Вы находитесь на странице: 1из 39

SISTEMA DE

INFORMAÇÕES
GERENCIAIS
Getulio de Souza Nunes

E-book 1
Neste E-Book:
INTRODUÇÃO���������������������������������������������� 4
FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE
INFORMAÇÃO���������������������������������������������� 5
Organizações e seus Sistemas�������������������������������5
Conhecimento organizacional: afinal o que
isso significa?�����������������������������������������������������������6
Dados������������������������������������������������������������������������6
Informação���������������������������������������������������������������8
Conhecimento������������������������������������������������������� 10
Conceitos relevantes sobre Sistemas de
Informação������������������������������������������������������������ 12
Mas o que é então um Sistema de Informação? 14
Conceitos relevantes sobre Sistemas de
informação Gerenciais ���������������������������������������� 22

FUNÇÕES DE UM SISTEMA DE
INFORMAÇÃO��������������������������������������������26
O que a empresa espera dos sistemas de
informação gerencial?������������������������������������������ 26
Nível de abrangência�������������������������������������������� 27
Características dos Sistemas de Informações
Gerenciais�������������������������������������������������������������� 27
Por que as mudanças tecnológicas impactam
os sistemas de informação?�������������������������������� 30

2
PLATAFORMA DIGITAL MÓVEL������������31
Nanotecnologia ���������������������������������������������������� 32
Computação em nuvem��������������������������������������� 32
Computação Autônoma��������������������������������������� 33

CONSIDERAIS FINAIS������������������������������34
SÍNTESE�������������������������������������������������������36

3
INTRODUÇÃO
Neste módulo, buscamos proporcionar uma visão
panorâmica do papel dos sistemas de informação no
contexto empresarial e de que modo as organizações
utilizam esses sistemas para a tomada de decisões,
a fim de atingirem seus objetivos corporativos. Com
isso, estudaremos as principais ferramentas que
compõem o ambiente de Tecnologia da Informação
(ou ambiente de TI), necessárias para o desenvolvi-
mento de novos negócios, base de informações para
a melhor tomada de decisões e, consequentemente,
atingir a conquista de vantagens competitivas por
meio dos sistemas de informação gerenciais.
Além desse panorama corporativo relacionado à
importância dos sistemas de informação para as
organizações, colocamos algumas questões rele-
vantes, por exemplo:
• O que é um sistema de informação?
• Qual estrutura é necessária para um ambiente de
tecnologias da informação, visto que os sistemas
de informação são essenciais ao mundo corporati-
vo e visto que a informação é importante para sua
carreira?

4
FUNDAMENTOS
DE SISTEMAS DE
INFORMAÇÃO
Neste tópico, compreenderemos o significado da
informação para as organizações, os tipos de siste-
mas e sua importância para os negócios, tomada de
decisão e solução de problemas de uma organização.

Organizações e seus Sistemas


As organizações por si só formam o maior de todos
os sistemas de informação e precisam de informa-
ções organizadas para manterem a relação entre
suas funções organizacionais e o ambiente interno
e externo em que está inserida. Obviamente, o con-
trole das organizações não se acontece apenas pela
disponibilidade de suas informações, mas também
pela gestão de outros recursos necessários ao seu
ciclo de vida, como o conhecimento organizacional
gerado.

SAIBA MAIS
O ciclo de vida de uma organização passa basi-
camente por quatro fases: criação, crescimento,
maturidade e declínio.

5
Conhecimento organizacional:
afinal o que isso significa?
Apesar de as maneiras de se definir conhecimento
serem variadas e/ou estarem agregadas a correntes
filosóficas, nosso objetivo é dar ênfase ao tema, de
modo a ser compreendido como uma extensão de
seu significado primeiro ou como conhecimento pro-
dutivo. A atual “explosão do conhecimento” prende-se
ao fato de as organizações estarem desenvolvendo
novas percepções relacionadas à necessidade do
conhecimento como um dos principais recursos para
vencer na atual e futura economia.

Uma questão básica, observada nas organizações na


tentativa de gestão do conhecimento, é a dificuldade
da distinção entre dados, informação e conheci-
mento. No geral, ainda existe — e em grande escala
— uma confusão generalizada quanto à distinção
prática desses conceitos. Para dar clareza à posição
aqui assumida, analisaremos esses conceitos nesta
ordem: dados, informação e conhecimento.

Dados
No contexto organizacional, dados podem ser des-
critos utilitariamente como um conjunto de fatos em
sua forma primária, relativos a determinado evento.
Isso sugere que os dados, por si só, têm pouca rele-
vância para a organização. Por exemplo, quando a
empresa compra uma máquina, esse evento pode ser

6
descrito como um dado, mas não sabemos nada do
fornecedor e da própria máquina. Apenas sabemos
que um fato ou evento aconteceu.

Contudo, precisamos ter em mente que as organiza-


ções precisam de dados. Mesmo que sejam elas que
julgam e interpretam ou forneçam uma base susten-
tável para a tomada de decisões, no fundo o dado é
o ponto de partida da análise, isto é, a situação de
que se parte para resolver um problema.

As organizações avaliam, em geral, a gestão dos


dados em função do seu custo de armazenamento
e recuperação. Já são bastante comuns o armaze-
namento e a recuperação de dados por meio de re-
cursos tecnológicos. Por exemplo, há vários tipos
de dados que podemos armazenar: alfanuméricos,
numéricos, alfabéticos e outros caracteres (imagens
gráficas, figuras, som, vídeos etc.).

FIQUE ATENTO
Dados alfabéticos são compostos por letras; da-
dos numéricos são compostos por números e
dados alfanuméricos são compostos por letras
e números.

Embora nada digam sobre a própria importância, os


dados podem ser entendidos como uma condição
que, ao mesmo tempo, restringe e garante a validade
da informação e do próprio conhecimento, já que é
uma percepção da relação entre os próprios dados.

7
Informação
A informação, por sua vez, acontece na organização
por meio de uma comunicação audível ou visível
e/ou na forma de um documento. O esquema da
informação é essencialmente constituído de três
elementos: a mensagem emitida, a transmissão e a
mensagem recebida.

A mensagem emitida é geralmente a expressão, a


tradução/codificação de quem ou do que emite aqui-
lo que pretende transmitir. A decodificação/tradução
da mensagem pelo receptor permite o entendimento
e, por consequência, a informação. Observamos,
então, que a informação é um conjunto de dados
ou fatos veiculados pelos meios de comunicação.

As características das informações relevantes para a


organização geralmente são medidas pelo valor que
elas representam para as tomadas de decisão, pela
sua disponibilização de forma flexível e no tempo
certo, e pela sua complexidade. Neste último caso,
pode ter pouco valor para a organização se ela é
demasiadamente complexa para ser compreendida.
Assim, o valor da informação está diretamente ligado
à maneira como ela ajuda na tomada de decisão.

Quanto à natureza da informação, podemos consi-


derar como características de uma boa informação
os seguintes atributos:
• Precisão: a informação precisa não contém ne-
nhum erro. Em alguns casos, a informação impre-
cisa é gerada pela entrada de dados incorretos no

8
processo de transformação, seja por meio manual
seja por meio de sistemas de informação.
• Completude: a informação completa contém todos
os fatos importantes.
• Economia: a produção da informação deve ser eco-
nômica. Deve-se sempre fazer um balanço do valor
da informação em relação ao custo de sua geração.
• Flexibilidade: a informação pode ser usada para
diversas finalidades e deve apresentar facilidade na
sua recuperação.
• Confiabilidade: a informação confiável pode ser
dependente, isto é, muitas vezes a confiabilidade da
informação depende da confiabilidade do método de
coleta de dados.
• Relevância: a informação relevante é importante
para a tomada de decisão.
• Em tempo: a informação deve atender quando
existir uma necessidade.
• Verificação: a informação verificável pode ser che-
cada quando necessário.

Tais condições da informação e o seu uso nas or-


ganizações podem ser implícitas ou explicitamente
admitidas em qualquer área.

9
Conhecimento
Lembrando que a preocupação com o conhecimento
tem sido uma constante na história, por isso, a nos-
sa intenção não é tratar nenhuma definição como
definitiva.

O que buscamos é fornecer um significado funcional


de conhecimento que caracterize o que queremos
dizer quando falamos de conhecimento organizacio-
nal, e que corrobore a hipótese de compartilhamento
de conhecimento por meio das redes digitais e hu-
manas, levando-se em conta que o conhecimento
é colocado como uma inter-relação de vários ele-
mentos, que existem dentro das pessoas.

Nesse contexto, podemos sustentar que o conheci-


mento deriva da informação da mesma forma que a
informação deriva dos dados, ocorrendo pela trans-
formação das ações de:
• Comparação: de que modo as informações relati-
vas a uma situação se comparam a outras situações
conhecidas?
• Consequências: quais implicações essas informa-
ções trazem para as decisões e tomadas de ação?
• Conexões: quais são as relações desse novo co-
nhecimento com o conhecimento acumulado?
• Conversão: o que as outras pessoas pensam dessa
informação?

10
Deve-se entender a geração do conhecimento or-
ganizacional como um processo que amplifica or-
ganizacionalmente o conhecimento gerado pelos
indivíduos e que formaliza como parte da rede de
conhecimento da organização. Por isso, a geração
de conhecimento organizacional tem como respaldo
fontes de conhecimento como indivíduos, grupos,
equipes, áreas, departamentos etc.

A Teoria do Conhecimento nas Organizações con-


sidera que o processo de comunicação do conhe-
cimento deve ser tratado por duas modalidades, a
saber: o conhecimento tácito e o explícito.

FIQUE ATENTO
O termo conhecimento tácito e explícito foi des-
crito inicialmente por Michael Polanyi em 1966.

O conhecimento tácito refere-se àquele que não é


de fácil expressão e definição, por não se encontrar
codificado. É o conhecimento pessoal que existe
simbolicamente na mente humana. Por outro lado,
o conhecimento explícito refere-se àquele que está
codificado e que é transmitido por meio de algum
sistema e em uma linguagem formal, ou seja, o co-
nhecimento classificado é conduzido de uma pessoa
a outra de modo sistemático.

O conhecimento tácito reside em experiências e está


centrado nos modelos mentais (experiências de tra-
balho, emocionais, habilidades etc.), que ajudam os

11
membros de uma comunidade a definir sua visão
de mundo. O conhecimento explícito reside em do-
cumentos (relatórios, imagens, memorandos etc.) e
em outros processos de comunicação.

A codificação do conhecimento organizacional tem


o objetivo de torná-lo acessível a todos os níveis
(estratégico, tático e operacional) da organização.
A codificação do conhecimento organizacional deve
torná-lo inteligível, confiável e flexível quanto à sua
recuperação. Naturalmente, os sistemas de infor-
mação desempenham um papel importante nesse
processo.

Conceitos relevantes sobre


Sistemas de Informação
A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC)
desempenha um papel primordial no processamento
de dados e, consequentemente, no fornecimento de
informação para as organizações, pois desempenha
um papel de apoio a toda estrutura organizacional,
desde o nível estratégico até o tático e operacional.

Outro fator que leva a tecnologia da informação e


comunicação a ocupar um papel central nas orga-
nizações modernas é o fato de ela estar diretamente
relacionada à geração de informações, bem como
à viabilização da comunicação entre os ambientes
internos e externos da organização. Assim, na con-
cepção moderna de gestão empresarial, a TIC deve

12
ser considerada um fator crítico de sucesso para
as organizações.

Na verdade, falamos até agora de Tecnologia da


Informação (TI) e sistemas de informação sem a
preocupação de definir os conceitos. A TI correspon-
de a todo software e hardware de que uma empresa
necessita para estruturar a sua base tecnológica
com a finalidade de atingir seus objetivos estraté-
gicos e organizacionais.

Por Hardware, entende-se a parte física do ambiente de


tecnologia ou máquina, ou seja, o conjunto de aparelhos
eletrônicos, peças e equipamentos que fazem o com-
putador funcionar. A palavra hardware pode se referir
também ao conjunto de equipamentos acoplados em
produtos que precisam de algum tipo de processamento
computacional, como uma impressora ou um equipa-
mento de transmissão de dados.

FIQUE ATENTO
A área que estuda o hardware é conhecida como Ar-
quitetura de Computadores.

Diferentemente do hardware, o software é a parte


lógica do computador ou da máquina. Trata-se de
programas compostos por comandos e declarações
de dados que interpretam os dados e realizam pro-
cedimentos ou funções para as quais foram desen-
volvidos. Uma planilha, um processador de texto ou
mesmo os jogos são exemplos de software.

13
FIQUE ATENTO
Softwares básicos são programas responsáveis
pelo funcionamento de um sistema e pela inte-
ração entre máquina e usuário, como sistema
operacional, compiladores, linguagens de progra-
mação etc.

Software aplicativos são programas utilizados


pelos usuários para fornecer apoio às tarefas
operacionais cotidianas, como navegadores, pla-
nilhas, programas gráficos etc.

Software utilitários são programas que apoiam a


execução de tarefas complementares ao sistema
operacional, como antivírus, winzip etc.

Mas o que é então um Sistema


de Informação?
Entende-se por Sistemas de Informação (SI) um
conjunto de componentes inter-relacionados que
coletam (input), processam, armazenam e disponibili-
zam (output) informações, destinadas a apoiar a estru-
tura organizacional em seus níveis estratégico, tático
e operacional, em tomadas de decisões e controle da
organização.

Assim, três funções do processo de um sistema de


informação são responsáveis por gerar informações

14
relevantes de apoio à estrutura organizacional de
uma organização: entrada, processamento e saída.

A entrada ou coleta (input) de dados captura os da-


dos brutos tanto do ambiente interno da organização
quanto do ambiente externo. A função do processa-
mento é converter os dados brutos em uma forma
mais significativa, neste caso em informação. A saída
(output) disponibiliza as informações processadas
às pessoas ou processos que as utilizarão.

Por exemplo, em um sistema de vendas, a entrada


de dados consiste no cadastramento dos dados do
pedido, como o nome do cliente, endereço do cliente,
telefone, quantidade do produto etc.; o processa-
mento é responsável pela verificação dos dados,
do estoque do item solicitado, do crédito do cliente,
cálculo do pedido etc. A saída (output) consiste na
emissão da fatura, nota de entrega do pedido, rela-
tórios de vendas no dia etc.

O sistema de informação referente à estrutura or-


ganizacional que apoia, ou seja, o nível estratégico,
tático e operacional, pode ser tipificado assim:
• Nível estratégico é composto por sistemas de in-
formação executiva, sistemas de apoio à decisão e
sistemas especialistas.
• Nível tático é composto pelos sistemas de
Informações Gerenciais e sistemas de gestão ad-
ministrativa (ERP).
• Nível operacional é composto pelos sistemas
transacionais.

15
Sistema de Informação Executiva (SIE): é um siste-
ma que permite, de modo rápido e seguro, o acesso
às informações críticas e estratégicas. Sua função
básica é agilizar a gestão e tornar a empresa mais
competitiva. Geralmente, essas informações são
exibidas de forma gráfica e simplificada, visando a
facilitar a compreensão de grandes volumes de infor-
mações. Tem portabilidade e acessa as informações
de plataformas diferentes, tais quais Windows, Linux,
Unix etc.

Sistema de Apoio à Decisão (SAD): é um sistema


interativo que auxilia os tomadores de decisão na
utilização de dados e modelos para a resolução de
problemas não estruturados. É desenvolvido quando
a organização precisa agilizar o processo de tomada
de decisão, armazenar conhecimento, bem como
conseguir apoio para o processo de planejamento
estratégico organizacional.

Sistema Especialista (SE): caracteriza-se pelo uso


de Inteligência Artificial (IA), em que um conheci-
mento especializado é específico de um domínio
de problema. Representado simbolicamente, o co-
nhecimento é transferido para um computador, que
repete a análises peritas e estratégias de solução
de problemas naquele domínio.

Um sistema especialista usa conhecimento e pro-


cedimentos de inferência para a resolução de pro-
blemas de alta complexidade que requerem a pre-
sença de um especialista para sua solução. Tem a

16
capacidade de aprender novos conhecimentos, e
lidar com problemas complexos.

Sistema de Informação Gerencial (SIG): é um tipo


de sistema baseado nas informações de vários
sistemas utilizados pela organização para o pla-
nejamento e apoio à tomada de decisão de forma
departamental ou sistêmica, isto é, de toda a organi-
zação integradamente. Suas principais funções são
gerar material de apoio para análise, planejamento
e suporte à tomada de decisão, disponibilizar infor-
mações integradas, eventuais, diárias, quinzenais
e mensais, em níveis corporativos, e unidades es-
tratégicas. Essas funções visam à redução de cus-
tos operacionais, melhoria na produtividade, maior
integração e abrangência entre os tomadores de
decisão.

Sistema de Gestão Empresarial: também conhecido


como Enterprise Resources Planning (ERP), é um
conjunto de subsistemas integrados, que tem por
objetivo suprir as necessidades de informação e
automatizar os diversos processos empresariais.
Permite gerenciar, por exemplo, a entrada de um
pedido de um cliente, até sua expedição, incluindo
o planejamento dos recursos financeiros, materiais
e humanos para sua produção. A finalidade de um
sistema de gestão empresarial é integrar departa-
mentos e funções de uma organização em um único
sistema.

17
Sistema de Informação Transacional (SIT): é um
sistema que atende a um fato ou evento de negó-
cio (transações) ao qual a empresa deve responder,
gerando ou modificando processos no nível opera-
cional. Por exemplo, um pedido refere-se a um fato
ou transação. A empresa responde a essa transação
atendendo ao pedido, ajustando seu estoque, ge-
rando uma nota fiscal, embalando e despachando
o pedido e enviando a cobrança ao cliente.

Os sistemas transacionais têm funções relevantes


para o controle operacional das organizações, como
coletar, ordenar, armazenar e gerar relatórios ope-
racionais, disponibilizar consultas online e acom-
panhar o fluxo das transações (administração de
vendas, pesquisa de mercado, promoções, novos
produtos, contas a pagar, contas a receber, contabi-
lidade, folha de pagamento, orçamento, faturamento,
controle de estoque etc.).

Para compreender os sistemas de informação sis-


tematicamente, precisamos considerá-los junta-
mente com a tecnologias da informação, o papel
das pessoas e o papel dos sistemas de informação
na solução de problemas e desafios de uma orga-
nização. A abordagem de resolução de problemas
por meio de sistemas de informação tem sido para
as organizações o maior meio de solucionar pro-
blemas e desafios que as organizações enfrentam.
Dito de outra maneira, quase que em sua totalidade,
quando a organização se depara com um problema,
recorre-se a ou apoia-se nos sistemas de informa-
ção. Devemos estar cientes de que a solução de

18
problemas em uma organização, até muitas vezes
pela complexidade, requer outros fatores que intera-
gem com os sistemas de informação: a tecnologia,
as pessoas e a própria organização (Figura 1):

Tecnologia Pessoas

Organização

Figura 1: Fatores complementares à abordagem de resolução de


problemas. Fonte: Elaboração própria.

Um modelo para o processo de resolução de pro-


blemas com o suporte de sistemas de informação
pode ser entendido ou viabilizado por meio de quatro
passos (LAUDON, 2010):
• Identificação do problema.
• Propostas de solução.
• Avaliação das propostas e escolha da solução.
• Implantação.

19
O primeiro passo é a identificação do problema. Os
problemas nem sempre estão aparentes e descritos
em uma organização, por isso, é preciso identificá-
-los e ter bom senso em relação à sua existência.
Em geral, os problemas organizacionais têm dois
estágios:
• Quando ele de fato existe no mundo real e pode
estar identificado ou não. Por exemplo, um fun-
cionário chega todos os dias atrasado e isso vem
prejudicando a produtividade do setor, alguém pode
ter percebido ou não.
• Quando o problema se encontra em estado de
potência, isto é, pode vir a existir na realidade se
nada for feito. É o caso, por exemplo, da falta de
manutenção em equipamentos, a qual pode causar
um problema real.

O atraso para atender a um pedido pode ser, à pri-


meira vista, um problema relacionado à produti-
vidade de um funcionário, mas também pode ser
um problema com o sistema de informação atual
que está ultrapassado, ou o modelo de negócio do
mercado que mudou. O importante é saber que, do
modelo de resolução de problemas até a solução do
problema, será necessário envolver pessoas, analisar
informações e avaliar as tecnologias envolvidas.

O segundo passo do processo de solução de proble-


mas ou propostas de solução corresponde ao mo-
mento em que se apresentarão as propostas de so-
luções elaboradas. É importante observar que, para a
ciência, um problema tem sempre mais do que uma

20
resposta certa. A implicação disso para a organiza-
ção é a de que sempre devemos especificar mais
de uma solução para um problema. Teoricamente,
quanto mais opções de hipótese de solução, melhor
para a organização na hora da escolha.

De modo geral, as hipóteses de solução em uma


organização estão ligadas às tecnologias (hardware
inadequado, software ultrapassado, capacidade ina-
dequada do banco de dados, insuficiência de teleco-
municações, incompatibilidade de novos sistemas
com tecnologias antigas, mudança de tecnologia
acelerada etc.), pessoas (falta de treinamento dos
funcionários, ambiente de trabalho, administração
deficiente, falta de apoio aos funcionários etc.) e
aos processos da própria organização (recursos
inadequados, complexidade das tarefas, conflitos
políticos, cultura pouco colaborativa etc.).

O terceiro passo do processo da abordagem para a


solução de problemas, mais especificamente para
a avaliação das propostas e a escolha da solução,
deve contar com pelo menos quatro fatores a con-
siderar: custo, prazo de implementação, riscos e
envolvimento e apoio de todos os interessados.

A última fase, de implantação, requer uma análise


de viabilidade, ou seja, a escolha da alternativa que
seja passível de implementação e implantação. Por
exemplo, se você implantar uma solução que envolva
um sistema de informação, será preciso implemen-
tá-lo considerando a necessidade de software, o

21
que envolve além de tecnologia o treinamento de
pessoas.

Sabemos que em toda mudança, mas principalmente


nas geradas por sistemas de informação, é preciso
administrar essas mudanças, o que implica o con-
ceito empresarial chamado gestão da mudança.
Com isso, a implantação requer que se inclua no pro-
cesso a mensuração de resultados, isto é, momento
de avaliação da solução implantada e de possíveis
necessidades de customização.

Podemos tratar agora da necessidade de uma visão


integrada e da conexão entre problemas, soluções
e objetivos organizacionais, bem como os sistemas
de informação, visto que as organizações costu-
mam recorrer a tais sistemas para as tomadas de
decisão, excelência operacional, especificação de
novos produtos, serviços e novos modelos de negó-
cio, obtenção de vantagem competitiva e a própria
sobrevivência da organização.

Conceitos relevantes sobre


Sistemas de informação
Gerenciais
É notório como os negócios na economia global
estão mudando a cada dia, basta observar como
as organizações e pessoas estão conduzindo os
negócios. É comum a observação de que o campo
da administração organizacional vive enormes

22
mudanças e que é difícil encontrar organizações que
correspondam às expectativas da economia global.

A situação administrativa, em graus variados, pode


ser afetada diretamente pelo ambiente informacional
expandido nesse estudo pelas tecnologias e pelos
sistemas de informações gerenciais. Atualmente, a
mudança frequente da tecnologia, a gesto do uso
de tecnologias e o impacto no sucesso dos negó-
cios fazem com que os Sistemas de Informações
Gerenciais (SIG) tornem-se um fator crítico de su-
cesso para as organizações.

Segundo Laudon e Laudon (2010), há três mudanças


inter-relacionadas nesse contexto de mudanças: a
plataforma digital móvel está evoluindo, o cresci-
mento do software online como serviço e o nível de
software executados pela internet.

Nas mudanças tecnológicas, destacamos a com-


putação em nuvem, por exemplo, impactando uma
rede flexível de computadores na internet que come-
çam a desempenhar tarefas que outrora eram feitas
por computadores empresariais; o crescimento de
software como serviço, acarretando a distribuição
de aplicações online e não mais como um sistema
customizado.

Nas mudanças relacionadas às pessoas, aparece


o uso da colaboração online e redes, aplicação da
inteligência empresarial, reuniões virtuais etc., pro-
piciando a coordenação, a colaboração e o compar-
tilhamento de conhecimento.

23
Nas mudanças organizacionais, aparece o amplo
uso de aplicações da web, teletrabalho e, sobretudo,
a cocriação do valor de negócio.

Como já salientamos, todas as mudanças necessi-


tam de informações para que a arquitetura funcio-
ne com qualidade e rapidez. Os SIG destacam-se
nesse contexto porque lidam com toda a estrutura
tecnológica atual, tal qual com todas as questões
comportamentais que envolvem o desenvolvimento
do ambiente corporativo (Figura 2).

Organização

Sistemas de
Informações
Gerenciais

Pessoas Tecnologia

Figura 2: Sistemas de Informação Gerenciais. Fonte: Elaborada pelo


autor (2020).

Retomando o conceito, Sistema de Informação


Gerencial (SIG) é um tipo de sistema que se baseia
nas informações de vários sistemas utilizados pela
organização para o planejamento e o apoio à tomada
de decisão de modo departamental ou sistêmico,
isto é, de toda a organização, integralmente.

24
Entre as principais funções do SIG, constam ge-
rar material de apoio para análise, planejamento
e suporte à tomada de decisão, disponibilizar in-
formações integradas, eventuais, diárias, quinze-
nais e mensais, em níveis corporativos e unidades
estratégicas.

25
FUNÇÕES DE
UM SISTEMA DE
INFORMAÇÃO
A primeira grande função do sistema de informações
gerencial é fornecer informações que permitam com-
parar o desempenho da organização com o que foi
planejado, objetivando conhecer o caminho que a
organização se propõe a atender, suas metas prees-
tabelecidas; integrar informações; atender os níveis
organizacionais (estratégico, tático e operacional) e
apoiar com informações os tomadores de decisão.

O que a empresa espera


dos sistemas de informação
gerencial?
Existem diversos benefícios que um sistema de in-
formação gerencial pode trazer para a organização
poder gerenciar e organizar o seu ciclo de vida. A
primeira melhoria ou benefício que se espera de um
sistema de informação gerencial é a disponibilização
de informações precisas e rápidas para a tomada
de decisão.

Como consequência da disponibilização de


informações boas e flexíveis, da organização es-
pera-se que benefícios como redução de custos

26
operacionais; redução do grau de centralização das
informações e decisões, maior integração entre as
pessoas tomadoras de decisão e maior produtivida-
de tanto departamental quanto toda a organização.
Observamos que esses benefícios são requisitos bá-
sicos para que a organização seja mais competitiva.

Nível de abrangência
Os Sistemas de Informações Gerenciais têm três
níveis de abrangência. O nível corporativo representa
as informações referentes aos negócios ou ao grupo
de negócios em que a organização atua; o nível de
unidade estratégica de negócio, como um determi-
nado segmento de negócio da organização; e o ní-
vel operacional, que obedece a hierarquia existente
na cultura da organização com diferentes graus de
informação.

Características dos Sistemas de


Informações Gerenciais
A principal característica do SIG é atender à orga-
nização como um todo e seus níveis decisórios es-
tratégico (atende à interação entre as informações
do segmento de mercado da organização e às suas
informações internas); tático (considera a compila-
ção de informações de apenas uma área de resul-

27
tado) e operacional (atende por meio de relatórios e
processos existentes).

Tem ainda como característica a capacidade de dis-


ponibilizar informações integradas provenientes de
outros sistemas transacionais; supre os tomadores
de decisão com informações integradas; fornece rela-
tórios resumidos referentes às informações internas
da organização, bem como as externas (relatórios di-
ários, quinzenais e mensais, programados; relatórios
excepcionais ou críticos de problemas fora de um
padrão estabelecido); disponibiliza perfis diferentes
da mesma fonte de dados.

Podcast 1
O que devemos fazer para manter a performance
dos Sistemas de Informação Gerencial?

Pelo exposto até aqui, percebemos que a falta dos


sistemas de informações gerenciais pode ser con-
siderada um fator crítico de sucesso para as orga-
nizações, já que são considerados instrumentos
importantes para o processo de gestão e decisório
da organização.

Para isso não ocorrer, existem alguns aspectos que


fortalecem os sistemas de informações gerenciais
e que podem garantir a organização do uso desse
recurso de forma confiável e segura.
Segundo Rezende e Abreu (2013, p. 121), as organiza-
ções devem observar as seguintes recomendações:

28
• O envolvimento da alta e média gestão.
• A competência por parte das pessoas envolvidas
com o SIG.
• O uso de um plano mestre ou planejamento global.
• A atenção específica ao fator humano da empresa.
• A habilidade dos executivos de tomar decisões
baseados em informações.
• O apoio global dos vários planejamentos da
empresa.
• O apoio organizacional, de adequada estrutura
organizacional e de normas e procedimentos ine-
rentes ao sistema.
• O conhecimento e a confiança no SIG.
• Existência de informações relevantes e
atualizadas.
• A adequação do custo-benefício.

Devemos ter sempre em mente que a situação con-


fiável e ideal para a tomada de decisões será sem-
pre a certeza, e que os sistemas de informações
gerenciais devem minimizar a incerteza por meio
de informações confiáveis e precisas.

29
Por que as mudanças
tecnológicas impactam os
sistemas de informação?
Sabemos que a mudança tecnológica vem afetando
consideravelmente os sistemas de informação e que
essas mudanças causam impactos no sucesso de
uma organização ou negócio, se não forem detec-
tadas em tempo hábil. “Novos negócios e setores
aparecem enquanto os antigos desaparecem, e em-
presas bem-sucedidas são aquelas que aprendem
como usar as novas tecnologias” (LAUDON; LAUDON,
2010, p. 5).

As tendências contemporâneas de novas tecnolo-


gias que afetam as organizações e os sistemas de
informação concentram-se na crescente capacidade
do hardware, em destaque para a capacidade de
armazenamento, e da tecnologia de rede. As organi-
zações concentram cada vez mais sua capacidade
computacional às redes.

Podemos concentrar essas mudanças tecnológi-


cas em quatro grandes tendências de mercado: as
plataformas digitais móveis emergentes, a nanotec-
nologia, a computação em nuvem e a computação
autônoma.

30
PLATAFORMA
DIGITAL MÓVEL
As plataformas digitais são modelos de negócio
baseados em tecnologia que permite a conexão de
produtores e consumidores, buscando criar algum
valor de troca. Por exemplo, se você chama um taxi
ou carro de aplicativos, na prática, o motorista quer
trabalhar e você precisa se descolocar de um ponto
a outro, a associação entre os dois desejos cria uma
relação de oferta e demanda, um valor de troca.
Na verdade, as plataformas digitais nada mais são
do que facilitadores online de uma relação que já
acontecia fora da web, e que agora são viabilizadas
a partir de mecanismos digitais.
Dessa forma, a plataforma digital passa a significar
um meio para alcançar oportunidades e lucros. O
benefício gerado desde a implantação está direta-
mente associado às demandas do mercado atual, e
permite basicamente a conquista de novos clientes,
a redução de custos com a automação dos pro-
cessos, a otimização de recursos permitindo uma
gestão mais enxuta eficaz; por consequência, um
provável aumento no faturamento se consideramos
a expansão do negócio e o aumento de vendas.
As plataformas digitais móveis surgiram como uma
alternativa aos PCs e computadores de grande por-
te. Equipamentos como celulares, smartphones e
netbooks assumiram grandes funções do proces-
samento de dados, transmissão de mensagens,

31
comunicação sem fio, processamento de textos e
imagens etc.

Podcast 2

Nanotecnologia
A nanotecnologia é a ciência que se dedica ao estudo
da manipulação da matéria em uma escala atómica
e molecular, lidando com estruturas entre 1 e 1 mil
nanômetros (unidade de comprimento equivalente
à bilionésima parte de um metro).
A tecnologia computacional recorre atualmente à
nanotecnologia para diminuir o tamanho dos tran-
sistores, permitindo assim a inserção de cada vez
mais microprocessadores em espaços cada vez me-
nores. Ao mesmo tempo, aumentado a capacidade
de processamento.

Computação em nuvem
O conceito de computação em nuvem refere-se a um
modelo de computação de armazenamento de dados
e capacidade de computação, sem o gerenciamento
direto do usuário. O termo é geralmente usado para
descrever centros de dados disponíveis para muitos
usuários pela internet. Em síntese, a computação
em nuvem possui três diferentes tipos de serviços:
I) A infraestrutura em nuvem como serviço, em que
os usuários que normalmente não têm uma infra-

32
estrutura adequada não necessitam fazer grandes
investimentos em hardware e software, utilizando
serviços computacionais junto a provedores remotos;
II) Outro tipo de serviço é denominado de plata-
forma em nuvem como serviço. Aqui as organi-
zações utilizam a plataforma para desenvolverem
seus próprios softwares, por meio de ferramentas
de programação disponibilizadas pelo provedor;
III) O terceiro tipo é chamado de software em nuvem
como serviço, no qual os usuários utilizam os sof-
twares hospedados pelo provedor, como o Google
Aps. Nesse sentido, os usuários pagam pela capa-
cidade de processamento utilizada.

Computação Autônoma
A computação autônoma tem como objetivo o desen-
volvimento de sistemas computadorizados capazes
de autogerenciamento e adaptação a mudanças.
Dito de outra maneira, visa a desenvolver sistemas
capazes de configurar, otimizar e sintonizar a si mes-
mos. Um exemplo fácil de entender é a utilização de
software de firewall e antivírus, pois podem detectar
um risco no seu PC, eliminá-lo de modo autônomo e
automático e ainda alertar o usuário. A área está em
expansão, e o foco mais recente são as aplicações e
softwares capazes de tornarem, por exemplo, o seu
carro totalmente autônomo.

33
CONSIDERAIS FINAIS
Buscamos abordar, neste módulo, uma visão do pa-
pel dos sistemas de informação no contexto em-
presarial e por que as organizações utilizam esses
sistemas para a tomada de decisões, a excelência
operacional, geração de novos produtos e serviços,
relacionamento mais estreito com seus clientes, a
fim de atingirem seus objetivos corporativos.

Mostramos também que os sistemas de informação


são essenciais para a condução dos negócios e até
mesmo para a sua sobrevivência, caso não utilizem
a tecnologia da informação.

Da perspectiva técnica, estudamos o que é exa-


tamente um sistema de informação e como fun-
ciona, coletando dados, processando esses dados
e disponibilizando as informações. Da perspectiva
organizacional, estudamos o papel dos sistemas de
informação na solução de problemas e a necessida-
de de integração entre as pessoas, a tecnologia e a
própria organização. Em outras palavras, a dimen-
são humana envolve questões comportamentais e
necessidade de capacitação.

Da dimensão organizacional, aprendemos que o uso


de um método para a solução de problemas ajuda a
solucionar questões relacionadas aos sistemas de
informação e que a implantação de uma solução
do sistema de informação envolve desenvolver ou

34
adquirir um software, treinar as pessoas e medir
resultados.

Compreendemos ainda que a grande mudança no


ambiente tecnológico vem impactando o mundo
dos negócios, principalmente com as plataformas
digitais móveis emergentes, a nanotecnologia, com-
putação em nuvem, computação autônoma, mudan-
do não só os modelos de negócio, mas também a
cultura organizacional.

35
SÍNTESE

SISTEMA DE
INFORMAÇÕES GERENCIAIS

Introdução aos sistemas de


informações gerenciais

Neste e-book, fizemos uma breve introdução aos Sistemas de


Informação Gerenciais� Para isso, estruturamos o texto em três
partes� Na primeira, estudamos os pontos relevantes dos
conceitos básicos; na segunda, demos prosseguimento aos
conceitos e, na terceira, abordamos os conceitos de Tecnologia
da Informação (TI)�

Com isso, verificamos a diferença conceitual entre Dado,


Informação e Conhecimento� Em seguida, aprofundamos nosso
conhecimento ao abordar conceitos próprios do Sistema de
Informações Gerenciais (SIG) e suas funções numa organização,
isto é, no processamento de dados e, consequentemente, no
fornecimento de informações para a organização, além de
desempenhar o papel de apoio desde o nível estratégico,
passando pelo nível tático até o nível operacional�

Assim, entende-se sistema de Informação (SI) como um conjunto


de componentes inter-relacionados que coletam (input),
processam, armazenam e disponibilizam (output) informações,
destinadas a apoiar a estrutura organizacional em seus níveis
estratégico, tático e operacional, nas tomadas de decisões e
controle da organização�

Os SI classificam-se em diferentes objetivos:

• Sistema de Informação Executiva (SIE): sistema que permite de forma


rápida e segura o acesso as informações críticas e estratégicas;
• Sistema de Apoio à Decisão (SAD): sistema interativo que auxilia os
tomadores de decisão na utilização de dados e modelos e para a resolução
de problemas não estruturados;
• Sistema Especialista (SE): caracteriza-se pelo uso de Inteligência
Artificial (IA), em que um conhecimento especializado é especifico de um
domínio de problema;
• Sistema de informação Gerencial (SIG): tipo de sistema que se baseia
nas informações de vários sistemas utilizados pela organização para o
planejamento e apoio à tomada de decisão de forma departamental ou
sistêmica;
• Sistemas de Gestão Empresarial ou Enterprise Resources Planning
(ERP): conjunto de subsistemas integrados, cujos objetivos são suprir as
necessidades de informação e automatizar os diversos processos
empresariais;
• Sistema de Informação Transacional (SIT): sistema que atende a um
fato ou evento de negócio (transações) ao qual a empresa deve responder,
gerando ou modificando processos no nível operacional�
Referências
Bibliográficas
& Consultadas
BELMIRO, N. J. Tecnologia da informação geren-
cial. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2015
[Biblioteca Virtual].

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 10. ed. Rio


de Janeiro: Paz e Terra, 2007 [Minha Biblioteca].

CASTELLS, M. A galáxia da internet: reflexões


sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 2003 [Minha Biblioteca].

CLARKE, R. A.; KNAKE, R. K. Guerra cibernética:


a próxima ameaça à segurança e o que fazer a res-
peito. Rio de Janeiro: Brasport, 2015 [Biblioteca
Virtual].

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de


Informação Gerenciais: São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2010.

OLIVEIRA, D. P. R. Sistemas de informações


gerenciais: estratégicas, táticas, operacionais.
São Paulo: Atlas, 2018 [Minha Biblioteca].
OLIVEIRA, F. B. (Org.). Tecnologia da informação
e da comunicação: a busca de uma visão ampla e
estruturada. São Paulo: Pearson Prentice Hall/
Fundação Getúlio Vargas, 2007 [Biblioteca Virtual].

REZENDE, D. A.; ABREU, A. F. Tecnologia da


informação aplicada a sistemas de informa-
ção empresariais. São Paulo: Atlas, 2013 [Minha
Biblioteca].

TURBAN, E. Tecnologia da informação para ges-


tão: em busca do melhor desempenho estratégico
e operacional. 8. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013
[Minha Biblioteca].

VELOSO, R. Tecnologia da informação e da co-


municação: desafios e perspectivas. São Paulo:
Saraiva, 2011 [Minha Biblioteca].

Вам также может понравиться