Вы находитесь на странице: 1из 50
Universidade Universidade Federal Federal do do Triângulo Triângulo Mineiro Mineiro Disciplina Disciplina de de

UniversidadeUniversidade FederalFederal dodo TriânguloTriângulo MineiroMineiro DisciplinaDisciplina dede BiologiaBiologia CelularCelular

Disciplina Disciplina de de Biologia Biologia Celular Celular Ana Ana Carolina Carolina G. G. Faleiros Faleiros
Disciplina Disciplina de de Biologia Biologia Celular Celular Ana Ana Carolina Carolina G. G. Faleiros Faleiros

AnaAna CarolinaCarolina G.G. FaleirosFaleiros

Retículo Endoplasmático (RE)

•Rede interconectada de canais ligados à membrana no citoplasma •Mais extenso sistema de membranas •Ponte de entrada de proteínas destinadas a outras organelas e proteínas do RE •Tipos:

sistema de membranas •Ponte de entrada de proteínas destinad as a outras organelas e proteínas do
sistema de membranas •Ponte de entrada de proteínas destinad as a outras organelas e proteínas do

Retículo Endoplasmático (RE)

•Estruturalmente:

•Cisternas (sáculos achatados) •Túbulos e vesículas •Produtos liberados são transportados ao CG por vesículas

•Cisternas (sáculos achatados) •Túbulos e vesículas •Produtos liberados são transportados ao CG por vesículas
•Cisternas (sáculos achatados) •Túbulos e vesículas •Produtos liberados são transportados ao CG por vesículas

Retículo Endoplasmático liso (REL)

•Sem ribossomos •Próximos a depósitos de glicogênio e lipídeos no citoplasma

Retículo Endoplasmático liso (REL) •Sem ribossomos •Próximos a depósitos de glicogênio e lipídeos no citoplasma

RETRETÍÍCULOCULO ENDOPLASMENDOPLASMÁÁTICOTICO LISOLISO -- RELREL

FunFunçç ões:ões: çções:ões:

SSííntesentese dede liplip íí deosdeos ntesentese dede liplipíídeosdeos

SSííntesentese dede esterester óó idesides ntesentese dede esteresteróóidesides

DesintoxicaDesintoxicaçç ãoão CelularCelular ççãoão CelularCelular

ArmazenamentoArmazenamento dede CCáálciolcio áálciolcio

esterester óó idesides DesintoxicaDesintoxica çç ãoão CelularCelular ArmazenamentoArmazenamento dede CC áálciolcio

RETRETÍÍCULOCULO ENDOPLASMENDOPLASMÁÁTICOTICO LISOLISO -- RELREL

Í Í CULO CULO ENDOPLASM ENDOPLASM Á Á TICO TICO LISO LISO - - REL REL

SSííntesentese dede liplipíídeosdeos

Í Í CULO CULO ENDOPLASM ENDOPLASM Á Á TICO TICO LISO LISO - - REL REL

RETRETÍÍCULOCULO ENDOPLASMENDOPLASMÁÁTICOTICO LISOLISO -- RELREL

Í CULO CULO ENDOPLASM ENDOPLASM Á Á TICO TICO LISO LISO - - REL REL ArmazenamentoArmazenamento

ArmazenamentoArmazenamento dede CCáálciolcio

Í CULO CULO ENDOPLASM ENDOPLASM Á Á TICO TICO LISO LISO - - REL REL ArmazenamentoArmazenamento

Desintoxicação celular

Desintoxicação celular •Papel nas reações de desintoxicação •Conversão de substâncias nocivas lipossolúveis

•Papel nas reações de desintoxicação

•Conversão de substâncias nocivas lipossolúveis ou insolúveis em compostos hidrossolúveis

Retículo Endoplasmático Rugoso (RER)

Ribossomos que sintetizam as proteínas ficam presos a membrana do RE

Retículo Endoplasmático Rugoso (RER) Ribossomos que sintetizam as proteínas ficam presos a membrana do RE
Retículo Endoplasmático Rugoso (RER) Ribossomos que sintetizam as proteínas ficam presos a membrana do RE

Retículo Endoplasmático Rugoso (RER)

Retículo Endoplasmático Rugoso (RER) •Envolvido na síntese de proteínas produzidas por seus ribossomos aderidos ou

•Envolvido na síntese de proteínas produzidas por seus ribossomos aderidos ou adição de oligossacarídeos à proteínas

RIBOSSOMOSRIBOSSOMOS

úúniconico queque nosnos
úúniconico queque nosnos

1953:1953: PaladePalade foifoi oo primeiroprimeiro aa observarobservar osos ribossomosribossomos PaladePalade foifoi oo primeiroprimeiro aa observarobservar osos ribossomosribossomos

OO microscmicroscóópiopio eletrônicoeletrônico permitepermite observarobservar estaesta organelaorganela permitepermite observarobservar estaesta organelaorganela

OO microscmicroscóópiopio eletrônicoeletrônico permitepermite observarobservar estaesta organelaorganela

RIBOSSOMOSRIBOSSOMOS

RIBOSSOMOS RIBOSSOMOS OsOs ribossomosribossomos aparecemaparecem comocomo partpart íí culasculas angularesangulares

OsOs ribossomosribossomos aparecemaparecem comocomo partpartíículasculas angularesangulares cujocujo diâmetrodiâmetro vaivai dede 1515 aa 2525 nm.nm.

comocomo partpart íí culasculas angularesangulares cujocujo diâmetrodiâmetro vaivai dede 1515 aa 2525 nm.nm.
RIBOSSOMOS RIBOSSOMOS OsOs ribossomosribossomos sãosão constituconstitu íí dodo porpor duasduas subunidadessubunidades

RIBOSSOMOSRIBOSSOMOS

RIBOSSOMOS RIBOSSOMOS OsOs ribossomosribossomos sãosão constituconstitu íí dodo porpor duasduas subunidadessubunidades

OsOs ribossomosribossomos sãosão constituconstituíídodo porpor duasduas subunidadessubunidades dede tamanhostamanhos diferentes.diferentes.

CadaCada subunidadesubunidade consisteconsiste emem umum filamentofilamento dede RNARNA (RNA(RNA ribossômico:ribossômico: rRNArRNA)) comcom proteproteíínasnas ribossômicasribossômicas associadasassociadas formandoformando umauma estruturaestrutura globular.globular.

RIBOSSOMOS

RIBOSSOMOS Subunidades formadoras dos ribossomos
RIBOSSOMOS Subunidades formadoras dos ribossomos

Subunidades formadoras dos ribossomos

RIBOSSOMOS

RIBOSSOMOS Subunidades formadoras dos ribossomos

Subunidades formadoras dos ribossomos

RIBOSSOMOS Subunidades formadoras dos ribossomos
RIBOSSOMOS Subunidades formadoras dos ribossomos

RIBOSSOMOS

RIBOSSOMOS
RIBOSSOMOS
RIBOSSOMOS

SSÍÍNTESENTESE DEDE PROTEPROTEÍÍNASNAS

S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS

RIBOSSOMOSRIBOSSOMOS

RIBOSSOMOS RIBOSSOMOS ElesEles ocorremocorrem isoladamenteisoladamente (monorribossomos)(monorribossomos) ouou comocomo

ElesEles ocorremocorrem isoladamenteisoladamente (monorribossomos)(monorribossomos) ouou comocomo polirribossomos,polirribossomos, emem grupos.grupos. polirribossomos,polirribossomos, emem grupos.grupos.

ElesEles podempodem existirexistir livreslivres nono citoplasmacitoplasma ouou ligadosligados aa membranasmembranas dodo RetRet íí culoculo EndoplasmEndoplasm áático.tico. membranasmembranas dodo RetRetíículoculo EndoplasmEndoplasmáático.tico.

A ligação de polirribossomos à superfície citosólica do RER é feita através de proteínas integrais:

Docking protein (partícula receptora de reconhecimento de sinal) •Riboforinas I e II (proteínas receptoras do ribossomo) •Proteína do Poro A : síntese de proteínas

do ribossomo) •Proteína do Poro A : síntese de proteínas • Aparência granulosa: microscopia eletrônica

Aparência granulosa: microscopia eletrônica

Ultra-estrutura - poliribossomos

Ultra-estrutura - poliribossomos
Ultra-estrutura - poliribossomos
Ultra-estrutura - poliribossomos

RIBOSSOMOSRIBOSSOMOS -- FUNFUNÇÇÃOÃO

RIBOSSOMOS RIBOSSOMOS - - FUN FUN Ç Ç ÃO ÃO TodaToda aa ss íí ntesentese protprot

TodaToda aa ssíí ntesentese protprot éé icaica sese iniciainicia nosnos ribossomasribossomas livreslivres nono citoplasma.citoplasma. ííntesentese protprotééicaica sese iniciainicia nosnos ribossomasribossomas livreslivres nono citoplasma.citoplasma.

OO RNARNA mensageiro,mensageiro, oo RNARNA dede transferênciatransferência ee asas subunidadessubunidades ribossômicas.ribossômicas. subunidadessubunidades ribossômicas.ribossômicas.

SSÍÍNTESENTESE DEDE PROTEPROTEÍÍNASNAS

S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS RibossomosRibossomos livres:livres:

RibossomosRibossomos livres:livres:S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS NaNa ausênciaausência

NaNa ausênciaausência dede umauma seqseqüüênciaência sinalizadora,sinalizadora, aa tradutraduççãoão continuacontinua nono citoplasma.citoplasma.

seqseq üü ênciaência sinalizadora,sinalizadora, aa tradutradu ççãoão continuacontinua nono citoplasma.citoplasma.

SSÍÍNTESENTESE DEDE PROTEPROTEÍÍNASNAS

S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS RibossomasRibossomas ligadosligados
S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS RibossomasRibossomas ligadosligados

RibossomasRibossomas ligadosligados::

SeqSeqüü enciaencia sinalizadora:sinalizadora: aa ss ííntesentese éé dirigidadirigida parapara oo retret íí culoculo üüenciaencia sinalizadora:sinalizadora: aa ssííntesentese éé dirigidadirigida parapara oo retretíículoculo endoplasmendoplasmáático.tico.

SeqSeqüüenciaencia sinalsinal (SS)(SS) éé guiadaguiada por:por: PRSPRS (( partpartíí culacula dede üüenciaencia sinalsinal (SS)(SS) éé guiadaguiada por:por: PRSPRS (( partpartíículacula dede reconhecimentoreconhecimento dede sinal)sinal) ee RecepstorRecepstor dede PRSPRS

Ligação a membranas

•PRS determina retardo da síntese protéica •SS abre e mantém canal de translocação

Ligação a membranas •PRS determina retardo da síntese protéica •SS abre e mantém canal de translocação

•A maioria das proteínas que entram no RE inicia sua rota na membrana antes que sua cadeia polipeptídica seja completamente sintetizada

que entram no RE inicia sua rota na membrana antes que sua cadeia polipeptídica seja completamente
S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS

SSÍÍNTESENTESE DEDE PROTEPROTEÍÍNASNAS

S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS
S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS

SSÍÍNTESENTESE

DEDE

PROTEPROTEÍÍNASNAS

S S Í Í NTESE NTESE DE DE PROTE PROTE Í Í NAS NAS

ImportânciaImportância dosdos RNAsRNAs

Tipos:Tipos:

RNA mensageiro - mRNA RNA transportador - tRNA RNA ribossômico - rRNA
RNA mensageiro - mRNA
RNA transportador - tRNA
RNA ribossômico - rRNA

RNAmRNAm

RNAm RNAm

Processamento do RNAm

ÍNTRONS E ÉXONS
ÍNTRONS E ÉXONS

SPLICING

SPLICING
RNAtRNAt
RNAtRNAt

Processamento do RNAt

Processamento do RNAt

Funções do REG Síntese de proteínas

Funções do REG Síntese de proteínas
Funções do REG Síntese de proteínas

Segregação de proteínas

Síntese de todas as proteínas se inicia no citosol.

Síntese de todas as proteínas se inicia no citosol. Destino depende da seqüencia de “aa” Funções

Destino depende da seqüencia de “aa”

Funções do REG

Síntese de todas as proteínas se inicia no citosol. Destino depende da seqüencia de “aa” Funções

Segregação de proteínas

Segregação de proteínas

Translocação de proteínas através da membrana

Proteínas Hidrosolúveis: completamente translocadas através da membrana do RE e liberadas no seu lúmen.

através da membrana do RE e liberadas no seu lúmen. Destinadas a secreção (superfí cie celular
através da membrana do RE e liberadas no seu lúmen. Destinadas a secreção (superfí cie celular

Destinadas a secreção (superfície celular ou organelas)

Translocação de proteínas através da membrana

Proteínas transmembrana:

parcialmente translocadas através da membrana do RE e se tornam embebidas nela.

Destinadas a residir na membrana RE

Seqüência adicional de aa hidrofóbicos

membrana do RE e se tornam embebidas nela. Destinadas a residir na membrana RE Seqüência adicional

Translocação de proteínas através da membrana

Translocação de proteínas através da membrana
Translocação de proteínas através da membrana

Glicosilação inicial

Glicosilação inicial
Glicosilação inicial

Estrutura das Proteínas

Estrutura das Proteínas Formação de estrutura terciária - chaperonas

Formação de estrutura terciária - chaperonas

ProteProteíínasnas

•Composta por unidades de aa •Aa: ácidos orgânicos no qual o carbono unido ao grupo carboxila (- COOH) está unido também ao grupo amina (-NH2) •Tem também a cadeia lateral (R) •R é diferente em cada aa

(- COOH) está unido também ao grupo amina (-NH2) •Tem também a cadeia lateral (R) •R

ProteProteíínasnas

•Molécula protéica:

•NH 2 se combina com -COOH do aa

adjacente com perda de uma

molécula de água

•A ligação –NH-CO é chamada

ligaligaççãoão peptpeptíídicadica

com perda de uma molécula de água •A ligação –NH-CO é chamada liga liga ç ç

FatoresFatores queque determinamdeterminam aa estruturaestrutura dasdas proteproteíínasnas

•Disposição espacial é pré-determinada pela seqüência de aa (estrutura primária)

pela seqüência de aa (estrutura primária) •Depende dos diferentes tipos de ligação química entre

•Depende dos diferentes tipos de ligação química entre os átomos

ProteProteíínasnas

Propriedades:Propriedades:

FibrosasFibrosas:: queratina e colágeno (Insolúveis) GlobularesGlobulares:: albumina e proteínas sanguíneas (solúveis em água e configuração esférica) ConjugadasConjugadas:: ligadas a porções não protéicas (grupos prostéticos) Como nucleoproteínas, glicoproteínas e lipoproteínas

: : ligadas a porções não protéicas (grupos prostéticos) Como nucleoproteínas, glicoproteínas e lipoproteínas
LigaLigaçções:ões:
LigaLigaçções:ões:

•Peptídica

•Fosfodiester

ProteProteíínasnas

NNííveisveis dede organizaorganizaçção:ão:

•Estrutura primária •Secundária •Terciária •Quaternária

PrimPrimáária:ria:

Seqüência de aa que

formam a cadeia protéica

Sua sequencia determina

od demais niveis de

organização

PROTEPROTEÍÍNASNAS

α hélice
α hélice

β pregueada

EstruturaEstrutura SecundSecundáária:ria:

•Configuração resultante da

proximidade dos aa

•Cadeia se enrola ao redor de

cilindro imaginario e é estabilizada

por PH (entre amina e carboxila)

LigaLigaçções:ões:

•Peptídicas

•PH

PROTEPROTEÍÍNASNAS

EstruturaEstrutura terciterciááriaria

•Dobras entre regiões de alfa hélice

•Configuração tridimensional

regiões de alfa hélice •Configuração tridimensional •Dobras: aa localizados em lugares distantes se relacionam

•Dobras: aa localizados em lugares distantes se relacionam quimicamente

LigaLigaçções:ões:

•Iônica

•PH

•Hidrófobas

•Van der waals

Não dobrado

dobrado

PROTEPROTEÍÍNASNAS

EstruturaEstrutura QuaternQuaternááriaria

PROTE PROTE Í Í NAS NAS Estrutura Estrutura Quatern Quatern á á ria ria Hemoglobina A

Hemoglobina A

Universidade Universidade Federal Federal do do Triângulo Triângulo Mineiro Mineiro Disciplina Disciplina de de

UniversidadeUniversidade FederalFederal dodo TriânguloTriângulo MineiroMineiro DisciplinaDisciplina dede BiologiaBiologia CelularCelular

Disciplina Disciplina de de Biologia Biologia Celular Celular Ana Ana Carolina Carolina G. G. Faleiros Faleiros
Disciplina Disciplina de de Biologia Biologia Celular Celular Ana Ana Carolina Carolina G. G. Faleiros Faleiros

AnaAna CarolinaCarolina G.G. FaleirosFaleiros