You are on page 1of 7

ESCOLA

A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
RISCOSS ELÉCTRICOS (I)

A. Contactos
C E
Eléctricos

Æ A concepção e a execuçã
ão das instala
ações eléctricas devem obedecer ao
o Regulamen
nto de
urança de Insstalações de Utilização de Energia Elléctrica (R.S.I.U.E.E.).
Segu

Æ Ass canalizaçõ
ões eléctricas, aparelhag
gem e quadros eléctrico
os devem se
er adequado
os aos
ambie
entes em que
q virão a ser utilizados, particula
armente qua
ando se tratta de locais
s com
ambie
entes corrossivos, molhad s, com riscoss de incêndio ou de explosão,
dos, húmidoss, poeirentos
sujeittos a altas temperatura
as. Para ca
ada um dos
s casos estã
ão previstoss no RSIUE
EE os
equip
pamentos ma
ais adequado
os.

No que diz respe


eito à segura
ança das pe
essoas, dev
vem ser prevvistas medid
das de prote
ecção
contrra:

1. Coontactos Diirectos - em m que o utiliizador toca ou agarra directamente


d e os conduto
ores
ou ass partes actiivas, sob tennsão eléctricca;

Estess contactos podem ser unipolares


u o bipolaress (ver figuraa)
ou

A - Contacto
C bippolar (fase -neutro
- ou fase-fase);
f B - Contactoo unipolar ((fase-terra)

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 1 
 
ESCOLA
A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
2. Contactos
C In
ndirectos - em que o utilizador toca ou ag
garra ‘masssas’ que fic
caram
acide
entalmente so
ob tensão eléctrica.

B. Effeitos das Correntes


C E
Eléctricas

Æ Oss efeitos pod


dem ser dive
ersos, pois cada
c pessoa tem a sua própria estrutura anatómic
ca e o
corpo
o humano nã
ão é homogé
éneo.
Æ A pele é o teccido que apre
esenta maior resistência eléctrica, va
ariando o seu valor de pessoa
para pessoa. Po
or outro lado
o, se a messma pele es
stiver húmida
a apresentará um resistência
or.
meno
Æ Oss pontos de entrada e saída da corrrente eléctric
ca no corpo também são
o importantes
s pois
confo
orme o trajec
cto assim se
erá o valor da
a resistência.

Tabe
ela:
Resis
stência do Corpo
C Huma
ano Rh (Ω)

Te
ensão de Estado da
d Pele
Contacto (V) Sec
ca Húmida Mo
olhada Imersa
a

25 5 00
00 2 500 1 000 500
50 4 00
00 2 000 875 440
250 1 50
00 1 000 650 325

Por exemplo, admitindo


a q há um defeito
que d num
m receptor que
q provocaa uma tensão de
contaacto Uc = 50 V, obtemos
o ass seguintess intensidaddes de coorrente extrremas
percoorrendo o coorpo humanno num contacto indireecto:

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 2 
 
ESCOLA
A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
Uc 50
Ih = = = 0,11A = 1110mA (ppele imersa/dentro de ággua)
Rh 440
e
Uc 50
Ih = = = 0, 0125A
A = 12,5mA (pele secaa)
Rh 4000

Æ No
N caso do contacto
c direecto com um
ma tomada de 230V, como as quee temos em nossa
n
casa,, a corrente pode ir, connforme os casos,
c de 46
60 mA a 4,66mA (confirrme).

Conccluímos porrtanto que uma


u dada tennsão pode ter efeitos muito
m negativvos numa

pessooa e nulos noutra.


n

Efeittos possíveiis da corren


nte eléctricca no homeem:
1. Coontracção muscular
m fr
fraca ou méddia;
2. Seensação de tetanização
t (contracçãoo muscular forte);
f
3. Peerda de con
nhecimentoo;
4. Paaralisia do cérebro;
5. Paaralisia doss diferentess órgãos;
6. Deecomposiçãão do sangu
ue;
7. Auumento da temperatura
t a do corpo;
8. Qu
ueimaduraas nos pontoos de contaccto;
9. Contracçãoo musculaar dolorosaa e fibrrilação venntricular (funcionam
mento
descompassadoo do coraçãão, perdenddo a capacid
dade de boombear o saangue e pod
dendo
origiinar a mortee se a fibrilaação durar algum
a tempo
o);
10. Perda
P da caapacidade mental
m e daa sensibilid
dade;
11. Incapacidad
I de total;
12. Morte.
M

Æ Os
O efeitos 1 a 7 não proovocam moorte, enquan
nto os efeitoos 8 a 11 a podem prov
vocar
se a vítima
v não for
f prontam
mente socorrrida.

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 3 
 
ESCOLA
A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
Tabeela:
Reaccções Fisolóógicas da Corrente
C Elléctrica (va
alores médiios)
Inteensidade (m
mA) Reacções Fisolóógicas
0,05 Æ Foormigueiro perceptível
p na língua
0,1 Æ Foormigueiro perceptívell nos dedos
Æ Seensação de insensibilid
i dade na mãoo
1 a 10
Æ Au
umento da tensão arrterial 
Æ Tetannização da mão e antebração - um condutor seguro na
mão não será libertaddo pelo próprio;
10 a 25 Æ Au
umento da tensão arteerial e do ritmo
r cardíaco, tornan
ndo-
see irregular
Æ O coração ceessa de bateer, mas podde ser reanim
mado
25 a 80
Æ Teetanização dos
d músculo
os pulmonarres e parageem da respirração
80 a 5000
Æ Fib
brilação veentricularr

Æ Poodemos enttão dizer quue a correntee eléctrica começa


c a seer perigosa, mas não mortal,
m
a parrtir de 25 a 30
3 mA.

Æ Peelas contas que fizemoos antes, poddemos tamb


bém concluiir que uma ttensão de 230 V,
podee ser mortaal.

feito do chooque em cad


O efe da pessoa dependerá
d de vários faactores, nom
meadamentee:
. Os pontos
p de contacto;
c
. O trrajecto da corrente;
. O tiipo de correente (c.c. ouu c.a.);
. A frequência;
fr
. O estado
e de saúúde da pesssoa;
. A humidade
h doo corpo;
. Se está
e calçadoo ou não,
. O tiipo de calçaado;
. O tiipo de contaacto (mão fechada
fe sobrre o conduto
or ou não), etc.,

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 4 
 
ESCOLA
A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
pelo que o melhhor será sem
mpre preven
nir e evitarr o contactoo eléctrico qque pode seempre
ter coonsequênciaas perigosass.

Assim
m, as regrass de segurannça devem ser
s sempre cumpridas.
c

Quesstões:

1. Ass instalaçõe
es eléctricas podem serr projectada
as por enge
enheiros da forma que estes
quise
erem? Justifiq
que.
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____

2. Qu
uais são os tipos de locall onde é precciso ter mais
s cuidado com
m os materia
ais e aparelh
hagem
a utiliizar numa insstalação elécctrica?
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____

3. Qu
ue tipos de co
ontactos eléctricos podem acontecerr a uma pesssoa ?
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____
_____
___________
___________
___________
___________
___________
___________
___________
_____

4. Cla
assifique os tipos de contactos das figuras seguin
ntes:

fiig. a fig. b

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 5 
 
ESCOLA
A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
fig. a: _________
___________
___________
__________
___________
___________
_________
fig. b:__________
__________
___________
___________
__________
___________
_________

5. Os efeitos dee um contaccto são iguuais em todaas as pessooas, desde qque a tensão
o que
contaactam tenhaa igual valorr ? Justifiquue.
____________ .
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____

6. Quuais os facttores que innfluenciam a gravidade dos efeitoos de um coontacto elécctrico


numaa pessoa?
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____

7. Diiga qual a innfluência daa humidade na gravidad


de de um coontacto elécctrico sofrid
do por
uma pessoa.
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____

8. Quual a corrennte aproxim


mada que peercorre o co
orpo de um
ma pessoa, qquando entrra em
contaacto eléctricco directo com uma tennsão de 250 V, nas seguuintes conddições:
a) peele seca

b) peele molhadaa

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 6 
 
ESCOLA
A SECUND
DÁRIA ALFFREDO DA
A SILVA 
CURRSO PROFISSSIONAL DE ELLECTRÓNICA A, AUTOMAÇÃ ÃO E COMAN NDO 
      DISCCIPLINA: TECN
NOLOGIAS APLLICADAS / FICHA DE TRABA
ALHO Nº 6 / OUTUBRO DE 2
2008 
________________________________________ _________________________________ _____ 
 
9. Reelativamentte à questãoo anterior, indique
i as possíveis
p coonsequênciaas para a peessoa,
num e noutro caaso.
a) peele molhadaa
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____

b) peele seca
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____

10. Indique
I quaatro dos efeiitos que o contacto
c de uma pessooa com umaa tensão eléctrica
podee provocar (dois que poossam provoocar a mortee e dois em que tal não se verifiqu
ue).
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____

11. Uma
U corrennte eléctrica, para proovocar o au
umento da tensão arteerial e do ritmo
cardííaco, deve teer que intennsidade aprooximada?
____________________________________________
______________________________
____

12. A partir de que valor podemos


p coonsiderar a corrente elééctrica que percorre um
m ser
humaano, perigossa para essee ser humanno?
____________________________________________
______________________________
____

13. Diga
D quais os
o efeitos possíveis
p minal activoo de uma tomada
parra si se tocaar num term
de suua casa. Expplique detalhhadamente o seu racioccínio atravéés de cálculoos.
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____
____________________________________________
______________________________
____
 

uis Jerónimo                                                   
Lu                                                                                    Pág. 7