Вы находитесь на странице: 1из 11

Ginástica Acrobática

Trabalho realizado por:

Márcia

Educação Física

2009-2010

1
Ginástica Acrobática

Introdução

Com a realização deste trabalho no âmbito da


disciplina de educação física pretende-se adquirir
conhecimentos em relação à ginástica acrobata,
saber o seu contributo tanto a nível físico como
psicológico para quem a prática, saber a sua origem
e evolução, bem como em que consiste.

A ginástica acrobática é a cooperação entre dois,


três ou quatro ginastas que trabalham em equipa na
realização de elementos mão contra mão, onde o
equilíbrio e a qualidade são mais importantes.

A ginástica acrobática engloba muitos movimentos


de solo da ginástica artística, porém a execução de
exercícios são diferentes assim como certas
características e exigências desta modalidade.

2
Ginástica Acrobática

Origem Histórica

A palavra acrobata é de origem grega (akróbatos) e


significava aquele que dançava ou fazia equilíbrio.

Em 1881, o belga N.J. Cuperus fundou o “Bureau”


das Federações Europeias de Ginástica, tendo sido
alterado em 1922 na Federação Internacional de
Ginástica.

A Ginástica Acrobática como actividade desportiva


organizada é um desporto recente, sob a tutela da
Internacional Federation of Sport Acrobatics (IFSA).
Teve origem em 1973, no entanto, a sua expansão
tem sido um grande sucesso e actualmente abrange
todos os continentes.

Em Portugal, a Federação Portuguesa de Ginástica


foi criada a 20 de Novembro de 1950, sendo a única
entidade responsável pela ginástica. Em Portugal, a
primeira competição organizada foi realizada em
1982, no ginásio da Escola Pedro Nunes. Mas a 6 de
Dezembro de 1990 foi
criada a
Federação
Portuguesa de
Trampolins e
Desportos
Acrobáticos.

3
Ginástica Acrobática

Identificação

A ginástica acrobática é a cooperação entre dois,


três ou quatro companheiros na realização de
elementos mão contra mão e onde o equilíbrio e a
qualidade mais importante.

A ginástica acrobática pode ser carácter individual


ou colectivo:

Exercício individual (tumbling, termo de origem


norte-americana)

É composto por um encandeamento rápido de


elementos acrobáticos em rotação, podendo-se
apoiar apenas as mãos e os pés, sem paragem ou
sem passos intermédios, ou quebra acentuada do
ritmo de movimento.

Exercício de pares feminino, masculino ou misto.

É composto pelo encadeamento de elementos com


um companheiro, com acompanhamento musical e
uma duração de dois minutos e trinta segundos
(2min e 30s).

Exercício em grupo

Realiza-se em grupo de senhoras (três) ou em grupo


de homens (quatro).

4
Ginástica Acrobática

Todas as figuras de equilíbrio devem ser mantidas


durante 3 segundos (pares/grupo).

Cada esquema
terá de ser elaborado

respeitando determinados requisitos especiais, que


são obrigatórios correndo o risco de sofrer
penalizações se estes não existirem. Os requisitos
especiais são compostos por: elementos/figuras de
par/grupo que são elementos de equilíbrio,
dinâmicos e combinados, elementos, individuais,
catches e desmontes.

Juízes

A equipa de arbitragem é constituída por oito


árbitros, mais auxiliares, com funções de: juízes de
execução (quatro), juízes de artística (quatro), juízes
de dificuldade (um) e chefe do painel de juízes (um).

As entidades têm de enviar diagramas, ilustração


dos exercícios, alguns dias antes da competição para
o comité organizador fazer o cálculo da nota de
dificuldade.

5
Ginástica Acrobática

Pontuação

A nota final do exercício é definida por aquilo que é


executado e consta no diagrama e é o resultado da
soma da nota de execução (não há limite), mais a
nota artística, até dez pontos, mais a nota de
dificuldade, até cinco pontos, menos as
penalizações, no que respeita a requisitos especiais,
diferenças de altura e faltas de tempo nas figuras ou
excesso de tempo da rotina, que não pode
ultrapassar os dois minutos e trinta segundos.

Fundamentos Técnicos

6
Ginástica Acrobática

Na realização de qualquer exercício acrobático, é


fundamental o ginásio possuir um grande equilíbrio e
domínio do corpo.

Atendendo á sua especialidade, os ginastas devem


possuir uma constituição física adequada:

-o “base”, estatura média-alta

-o “volante”, uma estatura baixa-média e deve ser


leve.

Durante o período de exercitação, deve dar-se


atenção á situação particular do “base” e do
“volante”, criando um trabalho individualizado, no
sentido de uma melhor eficácia dos exercícios e
para, numa coreografia, saber passar de uma série
dinâmica para uma figura estática e vice-versa.

-elementos de equilíbrio para o “base”;

-elementos técnicos dos apoios


para o “volante”.

Os ginastas devem ter a desenvolver as capacidades


motoras, especialmente a flexibilidade, a força, a
coordenação e o empenhamento pessoal, para além
de força de vontade, responsabilidade,
companheirismo e amizade.

7
Ginástica Acrobática

Durante a aprendizagem, atenção do ginasta centra-


se na tonicidade muscular (contracção), para haver
sucesso na execução dos exercícios.

A harmonia de movimentos, a adaptação ao


companheiro e a concentração nos exercícios fazem
parte dos requisitos desta actividade, para alcançar
determinada perfeição gímnica.

A escolha dos companheiros é um factor muito


importante. Em geral, só depois de se adquirirem os
elementos básicos da acrobacia no solo, como o
equilíbrio, os saltos, as rotações, é que se deve
avançar para os exercícios de pares.

Posições Básicas

Antes de se iniciar o “monte”, os ginastas devem


possuir uma atitude gímnica de concentração e só
deverão relaxar após a recepção controlada no solo.
O “desmonte” é um elemento técnico no qual o
“volante” só contacta com o solo no momento da
recepção. É importante ter sempre que um
“desmonte” não deve ser uma queda para o solo. O
“desmonte” deve ser controlado, a fim de se
terminar com braços elevados superiormente.

Formas de impulsionar o “volante”

As pegas de apoio e entrelaçada são usadas na


realização de elementos aéreos. A pega de pé/mão
tem a função de suporte e simultaneamente de
impulsão, com saída de ombros do base.

8
Ginástica Acrobática

Exercícios de pares

Na competição de pares, para a realização de um


exercício completo, é preciso combinar os elementos
de pares com os elementos individuais.

Elementos individuais:

Categoria um:

-elementos de equilíbrio (ex:”avião”, posição de


“vela”);

-elementos de flexibilidade (ex:”ponte”, espargata


frontal);

-elementos acrobáticos (ex: roda, salto de “peixe”);

-elementos coreográficos (ex: pirueta, salto de


“gato”, salto de “tesoura”, passo-troca-passo).

Categorias dois:

-elementos de
flexibilidade;

-elementos acrobáticos.

9
Ginástica Acrobática

Conclusão

Ao realizar este trabalho pôde-se obter


conhecimentos mais profundos da ginástica, o que
contribui a nível físico e psicológico; Também se
pôde conhecer melhor a execução de exercícios
físicos e as suas características principais.
10
Ginástica Acrobática

Em relação à sua origem ficou-se a saber que teve


origem na Europa e que o seu nome é de origem
grega. Em Portugal deu-se a primeira competição em
1982, sendo por isso um desporto recente.

Bibliografia

- Livro de Educação Física 7º,8º,9º anos “Jogo


Limpo” porto editora.

11