Вы находитесь на странице: 1из 8

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Introdução������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Tempo do Crime (4º art. do CP)���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Lugar do Crime (art. 6º do CP)�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Lei Penal no Tempo (artigos 2º e 3º do CP)���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Conflito de Lei Penal no Tempo����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Lei Penal Excepcional e Temporária (art. 3º do CP)�������������������������������������������������������������������������������������������������4
Lei Penal no Espaço (artigos. 5º e 7º do CP)�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Introdução
Tempo do Crime (4º art. do CP)
De acordo com o art. 4º do CP:
Considera-se praticado o crime no MOMENTO DA AÇÃO OU OMISSÃO, ainda que outro seja o
momento do resultado.
Para determinar o tempo do crime, a doutrina criminal tem apresentado três teorias, quais
sejam, a teoria da atividade, do resultado e da ubiquidade (mista).
• T
eoria da Atividade: O crime ocorre no momento em que foi praticada a ação ou omissão,
ou seja, a conduta criminosa. Ex.: o crime de homicídio é praticado no momento em que o
agente dispara a arma de fogo com a intenção de matar a vítima;
• T
eoria do Resultado: O crime ocorre no momento em que ocorreu o resultado. Ex.: o crime
de homicídio é praticado no momento em que a vítima morreu, ainda que outro tenha sido
o momento da ação;
• T
eoria da Ubiquidade: Também conhecida por teoria mista, já que para esta teoria o crime
ocorre tanto no momento em que foi praticada a ação ou omissão (atividade) como quando
se produziu, ou deveria se produzir o resultado (resultado).
O Código Penal adota claramente, em seu artigo 4º, a TEORIA DA ATIVIDADE para determi-
nar o tempo do crime. Observe:
Obs.: EFEITOS DA TEORIA DA ATIVIDADE PARA O TEMPO DO CRIME
A adoção da teoria da atividade para a determinação do tempo do crime apresenta algumas con-
sequências:
1. Aplica-se a lei em vigor ao tempo da conduta, exceto se a do tempo do resultado for mais
benéfica.
2. Apura-se a imputabilidade NO MOMENTO DA CONDUTA.
3. Nos crimes permanentes, enquanto perdura a ofensa ao bem jurídico (Exemplo: extorsão
mediante sequestro), o tempo do crime se dilatará pelo período de permanência. Assim, se o autor,
menor, durante a fase de execução do crime vier a atingir a maioridade, responderá segundo o
Código Penal e não segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente — ECA (Lei n. 8.069/90).
4. Nos crimes continuados em que os fatos anteriores eram punidos por uma lei, operando-se
o aumento da pena por lei nova, aplica-se esta última a toda unidade delitiva, desde que sob a sua
vigência continue a ser praticado.
SÚMULA 711 DO STF
A LEI PENAL MAIS GRAVE APLICA-SE AO CRIME CONTINUADO OU AO CRIME
PERMANENTE, SE A SUA VIGÊNCIA É ANTERIOR À CESSAÇÃO DA CONTINUIDADE
OU DA PERMANÊNCIA.
5. No Crime Habitual em que haja sucessão de leis, deve ser aplicada a nova, ainda que mais
severa, se o agente insistir em reiterar a conduta criminosa.

Lugar do Crime (art. 6º do CP)


Foi visto que, em relação à lei penal no tempo, é aplicada a teoria da atividade, ou seja, considera-
se praticado o crime no momento da ação ou da omissão, independente do momento do resultado.
O mesmo não acontece com o lugar do crime. A teoria adotada aqui é a da UBIQUIDADE OU
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

MISTA, a qual afirma que é considerado local de crime tanto o local em que ocorrer a ação ou a
omissão quanto o local que produziu ou que deveria se produzir o resultado.
Art. 6º – Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte,
bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado.
Vale dizer que o Art. 6º do CP só se aplica aos crimes a distância, crimes em que parte do crime
acontece no Brasil, outra parte ocorre no estrangeiro.
Diferente nos crimes plurilocais, em que a ação/omissão e resultado acontecem sempre no Brasil,
aqui portanto a regra não será mais a de definir o lugar do crime, uma vez que este já foi definido
como o Brasil. No entanto, há um conflito de conflito de COMPETÊNCIA a ser resolvido pelo art.
70 do Código de Processo Penal (CPP) e que, por sinal, adota outra teoria: a do RESULTADO
Art. 70. A competência será, de regra, determinada pelo lugar em que se consumar a infração, ou, no caso
de tentativa, pelo lugar em que for praticado o último ato de execução.

Lei Penal no Tempo (artigos 2º e 3º do CP)


A lei penal, assim como qualquer outro dispositivo legal, passa por um processo legislativo,
ingressa no nosso ordenamento jurídico e vigora até a sua revogação, que nada mais é do que a
retirada da vigência de uma lei.
A regra geral no Direito Penal é a da prevalência da lei que se encontrava em vigor quando da
prática do fato, ou seja, aplica-se a LEI VIGENTE quando da prática da conduta – Princípio do
“TEMPUS REGIT ACTUM” – TEORIA DA ATIVIDADE (não confunda com a Teoria da Ativi-
dade para definição do momento do crime, já que, além de mesmo nome, uma define a atividade do
AGENTE (momento da conduta ou atividade), a outra define a atividade da LEI (tempo de sua ativi-
dade ou validade / eficácia / vigência).
→→ Sendo assim, devemos sempre lembrar que:
REGRA GERAL: a lei penal incide sobre fatos ocorridos durante a sua vigência (tempus regit
actum).

Conflito de Lei Penal no Tempo


Importante salientar que pode haver conflito no tempo sobre a aplicação da correta lei ao caso
concreto, já que as leis se sucedem no tempo e podem (APARENTEMENTE) incidir de forma con-
comitante.
→→ Vejamos estas hipóteses:
a) NOVATIO LEGIS INCRIMINADORA
Novatio legis incriminadora ocorre quando um indiferente penal (conduta considerada lícita
frente à legislação penal) passa a ser considerado crime pela lei posterior. Neste caso, a lei que incri-
mina novos fatos é IRRETROATIVA, uma vez que prejudica o sujeito.
Art. 5º
[...]
XL – a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
b) LEI PENAL MAIS GRAVE – LEX GRAVIOR
Aqui não temos a tipificação de uma conduta antes descriminalizada, mas a aplicação de trata-
mento mais rigoroso a um fato já constante como delito. Para esta situação também não há que se
falar em retroatividade
c) ABOLITIO CRIMINIS
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

O instituto da abolitio criminis ocorre quando uma lei nova trata como lícito fato anteriormente
tido como criminoso, ou melhor, quando a lei nova descriminaliza fato que era considerado infração
penal.
→→ Encontra embasamento no artigo 2º do Código Penal, que dispõe da seguinte forma:
Art. 2º – Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em
virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória.
Não se confunde a descriminalização com a despenalização, haja vista a primeira delas (des-
criminalização) retirar o caráter ilícito do fato, enquanto que a outra é o conjunto de medidas que
visam eliminar ou suavizar a pena de prisão. Assim, na despenalização a conduta ainda é considera-
da um crime.
Segundo os princípios que regem a lei penal no tempo, a lei abolicionista É NORMA PENAL
RETROATIVA, atingindo fatos pretéritos, ainda que acobertados pelo manto da coisa julgada. Isto
porque o respeito à coisa julgada é uma garantia do cidadão em face do Estado. Logo, a lei posterior
só não pode retroagir se for prejudicial ao réu.
Entende a maioria da doutrina, inclusive o Supremo Tribunal Federal, que é perfeitamente
possível abolitio criminis por meio de medida provisória. Cite-se como exemplo o seguinte julgado
do STF:
STF – AI 680.361/SC – DJ 9.03.2010
Medida provisória: sua inadmissibilidade em matéria penal – extraída pela doutrina consensual –
da interpretação sistemática da Constituição – , não compreende a de normas penais benéficas, assim,
as que abolem crimes ou lhes restringem o alcance, extingam ou abrandem penas ou ampliam os casos
de isenção de pena ou de extinção de punibilidade.
d) LEI PENAL MAIS BENÉFICA
→→ O artigo 2º do Código Penal dispõe:
Art. 2º[...]
Parágrafo único – A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores,
ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado.
A RETROATIVIDADE É AUTOMÁTICA, DISPENSA CLÁUSULA EXPRESSA E
ALCANÇA INCLUSIVE OS FATOS DEFINITIVAMENTE JULGADOS!
OBS: Somente podemos falar em RETROATIVIDADE quando lei posterior for mais benéfica ao
agente, em comparação àquela que estava em vigor quando o crime foi praticado.
Um delito que é praticado durante a vigência de uma lei que posteriormente é revogada por outra
prejudicial ao agente, ocorrerá a ULTRATIVIDADE da lei.
Quando se diz que uma lei penal é dotada de ultratividade, quer-se afirmar que ela, apesar de não
mais vigente, continua a vincular os fatos anteriores à sua saída do sistema.
Do exposto, podemos resumir:
RETROATIVIDADE: Fenômeno jurídico em que se aplica uma norma a fato ocorrido antes do
início da vigência da nova lei.
ULTRATIVIDADE: Fenômeno jurídico pelo qual há a aplicação da norma após a sua revogação.

Lei Penal Excepcional e Temporária (art. 3º do CP)


Como menciona o art. 3º do CP:
“ A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as cir-
cunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência”.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

EIS TEMPORÁRIAS: são aquelas que trazem em seu texto o tempo determinado de
• L
sua validade.
EIS EXCEPCIONAIS: são as que têm sua eficácia vinculada a um acontecimento do
• L
mundo fático, como, por exemplo, uma guerra.
As leis excepcionais e temporárias são auto-revogáveis, ou seja, não há necessidade da edição de
outra lei para retirá-las do ordenamento jurídico.
É suficiente para tal o decurso do prazo ou mesmo o término de determinada situação.
Para que sua aplicabilidade seja plena, o legislador percebeu ser necessária a manutenção de seus
efeitos punitivos após sua vigência aos que afrontaram a norma quando vigorava.
Desta forma, podemos afirmar que as LEIS EXCEPCIONAIS E TEMPORÁRIAS POSSUEM
ULTRATIVIDADE, pois, conforme exposto, aplicam-se sempre ao fato praticado durante sua
vigência. O fundamento da ultra-atividade é claro e a explicação está prevista na Exposição de
Motivos do Código Penal, nos seguintes termos:
“É especialmente decidida a hipótese da lei excepcional ou temporária, reconhecendo-se a sua ul-
tra-atividade. Esta ressalva visa impedir que, tratando-se de leis previamente limitadas no tempo,
possam ser frustradas as suas sanções por expedientes astuciosos no sentido do retardamento dos pro-
cessos penais. “

Lei Penal no Espaço (artigos. 5º e 7º do CP)


O Código Penal trata de maneira detalhada da aplicação da Lei Penal no espaço e, assim, torna
claro para a sociedade onde as normas definidas pelo Legislador Brasileiro serão aplicadas.
A REGRA para dirimir conflitos e dúvidas é a utilização do princípio da TERRITORIALIDA-
DE, ou seja, aplica-se a lei penal aos crimes cometidos em território nacional. Tal preceito encontra-
se no Código Penal:
Art. 5º – Aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional,
ao crime cometido no território nacional.
Há exceções que ocorrem quando o brasileiro pratica crime no exterior ou um estrangeiro
comete delito no Brasil. Fala-se, assim, que o Código Penal adotou o princípio da TERRITORIALI-
DADE TEMPERADA OU MITIGADA.
a) PRINCÍPIO DE TERRITORIALIDADE
Em termos jurídicos, território é o espaço em que o Estado exerce sua soberania política.
Art. 5º [...]
§ 1º – Para os efeitos penais, consideram-se como extensão do território nacional as embarcações e
aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem,
bem como as aeronaves e as embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, que se achem,
respectivamente, no espaço aéreo correspondente ou em alto mar.
§ 2º – É também aplicável a lei brasileira aos crimes praticados abordo de aeronaves ou embarcações
estrangeiras de propriedade privada, achando-se aquelas em pouso no território nacional ou em voo no
espaço aéreo correspondente, e estas em porto ou mar territorial do Brasil.
Considera-se território brasileiro a porção geográfica mais aquilo que se entende por território
por extensão
˃˃ P
ORÇÃO GEO: compreende o espaço terrestre, aéreo, subsolo e até 12 milhas marítimas mar
adentro;
˃˃ P
ORÇÃO POR EXTENSÃO: compreende as embarcações e aeronaves públicas fora do territó-
rio. Ainda se considera território por extensão as embarcações privadas a serviço do Brasil em
território estrangeiro ou embarcações privadas em “mar de ninguém”.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

ATENÇÃO! A embaixada estrangeira no Brasil NÃO É considerada território estrangeiro!


Assim, se ocorrer um homicídio dentro dessa repartição, quem investigará ou julgará o caso será
o Brasil, salvo em se tratando de autoridade com imunidade!
Excepcionalmente, poderá ser aplicada a lei estrangeira em território brasileiro, como no caso de
tratado internacional previsto entre países. É o que acontece quando o presidente norte americano
vem ao Brasil e aqui bate em um brasileiro. Nesse caso, aplica-se a lei norte americana ao presidente
estadunidense. Isso é chamado de INTRATERRITORIALIDADE.
ATENÇÃO! Como é possível a aplicação de lei estrangeira no Brasil, a doutrina e as bancas
afirmam que o Brasil adota a teoria da territorialidade TEMPERADA OU MITIGADA!
ATENÇÃO! O princípio da passagem inocente versa que se um fato é cometido a bordo de um
navio ou avião estrangeiro de propriedade privada, que esteja apenas de passagem pelo território
brasileiro, não será aplicado a lei brasileira, se o crime não afetar em nada interesses brasileiros.
→→ Outros princípios de lei penal no espaço
˃˃ PRINCÍPIO DA PERSONALIDADE OU NACIONALIDADE ATIVA: aplica-se a lei penal
do país a que pertence o agente ativo do crime, pouco importando o local do crime, a nacionali-
dade da vítima ou o bem jurídico violado.
˃˃ PRINCÍPIO DA PERSONALIDADE OU NACIONALIDADE PASSIVA: aplica-se a lei da
nacionalidade do ofendido. Há doutrina que também afirma que o agente deve ferir o bem
jurídico do seu próprio estado.
˃˃ PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO OU DEFESA REAL: aplica-se a lei da nacionalidade do bem
jurídico lesado, não importando o local da infração ou a nacionalidade do agente.
˃˃ PRINCÍPIO DA JUSTIÇA PENAL UNIVERSAL: o agente fica sujeito à lei do país onde for
encontrado, não importando o bem jurídico, a nacionalidade ou a vítima. Está presente princal-
mente em tratados internacionais.
˃˃ PRINCÍPIO DA REPRESENTAÇÃO, PAVILHÃO OU BANDEIRA: aplica-se a lei penal
nacional aos crimes cometidos em embarcações e aeronaves privados quando em local sem ju-
risdição ou quando praticados no estrangeiro e lá não forem julgados.
b) PRINCÍPIO DA EXTRATERRITORIALIDADE
O artigo 7ª do CP inaugura o que se chama de extraterritorialidade de lei penal (aplicada apenas
a crimes, contravenções nunca), a qual consiste na aplicação da lei penal fora do Brasil obedecidas
algumas hipóteses. Assim, o inciso I apresenta algumas situações em que sempre haverá aplicação
de lei brasileira, independente se o agente foi ABSOLVIDO ou CUMPRIU PENA no estrangeiro.
Por isso, o inciso I do art. 7ª é chamado de EXTRATERRITORIALIDADE INCONDICIONADA.
Art. 7º – Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:
I – os crimes:
a) contra a VIDA ou a LIBERDADE do Presidente da República;
b) contra o PATRIMÔNIO ou a FÉ PÚBLICA da União, do Distrito Federal, de Estado, de Território,
de Município, de empresa pública, sociedade de economia mista, autarquia ou fundação instituída
pelo Poder Público;
c) contra a ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, por quem está A SEU SERVIÇO;
d) de GENOCÍDIO, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil;*
O inciso II, parágrafos 1º e 2º do CP apresenta a chamada EXTRATERRITORIALIDADE
CONDICIONADA. Para aplicar esse inciso, é preciso o agente do crime obedecer algumas situa-
ções. São elas:
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

II – os crimes:
a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a reprimir;
b) praticados por brasileiro;
c) praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada,
quando em território estrangeiro e aí não sejam julgados.
§ 1º – Nos casos do inciso I, o agente é punido segundo a lei brasileira, ainda que absolvido ou conde-
nado no estrangeiro.
§ 2º – Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasileira depende do concurso das seguintes condi-
ções:
a) entrar o agente no território nacional;
b) ser o fato punível também no país em que foi praticado;
c) estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira autoriza a extradição;
d) não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí cumprido a pena;
e) não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou, por outro motivo, não estar extinta a punibilida-
de, segundo a lei mais favorável.
ATENÇÃO! Aplica-se as cinco condições CUMULATIVAMENTE!
Por fim, ainda é preciso estudar outra hipótese de extraterritorialidade de lei penal brasileira, tal
qual chamada pela doutrina de hipercondicionada. Essa última hipótese se utiliza do princípio da
NACIONALIDADE PASSIVA e deve ser aplicada ao ESTRANGEIRO QUE COMETE CRIME
CONTRA O BRASILEIRO FORA DO BRASIL, logo, há possibilidade de punir o estrangeiro caso
sejam obedecidas as condições da extraterritorialidade condicionada associada ao parágrafo 3º:
§ 3º – A lei brasileira aplica-se também ao CRIME COMETIDO POR ESTRANGEIRO CONTRA
BRASILEIRO FORA DO BRASIL, se, reunidas as condições previstas no parágrafo anterior:
a) não foi pedida ou foi negada a extradição;
b) houve requisição do Ministro da Justiça.
Exercícios
01. A lei penal que beneficia o agente não apenas retroage para alcançar o fato praticado antes de
sua entrada em vigor, como também, embora revogada, continua a reger o fato ocorrido ao
tempo de sua vigência.
Certo ( ) Errado ( )
02. Lugar do crime, para os efeitos de incidência da lei penal brasileira, é aquele onde foi praticada
a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como aquele onde se produziu ou, no caso da
tentativa, teria sido produzido o resultado.
Certo ( ) Errado ( )
03. O direito penal brasileiro adotou expressamente a teoria absoluta de territorialidade quanto à
aplicação da lei penal, adotando a exclusividade da lei brasileira e não reconhecendo a validez
da lei penal de outro Estado.
Certo ( ) Errado ( )
04. Dado o reconhecimento, na CF, do princípio da retroatividade da lei penal mais benéfica como
garantia fundamental, o advento de lei penal mais favorável ao acusado impõe sua imediata
aplicação, mesmo após o trânsito em julgado da condenação. Todavia, a verificação da lex
mitior, no confronto de leis, é feita in concreto, cabendo, conforme a situação, retroatividade
da regra nova ou ultra-atividade da norma antiga
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

05. De acordo com a lei penal brasileira, o território nacional estende-se a embarcações e aeronaves
brasileiras de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro, onde quer que se encontrem.
Certo ( ) Errado ( )
06. A lei excepcional ou temporária aplica-se aos fatos praticados durante a sua vigência, salvo
quando decorrido o período de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a determina-
ram.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Errado
04 - Certo
05 - Certo
06 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8

Вам также может понравиться