Вы находитесь на странице: 1из 4

ANALISTA PROCESSUAL DO MPU

DIREITO CIVIL
PROFESSOR MÁRIO GODOY
FICHA 2

1. (Anal. Jud./Judiciária/TRT 17ª/2009/CESPE) A respeito das pessoas naturais e


jurídicas, e do domicílio, julgue os seguintes itens.
___ Nas associações, não há direitos e obrigações recíprocos entre os associados.
___ O domicílio voluntário da pessoa natural poderá subsistir ante a superveniência do
domicílio legal ou necessário.
___ Os maiores de dezesseis anos e menores de dezoito anos de idade são destituídos
da personalidade jurídica, razão pela qual são absolutamente incapazes de exercer
pessoalmente os atos da vida civil.
___ A declaração de ausência acarreta a incapacidade do ausente.

2. (DPE-ES/2009/CESPE) De acordo com o Código Civil, julgue os itens seguintes.


___ O indivíduo não pode ser constrangido a submeter-se a tratamento ou a
intervenção cirúrgica com risco de morte.
___ A União, os estados, o DF e os municípios são, de acordo com o Código Civil, as
únicas pessoas jurídicas de direito público interno.
___ No que concerne a domicílio, é correto afirmar que, tendo uma pessoa natural
vivido sucessivamente em diversas residências, qualquer uma delas será considerada
como domicílio seu.

3. (Anal. Jud./Exec. Mandados/TRT17ª/2009/CESPE) A respeito das pessoas


naturais e jurídicas, e do domicílio, julgue os seguintes itens.
___ No caso de preso ainda não condenado, o domicílio deste será o voluntário.
___ Personalidade jurídica é a potencialidade de a pessoa adquirir direitos ou contrair
obrigações na ordem civil.
___ Pode ser declarada por sentença a morte presumida da pessoa natural sem a
necessidade da decretação da sua ausência.

Fatos e Atos Jurídicos: forma e prova dos atos jurídicos; nulidade e


anulabilidade dos atos jurídicos; atos jurídicos ilícitos; abuso de direito.

4. (Anal. Jud./Judiciária/TRT 17ª/2009/CESPE) Julgue os seguintes itens, relativos


ao negócio jurídico, aos atos jurídicos lícitos e aos atos ilícitos.
___Todo ato jurídico se origina de uma emissão de vontade, mas nem toda declaração
de vontade constitui um negócio jurídico.
___ O ato ilícito poderá originar ou criar um direito para quem o comete.

5. (CESPE/PGE-PI – Procurador do Estado/2008) – Quanto aos atos ilícitos e ao


abuso de direito, assinale a opção correta.
___ Para se configurar a responsabilidade por ato ilícito, ainda que não tenha causado
efetivo prejuízo, é necessária, no momento da conduta, a verificação de dolo ou culpa
por parte do agente, bem como a verificação da gradação da culpa em grave, leve ou
levíssima.

1
___ Quando inúmeras causas sucessivas contribuem para a
produção do efeito danoso, qualquer dessas causas pode ser
considerada suficiente para demonstrar o nexo de causalidade e imputar ao seu autor
o dever de indenizar.
___ Os atos ilícitos praticados em legítima defesa ou no exercício regular de um
direito, que provoquem deterioração ou destruição da coisa alheia ou lesão a pessoa,
não geram o dever de indenizar.
___ O abuso de direito, que é uma das fontes de obrigações, caracteriza-se não pela
incidência da violação formal a direito, mas pela extrapolação dos limites impostos
pelo ordenamento jurídico para o seu exercício.
___ O abuso de direito configura-se como ato ilícito e a responsabilidade dele
decorrente depende de dolo ou culpa, tendo, portanto, natureza subjetiva. Assim, para
o reconhecimento desse ato ilícito, é imprescindível que o agente tenha a intenção de
prejudicar um terceiro, que, por sua vez, ao exercer determinado direito, tenha
excedido manifestamente os limites impostos pela finalidade econômica ou social,
pela boa-fé ou pelos bons costumes.

6. (CESPE/AGU – Advogado da União /2008) Ricardo, que dirigia seu carro em


velocidade normal, atropelou Raimundo, causando-lhe sérios ferimentos. Em
depoimento prestado na delegacia de polícia, Ricardo afirmou que o atropelamento
ocorrera por motivos de força maior, haja vista que trafegava normalmente pela via
quando um motoqueiro, dirigindo em alta velocidade, cruzou a frente do veículo que
ele conduzia, não lhe tendo restado outra alternativa senão a de desviar o carro para
o acostamento. Alegou, ainda, que não havia visto Raimundo, que aguardava pelo
ônibus no acostamento, e que, se não tivesse desviado o veículo, ele poderia ter
causado a morte do motoqueiro. Testemunhas confirmaram a versão de Ricardo. Com
base nessa situação hipotética, julgue o item que se segue.
___ A despeito de o ato praticado por Ricardo não ser considerado ilícito civil, ele terá
a obrigação de indenizar Raimundo, caso haja o ajuizamento de ação com esse fim.

7. (Anal. Jud./Exec. Mandados/TRT 17ª/2009/CESPE) Julgue os itens que se


seguem, a respeito do negócio jurídico, dos atos jurídicos lícitos e dos atos ilícitos.

___ O agente capaz que contratar com pessoa relativamente incapaz estará autorizado
a invocar em seu favor a incapacidade relativa desta, desde que indivisível a
prestação objeto do direito ou da obrigação comum.

8. (CESPE/BACEN – Procurador/2009) A respeito dos elementos, dos defeitos e da


validade dos atos jurídicos, assinale a opção correta.
___ A conversão substancial do negócio jurídico é meio jurídico capaz de sanar sua
invalidade absoluta.
___ Embora haja significativas diferenças entre nulidade e anulabilidade, ambas são
reconhecidas por meio de ação desconstitutiva.

9. (CESPE/IEMA – Advogado/2007) Com relação a negócios jurídicos, julgue os


itens seguintes.
_ Quanto a sua formação, os negócios jurídicos são sempre bilaterais, fazendo-se
necessária a declaração de vontade de duas ou mais pessoas para que o negócio se
complete validamente, o que caracteriza uma relação contratual.

2
10. (EMBASA/Direito/2009/CESPE)
Um menor com 15 anos de idade, não emancipado, realizou um
negócio jurídico sem a intervenção de seu representante legal. O
referido negócio jurídico, em princípio, não causa prejuízo ao incapaz, porém, se não
for gerido de forma correta, poderá comprometer seu patrimônio. Com base nessa
situação, julgue os itens seguintes.
___ Por ter sido celebrado por pessoa absolutamente incapaz, esse negócio jurídico é
anulável.
___ O negócio jurídico, nos termos apresentados, não pode ser confirmado pelo o
tempo, não se sujeitando a prazo prescricional ou decadencial, e os efeitos da
sentença que reconhecer a invalidade do negócio jurídico terão efeito ex tunc.

11. (CESPE/TJDFT – Analista Judiciário – Área Judiciária/2008) Quanto ao


negócio jurídico no âmbito do atual Código Civil, julgue os itens a seguir.
___ O Código Civil, ao afirmar, peremptoriamente, que o negócio jurídico nulo não é
suscetível de confirmação, acabou por rejeitar, em seu sistema, o princípio da
conservação do negócio jurídico.
___ São anuláveis os negócios jurídicos, quando as declarações de vontade emanarem
de erro substancial que poderia ser percebido por pessoa de diligência normal, em
face das circunstâncias do negócio.

12. (DPE-ES/2009/CESPE) Acerca dos atos e fatos jurídicos no direito civil, julgue os
itens
a seguir.
___ Com relação à validade do negócio jurídico, considera-se que, não dispondo a lei
em contrário, a escritura pública apenas é essencial à validade dos negócios jurídicos
que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais
sobre imóveis de valor superior a sessenta vezes o maior salário mínimo vigente no
país.
___ Será nulo o negócio jurídico se o motivo determinante de uma das partes for ilícito.
___ A interrupção da prescrição, quando efetuada contra o devedor solidário,
envolverá os demais, incluindo os seus herdeiros.

13. (CESPE/DPGE-CE – Defensor/2007) Acerca da prescrição, julgue os itens que


se seguem.
___ Considere a seguinte situação hipotética. Lucas, funcionário público estadual que
foi designado para prestar serviços no Distrito Federal, é credor de João, por uma
dívida vencida e não paga. Nessa situação, o prazo prescricional para propositura da
execução contra o devedor inadimplente será suspenso a partir da data que Lucas foi
designado para prestar serviços públicos em local diverso de sua lotação.
___ Caso o devedor pague uma dívida e posteriormente tome conhecimento de que
aquela obrigação estava prescrita, ele poderá propor ação para reaver o que
indevidamente pagou. Essa prescrição pode ser alegada em qualquer grau de
jurisdição, inclusive em recurso especial ou extraordinário, desde que tenha ocorrido
prequestionamento.

14. (CESPE/AGU – Advogado da União /2008) Considerando a disciplina do CC e a


certeza de que o decurso de tempo tem importante influência tanto na aquisição
quanto na extinção de direitos, julgue os próximos itens.

3
___ É válida cláusula inserida em contrato de seguro na qual se
estipule que a pretensão do segurado contra o segurador
prescreva em dois anos, desde que haja formalização do ato por
instrumento público.
___ A prescrição pode ser alegada, em qualquer grau de jurisdição, pela parte a
quem aproveita, mas não poderá ser arguida em sede de recurso especial ou
extraordinário se não tiver sido suscitada na instância ordinária.

15. (Anal. Jud./Exec. Mandados/TRT 17ª/2009/CESPE) A respeito da prescrição e


decadência, julgue os seguintes itens.
___ A prescrição iniciada contra uma pessoa continua a correr contra o sucessor
absolutamente incapaz.
___ O juiz não poderá pronunciar de ofício a prescrição sobre direitos patrimoniais.

16. (Anal. Jud./Judiciária/TRT 17ª/2009/CESPE) A respeito de prescrição e


decadência, julgue os seguintes itens.
___ A alteração dos prazos por acordo entre as partes é admissível na decadência,
porém não o é na prescrição.
___ Se a prescrição for suspensa em favor de um dos credores solidários, só
aproveitará aos demais se a obrigação for indivisível.

17. (Juiz Federal/TRF5ª/2009/CESPE) No que tange à disciplina da prescrição e da


decadência no Código Civil de 2002, assinale a opção correta.
___ Não é possível que haja renúncia prévia de prazo prescricional legal, mas pode
haver renúncia de prazo decadencial fixado em lei, desde que seja feita de forma
expressa, já que a sua aplicação é adstrita aos direitos potestativos.
___ Caso um dos credores solidários interpele judicialmente o devedor quanto à
interrupção da prescrição, tal fato não aproveitará aos demais credores que se
quedaram inertes.
___ A citação realizada em ação que tenha terminado com a resolução do processo
sem julgamento do mérito não é apta a interromper a prescrição.
___ Os contratantes podem, desde que mediante prévio acordo por escrito, diminuir os
prazos prescricionais estabelecidos no Código Civil, mas não é lícito que eles
aumentem o referido prazo, pois isso configuraria violação de norma de ordem
pública.
___ Se, após prescrita a dívida, o devedor ajuizar ação de consignação em pagamento,
não deve o juiz decretar de ofício a prescrição, uma vez que o Código Civil não
extinguiu a renúncia à prescrição.