You are on page 1of 25

Centro Educativo e de Solidariedade

Social EZN da Fonte Boa


(CES – Fonte Boa)
Creche
Regulamento Interno

Normas Reguladoras da Creche:

Considera-se Creche, um estabelecimento de educação,


frequentado por Crianças com idades compreendidas entre os 4 meses
de idade e os 3 anos, durante o período diário, correspondente ao
horário de trabalho dos pais.

A atual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a


crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a
acentuar a necessidade de criação de estruturas e equipamentos de
apoio que correspondam às necessidades socioeducativas das famílias.

Em conformidade com estes pressupostos, e tendo como


fundamento as competências legais, é elaborado o presente
Regulamento que visa estabelecer as normas de funcionamento da
Creche.

Constituição das Salas:

 Berçário:
Espaço destinado à permanência das Crianças entre os 4 meses e a
aquisição da marcha. O Berçário destina-se aos tempos de
repouso, não devendo exceder a capacidade de oito Crianças por
sala.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

 Sala dos 12 aos 24 meses:


Cada grupo de Crianças de idades compreendidas entre a
aquisição da marcha e os 24 meses. Esta sala tem a capacidade
máxima de 10 Crianças.

 Sala dos 24 aos 36 meses:


As salas de atividades destinam-se ao desenvolvimento de
Atividades Lúdicas e Pedagógicas. Estas salas poderão ser
utilizadas como espaço de repouso, quando este não exista
autonomamente. Esta sala tem a capacidade máxima de 15
Crianças.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

CAPITULO I
Âmbito de Aplicação

NORMA I

1. A Instituição Particular de Solidariedade Social, designada por


Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN Fonte Boa (CES –
Fonte Boa), com acordo de cooperação para a resposta social de
Creche, celebrado com o Centro Distrital de Segurança Social de
Santarém em 12/02/1998, rege-se pelas normas que se seguem.

NORMA II

1. Esta resposta social rege-se pelo estipulado na Lei Nº 99/89 de


27 de outubro.

NORMA III

Objetivos do Regulamento

1. O presente regulamento interno de funcionamento visa:

a) promover o respeito pelos direitos das Crianças;


b) assegurar a divulgação e o cumprimento das regras de
funcionamento do estabelecimento prestador de serviços;
c) promover a participação ativa dos Pais/Encarregados de
Educação ao nível da gestão da resposta social;
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

NORMA IV
Serviços Prestados e Atividades Desenvolvidas

A Creche do CES – Fonte Boa assegura a prestação dos seguintes


serviços:

1. Componente de apoio social:

a) na promoção do acolhimento, guarda, proteção, segurança e de


todos os cuidados básicos necessários a Crianças de idades
compreendidas entre os 4 meses e os 3 anos de idade;
b) na vertente da retaguarda à família, durante o tempo parcial de
afastamento da Criança do seu meio familiar, através de um
processo de atendimento individualizado e de qualidade, que
inclui serviços direcionados aos cuidados básicos de:

i. alimentação (de acordo com as necessidades das


Crianças);
ii. higiene (adequadas às necessidades individuais e de
desenvolvimento da Criança);
iii. saúde (assegurando o desenvolvimento harmonioso
da Criança),
iv. colaborando com a família na deteção e despiste
precoce de situações de doença, inadaptação e
deficiência, proporcionando o seu adequado
encaminhamento;
v. sono (proporcionando tempos de repouso e bem
estar num clima de segurança afetiva e física
respeitando os ritmos de cada Criança);
vi. serviços de prolongamento de horário que incluem
inícios da manhã e fins de tarde.

2. Componente Educativo-Pedagógica

a) estimular o desenvolvimento global da Criança nas suas


componentes emocionais, cognitivas, comunicacionais, sociais
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

b) e motoras; através da implementação e adequabilidade de


práticas lúdico-pedagógicas intencionais, estruturadas e
organizadas;
c) promover o desenvolvimento pessoal e social da Criança;
d) favorecer a interligação das Crianças em grupos sociais no
respeito pela pluralidade das culturas;
e) Estimular o desenvolvimento global da Criança atendendo às
suas características individuais;
f) promover a intervenção da Criança no mundo que a rodeia, de
modo a que ela própria crie e estruture o seu espaço;
g) amplificar o seu domínio cognitivo e afetivo e facultar o gosto
pela aprendizagem e pela novidade;
h) despertar a curiosidade e o pensamento crítico;
i) proporcionar um ambiente lúdico-pedagógico de
desenvolvimento global de forma a facultar à Criança a
estruturação do seu pensamento, desenvolvendo a capacidade
de resposta;
j) apreciar as conclusões da Criança e encorajá-la ao apelo da sua
criatividade;
k) proceder à despistagem de inadaptações, deficiências ou
precocidades e promover a melhor orientação e
encaminhamento da Criança;
l) incentivar à participação das famílias no processo educativo;
m) promover hábitos alimentares, desenvolvendo sensações,
fomentando regras de conduta e consciencializando para
hábitos de higiene e saúde;
n) estimular o desenvolvimento global da Criança.

O programa de atividades é adaptado à realidade sociocultural do


meio onde a creche do CES Fonte Boa está inserida e tem como
objetivo proporcionar às Crianças um variado leque de experiências
estimulantes. O desenvolvimento destas atividades baseia-se no
projeto pedagógico integrado no projeto educativo deste
Estabelecimento, e procura dar resposta não apenas à satisfação das
necessidades e bem-estar das Crianças, mas também favorecer o seu
desenvolvimento integrado.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

CAPITULO II
Processo de Admissão das Crianças da Creche

NORMA V
Condições de Admissão

1. São condições de admissão neste Estabelecimento:

a) todas as Crianças dos 4 meses aos 3 anos de idade,


independentemente da sua raça, sexo, religião ou condição
económica, tendo em conta o acordo celebrado anualmente
com o Centro Regional de Solidariedade e Segurança Social.

NORMA VI
Candidatura

1. Para efeitos de admissão a Criança deverá candidatar-se através


de uma ficha de identificação que constitui parte integrante do
processo de Utente, devendo fazer prova das declarações efetuadas,
mediante a entrega de cópia dos seguintes documentos:

a) Bilhete de Identidade dos Pais/Encarregados de Educação;


b) Cartão de Contribuinte dos Pais/Encarregados de Educação
Cartão de Beneficiário da Segurança Social da Criança;
c) Cartão do Número de Identificação da Segurança Social
(NISS) da Criança;
d) Cartão de Utente da Criança dos serviços de saúde ou de
subsistemas a que pertença;
e) Boletim de Vacinas e um relatório médico, comprovativo da
situação clínica da Criança;
f) Comprovativo dos rendimentos dos Pais/Encarregados de
Educação e do agregado familiar bem como de uma declaração
assinada por estes em como autorizam a informatização dos
g)
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

h) seus dados pessoais para efeitos de elaboração de processo de


Utente.
2. As inscrições estão abertas todo o ano mas, formalmente,
decorrem durante os meses de abril /maio até à primeira semana de
junho.

3. O horário de atendimento para apresentação do processo de


candidatura será das 9 horas às 12 e 30, e das 14 horas às 17 e 30.

4. A ficha de identificação e os documentos probatórios referidos


no número 1 desta Norma deverão ser entregues até ao dia 15 de
junho na secretaria dos CES - Fonte Boa.

5. Em situações especiais pode ser solicitada certidão da sentença


judicial que regule o poder paternal ou determine a tutela/curatela.

6. Em caso de admissão urgente, pode ser dispensada a


apresentação de candidatura e respetivos documentos probatórios,
devendo todavia ser, desde logo, iniciado o processo de obtenção dos
dados em falta.

7. Será aplicada uma taxa de inscrição, independentemente de a


Criança vir ou não a ser admitida no Estabelecimento.

8. A todas as renovações de inscrição será também aplicada uma


taxa.

9. As inscrições ou renovações de inscrições só serão válidas


após pagamento da respetiva taxa.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

NORMA VII
Critérios de Admissão
1. Sempre que a capacidade do Estabelecimento não permita a
admissão do total de Crianças inscritas, as admissões far-se-ão de
acordo com os seguintes critérios:
a) Crianças que possuem irmãos que já frequentem o
estabelecimento em alguma das outras respostas sociais;
b) Crianças em situação de risco do ponto de vista familiar e ou
socioeconómico;
c) Crianças com relação familiar a funcionários do CES-Fonte
Boa, CAR- Fonte Boa e L-INIA Santarém;
d) é tida em conta a data de inscrição em lista de espera;
e) é tida em conta a proximidade geográfica.

2. Poderão ser admitidas Crianças com necessidades educativas


especiais desde que:

a) os Pais/Encarregados de Educação entreguem neste


Estabelecimento um relatório redigido pelo médico,
considerando as necessidades da Criança;
b) em função da natureza e grau de deficiência o Estabelecimento
reúna condições para lhe prestar o devido apoio;
c) o Estabelecimento esteja dotado com pessoal técnico previsto
nos indicadores em vigor;
d) esteja assegurado o necessário apoio específico.

NORMA VIII
Admissão

1. Recebida a candidatura, a mesma é analisada pela Diretora


Técnica deste Estabelecimento, a quem compete elaborar a proposta
de admissão, a submeter à decisão da Direção.

2. Da decisão será dado conhecimento ao Utente no prazo de 30


dias após terminado o período de candidatura.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

3. No ato de admissão são devidos os seguintes pagamentos:


a) inscrição ou reinscrição;
b)caução do cartão eletrónico de acesso à Creche (necessário
apenas para as Crianças que não usufruam do serviço de
transporte do Estabelecimento).

NORMA IX
Acolhimento de Novos Clientes

1. Todos os Pais/Encarregados de Educação têm o direito de


conhecer o Estabelecimento, e de lhe serem esclarecidas todas as
dúvidas.

2. A partir do dia 15 de julho todos os Pais/Encarregados de


Educação serão convocados por carta registada para uma primeira
reunião onde será apresentado todo o pessoal, assim como este
regulamento interno. Serão facultados os documentos necessários para
a admissão da Criança nomeadamente: processo individual que deve
acompanhar a mesma no primeiro dia de aulas, lista de material
necessário (cuja aquisição é da responsabilidade dos encarregados de
educação/Representante Legal), fichas de inscrição para as atividades
extra curriculares e horários das carrinhas.

NORMA X
Processo Individual da Criança

1. Neste processo constarão:

a) Uma ficha com os dados pessoais da Criança e do seu


agregado familiar;
b) cópia do Boletim de Vacinas;
c) cópia do Cartão Individual de Saúde;
d) declaração médica em como a Criança não sofre de doença
infetocontagioso;
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

e) as Crianças com necessidades educativas especiais, devem ter


relatório médico em que sejam mencionadas as mesmas;
f) em situações especiais, a certidão da sentença judicial que
regula o poder paternal ou determine a tutela/curatela deve
constar neste processo.

2. Este processo deve acompanhar a Criança no primeiro dia de


aulas e ser entregue à responsável de sala.
3. Os dados revelados neste processo serão sigilosos, e não
poderão ser transmitidos a terceiros sem consentimento das pessoas a
que respeitem.

NORMA XI
Listas de Espera

1. Concluído o processo de admissão se houver Crianças que não


foram admitidas, estas irão integrar uma lista de espera.

2. Desta decisão serão os Utentes informados por escrito.


Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

CAPITULO III
Instalações e Regras de Funcionamento

NORMA XII
Instalações

1. A Creche do CES – Fonte Boa está sediada na Quinta da Fonte


Boa, Vale de Santarém e as suas instalações são compostas por:

a) No primeiro andar:
i. Berçário;
ii. Sala de 1 ano com casa de banho;
iii. Copa para preparo de papas e leites.

b) No rés do chão:
i. uma sala polivalente;
ii. duas salas de 2 anos com casa de banho;
iii. uma sala de 1 ano com casa de banho;
iv. dois refeitórios (um deles comum ao jardim de
infância);
v. uma casa de banho de adultos;
vi. uma copa para preparação de alimentos;
vii. uma cozinha;
viii. uma despensa;
ix. uma sala de reuniões e de coordenação;
x. uma sala de acolhimento;
xi. entrada e receção;
xii. um pátio interior:
xiii. um pátio exterior.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

NORMA XIII
Horário de funcionamento

1. A Creche do CES – Fonte Boa tem o seguinte horário diário de


funcionamento:

a) Abertura: 9 horas
b) Encerramento: 18 horas

2. Este horário pode ser prolongado entre as 8h e as 9 h e entre as


18h e as19 h mas será alvo de uma mensalidade fixada anualmente.

3. O horário diário regular aplica-se a todos os serviços prestados


nas instalações deste Estabelecimento.

NORMA XIV
Entrada das Crianças no Estabelecimento

1. Para uma efetiva coordenação das atividades a entrada das


Crianças da Creche efetuar-se-á até às 10h.

2. Quando, por qualquer motivo não o possam fazer, os


Pais/Encarregados de Educação devem comunicar a ausência da
Criança à responsável da sala, até às 10h do próprio dia.

3. Em situação alguma a Criança deve ser deixada no


Estabelecimento ou à porta deste, sem que os Pais/Encarregados de
Educação a entreguem diretamente à pessoa responsável pela sua
receção.

4. Qualquer situação resultante do não cumprimento da norma


acima descrita, será da exclusiva responsabilidade dos Encarregados
de Educação/Representante Legal.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

5. Os Pais/Encarregados de Educação, ou quem acompanhe a


Criança podem entrar no Estabelecimento até às 10h, a partir dessa
hora a Criança será recebida à porta por uma funcionária que a
encaminhará até à sua sala.

Saída das Crianças

1. A saída da Crianças processa-se entre as 17h e as 18h, ou


eventualmente com prolongamento até às 19h.
No entanto, se por qualquer motivo houver necessidade de a Criança
antecipar a sua saída, os Pais/Encarregados de Educação devem
acordar previamente essa alteração com a responsável da sala.

2. As Crianças só serão entregues a pessoas devidamente


credenciadas para o efeito.

3. Não é permitida a permanência das Crianças a partir das 19h,


por já não se encontrar ninguém responsável por este setor no
Estabelecimento.

Porém, se por qualquer motivo a Criança permanecer depois das 19h,


a mensalidade sofrerá nesse mês um acréscimo de €25.

Faltas

1. As faltas das Crianças serão sempre participadas pelos


Pais/Encarregados de Educação à educadora responsável pela sala, ou
à respetiva auxiliar.

Faltas Injustificadas

1. Se o número de faltas exceder os trinta dias consecutivos, sem


que seja comunicado o motivo dessa ausência, por escrito, considera-
se sem efeito a inscrição da Criança, devendo no entanto ser paga a
respetiva mensalidade.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

Faltas Justificadas
1. As ausências só serão objeto de desconto de 25% se forem
devidamente justificadas e ultrapassarem os 15 dias úteis no mesmo
mês.
2. O respetivo desconto será efetuado no mês seguinte ao mês em
que ocorrerem as faltas.

NORMA XV
Pagamento da Mensalidade

1. O pagamento da mensalidade é efetuado impreterivelmente até


ao dia 8 de cada mês, na secretaria dos CES – Fonte Boa.

1.a. Caso isto não se verifique, as mensalidades serão acrescidas de


25%, sendo que ao 3º mês a inscrição da Criança será considerada
nula.

2. Nos casos dispostos em 1.a., a Direção do Estabelecimento


tomará as medidas legais a fim de cobrar as mensalidades em atraso.

3. Aos Pais/Encarregados de Educação que não entreguem os


documentos para o cálculo da mensalidade, será atribuída a
mensalidade máxima em vigor no estabelecimento.

4. Aos irmãos a frequentar o CES – Fonte Boa, será efetuado um


desconto de 20% que incidirá na mensalidade de uma das Crianças.

NORMA XVI
Tabela de Comparticipações/Preçário das Mensalidades

1. A tabela de comparticipações familiares, baseada no rendimento


per capita, foi calculada de acordo com a legislação/normativos em
vigor e encontra-se afixada no placard de entrada do CES - Fonte Boa.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

2. De acordo com o disposto na Circular Normativa nº 3, de


02/05/97 e na Circular Normativa nº 7, de 14/08/97, da Direção Geral
da Ação Social (DGAS), o cálculo do rendimento per capita do
agregado familiar é realizado de acordo com a seguinte fórmula:
R=RF-D / N

Sendo que:
R= Rendimento per capita
RF= Rendimento mensal ilíquido do agregado familiar
D= Despesas fixas
N= Número de elementos do agregado familiar

3. No que respeita às despesas mensais fixas, consideram-se para o


efeito:

a) o valor das taxas e impostos necessários à formação do


rendimento líquido, designadamente do imposto sobre o
rendimento e da taxa social única;
b) o valor da renda da casa ou da prestação mensal devida pela
aquisição de habitação própria;
c) os encargos mensais com transportes públicos;
d) as despesas com aquisição de medicamentos de uso continuado
em caso de doença crónica.

4. A comparticipação familiar mensal é efetuada no total de 12


mensalidades, sendo que a 12ª será diluída nas tradicionais 11
prestações mensais.

5. Em caso de alteração da tabela em vigor os Pais/Encarregados


de Educação serão avisados com 30 dias de antecedência.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

NORMA XVII
Refeições

1. As Crianças quando entrarem no Estabelecimento já devem ter


tomado o pequeno-almoço.
2. As refeições a fornecer no Estabelecimento serão previamente
programadas e confecionadas em conformidade com as exigências
alimentares das Crianças, sendo as respetivas ementas afixadas no
placard de entrada do CES – Fonte Boa. Estas ementas também
estarão disponíveis no blog do Estabelecimento.
3. As refeições são confecionadas diariamente no estabelecimento.

4. Quando a uma Criança tenha sido prescrita uma dieta alimentar,


deverão os Pais/Encarregados de Educação fornecer cópia de tal
prescrição médica à Diretora Técnica, para que a mesma possa ser
respeitada e observada.

5. No caso de se tratar de uma dieta temporária (por questões de


diarreias por ex.), a responsável da sala deve ser avisada até às 10
horas do próprio dia.

6. No caso de haver restrição de algum alimento (alimentação


vegetariana, questões religiosas ou outras), esta decisão deverá ser
transmitida à Diretora Técnica de forma a poder ser respeitada.

7. Enquanto a Criança estiver a introduzir novos alimentos na sua


dieta esta será da responsabilidade dos Pais/Encarregados de
Educação O Estabelecimento só fornecerá alimentos que fazem parte
do seu consumo diário. Qualquer alimento que a Criança tenha que
consumir e que não faça parte deste consumo, ele é da
responsabilidade dos Pais/Encarregados de Educação.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

NORMA XVIII
Serviços Complementares Disponibilizados

1. A Creche do CES – Fonte Boa, disponibiliza os seguintes


serviços complementares:

a) ginástica (a partir de 2 anos de idade);


b) transporte (incluindo seguro para as Crianças). Aquando do
início da utilização deste serviço, será entregue aos
Pais/Encarregados de Educação o regulamento de transportes
da Instituição.

2. O pagamento deste serviço é efetuado na secretaria dos CES –


Fonte Boa e vem contemplado no recibo da mensalidade.

NORMA XIX
Passeios ou Deslocações

1. Quando, por razões de deslocações em atividades externas (tais


como passeios, visitas de estudo ou outras), exista um horário distinto
a observar para o efeito, os Pais/Encarregados de Educação serão
informados da hora até à qual devem as Crianças entrar na Creche do
CES – Fonte Boa, bem como da previsível hora a partir da qual,
podem vir buscá-las.

2. Nestes dias, sempre que não seja possível fazer o transporte das
Crianças, este será da responsabilidade dos Pais/Encarregados de
Educação. Os custos destas atividades são da responsabilidade dos
Pais/Encarregados de Educação.

3. No início do ano letivo, os Pais/Encarregados de Educação


devem assinar um documento que autorize a Criança a poder
participar nestas atividades e a poder deslocar-se para fora das
instalações do Estabelecimento (de transporte ou a pé).
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

4. Os Pais/Encarregados de Educação serão sempre informados


destas saídas com a devida antecedência.

5. Sempre que seja agendada uma visita de estudo ou qualquer


outra atividade de interesse pedagógico, as Crianças que não forem
autorizadas a realizar a deslocação ou atividade, não poderão, nesse
dia, ser recebidas no Estabelecimento.

NORMA XX
Quadro de Pessoal

1. O quadro de pessoal deste Estabelecimento encontra-se afixado


em local bem visível (no placard de entrada do CES – Fonte Boa)
contendo a indicação do número de recursos humanos (Direção
Técnica, Equipa Técnica, e Pessoal Auxiliar), formação e conteúdo
funcional, definido de acordo com a legislação em vigor.

NORMA XXI
Direção Técnica

1. A Direção Técnica do Estabelecimento é assumida por uma


Educadora de Infância nomeada pela Direção e que assegura a
execução das linhas orientadoras e de coordenação da atividade
pedagógica.

2. Cada sala funciona sob a responsabilidade de uma Educadora


que dirige e orienta as funções das respetivas auxiliares de ação
educativa, com exceção do berçário que contempla duas auxiliares de
ação educativa.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

CAPÍTULO IV
Direitos e Deveres
NORMA XXII
Direitos das Crianças e dos Pais/Encarregados de Educação

1. Direitos das Crianças - Sem prejuízo das regras genericamente


estabelecidas neste Regulamento, as Crianças que frequentam a
Creche do CES – Fonte Boa têm ainda os seguintes direitos:

a) igualdade de tratamento, independentemente da raça, religião,


nacionalidade, idade, sexo ou condição social;
b) serem tratados com delicadeza, amizade e competência pelos
educadores e demais funcionários;
c) utilizar os equipamentos do estabelecimento disponíveis para a
respetiva sala de atividades e espaços de recreio;
d) terem acesso a um conjunto de atividades educativas
adequadas à sua idade, interesse e necessidades de forma a
proporcionar-lhes um desenvolvimento global (a nível
cognitivo, psicomotor e sócio afetivo);
e) receberem cuidados adequados de higiene, segurança e
alimentação;
f) terem uma alimentação cuidada e diversificada de modo a
satisfazer as necessidades próprias da sua idade;
g) respeito pela sua identidade pessoal e reserva da intimidade da
vida privada e familiar;
h) não estarem sujeitos a coação física e/ou psicológica.

2. Direitos Pais/Encarregados de Educação - Sem prejuízo das


regras genericamente estabelecidas neste Regulamento, os
Pais/Encarregados de Educação, têm ainda os seguintes direitos:

a) serem informados e poderem participar em todas as situações


relacionadas com as suas Crianças, quer de natureza
pedagógica ou outras;
b)
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

c) serem atendidos individualmente pelos responsáveis da sala.


Esse atendimento será feito diariamente, das 16h às 17h após
prévia marcação;
d) apresentar aos responsáveis do serviço ou à Direção quaisquer
problemas, críticas ou sugestões que considerem necessárias
ou pertinentes;
e) consultarem o processo de avaliação das Crianças.

NORMA XXIII
Deveres das Crianças e dos Pais/Encarregados de Educação

1. Deveres das Crianças - Sem prejuízo das regras genericamente


estabelecidas neste Regulamento as Crianças que frequentam a Creche
do CES-Fonte Boa têm ainda os seguintes deveres:

a) cumprir as normas da valência de acordo com o estipulado


neste Regulamento Interno;
b) cumprir os horários fixados;
c) serem corretos e educados nos contactos a estabelecer com
todos os funcionários do Estabelecimento;
d) ao entrar nas instalações da Creche, a Criança deverá ser
acompanhada por um adulto e entregue, diretamente, ao
colaborador destacado para esse fim;
e) o uso de adornos (fios, brincos, anéis, entre outros) não é
permitido nos casos em que os responsáveis dos serviços
entendam que tais objetos constituam um fator de risco para o
próprio ou para outros;
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

NORMA XXIV
Direitos da Direção do Estabelecimento

1. Direitos da Direção do Estabelecimento:

a) a lealdade e o respeito por parte dos Pais/Encarregados de


Educação e das pessoas que lhe são próximas;
b) exigir o cumprimento do presente Regulamento;
c) receber as comparticipações mensais e outros pagamentos
devidos, nos prazos fixados.

NORMA XXV
Deveres da Direção do Estabelecimento

1. Deveres da Direção do Estabelecimento:

a) garantir a qualidade dos serviços prestados;


b) garantir a prestação dos cuidados adequados à satisfação das
necessidades das Crianças;
c) garantir às Crianças a sua individualidade e privacidade;
d) garantir o sigilo dos dados constantes nos processos
individuais dos Pais/Encarregados de Educação e das
Crianças;
e) desenvolver as atividades necessárias e adequadas de forma a
contribuirem para o bem-estar das Crianças;

NORMA XXVI
Depósito e Guarda dos Bens das Crianças

1. O Estabelecimento não se responsabiliza pelo extravio e/ou


eventuais danos de valores como fios, pulseiras, anéis, brinquedos ou
outros objetos, independentemente do seu valor, que a Criança tenha
em seu poder durante a frequência no Estabelecimento, ou pelo
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

2. extravio de objetos, como material escolar, que não estejam


devidamente identificados com o nome Criança.

NORMA XXVII
Interrupção da prestação de cuidados por Iniciativa dos
Encarregados de Educação/Representante legal

1. As desistências devem ser comunicadas à Diretora Técnica e aos


serviços Administrativos com 30 dias de antecedência.

NORMA XXVIII
Contrato

1. Nos termos da legislação em vigor, deve ser celebrado, por


escrito, um contrato de prestação de serviços entre o
Pais/Encarregados de Educação e a Direção do Estabelecimento.

NORMA XXIX
Cessação da Prestação de Serviços

1. Em caso de desistência da frequência da Creche, os


Pais/Encarregados de Educação, deverão comunicar esse facto à
Educadora Responsável pela sala do seu educando, à Diretora Técnica
e à secretaria do CES – Fonte Boa com a maior antecedência possível.

NORMA XXX
Livro de Reclamações

1. Nos termos da legislação em vigor, este Estabelecimento possui


livro de reclamações, que poderá ser solicitado sempre que desejado
junto dos responsáveis do Estabelecimento.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

CAPÍTULO V
Disposições Finais
NORMA XXXI
Alterações ao Regulamento

1. Nos termos do presente Regulamento e da legislação em vigor, a


Direção do Estabelecimento deverá informar e contratualizar com os
Pais/Encarregados de Educação quaisquer alterações ao presente
Regulamento com a antecedência mínima de 30 dias relativamente à
data da sua entrada em vigor, sem prejuízo do direito à resolução do
contrato a que a estes assiste.

2. Estas alterações deverão também ser comunicadas à entidade


competente para o acompanhamento técnico da Creche.

NORMA XXXII
Dúvidas e Omissões

1. Em caso de eventuais dúvidas ou omissões, as mesmas serão


supridas pela Direção do Estabelecimento, tendo em conta a legislação
em vigor sobre a matéria.

NORMA XXXIII
Disposições Complementares

1. O ano letivo inicia-se no primeiro dia útil de setembro, e termina


no último dia útil de julho.

2. O Estabelecimento estará encerrado nos seguintes períodos/dias:

a) todo o mês de agosto;


b) no dia da Festa de Natal dos funcionários do L-INIA Santarém
(ex-EZN);
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

c) No período entre a véspera de Natal e o dia de Ano Novo;


d) na segunda e terça-feira de Carnaval;
e) no dia 19 de março (Feriado Municipal);
f) na quinta e sexta-feira Santas;

3. O transporte das Crianças não será efetuado no primeiro dia de


aulas, no dia da festa de Natal, nos dias de visitas de estudo e sempre
que por motivo imprevisto ou de força maior não seja possível fazê-lo.

4. O uso do bibe ou farda é obrigatório.

5. As Crianças deverão trazer, se possível, roupa prática e fácil de


vestir e despir, de forma a proporcionar um acesso mais rápido ao
W.C., permitindo também uma maior liberdade de movimentos e
tornando a Criança mais autónoma.

6. Em caso de doença ou acidente, o Estabelecimento obriga-se a


comunicar imediatamente o facto aos Pais/Encarregados de Educação.

7. Se necessário, serão promovidas as diligências para o transporte


da Criança a um estabelecimento de urgência do Serviço Nacional de
Saúde.

8. Os Pais/Encarregados de Educação, depois de avisados, serão


responsáveis pelo devido acompanhamento da Criança no local onde
ela estiver a receber cuidados de Saúde.

9. O Estabelecimento tem um Seguro de Acidentes Pessoais que


cobre as despesas com os acidentes que possam ocorrer com as
Crianças enquanto sob a responsabilidade do Estabelecimento.

10. Tratando-se de doença infetocontagioso a Criança não poderá


retomar a frequência da Creche sem uma declaração do médico
assegurando já não haver perigo de contágio.

11.
Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa

12. A administração de medicação à Criança durante o período de


permanência na Creche será feita:
a) quando acompanhado (no caderno correio) dos seguintes
elementos: nome do medicamento, horário da toma, posologia,
motivo porque lhe foi prescrita a medicação e assinatura dos
Pais/Encarregado de Educação.
b) no caso de antibiótico, para além das condições expressas em
a) deverá ser acompanhado de receita médica.

13. Sempre que no período de permanência na Creche, adoecer


qualquer Criança, cuja presença passe a ser considerada prejudicial às
outras Crianças, será dado o necessário conhecimento aos
Pais/Encarregados de Educação, a fim de providenciarem as medidas
adequadas.

14. Sempre que sejam detetadas infestações de parasitas externos as


Crianças portadoras estarão impedidas de frequentar a Creche num
período mínimo de três dias, para garantir a sua própria higiene, e não
potenciar o contágio.

15. Todo o material de apoio que seja solicitado pelo Jardim de


Infância e objetos de uso pessoal, devem estar devidamente
identificados.

NORMA XIV
Entrada em Vigor

1. O presente regulamento entra em vigor no início do ano letivo de


2010-2011. Contudo, poderá o mesmo vir a sofrer pequenas alterações
no seu articulado. Caso tal venha a acontecer, os Pais/Encarregados de
Educação serão informados destas mesmas alterações.

Fonte-Boa, 30 de outubro de 2010