Вы находитесь на странице: 1из 36

INTELIGÊNCIA

NO NEGÓCIO
Rita de Cassia Carolino

E-book 1
Neste E-Book:
INTRODUÇÃO����������������������������������������������������������� 3
DADOS, INFORMAÇÕES E CONHECIMENTO� 4
Dados�����������������������������������������������������������������������������������������4
Informações������������������������������������������������������������������������������7
Conhecimento���������������������������������������������������������������������������9

CONCEITOS BÁSICOS DE DADOS E


INFORMAÇÕES���������������������������������������������������������11
Sistemas de informações�������������������������������������������������������13
Conceitos sobre sistemas������������������������������������������������������15

INTERNET DAS COISAS����������������������������������������17


Internet of things (IoT)������������������������������������������������������������18
Benefícios (IoT)�����������������������������������������������������������������������19
Comunicação entre redes (IoT)���������������������������������������������20
Lan e Wan��������������������������������������������������������������������������������21
Conectando dispositivos IoT à rede��������������������������������������23

GESTÃO DO CONHECIMENTO��������������������������26
Gestão de competência����������������������������������������������������������26
Capital intelectual�������������������������������������������������������������������29
Inteligência organizacional�����������������������������������������������������30
Educação corporativa�������������������������������������������������������������31

CONSIDERAÇÕES FINAIS����������������������������������� 32
SÍNTESE�������������������������������������������������������������������� 33

2
INTRODUÇÃO
Faremos uma viagem pelo estudo dos principais
conceitos da era da informação e estudaremos como
eles são aplicados no contexto organizacional, iden-
tificando exemplos práticos em nosso cotidiano.

Na primeira parte, vamos esclarecer os conceitos


básicos e as características da era do conhecimen-
to, passando pelos princípios dos bancos de dados,
primeiro de forma mais simples, depois, progredindo
até contextos mais complexos, que nos permitirão
compreender a performance do universo tecnológico.

Já na segunda parte, estudaremos a Internet das


Coisas, entendendo suas características e suas prin-
cipais interações, proporcionando uma visão mais
holística e completa da junção entre a utilização da
tecnologia e as estratégias de negócios.

Por fim, verificaremos os principais pontos da Gestão


do Conhecimento. Esse tópico tem o intuito de de-
monstrar um panorama de como as empresas bus-
cam a chamada vantagem mercadológica para pro-
piciar um conhecimento mais profundo do mercado
e dos seus colaboradores como um diferencial a ser
utilizado na hora da tomada de decisão.

Espero que você aproveite a disciplina e que, ao final,


quando se deparar com algum fato interessante, em
vez de apenas apreciar a distância, passe a enxergar
toda a riqueza técnica contida nele.

3
DADOS, INFORMAÇÕES
E CONHECIMENTO
Vamos conhecer um pouco sobre dados, informa-
ções e conhecimento. E, como lidamos com esses
três elementos o tempo todo, nas mais variadas si-
tuações, seja nas empresas, nas escolas, em casa,
etc., ouvimos sempre muitos termos relacionados a
eles – como sistemas de informação, processamen-
to de dados, gestão de conhecimento, entre outros.
Mas, você sabe qual seria exatamente a distinção
entre dados, informação e conhecimento? Vamos
descobrir.

Dados

Existe uma grande confusão entre os termos citados,


o que pode gerar danos em iniciativas tecnológicas
que raramente produzem significados satisfatórios.
Interpretamos dado como uma sucessão de símbo-
los quantificáveis ou quantificados; portanto, consta-
tamos que um artigo ou uma pesquisa, por exemplo,
são dados. Na prática, a construção desses materiais
são símbolos quantificados porque o alfabeto que
utilizamos é formado por uma estrutura numérica.
Também são dados: animações, imagens e sons, já
que todos esses podem ser quantificados. Eles são
o que chamamos de símbolos a serem somados,
que podem ser guardados e processados em um PC
(Personal Computer), por exemplo.

4
Mas, afinal, o que é dado?

Dado é um indício ou registro que está relacionado a


algum evento ou entidade. Um dado não é, obrigato-
riamente, resultado de uma intenção de registro de
alguma coisa; o indício ou registro não precisa ter
forma física, pode ser uma imagem ou até um valor
que está guardado na memória.

Os dados são símbolos que compõem a matéria-


-prima do sistema de informação, ou seja, eles sim-
bolizam um ou mais conteúdos que sozinhos não
têm representação de ganho de conhecimento ou
transmitem uma mensagem. O dado é um elemento
conhecido que tem o intuito de servir como base para
a resolução de um determinado problema; com isso,
há a necessidade de uma forma apropriada para seu
armazenamento, processamento ou transmissão
de forma assertiva; assim, os dados acerca de algo
ou alguém podem ser administrados por sistemas,
isto é, algo pode ser extraído desses dados para ex-
periência ou estudo, visando à transformação da
informação em conhecimento.

Podemos dizer também que os dados são fatos que


são exportados em um processo de transformação
em informação – uma junção de dados que são devi-
damente manipulados, processados e organizados, a
fim de gerar um significado a quem está recebendo,
proporcionando conhecimento acerca de algo que
pode ser aprendido ou adquirido. Observe a figura 1

5
Produtores Consumidores

to
en
ão

ria
m

ci
os

do
rm

e
d

be
nh
Da

fo

Sa
Co
In

Estimulos Entendimento
Pesquisa Contemplação
Criação Apresentação Conversão
Organização Narrativa Avaliação
Coleta Interpretação
Descoberta Integração
Introspecção

Global Local Pessoal


Contexto

Figura 1: O contínuo do entendimento. Fonte: Shedroff,


1999.

O Contínuo do Entendimento mostra a sequência do


dado até que ele se torne sabedoria, normalmente
citando palavras que são inerentes à informação,
gerando, assim, o conhecimento.

Em resumo, os dados são gerados de forma bru-


ta; não atuam só para obter informações, mas para
que possam levar à compreensão de um fato, sendo
utilizados como apoio para a tomada de decisões.
Porém, para ser assertivo é necessário decodificar
esses dados para transformá-los em algo mais analí-
tico e objetivo – transformá-los em informações, para
que possam ser utilizados na tomada de decisões.
A partir da posse das informações, no dia a dia, os
profissionais envolvidos ganham conhecimentos

6
referentes aos elementos oferecidos, gerando maior
nitidez nas análises realizadas e criando, assim, um
poder de decisão cada vez mais qualitativo.

Informações

No que tange ao termo “informação”, há muitas defi-


nições, como a da porção de dados preliminarmente
preparada para adequar a determinados objetivos.
Esse conjunto de dados conjugados devem possuir
relevância e propósito, com isso a informação – de-
pois de produzida e trabalhada – poderá ser dispo-
nibilizada, permitindo a tomada de decisões.

A informação é um registro intangível, disponível à


assimilação, muitas vezes, crítica para a produção
de um conhecimento; é, portanto, a matéria-prima
que serve de subsídio para o conhecimento, após um
posicionamento analítico do indivíduo. Além disso,
ela é derivada de dados que, sem o devido contexto
ou sentido, significam quase nada.

Sabemos que a informação pode ser composta a


partir de um conjunto de dados, porém, esses da-
dos precisam ser apresentados em um formato que
permita compará-los, possibilitando que sejam anali-
sados. Isso é alcançado com a introdução de novos
dados que tenham o mesmo formato, bem como do
abastecimento de outros detalhes – como o cenário
a que se referem os dados, como foram apurados
e convertidos.

7
FIQUE ATENTO
Informação é o principal composto do conheci-
mento; é o alicerce para o conhecimento, um bem
comum ao qual todo indivíduo deve ter acesso e
direito, levando à divisão da informação, do poder
e das oportunidades.

Informação é um agrupamento de dados que define


um contexto – como lembranças, impressões ou ex-
periências –, com isso estabelecendo um significado
para ela. Importante notar que somente as pessoas
têm condições de traduzir dados em informações por
meio de sua interpretação. A informação é, normalmen-
te, uma visão pessoal sobre esse grupo de dados, em
que as relações são percebidas por meio de um dado
associado ao seu significado próprio, na proporção em
que são diferentes para cada indivíduo, pois dependem
da sua capacidade e de suas experiências anteriores.

Com isso, um mesmo agrupamento de dados não


gera a mesma informação para diferentes pessoas.
Nos casos mais simples – relacionados a dados e
interações menos complexas –, as informações cap-
tadas por diferentes indivíduos podem ser parecidas.
Quanto maior a multiplicidade da informação, mais
ela necessitará de repertório anterior e da capaci-
dade de intepretação individual, e, portanto, mais
pessoal tende a ser. A informação é, desse modo, a
intepretação que cada pessoa faz de um conjunto de
dados; o significado que lhe confere, ao internalizar
esses dados.

8
Conhecimento

O conhecimento é algo que vai além da informação,


pois ele tem como resultado conceitos a serem apli-
cados. O conhecimento é o efeito de absorver uma
ideia ou noção de algo; é oriundo de valores, de in-
formações e de experiências, em que há o forneci-
mento de dado que visa a, primeiramente, avaliar e
até incorporar novas perspectivas e informações. É
gerado e aplicado na mente humana. Nas empresas
é, frequentemente, absorvido pelas rotinas do dia a
dia – as normas, procedimentos e práticas. Há, con-
tudo, uma diferença entre conhecimento explícito e
conhecimento tácito, utilizados na chamada Gestão
do Conhecimento.

O conhecimento explícito é aquele documentado e


estruturado, o que pode facilitar a codificação em
uma sistemática de tecnologias.

Tácito é o conhecimento que habita a mente do ser


humano, no formato de experiências, percepções e
comportamentos, devendo estar ligado a normas,
culturas, processos e rotinas organizacionais. A ad-
ministração desse processo não é simples, especial-
mente do ponto de vista da coordenação hierárquica.

O vínculo entre dado, informação e conhecimento


é muito frequente na chamada pirâmide do conhe-
cimento, pois, na base encontramos os dados; na
camada mais intermediária, a informação; e no topo,
o conhecimento. Na tabela abaixo, encontramos mais
detalhes sobre cada um.

9
Dado, Informação e Conhecimento

Dados Informação Conhecimento

Simples observações Dados dotados de Informação valiosa da


sobre o estado do relevância e propósito mente humana
mundo
Inclui reflexão, síntese,
contexto

• Facilmente • Requer unidade • De difícil


estruturado de análise estruturação

• Facilmente obti- • Exige consenso • De difícil captura


do por máquinas em relação ao em máquinas
significado
• Frequentemente • Frequentemente
quantificado • Exige necessaria- tácito
mente a media-
• Facilmente ção humana • De difícil
transferível transferência

Tabela 1: Dado, Informação e Conhecimento. Fonte:


Davenport & Prusak, 2000.

Por essa perspectiva, os dados são uma junção de


pontos discretos de um determinado evento; com
isso, a informação seria a conexão desses dados
já estruturados e contextualizados, gerando o que
chamamos de conhecimento.

10
CONCEITOS BÁSICOS DE
DADOS E INFORMAÇÕES
A informação é o elemento essencial para as or-
ganizações, é o que a auxilia a permanecer em um
mercado competitivo. Isso se dá quando os sujeitos
se apropriam da informação em um determinado
contexto, criando um sentido para a composição de
um novo conhecimento. Esses indivíduos passam a
ser fundamentais no processo de transformar dados
em informação, e essa em conhecimento puro.
Os dados são compreendidos individualmente, mas
a informação é resultado de uma amarração de da-
dos. Essa junção somente gera uma informação se
possuir algum tipo de significado para o indivíduo
que a obtém. Observe a figura abaixo:

Inteligência
Experiência
Síntese

Conhecimento

Aprendizagem
Análise

Elaboração

Informação
Processamento

Dados

Figura 2: Classes Distintas. Fonte: Adaptado de Urdaneta, 1992.

11
Os dados são os fatos registrados, observações, me-
didas sem formatação ou contexto. Quando falamos
de informação, são os dados em contexto, isto é,
organizados, processados e interpretados, gerando
com isso a compreensão e o entendimento, espe-
cialmente por parte dos indivíduos que interpretam
os acontecimentos oriundos das informações e dos
dados com base nas suas experiências vividas. Os
dados são desdobramentos de fatores brutos, repre-
sentados em ocorrências e eventos. A informação
se refere a dados moldados em um formato útil e
significativo. Nesse contexto, o processamento dos
dados representa alteração no conhecimento dos
indivíduos que receberam a informação para uso
nos processos de tomada de decisão.

No caso de um sistema organizacional, a informação


cria a possibilidade de se efetuar uma análise mais
completa da organização. Cada cidadão, no âmbito
da empresa, colabora para um entendimento único
sobre determinada informação. A informação é es-
tabelecida por pessoas a partir de sua experiência
passada e de acordo com as exigências da situação
na qual a informação deve ser utilizada, criando as-
sim o que se conhece como propriedade da infor-
mação, que precisa ser isenta de erros. Com isso,
a completude contém todos os dados importantes
e relevantes, em que a confiabilidade no método de
coleta dos dados deve ser seguro e sua veracida-
de pode ser checada estando disponível, quando
necessária.

12
Enfim, dado, informação e conhecimento são maté-
rias-primas para o processo de compreensão dos
sistemas em geral.

Sistemas de informações

Podemos encontrar os sistemas de informações em


diversos setores da sociedade, desde os sistemas de
pequenos comerciantes até os sistemas de apoio à
tomada de decisões nas grandes empresas.

Após discutirmos as ideias em relação ao que são


dados, informações e conhecimento, percebemos
que a compreensão desses itens é de suma impor-
tância para o dia a dia da organização. Assim, de-
vemos dispensá-la da supervisão dos dados. Esses
detalhes podem ser manipulados pelos sistemas de
informação para gerar informações atualizadas, úteis,
estruturadas e sempre disponíveis. Porém, para isso,
é preciso saber como os dados são utilizados pelos
sistemas de informações e quais os seus compostos
básicos. Dessa forma, teremos condições escolher
a definição, a implantação, o uso e a manutenção da
sistemática das informações.

Um conceito que vale a pena conhecer refere-se à


diferenciação entre métodos e procedimentos. Eles
são usados desde o levantamento dos requisitos,
objetivos e demais características do sistema até as
etapas de implementação, testes e implantação. Os
métodos correspondem às formas como se aplicam
os procedimentos, ou seja, é a sistematização dos

13
passos a serem dados. Já o procedimento correspon-
de à forma de execução de uma determinada tarefa.

A informação por si, isolada, fora de contexto, não


representa conhecimento. Como estudamos ante-
riormente, uma informação é apenas um símbolo.
Para ser gerado o conhecimento, as informações
devem ser agregadas e categorizadas. Existem três
categorizações para que os símbolos possam ser
organizados a fim de gerar um conhecimento: pri-
meiridade, secundidade e terceiridade. Esses níveis
de categorias traduzem a informação desde a sua
etapa de coleta até a contextualização proporcionada
pela interação com outras informações, culminando
na geração do conhecimento.

O sistema de informações constitui também um


sistema pelo qual são obtidos dados para as opera-
ções de gestão e controle da organização. Em outras
palavras, o sistema de informações faz a geração
dos dados de forma ordenada e esquematizada,
fornecendo informações para o processo de toma-
da de decisões. Como necessidade imediata dessa
definição, o sistema de informações recebe o que
chamamos de inputs que, depois de verificados e
transformados em outputs, são devidamente utiliza-
dos nas tomada de decisões organizacionais. Essas
decisões teriam maior grau de risco se não existisse
um processamento adequado de informações.

O sistema de informações não se limita à somente


coletar, processar e analisar as informações exter-
nas; ele avalia também as informações internas de-

14
correntes da operação da própria organização. Um
sistema de informações deve ser estruturado como
um processo contínuo de comunicações, cujos inputs
são informações internas e cujos outputs são infor-
mações processadas para a tomada de decisões.

Conceitos sobre sistemas

Ao falar de um sistema, este deve ser sintetizado


como uma junção de módulos que pode processar
os elementos captados de certos locais (que pode
ser um banco de dados ativo) e expor os resultados.
Claro que, além das somas resultantes, eles podem
gerar outras informações que deverão ser alimen-
tadas novamente e utilizadas em reconfigurações
ou avaliações do próprio sistema. A estratégia e a
determinação da fluência do processamento, deter-
minando o modo de se inter-relacionar com módulos,
são geradas pelo ganho de conhecimento.

Em suma, os sistemas de informações podem, além


dos aspectos humanos de seu uso, ser avaliados em
relação ao retorno financeiro proporcionado pelo
seu uso ou pela sua qualidade técnica. A qualidade
técnica é o grau de cumprimento dos requisitos téc-
nicos diante dos objetivos que foram estabelecidos
no momento do projeto, a frequência da necessidade
de manutenção ou correção e, por fim, a qualidade
e a disponibilidade das informações. Um ponto de
convergência está no uso da Internet das Coisas –
assunto que será abordado abaixo.

15
SAIBA MAIS
Para saber mais sobre a qualidade das informa-
ções, leia o estudo: Percepção da qualidade da
informação na área de produção: um estudo de
caso, de autoria de Maria Isabel Corteze. Disponível
em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/hand-
le/1884/48113/TCC%20-%20Maria%20Isabel%20
Corteze.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

16
INTERNET DAS COISAS
Quando falamos em internet, hoje em dia, perce-
bemos que ela é fundamental para as telecomuni-
cações, para as comunicações eletrônicas, para a
colaboração e o comércio eletrônico entre as orga-
nizações e os clientes, funcionários e fornecedores.
Os portais das organizações na internet se tornaram
o caminho para a troca direta de informações, seja
por fóruns de discussão, sistemas de chat, e-mail ou
edição de multimídias. Esses websites também são,
muitas vezes, utilizados como pontos de vendas no
varejo e no atacado eletrônico para comercialização
de uma variedade de serviços e produtos.

Ainda assim, a internet é totalmente dependente de


recursos humanos. Quase todos os 50 petabytes (um
petabyte corresponde a 1.024 terabytes) de dados
disponíveis na internet foram capturados pela pri-
meira vez e criados por seres humanos por meio de
digitação, gravação, fotografia digital ou até mesmo
digitalização de códigos de barras. Os diagramas
convencionais de internet, por outro lado, incluem
servidores, roteadores, e assim por diante; mas eles
desconsideram os mais importantes e numerosos
roteadores de todos: as pessoas. Com essa neces-
sidade humana de unir todos estes pontos, criou-se
o termo Internet of Things ou, traduzindo, a Internet
das Coisas. Esse termo tem sido frequentemente
usado em palestras sobre o desenvolvimento hu-
mano e tecnologia.

17
Internet of things (IoT)

A Internet das Coisas é parte integrante da Internet


do Futuro e poderia ser definida como uma infraes-
trutura de rede global dinâmica, que possui recursos
de autoconfiguração baseados em protocolos de co-
municação padrão e interoperáveis. Assim, a Internet
of Things permite que os recursos físicos e virtuais
tenham identidades, atributos físicos e personalida-
des virtuais, uma vez que usa interfaces inteligentes
e é perfeitamente integrada à rede de informação.
Na IoT, espera-se que as “coisas” se transformem em
participantes ativos de processos de negócios em
que estão habilitados para interagir e se comunicar
entre si e com o ambiente, trocando dados e infor-
mações, enquanto reagem aos eventos do mundo
real, influenciando-se por meio da execução de pro-
cessos que acionam ações e criam serviços com e
sem intervenção humana direta.

A Internet das Coisas funciona como uma ligação


entre os conceitos da tecnologia em geral, e essa
relação ocorre entre dados, programação, hardware
e redes. Na programação, aparece como uma ma-
neira de filtragem das informações; no hardware, é
o responsável pelo recebimento das informações e
pode ser tratado no conceito das “coisas”.

FIQUE ATENTO
Um hardware nada mais é do que um equipamento
físico que tem como objetivo realizar uma deter-

18
minada atividade computacional; e na rede é o
conjunto de máquinas interligadas por algum sis-
tema de informação capaz de trocar informações
entre si por meio dos dados enviados.

A IoT descreve um sistema em que elementos do


mundo físico – e sensores dentro desses elementos
ou acoplados a eles – estão conectados à internet
por meio de conexões de rede sem fio.

Atualmente, nos é feita a pergunta o que é realmente


a IoT? Antigamente, para pensar isso, era necessário
um grande avanço da tecnologia. Hoje, não mais.

Benefícios (IoT)

Você deve estar se perguntando: qual o benefício


da Internet das Coisas? Com a internet, a conexão
entre as pessoas ficou muito mais próxima. É pos-
sível falar com amigos e família, mesmo estando
a milhares de quilômetros de distância; mudar de
música automaticamente em seu dispositivo móvel,
enquanto estiver dirigindo; cidades já estão ficando
mais inteligentes, e, claro, o maior benefício de to-
dos é a eficiência que faz com que o tempo do ser
humano seja otimizado – essa comodidade, talvez,
seja a principal das vantagens.

Com o passar dos anos, a internet já nos permitiu


fazer várias coisas nunca antes exploradas. Com
esse avanço, não apenas os seres humanos, mas
também os animais foram beneficiados. Hoje em

19
dia, os animais podem ser monitorados por meio
de microchips ou etiquetas que rastreiam e identifi-
cam problemas de saúde ou alguma anormalidade;
também pode ajudar nos casos em que o animal se
perde de seu grupo a ser localizado.

Comunicação entre redes (IoT)

Os computadores se interconectam e trocam infor-


mações, desde que conectados a uma rede. Para
que isso ocorra, devem ser fornecidos valores e iden-
tificações, indicando que há uma conexão segura.

A integração com objetos não é muito diferente dis-


so. Além dos computadores, há outros equipamentos
que se conectam, não apenas com computadores,
mas também com coisas – objetos que se relacio-
nam. Um exemplo disso é a utilização de aparelhos
que nos permitem uma conexão entre essas má-
quinas; por exemplo, o roteador nos ajuda a emanar
sinal de internet sem fio para que outros dispositivos
sejam afetados. Esse sinal é enviado para os firewalls
que verificarão a acessibilidade de determinada pá-
gina; se ela for validada, as informações roteadas
chegarão ao servidor. O servidor, por sua vez, é o
responsável por armazenar informações e pode ser
considerado outro computador. Esse servidor está
conectado a um hub de entradas nas quais vários
cabos estão ligados dentro de uma rede, permitindo
a comunicação entre máquina e internet. Por fim, os
hubs conectam os computadores que os clientes
estão acessando e compartilhando informações.

20
REFLITA
Você já pensou o que seria de nós sem a internet?
Já pensou como seria sua vida sem um compu-
tador, um celular? Pois bem, impossível imaginar
como isso aconteceria no mundo moderno. O que
estaríamos fazendo neste exato momento?

Firewall
Internet

Client

Printer Servers

Network
router

Wifi Router Wifi Router

Laptop
Client
Mobile phone Tablet

Figura 3: Modelo de comunicação entre redes. Fonte:


Elaboração própria.

Lan e Wan

Basicamente, podemos definir as LANs como compu-


tadores ligados local e internamente por uma mesma
rede de computadores que compartilham informa-
ções. As LANs foram feitas para serem operadas
em pequenos locais, como uma casa ou uma sala,
com vários dispositivos interconectados. Por ser

21
uma rede local, a LAN tem taxas muito pequenas no
envio dos dados. A Ethernet é um exemplo – uma
das arquiteturas preparadas para executar uma LAN.

Os computadores pertencem aos usuários (por exem-


plo, os computadores de uso pessoal), enquanto a
sub-rede de comunicação em geral pertence e é ope-
rada por uma empresa de telefonia ou por um pro-
vedor de serviços da internet. A tarefa da sub-rede é
transportar mensagens de uma máquina para outra,
exatamente como o sistema de telefonia transporta
as palavras da pessoa que fala para a pessoa que
ouve. Essa formação de rede é muito simples, pois
decodifica os chamados pontos de comunicação pura
em sua aplicação. (TANENBAUM; WETHRALL, 2011)

Por outro lado, uma rede geograficamente distribu-


ída, ou WAN (wide area network), atinge uma área
muito grande. Ela contém um conjunto de máquinas
cuja finalidade é executar os programas (ou seja, as
aplicações) do usuário. Os computadores aqui estão
conectados por uma sub-rede.

Por fim, diferentemente das LANs, que funcionam


localmente, as WANs são a junção de computado-
res de longo alcance que contêm diversas LANs e
podem abranger cidades e até mesmo um país todo.
Para que esse alcance seja tão amplo é necessário
um equipamento de custo altíssimo, por exemplo,
um satélite. Por ser tão grande, as WANs têm um
esquema arquitetural um pouco diferente, baseado
em nós. Cada nó recebe as informações enviadas
e transmite para outros nós. Isso ajuda a garantir a

22
segurança e a integridade dos dados. Geralmente os
nós são enviados para cidades que disponham de
outros nós para comunicação.

Conectando dispositivos IoT à rede

Conectar um dispositivo IoT envolve um amplo co-


nhecimento, tanto de programação quanto de rede
e segurança. Todo um fluxo é seguido para que seja
possível realizar essa tarefa. Como a Internet das
Coisas era uma aposta (já concretizada) para o futu-
ro, diversas empresas investiram para a adaptação e
a otimização de seus serviços, pois o momento atual
é o da IoT, em que tudo está conectado concorren-
temente, por isso, diversas estratégias são traçadas
para o seu crescimento.

A inclusão de dispositivos físicos e aparelhos eletrô-


nicos – redes de sensores sem fio, telefones celula-
res etc. – na internet traz inúmeras possibilidades de
novas aplicações que podem utilizar as informações
e os serviços desses dispositivos com diferentes
finalidades. Contudo, a maioria dos objetos são atu-
almente conectados à internet, utilizando softwares
e interfaces proprietárias, o que torna onerosa a cria-
ção de aplicações que integram dados e serviços
providos por diferentes dispositivos.

Abaixo, alguns exemplos de como a IoT pode auxi-


liar no mercado de trabalho e tornar uma empresa
competitiva:

23
● Marketing de Produto: a IoT pode ser utilizada
por sensores que coletam informações sobre como,
quando e onde um produto é utilizado, por exemplo.
● Vendas: a partir do monitoramento da condição
dos produtos, a IoT pode detectar quando o consumi-
dor precisará de um novo componente para substituir
o anterior, garantindo a sua presença no inventário.
● Agricultura: sensores podem ser utilizados para
monitorar temperaturas, clima, vento, umidade, ra-
diação, probabilidade de chuva, entre outros.

Como verificamos, os dispositivos IoT possuem com-


ponentes, sensores e antenas capazes de captar o
calor e a umidade, enviando sinais a outro dispositivo
para que seja estabelecida a comunicação.

A Internet das Coisas, em termos reais e práticos,


falando de empresas e comércios, busca aproximar
o consumidor da loja. Essa interação pode ser reali-
zada na consulta de preços e de descontos, na iden-
tificação de clientes que fazem compras constantes
e até no fornecimento de um serviço diferenciado
ou em uma indicação de propagandas com determi-
nado gosto do cliente, podendo, assim, aumentar a
quantidade de vendas, mas, para isso, fica claro que
todo o aparato tecnológico depende diretamente do
conhecimento do indivíduo. Esse processo vem do
conceito da Gestão do Conhecimento, que tratare-
mos no próximo tópico.

Acesse o Podcast 1 em Módulos

24
SAIBA MAIS
O livro Inspirando a Internet das Coisas, de Gérald
Santucci, é uma edição brasileira do comic book
The Internet of Things e nele é retratada a Internet
das Coisas por meio de ilustrações e conceitos
textuais.

25
GESTÃO DO
CONHECIMENTO
Quando pensamos em desenvolver pessoas, é im-
portante deixar claro de que forma esse processo
acontecerá. Ações isoladas ou projetos individuais
de setores, às vezes, não têm continuação ou se
restringem a treinar por treinar. Pensar em projetos
de treinamento e desenvolvimento para que a orga-
nização alcance melhores resultados é um desafio
para gerentes, recursos humanos e funcionários.
Primeiramente, a organização deve construir um
projeto de acordo com a sua necessidade, com os
recursos disponíveis e que modifique o comporta-
mento das pessoas treinadas em direção àquilo que
foi instruído.

Gestão de competência

As empresas estão percebendo, cada vez mais, que


somente podem desenvolver suas competências
organizacionais com base nas competências indivi-
duais de seus participantes (CHIAVENATO, 2016). E
o que isso significa? Que as competências individu-
ais são mais importantes do que os requisitos dos
cargos. Ao recrutar, selecionar, avaliar, desenvolver,
remunerar e incentivar as pessoas, é preciso avaliar
as habilidades e as competências oferecidas por elas
e também as que são relevantes para a organização.

26
A gestão baseada nas competências promove mu-
danças no contexto e na cultura organizacional. Isso
porque é um modelo mais dinâmico e com equipes
multifuncionais integradas que devem ser maleáveis
e flexíveis, diferentemente do modelo de departa-
mentos isolados. Para fazer este modelo funcionar,
a cultura organizacional deve ser mais participativa,
democrática e envolvente. Assim, as pessoas são
envolvidas e conduzidas por meio da liderança –
abandonando o velho estilo de gestão autocrático
–, procurando desenvolver o capital intelectual.

A gestão por competências agrega um conjunto de


competências individuais e de competências orga-
nizacionais que, juntas, formam o que se conhece
por capital humano – que é integrante do capital
intelectual da organização. Vamos verificar quais
são as competências individuais e organizacionais
que compõe a gestão por competências? As compe-
tências individuais surgem da combinação de quatro
fatores:
● Conhecimento: é o saber. É possível identificar
o conhecimento pela maneira como cada pessoa
lida com as informações: desde a sua organização,
estruturação e armazenamento até a forma como
utiliza os conhecimentos.
● Habilidade: é o saber fazer. É possível verificar as
habilidades de uma pessoa quando ela realiza uma
atividade específica de forma satisfatória.

27
● Julgamento: é o saber analisar e ponderar. É pos-
sível exercitar o discernimento quando se escolhe
um determinado direcionamento de ação.
● Atitude: é o saber fazer acontecer. Identificamos a
atitude quando adotamos um comportamento ativo,
proativo e empreendedor. A atitude se revela nos
desafios, obstáculos, dificuldades e resistências a
serem enfrentados. É quando o conhecimento, habi-
lidade e julgamento fazem as coisas acontecerem.

A gestão por competências deve considerar ainda as


competências organizacionais que proporcionarão
uma visão das necessidades de negócio e de como
as pessoas poderão agregar valor à empresa.

Para Chiavenato (2016), as competências organiza-


cionais de maior relevância são:
● Competências essenciais da organização: cons-
tituem vantagem competitiva ao definir e persona-
lizar cada organização e possuem as seguintes ca-
racterísticas: são vitais para o sucesso do negócio,
constituem um agregado de características próprias,
únicas e exclusivas da organização, e são difíceis de
copiar ou imitar;
● Competências funcionais de cada unidade da
organização: estão relacionadas às características
intrínsecas de cada unidade ou departamento. Por
exemplo: o setor de marketing deve desenvolver
competências para se relacionar com o mercado,
os clientes, os concorrentes, etc.;

28
● Competências gerenciais: referem-se à liderança,
motivação, comunicação, desenvolvimento de equi-
pes, etc. utilizadas por gerentes ou executivos para
conduzir as pessoas.
● Competências individuais de cada colaborador:
estão ligadas à aprendizagem, solução de problemas,
relacionamento interpessoal, trabalho em equipe, en-
fim, competências que cada pessoa deve desenvolver
para realizar suas atividades profissionais com êxito.

Capital intelectual

Para compreender a força do capital intelectual, de-


vemos entender o conhecimento como um recurso
diferente de qualquer outro, pois, além de ser um
ativo intangível, não é mensurável pelos métodos
mais usados na contabilidade. E o capital intelec-
tual das organizações é analisado com base no
conhecimento.

Frequentemente, as organizações medem os seus


ativos tangíveis com base em indicadores como
crescimento, renovação, eficiência e estabilidade.
Já os ativos intangíveis podem ser mensurados em
relação ao investimento feito pelas organizações
no conhecimento das pessoas. Exemplos práticos
podem ser identificados quando as organizações
desenvolvem programas de educação corporativa e
de universidades corporativas virtuais para melhorar
a gestão do seu capital intelectual.

29
Acesse o Podcast 2 em Módulos

Inteligência organizacional

A inteligência estratégica passou a ser um diferencial


no mercado competitivo, podendo variar desde um
trabalho mais amplo dentro da empresa, com uma
participação mais criteriosa, até uma versão de estilo
mais pontual, analisando a concorrência do negócio.
Podemos aqui definir a concorrência como empresas
cujas escolhas estratégicas afetam diretamente uma
à outra. A inteligência de negócios é o estudo da na-
tureza do concorrente, numa perspectiva ampla que
abarca a análise de fenômenos econômicos sociais
e políticos. Já a inteligência do concorrente tem o
objetivo de identificar o perfil do concorrente, por
exemplo, preço, distribuição, promoção, etc.

A relação entre conhecimento e inteligência consiste


na transformação da informação que está dispersa
no ambiente em um conhecimento estruturado e útil
à tomada de decisão nas organizações. Nessa fase
também são extraídas, processadas e armazenadas
as informações formais e informais pertinentes. A
validação e o complemento das informações, ela-
boração de resumos qualitativos e relatórios que
irão orientar a tomada de decisões são atividades
realizadas na análise. Mas, para tudo isso, a organiza-
ção busca capacitar seus funcionários, e um desses
caminhos é a educação corporativa.

30
Educação corporativa

Primeiramente, é preciso entender que a educação


corporativa é um processo no qual todos os funcio-
nários – e, algumas vezes, clientes e fornecedores
– participam de uma variedade de experiências de
aprendizagem para melhorar seu desempenho no
trabalho e potencializar seu impacto nos negócios.
Essa estratégia pode ser exemplificada sob a forma
de universidades corporativas. Dependendo do porte,
a universidade corporativa pode ser uma unidade de
negócio independente, que irá englobar as funções
do departamento responsável pela formação da força
de trabalho ou pode continuar a fazer parte do depar-
tamento de pessoal, com a contratação de pessoas
com as especialidades requeridas para as funções
exigidas.
A educação corporativa, nesse contexto de construção
de conhecimento por meio da geração de conteúdo
pelos próprios funcionários, insere as possibilidades
do trabalho com as TIC (Tecnologia da Informação
e Comunicações) e se torna um lugar de comunica-
ção entre os colaboradores e de construção coleti-
va, deixando de exercer o papel de “profissionais do
conhecimento”. O treinamento e desenvolvimento é
visto como um processo sistêmico e abrangente que
estimula o ato de aprender e ensinar, da construção do
conhecimento, o espírito crítico, a reflexão, a liberdade
de ser e pensar. Isso incrementa o capital intelectual
da organização, fazendo com que esta tenha condi-
ções de explorar novas oportunidades.

31
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Estudamos os conceitos iniciais da nossa trajetória
pela Teoria de Sistemas de Informação, começando
com seus fundamentos básicos. Nesses conceitos,
verificamos desde as definições de dado, informa-
ção e conhecimento, passando pela conceituação
e estrutura básica de um SI, logo depois passamos
pelos conceitos básicos que norteiam a Internet das
Coisas (IoT) e qual o seu envolvimento com as redes
de computadores. Refletimos, também, sobre como
a nossa dependência em relação à internet está cada
vez mais presente no cotidiano, embora, muitas ve-
zes, essa tecnologia facilite nossa vida e otimize
nosso tempo. Dessa forma, abordamos assuntos
relacionados ao cenário atual e a definição da IoT,
considerando seus conceitos e pessoas envolvidas
na criação da ideia da Internet das Coisas.
Identificamos, ainda, alguns dispositivos e meios
de comunicação com a internet, analisando alguns
termos utilizados para o melhor entendimento do
conteúdo e para termos uma visão sistêmica de re-
des de computadores, contextualizada na área de IoT.
Além disso, aprendemos sobre o que é LAN e WAN,
os benefícios de conectar um dispositivo e alguns
modelos de computação e, para finalizar, analisamos
a importância do conhecimento e do capital intelec-
tual como diferencial competitivo das organizações e
a contribuição que a educação corporativa pode dar
a uma empresa, além de despertar e criar o chamado
capital intelectual organizacional.

32
SÍNTESE
Inteligência no
Negócio

Dados, informações e conhecimento

• Dados
• Simples observações sobre o estado do mundo

• Informação

• Dados dotados de relevância e propósito

• Conhecimento

• Informação valiosa da mente humana:


reflexão, síntese, contexto

Sistemas de informações

•Conceitos

Gestão do Conhecimento

• Gestão de Competência
• Capital Intelectual

• Inteligência Organizacional

• Educação Corporativa
Referências Bibliográficas
& Consultadas
CASTRO, L. N.; FERRARI, D. G. Introdução à mi-
neração de dados: conceitos básicos, algoritmos
e aplicações. São Paulo, Saraiva, 2016. Minha
Biblioteca]

CHIAVENATO, I. Treinamento e desenvolvimento


de recursos humanos: como incrementar talen-
tos na empresa. 8. ed. Barueri, SP: Manole, 2016.
[Minha Biblioteca]

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Working knowled-


ge: how organizations manage what they know.
Harvard Business Scholl Press, 2000.

FACELLI, K. et al. Inteligência Artificial: uma


abordagem de aprendizado de máquina. Rio de
Janeiro: LTC, 2011. [Minha Biblioteca]

FAWCETT, T. Data science para negócios. Rio de


Janeiro: Alta Books, 2016.

MAROSTICA, E. Inteligência de mercado. São


Paulo: Cengage Learning, 2014. [Minha Biblioteca]

MORAIS, I. S. et al. Introdução a Big Data e Internet


das Coisas (IOT). Porto Alegre: SAGAH, 2019.
[Minha Biblioteca]
RAGSDALLE, C. T. Modelagem de planilha e
análise de decisão: uma introdução prática a
Business Analytics. 7. ed. São Paulo: Cengage
Learning, 2014. [Minha Biblioteca]

SHEDROFF, N. Information Interaction Design:


a unified field theory of design. In: Information
Design. Cambridge: MIT Press, 1999.

SILVA, L. A.; PERES, M. S.; BOSCARIOLI, C.


Introdução à mineração de dados: com altera-
ções em R. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016. [Minha
Biblioteca]

TANENBAUM, A. S. WETHRALL, D. Redes de com-


putadores. Rio de Janeiro: Pearson Hall, 2011.

TURBAN, E. et al. Business Intelligence: um en-


foque gerencial. Porto Alegre: Bookman, 2009.
[Minha Biblioteca]

URDANETA, I. P. Gestión de la Inteligencia, apren-


dizaje tecnológico y modernización del trabajo
Informacional: retos y oportunidades. Caracas:
Universidad Simón Bolivar, 1992.

Вам также может понравиться