Вы находитесь на странице: 1из 306

ISO 9

01
EM

:20
00
PRESA
C
ER
TIFICADA

GERAL

QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA


CATÁLOGO

2009/2010
FIOS E CABOS RESIDENCIAIS ANTENAS / CATV TELEFONIA COLETIVOS E
VÍDEO PORTEIRO COLETIVO
CATÁLOGO GERAL 2009
PRESA
EM C

APRESENTAÇÃO:

ER
TIFICADA
ISO 9
01

0
:20
00

Uma empresa construída com determinação.

A empresa iniciou suas atividades em 1968 tendo o nome de Ferramentaria e Estamparia Cervantes Ltda., em um
prédio de 60m2. Neste período, seus produtos eram: moldes para injeção de termoplásticos e ferramentas para estampagem.

Quando começou a produzir antenas para os fabricantes de televisores, mudou sua razão social para Antenas Thevear
Ltda. No ano de 1974, percebendo um mercado muito carente de produtos para distribuição de sinal de TV, pois só haviam
produtos importados, iniciou a fabricação destes acessórios, tais como: amplificadores, boosters, tomadas, divisores,
misturadores e filtros.

Em 1982, ingressou no mercado de interfones, motivada pelos seus clientes antenistas, que queriam atender as
solicitações dos condomínios passando a fabricar porteiros coletivos, centrais de portaria e porteiros residenciais.

Passados 15 anos de atividade, em 1983, ocorreu um novo episódio de crescimento com a implantação de uma fábrica de
10.500m2 de área construída que, em 1990, foi ampliada e hoje compreende 12.500m2, em um terreno de 40.000m2,
localizado no município de Itaquaquecetuba, região metropolitana de São Paulo.

No ano de 1997, passou a comercializar produtos para segurança eletrônica, como câmeras e monitores para CFTV,
vídeo porteiros e gravadores de imagens e, em 2000 foi introduzida a linha de produtos digitais micro processados.

AThevear, no ano de 2007, foi certificada pelo padrão de gestão de qualidade ISO 9001:2000.

Após 40 anos de existência, iniciou uma nova etapa, com o objetivo de atender as necessidades do mercado e satisfazer
as expectativas dos clientes, ingressou no segmento de fios e cabos, adotando uma nova razão social, Thevear Eletrônica
Ltda.

Atualmente conta com 250 funcionários, 500 fornecedores e mais de 8.000


clientes espalhados pelo Brasil e América do Sul.

Catálogo Geral 2009 -01-


ÍNDICE

1.0 - LINHA DE CABOS PARA SEGURANÇA 03


Fios e cabos

2.0 - LINHA DE CABOS PARA TRANSMISSÇÃO DE DADOS 08


3.0 - LINHA DE CABOS PARA VHF, UHF, FM, CATV E PARABÓLICA 08
4.0 - LINHA DE CABOS PARA INTERFONIA 11
5.0 - LINHA DE CABOS AUTOMOTIVOS 13
6.0 - PORTEIROS ELETRÔNICOS RESIDÊNCIAIS - KITs 17
7.0 - INTERFONES MOD: PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA / INDICADOR DE TOQUE NO 22
8.0 - INTERCOMUNICADOR IPANEMA 27
Residenciais

9.0 - VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL CÓDIGO: TH-VPR/6000 31


10.0 - VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR CÓDIGO: TH8000 39
11.0 - PORTEIRO COLETIVO DIGITAL MODELO: FACILITY 47
12.0 - PORTEIRO COLETIVO DIGITAL MODELO: SMART 57
13.0 - FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A CÓDIGOS: THF-190D E THF-190E 65
14.0 - FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A CÓDIGOS: THF-V/V E THF-V/A 67
15.0 - FECHOS ELETROMAGNÉTICOS 12V/1A 70
16.0 - APRESENTÇÃO TV DIGITAL 72
17.0 - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS ANTENAS 73
18.0 - INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE ANTENA COLETIVA 77
19.0 - ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF E INTERNAS 91
20.0 - MISTURADORES, ACOPLADOR E COMBINADOR 98
21.0 - AMPLIFICADORES 102
Antenas / CATV

22.0 - DIVISORES 114


23.0 - TOMADAS BLINDADAS 116
24.0 - SIMETRIZADORES 117
25.0 - SEPARADOR 117
26.0 - EMENDAS DE CABOS E ATENUADORES 118
27.0 - FILTROS 120
28.0 - CONVERSORES 124
29.0 - MODULADORES 126
30.0 - AMPLIFICADORES PARA SATÉLITE SÉRIE TUB-LINE 127
31.0 - EQUALIZADORES PARA CATV E VHF SÉRIE TUB-LINE 128
32.0 - ALICATES PARA CABO COAXIAL 129
33.0 - APARELHOS TELEFÔNICOS 130
34.0 - MICRO PABX RIVIERA MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II 134
Telefonia

35.0 - CENTRAL AUTOMÁTICA DE COM. TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16 163


36.0 - CENTRAL AUTOMÁTICA DE COM. TELEFÔNICA - CÓD: CAT-48 176
37.0 - CENTRAL AUTOMÁTICA DE COM. TELEFÔNICA - CÓD: CAT-88 ATÉ CAT-512 193
38.0 - PLACAS COLETIVA E INDIVIDUAL CÓDIGOS: PCS-CAT, PCBS-CAT E PIS-CAT 210
39.0 - TERMINAL DE PORTARIA CÓDIGO: TP-CAT 218
40.0 - PORTEIROS ELETRÔNICOS COLETIVOS 221
Video Porteiro Coletivo

41.0 - CENTRAL DE PORTARIA DIGITAL MODELO: CPD 227


42.0 - PLACA EXTERNA COLETIVA DIGITAL CÓDIGO: PECPD 255
Coletivos e

43.0 - PLACA EXTERNA DANÚBIO PORTEIRO DIGITAL CÓDIGO: PCD-101 264


44.0 - MÓDULO DE ACOPLAMENTO CÓDIGO: CAAPI 267
45.0 - INTERCOMUNICADOR PARA ELEVADOR 269
46.0 - VÍDEO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL - CÓDIGO: TH-MVPCDI E TH-PVPCDI 271
47.0 - VÍDEO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL - MODELO: ELITHE 282
48.0 - VÍDEO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL - MODELO: ELITHE PLUS 291
49.0 - REPRESENTANTES 303
50.0 - ASSISTÊNCIA TÉCNICA THEVEAR 303

Catálogo Geral 2009 -02-


FIOS E CABOS

1.0 - LINHA DE CABOS PARA SEGURANÇA

1.1 - CABO BRANCO PARA ALARME 30 - COBRE NÚ

É indicado na conexão de centrais de alarmes aos sensores.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,30 mm, tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO em cores, conforme tabela abaixo.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
NRO. CAPA EXTERNA MASSA LÍQUIDA
CORES DA VEIA
CÓDIGO VIAS f (mm) COR NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.140 04 3,00 PRETO, VERMELHO, AMARELO e VERDE 0,98
BRANCO
TH-10.141 06 3,30 PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL e CINZA 1,20
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

1.2 - CABO BRANCO PARA ALARME E INTERFONIA 40 - COBRE NÚ

É indicado na conexão de centrais de alarmes aos sensores.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,40 mm, tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO em cores, conforme tabela abaixo.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CORES DA VEIA
CÓDIGO
f (mm) COR VIAS NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.150 2,6 02 PRETO e VERMELHO 0,75
TH-10.151 2,8 04 PRETO, VERMELHO, AMARELO e VERDE 1,00
TH-10.152 3,3 06 PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL e CINZA 1,40
BRANCO PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.153 3,5 08 1,70
MARROM e BRANCO
PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.154 3,9 10 2,00
MARROM, BRANCO, LARANJA e LILÁS
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -03-


FIOS E CABOS

1.3 - CABO BRANCO PARA ALARME E INTERFONIA 40 - COBRE ESTANHADO

É indicado na conexão de centrais de alarmes aos sensores. Possue maior resistência


á oxidação.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE ELETROLÍTICO ESTANHADO (SN) f 0,40 mm,
tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO em cores, conforme tabela abaixo.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CORES DA VEIA
CÓDIGO
f (mm) COR VIAS NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.155 2,6 02 PRETO e VERMELHO 0,75
TH-10.156 2,8 04 PRETO, VERMELHO, AMARELO e VERDE 1,00
TH-10.157 3,3 06 PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL e CINZA 1,40
BRANCO PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.158 3,5 08 1,70
MARROM e BRANCO
PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.159 3,9 10 2,00
MARROM, BRANCO, LARANJA e LILÁS
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

1.4 - CABO BRANCO PARA ALARME E INTERFONIA 50 - COBRE NÚ

É indicado na conexão de centrais de alarmes aos sensores.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,50 mm, tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO em cores, conforme tabela abaixo.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CORES DA VEIA
CÓDIGO
f (mm) COR VIAS NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.160 3,1 04 PRETO, VERMELHO, AMARELO e VERDE 1,40
TH-10.161 3,6 06 PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL e CINZA 2,00
PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.162 4,2 BRANCO 08 2,60
MARROM e BRANCO
PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.163 4,8 10 MARROM, BRANCO, LARANJA e LILÁS 3,10

Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -04-


FIOS E CABOS

1.5 - CABO BRANCO PARA ALARME E INTERFONIA 50 - COBRE ESTANHADO

É indicado na conexão de centrais de alarmes aos sensores. Possue maior resistência


á oxidação.

DETALHES CONSTRUTIVOS
Fio sólido de COBRE ELETROLÍTICO ESTANHADO (SN) f 0,50 mm,
CONDUTOR INTERNO
tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO em cores, conforme tabela abaixo.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CORES DA VEIA
CÓDIGO
f (mm) COR VIAS NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.165 3,1 04 PRETO, VERMELHO, AMARELO e VERDE 1,40
TH-10.166 3,6 06 PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL e CINZA 2,00
PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.167 4,2 BRANCO 08 2,60
MARROM e BRANCO
PRETO, VERMELHO, AMARELO, VERDE, AZUL, CINZA,
TH-10.168 4,8 10 MARROM, BRANCO, LARANJA e LILÁS 3,10

Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

1.6 - CABO PARALELO BRANCO PARA SEGURANÇA POLARIZADO

É indicado na conexão de centrais de alarmes às sirenes.

DETALHES CONSTRUTIVOS
(1) Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
CONDUTOR INTERNO (2) Fios de COBRE ELETROLÍTICO ESTANHADO (SN),
tempera mole.

ISOLAÇÃO / CAPA PVC na cor branca.


ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
FORMAÇÃO CONDUTOR INTERNO CAPA EXTERNA
MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO MEDIDA NOMINAL (Kg/Rolo)
COBRE NÚ (1) ESTANHADO (2) TIPO NOMINAL (mm)
TH-10.170 5 FIOS f 0,16 mm 5 FIOS f 0,16 mm 2 x 0,12 f 1,4 x 3,20 0,60
TH-10.171 6 FIOS f 0,18 mm 6 FIOS f 0,18 mm 2 x 0,20 f 1,5 x 3,40 0,70
TH-10.172 7 FIOS f 0,23 mm 7 FIOS f 0,23 mm 2 x 0,30 f 1,8 x 4,00 1,10
TH-10.173 12 FIOS f 0,23 mm 12 FIOS f 0,23 mm 2 x 0,50 f 2,3 x 5,00 1,80
TH-10.174 17 FIOS f 0,23 mm 17 FIOS f 0,23 mm 2 x 0,75 f 2,4 x 5,20 2,10
TH-10.175 32 FIOS f 0,23 mm 32 FIOS f 0,23 mm 2 x 1,50 f 3,3 x 7,00 4,30
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -05-


FIOS E CABOS

1.7 - CABO DE ALTA ISOLAÇÃO PARA CERCA ELÉTRICA

Indicada à conexão da cerca elétrica à central.

DETALHES CONSTRUTIVOS
(1) Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,23 mm, tempera mole.
CONDUTOR INTERNO (2) Fios de COBRE ELETROLÍTICO ESTANHADO (SN) f 0,23 mm,
tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO natural.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
ESPEC. DO ISOLAÇÃO CAPA EXTERNA MASSA LÍQUIDA
TENSÃO ACONDICIONAMENTO
CÓDIGO CONDUTOR DIÂMETRO
NOMINAL (mm) f (mm) COR NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.180 3,60 5,0 PRETO 2,50
ROLO 100 metros
TH-10.181 COBRE NÚ 3,60 5,0 BRANCO 2,50
40 KV
TH-10.182 (1) 3,60 5,0 PRETO 7,50
ROLO 300 metros
TH-10.183 3,60 5,0 BRANCO 7,50
TH-10.184 COBRE 5,80 7,0 ROLO 100 metros 4,40
TH-10.185 ESTANHADO 5,80 7,0 AZUL 50 KV ROLO 50 metros 2,20
(2)
TH-10.186 5,80 7,0 ROLO 25 metros 1,10
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

1.8 - CABO MANGA COM MALHA PARA CFTV - 17 AWG - COBRE NÚ

Usado em sistemas de CFTV, possui fio blindado para o sinal de vídeo, diminuindo
assim a possibilidade de interferências externas.

DETALHES CONSTRUTIVOS
Formado de 6 fios de COBRE NÚELETROLÍTICO f 0,142 mm,
CONDUTOR INTERNO
tempera mole.
VEIA AMARELA Com malha de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO PVC na cor conforme tabela abaixo..
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CORES DA VEIA
CÓDIGO
f (mm) COR VIAS NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.290 3,00 2 PRETO e AMARELO C/ MALHA 1,38
TH-10.291 3,40 3 PRETO, VERMELHO e AMARELO C/ MALHA 1,65
BRANCO
TH-10.292 3,40 4 PRETO, VERMELHO, VERDE e AMARELO C/ MALHA 1,85
TH-10.293 4,20 6 PRETO, VERMELHO, VERDE, AZUL, CINZA e AMARELO C/ MALHA 2,40
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -06-


FIOS E CABOS

1.9 - CABO COAXIAL PARA CFTV, SEGURANÇA E ELEVADORES - 75W - COBRE NÚ

Ideal para ser utilizado nos sistemas de CFTV interligando a câmera de segurança ao
dispositivo de recepção de sinal.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
MALHA Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

IMPORTANTE: PARA FACILITAR A INSTALAÇÃO UTILIZAR O MODELO COM BIPOLAR, COM ISTO A
ALIMENTAÇÃO DA CÂMERA PASSA PELO MESMO CABO.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA MASSA LÍQUIDA
BITOLA MALHA
CÓDIGO
f (mm) COR NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.310 3,5 PRETO 3,50 mm 50% 1,75
TH-10.311 3,5 BRANCO 3,50 mm 50% 1,75
TH-10.312 4,0 PRETO 4,00 mm 67% 2,40
TH-10.313 4,0 BRANCO 4,00 mm 67% 2,40
TH-10.314 4,0 PRETO 4,00 mm 80% 2,55
TH-10.315 4,0 BRANCO 4,00 mm 80% 2,55
TH-10.316 PRETO 3,50 mm (Bipolar) 50% 2,10
TH-10.317 BRANCO 3,50 mm (Bipolar) 50% 2,10
TH-10.318 PRETO 4,00 mm (Bipolar) 67% 2,80
TH-10.319 BRANCO 4,00 mm (Bipolar) 67% 2,80
TH-10.320 PRETO 4,00 mm (Bipolar) 80% 3,10
TH-10.321 BRANCO 4,00 mm (Bipolar) 80% 3,10
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -07-


FIOS E CABOS

2.0 - LINHA DE CABOS PARA TRANSMISSÇÃO DE DADOS

2.1 - CABO UTP - PAR TRANÇADO CAT5E AZUL OU BRANCO

Ideal na conexão de computadores à roteadores, hubs, switches e modems.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,40 mm, tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO nas cores de acordo com a norma.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 305 metros.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA RESISTÊNCIA
NRO. PARES
CÓDIGO
f (mm) COR ELÉTRICA
TH-10.200 4,8 BRANCO 4 93,8W/Km
TH-10.201 13,5 BRANCO 25 93,8W/Km
TH-10.202 4,8 AZUL 4 93,8W/Km
TH-10.203 13,5 AZUL 25 93,8W/Km
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

3.0 - LINHA DE CABOS PARA VHF, UHF, FM, CATV E PARABÓLICA

3.1 - CABO COAXIAL PARA CFTV, SEGURANÇA, HOME THEATER E ELEVADORES - 75W

Ideal para ser utilizado no sistema de recepção/transmissão de sinais nas faixas de


VHF, UHF, FM, ligação de Home Theater para vídeo e áudio de alta performance com
mínimo de perda de sinal e sem interferências.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
MALHA Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO natural.
CAPA PVC cristal flexível.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA MASSA LÍQUIDA
MALHA
CÓDIGO
f (mm) COR NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.322 5,80 67% 4,10
CRISTAL
TH-10.323 5,80 96% 4,10
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -08-


FIOS E CABOS

3.2 - CABO COAXIAL SÉRIE 59 CELULAR - 75W - 40% - 67% - 90% C/ BIPOLAR OU TRIPOLAR

Ideal para ser utilizado no sistema de recepção/transmissão de sinais nas faixas de


VHF, UHF, FM ou Parabólica.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio de AÇO COBREADO f 0,81 mm, tempera mole.
MALHA Fios de ALUMÍNIO.
ISOLAÇÃO POLIETILENO expandido.
BLINDAGEM Fita de POLIESTER aluminizada.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

IMPORTANTE: PARA FACILITAR A INSTALAÇÃO UTILIZAR O MODELO COM BIPOLAR, COM ISTO A
ALIMENTAÇÃO PASSA PELO MESMO CABO.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA
CÓDIGO MEDIDA FORMAÇÃO MALHA
NOMINAL (mm) COR

TH-10.350 f 6,00 PRETO CABO COAXIAL 40%


TH-10.351 f 6,00 BRANCO CABO COAXIAL 40%
TH-10.352 f 6,00 PRETO CABO COAXIAL 67%
TH-10.353 f 6,00 BRANCO CABO COAXIAL 67%
TH-10.354 f 6,00 PRETO CABO COAXIAL 90%
TH-10.355 f 6,00 BRANCO CABO COAXIAL 90%
TH-10.356 f 6,00 x 8,50 PRETO CABO COAXIAL + BIPOLAR 40%
TH-10.357 f 6,00 x 8,50 BRANCO CABO COAXIAL + BIPOLAR 40%
TH-10.358 f 6,00 x 8,50 PRETO CABO COAXIAL + BIPOLAR 67%
TH-10.359 f 6,00 x 8,50 BRANCO CABO COAXIAL + BIPOLAR 67%
TH-10.360 f 6,00 x 8,50 PRETO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 40%
TH-10.361 f 6,00 x 8,50 BRANCO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 40%
TH-10.362 f 6,00 x 8,50 PRETO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 67%
TH-10.363 f 6,00 x 8,50 BRANCO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 96%
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -09-


FIOS E CABOS

3.3 - CABO COAXIAL SÉRIE 06 CELULAR - 75W - 40% - 67% - 90% C/ BIPOLAR

Ideal para ser utilizado no sistema de recepção/transmissão de sinais nas faixas de


VHF, UHF, FM, CATV ou Parabólica, em situações onde se deseja uma perda menor de
sinal devido a distância de cabo.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio de AÇO COBREADO f 0,81 mm, tempera mole.
MALHA Fios de ALUMÍNIO.
ISOLAÇÃO POLIETILENO expandido.
BLINDAGEM Fita de POLIESTER aluminizada.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

IMPORTANTE: PARA FACILITAR A INSTALAÇÃO UTILIZAR O MODELO COM BIPOLAR, COM ISTO A
ALIMENTAÇÃO PASSA PELO MESMO CABO.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA
CÓDIGO MEDIDA FORMAÇÃO MALHA
NOMINAL (mm) COR

TH-10.400 f 6,93 PRETO CABO COAXIAL 40%


TH-10.401 f 6,93 BRANCO CABO COAXIAL 40%
TH-10.402 f 6,93 PRETO CABO COAXIAL 67%
TH-10.403 f 6,93 BRANCO CABO COAXIAL 67%
TH-10.404 f 6,93 PRETO CABO COAXIAL 90%
TH-10.405 f 6,93 BRANCO CABO COAXIAL 90%
TH-10.406 f 6,93 x 9,00 PRETO CABO COAXIAL + BIPOLAR 40%
TH-10.407 f 6,93 x 9,00 BRANCO CABO COAXIAL + BIPOLAR 40%
TH-10.408 f 6,93 x 9,00 PRETO CABO COAXIAL + BIPOLAR 67%
TH-10.409 f 6,93 x 9,00 BRANCO CABO COAXIAL + BIPOLAR 67%
TH-10.410 f 6,93 x 9,00 PRETO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 40%
TH-10.411 f 6,93 x 9,00 BRANCO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 40%
TH-10.412 f 6,93 x 9,00 PRETO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 67%
TH-10.413 f 6,93 x 9,00 BRANCO CABO COAXIAL + TRIPOLAR 96%
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -10-


FIOS E CABOS

4.0 - LINHA DE CABOS PARA INTERFONIA

4.1 - CABO INTERFONIA 0,40 TRANÇADO - COBRE ESTANHADO

É indicado na instalação de interfones em áreas internas, em pequenas e grandes distâncias.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE ELETROLÍTICO ESTANHADO (SN), tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO colorido conforme norma.
CAPA PVC nas cores conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO
f (mm) COR PARES NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.100 2,80 CINZA 0,84
01
TH-10.101 2,80 BRANCO 0,84
TH-10.102 2,90 CINZA 1,29
02
TH-10.103 2,90 BRANCO 1,29
TH-10.104 3,60 CINZA 1,60
03
TH-10.105 3,60 BRANCO 1,60
TH-10.106 4,00 CINZA 2,00
04
TH-10.107 4,00 BRANCO 2,00
TH-10.108 4,80 CINZA 2,30
05
TH-10.109 4,80 BRANCO 2,30
TH-10.110 5,00 CINZA 2,70
06
TH-10.111 5,00 BRANCO 2,70
TH-10.112 6,00 CINZA 3,40
08
TH-10.113 6,00 BRANCO 3,40
TH-10.114 7,20 CINZA 4,10
10
TH-10.115 7,20 BRANCO 4,10
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACIMA DE 10 PARES, SOB CONSULTA.

Catálogo Fios e Cabos -11-


FIOS E CABOS

4.2 - CABO INTERFONIA 0,50 TRANÇADO - COBRE ESTANHADO

É indicado na instalação de interfones em áreas internas, em pequenas e grandes distâncias.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE ELETROLÍTICO ESTANHADO (SN), tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO colorido conforme norma.
CAPA PVC nas cores conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 100 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA NRO. MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO
f (mm) COR PARES NOMINAL (Kg/Rolo)
TH-10.120 3,00 CINZA 1,00
01
TH-10.121 3,00 BRANCO 1,00
TH-10.122 3,20 CINZA 1,40
02
TH-10.123 3,20 BRANCO 1,40
TH-10.124 3,80 CINZA 1,90
03
TH-10.125 3,80 BRANCO 1,90
TH-10.126 4,20 CINZA 2,40
04
TH-10.127 4,20 BRANCO 2,40
TH-10.128 5,00 CINZA 3,00
05
TH-10.129 5,00 BRANCO 3,00
TH-10.130 5,20 CINZA 3,40
06
TH-10.131 5,20 BRANCO 3,40
TH-10.132 6,20 CINZA 4,40
08
TH-10.133 6,20 BRANCO 4,40
TH-10.134 7,50 CINZA 5,50
10
TH-10.135 7,50 BRANCO 5,50
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACIMA DE 10 PARES, SOB CONSULTA.

Catálogo Fios e Cabos -12-


FIOS E CABOS

5.0 - LINHA DE CABOS AUTOMOTIVOS

5.1 - CABO AUTOMOTIVO 12 VOLTS - LINHA CHEAP


São indicados para uso em circuitos automotivos (automóveis, caminhões, tratores,
máquinas agrícolas, etc.).

Cores: amarelo, azul, branco, laranja, marrom, preto, verde ou vermelho.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO / CAPA PVC flexível.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CONDUTOR INTERNO ISOLAÇÃO
MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO FORMAÇÃO DIÂMETRO ACONDICIONAMENTO
TIPO NOMINAL (Kg/Rolo)
NOMINAL (mm)
TH-10.001 10 FIOS f 0,20 mm 0,50 2,20 0,78
TH-10.002 12 FIOS f 0,20 mm 0,75 2,40 0,94
TH-10.003 14 FIOS f 0,20 mm 1,00 2,50 1,00
TH-10.004 20 FIOS f 0,20 mm 1,50 2,80 1,30
ROLO 100 metros
TH-10.005 32 FIOS f 0,23 mm 2,50 3,40 2,20
TH-10.006 52 FIOS f 0,23 mm 4,00 4,00 3,30
TH-10.007 68 FIOS f 0,23 mm 6,00 5,00 4,70
TH-10.008 102 FIOS f 0,23 mm 10,00 6,70 7,80
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

5.2 - CABO AUTOMOTIVO 12 VOLTS - LINHA CHEAP (CRISTAL VERMELHO)


São indicados na conexão da alimentação de dispositivos com um consumo grande de
corrente (módulos de potência, amplificadores, uso residencial, comercial e automotivo).

Cor: Cristal vermelho.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO / CAPA PVC cristal flexível.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CONDUTOR INTERNO ISOLAÇÃO
MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO FORMAÇÃO DIÂMETRO ACONDICIONAMENTO
TIPO NOMINAL (Kg/Rolo)
NOMINAL (mm)
TH-10.020 52 FIOS f 0,23 mm 4 4,0 3,20
ROLO 100 metros
TH-10.021 68 FIOS f 0,23 mm 6 5,0 4,40
TH-10.022 52 FIOS f 0,23 mm 4 4,0 1,60
TH-10.023 68 FIOS f 0,23 mm 6 5,0 2,20
ROLO 50 metros
TH-10.024 102 FIOS f 0,23 mm 10 6,7 3,50
TH-10.025 140 FIOS f 0,23 mm 13 7,0 4,50
TH-10.026 214 FIOS f 0,23 mm 16 8,0 3,20
ROLO 25 metros
TH-10.027 264 FIOS f 0,23 mm 21 10,0 4,40
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

Catálogo Fios e Cabos -13-


FIOS E CABOS

5.3 - CORDÃO BICOLOR AUTOMOTIVO 12 VOLTS - LINHA CHEAP

São indicados para conexão do som automotivo aos alto falantes, possibilitando a
identificação visual dos pólos positivo e negativo por possuírem polaridade.

Cor: cristal com tarja conforme quadro abaixo.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO / CAPA PVC cristal flexível.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CONDUTOR ISOLAÇÃO
INTERNO MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO FORMAÇÃO TARJA ACONDICIONAMENTO
DIÂMETRO NOMINAL (Kg/Rolo)
TIPO NOMINAL (mm)
TH-10.030 8 FIOS f 0,20 mm 0,35 f 2,0 x 4,30 LARANJA 1,17
TH-10.031 10 FIOS f 0,20 mm 0,50 f 2,1 x 4,50 AMARELA 1,35
TH-10.032 12 FIOS f 0,20 mm 0,75 f 2,4 x 5,10 VERDE 1,70
ROLO 100 metros
TH-10.033 14 FIOS f 0,20 mm 1,00 f 2,5 x 5,40 VERMELHA 1,90
TH-10.034 20 FIOS f 0,20 mm 1,50 f 2,7 x 5,80 AZUL 2,38
TH-10.035 30 FIOS f 0,20 mm 2,50 f 3,2 x 6,80 MARROM 3,40
TH-10.036 46 FIOS f 0,20 mm 4,00 f 3,6 x 7,50 BRANCA ROLO 50 metros 2,38
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

5.4 - CABO AUTOMOTIVO 12 VOLTS - LINHA BEST

São indicados para uso em circuitos automotivos (automóveis, caminhões, tratores,


máquinas agrícolas, etc.).

Cores: amarelo, azul, branco, laranja, marrom, preto, verde ou vermelho.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO / CAPA PVC flexível.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CONDUTOR INTERNO ISOLAÇÃO
MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO FORMAÇÃO DIÂMETRO ACONDICIONAMENTO
BITOLA NOMINAL (Kg/Rolo)
NOMINAL (mm)
TH-10.051 12 FIOS f 0,23 mm 0,50 mm2 2,10 0,87
TH-10.052 16 FIOS f 0,23 mm 0,75 mm2 2,30 1,00
TH-10.053 22 FIOS f 0,23 mm 1,00 mm2 2,50 1,40
TH-10.054 32 FIOS f 0,23 mm 1,50 mm2 2,80 1,90
ROLO 100 metros
TH-10.055 46 FIOS f 0,23 mm 2,50 mm2 3,50 3,20
TH-10.056 68 FIOS f 0,23 mm 4,00 mm2 4,00 4,20
TH-10.057 102 FIOS f 0,23 mm 6,00 mm2 4,70 6,30
TH-10.058 140 FIOS f 0,23 mm 10,00 mm2 6,00 10,60
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

Catálogo Fios e Cabos -14-


FIOS E CABOS

5.5 - CABO AUTOMOTIVO 12 VOLTS - LINHA BEST (CRISTAL VERMELHO)

São indicados na conexão da alimentação de dispositivos com um consumo grande


de corrente (módulos de potência, amplificadores, etc.).

Cor: Cristal vermelho.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO / CAPA PVC cristal flexível.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CONDUTOR INTERNO ISOLAÇÃO
MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO FORMAÇÃO DIÂMETRO ACONDICIONAMENTO
BITOLA NOMINAL (Kg/Rolo)
NOMINAL (mm)
TH-10.060 68 FIOS f 0,23 mm 4,00 mm2 4,00 3,50
ROLO 100 metros
TH-10.061 102 FIOS f 0,23 mm 6,00 mm2 4,70 5,10
TH-10.062 68 FIOS f 0,23 mm 4,00 mm2 4,00 0,90
TH-10.063 102 FIOS f 0,23 mm 6,00 mm2 4,70 1,20
TH-10.064 140 FIOS f 0,23 mm 10,00 mm2 6,00 ROLO 25 metros 1,90
TH-10.065 238 FIOS f 0,23 mm 16,00 mm2 8,00 3,40
TH-10.066 324 FIOS f 0,23 mm 21,00 mm2 10,00 4,90
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

5.6 - CORDÃO BICOLOR AUTOMOTIVO 12 VOLTS - LINHA BEST

São indicados para conexão do som automotivo aos alto falantes, possibilitam a
identificação visual dos pólos positivo e negativo por possuírem polaridade.

Cor: cristal com tarja conforme quadro abaixo.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO, tempera mole.
ISOLAÇÃO / CAPA PVC cristal flexível.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CONDUTOR ISOLAÇÃO
INTERNO MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO FORMAÇÃO TARJA ACONDICIONAMENTO
DIÂMETRO NOMINAL (Kg/Rolo)
BITOLA NOMINAL (mm)
TH-10.070 6 FIOSf 0,23 mm 0,35 mm2 f 2,0 x 4,30 LARANJA 1,10
TH-10.071 10 FIOS f 0,23 mm 0,50 mm2 f 2,1 x 4,50 AMARELA 1,40
TH-10.072 16 FIOS f 0,23 mm 0,75 mm2 f 2,3 x 5,10 VERDE 2,00
ROLO 100 m.
TH-10.073 22 FIOS f 0,23 mm 1,00 mm2 f 2,5 x 5,40 VERMELHA 2,50
TH-10.074 32 FIOS f 0,23 mm 1,50 mm2 f 2,8 x 6,00 AZUL 3,30
TH-10.075 36 FIOS f 0,23 mm 2,50 mm2 f 3,4 x 7,20 MARROM 4,40
TH-10.076 58 FIOS f 0,23 mm 4,00 mm2 f 4,0 x 8,30 BRANCA ROLO 50 m. 3,30
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

OBS: ACONDICIONAMENTOS COM OUTRAS METRAGENS, SOB CONSULTA.

Catálogo Fios e Cabos -15-


FIOS E CABOS

5.7 - CABO COAXIAL 4 mm LINHA AUTOMOTIVA - PRETO OU BRANCO - 75W

Ideal para ser usado em antenas automotivas, antenas internas, etc.

DETALHES CONSTRUTIVOS
CONDUTOR INTERNO Fio sólido de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,40 mm, tempera mole.
Composta de 16 fios de COBRE NÚ ELETROLÍTICO f 0,142 mm,
MALHA
tempera mole.
ISOLAÇÃO POLIETILENO natural.
CAPA PVC na cor conforme tabela abaixo.
ACONDICIONAMENTO Rolo de 300 metros, outra metragem sob consulta.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
CAPA EXTERNA MASSA LÍQUIDA
CÓDIGO
f (mm) COR MÍNIMA (Kg/Rolo)
TH-10.300 PRETO 5,00
4,00
TH-10.301 BRANCO 5,00
Os valores médios poderão sofrer alterações conforme densidade da matéria prima utilizada na capa e isolação.

Catálogo Fios e Cabos -16-


PORTEIROS ELETRÔNICOS
RESIDÊNCIAIS - KITs

6.0 - INTRODUÇÃO AOS PORTEIROS ELETRÔNICOS RESIDÊNCIAIS - KITs

O porteiro eletrônico residencial é um sistema constituído por quatro componentes básicos.

Figura 01 - KIT NR-20 Figura 02 - KIT NR-30 Figura 03 - KIT NR-510 Figura 04 - KIT NR-810 Figura 05 - KIT NR-910

6.1 - PRIMEIRO COMPONENTE - PLACA DE RUA

Painel instalado normalmente próximo à porta de entrada da residência. Neste painel temos um altofalante e um
microfone (de eletreto) para que o visitante possa comunicar-se com o interior da residência. Para chamar quem estiver no
interior da casa basta o visitante pressionar o botão (chave) da placa de rua. A THEVEAR produz alguns modelos de placa de
rua (ou porteiros eletrônicos residenciais), com 2 fios para a instalação.

6.1.1 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Nas tabelas a seguir o instalador poderá escolher o código do porteiro em função dos seus recursos.

ESPECIFICAÇÕES DA PLACA EXTERNA ESPECIFICAÇÕES DO PORT. ELETR. RESID.


DIMENSÕES (mm) PESO ALCANCE TENSÃO DE FECHADURA
CÓDIGO
PROFUND. ALTURA LARGURA (g) MÁXIMO ALIMENTAÇÃO ALIMENTAÇÃO
NR-20 55 120 85 105 100 metros 110/220V NÃO
NR-30 55 120 80 120 100 metros 110/220V NÃO
NR-510 55 180 95 370 100 metros 110/220V 12V/1A
NR-810 50 125 85 165 100 metros 110/220V 12V/1A
NR-910 60 170 95 170 100 metros 110/220V 12V/1A

RECURSOS DAS PLACAS EXTERNAS

TODAS AS PLACAS DE RUA POSSUEM INDICAÇÃO LUMINOSA DE FUNCIONAMENTO


MATERIAL DA PLACA CAPTAÇÃO REPRODUÇÃO SISTEMA
CÓDIGO SISTEMA DE PERMITE ABRE
EXTERNA DE SOM DO SOM DE
MONTAGEM EXTENSÃO PORTA LIGAÇÃO
PLÁSTICO ALUMÍNIO ATRAVÉS DE ATRAVÉS DE
NR-20 SIM - ELETRETO ALTO-FALANTE EMBUTIR NÃO NÃO 2 FIOS
NR-30 SIM - ELETRETO ALTO-FALANTE EMBUTIR 2 EXTENSÕES NÃO 2 FIOS
NR-510 - SIM ELETRETO ALTO-FALANTE SOBREPOR 4 EXTENSÕES SIM 2 FIOS
NR-810 SIM - ELETRETO ALTO-FALANTE SOBREPOR 2 EXTENSÕES SIM 2 FIOS
NR-910 SIM - ELETRETO ALTO-FALANTE SOBREPOR 2 EXTENSÕES SIM 2 FIOS

Catálogo Residenciais -17-


PORTEIROS ELETRÔNICOS
RESIDÊNCIAIS - KITs

6.2 - SEGUNDO COMPONENTE - INTERFONE BASE

É utilizado pelo morador para comunicar-se com o visitante que se ESPECIFICAÇÃO DO FIO PARA LIGAÇÃO
encontra na porta de entrada da casa. Através dele também é possível abrir DOS INTERFONES BASE NA
automaticamente a porta de entrada. A THEVEAR produz três tipos de PLACA DE RUA.
interfone base;
COMPRIMENTO ESPECIFICAÇÃO DO
SISTEMA 2 FIOS: Os kits NR-20, NR-30, NR-510, NR-810 e NR-910 MÁXIMO DO FIO FIO DE COBRE EM
2
utilizam um interfone base com sistema 2 fios. Este interfone é diferente para EM METROS AWG E EM mm
cada modelo de placa de rua. 0 a 20 m 22 AWG 0,30 mm2
21 a 50 m 20 AWG 0,50 mm2
51 a 100 m 15 AWG 1,50 mm2

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO INTERFONE BASE

DIMENSÕES (mm) PESO UTILIZANDO NO PORTEIRO


CÓDIGO (g)
PROFUN. ALTURA LARGURA ELETRÔNICO RESIDENCIAL

ICK-NR20 65 180 80 230 NR-20


ICK-NR30 70 215 70 405 NR-30
ICK-NR40/510 70 215 70 440 NR-510
ICK-NR810 70 215 70 405 NR-810
ICAP-HO 70 215 70 310 NR-910

6.3 - TERCEIRO COMPONENTE - INTERFONE EXTENSÃO


É utilizado quando o morador da casa deseja ter um interfone extensão no porteiro eletrônico. Através dele também é
possível abrir automaticamente a porta de entrada da casa. Na instalação deve-se utilizar o mesmo tipo de fio empregado
para instalar o Interfone Base.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO INTERFONE EXTENSÃO

DIMENSÕES (mm) PESO UTILIZANDO NO PORTEIRO SISTEMA DE


CÓDIGO (g) LIGAÇÃO
PROFUND. ALTURA LARGURA ELETRÔNICO RESIDENCIAL

IPEX-HO/2F 70 215 70 310 NR-30, NR-510 e NR-810 2 FIOS


ICAP-HO 70 215 70 310
ICAP-IP 60 225 82 230 NR-910 2 FIOS
ICAP-PL 65 180 80 230

OBS: Utilizar o mesmo tipo de fio empregado para instalar o interfone base.

6.4 - QUARTO COMPONENTE - FECHADURA E FECHO ELETROMAGNÉTICO

O porteiro eletrônico através do interfone base ou de sua extensão permite acionar um fecho ou uma fechadura
eletromagnética de 12 volts AC, com um consumo máximo de 1A.

ESPECIFICAÇÃO DO FIO PARA


LIGAÇÃO DA FECHADURA/FECHO: 12V/1A
COMPRIMENTO ESPECIFICAÇÃO DO
CÓDIGOS RECOMENDADOS:
MÁXIMO DO FIO FIO DE COBRE EM
Fechadura código: THF-190D e THF-190E EM METROS AWG E EM mm
2
Fechadura código: THF-V/V e THF-V/A
Fecho código: FEM-DIR e FEM-ESQ. 0 a 20 m 20 AWG 0,50 mm2
Fecho código: TH-FEM-R e TH-FEM-R/R 21 a 50 m 15 AWG 1,50 mm2

Catálogo Residenciais -18-


PORTEIROS ELETRÔNICOS
RESIDÊNCIAIS - KITs

6.5 - INSTALANDO O PORTEIRO ELETRÔNICO RESIDENCIAL


CONEXÃO DOS FIOS NO TERMINAL
Com a ponta do fio descascada, seguir as tabelas abaixo.
FECHADURA OU FECHO
TERMINAL TI (SIMPLES) 12V/1A (OPCIONAL)
Pressione o Insira o fio Solte o terminal
terminal TI
para baixo

INTERFONE
PLACA DE
EXTENSÃO
Terminal TI RUA

TERMINAL TD (DUPLO)
Pressione o Insira o fio Solte o terminal
terminal TD
para baixo
INTERFONE
BASE
110/220V
Terminal TI
Figura 06 - Conectando o fio nos terminais TI e TD. Figura 07 - Esquema da instalação com acionamento de fechadura.

6.6 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA PLACA DE RUA


Sempre que possível a placa de rua deve ser instalada de acordo com a medida da
figura ao lado. Na caixa plástica existem vários semicortes de orifícios que servirão
para dar passagem aos cabos de conexão. Terminadas as conexões elétricas deve-se
colocar a placa na caixa plástica por meio dos parafusos que acompanham o produto.
1,50m

Figura 08

6.6.1 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO NR-20

1º) Não faça a instalação com a rede elétrica ligada. Desligue a chave INTERFONE FIXAÇÃO DA PLACA DE RUA
geral de energia. Retire o interruptor da campainha do portão de Remova o interruptor
entrada.
2º) Desligue os fios da campainha da rede elétrica.
3º) Para ligar o interfone base à placa de rua do NR-20, utilize 2 fios
FIO
conforme ilustração abaixo (estes fios não devem estar conectados à
rede elétrica).
4º) Somente o interfone base deverá ser ligado à rede elétrica
(110/220V) bivolt automático. TERMINAL TD
Coloque a placa
INTERFONE BASE de rua na
FIGURA 1 caixa 4x2
Ligar os fios nos terminais + e - do
interfone base.

PARAFUSO 1 CAIXA 4x2


Não utilize os 2 fios
da campainha, pois
queimará o porteiro.

PARAFUSO 2

FIGURA 3 FIGURA 3
Encaixe o ponto de fixação do Após ter encaixado nos
PLACA DE RUA NR-20
110/220 (VISTA TRASEIRA)
interfone nos parafusos 1 e 2. parafusos, empurre
(AUTOMÁTICO) para baixo.

Figura 09 - Esquema de ligação Figura 10 - Fixando a placa de rua

Catálogo Residenciais -19-


PORTEIROS ELETRÔNICOS
RESIDÊNCIAIS - KITs

6.6.2 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO NR-30

1º) Não faça a instalação com a rede elétrica ligada. Desligue a chave geral de energia. Retire o FIXAÇÃO DA PLACA DE RUA
interruptor da campainha do portão de entrada. Remova o interruptor
2º) Desligue os fios da campainha da rede elétrica.
3º) Para ligar o interfone base à placa de rua do NR-30, utilize 2 fios conforme ilustração abaixo (estes
fios não devem estar conectados à rede elétrica).
4º) Somente o interfone base deverá ser ligado à rede elétrica (110/220V) respeitando a rede local.
(OPCIONAL) (OPCIONAL)
INTERFONE INTERFONE INTERFONE BASE PLACA DE RUA NR-30
EXTENSÃO 2 EXTENSÃO 1 (VISTA TRASEIRA)
Coloque a placa
de rua na
caixa 4x2
IPEX-HO2F IPEX-HO2F

FIGURA 1 - Retirar com uma


chave de fenda o parafuso que CAIXA 4x2
fixa a tampa na base do
interfone. Não utilize os 2 fios
da campainha, pois
INTERFONE queimará o porteiro.

0V 127V 220V
ESQUEMA PARA
FIO LIGAÇÃO EM 110V/127V

110V/
0V 127V 220V

ESQUEMA PARA
FIGURA 2 - Fixar a base do LIGAÇÃO EM 220V
interfone à parede com as
110V/

buchas e os parafusos que


seguem com o produto. É permitido ligar até 2 extensões. 110/220V

Figura 11 - Esquema de ligação Figura 12 - Fixando a placa de rua

6.6.3 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO NR-510

O NR-510 UTILIZA 2 FIOS PARA A INTERLIGAÇÃO ENTRE O INTERFONE BASE E A PLACA DE RUA E 4 CAIXA PROTETORA DA
FIOS PARA A EXTENSÃO. O NR-510 PERMITE O USO DE ATÉ 4 EXTENSÕES MODELO IPEX-HO2F. QUANDO PLACA DE RUA
O NR-510 É USADO COM A FECHADURA, UTILIZA-SE TAMBÉM 2 FIOS (FECHADURA OPCIONAL). É
FIXE A CAIXA DA PLACA DE RUA
EXTREMAMENTE IMPORTANTE PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO SISTEMA, O USO CORRETO DA
JUNTAMENTE COM A CAIXA PROTETORA.
BITOLA DOS FIOS DE INTERLIGAÇÃO
INTERFONE EXTENSÃO PLACA DE RUA
IPEX-HO2F INTERFONE BASE P1
NR-510
(OPCIONAL) (VISTA TRASEIRA)
AJUSTE DO
VOLUME D0
FIO INTERFONE

P2

AJUSTE DO
VOLUME DA
PLACA DE RUA

110/220V
FIGURA 1 FIGURA 2
RETIRAR COM UMA CHAVE FIXAR A BASE DO
DE FENDA O PARAFUSO INTERFONE À PAREDE COM
QUE FIXA A TAMPA NA BASE AS BUCHAS E OS
DO INTERFONE. PARAFUSOS QUE SEGUEM
COM O PRODUTO. O INSTALADOR
DEVERÁ RESPEITAR FIXE A PLACA
A POLARIDADE
DE RUA.
É permitido até 4 extensões.
PARA UTILIZAR A EXTENSÃO IPEX-HO2F COM
NR-510 DEVE-SE COLOCAR O JUMPER INDICADO
NA FIGURA (J1 = TERMINAIS 7 e 11).
FECHADURA 12V/1A
SE FOR RETIRADO O J1, (OPCIONAL)
A EXTENSÃO NÃO ACIONA A FECHADURA
0V 127V 220V

ESQUEMA PARA
LIGAÇÃO EM 110V
AJUSTE DE MICROFONIA: A microfonia é um apito agudo que pode aparecer no áudio
110V/

durante a comunicação. Este produto já sai pré ajustado de fábrica para que ele não
apareça, mas caso exista necessidade é possível tirá-la diminuindo o volume da placa de
rua e do interfone.
AJUSTE DO VOLUME DO INTERFONE: Gire o trimpot P1 no sentido horário para
0V 127V 220V

ESQUEMA PARA
LIGAÇÃO EM 220V O PROTETOR DEVE
aumentar e no sentido anti-horário para diminuir o volume do interfone. SER UTILIZADO
110V/

AJUSTE DO VOLUME DA PLACA DE RUA: Gire o trimpot P2 no sentido horário para APENAS NO MODO DE
aumentar e no sentido anti-horário para diminuir o volume da placa de rua. SOBREPOR.

Figura 13 - Esquema de ligação Figura 14 - Fixando a placa de rua

Catálogo Residenciais -20-


PORTEIROS ELETRÔNICOS
RESIDÊNCIAIS - KITs

6.6.4 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO NR-810

1º) Não faça a instalação com a rede elétrica ligada. Desligue a chave geral de energia. Retire o
interruptor da campainha do portão de entrada.
2º) Desligue os fios da campainha da rede elétrica.
3º) Para ligar o interfone base à placa de rua do NR-810, utilize 2 fios conforme ilustração abaixo (estes
fios não devem estar conectados à rede elétrica).
4º) Somente o interfone base deverá ser ligado à rede elétrica (110/220V) respeitando a rede local.

Fig. 20 - Removendo o interruptor


O INSTALADOR DEVERÁ
INTERFONE BASE P1 RESPEITAR A POLARIDADE O PROTETOR DEVE SER
EXTENSÃO IPEX-HO2F
(OPCIONAL) UTILIZADO PARA PROTEÇÃO
AJUSTE DO CONTRA CHUVA.
VOLUME D0 PLACA DE RUA
INTERFONE
NR-810
(VISTA TRASEIRA) coloque os
P2 parafusos
para fixar o
AJUSTE DO protetor
FIGURA 1 - Retirar com uma 110/220V VOLUME DA na caixa 4x2.
PLACA DE RUA
chave de fenda o parafuso que
fixa a tampa na base do
interfone. Não utilize os 2 fios da campainha,
pois queimará o porteiro.

INTERFONE SE FOR Fig. 20 - Fixando o protetor


RETIRADO O J1,
A EXTENSÃO
Coloque a
NÃO ACIONA
A FECHADURA placa de rua 4
FIO sobre o protetor.
ESQUEMA PARA

0V 127V 220V
LIGAÇÃO EM 110V
110V/
FECHADURA 12V/1A
É permitido até (OPCIONAL)
2 extensões.
FIGURA 2 - Fixar a base do ESQUEMA PARA
0V 127V 220V

interfone à parede com as LIGAÇÃO EM 220V


110V/

buchas e os parafusos que AJUSTE DO VOLUME DO INTERFONE: Gire o trimpot P1 no volume desejado. Coloque o parafuso
seguem com o produto. AJUSTE DO VOLUME DA PLACA DE RUA: Gire o trimpot P2 no volume desejado. para fixar a placa
de rua no protetor.

Figura 15 - Esquema de ligação Figura 16 - Fixando a placa de rua

6.6.5 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO NR-910

1º) Não faça a instalação com a rede elétrica ligada. Desligue a chave geral de energia. Retire o
interruptor da campainha do portão de entrada.
2º) Desligue os fios da campainha da rede elétrica.
3º) Para ligar o interfone base à placa de rua do NR-910, utilize 2 fios conforme ilustração abaixo (estes
fios não devem estar conectados à rede elétrica).
4º) Somente a placa deverá ser ligado à rede elétrica (110/220V) bivolt automático.
INTERFONE ICAP-HO
COMO EXTENSÃO Fig. 20 - Removendo o interruptor
INTERFONE ICAP-HO É PERMITIDO ATÉ 2
PLACA DE RUA NR-910
COMO BASE EXTENSÕES
(VISTA TRASEIRA) O PROTETOR DEVE SER UTILIZADO
110/220V PARA PROTEÇÃO CONTRA CHUVA.
(Automático)
coloque os
parafusos
para fixar o
protetor
FIGURA 1 - Retirar com uma chave de na caixa 4x2.
fenda o parafuso que fixa a tampa na
base do interfone. CAIXA 4x2
Não utilize os 2 fios da campainha
pois queimará o porteiro.

INTERFONE Fig. 20 - Fixando o protetor


Coloque a
placa de rua 4
FIO sobre o protetor.
FECHADURA 12V/1A
(OPCIONAL)

AJUSTE DO
AUTO FALANTE
FIGURA 2 - Fixar a base do interfone à
parede com as buchas e os parafusos AJUSTE DO AUTO FALANTE: ABRIR O NÃO ABRIR Coloque o parafuso
que seguem com o produto. Gire o trimpot no volume desejado. JUMPER J1 O JUMPER J1 para fixar a placa
de rua no protetor.

Figura 17 - Esquema de ligação Figura 18 - Fixando a placa de rua

Catálogo Residenciais -21-


INTERFONES MODELOS:
PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA

7.0 - INTRODUÇÃO AOS INTERFONES

Figura 01 - Interfone código: ICAP-PL Figura 02 - Interfone código: ICAP-HO

Os interfones foram projetados para serem utilizados em


centrais de portaria ou porteiros eletrônicos coletivos.
Seu funcionamento é bastante simples. Para ligar, basta retirar
o monofone do gancho e para desligar é só colocar o monofone de
Figura 03 - Interfone código Figura 04 - Interfone código
volta no gancho. Para abrir a porta automaticamente basta ICAP-IP 1 botão para acionamento ICAP-IP2B 2 botões para aciona-
pressionar o botão do interfone até o fim do curso. de 1 fechadura mento de 2 fechaduras

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
DIMENSÕES (mm) PESO Nº DE
CÓDIGO (g) UTILIZAÇÃO FUNÇÃO
ALTURA LARGURA PROFUN. FIOS
ICAP-PL 180 80 65 230 2 Em Central de Portaria e Porteiro
Eletrônico Coletivo e KIT NR-910 Comunicação e abertura
ICAP-HO 215 70 68 310 2 de 1 fechadura
230 Em Central de Portaria e Porteiro
ICAP-IP 225 82 60 2 Eletrônico Coletivo
235 Em Central de Portaria e Porteiro Comunicação e abertura
ICAP-IP2B 225 82 60 3 Eletrônico Coletivo de 2 fechaduras
Extensão para KITs NR-30 e NR-510
IPEX-HO2F 215 70 70 310 2 (ver porteiro eletrônico) Comunicação e abertura
Extensão para KITs NR-110, NR-610 de 1 fechadura
IPEX-HO 215 70 70 310 3 e NR-710 (ver porteiro eletrônico)

7.1 - INSTALANDO OS INTERFONES COMO BASE


Ligar os interfones com dois fios INTERFONE
independentes até a Central de Portaria PORTEIRO
ou até o Porteiro Eletrônico Coletivo. ELETRÔNICO
Evite utilizar terra comum, ou seja, um COLETIVO
único fio terra para todos os interfones
(ver esquema de ligação).

INTERFONE

CENTRAL DE PORTARIA
Figura 05 Figura 06

7.2 - INSTALANDO UM INTERFONE COMO EXTENSÃO


Se forem ligados corretamente os interfones também podem ser utilizados como extensão. Neste caso é possível ligar no
máximo um interfone base, mais duas extensões. Num total de três interfones.

7.2.1 - INSTALAÇÃO DE UM INTERFONE BASE MAIS UMA EXTENSÃO


A ligação entre o interfone base e o interfone extensão é feita com três fios. Para tanto é necessário abrir o jumper do
interfone base e deixar fechado o jumper do interfone extensão (ver esquema de ligação).

Catálogo Residenciais -22-


INTERFONES MODELOS:
PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA

7.2.2 - INSTALAÇÃO DE UM INTERFONE BASE MAIS DUAS EXTENSÕES


A placa sai pré programada de fábrica, só é necessário programá-la novamente caso exista a necessidade de alteração
de algum dos itens abaixo:

! SIGILO: quando alguém tira um interfone do gancho desliga automaticamente as demais extensões.
! PRIORIDADE DE ATENDIMENTO: o interfone base tem prioridade sobre as extensões número 1 e 2. A extensão
número 1 tem prioridade sobre a extensão número 2.

7.3 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO INTERFONE - CÓD. ICAP-PL


O interfone ICAP-PL é compatível com todos os produtos THEVEAR que utilizam o ICAP-HO, ICAP-IP e ICAP-IP2B.
Também é compatível com interfones existentes no mercado.

7.3.1 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO NA PAREDE


Instale os interfones na parede de acordo com as ilustrações abaixo.
INTERFONE PRESSIONE O
TERMINAL TD PARAFUSO 1
PARA BAIXO
E INSIRA
O FIO

FIO SOLTE O
TERMINAL

PARAFUSO 2

TERMINAL TD

Figura 07 - Ligar os fios nos terminais 1A e 2G Figura 08 - Instruções para Figura 09 - Encaixe o ponto de fixação do Fig. 10-Após ter encaixado nos
do interfone base. conectar os fios no terminal TD. interfone nos parafusos 1 e 2. parafusos, empurre para baixo.

7.3.2 - CONFIGURAÇÃO DO INTERFONE


Este equipamento sai de fábrica configurado para ser CÓDIGOS JUMPERS INDICAÇÃO DOS JUMPERS
utilizado como o ICAP-PL, ICAP-HO ou ICAP-IP (jumpers J1 ICAP-PL, ICAP-HO,
E DOS TERMINAIS TD
e J3 fechados), mas pode ser modificado para outros usos, J1 e J3 fechados
ICAP-IP e ICAP-EC

FECHADO
basta seguir a tabela ao lado. IC55 e IC65 J1 e J3 fechados
PORTEIRO COLETIVO

ABERTO
OBS: O jumper J1 só é aberto quando se liga o ICAP-PL J1 e J2 fechados
DIGITAL FACILITY
com uma ou mais extensões. LD1, AZ1 e LR2002 J1, J2 e J4 fechados

7.3.3 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO


CONECTANDO OS FIOS CENTRAL DE PORTARIA E PORTEIRO CENTRAL DE PORTARIA E PORTEIRO
1- Utilizando o interfone como ELETRÔNICO COLETIVO ELETRÔNICO COLETIVO

ICAP-PL, ICAP-HO, ICAP-IP, ABRIR O NÃO ABRIR O ABRIR O ABRIR O NÃO ABRIR O
JUMPER J1 JUMPER J1 JUMPER J1 JUMPER J1 JUMPER J1
IC55 e IC65, basta configurar os
jumpers como ICAP-PL.
2- Ao utilizar no FACILITY, é
necessário ligar os pontos “G”
aos bornes verdes da central e os
pontos “A” aos bornes brancos
da central.
3- Utilizando o interfone como LD1,
AZ1 e LR2002, configurar os
jumpers e seguir a tabela abaixo
respeitando a sua polaridade.
INTERFONE INTERFONE INTERFONE INTERFONE INTERFONE
ICAP-PL ICAP-PL COMO ICAP-PL ICAP-PL COMO ICAP-PL COMO
LD1, AZ1 e LR2002 ICAP-PL COMO BASE EXTENSÃO Nº 1 COMO BASE EXTENSÃO Nº 1 EXTENSÃO Nº 2
1 1
4 2 Figura 11 - Instalação de um interfone base mais Figura 12 - Instalação de um interfone base mais duas extensões.
3 R uma extensão.

Catálogo Residenciais -23-


INTERFONES MODELOS:
PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA

7.4 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO INTERFONE - CÓD. ICAP-HO UNIVERSAL


O interfone ICAP-HO UNIVERSAL é compatível com todos os produtos THEVEAR que utilizam o ICAP-PL, ICAP-HO e o
ICAP-IP. Também é compatível com interfones existentes no mercado.

7.4.1 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO NA PAREDE


Instale os interfones na parede de acordo com as ilustrações abaixo.

FIO

INTERFONE
INTERFONE
Figura 13 - Retire com uma chave de Figura 14 - Fixar a base do interfone na Figura 15 - Ligar os fios nos terminais 1 e Figura 16 - Fechar o interfone.
fenda o parafuso que fixa a tampa parede com as buchas e os parafusos que 2 do interfone, não há polaridade
plástica na base do interfone. seguem com o ICAP-HO.

7.4.2 - CONFIGURAÇÃO DO INTERFONE

Este equipamento sai de fábrica configurado para ser


CÓDIGOS JUMPERS INDICAÇÃO
utilizado como o ICAP-PL, ICAP-HO ou ICAP-IP DOS JUMPERS
(jumpers J1 e J3 fechados), mas pode ser modificado ICAP-PL, ICAP-HO,
J1 e J3 fechados
para outros usos, basta seguir a tabela ao lado. ICAP-IP e ICAP-EC

FECHADO
IC55 e IC65 J1 e J3 fechados
PORTEIRO COLETIVO
J1 e J2 fechados

ABERTO
OBS: O jumper J1 só é aberto quando se liga o DIGITAL FACILITY
ICAP-HO UNIVERSAL com uma ou mais extensões. LD1, AZ1 e LR2002 J1, J2 e J4 fechados

7.4.3 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO

CONECTANDO OS FIOS
1- Utilizando o interfone como ICAP-PL, ICAP-HO, ICAP-IP, IC55 e IC65, basta configurar os jumpers como ICAP-HO
UNIVERSAL.
2- Ao utilizar no FACILITY, é necessário ligar os pontos “G” aos bornes verdes da LD1, AZ1 e LR2002 ICAP-HO UNIVERSAL
central e os pontos “A” aos bornes brancos da central. 1 1
3- Utilizando o interfone como LD1, AZ1 e LR2002, configurar os jumpers e 4 2
seguir a tabela abaixo respeitando a sua polaridade. 3 R

Interfone ICAP-HO Interfone ICAP-HO Interfone ICAP-HO Interfone ICAP-HO Interfone ICAP-HO
como base como extensão nº 1 como base como extensão nº 1 como extensão nº 2

CENTRAL DE PORTARIA E CENTRAL DE


PORTEIRO ELETRONICO PORTARIA E
abrir o Não abrir abrir o abrir o Não
2 FIOS PORTEIRO jumper jumper abrir o
jumper J1 o jumper
ELETRONICO J1 J1 jumper
J1
2 FIOS J1

OBS.: Não abrir o jumper


J1 da extensão nº 1

Figura 17 - Instalação de um interfone base mais uma extensão. Figura 18 - Instalação de um interfone base mais duas extensões.

Catálogo Residenciais -24-


INTERFONES MODELOS:
PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA

7.5 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO INTERFONE - CÓD. ICAP-IP e ICAP-IP2B


Interfone para central de portaria e porteiro eletrônico coletivo.

7.5.1 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO NA PAREDE


Instale os interfones na parede de acordo com as ilustrações abaixo.

Figura 19 - Retirar com uma chave de Figura 20 - Fixar a base do interfone na Figura 21 - Ligar os fios conforme o Figura 22 - Fechar o interfone.
fenda o parafuso que fixa a tampa na base parede com as buchas e os parafusos que diagrama de ligação.
do interfone. acompanham o produto.

7.5.2 - UTILIZAÇÃO DO JUMPER


Para ligar o ICAP-IP ou ICAP-IP2B Fig. 23 - Jumper Fig. 24 - Jumper J1
como extensão é necessário abrir o jumper J1 fechado aberto com um
(trilha de ligação) da placa de circuito estilete
impresso com um estilete como ilustram as
figuras ao lado.

7.5.3 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO


Só ligar R caso deseje utilizar a segunda fechadura (opcional) Só ligar R caso deseje utilizar a segunda fechadura (opcional)
Somente o modelo ICAP-IP2B quando ligado a FAPA-9. Somente o modelo ICAP-IP2B quando ligado a FAPA-9.
Observar a polaridade dos terminais (-)1 e (+)2. Observar a polaridade dos terminais (-)1 e (+)2.

Interfone ICAP-IP2B Interfone ICAP-IP2B


como extensão nº 1 como extensão nº 2

abrir o não abrir o abrir o não


jumper abrir o jumper jumper abrir o
CENTRAL J1 jumper CENTRAL J1 J1 jumper
DE PORTARIA J1 DE PORTARIA J1
E PORTEIRO E PORTEIRO
ELETRONICO ELETRONICO
2 FIOS 2 FIOS

Interfone ICAP-IP2B Interfone ICAP-IP2B Interfone ICAP-IP2B


como base como base como extensão nº 1

Figura 25 - Instalação de um interfone base mais uma extensão. Figura 26 - Instalação de um interfone base mais duas extensões.

7.6 - INSTALAÇÃO DO INTERFONE NA PAREDE DO APARTAMENTO


Sempre que for possível, o interfone deverá ser instalado de acordo
com a medida da figura ao lado.
1,50m

Figura 27 - Altura do interfone na parede

Catálogo Residenciais -25-


INDICADOR DE TOQUE
NO INTERFONE

7.7 - APRESENTAÇÃO DO INDICADOR DE TOQUE - CÓD. TH-ITI


Fácil, prático e funcional assim é o TH-ITI, desenvolvido para identificar o toque do interfone em ambientes ruidosos (com o
uso de uma campainha ou sirene) ou onde se tenha necessidade de uma visualização do toque do interfone (com o uso de
uma lâmpada).

Durante a chamada do interfone a lâmpada ou a sirene ou a campainha ligada ao TH-ITI é acionada. Projetado para
funcionar com todos os modelos de kits de porteiro eletrônico e porteiro coletivo THEVEAR.

7.7.1 - INSTRUÇOES DE INSTALAÇÃO NOS INTERFONES


A instalação é bem simples, basta seguir os diagramas de ligação abaixo de acordo com os modelos.

ESQUEMA DE LIGAÇÃO PARA OS PORTEIROS CENTRAL DE PORTARIA


ESQUEMA DE NR-24, NR-50, NR-60 NR-85, NR-110 e NR-210 ESQUEMA DE OU PLACA COLETIVA
PLACA DE RUA
LIGAÇÃO PARA LIGAÇÃO PARA OS
OS PORTEIROS PORTEIROS INTERFONE
INTERFONE BASE PLACA DE RUA INTERFONE BASE (ICAP-HO UNIVERSAL)
NR-30, NR-40, COLETIVOS E
NR-510 e NR-810 CENTRAIS
DE PORTARIA
110/220V 110/220V 110/220V

110/220V 110/220V
TH-ITI TH-ITI TH-ITI

110/220V 110/220V 110/220V


LÂMPADA, SIRENE LÂMPADA, SIRENE LÂMPADA, SIRENE
OU CAMPAINHA OU CAMPAINHA OU CAMPAINHA

Figura 28 Figura 29 Figura 30

Catálogo Residenciais -26-


INTERCOMUNICADOR
IPANEMA

8.0 - INTRODUÇÃO AO INTERCOMUNICADOR IPANEMA


O Intercomunicador Ipanema é constituído basicamente de quatro componentes: de um intercomunicador base, de um
intercomunicador extensão, de uma placa de rua e de uma fechadura eletromagnética. Todos esses equipamentos são
vendidos separadamente.

Figura 01 - Intercomunicador Base e extensão Figura 02 - Placa de rua cód. PEAI-110 Figura 03 - Placa de rua cód. PEAI-210

8.1 - TIPO DE INTERCOMUNICADORES


O sistema de intercomunicação Ipanema é constituído de dois tipos de Intercomunicadores, o base e o extensão.
Esteticamente esses dois intercomunicadores são iguais, porém internamente são totalmente diferentes.

8.1.1 - INTERCOMUNICADOR BASE: CÓDIGO IT-IP.BASE


O intercomunicador base fornece a alimentação, o sinal de áudio e a lógica para todo o sistema de comunicação. A
instalação sempre vai utilizar apenas um intercomunicador base, independente do número de pontos.

8.1.2 - INTERCOMUNICADOR EXTENSÃO: CÓDIGO IT-IP.EXT


ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS INTERCOMUNICADORES Internamente o intercomunicador
DIMENSÕES (mm) extensão é mais simples, e como o
PESO
CÓDIGO (g) UTILIZAÇÃO próprio nome já diz é utilizado para a
PROFUN. LARGURA ALTURA
extensão do circuito base. O sistema
Para alimentar o sistema, fornecer o áudio,
IT-IP.BASE 220 83 60 425 de comunicação pode utilizar no
a lógica e acionar fechadura.
máximo 4 extensões.
IT-IP.EXT 220 83 60 251 Fazer a extensão do circuito base.

8.2 - FECHADURA E FECHOS ELETROMAGNÉTICOS


Através do intercomunicador, base ou da extensão é possível acionar uma fechadura (código THF-190D, THF-190E,
THF-V/V ou THF-V/A) ou um fecho (código FEM-DIR, FEM-ESQ,
ESPECIFICAÇÃO DO FIO PARA A INSTALAÇÃO DA FECHADURA TH-FEM-R ou TH-FEM-R/R) eletromagnético de 12 volts, com
COMPRIMENTO ESPECIFICAÇÃO DO FIO DE
um consumo máximo de 1A. Ao instalar a fechadura ou fecho, a
MÁXIMO DO FIO COBRE EM AWG E EM mm 2 THEVEAR aconselha que o instalador siga as instruções da tabela
0 a 20 METROS 20 AWG 0,50 mm
2 abaixo. As instalações que não seguirem as especificações
abaixo poderão ter problemas, ao abrir a fechadura ou fecho. O
21 a 50 METROS 15 AWG 1,50 mm2 acionamento da fechadura ou fecho é feito no botão inferior dos
51 a 100 METROS 10 AWG 2,50 mm2 intercomunicadores.

8.3 - PLACA DE RUA: CÓD. PEAI-110 ou PEAI-210


Painel instalado normalmente na porta de entrada da residência ou estabelecimento comercial. Neste painel, temos um
alto-falante e um microfone de eletreto para o visitante ou cliente comunicar-se com alguém que está no interior da
residência. Para chamar alguém no interior da casa, basta o visitante pressionar o botão da placa de rua.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS PLACAS DE RUA Dependendo como for a instalação o consumidor
DIMENSÕES (mm) pode optar entre dois tipos de placa de rua. O código
PESO
CÓDIGO UTILIZAÇÃO PEAI-110, é adequado para as instalações onde haja a
ALTURA LARGURA PROFUN. (g)
necessidade de se embutir a placa na parede. Quando
PEAI-110 200 135 52 718 DE EMBUTIR não se deseja quebrar a parede, o cliente poderá optar
PEAI-210 170 97 33 317 DE SOBREPOR pelo código PEAI-210 de sobrepor.

Catálogo Residenciais -27-


INTERCOMUNICADOR
IPANEMA
8.4 - CAPACIDADE DO SISTEMA
Podemos instalar no máximo cinco e no mínimo dois Intercomunicadores por instalação.

CAPACIDADE MÁXIMA POR TIPO DE INSTALAÇÃO


NÚMERO DE PONTOS POR INSTALAÇÃO INTERCOMUNICADOR BASE INTERCOMUNICADOR EXTENSÃO
2 1 1
3 1 2
4 1 3
5 1 4

IT-IP.EXT IT-IP.EXT IT-IP.BASE IT-IP.EXT IT-IP.EXT

THF ou FEM

PEAI-110 ou PEAI-210 THF ou FEM

Instalação do
Intercomunicador
PEAI-110 ou PEAI-210 Ipanema com 5 pontos

Figura 04 Figura 05 - Instalação do intercomunicador ipanema com 5 pontos

8.5 - PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO


O intercomunicador Ipanema permite a comunicação de até 5 pontos.
Todos os intercomunicadores possuem teclas numeradas de 1 a 5 para facilitar a identificação dos aparelhos e uma tecla
para acionamento da fechadura. O número 1 deve ser sempre a base.

8.6 - CHAMADA INTERNA


Para chamar um dos intercomunicadores, basta pressionar a tecla correspondente ao número do aparelho desejado.

8.6.1 - CHAMADA EXTERNA


Quando o botão da placa de rua é pressionado, todos os intercomunicadores começam a tocar.
Os aparelhos internos terão um toque de chamada diferente, justamente para diferenciar a chamada interna, da externa
(o toque externo é mais agudo).

OBSERVAÇÕES:
a) Placa de rua fica ligada: se o botão da placa de rua for pressionado e ninguém atender, a placa vai ficar ligada até ser
desligada por algum usuário.
b) Desligar a placa de rua: para desligar o usuário deve retirar e colocar o monofone no gancho ou simplesmente
pressionar e soltar a chave do seu monofone.
c) Sigilo: se a placa estiver ligada e o usuário não souber disso, quem estiver na rua irá ouvir a conversação interna
através da placa de rua, caso algum intercomunicador esteja fora do gancho.

8.6.2 - SINAL DE CHAMADA DURANTE A CONVERSAÇÃO


Toda vez que alguém estiver conversando e o botão da placa de rua for pressionado, vamos escutar um toque de
chamada baixo no monofone. Isso acontece para avisar aos usuários, que existe um visitante na rua. A conversação interna
não será ouvida na placa de rua.

Catálogo Residenciais -28-


INTERCOMUNICADOR
IPANEMA
8.7 - ATENDER CHAMADA DA PLACA DE RUA
Se duas ou mais pessoas estiverem conversando, para atender a placa de rua, deve-se em primeiro lugar, colocar todos
os intercomunicadores no gancho. Em seguida, o visitante deve pressionar novamente a chamada, e um ou mais
intercomunicadores podem atender o visitante.

8.8 - SIGILO DO SISTEMA


a) Intercomunicador: entre os intercomunicadores internos não há sigilo. Se duas pessoas estiverem conversando e
uma terceira tirar o monofone do gancho, podemos ouvir toda a conversa e até falar se desejarmos.
b) Placa de rua: na placa de rua também não há sigilo. Se um visitante, pressionar o botão da placa e dois usuários
estiverem conversando não será possível ouvir o visitante. No entanto, se um intercomunicador for retirado do gancho
para atender a placa e em seguida um outro monofone também for retirado do gancho todos vão ouvir a conversa e
poder falar.

8.9 - PROGRAMAÇÃO
a) INTERCOMUNICADOR EXTENSÃO: para programar a extensão é necessário abrir o intercomunicador e alterar a
posição do jumper (peça plástica conectada sob pressão) no conector CON1 (conector com vários pinos). Para tanto
basta escolhermos uma das seguintes posições do conector CON1: INT-2, INT-3, INT-4 ou INT-5.

Exemplos: POSIÇÃO DO JUMPER


LOCALIZAÇÃO INTERCOMUNICADOR
Se colocarmos o jumper na posição INT-5 NO CONECTOR CON1
programamos o intercomunicador do ponto nº 5 PONTO Nº 2 EXTENSÃO INT-2
para tocar toda vez que alguém pressionar a PONTO Nº 3 EXTENSÃO INT-3
tecla número 5, de um dos intercomunicadores
do sistema. Na tabela ao lado, fornecemos a PONTO N 4 EXTENSÃO INT-4
programação dos intercomunicadores dos PONTO Nº5 EXTENSÃO INT-5
pontos número 2, 3, 4 e 5. A base, não é
necessário programar por que é sempre o ponto CORTANDO O JUMPER NÃO VAI TOCAR O JUMPER Fig. 06
número 1. ABAIXO NA BASE INTERCOMUNICADOR
J1 BASE J1
b) INTERCOMUNICADOR BASE: podemos 1
J2
programar também em qual (ou em quais) J2 DO PONTO Nº 2 J3
2
intercomunicador será acionado o toque J3 DO PONTO Nº 3 J4
J5
de chamada, quando o visitante J4 DO PONTO Nº 4 3
pressionar o botão da placa de rua. J5 DO PONTO Nº5 4

8.10 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO FIO PARA LIGAÇÃO DO INTERCOMUNICADOR


Os intercomunicadores devem ser instalados com cabo CI 40, CI 50 ou CI 60 dependendo da distância:

ESPECIFICAÇÕES DO FIO PARA


ESPECIFICAÇÕES DO FIO PARA A INSTALAÇÃO DA PLACA DE RUA
A INSTALAÇÃO DOS INTERFONES
COMPRIMENTO COMPRIMENTO MÁXIMO ESPECIFICAÇÃO DO FIO DE COBRE EM
TIPO DE CABO
MÁXIMO DO FIO DO FIO AWG E EM mm2
0 a 50 METROS CI-40 0 a 20 METROS 22 AWG 0,30 mm2
51 a 90 METROS CI-50 21 a 50 METROS 20 AWG 0,50 mm2
91 a 150 METROS CI-60 51 a 100 METROS 15 AWG 1,50 mm2

8.11 - AJUSTE DE MICROFONIA


Se o intercomunicador começar a apitar, a instalação está com problema de microfonia. Para solucionar esse problema
basta abrir o intercomunicador base e ajustar o trimpot TP1 até que o apito desapareça.

8.11.1 - VOLUME DA PLACA DE RUA


Para regular o volume do som da placa de rua abra o intercomunicador base e ajuste o trimpot TP2.

8.11.2 - ALIMENTAÇÃO DO INTERCOMUNICADOR


O intercomunicador base pode trabalhar tanto em 110 como em 220 volts. Para selecionar a tensão de acordo com a rede
local, mude a posição da chave seletora localizada no interior do intercomunicador base.

Catálogo Residenciais -29-


INTERCOMUNICADOR
IPANEMA
8.12 - ESQUEMA DE LIGAÇÃO DO INTERCOMUNICADOR IPANEMA
Para instalar corretamente o intercomunicador Ipanema, siga as instruções do esquema a seguir e não esqueça de ligar a
instalação em um terra verdadeiro.

INTERCOMUNICADOR BASE
CÓDIGO: IT-IP.BASE

INT2
INT3
INT4
INT5

INT2
INT3
INT4
INT5

INT2
INT3
INT4
INT5

INT2
INT3
INT4
INT5
INTERCOMUNICADOR INTERCOMUNICADOR INTERCOMUNICADOR INTERCOMUNICADOR
EXTENSÃO EXTENSÃO EXTENSÃO EXTENSÃO
CÓDIGO: IT-IP.EXT CÓDIGO: IT-IP.EXT CÓDIGO: IT-IP.EXT CÓDIGO: IT-IP.EXT
110/220V

PLACA DE
RUA PEAI-110
PT1

FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA AJUSTE DE
12V/1A (OPCIONAL) MICROFONIA

110/220V

SOMENTE LIGAR À REDE


ELÉTRICA QUANDO UTILIZAR
FECHADURA.

INTERCOMUNICADOR EXTENSÃO:
Para programar a extensão é necessário alterar a posição do JUMPER no
conector CON1.
JUMPER
OBSERVAÇÕES:
1- A placa de rua código PEAI-210 não precisa ligar na rede elétrica para abertura
de fechadura.
CON1 2- A placa de rua código PEAI-110 precisa ligar na rede elétrica para abertura de
fechadura.

IMPORTANTE: OS INTERCOMUNICADORES BASE, EXTENSÃO,


INT2

INT3

INT4

INT5

FECHADURA, FECHO E PLACA DE RUA, SÃO VENDIDOS SEPARADAMENTE.


Figura 07

Catálogo Residenciais -30-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.0 - DESCRIÇÃO GERAL


O Vídeo Porteiro de código TH-VPR/6000 possui um novo
design moderno que proporciona a segurança que você procura.
Com uma MINI câmera embutida na placa externa você visualiza o
ambiente através de um monitor interno. Você facilmente identifica
a pessoa que está fora de seu escritório ou de sua residência.

Opcionalmente você pode estar interligando ao sistema um


fecho ou fechadura eletromagnética para controle de acesso
através do(s) monitor(es) pela tecla PORTA.

Pode-se conectar mais uma câmera para visualizar outro


ambiente se desejar, através do circuito comutador de câmeras.

Possibilidade de conexão de até mais 2 monitores extensão ou


2 extensões de áudio. Tudo isso com o mais alto padrão de
qualidade THEVEAR .
Figura 01 - Vídeo Porteiro TH-VPR/6000

9.1 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS


Monitor principal código: TH-MIVP/6000
110/220V Temperatura 2ºC a 45ºC
Tensão de alimentação
(Automático) Umidade relativa do ar 5 a 85%
Frequência da rede 60Hz Dimensões (alt. x larg. x prof.) 220 x 200 x 80mm
Consumo máximo de potência 12W Peso 1.270g (sem suporte)
V-DC interno 18V Sistema de Vídeo PAL (CCIR)
Fusível de proteção 0,5A Contraste, Volume,
Tubo de Imagem 3,5" Flat CRT Chave Liga/Desliga, Abertura
Controle de Serviço de Porta, Intercomunicação,
Resolução (Horizontal) 380 TV line câmera auxiliar e
Frequência (Horizontal) 15,625KHz Visualização do Monitor

Placa externa código: TH-CEVP/6000


Tensão de alimentação 18Vdc (através do monitor)
Lentes MINI CÂMERA CCD P&B
Sensibilidade LUX 0,3 distância 300mm
Temperatura 0ºC a 55ºC
Opcionais Permite conectar botoeira para acionar a fechadura
Dimensões (altura x largura x profundidade) 170 x 95 x 60mm
Peso 315g

9.2 - APRESENTAÇÃO
9.2.1 - PARTES QUE COMPÕEM O VÍDEO PORTEIRO TH-VPR/6000
O sistema é composto MONITOR PRINCIPAL SUPORTE DE PAREDE PARAFUSO PARA
CÓD. TH-MIVP/6000 MONOFONE PARA O MONITOR FIXAR O MONITOR
por uma placa externa, um
NO SUPORTE
monitor, um protetor de
PLACA EXTERNA
chuva para a placa externa, (com câmera) PARAFUSOS PARA
suporte de parede para o CÓD. TH-CEVP/6000 FIXAR A PLACA
monitor, parafusos e buchas NO PROTETOR
diversos.
PARAFUSOS E BUCHAS PARA
FIXAÇÃO DO PROTETOR DA PLACA
E DO SUPORTE DO MONITOR

Figura 02 PROTETOR DA PLACA

Telefonia -04- Catálogo Residenciais -31-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.2.2 - FUNÇÕES DOS MONITORES INTERNOS (BASE E EXTENSÃO)


A) MONOFONE: F) TECLA MONITOR:
Estabelece a comunicação Ativa o monitor sem tirar o B
audível com a placa externa. monofone do gancho. A
G) TECLA PORTA:
B) CRT: Aciona a fechadura eletro-
A imagem do visitante é captada magnética da porta.
pela câmera e aparece na tela E
do CRT. H) CONTROLE DE VOLUME:
Controla o volume da campai- C

nha de chamada em dois níveis. K


C) LED 1 :
A c e n d e q u a n d o c h a m a I) CONTROLE DE CONTRASTE: H
internamente. Ajusta o contraste da imagem. I
J
J) CÂMERAAUXILIAR:
D) LED 2 : Comuta câmera auxiliar.
Acende quando o CRT está D
ATIVADO. K) CHAVE LIGA/DESLIGA:
Liga e desliga o aparelho. L G F

E) TECLA INTERFONE: L) CONECTOR MODULAR:


Ativa e chama as extensões. Entrada para o fone no monitor.
Figura 03

9.2.3 - PARTES QUE COMPÕEM A PLACA EXTERNA E SUAS FUNÇÕES


A) LENTE DA CÂMERA:
Gera sinal de vídeo para monitor.

B) LED INFRAVERMELHO:
Auxilia na captação de imagem na área de pouca iluminação, distância máxima de A

atuação igual a 300mm. B B

B B
C) ALTO-FALANTE:
Reproduz o som vindo do monitor interno.
C
D) TECLA DE CHAMADA:
Ativa o sistema de campainha e o sistema de imagem no monitor.
E D

E) MICROFONE:
Gera sinal de áudio para o monitor.
Figura 04

9.3 - INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

9.3.1 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS FIOS (ENTRE A PLACA E O MONITOR PRINCIPAL)


A distância máxima recomendada entre a placa externa e o monitor é de 100 metros:

! Fio bitola AWG ou 1 mm2 para distâncias de 0 a 50 metros.


! Fio bitola 15 AWG ou 1,5 mm2 para distâncias de 51 a 100 metros.

9.3.2 - DETALHES DO CABO MANGA 4 VIAS COM MALHA

OBS: RECOMENDÁVEL O AMARELO


USO DE CABO MANGA 4 VIAS VERMELHO
COM MALHA, UTILIZANDO PRETO
MALHA PARA REFORÇAR O AZUL
(TERRA) = CA. MALHA
Figura 05

Catálogo Residenciais -32-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.3.3 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS FIOS (ENTRE O MONITOR E AS EXTENSÕES)


A distância máxima recomendada entre monitor principal e extensões é de 60 metros.
Para ligar os terminais VE, PCR, PCE, PCT e (TERRA) utilize:
! Fio bitola 15 AWG ou 1,5 mm2.

9.3.4 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS FIOS (ENTRE PLACA EXTERNA E FECHADURA)


A distância máxima recomendável entre a placa externa e a fechadura é de 40 metros.
! Fio bitola 14 AWG ou 1,6mm2 para distâncias de 0 a 40 metros.

9.3.5 - INSTALAÇÃO E CONEXÃO DOS FIOS

9.3.5.1 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO (PLACA EXTERNA, MONITOR PRINCIPAL e FECHADURA)

PLACA EXTERNA MONITOR PRINCIPAL


CÓD. TH-CEVP/6000 OBS.: Recomendável o uso de cabo manga 4 CÓD. TH-MIVP/6000
vias + coaxial flexível para instalação, seguindo
distribuição de fios abaixo.

110/220V
REDE

CE
CA = (TERRA)
CB
V IN
VÍDEO VE
PCR
TERRA CÂMERA
POSITIVO PCE
AUXILIAR
PCT
(TERRA)
+18V

FECHADURA BOTOEIRA
ELETROMAGNÉTICA (OPCIONAL)
COMUTA
(OPCIONAL) CÂMERA AUXILIAR

Figura 06

OBS: O fecho ou a fechadura deve ser 12V/1A de acordo com as especificações do produto.

9.3.5.2 - INSTALAÇÃO DA PLACA EXTERNA NA PAREDE


ATENÇÃO: Evite instalar a placa externa de maneira que incidam diretamente sobre sua lente luzes fortes ou reflexos
prejudicando a visualização da imagem.

1 Fixe a placa externa em local 2 Coloque os parafusos para fixar o 3 Recoloque a placa externa no
que se obtenha uma correta protetor na caixa 4x2. suporte plástico já fixado na
imagem do visitante. parede e coloque os parafusos.
CAIXA NÃO UTILIZE OS 2 FIOS
4x2 DA CAMPAINHA POIS
QUEIMARÁ O
PORTEIRO
Altura média
1,6m

O PROTETOR DEVE
PROTETOR SER UTILIZADO PARA
DA PLACA PROTEÇÃO CONTRA CHUVA

Figura 07 Figura 08 Figura 09

Catálogo Residenciais -33-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.3.5.3 - INSTALAÇÃO DOS MONITORES INTERNOS (BASE E EXTENSÃO)

1 Fixe o monitor em local adequado, 2 Monte o suporte de fixação na 3 Conecte o cabo de alimentação
a uma altura que permita uma parede e fixe usando os parafusos do monitor na tomada.
perfeita visualização da imagem que acompanham o produto,
gerada no vídeo. atenção na conexão dos fios, e
finalmente fixe o monitor no
suporte.
PARAFUSO
PARA FIXAR
O MONITOR
NO SUPORTE
Centro
da tela do
monitor
CABO DE
ALIMENTAÇÃO
Altura média

110/220V
1,6m

Altura do solo
ao centro do SUPORTE
monitor. DE FIXAÇÃO

Figura 10 Figura 11 Figura 12

9.4 - INSTALANDO OS ACESSÓRIOS

9.4.1 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO PARA MONITORES EXTENSÃO DE VÍDEO

Interligue os fios do monitor base aos conectores do monitor extensão conforme figura abaixo.

PLACA EXTERNA
CÓD. TH-CEVP/6000

MONITOR MONITOR
EXTENSÃO 2 EXTENSÃO 1 MONITOR PRINCIPAL
CÓD. TH-EVP/6000 CÓD. TH-EVP/6000 CÓD. TH-MIVP/6000

REDE REDE REDE

CE
CA = (TERRA)
CB
V IN
VE VE VE
PCR PCR PCR
PCE PCE PCE
PCT PCT PCT
(TERRA) (TERRA) (TERRA)
+18V

Figura 13

Catálogo Residenciais -34-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.4.2 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO PARA EXTENSÃO DE ÁUDIO


Interligue os fios do monitor principal aos terminais da extensão de áudio conforme figura abaixo.

PLACA EXTERNA
EXTENSÃO 2 DE ÁUDIO EXTENSÃO 1 DE ÁUDIO CÓD. TH-CEVP/6000
CÓD. TEAVP/6000 CÓD. TEAVP/6000

MONITOR PRINCIPAL
CÓD.: TH-MIVP/6000

REDE

CE
CA = (TERRA)
CB
V IN
VE
PCR
PCE
PCT
(TERRA)
+18V

Figura 14

9.4.3 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO DO COMUTADOR DE PLACA EXTERNA


O comutador de placa externa foi projetado para ligar 2 placas externas e 2 fechaduras no vídeo porteiro.

Quando o usuário pressiona o botão de chamada de uma das placas externas o comutador seleciona automaticamente a
placa que está chamando o vídeo porteiro. Se o morador retira o monofone do gancho, o comutador seleciona a PLACA A.
Se o morador quiser selecionar a PLACA B, basta pressionar o botão B no comutador. Se ele quiser voltar a observar a
PLACAA, basta apertar o botão A.

110/220V
COMUTADOR PARA REDE
2 PLACAS EXTERNAS
CÓD. TCCVP/6000 110/220V CE
CA = (TERRA)
CB
V IN
VE
PCR
PLACA EXTERNA "A"
CÓD. TH-CEVP/6000 MONITOR PRINCIPAL PCE
CÓD. TH-MIVP/6000 PCT
(TERRA)
+18V
VM VM
FM CA FM CA
CB CB
ÁUDIO GND ÁUDIO
GND

FECHADURA FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA "A" ELETROMAGNÉTICA "B"
(opcional) (opcional)
PLACA EXTERNA "B"
CÓD. TH-CEVP/6000

Figura 15

9.5 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

9.5.1 - CHAMANDO O MONITOR ATRAVÉS DA PLACA EXTERNA


Quando a tecla do placa externa for pressionada, o monitor com o interfone emitirá o toque da campainha interna. Para
atender, basta retirar o fone do gancho. Quem atender o chamado no monitor estará se comunicando com a pessoa da placa
externa e visualizando a mesma pelo monitor.

Catálogo Residenciais -35-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000
Se no sistema possuirmos outros monitores (extensões) ou extensões de áudio, ao ser pressionado o botão de chamada
na placa externa, o toque será ouvido em todos os pontos internos, e a comunicação será realizada com qualquer um dos
pontos que atender primeiro. Mas poderá também existir comunicação de áudio entre todos ao mesmo tempo.

Sistema
de
imagem
ativado
Campainha
interna
LED 2
(Monitoração)
Figura 16 Figura 17 Figura 18

9.5.2 - ABRINDO A FECHADURA


Se o sistema possuir fecho ou fechadura eletromagnética
(opcional), será possível acioná-la com um simples toque na tecla
PORTA, automatizando o controle de acesso. Sistema de
imagem ativado
Para isto, é necessário que o monitor esteja em comunicação
com a placa externa.

LED 2
(Monitoração)

Figura 19

9.6 - INTERCOMUNICAÇÃO ENTRE MONITOR PRINCIPAL, PLACA EXTERNA E EXTENSÕES


Quando houver extensões instaladas, poderá existir comunicação de áudio entre todos ao mesmo tempo.

9.6.1 - CHAMANDO UMA EXTENSÃO


Para chamar um ponto de extensão através do monitor principal
basta pressionar a tecla interfone. Nas extensões será escutado um
toque de chamada. Quem atender primeiro terá a comunicação LED 1
com o monitor principal. (Intercomunicação)

Caso esta função esteja sendo utilizada e alguém pressionar o


botão da campainha, os monitores acenderão e o áudio será aberto
para comunicação com o visitante.

Figura 20

Quando um visitante for atendido em uma extensão, a chamada pode ser transferida para uma segunda extensão
apertando a TECLA INTERFONE, e assim que o atendente for comunicado sobre o visitante, ambos devem colocar o
monofone no gancho. Em seguida o operador da segunda extensão retira o monofone do gancho e estabelece, assim, a
comunicação com o visitante.

Catálogo Residenciais -36-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.7 - COMO ATIVAR A PLACA EXTERNA ATRAVÉS DO MONITOR

9.7.1 - ATIVANDO A PLACA EXTERNA SEM COMUNICAÇÃO


Pressionando a tecla MONITOR, sem tirar o monofone do
gancho, somente o canal de vídeo é ativado, possibilitando o
monitoramento da área sem efeito audível.
Sistema de
imagem ativado

LED 2
(Monitoração)

Figura 21

9.7.2 - MONITORAMENTO COM COMUNICAÇÃO


Ao tirar o fone do gancho, ativará o sistema de VÍDEO e ÁUDIO
da câmera, possibilitando aproveitamento pleno do sistema. Sistema
de imagem
ativado

Sistema de
comunicação
externo ativado
LED 2
(Monitoração)

Figura 22

9.8 - TEMPO DE TRABALHO


Ao acionar a TECLA DE CHAMADA DA CÂMERA, ativará o sistema de imagem e o monitor permanecerá ligado por
aproximadamente 120 segundos.

Ao acionar a TECLA MONITOR, ativará o sistema de imagem e o monitor permanecerá ligado por aproximadamente 120
segundos. Para desativar esta função pressione a TECLA MONITOR novamente.

Ao tirar o fone do gancho, o sistema de imagem será ativado e o monitor permanecerá ligado por aproximadamente 200
segundos. Para desativar esta função, coloque o fone no gancho.

9.9 - GUIA DE SITUAÇÕES


! LED de Intercomunicação: LED 1
! LED de Monitoração: LED 2

SITUAÇÃO DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO

Quando existe intercomunicação entre os monitores. LED 1 só acende quando aperta o botão, não permanece aceso.

Quando o monitor está em funcionamento LED 2 está aceso


Quando existe intercomunicação entre monitores e quando a tecla de
LED 1 já estava aceso, o LED 2 acende, e o sistema de vídeo é ativado.
chamada da câmera é pressionada.
Quando existe intercomunicação entre monitores é acionada a tecla LED 1 já estava aceso, o LED 2 acende, e o sistema de vídeo é ativado por
monitor. 120 segundos
Quando existe comunicação com a câmera é recebida uma ligação LED 2 apaga, o LED 1 acende, e os sistemas de vídeo e áudio da câmera
interna são desativados.
Para interromper a intercomunicação entre monitores e atender a Coloque e Retire o fone do gancho, o LED 2 acende e os sistemas de
chamada da placa externa. vídeo e comunicação externa são ativados.

Catálogo Residenciais -37-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL
CÓDIGO: TH-VPR/6000

9.10 - GUIA DE DEFEITOS

Antes de solicitar a assistência técnica autorizada, verifique o guia de defeitos.

PROBLEMA MOTIVO SOLUÇÃO


O cabo de alimentação não está ligado. Ligue o cabo de alimentação à rede de energia elétrica.
O monitor não funciona.
A chave liga/desliga está na posição desliga. Coloque a chave na posição liga.

A chamada da campainha está baixa. A chave controle de volume está no nível baixo. Coloque a chave na posição de nível alto.

A chave controle de brilho está em posição


Coloque a chave na posição adequada.
inadequada.
A imagem está muito escura ou clara.
A chave controle de contraste está em posição
Coloque a chave na posição adequada.
inadequada.

Sem áudio e retorno no fone. O cabo do fone está mal conectado no monitor. Conecte o cabo do fone no monitor principal corretamente.

O cabo entre a placa externa e o monitor está mal


Sem imagem no monitor e com ruído. Ligue o cabo entre a placa externa e o monitor.
conectado.

O cabo entre a fechadura e o monitor está mal


Não aciona a fechadura. Ligue o cabo entre a fechadura e o monitor.
conectado.

Imagem com fantasma. Instalação com cabo inadequado. Cabo recomendável Coaxial RGC59.

Catálogo Residenciais -38-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.0 - DESCRIÇÃO GERAL


Com um design moderno e inovador, o TH8000 é um sistema de
vídeo porteiro residencial composto do monitor principal (TH8030)
e da placa externa (TH8020).

O sistema permite com facilidade e segurança chamar,


visualizar, comunicar e liberar o acesso através de uma fechadura
eletromagnética.

Figura 01 - Vídeo Porteiro Residencial TH8000

10.1 - CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS


! Até duas placas externas (TH8020), utilizando o comutador de placa externa (acessório opcional);
! Até duas extensões podendo ser de áudio e vídeo (TH8010) ou somente áudio (TH8050);
! Acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas (uma fechadura por placa externa);
! Possibilidade de visualização de uma segunda câmera (opcional).

MONITOR PRINCIPAL CÓDIGO: TH8030 / MONITOR EXTENSÃO CÓDIGO: TH8010


Tensão de alimentação 110/220V (Automático) Sistema de Vídeo PAL (CCIR)
Frequência da rede 60Hz Dimensões 170 x 165 x 85mm
Consumo máximo de potência 12W Peso 860g
V-DC interno 18V Chave Liga/Desliga, Brilho, Câmera
TH8030

Fusível de proteção 1A auxiliar, Intercomunicação,


Visualização do Monitor e Abertura
Tubo de Imagem 3,5" LCD de Porta.
Resolução (Horizontal) 380 TV line Controle de serviço
Chave Liga/Desliga, Brilho,
TH8010

Frequência (Horizontal) 15,625KHz


Contraste, Intercomunicação,
Temperatura 2ºC a 45ºC Visualização do Monitor e Abertura
Umidade relativa do ar 5 a 85% de Porta.

PLACA EXTERNA CÓDIGO: TH8020


Tensão de alimentação 18Vdc (através do monitor) Permite conectar botoeira para acionar a
Opcionais
Câmera Mini câmera CCD COLOR fechadura e uma câmera auxiliar.
Sensibilidade LUX 0,5 distância 300mm Dimensões 170 x 95 x 60mm
Temperatura -10ºC a 50ºC Peso 315g

10.2 - PARTES QUE COMPÕEM O VÍDEO PORTEIRO COLORIDO TH8000


O sistema é composto por uma placa externa, um monitor, um protetor de chuva para a placa externa, parafusos e buchas
diversos.

PLACA EXTERNA PROTETOR DE CHUVA


CÓD. TH8020 PARA A PLACA EXTERNA PARAFUSOS PARA MONITOR
FIXAR A PLACA PRINCIPAL
NO PROTETOR CÓD. TH8030

PARAFUSOS PARA FIXAR A PLACA


E O MONITOR NA CAIXA 4X2

Figura 02

Catálogo Residenciais -39-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.3 - FUNÇÕES DOS MONITORES INTERNOS (BASE E EXTENSÃO)


A) MONOFONE:
Estabelece a comunicação audível com a placa externa.

B) CHAVE LIGA/DESLIGA: C D
Liga e desliga o aparelho.

C) PORTA FUSÍVEL: B
Fusível de proteção.

D) TELA LCD: A E
A imagem do visitante é captada pela câmera da placa externa e aparece na tela de
H
LCD.
F
E) TECLA INTERFONE: I
Ativa e chama as extensões. J
G
F) TECLA MONITOR:
Ativa o monitor sem tirar o monofone do gancho.

G) TECLA PORTA:
Aciona a fechadura eletromagnética da porta.

H) TECLA CONTRASTE: Figura 03


Ajusta o contraste da imagem.

I) CÂMERAAUXILIAR (apenas no monitor principal): J) TECLA BRILHO (somente na extensão de vídeo):


Comuta uma câmera auxiliar. Ajusta o brilho da imagem da extensão.

10.4 - FUNÇÕES DA PLACA EXTERNA


A) LENTE DA CÂMERA:
Capta a imagem.
A
B) LED INFRAVERMELHO:
Auxilia na captação de imagem em situações de pouca iluminação. B B

B B
C) ALTO-FALANTE:
Reproduz o som vindo do monitor.
C

D) TECLA DE CHAMADA:
Ativa o sistema de campainha e o sistema de imagem no monitor.
E D

E) MICROFONE:
Gera sinal de áudio para o monitor.
Figura 04

10.5 - INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

10.5.1 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS FIOS (ENTRE A PLACA E O MONITOR PRINCIPAL)


A distância MÁXIMA recomendada entre a placa externa e o monitor é de 100 metros:
! Fio bitola 20 AWG ou 0,5mm2 para distâncias de 0 a 40 metros.
! Fio bitola 18 AWG ou 1,0mm2 para distâncias de 41 a 60 metros.
! Fio bitola 15 AWG ou 1,5mm2 para distâncias de 61 a 100 metros.

10.5.1.1 - DETALHES DO CABO MANGA 4 VIAS COM MALHA

OBS.: RECOMENDÁVEL O AMARELO


USO DE CABO MANGA 4 VIAS VERMELHO
COM MALHA, UTILIZANDO PRETO
MALHA PARA REFORÇAR O AZUL
(TERRA) = CA. MALHA

Figura 05

Catálogo Residenciais -40-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.5.2 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS FIOS (ENTRE MONITOR PRINCIPAL E AS EXTENSÕES)


A distância MÁXIMA recomendada entre monitor principal e extensões é de 60 metros.
Para ligar os terminais 3, 4, 5, 7, 8 e 9 utilize:
! Fio bitola 14 AWG ou 1,5mm2.

10.5.3 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS FIOS (ENTRE PLACA EXTERNA E FECHADURA)


A distância MÁXIMA recomendada entre a placa externa e a fechadura é de 40 metros.
! Fio bitola 14 AWG ou 1,5mm2 para distâncias de 0 a 40 metros.

10.5.4 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO (PLACA EXTERNA, MONITOR PRINCIPAL E FECHADURA)

PLACA EXTERNA OBS. Recomendável o uso de cabo manga 110/220V


CÓD. TH8020 4 vias + coaxial flexível para instalação,
seguindo distribuição de fios abaixo.

1
2
3
4
5
6
VÍDEO
7

TERRA CÂMERA
8

POSITIVO AUXILIAR
9

MONITOR PRINCIPAL
CÓD. TH8030
FECHADURA BOTOEIRA
ELETROMAGNÉTICA (opcional)
COMUTA
(opcional)
CÂMERA AUXILIAR

Figura 06

OBS. O fecho ou a fechadura deve ser 12V/1A de acordo com as especificações do produto.

10.5.5 - INSTALANDO A PLACA EXTERNA NA PAREDE


ATENÇÃO: Evite instalar a placa externa de maneira que incidam diretamente sobre sua lente luzes fortes ou reflexos
prejudicando a visualização da imagem.

1 Fixe a placa externa em local 2 Coloque os parafusos para fixar o 3 Recoloque a placa externa no
que se obtenha uma correta protetor na caixa 4x2. suporte plástico já fixado na
imagem do visitante. parede e coloque os parafusos.
CAIXA NÃO UTILIZE OS 2 FIOS
4x2 DA CAMPAINHA POIS
QUEIMARÁ A
PLACA
Altura média
1,6m

O PROTETOR DEVE
PROTETOR DA SER UTILIZADO PARA
PLACA EXTERNA PROTEÇÃO CONTRA CHUVA

Figura 07 Figura 08 Figura 09

Catálogo Residenciais -41-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.5.6 - INSTALANDO OS MONITORES NA PAREDE (BASE E EXTENSÃO)


1 Fixe o monitor em local adequa- 2 Coloque os parafusos na caixa 4x2 3 Encaixe o monitor nos parafusos
do, a uma altura que permita para fixar o monitor interno. da caixa 4x2 e conecte o cabo de
uma perfeita visualização da alimentação na tomada.
CAIXA 4x2
imagem gerada no vídeo.

Centro
da tela do
monitor
Altura média
1,6m

Altura do
solo ao
centro do
monitor.

Figura 10 Figura 11 Figura 12

10.5.7 - INSTALANDO OS ACESSÓRIOS


10.5.7.1 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO PARA MONITORES EXTENSÃO DE VÍDEO
Interligue os fios do monitor EXTENSÃO 2 EXTENSÃO 1
principal aos conectores do ÁUDIO/VÍDEO ÁUDIO/VÍDEO PLACA EXTERNA MONITOR PRINCIPAL
CÓD. TH8010 (opcional) CÓD. TH8010 (opcional) CÓD. TH8020 CÓD. TH8030
monitor extensão.

Figura 13

10.5.7.2 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO PARA EXTENSÃO DE ÁUDIO


Interligue os fios do monitor
principal aos terminais da EXTENSÃO 2 DE ÁUDIO EXTENSÃO 1 DE ÁUDIO
extensão de áudio. CÓD. TH8050 (opcional) CÓD. TH8050 (opcional)

PLACA EXTERNA
CÓD. TH8020

Para ligar os terminais 18V, PCR,


A.FM, PCT, PCE e GND utilize fio:

! Bitola15 AWG ou 1,5mm² para


distância de 0 a 60 metros.
! A distância MÁXIMA recomendada MONITOR PRINCIPAL
entre monitor interno e extensões é CÓD. TH8030
Figura 14 de 60 metros.

Catálogo Residenciais -42-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.5.7.3 - DIAGRAMA DE LIGAÇÃO DO COMUTADOR DE PLACA EXTERNA


O comutador de placa externa foi projetado para ligar 2 placas externas e 2 fechaduras no vídeo porteiro. Quando o usuário
pressiona o botão de chamada de uma das placas externas o comutador seleciona automaticamente a placa que está
chamando o vídeo porteiro. Se o morador retira o monofone do gancho, o comutador seleciona a PLACA A. Se o morador
quiser selecionar a PLACA B, basta pressionar o botão B no comutador. Se ele quiser voltar a observar a PLACA A, basta
apertar o botão A.
MONITOR PRINCIPAL
COMUTADOR PARA CÓD. TH8030
2 PLACAS EXTERNAS
CÓD. TH8040 110/220V
110/220V

PLACA EXTERNA "A"


CÓD. TH8020

VM VM
FECHADURA
FM CA FM CA ELETROMAGNÉTICA "B"
CB CB
ÁUDIO GND ÁUDIO
(opcional)
GND

FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA "A"
(opcional)
PLACA EXTERNA "B"
CÓD. TH8020

Figura 15

10.6 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO


10.6.1 - CHAMANDO O MONITOR ATRAVÉS DA PLACA EXTERNA
Quando a tecla de
chamada da placa externa
for pressionada, o monitor
interno emitirá o toque da
campainha e abrirá a
imagem. Para atender,
basta retirar o fone do
gancho. Quem atender o
chamado no monitor estará
se comunicando com a
pessoa da placa externa.

Figura 16 Figura 17 Figura 18

Se no sistema for instalado monitores extensões ou extensões de áudio, ao ser pressionado o botão de chamada na placa
externa, o toque será ouvido em todos os pontos internos, e a comunicação será realizada com qualquer um dos pontos que
atender primeiro. Mas poderá também existir comunicação de áudio entre todos ao mesmo tempo.

10.6.2 - ABRINDO A FECHADURA


Se o sistema possuir fecho ou fechadura eletromagnética
(opcional), será possível acioná-la com um simples toque na TECLA
PORTA, automatizando o controle de acesso. Sistema
de
Para isto, é necessário que o monitor esteja em comunicação com a imagem
placa externa. ativado

Figura 19

Catálogo Residenciais -43-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.6.3 - CHAMANDO UMA EXTENSÃO


Quando houver extensões instaladas, poderá existir comunicação de
áudio entre todos ao mesmo tempo.
Para chamar uma extensão através do monitor principal basta pressionar
a TECLA INTERFONE. Nas extensões será escutado um toque de chamada.
Quem atender primeiro terá a comunicação com o monitor principal.
Caso esta função esteja sendo utilizada e alguém pressionar o botão da
campainha, os monitores acenderão e o áudio será aberto para
comunicação com o visitante. Quando um visitante for atendido em uma
extensão, a chamada pode ser transferida para uma segunda extensão
apertando a TECLA INTERFONE, e assim que o atendente for comunicado
sobre o visitante, ambos devem colocar o monofone no gancho. Em seguida
o operador da segunda extensão retira o monofone do gancho e estabelece,
assim, a comunicação com o visitante.

10.6.4 - ATIVANDO A PLACA EXTERNA SEM COMUNICAÇÃO


Pressionando a TECLA MONITOR, sem tirar o monofone
do gancho, somente o canal de vídeo é ativado,
possibilitando o monitoramento da área sem efeito audível.

Sistema de
imagem
ativado

Figura 21

10.6.5 - MONITORAMENTO COM COMUNICAÇÃO


Ao tirar o fone do gancho, ativará o sistema de VÍDEO e
ÁUDIO da placa externa possibilitando aproveitamento
pleno do sistema.

Sistema
Sistema de
de imagem
comunicação ativado
externo
Figura 22 ativado

10.6.6 - ATIVANDO A CÂMERA AUXILIAR (OPCIONAL)


Se no sistema possuirmos câmera auxiliar, ao ser Sistema da
pressionado o botão de comutação da câmera a imagem câmera auxiliar
será comutada. Para retornar a imagem da câmera principal,
basta soltar o botão.

Pressione
o botão

Figura 23

Catálogo Residenciais -44-


VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL COLOR
CÓDIGO: TH8000

10.7 - TEMPO DE TRABALHO


Ao acionar a TECLA DE CHAMADA da placa externa, ativará o sistema de imagem e o monitor permanecerá ligado por
aproximadamente 20 segundos. Pressionando a TECLA MONITOR, ativará o sistema de imagem e o monitor permanecerá
ligado. Para desligar, basta soltar a TECLA MONITOR.

Tirando o fone do gancho, o sistema de imagem será ativado e o monitor permanecerá ligado. Para desativar esta função,
coloque o fone no gancho.

10.8 - GUIA DE DEFEITOS


Antes de solicitar a assistência técnica autorizada, verifique o guia de defeitos.

PROBLEMA MOTIVO SOLUÇÃO


O cabo de alimentação não está ligado. Ligue o cabo de alimentação à rede de energia elétrica.
O monitor não funciona.
A chave liga/desliga está na posição desliga. Coloque a chave na posição liga.

A chave controle de brilho está em posição


A imagem está muito escura ou clara. Coloque a chave na posição adequada.
inadequada.

Sem áudio e retorno no fone. O cabo do fone está mal conectado no monitor. Conecte o cabo do fone no monitor principal corretamente.

O cabo entre a placa externa e o monitor está mal


Sem imagem no monitor e com ruído. Ligue o cabo entre a placa externa e o monitor.
conectado.

O cabo entre a fechadura e a placa está mal


Não aciona a fechadura. Ligue o cabo entre a fechadura e a placa.
conectado.

Imagem com fantasma. Instalação com cabo inadequado. Cabo recomendável manga 4 vias + coaxial flexível.

Catálogo Residenciais -45-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.0 - INTRODUÇÃO AO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL


O porteiro coletivo digital (modelo FACILITY) foi projetado com
PLACA DE RUA um grande número de facilidades destinadas a comunicação em
apartamentos e condomínios. É um equipamento de fácil instalação
e manutenção devido às suas características técnicas.

PRINCIPAIS CARACTERISTICAS
! Comunicação direta com até 90 apartamentos (TH-CPCD-90)
CENTRAL utilizando o ICAP-PL ou ICAP-HO UNIVERSAL;
! Comunicação com até duas placas de rua com um único enlace
de comunicação para as 2 placas;
! Numeração dos apartamentos flexível (até 6 dígitos);
! Abertura da fechadura através do botão no interfone;
! Abertura de fechadura via senha na placa de rua (senha
individual por apartamento);
! Sigilo na comunicação com a placa de rua;
! Indicação sonora de apartamento sendo chamado ou ocupado.
Figura 01

11.1 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS


Tensão de alimentação 110/220V
Consumo máximo de potência 7W
Bateria (Não inclusa) 2x 12V (7AH)
Tempo de funcionamento com bateria especificada aproximadamente 10 horas (se bateria totalmente carregada)
Manutenção da carga da bateria carregador flutuante de 50mA
Distância 445m 302m 183m
5W 50W

Resistência máxima entre central e interfone Especif. do Fio CI-60 CI-50 CI-40
Resistência máxima por fio entre central e Distância 73m 51m 32m
placa de rua Especif. do Fio CI-60 CI-50 CI-40

Profun. Largura DIMENSÕES DA PLACA DE RUA


PROFUN. LARGURA ALTURA PESO
LA
RG
CÓDIGO (mm) (mm) (mm) (g)
UR
A TH-PCD 62 108 188 350
TH-PBCD 62 108 188 350
Altura
Altura
PROF.

DIMENSÕES DA CENTRAL
PROFUN. LARGURA ALTURA PESO
RA CÓDIGO (mm) (mm) (mm) (g)
TU
AL

TH-CPCD-90 80 305 230 900

Figura 02 - Dimensões da central FACILITY Figura 03 - Dimensões da placa de rua

11.2 - VANTAGENS DO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL


Uma das várias vantagens deste produto é a redução do número de fios na instalação. Segue abaixo a tabela comparativa
com a quantidade de fios.
NÚMERO DE NÚMERO DE FIOS PARA OS NÚMERO DE FIOS PARA OS
RAMAIS INTERFONES SE UTILIZADA A FAPA INTERFONES SE UTILIZADA A TH-CPCD
10 11 11 (A1 a A10 e G1)
20 21 12 (A1 a A10 e G1 a G2)
30 31 13 (A1 a A10 e G1 a G3)
40 41 14 (A1 a A10 e G1 a G4)
50 51 15 (A1 a A10 e G1 a G5)
60 61 16 (A1 a A10 e G1 a G6)
70 71 17 (A1 a A10 e G1 a G7)
80 81 18 (A1 a A10 e G1 a G8)
90 91 19 (A1 a A10 e G1 a G9)

Catálogo Residenciais -46-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.3 - INSTRUÇÃO DE INSTALAÇÃO


11.3.1 - COMO ABRIR A PLACA DO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL

PAREDE PAREDE

Depois puxe
a placa
para baixo

Retire os
parafusos

Puxe a placa
para frente

Figura 04 Figura 05 Figura 06

11.3.2 - COMO ABRIR A CENTRAL DO PORTEIRO COLETIVO DIGITAL


ATENÇÃO: SEMPRE QUE POSSÍVEL, INSTALE A CENTRAL EM UM LOCAL QUE ATENDA AS INSTRUÇÕES
ABAIXO RELACIONADAS:

! Não receba a luz solar diretamente.


! Fique afastada de equipamentos que gerem interferência de R.F. (Ex: PX, PY, etc...).
! Evite locais de pouca ou nenhuma ventilação.
! Evite locais muito úmidos ou que permitam vibrações.

ENCAIXE DE FURO 1
fig. (b)
FIXAÇÃO

0,5 cm

fig. (a)
Figura 09 - Perfure,
encaixe a bucha e
Figura 07 - Coloque a central numa superfície plana, abra a tampa Figura 08 - Marque o local escolhido coloque o parafuso do Figura 10 - Encaixe
inferior pressionando as laterais para baixo (fig. a) e empurrando-a furo 1 deixando 0,5 cm a central no
para fora (fig.b). do parafuso para fora parafuso do furo 1

PARAFUSO DO FURO 1

FURO 2 FURO 3

X X

FURO 2 FURO 3

Figura 11 - Alinhe e marque o lugar dos furos 2 e 3 Figura 12 - Após retirar a central, fure e coloque as Figura 13 - Recoloque a central no parafuso do furo 1, e
buchas nos furos 2 e 3 aperte os parafusos dos furos 2 e 3

Catálogo Residenciais -47-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.3.3 - CONEXÃO DOS FIOS


Para a conexão dos fios:
Com a ponta do fio descascada.

Pressione o terminal Insira o fio no terminal Solte o terminal


TI para baixo

Terminal TI

Figura 14 Figura 15 Figura 16

ATENÇÃO:
! Não passe os fios junto ou próximo à rede elétrica e/ou cabo e antenas de TV.
! O terminal TERRA do equipamento deve estar conectado ao terra da instalação elétrica, conforme a norma vigente,
consulte a empresa fornecedora de energia da sua região para atender corretamente às normas.

11.4 - CONEXÃO DA PLACA 1 À CENTRAL

11.4.1 - FIOS DO TECLADO DA PLACA 1


Conectar os pontos L1,L2,L3 e L4 da central à L1, L2, L3 e L4 da placa 1.
Conectar os pontos N1, N2 e N3 da central à N1, N2 e N3 da placa 1.

PLACA 1
CÓD. TH-PCD
OU TH-PBCD

CENTRAL CÓD.
TH-CPCD-90

Figura 17

OBS: A ligação incorreta destes pontos causará funcionamento indevido do produto, isto é, o teclado não funcionará
corretamente.

11.4.2 - FIOS DE ALIMENTAÇÃO DA PLACA 1


Conectar o ponto GPL1 da central ao ponto GPL da placa 1.
Conectar o ponto 24V da central ao ponto 24V da placa 1.

PLACA 1
CÓD. TH-PCD
OU TH-PBCD

CENTRAL CÓD.
TH-CPCD-90
Figura 18

Catálogo Residenciais -48-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.4.3 - FIO DO ÁUDIO DA PLACA 1


Conectar o ponto PL da central à PL da placa 1.

PLACA 1
CÓD. TH-PCD OU TH-PBCD

CENTRAL CÓD.
TH-CPCD-90

Figura 19

11.4.4 - FIO DE ACIONAMENTO DA FECHADURA DA PLACA 1


Conectar o ponto FC1 da central à FC da placa 1.

Conectar o ponto FECH e GFECH da placa 1 em uma fechadura eletromagnética ou fecho.

FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA
(OPCIONAL)
PLACA 1
CÓD. TH-PCD OU
TH-PBCD
CENTRAL CÓD.
TH-CPCD-90

Figura 20

11.4.5 - INTERLIGANDO UMA BOTOEIRA À PLACA 1


Conectar o ponto GFECH da placa 1 ao GND da central.

Conectar a botoeira entre os pontos 24V e FC da placa 1 (o jumper J1 da placa 1 deve ser aberto).

PLACA 1
CÓD. TH-PCD OU FECHADURA
TH-PBCD ELETROMAGNÉTICA
ABERTO FECHADO (OPCIONAL)
BOTOEIRA
(OPCIONAL) CENTRAL CÓD. TH-CPCD-90
Figura 21

IMPORTANTE: SE O JUMPER J1 NÃO FOR RETIRADO A PLACA NÃO DESLIGARÁ.

Catálogo Residenciais -49-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.5 - CONEXÃO DA PLACA 2 À CENTRAL

11.5.1 - FIOS DO TECLADO DA PLACA 2


Conectar os pontos L1,L2,L3 e L4 da central à L1, L2, L3 e L4 da placa 2.
Conectar os pontos N4, N5 e N6 da central à N1, N2 e N3 da placa 2.

PLACA 2
CÓD. TH-PCD
OU TH-PBCD

CENTRAL CÓD.
TH-CPCD-90

PLACA 1
CÓD. TH-PCD
OU TH-PBCD

Figura 22

OBS: A ligação incorreta destes pontos causará funcionamento indevido do produto, isto é, o teclado não funcionará
corretamente.

11.5.2 - FIOS DE ALIMENTAÇÃO DA PLACA 2


Conectar o ponto GPL2 da central ao ponto GPL da placa 2.
Conectar o ponto 24V da central ao ponto 24V da placa 2.

PLACA 1
MOD: TH-PCD
PLACA 2 OU TH-PBCD
CÓD. TH-PCD OU TH-PBCD
CENTRAL MOD: TH-CPCD-90

Figura 23

11.5.3 - FIO DO ÁUDIO DA PLACA 2


Conectar o ponto PL da placa 2 à PL na central

PLACA 1
CÓD. TH-PCD
OU TH-PBCD
PLACA 2
MOD: TH-PCD OU TH-PBCD CENTRAL CÓD. TH-CPCD-90
Figura 24

Catálogo Residenciais -50-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.5.4 - FIO DE ACIONAMENTO DA FECHADURA DA PLACA 2


Conectar o ponto FC2 da central à FC da placa 2.
Conectar o ponto FECH e GFECH da placa 2 em uma fechadura eletromagnética ou fecho.

FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA
(OPCIONAL)
PLACA 2
CÓD. TH-PCD OU
TH-PBCD
CENTRAL CÓD.
TH-CPCD-90

Figura 25

11.5.5 - INTERLIGANDO UMA BOTOEIRA À PLACA 2


Conectar o ponto GFECH da placa 2 ao GND da central.
Conectar a botoeira entre os pontos 24V e FC da placa 2 (o jumper J1 da placa 2 deve ser aberto).

PLACA 2
CÓD. TH-PCD OU FECHADURA
TH-PBCD ELETROMAGNÉTICA
ABERTO FECHADO (OPCIONAL)
BOTOEIRA
(OPCIONAL) CENTRAL CÓD. TH-CPCD-90
Figura 26

IMPORTANTE: SE O JUMPER J1 NÃO FOR RETIRADO A PLACA NÃO DESLIGARÁ.

11.6 - CONECTANDO OS FIOS DAS BATERIAS NA CENTRAL


OBS: A central possui um sistema para manter a carga da bateria (carga lenta de 50mA).

BATERIA 1 BATERIA 2
(12V) (12V)

CENTRAL CÓD. TH-CPCD-90

Figura 27

Catálogo Residenciais -51-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.7 - CONEXÃO DOS FIOS DOS INTERFONES NA CENTRAL

A idéia básica é montar grupos de 10 interfones, este 1º grupo de interfones terá um fio comum que será conectado ao
borne "G1", (parafuso "2" do interfone ICAP), o outro parafuso de cada interfone levará um fio para os bornes de A1 à A10,
fechado o 1º grupo de 10 interfones.

O 2º grupo de 10 interfones terá um fio comum que será conectado ao borne "G2", (parafuso "2" do interfone ICAP), o
outro parafuso de cada interfone levará um fio para os mesmos bornes A1 à A10, como no 1º grupo.

E assim até o 9º grupo de 10 interfones, chegando ao limite de 90 interfones.

Os fios devem ser ligados de acordo com a sua posição física descrita na tabela abaixo:

RAMAL CONECTAR
ENTRE RAMAL CONECTAR
ENTRE RAMAL CONECTAR
ENTRE RAMAL CONECTAR
ENTRE RAMAL CONECTAR
ENTRE
1 A1 e G1 19 A9 e G2 37 A7 e G4 55 A5 e G6 73 A3 e G8
2 A2 e G1 20 A10 e G2 38 A8 e G4 56 A6 e G6 74 A4 e G8
3 A3 e G1 21 A1 e G3 39 A9 e G4 57 A7 e G6 75 A5 e G8
4 A4 e G1 22 A2 e G3 40 A10 e G4 58 A8 e G6 76 A6 e G8
5 A5 e G1 23 A3 e G3 41 A1 e G5 59 A9 e G6 77 A7 e G8
6 A6 e G1 24 A4 e G3 42 A2 e G5 60 A10 e G6 78 A8 e G8
7 A7 e G1 25 A5 e G3 43 A3 e G5 61 A1 e G7 79 A9 e G8
8 A8 e G1 26 A6 e G3 44 A4 e G5 62 A2 e G7 80 A10 e G8
9 A9 e G1 27 A7 e G3 45 A5 e G5 63 A3 e G7 81 A1 e G9
10 A10 e G1 28 A8 e G3 46 A6 e G5 64 A4 e G7 82 A2 e G9
11 A1 e G2 29 A9 e G3 47 A7 e G5 65 A5 e G7 83 A3 e G9
12 A2 e G2 30 A10 e G3 48 A8 e G5 66 A6 e G7 84 A4 e G9
13 A3 e G2 31 A1 e G4 49 A9 e G5 67 A7 e G7 85 A5 e G9
14 A4 e G2 32 A2 e G4 50 A10 e G5 68 A8 e G7 86 A6 e G9
15 A5 e G2 33 A3 e G4 51 A1 e G6 69 A9 e G7 87 A7 e G9
16 A6 e G2 34 A4 e G4 52 A2 e G6 70 A10 e G7 88 A8 e G9
17 A7 e G2 35 A5 e G4 53 A3 e G6 71 A1 e G8 89 A9 e G9
18 A8 e G2 36 A6 e G4 54 A4 e G6 72 A2 e G8 90 A10 e G9

11.7.1 - CONFIGURANDO O INTERFONE ICAP-PL OU ICAP-HO UNIVERSAL PARA O FACILITY

Este equipamento sai de fábrica configurado CÓDIGOS JUMPERS ABERTO FECHADO


para ser utilizado como o ICAP-PL ou ICAP-HO
(jumpers J1 e J3 fechados), mas pode ser modificado ICAP-PL e ICAP-HO J1 e J3 fechados
para outros usos, basta seguir as tabelas ao lado: PORTEIRO COLETIVO
J1 e J2 fechados
DIGITAL FACILITY

INDICAÇÃO DOS JUMPERS PARA O ICAP-HO INDICAÇÃO DOS JUMPERS PARA O ICAP-PL
ICAP-PL e ICAP-HO Porteiro Coletivo Digital ICAP-PL e ICAP-HO Porteiro Coletivo Digital
FACILITY FACILITY

Figura 28 Figura 29

OBS: O jumper J1 só é aberto quando se liga o ICAP-PL ou ICAP-HO com uma ou mais extensões.

Catálogo Residenciais -52-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.7.2 - CONECTANDO OS FIOS DO INTERFONE À CENTRAL


Ao utilizar este interfone junto ao FACILITY, além de configurar os jumpers é necessário respeitar a “polaridade”, isto é, os
pontos “G” (bornes verdes G1 ao G9) da central devem ser conectados aos pontos "G(2)" do interfone e os pontos “A” (bornes
brancos A1 ao A10) da central devem ser conectados junto aos pontos "A(1)" dos interfones.

RAMAL 88 RAMAL 58 RAMAL 28

G9 G6 G3

A8 A8 A8

RAMAL 1 RAMAL 4 RAMAL 8

A1 A4 A8

G1
G1 G1

Figura 30

ATENÇÃO: NESTE EXEMPLO A NUMERAÇÃO JÁ FOI MODIFICADA (VER ITEM 11.10.2).

APTO. APTO. APTO. APTO.


37 38 39 40
10º ANDAR
A10

APTO. APTO. APTO. APTO.


5 6 7 8

A2
2º ANDAR

APTO. APTO. APTO. APTO.


1 2 3 4

A1
1º ANDAR
"G1" "G2" "G3" "G4"

Figura 31

11.7.3- TESTE DOS INTERFONES E DA FIAÇÃO PARA O FACILITY


Após ligar todos os interfones e com a central desligada da energia, é interessante fazer algumas medições.

11.7.4- TESTE DOS INTERFONES COM A FIAÇÃO


Estas medições garantem que:
! não existe nenhum interfone ICAP-HO antigo sem modificação
! não existe nenhum ICAP-PL ou ICAP-HO UNIVERSAL com jumper errado
! não existe nenhum interfone invertido
! não existe nenhum interfone com falha na conexão dos fios.

MATERIAL NECESSÁRIO PARA O TESTE:


Multímetro analógico (no caso de multímetro digital leia a observação abaixo).

OBS: Se utilizado multímetro digital é necessário fazer todas as medições com as pontas invertidas.

Catálogo Residenciais -53-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY
Procedimento do teste:
Coloque o multímetro na escala de resistência para efetuar uma medição com valores de até 170KW, e siga os passos
descritos abaixo:

1º - Na central TH-CPCD, desconectar fio A1;


2º - Colocar a ponta positiva do multímetro em A1;
3º - Colocar a ponta negativa em G1;
4º - Meça a resistência (deve estar entre 35 e 170KW);
5º - Repita este procedimento entre A1 e todos os pontos “G” que possuam interfones;
6º - Reconecte o fio A1 na central.

Repita os procedimentos acima para todos os pontos “A” que possuam interfones ligados.

IMPORTANTE: CASO O VALOR MEDIDO NÃO SEJA O MESMO QUE O ESPECIFICADO ACIMA, VERIFIQUE A
TABELAABAIXO:

RESISTÊNCIA MOTIVOS PROBLEMA


Resistência baixa (de ICAP-HO sem o diodo da modificação ou ICAP-HO ou ICAP-PL com o Ocasiona o vazamento do
aproximadamente 60W). jumper errado (possivelmente J3 está fechado e deveria estar aberto). toque para vários ramais.

O interfone não está conectado, ou é um ICAP-HO sem modificação, ou um Chama uma única vez na
Resistência alta. ICAP-HO ou ICAP-PL com os jumpers errados (somente J2 e J1 devem placa e acende o LED
estar fechados) ou estão invertidos os pontos A e G no interfone testado. OCUPADO.

11.7.5- TESTE DA FIAÇÃO PARA ACIONAR A FECHADURA


Sempre que a resistência do fio entre a central e interfones é superior à especificada (50W), e se tenta acionar a fechadura
ocorre em seu lugar a perda da comunicação.

MATERIAL NECESSÁRIO PARA O TESTE:


Multímetro analógico ou digital.

PROCEDIMENTO DO TESTE:
1º - Identifique o interfone que possua a maior metragem de fio;
2º - Desligue os seus pontos A e G da central;
3º - Pressione o botão da fechadura no interfone ou coloque um curto nos fios próximo ao interfone;
4º - Com o botão pressionado meça a resistência do fio próximo à central. Esta resistência tem que ser inferior a 50W.

11.8 - ALIMENTAÇÃO DA CENTRAL (110/220V)


Verifique a tensão nominal da rede local
antes da conexão do cabo de alimentação.

A seleção da tensão da rede é feita na REDE REDE


ELÉTRICA ELÉTRICA
central através da colocação do fio na posição
correta. Com a central desligada fixe o primeiro
fio de rede na posição 110/220V, conforme a
tensão de rede da instalação.
ESQUEMA PARA ESQUEMA PARA
LIGAÇÃO EM 110V LIGAÇÃO EM 220V

Figura 32 Figura 33

11.8.1 - CONEXÃO DO FIO DE ATERRAMENTO


A central FACILITY possui componentes de
proteção contra possíveis danos de
sobretensão e sobrecorrente. Para que o
sistema de proteção atue corretamente, a
central deve estar devidamente conectada ao
terra da instalação elétrica, conforme a norma
vigente, consulte a empresa da sua região para REDE
ELÉTRICA
atender corretamente às normas.
Figura 34

Catálogo Residenciais -54-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.9 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO


11.9.1 - PLACA CHAMANDO APARTAMENTO
Pressione a tecla + o número do apartamento, em seguida será escutado na placa o sinal de chamada, e o toque no
interfone. Retirando o interfone do gancho a chamada será atendida. O tempo máximo de comunicação é de 1 minuto.

IMPORTANTE: SE EXISTIR DUAS PLACAS LIGADAS AO SISTEMA, ENQUANTO UMA ESTIVER COMUNICANDO, A
OUTRA FICA INOPERANTE, E OS LED "OCUPADO" DAS DUAS PLACAS FICAM ACESOS.

11.9.2 - ACIONANDO A FECHADURA ATRAVÉS DE SENHA NA PLACA


Esta operação só é possível se existirem senhas habilitadas, verificar o item “INSERINDO SENHAS PARA ABERTURA
DE FECHADURAS”

Digitar a tecla + 0 + número do apartamento + PORT. + senha (4 dígitos)

IMPORTANTE: SEMPRE QUE UMA SENHA INVÁLIDA FOR DIGITADA, A PLACA RETORNA SINAL DE OCUPADO.

11.9.3 - ACIONANDO A FECHADURA ATRAVÉS DO INTERFONE


Estando em comunicação com a placa, pressione o botão de fechadura do interfone.

11.9.4 - LED´s DE ILUMINAÇÃO NOTURNA


O LED é ligado automaticamente assim que a placa se comunica com o interfone chamado por ela. Caso exista duas
placas conectadas à central (TH-CPCD-90), apenas a que estiver se comunicando estará com a iluminação acesa.
Assim que a comunicação for concluída os LED´s se apagam automaticamente.

11.10 - INSTRUÇÕES DE PROGRAMAÇÃO


A central sai de fábrica pré-programada, se houver necessidade é possível alterar esta programação, para isto, é
necessário entrar no modo de programação.

11.10.1 - ENTRANDO NO MODO DE PROGRAMAÇÃO


Pressione a chave CONFIG uma vez para entrar no modo de programação e
pressione esta chave novamente para sair (ver figura ao lado).
CHAVE CONFIG

Figura 35

11.10.2 - ALTERANDO O NÚMERO DO APARTAMENTO


Na pré-programação de fábrica o número do apartamento é igual ao número do ramal, mas é possível modificá-lo, para isto:

Estando no modo de programação, digite 1 + número do ramal + PORT. + número do apartamento + PORT. .

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita

OBS: Quando existir mais do que um bloco, é necessário usar a placa TH-PBCD e na programação colocar o número do
apartamento como número do bloco mais o número do apartamento.

11.10.3 - RETORNANDO TODOS OS APARTAMENTOS À NUMERAÇÃO DE FÁBRICA


Todos os apartamentos retornam à numeração de fábrica, isto é, o número do ramal passa a ser igual ao número do
apartamento.
Estando no modo de programação, digite 2.

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita

Catálogo Residenciais -55-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: FACILITY

11.10.4 - INSERINDO SENHAS PARA ABERTURA DE FECHADURA


Na pré-programação de fábrica, nenhuma senha está habilitada, para habilitá-la:

Estando no modo de programação, digite 3 + número do ramal + PORT. + senha (4 dígitos).

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita

11.10.5 - APAGANDO A SENHA DE ABERTURA DE FECHADURA DE UM RAMAL ESPECÍFICO


É possível apagar uma senha específica sem alterar a dos outros ramais, para isto:

Estando no modo de programação, digite 4 + número do ramal + PORT.

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita

11.10.6 - APAGANDO TODAS AS SENHAS DE ABERTURA DE FECHADURA


Desabilita o acionamento de fechadura via senha de qualquer ramal, para isto:
Estando no modo de programação, digite 5.

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita

11.10.7 - INSERINDO O NÚMERO DA PORTARIA


Na pré-programação de fábrica não existe nenhum ramal habilitado como portaria, para habilitá-lo:
Estando no modo de programação, digite 6 + número do apartamento (até 6 dígitos).

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita

11.11 - GUIA DE DEFEITOS

PROBLEMA MOTIVO SOLUÇÃO


Fechadura disparando. Curto na fiação. Verificar fiação.
Ao tentar chamar um apartamento recebo o Possivelmente o número de apartamento chamado
Programar o número do apartamento.
sinal de ocupado. não está programado.
Possível conexão errada dos fios do interfone na
Fazer o teste dos interfones com a fiação.
Ao chamar um apartamento toca em outro central.
diferente. Possível conexão errada dos fios do teclado da placa
Revisar a conexão dos fios.
externa na central.
Senha não confere com o número do apartamento.
Não consigo acionar a fechadura via senha. Reprograme a senha do apartamento.
Senha não programada corretamente.
O tempo máximo de comunicação (1 minuto) foi
A comunicação cai. Chamar novamente o apartamento.
excedido.
Ao tentar acionar a fechadura ela não aciona Uma possível resistência alta do fio que liga o Medir a resistência do fio, e se for superior a 50W, é necessário
e a ligação cai. interfone à central. diminuí-la.
Não existe interfone conectado ao ponto que foi
Conectar um interfone no ponto onde foi efetuada a chamada.
efetuada a chamada.
Ao chamar um apartamento, não toca e fica Interfone utilizado é o ICAP-HO e não ICAP-HO É necessário fazer uma alteração no ICAP-HO. Entrar em
aceso o LED ocupado da placa. UNIVERSAL. contato com a Assistência Técnica THEVEAR .

Fio conectado com a polaridade invertida. Verifique e se for necessário inverta os fios.

Existem interfones ICAP-HO (antigos) sem É necessário fazer uma alteração no ICAP-HO. Entrar em
Ao chamar um apartamento toca em vários modificações para funcionar com o FACILITY. contato com a Assistência Técnica THEVEAR .
ao mesmo tempo.
Existem interfones ICAP-HO UNIVERSAL com É necessário configurar o ICAP-HO UNIVERSAL para funcionar
jumper errado. com o FACILITY.

Catálogo Residenciais -56-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.0 - DESCRIÇÃO GERAL


O Porteiro Coletivo Digital SMART foi projetado com um grande
número de facilidades destinadas a comunicação em apartamentos
e condomínios para dar a tranquilidade e segurança.

É um equipamento de fácil instalação e manutenção devido às


suas características técnicas. Proporciona a comodidade de
realizar o controle de acesso do seu próprio apartamento ou
residência através de um fecho (FEM) ou fechadura
eletromagnética (THF) que são acessórios opcionais.

Figura 01 - Porteiro coletivo digital.

12.1 - CARACTERÍSTICAS
! Comunicação direta com até 100 apartamentos utilizando os interfones ICAP-PL, ICAP-HO e ICAP-IP;
! Comunicação com até três placas de rua com um único enlace de comunicação para as 3 placas;
! Numeração dos apartamentos flexível (até 6 dígitos);
! Abertura da fechadura através do botão no interfone ou botoeira;
! Abertura da fechadura via senha na placa de rua (senha individual por apartamento);
! Sigilo na comunicação com a placa de rua;
! Indicação sonora de apartamento sendo chamado;
! Teclado iluminado na placa externa.

12.2 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

110,0mm 65,0mm PLACA CENTRAL


EXTERNA mm 24
0,0
0,0 mm
20
180,0mm

80,0mm
Peso: 350g Figura 02 Peso: 600g Figura 03

PLACA EXTERNA CÓDIGO: TH8125


Corrente de Consumo 0,5A Corrente máxima da fechadura 1A
Tensão da Fechadura 12V Tensão de alimentação 18Vdc
(através da central)

CENTRAL ELITHE (BASE) CENTRAL ELITHE (BASE + EXPANSÃO)


Códigos

Códigos

TH8130 20 pontos TH8160 80 pontos


TH8140 40 pontos
TH8150 60 pontos TH8170 100 pontos
Proteção de Programação Memória EEPROM Proteção de Programação Memória EEPROM
Tensão de alimentação 110/220 (Automático) Tensão de alimentação 110/220 (Automático)
PLACA EXTERNA EXPANSÃO ELITHE PLACA EXTERNA
BASE ELITHE
BASE ELITHE

Figura 04 Figura 05

Catálogo Residenciais -57-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.3 - INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

12.3.1 - COMO ABRIR E FIXAR A PLACA EXTERNA


A distância MÁXIMA recomendada entre a placa externa e o monitor é de 60 metros:
! Fio bitola 18 AWG ou 1mm2 para distâncias de 0 a 40 metros.
! Fio bitola 14 AWG ou 1,5mm2 para distâncias de 41 a 60 metros.

1 2 PAREDE 3 PAREDE

Puxe a Depois
placa puxe a
para placa
frente para
baixo
Retire os
parafusos

Figura 06 Figura 07 Figura 08

ATENÇÃO: Evite instalar a placa externa de maneira que incidam diretamente sobre sua lente luzes fortes ou reflexos
prejudicando a visualização da imagem.

1 Fixe a placa externa em local que se 2 Coloque os parafusos para fixar o protetor 3 Recoloque a placa externa no suporte
obtenha uma correta imagem do visitante. na caixa 4x2. plástico já fixado na parede e coloque os
CAIXA 4x2 NÃO UTILIZE OS 2 FIOS parafusos.
DA CAMPAINHA POIS,
QUEIMARÁ O
PORTEIRO
Altura média
1,6m

O PROTETOR DEVE
PROTETOR SER UTILIZADO PARA
DA CÂMERA PROTEÇÃO CONTRA CHUVA

Figura 09 Figura 10 Figura 11

12.3.2 - COMO ABRIR E FIXAR A CENTRAL

ENCAIXE DE FURO 1
FIXAÇÃO
0,5 cm

Figura 12 - Solte os parafusos na lateral da central e abra a tampa. Figura 13 - Marque o local escolhido. Figura 14 - Perfure, Figura 15 - Encaixe
encaixe a bucha e a central no para-
coloque o parafuso do fuso do furo 1.
furo 1 deixando 0,5cm
do parafuso para fora.

Catálogo Residenciais -58-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

PARAFUSO DO FURO 1

FURO 2 FURO 3

X X
FURO 2 FURO 3
PARAFUSO 2 PARAFUSO 3
Figura 16 - Alinhe e marque o lugar dos furos 2 e 3. Figura 17 - Após retirar a central, fure e coloque as Figura 18 - Recoloque a central no parafuso do furo 1,
buchas nos furos 2 e 3. e aperte os parafusos dos furos 2 e 3.

ATENÇÃO: SEMPRE QUE POSSÍVEL, INSTALE A CENTRAL EM UM LOCAL QUE ATENDA AS INSTRUÇÕES ABAIXO
RELACIONADAS:

! Não receba a luz solar diretamente;


! Fique afastada de equipamentos que gerem interferência de R.F. (Ex: PX, PY, etc.);
! Evite locais de pouca ou nenhuma ventilação;
! Evite locais muito úmidos ou que permitam vibrações.

12.3.3 - COMO FIXAR O INTERFONE


INTERFONE PRESSIONE O
TERMINAL TD PARAFUSO 1
PARA BAIXO
E INSIRA
O FIO

FIO
SOLTE O
TERMINAL

PARAFUSO 2
TERMINAL TD

Figura 19 - Ligar os fios nos terminais Figura 20 - Instruções para conectar os Figura 21 - Encaixe o ponto de fixação Figura 22 - Após ter encaixado nos
1A e 2G do interfone base. fios no terminal TD. do interfone nos parafusos 1 e 2. parafusos, empurre para baixo.

12.3.4 - CONECTANDO UMA CENTRAL DE EXPANSÃO DE RAMAIS


Acima de 80 pontos é necessário Interligar a central ELITHE de expansão na central base, através do cabo de expansão.
JUMPER J1
CENTRAL ELITHE BASE SEM
EXPANSÃO

COM
CENTRAL ELITHE EXPANSÃO
EXPANSÃO

PARTE DA LATERAL

CABO DE EXPANSÃO
PARTE DE CIMA (ABERTA)

Figura 23

IMPORTANTE: É necessário configurar o JUMPER J1.

Catálogo Residenciais -59-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.3.5 - CONEXÃO DOS FIOS

Para a conexão dos fios, com a ponta do fio descascada:

Pressione o terminal Insira o fio no terminal Solte o terminal


TI para baixo

Terminal TI
Figura 24 Figura 25 Figura 26

ATENÇÃO:
! Não passe os fios junto ou próximo à rede elétrica e/ou cabo e antenas de TV.
! O terminal TERRA do equipamento deve estar conectado ao terra da instalação elétrica, conforme a norma vigente,
consulte a empresa fornecedora de energia da sua região para atender corretamente às normas.

12.3.6 - CONEXÃO DA PLACA 1 À CENTRAL

Recomendamos utilizar o cabo CI obedecendo a resistência máxima permitida de acordo com as especificações do cabo.

CENTRAL SMART

PLACA EXTERNA 1
CÓD. TH8125

Figura 27

12.3.7 - CONEXÃO DA PLACA 2 À CENTRAL

Ligar o ponto PL da placa 2 ao PL2 da central, os demais ligar em paralelo com a placa 1.

PLACA
CENTRAL SMART EXTERNA 1

PLACA EXTERNA 2
CÓD. TH8125

Figura 28

Catálogo Residenciais -60-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.3.8 - CONEXÃO DA PLACA 3 À CENTRAL

Ligar o PL da placa 3 ao PL3 da central, os demais ligar em paralelo com as placas 1 e 2.

PLACA PLACA
CENTRAL SMART EXTERNA 1 EXTERNA 2

PLACA EXTERNA 3
CÓD. TH8125

Figura 29

12.3.9 - CONEXÃO DA FECHADURA NA PLACA

Ligar o ponto FECH e GND da placa na fechadura.

FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA
12V / 1A
(OPCIONAL)

PLACA EXTERNA
CÓD. TH8125

Figura 30

12.3.10 - CONEXÃO DA BOTOEIRA

Ligar o ponto GND em paralelo com a fechadura e o ponto R em paralelo com a central.

FECHADURA CENTRAL SMART


ELETROMAGNÉTICA 12V / 1A
(OPCIONAL)
BOTOEIRA
(OPCIONAL)

PLACA EXTERNA
CÓD. TH8125

Figura 31

Catálogo Residenciais -61-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.3.11 - CONEXÃO DOS FIOS DOS INTERFONES NA CENTRAL


Recomendamos utilizar o cabo CI obedecendo a resistência máxima permitida de acordo com as especificações do cabo,
ligue o ponto 1A do interfone em algum ramal livre e o ponto 2G no GND da central.

CENTRAL SMART
RAMAL 1 RAMAL 2 RAMAL 3
1A 1A 1A

2G 2G 2G

RAMAL 50 RAMAL 40 RAMAL 30


1A 1A 1A

2G 2G 2G

Figura 32

12.3.12 - ALIMENTAÇÃO DA CENTRAL


A central SMART pode ser ligada em 110V ou 220V. O modo de seleção é automático.

12.3.13 - CONEXÃO DO FIO DE ATERRAMENTO


A central SMART possui componentes de proteção contra possíveis
danos de sobre tensão e sobre corrente. Para que o sistema de proteção
atue corretamente, a central deve estar devidamente conectada ao terra
da instalação elétrica, conforme a norma vigente, consulte a empresa da
sua região para atender corretamente às normas.

CENTRAL SMART

Figura 33 PONTO DE ATERRAMENTO

12.4 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

12.4.1 - PLACA CHAMANDO APARTAMENTO


Pressione a tecla + o número do apartamento, em seguida será escutado na placa o sinal de chamada, e o toque no
interfone. Retirando o interfone do gancho a chamada será atendida. O tempo máximo de comunicação é de 3 minutos.

IMPORTANTE: Se existirem duas ou três placas ligadas ao sistema, enquanto uma estiver comunicando, as outras ficam
inoperantes, e os leds "OCUPADO" das placas ficam acesos.

12.4.2 - ACIONANDO A FECHADURA ATRAVÉS DE SENHA NA PLACA


Esta operação só é possível se existirem senhas habilitadas (ver o item 12.5.4).

Pressionar as teclas + 0 + senha (4 dígitos).

IMPORTANTE: Sempre que uma senha inválida for digitada, a placa retorna sinal de um beep longo.

12.4.3 - ACIONANDO A FECHADURA ATRAVÉS DO INTERFONE


Estando em comunicação com a placa, pressione o botão de fechadura do interfone.

Catálogo Residenciais -62-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.4.4 - LED´s DE ILUMINAÇÃO NOTURNA


O LED é ligado automaticamente assim que a placa se comunica com o interfone chamado por ela. Caso existam duas ou
três placas conectadas à central apenas a que estiver se comunicando estará com a iluminação acesa.

Assim que a comunicação for concluída os LED´s se apagam automaticamente.

12.5 - INSTRUÇÕES DE PROGRAMAÇÃO


A central sai de fábrica pré-programada, se houver necessidade é possível alterar esta programação, para isto, é
necessário entrar no modo de programação.

12.5.1 - ENTRANDO NO MODO DE PROGRAMAÇÃO


Pressione a chave CONFIG uma vez para entrar no modo de CHAVE CONFIG
programação e pressione esta chave novamente para sair. CENTRAL SMART

Figura 34

12.5.2 - ENTRANDO NO MODO DE PROGRAMAÇÃO


Na pré-programação de fábrica o número do apartamento é igual ao número do ramal, mas é possível modificá-lo, para isto:

Estando no modo de programação, digite 1 + (número do ramal -1 (00 à 99)) + número do apartamento (até 6 dígitos).

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita.
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita.

12.5.3 - RETORNANDO TODOS OS APARTAMENTOS À NUMERAÇÃO DE FÁBRICA


Todos os apartamentos retornam à numeração de fábrica, isto é, o número do ramal passa a ser igual ao número do
apartamento.

Estando no modo de programação, digite 2.

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita.
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita.

12.5.4 - INSERINDO SENHAS PARA ABERTURA DE FECHADURA


Na pré-programação de fábrica, nenhuma senha está habilitada, para habilitá-la:

Estando no modo de programação, digite 3 + (número do ramal -1 (00 à 99)) + senha (4 dígitos).

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita.
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita.

12.5.5 - APAGANDO A SENHA DE ABERTURA DE FECHADURA DE UM RAMAL ESPECÍFICO


É possível apagar uma senha específica sem alterar a dos outros ramais, para isto:

Estando no modo de programação, digite 4 + (número do ramal -1 (00 à 99)).

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita.
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita.

Catálogo Residenciais -63-


PORTEIRO COLETIVO DIGITAL
MODELO: SMART

12.5.6 - APAGANDO TODAS AS SENHAS DE ABERTURA DE FECHADURA


Desabilita o acionamento de fechadura via senha de todos os ramais, para isto:

Estando no modo de programação, digite 5.

Logo após você escutará:


! 3 BEEPS curtos se a programação foi aceita.
! 1 BEEP longo se a programação não foi aceita.

12.6 - GUIA DE DEFEITOS


Antes de solicitar a assistência técnica autorizada, verifique o guia de defeitos.

PROBLEMA MOTIVO SOLUÇÃO


Fechadura disparando. Curto na fiação. Verificar fiação.

Ao tentar chamar um apartamento recebo o sinal Possivelmente o número de apartamento chamado


Programar o número do apartamento.
de ocupado. não está programado.

Ao chamar um apartamento toca em outro Possível conexão errada dos fios do interfone na
Revisar a conexão dos fios.
diferente. central.

Senha não confere com o número do apartamento.


Não consigo acionar a fechadura via senha. Reprograme a senha do apartamento.
Senha não programada corretamente.

O tempo máximo de comunicação (3 minutos) foi


A comunicação cai. Chamar novamente o apartamento.
excedido.

Ao tentar acionar a fechadura ela não aciona e a Uma possível resistência alta do fio que liga o
Medir a resistência do fio, e se for necessário diminuí-la.
ligação cai. interfone à central.

Ao chamar um apartamen-to não toca e fica aceso Não existe interfone conectado ao ponto que foi
Conectar um interfone no ponto onde foi efetuada a chamada.
o LED ocupado da placa. efetuada a chamada.

Catálogo Residenciais -64-


FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A
CÓDIGOS: THF-190D E THF-190E

13.0 - INTRODUÇÃO ÀS FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS


Nos modelos convencionais, para
manter a fechadura destravada depois de
aberta, é necessário que o usuário fique
pressionando com o dedo o botão "abre
porta" até que a visita consiga abrir o
portão. Nas fechaduras THEVEAR isso
não é mais necessário graças a
incorporação de uma memória de
acionamento. Na THF-190D e THF-190E
basta o operador pressionar uma única
vez o botão "abre porta" para a fechadura
abrir e permanecer destravada até ser
novamente travada com o retorno do
portão após a passagem da visita.
Figura 01 - Fechadura THF-190D Figura 02 - Fechadura THF-190E

13.1 - CARACTERÍSTICA - CÓDIGO THF-190D


A instalação da fechadura THF-190D é bastante simples e rápida já que é utilizada especificamente para abrir à direita
com o acionamento eletromagnético feito com 12V, proveniente de porteiros eletrônicos, centrais de portaria, ou
simplesmente de uma botoeira ligada a uma fonte de 12V/1A.

13.2 - CARACTERÍSTICA - CÓDIGO THF-190E


A instalação da fechadura THF-190E é bastante simples e rápida já que é utilizada especificamente para abrir à esquerda
com o acionamento eletromagnético feito com 12V, proveniente de porteiros eletrônicos, centrais de portaria, ou
simplesmente de uma botoeira ligada a uma fonte de 12V/1A.

13.3 - INSTALAÇÃO
Para a perfeita instalação da fechadura THF-190D e THF-190E utilizem o gabarito de fixação que segue junto com a
embalagem. Antes de iniciar observe que;

a) a fechadura THF-190D abre para a direita.


b) a fechadura THF-190E abre para a esquerda.

Batedor Trava da
deslizante lingueta

Corpo da Trava da
fechadura lingueta

Figura 03 - Corpo da fechadura e trava da lingueta Figura 04 - Batedor deslizante frontal e trava da lingueta

13.3.1 - UTILIZAÇÃO DO GABARITO


1º PASSO: Antes de iniciar o trabalho observe que um lado do gabarito é para a fechadura THF-190D e o outro lado para a
fechadura THF-190E.

2º PASSO: Certifique-se de que a porta e o batente estejam bem alinhados para que a fechadura não seja instalada sob
pressão. Além disso, deve existir entre ambos uma distância de aproximadamente 7 mm (máxima).

3º PASSO: Dobre o gabarito na linha tracejada e encoste no batente da porta, (com a porta aberta). A seguir com o auxílio
de uma furadeira elétrica faça dois furos, um em cada círculo assinalado no gabarito, ver figura 06.

Catálogo Residenciais -65-


FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A
CÓDIGOS: THF-190D E THF-190E

Nivelar

DOBRE AQUI

DOBRE AQUI
Gabarito THF-190D

Dobrar o
Use este Gabarito para facilitar o seu
trabalho e ao mesmo tempo fazer uma gabarito no
instalação perfeita.
batente da
Máximo = 7mm. porta. Máximo = 7mm.

Furo para Cilindro Externo Batente


THF-190D
Montada à Direita da porta

Figura 05 - Gabarito de fixação Figura 06 - Fixação da trava da lingueta no batente da porta

4º PASSO: Com a porta fechada abra novamente o gabarito de furação. Coloque-o sobre a posição dos dois furos que
acabamos de fazer, de modo que o gabarito fique centralizado. Verifique se o gabarito está bem no nível (alinhado) e marque
os quatro furos para a fixação do corpo da fechadura e o furo onde será encaixado o cilindro externo. Com o auxílio da
furadeira elétrica faça esses cinco furos. (ver figura 07).

Centralizar o
Nivelar gabarito aberto
DOBRE AQUI

sobre a porta e
Gabarito THF-190D

o batente
Use este Gabarito para facilitar o seu
trabalho e ao mesmo tempo fazer uma
instalação perfeita.

Máximo = 7mm.

Porta Furo para Cilindro Externo Batente


THF-190D da porta
Montada à Direita

Figura 07

5º PASSO: A fechadura sai de fábrica com a tampa encaixada na base do corpo.

6º PASSO: Remova a tampa do corpo da fechadura para ter acesso aos furos de fixação. Observe que os furos são do tipo
oblongos para facilitar a regulagem da instalação.

Furo
oblongo

Figura 08 - Tampa e base do corpo da fechadura. Figura 09 - Base do corpo da fechadura.

ESPECIFICAÇÃO DO FIO PARA LIGAÇÃO DAS FECHADURAS


COMPRIMENTO MÁXIMO DO FIO ESPECIFICAÇÃO DO FIO DE COBRE EM AWG E EM mm2
0 a 50 METROS 22 AWG 0,30 mm2
51 a 100 METROS 20 AWG 0,50 mm2
101 a 150 METROS 15 AWG 1,50 mm2

Catálogo Residenciais -66-


FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A
CÓDIGOS: THF-V/V E THF-V/A

14.0 - INTRODUÇÃO ÀS FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS

As fechaduras THEVEAR códigos


THF-V/V e THF-V/A possuem um novo
design com um acabamento cromado,
fácil instalação e um fecho
eletromagnético resistente que
proporciona maior eficiência e maior
durabilidade.

LIGAÇÃO DA FECHADURA
COMPRIMENTO ESPECIFICAÇÃO DO FIO DE
MÁXIMO DO FIO COBRE EM AWG E mm2
2
0 a 20 metros 22 AWG 0,30 mm
21 a 50 metros 20 AWG 0,50 mm2
51 a 100 metros 15 AWG 1,50 mm2
Figura 01 - Fechadura THF-V/V Figura 02 - Fechadura THF-V/A

14.1 - FECHADURA 12 VOLTS PORTA DE VIDRO/VIDRO

As fechaduras THEVEAR código THF-V/V foram desenvolvidas para serem utilizadas em portas de vidro de duas folhas
com recorte (VIDRO/VIDRO) de 43 a 65mm de largura por 57 a 90mm de altura para espelho de cantos reto.

14.1.1 - INSTALAÇÃO

As fechaduras THEVEAR funcionam ligadas a: Kits Residenciais, Centrais de Portarias Coletivas e Centrais de
Comunicação Telefônica. Proporcionando o controle de acesso em locais que exigem segurança com conforto e qualidade.
O acionamento eletromagnético é feito com 12V/1A.

PROTETOR Soltar 2 parafusos frontais e


MONTADO soltar protetor MONTADO
SUPERIOR
inferior

Soltar 3
parafusos e soltar PROTETOR
protetor superior INFERIOR
Figura 03 - Fecho e detalhes de como abrir. Figura 04 - Fechadura e detalhes de como abrir.

MONTADO MONTADO

ESPELHO ESPELHO
INTERNO INTERNO
9
=
R
70

47
6c 14b

DETALHE DO
GUARNIÇÃO GUARNIÇÃO
RECORTE DO
VIDRO
ESPELHO ACABAMENTO ESPELHO ACABAMENTO
EXTERNO LISO 6c EXTERNO FURADO 14b

Figura 05 - Espelhos, guarnições e acabamento, para fixar o Fecho. Fig. 06 - Espelhos, guarnições e acabamento, para fixar a Fechadura. Figura 07

Catálogo Residenciais -67-


FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A
CÓDIGOS: THF-V/V E THF-V/A

1 2 6a 3

2 6b 7 8
5 6

1 6c

3 4 6a 6a

Figura 08 - Solte os espelhos conforme fig. 04. Na frente da porta, Figura 09 - Aperte os parafusos (6c). Figura 10 - Posicione o Fecho(7) na Caixa do Fecho (6) e
coloque o Espelho (1) e a Guarnição (2), no meio da porta coloque o aperte os parafusos (6b), posicione o Protetor superior (8) e
Acabamento (3), atrás da porta coloque o Guarnição (4), o Espelho (5) aperte os parafusos (6a).
e Caixa do Fecho (6).

1 2 3

14a

12 13 14

15

9 10

14b

11

Figura 11 - Solte os espelhos conforme fig. 05. Na frente da porta Figura 12 - Aperte os parafusos (14b). Fig. 13 - Posicione a Tampa (15) e aperte os parafusos (14a).
coloque o Espelho (9) e a Guarnição (10), no meio da porta coloque o
Acabamento (11), atrás da porta coloque a Guarnição (12), o Espelho
(13) e Caixa da Fechadura (14).

POSIÇÃO DAS PEÇAS POSIÇÃO DAS PEÇAS


PARA FIXAÇÃO PARA FIXAÇÃO
DO FECHO DA FECHADURA
9
5 6a 10

14a
1 2
11
6b 8
12

13
3 4
14a
6a 14

6a 6
7 15

Figura 14 Figura 15

14.2 - FECHADURA 12 VOLTS PORTA DE VIDRO/ALVENARIA


As fechaduras THEVEAR código THF-V/A foram desenvolvidas especialmente para uso em portas de vidro de uma folha
(VIDRO/ALVENARIA) com recorte medindo de 43 a 65mm de largura e de 57 a 90mm de altura.

Catálogo Residenciais -68-


FECHADURAS ELETROMAGNÉTICAS 12V/1A
CÓDIGOS: THF-V/V E THF-V/A

14.2.1 - INSTALAÇÃO
As fechaduras THEVEAR funcionam ligadas a: Kits Residenciais, Centrais de Portarias Coletivas e Centrais de
Comunicação Telefônica. Proporcionando o controle de acesso em locais que exigem segurança com conforto e qualidade.
O acionamento eletromagnético é feito com 12V/1A.

MONTADO MONTADO
ESPELHO
INTERNO

9
=
R
70
47
6b

DETALHE DO
GUARNIÇÃO RECORTE DO
VIDRO
ESPELHO ACABAMENTO
6b
EXTERNO FURADO
Figura 16 - Fechadura e detalhes de como abrir. Fig. 17 - Espelhos, guarnições e acabamento, para fixar a Fechadura. Figura 18

Soltar os itens conforme figuras 02 e 03.

LIGUE OS FIOS DE ALIMENTAÇÃO (12 VOLTS / 1A), NOS BORNES DO FECHO E FIXE O CONJUNTO NA PAREDE
OU BATENTE ATRAVÉS DOS PARAFUSOS (8).

POSIÇÃO DAS PEÇAS


PARA FIXAÇÃO
DA FECHADURA

1 2

6a
BORNES

3 4
8
6a
DETALHE DA FIXAÇÃO
DO FECHO
6 7
FECHO
Figura 19 Figura 20

1 2 3
6a

4 5 6

6a

7
6b

1 2 3

Figura 21 - Solte os espelhos conforme fig. 03. Na frente da porta Figura 22 - Aperte os parafusos (6b). Fig. 23 - Posicione a Tampa (7) e aperte os parafusos (6a).
coloque o Espelho (1) e a Guarnição (2), no meio da porta coloque
o Acabamento (3), atrás da porta coloque o Guarnição (4), o
Espelho (5) e Caixa da Fechadura (6).

Catálogo Residenciais -69-


FECHOS ELETROMAGNÉTICOS
12V/1A

15.0 - INTRODUÇÃO AOS FECHOS ELETROMAGNÉTICOS


Os fechos THEVEAR são muito fáceis e práticos de serem instalados desde que sejam respeitadas as especificações
técnicas e exigências de cada fecho. O fecho código FEM-DIR foi desenvolvido especialmente para portas com abertura para
a direita. Já o fecho código FEM-ESQ é indicado para uso só em portas com abertura para a esquerda. Os espelhos dos
fechos TH-FEM-R e TH-FEM-R/R são reversíveis, permitindo o uso em portas que abrem tanto à direita quanto à esquerda.

São utilizados em kits residenciais, centrais de portarias de interfones e centrais de comunicação telefônica ou botoeiras.
Proporcionando o controle de acesso em locais que exigem a segurança com conforto, qualidade e alta eficiência. Com o
acionamento eletromagnético feito com 12V/1A.

Figura 01 - Fecho cód. FEM-ESQ Figura 02 - Fecho cód. FEM-DIR Figura 03 - Fecho cód. TH-FEM-R Figura 04 - Fecho cód. TH-FEM-R/R

15.1 - INSTALAÇÃO
FECHO FEM-ESQ FECHO FEM-DIR FECHO TH-FEM-R FECHO TH-FEM-R/R
Abertura para a esquerda Abertura para a direita Reversível Reversível

Mecanismo
fecho (Bobina)
Dimensões e Dimensões e
posicionamento posicionamento O fecho código
O fecho código
correto para a correto para a TH-FEM-R foi
TH-FEM-R/R foi
instalação do instalação do desenvolvido
desenvolvido para
fecho código fecho código especialmente
acionamentos
FEM-ESQ numa FEM-DIR numa para
reforçados, para
porta com porta com acionamentos
uso em portas
abertura para abertura para leves.
mais pesadas.
a esquerda. a direita. Moldura
do Fecho

Figura 05 Figura 06 Figura 07 Figura 08

ESPECIFICAÇÃO DO FIO PARA Os fechos THEVEAR devem ser embutidos no batente da


LIGAÇÃO DOS FECHOS porta, para funcionamento com fechaduras mecânicas que
movimentam a lingueta através de maçaneta pelo lado
COMPRIMENTO MÁXIMO ESPECIFICÇÃAO DO FIO DE
interno e travamento por chave no lado externo.
DO FIO COBRE EM AWG E EM mm2
0 a 20 METROS 22 AWG 0,30 mm2
21 a 50 METROS 20 AWG 0,50 mm2
51 a 100 METROS 15 AWG 1,50 mm2

Catálogo Residenciais -70-


FECHOS ELETROMAGNÉTICOS
12V/1A
MUDANDO O LADO DE ABERTURA DO FECHO FIXANDO O FECHO NO BATENTE DA PORTA

FECHO

Retire os parafusos
e rotacione o
espelho 180º para Coloque os
direita ou para ESPELHO parafusos e
esquerda e o fecho espelho no
180º para baixo ou fecho e fixe Fure o Fixe o
para cima. no batente. batente conforme a fecho no batente com os
medida do fecho. Alinhe o fecho no batente. parafusos.

Figura 9 Figura 10

15.2 - MEMÓRIA MECÂNICA


Os fechos THEVEAR possuem uma mola de memória Retire os parafuso e a tampa do fecho. Retire a mola de memória, coloque os
parafusos e a tampa do fecho.
de acionamento.
MEMÓRIA
Caso o uso da memória não seja desejado, pode-se PARAFUSOS
simplesmente retirar a "mola de memória" cancelando
essa operação.

Para retirar ou recolocar a mola de memória dos TAMPA


fechos FEM-DIR, FEM-ESQ, TH-FEM-R e TH-FEM-R/R,
basta seguir os procedimentos das figuras ao lado.
FECHO FECHO

Figura 9 Figura 9

FUNCIONAMENTO DO FECHO COM A MEMÓRIA MECÂNICA


Com a mola de Com um simples toque no A trava do gatilho sobe quando o operador Quando a visita abrir a porta o gatilho é
memória de aciona- botão "abre porta" o fecho pressiona o botão "Abre porta". empurrado junto com a mola de memória.
destrava.
mento, basta o
operador pressionar TRAVA DO GATILHO

uma única vez o


botão "abre porta"
para os fechos
abrirem e permane- GATILHO
cerem destravados
até ser novamente Quando a visita fechar a
travada com o A mola de memória prende a porta o gatilho volta na sua
trava do gatilho, deixando o posição, a mola encosta na
retorno da porta gatilho livre para a visita abrir a trava do gatilho, fazendo ele
após a passagem da porta. descer, travando o fecho.
visita.
Figura 9 Figura 9 Figura 9

FUNCIONAMENTO DO FECHO SEM A MEMÓRIA MECÂNICA


O operador deve manter o Enquanto o operador estiver pressionando o Quando a visita abrir a porta o gatilho é
Sem a mola de botão "abre porta" pressionado. botão "abre porta" a trava do gatilho levanta empurrado.
deixando o gatilho livre para
memória de aciona- a visita abrir a porta.
mento, o fecho
passa a liberar a
porta somente
quando o operador
estiver pressio-
nando o botão "abre
Quando a visita fechar a
porta", e neste Se a visita não abrir a porta a porta o gatilho volta para sua
momento, o visitante trava do gatilho volta na sua posição, e a trava do gatilho
posição normal travando o fecho. desce, travando o fecho.
deve abrir a porta.
Figura 9 Figura 9 Figura 9

Catálogo Residenciais -71-


APRESENTAÇÃO TV DIGITAL

16.0 - TV DIGITAL: O QUE É ?

A TV aberta (terrestre) transmitida para os televisores existentes em 90% das residências brasileiras utilizam canais
analógicos com largura de banda de 6 MHz.

Na TV Digital a transmissão do áudio e do vídeo passa a ser feita através de sinais digitais que, codificados, permitem um
uso mais eficiente do espectro eletromagnético, devido ao aumento da taxa de transmissão de dados na banda de
frequências disponíveis. É possível desta forma transmitir:

! Som e imagem de melhor qualidade viabilizando a Televisão de Alta Definição (HDTV). A resolução da imagem na TV
analógica que é de 480 x 320 pixels poderá ser de até 1920 x 1080 pixels.
! Mais canais (até 4) na mesma faixa de frequências utilizada por um canal analógico.

A TV digital apresenta algumas funcionalidades que permitem uma interatividade entre o telespectador e a emissora
possibilitando:

! O acesso à informações adicionais como por exemplo o menu de programação.


! A interação do usuário com a emissora, através de um canal de retorno via linha telefônica por exemplo, possibilitando a
este votar ou fazer compras.

16.1 - RECEPTORES DE TV

Com a introdução da tecnologia digital na radiodifusão de TV (TV Digital Terrestre), o usuário poderá optar por uma das
seguintes situações:

! Continuar a receber a TV aberta da forma atual utilizando a sua TV analógica.


! Adquirir um conversor (set-top-box) que permitirá receber o sinal digital e convertê-lo para um formato de vídeo e áudio
disponível em seu receptor de TV.
! Adquirir uma TV nova que já incorpore o conversor.

ANTENA DE UHF

CABO COAXIAL 75W

TV

CONVERSOR
PARA TV DIGITAL

Fig. 1 - Esquema de ligação utilizando conversor externo

Catálogo Antenas / CATV -72-


CARACTERÍSTICAS BÁSICAS
DAS ANTENAS

17.0 - INTRODUÇÃO
Antena coletiva é um conjunto de equipamentos (antenas receptoras, misturadores, boosters, amplificadores, divisores,
tomadas etc.) que captam os sinais de TV e Rádio, amplificam, misturam e distribuem os sinais através de uma rede de
distribuição a cada usuário (apto.), de forma que os sinais disponíveis na instalação sejam iguais em todos os pontos. Em
outras palavras, que o primeiro andar tenha as mesmas condições de recepção que o último andar.

17.1 - COMO PROJETAR


Em um projeto de antenas coletivas, são diversos os pontos a considerar, os quais iremos explicar a seguir:
A localização do edifício nos dará a melhor posição das antenas, determinando o melhor lugar para a obtenção de maior
qualidade de sinal, para evitar ao máximo fantasmas, interferências, etc. Daqui partiremos para obter os dados de
intensidade de sinal e canais recebidos.
O sistema de distribuição correto a ser utilizado será dado pela configuração do edifício. Dele depende se a instalação é
externa ou interna, em série, em espinha dorsal ou se tem alguns pontos especiais.
Com estes dados partiremos para fazer a distribuição equitativa, fazendo um croqui, no qual será muito importante a
distância (metros) entre os diferentes pontos. Todo este conjunto de dados nos fornecerá o melhor sistema de distribuição e,
consequentemente, a menor atenuação na instalação.

17.2 - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS ANTENAS

17.3 - FREQUÊNCIA DE TRABALHO


É a frequência para a qual a antena apresenta rendimento máximo.
Assim quando falarmos que uma antena é do "canal 5" queremos dizer que sua frequência de ressonância é a mesma
deste canal e que nele apresentará o máximo rendimento.

17.4 - FAIXA
Embora especificada para uma dada frequência, a antena poderá captar, com relativa eficiência, as frequência próximas
destas. Assim uma antena para a frequência de 180 MHz, cuja faixa seja de 12 MHz, por exemplo, recebe frequência desde
174 até 186 MHz.

17.4.1 - FAIXA ESTREITA


Dizemos que uma antena é de faixa estreita quando se destina a apenas um canal, abrangendo apenas 6MHz
aproximadamente.

17.4.2 - FAIXA LARGA


Por outro lado, a antena dita de faixa larga quando capaz de operar satisfatoriamente com vários canais.
OBSERVAÇÃO: As frequências de trabalho das estações transmissoras de TV estão divididas em dois grupos: canais
baixos e canais altos.
CANAIS BAIXOS: São os canais de 2 a 6
CANAIS ALTOS: São os canais de 7 a 13

17.5 - GANHO E DIRETIVIDADE


O ganho de uma antena é um dado comparativo. É a relação entre a energia captada por uma antena qualquer e a energia
captada por uma antena padrão, nas mesmas condições de teste. O ganho é consequência da diretividade da antena, que é
a capacidade de receber mais sinais vindos de uma direção preferencial que de outras. Quanto mais diretiva for a antena,
maior seu ganho. A diretividade de uma antena depende da sua construção, ou seja, do tipo e do número de elementos
utilizados. O ganho das antenas é normalmente expresso em decibéis (dB). Quanto maior o número de decibéis (dB) maior o
ganho da antena.

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Nem sempre a antena de maior ganho é a mais indicada para uma determinada
instalação. Tudo vai depender da localização da antena transmissora, do canal de
televisão, em relação a antena receptora de nossa residência.
Se a antena do canal de televisão estiver muito próxima da residência deve-se optar por
uma antena receptora de baixo ganho, porque o sinal chega forte. Caso contrário vamos
saturar (distorcer) o sinal na entrada do aparelho de televisão. Por outro lado se a antena
do canal de televisão estiver muito longe, deve-se escolher uma antena receptora com
ganho mais elevado, porque o sinal vai chegar muito fraco por causa da distância.

Catálogo Antenas / CATV -73-


CARACTERÍSTICAS BÁSICAS
DAS ANTENAS

17.6 - IMPEDÂNCIA CARACTERÍSTICA


Chamamos de impedância característica a resistência (impedância) da antena na frequência de trabalho na qual está
sintonizada. Assim se uma determinada antena, por exemplo, para o canal 6, tem uma impedância de 300 Ohms para as
frequências compreendidas entre 82 à 88 MHz (pois o canal 6 funciona nesta faixa de frequência, logo está sintonizada para
estas frequências) dizemos que sua impedância característica é 300W.
OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: A impedância característica é muito importante para que se obtenha a máxima
transferência do sinal captado pela antena para a linha de transmissão (cabo da
antena) e daí para o televisor. Para que haja a máxima transferência do sinal captado, é
preciso que sejam iguais a impedância característica da antena, linha de transmissão
(ou de descida) a do receptor de televisão. Quando isto ocorre, dizemos que o sistema
está casado.
Quando não houver um perfeito casamento entre a antena e a linha de transmissão
surgirá ondas estacionárias que provocarão a formação de imagens duplas
(fantasmas), que nada mais são que a sobreposição do sinal original com sua reflexão
atrasada no tempo.

17.7 - RELAÇÃO FRENTE-COSTAS


É a razão do sinal (tensão) captado com a antena orientada no sentido de máxima diretividade em relação ao sinal
recebido com a antena virada no sentido oposto. Quanto maior for essa diferença, melhor será a nossa antena, porque ela
capta muito mais energia pela frente do que por trás, o que é um fator essencial para eliminação de "fantasmas".
A relação frente/costa é medida em decibéis (dB). Quanto maior o valor em dB, melhor a relação frente/costa da antena.

17.8 - RELAÇÃO DE ONDAS ESTACIONÁRIAS (R.O.E.) E PERDA DE RETORNO


É uma medida de quanto a impedância da antena se afasta do seu valor nominal ao longo da faixa de operação. Esta
variação de impedância provoca um descasamento entre a antena e a linha de transmissão gerando um padrão de ondas
estacionárias na linha. Quanto mais próximo de 1 for o valor de R.O.E., menor o nível de descasamento do sistema.
Outra forma de medir o descasamento é através da perda de retorno que é a razão entre a potência que retorna pela que
incide na antena. Quanto menor a perda de retorno (mais negativo for o valor expresso em dB), melhor casada a antena está.

17.9 - POLARIZAÇÃO
É o sentido em que são transmitidos ou recebidos os sinais, podendo ser horizontal, vertical e circular.

17.10 - ESCOLHA DO TIPO DE ANTENA MAIS INDICADO PARA CADA CASO


É difícil determinar uma série de normas para a escolha de antenas, visto que são vários e bem diferentes os fatores a se
levar em consideração, já que estão relacionados com o lugar onde será feita a instalação.
A instalação de antenas nas capitais é normalmente feita sem grandes problemas porque dispomos de sinais fortes. A
escolha complica quando se trata de receber vários canais, ou quando o sinal é muito fraco.
A THEVEAR fabrica os seguintes tipos de antenas:

17.10.1 - ANTENAS INTERNAS


As antenas internas geralmente resolvem o problema de recepção de forma econômica nas capitais onde o sinal é forte.
Tem a vantagem de que com uma simples mudança de posição consegue-se uma imagem satisfatória.

17.10.2 - ANTENAS EXTERNAS MULTI-BANDA


São basicamente de dois tipos: um para regiões urbanas e suburbanas e outro para recepção a longa distância.
Há ainda variações entre esses modelos, conforme a particularidade da região onde se pretende instalar a antena. Essas
antenas são dimensionadas para receber, da melhor forma possível, todos os canais de televisão e FM.

17.10.3 - ANTENAS EXTERNAS MONOCANAIS


São construídas especificamente para receber os sinais de um único canal.

17.10.4 - ANTENAS EXTERNAS BI (canais 2, 3, 4, 5 e 6), BII (FM) e BIII (canais 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 13)
Nestas antenas se conseguiu unir as características de uma antena de faixa larga, com as de uma antena monocanal Yagi.
Assim quando se tem vários canais de uma mesma banda, chegando de uma mesma direção, será possível captá-los com
uma só antena.

Catálogo Antenas / CATV -74-


CARACTERÍSTICAS BÁSICAS
DAS ANTENAS

17.10.5 - ANTENAS EXTERNAS DE UHF


São antenas projetadas para as localidades que recebem os sinais de retransmissoras de UHF e para captação dos sinais
da TV digital em UHF.

17.10.6 - ANTENAS EXTERNAS DE FM


São normalmente do tipo Yagi, indicadas para médias e longas distâncias. A THEVEAR fabrica também um modelo para
recepção local, uma antena circular do tipo omnidirecional.

17.11 - ORIENTAÇÃO TÉCNICA PARA INSTALAÇÃO DE ANTENA


Ao projetar um mastro para a instalação de antenas, devemos considerar dois pontos importantes: o seu comprimento e a
sua eficiência mecânica.

17.11.1 - COMPRIMENTO
A utilização de mastros muito compridos para colocação de várias antenas não é recomendável. Sempre que possível é
preferível a instalação de vários mastros.
O diâmetro e a espessura da parede dos mastros têm relação direta com o comprimento. Normalmente se usam canos de
água de ¾" e 1" galvanizados. Mastros com alturas superiores a três metros devem ser necessariamente de cano de água de
1" amarrado com tirantes.
Na utilização de vários mastros é recomendável deixar uma distância de pelo menos 5 metros entre os mastros, pois a
distância entre os mastros tem relação direta com o comprimento de onda das antenas utilizadas.
A figura abaixo ilustra a instalação de antenas com vários mastros.

CANAL 7

Sentido de
recepção

Sentido de
~5m recepção

Sentido de CANAL 2
recepção

Fig. 1 - Exemplo de sentido de recepção Fig. 2 - Exemplo de instalação

O lugar da instalação do mastro deverá ser sempre o mais alto possível e que permita colocação de tirantes, caso seja
necessário.

17.11.2 - EFICIÊNCIA MECÂNICA


Depende essencialmente do clima da região onde será instalada a antena. Fatores como ventos, maresia (corrosão),
poluição, etc, não podem ser desprezados numa boa instalação. Em regiões de litoral, por exemplo, os mastros mais
adequados são de aço inoxidável ou de latão duro, porém, são extremamente caros.
Nos locais onde a ocorrência de ventos fortes é frequente, cuidados especiais deverão ser tomados porque o movimento
contínuo da antena provoca variações do sinal ('fading') captado, causando, na tela do receptor, movimentos constantes da
imagem.
Para evitar esse problema, o mastro da antena deve ser amarrado com tirantes. Os tirantes devem ser colocados a 1/3 da
altura total de mastro conforme indica a figura 6, e sempre em número de três. O ângulo entre o mastro e o tirante deve ser de
30º a 45º e ângulo entre os tirantes de 120º. Os tirantes podem ser de cabo de aço, de arame galvanizado, de fio de cobre, de
latão ou de alumínio com 2 a 3 mm de diâmetro.

Catálogo Antenas / CATV -75-


CARACTERÍSTICAS BÁSICAS
DAS ANTENAS
É muito importante também que o sistema de amarração dos tirantes ao mastro seja feito por meio de abraçadeiras ou
disco giratório. A fixação do mastro no telhado, no caso de laje, deve ser feito por meio de tripés.
Se a fixação for na parede, ela deve ser feita com abraçadeiras ou portabandeiras, observando a distância de pelo menos
um metro entre os centros, como ilustra a figura 5.

ANTENA

1/3 h
1m
30º a 45º
120º

Fig. 3 - Posição dos tirantes na Fig. 4 - Fixação do mastro com tripé Fig. 5 - Fixação do mastro na parede Fig. 6 - Ângulo dos tirantes com o mastro
fixação do mastro

Uma vez definidos quantos mastros e quantas antenas utilizaremos na instalação, é necessário determinar a distância
entre as antenas.
As separações mínimas entre as antenas são dadas em função dos comprimentos de onda das antenas. Na figura abaixo
temos tabeladas as distâncias relativas entre antenas instaladas num mesmo mastro. Nas instalações que utilizam antenas
com refletor duplo, a distância entre elas será considerada a partir do próprio refletor.
Recomenda-se também colocar a antena no mastro a
uma distância mínima de 2 metros a partir do telhado.
Medidas inferiores podem gerar duplas imagens e
reflexões devido a existência de lajes, caixas de água ou
peças metálicas que podem atuar como espelhos para Banda V
sinais de R.F. Para evitar também reflexões, nunca
devemos instalar antenas num mesmo plano em mastros
de diferentes sentidos de recepção. Nestes casos devem- 0,7m
se distanciar as antenas de 30 a 40 cm, com relação ao
plano da superfície.
Banda III

BI BIII BIV BV 1,5m


2 AO 6 FM 7 AO 13 UHF UHF
BI
3m 1,7m 1,5m 1m 0,9m
2 AO 6
Banda I
FM 1,7m 1,3m 1,1m 0,9m 0,8m
BIII
1,5m 1,1m 1m 0,8m 0,7m 2m
7 AO 13
BIV
1m 0,9m 0,8m 0,7m 0,6m
UHF
BV
0,9m 0,8m 0,7m 0,6m 0,5m
UHF
Fig. 7 - Distância para Fixação das antenas

Ao colocar várias antenas num mesmo mastro não devemos instalar juntas antenas de mesma banda. Por exemplo, é
errado instalar no mesmo mastro a antena do canal 2 junto com a do canal 4. Sempre que possível, devemos instalar as
antenas o mais distantes possível entre canais. No caso da cidade de São Paulo, por exemplo, o ideal é a instalação de 4
mastros sendo:

Mastro Nº 1: antena do canal 2 com a antena do canal 7;


Mastro Nº 2: antena do canal 4 com a antena do canal 9;
Mastro Nº 3: antena do canal 5 com a antena do canal 11;
Mastro Nº 4: antena de FM com a antena do canal 13.

Dentro do que foi exposta a antena de FM deve ser instalada no mastro número 4 por que o FM (88 a 108 MHz) fica longe
do canal 13 (210 a 216 MHz).

Catálogo Antenas / CATV -76-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.0 - INTRODUÇÃO

Um sistema de antena coletiva é constituído, basicamente, de ANTENAS DE VHF COLETIVAS


duas partes: a cabeceira e a distribuição. ANTENA
ANTENA CANAL 2 CANAL 4 CANAL 7
DE UHF DE FM
A cabeceira é a parte do sistema constituída pelas antenas,
misturadores e amplificadores, e tem por função receber,
combinar, equalizar e amplificar os sinais recebidos. Já a
distribuição dos sinais é realizada por divisores e tomadas.
MISTURADOR
CABO
Para projetar a cabeceira é preciso saber quais canais de TV COAXIAL
vão ser distribuídos, de onde eles vêm e com que nível de sinal 75W
eles chegam. Por exemplo, os canais transmitidos em VHF e UHF
são recebidos por antenas de VHF e UHF; canais transmitidos via MISTURADOR
satélite, são recebidos por antenas parabólicas e necessitam-se
de receptores de satélite para recebê-los e modulá-los nas
frequências dos canais em que eles vão ser distribuídos; os AMPLIFICADOR
canais recebidos em UHF podem ser distribuídos em UHF
mesmo ou, então, serem convertidos para a faixa de VHF, usando
COBERTURA
os conversores de UHF para VHF. Pode-se distribuir também
sinais provenientes de DVD, Videocassete ou Circuito Fechado
de TV. Basta modulá-los num canal e adicioná-los ao sistema de 12º ANDAR
distribuição. Se algum canal chega fraco, com um nível de sinal
baixo, pode ser preciso amplificá-lo usando um booster. TOMADA

A etapa seguinte é combinar estes sinais usando misturadores


e depois amplificá-los para então distribuí-los. 11º ANDAR

O sistema de distribuição de sinais de antena coletiva e CATV TOMADA


em prédios de apartamentos é composto de uma ou mais
prumadas (linhas de descida de sinal), da qual se extrai uma
fração do sinal para fornecer ao usuário. Os componentes 10º ANDAR
normalmente utilizados para fazer esta distribuição são as
tomadas blindadas e divisores.
Fig. 1 - Exemplo de instalação

18.1 - EXEMPLO DE UM PROJETO DE ANTENA COLETIVA

No dimensionamento de uma antena coletiva devemos considerar diversos fatores. A posição das antenas, por exemplo,
vai depender da localização do edifício. O estudo desse local determinará o melhor posicionamento para evitar ao máximo
interferências, fantasmas etc.

Vamos supor então que desejamos fazer a instalação de uma antena coletiva num prédio de doze andares, com 2
apartamentos por andar, localizada numa capital.

18.2 - ANTENAS

Normalmente a instalação de antenas nas capitais é feita sem maiores problemas, pois dispomos de sinais fortes. As
coisas começam a complicar quando os sinais são muito fracos ou quando se trata de receber vários canais de direções
diferentes.

No caso da nossa coletiva, vamos utilizar antenas do tipo monocanal Yagi que apresentam uma série de vantagens sobre
as antenas multicanais. Vamos utilizá-las, entre outros motivos, porque recebemos sinais de três regiões diferentes. Com
uma antena multicanal teríamos que encontrar uma direção "média" de recepção o que seria impossível. Com uma antena
independente para cada canal podemos direcionar cada antena corretamente, garantindo a recepção de sinais limpos, fortes
e definidos. Permitirá ainda atenuarmos ou amplificarmos cada canal separadamente, colocando todos no mesmo nível.

As antenas multicanais perdem também em comparação com as monocanais na relação frente/costa porque são mais
sujeitas a recepção de imagens secundárias pela parte posterior da antena. Na antena multicanal a intensidade de recepção
de cada canal é também muito variável.

Catálogo Antenas / CATV -77-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA
As antenas normalmente utilizadas em sistemas de antena coletiva são monocanais ou multibandas. As antenas
monocanais de VHF são projetadas para recepção de um único canal de TV. Assim para receber um conjunto de 7 canais de
VHF é necessário 7 antenas, uma para cada canal. Isso é feito para otimizar a recepção de cada canal. Assim é possível
apontar cada antena para a direção do transmissor e ajustar individualmente o nível de cada canal. Já as antenas
multibandas recebem todos os canais transmitidos numa mesma direção, não sendo possível ajustar um canal de forma
independente dos demais.

Fig. 2 - Antena Banda I - cód. 415C Fig. 3 - Antena FM circular - cód. 525CL Fig. 4 - Antena Banda III - cód. 417C

18.3 - MISTURADORES
São utilizados para misturar e equalizar sinais de TV provenientes de
diversas antenas, moduladores, conversores, etc. O misturador de 8
entradas de VHF possui em cada entrada um filtro passa canal e um
atenuador variável para ajustar o nível do sinal do canal na saída. Assim é
possível obter um conjunto de canais, todos com o mesmo nível de sinal.

Fig. 5 - Misturador

18.4 - MODULADORES
Utilizados para modular uma portadora de R.F. através de sinais de áudio
e vídeo provenientes de receptores de satélite, DVD, câmeras,
videocassetes, etc. Os moduladores normalmente utilizados em sistemas de
antena coletiva são do tipo DSB (double side band = banda lateral dupla), isto
é, não filtram a banda lateral inferior do canal de TV. Portanto, eles não
podem ser utilizados em sistemas que operam com canais adjacentes, tais
como os sistemas de CATV.

Fig. 6 - Modulador

18.5 - CONVERSORES
São empregados para converter a frequência de um canal, normalmente
na faixa de UHF, para um outro canal na faixa em VHF.

Fig. 7 - Conversor

Catálogo Antenas / CATV -78-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.6 - ATENUADORES

São utilizados para reduzir os níveis de sinais às


necessidades do sistema de distribuição de CATV ou antena
coletiva. Podem ser de atenuação fixa ou variável.

Fig. 8 - Atenuador

18.7 - BOOSTERS

São amplificadores de ruído baixo, montados junto às


antenas, para melhorar a relação sinal/ruído do sistema de
recepção. Possui uma fonte separada que envia alimentação ao
amplificador pelo próprio cabo de sinal. Existem vários modelos
de boosters, para as faixas de VHF, de UHF ou para ambas as
faixas, com diversas faixas de ganho.

Fig. 9 - Fonte (uso interno) Fig. 10 - Booster (uso externo)

18.8 - AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA

Amplifica o sinal aplicado na sua entrada para que o nível na saída seja suficiente para compensar as perdas ocorridas no
sistema de distribuição. Podem ser amplificadores para CATV, TV à Cabo, do tipo push-pull, ou para as faixas de VHF e UHF,
utilizados em antenas coletivas. Os amplificadores de CATV empregam um módulo amplificador híbrido e possuem ajustes
de nível e de inclinação, que serve para compensar a
característica seletiva das perdas em cabos coaxiais.

Para escolher qual amplificador é o mais adequado numa


instalação, é preciso levar em conta a faixa de frequências de
operação, ou seja, se é VHF, UHF ou então CATV, o ganho e a
potência de saída. Para determinar a potência de saída, é preciso
saber qual o nível de sinal que vai ser entregue nas tomadas e
quanto é perdido na distribuição do sinal. Uma vez determinado o
nível de sinal na saída, calcula-se o ganho necessário
subtraindo-se o nível de sinal na entrada do amplificador.

Fig. 11 - Amplificador VHF + UHF Fig. 12 - Amplificador CATV

18.9 - DIVISORES (POWER SPLITER)

Utilizado na divisão e
distribuição de um sinal para
diversas saídas e também para
combinar diversos sinais em
uma única saída (quando
utilizado ao contrário).

Fig. 13 - Divisor 4 saídas Fig. 14 - Divisor 3 saídas Fig. 15 - Divisor 2 saídas

Catálogo Antenas / CATV -79-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.10 - TOMADAS BLINDADAS (TAP)


Utilizada na distribuição dos sinais nas prumadas. É composto de um AP
acoplador direcional que retira uma parcela do sinal que passa pela tomada.
A característica que nomeia uma tomada é quanto de sinal ela acopla da
linha principal. Existem tomadas de 4dB, 6dB, 9dB, 12dB, 16dB, 20dB, 24dB,
27dB e 30dB. Além do acoplamento, que é uma medida da atenuação da VE VS
linha para a tomada ALT, outros parâmetros importantes das tomadas são: a
atenuação de passagem AP e a atenuação de isolação AI. A figura ao lado
mostra como estas grandezas são medidas.

A LT VT AI
Fig. 16 - Tomada blindada

18.10.1 - ORDENADAÇÃO DAS TOMADAS BLINDADAS


APARTAMENTO Será considerada a situação em que o sinal é distribuído a partir da
DE CIMA cabeceira do sistema, que fica no topo do prédio. O objetivo do projeto é
APARELHO
determinar quais tomadas usar de modo que seja entregue aos usuários,
DE TV / FM VE ( J+1 ) aproximadamente, o mesmo nível de sinal. O sinal é máximo quando ele
sai da cabeceira, e vai sendo atenuado à medida que ele é distribuído.
Portanto é de se esperar que as tomadas dos apartamentos próximos da
VT ( J+1 ) cabeceira tenham uma atenuação da linha para a tomada maior que a de
APARTAMENTO J+1 VS ( J+1 )
um usuário que esteja mais distante, onde o sinal já está atenuado.
d J,J+1 = distância entre Numa distribuição como a descrita acima, o nível de sinal na tomada do
d J,J+1
tomadas Apto J e Apto J+1 apartamento “j+1”, que fica acima do apartamento “j”, é dado por:

VE(j+1) = VE(j) + AC.dJ, J+1 + AP(j+1) [1]


APARELHO
DE TV / FM TOMADA
VE ( J )
VT(j+1) = VE(j+1) ALT(j+1) [2]
VT ( J ) Onde:
APARTAMENTO J VS ( J )
VE(j), VE(j+1) níveis de sinal na entrada das tomadas dos
PERCURSO DO apartamentos “j” e “j+1”
SINAL NO CABO DA
ANTENA
VT(j) - nível do sinal entregue ao usuário pela tomada do apartamento
“j”
APARELHO
DE TV / FM TOMADA
VE ( 3 )
AP(j) - atenuação de passagem da tomada do apartamento “j”
VT ( 3 ) ALT(j) - atenuação da linha para a tomada do apartamento “j”
APARTAMENTO 3 VS ( 3 )
AC - atenuação do cabo coaxial na frequência em questão
d 2,3 = distância entre
d 2,3
tomadas Apto 2 e Apto 3
dJ, J+1 - comprimento do cabo entre os apartamentos “j” e “j+1”

APARELHO
DE TV / FM TOMADA Para se determinar quais tomadas utilizar em uma distribuição,
VE ( 2 )
começa-se pela tomada no final da linha, ou seja, no ponto j = 1, utilizando
sempre que possível, a tomada de menor atenuação, que é a tomada de
VT ( 2 )
APARTAMENTO 2 VS ( 2 ) 6dB. Arbitra-se o nível de sinal entregue ao usuário e calcula-se, então,
quanto de sinal deve existir na entrada da tomada 1. A escolha da
d 1,2 = distância entre PAREDE atenuação da tomada é um processo interativo, onde se escolhe a tomada
tomadas Apto 1 e Apto 2 d 1,2 cujo nível de sinal entregue ao usuário 2 seja aproximadamente igual ao
do usuário 1. A primeira tentativa é repetir a tomada do andar de baixo.
APARELHO
Calcula-se o sinal entregue ao usuário 2 utilizando as expressões [1] e [2].
DE TV / FM TOMADA
VE ( 1 ) A segunda tentativa é a tomada seguinte de maior atenuação. Repete-se
este procedimento até chegar ao último apartamento.
VT ( 1 )
APARTAMENTO 1
CARGA
Fig. 17 - Exemplo de instalação

Catálogo Antenas / CATV -80-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.10.2 - ROTEIRO DE CÁLCULO DA ORDENAÇÃO


! Escolhendo-se a tomada 1 de 6dB, o nível de referência na saída para a TV VT(1) = 0dB, a distância entre tomadas
de d = 3m, e a atenuação do cabo AC = 0,133 dB/m.
! O nível na entrada da tomada 1 é VE(1) = VT(1) + ALT(1) = 0 + 6 = 6dB
! O nível na entrada da tomada 2 é VE(2) = VE(1) + AC.d1,2 + AP(2)
! O nível de sinal na saída para a TV na tomada 2 é VT(2) = VE(2) - ALT(2)
! A determinação da atenuação da tomada é interativa, ou seja, eu tenho que testar qual tomada fornece, na saída
para a TV, um nível mais próximo do nível de referência. Primeiro faz-se cálculo com a tomada do andar anterior e
depois com a seguinte:
a) Tomada 2 de 6dB. ALT´(2) = 6dB e AP(2) = 2dB

VE(2) = VE(1) + AC.d1,2 + AP(2) = 6 + 0,133x3 + 2 = 8,4dB

VT(2) = VE(2) - ALT(2) = 8,4 - 6 = 2,4dB

b) Tomada 2 de 9dB. ALT"(2) = 9dB e AP"(2) = 1,3dB

VE(2) = VE(1) + AC.d1,2 + AP"(2) = 6 + 0,133x3 + 1,3 = 7,7dB

VT(2) = VE(2) - ALT"(2) = 7,7 - 9 = -1,3dB

! A tomada de 9dB será escolhida por apresentar na saída para a TV um nível mais próximo do nível de referência
que é 0dB. Portanto VE(2) = 7,7dB
! O nível na entrada da tomada 3 é VE(3) = VE(2) + AC.d2,3 + AP(3)
! O nível de sinal na saída para a TV na tomada 3 é VT(3) = VE(3) - ALT(3)
! Primeiro faz-se o cálculo com a tomada do andar anterior e depois com a seguinte:
a) Tomada 3 de 9dB. ALT'(3) = 9dB e AP'(3) = 1,3dB

VE(3) = VE(2) + AC.d2,3 + AP`(3) = 7,7 + 0,133x3 + 1,3 = 9,4dB

VT(3) = VE(3) - ALT'(3) = 9,4 - 9 = 0,4dB

b) Tomada 3 de 12dB. ALT"(3) = 12dB e AP"(3) = 1,0dB

VE(3) = VE(2) + AC.d2,3 + AP"(3) = 7,7 + 0,133x3 + 1,0 = 9,1dB

VT(3) = VE(3) - ALT"(3) = 9,1 - 12 = -2,9dB

! A tomada de 9dB será escolhida por apresentar na saída para a TV um nível mais próximo do nível de referência
que é 0dB. Portanto VE(3) = 9,4dB
! De uma maneira geral, para determinar a atenuação da tomada do apartamento "j+1", quando já se chegou no
apartamento "j", procede-se da seguinte forma:
! O nível na entrada da tomada "j+1" é VE(j+1) = VE(j) + AC.dj,j+1 + AP(j+1)
! O nível de sinal na saída para a TV na tomada "j+1" é VT(j+1) = VE(j+1) - ALT(j+1)
! Primeiro faz-se o cálculo com a tomada do andar anterior e depois com a seguinte:
a) Tomada "j+1" igual à tomada do andar anterior. Das especificações da tomada obtém-se ALT`(j+1) e AP`(j+1)

VE(j+1) = VE(j) + AC.dj,j+1 + AP`(j+1)

VT(j+1) = VE(j+1) - ALT`(j+1)

b) Tomada "j+1" com atenuação maior que a do andar anterior. Das especificações da tomada obtém-se ALT"(j+1) e
AP"(j+1)

VE(j+1) = VE(j) + AC.dj,j+1 + AP"(j+1)

VT(j+1) = VE(j+1) - ALT"(j+1)

! Escolhe-se a tomada ALT`(j+1) ou ALT"(j+1) que apresentar na saída para a TV um nível mais próximo do nível de
referência que é 0dB.
! Este cálculo é repetido até que se chegar na última tomada.

Catálogo Antenas / CATV -81-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.10.3 - TABELAS DE ORDENAÇÃO DE TOMADAS BLINDADAS


O projeto geral de ordenação de tomadas, onde a distância entre os pontos não é regular, deve ser calculado caso a caso.
Já, numa instalação predial, onde cada prumada possui apenas um ponto por andar, e a distância de um ponto a outro é
aproximadamente 3m, é possível gerar tabelas com a ordenação das tomadas blindadas. Como o cálculo da ordenação das
tomadas depende do tipo de cabo coaxial e da frequência que ele é empregado, a tabela apresenta três colunas. Duas para
cabo coaxial de 75 do tipo "Celular", RGC-59, nas frequências de 240 Mhz e 470 Mhz, e uma para cabo coaxial RG-59 em 240
Mhz. Estas tabelas simplificam o projeto de distribuições em prédios de apartamento, pois delas se obtém diretamente o valor
da tomada para cada andar.

RGC-59 RGC-59 RG-59 RGC-59 RGC-59 RG-59 RGC-59 RGC-59 RG-59


ANDAR ANDAR ANDAR
240MHz 470MHz 240MHz 240MHz 470MHz 240MHz 240MHz 470MHz 240MHz
1 6 dB 6 dB 6 dB 11 16 dB 20 dB 20 dB 21 27 dB 30 dB 30 dB
2 9 dB 9 dB 9 dB 12 20 dB 20 dB 20 dB 22 27 dB 30 dB 30 dB
3 9 dB 9 dB 9 dB 13 20 dB 20 dB 20 dB 23 27 dB 30 dB 30 dB
4 12 dB 12 dB 12 dB 14 20 dB 20 dB 20 dB 24 27 dB 30 dB 30 dB
5 12 dB 12 dB 12 dB 15 20 dB 24 dB 24 dB 25 30 dB 30 dB 30 dB
6 12 dB 16 dB 16 dB 16 20 dB 24 dB 24 dB 26 30 dB - -
7 16 dB 16 dB 16 dB 17 24 dB 24 dB 24 dB 27 30 dB - -
8 16 dB 16 dB 16 dB 18 24 dB 27 dB 27 dB 28 30 dB - -
9 16 dB 16 dB 16 dB 19 24 dB 27 dB 27 dB 29 30 dB - -
10 16 dB 20 dB 20 dB 20 24 dB 27 dB 27 dB 30 30 dB - -

18.11 - EXEMPLOS DE PROJETOS


18.12 - ANTENA COLETIVA EM PRÉDIO DE APARTAMENTO
Vamos considerar um prédio de 12 andares, com 4 apartamentos por andar, onde cada apartamento é servido por uma
prumada e possui um único ponto na sala. Deseja-se distribuir os canais de TV de VHF e UHF e entregar um sinal de
aproximadamente 75dBmV para cada ponto. O cabo coaxial escolhido foi o RGC-59, por ser o que apresenta a melhor
relação custo-desempenho.

18.13 - PROJETO DA CABECEIRA


Vamos supor que o prédio onde a antena
Canal Emissora Código da Antena Faixa
coletiva será instalada está em uma capital, onde
existem 7 canais de VHF, FM, canais de UHF na 2 TV Cultura 520CL VHF
Banda IV e Banda V. Além destes canais, serão 4 SBT 522CL VHF
distribuídos mais um canal de TV com sinal de 5 Rede Globo 523CL VHF
vídeo do circuito fechado, obtido das câmeras que FM 88 a 108MHz 525CL FM
ficam na portaria. Serão usadas as seguintes 7 Rede Record 526CL VHF
antenas: 9 Rede TV 528CL VHF
11 Rede Gazeta 530CL VHF
Os canais 16 e 32 serão recebidos por uma 13 Rede Bandeirantes 532CL VHF
única antena de UHF para Banda IV e os canais 40 16 CBI
e 42 serão recebidos por uma antena de UHF para 418C UHF
32 MTV
a Banda V. 40 Rede Vida
419C UHF
42 Rede Mulher
H Circuito Fechado Modulador VHF

18.14 - MASTROS
As antenas serão distribuídas em 4 mastros. Alguns mastros terão 3 antenas e outros 2 antenas. Quando se colocam
várias antenas num mesmo mastro, deve-se colocar na parte debaixo do mastro as antenas dos canais mais baixos, que são
as antenas maiores, no caso as antenas da Banda I. Acima destas vão as antenas de VHF da Banda III, e acima destas é que
são colocadas as antenas de UHF.

Mastro Antenas
1 Canal 2 Canal 13 -
2 Canal 4 Canal 11 -
3 Canal 5 Canal 9 UHF-Banda V
4 FM Canal 7 UHF-Banda IV

Catálogo Antenas / CATV -82-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.15 - MISTURADORES
Para combinar os sinais das 7 antenas de VHF e da antena de FM será utilizado o misturador de VHF cód. 1050-E. Como
este misturador não tem uma entrada para o canal H, gerado pelo modulador, será usado o acoplador cód. 1053-F, canal H,
para acoplar este canal aos canais de VHF. Para combinar os sinais das antenas de UHF da Banda IV e da Banda V será
usado o misturador cód. 8192E. E para combinar os sinais de VHF, incluindo o canal H, com os sinais de UHF da saída do
misturador cód. 8192E, usa-se o misturador de VHF/UHF cód. 1020-F.

18.16 - INTENSIDADE DOS SINAIS


O passo seguinte será conhecer a intensidade dos sinais que chegam no prédio onde vamos instalar a antena coletiva.
Para isso será empregado um Medidor de Intensidade de Campo ou, simplesmente, um Medidor de Campo, que é um
voltímetro seletivo. O valor da intensidade do sinal é lido diretamente no mostrador do equipamento em dBmV, mV, dBmV ou
mV. Sem estes valores é impossível garantir que o projeto vai funcionar.
A medida da intensidade de sinal é o ponto de partida para determinar:
o
1 ) Se é possível instalar a antena no lugar desejado.
o
2 ) Qual é o tipo de antena mais adequado à instalação (antena de alto ou baixo ganho)
o
3 ) Se é necessário ou não amplificar o sinal recebido
O apontamento correto da antena é aquele em que se obtém a máxima intensidade de sinal e a melhor qualidade de
imagem. A tabela abaixo mostra os valores medidos do sinal no local de instalação.

Antena Nível de Sinal (dBmV) Procedimento


Medido Desejado Qualidade
Código Faixa Canal na na saída do Diferença Solução Código do Booster da Imagem
Antena Misturador
520CL VHF 2 60 78 -18 Amplificar 823-4ES14/24 Alguns Chuviscos
522CL VHF 4 45 78 -33 Amplificar 823-4ES30/42 Com Chuviscos
523CL VHF 5 81 78 +3 Atenuar - Boa
525CL FM FM 96 78 +18 Atenuar - Levemente Distorcida
526CL VHF 7 97 78 +19 Atenuar - Cores Saturadas
528CL VHF 9 90 78 +12 Atenuar - Limpa
530CL VHF 11 94 78 +16 Atenuar - Levemente Distorcida
532CL VHF 13 82 78 +4 Atenuar - Boa
16 86 78 +8 Atenuar - Boa
418CL UHF
32 80 78 +2 Atenuar - Boa
40 52 78 -26 Amplificar 823-5ECABO Alguns Chuviscos
419CL UHF
42 56 78 -22 Amplificar - Alguns Chuviscos
866-EA VHF H 80 78 +2 Atenuar - Boa

O sinal da antena, ao passar pelo misturador, sofre uma atenuação, que deve ser levada em conta quando se deseja
determinar com que nível de sinal todos os canais devem ficar. Somente os canais de VHF podem ser ajustados
individualmente. Isso é possível porque se usa o misturador de VHF cód.1050-E, que possui entrada separada para cada
antena e ajuste de atenuação para cada entrada. Analisando o nível dos sinais de VHF verifica-se que o mais razoável é
amplificar os canais 2 e 4 e tomar o nível do canal 5 na saída do misturador, que é 78dBmV, como nível de referência. Quanto
aos sinais de UHF, não é possível ajustá-los de forma independente. O que é possível fazer é um ajuste por banda, e isso é
realizado utilizando-se um booster para amplificar os canais recebidos pela antena da Banda V.

18.17 - MODULADOR
Para inserir o sinal de vídeo do circuito fechado, obtido das câmeras de segurança, na distribuição de antena coletiva, é
preciso primeiro transformá-lo num canal de TV. Isso é realizado utilizando o modulador ágil cód. 866-EA. Foi escolhido um
canal de VHF na Banda Média, o canal H ou canal 21 de CATV. Para juntar este canal aos demais canais de VHF foi preciso
usar o acoplador cód. 1053-F, uma vez que já não existia mais entrada livre disponível no misturador cód. 1050-E. O ajuste do
nível do canal H é feito no modulador, que possui um controle do nível do sinal de saída.

18.18 - PROJETO DAS PRUMADAS


Este projeto pode ser retirado diretamente da tabela, na coluna do cabo RGC-59, na frequência de 470 Mhz. A última
tomada da prumada é a de 20dB, isso quer dizer que a atenuação da prumada é aproximadamente ALT = 20dB. Portanto para
entregar um sinal com o nível de VTV = 75dBmV em cada ponto de TV, é necessário um nível VPRUMADA = 95dBmV na entrada
de cada prumada. Não se deve esquecer que na saída da tomada no primeiro andar deve ser colocado uma carga de 75W.

VPRUMADA = VTV + ALT = 75dBmV + 20dB = 95dBmV

Catálogo Antenas / CATV -83-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.19 - DIVISOR

Como no prédio existem 4 prumadas, é preciso dividir o sinal que sai do amplificador por 4. Isso é feito usando um divisor
blindado THEVEAR cód. 1010-F. A atenuação de nível de sinal introduzida pelo divisor é de ADIVISOR = 7dB.

18.20 - PERDA NOS CABOS

Para ligar o divisor até as tomadas dos apartamentos do andar 12, será preciso aproximadamente 10m de cabo coaxial
RGC-59. Na frequência de projeto, 470 Mhz, a perda deste cabo é 0,2dB/m, o que vai adicionar uma perda de 2dB ao sinal
que vai para as prumadas.

ACABO = 10m x 0,2dB/m = 2dB

18.21 - PONTO DE TESTE

Uma boa estratégia de projeto é colocar uma tomada com aproximadamente a mesma atenuação da rede de distribuição
após o amplificador para que se possa ajustar e verificar o funcionamento da cabeceira sem que seja preciso desconectar
todos os usuários. Como as tomadas de 20dB a 30dB, que são as utilizadas como pontos de teste, possuem o mesmo valor
de atenuação de passagem AP-TOMADA = 0,5dB, acrescentaremos mais esta perda de sinal no cálculo da distribuição.

18.22 - AMPLIFICADOR DE POTÊNCIA

Para determinar o nível de sinal necessário na saída do amplificador é preciso somar as perdas causadas pelo ponto de
teste, divisor e cabo coaxial ao sinal necessário na entrada de cada prumada.

VAMP = VPRUMADA + ACABO + ADIVISOR + AP-TOMADA = 95dBmV + 2dB + 7dB + 0,5dB = 104,5dBmV

Assim, na entrada do divisor é preciso um nível de sinal de 104,5dBmV. Arredondaremos este valor para 105dBmV. Este é o
nível de sinal que deve ser fornecido pelo amplificador que vai ser empregado na cabeceira.

Para calcular o ganho do amplificador basta subtrair do nível de sinal na saída VAMP o nível de sinal presente na entrada
do amplificador VENTRADA:

GAMP = VAMP - VENTRADA = 105 dBmV - 78 dBmV = 27dB

O amplificador escolhido neste caso é o amplificador cód. 1064-30, que é um amplificador de 30dB de ganho para as
faixas de VHF e UHF com ajuste de ganho independente para cada faixa.

Para determinar o valor da tomada que será usada no ponto de teste, fazemos a subtração da potência que sai do
amplificador menos a que é entregue para cada ponto de TV:

APONTO-TESTE = VAMP VTV = 105 dBmV - 75 dBmV + = 30dB

Portanto será empregada uma tomada de 30dB no ponto de teste.

Catálogo Antenas / CATV -84-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.23 - VERIFICAÇÃO DO PROJETO

Agora vamos fazer uma verificação da coletiva projetada. Este procedimento é o mesmo que se usa quando o instalador
chega numa instalação já feita e é preciso calcular qual é o nível que deveria ser entregue em cada tomada.

Começamos com o nível de sinal na entrada do amplificador VENTRADA = 78dBmV. Somando a este nível o ganho do
Amplificador GAMP=27dB, obtemos o valor do nível do sinal na saída VAMP = 105dBmV. Esta é a primeira linha da tabela. Na
linha seguinte da tabela temos a tomada do ponto de teste, depois vem o divisor e a perda nos 10m de cabo coaxial que unem
o divisor à tomada do andar 12. Na entrada da tomada do andar 12, o nível de sinal é VE(12)=95,5dBmV. O nível de sinal
entregue para a TV nos apartamentos do andar 12 é o nível presente na entrada da tomada menos a atenuação da linha para
a tomada, VTV(12) = VE(12) - ALT(12) = 95,5dBmV - 20dB = 75,5dBmV. Já no sinal que segue para os andares de baixo, ao
passar pela tomada, ocorre uma perda de sinal devido a atenuação de passagem da tomada VS(12) = VE(12) - AP(12) =
95,5dBmV - 0,5dB = 95dBmV. Da saída da tomada do andar 12 até a entrada da tomada no andar 11 (na linha de baixo da
tabela) existe a perda em 3 m de cabo coaxial. Portanto VE(11) = VS(12) - ACC = 95dBmV - 0,6dB = 94,4 dBmV. Repete-se este
procedimento até chegar à última linha da tabela.

TABELA DO CÁLCULO DO NÍVEL DE SINAL


SINAL NA PRUMADA SINAL NO PONTO DE
PRODUTO NÍVEL DE ATENUAÇÃO NÍVEL DE ATENUAÇÃO ATENUAÇÃO NÍVEL DE
SINAL NA DE SINAL NA NO CABO LINHA PARA SINAL NA
ENTRADA PASSAGEM SAÍDA COAXIAL TOMADA TV
ANDAR
ACC=AC.d VTV=
VE AP VS=VE-AP AC=0,2dB/m ALT
ITEM CÓDIGO TIPO VE - ALT
(d=3M)
(dBmV) (dB) (dBmV) (dB) (dB) (dBmV)
Cabeceira Amplificador 1064-30 78 G= -27 105 - - -
Cabeceira Ponto de Teste 970-E30dB 30dB 105 0,5 104,5 - 30 75
Cabeceira Divisor 4 saída 1010-F 104,5 7 97,5 - - -
Cabeceira Cabo Coaxial RGC-59 10m 97,5 2 95,5 - - -
12 Tomada 970-E20dB 20dB 95,5 0,5 95,0 0,6 20 75,5
11 Tomada 970-E20dB 20dB 94,4 0,5 93,9 0,6 20 74,4
10 Tomada 970-E20dB 20dB 93,3 0,5 92,8 0,6 20 73,3
9 Tomada 970-E16dB 16dB 92,2 0,6 91,6 0,6 16 76,2
8 Tomada 970-E16dB 16dB 91,0 0,6 90,4 0,6 16 75,0
7 Tomada 970-E16dB 16dB 89,8 0,6 89,2 0,6 16 73,8
6 Tomada 970-E16dB 16dB 88,6 0,6 88,0 0,6 16 72,6
5 Tomada 970-E12dB 12dB 87,4 1,0 86,4 0,6 12 75,4
4 Tomada 970-E12dB 12dB 85,8 1,0 84,8 0,6 12 73,8
3 Tomada 970-E9dB 9dB 84,2 1,3 82,9 0,6 9 75,2
2 Tomada 970-E9dB 9dB 82,3 1,3 81,0 0,6 9 73,3
1 Tomada 970-E6dB 6dB 80,4 2,2 78,2 0,6 6 74,4

Catálogo Antenas / CATV -85-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.24 - MODELO DE PROJETO

522CL 526CL 530CL 418C 419C


( CANAL 4 ) ( CANAL 7 ) ( CANAL 11 ) ( BANDA IV ) ( BANDA V )

520CL
( CANAL 2 )

8234ES30/42 532CL
(BOOSTER) 523CL 528CL ( CANAL 13 )
( CANAL 5 ) ( CANAL 9 )

8234ES14/24 8235ECABO
(BOOSTER) 525CL ( BOOSTER )

FONTE FONTE
FONTE

8192E
(MISTURADOR)

A V
2 4 5 FM 7 9 11 13 1050-E
866-EA CANAL (MISTURADOR)
(MODULADOR) H SAÍDA

SAÍDA
1053-F
(ACOPLADOR)

C/ H VHF CABO COAXIAL 75 W RGC-59


1020-F
(MISTURADOR)

VHF UHF

1064-30
(AMPLIFICADOR)

105 dBmV

30 dB PONTO TESTE - 75dBmV

1010-E
(DIVISOR) 10 METROS
CABO COAXIAL 75W RGC-59
95dBmV

12º ANDAR 20 dB 20 dB 20 dB 20 dB 75dBmV

11º ANDAR 20 dB 20 dB 20 dB 20 dB

10º ANDAR 20 dB 20 dB 20 dB 20 dB

9º ANDAR 16 dB 16 dB 16 dB 16 dB

8º ANDAR 16 dB 16 dB 16 dB 16 dB

7º ANDAR 16 dB 16 dB 16 dB 16 dB

6º ANDAR 16 dB 16 dB 16 dB 16 dB

5º ANDAR 12 dB 12 dB 12 dB 12 dB

4º ANDAR 12 dB 12 dB 12 dB 12 dB

3º ANDAR 9 dB 9 dB 9 dB 9 dB

2º ANDAR 9 dB 9 dB 9 dB 9 dB

1º ANDAR 6 dB 6 dB 6 dB 6 dB

CARGA 75W CARGA 75W CARGA 75W CARGA 75W

Fig. 18 - Exemplo de instalação

Catálogo Antenas / CATV -86-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.25 - PROJETO DE UMA MINI COLETIVA


o
Imaginemos agora que o morador de um dos apartamentos do 10 andar, além da TV da sala, deseja levar o sinal de TV
que lá chega para os dois quartos e para a cozinha.

CÓD. 970-E 4dB


CÓD. 1012-E

CABO
COAXIAL 75W
CÓD. 970-E 4dB

SALA COZINHA QUARTO 1 QUARTO 2

AMPLIFICADOR
CÓD. 1024-F

Fig. 19 - Exemplo de instalação

Para fazer esta distribuição, foi necessário primeiro dividir o sinal, usando o divisor blindado de duas saídas, cód.1012-F.
Numa das saídas do divisor foi colocado uma tomada cód. 970-E4dB de 4dB para a TV da sala e, na saída da tomada, foi
puxado um cabo até a cozinha. Na outra saída do divisor, foi puxado um cabo para os quartos. No primeiro quarto foi colocada
uma tomada cód. 970-E4dB de 4dB e da saída dela foi puxado outro cabo para o segundo quarto.

A introdução das tomadas e do divisor provocou uma perda de sinal de pelo menos 7,5dB, além da perda nos cabos. Para
compensar esta perda de sinal foi necessário amplificar o sinal antes de dividi-lo. Isso foi feito com o amplificador de TV
código 1024-F, que apresenta 10dB de ganho.

18.26 - O QUE USAR: CABO COAXIAL OU FITA PARALELA?


Existem basicamente dois meios de se trazer o sinal da antena até o aparelho de TV. Pode-se usar a fita paralela, cuja
impedância é de 300W, ou o cabo coaxial de 75W.

Quando é mais conveniente usar um ou outro?

A fita paralela é um meio de transmissão aberto, ou seja, os campos Eletromagnéticos que conduzem os sinais de TV
ficam espalhados em uma região externa ao redor da fita. Por isso não se usa fita para passar em tubulações, conduítes, etc.
Por ser um meio aberto a fita paralela funciona também como uma antena, e isso pode gerar sombras ou fantasmas na
imagem.

Outra desvantagem da fita, é que a maioria dos equipamentos usados na distribuição do sinal de TV são projetados para
trabalharem com cabo coaxial de 75W. Portanto, o uso da fita limita-se às instalações simples, onde o usuário se dispõe a
gastar o mínimo possível.

O cabo coaxial confina os campos eletromagnéticos entre o condutor central e a malha externa. Portanto ele é um meio
fechado e não sofre dos problemas da fita. Os cabos coaxiais mais comuns são os de 75W. Para instalações de TV/FM os
modelos mais utilizados são o RG-59B/U e o RGC-59 "Celular". O RG-59B/U é indicado para instalações que trabalham só
com sinais de VHF e o RGC-59 "Celular" para instalações que trabalhem com VHF e UHF porque sua atenuação é menor.

Catálogo Antenas / CATV -87-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.27 - TABELA DE CABOS COAXIAIS DE 75W


Na tabela abaixo, para saber a atenuação por metro de cabo basta dividir a atenuação dada por 100.

TABELA DE CABOS COAXIAIS DE 75 W


CANAL FREQUÊNCIA ATENUAÇÃO (dB/100m)
- RGC-11 RG-11 RG-59 RGC-59 TF-53 TF-88 RTS-59 RGC-6
- (MHz) 75 W 75 W 75 W 75 W 75 W 75 W 75 W 75 W
- 10 1,17 2,12 3,59 2,36 1,65 0,98 3,37 2,3
- 30 2,04 3,76 6,30 4,17 2,88 1,72 5,82 -
- 45 2,52 4,66 7,77 5,15 3,55 2,12 7,33 -
2 60 2,92 5,43 9,01 5,99 4,11 2,46 8,52 5,25
4 70 3,16 5,91 9,03 6,50 4,44 2,07 9,23 -
FM 100 3,80 7,17 11,81 7,86 5,34 3,21 10,92 6,4
- 120 4,18 7,93 12,97 8,68 5,86 3,54 12,32 -
8 180 5,17 9,94 16,13 10,83 7,23 4,38 15,34 9,35
- 240 6,02 11,70 18,85 12,66 8,40 5,11 17,96 10,82
- 300 6,78 13,30 21,26 14,30 9,44 5,76 19,95 11,64
- 360 7,48 14,78 23,54 15,91 10,37 6,36 21,88 -
- 420 8,13 16,18 25,65 17,37 11,27 6,92 23,86 13,68
15 480 8,74 17,51 27,63 18,74 12,06 7,45 25,74 -
24 500 9,32 18,979 29,52 20,06 12,88 7,94 27,53 15,09
36 600 9,87 20,02 31,33 21,32 13,62 8,42 29,52 16,73
45 660 10,40 21,20 33,07 22,54 14,34 8,68 30,90 -
55 720 10,91 22,36 34,75 23,71 15,02 9,32 32,50 -
65 780 11,40 23,48 36,86 24,86 15,66 9,75 34,06 -
75 840 11,88 24,58 37,97 25,97 16,32 10,17 35,57 20,0
83 900 12,35 25,65 39,51 27,06 16,94 10,57 37,04 -
- 960 12,80 26,70 41,02 28,12 17,55 10,97 38,48 -
- 1000 13,09 27,40 42,07 28,66 17,94 11,23 39,79 22,3
- 1020 13,24 27,74 42,47 29,16 18,13 11,35 39,89 -
- 1080 13,67 28,75 43,93 30,18 18,71 11,73 41,27 -
- 1140 14,09 29,75 45,34 31,18 31,18 19,37 42,13 -
- 1200 14,51 30,73 46,73 32,16 19,82 12,46 43,96 -
- 1260 14,91 31,70 48,06 33,13 20,35 12,82 45,27 -
- 1320 15,31 32,66 49,44 34,07 20,88 13,16 46,52 -
- 1380 15,70 33,60 50,76 35,03 21,36 13,51 47,83 -
- 1440 16,09 34,53 52,06 35,95 21,90 13,85 49,08 -
- 1500 16,46 35,45 53,31 36,87 22,40 14,18 50,32 -
- 2000 19,43 42,78 63,54 43,75 26,25 16,79 60,08 -

Catálogo Antenas / CATV -88-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.28 - TABELA DE CONVERSÃO DE dBmV em V


A tabela apresentada fornece diretamente as tensões em mV, mV e V, correspondente aos níveis em dBmV.
Inversamente a tabela fornece os níveis correspondentes as tensões.
Exemplo: O nível de 60 dBmV corresponde a uma tensão de 1 mV.
A tensão de 1V corresponde a um nível de 120 dBmV.

TABELA DE CONVERSÃO DE dBmV em V


NÍVEL
EM dBmV 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9
0 1 1,12 1,25 1,41 1,58 1,78 1,99 2,23 2,51 2,81
10 3,16 3,54 3,98 4,46 5,01 5,62 6,30 7,07 7,94 8,91
TENSÃO
20 10 11,22 12,58 14,12 15,84 17,78 19,25 22,38 25,11 28,18 EM
30 31,62 35,48 39,81 44,66 50,11 56,26 63,09 70,79 79,43 89,12 mV
40 100 112,20 125,89 141,25 158,48 117,82 199,52 223,87 251,18 281,82
50 316,22 354,81 398,10 446,68 501,18 562,34 630,34 707,94 794,32 819,25
60 1 1,22 1,25 1,41 1,58 1,78 1,99 2,23 2,51 2,81
70 3,16 3,54 3,98 4,46 5,01 5,62 6,30 7,07 7,94 8,91
80 10 11,22 12,58 14,12 15,84 17,78 19,95 22,38 25,11 28,18 TENSÃO
EM
90 31,62 35,48 39,81 44,66 50,11 56,26 63,09 70,79 79,43 89,12 mV
100 100 112,20 125,89 141,25 158,48 177,82 199,52 223,87 251,18 281,83
110 316,22 354,81 398,10 446,68 501,18 562,32 630,95 707,94 794,32 819,25
120 1 1,22 1,25 1,41 1,58 1,78 1,99 2,23 2,51 2,81
3,16 3,54 3,98 4,46 5,01 5,62 6,30 7,07 7,94 8,91 TENSÃO
130 EM V
140 10 11,22 12,58 14,12 15,84 17,78 19,95 22,38 25,11 28,18

18.29 - TABELA DE FREQUÊNCIA DOS CANAIS


TABELA DE FREQUÊNCIAS DOS CANAIS
FAIXA DE FREQ. DA FREQ. DA FAIXA DE FREQ. DA FREQ. DA FAIXA DE FREQ. DA FREQ. DA FAIXA DE FREQ. DA FREQ. DA FAIXA DE FREQ. DA FREQ. DA
Nº Nº Nº DO Nº DO Nº DO Nº DO Nº
FREQ. DO PORT. DE PORT. DE FREQ. DO PORT. DE PORT. DE FREQ. DO PORT. DE PORT. DE FREQ. DO PORT. DE PORT. DE FREQ. DO PORT. DE PORT. DE
DO DO CANAL CANAL CANAL CANAL DO
CANAL - VÍDEO - SOM - CANAL - VÍDEO - SOM - CANAL - VÍDEO - SOM - CANAL - VÍDEO - SOM - CANAL - VÍDEO - SOM -
CANAL CANAL LETRA CATV LETRA CATV CANAL
MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ MHZ
VHF 44 650-656 651,25 655,75 BANDA MÉDIA OO 51 384-390 385,25 389,75 100 648-654 649,25 653,75
2 54-60 55,25 59,75 45 656-662 657,25 661,75 A-5 95 90-96 91,25 95,75 PP 52 390-396 391,25 395,75 101 654-660 655,25 659,75
3 60-66 61,25 65,75 46 662-668 663,25 667,75 A-4 96 96-102 97,25 101,75 QQ 53 396-402 397,25 401,75 102 660-666 661,25 665,75
4 66-72 67,25 71,75 47 668-674 669,25 673,25 A-3 97 102-108 103,25 107,75 RR 54 402-408 403,25 407,75 103 666-672 667,25 671,75
5 76-82 77,25 81,75 48 674-680 675,25 679,25 A-2 98 108-114 109,25 113,75 SS 55 408-414 409,25 413,75 104 672-678 673,25 677,75
6 82-88 83,25 87,75 49 680-686 681,25 685,75 A-I 99 114-120 115,25 119,75 TT 56 414-420 415,25 419,75 105 678-684 679,25 683,75
FM 88-108 50 686-692 687,25 691,75 A 14 120-126 121,25 125,75 UU 57 420-426 421,25 425,75 106 684-690 685,25 689,75
7 174-180 175,25 179,75 51 692-698 693,25 697,75 B 15 126-132 127,25 131,75 VV 58 426-432 427,25 431,75 107 690-696 691,25 695,75
8 180-186 181,25 185,75 52 698-704 699,25 703,75 C 16 132-138 133,25 137,75 WW 59 432-438 433,25 437,75 108 696-702 697,25 701,75
9 186-192 187,25 191,75 53 704-710 705,25 709,75 D 17 138-144 139,25 143,75 XX 60 438-444 439,25 443,75 109 702-708 703,25 707,75
10 192-198 193,25 197,75 54 710-716 711,25 715,15 E 18 144-150 145,25 149,75 YY 61 444-450 445,25 449,75 110 708-714 709,25 713,75
11 198-204 199,25 203,75 55 716-722 717,25 721,75 F 19 150-156 151,25 155,75 ZZ 62 450-456 451,25 455,75 111 714-720 715,25 719,75
12 204-210 205,25 209,75 56 722-728 723,25 727,75 G 20 156-162 157,25 161,75 63 456-462 457,25 461,75 112 720-726 721,25 725,75
13 210-216 211,25 215,75 57 728-734 729,25 733,75 H 21 162-168 163,25 167,75 64 462-468 463,25 467,75 113 726-732 727,25 731,75
58 734-740 735,25 739,75 I 22 168-174 169,25 173,75 65 468-474 469,25 473,75 114 732-738 733,25 737,75
UHF 59 740-746 741,25 745,75 SUPER BANDA 66 474-480 475,25 479,75 115 738-744 739,25 743,75
14 470-476 471,25 475,75 60 746-752 747,25 751,75 67 480-486 481,25 485,75 116 744-750 745,25 749,75
15 476-482 477,25 481,75 61 752-758 753,25 757,75 J 23 216-222 217,25 221,75 68 486-492 487,25 491,75 117 750-756 751,25 755,75
16 482-488 483,25 487,75 62 758-764 759,25 763,75 K 24 222-228 223,25 227,75 69 492-498 493,25 497,75 118 756-762 757,25 761,75
17 488-494 489,25 493,75 63 764-770 765,25 769,75 L 25 228-234 229,25 233,75 70 498-504 499,25 503,75 119 762-774 763,25 773,75
18 494-500 495,25 499,75 64 770-776 771,25 775,75 M 26 234-240 235,25 239,75 71 504-510 505,25 509,75 120 774-780 775,25 779,75
19 500-506 501,25 505,75 65 776-782 777,25 781,75 N 27 240-246 241,25 245,75 72 510-516 511,25 515,75 121 780-786 781,25 785,75
20 506-512 507,25 511,75 66 782-788 783,25 787,75 O 28 246-252 247,25 251,75 73 516-522 517,25 521,75 122 786-792 787,25 791,75
21 512-518 513,25 517,75 67 788-794 789,25 793,75 P 29 252-258 253,25 257,75 74 522-528 523,25 527,75 123 792-798 793,25 797,75
22 518-524 519,25 523,75 68 794-800 795,25 799,75 Q 30 258-264 259,25 263,75 75 528-534 529,25 533,75 124 798-804 799,25 803,75
23 524-530 525,25 529,75 69 800-806 801,25 805,75 R 31 264-270 265,25 269,75 76 534-540 535,25 539,75 125 804-810 805,25 809,75
24 530-536 531,25 535,75 70 806-812 807,25 811,75 S 32 270-276 271,25 275,75 77 540-546 541,25 545,75 126 810-816 811,25 815,75
25 536-542 537,25 541,75 71 812-818 813,25 817,75 T 33 276-282 277,25 281,75 78 546-552 547,25 551,75 127 816-822 817,25 821,75
26 542-548 543,25 547,75 72 818-824 819,25 819,75 U 34 282-288 283,25 287,75 79 552-558 553,25 557,75 128 822-828 823,25 827,75
27 548-554 549,25 553,75 73 824-830 825,25 825,75 V 35 288-294 289,25 293,75 80 558-564 559,25 563,75 129 828-834 829,25 833,75
28 554-560 555,25 559,75 74 830-836 831,25 835,75 W 36 294-300 295,25 299,75 81 564-570 585,25 569,75 130 834-840 835,25 839,75
29 560-566 561,25 565,75 75 836-842 837,25 841,75 HIPER BANDA 82 570-576 571,25 575,75 131 840-846 841,25 845,75
30 566-572 567,25 571,75 76 842-848 843,25 847,75 AA 37 300-306 301,25 305,75 83 576-582 577,25 581,75 132 846-852 847,25 851,75
31 572-578 573,25 577,75 77 848-854 849,25 853,75 BB 38 306-312 307,25 311,75 84 582-588 583,25 587,75 133 852-858 853,25 857,75
32 578-584 579,25 583,75 78 854-860 855,25 859,75 CC 39 312-318 313,25 317,75 85 588-594 589,25 593,75 134 858-864 859,25 863,75
33 584-590 585,25 589,75 79 860-866 861,25 865,75 DD 40 318-324 319,25 323,75 86 594-600 595,25 599,75 135 864-870 865,25 869,75
34 590-596 591,25 595,75 80 866-872 867,25 871,75 EE 41 324-330 325,25 329,75 87 600-606 601,25 605,75 136 870-876 871,25 875,75
35 598-602 599,25 601,75 81 872-878 873,25 877,75 FF 42 330-336 331,25 335,75 88 606-612 607,25 611,75 137 876-882 877,25 881,75
36 602-608 603,25 607,75 82 878-884 879,25 883,75 GG 43 336-342 337,25 341,75 89 612-618 613,25 617,75 138 882-888 883,25 887,75
37 608-614 609,25 613,75 83 884-890 885,25 889,75 HH 44 342-348 343,25 347,75 90 618-624 619,25 623,75 139 888-894 889,25 893,75
38 614-620 615,25 619,75 II 45 348-354 349,25 353,75 91 624-630 625,25 629,75 140 894-900 895,25 899,75
39 620-626 621,25 625,75 JJ 46 354-360 355,25 359,75 92 630-636 631,25 635,75 141 900-906 901,25 905,75
40 626-632 627,25 631,75 KK 47 360-366 361,25 365,75 93 636-642 637,25 641,75 142 906-912 907,25 911,75
41 632-638 633,25 637,75 LL 48 366-372 367,25 371,75 94 642-648 643,25 647,75
42 638-644 639,25 643,75 MM 49 372-378 373,25 377,75
43 644-650 645,25 649,75 NN 50 378-384 379,25 383,75

Catálogo Antenas / CATV -89-


INTRODUÇÃO AO
SISTEMA DE ANTENA COLETIVA

18.30 - TABELA DE CONVERSÃO DE dB


Esta tabela abaixo nos dá diretamente o coeficiente multiplicador correspondente ao ganho de potência (coluna da
direita), à atenuação (colunas da esquerda), expressos em decibéis (dB).
- A tensão de saída de um amplificador de 30 dB de ganho é 31,622 vezes maior que a tensão da entrada, se esta
tensão é de 20mV a tensão de saída é 31,622 x 20 = 632,440 mV.
- As tensões na saída é um distribuidor, com atenuação de 3,5 dB de distribuição, será o resultado da multiplicação,
dB tensão de entrada pelo coeficiente de 0,668, Se a tensão de entrada é de 300 mV, a tensão de saída será 0,668
X 300 = 200,4mV

TABELA DE CONVERSÃO DE dB EM ATENUAÇÃO E GANHO


dB ATENUAÇÃO GANHO dB ATENUAÇÃO GANHO dB ATENUAÇÃO GANHO
0 1 1 11 0,281 3,54 32 0,025 39,8
0,5 0,944 1,059 12 0,251 3,98 33 0,022 44,6
1 0,981 1,122 13 0,223 4,46 34 0,019 50,1
1,5 0,841 1,188 14 0,199 5,01 35 0,017 56,2
2 0,794 1,258 15 0,177 5,62 36 0,015 63
2,5 0,749 1,333 16 0,158 6,3 37 0,014 70,7
3 0,707 1,412 17 0,141 7,07 38 0,0125 79,4
3,5 0,668 1,496 18 0,125 7,94 39 0,011 89,1
4 0,63 1,584 19 0,112 8,91 40 0,01 100
4,5 0,595 1,678 20 0,1 10 41 0,0089 112,2
5 0,562 1,778 21 0,089 11,22 42 0,0079 125,8
5,5 0,53 1,883 22 0,079 12,58 43 0,007 141,2
6 0,501 1,995 23 0,007 14,12 44 0,0063 158,4
6,5 0,473 2,113 24 0,063 15,84 45 0,0056 177,8
7 0,446 2,238 25 0,056 17,78 46 0,005 199,5
7,5 0,421 2,371 26 0,05 19,95 47 0,0044 223,8
8 0,398 2,511 27 0,044 22,38 48 0,0039 251,1
8,5 0,375 2,66 28 0,039 25,11 49 0,0035 281,8
9 0,354 2,818 29 0,035 28,18 50 0,0031 316,2
9,5 0,334 2,985 30 0,031 31,62 55 0,0017 562,3
10 0,316 3,162 31 0,028 35,48 60 0,001 1,000

18.31 - SIMBOLOGIA DE C.A.T.V E M.A.T.V.


M.A.T.V. - “MASTER ANTENNA TV”, SISTEMA DE ANTENA COLETIVA
C.A.T.V. - “COMMUNITY ANTENNA TV” OU “CABLE TV” TV A CABO.

Amplificador
Acoplador descompen- Compensador Isolador de
Estabilizador
de linha sador de de linha C.C.
linha variável
Compensador
Amplificador Antena Filtro passa
de linha Misturador
circular canal
variável

Amplificador Antena Filtro corta


dipolo Conversor Modulador
variável canal

Amplificador Atenuador Divisor de 2 Filtro passa


ajustável Terra
fixo saídas baixas

Amplificador Atenuador Divisor de 3 Filtro passa Tomada


com C.A.G variável saídas altas Blindada

Amplificador Fonte de
Divisor de 4 Carga 75W
Compensador Balun alimentação
saídas
L

Catálogo Antenas / CATV -90-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS

19.0 - ANTENAS EXTERNAS MULTIBANDA PARA VHF - LINHA SELADA


ANTENA RECEPTORA DE SINAL PARA TV, é um equipamento utilizado para receber ondas eletromagnéticas na faixa
de VHF, a qual é enviada ao televisor através de uma linha de transmissão (cabos coaxiais de 75W).

19.1 - ANTENA TLS-8 - CÓD. 290A 3.2 - ANTENA TLS-11 - CÓD. 291A

Figura 01 - Antena Selada de 8 Elementos Figura 02 - Antena Selada de 11 Elementos

19.3 - ANTENA TLS-15 - CÓD. 292A 3.4 - ANTENA TLS-18 - CÓD. 293A

Figura 03 - Antena Selada de 15 Elementos Figura 04 - Antena Selada de 18 Elementos

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
MODELO TLS-8 TLS-11 TLS-15 TLS-18
CÓDIGO 290A 291A 292A 293A
Banda BI BIII BI BIII BI BIII BI BIII
Canais 2a6 7 a 13 2a6 7 a 13 2a6 7 a 13 2a6 7 a 13
Ganho 3 dB 5 dB 5 dB 8 dB 6 dB 9 dB 8 dB 12 dB
Relação frente costa 10 dB 16 dB 12 dB 20 dB 14 dB 22 dB 18 dB 23 dB
Para regiões onde a Para regiões onde a Para regiões onde a
Para regiões intensidade do intensidade do relação sinal / ruído
Aplicações urbanas, onde o sinal sinal é moderada mas sinal é baixa mas é muito pequena
recebido é com boas condições ainda há condições com dificuldade
relativamente forte de recepção de recepção de recepção

Número de elementos 8 11 15 18
Comprimento 903 mm 1.284 mm 1.814 mm 2.724 mm
Peso 1.075 g 1.680 g 2.040 g 2.500 g
Frequência de trabalho 54 a 216 MHz
Faixa larga
Impedância 75W
R.O.E. < 1,8

Catálogo Antenas / CATV -91-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS
TLS-8 TLS-11

Ativos A-B-C-D-E
ELEMENTOS

ELEMENTOS
Ativos A-B-C-D
Passivos 1-2-3-4-5
Passivos 1-2-3-4 Diretores L1-M1
Figura 05 - Identificação dos elementos montados Figura 06 - Identificação dos elementos montados

TLS-15 TLS-18

Ativos A-BC-D-E-F-G Ativos A-B-C-D-E-F-G-H-I


ELEMENTOS

ELEMENTOS

Passivos 1-2-3-4-5-6-7 Passivos 1-2-3-4-5-6-7


Diretores L1-M1 Diretores L1-L2-M1-M2
Figura 07 - Identificação dos elementos montados Figura 08 - Identificação dos elementos montados

19.5 - INSTRUÇÕES DE MONTAGEM

COMO CONECTAR A ANTENA NA SUA TV A montagem desta antena é relativamente simples, coloque os elementos no
lugar correspondente a letra, número ou letra e número. Ao introduzir o elemento,
este fica conectado ao sistema por intermédio de uma lâmina de material não
COSTAS
FRENTE

ferroso.
NUNCA INTRODUZA OS ELEMENTOS COM MOVIMENTO GIRATÓRIO.
Encaixe os elementos fazendo pressão em sentido longitudinal, particularmente os
elementos ATIVOS. Quando a letra que identifica o elemento facear a peça plástica,
o elemento está em seu lugar, ver figura 10.
CABO
COAXIAL
CONECTOR “F”

PAINEL Encaixe o
ANTENA 75W DA TAMPA elemento até
VHF/UHF
TRASEIRA
que a letra
TELEVISÃO faceie o plástico
Figura 09 Figura 10 Figura 11

ATENCAO: RECOMENDAMOS O USO DE FITA DE ALTA FUSÃO NA EMENDA DO CABO COM O CONECTOR A FIM
DE EVITAR ENTRADA DE AGUA NOS CABOS E A UTILIZAÇÃO DE CABOS COAXIAIS THEVEAR.

Catálogo Antenas / CATV -92-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS

19.6 - ANTENAS MONOCANAIS DE VHF PARA COLETIVAS


A linha de antenas coletivas série CL são fabricadas com materiais não ferrosos como alumínio, Iatão e nylon. Entre as
principais vantagens de uma antena coletiva podemos destacar:

! Com o sistema coletivo desaparece a interferência em decorrência da proximidade de outras antenas que
progressivamente, tende a perturbar a qualidade da imagem.
! O custo de uma antena coletiva de boa qualidade é distribuído entre diversos usuários.
! Excelente diretividade, alto ganho e baixa relação de onda estacionária.
! Conexões com contatos anti-oxidante e abraçadeiras com tratamento anti-ferrugem.

LÓBULO HORIZONTAL LÓBULO VERTICAL


Figura 12 - Antena monocanal - canais 2 ao 6 Figura 13 - Lóbulos da antena monocanal para canais 2 ao 6

LÓBULO HORIZONTAL LÓBULO VERTICAL


Figura 14 - Antena monocanal - canais 7 ao 13 Figura 15 - Lóbulos da antena para canais 7 ao 13

PAINEL DA TAMPA
TRASEIRA
CABO COAXIAL

TELEVISÃO

COMO CONECTAR
CONECTOR “F” A ANTENA NA SUA TV
Figura 16 - Antena FM circular - cód. 525CL Fig. 17 - Lóbulo da antena FM circular Figura 18 - Caixa de conexão

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 520CL 521CL 522CL 523CL 524CL 525CL 526CL 527CL 528CL 529CL 530CL 531CL 532CL
Canal 2 3 4 5 6 FM 7 8 9 10 11 12 13
Freq. de trabalho (MHz) 54-60 60-66 66-72 76-82 82-88 88-108 174-180 180-186 186-192 192-198 198-204 204-210 210-216
Comprimento (mm) 3.12 2.83 2.59 2.26 3.12 500 1.79 1.75 1.68 1.64 1.57 1.53 1.48
Peso (kg) 1.67 1.44 1.43 1.31 1.67 465 1.13 1.11 1.11 1.09 1.08 1.06 1.03
Número de elementos 5 1 7
Ganho 7 dB 0 dB 9,5 dB
Banda monocanal (6 MHz) BII monocanal (6 MHz)
Ângulo horizontal 54º 360º 43º
Ângulo vertical 76º 360º 52º
Relação frente costa 25 dB - 27 dB
R.O.E. < 1,2 < 1,4 < 1,25
Impedância 75W
Aplicação antena coletiva

Catálogo Antenas / CATV -93-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS

19.7 - ANTENAS EXTERNAS PARA VHF BANDA I, BANDA II e BANDA III

Esta linha de antenas foi desenvolvida para as situações em que temos vários canais de uma mesma banda
chegando de uma mesma direção sendo possível, portanto, captá-los com uma só antena.
Todos esses modelos são fabricados com materiais não ferrosos como o alumínio, o latão e o nylon. São dotados de
conexões anti-oxidantes, abraçadeiras com tratamento anti-ferrugem e possuem excelente diretividade, alto ganho e
baixa R.O.E.

LÓBULO HORIZONTAL LÓBULO VERTICAL


Figura 19 - Antena Banda I - cód. 415C Figura 20 - Lóbulos da antena Banda I - cód. 415C

LÓBULO HORIZONTAL LÓBULO VERTICAL


Figura 21 - Antena Banda II - cód. 416C Figura 22 - Lóbulos da antena Banda II - cód. 416C

LÓBULO HORIZONTAL LÓBULO VERTICAL


Figura 23 - Antena Banda III - cód. 417C Figura 24 - Lóbulos da antena Banda III - cód. 417C

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
MODELO BANDA I BANDA II BANDA III
CÓDIGO 415C 416C 417C
Canais 2a6 FM 7 a 13
Frequência de trabalho 54 a 88 MHz 88 a 108 MHz 174 a 216 MHz
Comprimento (mm) 2.420 1.800 1.620
Peso (Kg) 1.550 1.200 900
Número de elementos 5 5 8
Ganho 6 a 7 dB 6,5 dB 7 a 9 dB
Banda BI BII BIII
Ângulo horizontal 67º a 58º 60º 53º a 45º
Ângulo vertical 89º a 78º 80º 68º a 55º
Relação frente costa 20 a 22 dB 20 dB 23 a 26 dB
R.O.E. < 1,3 < 1,25 < 1,4
Impedância 75W

Catálogo Antenas / CATV -94-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS

19.8 - ANTENAS SUPER DIRECIONAIS SBTVD-T / UHF - HIGHT GD


Comparada com outros modelos, verifica-se que a antena UHF SUPER DIRECIONAL é sem dúvida um grande avanço
tecnológico na recepção de sinais de UHF. Nos seus quatro modelos - BANDA IV (código 418C), BANDA V (código 419C) e
TODA FAIXA (códigos 420C ou 421C).

Levam incorporada uma caixa de conexão que tem por finalidade:


1º Proteger os contatos e as ligações contra intempéries.
2º Transformar a impedância da antena 300W para 75W que é a impedância do cabo coaxial usado nas instalações de TV.

As antenas códigos 418C1, 419C1 e 420C1 possuem um misturador de VHF e UHF incorporado na caixa de conexão.
Assim é possível ligar o cabo que vem de uma outra antena de VHF e descer com os sinais de VHF e UHF num mesmo cabo.

COMPATÍVEL COMPATÍVEL COMPATÍVEL


COM TV DIGITAL COM TV DIGITAL COM TV DIGITAL
Figura 25 Figura 26 Figura 27
Antena Banda IV (UHF) 418C Antena Banda V (UHF) 419C Antena Toda Banda (UHF) 420C
Antena Banda IV c/ misturador (VHF+UHF) 418C1 Antena Banda V c/ misturador (VHF+UHF) 419C1 Antena Toda Banda c/ misturador (VHF+UHF) 420C1

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 418C 418C1 419C 419C1 420C 420C1 421C
Entrada VHF NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO
Frequência 470 à 580MHz 580 à 890MHz 470 á 890MHz 470 a 890MHz
Canais 14 ao 32 33 ao 83 14 ao 83 14 ao 83
Relação frente costas 28 dB 29 dB 20 a 22 dB 20 a 22 dB
Ângulo horizontal 29º 31º 45º 45º
Ângulo vertical 39º 40º 53º 53º
Comprimento (mm) 1600 1300 900 700
Peso (g) 2000 1700 1400 585
Ganho 14 dB 9 a 10 dB 10 a 11 dB
R.O.E. < 1,25 < 1,2 < 1,2
Impedância 75W - 300W 75W
Figura 28 - Antena Toda Faixa UHF TV Digital 421C

19.9 - LÓBULOS HORIZONTAL DE RECEPÇÃO DAS ANTENAS

Lóbulo das antenas código Lóbulo das antenas código


418C e 418C1 420C e 420C1

Figura 29 Figura 30

Lóbulo das antenas código Lóbulo da antena código


419C e 419C1 421C

Figura 31 Figura 32

Catálogo Antenas / CATV -95-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS

19.10 - INSTRUÇÕES DE MONTAGEM


1 Identificação das
SUPORTES
2 Retire os parafusos e as 3 Encaixe as duas pantalhas nos suportes
peças. borboletas dos suportes laterais e fixe com os parafusos e as
LATERAIS laterais da parte central borboletas.
da antena.

CONECTOR 75W Depois retire os parafusos


e as borboletas das duas
ABRAÇADEIRA pantalhas que deverão se
PANTALHAS PARA FIXAR montadas.
(2X) NO MASTRO
Figura 33 Figura 34 Figura 35

OBS: Nas antenas banda IV e banda V juntem as duas IMPORTANTE: Recomendamos o uso
partes centrais utilizando as emendas metálicas que de fita de alta fusão na emenda do cabo com
acompanham a antena. o conector a fim de evitar entrada de água
nos cabos.
EMENDA METÁLICA
BANDA IV e BANDA V

CONECTOR 75W

Figura 36 - Luva de emenda das antenas banda IV e banda V. Figura 37 - Instrução de ligação da antena 421C.

OBS: Recomendamos a utilização de cabo coaxial 75W.

INSTRUÇÕES DE LIGAÇÃO DA ANTENA DE UHF NO CIRCUITO 8142E


LIGAÇÃO COM FITA 300W LIGAÇÃO COM CABO COAXIAL 75W

Retire a placa de circuito e fixe a fita Fixe a malha do cabo coaxial com a
nos dois parafusos de latão da caixa abraçadeira, e o vivo do cabo coaxial
de conexão. no parafuso do terminal do circuito.
TV TV

Figura 38 - Instrução de ligação. Figura 39 - Instrução de ligação.

ATENÇÃO: Em casos de instalação a 300W, é necessário retirar a placa de circuito (código 8142E) da caixa de conexão e
conectar o fio de 300W nos dois parafusos existentes no interior da caixa. Caso contrário a antena não terá um bom
rendimento.

INSTRUÇÕES DE LIGAÇÃO DA ANTENA DE VHF AO CIRCUITO MISTURADOR DE VHF / UHF


LIGAÇÃO DA ANTENA DE VHF COM FITA 300W LIGAÇÃO DA ANTENA DE VHF COM CABO COAXIAL 75W
Fixe a fita nos dois parafusos
do terminal do circuito.
Não é necessário utilizar a
abraçadeira. Fixe a malha do cabo coaxial com a
abraçadeira, e o vivo do cabo no
parafuso do terminal do circuito.

TV ANTENA DE VHF TV ANTENA DE VHF

Figura 40 - Instrução de ligação. Figura 41 - Instrução de ligação.

Catálogo Antenas / CATV -96-


ANTENAS EXTERNAS VHF/UHF
E INTERNAS

19.11 - ANTENA INTERNA ÍRIS COLOR - CÓD. 356A

COMPATÍVEL COM TV DIGITAL CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:


! Não depende de técnicos especializados para fazer instalação;
! VHF, UHF, FM e SBTVD-T;
! Design moderno e decorativo;
! Ajuste através de controle circular;
! Dipolo de UHF;
! Hastes telescopias em latão cromado.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
MODELO ÍRIS COLOR
CÓDIGO 356A
Peso 840 g
Saídas única
Faixa VHF - UHF - FM - SBTVD-T
Sintonia por comando giratório
Figura 42 - Antena interna Íris Color - cód. 356A

19.12 - ANTENA INTERNA COROLA - CÓD. 369A

COMPATÍVEL COM TV DIGITAL CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:


! Não depende de técnicos especializados para fazer instalação;
! VHF, UHF, FM e SBTVD-T;
! Design moderno e decorativo;
! Ajuste através de controle circular;
! Dipolo de UHF acoplado na parábola;
! Hastes telescopias em latão cromado.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
MODELO COROLA
CÓDIGO 369A
Peso 370 g
Saídas Única
Faixa VHF - UHF - FM - SBTVD-T
Sintonia por comando giratório
Figura 43 - Antena interna Corola - cód. 369A

19.13 - ANTENA INTERNA AMAPOLA - CÓD. 367A

COMPATÍVEL COM TV DIGITAL CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:


! Não depende de técnicos especializados para fazer instalação;
! VHF, UHF, FM e SBTVD-T;
! Design moderno e decorativo;
! Ajuste através de controle circular;
! Dipolo de UHF;
! Hastes telescopias em latão cromado.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
MODELO AMAPOLA
CÓDIGO 367A
Peso 410 g
Saídas única
Faixa VHF - UHF - FM - SBTVD-T
Sintonia por comando giratório
Figura 44 - Antena interna Amapola - cód. 367A

Catálogo Antenas / CATV -97-


MISTURADORES

20.0 - INTRODUÇÃO AOS MISTURADORES

Os misturadores da THEVEAR
são construídos com um conjunto
ANT. DE VHF
de filtros, que tem por finalidade BANDA I
isolar e misturar os diversos CÓD. 415C
canais, ou grupos de canais, ou
bandas, introduzindo o mínimo
MISTURADOR
de perda possível no sinal. CÓD. 819E

ANT. DE VHF
BANDA III
CÓD. 417C CABO COAXIAL
Fig. 1 - Misturador mixer canal baixo + canal 75W
alto 75/75 - cód. 819E

A THEVEAR produz uma extensa linha de misturadores para cobrir


uma grande faixa de aplicações. Existem os misturadores de bandas,
por exemplo: (banda I e banda II) + (banda III), (banda IV) + (banda V),
de faixas, VHF + UHF e misturadores de canais em VHF e UHF.

Os misturadores de faixas e de bandas são usados normalmente


para residências em mini-coletivas. Por exemplo, o misturador 8211E
(3+2) é usado para misturar os sinais de dois grupos de canais, um com
3 canais e outro com 2, vindos de duas direções diferentes, por
exemplo canais (3-6-12) + (8-10).
Fig. 2 - Exemplo de instalação

20.1 - MISTURADOR PARA VHF - CÓD. 819E


Misturador para ser fixado externamente no próprio mastro da antena. Possui entrada para duas antenas de VHF e uma
saída.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Pode ser empregado para:


! Mistura sinais da banda I (antena 415C) ou banda
Número de entradas 2
II (antena 416C) com os sinais da banda III (antena
Faixa VHF (banda I e banda II) + VHF (banda III)
417C).
Impedância de entrada 75W ou 300W ! Misturar sinais de duas antenas de faixa larga
Impedância de saída 75W
códigos: 290A, 291A, 292A e 293A.
R.O.E. < 1,5
Atenuação de passagem < 2,0 dB
Ideal para sistemas de antenas coletivas. Indicado
Atenuação entre bandas > 35 dB
para as antenas monocanais códigos 520CL à 532CL.
Dimensões 115 x 125 x 90 mm
Peso 310 g

20.2 - MISTURADORES PARA VHF - CÓD. 8213E


Os misturadores cód. 8213E são indicados quando se tem um grupo de canais, tanto altos como baixos, numa mesma
direção de transmissão de TV e outro grupo de canais em outra, impossibilitando a utilização de misturadores comuns.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Caso seja necessário é possível fazer qualquer


combinação de canais, sempre tendo em conta que os
Número de entradas 3
canais a serem misturados não sejam adjacentes.
Faixa VHF + VHF + UHF
Impedância de entrada 75W
OBS: Quando os canais de uma determinada
Impedância de saída 75W
direção de transmissão são todos altos ou baixos
R.O.E. (depende dos canais) < 2,0
devem-se utilizar uma antena banda I (cód. 415C) ou
Atenuação de passagem 4 dB (depende dos canais)
banda III (cód. 417C) para se obter um maior ganho,
Atenuação entre entradas > 26 dB direcionalidade e atenuação entre entradas.
Atenuação entre canais a cortar > 30 dB
Dimensões 115 x 125 x 90 mm
Peso 310 g

Catálogo Antenas / CATV -98-


MISTURADORES

20.3 - MISTURADOR PARA UHF - CÓD. 8192E


ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Misturador para ser instalado externamente
Número de entradas 2 no próprio mastro da antena. Possui entradas
Faixa UHF (banda IV + banda V) para duas antenas de UHF. Indicado para
Impedância de entrada 75W misturar os sinais da banda IV (antena cód.
Impedância de saída 75W 418C) com os da banda V (antena cód. 419C).
R.O.E. < 1,5
Atenuação de passagem < 1,0 dB
Atenuação entre bandas > 40 dB
Dimensões 115 x 125 x 90 mm
Peso 310 g

20.4 - MISTURADORES PARA VHF E UHF - CÓD. 820E e 8201E


Estes misturadores foram desenvolvidos para misturarem sinais de antenas de VHF e UHF. O misturador cód. 8201E foi
criado para ser instalado internamente e o misturador cód. 820E para ser fixado no próprio mastro das antenas.

ANT. DE UHF TODA BANDA


(CANAIS 14 AO 83)
CÓD. 420C

ANT. DE VHF
CÓD. 292A

Fig. 3 - Misturador mixer externo - cód. 820E Fig. 4 - Misturador mixer interno cód: 8201E MISTURADOR CABO
CÓD. 8201E COAXIAL
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 75W
CÓDIGO 820E 8201E
Dimensões 115 x 125 x 90 mm 70 x 65 x 24 mm
Peso 310 g 50 g
Atenuação de passagem 0,5 dB - VHF e 1 dB - UHF 1 dB
Impedância de entrada 75W ou 300W 75W
Impedância de saída 75W
Número de entradas 2
Faixa VHF e UHF
R.O.E. < 1,5
Atenuação entre bandas > 40 dB
Fig. 5 - Exemplo de instalação

20.5 - MISTURADOR DE VHF E UHF - CÓD. 1020-F


O Misturador cód. 1020-F, é um misturador de duas entradas, para
combinar sinais da faixa de VHF e UHF em uma única saída, todas com
conectores F-fêmea. A caixa do misturador cód. 1020-F é blindada e
selada, o que a torna imune a interferências externas e a intempéries.
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Faixa de VHF 50 a 420 MHz
Faixa de UHF 450 a 800 MHz
Perda em VHF < 1 dB
Perda em UHF < 1,2 dB
Impedância de entrada e saída 75W
R.O.E. < 1,5
Rejeição do sinal na faixa adjacente VHF - UHF > 28 dB UHF - VHF > 30 dB
Conectores F-fêmea
Dimensões 44 x 32 x 14 mm
Peso 21 g
Fig. 6 - Misturador VHF/UHF Blindado interno

Catálogo Antenas / CATV -99-


MISTURADORES

20.6 - MISTURADORES DE CANAIS - CÓD. 1050-E e 1055-F


Os misturadores códigos 1050-E e 1055-F são aparelhos utilizados em instalações coletivas, onde se deseja "somar",
canais de diferentes frequências e origens, em uma única saída, ou seja, em um único cabo. O misturador cód. 1050-E possui
8 entradas e uma saída, sendo sete entradas para canais de TV e uma entrada para FM (3 canais na banda I, 1 entrada para
FM e 4 canais na banda III).
É possível sob encomenda, colocar canais de letra no misturador cód. 1050-E, obedecendo a configuração do item
anterior, isto é, sai um canal da banda III e entra um de letra. O mesmo pode ser feito para se colocar um filtro de UHF (filtro
passa altas).
O misturador cód 1055-F, também com 8 entradas e uma saída, é usado para misturar canais de letra, banda média e
superbanda, e canais banda III.
Estes misturadores possuem um atenuador variável de 0 a 20 dB na entrada de cada canal. Assim além de misturar, é
possível ajustar independentemente o nível de sinal de cada canal.
Os misturadores utilizam conectores do tipo F-fêmea, e são construídos em uma caixa metálica, o que lhes conferem uma
ótima blindagem elétrica.

Ao fazer o pedido de compra do misturador cód. 1050-E ou 1055-F, é necessário especificar os canais de entrada que se
deseja misturar, pois o misturador é produzido especificamente para cada localidade ou cidade, em função dos canais
presentes na região.

ANTENAS DE VHF COLETIVAS CANAL 7

CANAL 2 CANAL 4

ANT. DE FM
ANT. DE UHF

Fig. 7 - Misturador 7 canais blindado com conector "F" - cód. 1050-E MISTURADOR
CÓD. 1050-E

MISTURADOR AMPLIFICADOR

CABO COAXIAL
75W
SAÍDA

Fig. 8 - Misturador 7 canais blindado de letra - cód. 1055-F Fig. 9 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 1050-E 1055-F
Faixa de frequência VHF (banda I, III + FM) 90 a 300 MHz
R.O.E. < 1,5 < 1,4
banda I < 3 dBc banda média e banda III < 4 dB
Perda de Inserção
banda III < 8 dBc super banda < 6 dB
Atenuação entre banda I e banda III > 35 dB -
Atenuação entre canais não adjacentes > 25 dB > 20 dB
Atenuação ajustável de 0 à 20 dB
Número de entradas 8
Impedância de entrada - saída 75W
Dimensões 90 x 48 x 240 mm
Peso 643 g

Catálogo Antenas / CATV -100-


ACOPLADOR E COMBINADOR

20.7 - ACOPLADOR VHF/UHF MAIS CANAL DE LETRA - CÓD. 1053-F


O acoplador cód. 1053-F é ideal para instalações onde se
necessita somar, em um sistema coletivo ou Individual, circuito
Interno de TV, câmera de vídeo e etc, à antenas de VHF/UHF ou
cabo. O acoplador cód. 1053-F permite a entrada de um sinal de
um modulador de áudio e vídeo na frequência de um canal de
LETRA (A-3 até W) e também que este nível seja ajustado para
equalizá-lo ao sistema. Montado em caixa metálica com
conectores F-fêmea, sendo uma entrada para o canal de LETRA
escolhido (com ajuste de nível), outra para banda de VHF/UHF na
qual é rejeitado o canal de LETRA, evitando-se assim que
interferências externas se somem ao canal do Modulador.
Não deve ser usado em sistemas onde o canal de LETRA seja
adjacente a outros canais. Exemplo, canal I (168 a 174 Mhz) na
entrada de LETRA e canal 7 (174 a 180 Mhz) na entrada VHF/UHF.
Fig. 1 - Acoplador VHF/UHF+LETRA

CÂMERA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS


MISTURADOR 2 (1 para VHF/UHF e
Número de entradas
outra para canal de letra)
Faixa de frequência LETRA do canal A-3 até W (102 a 300 MHz)
MODULADOR Faixa de frequência VHF + UHF 54 a 750 MHz
Perda de inserção (LETRA) < 6 dB
Perda de inserção (VHF + UHF) < 3 dB em VHF e < 4 dB em UHF
Ajuste do nível do canal de
LETRA (± 1,5 dB) até -20 dB
Impedância de entrada e saída 75W
ACOPL. Isolação entre entradas > 30 dB
Peso 250 g
Dimensões 125 x 56 x 56 mm
Fig. 2 - Exemplo de instalação

20.8 - COMBINADOR VHF+UHF - CÓD. 1054-F


O combinador cód. 1054-F é usado para somar um canal
(3 ou 4) ao sinal proveniente da antena, montado em uma caixa
metálica e com conector F-fêmea, o que lhe confere uma ótima
blindagem, possui duas entradas e uma saída. Uma das entradas é
utilizada para a antena (VHF/UHF), na qual é rejeitado o canal 3 ou
4, (que deve ser especificado no pedido).

A outra entrada permite entrar com o sinal do canal


especificado, vindo de um vídeo-cassete ou decodificador de TV
por assinatura (3 ou 4), e desta maneira, a saída para a TV
apresenta os dois sinais combinados. As entradas possuem ajuste
de atenuação de sinal independente.
Fig. 3 - Combinador VHF/UHF+CANAL 3 ou 4

ANTENA DE VHF

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
entrada antena = VHF/UHF
Faixa de frequência
entrada canal = canal 3 ou 4
Perda de inserção < 5,5 dB
Ajuste de atenuação até 13dB (canal) e até 14dB (antena)
R.O.E. <2
Conectores F-fêmea
Impedância de entrada e saída 75W
MODULADOR COMBINADOR Peso 70g
CÓD. 1054-F Dimensões 51 x 80 x 19 mm
Fig. 4 - Exemplo de instalação

Catálogo Antenas / CATV -101-


AMPLIFICADORES

21.0 - INTRODUÇÃO
Amplificadores são equipamentos utilizados para aumentar o nível de potência de sinais. Existem vários tipos de
amplificadores, cada um otimizado para um tipo de uso. Por exemplo, para amplificar os fracos sinais recebidos por uma
antena usa-se um booster, que é um amplificador para pequenos sinais com baixo ruído. Para uso na cabeceira de uma
antena coletiva é necessário um amplificador de potência.
As três características fundamentais que diferenciam os amplificadores são: Figura de Ruído, Ganho e Potência Máxima
de Saída.

21.1 - FIGURA DE RUÍDO


É uma medida da quantidade de ruído que o amplificador adiciona ao sinal. Todo amplificador adiciona ruído ao sinal que
está sendo amplificado. Os amplificadores que adicionam pouco ruído ao sinal são chamados amplificadores de baixo ruído
(LNA - Low Noise Amplifiers) e possuem figura de ruído baixo. Os Boosters, que são pré-amplificadores para sinais de
antenas, são exemplos de amplificadores de baixo ruído.

21.2 - GANHO
Ganho é uma medida da relação entre a potência dos sinais que saem do amplificador e os sinais que entram. Em
sistemas de TV, onde a impedância de entrada é igual a de saída, 75W, o ganho pode ser expresso simplesmente como uma
relação entre a tensão de saída e a tensão de entrada, ou então em decibéis (dB). A tabela abaixo mostra a equivalência entre
o ganho em tensão e os valores em dB´s.

O ganho de um amplificador não fornece informação sobre a RELAÇÃO DE TENSÕES dB (decibéis)


máxima potência que um amplificador fornece, por isso é 2 6 dB
necessário especificar a máxima potência que um amplificador 3,16 10 dB
fornece. Se tentarmos dar mais ganho a um sinal do que o 10 20 dB
amplificador pode fornecer, o sinal ficará distorcido, gerando 31,6 30 dB
vários tipos de interferências nas imagens. 100 40 dB
316 50 dB

21.3 - POTÊNCIA MÁXIMA DE SAÍDA


O efeito que limita a máxima potência de saída que um amplificador fornece por canal é a distorção que o amplificador
introduz no sinal. Como todos os amplificadores distorcem os sinais que estão sendo amplificados, a máxima potência é
especificada para um determinado nível de distorção, normalmente 60dB abaixo do nível do sinal. É que distorções a partir
deste nível não são mais perceptíveis. Para um mesmo amplificador, quanto mais canais estão sendo amplificados, menor
será a máxima potência por canal que se pode obter. Isso ocorre porque para compensar o aumento de distorção devido ao
aumento do número de canais é necessário diminuir o nível de sinal de cada canal na saída.

Nos amplificadores de TV, em vez de se especificar a VOLTS dBmV dBmV


potência de saída, especifica-se o nível máximo de tensão de 1mV 0 -60
saída. O nível máximo de saída pode ser dado em Volts, dBmV 1mV 60 0
ou dBmV. A tabela ao lado mostra a equivalência entre estas 10mV 80 20
diversas unidades. 100mV 100 40
1V 120 60
2V 126 66

21.4 - TIPOS DE AMPLIFICADORES PARA SINAIS DE TV


Existem pelo menos três tipos de amplificadores para sinais de TV: Boosters, Amplificadores de Linha e Amplificadores de
Potência. Quanto à faixa de frequências, existem amplificadores para VHF, UHF, VHF + UHF e CATV.

21.5 - PRÉ-AMPLIFICADORES - BOOSTERS


Os Boosters são amplificadores para pequenos sinais, com baixa figura de ruído. Estes amplificadores, normalmente, são
colocados no mastro junto com a antena. A alimentação para estes amplificadores vai pelo próprio cabo por onde desce o
sinal, e é fornecida por uma fonte de alimentação que fica abrigada num ambiente interno. A razão pela qual se coloca o
booster próximo da antena é para que o sinal seja amplificado antes que ele sofra degradações adicionais devido às perdas
no cabo.

Catálogo Antenas / CATV -102-


AMPLIFICADORES

Existem boosters somente para a faixa de VHF, somente para a faixa de UHF, e com misturador incorporado para as faixas
de VHF e UHF. Estes últimos combinam os sinais de duas antenas, uma de VHF e outra de UHF, e fornecem uma única saída
amplificada.
Alguns modelos possuem ajuste de ganho, o que os tornam bastantes versáteis para utilização em uma grande variedade
de situações.

21.5.1 - OBSERVAÇÕES
1) Se o sinal recebido é muito fraco, ou seja, se ele já chega com a relação sinal/ruído degradada, só o booster não
melhora o sinal. Para melhorar a qualidade da imagem é preciso primeiro melhorar a qualidade do sinal recebido, o que é feito
colocando-se a antena num mastro mais alto ou, então, trocando-se a antena por uma outra de maior ganho (com mais
elementos).
2) O booster não elimina "fantasmas" na imagem. Imagens com "fantasmas" são geradas quando o sinal chega na antena
por múltiplos caminhos, provocados por reflexões em obstáculos.

21.6 - AMPLIFICADORES DE LINHA


Os amplificadores de linha são utilizados em instalações residenciais, antena coletiva ou CATV quando se deseja
distribuir os sinais que chegam num ponto para vários televisores. Estes amplificadores situam-se numa posição média entre
os boosters e os amplificadores de potência, e são utilizados para compensar perdas de sinal introduzidas por divisores ou
longos comprimentos de cabo.
Existem amplificadores de linha para a faixa de frequências de VHF, para VHF e UHF, e para a faixa de CATV.

21.7 - AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA


Os amplificadores de potência são utilizados nas cabeceiras de antenas coletivas e em distribuições de CATV. Como
nestes sistemas o sinal é dividido para um grande número de usuários, a forma mais simples de fazer esta distribuição é
primeiro aumentar a potência dos sinais, usando o amplificador de potência, para que cada usuário receba os sinais com
nível de sinal suficiente para que a qualidade da imagem seja boa.
Os amplificadores para antena coletiva são, normalmente, do tipo desbalanceados, e amplificam os sinais nas faixas de
VHF e UHF. Já os amplificadores para CATV são do tipo balanceados (push-pull) e amplificam toda a faixa de sinais e não
apenas os sinais nas bandas de VHF e UHF. Os circuitos usados nestes amplificadores podem ser discretos ou integrados
híbridos.

21.8 - CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE AMPLIFICADORES


Para se escolher um amplificador, primeiro é necessário saber a aplicação e a faixa de frequências de operação. Isso
define se o amplificador deve ser um booster, um amplificador de linha ou de potência. Define também se o amplificador é
para a faixa de VHF, UHF, ou ambas, ou CATV.

21.8.1 - DETERMINAÇÃO DO GANHO


Para especificar o ganho do amplificador é preciso saber o nível de sinal na entrada e quanto deve ser o nível na saída. O
valor do ganho, em dBs, é o nível de entrada menos o de saída. Para determinar o nível de saída é preciso saber qual é o nível
que vai ser entregue aos televisores e quanto é a perda na distribuição.
Tem-se a impressão de que quanto maior o ganho de um amplificador, melhor será a qualidade do sinal, mas nem sempre
isso é verdade. Existem amplificadores com muito ganho e pouca potência. Se o nível de sinal na entrada for muito forte, ou
seja, maior que o permitido, o amplificador vai saturar causando intermodulação, cujo sintoma é a distorção da imagem ou o
aparecimento de outros canais passando ao fundo do canal principal.

21.8.2 - NÍVEL DE SINAL DE ENTRADA DE TV e FM


Para funcionar adequadamente, os aparelhos de TV precisam, na entrada de antena, um sinal com nível na faixa de 1mV
a 10mV, ou então, de 60dBmV a 80dBmV. Sinais abaixo desta faixa podem produzir imagens ruidosas e sinais acima podem
gerar distorções na imagem.
Já os rádios receptores de FM precisam de um sinal com nível em torno de 56dBmV.

21.8.3 - REGRAS PRÁTICAS PARA ESCOLHA DE UM AMPLIFICADOR


1) Selecionar aquele cujo ganho seja suficiente apenas para compensar as perdas introduzidas pela distribuição do sinal
(nos cabos, divisores e tomadas).
2) Quanto maior for a potência máxima de saída, menor será a chance de ocorrerem problemas de saturação e
intermodulação.

Catálogo Antenas / CATV -103-


AMPLIFICADORES

21.9 - PRÉ-AMPLIFICADORES BOOSTER JUBILEU VHF e UHF

AMPLIFICADOR ANTENA DE VHF OU UHF

FONTE CABO COAXIAL 75W


BOOSTER 723V-22
OU 723V-40

FONTE

Fig. 1 - Booster VHF ganho variável cód. 723V-22 e 723V-40 Fig. 2 - Exemplo de instalação
Booster toda banda UHF cód. 723-5ES26 e 723-5ES40

Os Boosters de VHF, da família 723V, permitem o ajuste do ganho do sinal recebido, fazendo com que o usuário consiga
um melhor rendimento do conjunto antena + booster, não sendo necessário saber exatamente o nível de sinal no local de
instalação. Os dois modelos cobrem a faixa de 10 a 40dB de ganho.

Os Boosters de UHF, da família 723-5ES, apresentam dois valores de ganho do sinal recebido, 26dB e 40dB.

O Booster é um reforçador de sinal, usado quando o sinal recebido pela antena é fraco ou para compensar as perdas no
cabo de descida. Porém, quando o sinal recebido pela antena é muito fraco, somente o booster não consegue melhorar a
qualidade da imagem. É preciso usar uma antena de maior ganho (mais elementos) ou, então, colocar a antena num mastro
mais alto, não resolve problemas de fantasmas na imagem, que é um problema de posicionamento da antena (sinais vindos
por múltiplos percursos, devido a obstáculos ou superfícies reflexivas próximas).

A fonte de alimentação não pode ficar exposta ao tempo. A tensão de alimentação é selecionada através de uma chave
seletora de 110/220V.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 723V-22 723V-40 723-5ES 26 723-5ES 40
Para sinal FRACO MUITO FRACO FRACO MUITO FRACO
Nível máximo entrada com 7 canais 80 dbmV 60 dbmV 75 dbmV 60 dbmV
Consumo < 1,4 W < 1,9 W < 1,5 W < 1,7 W
Consumo mensal 1,0 KW.h/mês 1,37 KW.h/mês 1,08 KW.h/mês 1,22 KW.h/mês
Ganho ± 2 dB 22 dB 40 dB - -
Ajuste de ganho ± 2 dB de 10 dB a 22 dB de 20 dB a 40 dB - -
Ganho ± 1 dB - - 26 dB 40 dB
Impedância de entrada 75W - 300W 75W - 300W 75W
R.O.E. < 1,5 < 1,6
Figura de ruído (média) < 3,5 dB < 3 dB
Faixa de frequência VHF (40 à 220 MHz) UHF (470 à 890 MHz)
Nível máximo saída 7 canais 100 dbmV
Impedância de saída 75W
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Intermodulação > 60 dB
Peso fonte 150 g
Peso booster 80 g
Dimensões fonte 89 x 63 x 55 mm
Dimensões booster 110 x 58 x 48 mm

Catálogo Antenas / CATV -104-


AMPLIFICADORES

21.10 - PRÉ-AMPLIFICADORES BOOSTER PARA VHF e FM


Os Boosters de VHF, da família 823-4ES e 823-7ES, permitem o ajuste do ganho do sinal recebido, fazendo com que o
usuário consiga um melhor rendimento do conjunto antena + booster, não sendo necessário saber exatamente o nível de
sinal no local de instalação.

AMPLIFICADOR ANTENA DE VHF

FONTE
CABO
BOOSTER COAXIAL
75W

FONTE

Fig. 3 - Pré-amplificador booster para UHF e FM Fig. 4 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 8234ES14/24 8234ES30/42 8237ES10/38
Impedância de saída 75W - 300W 75W 75W
Figura de ruído < 4,75 dB < 3,5 dB < 4 dB
Nível máximo entrada 1 canal 96 dBmV 78 dBmV 80 dBmV
Nível máximo entrada 7 canais 76 dBmV 58 dBmV -
Ganho ± 2 dB 24 dB 42 dB 40 dB
VHF FM
Faixa
40 a 220 MHz 88 a 108 MHz
Nível máximo saída 7 canais 100 dBmV -
Ajuste de ganho até - 15 dB até - 20 dB
Para sinal de recepção FRACO MUITO FRACO
Tipo booster
Para uso externo
Impedância de entrada 75W - 300W
R.O.E. < 1,5
Nível máximo saída 1 canal 120 dBmV
Intermodulação > 60 dBc
Atenuação de faixa não desejada > 40 dB
Temperatura -10 a + 50ºC
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Consumo 2W
Consumo mensal 1,44 KW.h/mês
Peso fonte 250 g
Peso amplificador 200 g
Dimensões fonte 110 x 90 x 36 mm
Dimensões amplificador 125 x 115 x 90 mm

Catálogo Antenas / CATV -105-


AMPLIFICADORES

21.11 - PRÉ-AMPLIFICADORES BOOSTER PARA UHF


Normalmente a captação do sinal consiste numa antena, numa linha de descida (cabo) e finalmente uma ligação do
receptor (TV). Se a linha de descida for longa, e tiver que ser presa ou passar por conduites é normal que haja uma perda de
sinal forte no cabo.

Nesses casos, muitas vezes o sinal na antena é razoável, mas sofre uma atenuação muito forte no cabo, chegando muito
fraco na entrada do receptor (TV), na verdade tão fraco que se confunde com o ruído.

Uma das formas de se resolver esse problema é colocarmos um reforço de sinal (pré-amplificador) no próprio mastro da
antena. Ali ele recebe o sinal razoavelmente maior que o ruído e o amplifica antes de ser atenuado pela linha. Depois, o sinal
amplificado é lançado na linha, onde sofre uma atenuação, mas chega na entrada do receptor com o nível acima do ruído.

AMPLIFICADOR ANTENA DE UHF

FONTE CABO COAXIAL


75W
BOOSTER

FONTE

Fig. 5 - Pré-amplificador booster para UHF Fig. 6 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 8235ECABO 8235EC40DB
Para sinal de recepção FRACO MUITO FRACO
Ganho ± 1 dB 26 dB 40 dB
Impedância de entrada 75W - 300W 75W
Figura de ruído < 4,5 dB < 3,5 dB
Nível máximo entrada 1 canal 94 dBmV 78 dBmV
Nível máximo entrada 7 canais 74 dBmV 60 dBmV
Nível máximo saída 1 canal 120 dBmV 118 dBmV
Nível máximo saída 7 canais 100 dBmV
UHF
Faixa
470 a 900 MHz
Tipo booster
Para uso externo
Impedância de saída 75W
R.O.E. < 1,5
Intermodulação > 60 dBc
Atenuação de faixa não desejada > 40 dB
Temperatura -10 a + 50ºC
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Consumo 2W
Consumo mensal 1,44 KW.h/mês
Peso fonte 250 g
Peso amplificador 200 g
Dimensões fonte 110 x 90 x 36 mm
Dimensões amplificador 125 x 115 x 90 mm

Catálogo Antenas / CATV -106-


AMPLIFICADORES

21.12 - PRÉ-AMPLIFICADORES BOOSTER PARA VHF + UHF


O booster cód. 822E um pré-amplificador com um misturador de VHF mais UHF incorporado com ganho fixo, e o
cód. 8222E tem controles de ajustes de ganho incorporado, independentes, para as faixas de VHF e UHF.

AMPLIFICADOR ANTENA DE VHF

FONTE MISTURADOR C/ BOOSTER

CABO COAXIAL
75W
ANTENA
DE UHF

FONTE

Fig. 7 - Pré-amplificador booster para VHF + UHF Fig. 8 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 822E 8222E
Ajuste de ganho - até -18 dB
Consumo 3,6 W 3,7 W
Consumo mensal 2,6 KW.h/mês 2,7 KW.h/mês
VHF e UHF
Faixa
40 a 220 MHz + 470 a 900 MHz
Tipo booster com misturador incorporado
Para uso externo
Para sinal de recepção FRACO
Ganho ± 1 dB 26 dB
Impedância de entrada 75W - 300W
Impedância de saída 75W
Figura de ruído < 4,5 dB
R.O.E. <2
Nível máximo entrada 1 canal 86 dBmV
Nível máximo saída 1 canal 112 dBmV
Nível máximo entrada 7 canais 70 dBmV
Nível máximo saída 7 canais 96 dBmV
Intermodulação > 60 dBc
Atenuação de faixa não desejada > 35 dBc
Temperatura -10 à + 50ºC
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Peso fonte 250 g
Peso amplificador 200 g
Dimensões fonte 110 x 90 x 36 mm
Dimensões amplificador 125 x 115 x 90 mm

Catálogo Antenas / CATV -107-


AMPLIFICADORES

21.13 - AMPLIFICADOR DE LINHA PARA VHF e VHF+UHF

Os Amplificadores de Linha são aparelhos para uso interno (dentro da casa) e utilizado em sistemas de antenas coletivas,
para compensar as perdas de sinal em cabos, divisores e etc.

Em especial, o amplificador cód. 826-VAR com ganho ajustável de 6 a 26 dB, permite um melhor dimensionamento prático
de ganho do sistema, pois nem sempre se possui todos os parâmetros técnicos da instalação.

O amplificador 856E foi projetado com a finalidade de compensar o problema da perda de potência devido a atenuação
em longas distâncias de cabo coaxial, nas instalações onde só recebemos canais de VHF

Seu ganho é constante em toda faixa de VHF (canais 2 ao 13). Recomendamos também seu uso em residências nas
quais se desejam vários pontos de TV.

ANTENA DE VHF

MISTURADOR

CABO COAXIAL
75W
ANTENA
DE UHF

AMPLIF.

Fig. 9 - Amplificador de linha com ganho variável Fig. 10 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 826-VAR 826E 8262E 856E
Ganho ± 2 dB 6 a 26 dB ajustável 26 dB 16 dB 18 dB
Nível máximo entrada 1 canal 112 dBmV (aten. máx. ) 92 dBmV 102 dBmV 101 dBmV
Nível máximo entrada 7 canais 102 dBmV (aten. máx. ) 82 dBmV 92 dBmV 91 dBmV
Para sinal de recepção MÉDIO E FORTE MÉDIO FORTE MÉDIO
Ruído < 4,5 dB (ganho máx. ) < 5,5 dB < 5 dB
Consumo 2,5 W 3W 2W
Consumo mensal 1,8 KW.h/mês 2,16 KW.h/mês 1,44 KW.h/mês
Peso 310 g 300 g 295 g
VHF + UHF VHF
Faixa de frequência
50 a 850 MHz 50 a 220 MHz
Nível máximo saída 1 canal 118 dBmV 120 dBmV
Nível máximo saída 7 canais 108 dBmV 110 dBmV
intermodulação > 40 dBc > 60 dBc
Temperatura de operação -10 a + 50ºC
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Impedância de entrada 75W
Impedância de saída 75W
Para uso interno
R.O.E. <2
Dimensões 110 x 90 x 36 mm

Catálogo Antenas / CATV -108-


AMPLIFICADORES

21.14 - AMPLIFICADORES DE LINHA - CÓD. 1024-F e 1025-F

Os Amplificadores códigos 1024-F e 1025-F, são


amplificadores de linha com baixo ruído, para as faixas de TV À CABO
VHF e MMDS convertido, destinados a residências onde o
sinal recebido é fraco, ou, quando se deseja dividir o sinal
para mais de um ponto. Nestes casos usa-se o amplificador AMPLIFICADOR
para compensar as perdas de divisores, somadores e cabos.
CABO COAXIAL
Possuem também um filtro para rejeitar a faixa de FM, que 75W
pode ser ligado através de uma chave.

O amplificador cód. 1024-F é montado em caixa plástica e


DIVISOR
o amplificador cód. 1025-F em caixa metálica, com TOMADAS
conectores tipo F-fêmea. São produtos extremamente BLINDADAS
versáteis, podendo ser utilizados em 110/220V.

TV 1 TV 2 TV 3 TV 4 TV 5 TV 6 TV 7 TV 8
Fig. 11 - Exemplo de instalação

Fig. 12 - Amplificador de linha 10dB - cód. 1024-F Fig. 13 - Amplificador de linha 25dB - cód. 1025-F

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 1024-F 1025-F
Faixa de frequência 54 a 700 MHz 54 a 420 MHz
Nível máximo saída para 1 canal 104 dBmV 106 dBmV
Nível máximo saída para 16 canais 95 dBmV 97 dBmV
Ganho 10,5 dB ± 1 dB 26 dB ± 1 dB
Consumo 3,84 W 2,8 W
Consumo mensal 2,8 KW.h/mês 2 KW.h/mês
Peso 220 g 480 g
Dimensões 110 x 92 x 50 mm 178 x 79 x 55 mm
Figura de ruído < 3,8 dB
Produtos de intermodulação de 3ª ordem < 60 dBc
Rejeição de FM > 30 dB
Impedância de entrada e saída 75W
R.O.E. <2
Alimentação 110/220V
Temperatura de operação -10 à + 50º C

Catálogo Antenas / CATV -109-


AMPLIFICADORES

21.15 - AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA PARA VHF - CÓD. 860-EV e 862-EV

ANTENAS DE VHF COLETIVAS


CANAL 6
CANAL 11

CANAL 2 ANT. DE FM

ANT. DE UHF

MISTURADOR
Fig. 14 - Amplificador de potência com ganho variável 50dB - cód. 860-EV

CONVERSOR

AMPLIFICADOR
CABO COAXIAL
75W

DIVISOR TOMADAS
BLINDADAS

TV 1 TV 2 TV 3 TV 4 TV 5 TV 6 TV 7 TV 8

Fig. 15 - Amplificador de potência com ganho variável 30dB - cód. 862-EV Fig. 16 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 860-EV 862-EV
Para ampliar sinal FRACO MÉDIO
Ganho máximo ±1 dB 48 dB 29 dB
Nível máximo entrada 1 canal 75 dBmV 91 dBmV
Peso 540 g 520 g
Faixa de frequência VHF (50 a 220 MHz)
Para uso interno
Ajuste de ganho 0 a -20 dB
Impedância de entrada 75W
Impedância de saída 75W
Figura de ruído < 5,5 dB
R.O.E. <2
Nível máximo saída 1 canal 122 dBmV
Nível máximo saída 7 canais 118 dBmV
Produtos de intermodulação < -50 dBc
Temperatura de operação -10 à + 50ºC
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Consumo 9W
Consumo mensal 6,5 KW.h/mês
Dimensões 163 x 100 x 60 mm

Catálogo Antenas / CATV -110-


AMPLIFICADORES

21.16 - AMPLIFICADORES DE DISTRIBUIÇÃO PARA CATV e MATV - CÓD. 1062CA20 e 1062CA30


Os amplificadores de distribuição THEVEAR foram projetados para serem utilizados em sistemas de antenas coletivas e de
TV a cabo que operam com grande número de canais.
Os amplificadores cód. 1062CA30 utilizam um circuito integrado híbrido para a amplificação dos sinais. Os amplificadores
cód. 1062CA20 utilizam amplificadores discretos em configuração "push-pull" com características de baixa distorção e de
baixa intermodulação. Todos os modelos possuem ajuste de ganho. O amplificador cód. 1062CA30 apresenta também
ajuste de inclinação da curva de ganho, que possibilita compensar a diferença de atuação introduzida pelo cabo coaxial entre
a máxima e a mínima frequência.
Estes amplificadores são montados em caixas de alumínio aletadas, que proporcionam excelente blindagem elétrica e
dissipação térmica. Possuem fonte de alimentação para operação em 110/220V incorporada, que os tornam práticos e
confiáveis. Portanto deve-se especificar a tensão de operação ao fazer o pedido do amplificador.
Para sistemas operando com menor número de canais que o especificado, pode-se aumentar o nível de saída em 3dB
cada vez que se diminui o número de canais pela metade.

TV À CABO

AMPLIFICADOR

CABO COAXIAL
75W

DIVISOR

TOMADAS
BLINDADAS

TV 1 TV 2 TV 3 TV 4 TV 5 TV 6 TV 7 TV 8
Fig. 17 - Amplificador de linha CATV - cód. 1062CA20 Fig. 18 - Amplificador CATV - cód. 1062CA30 Fig. 19 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 1062CA20/110 1062CA20/220 1062CA30/110 1062CA30/220
Alimentação 110V 220V 110V 220V
Ganho 24 dB 30 dB
Linearidade 2 dB 1 dB
Ajuste de inclinação - 18 dB
Figura de ruído 6 dB 7,5 dB
6 canais 108 dBmV 116 dBmV
12 canais 105 dBmV 113 dBmV
Nível de saída
24 canais 102 dBmV 110 dBmV
99 dBmV (@ 48 canais) 104 dBmV (@ 77 canais)
Intermodulação 3ª ordem
"Composite Triple Beat (CTB)" - 60 dB (100 dBmV @ 35 canais) - 57 dB (104 dBmV @ 77 canais)
Intermodulação 2ª ordem (F1 + F2) - 65 dB (95 dBmV) - 68 dB (104 dBmV)
Modulação cruzada
"Cross Modulation (Xmod)" - 65 dB (90 dBmV @ 35 canais) - 59 dB (104 dBmV @ 77 canais)
Sinal do ponto de teste - - 30 dB
Dimensões 140 x 130 x 70 mm 220 x 130 x 70 mm
Peso 650 g 1.100 g
Faixa de frequência 40 - 550 MHz
Ajuste de ganho - 20 dB
R.O.E. entrada e saída 10 dB
Modulação "Hum" (60 Hz e 120 Hz) - 65 dB
Impedância de entrada e saída 75W
Conectores de entrada e saída F-fêmea
Temperatura de operação 0 a + 50ºC
Potência máxima 25 W
Consumo mensal 18 KW.h/mês

Catálogo Antenas / CATV -111-


AMPLIFICADORES

21.17 - AMPLIFICADORES DE VHF E UHF PARA ANTENA COLETIVA - CÓD. 1064-30 e 1064-50
Os amplificadores de VHF e UHF THEVEAR foram
ENTRADA DA ANTENA
projetados para serem utilizados em sistema de antena
coletiva que operam com canais nas faixas de VHF ou UHF. A
CABO
amplificação dos sinais é realizada por amplificadores COAXIAL 75W
transistorizados, com características de baixa distorção e de
baixa intermodulação. DIVISOR

Os amplificadores cód. 1064-30 e 1064-50 operam nas AMPLIFICADOR


TOMADAS
faixas de VHF e UHF, com amplificação e controle de ganho BLINDADAS
independentes para cada banda de frequência. Montados em
caixas de alumínio aletadas que proporcionam excelente
blindagem elétrica e dissipação térmica. Possuem fonte de
alimentação para operação em 110/220V ajustada através de
uma chave seletora de voltagem incorporada, que os tornam
práticos e confiáveis. TV 1 TV 2 TV 3 TV 4 TV 5 TV 6 TV 7 TV 8
Fig. 20 - Exemplo de instalação

Fig. 21 - Amplificador VHF+UHF 30dB - cód. 1064-30 Fig. 22 - Amplificador VHF+UHF 50dB - cód. 1064-50

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
1064-30 1064-50
CÓDIGO
VHF UHF VHF UHF
Faixa de frequência 50 a 220 MHz 470 a 800 MHz 50 a 220 MHz 470 a 800 MHz
Ganho (± 1 dB) 30 dB 28 dB 50 dB 48 dB
Figura de ruído < 5,5 dB < 8 dB < 5 dB < 7,5 dB
Ajuste de ganho - 18 dB
R.O.E. entrada e saída 10 dB
1 canal 120 dBmV
Nível de saída 4 canais 113 dBmV
8 canais 110 dBmV
Produtos de intermodulação < - 40 dB
Impedância de entrada e saída 75W
Conectores de entrada e saída F-fêmea
Temperatura de operação 0 a + 50ºC
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Potência máxima 25 W
Consumo mensal 18 KW.h/mês
Dimensões 220 x 130 x 70 mm
Peso 1.100 g

Catálogo Antenas / CATV -112-


AMPLIFICADORES

21.18 - AMPLIFICADORES DE VÍDEO - CÓD. TACF-400, TACF-420 e TACF-440

Os amplificadores de vídeo códigos TACF-400, TACF-420 e TACF-440, são equipamentos utilizados para amplificar e
dividir sinal de vídeo provenientes de câmeras de circuito fechado de TV, videocassetes, filmadoras, etc.

Fig. 23 - Amplificador de vídeo 3 saídas - cód. TACF-400 Fig. 24 - Amplificador de vídeo - cód. TACF-420 Fig. 25 - Amplificador de vídeo 2 saídas - cód. TACF-440

O amplificador de vídeo com três saídas, cód. TACF-400, foi especialmente MONITOR MONITOR
projetado para dividir sinal de vídeo, podendo também ser utilizado para recuperar
pequenas perdas causadas por curtos comprimentos de cabos coaxiais.
O amplificador de vídeo com equalizador, cód. TACF-420, foi especialmente
projetada para amplificar sinal de vídeo que devem ser transmitidos por cabos de
longo comprimento. A equalização é realizada através do ajuste de inclinação da
curva de ganho. É possível amplificar e equalizar o sinal em comprimentos de até
1000m de cabo coaxial de boa qualidade (RGC-6, RGC-59). Este amplificador CABO COAXIAL
pode ser usado junto a câmera para "empurrar" ou junto ao monitor para recuperar 75W
o sinal.
O amplificador de vídeo com duas saídas, cód. TACF-440, é utilizado tanto para AMPLIFICADOR
amplificar como para dividir sinais de vídeo. O ganho deste amplificador permite
recuperar ou empurrar o sinal em lances de até 300m de cabo coaxial de boa
qualidade (RGC-6, RGC-59), porém não se presta para utilização de vários destes
CABO
amplificadores em cascata, pois não apresenta equalização.
200m
Estes amplificadores possuem fonte de alimentação incorporada, sendo que a
tensão de alimentação pode ser selecionada internamente, através de uma chave
CÂMERA
seletora de 110/220V.
Fig. 26 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO TACF-400 TACF-420 TACF-440
Número de saídas 3 1 2
Ganho 3,5 dB ± 0,5 dB 19 dB ± 1 dB 13 dB ± 1 dB
Ajuste de ganho -10dB -18dB -13dB
Ajuste de inclinação - 16dB -
Nível mínimo de entrada 0,5 Vpp 0,2 Vpp 0,2 Vpp
Nível máximo de saída 1,5 Vpp 5 Vpp 3 Vpp
Peso 350 g 230 g 240 g
Consumo 3,5 W 3,2 W
Consumo mensal 2,5 KW.h/mês 2,3 KW.h/mês
Dimensões 125 x 56 x 56 mm 110 x 92 x 50 mm
Faixa de frequência 5 Hz a 4 MHz
Linearidade 1 dB
R.O.E. entrada e saída 15 dB
Impedância de entrada e saída 75W
Conectores de entrada e saída F-fêmea
Alimentação (seleção por chave) 110/220V
Temperatura de operação -10 a + 50ºC

Catálogo Antenas / CATV -113-


DIVISORES

22.0 - INTRODUÇÃO
Depois de receber o sinal de TV é necessário distribuí-los para os pontos (tomadas) da instalação. Para efetuar essa
distribuição de sinal utilizam-se equipamentos denominados divisores.

22.1 - DIVISORES - CÓD. 810E, 8101E, 811E, 8111E, 812E e 8121E


Para se escolher um divisor é necessário saber se a instalação usa cabo coaxial (de 75W) ou fita paralela (de 300W). Para
funcionamento adequado do sistema deve-se colocar um resistor de 75W ou 300W, respectivamente, nas saídas não
utilizadas.

ANTENA DE VHF

CABO COAXIAL
75W

DIVIS.

Fig. 1 - Divisor 75/300 VHF+UHF Fig. 2 - Exemplo de instalação

TV TV TV TV

ENTRADA ENTRADA

TV TV TV TV

Fig. 3 - Divisor para ligação com cabo coaxial 75W Fig. 4 - Divisor para ligação com fita 300W

OBS: Na divisão do sinal ocorre uma diminuição no nível, que é denominada atenuação de passagem. Quando for
necessário compensar estas atenuações, utiliza-se um amplificador.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 810E 8101E 811E 8111E 812E 8121E
Impedância 75W 300W 75W 300W 75W 300W
Atenuação passagem 6,5 dB 12 dB 6,5 dB 9,5 dB 3,5 dB 6 dB
Atenuação entre saídas > 20 dB > 12 dB > 20 dB > 9,5 dB > 20 dB > 6 dB
Conexão abraçadeira terminal abraçadeira terminal abraçadeira terminal
Peso 55 g 40 g 50 g 35 g 45 g 30 g
Número de saídas 4 saídas 3 saídas 2 saídas
R.O.E. < 1,3
Faixa de frequência 5 a 900 MHz
Dimensões 70 x 65 x 24 mm

Catálogo Antenas / CATV -114-


DIVISORES

22.2 - DIVISORES BLINDADOS - CÓD. 1010-E, 1011-E, 1012-E, 1002-ST e 1004-ST

Os divisores blindados THEVEAR são utilizados para a distribuição de sinais de TV e FM em


sistemas de antenas coletivas e para divisão de sinais recebidos de satélite. A caixa do divisor
é selada e blindada, tornando-a imune a intempéries e interferência de sinais espúrios.
Os divisores blindados código 1010-E, 1011-E e 1012-E são construídos para operação na
faixa de 5 a 1000 MHz, apresentando atenuação praticamente constante dentro da faixa de
operação. São usados para divisão de sinal em VHF e UHF em antenas coletivas ou CATV.
Os divisores código 1002-ST e 1004-ST são utilizados para divisão de sinal de satélite na
faixa de 950 a 2050 Mhz
OBS: Se alguma das saídas não for utilizada, deve ser colocada nela uma carga de 75W
com conector F-macho. Nos divisores de satélite a carga deve ser desacoplada para DC.
Fig. 5 - Divisor 4 saídas - cód. 1010-E

ANTENA
PARABÓLICA

CABO
COAXIAL 75W

AMPLIFICADOR
Fig. 6 - Divisor 3 saídas - cód. 1011-E Fig. 7 - Div. sat. 2 saídas - cód. 1002-ST
DIVISOR
DE SATÉLITE

RECEPTOR
DE SATÉLITE

RECEPTOR
DE SATÉLITE

Fig. 8 - Divisor 2 saídas - cód. 1012-E Fig. 9 - Div. sat. 4 saídas - cód. 1004-ST Fig. 10 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Número Frequência Atenuação de Isolação Perda de Massa Dimensão
Código Conector
de Saídas (GHz) passagem (dB) (dB) Retorno (dB) (g) (Ixcxh) (mm)
0,95 - 1,45 3,5 ± 0,5 21 10
1002-ST 2 1,45 - 1,75 3,5 ± 0,5 25 15 50 51 x 61 x 19 F-fêmea
1,75 - 2,05 3,5 ± 1,0 13 18
0,95 - 1,45 6,5 ± 0,5 12 13
1004-ST 4 1,45 - 1,75 6,5 ± 0,5 16 20 70 51 x 80 x 19 F-fêmea
1,75 - 2,05 6,5 ± 1,0 16 10

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Código Número Frequência Atenuação de Atenuação Isolação Perda de Massa Dimensão


(MHz) passagem (dB) Porta 1(dB) (dB) Retorno (dB) (g) (Ixcxh) (mm) Conector
de Saídas
5 - 30 3,5 ± 0,5 3,5 ± 0,5 18 10
1012-E 2 30 - 600 3,5 ± 0,3 3,5 ± 0,3 22 12 21 52 x 40 x 14 F-fêmea
600 - 1000 3,5 ± 0,5 3,5 ± 0,5 18 10
5 - 30 7 ± 1,0 3,5 ± 0,5 18 10
1011-E 3 30 - 600 7 ± 0,5 3,5 ± 0,3 22 12 68 51 x 80 x 19 F-fêmea
600 - 1000 7 ± 1,0 3,5 ± 0,5 18 10
5 - 30 7 ± 1,0 7 ± 1,0 18 10
1010-E 4 30 - 600 7 ± 0,5 7 ± 0,5 22 12 70 51 x 80 x 19 F-fêmea
600 - 1000 7 ± 1,0 7 ± 1,0 18 10

Catálogo Antenas / CATV -115-


TOMADAS BLINDADAS

23.0 - INTRODUÇÃO
As tomadas blindadas THEVEAR são utilizadas para a distribuição de sinais de TV e FM em sistemas de antenas coletivas.
A caixa de tomada é selada e blindada, tornando-a imune a intempéries e interferência de sinais espúrios.
23.1 - TOMADAS BLINDADAS
As tomadas blindadas cód. 970-E são construídas para operação na faixa de 5 a 1000 MHz, apresentando atenuação de
passagem e acoplamento (atenuação da linha para tomada) praticamente constantes dentro da faixa de operação.
A ordem de colocação das tomadas blindadas deve ser tal que o nível de sinal na saída para a TV da tomada, seja
aproximadamente o mesmo em todas as tomadas da prumada. Esta ordem depende da distância entre os pontos aonde vão
as tomadas, das características do cabo coaxial utilizado e da máxima frequência de operação.

OBSERVAÇÕES:
1 - A tomada de 4 dB é utilizada como tomada de passagem para extensões.
2 - No conector de saída da tomada que fica no final da prumada, normalmente a do andar número 1 (6 dB), deve ser
colocada uma carga de 75W com conector F-macho.

TV À CABO
CABO AMPLIFICADOR
COAXIAL 75W

TOMADAS
BLINDADAS
DIVISOR

TV 1 TV 2 TV 3 TV 4 TV 5 TV 6 TV 7 TV 8
Fig. 1 - Tomada blind. 4 dB - cód. 970-E4dB Fig. 2 - Tomada blind. 12 dB - cód. 970-E12dB Fig. 3 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Frequência Atenuação de Acoplamento Isolação Perda de Massa Dimensão
Código Conector
(MHz) passagem (dB) (dB) (dB) Retorno (dB) (g) (mm)
10 - 30 3,5 ± 0,5 3,5 ± 0,5 20 20
970-E4dB 30 - 600 3,7 ± 0,5 4 ± 0,5 18 15 20 44 x 32 x 14 F-fêmea
600 - 1000 4,0 ± 0,5 4 ± 1,0 15 10
10 - 30 2,5 ± 0,5 6 ± 0,5 25 13
970-E6dB 30 - 600 2,2 ± 0,5 6 ± 0,5 22 15 20 44 x 32 x 14 F-fêmea
600 - 1000 2,5 ± 0,5 6 ± 1,0 18 12
10 - 30 1,5 ± 0,6 9 ± 1,0 27 15
970-E9dB 30 - 600 1,3 ± 0,5 9 ± 0,5 24 15 20 44 x 32 x 14 F-fêmea
600 - 1000 1,5 ± 0,5 9 ± 1,0 20 10
10 - 30 1,5 ± 0,5 12 ± 1,0 30 15
970-E12dB 30 - 600 1,0 ± 0,5 12 ± 0,5 27 15 20 44 x 32 x 14 F-fêmea
600 - 1000 1,0 ± 0,2 12 ± 1,0 22 10
10 - 30 0,5 ± 0,2 16 ± 0,5 35 20
970-E16dB 30 - 600 0,6 ± 0,3 16 ± 1,0 30 14 20 44 x 32 x 14 F-fêmea
600 - 1000 0,7 ± 0,4 16 ± 1,0 26 10
10 - 30 0,5 ± 0,1 20 ± 0,1 37 20
970-E20dB 30 - 200 0,5 ± 0,2 20 ± 0,1 35 20 20 F-fêmea
44 x 32 x 14
200 - 600 0,6 ± 0,4 19 ± 2,0 35 17
600 - 1000 0,7 ± 0,5 19 ± 2,0 25 10
10 - 30 0,5 ± 0,1 24 ± 0,1 40 20
970-E24dB 30 - 200 0,5 ± 0,2 24 ± 0,1 39 20 20 F-fêmea
44 x 32 x 14
200 - 600 0,6 ± 0,4 23 ± 2,0 39 17
600 - 1000 0,7 ± 0,5 23 ± 2,0 28 10
10 - 30 0,5 ± 0,1 27 ± 0,1 44 20
970-E27dB 30 - 200 0,5 ± 0,2 27 ± 0,1 42 20 20 F-fêmea
44 x 32 x 14
200 - 600 0,6 ± 0,4 26 ± 2,0 42 17
600 - 1000 0,7 ± 0,5 26 ± 2,0 32 10
10 - 30 0,5 ± 0,1 30 ± 0,1 47 20
970-E30dB 30 - 200 0,5 ± 0,2 30 ± 0,1 45 20 20
45 44 x 32 x 14 F-fêmea
200 - 600 0,6 ± 0,4 29 ± 2,0 17
600 - 1000 0,7 ± 0,5 29 ± 2,0 35 10

Catálogo Antenas / CATV -116-


SIMETRIZADORES E SEPARADORES

24.0 - INTRODUÇÃO SOBRE SIMETRIZADORES


O simetrizador é empregado para transformar a impedância de 300W das linhas paralelas (Fita) para 75W ou vice-versa.

24.1 - SIMETRIZADORES VHF / UHF - CÓD. 8092E e 1009-2E


Nos televisores onde a entrada da antena é 300W o simetrizador é usado para "casar" os 75W do cabo coaxial com os
300W do televisor. Não se deve ligar diretamente o cabo coaxial em televisores com entrada de 300W, pois isso causa uma
perda de 60% do nível do sinal. Podendo também gerar sombras e fantasmas na imagem devido às reflexões do sinal.
A THEVEAR fabrica simetrizadores para uso interno e externo.

OBS: O simetrizador também é conhecido com o nome de balun ou casador de impedância.

Fig. 1 - Casador interno VHF+UHF 75/300 - cód. 8092E Fig. 2 - Simetrizador com conector "F" VHF+UHF - cód. 1009-2E

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 8092E 1009-2E CÓDIGO 8092E 1009-2E
Conexão de entrada abraçadeira conector F-fêmea Impedância de saída 300W
Dimensões 43 x 26 x 19 mm 56 x 26 x 19 mm Atenuação de passagem < 1 dB
Peso 18 g 20 g R.O.E. < 1,5
Impedância de entrada 75W Faixa 20 a 800 MHz

25.0 - INTRODUÇÃO SOBRE SEPARADORES


Os separadores de VHF-UHF são utilizados quando os sinais de VHF e UHF que chegam à TV vêm por um único cabo
coaxial de 75W, como ocorre em antenas coletivas, e a TV possui entradas separadas para VHF e UHF. As funções do
separador são separar os sinais e também transformar a impedância de 75W para 300W.

25.1 - SEPARADORES - CÓD. 8081E e 8084E


A THEVEAR fabrica dois modelos de separador: um com saídas de VHF
e UHF em 300W e outro com saída de VHF em 75W e UHF em 300W.

CABO
COAXIAL
ANTENA 75W
DE UHF
Fig. 1 - Separador com casador VHF+UHF 75/300 - cód. 8081E
MISTURADOR

SEPARADOR

Fig. 2 - Separador VHF+UHF 75/300 com conector - cód. 8084E Fig. 3 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 8081E 8084E CÓDIGO 8081E 8084E
Impedância de saída 300W 75W VHF / 300W UHF Impedância de entrada 75W
R.O.E. < 1,3 dB
Atenuação entre bandas > 10 dB > 20 dB Dimensões 66 x 49 x 22 mm
Atenuação de passagem < 1,5 dB Faixa 20 a 900 MHz
Bandas a separar VHF - UHF Peso 50 g

Catálogo Antenas / CATV -117-


EMENDAS DE CABOS
E ATENUADORES

26.0 - EMENDA DE CABO - CÓD. 833E


Devem-se evitar emendas
em cabos coaxiais, mas há ANTENA DE VHF
casos em que elas são
inevitáveis e principalmente
nos casos de junção de cabos
de diferentes tipos ou bitolas. CABO COAXIAL
75W

Fig. 1 - Emenda para cabo coaxial aberta

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 833E


Atenuação de passagem < 0,5 dB
Dimensões 60 x 35 x 20 mm
Peso 35 g
Impedância de entrada e saída 75W
Fig. 2 - Exemplo de instalação

26.1 - INTRODUÇÃO AOS ATENUADORES


Atenuadores são elementos que quando colocados em uma linha de transmissão de sinais produzem uma diminuição do
nível do sinal sem alterar os valores de impedância da linha.

26.2 - ATENUADORES FIXOS - CÓD. 1015F-6dB, 1015F-12dB e 1015F-20dB


Os atenuadores fixos para CATV THEVEAR foram projetados
ANTENA DE VHF
para adequar os níveis de sinais às necessidades do sistema de
distribuição de CATV.
Estes componentes são construídos dentro de um tubo
metálico, o que confere ao produto alta resistência mecânica e CABO
COAXIAL 75W
excelente blindagem elétrica, com conectores F-macho de um dos
lados e F-fêmea do outro, assim podem ser inseridos diretamente
entre o cabo e o aparelho que recebe ou envia sinal. A utilização de
componentes SMD, possibilita uma montagem compacta, confiável
e com excelente resposta em freqüência, excedendo 1 GHz.

ATEN.

Fig. 3 - Atenuador fixo com conector "F" 6dB, 12dB e 20dB - cód. 1015F Fig. 4 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 1015F-6dB 1015F-12dB 1015F-20dB
Perda de inserção 6 ± 0,5 dB 12 ± 0,5 dB 20 ± 1 dB
Faixa de Frequência DC - 1 GHz
Potência máxima 0,2 W
Impedância 75W
DC - 0,6 GHz > 20 dB
R.O.E.
0,6 - 1 GHz > 15 dB
Conectores F-fêmea
Diâmetro 13 mm
Comprimento 33 mm
Peso 13 g

Catálogo Antenas / CATV -118-


EMENDAS DE CABOS
E ATENUADORES

26.3 - ATENUADOR VARIÁVEL - CÓD. 815E

Em instalações de
antenas coletivas, é muito
comum ter que atenuar os ANTENA DE VHF
sinais de entrada do
misturador, pois é muito
difícil ter a mesma CABO COAXIAL
intensidade de sinal em 75W
todas as freqüências a
serem misturadas.

Nestes casos a melhor


solução é colocar um
atenuador.
Fig. 5 - Atenuador regulável 3 a 26dB VHF+UHF ATEN.

OBS: Não é recomendável a utilização desses atenuadores em


série.
Fig. 6 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Faixa de frequência de DC à 1000 MHz
Atenuação máxima ajustável 3 a 26 dB
Atenuação de passagem < 3 dB
R.O.E. < 1,5
Diâmetro 65 mm
Comprimento 30 mm
Peso 45 g
Impedância de entrada e saída 75W

26.4 - ATENUADOR VARIÁVEL - CÓD. 915-E

Atenuador Variável, código 915-E, é CABO COAXIAL 75W


um dispositivo bastante útil ao instalador. TV À CABO
Este atenuador possui uma faixa de TOMADA
BLINDADA
atenuação de até 20 dB, mantendo a
impedância característica de 75W, dentro
da faixa de freqüência de VHF até UHF. MOD.
É construído dentro de um tubo de
AMPLIF.
alumínio, o que lhe confere alta
resistência mecânica e uma ótima
blindagem elétrica. Possui também SAÍDA
conectores tipo F-fêmea, para conexão
ao sistema. FILTRO ATENUADOR
Fig. 7 - Atenuador variável TUB LINE - cód 915-E Fig. 8 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Perda de inserção máxima 0,8 dB em UHF
Faixa de frequência 1 a 850 MHz
Atenuação máxima ajustável 20 ± 1 dB
Conector F-fêmea
Atenuação de passagem < 1 dB
Diâmetro 30 mm
Comprimento 70 mm
Peso 43 g
Impedância de entrada e saída 75W

Catálogo Antenas / CATV -119-


FILTROS

27.0 - INTRODUÇÃO
Filtros PASSA FAIXA são equipamentos que permitem a passagem de sinal apenas em uma faixa de frequência e corta o
restante. Se a faixa de passagem for a de um canal de TV, tem-se um filtro PASSA CANAL, se a faixa for uma banda, por
exemplo BANDA I, BANDA IV, etc, obtém-se um filtro PASSA BANDA, etc.
Seus circuitos são compostos de bobinas e capacitores, as quais permitem a passagem ou atenuação de determinadas
frequências.
Vários tipos de filtros poderão ser utilizados em uma antena coletiva. As características dos filtros serão sempre
determinadas pelas necessidades de cada instalação.
A THEVEAR tem condições de fabricar qualquer tipo de Filtro para resolver qualquer problema, tanto em VHF como UHF.
Os modelos utilizados são: PASSA CANAL, CORTA CANAL, PASSA BANDA e CORTA BANDA.

27.1 - FILTRO PASSA FAIXA - CÓD. 880E

ANTENA DE VHF

CABO
COAXIAL 75W FILTRO PASSA FAIXA

Fig. 1 - Filtro passa canal - cód. 880E Fig. 2 - Exemplo de instalação

CURVA DE FILTROS PASSA CANAL


54 MHz 88 MHz 115 MHz
Canais:
Baixos
Altos

-6 -3 Pi PS +3 +6 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130


MHz MHz MHz MHz MHz
Fig. 3 - Curva de filtro passa canal Fig. 4 - Curva de filtro corta faixa FM

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 880E
Características técnicas canais baixos canais altos especial corta FM
Atenuação a canais não adjacentes > 25 dB ver figura 4
Faixa 6 MHz (ver fig. 3) ver figura 4
Atenuação de passagem < 1 dB
Impedância de entrada e saída 75W
R.O.E. entrada e saída < 1,5 dB
Dimensões 125 x 115 x 90 mm
Peso 310 g

Catálogo Antenas / CATV -120-


FILTROS

27.2 - FILTRO CORTA FAIXA - CÓD. 881E


Filtros CORTA FAIXA são equipamentos que desempenham uma função oposta à dos filtros PASSA FAIXA, ou seja, eles
cortam uma determinada faixa de frequências e permitem a passagem do restante. Analogamente eles também são
conhecidos por CORTA CANAL, CORTA BANDA, etc.

Estes filtros são normalmente utilizados quando se necessita eliminar alguma interferência ou combinar um canal, por
exemplo vindo de uma certa direção, com os demais canais, vindos de outra.

Nos filtros de corte, temos também um modelo para cortar uma determinada emissora de FM.

ANTENA DE VHF

CABO COAXIAL FILTRO CORTA FM


75W

MIST. COM BOOSTER


ANTENA DE UHF

FONTE

Fig. 5 - Filtro corta canal - cód. 881E Fig. 6 - Exemplo de instalação

dB CURVA DE FILTROS CORTA CANAL


500 KHz 500 KHz
Canais:
Baixos
Altos

-6 -3 Pi PS +3 +6 40 90 100 110 ATÉ UHF


MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz
Fig. 7 - Curva de filtro corta canal Fig. 8 - Curva de filtro corta canal

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 881E
Características técnicas canais baixos canais altos especial corte FM
Faixa 6 MHz (ver fig. 7) ver figura 8
Atenuação fora da faixa < 1 dB
Atenuação canal > 30 dB
Impedância de entrada e saída 75W
R.O.E. entrada e saída < 1,5 dB
Dimensões 125 x 115 x 90 mm
Peso 310 g

Catálogo Antenas / CATV -121-


FILTROS
SÉRIE TUB-LINE

27.3 - FILTROS PASSA CANAL SÉRIE TUB LINE - CÓD. 884-EV, 884-EC e 884-EU

Os filtros tipo PASSA CANAL OU PASSA FAIXA, foram desenvolvidos para eliminar interferências próximas a frequência
de operação, além de selecionar apenas o canal de interesse, recebido por uma antena.

Estes filtros utilizam conectores do tipo F-fêmea, tem uma excelente seletividade, além de possuírem uma alta imunidade
a interferências externas, pois são blindados e encapsulados em tubo de alumínio.

Na encomenda destes filtros deve vir especificada a frequência ou o canal de utilização.

ANTENAS DE VHF COLETIVAS


CANAL 2
CANAL 4
CANAL 7
ANT. DE FM

FILTRO
MISTURADOR

CABO COAXIAL
Fig. 9 - Filtro passa canal VHF - cód. 884-EV 75W
DIVISOR

15 dB
à TOMADAS
6 MHz BLINDADAS

6 MHz
884-EV ou 884-EU TV 1 TV 2 TV 3 TV 4 TV 5 TV 6 TV 7 TV 8

Fig. 10 - Curva de filtros passa canal Fig. 11 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 884-EV** 884-EC** 884-EU**
54 a 88 MHz 120 a 174 MHz
Frequência 470 a 800 MHz
174 a 216 MHz 216 a 450 MHz
Perda de inserção < 2 dB < 2 dB < 5 dB
Atenuação fora da faixa > 38 dB > 38 dB > 40 dB
Tipo PASSA CANAL
Faixa de passagem 6 MHz
R.O.E. < 1,7
Impedância de entrada e saída 75W
6 MHz > 15 dB
Atenuação (*)
12 MHz > 27 dB
Diâmetro 32 mm
Comprimento 94 mm
Peso 45 g
* - Tomando-se como referência o início e o fim da faixa utilizada.
** - Deve-se especificar a frequência ou canal de utilização.

Catálogo Antenas / CATV -122-


FILTROS
SÉRIE TUB-LINE

27.4 - FILTROS CORTA CANAL SÉRIE TUB LINE - CÓD. 885-EV, 885-EU, 885-FM e 885-E1

Os Filtros tipo CORTA CANAL, foram projetados para cortar canais ou interferências causadas por determinadas
frequências. Cada modelo possui uma característica própria de largura de faixa e atenuação.
Estes filtros são encapsulados em um tubo de alumínio e utilizam conectores do tipo F-fêmea.
Na encomenda deste modelo deve vir especificada a faixa de frequência ou canal que deseja cortar.

ANTENA DE VHF

CABO COAXIAL
75W

Fig. 12 - Filtro corta FM BIP - cód. 885-FM Fig. 13 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 885-EV** 885-EU** 885-FM** 885-E1**
atenua frequência ou atenua frequência ou rejeita FM + BIP, passa
Frequência ** rejeita canal de VHF
canal na banda I, II e III canal na banda IV e V banda I, III e UHF
Largura de faixa de rejeição 6 MHz abaixo de 54 MHz e FM trap (BW = 500 KHz)
Atenuação no canal ou frequência > 37 dB > 38 dB > 48 dB
R.O.E. (na faixa de passagem) < 1,7
Impedância de entrada e saída 75W
Perda de inserção fora da faixa < 1 dB
Diâmetro 32 mm
Comprimento 94 mm
Peso 45 g
** - Deve-se especificar a frequência ou canal de utilização.

885-E1
37 dB
48 dB

500 KHz
885-EV ou 885-EU 6 MHz
Fig. 14 - Curva de filtros corta canal Fig. 15 - Curva de filtros corta canal

38 dB

54 MHz 88 MHz 110 MHz

30 MHz 885-FM
Fig. 16 - Curva de filtros corta canal

Catálogo Antenas / CATV -123-


CONVERSORES

28.0 - INTRODUÇÃO
Os conversores de frequência são equipamentos que mudam a frequência de um canal de TV para outra frequência. Por
exemplo, utilizando um conversor podemos converter o canal 32 de UHF no canal 8 de VHF.

28.1 - CONVERSOR FIXO VHF / UHF - CÓD. 882E


Os conversores fixos de frequência THEVEAR são utilizados quando, por alguma razão, é conveniente converter um canal
de uma frequência para outra. Eles são empregados tipicamente em cidades onde os canais são transmitidos em UHF e
deseja-se fazer a distribuição dos sinais na antena coletiva em VHF, para evitar o uso dos conversores de UHF individuais
sobre os aparelhos de TV. As conversões mais comuns estão indicadas na tabela abaixo.
CANAL ORIGINAL CANAL CONVERTIDO ANTENAS DE VHF COLETIVAS
UHF VHF (banda I ou banda III)
VHF (banda I) VHF (banda III)
VHF (banda III) VHF (banda I) ANT. DE FM

ANT.
DE UHF

MISTURADOR
CONVERSOR

CABO COAXIAL
75W
AMPLIFICADOR SAÍDA
Fig. 1 - Conversor fixo - cód. 882E Fig. 2 - Exemplo de instalação

OBS: Qual é a diferença entre um CONVERSOR e um MODULADOR de Áudio e Vídeo ?


O conversor e o modulador de áudio e vídeo são aparelhos completamente distintos, pois enquanto o conversor converte
a frequência de um canal para outro, o modulador gera um sinal de R.F. com a informação de áudio e vídeo na frequência de
um canal de TV.
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 882E
Impedância de entrada/saída 75W
Ganho de conversão (depende dos canais convertidos) 20 à 35 dB
R.O.E. < 1,5
Ruído (depende dos canais convertidos) < 6 dB
Nível mínimo aconselhada de entrada 54 dBmV
Nível de saída 80 < VO < 100 dBmV
Intermodulação > 60 dB
Oscilador LC, compensado em temperatura
Sinal do oscilador na saída < 30 dB
Sinal do oscilador na entrada < 20 dB
Sinal do canal de entrada na saída < 30 dB
Sinal do canal de saída na entrada < 10 dB
Deriva do oscilador (depois de 15 minutos ligado) ± 300 ppm
Tensão de alimentação 110/220V
Consumo 6W
Consumo mensal 4,3 KW.h/mês
Temperatura de operação 0º à + 40ºC
Dimensões 165 x 100 x 70 mm
Peso 650 g

Catálogo Antenas / CATV -124-


TABELA DE CONVERSÕES
CANAIS DE ENTRADA

CATV
LETRAS
BI BIII BIV BV
FI 2 3 4 5 6 7 8 9 1 0 11 1 2 1 3 1 4 1 5 1 6 1 7 1 8 1 9 2 0 2 1 2 2 2 3 2 4 2 5 2 6 2 7 2 8 2 9 3 0 3 1 3 2 3 3 3 4 3 5 3 6 3 7 3 8 3 9 4 0 4 1 4 2 4 3 4 4 4 5 4 6 4 7 4 8 4 9 5 0 5 1 5 2 5 3 5 4 5 5 5 6 5 7 5 8 5 9 6 0 6 1 6 2 6 3 6 4 6 5 6 6 6 7 6 8 6 9 7 0
FI
2
3

BI
4
5
6
7
8
9
10
11

BIII
12
13
A-2 98
A-1 99
A 14
B 15
C 16
28.2 - TABELA DE CONVERSÕES

D 17

BM
E 18
F 19
G 20
H 21
I 22
J 23
K 24
L 25
M 26
N 27
O 28
P 29

SB
Q 30
R 31
S 32
T 33
U 34
V 35
W 36
AA 37
BB 38

CANAIS DE SAÍDA
CC 39
DD 40
EE 41
FF 42
GG 43
HH 44
II 45
JJ 46
KK 47
LL 48
MM 49
NN 50

HB
OO 51
CONVERSORES

PP 52
QQ 53
RR 54
SS 55
TT 56
UU 57
VV 58
WW 59
XX 60
YY 61
ZZ 62

LEGENDA
BI = BANDA I BM = BANDA MÉDIA
BIII = BANDA III HB = HIPER BANDA
BIV = BANDA IV SB = SUPER BANDA
BV = BANDA V

CONVERSÃO NÃO POSSÍVEL CONVERSÃO POSSÍVEL

Catálogo Antenas / CATV -125-


MODULADORES

29.0 - MODULADORES VHF CANAL 3 - CÓD. 866-C3 e VHF-UHF-CATV - CÓD. 866-EA


Os moduladores códigos 866-EA e 866-C3 são equipamentos compactos e versáteis, que servem para transformar os
sinais de vídeo e áudio, provenientes de câmeras de vídeo, receptores de satélite, DVD, etc, em sinais de RF nas frequências
e formato dos sinais recebidos pelos aparelhos de TV, na faixa de canais de VHF e UHF ou CATV.

A frequência do canal de saída é obtida através de síntese de frequências por PLL. Esta tecnologia proporciona alta
estabilidade em frequência e, também, versatilidade ao produto. O modulador cód. 866-C3 possui canal de saída fixo. Já o
866-EA é um modulador ágil que pode gerar canais tanto na faixa de VHF e UHF ou CATV. As indicações do número do canal
e do plano de frequências aparecem no mostrador no painel.

O modulador código 866-EA foi projetado para ser ligado diretamente em aparelhos de TV. Para ligar este modulador em
cabeceiras de antena coletiva pode ser necessário acrescentar um filtro passa canal na saída de RF, na frequência do canal
modulado, para evitar interferências em outros canais, cujas frequências coincidam com as harmônicas geradas pelo
modulador. A tensão de alimentação pode ser 110/220V. A seleção é feita por uma chave que está localizada na parte interna
do produto.

APARELHO DE DVD
ANTENA
DE VHF

MODULADOR
CÓD. 866-C3

COMBINADOR

CABO COAXIAL
75W

Fig. 1 - Modulador VHF a cristal - cód. 866-C3 Fig. 2 - Modulador VHF/UHF/CATV - cód. 866-EA Fig. 3 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Código 866-C3 * 866-EA
Canal de saída - VHF 3 ou 4 FI, 2 ao 13
Canal de saída - UHF - 14 ao 70
Canal de saída - CATV - 14 ao 99
Armazenamento do canal - memória não volátil
Nível de saída 75 ±1 dBmV 80 ± 2 dBmV
Harmônicas < 60 dBc < 20 dBc
Consumo 2,2 W 2,1 W
Consumo mensal 1,6 kW.h/mês 1,5 kW.h/mês
Peso 220g 230g
Largura da faixa 10 MHz
Estabilidade em frequência ± 100 ppm
Modulação AM DSB (dupla banda lateral)
Conector / impedância de saída F-fêmea / 75W
Frequência da subportadora de áudio 4,5 MHz
Nível da subportadora de áudio - 12 ±1 dBc
Entrada de vídeo (polaridade negativa) ajustável de 0,8 a 2 Vpp
Conector / impedância entrada de vídeo tipo RCA / 75W
Entrada de áudio ajustável de 1 a 4 Vpp
Conector / impedância entrada de áudio tipo RCA / 1000W
Alimentação (chave de seleção interna) 110/220V
Temperatura de operação 0 a 40º C
Dimensões 110 x 92 x 50 mm
* - Quando o display estiver aceso, podem aparecer alguns riscos horizontais na imagem. Eles desaparecem quando o display se apaga.

Catálogo Antenas / CATV -126-


AMPLIFICADORES PARA SATÉLITE
SÉRIE TUB-LINE

30.0 - INTRODUÇÃO

30.1 - AMPLIFICADORES DE LINHA PARA SATÉLITE - CÓD. 1026-ST e 1027-ST

A série TUB-LINE, é uma linha de produtos que vem ao encontro das necessidades de qualquer sistema, seja coletivo ou
individual, onde a confiabilidade e a imunidade a interferências elétricas externas são necessárias.

Os produtos da série TUB LINE devem ser protegidos de intempéries, pois não são selados. Se for necessário instalá-los
externamente, deve-se usar uma fita isolante de alta fusão, para evitar a entrada de umidade.

Os amplificadores de Linha para Satélite, códigos 1026-ST e 1027-ST, são amplificadores para a faixa de frequência de
950 à 1450 MHz e 950 a 2050 MHz, respectivamente. O amplificador cód. 1027-ST apresenta inclinação na curva de ganho
para equalização das perdas no cabo coaxial. A tabela abaixo mostra quantos metros de cabo podem ser compensados com
um amplificador cód. 1027-ST, para diversos tipos de cabo.

CABO RGC-11 RGC-6 RGC-59 RG-59


COMPRIMENTO 125 m 72 m 55 m 38 m

Estes Amplificadores são encapsulados em um tubo de alumínio com conectores tipo F-fêmea, o que lhe confere uma
excelente blindagem e resistência mecânica. São utilizados para compensar as perdas em chaves H/V, divisores e no cabo
coaxial existente entre a LNB e o receptor de satélite. A alimentação do amplificador utiliza a tensão de alimentação de 15V do
LNB, que vai pelo cabo coaxial.

ANTENA
PARABÓLICA

CABO
COAXIAL 75W

AMPLIFICADOR

Fig. 1 - Amplificador de linha satélite com 20 dB de ganho - cód. 1026-ST DIVISOR


DE SATÉLITE

RECEPTOR
DE SATÉLITE

RECEPTOR
DE SATÉLITE

Fig. 2 - Amplificador de linha satélite com equalizador - cód. 1027-ST Fig. 3 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 1026-ST 1027-ST
Faixa de frequência 950 a 1450 MHz 950 a 2050 MHz
Ganho 19 ± 2 dB 20 ± 1 dB
Inclinação de 0,95 à 2,05 GHz - + 4 dB
Alimentação 15 ± 1 Vcc
Consumo 20 mA
Impedância de entrada e saída 75W
Figura de ruído < 4,5 dB
Conector F-fêmea
Peso 35 g
Comprimento 87 mm
Diâmetro 19 mm

Catálogo Antenas / CATV -127-


EQUALIZADORES PARA CATV E VHF
SÉRIE TUB-LINE

31.0 - INTRODUÇÃO
Os equalizadores para CATV e VHF THEVEAR foram projetados para compensação das perdas introduzidas por cabos
coaxiais em sistemas operando com longos comprimentos de cabo.
Como a atenuação em cabos coaxiais aumenta com a frequência, é necessário introduzir equalizadores em
determinados trechos do cabo para compensar esta diferença de atenuação. Os equalizadores são dispositivos que
apresentam a característica de atenuação inversa a dos cabos coaxiais, dentro da faixa de frequência de uso, ou seja, eles
atenuam mais os sinais de baixa frequência e menos os de alta.
Estes componentes são construídos dentro de um tubo de alumínio, o que confere ao produto alta resistência mecânica e
excelente blindagem elétrica.
Para se determinar a valor do equalizador a ser utilizado para compensar um determinado comprimento de cabo coaxial,
deve-se primeiro calcular a diferença de atenuação introduzida pelo cabo entre a máxima e a mínima frequência de
operação, e depois escolher a valor mais próximo do calculado. A tabela abaixa mostra, para diversos tipos de cabos, os
comprimentos necessários para que a diferença de atenuação seja de 9dB, entre 50 Mhz e 250 Mhz, e seja 6dB entre 50 Mhz
e 1 Ghz.

TABELA DE USO DOS EQUALIZADORES Cód. 1035 Cód. 1034


0
COMPRIMENTO DO CABO
CÓDIGO FREQUÊNCIA
RGC-11 RGC-06 RGC-59 RG-59
-3 dB
50 MHz e
1035-9dB 285 m 160 m 135 m 90 m
250 MHz

-6 dB
50 MHz e
1034-6dB 58 m 36 m 20 m 18 m
1 Ghz
-9 dB
0,05 0,25 0,5 0,75 1 GHz

Fig. 1 - Curva dos equalizadores

31.1 - EQUALIZADORES PARA CATV - CÓD. 1034-6dB e 1035-9dB

ANTENA COLETIVA
EQUALIZADOR
CÓD. 1034-6dB
CABO
40m

Fig. 2 - Equalizador 1 Ghz com conector "F" 6dB - cód. 1034-6dB


AMPLIFICADOR

AMPLIFICADOR

CABO
COAXIAL 75W

Fig. 3 - Equalizador VHF com conector "F" 9dB - cód. 1035-9dB Fig. 4 - Exemplo de instalação

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
CÓDIGO 1034-6dB 1035-9dB
Frequência de operação 50 MHz a 1 GHz 50 MHz a 250 MHz
Perda de inserção (máxima frequência ) 0,8 dB 0,5 dB
Diferença de atenuação 6 dB 9 dB
Impedância de entrada e saída 75W
R.O.E. > 10 dB
Conectores F-fêmea
Dimensões 29 x 67 mm
Peso 30 g

Catálogo Antenas / CATV -128-


ALICATES PARA CABO COAXIAL

32.0 - INTRODUÇÃO
O alicate 900E foi desenvolvido com a finalidade de facilitar o trabalho de desencapar o cabo coaxial e o alicate 832E para
agilizar o trabalho de fixação do ilhós no cabo.

32.1 - ALICATE PARA DESENCAPAR CABO COAXIAL - CÓD. 900E

CABO COAXIAL

ALICATE

1 2

Figura 01 - Alicate para desencapar cabo coaxial - cód. 900E Figura 02

32.2 - ALICATE PARA FIXAR ILHÓS DO CABO COAXIAL - CÓD. 832E

1 ILHÓS 2 COLOQUE O ILHÓS 3 4


NA MALHA DO
CABO COAXIAL

COM O
CABO COAXIAL ALICATE ILHÓS FIXADO
APERTE O ILHÓS
Figura 03 Figura 04 Figura 05 Figura 06

Figura 07 - Alicate para grampear cabo coaxial - cód. 832E

Catálogo Antenas / CATV -129-


APARELHOS TELEFÔNICOS

1.0 - -INTRODUÇÃO
33.0 INTRODUÇÃOAOS APARELHOS TELEFÔNICOS

Os aparelhos telefônicos THEVEAR foram desenvolvidos para oferecer o máximo em facilidade e conforto aos seus
usuários, e são comercializados nas cores branco e bege nos modelos LAGUNA e LAGUNA-PLUS e branco nos modelos
ICARÍ e LEBLON.

Os telefones são compatíveis com centrais telefônicas públicas, centrais de PABX e centrais tipo CPA, possibilitando a
utilização de forma residencial ou comercial.

Os telefones ICARÍ, LEBLON e LAGUNA-PLUS vêm com um adaptador de RJ11 para tomadas padrão TELEBRÁS, para
a instalação tanto no padrão nacional como no americano.

0165-06-2021

Fig. 01 - Telefone mod. ICARAÍ Fig. 02 - Telefone mod. LEBLON Fig. 03 - Telefone mod. LAGUNA Fig. 03 - Telefone mod. LAGUNA-PLUS

33.1 - PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

O telefone LAGUNA PLUS conta com a certificação de qualidade da Anatel.

Todos os modelos possuem 2 níveis de volume de campainha, tecla para seleção de funcionamento
em PULSO ou TOM, controle do volume do áudio, tecla Flash, rediscagem para o último número
discado, tecla VOZ (para interromper a transmissão de voz) e podem ser utilizados em mesas ou
Agência Nacional
de Telecomunicações
fixados na parede.
0165-06-2021
Figura 04 - Selo Anatel

! Uso residencial e comercial;


! Pode ser usado em mesa ou parede;
! 2 níveis de campainha;
! Pino de descanso;
! Multifrequêncial (TOM) e decádico (PULSO);
! Tecla MODE (PULSO ou TOM);
! FLASH e rediscagem do último número discado (LND);
! Teclado luminoso no modelo ICARAÍ;
! Controle de volume de recepção (interrompe a transmissão de voz enquanto pressionada no modelo LEBLON;
! Conector padrão TELEBRÁS nos modelos ICARAÍ, LEBLON e LAGUNA-PLUS;
! Terminal para central de portaria CAT usando os telefones modelos ICARAÍ, LEBLON e LAGUNA;
! Compatibilidade com centrais telefônicas públicas, centrais tipo CPA e centrais PABX no modelo LAGUNA-PLUS.

33.2 - INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO

Recomendamos que evite instalar seu aparelho telefônico em lugares com calor ou umidade excessiva.

Para limpeza do seu aparelho utilize somente pano umedecido ou antiestático. Nunca use pano seco, pois poderá ocorrer
descarga eletrostática, nem produtos de limpeza abrasivos como álcool, acetona, eter, etc.

Utilize tomada padrão TELEBRÁS para os telefones modelos ICARAÍ, LEBLON e LAGUNA-PLUS.

Catálogo Telefonia -130-


APARELHOS TELEFÔNICOS

33.2.2 - MODELO ICARAÍ


Caso seu telefone esteja sendo utilizado sobre a mesa, ao finalizar uma ligação, coloque o fone na base, de forma correta,
encaixando a proteção do gancho nas guias correspondentes.

Fixação: para fixar o telefone na OBS: O tamanho do fio pode ser Pino descanso: se o seu telefone
parede, você deverá tomar como ajustado conforme a necessidade. estiver fixado na parede e houver a
base a medida determinada no necessidade de deixá-lo na espera
gabarito de furação. para que alguém venha atendê-lo,
você deverá utilizar o pino
de descanso para que o
monofone permaneça em
repouso sem que a
ligação seja desligada.

Utilize broca 6 mm, Canaletas: Para que


parafusos e buchas você possa acomo- Chave e : Ajusta o
compatíveis. Em dar os fios. volume da campainha
seguida encaixe os eletrônica com a indicação
abaixo.
pontos indicados do
seu aparelho nos
parafusos, fixando-o Alto
na parede.
Baixo

Figura 05 Figura 06 Figura 07

Teclado luminoso: facilita o uso do telefone em ambientes escuros ou com pouca luminosidade. Com este aparelho você
não precisa acender a luz do ambiente ao fazer uma ligação.

OBS: A luminosidade do teclado será maior ou menor conforme as características de sua linha telefônica.

33.2.3 - MODELO LEBLON

Fixação: para fixar o telefone na parede, você deverá tomar


como base a medida determinada no gabarito de furação.

Utilize broca 6 mm, parafusos e buchas compatíveis. Em


seguida encaixe os pontos indicados do seu aparelho nos
parafusos, fixando-o na parede.

Canaleta para
o cordão liso
Canaletas: Para que você possa
acomodar os fios

Pino (MESA / PAREDE): se o seu


Chave P e T: Decádica (PULSO) telefone for fixado na parede inverta a
ou multifrequêncial (TOM) posição do pino.
Conector da linha telefônica
Chave de ajuste de volume da Empurre o pino Gire o pino. Encaixe o pino
para cima. novamente.
campainha
Alto Baixo

Canaleta para o cordão espiral

Conector do monofone
Figura 08 - Vista por baixo do telefone mod. Leblon Figura 09

Catálogo Telefonia -131-


APARELHOS TELEFÔNICOS

33.2.2 - MODELO LAGUNA E LAGUNA-PLUS

Fixação: Para fixar o Canaletas: Para que


telefone na parede, você você possa acomodar
deverá tomar como base os fios.
a medida determinada
Pino descanso: Se o
no gabarito de furação. Jumper P e T: Decádica
seu telefone estiver
Pode também ser fixado (pulso) ou multifrequêncial
fixado na parede e
diretamente na caixa de (tom).
houver a necessidade embutir (caixa 4x2).
de deixá-lo na espera
para que alguém venha Utilize broca 6 mm, Chave e : Ajusta o volume
atendê-lo, você deverá parafusos e buchas da campainha eletrônica com a
utilizar o pino de compatíveis. Em seguida indicação abaixo.
descanso para que o encaixe os pontos
monofone permaneça indicados do seu BAIXO ALTO
em repouso sem que a aparelho nos parafusos,
ligação seja desligada. fixando-o na parede.

Figura 10 Figura 11 Figura 12

Pressione o Insira o fio. Solte o terminal.


terminal TD
ATENÇÃO: para baixo.
Conector padrão TELEBRÁS para conectar à linha
telefônica somente no modelo LAGUNA-PLUS.

Terminal TD: Este terminal é para


conectar o par de fios telefônico.
Terminal TD
Figura13 Figura 14 - Conectando o fio no terminal TD.

33.3 - CHAVES, JUMPER, TECLAS E SUAS FUNÇÕES

33.3.1 - CHAVE OU JUMPER P/T (PULSO e TOM)

Você poderá selecionar a forma de discagem em que seu telefone irá operar. A companhia telefônica oferece dois modos
de sinalização de linha: decádica (pulso) ou multifrequêncial (tom). Para saber o modo de sinalização de sua linha telefônica
faça uma ligação com chave (no ICARAÍ e LEBLON) ou o jumper (no LAGUNA e LAGUNA-PLUS) na posição T (tom), se a
ligação for completada com êxito deixe-a nesta posição, você será beneficiado com uma discagem mais rápida, além de uma
série de outras facilidades que a companhia telefônica oferece.

Caso a ligação não seja completada, sua linha possui sinalização decádica; deixe a chave (no ICARAÍ e LEBLON) ou o
jumper (no LAGUNA e LAGUNA-PLUS) na posição P (consulte a companhia telefônica sobre a possibilidade de troca de
sinalização de sua linha para multifrequêncial e sobre as facilidades que ela oferece).

TELEFONE ICARAÍ TELEFONE TELEFONE LAGUNA E


LEBLON LAGUNA-PLUS

JUMPER T/P
(TOM / PULSE)

CHAVE T/P
(TOM / PULSE)
TOM
CHAVE T/P
(TOM / PULSE) PULSO

Figura 15 - Chave T e P Figura 16 - Chave T e P Figura 17 - Jumper T e P

Catálogo Telefonia -132-


APARELHOS TELEFÔNICOS

33.3.1 - TECLAS

FLA ou FLASH Esta tecla quando pressionada ocasiona uma pequena interrupção em linhas multifrequênciais e pode
ser usada em duas situações:

! Para a programação e utilização de serviços oferecidos pela companhia telefônica (facilidades CPA).
! Quando o telefone estiver ligado a uma central telefônica; neste caso, a tecla será utilizada em
recursos oferecidas pelo PABX. Tempo de flash programado de fábrica 300 ms.

e Estas teclas têm função quando o modo de sinalização da sua linha telefônica for multifrequêncial, são
utilizadas para programações de algumas facilidades oferecidas pela companhia telefônica ou facilidades
de central PABX.

VOL e VOZ Estas teclas são exclusivas do telefone modelo LEBLON.

! A tecla VOL controla o volume do nível de recepção em 3 níveis (baixo, médio e alto).
! A tecla VOZ interrompe a transmissão de voz enquanto pressionada.

MODE Esta sequência é usada somente nos telefones modelos LAGUNA e LAGUNA-PLUS, faz com que o
tipo de discagem de seu aparelho seja alterado temporariamente, de decádico para multifrequêncial.

Após pressionar a tecla e em seguida MODE, você estará enviando as informações em sinalização
multifrequêncial (tom) até que o fone seja colocado no gancho.

Exemplo:
Sua linha possui sinalização decádica e você deseja consultar a fatura de seu cartão de crédito, ligue
para a operadora do cartão, logo que a ligação for completada pressione seguida da tecla MODE, a
partir deste momento você estará enviando os números no modo multifrequêncial, tornando o repasse de
informações muito mais rápido e seguro.

MODE Esta tecla faz com que o tipo de discagem de seu aparelho seja alterado temporariamente, de decádico para
multifrequêncial.

Ao pressionar a tecla MODE (no ICARAÍ) ou MOD (no LEBLON) você estará enviando as informações em
sinalização multifrequêncial (tom) até que o fone seja colocado no gancho.

Exemplo:
Sua linha possui sinalização decádica e você deseja consultar a fatura de seu cartão de crédito, ligue para a
operadora do cartão, logo que a ligação for completada pressione tecla MODE, a partir deste momento você estará
enviando os números no modo multifrequêncial, tornando o repasse de informações muito mais rápido e seguro.

OBS: No modelo ICARAÍ essa função é apresentada pelo botão MODE e no modelo LEBLON pelo botão MOD.

LND Ao pressionar esta tecla, seu aparelho redisca automaticamente a última sequência de números discados. Para
tanto, desligue momentaneamente o seu aparelho antes de usá-la.

Catálogo Telefonia -133-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.0 - INTRODUÇÃO AOS MICRO PABX RIVIERA

Agência Nacional
de Telecomunicações

0348-06-2021

Figura 01 - Micro PABX mod. RIVIERA Figura 02 - Micro PABX mod. RIVIERA-I Figura 03 - Micro PABX mod. RIVIERA-II

Os MICROS PABX RIVIERA, RIVIERA-I e RIVIERA-II são centrais de comutação telefônica com um grande número de
facilidades destinadas a residências, escritórios e empresas. É um equipamento de fácil instalação e manutenção devido às
suas características técnicas.
Somente o micro PABX RIVIERA conta com a certificação de qualidade da Anatel.

IMPORTANTE: A CENTRAL SÓ PODE SER UTILIZADA COM APARELHOS TELEFÔNICOS MULTIFREQUÊNCIAIS


(TOM), E QUE POSSUAM ATECLA FLASH.

34.1 - PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS COMUNS


! Placa de porteiro eletrônico ! Monitoração de ambiente ! Cadeado
(opcional) ! Agenda ! Serviço Noturno
! Siga-me ! Pêndulo ! Captura de chamadas
! Não perturbe ! Retenção ! Bloqueio de chamadas locais,
! Conferência ! Toques diferenciados para ligação prefixos e à cobrar
! Hot-line (interno e externo) interna, externa e placa de porteiro ! Música de espera

34.2 - CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS


CARACTERÍSTICAS DOS MICRO PABX
MODELO RIVIERA RIVIERA-I RIVIERA-II
4 enlaces internos 4 enlaces internos 4 enlaces internos
2 enlaces externos (R-2T/8R) ou 3 enlaces externos 4 enlaces externos
CARACTERÍSTICAS 3 enlaces externos (R-3T/8R) 8 ramais e 3 troncos, 16 ramais e 4 troncos, modular com
8 ramais e 2 troncos (R-2T/8R) ou modular com placas de 2 placas de 4 ramais e placas de 2 troncos
8 ramais e 3 troncos (R-3T/8R) ramais e placas de 1 tronco Sequencial para câmeras de vídeo (opcional)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MICRO PABX DIMENSÕES E PESO DOS MICROS PABX RIVIERAS

CÓDIGO PROFUN. LARGURA ALTURA PESO


MODELO RIVIERA RIVIERA-I RIVIERA-II (mm) (mm) (mm) (g)

No mod. R-2T/8R os Ramais 20 a Ramais 20 a R-2T/8R 80 235 200 1.580


ramais 20 e 21 são 22 são 23 são
conectados às conectados conectados
R-3T/8R 80 235 200 1.580
linhas L1 e L2. às linhas às linhas RI-2T/4R 80 235 200 1.730
Na falta de energia L1 a L3 L1 a L4
No mod. R-3T/8R os respectivamente. respectivamente.
RI-2T/8R 80 235 200 1.730
ramais 20, 21 e 22 são RII-2T/12R 80 305 230 2.505
conectados às RII-4T/8R 80 305 230 2.505
linhas L1, L2 e L3.
RII-4T/16R 80 305 230 2.505
Consumo máximo de potência 22 W 25 W
Tensão de alimentação 110/220V
Frequência da rede 60 Hz
Resistência máxima para ramal 1100W (fio + telefone)
Resistência máxima para linha
2000W
telefônica
Fusível de proteção 0,5 A
Proteção contra transientes nas entradas
Proteção elétrica
de tronco, de ramal e alimentação AC.
Proteção de programação Memória EEPROM
Figura 4

Catálogo Telefonia -134-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3 - INSTRUÇÃO DE INSTALAÇÃO DO MICRO PABX


ATENÇÃO: SEMPRE QUE POSSÍVEL, INSTALE A CENTRAL EM UM LOCAL QUE ATENDA AS INSTRUÇÕES
ABAIXO RELACIONADAS:

! Não receba a luz solar diretamente.


! Fique afastada de equipamentos que gerem interferência de R.F. (Ex: PX, PY, etc...).
! Evite locais de pouca ou nenhuma ventilação.
! Evite locais muito úmidos ou que permitam vibrações.
! Todos os aparelhos telefônicos fiquem aproximadamente à mesma distância da central.

FURO 1
fig. (b) ENCAIXE DE
FIXAÇÃO

0,5 cm

fig. (a)

Figura 5 - Coloque a central numa superfície plana, abra a tampa Figura 6 - Marque o local escolhido Figura 7 - Perfure, Figura 8 - Encaixe a
inferior pressionando as laterais para baixo (fig. a) e empurrando -a encaixe a bucha e central no parafuso do
para fora (fig.b). coloque o parafuso do furo 1
furo 1 deixando 0,5 cm
do parafuso para fora

PARAFUSO DO FURO 1

FURO 2 FURO 3

X X

Figura 9 - Alinhe e marque o lugar dos furos 2 e 3 Figura 10 - Após retirar a central, fure e coloque as Figura 11 - Recoloque a central no parafuso do furo 1, e
buchas nos furos 2 e 3 aperte os parafusos dos furos 2 e 3

34.3.1 - CONEXÃO DOS FIOS


Para a conexão dos fios:
Com a ponta do fio descascada.

Pressione o terminal Insira o fio no terminal Solte o terminal


TI para baixo

Terminal TI

Figura 12 Figura 13 Figura 14

ATENÇÃO: NÃO PASSE OS FIOS JUNTOS OU PRÓXIMOS À REDE ELÉTRICA E/OU CABO DE ANTENAS DE TV.

Catálogo Telefonia -135-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.1.1 - CONEXÃO DOS FIOS DOS TELEFONES


OBS: O número do telefone é igual ao número do ramal em que ele foi conectado.

Figura 15- Conexão no RIVIERA e RIVIERA-I

Figura 16 - Conexão no RIVIERA-II

34.3.1.2 - CONEXÃO DOS FIOS DAS LINHAS TELEFÔNICAS


IMPORTANTE: NO MOD. RIVIERA, L3 SÓ É UTILIZADO NA CENTRAL DE 3 TRONCOS 8 RAMAIS FIXO (R-3T/8R).

Figura 17 - Conexão no RIVIERA e RIVIERA-I Figura 18 - Conexão no RIVIERA-II

34.3.1.3 - CONEXÃO DO FIO DE ATERRAMENTO


ATENÇÃO: O TERMINAL TERRA DO EQUIPAMENTO DEVE ESTAR CONECTADO AO TERRA DA INSTALAÇÃO
ELÉTRICA, CONFORME A NORMA VIGENTE, CONSULTE A EMPRESA FORNECEDORA DE ENERGIA DA SUA REGIÃO
PARA ATENDER CORRETAMENTE ÀS NORMAS.

Figura 19 - Ponto do fio terra no RIVIERA e RIVIERA-I Figura 20 - Ponto do fio terra no RIVIERA-II

Catálogo Telefonia -136-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.1.4 - CONEXÃO DOS FIOS DA MÚSICA DE ESPERA EXTERNA (OPCIONAL)


IMPORTANTE: É NECESSÁRIO ALTERAR A POSIÇÃO DO JUMPER (J9 NO RIVIERA e RIVIERA-I e J12 NO
RIVIERA-II) DE MÚSICA DE ESPERA.

INTERNA EXTERNA INTERNA EXTERNA


J9 J9 J12 J12

Figura 21 - Conexão no RIVIERA e RIVIERA-I Figura 22 - Conexão no RIVIERA-II

34.3.1.5 - CONEXÃO DOS FIOS DA CÂMERA (OPCIONAL PARA O MODELO RIVIERA-II)

Figura 23 - Conexão da câmera no RIVIERA-II

ATENÇÃO: É NECESSÁRIO O USO DA INTERFACE CÓDIGO PIC-RII PARA CÂMERAS.

34.3.2 - INSTALANDO A PLACA DE PORTEIRO NO MICRO PABX RIVIERA


34.3.2.1 - PLACAS DE PORTEIRO 3 FIOS
Podem ser instalados diretamente no MICRO PABX RIVIERA, RIVIERA-I e RIVIERA-II os kits residenciais 3 fios códigos
NR-24, NR-50, NR-60, NR-85, NR-100, NR-110, NR-200 e NR-210, através da interface PIP-RI (acessório para RIVIERA e
RIVIERA-I) e a PIP-RII (acessório para RIVIERA-II) instalado no PABX.

OBS: Para adquirir somente a placa de porteiro, utilize a placa PEAI-110 ou PEAI-210, ambas com acionamento de
fechadura.

34.3.2.2 - PLACAS DE PORTEIRO 2 FIOS


Com a interface PIP-RI-2F (acessório para RIVIERA e RIVIERA-I) e a PIP-RII-2F (acessório para RIVIERA-II) é possível
utilizar os kits residenciais 2 fios códigos NR-30, NR-40, NR-510 (led vermelho atual) e NR-810.

ATENÇÃO: NÃO FUNCIONA COM OS KITs RESIDENCIAIS 2 FIOS NR-610 e NR-710.

J1 RETIRE O
JUMPER J1
SE FOR
RETIRE O
USAR O NR-30
JUMPER J1
SE FOR
USAR O NR-30 J1

Figura 24 - Interface de porteiro PIP-RI-2F Figura 25 - Interface de porteiro PIP-RII-2F

OBS: A interface sai de fábrica com o jumper J1 fechado, no caso de utilizá-la junto ao NR-30, retire o jumper J1 da
interface. (se ele não for retirado, o nível do áudio fica baixo).

Catálogo Telefonia -137-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.2.3 - CONEXÃO DOS FIOS DA PLACA DE PORTEIRO 3 FIOS (OPCIONAL)


TP1
FECHADURA
ELETROMAGNÉTICA AJUSTE DE
12V/1A (OPCIONAL) MICROFONIA

120/220V

RIVIERA

SOMENTE
PLACA DE RUA LIGAR À REDE
ELÉTRICA
QUANDO UTILIZAR
FECHADURA.

Figura 26 - Conexão da placa de porteiro 3 fios no RIVIERA-II

ATENÇÃO: É NECESSÁRIO O USO DA INTERFACE CÓD. PIP-RI OU PIP-RII, VER ITEM 34.3.6.1.

34.3.2.4 - CONEXÃO DOS FIOS DA PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS (OPCIONAL)


PLACA DE RUA
O terminal positivo
da placa vai no conector
1 de porteiro da central e
o terminal negativo da
placa vai no terminal 3
da central.

RIVIERA

CONEXÃO NOS
FECHADURA
PORTEIROS RESIDENCIAIS ELETROMAGNÉTICA
12V/1A (OPCIONAL)
NÃO INVERTER POLARIDADE
Figura 27 - Conexão da placa de porteiro 2 fios no RIVIERA-II

ATENÇÃO: É NECESSÁRIO O USO DA INTERFACE CÓD. PIP-RI-2F OU PIP-RII-2F, VER ITEM 34.3.6.1.

34.3.3 - PLACA DE PORTEIRO COLETIVO PCS-CAT, PCBS-CAT OU INDIVIDUAL PIS-CAT 2


FIOS (OPCIONAL)
CARACTERÍSTICAS:
! 2 fios para a conexão com a central e fonte de alimentação externa para a placa;
! Acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas;
! É recomendável que o número máximo de placas ligadas à central não ultrapasse o seu número de enlaces;
! Senha para abertura da fechadura através da PCS-CAT ou PCBS-CAT;
! Iluminação do teclado e placa de sobrepor.
PLACAS PCS-CAT,
PCBS-CAT e
PIS-CAT

TERRA
AJUSTE DE
VOLUME

FONTE DE
ALIMENTAÇÃO

FECHADURA 2
ATENÇÃO: Não ligar a placa ELETROMAGNÉTICA 110/220V
de rua no ramal programador BOTOEIRA
(de fábrica ramal 20) do PABX (OPCIONAL)
RIVIERA.

FECHADURA 1 ELETROMAGNÉTICA
Figura 28

Catálogo Telefonia -138-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
COMO CONECTAR NA CENTRAL:
Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central (definir o ramal escolhido como placa de rua, ver item 34.5.11.1).

34.3.4 - CONEXÃO DOS FIOS DA PLACA DE PORTEIRO 3 FIOS (OPCIONAL)


Verifique a tensão nominal da rede local (110/220V) antes da conexão do
cabo de alimentação. Se existir necessidade altere a tensão no seletor de Fusível
tensão. O equipamento sai de fábrica com a chave seletora de tensão em
220V.

Após verificar a tensão de alimentação, pressione a chave liga/desliga


para posição "1". Chave
Liga /
Desliga

Placa de proteção Chave Seletora


Figura 29 da REDE de Tensão (110/220V)

34.3.5 - AUMENTANDO A CAPACIDADE DA CENTRAL


O número de ramais e de linhas externas depende diretamente do número de placas de ramais e de troncos que a central
possui.

34.3.5.1 - IDENTIFICANDO A CAPACIDADE DA CENTRAL

1 Remova a tampa de conexão dos fios. 2 Retire os parafusos A e B. 3 Retire a tampa.

Figura 30 Figura 31 Figura 32

34.3.5.2 - RIVIERA
Figuras de identificação das centrais RIVIERA R-2T/8R e R-3T/8R.

Ponto de conexão
da placa de interface
do porteiro

Música externa

Figura 33 - Placa de circuito impresso do RIVIERA modelo: R-2T/8R

Catálogo Telefonia -139-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

Figura 34 - Placa de circuito impresso do RIVIERA modelo: R-3T/8R

34.3.5.3 - RIVIERA-I
Verifique o número de placas de troncos e de ramais.
Parafuso do suporte
da placa de proteção 3

Ponto de conexão da Ponto de


placa de proteção 3 conexão
das placas
de troncos
Ponto de conexão
Parafuso do suporte da placa de interface
da placa de proteção 2 do porteiro

Ponto de conexão da Parafusos dos


placa de proteção 2 suportes das
placas de ramais
Parafuso do suporte
Pontos de conexões
da placa de proteção 1
das placas de ramais

Ponto de conexão da
placa de proteção 1 Música externa

PLACA BASE DE PROTEÇÃO


DE TRONCO
CÓDIGO: PBPT-RI BASE DO RIVIERA-I

Figura 35 - Placa de circuito impresso do RIVIERA-I

Procure nas tabelas.


TABELA A TABELA B
NÚMERO DE PLACAS CAPACIDADE DA CENTRAL NÚMERO DE PLACAS CAPACIDADE DA CENTRAL
RAMAIS TRONCO(s) RAMAIS TRONCO(s) RAMAIS TRONCO(s) TRONCO(s) RAMAIS
1 1 2 1 3 2 6 2
2 1 4 1 4 2 8 2
3 1 6 1 1 3 2 3
4 1 8 1 2 3 4 3
1 2 2 2 3 3 6 3
2 2 4 2 4 3 8 3
OBS: Cada placa de ramal contém 2 ramais e cada placa de tronco contém 1 tronco.

Catálogo Telefonia -140-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.5.4 - RIVIERA-II

Verifique o número de placas de troncos e de ramais.

Parafuso do suporte da
placa de proteção 2
Pontos de conexões Parafuso dos suportes
das placas de ramais das placas

Ponto de conexão
da placa de interface
Ponto de conexão da Pontos de conexões do porteiro
placa de proteção 2 das placas de troncos

Parafuso do suporte da
placa de proteção 1

Ponto de conexão da
placa de proteção 1
Música externa

PLACA BASE DE PROTEÇÃO DE TRONCO BASE DO RIVIERA-II


CÓDIGO: PBPT-RII

Figura 36 - Placa de circuito impresso do RIVIERA-II

Procure nas tabelas.


TABELA A TABELA B
NÚMERO DE PLACAS CAPACIDADE DA CENTRAL NÚMERO DE PLACAS CAPACIDADE DA CENTRAL
RAMAIS TRONCO(s) RAMAIS TRONCO(s) RAMAIS TRONCO(s) TRONCO(s) RAMAIS
1 1 4 2 1 2 4 4
2 1 8 2 2 2 8 4
3 1 12 2 3 2 12 4
4 1 16 2 4 2 16 4
OBS: Cada placa de ramal contém 4 ramais e cada placa de tronco contém 2 troncos.

34.3.5.5 - AUMENTANDO O NÚMERO DE RAMAIS (RIVIERA-I ou RIVIERA-II)


Para aumentar o número de ramais conecte mais placas de ramais à central. Isso só é possível se existirem pontos de
conexões livres (vazios).

COMO CONECTAR NAS CENTRAIS RIVIERA-I E RIVIERA-II:


Identifique um ponto de conexão livre (vazio), sempre com a menor numeração, na figura 35 para o RIVIERA-I e na
figura 36 no RIVIERA-II.

Retire o parafuso e o 1 2 Encaixe a placa de ramais. Coloque o suporte do 3


suporte do ponto de ponto de conexão e o
conexão. parafuso.

BASE DO MICRO PABX RIVIERA BASE DO MICRO PABX RIVIERA BASE DO MICRO PABX RIVIERA
Figura 37 Figura 38 Figura 39

Catálogo Telefonia -141-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.5.6 - AUMENTANDO O NÚMERO DE TRONCOS (RIVIERA-I ou RIVIERA-II)


Para aumentar o número de troncos conecte mais placas de troncos e suas respectivas placas de proteções à central.
Isso só é possível se existirem pontos de conexões livres (vazios).

COMO CONECTAR NO PABX RIVIERA-I:

1 Retire os jumpers da placa. 2 Retire o parafuso e o suporte do


ponto de conexão da placa de
tronco.

TRONCO JUMPER
1 J1 e J2
2 J3 e J4
3 J5 e J6
Figura 40 Figura 41

3 Encaixe a placa do tronco, coloque 4 Retire o parafuso e o suporte do Encaixe a placa de proteção,
o suporte do ponto de conexão e o ponto de conexão da placa de coloque o suporte do ponto de
parafuso. proteção. conexão e o parafuso.

Figura 42 Figura 43 Figura 44

COMO CONECTAR NO PABX RIVIERA-II:

Retire os jumpers da placa. 1 Retire o parafuso e o 2


suporte do ponto de
conexão da placa
de tronco.

TRONCO JUMPER
1 J2, J4, J6 e J8
2 J3, J5, J7 e J9 BASE DO RIVIERA-II BASE DO RIVIERA-II

Figura 45 Figura 46

Encaixe a placa do tronco, coloque 3 4 Retire o parafuso e o suporte do Encaixe a placa de proteção,
o suporte do ponto de ponto de conexão da coloque o suporte do
conexão e o parafuso. placa de proteção. ponto de conexão e
o parafuso.

BASE DO RIVIERA-II BASE DE PROTEÇÃO DE TRONCO DO RIVIERA-II BASE DE PROTEÇÃO DE TRONCO DO RIVIERA-II

Figura 47 Figura 48 Figura 49

Catálogo Telefonia -142-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.6 - INSTALANDO OS ACESSÓRIOS

34.3.6.1 - INTERFACE PARA PLACA DE PORTEIRO 2 OU 3 FIOS


Através desta placa de interface código PIP-RI ou PIP-RI-2F (acessório para MICRO PABX RIVIERA e RIVIERA-I) e
PIP-RI ou PIP-RII-2F (acessório para MICRO PABX RIVIERA-II), é possível ligar à central qualquer placa de porteiro 2 ou 3
fios da THEVEAR, ver item 34.3.2.

CARACTERÍSTICAS:
! Interface PIP-RI e PIP-RII - Usado para os porteiros 3 fios.
! Interface PIP-RI-2F e PIP-RI-2F - Usado para os porteiros 2 fios.

COMO CONECTAR NO MICRO PABX RIVIERA E RIVIERA-I:


Identifique o ponto de conexão da interface para a placa de porteiro nas figuras 35 ou 36.

Retire o parafuso e o suporte Encaixe a placa de interface de Coloque o suporte do ponto


do ponto de conexão da porteiro. de conexão da interface do
interface do porteiro. porteiro e o parafuso.

BASE DO RIVIERA BASE DO RIVIERA

Figura 50 Figura 51 Figura 52

COMO CONECTAR NA CENTRAL RIVIERA-II:

Retire o parafuso e o suporte Encaixe a placa de interface de Coloque o suporte do ponto


do ponto de conexão da porteiro. de conexão da interface do
interface do porteiro. porteiro e o parafuso.

BASE DO RIVIERA-II BASE DO RIVIERA-II BASE DO RIVIERA-II

Figura 53 Figura 54 Figura 55

OBS: Nas centrais RIVIERA FIXA 2/8, 3/8 e RIVIERA-I utiliza-se a placa PIP-RI e a placa PIP-RI-2F, Na RIVIERA-II é
utilizada a placa PIP-RII e PIP-RII-2F.

34.3.6.2 - INSTALANDO A PLACA DE RAMAIS BALANCEADA (PRB-RI PARA O RIVIERA-I OU


PRB-RII PARA O RIVIERA-II)
Para que a tampa plástica feche corretamente corte os pontos de apoio no local onde será encaixada a placa balanceada.

1 Retire a tampa 2 Identifique a placa de ramal balanceada e corte os dois pontos de apoios da
placa na tampa

Figura 56 Figura 57

Catálogo Telefonia -143-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.3.6.3 - INTERFACE PARA CÂMERAS PIC-RII (SOMENTE PARA A RIVIERA-II)


Através desta placa é possível ligar à central até 3 câmeras com 1 saída para MONITOR/TV.

CARACTERÍSTICAS:
! A capacidade do micro PABX RIVIERA-II cai de 16 ramais para 12 ramais (20 a 31).
! Ramais 32, 33 e 34 são os de entrada das câmeras 1, 2 e 3 respectivamente.
! Ramal 35 é o de saída para o MONITOR/TV.
! Somente para câmeras P/B.
! Sequencial para 3 câmeras.

COMO CONECTAR :
Identifique o quarto ponto de conexão de placas de ramais (figura 36 - RAMAL 4).

Retire o parafuso e o suporte 1 2 Encaixe a placa de ramais. Coloque o suporte do ponto 3


do ponto de conexão. de conexão e o parafuso.

BASE DO RIVIERA-II BASE DO RIVIERA-II BASE DO RIVIERA-II


Figura 58 Figura 59 Figura 60

34.4 - INSTRUÇÕES PARA PROGRAMAÇÃO DA CENTRAL

A central já sai pré programada de fábrica, se houver necessidade é possível reprogramá-la.

ATENÇÃO: A REPROGRAMAÇÃO DA CENTRAL SÓ PODE SER REALIZADA NO RAMAL PROGRAMADOR (RAMAL


20 NA PROGRAMAÇÃO DE FABRICA).

COMO REPROGRAMAR:
Sempre que existir a necessidade de reprogramação da central, é necessário entrar no modo de programação.

COMO ENTRAR:
No ramal programador retire o telefone do gancho e disque:

1 (comando para o modo de programação) + 1234 (senha de fábrica da central), e aguarde o sinal do modo de
programação.

O sinal do modo de programação tem como indicação beeps espaçados que se houve enquanto estiver no ambiente de
programação.

IMPORTANTE: TEMPO MÁXIMO DE 10 SEGUNDOS ENTRE O COMANDO E A SENHA.

Após entrar no modo de programação discar o comando e aguardar o sinal de confirmação:


! Comando - Sequência de números que indica o que vai ser reprogramado.
! Sinal de confirmação - indica se a central aceitou a nova programação.
! 3 Beeps curtos - A reprogramação foi aceita.
! 1 Beep longo - A reprogramação foi recusada.

OBS: Se mais de um item tiver de ser programado, basta digitar o próximo comando e aguardar o sinal de confirmação.

Quando finalizar todas as modificações necessárias de programação coloque o telefone no gancho. A programação só
deve ser modificada quando houver esta necessidade.

34.4.1 - ALTERANDO A SENHA DA CENTRAL


A central sai programada com a senha 1234, é possível alterar a senha para qualquer número de 4 dígitos com exceção
de 0000.

Catálogo Telefonia -144-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
PARA ALTERAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

10 + nova senha + nova senha e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você deseja alterar a senha de fábrica (1234) para 5678, no ramal programador entre no modo de programação
discando:

1 + 1234 (senha de fábrica), e aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


10 + 5678 + 5678, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.4.2 - ALTERANDO O NÚMERO DO RAMAL PROGRAMADOR

Caso exista necessidade é possível mudar o número do ramal programador, nos modelos RIVIERA (R-2T/8R e R-2T/8R)
e RIVIERA-I qualquer um dos 8 ramais pode ser utilizado, bem como qualquer um dos 16 ramais do RIVIERA-II.

PARAALTERAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

9 + número do ramal, e aguarde o sinal de programação aceita.

OBS: O ramal programador sai de fábrica configurado como ramal 20.

Exemplo:
Se você deseja alterar o ramal programador de 20 para 27, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), e aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


9 + 27, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.4.3 - VOLTANDO À PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA (RESET GERAL)

Ao executar esta operação toda a programação da central volta à original de fábrica. Retire qualquer telefone do gancho e
disque:

# + 79 + # + 333

ATENÇÃO: AO EXECUTAR ESTA OPERAÇÃO TODA REPROGRAMAÇÃO EXISTENTE É PERDIDA.

34.5 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO E REPROGRAMAÇÃO

34.5.1 - FAZENDO LIGAÇÕES INTERNAS


Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque o número do ramal a ser chamado.

34.5.1.1 - CHAMANDO TELEFONES OCUPADOS

Ao chamar um telefone ocupado (ramal interno), você escuta o sinal de ocupado. Após 5 segundos o sinal de chamada
aparece (Isto se o beep indicador de chamada estiver ativo).

IMPORTANTE: O RECURSO DO BEEP INDICADOR DE CHAMADA VEM HABILITADO DE FÁBRICA, MAS PODE
SER DESABILITADO.

34.5.1.2 - BEEP INDICADOR DE CHAMADA


Utilizado sempre que o telefone chamado (ramal interno) está ocupado em uma comunicação. A central gera um beep no
telefone chamado e após 5 segundos altera o sinal de ocupado para o sinal de chamada (no ramal chamador).
Este recurso só funciona se estiver ativo no telefone chamado.

OBS: Habilitado em todos os telefones (ramal interno) na programação de fábrica.

Catálogo Telefonia -145-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
PARA HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

28 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA DESABILITAR:
28 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

34.5.2 - LIGANDO COM A PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS OU 3 FIOS


Retire qualquer telefone do gancho e disque 35.

IMPORTANTE: É NECESSÁRIO O USO E A PROGRAMAÇÃO DA INTERFACE PIP-RI (RIVIERA ou RIVIERA-I) OU


PIP-RII (RIVIERA-II) PARA PLACA DE PORTEIRO.

34.5.2.1 - CONFIGURANDO A INTERFACE DA PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS E 3 FIOS


A central sai programada com a interface da placa de porteiro desabilitada.

PARA HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

25 + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

25 + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

ATENÇÃO: SOMENTE NA RIVIERA-II, UTILIZANDO AS INTERFACES DA PLACA DE PORTEIRO PIP-RII OU


PIP2F-RII, O RAMAL 35 NÃO FUNCIONA.

34.5.2.2 - ACIONANDO A FECHADURA LIGADA À PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS OU 3 FIOS


Esta operação só é possível se a placa de porteiro possuir acionamento de fechadura, ver tabela abaixo.
SEM COM SEM COM
NÚMEROS NÚMEROS
CÓDIGO ACIONAMENTO ACIONAMENTO CÓDIGO ACIONAMENTO ACIONAMENTO
DE FIOS DE FIOS
DE FECHADURA DE FECHADURA DE FECHADURA DE FECHADURA
NR-30 2 NR-100 3
NR-24 3 NR-110 3
NR-40 2 NR-200 3
NR-50 3 NR-210 3
NR-60 3 NR-510 2
NR-85 3 NR-810 2

PARAACIONAR A FECHADURA:
Estando o ramal do telefone em comunicação com o ramal da placa de porteiro, disque:

FLASH + 8, e aguarde o retorno da comunicação.

34.5.2.3 - RESTRINGINDO O ACESSO DE ABERTURA DA FECHADURA NA PLACA DE PORTEIRO


2 FIOS OU 3 FIOS
Na pré programação de fábrica todos os ramais têm acesso a abertura da fechadura, mas é possível restringir este acesso.

COMO RESTRINGIR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

26 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 0

COMO LIBERAR:
26 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 1

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

Catálogo Telefonia -146-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.3 - LIGAÇÕES EXTERNAS


Antes de executar chamadas na linha telefônica é necessário identificar se a linha telefônica trabalha em TOM ou em
PULSO, para isto consulte a companhia telefônica da sua região.

OBS: A central sai pré programada de fábrica no modo multifrequêncial (TOM).

ALTERANDO PARA PULSO:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

22 + número da linha a ser reprogramada + * + 1, e aguardar o sinal de programação aceita.

RETORNANDO PARA TOM:


22 + número da linha a ser reprogramada + * + 0 e aguardar o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Caso exista a necessidade de reprogramar a linha 1 e 3 que se encontra em PULSO para TOM, no ramal programador
disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


22 + 13 + * + 0 e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.3.1 - PEGANDO UMA LINHA EXTERNA


Retire qualquer telefone do gancho e disque:

0, aguarde o sinal de linha + número externo.

IMPORTANTE: É POSSÍVEL RESTRINGIR O ACESSO À LINHA EXTERNA POR RAMAL.

34.5.3.2 - RESTRINGINDO O ACESSO À LINHA EXTERNA VIA ZERO


Na pré programação de fábrica todos os ramais têm acesso a todas as linhas através do zero, mas é possível restringir
este acesso.

COMO RESTRINGIR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

47 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + número da linha + 0.

COMO LIBERAR:
47 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + número da linha + 1.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

Também é possível restringir o acesso a esta função a cada ramal individualmente.

COMO RESTRINGIR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

47 + número do ramal + * + 0

COMO LIBERAR:
47 + número do ramal + * + 1

34.5.3.3 - ESCOLHENDO UMA LINHA EXTERNA


Retire qualquer telefone do gancho e disque:

No modelo RIVIERA R-2T/8R, disque:


8 + número da linha (1 ou 2), e aguarde o sinal de linha + número externo.

No modelo RIVIERA R-3T/8R e RIVIERA-I, disque:


8 + número da linha (1 a 3), e aguarde o sinal de linha + número externo.

No modelo RIVIERA-II, disque:


8 + número da linha (1 a 4), e aguarde o sinal de linha + número externo.

Catálogo Telefonia -147-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.3.4 - PROGRAMANDO A QUANTIDADE DE LINHAS TELEFÔNICAS


ATENÇÃO: A CENTRAL SAI PRÉ PROGRAMADA DE FÁBRICA COM 2 LINHAS TELEFÔNICAS, NO CASO DE VOCÊ
POSSUIR UM NÚMERO DIFERENTE DE LINHAS, É NECESSÁRIO REPROGRAMÁ-LA.

HABILITANDO AS LINHAS TELEFÔNICAS:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

21 + número de todas as linhas a serem habilitadas (1 a 3 no RIVIERA e RIVIERA-I ou 1 a 4 no RIVIERA-II) + * + 1, e


aguarde o sinal de programação aceita.

DESABILITANDO AS LINHAS TELEFÔNICAS:


21 + número de todas as linhas a serem habilitadas (1 a 3 no RIVIERA e RIVIERA-I ou 1 a 4 no RIVIERA-II) + * + 0, e
aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se quisermos habilitar a linha 3 (considerando que as linhas 1 e 2 já se encontram habilitadas), no ramal programador
disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


21 + 3 + * + 1, e aguardar o sinal de programação aceita.

OBS: A quantidade de linhas a serem habilitadas varia de acordo com a central, ver item 34.2.

34.5.3.5 - RESTRINGINDO A CHAMADA NA LINHA TELEFÔNICA (CLASSES DOS RAMAIS)


Os micro PABX RIVIERA, RIVIERA-I e RIVIERA-II permitem restringir o acesso à linha externa de qualquer um dos até 8
ramais que podem estar conectados. Esta restrição está dividida em 4 níveis diferentes, chamados de classes de ramais.

Existem 4 classes de acesso à linha externa que são:


! Classe 0 - O ramal não tem acesso à linha externa.
! Classe 1 - O ramal tem acesso às ligações locais.
! Classe 2 - O ramal tem acesso às ligações locais e DDD.
! Classe 3 - O ramal tem acesso às ligações locais, DDD e DDI.

ATENÇÃO: TODOS OS RAMAIS SAEM PRÉ PROGRAMADOS DE FÁBRICA NACLASSE 3.

PARA UM ÚNICO RAMAL:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

41 + número do ramal + * + número da Classe (0 a 3), e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA VÁRIOS RAMAIS:


41 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + número da Classe (0 a 3), e aguarde o sinal de
programação aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO CONFIGURADOS NA MESMA


CLASSE.

34.5.3.6 - DEFININDO AS CLASSES DOS RAMAIS PARA O SERVIÇO NOTURNO


O serviço noturno é um recurso que permite alterar o acesso e o atendimento de todas as linhas telefônicas com um
simples comando. Isto é muito útil em situações onde ela necessite funcionar de uma maneira diferenciada. Por exemplo:
finais de semana, feriados, período noturno.

PARA UM ÚNICO RAMAL:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

42 + número do ramal + * + número da Classe (0 a 3), e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA VÁRIOS RAMAIS:


42 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + número da Classe (0 a 3), e aguarde o sinal de
programação aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO CONFIGURADOS NA MESMA


CLASSE.

Catálogo Telefonia -148-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.3.7 - SERVIÇO NOTURNO

34.5.3.8 - HABILITANDO O SERVIÇO NOTURNO


COMO HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

24 + 1, e espere o sinal de programação aceita.

34.5.3.9 - DESABILITANDO O SERVIÇO NOTURNO


É possível inibir que a central entre no modo noturno

COMO DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

24 + 0, e espere o sinal de programação aceita.

34.5.3.10 - COLOCANDO A CENTRAL NO SERVIÇO NOTURNO


A central passa a funcionar com as programações do serviço noturno.

COMO DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

41, e espere o sinal de programação aceita.

OBS: Para que este item funcione, a central deve estar com o serviço noturno habilitado, ver item 34.5.3.8.

34.5.3.11 - RETIRANDO A CENTRAL DO SERVIÇO NOTURNO


Com esta operação a central passa a funcionar com as programações normais.

COMO DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

40, e espere o sinal de programação aceita.

ATENÇÃO: A PROGRAMAÇÃO NORMAL É A ANTERIOR À ENTRADA NO SERVIÇO NOTURNO.

34.5.3.12 - BLOQUEIO DE PREFIXOS


Qualquer tentativa de discar o prefixo bloqueado será inibida. Prefixo é a sequência inicial de números em uma discagem
externa. Este recurso vem desabilitado na pré programação de fábrica.

PARA HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

27 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA DESABILITAR:

27 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

34.5.3.13 - PROGRAMANDO OS PREFIXOS

CARACTERÍSTICAS:
! Máximo de 10 prefixos.
! Máximo de 8 dígitos por prefixo.

Catálogo Telefonia -149-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
COMO FUNCIONA:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

54 + prefixo (até 8 dígitos) + * + posição da tabela (0 a 9), e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você deseja bloquear o prefixo 02111, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


54 + 02111 + * + 0 , e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA DESPROGRAMAR UM ÚNICO PREFIXO:


54 + 0000 + * + posição da tabela (0 a 9), e aguarde o sinal de programação aceita.

COMO DESPROGRAMAR TODOS OS PREFIXOS:


55, e aguardar o sinal de programação aceita.

34.5.3.14 - PREFIXOS PARA O SERVIÇO NOTURNO

É possível programar prefixos diferenciados para o serviço noturno da central.

CARACTERÍSTICAS:
! Máximo de 10 prefixos.
! Máximo de 8 dígitos por prefixo.

COMO FUNCIONA:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

56 + prefixo (até 8 dígitos) + * + posição da tabela (0 a 9), e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você deseja bloquear o prefixo 02121 no serviço noturno, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


56 + 02121 + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

COMO DESPROGRAMAR TODOS OS PREFIXOS DO SERVIÇO NOTURNO:


Com esta operação todos os prefixos bloqueados serão liberados, no ramal programador, entre no modo de programação,
em seguida disque:

57, e aguardar o sinal de programação aceita.

34.5.3.15 - CARACTERE CORINGA #

Supondo que exista a necessidade de se bloquear o código DDD específico sem especificar a operadora ou alguma
operação semelhante. Para isto utilizamos o caractere coringa #.

PARA BLOQUEAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

54 + 0 + # + # + código DDD + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

Sempre que um prefixo iniciado com 0 + qualquer número + qualquer número + DDD acontece, a central bloqueia a
chamada.

Exemplo:
Se você deseja bloquear o código 11 (São Paulo) independente da operadora, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


54 + 0 + # + # + 11 + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -150-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.3.16 - LIBERANDO NÚMEROS DE TELEFONES COM PREFIXOS BLOQUEADOS


É possível liberar a discagem de números de telefones com prefixos bloqueados.

CARACTERÍSTICAS:
! Máximo de 10 números de telefones.
! Máximo de 8 dígitos no total (prefixo + número de telefone).

COMO FUNCIONA:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

50 + prefixo (até 8 dígitos) + * + posição da tabela (0 a 9), e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
O prefixo 11 foi configurado como bloqueado (independente da operadora) e queremos a ligação liberada sempre que o
número do telefone iniciar com 995, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


50 + 0 + # + # + 11995 + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

COMO DESPROGRAMAR TODOS OS NÚMEROS:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

51 e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.3.17 - LIBERANDO NÚMEROS DE TELEFONES COM PREFIXOS BLOQUEADOS PARA O


SERVIÇO NOTURNO
É possível liberar a discagem de números de telefones com prefixos bloqueados para o serviço noturno.

CARACTERÍSTICAS:
! Máximo de 10 números de telefones.
! Máximo de 8 dígitos no total (prefixo + número de telefone).

COMO FUNCIONA:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

52 + prefixo (até 8 dígitos) + * + posição da tabela (0 a 9), e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
O prefixo 11 foi configurado como bloqueado (independente da operadora) e queremos a ligação liberada sempre que o
número do telefone iniciar com 995, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


52 + 0 + # + # + 11995 + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

Sempre que um prefixo iniciado com 0 (qualquer número) (qualquer número) 11995 acontecer, mesmo que o prefixo 0
(qualquer número) (qualquer número) 11 esteja bloqueado a ligação será efetuada.

COMO DESPROGRAMAR TODOS OS NÚMEROS:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

53, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.3.18 - CADEADO
Através da senha do ramal é bloqueado o acesso à discagem na linha telefônica.

COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

# + 1 + senha do ramal + 1, e aguarde o sinal de confirmação.

COMO DESPROGRAMAR:
# + 1 + senha do ramal + 0, e aguarde o sinal de confirmação.

ATENÇÃO: TODOS OS RAMAIS SAEM DE FÁBRICA COM A SENHA 1234.

Catálogo Telefonia -151-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.3.19 - ALTERANDO A SENHA DO RAMAL


Sai pré programada de fábrica como 1234 para todos os ramais, é possível alterar a senha do ramal para qualquer número
de 4 dígitos.

PARAALTERAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

# + 9 + senha do ramal + nova senha + nova senha, e aguarde o sinal de confirmação.

Exemplo:
Se você deseja alterar a senha de fábrica (1234) para 5763, no ramal programador entre no modo de programação
discando:

# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


# + 9 + 1234 + 5763 + 5763, e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA VOLTAR À SENHA DO RAMAL PRÉ PROGRAMADO DE FÁBRICA:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

7 + número do ramal, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.4 - ATENDENDO CHAMADAS


A central possui tipos diferentes de chamadas, identificadas por toques diferenciados. Para atender qualquer uma delas
retire do gancho o telefone que está tocando.

COMO FUNCIONA:
! Dois toques curtos - Chamada de um ramal interno.
! Um toque longo - Chamada da linha telefônica externa.
! Três toques curtos - Chamada da placa de porteiro.

34.5.4.1 - ATENDENDO CHAMADAS DE TELEFONES


Sempre que acontece uma chamada de outro telefone para o seu, ele toca, retire do gancho o telefone para iniciar a
comunicação.

34.5.4.2 - ATENDENDO CHAMADAS DA PLACA DE PORTEIRO


Quando ocorre uma chamada da placa de porteiro, tocam todos os telefones programados como atendedores. Retirando
do gancho qualquer um dos telefones, que estão tocando, a chamada é atendida.

IMPORTANTE: É NECESSÁRIO O USO DA INTERFACE PARA A PLACA DE PORTEIRO. PARA SABER QUAL O
MODELO DA INTERFACE A SER USADA CONSULTE O ITEM 34.3.2.

34.5.4.3 - PROGRAMANDO OS TELEFONES DE ATENDIMENTO DA PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS


OU 3 FIOS
Sempre que ocorrer uma chamada da placa de porteiro 2 fios ou 3 fios, irá tocar no grupo de telefones atendedores de
placa de rua.

COMO FUNCIONA:
A central possui 4 grupos de telefones atendedores de placa de rua.

! Grupo 6 - ramais 20 a 23.


! Grupo 7 - só existe se a central for reprogramada.
! Grupo 8 - só existe se a central for reprogramada.
! Grupo 9 - só existe se a central for reprogramada.

Ao receber uma chamada da placa de porteiro 3 fios, ela é transferida para cada um dos grupos habilitados, em ordem
crescente, isto é, toca 20 segundos (tempo de transbordo programável) em todos os telefones selecionados no grupo 6, em
seguida no 7, no 8, no 9 e em seguida pára de tocar.

Catálogo Telefonia -152-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.4.4 - MUDANDO OS TELEFONES NOS GRUPOS DE ATENDEDORES DA PLACA DE PORTEIRO


2 FIOS OU 3 FIOS
COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

43 + número do primeiro ramal do grupo +..........+ número do quarto ramal do grupo + * + número do grupo (6 a 9), e
aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.4.5 - DEFININDO O NÚMERO DE GRUPOS DE ATENDEDORES DA PLACA DE PORTEIRO


2 FIOS OU 3 FIOS
COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

49 + número de grupos atendedores de porteiro 2 fios ou 3 fios (1 a 4), e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.4.6 - DEFININDO O TEMPO DE TRANSBORDO ENTRE OS ATENDEDORES DA PLACA DE


PORTEIRO 2 FIOS OU 3 FIOS
Este é o tempo de chamada em cada um dos 4 grupos de atendimento de placa de porteiro 2 fios ou 3 fios, ele pode ser de
5, 10, 20, 30 ou 40 segundos, no término deste tempo (no caso de mais de um grupo atendedor), a chamada que está em um
grupo, passa para o seguinte em ordem crescente.

COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

33 + t (0 a 4), e aguarde o sinal de programação aceita.

t=0 5s t=1 10s t=2 20s t=3 30s t=4 40s

34.5.4.7 - ATENDENDO CHAMADA(s) DA(s) LINHA(s) TELEFÔNICA(s) EXTERNA(s)


Sempre que ocorrer uma chamada da linha telefônica externa, irá tocar no grupo de telefones atendedores.

COMO FUNCIONA:
A central possui 5 grupos de telefones para o atendimento das chamadas que são divididos em grupos de atendimentos
diurnos e grupo de atendimento de serviço noturno.

I - GRUPOS DE ATENDIMENTO DIURNO

A central sai de fábrica pré programada neste grupo, e somente o grupo 1 está habilitado. Caso exista a necessidade é
possível habilitar os outros grupos e também modificar os telefones de atendimento.

! Grupo 1 - ramais 20 e 21.


! Grupo 2 - só existe se a central for reprogramada.
! Grupo 3 - só existe se a central for reprogramada.
! Grupo 4 - só existe se a central for reprogramada.

Ao receber uma chamada externa, ela é transferida para cada um dos grupos habilitados, em ordem crescente, isto é, toca
20 segundos (tempo de transbordo - programável) em todos os telefones selecionados no grupo 1, em seguida no 2, no 3, no
4 e reinicia no 1.

II - GRUPO DE ATENDIMENTO DE SERVIÇO NOTURNO (GRUPO 5)

Só existe 1 grupo atendedor noturno, isto é, o número máximo de ramais atendedores nesta situação é de 4. De acordo
com o que segue abaixo (pré programação de fábrica):

! Grupo 5 - ramais 20 e 21.

ATENÇÃO: SEMPRE QUE A CENTRAL ESTIVER EM SERVIÇO NOTURNO ESTE GRUPO SERÁ UTILIZADO.

Catálogo Telefonia -153-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.4.8 - MUDANDO OS TELEFONES NOS GRUPOS DE ATENDIMENTO

COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

43 + (número do primeiro ramal do grupo + ..... + número do quarto ramal do grupo) + * + número do Grupo (1 a 5), e
aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Para configurar os ramais 20, 23 e 25 no grupo 1, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


43 + 20 + 23 + 25 + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

CUIDADO: SE VOCÊ ESCOLHER UM GRUPO DIFERENTE DO 1 OU 5, É NECESSÁRIO REDEFINIR O NÚMERO DE


GRUPOS DIURNO.

34.5.4.9 - DEFININDO O NÚMERO DE GRUPOS DE ATENDIMENTO DIURNO

COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

46 + número de grupos (1 a 4), e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Para habilitar os grupos 2 e 3, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


46 + 3, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.4.10 - DEFININDO O TEMPO DE TRANSBORDO ENTRE OS GRUPOS

Este é o tempo de chamada em cada um dos 4 grupos diurnos, ele pode ser de 5, 10, 20, 30 ou 40 segundos, no término
deste tempo (no caso de mais de 1 grupo atendedor), a chamada que está em um grupo, passa para o seguinte em ordem
crescente.

COMO PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

32 + t (0 a 4), e aguarde o sinal de programação aceita.

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=0 5s t=1 10s t=2 20s t=3 30s t=4 40s

34.5.4.11 - PÊNDULO

Este recurso permite atender a uma chamada externa estando em outra ligação externa, podendo em seguida:

! Retornar à ligação anterior.


! Transferir a ligação atendida e retornar à ligação anterior.

COMO FUNCIONA:
Ao estar comunicando e receber uma chamada externa, você escuta beeps duplos, para atender a chamada externa, sem
perder a atual, é necessário discar:

FLASH + 5, a ligação atual fica em espera e você se comunica com a outra linha.

Catálogo Telefonia -154-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
Em seguida você pode:

RETORNAR À LIGAÇÃO QUE ESTÁ NA ESPERA, DISCANDO:

FLASH + 0, a ligação atual fica em espera e você retorna a comunicação anterior ou colocar o telefone no gancho, a
ligação é desligada, e o telefone toca. Ao atender volta a comunicar com a linha que estava em espera.

TRANSFERIR A LIGAÇÃO ATUAL, DISCANDO:

FLASH + número do ramal, aguarde o tom de chamada e coloque o telefone no gancho.

Após 5 segundos o seu telefone toca, ao atender você está comunicando com a outra linha.

34.5.4.12 - RETENDO UMA LIGAÇÃO EXTERNA


Reter uma ligação externa significa deixar a linha telefônica em uma condição de espera (para que possa ser recuperada)
e liberar o telefone que estava comunicando.

O número máximo de ligações retidas é equivalente ao número de linhas telefônicas da central, portanto no caso de 4
linhas temos no máximo 4 retenções (posição 0 a 3).

COMO FUNCIONA:
Para efetuar esta operação é necessário estar comunicando com a linha externa:

No modelo RIVIERA R-2T/8R, disque:


FLASH + 6 + posição da retenção (0 ou 1).

No modelo RIVIERA R-3T/8R e RIVIERA-I, disque:


FLASH + 6 + posição da retenção (0 a 2).

No modelo RIVIERA-II, disque:


FLASH + 6 + posição da retenção (0 a 3).

34.5.4.13 - RECUPERANDO UMA LIGAÇÃO RETIDA


Ao recuperar uma ligação retida, a comunicação retorna automaticamente. Existem 3 maneiras de se recuperar uma
ligação retida:

I - RECUPERAÇÃO POR POSIÇÃO:

Neste caso você pode recuperar a ligação retida de acordo com a posição em que ela foi armazenada, independente do
ramal que a reteve. Para isto, estando com o sinal de linha, disque:

5 + posição da retenção (0 a 2).

II - RECUPERAÇÃO POR RAMAL:

Neste caso você recupera a ligação de acordo com o ramal que a reteve. Se existirem várias retenções geradas pelo
mesmo ramal, a de menor posição terá prioridade sobre as outras.
Estando com o sinal de linha, disque:

59

III - RECUPERAÇÃO AUTOMÁTICA:

Com este recurso, qualquer ligação que ficar retida por mais de 1 minuto retornará para o ramal que a colocou em
retenção, impedindo que a linha externa fique esquecida.

34.5.4.14 - BLOQUEANDO O ATENDIMENTO DE CHAMADAS A COBRAR


Impede qualquer tentativa de atendimento de ligações a cobrar. Todas as linhas saem desbloqueadas na pré programação
de fábrica.

COMO BLOQUEAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

23 + número de todas as linhas a serem bloqueadas + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -155-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
COMO DESBLOQUEAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

23 + número de todas as linhas a serem desbloqueadas + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você deseja bloquear o atendimento de ligações a cobrar nas linhas 1 e 2, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


23 + 1 (linha 1) + 2 (linha 2) + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.4.15 - CAPTURA DE CHAMADA


Permite que a chamada em um ramal específico possa ser atendida por qualquer um dos ramais da central.

COMO FUNCIONA:
Para que possa atender a chamada que acontece em outro telefone, retire o seu telefone do gancho e disque:

54 + número do ramal que está sendo chamado ou 55, isto se não soubermos o número do ramal que está tocando.

34.5.4.16 - SIGA-ME
Funciona como um desvio de chamada, com isto, qualquer chamada para o ramal do seu telefone é transferida para o
telefone aqui programado.

COMO ATIVAR:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 3 + número do ramal a serem desviadas todas as chamadas, e aguarde a confirmação (Beeps contínuos).

COMO DESATIVAR:
Retire o telefone com a função SIGA-ME ativada do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 30, e aguarde a confirmação (Beeps contínuos).

34.5.4.17 - NÃO PERTURBE


Com esta facilidade, você só recebe as ligações da placa de porteiro ou da linha telefônica, e as ligações internas são
bloqueadas.

COMO ATIVAR:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 21

COMO DESATIVAR:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 20

ATENÇÃO: SEMPRE QUE O RAMAL ESTÁ EM NÃO-PERTURBE, AO RETIRÁ-LO DO GANCHO O SINAL DE LINHA
FICA MODIFICADO.

34.5.4.18 - CONFERÊNCIA
Com este recurso é possível a comunicação de 3 ramais entre si, ou 2 ramais comunicando com 1 linha telefônica ou 1
ramal comunicando com 2 linhas telefônicas.

34.5.4.19 - CONFERÊNCIA ENTRE 3 RAMAIS


Para comunicar 3 ramais entre si, basta estar em comunicação com o segundo ramal e fazer o processo de transferência
para o terceiro:

FLASH + número do terceiro ramal.

Após o terceiro ramal atender à chamada, disque:

FLASH + 7

Catálogo Telefonia -156-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.4.20 - CONFERÊNCIA ENTRE 2 RAMAIS E 1 LINHA TELEFÔNICA


Para comunicar 2 ramais com uma linha telefônica, basta estar comunicando com o ramal e com a linha telefônica na
retenção ou espera, em seguida discar:

FLASH + 7

34.5.4.21 - CONFERÊNCIA ENTRE 1 RAMAL E 2 LINHAS TELEFÔNICAS

Para comunicar 1 ramal com 2 linhas, basta estar comunicando com uma das linhas telefônicas e estar com a outra na
retenção, em seguida disque:

FLASH + 7

34.5.4.22 - SAINDO DE UMA CONFERÊNCIA


Para sair de uma conferência coloque o telefone no gancho ou tecle FLASH no ramal que gerou a conferência.

34.5.5 - TRANSFERÊNCIA

Permite transferir uma ligação entre dois ramais ou ramal e linha telefônica para qualquer outro ramal conectado à central.

ATENÇÃO: PARA O FUNCIONAMENTO ADEQUADO, O TEMPO DE FLASH DO TELEFONE DEVE SER IGUAL OU
INFERIOR AO TEMPO DE RECONHECIMENTO DA CENTRAL. A CENTRAL SAI PRÉ PROGRAMADA DE FÁBRICA COM
TEMPO DE 500ms.

34.5.5.1 - PROGRAMANDO O TEMPO DE RECONHECIMENTO DE FLASH

COMO FUNCIONA:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

30 + primeiro ramal + último ramal + * + t, e aguarde o sinal de programação aceita.

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=1 100ms t=4 400ms t=7 700ms


t=2 200ms t=5 500ms t=8 800ms
t=3 300ms t=6 600ms t=9 900ms

IMPORTANTE: TODOS OS TELEFONES ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

Exemplo:
Se quisermos alterar o tempo de flash dos telefones conectados nos ramais 23, 24 e 25 da central para 800ms, no ramal
programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


30 + 23 + 25 + * + 8, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.5.2 - TRANSFERINDO A LIGAÇÃO

Para transferir, durante a ligação, disque:

FLASH + número do ramal e após o sinal de chamada desligue o telefone.

IMPORTANTE: SE APÓS 40 SEGUNDOS A CHAMADA NÃO FOR ATENDIDA ELA RETORNARÁ PARA O TELEFONE
QUE A TRANSFERIU.

34.5.5.3 - TRANSFERINDO A LIGAÇÃO PARA UM RAMAL OCUPADO


Só é possível transferir a ligação para um ramal ocupado se ele estiver com o beep indicador de chamado ativado.

Catálogo Telefonia -157-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
COMO FUNCIONA:
Após executar a operação de transferência de ligação você escuta o sinal de ocupado, aguarde o sinal de chamada e
coloque o telefone no gancho.

ATENÇÃO: SE VOCÊ DESLIGAR ANTES DE RECEBER O SINAL DE CHAMADA, SE INTERNA A LIGAÇÃO CAIRÁ, SE
EXTERNA RETORNARÁ PARA O SEU RAMAL.

OBS: No caso de transferência para um ramal ocupado que não possui o beep indicador ativo, disque flash para recuperar
a comunicação.

34.5.5.4 - TRANSFERINDO A LIGAÇÃO COM AUTORIZAÇÃO


Você pode pedir autorização para a transferência ou verificar se a pessoa está antes de transferir a ligação.

COMO FUNCIONA:
Estando em comunicação, disque:

FLASH + número do ramal, e aguarde o sinal de chamada.

Quando a chamada for atendida você pode pedir autorização ou verificar se a pessoa está, então TRANSFIRAA LIGAÇÃO
(Basta colocar o seu ramal no gancho) ou RETORNE A LIGAÇÃO (Basta pedir para que o ramal para o qual se desejava
transferir a ligação seja colocado no gancho).

34.5.5.5 - TRANSFERÊNCIA NA LINHA EXTERNA / ACESSO ÀS FACILIDADES DA CPA


O MICRO PABX sai pré programado de fábrica para gerar um flash na linha externa de 100ms, assim é possível acessar as
facilidades da CPA ou transferir uma ligação em outro PABX acoplado a este.

COMO FUNCIONA:
Estando em comunicação com a linha externa, disque:

FLASH + 88

34.5.5.6 - PROGRAMANDO O TEMPO DE FLASH GERADO NA LINHA EXTERNA


COMO FUNCIONA:
Para alterar o tempo de flash na linha externa, no ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

31 + t, e aguarde o sinal de programação aceita.

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=1 100ms t=4 400ms t=7 700ms


t=2 200ms t=5 500ms t=8 800ms
t=3 300ms t=6 600ms t=9 900ms

34.5.6 - MÚSICA DE ESPERA


Ao colocar a linha telefônica em espera para transferência (pressionando FLASH durante a ligação) ou em retenção a
central produz na linha a música de espera.

Esta música é interna da central, mas pode ser personalizada ou desabilitada.

IMPORTANTE: SÓ EXISTE MÚSICA DE ESPERA PARA A LINHA TELEFÔNICA EXTERNA.

34.5.6.1 - MÚSICA DE ESPERA EXTERNA (PERSONALIZADA)


É possível personalizar a música de espera, para isso, é necessário alterar a posição do jumper J9 nas centrais RIVIERA e
RIVIERA-I, e no caso da RIVIERA-II, alterar a posição do jumper J12.

Em todos os casos, é necessário inserir a música desejada entre os terminais de música da central.

34.5.6.2 - INIBINDO A MÚSICA DE ESPERA


Para inibir a música de espera retire o jumper de música de espera (J9 para a central RIVIERA e RIVIERA-I ou J12 para a
central RIVIERA-II), ver figuras 33 a 36 de acordo com o modelo da central.

Catálogo Telefonia -158-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.7 - AGENDA DE NÚMEROS DE TELEFONES


Qualquer um dos até 8 telefones conectados à central pode acessar a agenda, com ela a central faz a chamada
automaticamente, só é necessário que o número desejado esteja armazenado.

CARACTERÍSTICAS:
! 10 números de telefone.
! 20 dígitos por número.

IMPORTANTE: NA PRÉ PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA SÓ O RAMAL (PROGRAMADOR) 20 PODE ACESSAR A


AGENDA.

34.5.7.1 - ARMAZENANDO NÚMEROS NA AGENDA


COMO ARMAZENAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

58 + número do telefone (até 20 dígitos) + * + posição (0 a 9), e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você deseja armazenar o número 1234-5678 na posição 5 da agenda, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


58 + 12345678 + * + 5, e aguarde o sinal de programação aceita.

COMO DESPROGRAMAR TODOS OS NÚMEROS:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

59, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.7.2 - DISCANDO PARA UM NÚMERO DA AGENDA


COMO DISCAR:
Retire o telefone do gancho e disque:

# + 0 + posição, em seguida a central começará a discar o número automaticamente.

IMPORTANTE: SÓ O RAMAL 20 SAI PRÉ PROGRAMADO PARA TER ACESSO À AGENDA.

34.5.7.3 - HABILITANDO O ACESSO DOS RAMAIS À AGENDA


Qualquer um dos ramais conectados à central pode obter o acesso, basta reprogramar a central.

COMO HABILITAR O RAMAL:


No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

29 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você desejar habilitar os ramais 23, 24 e 25 para também terem acesso à agenda, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


29 + 23 + 25 + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

ATENÇÃO: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

34.5.7.4 - DESABILITANDO O ACESSO DOS RAMAIS À AGENDA


COMO DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

29 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -159-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
Exemplo:
Se você desejar que os telefones 23, 24 e 25 não tenham acesso à agenda, no ramal programador disque:

1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


29 + 23 + 25 + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

ATENÇÃO: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS.

34.5.8 - SEQUENCIAL DE CÂMERAS (SOMENTE NA RIVIERA-II)


É possível ligar ao micro PABX RIVIERA-II até 3 câmeras utilizando a interface de câmeras modelo PIC-RII, para isto é
necessário reprogramar a central.

34.5.8.1 - CONFIGURANDO O NÚMERO DE CÂMERAS


Na pré programação de fábrica, todas as câmeras estão desabilitadas.

PARA HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

60 + número de câmeras (1 a 3), e aguardar o sinal de programação aceita.

PARA DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

60 + 0, e aguardar o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: NO CASO DE 1 CÂMERA, NÃO FUNCIONA O SEQUENCIAL.

34.5.8.2 - CONFIGURANDO O SEQUENCIAL


O tempo de visualização de cada câmera pode ser de 1 a 9 segundos (1 segundo na pré programação de fábrica).

COMO ALTERAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

61 + tempo em segundos (1 a 9), e aguardar o sinal de programação aceita.

34.5.8.3 - FIXANDO A IMAGEM DE UMA CÂMERA ESPECÍFICA


No caso de termos 2 ou 3 câmeras, é possível fixar a imagem de uma câmera específica no monitor / TV.

PARA FIXAR:
Retire qualquer telefone do gancho e disque o número da câmera desejada (32, 33 ou 34).

Exemplo:
Queremos visualizar a câmera 33:

Retire qualquer telefone do gancho e disque 33.

PARA VOLTAR AO SEQUENCIAL:


Retire qualquer telefone do gancho e disque qualquer número de câmera (32, 33 ou 34).

34.5.8.4 - UTILIZANDO UMA CÂMERA JUNTO À PLACA DE PORTEIRO


Este recurso permite que a imagem da câmera 32, que está posicionada externamente, mostre a pessoa com que você
está em comunicação na placa de porteiro. Esta facilidade sai desabilitada de fábrica.

PARA HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

62 + 1, e aguardar o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -160-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II
PARA DESABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

62 + 0, e aguardar o sinal de programação aceita.

34.5.9 - MONITORAÇÃO DE AMBIENTE


Com este recurso é possível através de dois telefones, ouvir o ambiente desejado.

COMO FUNCIONA:
Retire do gancho o telefone do ambiente desejado e disque:

#+4

No local onde você pretende ouvir o ambiente monitorado, retire o telefone do gancho e disque o número do ramal anterior.

Exemplo:
O ramal 22 está no ambiente em que desejamos monitorar, no ramal 25 ouviremos o ambiente monitorado. Proceda
conforme as instruções abaixo:

Retire o telefone do gancho do ramal 22 e disque # + 4.


No ramal 25 após retirar do gancho disque 22.

OBS: Utilizando a interface para câmeras PIC-RII, podemos instalar uma câmera no ambiente a ser monitorado, podendo
assim ter acesso tanto ao som quanto a imagem do local, ver item 34.3.6.3.

34.5.10 - HOT-LINE

Este recurso permite que ao retirar o seu telefone do gancho ele possa automaticamente chamar um outro ramal ou
acessar a linha telefônica sem a necessidade de discagem.

IMPORTANTE: O ÚNICO RAMAL QUE NÃO POSSUI ESTE RECURSO É O RAMAL PROGRAMADOR.

34.5.10.1 - HOT-LINE PARA RAMAL

Ao retirar o telefone do gancho automaticamente o ramal do HOT-LINE será chamado.

PARA PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

44 + número do ramal + número do ramal de HOT-LINE + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.10.2 - HOT-LINE PARA LINHA TELEFÔNICA EXTERNA


Ao retirar o telefone do gancho automaticamente ele estará com o sinal de linha de qualquer uma das linhas telefônicas
externas.

PARA PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

44 + número do ramal + 0 + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.10.3 - HOT-LINE PARA LINHA TELEFÔNICA EXTERNA ESPECÍFICA


Ao retirar o telefone do gancho automaticamente ele estará com o sinal de linha da linha telefônica externa programada
para HOT-LINE.

PARA PROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

44 + número do ramal + número da linha de HOT-LINE + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -161-


MICRO PABX RIVIERA
MOD: RIVIERA, RIVIERA-I E RIVIERA-II

34.5.10.4 - DESPROGRAMANDO O HOT-LINE


PARA DESPROGRAMAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

45 + número do ramal, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.11 - LIGANDO COM A PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS


Retire qualquer telefone do gancho e disque o número do ramal em que a placa se encontra conectada.

34.5.11.1 - CONFIGURANDO O RAMAL COM A PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS

Sempre que se conectar uma placa de rua 2 fios (PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT) na central é necessário habilitar o
ramal como placa de rua.

PARA HABILITAR:
No ramal programador, entre no modo de programação, em seguida disque:

48 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

PARA DESABILITAR:
48 + número do primeiro ramal + número do último ramal + * + 0, e aguarde o sinal de programação aceita.

34.5.11.2 - ACIONANDO AS FECHADURAS LIGADAS À PLACA DE PORTEIRO 2 FIOS (PCS-CAT,


PCBS-CAT ou PIS-CAT)

COMO FUNCIONA:
Estando o apartamento em comunicação com a PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT disque:

* + 1 para acionar a fechadura 1


* + 2 para acionar a fechadura 2 que devem estar ligadas à placa (opcionais).

34.6 - GUIA DE DEFEITOS

PROBLEMA MOTIVO SOLUÇÃO


O cabo de alimentação não está ligado à
Ligue o cabo de alimentação à rede de energia elétrica.
tomada.

A chave (LIGA / DESLIGA) está na


Coloque a chave na posição 1.
A central não funciona. posição 0.

Coloque a chave na posição correta (CUIDADO SE A CHAVE


A chave seletora de tensão está na tensão
ESTIVER EM 110V E A CENTRAL FOR LIGADA EM 220V PODE
errada.
CAUSAR A QUEIMA DO PRODUTO).

Ao retirar o telefone do gancho escuto o sinal


O telefone está em pulso (decádico). Coloque o telefone no modo TOM.
de linha, mas, ao discar nada acontece.

Reprograme o MICRO PABX para funcionar com sinalização decádica


Não é possível fazer ligação na linha externa. A central telefônica é decádica (PULSO).
(PULSO).

Tempo de FLASH do telefone é maior que Reprograme o tempo de reconhecimento de FLASH do ramal no
Ao tentar transferir uma ligação ela cai.
500ms. MICRO PABX.

O ramal se encontra sempre ocupado, O ramal se encontra em "NÃO Retire o telefone do ramal do gancho e disque #20 para sair do "NÃO
mesmo estando com o telefone no gancho. PERTURBE". PERTURBE".

Quando chega ligação externa só toca nos Estes são os ramais atendedores pré
Reprograme a central com mais ramais atendedores.
ramais 20 e 21. programados.

Ao tentar chamar um ramal a chamada é


O ramal deve possuir siga- me. Retire o telefone do ramal do gancho e disque #30.
desviada para outro.

Estas linhas são desabilitadas na pré


Não é possível acessar a linha 3 ou linha 4. Reprograme a central para habilitá-la.
programação.

Ao discar 1 para entrar no modo de Só é possível entrar no modo de programação no ramal programador
Este não é o ramal programador.
programação recebo o sinal de ocupado. (20 na pré programação), tente novamente no ramal programador.

Catálogo Telefonia -162-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.0 - DESCRIÇÃO GERAL


A central automática de comunicação telefônica (CAT) foi
projetada com um grande número de facilidades destinadas a
intercomunicação em apartamentos e condomínios. É um
equipamento de fácil instalação e manutenção devido às suas
características técnicas.

Figura 01 - Central CAT-FIXA0/16 e CAT-FIXA1/16

35.1 - CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS


! Até 4 enlaces internos ou 3 enlaces internos e 1 externo (somente na CAT-FIXA 1/16);
! Até 1 tronco (somente na CAT-FIXA 1/16);
! 16 ramais;
! Bloqueio de chamadas à cobrar, locais, DDD e DDI (somente na CAT-FIXA 1/16);
! Siga-me;
! HOT-LINE;
! Não perturbe;
! Placa do vídeo porteiro coletivo TH-PVPCDI ou TH8210 e monitores de vídeo porteiro coletivo TH-MVPCDI ou TH8210
(opcional);
! Placa do porteiro coletivo PCS-CAT ou PCBS-CAT e individual PIS-CAT (opcional);
! Música de espera para ligação externa (somente na CAT-FIXA 1/16);
! Toques diferenciados para ligação interna, externa ou Placa de Porteiro;
! Senha para abertura de fechadura através da TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT ou da PCBS-CAT (opcional);
! Compatível com o terminal de portaria TP-CAT.

Tensão de alimentação 110/220V


Frequência da rede 60Hz
Consumo máximo de potência 25 W
Resistência máxima para ramal 1100W (fio + telefone)
Resistência máxima para linha telefônica 2000W (Somente na CAT-FIXA 1/16)
Fusível de proteção 0,5 A
Proteção contra transientes nas entradas de tronco, de ramal e
Proteção elétrica
alimentação AC.
Proteção de programação Memória EEPROM

DIMENSÕES DAS CENTRAIS CAT

CÓDIGO PROFUN. LARGURA ALTURA PESO


(mm) (mm) (mm) (g)

CAT-FIXA 0/16 80 235 200 2.500

CAT-FIXA 1/16 80 235 200 2.500


Figura 02

Catálogo Telefonia -163-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.2 - INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO


ATENÇÃO: SEMPRE QUE POSSÍVEL, INSTALE A CENTRAL EM UM LOCAL QUE ATENDA AS INSTRUÇÕES
ABAIXO RELACIONADAS:

! Não receba a luz solar diretamente.


! Fique afastada de equipamentos que gerem interferência de R.F. (Ex: PX, PY, etc...).
! Evite locais de pouca ou nenhuma ventilação.
! Evite locais muito úmidos ou que permitam vibrações.

fig. (b)
ENCAIXE DE FURO 1
FIXAÇÃO

0,5 cm

fig. (a)

Figura 03 - Coloque a central numa superfície plana, abra a tampa Figura 04 - Marque o local escolhido Figura 05 - Perfure, Figura 06 - Encaixe a
inferior pressionando as laterais para baixo (fig. a) e empurrando-a encaixe a bucha e central no parafuso do
para fora (fig.b). coloque o parafuso do furo 1
furo 1 deixando 0,5 cm
do parafuso para fora

PARAFUSO DO FURO 1

FURO 2 FURO 3

X X

Figura 07 - Alinhe e marque o lugar dos furos 2 e 3 Figura 08 - Após retirar a central, fure e coloque as Figura 09 - Recoloque a central no parafuso do furo 1, e
buchas nos furos 2 e 3 aperte os parafusos dos furos 2 e 3

35.2.1 - CONEXÃO DOS FIOS


Para a conexão dos fios:
Com a ponta do fio descascada.

Pressione o terminal Insira o fio no terminal Solte o terminal


TI para baixo

Terminal TI

Figura 10 Figura 11 Figura 12

ATENÇÃO: NÃO PASSE OS FIOS JUNTOS OU PRÓXIMOS À REDE ELÉTRICA E/OU CABO DE ANTENAS DE TV.

Catálogo Telefonia -164-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.2.2 - CONEXÃO DOS FIOS DOS APARTAMENTOS (RAMAIS)


OBS: O número do telefone é igual ao número do ramal em que ele foi conectado.

CENTRAL CAT CÓDIGO:


CAT-FIXA0/16 OU CAT-FIXA1/16

APTO 15 APTO 16

APTO 01 APTO 02 APTO 08 APTO 13 APTO 14 RA RB 7 8

Figura 13

35.2.3 - CONEXÃO DOS FIOS DA LINHA TELEFÔNICA


Para a conexão dos fios de linhas externas é necessário o uso das placas de tronco PT-CAT48 (opcional) e das placas de
proteção PPT-CAT48 (opcional).

CENTRAL CAT CÓDIGO:


CAT-FIXA1/16

MÚS. EXT L1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

CABO DA LINHA
GND L1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16
TELEFÔNICA

Figura 14

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.2.4 - CONEXÃO DO FIO DE ATERRAMENTO


ATENÇÃO: O TERMINAL TERRA DO EQUIPAMENTO DEVE ESTAR
CONECTADO AO TERRA DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA, CONFORME A
NORMA VIGENTE, CONSULTE A EMPRESA FORNECEDORA DE
ENERGIA DA SUA REGIÃO PARA ATENDER CORRETAMENTE ÀS
NORMAS.

Figura 15

35.2.5 - CONEXÃO DOS FIOS DA MÚSICA DE ESPERA EXTERNA (OPCIONAL)


IMPORTANTE: INTERNA EXTERNA
É NECESSÁRIO
ALTERAR A POSIÇÃO DO
JUMPER (J2) DE MÚSICA
DE ESPERA (LOCALIZADO
NA BASE DA CENTRAL). JUMPER
PARA MÚSICA
SOMENTE NA CAT-FIXA EXTERNA
1/16.
Figura 16 Figura 17

Catálogo Telefonia -165-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.2.6 - ALIMENTAÇÃO
Verifique a tensão nominal da rede local (110/220V) antes da conexão do
cabo de alimentação. Se existir necessidade altere a tensão no seletor de
Fusível
tensão. O equipamento sai de fábrica com a chave seletora de tensão em
220V.

Após verificar a tensão de alimentação, pressione a chave liga/desliga Chave


para posição "1". Liga /
Desliga

Placa de proteção Chave Seletora


da REDE de Tensão (110/220V)
Figura 18

35.3 - INSTALANDO OS ACESSÓRIOS


35.3.1 - PLACA DO VÍDEO PORTEIRO COLETIVO TH-PVPCDI P&B
Projetada para facilitar o controle de acesso em residências e condomínios, a placa cód. TH-PVPCDI permite a
comunicação com imagem com qualquer ramal utilizando monitor de vídeo cód. TH-MVPCDI ligado à uma central CAT,
comunicação via áudio com aparelhos telefônicos e o acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas (opcionais).
FONTE/BOOSTER
TH-FVPCDI CAIXA DE
CONEXÃO

OBS: Recomendável o uso


de cabo manga 4 vias,
máximo 30 metros.

PLACA
TH-PVPCDI

AJUSTE DE
VOLUME
CENTRAL CAT

ATENÇÃO: Não ligar a placa 110/220V


de rua no ramal programador
(de fábrica ramal 1) da central
CAT. BOTOEIRA
FECHADURA 2 (OPCIONAL)
ELETROMAGNÉTICA
FECHADURA 1
ELETROMAGNÉTICA

Figura 19

CARACTERÍSTICAS:
! Câmera CCD P&B 0,3 LUX;
! Acionamento de até 2 fechaduras eletromagnéticas ligadas à placa, via telefone e/ou botoeira (botoeira somente na
primeira fechadura);
! Fonte de alimentação externa para a placa (cód. TH-FVPCDI);
! Até 126 senhas para acionamento da primeira fechadura eletromagnética;
! Comunicação direta e sigilosa com qualquer ramal ligado à central, com monitor de vídeo cód. TH-MVPCDI ou
telefone;
! Iluminação do teclado da placa.

COMO CONECTAR NA CENTRAL:


Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central definindo o ramal escolhido como placa de rua, ver item 35.5.7.

Catálogo Telefonia -166-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.3.2 - PLACA DO VÍDEO PORTEIRO COLETIVO TH8210 COLORIDO


Projetada para facilitar o controle de acesso em residências e condomínios, a placa cód. TH8210 permite a comunicação
com imagem colorida com qualquer ramal utilizando o monitor de vídeo cód. TH8200 ligado à uma central CAT, comunicação
via áudio com aparelhos telefônicos e o acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas (opcionais).
CENTRAL CAT
FONTE DE ALIMENTAÇÃO PLACA TH8210
TH8220
110/220V

AJUSTE DE
VOLUME
ATENÇÃO: Não ligar a
placa de rua no ramal
programador (de fábrica
ramal 1) da central CAT.

FECHADURA 2
ELETROMAGNÉTICA BOTOEIRA
(OPCIONAL)
FECHADURA 1
ELETROMAGNÉTICA

Figura 20

CARACTERÍSTICAS:
! Câmera CCD COLOR 0,5 LUX;
! Acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas ligadas à placa, via telefone e/ou botoeira (botoeira somente na
primeira fechadura);
! Fonte de alimentação externa para a placa (cód. TH8220);
! Até 250 senhas para acionamento da primeira fechadura eletromagnética;
! Comunicação direta e sigilosa com qualquer ramal ligado à central com monitor de vídeo cód. TH8200 ou através de um
telefone;
! Iluminação do teclado da placa.

COMO CONECTAR NA CENTRAL:


Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central definindo o ramal escolhido como placa de rua, ver item 35.5.7.

35.3.3 - PLACA DO PORTEIRO COLETIVO PCS-CAT, PCBS-CAT OU INDIVIDUAL PIS-CAT


Projetadas para facilitar o controle de acesso em residências e condomínios as placas PCBS-CAT, PCS-CAT e PIS-CAT
(acessórios das centrais CAT e RIVIERA) permitem a comunicação com qualquer telefone ligado à central e o acionamento
de até duas fechaduras eletromagnéticas (opcionais).
PLACAS PCS-CAT, PCBS-CAT
FONTE DE e PIS-CAT
ALIMENTAÇÃO
ATENÇÃO: Não ligar a placa
AJUSTE DE

de rua no ramal programador


VOLUME

(de fábrica ramal 1) da central


CAT. 110/220V

FECHADURA 2
ELETROMAGNÉTICA
TERRA

BOTOEIRA
CENTRAL CAT (OPCIONAL)

FECHADURA 1 ELETROMAGNÉTICA

Figura 21

Catálogo Telefonia -167-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16
CARACTERÍSTICAS:
! 2 fios para a conexão com a central e fonte de alimentação externa para a placa;
! Acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas;
! É recomendável que o número máximo de placas ligadas à central não ultrapasse o seu número de enlaces;
! Senha para abertura da fechadura através da PCS-CAT ou PCBS-CAT;
! Iluminação do teclado e placa de sobrepor.

COMO CONECTAR NA CENTRAL:


Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central (definir o ramal escolhido como placa de rua, ver item 35.5.7).

35.3.4 - CONECTANDO A PLACA DE TRONCO E DE PROTEÇÃO NA CAT-FIXA1/16


COMO CONECTAR A PLACA DE PROTEÇÃO:
Somente na CAT-FIXA 1/16, identifique o ponto de conexão livre.

1 Retire o parafuso e o suporte do 2 Encaixe a placa de proteção. 3 Coloque o suporte do ponto de


ponto de conexão da placa de conexão e o parafuso.
proteção.

Figura 22 Figura 23 Figura 24

COMO CONECTAR A PLACA DE TRONCO:


Somente na CAT-FIXA 1/16, identifique o ponto de conexão livre.

1 Retire o parafuso e o suporte 2 Encaixe a placa do tronco. 3 Coloque o suporte do ponto


do ponto de conexão da de conexão e o parafuso.
placa do tronco.

Figura 25 Figura 26 Figura 27

35.4 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

35.4.1 - CHAMANDO UM APARTAMENTO


Retire o telefone do gancho, em seguida digite o número do apartamento. No caso de mais de um bloco, digite o número do
bloco antes do número do apartamento.

OBS: Na programação de fábrica o número do apartamento é igual ao número do ramal em que o telefone foi conectado.

35.4.2 - ATENDENDO UMA CHAMADA NO APARTAMENTO OU PORTARIA


Retire o telefone do gancho, durante o toque.

35.4.3 - TIPOS DE TOQUES NOS TELEFONES


Existem 3 tipos de toques diferentes:
! Toques longos espaçados - Chamada de placa de rua.
! Toques longos - Chamada de linha externa (somente na CAT-FIXA 1/16).
! Dois toques curtos - Chamada de telefone ligado à central.

Catálogo Telefonia -168-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.4.4 - TRANSFERINDO A COMUNICAÇÃO PARA OUTRO APARTAMENTO OU PORTARIA


Durante a comunicação pressione a tecla FLASH no telefone e em seguida digite o número do apartamento ao qual se
deseja transferir a comunicação, se este apartamento estiver ocupado a central retorna 3 sinais de ocupado e em seguida
devolve a comunicação para você. Caso exista a necessidade de retorno da comunicação durante a chamada, pressione a
tecla FLASH (versão de software 10 ou superior).

OBS: Se ao transferir a ligação ela cair, é necessário reprogramar o tempo de FLASH do ramal (tempo de FLASH de
fábrica de 200 a 500 ms), ver item 35.5.6.

35.4.5 - APARTAMENTO OU PORTARIA LIGANDO EM UMA LINHA EXTERNA (OPCIONAL)


Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e em seguida disque # 0, após o sinal de linha externa disque o
número do telefone desejado.
OBS: Na programação de fábrica nenhum dos ramais programados como apartamento (2 a 16) tem acesso à
discagem na linha externa, se este procedimento for necessário, a central deve ser reprogramada, ver item 35.5.12.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.4.6 - APARTAMENTO CHAMANDO PORTARIA


Retire o telefone do apartamento do gancho, aguarde o sinal de linha e disque o número do ramal de portaria.

OBS: Podem ser configurados até 4 ramais de portaria. Na programação de fábrica o ramal número 1 é o de portaria, ver
item 35.5.5.

35.4.7 - IDENTIFICANDO O APARTAMENTO QUE CHAMA A PORTARIA (OPCIONAL)


Só é possível ser feito no ramal número 1 através de uma bina (multifrequêncial) ou um TP-CAT, que deve ser instalada
junto ao telefone da portaria.

COMO FUNCIONA:
Ao ser instalada uma bina ou um TP-CAT no ramal de portaria (ramal 1) o porteiro visualiza o número do apartamento que o
chama.

35.4.8 - ATENDENDO UMA CHAMADA EXTERNA NA PORTARIA (OPCIONAL)


Qualquer uma das até 4 portarias da central funciona como atendedor de chamada externa.
Ao chegar uma chamada da linha externa toca nos 4 ramais de portaria, a primeira portaria a retirar o telefone do gancho
atende a chamada. Se a portaria estiver ocupada, no momento em que chegar uma chamada externa, ela escuta um BEEP
de fundo, basta colocar o telefone no gancho e retirá-lo para atender a chamada externa.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.4.9 - DESVIO DE CHAMADAS (SIGA-ME)


Qualquer chamada para um apartamento pode ser desviada automaticamente para outro ramal qualquer.

COMO FUNCIONA:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 3 + número do ramal a ser desviada a chamada, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado algo de
errado foi feito).

PARA DESATIVAR:
Retire o telefone com a função SIGA-ME habilitada do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 30, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado algo de errado foi feito).

Exemplo para salão de Festa:


O morador do apartamento 31 irá para o salão de festas do edifício (número do salão = 5) onde permanecerá por um bom
tempo. Antes de sair ele retira o telefone de seu apartamento do gancho e disca:

# + 3 + 5 (número do telefone do salão), e aguarda o sinal de linha.

ATENÇÃO: QUALQUER PESSOA QUE LIGUE PARA O APARTAMENTO 31 SERÁ DESVIADA PARA O SALÃO DE
FESTAS.

Catálogo Telefonia -169-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.4.10 - INIBINDO O RECEBIMENTO DE CHAMADAS DE APARTAMENTOS (NÃO PERTURBE)


O apartamento que estiver em "NÃO PERTURBE" só recebe as chamadas de portaria e placa de porteiro, qualquer outro
apartamento que tentar chamá-lo receberá o sinal de ocupado.

COMO FUNCIONA:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 21, e aguarde o sinal de linha de "NÃO PERTURBE" (caso escute sinal de ocupado algo de errado foi feito).

PARA DESATIVAR:
# + 20, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado algo de errado foi feito).

ATENÇÃO: SEMPRE QUE O RAMAL ESTÁ EM NÃO-PERTURBE, AO RETIRÁ-LO DO GANCHO O SINAL DE LINHA
FICA MODIFICADO.

35.4.11 - APARTAMENTO ACIONANDO A FECHADURA DA PLACA (ACESSÓRIOS)


COMO FUNCIONA:
Estando o apartamento em comunicação com a TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT disque:

* + 1 para acionar a fechadura 1


* + 2 para acionar a fechadura 2 que devem estar ligadas à placa (opcionais).

35.4.12 - DISCAGEM AUTOMÁTICA PARA O ÚLTIMO RAMAL QUE CHAMOU (PEGA-TROTE)


COMO FUNCIONA:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 4, a central chama automaticamente o último ramal que lhe chamou.

35.4.13 - PLACA CHAMANDO PORTARIA


Sempre que uma placa de rua (TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT) estiver chamando um dos
ramais de portaria provocará o toque em todos os ramais configurados como portaria. O primeiro ramal de portaria a tirar o
monofone do gancho atenderá a chamada (versão de software 10 ou superior).

35.4.14 - COLOCANDO A CENTRAL NO MODO NOTURNO


Ao colocar a central no modo noturno, qualquer ramal configurado como placa de rua não chama diretamente o
apartamento (versão de software 10 ou superior).

COMO ENTRAR:
No ramal número 1 disque # + 61 e aguarde o sinal de linha.

COMO SAIR:
No ramal número 1 disque # + 60 e aguarde o sinal de linha.

OBS: Neste caso a placa de rua chamará sempre o(s) ramal(is) de portaria independente do número digitado.

35.4.15 - CHAMANDO UM APARTAMENTO EM OUTRA CENTRAL ACOPLADA


COMO FUNCIONA:
Retire o telefone da central 1 do gancho e disque # + 0 + número do apartamento da central 2.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.4.16 - TRANSFERINDO UMA LIGAÇÃO EM OUTRA CENTRAL ACOPLADA


COMO FUNCIONA:
Estando em comunicação com outro ramal, disque

FLASH + # + 88 + número do ramal a ser transferido.

Catálogo Telefonia -170-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16
Exemplo:
Se o porteiro (ramal 1 da central 1) estiver em comunicação com o apartamento 100 na central 2 e o mesmo pedir para
transferir a ligação para o apartamento 200 da central 2, o porteiro terá que discar:

FLASH + # + 88 + 200 e colocar o telefone no gancho, ao atender a ligação o apartamento 100 e 200 estarão se
comunicando.

OBS: Para que a operação de transferência entre centrais acopladas funcione correta-mente é necessário aumentar o
tempo de flash externo para no mínimo 200ms, ver item 35.5.14.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.5 - INSTRUÇÕES PARA REPROGRAMAÇÃO DA CENTRAL

A central já sai pré-programada de fábrica, se houver necessidade é possível reprogramá-la.

ATENÇÃO: A REPROGRAMAÇÃO DA CENTRAL SÓ PODE SER REALIZADA NO RAMAL PROGRAMADOR (RAMAL 1).

COMO REPROGRAMAR:
Sempre que existir a necessidade de reprogramação da central, é necessário entrar no modo de programação.

Após entrar no modo de programação discar o comando e aguardar o sinal de confirmação:


! Comando - Sequência de números que indica o que vai ser reprogramado.
! Sinal de confirmação - indica se a central aceitou a nova programação.
! 3 Beeps curtos - A reprogramação foi aceita.
! 1 Beep longo - A reprogramação foi recusada.

OBS: Se mais de um item tiver de ser programado, basta digitar o próximo comando e aguardar o sinal de confirmação.

Quando finalizar todas as modificações necessárias de programação coloque o telefone no gancho. A programação só
deve ser modificada quando houver esta necessidade.

COMO ENTRAR:
No ramal programador retire o telefone do gancho e disque:

# + 1 (comando para o modo de programação) + 1234 (senha de fábrica da central), e aguarde o sinal do modo de
programação para entrar com o comando.

O sinal do modo de programação tem como indicação beeps espaçados que se houve enquanto estiver no ambiente de
programação.

IMPORTANTE: TEMPO MÁXIMO DE 3 SEGUNDOS ENTRE O COMANDO E A SENHA.

35.5.1 - ALTERANDO A SENHA DA CENTRAL

A central sai programada com a senha 1234, é possível alterar a senha para qualquer código de 4 dígitos com exceção
de 0000.

PARAALTERAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

10 + nova senha + nova senha e aguarde o sinal de programação aceita.

Exemplo:
Se você deseja alterar a senha de fábrica (1234) para 5678, no ramal programador entre no modo de programação
discando:

# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


10 + 5678 + 5678, e aguarde o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -171-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.5.2 - VOLTANDO À PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA (RESET GERAL)


Ao executar esta operação toda a programação da central volta à configuração original de fábrica. Retire o telefone do
ramal programador do gancho e disque:
# + 79 + # + 333

ATENÇÃO: AO EXECUTAR ESTA OPERAÇÃO, SOMENTE NO RAMAL PROGRAMADOR, TODA REPROGRAMAÇÃO


EXISTENTE É PERDIDA.

35.5.3 - REPROGRAMANDO A NUMERAÇÃO DOS APARTAMENTOS OU PORTARIAS


Na programação de fábrica os apartamentos estão numerados NÚMERO DO NÚMERO DO
como descrito na tabela ao lado: RAMAL APARTAMENTO (PORTARIA)
1 1
É possível trocar o número do apartamento ou portaria para 2 2
qualquer número de até 6 dígitos. .. ..
. .
15 15
16 16
COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:
40 + número do ramal + * + número do apartamento (até 6 dígitos) + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: NUNCA CONFIGURAR DOIS RAMAIS COM O MESMO NÚMERO DE APARTAMENTO, SE ISTO
ACONTECER SÓ SERÁ CHAMADO O RAMAL DE NUMERAÇÃO MENOR.

35.5.4 - RETORNANDO À NUMERAÇÃO DE FÁBRICA DOS APARTAMENTOS OU PORTARIAS


Com este recurso todos os apartamentos ou portaria voltam a ter o número do ramal onde ele está ligado.
COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

20, e aguarde o sinal de programação aceita.

35.5.5 - NÚMEROS DE RAMAIS DE PORTARIA


PARAALTERAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

58 + número de portarias, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: NA PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA APENAS 1 RAMAL.

As portarias ficam de acordo com a tabela abaixo:


NÚMERO DE PORTARIAS NÚMERO DE RAMAIS
1 1
IMPORTANTE: SOMENTE NA CENTRAL CAT-FIXA 1/16 SERÃO 2 1e2
ATENDEDORES DE TRONCO OS RAMAIS CONFIGURADOS 3 1, 2 e 3
COMO PORTARIA. 4 1, 2, 3 e 4

35.5.6 - DEFININDO O TEMPO DE FLASH DOS TELEFONES


A central sai programada para operar com telefones com tempo de FLASH entre 200ms e 500ms. Se o telefone utilizado
possuir um tempo maior é necessário reprogramar o tempo para o ramal.

COMO ALTERAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

30 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + t (2 a 9).

t pode assumir os valores abaixo relacionados:


t=2 200ms t=4 400ms t=6 600ms t=8 800ms
t=3 300ms t=5 500ms t=7 700ms t=9 900ms

Catálogo Telefonia -172-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16
Exemplo:
Se quisermos alterar o tempo de FLASH dos telefones conectados nos ramais 1, 2, 3, 4, e 5 da central para 800ms, no
ramal programador entre no modo de programação discando:

# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


30 + 1 + * + 5 + * + 8, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS. NO CASO DE


UM ÚNICO RAMAL A SER REPROGRAMADO DEVE-SE REPETIR O NÚMERO DO RAMAL.

35.5.7 - DEFININDO O RAMAL COMO PLACA DE RUA


Ao instalar a placa TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT devemos reprogramar o ramal para que a
central o reconheça como placa de rua.

COMO REPROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

25 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + 1

COMO DESPROGRAMAR:
25 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + 0

Exemplo:
Se quisermos instalar a PIS-CAT no ramal 4, no ramal programador entre no modo de programação discando:

# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


25 + 4 + * + 4 + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: CONFIGURE SOMENTE OS RAMAIS QUE POSSUEM PLACA DE RUA. NÃO É POSSÍVEL
PROGRAMAR O RAMAL 1 COMO PLACA DE RUA. NO CASO DE UM ÚNICO RAMAL A SER PROGRAMADO DEVE-SE
REPETIR O NÚMERO DO RAMAL.

35.5.8 - TRANSFORMANDO O TELEFONE EM UM INTERFONE (HOT-LINE)


A discagem no telefone é desabilitada, ao retirá-lo do gancho ele chama Opção = 1 Ativa HOT-LINE
automaticamente o ramal de HOT-LINE.
Opção = 0 Desativa HOT-LINE
COMO PROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

44 + número do ramal que efetuará a chamada + * + número do ramal que será chamado (HOT-LINE) + * + opção, e
aguarde o sinal de programação aceita.

OBS: O ramal que se encontra em HOT-LINE recebe chamadas normalmente.

35.5.9 - PROGRAMANDO A FUNÇÃO PÂNICO


Tem como objetivo indicar aos moradores situações de anormalidade no condomínio.

COMO FUNCIONA:
Sempre que o telefone do ramal de pânico é retirado do gancho, ou o colocamos em curto, iniciamos a função pânico.
Quando iniciada, todos os aparelhos telefônicos ligados à CAT tocam de maneira não simultânea por 1s com uma
intermitência que pode chegar até a 35s. Retirando do gancho qualquer telefone a qualquer instante, escutasse uma sirene
por 1s com pausa de 3s.

COMO PROGRAMAR:
Escolha qualquer ramal livre da central CAT (com exceção do ramal programador) e programe hot-line deste ramal para
ele mesmo.

COMO DESLIGAR:
Esta função só pode ser interrompida quando a central é desligada e ligada novamente.

IMPORTANTE: ESTA FUNÇÃO SÓ ESTÁ DISPONÍVEL NAS CENTRAIS CAT COM VERSÃO DE SOFTWARE IGUAL
OU SUPERIOR A 28. CENTRAIS MAIS ANTIGAS PODERÃO SER ATUALIZADAS COM A TROCA DO
MICROCONTROLADOR.

Catálogo Telefonia -173-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16

35.5.10 - DEFININDO O NÚMERO DE LINHAS EXTERNAS


A central sai programada de fábrica com 1 tronco ativo, caso não exista a necessidade de uso, ele deve ser desativado
para liberação de enlace.

COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

21 + número de linhas externas (0 ou 1), e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.5.11 - DEFININDO A DISCAGEM NA LINHA EXTERNA (TOM OU PULSO)


O tronco sai programado para discagem em TOM, no caso da linha Opção = 1 Discagem em PULSO
externa trabalhar em PULSO é necessário reprogramá-la.
Opção = 0 Discagem em TOM
COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

22 + 1 + opção, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.5.12 - DEFININDO OS RAMAIS QUE TEM ACESSO À DISCAGEM NA LINHA EXTERNA


Na programação de fábrica apenas o ramal número 1 tem acesso à discagem na linha externa (classe 3), o acesso à
discagem na linha externa pode ser ativado para qualquer ramal da central.

Existem 4 classes de acesso à linha externa que são:


! Classe 0 - O ramal não tem acesso à linha externa.
! Classe 1 - O ramal tem acesso às ligações locais.
! Classe 2 - O ramal tem acesso às ligações locais e DDD.
! Classe 3 - O ramal tem acesso às ligações locais, DDD e DDI.

COMO PROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

41 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + classe (0 a 3), e aguarde o sinal de programação
aceita.

OBS: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS. NO CASO DE UM ÚNICO
RAMAL DEVE-SE REPETIR O NÚMERO DO RAMAL.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

35.5.13 - BLOQUEANDO O ATENDIMENTO DE CHAMADAS A COBRAR


A central sai com esta facilidade desativada.
COMO ATIVÁ-LA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

23 + 1 + opção, e aguarde o sinal de programação aceita.

Opção = 1 A central bloqueia chamadas a cobrar


IMPORTANTE:
SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16. Opção = 0 A central não bloqueia chamadas a cobrar

35.5.14 - CONFIGURANDO O TEMPO DE FLASH NA LINHA EXTERNA


O FLASH na linha externa é utilizado quando se acoplam duas centrais (CAT + CAT, CAT + RIVIERA (PABX) ou
CAT + Central pública), para que uma central possa gerar uma transferência de ligação na outra.

Na programação de fábrica o tempo de FLASH é de 100ms, o seu valor pode ser reprogramado para até 900ms.

Catálogo Telefonia -174-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓD: CAT-FIXA0/16 E CAT-FIXA1/16
COMO REPROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

31 + 1 + * + t + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16.

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=1 100ms t=4 400ms t=7 700ms


t=2 200ms t=5 500ms t=8 800ms
t=3 300ms t=6 600ms t=9 900ms

35.5.15 - ACOPLANDO DUAS CENTRAIS, SOMENTE NA CAT-FIXA 1/16


É possível acoplar até duas centrais CAT, podendo ter no máximo dois enlaces entre estas centrais.

Para 1 enlace de comunicação entre as centrais (3 enlaces internos) é necessário:


! Um tronco livre em cada central.
! Um ramal livre em cada central.

Tronco livre Ramal livre Tronco livre Ramal livre

CENTRAL 1 CENTRAL 2
L1 L1

Figura 28

ATENÇÃO: NESTE CASO NÃO EXISTE A POSSIBILIDA-DE DE INSTALAÇÃO DE LINHATELEFÔNICA.

35.6 - GUIA DE DEFEITOS


PROBLEMA MOTIVO SOLUÇÃO
O cabo de alimentação não está ligado à
Ligue o cabo de alimentação à rede de energia elétrica.
tomada.

A chave (LIGA / DESLIGA) está na posição 0. Coloque a chave na posição 1.


A central não funciona.
Coloque a chave na posição correta.
A chave seletora de tensão está na tensão
CUIDADO: Se a chave estiver em 110V e a central for ligada em 220V
errada.
pode causar a queima do produto.
Ao retirar o telefone do gancho escuto o sinal
O telefone está em PULSO (decádico). Coloque o telefone no modo TOM.
de linha, mas, ao discar nada acontece.
A central telefônica é decádica (PULSO). Reprograme a CENTRAL para funcionar com sinalização decádica
Não é possível fazer ligação na linha externa.
(PULSO).
Tempo de FLASH do telefone é maior que Reprograme o tempo de reconhecimento de FLASH do ramal na
Ao tentar transferir uma ligação ela cai.
500ms. CENTRAL.
O ramal se encontra sempre ocupado, Retire o telefone do ramal do gancho e disque #20 para sair do "NÃO
O ramal se encontra em "NÃO PERTURBE".
mesmo estando com o telefone no gancho. PERTURBE".
Quando chega ligação externa só toca no
Este é o ramal atendedor pré programado. Reprograme a central com mais ramais atendedores.
ramal 1.
Ao tentar chamar um apartamento a
O ramal se encontra em "siga-me". Disque # 30 no telefone com a função siga-me habilitada.
chamada é desviada para outro.
Ao discar # 1 para entrar no modo de Só é possível entrar no modo de programação no ramal programador
Este não é o ramal programador.
programação escuto o sinal de ocupado. (ramal 1), tente novamente no ramal programador.
Ao discar o número do apartamento que
desejo chamar, no primeiro dígito a central
O ramal foi configurado como placa de rua. Configure o ramal como telefone.
executa a chamada impossibilitando que se
disque o resto do número.

Catálogo Telefonia -175-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.0 - DESCRIÇÃO GERAL


A central automática de comunicação telefônica (CAT) foi
projetada com um grande número de facilidades destinadas a
intercomunicação em apartamentos e condomínios. É um
equipamento de fácil instalação e manutenção devido às suas
características técnicas.

Figura 01 - Central CAT-48

36.1 - CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS


! Até 4 enlaces internos ou 3 enlaces internos e 1 externo (com tronco);
! Até 1 tronco (opcional);
! Até 48 ramais (modular com placas de 8 ramais);
! Bloqueio de chamadas à cobrar, locais, DDD e DDI;
! Siga-me;
! HOT-LINE;
! Não perturbe;
! Placa do vídeo porteiro coletivo TH-PVPCDI ou TH8210 e monitores de vídeo porteiro coletivo TH-MVPCDI ou TH8210
(opcional);
! Placa do porteiro coletivo PCS-CAT ou PCBS-CAT e individual PIS-CAT (opcional);
! Música de espera (para ligação externa);
! Toques diferenciados para ligação interna, externa ou Placa de Porteiro;
! Senha para abertura de fechadura através da TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT ou da PCBS-CAT (opcional);
! Interface de câmeras PIC-CAT48 (opcional);
! Compatível com o terminal de portaria TP-CAT.

Tensão de alimentação 110/220V


Frequência da rede 60Hz
Consumo máximo de potência 25 W
Resistência máxima para ramal 1100 W (fio + telefone)
Resistência máxima para linha telefônica 2000 W (Somente na CAT-FIXA 1/16)
Fusível de proteção 0,5 A
Proteção contra transientes nas entradas de tronco, de ramal e
Proteção elétrica
alimentação AC.
Proteção de programação Memória EEPROM

LA
RG
UR
A
PROFUND.

DIMENSÕES E PESO DA CENTRAL CAT

RA CÓDIGO PROFUN. LARGURA ALTURA PESO


TU (mm) (mm) (mm) (g)
AL

CAT-48 110 310 235 2.100


Figura 02

Catálogo Telefonia -176-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.2 - INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO


ATENÇÃO: SEMPRE QUE POSSÍVEL, INSTALE A CENTRAL EM UM LOCAL QUE ATENDA AS INSTRUÇÕES
ABAIXO RELACIONADAS:

! Não receba a luz solar diretamente.


! Fique afastada de equipamentos que gerem interferência de R.F. (Ex: PX, PY, etc...).
! Evite locais de pouca ou nenhuma ventilação.
! Evite locais muito úmidos ou que permitam vibrações.

ENCAIXE DE FURO 1
FIXAÇÃO

0,5 cm

Figura 03 - Solte os parafusos na lateral da central e abra a tampa. Figura 04 - Marque o local escolhido Figura 05 - Perfure, Figura 06 - Encaixe
encaixe a bucha e a c e n t r a l n o
coloque o parafuso do parafuso do furo 1
furo 1 deixando 0,5 cm
do parafuso para fora

PARAFUSO DO FURO 1

FURO 2 FURO 3

X X
FURO 2 FURO 3 FURO 2 FURO 3
Figura 07 - Alinhe e marque o lugar dos furos 2 e 3 Figura 08 - Após retirar a central, fure e coloque as Figura 09 - Recoloque a central no parafuso do furo 1, e
buchas nos furos 2 e 3 aperte os parafusos dos furos 2 e 3

36.2.1 - CONEXÃO DOS FIOS


Para a conexão dos fios:
Com a ponta do fio descascada.

Pressione o terminal Insira o fio no terminal Solte o terminal


TI para baixo

Terminal TI

Figura 10 Figura 11 Figura 12

ATENÇÃO: NÃO PASSE OS FIOS JUNTOS OU PRÓXIMOS À REDE ELÉTRICA E/OU CABO DE ANTENAS DE TV.

Catálogo Telefonia -177-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.2.2 - CONEXÃO DOS FIOS DOS APARTAMENTOS (RAMAIS)


OBS: O número do telefone é igual ao número do ramal em que ele foi conectado.

CENTRAL CAT CÓDIGO:


CAT-48

APTO 31 APTO 32 APTO 47 APTO 48

APTO 09 APTO 10 APTO 28


RA RB RA RB 7 8 7 8

APTO 01 APTO 02 APTO 20 APTO 23 APTO 24 APTO 39 APTO 40

Figura 13

36.2.3 - CONEXÃO DOS FIOS DA LINHA TELEFÔNICA


Para a conexão dos fios de linhas externas é necessário o uso das placas de tronco PT-CAT48 (opcional) e de proteção
PPT-CAT48 (opcional).

CENTRAL CAT CÓDIGO:


CAT-48

Figura 14

36.2.4 - CONEXÃO DO FIO DE ATERRAMENTO


ATENÇÃO: O TERMINAL TERRA DO EQUIPAMENTO DEVE ESTAR
CONECTADO AO TERRA DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA, CONFORME A
NORMA VIGENTE, CONSULTE A EMPRESA FORNECEDORA DE
ENERGIA DA SUA REGIÃO PARA ATENDER CORRETAMENTE ÀS
NORMAS.

Figura 15

Catálogo Telefonia -178-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.2.5 - CONEXÃO DOS FIOS DA MÚSICA DE ESPERA EXTERNA (OPCIONAL)


IMPORTANTE: É NECESSÁRIO ALTERAR A POSIÇÃO DOS JUMPERS (J1) DE MÚSICA DE ESPERA (LOCALIZADO
NA PLACA DE CONTROLE).

INTERNA EXTERNA

J1 J1

CENTRAL CAT

Figura 16 Figura 17

36.2.6 - CONEXÃO DOS FIOS DAS CÂMERAS (OPCIONAL)


ATENÇÃO: É NECESSÁRIO A INTERFACE DE CÂMERAS PIC-CAT48 (VER ITEM 36.4.4).
PLACA TH-PVPCDI
CÂMERA 1

CENTRAL CAT
MONITOR 2
MONITOR 1
ATENÇÃO: Não ligar a placa de rua CÂMERA 6
no ramal programador (de fábrica
CÂMERA 5
ramal 1) da central CAT.
CÂMERA 4
CÂMERA 3
CÂMERA 2
GND
CONECTAR EM
QUALQUER RAMAL
LIVRE

Figura 18

36.2.7 - ALIMENTAÇÃO
Verifique a tensão nominal da rede local (110/220V) antes da conexão do cabo de alimentação. Se existir necessidade
altere a tensão no seletor de tensão. O equipamento sai de fábrica com a chave seletora de tensão em 220V.

Após verificar a tensão de alimentação, pressione a chave liga/desliga para posição "1".

CENTRAL CAT CÓDIGO:


CAT-48

Fusível

Chave
Liga /
Desliga
Placa de proteção Chave Seletora
da REDE de Tensão (110/220V)
Figura 19

Catálogo Telefonia -179-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.3 - AUMENTANDO A CAPACIDADE DA CENTRAL


O número de ramais e linha externa depende diretamente do número de placas de ramais e de tronco que a central possui.

PONTO DE CONEXÃO DA
PARAFUSO
PLACA DE CONTROLE
DO SUPORTE
DA PLACA
DE COMANDO

PARAFUSO
DO SUPORTE
DA PLACA
DE PROTEÇÃO

PONTO DE CONEXÃO DA
PLACA DE COMANDO

PONTO DE
CONEXÃO DA
PLACA DE
PROTEÇÃO

PARAFUSO DO SUPORTE
DA PLACA DE TRONCO

PONTO DE CONEXÃO DA PARAFUSOS DOS


PLACA DE TRONCO PONTOS DE SUPORTES DAS
CONEXÕES DAS PLACAS DE RAMAIS
PLACAS DE RAMAIS E CONTROLE

Figura 20

Procure na tabela.

NÚMERO DE PLACAS CAPACIDADE DA CENTRAL NÚMERO DE PLACAS CAPACIDADE DA CENTRAL


RAMAIS TRONCO RAMAIS TRONCO RAMAIS TRONCO RAMAIS TRONCO
1 8 1 8
2 16 2 16
3 24 3 24
0 0 1 1
4 32 4 32
5 40 5 40
6 48 6 48

OBS: Cada placa de ramal contém 8 ramais e cada placa de tronco contém 1 tronco.

36.3.1 - AUMENTANDO O NÚMERO DE RAMAIS


Para aumentar o número de ramais conecte mais placas de ramais à central. Isso só é possível se existirem pontos de
conexões livres (vazios).

IMPORTANTE: ESCOLHA SEMPRE O PONTO DE CONEXÃO LIVRE (VAZIO) DE MENOR NUMERAÇÃO.

Catálogo Telefonia -180-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
COMO CONECTAR:
Identifique um ponto de conexão livre (vazio).

1 Retire o parafuso e o suporte 2 Encaixe a placa de ramais. 3 Coloque o suporte do ponto


do ponto de conexão. de conexão e o parafuso.

Figura 21 Figura 22 Figura 23

36.3.2 - CONECTANDO A PLACA DE TRONCO E DE PROTEÇÃO


COMO CONECTAR:
Identifique o ponto de conexão da placa de proteção.

1 Retire o parafuso e o 2 Encaixe a placa de proteção. 3 Coloque o suporte do


suporte do ponto de ponto de conexão e o
conexão da placa de parafuso.
proteção.

Figura 24 Figura 25 Figura 26

COMO CONECTAR A PLACA DE TRONCO:


Identifique o ponto de conexão da placa de tronco.

1 Retire o parafuso e o suporte do 2 Encaixe a placa do tronco. 3 Coloque o suporte do ponto de


ponto de conexão da placa de conexão e o parafuso.
tronco.

Figura 27 Figura 28 Figura 29

36.4 - INSTALANDO OS ACESSÓRIOS

36.4.1 - PLACA DO VÍDEO PORTEIRO COLETIVO TH-PVPCDI P&B


Projetada para facilitar o controle de acesso em residências e condomínios, a placa cód. TH-PVPCDI permite a
comunicação com imagem com qualquer ramal utilizando monitor de vídeo cód. TH-MVPCDI ligado à uma central CAT,
comunicação via áudio com aparelhos telefônicos e o acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas (opcionais).

Catálogo Telefonia -181-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
CARACTERÍSTICAS:
! Câmera CCD P&B 0,3 LUX;
! Acionamento de até 2 fechaduras eletromagnéticas ligadas à placa, via telefone e/ou botoeira (botoeira somente na
primeira fechadura);
! Fonte de alimentação externa para a placa (cód. TH-FVPCDI);
! Até 126 senhas para acionamento da primeira fechadura eletromagnética;
! Comunicação direta e sigilosa com qualquer ramal ligado à central, com monitor de vídeo cód. TH-MVPCDI ou telefone;
! Iluminação do teclado da placa.

FONTE/BOOSTER
CAIXA DE
TH-FVPCDI
CONEXÃO

OBS: Recomendável o uso


de cabo manga 4 vias,
máximo 30 metros.

PLACA
TH-PVPCDI

AJUSTE DE
VOLUME
CENTRAL CAT

ATENÇÃO: Não ligar a placa 110/220V


de rua no ramal programador
(de fábrica ramal 1) da central BOTOEIRA
CAT. (OPCIONAL)
FECHADURA 1
ELETROMAGNÉTICA
FECHADURA 2
ELETROMAGNÉTICA

Figura 30

COMO CONECTAR NA CENTRAL:


Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central definindo o ramal escolhido como placa de rua, ver item 36.6.7.

36.4.2 - PLACA DO VÍDEO PORTEIRO COLETIVO TH8210 COLORIDO


Projetada para facilitar o controle de acesso em residências e condomínios, a placa cód. TH8210 permite a comunicação
com imagem colorida com qualquer ramal utilizando o monitor de vídeo cód. TH8200 ligado à uma central CAT, comunicação
via áudio com aparelhos telefônicos e o acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas (opcionais).
CENTRAL CAT
FONTE DE ALIMENTAÇÃO PLACA TH8210
TH8220
110/220V
ATENÇÃO: Não ligar a
AJUSTE DE
VOLUME

placa de rua no ramal


programador (de fábrica
ramal 1) da central CAT.

FECHADURA 2
ELETROMAGNÉTICA BOTOEIRA
(OPCIONAL)
FECHADURA 1
ELETROMAGNÉTICA

Figura 31

Catálogo Telefonia -182-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
CARACTERÍSTICAS:
! Câmera CCD COLOR 0,5 LUX;
! Acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas ligadas à placa, via telefone e/ou botoeira (botoeira somente na
primeira fechadura);
! Fonte de alimentação externa para a placa (cód. TH8220);
! Até 250 senhas para acionamento da primeira fechadura eletromagnética;
! Comunicação direta e sigilosa com qualquer ramal ligado à central com monitor de vídeo cód. TH8200 ou através de um
telefone;
! Iluminação do teclado da placa.

COMO CONECTAR NA CENTRAL:


Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central definindo o ramal escolhido como placa de rua, ver item 36.6.7.

36.4.3 - PLACA DO PORTEIRO COLETIVO PCS-CAT, PCBS-CAT OU INDIVIDUAL PIS-CAT


Projetadas para facilitar o controle de acesso em residências e condomínios as placas PCBS-CAT, PCS-CAT e PIS-CAT
(acessórios das centrais CAT e RIVIERA) permitem a comunicação com qualquer telefone ligado à central e o acionamento
de até duas fechaduras eletromagnéticas (opcionais).

CARACTERÍSTICAS:
! 2 fios para a conexão com a central e fonte de alimentação externa para a placa;
! Acionamento de até duas fechaduras eletromagnéticas;
! É recomendável que o número máximo de placas ligadas à central não ultrapasse o seu número de enlaces;
! Senha para abertura da fechadura através da PCS-CAT ou PCBS-CAT;
! Iluminação do teclado e placa de sobrepor.

PLACAS PCS-CAT, PCBS-CAT


e PIS-CAT
FONTE DE
ALIMENTAÇÃO

AJUSTE DE
VOLUME
ATENÇÃO: Não ligar a placa
de rua no ramal programador
(de fábrica ramal 1) da central
CAT. 110/220V

FECHADURA 2
ELETROMAGNÉTICA
TERRA
CENTRAL CAT
BOTOEIRA
(OPCIONAL)

FECHADURA 1
ELETROMAGNÉTICA

Figura 32

COMO CONECTAR NA CENTRAL:


Deve ser conectada em qualquer posição de ramal livre.

OBS: É necessário reprogramar a central (definir o ramal escolhido como placa de rua, ver item 36.6.7).

36.4.4 - INTERFACE PARA CÂMERAS


Através desta placa código PIC-CAT48, é possível ligar à central até 6 câmeras com 2 saídas para MONITOR/TV.

CARACTERÍSTICAS:
! A capacidade máxima da central cai para 40 ramais, são entradas das câmeras (1 a 6) os ramais 41 a 46 e os ramais 47 e
48 são as saídas para os monitores 1 e 2;
! Somente para câmeras P/B e sem áudio;
! Sequencial para 6 câmeras.

Catálogo Telefonia -183-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
COMO CONECTAR:
Identifique o 6º ponto de conexão de placa de ramais.

1 Retire o parafuso e o suporte do ponto de 2 Encaixe a placa da interface da câmera. 3 Coloque o suporte do ponto de conexão da
conexão da interface da interface da câmera e o
câmera. parafuso.

Figura 33 Figura 34 Figura 35

OBS: É necessário reprogramar a central (habilitar a interface das câmeras, ver item 36.6.15).

36.5 - INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

36.5.1 - CHAMANDO UM APARTAMENTO


Retire o telefone do gancho, em seguida digite o número do apartamento. No caso de mais de um bloco, digite o número do
bloco antes do número do apartamento.

OBS: Na programação de fábrica o número do apartamento é igual ao número do ramal em que o telefone foi conectado.

36.5.2 - ATENDENDO UMA CHAMADA NO APARTAMENTO OU PORTARIA


Retire o telefone do gancho, durante o toque.

36.5.3 - TIPOS DE TOQUES NOS TELEFONES


Existem 3 tipos de toques diferentes:

! Toques longos espaçados - Chamada de placa de rua.


! Toques longos - Chamada de linha externa.
! Dois toques curtos - Chamada de telefone ligado à central.

36.5.4 - TRANSFERINDO A COMUNICAÇÃO PARA OUTRO APARTAMENTO OU PORTARIA


Durante a comunicação pressione a tecla FLASH no telefone e em seguida digite o número do apartamento ao qual se
deseja transferir a comunicação, se este apartamento estiver ocupado a central retorna 3 sinais de ocupado e em seguida
devolve a comunicação para você.

Caso exista a necessidade de retorno da comunicação durante a chamada, pressione a tecla FLASH (versão de software
10 ou superior).

OBS: Se ao transferir a ligação ela cair, é necessário reprogramar o tempo de FLASH do ramal (tempo de FLASH de
fábrica de 200 a 500ms), ver item 36.6.6.

36.5.5 - APARTAMENTO OU PORTARIA LIGANDO EM UMA LINHA EXTERNA


Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e em seguida disque # 0, após o sinal de linha externa disque o
número do telefone desejado.

IMPORTANTE: NA PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA, NENHUM DOS RAMAIS PROGRAMADOS COMO


APARTAMENTO (2 a 48) TEM ACESSO À DISCAGEM NA LINHA EXTERNA, SE ESTE PROCEDIMENTO FOR
NECESSÁRIO, A CENTRAL DEVE SER REPROGRAMADA, VIDE ITEM 36.6.12.

36.5.6 - APARTAMENTO CHAMANDO PORTARIA


Retire o telefone do apartamento do gancho, aguarde o sinal de linha e disque o número do ramal de portaria.

OBS: Podem ser configurados até 4 ramais de portaria. Na programação de fábrica o ramal número 1 é o de portaria.

Catálogo Telefonia -184-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.5.7 - IDENTIFICANDO A ORIGEM DA CHAMADA


Só é possível ser feito no ramal número 1 através de uma Bina (multifrequêncial) ou um TP-CAT, que deve ser instalada
junto ao telefone da portaria.

COMO FUNCIONA:
Ao ser instalada uma bina DTMF ou um TP-CAT no ramal de portaria (ramal 1) o porteiro visualiza o número do
apartamento que o chama.

36.5.8 - ATENDENDO UMA CHAMADA EXTERNA NA PORTARIA (OPCIONAL)


Qualquer uma das até 4 portarias da central funciona como atendedor de chamada externa, ver item 36.6.5.

Ao chegar uma chamada da linha externa toca nos 4 ramais de portaria, a primeira portaria a retirar o telefone do gancho
atende a chamada. Se a portaria estiver ocupada, no momento em que chegar uma chamada externa, ela escuta um BEEP
de fundo, basta colocar o telefone no gancho e retirá-lo para atender a chamada externa.

36.5.9 - DESVIO DE CHAMADAS (SIGA-ME)


Qualquer chamada para um apartamento pode ser desviada automaticamente para outro ramal qualquer.

COMO FUNCIONA:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 3 + número do apartamento a ser desviada a chamada, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado
algo de errado foi feito).

PARA DESATIVAR:
Retire o telefone com a função SIGA-ME habilitada do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 30, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado algo de errado foi feito).

Exemplo para salão de Festa:


O morador do apartamento 31 irá para o salão de festas do edifício (número do salão = 5) onde permanecerá por um bom
tempo. Antes de sair ele retira o telefone de seu apartamento do gancho e disca:

# + 3 + 5 (número do telefone do salão), e aguarda o sinal de linha.

ATENÇÃO: QUALQUER PESSOA QUE LIGUE PARA O RAMAL 31 SERÁ DESVIADA PARA O SALÃO DE FESTAS.

36.5.10 - INIBINDO O RECEBIMENTO DE CHAMADAS DE APARTAMENTOS (NÃO PERTURBE)


O apartamento que estiver em "NÃO PERTURBE" só recebe as chamadas de portaria e placa de porteiro, qualquer outro
apartamento que tentar chamá-lo receberá o sinal de ocupado.
COMO FUNCIONA:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 21, e aguarde o sinal de linha de "NÃO PERTURBE" (caso escute sinal de ocupado algo de errado foi feito).

PARA DESATIVAR:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 20, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado algo de errado foi feito).

ATENÇÃO: SEMPRE QUE O RAMAL ESTÁ EM NÃO-PERTURBE, AO RETIRÁ-LO DO GANCHO O SINAL DE LINHA
FICA MODIFICADO.

36.5.11 - APARTAMENTO ACIONANDO A FECHADURA DA PLACA (ACESSÓRIOS)


COMO FUNCIONA:
Estando o apartamento em comunicação com a placa de rua TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT
disque:

* 1 para acionar a fechadura 1


* 2 para acionar a fechadura 2 que devem estar ligadas à placa (opcionais).

Catálogo Telefonia -185-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.5.12 - DISCAGEM AUTOMÁTICA PARA O ÚLTIMO RAMAL QUE CHAMOU (PEGA-TROTE)


COMO FUNCIONA:
Retire o telefone do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

# + 4, a central chama automaticamente o último ramal que lhe chamou

36.5.13 - GERENCIANDO O SEQUENCIAL DE CÂMERAS PELA PORTARIA (ACESSÓRIO)


Esta operação só é possível se a CAT possuir a interface de câmeras código PIC-CAT48.
Qualquer um dos ramais de portaria pode parar ou iniciar o sequencial de câmeras do monitor 1.

COMO FUNCIONA:
Retire o telefone da portaria do gancho, aguarde o sinal de linha e disque:

PARA PARAR O SEQUENCIAL


# + 5 + número da câmera (1 a 6), e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado, algo de errado foi feito)

PARA RETORNAR AO SEQUENCIAL


# + 50, e aguarde o sinal de linha (caso escute sinal de ocupado, algo de errado foi feito).

OBS: As câmeras do monitor 2 ficam sempre em sequencial.

36.5.14 - PLACA CHAMANDO PORTARIA


Sempre que uma placa de rua (TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT) estiver chamando um dos
ramais de portaria, provocará o toque em todos os ramais configurados como portaria. O primeiro ramal de portaria a tirar o
monofone do gancho atenderá a chamada.

36.5.15 - COLOCANDO A CENTRAL NO MODO NOTURNO


Ao colocar a central no modo noturno, qualquer ramal configurado como placa de rua não chama diretamente o
apartamento (versão de software 10 ou superior).

COMO ENTRAR:
No ramal número 1 disque # + 61 e aguarde o sinal de linha.

COMO SAIR:
No ramal número 1 disque # + 60 e aguarde o sinal de linha.

OBS: Neste caso a placa de rua chamará sempre o(s) ramal(is) de portaria independente do número digitado.

36.5.16 - CHAMANDO UM APARTAMENTO EM OUTRA CENTRAL ACOPLADA


COMO FUNCIONA:
Retire o telefone da central 1 do gancho e disque:

# + 0 + número do apartamento da central 2

36.5.17 - TRANSFERINDO UMA LIGAÇÃO EM OUTRA CENTRAL ACOPLADA


COMO FUNCIONA:
Estando em comunicação com outro ramal, disque

FLASH + # + 88 + número do ramal a ser transferido.

Exemplo:
Se o porteiro (ramal 1 da central 1) estiver em comunicação com o apartamento 100 na central 2 e o mesmo pedir para
transferir a ligação para o apartamento 200 da central 2, o porteiro terá que discar:

FLASH + # + 88 + 200 e colocar o telefone no gancho, ao atender a ligação o apartamento 100 e 200 estarão se
comunicando.

OBS: Para que a operação de transferência entre centrais acopladas funcione corretamente é necessário aumentar o
tempo de flash externo para no mínimo 200ms, ver item 36.6.14.

Catálogo Telefonia -186-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.6 - INSTRUÇÕES PARA REPROGRAMAÇÃO DA CENTRAL


A central já sai pré-programada de fábrica, se houver necessidade é possível reprogramá-la.
ATENÇÃO: A REPROGRAMAÇÃO DA CENTRAL SÓ PODE SER REALIZADA NO RAMAL PROGRAMADOR
(RAMAL 1). SE EXISTIR CENTRAIS DE EXPANSÃO, A PROGRAMAÇÃO DEVERÁ SER REALIZADA NO RAMAL 1 DE
CADA CENTRAL.
COMO REPROGRAMAR:
Sempre que existir a necessidade de reprogramação da central, é necessário entrar no modo de programação.
COMO ENTRAR:
No ramal programador retire o telefone do gancho e disque:
# + 1 (comando para o modo de programação) + 1234 (senha de fábrica da central), e aguarde o sinal do modo de
programação.
O sinal do modo de programação tem como indicação beeps espaçados que se houve enquanto estiver no ambiente de
programação.
IMPORTANTE: TEMPO MÁXIMO DE 3 SEGUNDOS ENTRE O COMANDO E A SENHA.
Após entrar no modo de programação discar o comando e aguardar o sinal de confirmação:
! Comando - Sequência de números que indica o que vai ser reprogramado.
! Sinal de confirmação - indica se a central aceitou a nova programação.
! 3 Beeps curtos - A reprogramação foi aceita.
! 1 Beep longo - A reprogramação foi recusada.
OBS: Se mais de um item tiver de ser programado, basta digitar o próximo comando e aguardar o sinal de confirmação.
Quando finalizar todas as modificações necessárias de programação coloque o telefone no gancho. A programação só
deve ser modificada quando houver esta necessidade.

36.6.1 - ALTERANDO A SENHA DA CENTRAL


A central sai programada com a senha 1234, é possível alterar a senha para qualquer código de 4 dígitos com exceção
de 0000.
PARAALTERAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:
10 + nova senha + nova senha e aguarde o sinal de programação aceita.
Exemplo:
Se você deseja alterar a senha de fábrica (1234) para 5678, no ramal programador entre no modo de programação
discando:
# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:
10 + 5678 + 5678, e aguarde o sinal de programação aceita.

36.6.2 - VOLTANDO À PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA (RESET GERAL)


Ao executar esta operação toda a programação da central volta à configuração original de fábrica. Retire o telefone do
ramal programador do gancho e disque:
# + 79 + # + 333

ATENÇÃO: AO EXECUTAR ESTA OPERAÇÃO TODA REPROGRAMAÇÃO EXISTENTE É PERDIDA.

36.6.3 - REPROGRAMANDO A NUMERAÇÃO DOS APARTAMENTOS OU PORTARIAS


Na programação de fábrica os apartamentos estão numerados NÚMERO DO NÚMERO DO
como descrito na tabela ao lado: RAMAL APARTAMENTO (PORTARIA)
1 1
É possível trocar o número do apartamento ou portaria para 2 2
qualquer número de até 6 dígitos. .. ..
. .
47 47
48 48

Catálogo Telefonia -187-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

40 + número do ramal + * + número do apartamento (até 6 dígitos) + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: NUNCA CONFIGURAR DOIS RAMAIS COM O MESMO NÚMERO DE APARTAMENTO, SE ISTO
ACONTECER SÓ SERÁ CHAMADO O RAMAL DE NUMERAÇÃO MENOR.

36.6.4 - RETORNANDO À NUMERAÇÃO DE FÁBRICA DOS APARTAMENTOS OU PORTARIAS


Com este recurso todos os apartamentos ou portaria voltam a ter o número do ramal onde ele está ligado.

COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

20, e aguarde o sinal de programação aceita.

36.6.5 - NÚMEROS DE RAMAIS DE PORTARIA


PARAALTERAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

58 + número de portarias, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: NA PROGRAMAÇÃO DE FÁBRICA APENAS 1 RAMAL.

NÚMERO DE PORTARIAS NÚMERO DE RAMAIS

As portarias ficam de acordo com a tabela abaixo: 1 1


2 1e2
ATENÇÃO: SERÃO ATENDEDORES DE TRONCO OS RAMAIS 3 1, 2 e 3
CONFIGURADOS COMO PORTARIA. 4 1, 2, 3 e 4

36.6.6 - DEFININDO O TEMPO DE FLASH DOS TELEFONES


A central sai programada para operar com telefones com tempo de FLASH entre 200ms e 500ms. Se o telefone utilizado
possuir um tempo maior, é necessário reprogramar o tempo para o ramal.

COMO ALTERAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

30 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + t (2 a 9).

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=2 200ms t=4 400ms t=6 600ms t=8 800ms


t=3 300ms t=5 500ms t=7 700ms t=9 900ms

Exemplo:
Se quisermos alterar o tempo de FLASH dos telefones conectados nos ramais 1, 2, 3, 4, e 5 da central para 800ms, no
ramal programador entre no modo de programação discando:

# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


30 + 1 + * + 5 + * + 8, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS. NO CASO DE


UM ÚNICO RAMALA SER REPROGRAMADO DEVE-SE REPETIR O NÚMERO DO RAMAL.

36.6.7 - DEFININDO O RAMAL COMO PLACA DE RUA


Ao instalar a placa TH-PVPCDI, TH8210, PCS-CAT, PCBS-CAT ou PIS-CAT, devemos reprogramar o ramal para que a
central o reconheça como placa de rua.

Catálogo Telefonia -188-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
COMO REPROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

25 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + 1

COMO DESPROGRAMAR:
25 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + 0

Exemplo:
A PIS-CAT foi instalada no ramal número 4, para configurá-la, no ramal programador entre no modo de programação
discando:

# + 1 + 1234 (senha de fábrica), aguarde o sinal de programação e em seguida disque:


25 + 4 + * + 4 + * + 1, e aguarde o sinal de programação aceita.

IMPORTANTE: CONFIGURE SOMENTE OS RAMAIS QUE POSSUEM PLACA DE RUA. NÃO É POSSÍVEL
PROGRAMAR O RAMAL 1 COMO PLACA DE RUA. NO CASO DE UM ÚNICO RAMAL A SER PROGRAMADO DEVE-SE
REPETIR O NÚMERO DO RAMAL.

36.6.8 - TRANSFORMANDO O TELEFONE EM UM INTERFONE (HOT-LINE)


A discagem no telefone é desabilitada, ao retirá-lo do gancho ele chama automaticamente o ramal de HOT-LINE.

COMO PROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

44 + número do ramal que efetuará a chamada + * + número do ramal que será chamado (HOT-LINE) + * + 1, e aguarde
o sinal de programação aceita.

COMO DESPROGRAMAR:
44 + número do ramal que efetuará a chamada + * + número do ramal que será chamado (HOT-LINE) + * + 0, e aguarde
o sinal de programação aceita.

OBS: O ramal de HOT-LINE recebe chamadas normalmente.

36.6.9 - PROGRAMANDO A FUNÇÃO PÂNICO


Tem como objetivo indicar aos moradores situações de anormalidade no condomínio.

COMO FUNCIONA:
Sempre que o telefone do ramal de pânico é retirado do gancho, ou o colocamos em curto, iniciamos a função pânico.
Quando iniciada, todos os aparelhos telefônicos ligados à CAT tocam de maneira não simultânea por 1s com uma
intermitência que pode chegar até a 35s. Retirando do gancho qualquer telefone a qualquer instante, escutasse uma sirene
por 1s com pausa de 3s.

COMO PROGRAMAR:
Escolha qualquer ramal livre da central CAT (com exceção do ramal programador) e programe hot-line deste ramal para
ele mesmo.

COMO DESLIGAR:
Esta função só pode ser interrompida quando a central é desligada e ligada novamente.

VERSÃO PROCEDIMENTO
Troca da placa de comando e
IMPORTANTE: ESTA FUNÇÃO SÓ ESTÁ DISPONÍVEL NAS CENTRAIS CAT 1 a 11
troca do microcontrolador.
COM VERSÃO DE SOFTWARE IGUAL OU SUPERIOR A 28. CENTRAIS MAIS
ANTIGAS PODERÃO SER ATUALIZADAS CONFORME TABELA AO LADO. 12 a 27 Troca do microcontrolador.

36.6.10 - DEFININDO O NÚMERO DE LINHAS EXTERNAS


A central sai programada de fábrica com 1 tronco ativo, caso não exista a necessidade de uso, ele deve ser desativado
para liberação de enlace.

COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

21 + número de linhas externas (0 ou 1), e aguarde o sinal de programação aceita.

Catálogo Telefonia -189-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.6.11 - DEFININDO A DISCAGEM NA LINHA EXTERNA (TOM OU PULSO)


O tronco sai programado para discagem em TOM, no caso da linha Opção = 1 Discagem em PULSO
externa trabalhar em PULSO é necessário reprogramá-la. Opção = 0 Discagem em TOM

COMO FUNCIONA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

22 + 1 + opção, e aguarde o sinal de programação aceita.

36.6.12 - DEFININDO OS RAMAIS QUE TEM ACESSO À DISCAGEM NA LINHA EXTERNA


Na programação de fábrica apenas o ramal número 1 tem acesso à discagem na linha externa (classe 3), o acesso à
discagem na linha externa pode ser ativado para qualquer ramal da central.

Existem 4 classes de acesso à linha externa que são:


! Classe 0 - O ramal não tem acesso à linha externa.
! Classe 1 - O ramal tem acesso às ligações locais.
! Classe 2 - O ramal tem acesso às ligações locais e DDD.
! Classe 3 - O ramal tem acesso às ligações locais, DDD e DDI.

COMO PROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

41 + número do primeiro ramal + * + número do último ramal + * + classe (0 a 3), e aguarde o sinal de programação
aceita.

IMPORTANTE: TODOS OS RAMAIS ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO SERÃO REPROGRAMADOS. NO CASO DE


UM ÚNICO RAMAL DEVE-SE REPETIR O NÚMERO DO RAMAL.

36.6.13 - BLOQUEANDO O ATENDIMENTO DE CHAMADAS A COBRAR


A central sai com esta facilidade desativada. Opção = 1 A central bloqueia chamadas a cobrar
Opção = 0 A central não bloqueia chamadas a cobrar

COMO ATIVÁ-LA:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

23 + 1 + opção, e aguarde o sinal de programação aceita.

36.6.14 - CONFIGURANDO O TEMPO DE FLASH NA LINHA EXTERNA


O FLASH na linha externa é utilizado quando se acoplam duas centrais (CAT + CAT, CAT + RIVIERA (PABX) ou
CAT + Central pública), para que uma central possa gerar uma transferência de ligação na outra.

Na programação de fábrica o tempo de FLASH é de 100ms, o seu valor pode ser reprogramado para até 900ms.

COMO REPROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

31 + 1 + * + t + *, e aguarde o sinal de programação aceita.

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=1 100ms t=4 400ms t=7 700ms


t=2 200ms t=5 500ms t=8 800ms
t=3 300ms t=6 600ms t=9 900ms

36.6.15 - HABILITANDO A INTERFACE DE CÂMERAS (OPCIONAL)


Após instalar a placa de câmera é necessário habilitá-la.

Catálogo Telefonia -190-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48
COMO PROGRAMAR:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

64 + 6, e aguarde o sinal de programação aceita.

Em seguida basta definir o número de câmeras do monitor 1 e monitor 2.

COMO PROGRAMAR MONITOR 1:


60 + número de câmeras (0 a 6), e aguarde o sinal de programação aceita.

COMO PROGRAMAR MONITOR 2:


61 + número de câmeras (0 a 6), e aguarde o sinal de programação aceita.

OBS: Para desabilitar a interface, basta configurar o número de câmeras do monitor 1 e do monitor 2 como zero.

36.6.16 - MODIFICANDO O TEMPO DE VISUALIZAÇÃO DAS CÂMERAS

A interface de câmeras possui duas saídas para monitor distintas, na programação de fábrica o tempo de visualização de
cada câmera é de 3s para os monitores 1 e 2.

PARAALTERAR MONITOR 1:
No ramal número 1 (programador), entre no modo de programação, em seguida disque:

62 + t, e aguarde o sinal de programação aceita.

PARAALTERAR MONITOR 2:
63 + t, e aguarde o sinal de programação aceita.

t pode assumir os valores abaixo relacionados:

t=1 100ms t=4 400ms t=7 700ms


t=2 200ms t=5 500ms t=8 800ms
t=3 300ms t=6 600ms t=9 900ms

36.6.17 - ACOPLANDO DUAS CENTRAIS

É possível acoplar até duas centrais CAT, podendo ter no máximo dois enlaces entre estas centrais.

Para 1 enlace de comunicação entre as centrais (3 enlaces internos) é necessário:


! Um tronco livre em cada central.
! Um ramal livre em cada central.

ATENÇÃO: NESTE CASO NÃO EXISTE A POSSIBILIDADE DE INSTALAÇÃO DE LINHATELEFÔNICA.

Tronco livre Ramal livre Tronco livre Ramal livre

CENTRAL 1 CENTRAL 2
L1 L1

Figura 36

Catálogo Telefonia -191-


CENTRAL AUTOMÁTICA DE COMUNICAÇÃO
TELEFÔNICA - CÓDIGO: CAT-48

36.6.18 - FUNÇÃO VÍDEO PORTEIRO

Com esta facilidade, é possível implementar um sistema de comunicação onde o morador pode visualizar a pessoa que se
encontra na placa de rua. Esta visualização é feita através de câmeras que devem estar ligadas à central (versão de software
10 ou superior). É recomendado utilizar esta função caso exista duas ou mais placas TH-PVPCDI ou TH8210 do sistema
vídeo porteiro coletivo.

OBS: Para que este sistema funcione é desejável que o prédio possua um sistema de antena coletiva ou TV a cabo, assim
o sinal de vídeo obtido na saída para o MONITOR 2 deve ser modulado em um canal livre, e misturado com os canais
existentes da coletiva do prédio. No caso do prédio não possuir antena coletiva será necessário a implementação de uma
coletiva para o sistema de câmeras.

IMPORTANTE: É NECESSÁRIO A INTERFACE DE CÂMERAS PIC-CAT48.

COMO FUNCIONA:
Sempre que um ramal (placa de porteiro