Вы находитесь на странице: 1из 6

RELATÓRIO DE FÍSICA EXPERIMENTAL

PRÁTICA 03 – LEI DE HOOKE

ARACAJU

2011
DANÚCIA ROCHA FERREIRA
FLAVIANO OLIVEIRA BATISTA
GLEBERSON RICARDO DOS SANTOS
SAULO EDUARDO
LEONARDO ANDRÉ

DIEGO LUCAS SANTOS SERRA

RELATÓRIO DE FÍSICA EXPERIMENTAL


PRÁTICA 03 – LEI DE HOOKE

Relatório de Física
Experimental, sob
orientação da Professora
Ana Paula Bonfim

ARACAJU

2011
INTRODUÇÃO

Este relatório descreverá uma aula prática de Física Experimental, cujo objetivo é a
aplicação da Lei de Hooke.

Histórico

A aula prática foi realizada no laboratório de Física Experimental no Centro de


Tecnologia da Faculdade Pio X, e contou com a orientação da Professora Ana Paula
Bonfim.
A prática sobre a aplicação da Lei de Hooke, consistia em calcular o módulo da rigidez
do material com que se faz uma mola cilíndrica helicoidal, usando massas. Para tal,
foram realizadas 03 medidas, e os seus valores serão apresentados neste relatório.

A Lei de Hooke

A lei de Hooke é a lei da física relacionada a elasticidade de corpos, que serve para
calcular a deformação causada pela força exercida sobre um corpo, tal que a força é
igual ao deslocamento da massa a partir do seu ponto de equilíbrio vezes a característica
constante da mola ou do corpo que sofrerá deformação:
F = - kx
Em 1660 o físico inglês R. Hooke (1635-1703), observando o comportamento mecânico
de uma mola, descobriu que as deformações elásticas obedecem a uma lei muito
simples. Hooke descobriu que quanto maior fosse o peso de um corpo suspenso a uma
das extremidades de uma mola (cuja outra extremidade era presa a um suporte fixo)
maior era a deformação (no caso: aumento de comprimento) sofrida pela mola.
Analisando outros sistemas elásticos, Hooke verificou que existia sempre
proporcionalidade entre forças deformantes e deformação elástica produzida. Pôde
então enunciar o resultado das suas observações sob forma de uma lei geral. Tal lei, que
é conhecida atualmente como lei de Hooke, e que foi publicada por Hooke em 1676, é a
seguinte: “As forças deformantes são proporcionais às deformações elásticas
produzidas.”
OBJETIVO

 Descrever o processo de deformação elástica da mola;


 Preencher a tabela com valores obtidos na aula prática;
 Verificar qual o peso ideal para que aja uma deformação na mola.

MATERIAIS E METÓDOS

Materiais Empregados

Foram utilizados para esta aula prática os seguintes materiais:

1. Suporte fixo;
2. Mola helicoidal cilíndrica;
3. Porta-peso;
4. Massas aferidas.

Métodos empregados

1. Colocou-se o suporte para mola em uma superfície plana e com a mola sem
deformação, determinaram-se dois pontos de origem: (64 e 63 mm)
2. Foram colocadas as massas sobre o porta-peso, e observado a deformação a
partir da origem;
3. Mediu-se a deformação causada pelas massas aferidas, e com os valores
coletados, foi preenchido o campo Δx da tabela 01;
4. Através da fórmula m.g = k.x, calculou-se o “k” para cada deformação obtida,
onde o g = 9,8m/s².

Foram realizadas (03) três leituras, onde todos observaram o procedimento e três dos
seis integrantes o repetiram com precisão.
RESULTADOS
Abaixo estão representados os resultados obtidos nas medições:

n M1 M2 M3
(10g) (20g) (40g)
Δx1 67 mm 71mm 81mm
Δx2 65mm 72mm 83mm
Δx3 66mm 71mm 80mm
Média 2,333 7,667 17,667
K (N/m) 0,023 0,039 0,045

Tabela 01: Valores encontrados na medição.

EQUAÇÕES USADAS PARA OBTENÇÃO DOS RESULTADOS:

Para calcular a média:

M1: 3+1+3= 7 M2: 7+8+8= 23 M3: 17+19+17= 53

= 2,333 = 7,667 = 17,667

Para calcular a deformação: m.g = k.x

M1: m.g=k.x M2: m.g=k.x M3: m.g=k.x

10.9,8=k.2,333 20.9,8=k.7,667 40.9,8= k.17,667

98=k.2,333 196=k.7,667 392=k.17,667

k= = 0,023 N/m k= = 0,039 N/m k= = 0,045 N/m


CONCLUSÃO
Através desta aula prática podemos concluir que, através do experimento e dos cálculos,
a intensidade da força elástica ( ) é proporcional à deformação X. A mola exerce
uma força que atua no sentido contrário à força aplicada. A constante k, chamada de
constante da mola, fornece a medida da rigidez, sendo assim, quanto maior o seu valor,
maior será a rigidez da mola, ou seja, maior a força que reage a um dado deslocamento.
A constante elástica só depende do material que é feito a mola. Para obter resultados
mais precisos, a mola deve estar sem defeitos e se aproximar de uma elasticidade
perfeita.

REFEERÊNCIA BIBLIOGRAFIA

[1] Disponível no site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_de_Hooke, acessado no dia


18/04/2011, ás 14h00min.