Вы находитесь на странице: 1из 6

1. EXU: É o recadeiro de todas as divindades.

Exu é brincalhão, abençoa a


fertilidade. É o Orixá da energia sexual. Tal conduta fez com que o
Cristianismo o associasse ao DIABO. Por essa razão, Exu é um personagem
polêmico e temido por muitos.
Saudação: Laroiê, Mojubá!
Cores: Vermelho e preto.
Dia da semana: Segunda-Feira. Não é aconselhável a prática do jogo de
búzios nesse dia por representar o dia de descanso do recadeiro.
Natureza: caminhos, encruzilhadas e estradas.
Na Umbanda, esta divindade ocupa a linha dos mestres de esquerda, tranca-
rua e suas inúmeras mutações, bem como a linha da pomba-gira que recebe
sua influência de energia.
No Cristianismo associa-se Exu ao Diabo, por fluir a sexualidade.

2. OGUM: É considerado o soldado da Umbanda e do Candomblé. Sua


energia está associada ao ferro e a agricultura. Ogum é um guerreiro forte e
poderoso, filho de Oduduwa, e, portanto, possui uma natureza construtiva,
de modo que nas aflições rompe barreiras e obstáculos.
Saudação: Ogunhê, Ogum!
Cor: Azul-marinho
Dia da semana: Terça-Feira
Natureza: Estrada de ferros, Caminhos e Veículos.
Na Umbanda, este orixá abre caminhos com seus caboclos, rompe mato,
beira-mar e toda sua legião.
No Cristianismo associa-se Ogum a São Jorge, com seu cavalo-guerreiro.
Alguns até acreditam que Ogum domina a lua e lá é onde reside o seu
repouso, vigiando a terra.

3. OXOSSI: É o Senhor da Caça, também é considerado um excelente


comunicador no culto aos ancestrais. Favorece mudanças e sua energia está
associada às matas.
Saudação: O Kiarô, Ara um Xe!
Cores: azul-turquesa, azul com dourado e verde.
Dia da semana: Quinta-Feira
Natureza: Árvores e Matas, juntamente com Ogum e Exu. Esse orixá
representa os três mestres - senhores dos caminhos.
Na Umbanda, Oxossi domina as matas com suas giras de caboclos.
No Cristianismo associa-se Oxossi a São Sebastião.

4. XANGÔ: É o Pai da Justiça, senhor das rochas e do fogo. Orixá das lutas,
do trabalho e da força. Xangô combate o mal com firmeza e demonstra
poder com a capacidade de vencer batalhas, é o herói da cultura iorubana.
Saudação: Kaô Kabiesilê baba Mi!
Cores: branco com vermelho
Dia da semana: Quarta-feira
Natureza: Pedreiras, Meteoros, Jazidas de Minérios.
Na umbanda, Xangô é quem determina as leis e, assim, sua fúria acaba
sendo revelada na justiça. Exerce influência na linha dos Pretos-Velhos e nas
mutações de Caboclos que carregam a variação de seu nome, dentre eles:
Caboclo Sete Pedreiras.
No cristianismo associa-se Xangô a São João Batista/São Jerônimo.

5. IANSÃ: É o orixá da força oculta. A senhora que comanda os mortos. Esse


orixá fascina todos nós pela paixão, bravura e valentia. Comanda os ventos
e, quando furiosa, ordena a punição pela força das tempestades.
Saudação: Ê parrei Oiá Axé!
Cores: marrom e vermelho
Dia da semana: Quarta-Feira
Natureza: Ventos, Tempestades, Raios e Trovões.
Na Umbanda, seus trabalhos são firmados também em pedreiras,
geralmente traçados com Xangô. Algumas vezes trabalha no domínio de
Ogum, comandando as almas.
No cristianismo associa-se Iansã a Santa Bárbara.

6. OXUM: Orixá que representa as águas doces. Senhora da beleza,


derrama proteção aos laços de amor e protege a maternidade. Oxum abre
caminhos para a conquista do ouro e representa riqueza em abundância.

Saudação: Ora ieiê ô!


Cor; amarelo-ouro
Dia da semana: Sábado
Natureza: Rios, Lagos e Lagoas.
Na umbanda, esta divindade é conhecida como Cabocla Oxum Guerreira e
toda sua legião de guias. Trabalha para prosperar o ouro, a riqueza de
dinheiro. Abre caminhos.
No cristianismo associa-se Oxum a Nossa Senhora do Carmo.

7. OBÁ: Orixá pouco cultuado no Brasil. Domina as águas doces revoltas.


Envolve-se ardentemente no aspecto da paixão, de modo que é um orixá de
atitudes e poder de decisão. Muitos confundem sua hierarquia e reinados à
Ewá.
Saudação: Oba Xirê!
Cor: Vermelha
Dia da semana: Quarta-Feira
Natureza: águas doces!
Na umbanda e no cristianismo, Obá não ganha destaque, raramente
associada a uma mutação de Iansã.

8. LOGUM: Príncipe da caça e da pesca. Logum é um Orixá andrógino por


passar seis meses nas matas, alimentando-se de sua caça, e seis meses nas
águas de Oxum, buscando peixes. Tal orixá representa a alegria e
jovialidade. É primo de Oxóssi e possui muitas de suas características.
Saudação: Lóci, lóci!
Cores: Azul-turqueza e amarelo.
Dia da semana: quinta-feira, podendo cultuá-lo também aos sábados.
Natureza: Cachoeiras, Rios, Matas, Riachos e Florestas.
Na umbanda, mais precisamente no Rio de Janeiro, Logum ganha adeptos,
influenciando a gira dos caboclos sete flechas, assim como as sete porteiras
e sua legião.
No Cristianismo associa-se Logum a são Miguel Arcanjo.

9. IEMANJÁ:É considerada mãe-rainha de todos os orixás, exercendo


fortemente a maternidade. Iemanjá possui a energia extraordinária dos
mares e a capacidade de comandar o lar com soberania. Considera-se que
Iemanjá é ciumenta e, em determinados momentos, possessiva. Gosta de
viajar e voltar para casa, seu porto seguro.
Saudação: ô doía!
Cores: Azul e Branco
Dia da semana: Sábado
Natureza: Mar, Baías, Enseadas e Foz de Rios.
É o Orixá mais cultuado na Umbanda. Sua diversidade de cultos e as
diversas mutações que sofre nos templos lhe rendem o papel de Orixá,
protetora de todos os adeptos da crença. Iemanjá pode ser a sereia, a
cabocla, a santa, o Orixá. Os devotos de sua linha espiritual são tão
fascinados pela divindade, que a maioria dos terreiros de umbanda nomeiam
seus adeptos como sendo estes filhos de Iemanjá, portanto, sendo ela a
Orixá protetora da maioria de seus seguidores umbandistas. Iemanjá é a
consagração de toda a água do mar. Seu domínio está na praia. Quase todos
os terreiros de Umbanda dedicam a festa de Réveillon à Iemanjá rainha do
mar.
No cristianismo associa-se Iemanjá a Nossa Senhora dos Navegantes e Nossa
Senhora da Conceição.

10. NANÃ: Senhora que mora no alto, domina os pântanos onde, segundo a
tradição Iorubá, cobria todo o nosso planeta antes de ser habitado. É
considerada a vovó de todos os Orixás e, por isso, a maturidade é um tema
tratado com muita sabedoria em seu arquétipo. Seu axé está na energia dos
ancestrais.
Saudação: Saluba Nanã Axé!
Cores: Roxo e Branco
Dia da semana: Terça-Feira
Natureza: Pântanos, Igapós, lama, Barrancos.
É um orixá tipicamente do Candomblé. Seu culto na Umbanda se dá em
maior escala no sertão nordestino. Nanã não é reverenciada em mutações
de guias e caboclos. Mesmo na Umbanda, suas vibrações se mantêm no
arquétipo de Orixá.
No cristianismo associa-se Nanã a Sant’Ana.
11. IBÊJI: É a natureza infantil das divindades. Adoram as novidades, a
doçura e a alegria. Reportam-se ao novo com o instinto da ingenuidade.
Saudação: Beje ro!
Cores: todas as cores à exceção do preto.
Dia da semana: Domingo
Natureza: tudo que nasce.
Na umbanda, este orixá domina a vibração dos Irerês, crianças-guias
espirituais do mel e da doçura. É bastante cultuado em todos os terreiros
e casas de Umbanda. Seus trabalhos acontecem especificamente em mesas
com a simbologia de balinhas, refrigerantes e sucos de frutas.
No cristianismo associa-se Ibêji a são Cosme e São Damião.

12. OBALUAÊ: Este orixá é considerado o patrono do jogo de búzios. Possui


o segredo da vida e da morte. Ele tem o dom de curar e afastar as doenças.
Influencia a medicina tradicional com vibrações positivas. A sua missão é
salvar vidas.
Saudação: Atotô Obaluaê!
Cores: Preto e Branco
Dia da semana: Segunda-Feira
Natureza: Ruínas, Caminhos e Cemitérios.
Na umbanda, ele é cultuado com ponto traçado em portas de cemitérios.
Influencia também a saúde terrena como acontece no Candomblé,
transmitindo vibração quando invocado. Obaluaê na Umbanda exerce a cura
e tratamentos de doenças graves.
No cristianismo associa-se Obaluaê a São Lázaro/São Roque.

13. OSSÂIM: Senhor das ervas medicinais, é o detentor do Axé aos Orixás,
haja vista conhecer folhas de plantas que curam. É um orixá de energia
equilibrada. Todo terreiro do Candomblé reverencia essa divindade antes de
iniciar suas cerimônias.
Saudação: Eu eu assa!
Cores: Verde e Branco
Dia da semana: Terça-Feira e pode ser também cultuado na Quinta-Feira.
Natureza: Florestas - Folhas e Ervas
Na umbanda, seu culto acontece predominantemente na região Norte e em
algumas poucas casas do sudeste. Seu papel no Candomblé é de destaque.
Pouca casa de Umbanda reverencia o conteúdo do culto e saudação a
Ossâim, orixá das ervas.
No cristianismo associa-se Ossâim a Santo Expedito.

14. OXUMARÉ: É considerado o orixá da riqueza, da perseverança e da


paciência. Ele é andrógino porque acredita-se que este orixá passava seis
meses na sua forma masculina sob domínio do arco-íris, ao passo que nos
outros seis meses assumia a aparência de uma cobra que se transforma no
sexo feminino. Oxumaré é um guerreiro indispensável nos cultos do
Candomblé, pois resolve rapidinho qualquer tipo de conflitos e medição de
forças entre outras divindades. Está em constante equilíbrio com a natureza,
exercendo a valorização da sua única fonte de energia.
Saudação:Arruboboi!.
Cores: todas que compõe o arco-íris, incluindo o preto
Dia da semana: Terça-Feira
Natureza: Arco-íris, Céu, Sol, Terra e Chuva fina.
Na umbanda, este orixá exerce vibração fundamental na resolução de
conflitos espirituais entre energias espiritualizadas e os homens. Muitos
terreiros utilizam sua energia na força da esquerda, objetivando dar
disciplina aos que convivem na vida terrena com o erro e a má-fé. Em suas
duas simbologias admitidas no Candomblé, a cobra é a mais reverenciada,
destacando-se nos cultos e ritos umbandistas.
No cristianismo associa-se Oxumaré a São Bartolomeu.

15. Ewá: pouco cultuada no Brasil, esse Orixá domina os rios e sua
simbologia está associada à cobra de Oxumaré. Esse Orixá é protetora dos
casamentos e zela pela vida longa dos cônjuges.
Saudação: Rinró!
Cores: Vermelho e Amarelo, Marfim e Rosa.
Dia da semana: Terça-Feira, também, aos sábados é cultuada em algumas
casas.
Natureza: Terra,Iilhas.
Na umbanda não há registro de cultos no tocante a esse orixá, bem como no
cristianismo não há associação a essa divindade porque acredita-se que ela
não fora reverenciada no período do tráfego negreiro constante nos países
da América.

16. OXALÁ: É o orixá de maior elevação na corte dos ancestrais. Segundo a


cultura iorubana, ele foi o primeiro orixá nomeado por Olorum para criar o
mundo. Associa-se tal orixá a diversas formas, a saber: Oxanguiã, Obatalá,
Orixalá, dentre outras. Sua meta sempre será a busca pela paz e pela
harmonia. É considerado o pai de todos os orixás.
Saudação: Epa babá!
Cor: Branco
Dia da semana: Sexta-Feira O olhador não deve nesse dia jogar os búzios em
respeito a Oxalá.
Natureza: Ar, céu, as Montanhas e toda a Criação.
Na umbanda: Há uma veneração a esse orixá e todas as suas mutações.
Seus arquétipos são mantidos na linha religiosa Iorubá, conservando a
tradição e repeito ao culto de Oxalá.
No Cristianismo associa-se oxalá a Jesus Cristo.

Essas divindade, juntamente com toda força do Axé dos Odus, estão
interligadas pela sincronização elementar da natureza e dividem-se:
OBI (noz de cola) - ar, fôlego.
ÒRÍ - fogo, sensação,
ILÉ - terra, chão, corpo, matéria e
OLÓKUN - água, rios, oceanos, fazendo com a união dos 4
elementos, o equilíbrio de todo o Sistema.

Похожие интересы