numerologia + Astrologia + Biorritmo + Radiestesia + Radiônica + Tarot

nos dá 100% de acerto, sempre. Com isso, queremos dizer que a Geomancia é figura essencial para elevar o nível de acerto das chamadas Artes Divinatórias ou Ciências Experimentais à total precisão! Por isso que todas as Sociedades Secretas sérias fazem uso da Geomancia como Arte divinatória principal ou acessória.

OS VÁRIOS MÉTODOS PARA SE LEVANTAR UM TEMA GEOMÂNTICO

Temos as seguintes opções de levantar nossos Temas Geomânticos:

a) traços feitos com os dedos na areia;

b) traços feitos com um graveto na areia;

c) traços feitos com um Bastão Mágico especialmente confeccionado para essa

finalidade, em areia consagrada e colocada dentro de uma Caixa de Areia feita para esse fim exclusivo;

d) radiestesia mental sobre planchas com as figuras;

e) radiestesia icônica fazendo uso de pêndulos especiais nos quais a figura está gravada

em caracteres emissôres de ondas devidas às formas;

f) dois dados com doze faces pentagonais cada, os chamados dodecaedros

(normalmente tendo, em cada uma das faces, a figura de um signo astrológico);

g) tarot Geomântico especial;

h) búzios, em número de 4 ou 16;

i) Opelê-Ifá, instrumento litúrgico Afro, que consiste em corrente metálica com cerca de 80 cm. de comprimento, terminando em duas pontas numa extremidade, e em uma ou três na outra, tendo colocadas, em intervalos regulares, 8 meias-nozes da cajamanga ou 8 búzios;

j) duas metades de uma cebola;

k) duas metades ou quatro partes de um obí (fruta de uso litúrgico nos Cultos Afro, na

verdade a noz da árvore de cola, Sterculia Accuminata) ou de um orobô (idênticamente sagrada nos Cultos Afro, falsa-noz-de-cola, Garcínea Guinetóides);

l) traços feitos com lápis ou caneta num pedaço de papel;

m) digitação de traços na tela de um computador (que esteja munido de um software do tipo LiteGeo, NewGeo ou Geomancy).

OS MÉTODOS DE NOSSA PREFERÊNCIA

Os métodos que preferimos são, em ordem decrescente, os enumerados como ítens “l”, “m”, “g”, “e” e “d”.

PORQUÊ O MÉTODO DOS TRAÇOS (“l”) É PREFERÍVEL

Pois é fácil de ser executado, não requer muito espaço ou aparelhamento, é discreto e, sobretudo, preciso.

TEORIA DO LEVANTAMENTO DE UM TEMA GEOMÂNTICO

Em teoria, para se levantar um Tema Geomântico, devemos ter os seguintes elementos:

a) conhecimento da natureza e significação das Casas e das Figuras Geomânticas;

b) habilidade no método escolhido;

c) uma pergunta bem definida, e que permita uma resposta com um “sim” ou “não”;

d) conhecimento amplo das implicações da pergunta;

e) adequada “localização” das “casas da questão”;

f) concentração ao questionar o subconsciente;

g) atenção ao determinar a casa aonde o Tema se iniciará;

h) cuidado ao verificar as repetições oraculares, a via-do-ponto, a comunicação entre as

fases do Tema;

i) conhecimento de interpretação para responder adequadamente à questão formulada;

j) ter sempre em mente que o oráculo nunca erra - é sempre a interpretação que se equivoca e o interprete que se engana.

VAMOS CONHECER UM POUCO MAIS SOBRE AS 16 FIGURAS GEOMÂNTICAS

As Figuras Geomânticas são as encarregadas da resposta à questão formulada. Cada Figura consta de 4 algarismos, dispostos em linha vertical, em forma de par (2) ou ímpar

(1).

As Figuras representam os 4 Elementos da Natureza (Fogo-Terra-Ar-Água). Em simbolismo, os 4 Elementos, que condicionam todas as coisas, devem ser interrogados. Cada Figura tem um significado oracular. O número de quaternários possíveis, com repetição de 16 termos, tomados 4 a 4, é de 65.536, isto com o Sensitivo estático. Vejamos: 16 = 216 = 65.536. Com o Sensitivo em rotação, temos 65.536 x 12 Casas = 786.432. Esse é o número de Temas Geomânticos possíveis. Significa que a possibilidade de repetição de um mesmo Tema é de 1/786.432

VAMOS CONHECER AS DENOMINAÇÕES DAS 16 FIGURAS

(EM LATIM, EM PORTUGUÊS E NO SEU SENTIDO ESTRITO, RESPECTIVAMENTE)

1) -

1111

Via

O Caminho

A Indecisão

2) -

2222

Populus

O Povo

A Banalidade

3) -

2111

Caput Draconis

A Cabeça do Dragão

A Boa Orientação

4) -

1112

Cauda Draconis

A Cauda do DragãoA Má Orientação

5) -

1222

Laetitia

A Alegria

A Satisfação

6) -

2221

Tristitia

A Tristeza

A Insatisfação

7) -

1211

Puella

A Filha

A Facilidade / Menina

8) -

1121

Puer

O Infante

A Dificuldade / Menino

9) -

2122

Albus

O Branco

A Aceitação

10 -

2212

Rubeus

O Vermelho

A Revolta

11) -

2211

Fortuna Major

Fortuna Maior

Muita Sorte

12) -

1122

Fortuna Minor

Fortuna Menor

Pouca Sorte

13) -

2121

Acquisitio

O Ganho

O Lucro

14) -

1212

Amissio

A Perda

O Prejuízo

15) -

2112

Conjunctio

A Reunião

O Caminho Aberto

16) -

1221

Carcer

A Prisão

O Caminho Fechado

VAMOS CONHECER A CLASSIFICAÇÃO DAS FIGURAS

As Figuras se dividem em ímpares e pares, conforme a soma dos pontos de cada Figura. Há somente uma Figura com 4 pontos (1111) e uma com 8 pontos (2222) . As demais constam de 5 ,6 ou 7 pontos. Dizem-se Figuras complementares as que têm, linha a linha, pontos diferentes, e sua fusão dará, sempre, a Figura 1111. Ex. : 1121 + 2212 = 1111

1111

+ 2222 = 1111

2211

+ 1122 = 1111

Uma Figura diz-se conversível, quando sua leitura, de cima para baixo, é a mesma de uma outra, lida de baixo para cima. São em número de 12. Ex.: 2111-1112. As 4 restantes - 1111-2222; 2112-1221 - são ditas inconversíveis ou reversíveis; reproduzem-se tanto de cima para baixo como vice-versa. Temos 6 Figuras passivas: 2211-1122-2121-1212-2112-1221 e 10 Figuras ativas; que se reduzem a 6 (por haver 4 pares): 2 ativas simples: 1111-2222 e 4 ativas pares: 2111- 1112; 1222-2221; 1211-1121; 2122-2212.

A NOVA GEOMANCIA E O CONFLITO “ALBUS x RUBEUS”

Conforme dito anteriormente, num dado momento perdido na noite dos tempos, a mais profunda corrupção abateu-se sobre a Geomancia:

As Figuras Geomânticas “Albus” (2122) e “Rubeus” (2212) foram “trocadas de lugar”. Assim, Albus passou a ser 2212, e Rubeus 2122. Ora, embora hajam muitos elementos de contestação, inclusive o significado dos Elementos que compõe as figuras (21 é Ar, “concurso; 12 é Água, “obstáculo”; 22 é Terra, “finalidade”), a mais básica constatação do erro grosseiro está nas figuras complementares.

A figura 1222 tem como complemento 2111, correto?

A “satisfação” é companheira da “boa orientação”.

Vejamos Albus, “aceitação”:

Seu complemento é 1211, “facilidade”.

E Rubeus, “revolta”:

Complementa-se com 1121, “dificuldade”.

Se é assim, 2122 complementa-se com 1211 ou com 1121?

E 2212, é complementado por 1121 ou 1211.

A resposta é simples, e mostra bem o equívoco perpetrado através dos Séculos, aquí

dirimido.

LEVANTAMENTO DE UM TEMA GEOMÂNTICO

Vamos imaginar que o amigo leitor tenha optado por nossa principal escolha, ou seja, levantar um Tema munido de lápis e papel. Para se levantar um Tema Geomântico por esse método, toma-se uma folha de papel e no alto escreve-se a pergunta cuja resposta se deseja obter. Em seguida, concentrando-se fortemente na pergunta, começa-se a fazer, da direita para

a esquerda, traços verticais à vontade (geralmente de 8 a 20), completando 4 grupos de 4 linhas (16 linhas ao todo). Traçar 4 vezes 4 linhas de traços verticais, totalizando 16 linhas, e separadas em 4 grupos de 4 linhas.

Esta operação deve-se fazer de maneira inconsciente, sem nunca contar os traços e sem desviar o espírito da questão proposta. Concentrar o espírito sobre a questão, associando-a à representação mental da pessoa ou do objeto em causa.

Exemplo:

 

=18

=2

2

////////////

= 20

= 2

1ªMãe

 

= 17

= 1

= 15

= 1

=20

=2

6

////

= 1

2ªMãe

 

=19

=1

g

//////////////////

= 18

= 2

9

///////////////////

= 19

= 1

10

/ / / /

= 2

3ª Mãe

11

////

= 17

= 1

12

////////////

= 12

= 2

13

/////////////////

= 17

= 1

14

/ /

= 14

= 2

4 Mãe

15 //////////////

16

/////

= 14

= 18

273

= 2

= 2

Terminados os traços das 16 linhas, contam-se os traços de tal linha, colocando-se ao seu lado a soma encontrada e, ao lado desta, o número 1 ou 2, segundo a soma seja um número ímpar ou par. As 4 Mães representam, simbolicamente, os 4 Elementos da Natureza:

Fogo, Terra, Ar e Água. Cada um dos 4 grupos de linhas forma uma Mãe: o primeiro grupo, a 1ª Mãe; o segundo grupo, a 2ª Mãe; o terceiro grupo, a 3ª Mãe e o quarto grupo, a 4ª Mãe . Das 4 Mães derivam as 4 Filhas, da seguinte maneira: os 4 primeiros algarismos das 4 Mães vão formar a 1ª Filha; os 4 segundos algarismos, a 2ª Filha; os 4 terceiros, a 3ª Filha; e os 4 últimos algarismos, a 4ª Filha. Para a formação das 4 Sobrinhas, somam-se, dois a dois, os algarismos da 1ª e 2ª Mãe, dando a 4ª Sobrinha (par ou ímpar); os algarismos da 3ª e 4ª Mãe, dando a 3ª Sobrinha;

os algarismos da 1ª e 2ª Filha, dando a 2ª Sobrinha; os algarismos da 3ª e 4ª Filha, dando

a 1ª Sobrinha.

A Testemunha do Passado resulta da soma dos algarismos da 4ª e 3ª Sobrinhas; a

Testemunha do Futuro, da soma dos algarismos da 2ª e 1ª Sobrinhas.

O Juiz resulta da soma dos algarismos das duas Testemunhas (par ou ímpar).

Terminada a operação, temos formadas as 12 Casas, do Sensitivo Geomântico, e o Tribunal, constituído pelas duas Testemunhas e pelo Juiz.

O MÉTODO DE INDIVIDUALIZAÇÃO DO TEMA À QUESTÃO PROPOSTA:

PELA “ROTAÇÃO DAS CASAS”

A individualização do Tema permite que todas as Casas tenham igual oportunidade de

aparecer, tanto no regime do Passado como no do Futuro. O Tema natural, de estático (da velha Geomancia Clássica), torna-se dinâmico, movimentado (peculiaridade da Nova Geomancia). Para isso, somam-se os traços das 16 linhas e divide-se o resultado por 12 (Casas). O resto da divisão indicará onde deverá iniciar a Casa I (um), do Tema assim individualizado, em relação à seqüência da ordem natural (arcabouço). As demais 11 Casas serão numeradas, sucessivamente, de 11 a XII.

Exemplos:

60/12 = 0

A Casa I começará na 12 natural.

73/12 = 1 273/12 = 9

A Casa I começará na 1 natural. A Casa I começará na 9 natural.

Como Fazer a Pergunta Geomântica para que o Oráculo Responda

Utilizar sempre a forma positiva ou afirmativa e nunca a forma negativa, quando se faz uma consulta. Pergunta-se: Viajarei para Exclua as relações de parentesco. Nunca pergunte:

Meu filho Alexandre vai se casar? mas pergunte:

Alexandre vai se casar? Evite as questões que contêm, em verdade, diversas questões inbuídas.

?

Tire, se for preciso, tantos Temas quantos os necessários para as indagações precisas. Não pergunte:

Vou obter um aumento de salário que me permitirá fazer uma viagem para o Exterior? , mas, pergunte separadamente:

Obterei um aumento de salário?

e, depois, tirar um segundo Tema perguntando:

Farei uma viagem ao Exterior? Em caso de ausência de neutralidade suficiente, ou em caso de perturbação interior, é

práticamente impossível obter respostas corretas ou claras, sobretudo se se tratar de problemas pessoais. Muitas vezes, obtém-se a resposta, ardentemente desejada, ou que se teme, mas que não estará conforme à realidade. Nesse caso é melhor que um terceiro faça os traçados. Quando a pergunta é para o próprio Geomancista, a Casa I o representará. Quando o Geomancista faz consulta para terceiro, a Casa I é, sempre, do consulente e a Casa VII, a do Geomancista (concurso mental). Quando a consulta é para terceiro, interessando a Casa VII, então o Geomancista passa

a ser representado pela Casa XI, dos estranhos.

Após a formulação da pergunta, é preciso, antes de proceder aos traços, situar a Casa ou Casas da questão proposta, a fim de que o subconsciente saiba como deverá responder.

É

aconselhável não estender o prazo da questão proposta além de dois anos.

O

ideal, na verdade, é ater-se a um prazo máximo de seis meses até ter-se maior prática.

CONHEÇA AS RAZÕES TERRESTRES E CELESTES DA GEOMANCIA

A que se resume o mecanismo terrestre da Geomancia?

A pedir ao Oráculo que responda, por par ou ímpar, um certo número de vezes,

sucessivamente. Limita-se isso a 4 etapas, correspondendo aos 4 Elementos: Fogo, Terra, Ar e Água, e depois, recomeça o ciclo. São os 4 Elementos que impõem que se interrompa a tiragem dos pontos, após 4 tiragens. Essa interrupção forma a Figura da 1º Mãe. A seguir, fazem-se 4 vezes 4 tiragens idênticas, que determinam as 4 Figuras das Mães, cada uma afetada de um dos 4 Elementos. Detém-se, aqui, porque o Zodíaco e o Sensitivo compreendem apenas 12 signos e 12 Casas. Aos três arcos trígonos dos 12 signos, ou das 12 Casas, que compreendem, cada um, a série completa dos 4 Elementos, devem corresponder as três espécies de Figuras: as Mães, ao primeiro trígono; as Filhas, ao segundo e as Sobrinhas, ao Terceiro trigono. Por Sobrinhas deve-se entender as Filhas das Filhas, e não as Netas. As razões celestes são próprias da Lua. A Geomancia é, segundo Panisha, Don Néroman e Maurice Béquart, essencialmente lunar, pois que ela interroga o Céu pelas "coisas da Terra", e a mais alta coisa da Terra é a Lua, simples anexo da nossa Esfera, verdadeira antena do Globo, projetada para o Céu a fim de o sondar. No Sensitivo Geomântico tudo é feminino: as 12 Casas são ocupadas pelas 4 Mães, as 4 Filhas e as 4 Sobrinhas, pois que a tiragem dos pontos é ditada pela Lua, princípio feminino dos viventes que povoam a Terra. Ora, o ritmo da Lua é regido pelo número 4. Senão, vejamos:

a) a Lua muda de tonalidade influencial no Céu, quando ela muda de ramo (navamsa);

seu passo diário é de 4 ramos, o que constitui um "manazil";

b) o Zodíaco se divide em 108 ramos a razão de 4 ramos por dia, o que a Lua faria em 27

dias exatamente ;

c) no curso da lunação, a Lua apresenta 4 fases: Lua Nova, onde ela é totalmente

invisível; Quarto Crescente, onde ela está em dicotomia, iluminada sobre sua metade ocidental; Lua Cheia, onde todo o seu disco é luminoso; Quarto Minguante, onde ela está em dicotomia oriental.

CONHEÇA A ESTRUTURA GEOMÉTRICA DAS FIGURAS (O ATIVO E O PASSIVO).

A estrutura Geométrica é dada pelas linhas que unem os pontos das Figuras. Para traçar as linhas: a linha vai do primeiro ponto ao segundo; deste ao terceiro e, finalmente, do terceiro ao quarto, sem jamais se dirigir horizontalmente no mesmo ponto.

I) Domínio Ativo Figuras Extremas e Figuras Ímpares

Reversível

Invertidas

Invertidas

Complementares

Reversível

Invertidas

Invertidas

II) Domínio Passivo Figuras Pares

Invertidas

Invertidas

Complementares

Reversível

Reversível

CONHEÇA A SIGNIFICAÇÃO CONFERIDA ÀS FIGURAS PELA SUA ESTRUTURA GEOMÂNTICA

I) Figuras Ativas

1111 - Via

Evoca um animal simplificado ao extremo e que caminha diretamente para frente; ele não possui órgãos diferenciados nem órgãos perceptivos. É o animal primordial, feito de células idênticas, em anéis (o verme). Cego, ele segue reto para diante, sem nada procurar e sem nada evitar, pois, sendo cego, não sabe o que o ameaça nem o que lhe agrada, tal como uma pedra atirada, sem livre-arbítrio, para apreciar, esquivar-se ou hesitar. E uma figura reversível, pois que suas 4 células são idênticas, ainda não diferenciadas em cabeça, ventre e cauda.

2222 - Populus

Populus assemelha-se a 1111, mas é múltipla; apresenta dois vermes paralelos, que seguem o mesmo caminho; ela evoca o instinto gregário. Aqui, o número dois significa pluralidade e não dualidade, pois que não há um casal, mas uma repetição. Sendo dois seres idênticos e ainda desprovidos de órgãos perceptivos, nada há que os individualize. Não vendo um ao outro, pois são cegos, têm eles apenas o sentido da massa que eles constituem, uma individualidade coletiva, a única possível. Permanecem eles em grupos, o que constitui o instinto gregário.

2111-1112 - Caput e Cauda Draconis

No estágio seguinte, a célula da cabeça, que se choca contra os obstáculos (as outras apenas a seguem) e contra os adversários prestes a devorarem o verme cego, adquire órgãos tácteis, que exploram o terreno; simples antenas que acabam por tornar-se olhos, oferecendo estes maior proteção. Temos, então, um animal com dois olhos.

Assim, 2111 representa o animal voltado para o Céu, a cabeça no alto, ascendente, caminhando para frente. Ao contrário, 1112, representa o mesmo anìmal, mas descendente, caminhando para trás.

1211-1121 - Puella-Puer

No terceiro estágio, o animal conquista a sexualidade; o hermafrodita torna se fêmea; o órgão masculino se libera para formar um novo ser.

1211

demonstra, facilmente, a feminilidade entreaberta. É o animal sexuado feminino.

1121

faz ver a virilidade dirigida para o alto. É o animal sexuado masculino.

1222-2221 - Laetitia e Tristitia

Laetitia e Tristitia representam os instintos ou as sensações dos animais, as impressões que recebem do meio, no qual evoluem, e suas manifestações. 1222, complemento do animal ascendente (2111), representa um abrigo estável, e segurança.

2221 , complemento do animal descendente (1112), significa um abrigo descoberto, o

perigo.

2122-2212 - Albus e Rubeus

São as Figuras complementares do animal sexuado. Aqui, o homem, pois já estamos no último estágio da evolução. Nas relações do par humano, a passividade pertence à mulher e a atividade, ao homem.

Albus, 2122, complementar da fêmea 1211 , dá a imagem do ser de pé, imóvel, pernas verticais, em repouso, e com os braços cruzados. Representa a espera. Rubeus, 2212, complementar do macho 1121, dá a imagem do ser em marcha, pernas cruzando pelo movimento ambulatório, e braços estendidos. É o ser agitado, lançando-se para aquilo que persegue. Persegue, antes de tudo, sua contrapartida, a fêmea, que está à sua espera, imóvel, pernas afastadas. Representa a perseguição.

Uma Nota sobre Albus e Rubeus

Em conseqüência de um erro de copista, como dissemos no início desta obra, a maior parte dos trabalhos sobre Geomancia representa Albus por 2212 e Rubeus, por 2122. Como veremos em "Figuras e Elementos", 22 representa finalidades, 21 concursos e 12 obstáculos. Se analisarmos Albus como 2212, temos uma finalidade que se torna obstáculo; Rubeus 2122, um concurso para uma finalidade, o que não está de acordo com a realidade.

O certo é Albus, 2122, um concurso para uma finalidade e Rubeus, 2212, uma finalidade

que se torna um obstáculo; daí, Albus significando consentimento e Rubeus, a revolta.

II) Figuras Passivas - O Fatal

a) Os meios materiais: 2211-1122. Fortuna Major e Minor

2211

- Fortuna Major representa a abundância, se nascemos em um meio rico;

1122

- Fortuna Minor, a parcimônia, se nascemos em um meio pobre. Fortuna Major

representa o Copo de Pé, que pode ser sempre enchido; Fortuna Minor, o Copo Virado, que tem seu conteúdo em reserva, em lugar de ser disponível.

b) As variações dos meios materiais: 2121-1212 - Acquisitio e Amissio

2121 - Acquisitio simboliza o acréscimo da abundância, o enriquecimento, a árvore em

seiva ascendente.

1212 - Amissio simboliza o depauperamento, que pode ir até o esgotamento total. A

árvore em seiva descendente.

c) O Destino Final - 2112-1221 - Conjunctio e Carcer

2112

- Conjunctio é a única Figura aberta para o Céu e para a Terra.

1221

- Carcer, a única Figura fechada para ambos.

É o destino final, qué nos conduz ao Paraíso ou nos deixa à sua porta.

AS FIGURAS E OS 4 ELEMENTOS (FOGO - ÁGUA - AR - TERRA)

A) Formação dos Elementos

Um ponto Geométrico (.) representa o ímpar, o ativo; dois pontos (

par, o passivo. O ímpar resume um Elemento ativo: Fogo ou Ar. O par resume um Elemento passivo: Terra ou Água. Resulta que o Elemento somente será fixado no segundo ponto. Considerando o Elemento ativo: se o segundo ponto for ímpar, o Elemento é plenamente ativo (Fogo); se o segundo ponto é par, o Elemento torna-se passivo, após ter iniciado como ativo - é o Elemento Água. Considerando o Elemento passivo: se o segundo ponto for ímpar, temos um Elemento ativo, depois de ter iniciado como passivo - é o Ar. Se o segundo Elemento for par temos o Elemento passivo pleno, que começou e terminou como passivo - é a Terra. Assim, fuzionando-se dois Elementos, fusionam-se 4 pontos Geomânticos, criando-se a Figura. Temos, finalmente:

), o

11

(Fogo), representando os dinamismos;

12

(Água), representando os obstáculos.

21

(Ar), representando os concursos;

22

(Terra), representando as finalidades.

B)

Figuras e Elementos

1)

1111 - Via

Pertence ao Fogo, somente. É um dinamismo puro, que vai sem finalidade, lançado às cegas. É o animal formado por anéis idênticos, sem cabeça e sem cauda, sem órgãos perceptivos, caminhando às cegas, sem rumo.

Não há nem concursos nem obstáculos, não medindo os obstáculos resultantes do meio e nem encontrando nesse meio os concursos necessários, que o auxiliem a vencer.

Indica o esforço em vão, o golpe de sabre n’água rumo definido.

É o Aventurado, o que caminha sem

2) 2222 - Populus

Pertence ao Elemento Terra, sendo, portanto, um fim evolutivo, para o lado do qual não se dirige nenhum dinamismo. É o instinto gregário, a multidão.

3) 2121 - Acquisitio

Figura pertencente ao Elemento Ar, apenas; é o concurso que permanece um concurso. Concurso que não se dirige a nenhum dinamismo a secundar, a nenhum obstáculo a

vencer, a nenhum fim a atingir. É, então, o concurso sempre oferecido a cada um, pronto

a apoiar o esforço que lhe faz apelo. Significa o aporte de energias físicas e morais.

4) 1212 - Amissio

Esta Figura contém apenas o Elemento Água; é o obstáculo que permanece como obstáculo, dirigido a qualquer esforço e contra qualquer fim, pois que não há nem dinamismo, nem concurso e nem fim definido. É o obstáculo que se renova tão logo seja vencido; é o intransponível e evoca a morte, obstáculo final. Significa a diminuição, e aniquilamento das energias morais, fisiológicas e materiais. O Descarado.

5) 2111 - Caput Draconis

A Figura define-se pelos Elementos Ar-Fogo; o concurso vindo em apoio do dinamismo;

os concursos afluem àquele que empreende, quaisquer que sejam os obstáculos e fins.

Significa os fluidos inferiores benéficos. É o Prudente.

6) 1112 - Cauda Draconis

Os Elementos são Fogo-Água; o dinamismo que se torna obstáculo; é o esforço que se volta contra aquele yue o forneceu. É o esforço dirigido para um fracasso.

Sua significação é a dos fluidos inferiores maléficos, destruidores. O esforço é destruidor, se o ser o aplica à sua própria conduta; é corruptor, se é aplicado contra outrem. É o Funesto, o Prejudicial, o Mau Conselheiro.

7) 1222 - Laetitia

A Figura é composta dos Elementos Água-Terra; é o obstáculo que se dirige para um fim;

será, pois, o último obstáculo.

Significa tudo o que tende a produzir a expansão física e moral. O Generoso.

8) 2221 - Tristitia

Tem como Elementos: Terra-Ar; é o fim indo para um concurso em quadratura, isto é, para outrem. Vindo para o concurso, ela o atenua e paralisa o auxflio esperado; ela isola no abandono. É a sensação de mal-estar, de inquietude, sentimento de perigo, contra o qual a gente está sem defesa e sem socorro. Significa tudo o que tende a produzir uma depressão material ou moral. O Inflexível, O Inevitável Doloroso.

9) 1211 - Puella

A Figura compreende os Elementos Água-Fogo; é o obstáculo que se dirige para um

dinamismo em quadratura, isto é, desafiando-o. No domínio dos instintos, simboliza o ser hesitante, meditante; sobre o plano sexual, é a fêmea que finge resistir mas que deseja se entregar. Significa a passividade estética, as tendências amorosas, sentimentais, artísticas, com um sentido de devaneio.

10) 1121 - Puer

Tem como Elementos Fogo-Ar; o dinamismo vindo em auxflio do concurso, ou se tornando concurso; a ação empreendida para si torna-se em proveito de outrem; tiram-se as castanhas do fogo para aquele que as comerá. É o macho atuando em proveito da fêmea.

Significa a atividade independente, a energia dificilmente contida, com um sentido de ação impulsiva. A atividade de Puer é independente de sua vontade. O Desmiolado.

11)2122-Albus

Constituída dos Elementos Ar-Terra; o concurso dirigido para o fim. É a contradição entre

o desejo de uma coisa e o sacrifício para consegui-la, e, daí, a aceitação, a resignação. É uma resignação feliz. Significa a paz interior, o equilibrio de todas as aspirações. O Judicioso.

12) 2212 - Rubeus

Os Elementos são: Terra-Água; o fim que se torna um obstáculo. É o obstáculo que se renova e a tarefa recomeça, irritando o indivíduo, que se revolta contra sua condição e acha que o mundo está mal feito, injusto, decepcionante. O Revoltado.

13) 2211 - Fortuna Major

Tem como Elementos Terra-Fogo ; o fim dirige-se para o esforço , tornando-se o esforço. Isso significa que os fins já realizados são a fonte de novos esforços a fornecer. O esforço é diminuído pelo fato de que o fim já realizado torna-se um meio que o facilita. O dinheiro atrai o dinheiro. É o sucesso vindo de si mesmo, com um mínimo de esforço. É o símbolo do Copo de Pé, cheio, no qual se pode beber à vontade. É o fator do sucesso. O Benéfico.

14) 1122 - Fortuna Minor

Os Elementos são Fogo-Terra; o dinamismo indo direto para o fim em quadratura, sem obstáculos nem concursos . É a insuficiência de meios para o fim perseguido . É o símbolo do Copo Virado, da parcimônia, da economia, da escassez, da penúria. O Imperioso.

15) 2112 - Conjunctio

Os Elementos são Ar-Água; o concurso que se dirige para os obstáculos em quadratura. Se o concurso for mais forte, ele os atenua, mas em vão, para um dinamismo que não se exerce; se o concurso for mais fraco, ele será absorvido pelos obstáculos; é o concurso mal dirigido. Significa as forças concorrentes e seus resultados. O Inconstante.

16) 1221 - Carcer

Figura com os Elementos Água-Ar; o obstáculo dirigindo-se para um concurso em quadratura, sempre com o sentido de enfraquecimento, de paralisação do concurso. E um obstáculo que entrava um concurso esperado de outrem, paralisando-o. Significa as forças adstringentes, as tendências egoístas, o constrangimento. São todas as energias físicas e morais submetidas ao constrangimento, reduzidas à impotência. O Sórdido.

FIGURAS, SIGNOS e PLANETAS

Figuras

Governantes

Signos

1111

Sol

Leo

2222

Vênus

Taurus

2111

Mercúrio-Júpiter (Urano)

Gemini-Sagittarius

1112

Júpiter (Urano-Júpiter)

Sagittarius-Pisces

1222

Júpiter-Mércurio

Pisces-Virgo

2221

Saturno-Vênus Capricornus-Libra

1211

Lua-Marte (Plutão)

Cancer-Aries

1121

Marte (Plutão-Vênus)

Aries-Libra

2122

Mercúrio-Mercúrio

Gemini-Virgo

2212

Saturno-Lua

Capricornus-Cancer

2211

Mercúrio-Júpiter (Urano)

Virgo-Sagittarius

1122

Marte (Plutão)-Saturno

Aries-Capricornus

2121

Saturno (Netuno)

Aquarius

1212

Marte

Scorpius

2112

Vênus-Lua

Libra-Cancer

1221

Júpiter-Mercúrio

Pisces-Gemini

1111

- Dinamismo puro: Fogo-Fogo

Via é o dinamismo que vai direto, sem um fim que poderia lhe mudar a rota, tal como uma flecha disparada por um arco. Pertence ao signo de Leo, trono do Sol, que vai direto, sem jamais retrogradar.

2222 - Finalidade: Terra-Terra

Populus significa a multidão, a agregação dos indivíduos de uma mesma raça, o instinto gregário. Pertence ao signo de Taurus, trono de Vênus terrestre, signo de fecundidade.

2121 - Concursos: Ar-Ar

Acquisitio significa o acréscimo, em signo de Ar, mental. Pertence ao signo de Aquarius, pólo do espírito e das forças espirituais, oposto a Leo, pólo do corpo, das forças físicas. O Aquarius é a fonte de todos os conhecimentos adquiridos sobre o Cosmos (Céu +Terra). Trono de Saturno celeste, que é Netuno.

1212 - Obstáculos: Água-Água

Amissio significa o depauperamento, indo até a morte. Pertence ao signo de Scorpius, trono de Marte terrestre, de Marte semeando a morte.

2111 - Concurso-Dinamismo: Ar-Fogo

Caput Draconis é o ser organizado graças à sua percepção e à sua inteligência. Sua correspondência é Gemini-Sagittarius, tronos de Mercúrio celeste e de Júpiter celeste (Urano).

É o homem inventando a arma e tornando-se o cavaleiro armado , dominando todos os

animais. É Mercúrio, espírito de invenção, chegando a Júpiter, rei do Cosmos.

1121 - Dinamismo-Concurso: Fogo-Ar

Puer pertence a Aries-Libra, tronos de Marte celeste (Plutão) e de Vênus celeste.

É o homem apaixonado, colocando-se à mercê da fêmea. É o homem correndo para a

fêmea.

1222 - Obstáculo-Fim: Água-Terra

Laetitia corresponde aos signos de Pisces-Virgo, tronos de Júpiter e de Mercúrio.

É o abrigo, a segurança, o bem-estar. É a proteção de Júpiter, o nutridor, sobre Mercúrio,

o provido.

2212 - Finalidade-Obstáculo: Terra-Água

Rubeus pertence aos signos de Capricornus-Cancer, tronos de Saturno e da Lua.

É o revoltado; Saturno esmagando com necessidades materiais a sonhadora Lua.

1112 - Dinamismo-Obstáculo: Fogo-Água

Cauda Draconis é representada por Sagittarius-Pisces, tronos de Júpiter celeste (Urano) e

de Júpiter terrestre. Cauda é o ser regressivo, o esforço dirigido a contra-senso. É Júpiter,

o encarnador, encarregado de lançar para a Terra as almas dos desencarnados.

1211 - Obstáculo-Dinamismo: Água-Fogo

Puella corresponde aos signos de Cancer-Aries, tronos de Lua e de Marte celeste (Plutão).

É a fêmea receosa, mas desejando a união fecundante; é a ternura amorosa, passiva. A

Lua vindo a Marte, toda a fecundidade perturbada pelo espírito de marternidade e, vindo ao macho, o único capaz de satisfazer esse instinto.

1221 - Obstáculo-Concurso: Água-Ar Carcer pertence aos signos de Pisces-Gemini,

tronos de Júpiter e de Mercúrio. É a prisão, o entrave, o impedimento. Júpiter, o nutridor, vindo a Mercúrio, apaixonado pela ciência, pela nutrição espiritual, o que não lhe pode dar Júpiter terrestre.

2112 - Concurso-Obstáculo: Ar-Água

Conjunctio é representado por Libra-Cancer, tronos de Vênus e da Lua. É a evasão, a liberação. É Vênus celeste elevando-se até a Lua, que recebe as almas para devolvê-las ao Paraíso.

2122 - Concurso-Finalidade: Ar-Terra

Albus corresponde aos signos de Gemini-Virgo, ambos tronos de Mercúrio. É a aceitação, indo até a resignação concordante, sem azedume, mas com alegria. Está de acordo com Gemini-Virgo. Mercúrio celeste, inteligente, apaixonado das altas especulações filosóficas, aceita se baixar ao nível de Mercúrio terrestre, apaixonado dos bons materiais. Primeiro viver, depois filosofar.

2221 - Finalidade-Concurso: Terra-Ar Tristitia pertence aos signos de Capricornus-Libra,

tronos de Saturno e de Vênus celeste. É o abrigo descoberto, desprotegido, o mal-estar, a

insegurança, que nos impele a buscar o que nos falta.

Saturno voltado para Vênus celeste; as necessidades materiais esmagando a natureza artística, desejosa de ser liberada. É a lei de Saturno, de matar para viver, o que é bem a maior tristeza pesando sobre a Terra.

2211 - Finalidade-Dinamismo: Terra-Fogo Fortuna Major é representada pelo signos de

Virgo-Sagittarius, tronos de Mercúrio terrestre e de Júpiter celeste (Urano). É a grande

chance. Mercúrio, enriquecido de meios materiais, voltando-se para Júpiter, armado do Raio, que lhe assegura o governo do mundo. Os meios assegurados são a fonte de novos sucessos.

1122 - Dinamismo-Finalidade: Fogo-Terra

Fortuna Minor pertence aos signos de Aries-Capricornus, tronos de Marte celeste (Plutão)

e de Saturno.

É a pequena chance, o mínimo dado a cada um. É Marte, dinâmico, dirigido para Saturno,

que põe diante dele o fim, de acesso difícil, imagem de tudo o que é preciso vencer, sem auxilio.

FIGURAS E SEU SIMBOLISMO

1111 - Via

Simboliza o esforço cego, a deriva, às vias aleatórias. Pode designar o dinamismo indo direto ao seu fim (por ser Via de caráter solar).

2222 - Populus

É o símbolo da banalidade, da coisa comum sem relevo e passando despercebida. Indica

a neutralidade e a submissão à predominância do fatal.

2111 - Caput Draconis

Simboliza o bom caminho, a boa direção, a progressão normal. Os esforços inteligentes, as boas decisões, a boa escolha, a boa utilização.

1112 - Cauda Draconis

Simboliza a má direção, a regressão, os esforços mal dirigidos, as más decisões, a má escolha, a má utilização.

1222 - Laetitia

É o símbolo do bom humor, da alegria, da benevolência, do espírito aberto, dos prazeres

da vida, o contentamento, a proteção providencial.

2221 - Tristitia

Simboliza a tristeza, o mau humor, a insatisfação, a frustração, o abandono do Céu, o inevitável doloroso, as necessidades implacáveis da vida, o fardo da vida.

1211 - Puella

Simboliza as realizações e os resultados felizes, fáceis, agradáveis, sem risco. Também,

a hesitação, o receio, o medo, a angústia, a reserva, as tendências contraditórias.

1121 - Puer

É o símbolo da independência, a perseguição arriscada dos desejos, as dificuldades da

vida, os problemas árduos, os prejuízos e acidentes, os litígios, os combates, as hostilidadés, a vontade, a audácia, a coragem.

2122 - Albus

Simboliza a aptidão para sair-se do embrulho, bem como tirar outros do embrulho, as manobras hábeis, as boas soluções, a resignação filosófica, o consentimento, a aceitação, a brancura e a pureza física e moral.

2212 - Rubeus

Corresponde à perseguição do objeto cobiçado, à desobediência, à indisciplina, à insubmissão, à revolta, à rejeição de qualquer coisa ou de qualquer um, à impureza física ou moral, à discórdia, à descrença.

2211 - Fortuna Major

Simboliza as vantagens e os proveitos obtidos sem dificuldades, os favores, privilégios, as satisfações totais.

1122 - Fortuna Minor

É a chance muito reduzida, a falta de chance, as iniciativas sem os meios, os esforços inúteis, os pequenos sucessos, os resultados neutros.

2121 - Acquisitio

Evoca, por sua forma, um saco aberto no alto, prestes a se encher. Simboliza os acréscimos, aumentos, ganhos.

1212 - Amissio

Evoca o saco aberto para baixo e prestes a se esvaziar. É o depauperamento, a diminuição, as mudanças, o desprendimento de ligações anteriores, o fim de uma situação, as transformações, a morte.

2112 - Conjunctio

Simboliza a linha geral do destino, as uniões, a morte doce.

1221 - Carcer

Simboliza a prisão, as perfídias, as traições, as armadilhas, o impedimento, a imobilização, o fim impossível de ser atingido, o freio.

AS CASAS GEOMÂNTICAS E SUA SIGNIFICAÇÂO NO PLANO FÍSICO

Casa I

Parte superior da cabeça e seus órgãos (parte delimitada pelo alto do crânio e o Céu da boca). O cérebro, cerebelo, hemisférios cerebrais. A hipófise, o nariz, os olhos, o maxilar superior com seus dentes. O SisTema Nervoso Central. A visão. O olfato.

Casa II

Parte entre o Céu da boca e as clavículas. As orelhas, a cavidade bucal: lábios língua, maxilar inferior com seus dentes. Glândulas salivares e suas secreções. Á garganta, o pescoça, as amídalas, epiglote, faringe, laringe. A tireóide, as paratireóides. A parte superior do esôfago. As cordas vocais. O sisTema respiratório superior ou laringo- farínGeo. A audição, a voz, o paladar.

Casa III

Parte delimitada pelas clavículas e o diafragma. O peito e seus órgãos. O tórax. Os membros superiores: ombros, braços, antebraços, punhos, mãos e dedos.

O sisTema respiratório inferior: traquéia, brônquios, bronquíolos, pulmões. Os seios, as

glândulas mamárias e suas secreções. O sentido do tato.

Casa IV

Regiões epigástrica e gástrica. Seus órgãos. O estômago, duodeno, fígado, vesícula biliar, pâncreas e baço. Os sucos gástricos. A bile.

Casa V

A região cardíaca e seus órgãos. O coração, o sisTema circulatório cardíaco. O sangue .

Casa VI

O ventre, o abdômen e seus órgãos. O intestino delgado, o intestino grosso (do lado do

delgado), o apêndice vermicular. O sisTema digestivo intestinal. Os órgãos genitais femininos internos: ovários, trompas e útero. Os órgãos genitais masculinos internos: as vesículas seminais e próstata.

Casa VII

A região dorso-lombar. Os rins e as cápsulas supra-renais. A coluna vertebral, medula

espinhal, nervos raquídeos. O sisTema nervoso do Grande Simpático.

Casa VIII

As vias de eliminação do organismo. As vias urinárias e seus órgãos: ureteres, bexiga, meato urinário. A via retal e seus órgãos: intestino grosso (do lado retal), o reto e o ânus. As glândulas sudoríparas. Os produtos de eliminação do organismo: suor, fezes, urina, mucosidades nasais, toxinas e venenos.

Casa IX

A região ilíaca: quadris, coxas e nádegas. Os órgãos genitais masculinos e femininos

externos. O potencial genésico.

Casa X

Os joelhos e suas articulações. O esqueleto, a ossatura. O sisTema locomotor.

Casa XI

As pernas.

Casa XII

Os tornozelos, os pés e os artelhos.

AS CASAS GEOMÂNTICAS E SUA SIGNIFICAÇÃO NO PLANO SOCIAL

Casa I

Representa o consulente ou a coisa, objeto da questão proposta. A personalidade, o estado físico, a saúde.

Casa II

Os ganhos, as riquezas, o dinheiro, a conta no banco, a provisão alimentar. Os medicamentos tomados. A aquisição intelectual.

Casa III

O concurso do meio, onde vive o indivíduo. Os consanguíneos, irmãos, próximos,

vizinhos, colegas. Os meios de expressão sob todas as formas, palavras, escritos. A personalidade dos membros do meio, suas atitudes em relação ao consulente. O correio recebido, as notícias. Os meios de comunicação. As idas e vindas, as pequenas viagens. Os fornecedores (padeiro, leiteiro, etc.).

Casa IV

O obstáculo ao objeto da questão proposta. A influência da hereditariedade, da

ascendência, do passado, quer sobre o consulente como sobre a questão. A origem dá questão proposta, o fim perseguido.

Casa V

A atividade do indivíduo sobre o plano familiar. O dinamismo projetado pelo indivíduo

sobre o meio no qual vive. Os filhos, as invenções, as criações. A questão sexual, ardor e desregramento, erotismo e inversão sexual. As distrações, divertimentos, passeios, jogos, jogos de azar. As especulaçôes na Bolsa. A vida privada e familiar.

Casa VI

O lar, a profissão (com todos os seus utensilios), o consultório, escritório, casa comercial,

butique, a oficina de trabalho. O pessoal ligado ao lar: servidores e domésticas. O pessoal

ligado ao local de trabalho: auxiliares, colaboradores, empregados, subalternos. Os estudos (para um estudante). Os meios materiais empregados ou de que se dispõe. Os animais domésticos. Em Geomancia, significa os fatores primordiais, os elementos de base do sucesso.

Casa VII

Os opostos complementares: cônjuge ou sócio. Os comportamentos deles em relação ao consulente, suas intervenções, influências, apoios. O adversário declarado, a parte adversa em um litígio, sua ação:

Os contratos, promessas, casamento, uniões, associações, e suas rupturas. O concurso do mental, das faculdades intelectuais vindo orientar o dinamismo instintivo (l).

Casa VIII

As grandes mudanças na vida. Os acontecimentos que determinam modificações pondo

fim a uma fase da vida do indivíduo. A morte do consulente ou de qualquer coisa. A heranças, a viuvez e a separação.

O obstáculo à continuidade da existência do objeto da questão proposta. Em Geomancia,

ela significa os acontecimentos ou mudanças que provocarão os comportamentos projetados e submetidos à aprovação ou desaprovação do Oráculo, pela Figura que a

Casa recebe.

Casa IX

A atividade sobre o plano social. Tudo o que concorre para pôr o indivíduo em destaque

na sociedade ou para o rebaixar. O potencial cerebral, a atividade cerebral do indivíduo.

As pesquisas e descobertas do indivíduo. As viagens ao Exterior. As relações com os países estrangeiros. O dinamismo procriador, cerebral, mental, intelectual, e projetado para o mundo exterior, bem como sobre o plano religioso, espiritual e metafísico.

Casa X

A posição, a carreira, a realização do Destino. O renome. O resultado buscado; sendo

atingido ou não. O destino da empresa projetada, o futuro do fim perseguido, no quadro

da questão proposta.

Casa XI

O concurso do meio exterior. Concurso e apoio da Providência e do outro coletivo:

estranhos, desconhecidos, povo, público, clientela, professores, educadores, poderes públicos, governo, discípulos. A personalidade do desconhecido com o qual se entra em contáto. Os patrões e superiores. A popularidade. Os eleitores, leitores.

Casa XII

O obstáculo à ação ou à realização dos projetos. Os entraves, impedimentos, demoras,

atrasos. As enfermidades. Os adversários, prisões, tudo o que obstrui a liberdade individual. Em Geomancia, ela significa as dificuldades da empresa projetada, e sua natureza, pela Figura que a Casa recebe.

OS CHAMADOS “JOGOS DE AZAR” E A GEOMANCIA (LOTERlA ESPORTIVA, LOTO, MEGA-SENA, SUPER-SENA, CARTEADO, LOTERIA FEDERAL, LOTERIA ESTADUAL, BINGO, BRIGA-DE-GALO, CORRIDA DE CAVALO)

Casa I

Os comportamentos individuais do apóstador, suas intenções, suas decisões.

Casa II

Representa o dinheiro necessário para jogar. As entradas ou perdas de dinheiro. Uma das Casas da questão.

Casa III

O concurso do meio: concurso da imprensa, dos jornais, dos boletins especializados.

Casa IV

O resultado a obter, o fim esperado. O destino da aposta nas suas origens. O capital

reservado ao jogo.

Casa V

As apostas e seus resultados. Os prazeres do jogador. Outra Casa da questão.

Casa VI

Os meios materiais de que dispõe o jogador ou que ele utiliza.

Casa VII

Representa o concurso do processo usado para escolher a aposta.

Casa VIII

Os acontecimentos suscetíveis de vir a transformar a vida do apostador, de mudar seus planos, de tumultuar seus projetos. Os ganhos e perdas inesperados.

Casa IX

A aposta do jogador, o volante indicando os números escolhidos e que devem sair para

que o jogador ganhe. Uma Figura favorável indica que a aposta é correta, que os

números escolhidos são bons. Outra Casa da questão.

Casa X

O resultado obtido, o fim esperado ou não, o sucesso ou fracasso.

Casa XI

Ela representa o concurso dos números escolhidos (lX) para jogar. Uma Figura favorável indica que os números escolhidos se classificarão na combinação feita.

Casa XII

Os entraves suscetíveis de contrariar os projetos, os comportamentos do apostador. Os obstáculos encontrados.

ALIMENTOS (SÓLIDOS E LÍQUIDOS) E GEOMANCIA - CASA II

Questão: Que efeito terá sobre meu organismo tal alimento?

Casa da questão: Casa II - A provisão alimentar. Os alimentos.

1111

- Via: o efeito será duvidoso.

2222

- Populus: o efeito será banal, neutro, qualquer.

2111

- Caput Draconis: o efeito será favorável, a consumação do alimento será proveitosa

à nutrição celular.

1112

- Cauda Draconis: o efeito será pernicioso, prejudicial, tóxico.

1222

- Laetitia: o efeito será benéfico; a ingestão levaria a uma expansão física durável

das células orgânicas.

2221 - Tristitia: o efeito será maléfico; a sua ingestão tenderia a enfraquecer o organismo,

a fatigar os órgãos; a diminuir a força vital.

1211 - Puella: o efeito será favorável; a ingestão do alimentos levaria à calma e ao

abrandamento das células orgânicas.

1121 - Puer: o efeito será mau; a ingestão arriscaria irritar as células orgânicas e

ocasionar um excesso de força vital nos órgãos, uma crise aguda.

2122 -Albus: o efeito é favorável; a ingestão tenderia a deter, acalmar, abrandar, repousar

as células orgânicas.

2212 - Rubeus: o efeito será prejudicial; a ingestão do alimento arriscaria produzir uma

irritação, uma inflamação violenta dos órgãos, uma reação brutal das células orgânicas, um meio de defesa tempestuoso do organismo, uma alergia, ou uma intolerância levando ao vômito.

2211 - Fortuna Major: o efeito será favorável; a ingestão tenderia a enriquecer o

organismo com energias físicas, geradoras de energias novas.

1122 - Fortuna Minor: o efeito é favorável; a ingestão tenderia a trazer ao organismo uma

certa energia física, passageira, fraca.

2121 -Acquisitio: o efeito será favorável; a ingestão do alimento seria aproveitável ao

organismo, trazendo energias benéficas.

1212 - Amissio: o efeito será prejudicial; a ingestão arriscaria ocasionar uma perda de

vitalidade, uma diminuição das forças físicas, uma diminuição funcional ou fisiológica.

2112 - Conjunctio: o efeito do alimento será favorável; a ingestão facilitaria as trocas

orgânicas, a circulação do fluido vital nos órgãos.

1221 - Carcer: o efeito do alimento será prejudicial ao organismo; sua ingestão pode

bloquear as trocas orgânicas, os humores, as matérias sólidas, líquidas, nos órgãos; pode obstruir as células orgânicas, ocasionar depósitos indesejáveis nos órgãos.

MEDICAMENTOS, DROGAS PRESCRICIONAIS, DROGAS RECREACIONAIS E GEOMANCIA - CASA II

Questão: Tal remédio me curará, ou curará tal órgão? Questão: O tratamento que prescrevo é eficaz? Questão: O meu diagnóstico está correto? Questão: Tal bebida é perigosa para minha saúde? Questão: Tal substância me levará ao Estado Alterado de Consciência que desejo? Questão: Tal droga terá em Fulana o efeito afrodisíaco que espero? Questão: Tal droga dá um “barato” seguro, sem “bode”?

Questão: Tal droga pode ser nociva à minha saúde (física e/ou mental)?

Casa II - O medicamento a tomar.

1111 - Via: o remédio tem uma fraca chance de levar à cura ou melhorar o estado de

saúde. A cura é aventurada, indeterminada, aleatória.

2222 - Populus: o medicamento terá efeito banal, neutro. Às vezes, pode indicar que ele

sozinho não é suficiente. Será preciso tomar diversos medicamentos para melhorar o

estado de saúde. Diversos remédios se impõem para a cura.

2111 - Caput Draconis: o remédio agirá progressivamente, de maneira benéfica. É

indicado.

1112 - Cauda Draconis: o medicamento tem uma ação maléfica, perniciosa. É contra-

indicado.

1222

- Laetitia: o remédio é providencial, capaz de levar à cura.

2221

- Tristitia: ó medicamento é muito fraco, impotente para melhorar a saúde.

1211

- Puella: o medicamento terá ação fraca, ineficaz.

1121

- Puer: o remédio é muito forte; pode dar uma chicotada prejudicial ao organismo.

2122

- Albus: o medicamento é capaz de levar a uma melhora da saúde.

2212

- Rubeus: o remédio é perigoso, podendo agravar brutalmente o estado de saúde

ou, então, o enfermo não suportará o medicamento; terá vômitos.

2211

- Fortuna Major: o medicamento agirá beneficamente e com ação durável.

1122

- Fortuna Minor: o remédio terá ação efêmera, embora benéfica.

2121

- Acquisitio: o remédio é capaz de melhorar o estado de saúde.

1212

- Amissio: o medicamento prejudica, podendo piorar o estado de saúde.

2112

- Conjunctio: o remédio é o que convém, por natureza.

1221

- Carcer: o medicamento será entravado na sua ação; não agirá.

ENFERMIDADES E GEOMANCIA - CASA XII

1111 - Via: indica um estado físico ou fisiológico instável na origem de uma evolução

mórbida, na origem de perturbações fisio16gicas ou funcionais.

2222 - Populus: indica perturbações banais na saúde, próprias ao comum dos mortais.

Ausência de doenças importantes.

2111 - Caput Draconis: pode indicar a presença, no organismo, de fluidos inferiores

benéficos, atuando progressivamente; a existência de forças benéficas cuja ação construtiva e edificante tende à agregação da matéria orgânica.

1112 - Cauda Draconis: pode significar a presença, no organismo, de fluidos inferiores

maléficos, patológicos, atuando de maneira insidiosa e perniciosa; a existência de forças

maléficas, cuja ação, deletéria e dissolvente, tende à desagregação da matéria orgânica. As fermentações, infecções, enfermidades microbianas, viróticas. A proliferação das células, os tumores. Os parasitas do organismo (vermes, fungos, etc.). A flora e a fauna patológicas, as doenças parasitárias. Os venenos, as drogas, as intoxicações, os envenenamentos, a toxicomania.

1222 - Laetitia: indica a expansão da vida celular, o pleno desenvolvimento da vida

orgânica, protegendo contra as moléstias.

2221 - Tristitia: indica depressão da vida celular, com um sentido de ação lenta. A lentidão

patológica da vida celular e das funções orgânicas. A fraqueza dos órgãos, a fadiga do organismo, a depressão física e moral. A neurastenia e a astenia. A hipoatividade, a hipotensão, as insuficiências funcionais, as enfermidades por insuficiência, por deficiência, por falta de qualquer coisa, por diminuição da força vital.

A má nutrição celular, o endurecimento patológico das células, a esclerose dos tecidos.

Os distúrbios fisiológicos de longa duração , evoluindo lentamente até à cronicidade. Os males crônicos. A usura, a decrepitude, o envelhecimento precoce das células e dos

órgãos, a atrofia, a caquexia.

1211 - Puella: indica a passividade, a inércia, a apatia patológica da vida celular, das

funções fisiológicas dos órgãos, a ausência de reação, o relaxamento patológico dos tecidos orgânicos.

1121 - Puer: indica a atividade excessiva, anormal, patológica da vida celular, o estímulo

brutal, patológico, das células orgânicas e das funções fisiológicas, o excesso de força

vital, a hiperatividade patológica, a hipertonia, a hipertensão, as doenças por sinergia, por aumento da força vital. A febre, a congestão, queimadura, irritação celular, as enfermidades inflamatórias. Os atentados declarados, brutais, violentos, à saúde do organismo. As crises agudas. Os ferimentos acidentais, os golpes, traumatismos, hematomas.

2122 -Albus: indica a passividade , o repouso, a calma da vida celular, as energias

patológicas contidas, dominadas, por efeito da calma.

2212 - Rubeus: denota a liberação violenta, tempestuosa, das energias patológicas; as

perturbações fisio16gicas, as doenças por aumento brutal, violento, do sisTema de defesa

do organismo. A irritação, a inflamação das células orgânicas, as enfermidades eruptivas.

A expulsão dos excretas e das toxinas do organismo sob forma de pústulas, de erupções,

de furúnculos. As enfermidades da pele. A defesa brutal, a reaçáo violenta das células ao

mal. As alergias.

2211 - Fortuna Major: indica a superabundância patológia das energias físicas, da força

vital, dos fluidos, dos humores, das matérias orgânicas. A riqueza excessiva, o

engurgitamento dos órgãos, o excesso de sangue. A pletora, a dilataçáo patológica, a deformação, a hipertrofia dos órgãos, a hipertensão, a congestão.

1122 - Fortuna Minor: indica uma energia física, uma força vital modesta, medíocre,

passável e não aumentando, o que obriga o indivíduo a se cuidar para evitar a enfermidade. Os cuidados a dispensar ao organismo. As operações cirúrgicas, a

hospitalização. Pode indicar, também, os cuidados em vão, decepcionantes.

2121 - Acquisitio: denota um aumento das energias físicas ou psíquicas, benéficas, um

aumento da força vital combatendo as perturbações da saúde.

1212 - Amissio: denota uma diminuição das energias físicas, um decréscimo da força

vital, favorecendo as perturbações da saúde.

2112 - Conjunctio: pode indicar as perturbações da circulação do fluido vital, das mátérias

orgânicas. Pode indicar distúrbios nas trocas orgânicas, a liberação nociva de matéria orgânica, o escoamento patológico.

1221 - Carcer: pode indicar as energias físicas ou psíquicas contraídas, imobilizadas,

reduzidas à impotência.

A parada da circulação, do fluido vital, das matérias orgânicas, o obstáculo à livre

circulação, o bloqueio. As estases. As enfermidades por obstrução, por bloqueio, por

retenção.

ESTADO GERAL DE SAÚDE - CASA I

Qual o estado fisico do meu coração? Casa V (o coração) .

Meu diagnóstico está certo? Casa IX representa a atividade do médico, suas decisões, iniciativas, idéias.

O tratamento que prescrevo é eficaz? Casa III, a receita, soncurso ao dina-

mismo profissional, Casa IX.

O Sr

tem interesse em tomar tal medicamento, para melhorar seu estado

de saúde Casa I, o enfermo; Casa VII, o médico; Casa II, o remédio; Casa XII, a enfermidade.

O ESTADO DE SAÚDE - CASA I - AS FIGURAS

1111 - Representa um estado físico instável na origem de uma evolução mórbida, na

origem de perturbações fisiológicas, exceto na Casa I, onde ela denota um dinamismo puro, as manifestações da força vital, o funcionamento normal dos órgãos, um bom estado de saúde ou, em caso de doença, o retorno próximo da saúde.

2222 - Representa um estado de saúde nem bom nem mau, banal, neutro, sem

particularidade, sem relevo, a ausência de perturbações fisiológicas, ausência de doença. Em caso de enfermidade, ela não denota nenhuma evolução no estado do enfermo.

(Figura ineficiente, neutra, que não modifica nada.)

2111 - Um estado de saúde que progride por si mesmo no bom caminho, um bom estado

de saúde, que se mantém. Em caso de doença, um estado de saúde que evolui por si mesmo para um estado melhor.

1112 - Representa um estado de saúde defeituoso, pato16gico e, em caso de doença, um

mau estado de saúde, que evolui para pior, um estado de saúde patológico, que se

agrava, que piora.

1222 - Representa um bom estado de saúde devido a uma expansão durável dos órgãos,

e, em caso de doença, o retorno definitivo à saúde, a cura durável.

2221 - Representa um estado físico enfraquecido, fatigado, deprimido, deficiente. As

perturbaçôes fisiológicas que se tornam crônicas.

1211

- Um estado de saúde satisfatório e, em caso de doença, uma melhora.

1121

- Um estado físico perturbado por um atentado declarado à saúde do organismo e,

em caso de doença, uma crise aguda do mal.

2122 - Um estado de saúde satisfatório e, em caso de doença, uma melhora do estado

físico, melhora sensível.

2212 - Representa um estado físico preso por perturbações violentas e, em caso de

doença, a expulsão brutal do mal.

2211 - Representa um estado de saúde florescente graças a uma superabundância de

força vital, de energias físicas, de humores, por enriquecimento espontâneo dos órgãos.

1122 - Um estado de saúde passável, medíocre que, sem ser patológico, necessita de

cuidados.

2121 - Representa um bom estado de saúde devido a um acréscimo de vitalidade e, em

caso de doença, melhora do estado físico devido a uma recuperação das forças vitais.

1212 - Um estado de saúde mau devido a um desperdício de força vital e, em caso de

doença, uma piora do estado devido a uma perda de vitalidade.

2112 - Representa um bom estado de saúde devido à livre circulação do fluido vital, das

energias, dos humores e das matérias orgânicas e, em caso de doença, o retorno das

trocas orgânicas normais, prelúdio do restabelecimento.

1221 - Representa um estado físico defeituoso por obstrução, retenção, bloqueio do fluido

vital, das energias, das matérias orgânicas.

A GRAVIDEZ E A GEOMANCIA - AS FIGURAS INTERESSADAS.

As Casas da questão concernentes à gravidez são três: 1) Casa I, que representa a mulher grávida; 2) Casa V, que representa a descendência eventual; 3) Casa VI, que representa o útero da mulher.

1) Populus: que representa a multidão, pode indicar gêmeos ou mais. 2) Caput Draconis: denota evolução normal do feto para o fim perseguido. Pode indicar que a criança está bem orientada no seio da mãe.

3) Cauda Draconis: denota uma evolução anormal do feto, que volta as costas ao fim perseguido. Pode indicar que a criança está mal orientada no seio de sua mãe. 4) Laetitia: representa o favor do Céu, a fecundação, a expansão física. 5) Tristitia: representa o abandono do Céu, a ausência de fecundação. 6) Acquisitio: denota o acréscimo das energias físicas, a fecundação, o desenvolvimento,

a expansão do feto.

7) Amissio: indica a diminuição, a perda, o aniquilamento das energias físicas.

8) Conjunctio: representa a ligação que une os seres entre si; representa a ligação do feto

à mãe grávida.

9) Carcer: denota a ausência dessa ligação, o obstáculo, o impedimento, a impossibilidade, a barreira. 10) Fortuna Major: representa a riqueza material, a prosperidade, a fecundação, um útero

largamento provido, cheio. 11) Fortuna Minor: simboliza a insuficiência de riqueza material, insuficiência de fecundação, uma matriz vazia.

No que se refere ao sexo da criança, Puer, o filho e Puella, a filha. Considerar a Casa V, os filhos, a descendência, e a Casa VI, o útero.

METEOROLOGIA

Com a Geomancia, podemos fazer previsões sobre o tempo. Veja como:

Propomos, inicialmente, uma questão - Que tempo fará amanhã?” As 12 casas representam as baixas camadas da atmosfera, acima do lugar. As 16 Figuras dão as características meteorológicas do local em dado instante. As estações são decifradas a partir dos 4 Elementos. Identifiquemos inicialmente as características meteorológicas das 16 Figuras.

As 4 Figuras do Elemento Fogo = calor. 1) Via - 1111 Bom tempo, ensolarado, normal da Estação. O tempo quente, o calor benéfico, o clima benéfico e estável. Elemento Fogo. 2) Cauda Draconis - 1112 As perturbações atmosférica. O movimento descendente das energias atmosféricas. O calor perturbador. As Tempestades. O fluxo eletro-magnético destruidor. O raio. Os temporais. Os furacões. Os tornados. Os vendavais. Elemento Fogo. 3) Puer - 1121 As manifestações brutais das energias atmosféricas. O calor excessivo e ardente. A canícula (no verão). O tempo anormalmente quente. O tempo anormalmente tempestuoso. Elemento Fogo. 4) Fortuna Minor - 1122

O tempo encoberto, quente, sufocante, desconfortável. Elemento Fogo.

As 4 Figuras do Elemento Terra = seca. 5) Populus - 2222

O tempo seco, benéfico. O clima primaveril. Elemento Terra.

6) Tristitia -2221

O tempo seco pernicioso. Elemento Terra.

7)

Rubeus - 2212

O

tempo seco prejudicial. Elemento Terra.

8)

Fortuna Major - 2211

O

tempo seco favorável, aproveitável para todos os bens terrestres. Elemento Terra.

As 4 Figuras do Elemento Ar = frio / frescor. 9) Acquisitio - 2121

O tempo frio favorável, revigorante. Clima fresco no verão e glacial no inverno. O tempo

hibernal. Elemento Ar. 10) Albus - 2122

O tempo frio ou fresco, calmo, em repouso. A calma das energias atmosféricas. Elemento

Ar.

11) Caput Draconis - 2111

O tempo frio ou fresco. O movimento ascendente das energias atmosféricas. Elemento Ar.

12) Conjunctio - 2112

O tempo frio ou fresco. O equilíbrio das energias atmosféricas. Elemento Ar.

As 4 Figuras do Elemento Água = úmidade. 13) Amissio - 1212 As energias atmosféricas prejudiciais aos bens terrestres. Clima favorável `corrupção das coisas, à putrefação. Fator de môfo. O tempo úmido, chuvoso. pernicioso. As chuvas prejudiciais, torrenciais, devastadoras. As chuvas diluvianas. A “tromba-d’água”. As inundações. O tempo outonal. Elemento Água. 14) Puella - 1211

O

tempo úmido, chuvoso, levando ao devaneio. As chuvas finas. Os chuviscos. A garôa.

O

aguaceiro. As “pancadas de chuvas”. Elemento Água.

15) Carcer - 1221

O tempo úmido ou chuvoso. O clima prejudicial, deprimente, desagradável. As energias

atmosféricas imobilizadas, bloqueadas ou suspensas. Suspensão do fluxo e refluxo de

energias entre o Céu e a Terra. Elemento Água. 16) Laetitia - 1222

O tempo úmido, chuvoso. As chuvas benéficas, vivificantes, fertilizantes. As energias

atmosféricas proveitosas. A chuva por ímpeto. Elemento Água.

As 4 Estações e os 4 Elementos:

A) Hemisfério Norte

Primavera - Signo de Touro - 2222 - Elemento Terra - Estação seca. Verão - Signo de Leão - 1111 - Elemento Fogo - Estação quente. Outono - Signo de Escorpião - 1212 - Elemento Água - Estação úmida. Inverno - Signo de Aquário - 2121 - Elemento Ar - Estação fria.

B) Hemisfério Sul

Primavera - Signo de Escorpião - 2222 - Elemento Terra - Estação seca. Verão - Signo de Aquário - 1111 - Elemento Fogo - Estação quente. Outono - Signo de Touro - 1212 - Elemento Água - Estação úmida. Inverno - Signo de Leão - 2121 - Elemento Ar - Estação fria.

De posse, agora, de todas as informações acima, voltemos à nossa questão anteriormente proposta:

Que tempo fará amanhã (em tal lugar)?

1)

Primeiramente, considerar o que diz o Juiz do Tema:

a) Caso esse Juiz seja uma Figura Favorável, pressagia tempo bom.

As Figuras Favoráveis a que nos referimos são:

2222 - 2112 - 2121 - 2211.

b) Caso o Juiz seja uma Figura Desfavorável, é sinal de mau tempo.

As Figuras Desfavoráveis citadas são:

1111- 1221 - 1212 - 1122.

2)

Fazer a contagem das Figuras pertencentes a cada Elemento:

a)

Atribuir um ponto a cada Figura obtida na triplicidade do Elemento Fogo;

b)

Atribuir um ponto a cada Figura obtida na triplicidade do Elemento Água;

c)

Atribuir um ponto a cada Figura obtida na triplicidade do Elemento Ar;

d)

Atribuir um ponto a cada Figura obtida na triplicidade do Elemento Terra.

3)

Verificar a existência de Figuras de determinado Elemento nas Casas de sua

triplicidade elemental, ou seja:

a)

Figuras do Elemento Fogo nas Casas: I - V - IX;

b)

Figuras do Elemento Água nas Casas: IV - VIII - XII,

c)

Figuras do Elemento Ar nas Casas: III - VII - XI;

d)

Figuras do Elemento Terra nas Casas: II - VI - X.

4)

Acrescentar um ponto para cada Figura situada em Casa do mesmo Elemento.

Por exemplo, se encontramos Puer - 1121 situada na Casa V, somamos um ponto à mesma, pois a Casa V é da triplicidade do Fogo. Uma Figura na Casa do mesmo Elemento dessa Figura reforça sobremaneira a significação elemental dessa Figura, relativamente à previsão meteorológica. Além disso, quando uma Figura determinada estiver ocupando Casa de Elemento idêntico, devemos anotar as características meteorológicas dessa mesma Figura.

5) Estabelecer o percentual de repetição dos 4 Elementos na baixa atmosfera do lugar em

questão.

Por exemplo:

a)2 Figuras do Elemento Fogo, sendo que uma delas em Casa do Elemento Fogo

2

pontos + 1 ponto = 3 pontos = 21,43%

b)

2 Figuras do Elemento Água

2

pontos = 14,28%

c)

4 Figuras do Elemento Terra

4

pontos = 28,57%

d)

4 Figuras do Elemento Ar, sendo que uma delas em Casa do Elemento Ar

4

pontos + 1 ponto = 5 pontos = 35,71%

Sabendo-se que o Elemento Fogo é um índice de calor ou de tepidez, de suavidade, uma predominância de Figuras do Elemento Fogo nos fará pressagiar uma predominância de calor ou suavidade.

Em se tratando do Elemento Terra, sabemos que o mesmo é indício de seca na atmosfera; sua predominância é presságio, portanto, de seca.

Tratando-se do Elemento Ar, temos que o mesmo indica frio ou frescor; assim, essa predominância elemental pressagia frio ou frescor preponderantes.

Sendo que o Elemento Água é indicador de umidade ou chuva, sua preponderância nos fará pressagiar umidade ou chuva.

Importante lembrar-se que:

- não há “Casa da Questão”;

- os Signos dos Elementos são invertidos para o Hemisfério Sul;

- as Mães seguem na ordem natural, de 1 a 12, sem rotação.

EXEMPLO DE INTERPRETAÇÃO METEOROLÓGICA

Pergunta:

Que tempo fará hoje, em São Paulo?

- Antonio, faça o favor de inserir o gráfico !!! -

Resposta:

A) O Juiz do Tema é Carcer - 1221, figura desfavorável.

Pressagia mau tempo.

B) Redução das Figuras a pontos:

Elemento Fogo = 5 pontos Elemento Terra = 1 ponto

Elemento Ar = 3 pontos Elemento ägua = 3 pontos

C) Carcer - 1221, Figura do Elemento Água, está na Casa do mesmo Elemento (Água),

ou seja, Casa VIII.

É preciso, então, somar 1 ponto aos 3 pontos atribuídos às Figuras do Elemento Água.

Teremos, assim, 3 + 1 pontos = 4 pontos.

A Figura de Carcer - 1221 significa:

Tempo úmido ou chuvoso, deprimente, prejudicial.

D) Porcentagem da repetição dos 4 Elementos na atmosfera de São Paulo:

5

Figuras do Elemento Fogo = 5 pontos = 38,46%

1

Figura do Elemento Terra = 1 ponto = 7,69%

3

Figuras do Elemento Ar = 3 pontos = 23,00%

3

Figuras do Elemento Água, 1 delas em Casa do mesmo Elemento = 4 pontos = 30,77%

As Figuras do Elemento Fogo indicam 38,46% de calor ou suavidade; As Figuras do Elemento Água indicam 30,77% de umidade ou de chuva; As Figuras do Elemento Ar indicam 23,09% de frio ou frescor; As Figuras do Elemento Terra indicam 7,69% de seca.

Registra-se, portanto, uma predominância de suavidade nas baixas camadas da atmosfera (38,46%), acompanhada de umidade e de possíveis chuvas (30,77%).

PREVISÃO METEOROLÓGICA:

Mau tempo, úmido, deprimente, com chuvas possíveis.

Tente fazer previsões meteorológicas com outras Artes Divinatórias

SISMOLOGIA

Com a Geomancia, podemos, também, fazer previsões sobre terremotos e outros abalos sísmicos. Veja como:

MÉTODO DE DETERMINAR O LUGAR APROXIMADO DO PROVÁVEL LUGAR DO PRÓXIMO TERREMOTO IMPORTANTE

Nessa aplicação geomântica, devemos utilizar as Casas em sua ordem natural, de 1 a 12, sem rotatividade, de forma idêntica à feita na meteorologia geomântica.

Parece-nos, pela nossa experiência, ser mais proveitoso fazer a consulta ao Oráculo no começo de cada Lunação.

Devemos repetir sistemáticamente e periódicamente o Tema, para evitar que sejamos pegos de surpresa por um terremoto não previsto.

A Figura de Cauda Draconis - 1112 representa as Forças Telúricas Maléficas - FTM, cuja

ação destruidora tende à desagregação da matéria.

A Figura de Caput Draconis - 2111 representa as Forças Telúricas Benéficas - FTB, cuja

ação construtiva tende à agregação da matéria.

Assim, partindo-se dessa premissa básica, a Casa Geomântica do Tema em questão na qual encontrar-se a Figura de Cauda Draconis - 1112 indicará, aproximadamente:

- a Longitude, seja Leste (L) ou Oeste (W),

ou

- a Latitude, seja Norte (N) ou Sul (S),

do local do próximo epicentro.

Pode acontecer de a Figura de Cauda Draconis - 1112 não surgir no Tema Geomântico em questão.

Nesse caso, alguns dias depois, repetir a consulta oracular.

Parece-nos que a Geomancia só detecta os terremotos poucos dias antes de seu desencadeamento.

Proporemos, a título de exemplo, duas questões ao Oráculo:

1) Qual é a Longitude Geográfica do lugar onde se produzirá o próximo terremoto?

2) Qual é a Latitude Geográfica do lugar onde se produzirá o próximo terremoto?

Levanta-se um Tema Geomântico para cada questão.

A

Casa Geomântica em que se encontrar a Figura de Cauda Draconis - 1112 indicará (1)

o

Meridiano (Longitude) do lugar do epicentro e (2) o Paralelo (Latitude) do fatídico rincão

do Planeta.

De qualquer forma, tente realizar previsões sismológicas com qualquer outra ferramenta divinatória

Não nos conte nada

A VIA DO PONTO

fracassos não nos interessam!

Via do Ponto é um conceito original desenvolvido por Maurice Béquart, e amplamente divulgado em sua obra “La Voie du Point”, em parceria com Max Duval. Definição de Via do Ponto:

É a linha que liga uma Figura a outra ou outras, podendo ir até o Tribunal (Testemunhas e

Juiz). O ponto representa o primeiro algarismo das figuras ou do Tribunal. Esse algarismo pode ser ímpar ou par, segundo seja representado pelo número 1 ou Z.

O

Tribunal Geomântico (Oráculo) deve, evidentemente, dirigir-se até as sobrinhas, mães

e

filhas, através do primeiro ponto da Figura, pois que o primeiro ponto é o da

personalidade (dinamismo). O Caminho do Ponto (VP) passará, se a paridade se mantém

e não passará, no caso contrário. E preciso que sempre o Caminho do Ponto passe pelas

sobrinhas, pois elas são a única forma de ligação entre o Sensitivo Geomântico (as 12 Casas) e o Tribunal (o Oráculo encarregado da resposta). O Caminho do Ponto diz-se indeciso quando ele passa de uma Figura situada em uma Casa, ao nível das Mães ou Filhas, à Figura de uma Testemunha, sem atingir o Juiz. Um Tema Geomântico comporta Vias Indecisas, quando o primeiro ponto da Figura de cada Testemunha é ímpar, ou ainda quandò os primeiros pontos das Testemunhas são de paridade diferente. Uma Via do

Ponto diz-se reduzida, quando ela parte das Sobrinhas para o Tribunal. Esclarece apenas

a um terço do Tema (Sobrinhas). A Via do Ponto principa é a que vai da Casa da questão

ao Juiz. O Caminho do Ponto nâo representa, apenas, a ligação entre as duas partes do Tema Geomântico (Sensitivo e Tribunal); além de estabelecer essa ligação, indica os lugares em que tal ligação é feita e nos dá os setores do Tema, escolhidos pelo Oráculo, para se fazer ouvir. Sem Caminho do Ponto não há resposta do Oráculo. Entretanto, se

houver uma ou mais passagens oraculares (ver adiante),

o Oráculo responde, assim mesmo, mas somente para a Casa ou Casas em passagem

oracular. Quando não houver Via do Ponto e nem Passagem oracular para a Casa da questão, é preciso repetir o Tema, até que venha a resposta para a Casa interessada. Segundo Panisha, “O Caminho do Ponto deve, sempre, conservar-se do mesmo lado, Passado ou Futuro, não devendo cruzar a linha de separação”. Com todo respeito pelo ilustre autor e pesquisador, discordamos totalmente. Tanto seu criador, Béquart, afirma a validade de um tema no qual a Via do Ponto cruze a linha imaginária entre Passado e Futuro, como nós certificamos que num tema em que a Via do Ponto cruze essa linha imaginária a precisão obtida é idêntica à conseguida num

outro em que a Via do Ponto permaneça sempre do mesmo lado dessa linha que divide Passado e Futuro. Parece-nos, a bem da verdade, um excesso de zêlo, um preciosismo desnecessário.

A Nova Geomancia é dinâmica, e deve permanecer assim.

Tudo quanto seja inútil ou desnecessário deve ser descartado de imediato.

1) Convém interpretar as Figuras situadas sobre as Vias passantes e eliminar aquelas situadas sobre Vias não passantes. A Via do Ponto (VP) põe em comunicação o Céu. Geomântico com o Tribunal. Uma Via é completa se começa ao nível das Mães ou Filhas

e atinge o Juiz, seja diretamente, seja passando por uma Testemunha.

2) Quando, num Tema, as Vias do Ponto atingem, seja as duas Testemunhas, sem alcançarem o Juiz (Caminho do Ponto indeciso), seja alcançando o Juiz, passando por uma e outra Testemunha, o Oráculo responde, ao mesmo tempo, ao Passado, à origem, ao ponto de partida, da questão considerada, e sobre o Futuro, o porvir, o fim, o ponto de chegada, dessa questão.

3) Quando a VP indecisa antige a Testemunha do Passado (TP), as Figuras nas Casas situadas sobre essa Via do Ponto dão uma resposta concernente ao passado, à origem, ao ponto de partida do negócio considerado, ou bem, a esse negócio em si.

4) Quando a VP indecisa atinge a Testemunha do Futuro (TF), as Figuras situadas nn trajeto da VP dão uma resposta ao ponto de chegada, ao porvir, ao fim, a sorte do negócio visado.

5) A VP pode ir diretamente do Juiz às Casas do Sensitivo, sem passar pelas Testemunhas (Juiz par e Testemunhas ímpar). Essa VP tem valor se atingir a Casa ou as Casas da questão. Há, nesse caso, resposta do Oráculo.

6) Quando, em um Tema, não houver Caminho do Ponto e nem Passagem Oracular, se a Figura situada na Testemunha do Passado se repetir na Testemunha do Futuro (Figuras iguais), é sinal que o futuro será semelhante ao Passado, repetirá o passado, que não haverá mudanças, que a coisa continuará como antes.

7) Se a VP não passar pela Testemunha do Passado, indica que o negócio começa, mas não há um passado sobre o qual se possa conjecturar.

8) Se a VP não passar pela Testemunha do Futuro, poderá esclarecer sobre um negócio

já iniciado (TP) , mas não poderá esclarecer sobre o futuro desse negócio.

AS PASSAGENS OU REPETIÇÕES DAS FIGURAS

Diz-se que há Passagem, quando uma Figura se repete em duas ou mais Casas do Tema. Há 3 espécies: a) repetição interior: é o caso da mesma Figura repetida dentro do Sensitivo Geomântico (Mães, Filhas, Sobrinhas); b) repetição judiciária; a mesma Figura se encontra nas duas Testemunhas; c) repetição oracular: presença da mesma Figura no Iuiz e em uma Casa qualquer do Tema. É a mais importante. As Passagens ou Repetições associam as Casas onde se dão, tornando-as relacionadas a um mesmo assunto. As Passagens Oraculares são as mais importantes para a interpretação da resposta do Oráculo.

O TRIBUNAL GEOMÂNTICO

Representa as forças, atuantes fazendo conhecer sua decisão ou seu julgamento. As ações e condições do subconsciente dando a resposta. Diante do Tribunal, as Testemunhas são ambas pares (passivas) e, então,

indicam fatos, ou são ambas ímpares (ativas) significando paixões, opiniões pessoais e sentimentos. Sendo as Testemunhas da mesma paridade, conseqüentemente, o Juiz é sempre uma Figura par.

O Juiz, sendo ele próprio o resultado das duas Testemunhas, não deverá estar em

contradição com as indicações tiradas do exame dessas Figuras e das configurações do conjunto do Tema. A interpretação do Juiz não deve estar separada da interpretação das Testemunhas, sem se esquecer que a qualidade e o sentido a lhes atribuir dependem da natureza da questão proposta, do caráter da resposta pedida, da qualidade do conjunto do Tema, bem como das Passagens que as três Figuras efetuaram, antes de atingirem as Testemunhas e o Juiz. Convém, em princípio, tomar em consideração os 3 elementos do Tribunal, que formam um conjunto homogêneo.

A PROVA DOS NOVE - QUE EVITA COMETER-SE ENGANOS NO LEVANTAMENTO

DE UM TEMA GEOMÂNTICO

É possível sempre se enganar por um ponto na transcrição das Mães ou Filhas, ou nas

fusões sucessivas. Percebe-se o erro quando o Juiz é uma Figura ímpar, ou quando as

Testemunhas são de paridade diferente (a soma dos pontos de uma das Figuras é ímpar,

e a soma da outra é par). As filhas, não sendo senão uma transcriçáo das Mães, em

quadratura, têm seu número de pontos igual ao das Mães; conseqüentemente, o total dos pontos fica o mesmo para as duas primeiras Sobrinhas e para as duas últimas, e, depois, para as Duas Testemunhas. Estas são sempre da mesma paridade, de sorte que o Juiz, que resulta de sua fusão, é sempre par.

REGRAS PARA A INTERPRETAÇÂO DE UM TEMA GEOMANTICO

1) Levantar o Tema Geomântico, considerar a questão proposta e buscar a Casa ou as Casas da questão.

2) Verificar as Vias do Ponto e as Passagens (oraculares, judiciárias, interiores). 3) Verificar se a Casa da questão se encontra sobre uma Via passante. Afirmativamente,

o Oráculo responde à questão proposta.

4) Se não houver Via do Ponto para a Casa da questão, mas se houver Passagem oracular, o Oráculo também responde . 5) Se não houver Via do Ponto e nem Passagem oracular, para a Casa da questão, o Oráculo não responde. Nesse caso, levantar novo Tema, algum tempo depois, e assim sucessivamente, até que o Oráculo responda.

6)

Se o Tema somente comportar Passagem oracular, interpretar primeiramente a Figura

em Passagem oracular situada na Casa da questão; depois, as Figuras em Passagem oracular, ocupando as outras Casas.

REGRAS DE INTERPRETAÇÃO RELATIVAS AO TRIBUNAL

1)

O Tribunal, composto da Testemunha do Passado (TP), da Testemunha do Futuro (TF)

e

do Juiz (J), representa a resposta do Oráculo à questão proposta.

2)

No Tribunal, formando um todo homogêneo,. é preciso em princípio considerar os três

elementos que o compõem: as duas Testemunhas e o Juiz.

3) Quando o Tema recusa-se a responder ao consulente, é necessário abandoná-lo

momentaneamente, e repetir a consulta em outro momento.

A recusa da resposta pode provir de diferentes causas:

a) a falta de concentração, no momento do traçado das linhas;

b) a questão é mal colocada ou ambígua;

c) a questão não é a que convém, ou está fora do quadro das possibilidades e do destino

do consulente;

d) a questão proposta está sem nitidez, ou as Casas foram mal escolhidas;

e) diz Panisha: “a questão é indiscreta, especialmente, quando para terceiros” (conceito

moral individual). Não cremos, entretanto, que hajam tais limitações, a menos que nossa mente as imponha. Se, para nós, não for tabú pesquisar sobre as preferências sexuais,

uso de drogas ou hábitos anti-sociais de outras pessoas, não vemos como o Oráculo se recusar a responder tal indagação. Se, porém, tivermos como tabú questionar sobre o karma de outrem, aí então o Oráculo não responderá nossa pergunta - pois nós mesmos, inconscientemente, não desajamos obter tal resposta do Oráculo! f) diz Panisha: “a questão é destituída de interesse para o consulente”. Concordamos em parte, especialmente quando se tratar de praticantes inexperientes. Quando, porém, se tratar de praticantes habilidosos e experientes, em especial que usem a Geomancia no atendimento a consulentes, inclusive profissionalmente, essa regra não se aplica. Caso contrário, o Geomancista precisaria envolver-se emocionalmente com cada questão

formulada, “interessar-se” pela mesma, o que tornaria, no mínimo, inaplicável, no trato com terceiros, a Geomancia.

g) diz Panisha: “é preciso evitar de consultar o Oráculo para questões fúteis”. Claro que

futilidade é conceitual, mas é uma boa lembrança - só consultar o Oráculo para questões

que tenham um mínimo de relevância, para nós ou para o consulente.

A Testemunha do Passado revela o passado do objeto da questão proposta, o ponto de

partida, a origem, as raízes da questão, seja sob o ponto de vista de comportamentos,

concursos, acontecimentos ou obstáculos.

A Testemunha do Futuro revela o porvir do objeto da questão proposta, o ponto de

chegada, o resultado, seja sob o ponto de vista de comportamentos, resultados, concursos ou de obstáculos. O Juiz, sempre formado por um número par de pontos, não somente é a síntese das duas Testemunhas, mas, ainda, a síntese de todo o Tema. Ele colabora com as Testemunhas para dar a resposta à questão proposta; ela pronuncia uma sentença no que diz respeito ao objeto da questão, seja baseando-se nas Testemunhas, seja dispensando suas opiniões (decisão de plano). Somente podem ser Juiz: Via, Populus, Fortuna Major, Fortuna Minor, Acquisitio, Amissio, Conjunctio e Carcer (Figuras com número par de pontos).

O JUIZ MÁGICO (JM)

O Juiz Mágico é uma 16 Figura, sempre formada por um número ímpar de pontos,

resultando da fusão do Juiz do Tema (sempre par) com a Figura 1222, Laetitia, unicamente quando esta Figura aparece no Tema, quer no Sensitivo ou nas Testemunhas. Par com ímpar dá sempre ímpar. O Juiz Mágico fornece um conselho ao consulente; ele esclarece sobre a atitude, o comportamento que deverá adotar, sobre a iniciativa que teria interesse em tomar, quanto à questão proposta. Todas as sentenças atribuídas ao Juiz Mágico resumem-se em um simples conselho, numa advertência. As coisas se passam como se o consulente, não satisfeito ou não alcançando bem o sentido da resposta do Oráculo, solicitasse um conselho ou pedisse um esclarecimento. Somente podem atuar como Juiz Mágico as Figuras de número ímpar de pontos: Caput Draconis, Cauda Draconis, Laetitia, Tristitia, Puella, Puer, Albus e Rubeus.

INTERPRETAÇÃO DAS 16 FIGURAS GEOMÂN'l'lCAS NAS 12 CASAS E NO TRIBUNAL

A interpretação das Figuras não se afasta, absolutamente, do significado específico de

cada uma delas e da natureza, fasta ou nefasta. As Figuras se ajustam, é certo, à natureza, ao sentido de cada Casa. Essa adaptação, porém, não pode alterar, em essência, a significação própria de cada uma.

No Tribunal, a significação do Juiz está acima da significação das Testemunhas; o Juiz resume, no seu significado, as duas Figuras de cuja fusão é a resultante. A significação das Figuras se adapta ao clima da Casa (dinamismo, finalidade, concurso ou obstáculo).

É a Casa onde cai a Figura que indica ao Geomancista se se trata do consulente, de seus

comportamerttos instintivos ou racionais (dinamismo); de terceiros, amigos ou adversários (concurso); dos obstáculos ao projeto (obstáculo); do resultado do projeto, seu sucesso

ou. fracasso (finalidade).

1111 - Via

Via é a imagem do ser aventurado em sua empresa, sem experiências, sem preparação, sem saber para onde vai, sem fim preciso, avançando às cegas, ao acaso, sem rumo, sem pensar nos obstáculos que pode encontrar, podendo vencê-los ou ser esmagado por eles. Via evoca, sempre, uma força direta, que não sabe para onde vai e que nada a desvia. Simboliza os esforços cegos, inúteis, em vão, os golpes de sabre na água, o indeterminado, o eventurado, as coisas indecisas ou instáveis. Na Casa I, sua própria Casa, serve de "hileg" (significador de saúde), num Oráculo interessando a saúde do consulente. Indica que o consulente goza de boa saúde. Fora disso, Via em Casa I indica que o consulente se aventura como um barco sem vela e sem governo, não podendo controlar os acontecimentos. É a indecisão. Na Casa II, diz que o dinheiro é arriscado, a situação financeira é instável, submetida a flutuações e aos golpes da sorte.

Na Casa III, concurso pouco eficaz e mal orientado dos próximos; um correio inútil, sem grande interesse. As idéias, embora sinceras, têm falta de convicção, são hesitantes.

O mesmo acontece com os meios de expressão. Na Casa IV, o fim perseguido segue às cegas, a questão proposta segue ao acaso. Na Casa V, indecisão nas iniciativas, que serão aventuradas. Inconstância e

indecisão sobre o plano sentimental e passional.

Na Casa VI, o consulente emprega meios vãos, inúteis, para atingir seu fim. Lar e profissão desorientados, submetidos aos golpes da sorte, mal administrados Na Casa VII, concurso dos opostos complementares, embora espontâneos, serão de resultados incertos e imprevisíveis. Na Casa VIII, decepções nos negócios, trazendo mudanças desvantajosas. É de se recear golpes cegos e funestos da sorte. Na Casa IX, Via indica forte virilidade, entre os homens; uma poderosa fecundidade, entre as mulheres. Dinamismo social atuando sem rumo certo. O mental é muito instável sobre o plano filosófico e religioso. Os comportamentos são mal dirigidos, até incoerentes. Na Casa X, o consulente está em cruz com o fim perseguido; ele persegue uma quimera. O destino pode sofrer os golpes da sorte. O fim atingido, quanto à questão proposta, não será satisfatório; ele será indeciso e mal determinado. Na Casa XI, esforços inúteis para conseguir apoio de terceiros (clientela, público, estranhos, patrões, superiores) . Seu concurso é incerto. Na Casa XII, o consulente pode se expor a ferimentos, doenças, prisões, pois que ele caminha às cegas, não percebendo os obstáculos que surgem inesperadamente. O consulente pode sofrer um golpe cego e prejudicial do acaso e da adversidade. Na Testemunha do Passado, Via diz que o objeto da questão proposta está mal orientado no ponto de partida. Indica ausência de elementos de apreciação no ponto de partida; o consulente não pode se apoiar sobre os antecedentes da questão, que serão inúteis e banais. Na Testemunha do Futuro, Via indica ausência de elementos de apreciação quanto ao futuro da questão proposta. O consulente obterá um resultado aventurado, um desfecho mal determinado. Como Juiz, Via indica incerteza e indecisão sobre o objeto da questão proposta. Sua natureza é aleatória. O Juiz não tem elementos de apoio para julgar, para dar sua sentença. Nesse caso, o Oráculo deve ser interpretado baseando-se apenas nas Testemunhas.

Nota: Via nas duas Testemunhas equivale a um Oráculo nulo e deve ser rejeitado. Repetir o Tema.

2222 - Populus

Populus simboliza o conformismo, o banal, a coisa comum, normal, própria ao comum dos mortais, não saindo do ordinário, sem particularidades nem relevo. Na Casa I, indica que o consulente será banal no seu esforço físico ou no seu comportamento. Atitude conformista e insensível ao meio ambiente. Na Casa II, nada de golpes de chance sobre o dinheiro. Capacidade financeira

média.

Na Casa III, concurso banal, indiferente, dos próximos, dos amigos diretos, que serão comuns. As notícias que poderá receber serão sem grande interesse. Os meios de expressão verbais e por escritos são banais, faltando inspiração. Na Casa IV, o fim perseguido será banal. Nada de golpes funestos sobre o fim perseguido; o ponto de partida será banal. Na Casa V, sem ascendência sobre os próximos e parentes. Iniciativas banais. Na Casa VI, lar e profissão sem problemas, sem relevo. Na Casa VII, concurso banal e indiferente do cônjuge ou sócio: Contratos sem particularidade marcante. Sua própria Casa.

Na Casa VIII, nada de mudanças, ou mudanças sem significação. Na Casa IX, o comportamento social é sem impacto notável. Sem ascendência

social.

Na Casa X, o fim atingido relativo à questão proposta será banal, medíocre ou ineficaz, por falta de coesão. Na Casa XI, apoio indiferente ou sorte comum com estranhos e superiores. Atitude neutra de terceiros. Na Casa XII, não haverá provas ou obstáculos importantes; serão de pouca importância. Na Testemunha do Passado, Populus diz que o objeto da questão proposta é do tipo corrente, banal, e sem problema particular. Antecedentes banais. Na Testemunha do Futuro, Populus diz que o objeto da questão conhecerá um resultado banal e insignificante. Como Juiz, afirma que as conclusões concordantes das duas Testemunhas serão ratificadas. Resultado final sem relevo.

2111 - Caput Draconis

Caput Draconis traz, sempre, o clima geral do ser bem orientado e que pode atingir seus fins, colhendo as alegrias materiais da vida. É o ser seguro de si, que sabe para onde vai, que persegue um fim determinado guiado por suas sensações ou por seu intelecto , sua experiência, sua intuição. E o ser que progride na boa direção, que evolui, atingindo um nível superior. Simboliza a boa orientação, o progresso, os esforços inteligentes, as boas decisões, a boa escolha, a boa administração ou gestão dos negócios. Indica a ação apoiada pela experiência. As boas soluções. Na Casa I, indica que o instinto se orienta por si mesmo no bom caminho, podendo

o consulente confiar nas suas reações instintivas, sem pesar o pró e o contra. Os comportamentos serão bem orientados, hábeis. Na Casa II, utilização inteligente dos recursos pecuniários, o bom emprego do dinheiro. Entradas de dinheiro. Na Casa III, o consulente pode contar com o apoio dos próximos e parentes, dos quais poderá receber bons conselhos. Recebimento de boas notícias. Os meios de expressão serão sutis, hábeis, persuasivos e empregados no momento oportuno. Na Casa IV, o fim perseguido, objeto da questão, é bem dirigido. Foi escoIhida uma boa decisão. O consulente está predestinado à ação que empreende. Na Casa V, sua própria Casa, o consulente é simpático entre os seus. Iniciativas inteligentes e bem dirigidas. Na Casa VI, a organização do lar e da profissão bem orientada. Os elementos de que dispõe o consulente são bons, eficazes. Os meios materiais serão bem empregados. Na Casa VII, apoio favorável dos opostos complementares (cônjuge, sócio). Compromissos favoráveis e bem dirigidos. Na Casa VI11, mudanças benéficas e felizes. Na Casa IX, função social bem orientada. Viagens proveitosas. Atividade intelectual

e espiritual bem orientada, voltada para as investigações. Na Casa X, o fim perseguido, objeto da questão, será progressivamente atingido. O destino se orienta e progride favoravelmente, tomando uma boa direção. Na Casa XI, apoio do público e superiores, dos corpos constituídos. Bons conselhos dos mesmos. Na Casa XII, as dificuldades encontradas levarão a um sucesso mais completo. Boa orientação para vencer as dificuldades. Recuperação das enfermidades.

Na Testemunha do Passado, Caput Draconis diz que o objeto da questão está bem orientado, no bom caminho. A empresa ou o projeto considerado é oportuno e se encontra no momento propício. Os antecedentes da questão são favoráveis. Na Testemunha do Futuro, o objeto da questão atingirá um fim favorável e satisfatório. Como Juiz Mágico, quando o Juiz ordinário é Via, aconselha: a) a tomara boa orientação a fazer uma boa escolha quanto ao objeto da questão proposta; b) a avançar prudentemente, agindo de maneira hábil, diplomática, no que diz respeito à questão; c) a ir adiante, quanto à questão proposta; d) a se informar, a se instruir, a pedir conselho a uma pessoa competente, quanto ã questão.

1112 - Cauda Draconis

Cauda Draconis indica que o ser está mal dirigido, seja porque volta as costas ao fim perseguido , seja porque se sente atraído para fins vis, inconfessáveis, ou apenas materiais. O ser que toma o mau caminho, a má direção, o ser mal inspirado, mal orientado, tomando um caminho errado, tortuoso, prejudicial. Indica os esforços mal dirigidos, que se voltam contra aquele que os forneceu; as ações maléficas, prejudiciais, a gestão errada dos negócios. Na Casa I, indica que, na sua empresa, o consulente é movido por baixos instintos, que tomou a má direção. Seria melhor renunciar ao projeto ou ao fim perseguido e de reconsiderar o problema. Na Casa II, o dinheiro mal empregado esgota-se antes do sucesso da má empresa, ou será dilapidado. Na Casa III, concurso negativo dos próximos e parentes, ou concurso prejudicial dos mesmos. Pode receber falsas ou más notícias. Pode ser vítima de um escroque, de um ladrão. Na Casa IV, o fim perseguido ou o ponto de partida está mal escolhido, contrário ao que deveria ser. O ponto de partida da questão proposta é prejudicial, perigoso. O fim perseguido é nefasto. Na Casa V, sua própria Casa, indica que o consulente desagradará; não convencerá, será repelido. Sobre o plano afetivo ou sensual, um comportamento mal inspirado. Pode haver choque com os próximos. Na Casa VI, os meios de que dispõe o consulente serão prejudiciais. O consulente será entravado pelos próprios meios escolhidos. Os meios materiais necessários para atingir o fim farão falta, ou serão mal escolhidos e perigosos: O lar e a profissão podem ser mal dirigidos, e os compromissos prejudiciais. Na Casa VII, apoio negativo do cônjuge ou do sócio, ou apoio prejudicial deles. O cônjuge ou sócio pode abandonar o consulente. Na Casa VIII, a empresa valerá uma troca desvantajosa, ou mesmo á morte se for muito arriscada ou criminosa. Na Casa IX, pode o consulente ter comportamentos inconfessáveis. O consulente busca esquivar-se dos seus deveres sociais. Na Casa X, o fim conseguido será mau, degradante. O negócio que o consulente persegue não terá conseqüências duráveis; é votado à destruição. Na Casa XI, apoio negativo dos poderes constituídos, do público, dos superiores, patrões. Desconfiar da intervenção maléfica de uma pessoa pouco recomendável. Na Casa XII, provas, entraves, doenças, prisões. O consulente arrisca-se a se desviar do caminho traçado e dirigir-se para provas inevitáveis.

Na Testemunha do Passado, Cauda Draconis diz que o objeto da questão é mal escolhido, mal orientado. O projeto é inoportuno, desastroso. O ponto de partida é falso ou mau. Na Testemunha do Futuro, diz que o fim será contrário ao esperado. Um fracasso a prever, ou um resultado catastrófico ou maléfico. Como Juiz Mágico, quando o Juiz ordinário é Conjunctio , aconselha a mudar de direção marcando um tempo de espera. Aconselha: a) a não perseguir o ideal em causa, sob pena de sofrer as maiores desilusões, podendo, até mesmo, chegar à prática de verdadeiros desatinos; b) a mentir, enganar; induzir em erro, trair, se há necessidade vital para o indivíduo; c) a destruir o objeto da questão proposta ou o fim perseguido, se ele se revelar funesto; d) a retornar à origem da questão proposta, para poder resolver a questão; e) a se afastar do caminho seguido, do fim procurado, para marcar um tempo de espera, permitindo pesar o pró e o contra, para examinar se convém ou não continuar a perseguir o objetivo ou o abandonar; f) a se esquivar, recuar diante do objeto da questão, se não tiver a coragem de realizar o seu destino.

1222 - Laetitia

Laetitia é a Figura feliz por excelência; ela dá a nota de segurança, de bem estar, de proteção do Céu. Significa a satisfação, o contentamento, o amor pela vida e suas alegrias, o espírito de abertura. Na Casa I, Laetitia guia os instintos, a saúde. Dá a proteção do Céu nos comportamentos, nas ações e nas decisões. Na Casa II, assegura os bens e afasta preocupações de dinheiro. Chance nos assuntos financeiros. Na Casa III , concurso dos próximos e parentes . A Providência traz inspiração nos meios de expressão escritos ou verbais. Apoio generoso do meio. Na Casa IV, o fim perseguido ou o ponto de partida tem a proteção do Céu, como uma predestinação. O sucesso final será facilitado. Na Casa V, iniciativas sobre o plano privado têm a proteção da Providência. Chance no plano sentimental, afetivo e passional. Chance nas especulações. Na Casa VI, protege o lar e a profissão. Encontrará os meios materiais necessários para atingir o fim perseguido . Na Casa VII, protege o sócio ou cônjuge e inspira favoravelmente o mental. Apoios providenciais dos opostos complementares. Pode encontrar o apoio desinteressado e a proteção de um amigo ou de um mecenas. Na Casa VI11, mudanças favoráveis. Na Casa IX, marca o dedo da Providência nas empresas sociais. A Providência guia os comportamentos no plano social. Boas inspirações sobre o plano religioso, filosófico ou espiritual. Atividade cerebral excelente. Na Casa X, assegura ao fim visado; protege a carreira. Auxilio para atingir o fim buscado. Na Casa XI, sua própria Casa, indica que o Céu está com o consulente. Apoios de terceiros. Proteção e auxilio no que diz respeito à questão proposta. Na Casa XII, preserva contra as adversidades. Afasta os perigos, as doenças, as ameaças dos adversários. Os obstáculos e impedimentos serão providencialmente afastados. Ou serão um mal para um bem. Na Testemunha do Passado, Laetitia diz que o objeto da questão é providencial, ao abrigo da adversidade, trazendo satisfações e alegrias. Ele é favorecido pela chance e pela Providência. Os antecedentes da questão beneficiam-se da proteção do Céu.

Na Testemunha do Futuro, diz que o Céu conduzirá ao sucesso a empresa visada. O objeto da questão terá um desfecho feliz, trazendo satisfações. O consulente é sustentado pela chance. Como Juiz Mágico, quando o Juiz ordinário é Populus, se Populus resulta de duas Testemunhas favoráveis (Populus, Caput Draconis, Puella, Laetitia, Albus, Conjunctio, Acquisitio, Fortuna Major), pode aconselhar: a) a se alegrar, pois que o negócio visado está protegido pelo Céu, dando um fim feliz; b) a realizar seus desígnios, deixando-se guiar pela Providência; c) a se tranqüilizar, porque a questão tem a proteção do Céu, que

a torna invulnerável à adversidade. Se o Juiz Populus é resultante de duas Testemunhas desfavoráveis (Via, Cauda Draconis, Puer, Tristitia, Rubeus, Carcer, Amissio, Fortuna Minor), o Juiz Mágico Laetitia aconselha a se submeter à Providência e a deixar intervir quanto ao fim do negócio visado, a fim de resolver o problema.

2221 - Tristitia

Tristitia é a Figura dolorosa por excelência. Seu clima é o abandono do Céu, imposto pela necessidade inelutável que vota os homens às provas. É o inevitável doloroso. É a imagem da insegurança, do mal-estar, da inquietude, da infelicidade, da fatalidade, da vulnerabilidade frente ao adversário. Denota a tristeza, o mau humor, a insatisfação, o desencorajamento, o abatimento. Representa as contrariedades, tormentos, penas, sofrimentos, dificuldades de viver.

Indica ausência de proteção (divina ou humana), o abandono à fatalidade, as obrigações,

o fardo da vida. Indica o medo, a angústia, o desgosto da vida, a misantropia, o ceticismo. Na Casa I, obriga os comportamentos a se baixarem ao nível das necessidades materiais, a saúde a se alterar, a se esgotar. Os comportamentos individuais sofrem a fatalidade da sorte. O indivíduo deve contar consigo mesmo. Na Casa II, recursos não são favorecidos pela sorte. Insegurança financeira. Despesas inevitáveis. Na Casa III, abandono dos próximos e amigos diretos. Hostilidades do meio. Os meios de expressão sem sucesso. Pode receber notícias más, penosas. Na Casa IV, o fim perseguido ou o ponto de partida tem o abandono do Céu. O ponto de partida da questão proposta está votado ao insucesso. Na Casa V, os comportamentos afetivos, são votados à fatalidade. Atitude antipática. Indiferença e egoísmo com os próximos. Na Casa VI, obriga a trabalhar com meios materiais insuficientes, fracos, mesmo desvantajosos. Lar e profissão tristes, cheios de obrigações. Na Casa VII, a incompreensão e o abandono do cônjuge ou sócio. Pode faltar o apoio dos mesmos. Apoio dado de má vontade. Na Casa VIII, as mudanças são uma necessidade imperiosa, penosa, como uma obrigação e à qual se resigna com inquietude. Pode se tratar de uma necessidade de mudança ou modificação concernente ao objeto da questão. Na Casa IX, pode votar ao descrédito público, à desconsideração. Decisões e iniciativas sobre o plano social não são favorecidas pela sorte. Na Casa X, traz a decepção ao fim perseguido. O fim perseguido não será atingido, senão dolorosamente, e não como se desejava. Na Casa XI, sua própria Casa, significa que o Céu nos impõe a beber o cálice até o fim; os esforços do consulente serão incompreeendidos, desfigurados; ele sofrerá a injustiça dos homens e se julgará maldito. Os estranhos se desinteressam pelo momento.

Pode ser objeto de uma má acolhida e de intervenções maléficas. Pode ser objeto de incompreensão; de críticas, de acusações. Na Casa XII, multiplica os obstáculos e as provas. O consulente está, no momento, sem proteção. Os obstáculos e impedimentos podem se acumular. Pode sofrer mau golpe de adversário, acidente, privação, frustração. Na Testemunha do Passado, Tristitia diz que o negócio visado é desfavorável em si mesmo, e causará ansiedade, insegurança. O objeto da questão é submetido aos golpes da adversidade. Pode tratar-se, também, de uma penosa necessidade. Na Testemunha do Futuro, indica necessidade de grande labor; tudo não é sem pena. Azedume diante de um sucesso que falta. O objeto da questão poderá ter um desfecho doloroso, às vezes, indispensável, ao qual se deve resignar. Como Juiz Mágico, quando o Juiz do Tema é Carcer, aconselha: a) a se resignar ao obstáculo que não Ihe permite atingir o fim cobiçado, a renunciar ao objeto da questão proposta, o obstáculo sendo inevitável, fatal; b) a perder a esperança de ver realizado seu objetivo; c) a se inquietar quanto ao resultado do fim perseguido; d) a tentar se desembaraçar do obstáculo, tomando uma decisão corajosa, implacável, justificada pela necessidade de lutar pela vida.

1211 - Puella

Puella é a Figura da facilidade amável e sorridente, da feliz busca de aprovação. Simboliza as coisas fáceis e agradáveis; os resultados fáceis, obtidos por vias agradáveis; as dificuldades aplainadas, sem gasto de energia. Indica, também, a hesitação, as tendências contraditórias, o receio, o medo, a timidez, as tendências amorosas, sentimentais, artísticas. O obstáculo desafiando o dinamismo, desejando-o. Na Casa I, Puella torna amável e facilita a empresa do consulente. Pode indicar hesitação e irresolução. Atitude de reserva, no momento. Na Casa II, traz lucros fáceis, sem esforço. Na Casa III, concursos simpáticos dos próximos (familiares, consangüíneos, vizinhos, colegas de trabalho, íntimos). Pode receber notícias agradáveis, geralmente em relação aos sentimentos ou concernentes às artes. As idéias e os meios de expressão são artísticos e harmoniosos, cheios de amabilidade. Na Casa IV, põe o fim perseguido ao alcance do menor esforço. O objeto da questão é sem risco, tomando uma direção fácil, agradável. Na Casa V, simpatia no plano familiar. Pode indicar uma filha. O consulente sabe agradar, podendo, às vezes, ser hesitante e indeciso, superficial e caprichoso. Na Casa VI, facilita a profissão e o lar, dando os elementos apropriados. O consulente pode obter facilmente os meios materiais necessários para atingir seu fim. Serão meios pacíficos. Pode encontrar um emprego sem esforço. Na Casa VII, concurso simpático do cônjuge ou sócio. Entretanto, o concurso pode ser dado com certa hesitação ou de maneira superficial. Na Casa VIII, mudanças felizes, que podem mudar a existência de maneira agradável. Na Casa IX, sua própria Casa, faz o consulente um poeta ou um artista. Facilidade no plano social. Mentalidade intuitiva, contemplativa, meditativa. Iniciativas facilitadas. Na Casa X, traz o sucesso sem esforço. O fim perseguido pode ser atingido facilmente, sem risco ou perigo. O desfecho será feliz. Na Casa XI, concurso fácil e agradável dos estranhos, dos poderes públicos, dos superiores, leitores, admiradores. Na Casa XII, aplaina as dificuldades. Uma ocasião favorável se apresentará para permitir suplantar as dificuldades.

Na Testemunha do Passado, Puella diz que o ponto de partida ou os antecedentes da questão proposta são favoráveis. O objeto da questão é fácil de realizar, sem dificuldade ou perigo. Na Testemunha do Futuro, indica a feliz realização das promessas ou da empresa. Como Juiz Mágico, quando o Juiz do Tema é Fortuna Major, Puella aconseIha: a) a hesitar antes de agir, a analisar sua ação e verificar as conseqüências e a pesar o pró e o contra de seus atos, a reservar seu julgamento, a protelar sua decisão até o momento favorável à ação; b) a gozar a felicidade que nos chega, desde que não se comprometa a saúde do espírito; a aproveitar a ocasião favorável e agradável que se apresenta.

1121 - Puer

Puer evoca o impulso irresistível do macho em direção à fêmea. É a Figura do

arrebatamento, impetuoso, irrefletido, lançando o ser para o que o atrai sem nenhuma moderação. É a imagem da vida movimentada, ativa, violenta brutal, esportiva. Do risco, dos esforços, do gasto de energia, da busca da dificuldade, da vontade, da audácia, da coragem, do ardor, da temeridade, das proezas heróicas. Da combatividade, da agressividade, da ausência de escrúpulos. Simboliza a atividade independente da vontade, do impulso irresistível e irrefletido, da satisfação perigosa, aventurada, inconsiderada, dos desejos. O esforço que vai favorecer a outro. O desgaste das energias. Na Casa I, Puer indica o fogo dos instintos. Evitar de se levar pelo gosto do risco, das dificuldades e das aventuras perigosas. Na Casa II, evitar despesas inconsideradas e desperdícios financeiros impulsivos.

A obtenção de ganhos se realizará ao preço de esforços e de riscos.

Na Casa III, concurso enérgico e eficaz dos próximos, mas que pode ser, também, irrefletido, arriscado e perigoso. Pode haver uma intervenção hostil e agressiva dos

próximos. Na Casa IV, inconsideração quanto ao fim perseguido. O ponto de partida ou a origem da questão proposta contém complicações inesperadas, perigosas. Na Casa V, paixão pelos prazeres de toda natureza e de procriar. Indica um filho. A vida afetiva é o objeto de impulsos incontrolados.

Na Casa VI, inspira meios furiosos, imprevisíveis na profissão e na vida doméstica.

O consulente encontrará dificilmente os meios materiais necessários para realizar o fim

perseguido, ou então ao preço de lutas e de esforços numerosos. Acontecimentos súbitos

e inesperados, bem como conflitos, são a recear na atividade profissional. Na Casa VII, concursos ardentes do cônjuge ou sócio. Pode entrar em conflito com um adversário, de ter um processo. Os concursos dos opostos complementares podem, também, suscitar complicações e problemas. Na Casa VIII, mudanças bruscas devido a cabeçadas, a reviravoltas, a impulsos incontrolados da parte do consulente. Hostilidades, rivalidades, concorrências podem se declarar. Na Casa IX, sua própria Casa, faz o apaixonado pela mulher. Falta de controle quanto à atividade social. Na Casa X, suscita fins novos e renascentes dando inconstância nos empreendimentos. O fim perseguido será dificilmente conseguido. Na Casa XI, adesão cega dos estranhos e do público em geral. Pode vir a sofrer ataques dos estranhos. O concurso pode, também, ser inconsiderado, perigoso e suscitar problemas.

Na Casa XII, opõe dificuldades súbitas. Comportamentos incontrolados ou reviravoltas são a recear. Para conseguir seu fim, é possível ser necessário mudar de tática, vencer uma dificuldade, resolver um problema. Na Testemunha do Passado, Puer indica impulso irrefletido na origem da empresa. O objeto da questão é cheio de dificuldade, de riscos, de perigos. Muitos esforços e energia serão necessários. No ponto de partida, pode existir uma dificuldade a vencer, um problema a resolver. Na Testemunha do Futuro, significa surgimento espontâneo de dificuldades no último momento. Volta à estaca zero. Como Juiz Mágico, quando o Juiz ordinário é Acquisitio, Puer aconselha: a) a se atirar ao empreendimento projetado, sem qualquer temor; b) a mudar de tática, se necessário; c) a sacrificar o projeto visado, a desistir; d) a tomar uma decisão enérgica, realista, concreta, eficaz, audaciosa, a fim de chegar ao resultado desejado.

2122 - Albus

Albus indica a aceitação dos acontecimentos ou da sorte, com espírito de consentimento, alegre, otimista, certo de que o resultado será favorável. É a imagem da submissão, do consentimento, da aceitação serena da sorte imposta pelo Céu. O ser que se resigna filosoficamente a seguir o seu destino, que se contenta com o que possui. A imagem do repouso, da calma, da espera passiva, da paz interior, da sabedoria, da prudência. Representa a aptidão para sair de embaraços e deles tirar os outros, das manobras inteligentes e hábeis, das boas soluções. Na Casa I, poucos esforços físicos. Contentamento com o que já se tem. Decisões e comportamentos são refletidos, hábeis. O consulente está tumultuado entre o desejo de obter o objeto que deseja e o receio da decisão ou iniciativa indispensável a tomar nesse sentido. Na Casa II, recursos suficientes. Na Casa III, sua própria Casa, faz o pensador otimista, achando que Deus sabe o que faz. Concurso eficaz dos próximos. As notícias recebidas serão satisfatórias. Na Casa IV, o consulente adapta-se à sua predestinação. Está satisfeito do fim perseguido e não busca outro. Na Casa V, poucos esforços de influência sobre os demais. Atitude de aceitação confiante. Na Casa VI, faz encontrar o lar e a profissão agradáveis. Os meios materiais serão suficientes e satisfatórios para atingir o fim perseguido. Na Casa VII, cria laços felizes e agradáveis entre os cônjuges ou sócios. O consulente pode se beneficiar de um concurso oportuno e refletido. Na Casa VIII, faz aceitar filosoficamente as mudanças. Um acontecimento oportuno pode trazer uma feliz troca. Na Casa IX, nada de esforços sobre o plano social, que não se sente com desejo de reformar. Tendência a evitar as ações e iniciativas. Boa intuição. Na Casa X, faz encontrar o destino conveniente. Na Casa XI, torna filantropo e faz amar tudo o que se aproxima do Céu. Auxilio oportuno de estranhos, clientela, patrões, etc. Na Casa XII, faz aceitar filosoficamente os entraves, as doenças, as provas. Na Testemunha do Passado, Albus diz que a questão proposta é benéfica em si. O consulente está satisfeito do início do negócio que o preocupa. O consulente está movido pelo desejo de ficar como está.

Na Testemunha do Futuro, Albus aceita com satisfação o resultado: futuro. É possível que o resultado ainda se faça esperar. Como Juiz Mágico, quando o Juiz do Tema é Fortuna Minor, aconselha: a) a contentar-se com o pouco que lhe é dado, pois o muito que ambiciona poderá ser sua perdição; b) a reservar seu julgamento, a esperar pacientemente um tempo favorável, uma ocasião propícia à ação.

2212 - Rubeus

A atmosfera capital de Rubeus é a revolta contra a sorte ou contra o

acontecimento, a recusa encolerizada do que se oferece, a necessidade imperiosa de

combater o destino, de curvá-lo , de subjugá-lo.

É a imagem da perseguição impetuosa do objetivo cobiçado, da busca veemente

de aventuras. É a imagem da revolta, da indisciplina, da insubmissão da não aceitação, da recusa de fazer qualquer coisa. Imagem da agitação da alma, da atividade desequilibrada, das decisões brutais, da ação violenta, do descontentamento, do ódio, da vingança, da crítica, da discussão. Da descrença, da impureza física ou moral, da discórdia, da hostilidade , da rivalidade, das brigas, das injúrias, das revoluções. Das catástrofes, dos acidentes, das explosões, das destruições. O fim tornando-se obstáculo; os obstáculos renovados sem cessar. Na Casa I, Rubeus indica reação violenta no comportamento. O consulente está revoltado com a condição presente. Não há paciência. Na Casa II, os ganhos podem causar irritação. Um acontecimento financeiro desagradável pode se produzir. Irritação por falta de dinheiro ou pelo poder do dinheiro dos outros. Na Casa III, sua própria Casa, indica o pensador indignado da maneira como vai o mundo, criticando tudo e cheio de reformas. Os meios de expressão podem ser agressivos. Pode receber notícias que o irritarão. Não esperar concurso eficaz dos próximos, que não dão atenção ou crédito às súplicas do consulente, podendo, até, hostilizá-lo. Na Casa IV, irritação e cólera do consulente contra sua predestinação ou por sua entrada em ação na sua empresa. Na Casa V, insatisfação na vida privada, buscando aventuras. Comportamentos incontrolados. O consulente busca se livrar dos aborrecimentos, procurando rejeitar o que não lhe convém. Na Casa VI, os meios materiais são insuficientes para atingir o fim perseguido, causando irritação. Lar e profissão deixam a desejar. Desentendimentos. Revolta contra os meios e instrumentos de trabalho. Na Casa VII, torna os laços do casamento ou da sociedade irritantes. Falta de concurso dos opostos complementares. Pode haver rompimento com cônjuge ou sócio. Na Casa VI11, revolta contra mudança que venha a modificar os planos e fins. Na Casa IX, criticas inflamadas e violentas contra o público. Revolta contra a ordem estabelecida ou contra a condição social. Na Casa X, cóleras e queixas contra o destino, contra o fim perseguido. Na Casa XI, irritabilidade, descontentamento, veemência contra terceiros. O concurso dos estranhos, superiores, pode ser recusado. Na Casa XII, ódio contra os obstáculos. Pode encontrar provas difíceis. Pode ser objeto de uma reação violenta, de uma vingança ou vítima de um acidente. Na Testemunha do Passado, Rubeus diz, que na sua empresa, o consulente é movido pelo seu espírito de reforma. O projeto visado não dá satisfação.

Na Testemunha do Futuro , o consulente será irritado com o resultado obtido. O resultado obtido pode ser perigoso e perturbar a tranqüilidade. Como Juiz Mágico, quando o Juiz do Tema é Amissio, aconselha: a) a não aceitar a diminuição imposta, devendo reagir, certo de alcançar muito mais; b) a mudar de orientação, de método, de planos; c) a fazer um exame crítico da situação; d) a voltar atrás, não se deixando levar acima de seus meios.

2211 - Fortuna Major

Fortuna Major dá a nota dos favores do Céu, do sucesso fácil e completo, não exigindo esforços, ou muito superior aos esforços despendidos. Indica o sucesso vindo de si mesmo, sobre o plano material. O bem-estar material. Na Casa I, facilita o esforço. Os projetos se realizarão sem esforço. Na Casa II, assegura a abundância, os ganhos, as entradas de dinheiro. Na Casa III, concurso favorável dos próximos e parentes. A expressão das idéias encontra toda a sua eficácia. Notícias vantajosas, aproveitáveis. Na Casa IV, coloca na base da empresa as provisões necessárias. O objeto da questão proposta, o fim perseguido, são vantajosos. Na Casa V, dá o sucesso no plano privado; iniciativas afortunadas. Na Casa VI, sua própria Casa, dá sucesso fácil, prosperidade de uma profissão que caminha sozinha, sem receios nem cuidados. O consulente dispõe de meios materiais importantes e eficazes, para atingir seu fim. Na Casa VII, inspira as boas decisões ; traz o cônjuge ou sócio bem escolhidos. Compromissos favoráveis. Na Casa VIII, traz mudanças felizes, dando progresso e melhoramentos. Uma mudança feliz, um golpe de chance, pode mudar o destino do consulente. Na Casa IX, a ação social do consulente é afortunada. Sucesso social, atividade profissional lucrativa. Realização dos projetos sem grande dificuldade, conduzida pela sorte.

Na Casa X, anuncia o sucesso material, a consideração, a honra. O fim perseguido será atingido sem esforço e de maneira brilhante. Na Casa XI, traz o sucesso pela clientela, pelo público, pelos protetores. Na Casa XII, sustenta contra as adversidades e contra as provas. Os entraves momentâneos podem ser um mal para um bem, sobre o plano material. Na Testemunha do Passado, Fortuna Major significa que a sorte está com o consulente na sua empresa. Na origem, existem meios materiais para permitir um começo de realização. Na Testemunha do Futuro, promete o sucesso fácil. Como Juiz, Fortuna Major promete o sucesso final.

1122 - Fortuna Minor

Fortuna Minor dá a nota dos sucessos medíocres, das condições mesquinhas, das vidas apagadas e monótonas. Indica que as realizações serão modestas, lutas sustentadas, pequena chance , meios fracos, muitos esforços para pouco resultado. Revela a necessidade de economizar, de controlar o modo de viver, para não empobrecer.

Na Casa I, esforços fracos para vencer. Os comportamentos e iniciativas gozarão de pequena chance , e ao preço de grandes esforços, para não atingir se não um resultado modesto ou medíocre.

Na Casa 11, magros recursos; o negócio trará algum dinheiro. Na Casa III, amigos e próximos indiferentes. Meios de expressão fracos poucas idéias. Notícias recebidas serão sem interesse. Dificuldades para obter o concurso do meio. Apoio apenas de pessoas modestas. Na Casa IV, anuncia que a nota de labor ingrato está na predestinação do consulente ou inerente à empresa visada . O fim perseguido é difícil de ser atingido. necessitando de grandes esforços para um resultado modesto. Na Casa V, falta de charme, de sedução, não interessando a ninguém. A vida privada não é favorecida pela sorte, no momento. Na Casa VI, ofício obscuro e lar modesto. Para atingir o fim, o consulente não dispõe de meios materiais senão medíocres, insuficientes. Na Casa VII, esposa comum, associado comum. Concurso difícil deles. Dificuldades em caso de processo. Contratos de natureza medíocre. Na Casa VIII , anuncia vicissitudes , empregos variados com resultados medíocres. As mudanças necessitarão de esforços constantes. Na Casa IX, fraqueza social, sorte de eterno esquecido. Relações sociais difíceis. Atitude social prudente, refletida, desconfiada. Na Casa X, destino apagado e fim rasante. O fim perseguido será atingido parcialmente à custa de lutas difíceis, podendo ficar decepcionado. Na Casa XI, apoios fracos e difíceis de obter. Concurso de gente modesta. Pode sofrer a indiferença dos estranhos e superiores. Na Casa XII, sua própria Casa, indica que é preciso trabalhar muito para resultados ínfimos ou decepcionantes. Risco de enfermidade crônica, de hospitalização ou de perda de liberdade. Muita luta para vencer as dificuldades, dentro do quadro da questão proposta. Na Testemunha do Passado, Fortuna Minor indica que o fim perseguido pelo consulente é sem interesse. Os meios materiais são insuficientes. A empresa é cheia de dificuldades, necessitando de lutas e de cuidados contínuos. Na Testemunha do Futuro, diz que o consulente ficará satisfeito com o resultado obtido, embora insuficiente. Como Juiz, Fortuna Minor indica que a questão proposta apresenta um interesse medíocre. Pouco resultado a esperar e ao preço de grandes esforços, ou bem um sucesso efêmero. A consulta do Oráculo não valia a pena.

2121 - Acquisitio

Acquisitio promete um ganho, uma melhora, um acréscimo, em qualquer domínio. É a imagem de um aporte de energias físicas, morais, psíquicas, materiais. Um acréscimo, uma aquisição, um desenvolvimento. Na Casa I, intensifica os esforço pessoais, de maneira perseverante e refletida . Na Casa II, sua própria Casa, significa ganhos materiais, acréscimo da fortuna. Pode indicar enriquecimento intelectual ou espiritual. Na Casa III, enriquece o espírito e aumento o número de amigos. Atividade cerebral intensificada. Notícias proveitosas. Concurso e apoio dos próximos Na Casa IV, o fim perseguido, objeto de questão proposta, é proveitoso e construtivo. O consulente terá interesse em o conservar. Manutenção feliz da tradição e do patrimônio. Na Casa V, aumenta a ação do consulente, sobre o plano privado. Comportamento privado e familiar, refletido e proveitoso. Na Casa VI, expansão do lar e da profissão. Largos meios materiais para atingir o fim perseguido.

Na Casa VII , consolida as afeições e a sociedade . Apoio vantajoso do cônjuge ou do sócio. Contratos vantajosos. Na Casa VIII, mundanças favoráveis; expansão do destino. Na Casa IX, dá função social mais radiante. Atividade intelectual interiorizada. Na Casa X, melhora da situação; expansão do destino. O fim perseguido terá resultado construtivo e vantajoso. Na Casa XI, concurso da providência. Concurso do outro coletivo, empregadores clientes, poderes públicos, homens de ciência. Na Casa XII, as dificuldades fortificando a experiência e a realização dos desígnios. Na Testemunha do Passado, Acquisitio significa que a empresa projetada necessita de capitais. O ponto de partida, origem da questão proposta, trará uma melhora. O negócio considerado pode necessitar de uma preparação, um exame prévio com o apoio de um conselheiro eventual. Na Testemunha do Futuro, anuncia o sucesso da empresa, com o seu aumento. Pode se tratar de uma elevação da posição social a prever. Como Juiz, Acquisitio anuncia o sucesso no domínio da Casa em passagem oracular. O objeto de questão vai trazer um reganho de energia física, moral ou espiritual. Melhora da sorte.

1212 - Amissio

Amissio anuncia uma diminuição, um depauperamento, principalmente no domínio das mudanças. É a imagem de uma diminuição das energias físicas, morais, materiais, psíquicas, de qualquer coisa. Prejuízos e revés. Indica desmembramento, divisão, separação, ruptura, dispersão, déficit, o intransponível, a morte. Os obstáculos sempre renascentes. As perdas, os perigos, os acidentes. Na Casa I, esgota os esforços pessoais, mina a saúde. A pessoa está abalada. Diminuição ou dispersão da atividade física. Pode ter comportamento agressivo, de cometer uma ação delituosa. Na Casa II, reduz os ganhos e os enfraquece. Pode haver despesa excessiva, ou sofrer uma perda de dinheiro. Pode sofrer um conflito de ordem financeira. Pode ser objeto de um roubo de dinheiro ou de um bem precioso. Na Casa III, rarefaz amigos e apoio dos próximos. O mental perde em dinamismo. Meios de expressão diminuem. Notícias desastrosas ou hostis. Recear um concurso desvantajoso dos próximos. Meio desfavorável e hostil. Na Casa IV, indica perda da aquisição anterior, abandono das tradições. Rompimento com o passado. A origem da questão proposta, o fim perseguido são uma fonte de empobrecimento, de uma diminuição, uma causa de ruptura. O fim perseguido pode não ser mantido com certeza. Na Casa V, diminuição no plano privado. Decisões imprudentes e prejudiciais, às vezes, repreensíveis. Na Casa VI, faz periclitar o lar e tudo que contribui para a profissão. Os meios materiais que podem ser utilizados encontram-se diminuídos, esgotados. Na Casa VII, enfraquece as afeições, desencoraja o cônjuge, afasta o sócio. Prejudica os compromissos e contratos. Na Casa VIII, sua própria Casa, Amissio pode pressagiar a morte, mesmo no sentido simbólico, isto é, fracasso total da empresa projetada. Fim de qualquer coisa de importância na vida do consulente. O aniquilamento das esperanças. Na Casa IX, esmaga de impostos, de contribuições, a vida social. O mental se dispersa. Atividade social diminuída. Dispersão e desperdício de esforços.

Na Casa X, estreita o destino ou ao fim visado. O fim perseguido pode resultar em fracasso, em diminuição do resultado, ou desvantajoso. Risco de sair empobrecido. Na Casa XI, o Céu não se interessa em socorrer e auxiliar. Não contar com o concurso do outro coletivo, da sociedade, dos estranhos, dos patrões, etc. Sua intervenção seria hostil e desastrosa. Na Casa XII, significa que a empresa projetada é diminuída por provas, doenças, que eliminam, por algum tempo, o combate diário. Obstáculos que poderão esgotar os esforços. Pode ser vítima de uma má ação. Na Testemunha do Passado, Amissio significa que a empresa visada é ditada pela necessidade de reparar perdas, e de se refazer. O negócio visado é custoso, desvantajoso ou desastroso. Perda de tempo, dispersão de energias, agravando a situação. O consulente está perdendo, desde o ponto de partida. Na Testemunha do Futuro, Amissio diz que a empresa visada será deficitária. O negócio visado não é mais que tempo perdido, empobrecimento e dispersão de energias sobre todos os planos. Como Juiz, Amissio anuncia diminuição na Casa em passagem oracular. O negócio considerado constitui um desperdício físico ou moral. A empresa pode representar o intransponível. Pode provocar um conflito com ferimentos, ocasionar danos.

2112 - Conjunctio

Conjunctio significa a passagem, a ponte, a reunião. Representa os contatos as trocas, as relações entre dois seres ou duas coisas. Denota as uniões, promessas, alianças, filiações, associações, casamento, pactos, acordos, compromissos. Indica a síntese, a mistura. Pode representar, às vezes, o fim da morada sobre a terra, a volta a Deus, a morte do corpo físico, a desencarnação. Representa a linha do destino. A porta aberta. Na Casa I, indica que os esforços físicos estão em harmonia com o destino. Os comportamentos, os esforços, as iniciativas, as decisões estão na linha do destino . Na Casa II, o consulente encontra os recursos necessários. Porta aberta para o enriquecimento . O consulente encontrará os recursos pecuniários indispensáveis para atingir o fim perseguido. Na Casa III, concursos dos próximos e parentes em harmonia com o destino. Na Casa IV, o consulente reconhece sua predestinação. O fim perseguido está na linha do destino. Na Casa V, esforços de persuasão e de ação sobre os próximos, em harmonia com o destino. Na Casa VI, o consulente encontra seu lar e sua profissão. Encontra os meios materiais necessários para atingir o fim perseguido, e pelas vias as mais diversas. Na Casa VII, concursos harmônicos do cônjuge ou sócio. Na Casa VIII, o consulente encontra as mudanças profundas, requeridas pelo seu destino. A mudança pode indicar o fim de uma etapa. Na Casa IX, harmonia no plano social. Os comportamentos, esforços, ações, empreendimentos estão na linha do destino. Na Casa X, sua própria Casa, Conjunctio significa que o consulente encontra o seu destino, o inevitável se cumpre. O fim perseguido será atingido; a porta está aberta. Na Casa XI, harmonia no concurso das coletividades ou do anônimo. Apoio providencial para o objeto da questão proposta. Na Casa XII, porta aberta para os obstáculos. O objeto da questão pode terminar em decepção, sofrimento ou desilusão.

Na Testemunha do Passado, Conjunctio anuncia que a empresa visada está no caminho do consulente, na linha do seu destino. Na origem, é possível o consulente encontrar uma relação, uma arbitragem. Na Testemunha do Futuro, diz que a empresa visada será conduzida no caminho certo. O atingimento do objeto da questão proposta está na linha do destino do consulente. Como Juiz, Conjunctio diz que o objeto da questão é acessível, o caminho está livre. Consultar as Testemunhas.

1221 - Carcer

Carcer significa entraves. Representa a limitação das possibilidades, a porta fechada para fins buscados. Impedimento, impossibilidade, obstrução, imobilização, impasse. Entrave espiritual ou material, físico ou psíquico. O abandono de todos, o isolamento, a separação. Pode denotar as perfídias, as traições, as armadilhas, a prisão. Na Casa I, esforços entravados, impotentes, possibilidades de ação restringidas. Na Casa II, obstáculos para conseguir recursos. Porta fechada para a entrada de dinheiro. Situação financeira parada, no momento. O consulente não dispõe de meios materiais e financeiros suficientes para alcançar o fim perseguido. Na Casa III, impedimento para obter concurso de próximos e parentes. Dificuldades para fazer conhecer os pensamentos e idéias. Na Casa IV, sua própria Casa, o fim perseguido ou o ponto de partida está entravado. Na Casa V, esforços de persuasão sobre o próximo estão impedidos. Os comportamentos sobre os planos afetivo, sentimental ou sexual não estão na boa direção. Na Casa VI, obstáculos para encontrar uma profissão, para formar um lar. O consulente não dispõe de meios materiais necessários para atingir o fim perseguido, ou, então, os meios serão limitados, insuficientes. Na Casa VII, entraves para conseguir o apoio do cônjuge ou sócio, ou para encontrá-los. Evitar contratos. Na Casa VI11, entraves nas mudanças e, portanto, continuidade, estabilidade. Porta fechada às mudanças. No que diz respeito à questão proposta, toda evolução é impossível, no momento. É o prolongamento do estado das coisas. Na Casa IX, entraves no domínio social. Atividade cerebral e sobre o plano espiritual, filosófico ou religioso, mal dirigida, entravada, paralisada. Iniciativas e decisões sobre o plano social são mal orientados. Na Casa X, o preenchimento do destino ou dos projetos está entravado. No momento, impossibilidade de atingir o fim perseguido. Atrasos e obstáculos. Período de imobilização e de estagnação. Na Casa XI, concurso do público, dos superiores, dos patrões está entravado. O consulente não se beneficiará do apoio da Providência no que diz respeito à questão proposta. Na Casa XII, é o obstáculo ao obstáculo. Indica que os entraves serão impedidos, a porta fechada para os obstáculos. Para o momento, o consulente está ao abrigo das provas. Na Testemunha do Passado, Carcer indica que o projeto do consulente está ditado pela necessidade de evasão. Na origem, o objeto da questão constitui um constrangimento, haverá retardo, em razão de uma dificuldade. Na Testemunha do Futuro, Carcer diz que o acesso ao fim perseguido está fechado. O fim ultrapassa os meios, podendo haver apenas um resultado parcial, após as dificuldades.