Вы находитесь на странице: 1из 13

UNIVERSIDADE CANDIDO

MENDES - UCAM

JOGOS, DINÂMICAS
DE GRUPO E
TÉCNICAS
VIVENCIAIS

Profª Me Gláucia Guarany


glauciaguarany@globo.com

2007
“ A educação mais eficiente é aquela que proporciona atividade de
auto-expressão e participação social e, para tal, nada melhor do
JOGOS E DINÂMICAS DE GRUPO
que os jogos.” (Froebel, 1782-1852 / Alemanha)

Como surgiram os jogos no processo de aprendizagem?

Os jogos no processo de aprendizagem remontam do século XVIII. Foi na


área militar que os modelos de simulação com o objetivo de treinamento
começaram a ser utilizados pelos oficiais do exército prussiano, que se
preparavam para o combate, simulando sobre enormes mapas o
desenvolvimento de batalhas, nos quais movimentavam tropas representadas
por peças coloridas de madeira. Assim, faziam um estudo prévio das possíveis
opções táticas a serem depois adotadas na batalha real.

Na década de 50, nos Estados Unidos da América, os jogos de simulação


começaram a ser utilizados como ferramentas para formação profissional. Os
primeiros “business games” ou jogos de negócio eram direcionados a
profissionais da área financeira. No Brasil, os jogos começaram a ser utilizados
em treinamento e desenvolvimento na década de 80.

Jogos de Empresa possuem a mesma estrutura dos jogos de simulação,


porém retratando situações na área empresarial.

E a Dinâmica de grupo?

Por volta de 1912, Jacob Levy Moreno, um jovem estudante de Medicina


começou a observar crianças brincando nos jardins de Viena. Acabava de opor-se
a Sigmund Freud e começou a combater a Psicanálise: era contra o
distanciamento do terapeuta. Moreno volta-se para os problemas das relações
profundas, enfatizando a relação afetiva, de compreensão e comunicação
completas, baseada na empatia entre o EU e o OUTRO.

Segundo Moreno, para se conhecer a dinâmica de um grupo, é importante


determinar antes a sociometria deste grupo: as características das pessoas que o
compõem, o peso (importância) de cada membro, bem como a rede de inter-
relações ( o nível de afetividade).

Carl Rogers foi o primeiro que realizou atividades com grupos através do
processo terapêutico denominado cliente-centered-therapy (terapia centrada no
cliente). A esse tipo de trabalho ele chamou de Grupos de Encontro.
2
No entanto, foi com Kurt Lewin, psicólogo alemão, e reconhecido por todos
no campo da Psicologia de Grupo, que em 1945, surgiu a expressão Dinâmicas de
Grupo (Group Dynamics), explicando o conceito de dinâmica no sentido habitual
da física como o oposto à Estática. Para ele todos os grupos devem ser
compreendidos como totalidades dinâmicas que resultam das interações entre os
membros. Estes grupos adotam formas de equilíbrio no seio de um campo de
forças, tensões e pelo campo perceptivo dos indivíduos. Estas forças, tais como:
movimento, ação, interação, reação e etc, é que constituem o aspecto dinâmico
do grupo e, conseqüentemente, afetam a sua conduta.

A Dinâmica de Grupo como disciplina moderna dentro do campo da


Psicologia Social estuda e analisa:

a. a conduta do grupo como um todo;


b. as variações das condutas individuais de seus membros;
c. as reações entre os grupos ao formular leis e princípios e ao introduzir
técnicas que aumentem a eficácia do mesmo.

O comportamento do grupo depende em grande parte do número de


participantes. Este é um fator importante no que diz respeito à produção e ao
nível de desenvolvimento grupal.

A delimitação exata de um pequeno grupo e de um grande grupo, varia


segundo diferentes autores. Estudiosos no assunto são unânimes em afirmar que
o pequeno grupo não deve ultrapassar a 20 participantes, e que o ideal para sua
constituição é de 5 a 12 elementos, possibilitando assim, maior coesão, interação
e participação.

Todo grupo é composto por pessoas que diferem uma das outras em sua
maneira de ser e executar um trabalho. Os indivíduos trazem para o grupo certas
características que lhe são peculiares tais como: interesses, aptidões, desejos,
inibições, frustrações, em outras palavras, suas personalidades.

Todas essas características atuam como forças na dinâmica do grupo.


Outras forças podem resultar da interação das pessoas. A integração e a
transformação de todas essas forças é a própria DINÂMICA INTERNA DO
GRUPO, e uma das forças internas mais importantes é a participação, o
empenho pessoal e psicológico dos indivíduos no grupo.

A vida de um grupo passa por algumas fases, e em cada uma delas, os


membros atuam de formas diferentes, tanto em relação à etapa de vida do grupo
como em relação aos demais membros. Em todos os grupos em funcionamento
seus membros podem desempenhar eventualmente, alguns papéis não-
construtivos, dificultando a tarefa do grupo, criando obstáculos e canalizando
energias para atividades e comportamentos não condizentes com os objetivos
comuns do grupo. Estes papéis correspondem às necessidades individuais, às
motivações de cunho pessoal, a problemas de personalidade ou, muitas vezes,
decorrem de falhas de estruturação ou da dinâmica do próprio grupo.

3
O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UMA
EQUIPE
O desenvolvimento de equipe é um processo de socialização de indivíduos,
orientado no sentido da obtenção de resultados comuns. Assim, quanto maior o
grau de desenvolvimento da equipe, maior a sinergia resultante do seu trabalho
coletivo.

Várias são as teorias acerca do processo e desenvolvimento de uma


equipe.

Segundo SCHULTZ (1958), um dos mais conceituados estudiosos acerca do


assunto, todos os grupos, quando se encontram (mesmo que seus integrantes já
se conheçam de outras situações), passam por 3 fases distintas:

- INCLUSÃO
- CONTROLE
- ABERTURA

FASE DA INCLUSÃO

Cada membro do grupo procura seu lugar, através de tentativas, para


encontrar e estabelecer os limites de sua participação no grupo, o quanto vai dar
de si, o quanto espera receber, em que nível se comprometer e como se
mostrará ou que papel desempenhará primordialmente. É o desejo de merecer
consideração e atrair interesse e atenção. Nesta fase:

- inicia-se o conhecimento mútuo;


- destacam-se as pessoas mais comedidas, tímidas ou fechadas;
- há questionamentos incisivos;
- avalia-se o grau de envolvimento;
- há uma instabilidade inicial

FASE DE CONTROLE

Encontrado o seu lugar, cada membro passa a interessar-se pelos


procedimentos que levam às decisões, ou seja, pela distribuição de poder no
grupo e controle das atividades dos outros. É a fase de jogo de forças,
competição por liderança, discussões sobre metas e métodos, atuação no grupo
e formulação de normas de conduta dentro do grupo. Cada um busca atingir um
lugar satisfatório às necessidades de controle, influência e responsabilidade.
Comportamentos de docilidade, submissão e acatamento de ordenas indicam
aceitação de controle; enquanto comportamentos de independência e rebelião
expressam a falta de desejo de ser controlado.

4
Comportamentos mais comuns:

- iniciativa para dar explicações;


- cobranças;
- vontade de exercer influência;
- competir pela liderança;
- feedback;
- necessidades de ocupar espaços no grupo;
- demonstração de características de forma mais autêntica.

Aplicar dinâmicas ou jogos num grupo que se encontra nesta fase significa
explorar atividades que tenham como objetivo trabalhar o confronto, a
competição, o poder, a tomada de decisão em grupo, a liderança, a
negociação e também as técnicas que definem papéis e responsabilidades
no grupo.

FASE DE ABERTURA/AFEIÇÃO

Uma vez resolvidos razoavelmente os problemas de controle, os membros


começam a expressar e buscar integração emocional através de
comportamentos mais afetivos.

Surgem abertamente manifestação de hostilidade direta, ciúmes, apoio,


afeto e outros sentimentos. Cada um procura conhecer as possibilidades de
intercâmbio emocional e estabelecer limites quanto à intensidade e qualidade
das trocas afetivas.

O clima emocional do grupo pode oscilar entre momentos de grande


harmonia e afeto e momentos de insatisfação e tensão. A tendência é o
estabelecimento de um clima afetivo positivo dentro do grupo e que traz
satisfação a todos. mas isso não implica que os conflitos não voltem a acontecer.

Nessa fase as pessoas compreendem as diferenças existentes entre seus


componentes, e aprendem a aceitá-las e a conviver com elas. Assim sendo, as
técnicas grupais mais adequadas a essa fase são as que favorecem o
conhecimento mais íntimo do outro, a troca de feedback, a expressão de todos os
tipos de sentimentos e emoções.

É importante ressaltar que os membros do grupo não necessariamente


passam de uma fase para outra ao mesmo tempo. Cada pessoa a seu tempo. Em
algumas situações pode ocorrer, inclusive, um retrocesso a uma fase anterior.

FASE DA SEPARAÇÃO

Quando os grupos se desfazem, segundo Schultz, seguem seu


desenvolvimento na seqüência oposta, passando pela fase de ABERTURA,

5
CONTROLE E INCLUSÃO demonstrando todos os comportamentos e atitudes
típicos destas1 .

Comportamentos típicos da fase de SEPARAÇÃO:

- Evitar o reconhecimento do término do grupo para não lidar com a perda;


- Aparentar comportamento de indiferença ou desinteresse;
- Fazer emergir sentimentos de hostilidade em situações não resolvidas ou no
decorrer do desenvolvimento do grupo.
- Estreitar as relações estabelecidas no grupo, consolidando a aprendizagem;
- Avaliar o desenvolvimento do grupo e estabelecer ações a serem realizadas
após o seu término.

Para um grupo que se encontre nesta fase, as atividades mais indicadas são
aquelas que busquem:

- O enfrentamento do término inevitável do grupo, discutindo os sentimentos


experimentados;
- A conclusão de assuntos ou questões inacabadas;
- Reconhecer o que aprenderam com o grupo;
- A avaliação do que aprenderam e façam planos específicos de mudança com o
objetivo de elaborar ações nas quais possa aplicar o que assimilaram.

Características Básicas dos Jogos


 Utiliza o método socrático (redescoberta)
- O aprendizado se dá de dentro para fora.
 Encoraja a experimentar comportamentos, aparentemente diferentes do
padrão costumeiro.

 Possibilita a observação, através de atos espontâneos, da capacidade de


adaptação a novas situações.
 Facilitam o processo ensino-aprendizagem.

 Levam o indivíduo à integração e ajustamento nos grupos em que participa


para uma atuação cada vez mais satisfatória.

 Estimulam a busca de soluções criativas, adquirindo e desenvolvendo


comportamentos mais funcionais que os utilizados até o momento.

 Estimulam a saída da zona de conforto para a busca do aprender a aprender.

 Permitem evidenciar características da personalidade com menor influência


dos mecanismos de defesa.

1
PACHECO, L. Workshop Experiencial para Desenvolvimento de Habilidades Interpessoais. REFAZENDO. Maio, 2004.

6
 Desenvolvem a capacidade de observação, reflexão, participação, empatia e
sensibilidade.

 Desenvolve no indivíduo tolerância consigo e com os outros, levando-o a


respeitar a variedade de opiniões e atos.

APLICAÇÃO DOS JOGOS


- Seleção
- Treinamento e Desenvolvimento
- Identificação e Análise de Potencial
- Projeto de Melhoria Contínua da Qualidade
- Projeto de Sensibilização para Mudança
- Projeto de Pré-Aposentadoria

ETAPAS NA APLICAÇÃO DE JOGOS


1ª Etapa
- Vivência do Jogo

2ª Etapa
- Levantamento dos sentimentos durante e após o jogo.
o Como estão se sentindo?
o A sensação é boa ou ruim?
3ª Etapa
- Desempenho – Análise do ocorrido durante a vivência em termos de
desempenho individual e de equipe.

4ª Etapa
- Análise dos Fatores (indicadores) de Avaliação

5ª Etapa
- Analogias – Comparações e analogias com situações vivenciadas no dia-a-
dia organizacional.
o No que esta situação se assemelha a situações vividas no dia-a-dia?

6ª Etapa
- Fechamento
o Qual é a lição aprendida com esta atividade?

7
PECADOS CAPITAIS DO FACILITADOR DE
JOGOS OU DINÂMICAS
 Não se preparar adequadamente para o trabalho (pouco conhecimento da
realidade do grupo e escolha não adequada da atividades para a fase em que
o grupo se encontra).

 Utilizar o repertório de atividades que conhece independente de ser adequado


ou não aos fatores a serem trabalhados/desenvolvidos.

 Não conferir o material a ser utilizado ou não ter experiência na condução da


atividade.

 Não dedicar o tempo indicado para a Inclusão do Grupo ou mesmo excluir esta
fase.

 Adotar postura de estrela. Deve ser marcante, mas com sutileza.

 Não identificar e/ou atuar dentro das necessidades do grupo.

 “Morder iscas.” Não entre em provocações. Quando alguém afirmar algo que
não foi dito, recapitular através do grupo.

 Realizar apenas a vivência e não permitir ou dedicar tempo adequado para a


troca de experiências. Fazer link/analogias.

 Evitar interpretações profundas. Uma intervenção grupal deve ser descritiva ao


invés de interpretativa. O facilitador pode descrever o comportamento de um
grupo, mas deve evitar colocar uma interpretação no comportamento do
grupo.

CUIDADOS E DICAS PARA UM BOM


TRABALHO
 Faça observações amplas, generalizadoras, que sejam aplicáveis a muitos
membros do grupo.
 Suas “interpretações” devem tomar a forma de perguntas ou de hipóteses
que deseja examinar com o grupo.
 Um fenômeno que se observa com freqüência é a menção de uma de suas
interpretações por parte de um membro do grupo, como se nunca tivesse
dito antes. Nessas ocasiões é difícil, mas necessário, frear o impulso de
reclamar os direitos sobre a dita contribuição.
 Quando alguém distorce um feedback, um tipo de intervenção que é útil é:
“O que você ouviu?” ou “O que você entendeu do que eu falei?”

8
 Responder diretamente a um conjunto de perguntas de um participante pode
levar a uma discussão intelectual. Neste ponto, pedir um feedback do grupo
pode ser a saída.
 No trabalho em dupla, os facilitadores devem tomar muito cuidado para não
serem repetitivos ou se contradizerem.
 Quando um participante afirma que quer ficar fora do centro das atenções,
isto não é um sinal automático de que você deve ir naquela direção. Você
precisa de mais dados do que isso.
 Quando um participante diz “os outros nesse grupo”, estimule que ele seja
mais específico, definido o que outros significa.
 Esteja alerta aos participantes não-verbais, e também não limite seu foco a
uma coisa ou pessoa. O facilitador deve desenvolver o hábito de pesquisar
periodicamente o grupo inteiro.
 Começar um encontro pelo relaxamento pode fazer o tiro sair pela culatra.

 Como facilitador, evite fazer coisas que foquem em você mesmo.

 Comportamento relutante dos membros tende a levantar a preocupação do


outros, incluindo o facilitador. Não se concentre pesadamente sobre um
membro relutante porque você desconsidera os outros.
 Quando duas pessoas estão discutindo um assunto, mas são incapazes de
comunicar-se, pode ser necessário trazer outros para trabalhar no assunto.
 Uma boa atitude para um facilitador é olhar apenas ocasionalmente para
quem está falando e gastar mais tempo olhando para o resto do grupo.
 Evite fazer muitas intervenções. A possibilidade de engano assim se torna
menor.
 Não faça desta lista de intervenções uma receita. As formas de intervenção
não se esgotam nesta listagem. Toda intervenção é situacional, e você deve
primeiro analisar as circunstâncias e depois pensar em qual forma de
intervenção é a mais adequada. Muitas vezes o bom senso lhe orientará.

Texto extraído e adaptado do site: www.sbdg.org.br/textos/artigos63.htm e do


livro Jogos, Dinâmicas e Vivências Grupais – Como desenvolver sua melhor
técnica em atividades grupais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA
Jogos e Dinâmicas de grupo
TÍTULO AUTOR EDITORA
• 100 jogos para grupos Ronaldo Yudi K. Yozo Ágora
• 150 jogos de treinamento Andy Kirby T&D Editora
• 200 exercícios e jogos Augusto Boal Civilização Brasileira
• 200 jogos infantis Nicanor Miranda Itatiaia
• 210 jogos infantis Nicanor Miranda Itatiaia
• 268 jogos infantis Vitória Rabelo F. Pimentel Itatiaia
• Arte de brincar, A Adriana Friedmann Scritta

9
• Carícia essencial, A Roberto T. Shinyashiki Gente
• Comunidade Criativa: Fazer brincando Maria Josefina R. Coelho Ed. Paulinas
Manoel de Souza Santos
• Curso de Dinâmica de grupo Pe. Jorge Boran C. S. Sp. Ed. Paulinas
• Desenvolvimento do Pré-escolar e o jogo, Maria Rodrigues Ícone
• Dinâmica de grupo - vol 2 Cartwright Zander E. P. U.
• Dinâmica de grupo: Jogo da vida e didática do futuro Balduíno A. Andreola Vozes
• Dinâmica de grupos populares William C. Castilho Pereira Vozes
• Dinâmica do trabalho de grupo, A Áurea Castilho Qualitymark
• Dinâmicas de leitura para sala de aula Mary Rangel Vozes
• Dinâmica de recreação e jogos Silvino José Fritzen Vozes
• Exercícios e jogos Augusto Boal Civilização Brasileira
• Exercícios Práticos de Dinâmica de Grupo – Vol I e II Silvino José Fritzen Vozes
• Manual de recursos Técnicos de dinâmica de Grupo Vol I e II - Centro e Dinâmica CDG
de Grupo/ PE
• Invente jogos Cheryl Gerson Tuttle e Penny Ed. Loyola
Paquette
• Introdução a Jogos de Treinamento para Equipes Tadashi Sugiura Qualitymark
• Janela de Johari Silvino José Fritzen Vozes
• Jogo daas Palavras, O A. Lacombe Brasiliense
• Jogo, aprendizagem e criação Héctor Gonzáles Livros do Tatu
• Jogos Cooperativos: teoria e prática Guilhermo Brown Sinodal
• Jogos Cooperativos Fábio Brotto CEPEUSP
• Jogos de empresa e técnicas vivenciais Maria Rita Gramigna Makron Books
• Jogos de Empresa Maria Rita Gramigna Makron Books
• Jogos de treinamento Andy Kirby T&D Editora
• Jogos Dirigidos Silvino José Fritzen Vozes
• Jogos, Dinâmicas e Vivências Grupais Albigenor e Rose Militão Qualitymark
• Jogos Dramáticos Regina Fourneaut Monteiro Ágora
• Jogos em grupo na Educação Infantil Constance Kamii e Retha Trajetória Cultural
DeVries
• Jogos Infantis Nicanor Miranda Itatiaia
• Jogos na Educação Maria da Glória Lopes Hemus
• Jogos para Crianças Josef Broich Ed. Loyola
• Jogos para grupos Ronaldo Yudi K. Yozo Ágora
• Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências Celso Antunes Vozes
• Jogos Teatrais na Escola Olga Reverbel Rec. Didáticos
• Jogos para treinamento em Recursos Humanos Gary Kroehnert Manole
• Jogos: Na escola, nos grupos e na catequese Maria Sales Pereira Ed. Paulinas
• Juegos y actividades preescolares Sandra Zeitlin Taetzsch CEAC
• Líder de Mudança e grupo Operativo Maria Leonor C. Gayotto Vozes
• Liderança e Dinâmica de grupo George M. Beal, Joe M. Ciências da
Bohlen, J. Neil Raundabaugh Administração
• Liderando Grupos: um enfoque gerencial Áurea Castilho Qualitymark
• Manual comentado de Jogos e Técnicas Vivenciais Marise Jalowitzki Suliva
• Manual de Jogos de Treinamento Chris Elgood Siamar
• Manual de Jogos Educativos Donna Brandes e Howards Moraes
Pillips
• Manual de Técnicas de Dinâmica de Grupo de sensibilização e de Celso Antunes
ludopedagogia
• Oficinas Pedagógicas – A arte e a mágica do fazer na Marly Santos Mütschele e José Ed. Loyola
escola – Vol II Gonsales Filho
• Pedagogia da Animação Nelson carvalho Marcelino Papirus
• Pedagogia no Treinamento – correntes pedagógicas no David Bonfim Qualitymark
treinamento empresarial

10
• Problemas de Dinâmica de Grupo Kurt Lewin Cultrix
• Psicodrama Pedagógico: teatro-educação G. J. R. Diniz Ícone
• Quicksilver – Adventure Games Karl Rohnke – Steve Butler Kendall
• Recorte e colagem Ana Mãe Barbosa Cortez Editora
• Reflexões: A criança, o brinquedo, a educação Walter Benjamin Summus editorial
• Relações humanas interpessoais Silvino José Fritzen Vozes
• Relações humanas na família e no trabalho Pierre Weil Vozes
• Relaxamento com crianças Magda Vilas-Boas Ed. Loyola
• ReSurfacing: Técnicas para a exploração da Harry Palmer Gente
Consciência
• Trabalhando com recreação Vinicius Ricardo Cavallari e Ícone
Vany Zacharias
• Trabalho de grupo, O Josephine Klein Zahar
• Vivendo deliberadamente Harry Palmer Gente
• Você não é uma ilha – Dinâmicas de grupo Miguel Gonzáles Paulinas
• Working Together – 55 Team Games Lorraine L. Ukens Jossey-Bass Pfeiffer

FICHÁRIO DAS DINÂMICAS

1) Jogo/Dinâmica: __________________________________________

Objetivo: ____________________________________________________________

Fatores de Avaliação (Indicadores):


- ______________________________ - ____________________________
- ______________________________ - ____________________________
- _______________________________ - ____________________________
- ________________________________ - ____________________________

Atividade:
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
________________________
11
2) Jogo/Dinâmica: __________________________________________

Objetivo: ____________________________________________________________

Fatores de Avaliação (Indicadores):


- ______________________________ - ____________________________
- ______________________________ - ____________________________
- _______________________________ - ____________________________
- ________________________________ - ____________________________

Atividade:
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
________________________

3) Jogo/Dinâmica: __________________________________________

Objetivo: ____________________________________________________________

Fatores de Avaliação (Indicadores):


- ______________________________ - ____________________________
- ______________________________ - ____________________________
- _______________________________ - ____________________________
- ________________________________ - ____________________________

Atividade:
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
________________________

4) Jogo/Dinâmica: __________________________________________

Objetivo: ____________________________________________________________

Fatores de Avaliação (Indicadores):


- ______________________________ - ____________________________
- ______________________________ - ____________________________
- _______________________________ - ____________________________
- ________________________________ - ____________________________

Atividade:
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

12
__________________________________________________________________________________
________________________

5) Jogo/Dinâmica: __________________________________________

Objetivo: ____________________________________________________________

Fatores de Avaliação (Indicadores):


- ______________________________ - ____________________________
- ______________________________ - ____________________________
- _______________________________ - ____________________________
- ________________________________ - ____________________________

Atividade:
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
________________________

6) Jogo/Dinâmica: __________________________________________

Objetivo: ____________________________________________________________

Fatores de Avaliação (Indicadores):


- ______________________________ - ____________________________
- ______________________________ - ____________________________
- _______________________________ - ____________________________
- ________________________________ - ____________________________

Atividade:
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
________________________

13