Вы находитесь на странице: 1из 43

O FUNCIONALISMO SISTÊMICO NAS TEORIAS SOCIAL E ORGANIZACIONAL:

EVOLUÇÃO E CRÍTICA

Renato Santos de Souza 1 Prédio 40 - Campus Camobi CEP: 97105-900 Santa Maria/RS E-mail: renatoss@ccr.ufsm.br

Brasil

1 Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Centro de Ciências Rurais

Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural

CEP: 97105-900 Santa Maria/RS

Brasil

Resumo

O presente artigo pretende proporcionar uma visão geral sobre o desenvolvimento do

funcionalismo sistêmico nas teorias sociais, bem como suas implicações mais recentes nas teorias

organizacionais, a partir da teoria dos sistemas e do paradigma da complexidade. O texto propõe

três fases na evolução do pensamento funcionalista sistêmico nas teorias sociais: (1) a fase do

funcionalismo sociológico clássico; (2) a fase pós Teoria Geral dos Sistemas, a qual chamou-se

de ‘novo funcionalismo’; e (3) a fase derivada do novo paradigma da complexidade, a qual

denominou-se neste artigo de ‘a nova fronteira do novo funcionalismo’. No final do texto faz-se

uma abordagem crítica do funcionalismo sistêmico nas teorias sociais, com base em três

argumentos: (1) a dicotomia ‘norma, integração e ordem’ versus ‘poder, dominação e conflito’;

(2) as críticas de Habermas ao funcionalismo, sobretudo à teoria social de Luhmann; e (4) o uso

inadequado de conceitos dos sistemas naturais pelas teorias sociais e organizacionais.

Palavras chaves: funcionalismo, teoria dos sistemas, paradigma da complexidade

REAd – Edição 19 Vol. 7 No. 1, jan-fev 2001

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

O FUNCIONALISMO SISTÊMICO NAS TEORIAS SOCIAL E ORGANIZACIONAL:

EVOLUÇÃO E CRÍTICA

Introdução

O objeto deste texto é o funcionalismo sistêmico nas teorias sociais e suas

implicações para as teorias organizacionais. O objetivo principal é fazer um resgate histórico- crític o das fundamentações do funcionalismo sistêmico, passando pelas suas grandes fases evolutivas e pelos desdobramentos das suas influências nas teorias sociais, particularmente na sociologia e na teoria organizacional. Assim, identificou-se nesse artigo três grandes etapas teóricas do funcionalismo sistêmico.

A primeira delas compreende o que se pode chamar de funcionalismo clássico , e

manifesta-se na sociologia por meio de uma longa construção teórica que vai de Spencer até Parsons, este último, sem dúvida, a figura mais importante desta fase e que representa, de certa

forma, uma síntese deste momento. Esta fase se caracteriza pela construção dos conceitos de função, de integração, e pela introdução da analogia dos sistemas sociais com sistemas orgânicos biológicos. Porém, embora exista freqüentemente esta analogia, o funcionalismo clássico procurou um caminho próprio para a sociologia, pela construção de conceitos surgidos do próprio campo social.

A segunda tem como evento principal o surgimento da Teoria Geral dos Sistemas,

que inaugurou o que se poderia chamar de um ‘novo funcionalismo’. Com isto, surgem nas teorias sociais os conceitos ligados à cibernética. Para se ter uma idéia das relações entre esta fase e o funcionalismo clássico, Parsons é considerado por muitos como um precursor da teoria dos sistemas. A Teoria Geral dos Sistemas caracteriza-se, então, por concentrar-se essencialmente no sistema - considerado como uma unidade unificadora de todas as ciências -, buscando explicitamente nas leis dos sistemas naturais as regras de funcionamento dos demais sistemas, inclusive os sociais.

A terceira etapa surge com as mais novas descobertas, também nos sistemas naturais

(autopoiesis, teoria do caos, física quântica, estruturas dissipativas, etc.), que propõem

modificações nas teorias sistêmicas para incluírem com vigor decisivo a incerteza, a indeterminação, a auto-produção e a complexidade. Trata-se do esboço de um novo paradigma,

Renato Santos de Souza

autodenominado de ‘paradigma da complexidade’. Conforme argumenta-se no decorrer do texto, tanto a Teoria Geral dos Sistemas quanto o ‘paradigma da complexidade’, quando aplicados às teorias sociais, passam a representar novas formas de funcionalismo. Na verdade, este tema é muito amplo; portanto, teve-se que fazer alguns recortes e optar por um tipo específico de abordagem neste trabalho. Assim, tratar-se-á pouco das diferentes nuanças e discussões dentro e fora da abordagem sistêmica e funcionalista em cada fase, para poder prender o texto na evolução e nos aspectos que mantiveram a identidade do paradigma sistêmico funcionalista no tempo, desde os sociólogos pré-funcionalistas até os teóricos da complexidade. Assim, apesar de existir muitas diferenças significativas internas ao funcionalismo sistêmico, procurou-se perseguir ma is a sua identidade de forma a manter a coerência e o propósito do trabalho face às limitações de espaço. É fundamental aqui, ressaltar a importância do funcionalismo sistêmico sociológico para as teorias organizacionais. A organização, com cada vez mais freqüência, é caracterizada como um sistema social, e a sociologia funcionalista se dedicou exatamente ao estudo deste tipo de sistema. Na verdade, em um certo sentido, a teoria organizacional pode ser considerada um ramo da sociologia. Muitos autores da sociologia trataram de estudar as organizações (Max Weber, Talcot Parsons, Robert Merton, Neil Smelser, Walter Bucklei e Karl Deush por exemplo) e muitos autores da administração consideraram estas – as organizações - como sistemas sociais (Mary Parker Folle t, Chester Barnard, Katz e Kahn, Helton Mayo, James March e Herbert Symon, por exemplo). Apesar de muitos sociólogos as terem estudado, considera-se que foi o trabalho de Merton na década de 40 que colocou as organizações como um objeto distinto e merecedor de estudo sociológico, como atores sociais independentes na sociedade moderna (Tolbert e Zucker, 1999). Do lado das teorias organizacionais ou administrativas, Mary Parker Follet e Chester Barnard foram precursores em considerar as organizações como sistemas sociais, noção esta que foi fundamental para o ingresso da sociologia e da psicologia no campo das teorias organizacionais. Esta concepção se sedimentou com a escola das Relações Humanas, e fez parte

de quase todas as teorias organizacionais posteriores, como a comportamentalista e a teoria institucional, dentre outras. Assim, o campo da sociologia funcionalista sistêmica é central para as teorias organizacionais em um duplo sentido: o estudo das organizações tem espaço

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

privilegiado neste paradigma sociológico, assim como este mesmo paradigma é extremamente influente nas teorias organizacionais propriamente ditas. Neste artigo apresenta-se uma tese básica. Em parte, se reconhece o funcionalismo como uma abordagem útil e ainda promissora nas ciências sociais. Por outro lado, se têm uma visão crítica em relação a alguns métodos do funcionalismo, sobretudo a partir da Teoria Geral dos Sistemas, pela excessiva utilização de analogias entre os sistemas sociais e os sistemas naturais. Invariavelmente, todos os conceitos novos que são propostos para as teorias sociais inspirados nas teorias dos sistemas e no ‘paradigma da complexidade’ (homeostase, retroação, entropia, auto-produção, organização, autopoiesis, caos, etc.) são oriundos de descobertas na física, na química, na biologia e na termodinâmica. Considera-se, assim, que a crescente utilização de conceitos e leis dos sistemas naturais para explicar fenômenos sociais empobrece o próprio funcionalismo, e desvia a atenção dos fenômenos sociais como tais para tentar adequá-los a estes conceitos e leis. De certa forma, portanto, o funcionalismo estaria regredindo no reconhecimento da singularidade dos sistemas sociais e das forças que determinam a sua dinâmica, para refugiar-se em conceitos alheios à realidade do mundo social, e que pouco lhe acrescentam em conhecimento.

O pensamento sistêmico e a evolução do funcionalismo clássico nas teorias sociais

Como se irá caracterizar neste item, três elementos fundamentais acompanham a sociologia desde a sua fundação, e caracterizam o pensamento funcionalista sistêmico: a noção de sistema e a concepção de sociedade como um sistema social; a recorrência à metáforas comparativas de tais sistemas com os sistemas orgânicos das ciências naturais, caracterizando a existência de ‘leis sociais naturais’; e a concepção das categorias funcionais necessárias a manutenção da estabilidade relativa de tais sistemas. Função, sistema e organismo biológico são três das principais ferramentas com que o funcionalismo sistêmico trabalha. Procurar- se-á neste item apresentar uma evolução do pensamento funcionalista clássico nas teorias sociais,

destacando a presença destas três características. Posteriormente, se abordará como estas características persistem e mesmo aprofundam-se com a teoria dos sistemas e o paradigma da complexidade.

Renato Santos de Souza

O primeiro autor na sociologia a tratar o conceito de sociedade como um sistema e um organismo foi Herbert Spenser. Considerado, junto com Durkhein, como um pré-

funcionalista, Spencer caracterizou a sociedade como um sistema social relativamente estável. A estabilidade, para ele, era um imperativo da idéia de sociedade, razão pela qual ele rejeitou o nome de sociedade a grupos sempre mutáveis formados pelo homem primitivo. Em seu Princípios de Sociologia, Spencer caracteriza a sociedade como um organismo; à medida que ela cresce, suas partes vão se diferenciando, sua estrutura fica mais complicada e as partes diferenciadas assumem funções também diferenciadas. Nas palavras de Spencer, “A analogia de uma sociedade com um organismo torna-se ainda mais surpreendente quando se vê que todo o organismo de apreciável volume é uma

Ainda que o organismo e a sociedade difiram em que o primeiro existe no estado

concreto e o segundo no estado discreto, e ainda que haja uma diferença nos fins servidos pela organização, isto não determina uma diferença em suas leis” (Spencer, 1977, p.149). Aqui, Spencer claramente identifica as leis que regem uma sociedade com aquelas que regem o organismo vivo, colocando, já no início da sociologia, as principais características do funcionalismo e da teoria sistêmica: a analogia com o organismo, a existência de leis sociais naturais, o imperativo das funções e a integração entre as partes do sistema. Outra característica desta analogia na sociologia de Spencer foi comparar a evolução humana com as leis de evolução das espécies darwinianas, o que ficou conhecido neste autor como ‘darwinismo social’. René Worms, outro pré-funcionalista, caracteriza da mesma forma a sociedade como um organismo vivo. “O organismo é um todo composto de partes também vivas. Seguramente, esta fórmula convém, do mesmo modo, à sociedade, porque esta se compõe de partes vivas, os indivíduos, e ela mesma é um todo que tem sua vida própria ” (Worms, 1977, p.149). Desta forma, em seu trabalho intitulado Organismo e Sociedade , Worms esforça-se para criar uma analogia entre o funcionamento de uma sociedade e o funcionamento de um organismo. Este autor mostra que as sociedades, como os seres vivos, são sistemas abertos, que interagem com seu meio ambiente e satisfazem, assim, suas funções de nutrição e reprodução.

sociedade,

Pode-se dizer que Emile Durkheim foi o fundador do método sociológico tal como se desenvolveu hegemonicamente na sociologia empirista-positivista-funcionalista até os anos 60. O fundamento do seu método sociológico, exposto em As Regras do Método Sociológico , era o tratamento dos fatos sociais como “coisas”, ou seja, uma realidade que é dada e que se impõe

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

externamente ao observador. Assim, os fatos sociais impunham-se ao conhecimento científico como o objeto central de estudo dos sociólogos. Durkheim desenvolve também os conceitos relativos à observação e ao estabelecimento da causalidade no estudo dos fatos sociais, delineando um caminho de objetividade, neutralidade e empirismo ao estudo sociológico. O seu método, assim como a tradição empirista-positivista-funcionalista que o sucedeu, se baseava em um levantamento cuidadoso dos dados sobre uma realidade social dada, na construção de hipóteses causais e na testagem destas hipóteses mediante o tratamento estatístico dos dados para se chegar a correlações de causa e efeito. De certa forma, Durkheim é o fundador da corrente sociológica que se hegemonizou mais tarde nos Estados Unidos, que dava mais ênfase ao estudo empírico quantitativo da realidade do que à teorias gerais sobre a sociedade. Mas, para administrar a pesquisa das relações de causalidade, bem como para construir uma utilidade normativa para a sociologia, Durkheim precisava trabalhar o conceito de sociedade bem como interpretar os fatos sociais dentro desta sociedade, para o que ele cria os conceitos de normal e patológico. Aqui, então, surge com evidência a sua aproximação funcionalista sistêmica. Durkheim descreve a sociedade como algo que se impõe acima dos indivíduos. Contrariando os idealistas, ele advoga que a sociedade não é o resultado das consciências individuais, mas ao contrário, forma tais indivíduos; assim, não se deveria buscar explicação para os fatos sociais olhando para a natureza humana, mas sim para a própria sociedade. Para Durkheim, a sociedade é algo maior do que a manifestação das consciências individuais. Desta forma, colocando alguns elementos que mais tarde seriam a essência da análise sistêmica, ele diz que “a sociedade não é uma simples soma de indivíduos, mas o sistema formado pela associação deles representa uma realidade específica que tem seus caracteres próprios” (Durkheim, 1999, p. 105). Esta realidade específica característica dos sistemas de interação é o que mais tarde os teóricos de sistemas chamariam de ‘totalidade’ (Bertalanffy) ou então de ‘emergência’ (Edgar Morin). Ainda segundo Durkheim, “um todo não é idêntico à soma das partes, ele é alguma outra coisa cujas propriedades diferem daquelas que apresentam as partes de que é formado” (idem, p.105).

O caráter sistêmico-funcionalista-normativo da obra de Durkheim se revela claramente na sua distinção entre fenômenos sociais ‘normais’ e ‘patológicos’. Segundo ele, se pudéssemos distinguir objetivamente entre o normal e o patológico, a sociologia poderia servir para orientar a ação prática sem perder o seu caráter científico. Esta distinção, porém, no decorrer

Renato Santos de Souza

de todo As Regras do Método Sociológico, provém quase que exclusivamente de analogias feitas com os sistemas orgânicos, com a relação dos órgãos em um organismo, e com os conceitos de saúde e doença de tal organismo. A distinção de Durkheim acerca do normal e do patológico permite identificar nele os elementos do positivismo e do funcionalismo sistêmico. Embora durante toda a exposição de seu método Durkheim relute em caracterizar como estado ‘normal’ aquilo que é útil ou funcional, ele acaba caindo em uma armadilha em que não consegue estabelecer o caráter de normalidade fora dos conceitos de funcionalidade e utilidade. Contrariando alguns pré-funcionalistas como Spencer, para Durkheim “mostrar em que um fato é útil não é explicar como ele surgiu nem é explicar como ele é o que é” (idem, p.92); porém, mais adiante ele completa, “entretanto, se a utilidade do fato não é aquilo que o faz existir, em geral é preciso que ele seja útil para poder se manter” (idem, p.99). Durkhein, então, opta por considerar como normal tudo aquilo que está adaptado ao meio, e que se encontra com certa generalidade, da mesma forma que considera como patológico aquilo que perturba a adaptação ao meio e prejudica a estabilidade do sistema. Interessante, porém, é observar que esta adaptação ou não ao meio é exatamente o que Robert Merton mais adiante chamou de ‘funcional’ ou ‘disfuncional’, o que demonstra ser essencialmente funcionalista o conceito de ‘normal’ e ‘patológico’ de Durkheim, mesmo que ele não o quisesse. Assim, como foi dito acima, apesar de não atribuir diretamente à função ou à utilidade o estado normal, Durkheim não consegue se livrar das armadilhas do funcionalismo sistêmico que as analogias com os sistemas naturais, recorrentes em seu trabalho, tendem a armar para ele. Após Durkheim, o funcionalismo sistêmico despontou explicitamente como uma abordagem dominante nas teorias sociais, e vários autores encarregaram-se de colocar cada pedra na sua construção. Dois dos principais fundadores da antropologia contemporânea, Bronisllaw Malinowski e Radcliffe-Brow, trabalharam e desenvolveram os pressupostos funcionalistas. Malinowski é quem primeiramente põe a prova o funcionalismo. A sua mais importante contribuição funcionalista foi definir a ‘função’ a partir da satisfação de uma necessidade. Segundo ele, “a função significa sempre a satisfação de uma necessidade, desde a simples ação

de comer até a execução sacramental, em que o fato de receber a comunhão se inscreve em todo

Assim, a função da família seria a de alimentar a comunidade de cidadãos, a função da família

um sistema de crenças, determinadas pela necessidade cultural

(Malinowski, 1977, p.155).

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

ampliada seria de permitir a melhor exploração dos recursos, o aumento da influência política, e assim por diante. Radcliffe-Brow, por sua vez, em seu livro intitulado Uma Ciência Natural da Sociedade , adiciona o conceito de coe rência funcional, que designaria a interdependência das partes e as ligações recíprocas em um sistema social. Assim, o autor introduz na idéia de função um conceito essencialmente sistêmico, que salienta a inter-relação entre os diferentes elementos, e o fato das funções operarem em consonância umas com as outras. (Radcliffe-Brow, 1977). Mas, a medida em que nos aproximamos de Parsons, sem dúvida alguma o centro do desenvolvimento teórico funcionalista na sociologia, o paradigma sistêmico funcionalista passa a receber adições mais significativas e a conformar uma teoria de alcance mais geral. Robert Merton, um dos mais importantes funcionalistas depois de Parsons, tenta formular, na verdade, o esboço de tal paradigma. Segundo Birnbaum e Chazel (1977), Merton não apresenta propriamente uma teoria, mas um método interpretativo a seguir, um método de como e o que observar. Para estes autores, o trabalho apresentado por Merton é um paradigma formal, ou seja, um contexto vazio que deve ser essencialmente apreciado, dentre outras coisas, em função de seu poder eurístico. Do ponto de vista do recorte que se propôs neste trabalho, duas questões colocadas por Mertom chamam a atenção: a necessidade de explicitar a unidade servida pela função, e a distinção entre função manifesta e função latente. Com relação à primeira questão, ele observou que a sociedade global não é a única escala possível para uma aproximação funcional, razão pela qual se deve definir qual é a unidade servida pela função. Em razão disto, é necessário examinar uma gama de unidades afetadas por um elemento dado, quais sejam, indivíduos que ocupam diversos status, grupos, sociedades globais, sistemas culturais, etc. Enfim, Merton reconhecia as dificuldades e as limitações que a análise das funções em uma sociedade continha, dado que elementos poderiam ser funcionais para certos indivíduos e para certos agrupamentos, e disfuncionais para outros. Na verdade, ele entendia que o funcionalismo até então incorria em dois problemas principais, de um lado tendia a limitar as análises apenas às contribuições

positivas (funcionais) dos elementos para o sistema social ou cultural a que pertencia, e de outro tendia a confundir a categoria ‘motivo’ com a categoria ‘função’. Em razão disto, Merton procurou deter-se ma is no conceito de função e nas suas peculiaridades. Para ele as funções são as conseqüências observadas que contribuem para a

Renato Santos de Souza

adaptação ou para o ajustamento a um dado sistema, e as disfunções, as que atrapalham esta adaptação ou este ajustamento. Um elemento pode ter concomitantemente conseqüências

funcionais e disfuncionais, o que dá origem ao problemas crucial e difícil de estabelecer o saldo líquido do feixe de conseqüências (Merton, 1977).

A outra confusão a que Merton referiu -se, entre motivo e função, leva-o a desenvolver

os conceitos de função manifesta e função latente. As funções manifestas representariam as conseqüências objetivas que, contribuindo para o ajustamento ou para a adaptação do sistema, são compreendidas e desejadas pelos participantes do mesmo, ao passo que as funções latentes representariam as conseqüências não compreendidas nem esperadas. As funções manifestas estariam, portanto, representando intenções subjetivas dos elementos do sistema. A tendência observada por Merton, de se considerar apenas as funções manifestas e as conseqüências positivas, levaria à confusão entre ‘motivo’ e ‘função’. Porém, considerando-se também as funções latentes e as conseqüências inesperadas, a categoria ‘motivo’ tenderia a se afastar da categoria ‘funç ão’. Ele, de certa forma, resolveu o dilema de Durkheim no estabelecimento do que seria ‘normal’ e ‘patológico’. Antes de se entrar na seara da Teoria Geral dos Sistemas e de sua influência nas teorias sociais e organizacionais, resta apresentar o pensamento da figura central do funcionalismo sistêmico clássico na sociologia: Talcot Parsons. Se a maioria dos autores que se tratou até aqui em relação ao funcionalismo sociológico apresentou aportes teóricos de alcance médio, Talcot Parsons ofereceu uma teoria verdadeiramente geral. Ambicionando bem mais do que os empiristas americanos de sua época que, herdeiros do método objetivista de Durkheim se enfronhavam nos dados empíricos para arrancar diretamente da realidade a explicação dela

mesma com o mínimo possível de abstração teórica, Parsons procurou recuperar para o funcionalismo o papel da grande teoria, da teoria geral, capaz de oferecer hipóteses lógicas sobre

a realidade e orientar o trabalho do sociólogo indicando-lhe o que buscar em suas pesquisas. Face

a isto, ele é figura central na teoria sociológica funcionalista, razão pela qual se irá analisá-lo mais detidamente.

O ponto central da teoria sociológica de Parsons é a noção de ação social, entendida

como sendo “toda a conduta humana motivada e guiada pela significação que o ator descobre no mundo exterior, significações que leva em consideração e às quais responde ” (Rocher, 1972, p. 250). Ou ainda, ação consiste em “estruturas e processos através dos quais os seres humanos

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

formam intenções significativas e, com maior ou menor êxito, as executam em situações concretas” (Parsons, in Castro e Dias, 1992, p. 218). O termo ‘significativo’ refere-se ao fato de que a ação social supõe um nível simbólico ou cultural de representação e referência. Parsons, desta forma, desenvolve toda a sua análise teórica, partindo da ação social, por meio de uma abordagem sistêmica. Segundo ele, a abordagem sistêmica tornaria mais científica as ciências humanas, dado que a ação humana apresenta as características de um sistema. Assim, os diferentes elementos que compõem uma ação social estão inter -relacionados e constituem uma totalidade complexa, ou seja, um sistema de ação. O sistema de ação social global seria formado, por sua vez, por três subsistemas: a) sistema cultural, compreendido como sendo “os valores, crenças e gostos comuns dos atores (sejam sujeitos ou objetos), os quais interagem através de sistemas de símbolos” (Parsons, in Castro e Dias, 1992, p. 225); b) sistema social, constituído pela inter-relação de uma pluralidade de pessoas e formado pelas relações que têm lugar entre os atores individuais (ídem, p. 220); e c) sistema de personalidade , que corresponde ao conjunto de construtos individuais que formam a personalidade, e que estão relacionados, em sua constituição, ao sistema cultural e às expectativas formadas em relação aos papeis sociais dos indivíduos no processo de socialização. Assim, os sistemas social, cultural e da personalidade são, na verdade, os ambientes onde se dão a ação social. O sistema social tem por objeto as condições compreendidas na interação de pessoas humanas reais, que constituem coletividades concretas, ao passo que o sistema cultural tem como centro os modelos de significação, isto é, de valores, de normas, de conhecimentos e de crenças organizadas (Parsons, 1977). Em Parsons, os sistemas sociais são considerados sistemas abertos, engajados em complexos processos de permuta com os sistemas circundantes, que incluem os sistemas cultural e da personalidade, o comportamento e outros sub-sistemas do organismo e do meio ambiente físico. Mas, se o sistema social é considerado um sistema aberto, então deve-se considerar que ele possui limites. Os limites do sistema, por sua vez, tem a ver com a sua estrutura. Quando um conjunto de fenômenos interdependentes entra em um molde suficientemente definido e

testemunha uma estabilidade no tempo, então pode-se dizer que ele tem uma estrutura e que é produtivo tratá-lo como um sistema. Neste sentido, o limite significa que existe uma diferença significativa entre a estrutura e os processos internos do sistema e os que lhe são exteriores; esta estrutura e processos internos existem e tendem a manter-se (idem). Assim, a noção de sistema de

Renato Santos de Souza

Parsons implica também uma noção de estabilidade, algo que tende a manter-se (manter a estrutura e os processos); isto não implica que Parsons não tenha sido sensível à mudança no sistema, porém, esta não era considerada mais importante que a estabilidade. Desta forma, a noção de sistema de Parsons implica basicamente em duas condições fundamentais: a primeira delas é a existência de uma estrutura, qual seja, aquelas modalidades de organização do sistema e de seus elementos que constituem componentes relativamente estáveis e que podem ser utilizadas como referências de análise do sistema; a segunda é a existência de funções, que significa que para que o sistema seja estável e tenda a se manter, determinadas necessidades elementares devem ser supridas. Por fim, um sistema é também constituído de processos internos do sistema, que representam as suas atividades, mudanças e evolução que não são produzidas ao acaso mas que obedecem a regras estruturais e funcionais. A estrutura seria composta de quatro elementos básicos: o papel (unidade conceitual do sistema social, o papel é um complexo de condutas de um indivíduo regulado de maneira normativa); os valores (modelos compartilhados de cultura normativa); a norma (diferentemente do valor, que representa componentes normativos compartilhados, a norma representa o componente específico de um determinado papel); e a coletividade (sistema formado pela interação dos participantes, na medida em que ele compartilha uma cultura normativa comum e se distingue de outros sistemas pela participação específica dos atores). De outro lado, o sistema teria uma série de necessidades a serem atendidas para que se mantivesse estável, que representariam as funções. Parsons descreveu basicamente quatro imperativos funcionais de um sistema social: a) função de manutenção dos modelos (refere-se à manutenção da estabilidade dos modelos de cultura institucionalizada definidores da estrutura do sistema); b) função de realização dos fins (diz respeito à realização do sistema de finalidades de um sistema social, e relaciona-se com o sistema de personalidade dos indivíduos); c) função de adaptação (diz respeito à contribuição dos recursos necessários à realização dos fins); e d) função de integração (diz respeito ao ajustamento mútuo das unidades ou subsistemas, do ponto de vista das suas contribuições para o efetivo funcionamento do sistema como um todo).

Assim, com a descrição dos sistemas que formam o sistema de ação social, com descrição da sua estrutura e de suas funções, Parsons adota uma postura claramente funcionalista, ao mesmo tempo em que leva ao limite a abordagem sistêmica ao nível de uma teoria sociológica

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

geral. Por esta razão, ele é figura central no funcionalismo e seminal na teorização sistêmica da sociologia 1 , assim como é considerado um dos precursores da Teoria Geral dos Sistemas.

A Teoria Geral dos Sistemas e o ‘novo funcionalismo’

A Teoria Geral dos Sistemas (TGS) foi desenvolvida pelo biólogo alemão Ludwig Von Bertalanffy, e sintetizada em 1968 em uma influente obra sua, de mesmo nome (apesar de várias publicações do autor sobre a teoria serem encontradas desde 1950). A TGS implicou em um ponto de inflexão no funcionalismo sociológico, e a partir dela pensadores contemporâneos, como Niklas Luhmann, desenvolveram abordagens sociais que se inserem neste arcabouço teórico, preocupando-se menos com as funções e mais com o sistema em si. A TGS, como o próprio nome diz, é uma teoria geral, que pretende ser aplicável a qualquer sistema, seja ele

composto de pessoas, órgãos, pensamentos, ou qualquer outro elemento. Face a isto, a TGS passa

a ter uma influência crescente em diferentes campos da ciência, passando pela administração,

pela economia com as abordagens evolucionárias, pela teoria do desenvolvimento rural com a teoria dos sistemas agrários, pela psicologia com a Gestalthterapia, e assim por diante em todas as ciências.

Um exemplo claro da teoria sociológica sistêmica que surge juntamente com a TGS,

é o livro de Pitirin Sorokin intitulado Sociological Theories of Today (a tradução em português

chama-se Novas Teorias Sociológicas), de 1967 (quase simultâneo à TGS de Bertalanffy). O livro

é um minucioso trabalho de apologia da sociologia sistêmica contra o que ele chama de correntes

atomistas-singularistas que haviam se hegemonizado no decorrer deste século nas ciências sociais (referindo-se especialmente ao empirismo americano na sociologia). Recorrendo a uma série de exemplos das mais diferentes disciplinas para defender as abordagens sistêmicas que passavam a assumir vulto nas décadas de 50 e 60, no capítulo VI Sorokin afirma que “a concepção sistêmica dos fenômenos sócio -culturais tem sido, desde o mais remoto passado até a época presente, uma das principais correntes de pensamento na filosofia, no direito, nas humanidades e nas ciências

psicossociais” (Sorokin, 1969, p. 147). Sorokin adverte, entretanto, que embora o termo ‘sistema’ sempre tenha sido utilizado nas diferentes ciências - e mesmo em todo o funcionalismo clássico como já se mostrou anteriormente - como um conceito que expressava um complexo de

1 Na verdade, como já demonstrou-se, a noção de sistema social acompanha a sociologia desde a sua aurora, mas

Renato Santos de Souza

componentes interagentes, nem sempre se referiam a um sistema unificado. Um sistema unificado é, na verdade, “uma totalidade de objetos cuja interação gera novas qualidades integrativas, ausentes das suas partes isoladas” (idem, p. 129). Este já é um conceito das teorias de sistemas das décadas de 50 e 60, consolidadas na TGS de Bertalanffy. Na verdade, a TGS pretendia representar uma contraposição a duas características básicas das ciências normais até então, inclusive do próprio funcionalismo: o reducionismo analítico, que significa a decomposição dos objetos a seus elementos fundamentais para estudá- los e compreendê-los, e posterior recomposição do todo a partir da soma ou agregação de suas partes constituintes; e o mecaniscismo , que representa o estabelecimento simples e linear de relações de causa e efeito (a causa era considerada necessária e suficiente para explicar o efeito). Em contraposição a estas características, a abordagem sistêmica traz consigo três mensagens fundamentais: (a) a realidade é complexa e integrada e não se pode separar os fenômenos e as coisas entre si, nem do seu ambiente, para estudá-los, visto que todos os elementos estão interligados; (b) a compreensão correta da realidade, dado que ela é sistêmica, somente pode ser alcançada por meio de uma abordagem não disciplinar, pois os limites disciplinares produzem reducionismos inconsistentes com o mundo real, ao enfocar separadamente as suas diferentes dimensões; e (c) os elementos que compõem uma realidade concreta ou abstrata possuem uma sinergia, o que significa que eles operam simultaneamente para produzir algo maior do que a soma de suas individualidades; ou seja, a teoria dos sistemas indica que ‘o todo é maior do que a soma das partes’. O conjunto destas premissas, portanto, implica em uma abordagem sistêmica, e a partir delas desenvolveu-se a TGS, que representa, então, a tentativa de organizar esta abordagem em uma estrutura analítica da realidade dos sistemas.

Resumidamente, para Bertalanffy (1977) um sistema é simplesmente um conjunto de elementos em interação. Os sistemas, na verdade, existiriam dentro de outros sistemas (se de um lado, por exemplo, uma empresa existe dentro de um sistema econômico, de outro, é formada por subsistemas técnicos, culturais, etc.). Por outro lado, os sistemas são normalmente abe rtos, ou

seja, como fazem parte de outros sistemas maiores que compõem o ambiente onde estão inseridos, eles normalmente recebem algo (energia, materiais, informações, etc.) de outros sistemas, processam e descarregam novamente algo no ambiente (produtos, energia, resíduos,

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

informações, etc.). Pode-se dizer, assim, que um sistema é um conjunto de elementos relacionados e organizados sinergicamente com vistas a realizar um propósito. O sistema interage com o ambiente circundante, reage às alterações deste me io e busca sempre a adaptação e o equilíbrio dinâmico (homeostase) que permita por mais tempo a realização dos seus propósitos. Este é um conceito importante da TGS, o fato de que os sistemas têm mecanismos de retroalimentação e de informação que lhes permitem adaptar-se dinamicamente, reagindo sempre ao desequilíbrio que o meio lhes impõe na busca de uma nova síntese de equilíbrio. Com a intenção de discernir melhor a analogia para com os sistemas naturais que se faz na análise sistêmica, James Miller apresentou uma classificação entre os diferentes tipos de sistemas: abertos e fechados; vivos e não vivos; abstratos e concretos; conceituais, e assim por diante. Esta distinção, se por um lado adverte para o fato de que deve -se especificar de que tipo de sistema se está falando, por outro denuncia a pretensão da TGS de oferecer elementos de análise para qualquer tipo de sistema. Assim, o ‘isomorfismo’, a partir das leis da natureza, que a TGS enxerga entre as diferentes esferas e níveis da realidade, é levado, de certa forma, ao extremo. Ilustrativo desta radicalidade analítica do isomorfismo é observar a descrição de Miller (1965) de um sistema conceitual, por exemplo, utilizando as mesmas categorias funcionalistas dos sistemas orgânicos: as unidades, as relações, a variável, a função, o estado do sistema, a identidade, etc. As unidades, por exemplo, seriam palavras, números, símbolos; as relações seriam expressas por palavras (verbos comuns por exemplo) ou por símbolos lógicos ou matemáticos; uma função seria a correspondência entre duas variáveis de forma que uma dependesse da outra, e assim por diante. Ou seja, a TGS seria um recurso eurístico formal, uma estrutura conceitual onde se poderia enquadrar toda e qualquer dimensão da realidade, desde que feitos os ajustes para o tipo de sistema a que se referisse. Nas palavras do próprio Bertalanffy, a TGS representava “uma tendência geral para a integração das diversas ciências, naturais e sociais” (Bertalanffy, 1977, p.276). Para ele, “o mundo, ou seja, o conjunto de acontecimentos observáveis, apresenta uniformidades estruturais que se manifestam nos diversos níveis, ou nas diversas disciplinas, por traços de ordem isomorfos” (idem, p.286).

Inúmeras contribuições anteriores e posteriores, sobretudo da parte dos modelos cibernéticos, ampliaram o escopo e aprofundaram a precisão da TGS. Magoroh Maruyama, em texto intitulado The Second Cybernetic: Deviation-Amplifying Causal Processes, de 1963, introduziu na teoria dos sistemas o conceito de retroação positiva, que amplificaria as tensões do

Renato Santos de Souza

sistema e o conduziria à mudança antes do que ao equilíbrio. O termo ‘segunda cibernética’ no texto de Maruyama refere-se exatamente a idéia de retroação positiva, considerado pelo autor como “a rede de relações causais mútuas amplificadoras do desvio” (Maruyama, 1963, p. 165), o que ele chamou de ‘morfogênese’ (até então, a cibernética trabalhava fundamentalmente com a idéia de retroação negativa, que leva a adaptação, ‘homeostase’). Walter Bukley, em seu Sociology and Modern System Theory, também trabalhou a idéia de ‘argola de retroação’ e dos modelos cibernéticos como mecanismos fundamentais de regulação e de controle dos sistemas sociais. Procurou, desta forma, fazer deles o fundamento de um modelo de realização de objetivos societais e organizacionais, nos casos em que os objetivos e alvos sejam explícitos, conscientes e desejados (Buckley, 1976). Outros autores, como Karl Deutsch e Amitai Etzioni, trabalharam respectivamente conceitos de comunicação e controle nas organizações , sob o enfoque sistêmico-cibernético, e os mecanismos de consenso em sistemas sociais. Como já se pode demonstrar, a maioria dos elementos que constituem a abordagem sistêmica não são novos nem foram introduzidos na ciência por Bertalanffy. Todo o funcionalismo sociológico clássico que se descreveu no item anterior já trabalhara em cima de uma concepção sistêmica, de funções, de integração e de organicidade dos sistemas sociais. Também a noção sistêmica de complexidade já havia sido colocada em pauta tanto nas ciências sociais (Max Weber, Torsthein Veblen e Parsons por exemplo) como nas ciências naturais (a exemplo da concepção dos ecossistemas de Aldo Leopold, um dos fundadores do movimento conservacionista, na década de 30). Da mesma forma, a concepção sistêmica de que ‘o todo é maior do que a soma das partes’ já havia sido abordada pela dialética marxista com a sua noção de totalidade, assim como por Durkheim e boa parte dos sociólogos funcionalistas clássicos ao se referirem à sociedade como algo substancialmente maior do que a soma dos indivíduos, e também pela teoria Gestáltica da personalidade 2 na psicologia desde o final do século XIX. Assim, o próprio Bertalanffy reconhecia que os seus conceitos sistêmicos não eram novos, o que o levou a afirmar que “a teoria geral dos sistemas é, pois, uma ciência geral daquilo que, até hoje, era considerado como um conceito vago, brumoso e semimetafísico, a

‘totalidade’ ” (Bertalanffy, 1977, p.276). Esta é, portanto, uma interessante forma de ver a TGS:

ela trabalh ou conceitos já correntes em diversas áreas (complexidade, totalidade, sistema, função,

2 A psicologia da Gestalt foi desenvolvida desde o final do século XIX na Austria e Alemanha, como protesto contra a tentativa de compreender a experiência através de uma análise atomística, e teve seu maior expoente na psicologia com Frederick Perls (1893-1970), fundador da Gestalt-Terapia (ver Fadiman, J. & Frager, 1986).

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

interação, sinergia), e organizou-os em uma teoria geral aplicável a todas as dimensões da realidade e a todos os campos do conhecimento, utilizando para isto um conjunto de leis da física, química e biologia. Assim, Bertalanffy propôs que havia homologias de funcionamento entre todos os tipos de sistema, de modo que uma TGS permitiria ligar as ciências naturais e exatas às ciências sociais. Ora, se a teoria se propunha a ser geral, então ela deveria estar apoiada em leis que fossem generalizáveis pela sua suposta ‘naturalidade’, que é o caso das leis de sistemas naturais das quais deriva a TGS. Mas, talvez a questão mais importante da TGS seja de que, apesar de ter trabalhado com conceitos que já haviam sido colocados em diversas áreas do conhecimento, ela fez implicar este conjunto de conceitos sobre a forma de interpretar a realidade e de gerar conhecimento, contrapondo-se, assim, ao que chamou de reducionismo e mecanicismo. Pode-se dizer, então, que do ponto de vistas das teorias sociais, a TGS representa uma nova forma de funcionalismo, que a partir da radicalidade das analogias com sistemas naturais fornece implicações sobre o próprio método funcionalista clássico, caracterizado a partir de então, muitas vezes, também como mecanicista e reducionista. Na verdade, na própria TGS encontra-se todos os elementos correntes do funcionalismo que se procurou mostrar até aqui, quais sejam, a idéia de funcionalidade, de sistema, de integração, de adaptação, e a analogia com sistemas orgânicos. Diferentemente do que fazia o funcionalismo até então, porém, que se preocupava com as funções do sistema ou de algumas de suas partes, a TGS passa a se preocupar com o próprio sistema, com seus mecanismos de adaptação e com as transformações que daí decorrem. Para isto, utiliza freqüentemente modelos cibernéticos que trabalham a informação e o feedback que proporcionariam tal adaptação. Paul Lazarsfeld afirmou que a teoria dos sistemas contribuiu de duas formas para a sociologia funcionalista: primeiro, permitiu reduzir a distância entre a sociologia e outras ciências; e segundo, permitiu dar maior importância à questão da mudança social, da comunicação e da influência (Lazarsfeld, 1977). Funcionalista reconhecido, Lazarsfeld discordou de Buckley de que a TGS opunha novas concepções ao funcionalismo; para ele, ao contrário, “seria mais justo conceber a Teoria Geral dos Sistemas como uma nova etapa da

exigência intelectual fundamental, que inspira o funcionalismo em sociologia” (idem, p.312). No mesmo texto, o autor chama a atenção para o fato de que a TGS aparece freqüentemente na literatura como um ‘novo funcionalismo’; segundo ele “este é, justamente, o caso da Teoria Geral dos Sistemas” (idem, p.312).

Renato Santos de Souza

Assim, é desta mesma forma que se vê, neste artigo, a TGS quando aplicada à análise social: como um ‘novo funcionalismo’, que trabalha sobre os mesmos elementos que o funcionalismo clássico já trabalhava, mas detém-se mais no conceito de sistema e trata mais a fundo das homologias que teriam todos os demais sistemas com os sistemas naturais e suas leis. De outro lado, aprofunda as implicações da noção de complexidade sistêmica para rejeitar o reducionismo e o mecaniscismo que muitas vezes encontravam-se no próprio funcionalismo clássico.

O ‘paradigma da complexidade’: a nova fronteira do ‘novo funcionalismo’

Não se pode deixar de falar, por fim, da nova fronteira da abordagem sistêmica e do funcionalismo, que atende pelo nome de ‘paradigma da complexidade’. Este novo paradigma respalda -se fundamentalmente nas novas descobertas feitas nos campos da física, da química e da biologia, sobretudo com a passagem da física newtoniana para a física quântica, das descobertas da ‘teoria do caos’, da termodinâmica do não equilíbrio e dos novos sistemas ‘autopoiéticos’ na biologia celular. As raízes históricas do chamado paradigma da complexidade remontam às pesquisas desenvolvidas no Biological Computer Laboratory da Universidade de Illinois, em 1956. Neste laboratório, em companhia de grandes nomes da ciência, Heinz von Foerster aprofundou estudos sobre temas como causalidade circular, auto-referência e o papel organizador do acaso, mesclando conhecimentos da biologia e da cibernética. Nos anos 60, com a de scoberta do ‘programa genético’, desvenda-se a célula como uma ‘máquina viva’, uma máquina que constrói a si mesma (Serva, 1992). Mais tarde, a introdução do conceito de ‘autopoiesis’ nos sistemas biológicos pelos neurocientistas chilenos Humberto Maturana e Francisco Varela, como a “característica de sistemas vivos de renovarem-se continuamente e regularem este processo de tal modo que a integridade de sua estrutura seja mantida” (Jantsch, citado por Coats 1992, p. 357), adiciona elementos novos à teoria dos sistemas complexos, sobretudo no que diz respeito à

organização e à auto-produção. Soma-se a estes trabalhos a publicação de O Acaso e a Necessidade, de Jaques Monod, como um grande momento na construção deste paradigma. Pesquisando juntamente com outros pesquisadores no campo da bioquímica celular e recorrendo

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

a uma espécie de ‘cibernética microscópica’ no estudo da reprodução das células, Monod recebeu

o Nobel de Fisiologia e Medicina em 1965. Após estas incursões da biologia, um segundo movimento na constelação de temas que convergem para o paradigma da complexidade provém, a partir da década de 70, de campos como a física, a química e a termodinâmica, que descobrem que os movimentos espontâneos da matéria conduzem-na à auto-organização. Os avanços da física quântica, da termodinâmica do desequilíbrio e, especialmente, o trabalho do Nobel de química Ilya Prigogine, em 1977, pela teoria das estruturas dissipativas são significativos desta fase. Na verdade, os resultados das pesquisas que fizeram emergir o ‘paradigma da complexidade’ não previam, a princípio, exceder os limites temáticos que os envolviam, quais sejam, a bioquímica celular, a biologia molecular, a física, a termodinâmica e a química. Porém, mais recentemente, provavelmente por conta da abertura metodológica pós -moderna e da eterna e irresistível atração que o homem sente em transpor as leis dos sistemas naturais para as ciências humanas, estes resultados se fizeram influenciar nas ciências sociais. Para citar apenas alguns exemplos, pode -se visualizar a influência da teoria dos sistemas dinâmicos na psicologia social em Watters, Ball & Carr (1996), a influência da teoria dos sistemas autopoiéticos na economia evolucionária em Coats (1992) e na teoria dos sistemas sociais de Niklas Luhmann (que será tratado a seguir), e a influência do paradigma da complexidade na análise organizacional em Serva (1992) e na filosofia não linear em Provost Jr. (2000). Estes e outros exemplos são uma pequena mostra da penetrante influência que os resultados trazidos pela biologia, física e química modernas trouxeram para as ciências sociais e humanas. Subjacente tanto à teoria dos sistemas quanto ao paradigma da complexidade, encontra- se a regra considerada tácita por seus teóricos (que não precisa nem pode ser justificada logicamente) de que, ‘se assim ocorre no mundo físico, então também deve ocorrer no mundo social’. Em alguns casos, a utilização destes resultados das ciências naturais pelas ciências sociais são postos com uma naturalidade espantosa, que beira a ingenuidade. Por exemplo, no texto de Coats (1992) o autor afirma que “uma das características dos sistemas de autopoiesis e das

estruturas dissipativas é o fato de que eles são encontrados nos mundos físico e biológico tanto quanto na esfera social, transcendendo assim a infindável discussão acerca das semelhanças e diferenças entre as chamadas ciências naturais (ou físicas) e as sociais (ou humanas)” (p.355). Esta pretensa naturalidade com que os autores transitam as leis de sistemas naturais para os

Renato Santos de Souza

sistemas sociais, surpreendentemente dispensa-os de dar qualquer explicação sobre as razões

pelas quais devemos aceitar que o sistema social se comporta como o sistema natural, e que as leis do segundo são adequadas ao primeiro.

A obra do filósofo francês Edgar Morin, sobretudo O Método, é um exemplo, de certa

forma fascinante, da tentativa de fazer esta passagem entre as novas descobertas das ciências naturais e as ciências humanas e sociais. Mais precisamente, o esforço de Morin é uma tentativa de generalização do paradigma da complexidade para todos os campos do conhecimento. Mesmo nele, um teórico da área das humanidades, todos os argumentos em defesa da ‘complexidade’ provém de observações e ilustrações acerca do funcionamento do mundo físico, nunca do mundo social em si. Em uma passagem de O Método, ele nos proporciona uma visão quase poética do que vem a ser esta ‘complexidade organizada’ de que fala o novo paradigma; diz ele “o que é digno de nota é o caráter polissistêmico do universo organizado. Este é uma espantosa arquitetura de sistemas que se edificam uns sobre os outros, uns entre os outros, uns contra os outros, implicando-se e imbricando-se uns nos outros, com um grande jogo de aglomerados, plasmas, fluídos de microssistemas circulando, flutuando, envolvendo as arquiteturas de sistemas” (Morin 1987, p.97). Assim, as principais mensagens que constituem o centro deste ‘novo paradigma’ podem ser resumidas da seguinte forma: (a) incerteza e indeterminação, que traduz a idéia de que não podemos ter controle sobre o futuro dos eventos, e de que eles não se comportam mecânica e linearmente de forma que possamos prevê-los; (b) auto-produção e auto-organização , que indica que os sistemas vivos têm a capacidade de gerarem a sua própria organização e de mantê-la; e (c) complexidade, que implica que os sistemas são compostos de relações complexas, recíprocas e indeterminadas, que existem entre os sub-sistemas e os elementos que os compõem. Assim, a noção de complexidade conduz a uma epistemologia que deveria contemplar a incerteza, a indeterminação e a subjetividade.

O ‘novo funcionalismo’ e a teoria dos sistemas sociais de Niklas Luhmann

A utilização da analogia biológica e das novas teorias dos sistemas naturais para

caracterizar os sistemas sociais encontrou sua máxima expressão com o sociólogo Niklas Luhmann. Em 1981, Luhmann publicou o seu principal trabalho, Social Sistem, em que pretendia

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

fundar uma ciência verdadeiramente geral sobre a sociedade. Ele sugeriu utilizar a análise sistêmica para revelar a estrutura e os processos que caracterizam o sistema social. Na verdade, a apreciação de Luhmann sobre a sociedade deriva diretamente da Teoria Geral dos Sistemas. Diferentemente de outros autores, porém, ele produz uma teoria social baseada em uma conc epção de sistemas auto-referenciados, o que se havia chamado anteriormente de ‘sistema autopoietic’. Esta denominação deve -se à utilização de uma versão nova da TGS, a chamada ‘teoria dos sistemas autopoietics’, cujo desenvolvimento deveu-se principalmente aos neurocientistas chilenos Humberto Maturana e Francisco Varela 3 e, como já se tratou acima, representou um marco no ‘paradigma da complexidade’. Diferentemente da TGS tradicional, que centra-se na descrição das estruturas e relações entre os elementos do sistema e destes com o ambiente, a teoria dos sistemas de ‘autopoiésis’ centra sua análise nos mecanismos de auto-produção e auto-organização do sistema. O conceito de Maturana e Varela toma o sistema como uma entidade unificada em si mesma, e dispensa toda a especulação sobre o ‘motivo’ ou ‘função’, para a qual a teoria tradicional funcionalista emprega o ponto de vista do observador, e que segundo os autores não corresponderia necessariamente à fenomenologia do sistema. Quando se trata de sistemas vivos (aqueles que tem capacidade de produzir a si mesmos por reproduzir seus elementos enquanto mantém uma organização daqueles elementos que são característicos da sua auto-produção) o modo de se obter o verdadeiro conhecimento de tais sistemas é focar sobre os muitos processos de auto-produção e auto-organização (Maturana e Varela, 1980). Luhmann deu o primeiro passo na adoção da análise sistêmica de Maturana em seu trabalho de 1968, intitulado Society or Social Tecnology: What is the Mecanism That Mantains a Sistem?, quando introduziu o conceito de significado. Dois tipos de sistemas, na teoria de Luhmann, operariam através da mediação do significado: o sistema psíquico (ligado à mente) e o sistema social. O significado seria um modo para experimentar e lidar seletivamente com o mundo. O segundo passo foi dado quando Luhmann assumiu que o sistema psíquico produz a si mesmo por produzir pensamentos e idéias, da mesma forma que o sistema social é capaz de

produzir comunicações; ambos, pensamento e comunicação, possuem o significado exatamente do mesmo modo (Viskavotoff, 1999).

3 Ver tal teoria em Maturana & Varela (1980).

Renato Santos de Souza

A idéia de ‘sistema social’ de Luhmann é de um sistema que abrange todos os outros (político, cultural, econômico, etc.). Ele argumenta que desde Aristóteles até aproximadamente 1800, o conceito de sociedade era quase que totalmente identificado com o que ele chama de sistema social, o qual perdeu um pouco o sentido durante a moderna industrialização. Houve uma segmentação entre os âmbitos da política, cultura e economia, que de certa forma utilizam uma parte da realidade para explicar o todo. A utilização da análise sistêmica, por sua vez, permitiria revelar as estruturas e processos que caracterizariam o sistema social, o mais abrangente sistema que incluiria todos os outros. Segundo Luhmann,

Sistemas sociais são sistemas auto -referenciados baseados em comunicações significativas. Eles usam comunicações para constituir e interconectar os eventos

(ações) que constróem o sistema. Neste sentido, eles são sistemas ‘autopoietic’. Elas existem apenas para reproduzirem os eventos que servem como componentes do

O ambiente dos sistemas sociais inclui outros sistemas sociais (o ambiente

da família inclui por exemplo, outras famílias, o sistema político, o sistema econômico, o sistema médico, e assim por diante). Desta forma, comunicações entre os sistemas sociais são possíveis; e isto significa que o sistema social é também um sistema de observação, estando apto para usar, por meio de comunicação interna e externa, uma distinção entre si mesmo e o seu ambiente, percebendo os outros sistemas como o seu ambiente (Luhmann, ci.tado por Provost Jr., 2000, p. 23).

sistema

Este parágrafo demonstra explicitamente a utilização por Luhmann da abordagem dos sistemas ‘autopoietic’ de Maturana e Varela. Por outro lado, para Luhmann a evolução da sociedade teria transformado as comunidades antigas, que eram diferenciadas espacialmente, em sociedades modernas, diferenciadas funcionalmente. A sociedade moderna teria acentuado a

complexidade do sistema social. A “moderna sociedade tornou possível, ou mesmo faz cumprir, a autonomia de áreas funcionais separadas; isto é realizado pela diferenciação de um sistema operacionalmente fechado, autopoietic. A diferenciação funcional, desta forma, impõe ao sistema uma obrigação de refletir sobre a sua própria singularidade e insubstitubilidade” (Luhmann, 1994, p.1). Mas, a noção de auto-referencialidade e auto-produção originária da teoria dos sistemas têm uma dimensão político-normativa na teoria de Luhmann. De certa forma, ela é uma

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

opção política. Concebendo o sistema social como o mais abrangente dos sistemas vivos, e uma vez que este é auto-referenciado e capaz de produzir a si próprio, Luhmann considera ser impossível planejar a sociedade. Segundo ele, nenhuma sociedade esteve apta para organizar a si mesma, ou seja, para escolher a sua própria estrutura e para utilizá-la para admitir ou dispensar membros. Desta forma, nenhuma sociedade pode ser planejada, de modo que o planejamento não pode fazê-la atingir suas metas; ele (o planejamento) têm conseqüências não antecipadas e seus custos excederiam os seus benefícios. Impor um plano à sociedade é inviável porque isto criaria um estado em que o planejado e outras formas de comportamento conviveriam lado a lado e certamente reagiriam entre si (Luhmann, citado por Provost Jr. 2000). Esta sua visão em relação ao planejamento da sociedade revela-se, na verdade, uma investida contra as pretensões do planejamento central socialista da época. Isto significa, portanto, que Luhmann nã o quer dizer que não se usa ou não se deve usar o planejamento em um sistema social; na verdade, em qualquer sistema social ou político vê-se cidades sendo planejadas, políticas educacionais, sistemas de tráfego, e muitas outras coisas. Isto não implica, porém, que a sociedade desenvolve-se de um modo planejado. Ao contrário, para Luhmann os sistemas sociais somente poderiam mudar a sua estrutura por meio da evolução. Evolução pressuporia reprodução auto-referenciada e mudanças nas condições estruturais de reprodução por diferentes mecanismos de variação, seleção e estabilização. Assim, o planejamento não poderia substituir a evolução, o que nos faria mais dependentes de um desenvolvimento evolucionário não planejado. (Provost Jr. 2000). Na verdade, há duas formas de se interpretar a concepção de Luhmann sobre a evolução social e a sua contrariedade em relação ao planejamento: a primeira é dizer que ela deve-se, diretamente, à opção sua pelo modelo sistêmico de ‘autopoiésis’ (auto-organização), e é decorrência, então, das leis de evolução dos sistemas biológicos (ou seja, sua posição normativa é decorrência de sua opção teórica); a segunda, é dizer que ela é uma opção política e que a sua opção pelo modelo sistêmico de ‘autopoiésis’ é decorrência desta opção política, por ser mais adequada a ela. Confesso que sou mais inclinado a aceitar a segunda hipótese, por pensar que, em

geral, primeiro as pessoas têm uma visão de mundo e fazem uma opção política, depois elas escolhem o referencial teórico que harmoniza esta opção com o mundo do conhecimento. Em Luhmann isso parece bastante claro.

Renato Santos de Souza

Abordagem sistêmica nas teorias organizacionais

A influência da teoria dos sistemas na administração produziu várias abordagens distintas. Na verdade, pode-se dizer que, assim como na sociologia, desde o seu começo as teorias organizacionais também carregaram traços sistêmicos e funcionalistas de abordagem das organizações, sobretudo quando se passou a reconhecer, após as teorias transitivas de Mary Parker Follet, Elton Mayo e Chester Barnard, que estas organização caracterizava-se como sistemas sociais. Barnard, Follet, a escola das Relações Humanas e os comportamentalistas já haviam feito emergir vários aspectos de uma abordagem sistêmica na administração. Estas concepções, porém, ainda eram essencialmente centradas nas pessoas, nos sujeitos sociais, diferentemente das abordagens sistêmicas mais contemporâneas que, já sob a influência da TGS, concentram-se fundamentalmente no sistema e na sua racionalidade interna, seus objetivos e metas, e seus mecanismos de controle. Desta forma, pretende-se abordar rapidamente esta última vertente, a começar pela aplicação da cibernética na administração. Originada dos trabalhos de Norbert Wiener no início dos anos 40, a cibernética é compreendida como uma ciência diretiva que visa integrar conhecimentos de várias outras ciências para resolver problemas complexos. Apesar de ter uma origem eclética em termos científicos (como já demonstrou-se, vários autores trabalharam com ela no âmbito da teoria geral dos sistemas e da sociologia), a cibernética na administração desenvolveu-se bastante no sentido de integrar os computadores e microprocessadores ao mundo das organizações, entendidos estes como sistemas complexos capazes de contemplar alguns conceitos chaves desta ciência, como por exemplo retroação (capacidade de retroalimentar-se com informações geradas pelo sistema para corrigir o seu curso em direção ao alvo), homeostasia (tendência a adaptar-se dinamicamente para manter-se em equilíbrio) e comunicação (elemento de codificação, transmissão e recepção das informações). Assim, além de inovações no campo de organizações e métodos, a aplicação da cibernética na administração resultou na introdução crescente da robótica, da automação e da computaçã o nas organizações e em toda a teoria e prática voltada

para os chamados Sistemas de Informações Gerenciais (SIGs). Estes, os SIGs, que têm a informação como insumo básico da tomada de decisão e da retroação que levaria à entropia negativa e à homeostase, têm sido o ‘carro chefe’ da cibernética na administração.

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

Cabe destacar aqui o trabalho de Stafford Beer publicado na década de 70, cujo nome em português é Cibernética na Administração (o título original em inglês era The Brain of the Firm - O Cérebro da Firma ). O título original deste livro permite compreender melhor toda a sua concepção metodológica, baseada em uma minuciosa analogia do sistema organizacional com o sistema cerebral. A tomada de decisão e controle nas organizações foi considerada por ele como análoga à funcionalidade do cérebro humano. Segundo ele, “tanto o neurônio quanto o administrador tem que executar uma tarefa realmente básica: decidir. No neurônio, é preciso disparar ou não um pulso descendente ao longo da fibra do nervo de entrada, o axônio. Quanto ao administrador, sua função principal é também dizer sim ou não” (Beer, 1979, p. 85). Na verdade, a tese fundamental de Stafford Beer é bastante interessante. Ao contrário da grande maioria das analogias feitas pelo funcionalismo sistêmico, em que os autores não oferecem nenhuma justificativa pela qual deveríamos aceitar as leis que regem os sistemas naturais como válidas para os sistemas sociais (simplesmente as utilizam como se tal transferência de conceitos fosse tão natural que dispensasse qualquer justificação), Stafford Beer nos oferece uma. E é a seguinte: se existem leis naturais que governam os sistemas viáveis – no caso, o cérebro humano -, então todos os sistemas viáveis a elas devem obedecer. É uma espécie de ‘em time que está ganhando não se mexe’. Bastante lógico e, de certa forma, satisfatória para os objetivos de Beer. Sistemas viáveis, para ele, são aqueles que sobrevivem, são coerentes, integrais, que apresentam equilíbrio homeostático interno e externo, e oportunidades para crescer, aprender, envolver-se e adaptar-se ao meio ambiente. Na última parte de seu livro, Stafford Beer empenha -se em desenvolver um modelo organizacional aplicável a qualquer organização, coerente com as regras do controle cibernético e com os mecanismos de funcionamento cerebral. Ele seria composto dos seguintes subsistemas:

Diretoria Divisional, responsável por exercer o controle sobre uma divisão específica da organização; Centros Reguladores Corporativos , responsável por monitorar e coordenar os Centros Divisionais; Diretoria de Operações, com a função de controlar e fazer interagir as divisões, proporcionando estabilidade interna à organização; Diretoria de Desenvolvimento da

organização, vinculada ao ambiente externo e ao universo das informações que auxiliam na tomada de decisão; e Direção Superior , responsável por estabelecer os destinos da organização. Embora esta abordagem apresente alguma semelhança com a estrutura piramidal fayolista, Beer defende que o seu modelo caracteriza-se pela flexibilidade e deve prender -se mais aos fluxos de

Renato Santos de Souza

informações decisionais. É, acima de tudo, uma tentativa de propor uma organização formal baseada nos princípios sistêmicos de funcionamento neurocitológicos que, segundo o autor, apresentaria maior probabilidade de ser viável. Neste sentido, é preciso ressaltar que a justificativa oferecida por Beer e descrita acima sobre a pertinência da analogia entre a organização e o sistema cerebral é válida apenas no contexto das suas proposições, uma vez que o seu trabalho é essencialmente ‘normativo’ (as coisas como elas deveriam ser) e não ‘positivo’ (as coisas como elas são). Em resumo, ele propõe que as organizações ‘deveriam funcionar’ como cérebros, não que elas ‘funcionam’. Neste sentido, a analogia é válida. Adicionalmente às concepções da cibernética na administração, a teoria sistêmica produziu uma nova abordagem conceitual das organizações: a organização vista como um sistema aberto. Nesta perspectiva, a organização seria composta de inúmeros elementos constituintes (que poderiam ser considerados subsistemas), integrados entre si e que se relacionam funcionalmente com vistas à realização de um ou mais propósitos organizacionais. Este sistema-organização estaria em relação dinâmica com o seu ambiente circundante, buscando adaptar-se a ele e manter -se em equilíbrio interno. A organização-sistema receberia, de um lado, imputs do ambiente (energia, materiais, informações, etc.) e os transformaria em outputs (produtos, materiais, informações, resíduos, etc.) que seriam novamente devolvidos ao ambiente. Um dos modelos mais completos de aplicação da TGS para a análise organizacional está contido no célebre livro de Daniel Katz e Robert L. Kahn, intitulado Psicologia Social das Organizações. Neste livro, os autores propõe m que as teorias organizacionais se libertem das restrições e limitações das abordagens anteriores, e passem a utilizar a TGS. Utilizar a TGS nas teorias organizacionais implicaria, principalmente, em duas questões: considerar, por um lado, as organizações como sistemas abertos, e por outro, como sistema social. Para os autores, as teorias organizacionais tradicionais caracterizavam-se por considerar a organização como um sistema fechado. O principal problema de assim considerá-las é a falha em reconhecer que a organização depende continuamente de imputs do meio ambiente. Segundo Katz e Kahn (1976), “os modelos típicos em teorização organizacional concentram-se em princípios de funcionamento interno,

como se estes problemas fossem independentes de mudanças no meio ambiente, e como se não afetassem a manutenção de imputs de motivação e de moral” (p. 42). Outro problema de se considerar as organizações como sistemas fechados seria o não reconhecimento da eqüifinalidade, ou seja, de que um objetivo pode ser alcançado por diversos meios, dependendo

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

das condições. Neste sentido, as teorias organizacionais tradicionais sempre pregaram a existência de um melhor meio de se alcançar um objetivo. Além disso, “pensar nas organizações como sistemas fechados resulta na falha em desenvolver a inteligência ou a função de feedback para obter informações adequadas sobre as mudanças nas forças do meio” (idem, p. 43). De outro lado, as organizações deveriam ser vistas como sistemas sociais. Ou seja, para os autores, as organizações constituem uma classe de sistemas sociais, os quais, por sua vez, constituem uma classe de sistemas abertos. Assim, uma vez que constituem-se em uma classe de sistemas abertos, as organizações compartilham de propriedades comuns a todos os sistemas abertos, tais como entropia negativa, retroinformação, homeostase, diferenciação e eqüifinalidade. Mas, os sistemas sociais têm também as suas peculiaridades, por exemplo, não têm limitação de amplitude; têm a sua natureza planejada, são feitos pelo homem e são imperfeitos; apresentam maior variabilidade que os sistemas biológicos; são compostos principalmente de funções, normas e valores (aqui eles se aproximam muito de Parsons); e apresentam inclusão parcial dos indivíduos mediante os papéis que cada um tem na organização. Com relação aos papéis dos indivíduos na organização, Katz e Kahn afirmam que a organização pode ser vista como uma ‘estrutura de papéis’. O papel, na verdade, é o conjunto de atividades solicitadas de um indivíduo que ocupa uma determinada posição em uma organização. A organização, assim, pode ser considerada como consistindo em papéis ou aglomerados de atividades dos indivíduos e de conjuntos de papéis ou de grupos que se superpõem, cada qual formado de pessoas que têm tais expectativas quanto a um determinado indivíduo. Também na sua concepção dos papéis como a expectativa comum que se têm sobre o indivíduo, Katz e Kahn aproximam-se claramente de Parsons. Para finalizar, cabe dizer que tem havido recentemente algumas tentativas de integração também do ‘paradigma da complexidade’ às teorias organizacionais. Serva (1992) fez uma resenha deste paradigma e apresentou uma série de trabalhos que supostamente estariam enfocando as organizações sob a ótica da complexidade. Cita, por exemplo, o trabalho de Morgam (Imagens da Organização); muitos trabalhos com organizações alternativas (não

econômicas) que têm evidenciado nestas uma racionalidade não instrumental, e, portanto, não adequadas à análise pelos métodos tradicionais da administração; e vários trabalhos na área de organizações públicas, que têm acentuado a complexidade das ações de um Estado que não poderia ser considerado nem como a expressão de uma classe social, nem como uma entidade

Renato Santos de Souza

benevolente e reguladora da socialidade humana. O autor conclui que “trabalhar com o paradigma da complexidade, seus conceitos, sobretudo sua lógica pluralista, pode ser frutuoso para aqueles que se aventuram na análise organizacional” (p. 30). Particularmente, segundo este autor, tal paradigma permitiria tratar melhor os aspectos da mudança organizacional, da complexidade e dos paradoxos existentes nas

organizações e destas com seu meio, permitiria dar um tratamento analítico àquelas organizações atualmente marginalizadas pelas análises organizacionais (organizações alternativas, beneficientes, não governamentais, etc.), que se movem por uma lógica não econômica e não linear, e permitiria resgatar as partes em relação ao todo. Como disse Edgar Morim, o holismo que se instalou com algumas concepções vulgares de sistemas elevou o todo acima das partes; “o

todo tornou-se uma noção eufórica

p.120). Assim, para Morim, da mesma forma que o cartesianismo promoveu uma redução às partes, o holismo promoveu uma redução ao todo. Para finalizar, pode -se citar o representativo chamamento do professor Chanlat para o paradigma da complexidade: “as noções de complexidade, de incerteza e de ambigüidade se impõem cada vez mais como parâmetros associados a todo o fenômeno oraganizacional

(Chanlat & Seguinbernard, citados por Serva, 1992, p. 31); e mais, “ordem, desordem, auto-

organização a partir do ruído, acaso organizador, catástrofe

teoria e aos teóricos das organizações que eles não podem mais por muito tempo ignorar o novo

e outras noções novas lembram à

funcional, lubrificada

uma noção néscia ” (Moran 1987,

paradigma em gestação” (Chanlat, citado por Serva, 1992, p. 31). Chanlat tem sido um proeminente defensor do ‘paradigma da complexidade’ nas teorias organizacionais (ver Séguin & Chanlat, 1992).

Uma visão crítica do funcionalismo sistêmico nas teorias sociais e organizacionais

Após fazer esta apresentação dos caminhos do funcionalismo sistêmico, dos pré- funcionalistas até o ‘paradigma da complexidade’, cabe fazer algumas considerações críticas a

respeito de tais fundamentações. Na verdade, as abordagens sistêmicas contemporâneas possuem méritos e qualidades, apesar de possuírem também muitos defeitos. Como qualidade, pode -se dizer que a abordagem sistêmica representa uma persuasiva visão sobre os limites do conhecimento. Ao ressaltar a diversidade e a complexidade dos sistemas, a inter -relação e a

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

sinergia que existe entre os seus diferentes elementos e sua interação dinâmica com o ambiente, a abordagem sistêmica adverte para a fragilidade das explicações reducionistas e mecaniscistas da realidade; ao separar a parte do todo, estas explicações negligenciam as inúmeras inter-relações que existem entre as diferentes partes, e delas com o ambiente. Por outro lado, para se chegar a relações de causalidade simples (meca niscismo), normalmente se estabelece um conjunto tão grande de pressupostos e axiomas (aquilo que só valida a explicação se for considerado constante) que jamais poderão ser observados na realidade. Deste modo, a abordagem sistêmica e também o ‘paradigma da complexidade’ correspondem a uma reorientação saudável da visão do observador para a diversidade, a incerteza, a complexidade, as inter-relações e os mecanismos de adaptação que ocorrem no sistema e entre ele e o ambiente. Assim, ela deveria conduzir (embora isto quase nunca ocorra) a uma posição de maior humildade do homem perante o mundo. Não obstante a isto, muitas críticas podem ser feitas ao funcionalismo sistêmico de uma maneira geral. A seqüência deste texto tratará de algumas delas.

‘Norma, integração e ordem’ versus ‘poder, dominação e conflito’

Uma das principais críticas feitas às teorias funcionalistas sistêmicas diz respeito ao

fato de que, por enfatizarem tanto os aspectos de integração, organização, funcionalidade, propósito, evolução e inter-relacionamento sistêmico, deixam de fora da análise toda e qualquer noção de poder, conflito e dominação. Elas subtraem, sobretudo, a idéia de que uma organização social não é um sistema simétrico, onde todos têm o mesmo papel na realização dos fins, mas sim um sistema onde existem disputas de poder, onde alguns membros, mais do que outros, são os responsáveis pela determinação dos propósitos, e alguns são cooptados e controlados pela organização social. Por outro lado, cada elemento que participa da organização social é um sujeito político, possui livre arbítrio e pode arcar com as conseqüências de suas decisões; ou seja, em uma organização existem relações sociais e de poder que em nada podem se identificar com relações orgânicas (de órgãos em um or ganismo). As críticas feitas em relação à pouca (ou nenhuma) ênfase dada às relações de poder, de dominação e de controle na configuração dos arranjos sociais e na própria evolução da sociedade é normalmente oriunda de correntes da filosofia crítica. Há, portanto, muitos intelectuais que acentuam em suas teorias mais o trinômio ‘poder-dominação-conflito’ como o

Renato Santos de Souza

centro da análise para entender a sociedade, do que propriamente o trinômio ‘norma-integração- ordem’, que de certa forma acompanha as análises do funcionalismo sistêmico nas teorias sociais desde a sua fase clássica. Estas críticas, porém, muitas vezes provém de dentro do próprio funcionalismo. Na análise da Teoria dos Sistemas Sociais de Parsons, David Lackwood já colocava o problema ainda em relação ao funcionalismo clássico. Para ele, em seu funcionalismo, Parsons havia concentrado-se excessivamente nos elementos normativos da ação social. Para Parsons, a existência de uma ordem normativa comum reguladora da ‘guerra de todos contra todos’ (o estado de natureza de Hobbes) é o que torna a socialidade possível frente a possibilidade do conflito. A ordem normativa suplantaria o conflito. Para Lockwood, porém, a existência de uma ordem normativa ou de um sistema de valores comuns não significa que o conf lito tenha desaparecido; ao contrário, a própria existência de uma ordem normativa reflete a permanente potencialidade do conflito. A cada vez que se evocaria a estabilidade ou a instabilidade do sistema social, estaríamos falando, antes de tudo, do bom ou do mau êxito da ordem normativa em regular os conflitos de interesse (Lockwood, 1977). O autor se interroga também sobre como se poderia explicar a mudança social sem considerar na explicação a análise do poder e dos meios de produção? Assim, ele conclui que “à sociologia é impossível evitar a análise sistemática do fenômeno de ‘poder’ como parte de seu esquema conceitual” (idem, p.216) Os teóricos do conflito vêem, de uma maneira geral, que as normas e o poder devem ser considerados como modos gerais e alternativos de institucionalização de relações sociais. Também consideram os potenciais conflitos de interesse como endêmicos em todos os sistemas sociais que institucionalizam as relações de poder, dado que o poder (e a autoridade) é a mais corrente forma de ‘bem raro’, e ao mesmo tempo um bem raro apenas inerente às sociedades e não aos sistemas biológicos. Assim, se os potenciais conflitos de interesse entre os que exercem o poder e aqueles sobre quem o poder é exercido se revestem de um caráter normal na organização social, então a desinstitucionalização do poder e o uso do mesmo para manter instituições são possibilidades sempre presentes. Desta forma, toda a visão realistas e dinâmica da

institucionalização deveria atribuir um interesse capital ao papel do poder, simultaneamente na origem e no controle do conflito (Lockwood, 1977, p. 418). O poder, a dominação e o conflito, desta forma, assumem um papel central na configuração e na dinâmica das organizações sociais. Por outro lado, o poder, o conflito e a

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

dominação são características exclusivas das sociedades e não têm nenhum similar nos sistemas naturais, porque provém de relações intencionais, políticas e morais. Assim, além de inverter o foco de prioridade de análise da sociedade do trinômio ‘norma -integração-ordem’ para ‘poder- dominação-conflito’, esta posição também destitui qualquer possibilidade de analisar os sistemas sociais com as regras dos sistemas naturais. Poder-se-ia, é claro, dizer que nos sistemas naturais também existe conflito e contradição (como, aliás, o faz o ‘paradigma da complexidade’). Há milhões de anos, por exemplo, um asteróide atingiu a terra e destruiu boa parte dos sistemas vivos aqui existentes (e não é seguro de que isto não possa acontecer novamente); ou seja, os sistemas naturais também não são apenas organização e harmonia. Porém, não se pode dizer que este asteróide que atingiu a terra o fez intencionalmente, porque queria destruir a vida em nosso planeta. Não, para os ateus foi apenas uma obra do acaso, e para os crentes, ele pode ter sido jogado pela mão de Deus para fazer prevalecer aqui a vida humana, ou para puni-la como no Dilúvio. Ou seja, a idéia de poder, dominação e conflito remete também para um tema que se irá tratar mais adiante, de que as organizações socia is são formadas de homens, e, tanto para os ateus quanto para os crentes, estes homens são entidades diferenciadas porque têm livre arbítrio, vontade, intencionalidade, e agem política e moralmente. Isto deveria indicar que a organização e a evolução da sociedade advém destas qualidades. Somente isso já comprometeria toda e qualquer analogia com os sistemas naturais, que, como vimos, é corrente em todo o funcionalismo sistêmico, sobretudo a partir da TGS. Apesar de os teóricos da complexidade julgarem que devolveram aos sistemas sociais as possibilidades de contradição e conflito (julgam mesmo ter proporcionado uma integração entre os dois principais paradigmas das teorias sociais, o ‘crítico’ - de conflito – e o ‘funcionalista’ – de integração; ver a este respeito Segün & Chanlat, 1992), eles o fizeram dentro das possibilidades das suas analogias com os sistemas naturais. Assim, na teoria da complexidade, as contradições e os conflitos são como o asteróide que alcançou a Terra; são categorias inanimadas, nã o humanas, não morais, não políticas e não intencionais em relação às disputas de poder, tal como o são nos sistemas naturais. O conflito e a contradição são apenas

outras formas de expressão da ordem e da organização. Por isto mesmo, o paradigma da complexidade não deixou de ser funcionalista; ao contrário, ele inaugura, junto com a TGS, um funcionalismo renovado, mas empobrecido.

Renato Santos de Souza

Habermas e a crítica do funcionalismo e da teoria dos sistemas sociais de Luhmann

Uma das mais importantes crítica feitas ao funcionalismo e à aplicação das teorias sistêmicas às ciências sociais provém do filósofo alemão Jürgem Habermas, a qual, por esta importância, pretende-se analisar mais profundamente neste texto. Na construção da sua teoria da ação comunicativa, Habermas polemizou com o funcionalismo e com a extrapolação para a sociologia da noção de sistemas cibernéticos. Na construção sociológica de Habermas, o sistema tinha um lugar muito definido. Era associado à crescente burocratização e autodeterminação que se opunha à autonomia do mundo vivo. O sistema integraria diversas atividades, de acordo com os objetivos de adaptação à sobrevivência econômica e política, mediante a regulação por mecanismos de mercado que limitam o escopo das decisões voluntárias. O mundo vivo, por sua vez, contribuiria para manter a identidade social e individual por meio de ações organizadas em torno de valores compartilhados. O mundo vivo, portanto, estaria ligado aos mecanismos de ação provenientes da argumentação racional no campo da comunicação e dos consensos dela resultantes. Assim, o mundo vivo e o sistema seriam vistos por ele como pertencendo a reinos da sociedade absolutamente separados: a família e as esferas públicas ao mundo vivo, e as empresas e os órgãos do Estados ao sistema (o termo sistema, para ele, designa o sistema econômico e o macro-sistema institucional que nos envolve, que envolve o mundo vivo). A crítica de Habermas à modernidade vai no sentido de que os mecanismos cada vez mais autônomos do sistema nas sociedades mode rnas – a crescente burocratização e a automatização dos mecanismos de mercado – teriam crescentemente suprimido os espaços do mundo vivo responsáveis pela elaboração de ações voluntárias mediadas pela comunicação. Ou seja, a evolução da autorregulação e autodeterminação dos mecanismos do sistema produzidos pela modernização teriam confiscado os espaços da ação comunicativa que havia sido liberada pela própria modernização. Esta é, portanto, a delimitação que o termo sistema assume na filosofia de Habermas.

As suas críticas ao enfoque sistêmico na sociologia, presentes sobretudo na sua Teoria da Ação Comunicativa , foram endereçadas aos funcionalistas sistêmicos de modo geral, e, mais tarde (no Discurso Filosófico da Modernidade ), ao principal formulador da teoria dos sistemas sociais no pós TGS: Niklas Luhmann.

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

As críticas iniciais de Habermas às abordagens sistêmicas funcionalistas têm como ponto de partida a crítica metodológica de Hempel e Nagel. Eles sustentavam que, sem um conhecimento das leis causais que governam as sociedades, as condições necessárias para formular explicações funcionalistas não poderiam ser satisfeitas. Mais ainda, Nagel observou que só se pode provar a necessidade funcional de um processo para preservar determinado sistema, se os limites deste sistema, o estado no qual ele tende a se manter, as funções necessárias para a sua manutenção e os processos alternativos para o desempenho destas funções forem especificados empiricamente. Estas condições, segundo ele, não são encontradas nos sistemas sociais. Haveria, portanto, na especificação dos sistemas sociais, o problema da identificação das metas (ou estados-meta) e dos limites fisiológicos, geográficos ou políticos, que nos sistemas biológicos podem ser definidos empiricamente. Mesmo que as metas fossem identificadas como a manutenção da estrutura por exemplo, haveria ainda o problema de que, nos sistemas sociais, mudanças estruturais de grande magnitude ocorrem sem perda aparente de identidade (Ingrand,

1994).

Para Habermas, “quando os sistemas se mantém pela alteração tanto das fronteiras como da continuidade estrutural, sua identidade perde a nitidez. Uma mesma modificação do sistema pode ser concebida como um processo de aprendizagem e mudança ou, igualmente bem, como um processo de dissolução e colapso do sistema” (Habermas, citado por Ingrand, 1994, p.179). A principal implicação destas concepções críticas à abordagem sistêmica funcionalista, é de que esta não pode estabelecer condições de continuidade estrutural (que implicaria determinar limites, estados-meta e de mudanças) sem despir-se das pretensões empírico-analíticas a que aspiram (como saber, por exemplo, se um movimento social é uma disfunção ou uma reação necessária para alcançar uma meta sistêmica superior? Quais são as metas de um sistema social? Quem as estabelece?). O estabelecimento destas condições, por ser impossível definir empiricamente nos sistemas sociais, ficam necessariamente ao sabor do interesse do pesquisador. Ou seja, eles teriam que recorrer a pressupostos abstratos que, em última análise, representariam as suas opções políticas. Com isso, toda a pretensão empírica do funcionalismo sistêmico se

esvai, e ele se transforma em um arcabouço político normativo. A abordagem sistêmica funcionalista está ligada a

equilíbrio. Fariam parte do sistema os elementos que se interrelacionariam funcionalmente para produzir um fim. A ruptura seria identificada, a exemplo de um sistema orgânico, como uma

uma noção de estabilidade, de

Renato Santos de Souza

patologia que ameaça o equilíbrio. Para Habermas, portanto, haveria a necessidade de uma teoria da evolução social ex ante, pra determinar limites e ‘estados -meta’ dos sistemas, para determinar as faixas de variação estrutural e para identificar as situações em que a ruptura da tradição e as conseqüentes manifestações de patologia social indicam crises genuínas, que ameaçam a identidade, ou indicam condições necessárias à evolução. Isto, no entanto, transcende as pretensões empírico-analíticas de tal abordagem. Na crítica da teoria dos sistemas sociais de Luhmann, por sua vez, Habermas foi bem mais áspero. Dedicou a este intento as últimas palavras do seu Discurso Filosófico da Modernidade (capítulo XII do livro) 4 . Parece que os principais problemas da teoria dos sistemas sociais de Luhmann, aos olhos de Habermas, é a tendência a considerar os sistemas sociais como subsistemas auto- referenciados e que elaboram o seu próprio sentido. A nada Habermas é mais avesso do que à auto-referência. Idealizador de uma teoria da ação social baseada na comunicação, onde a relação entre sujeito e o objeto auto-referenciada no sujeito cognoscente é substituída por uma relação sujeito-sujeito mediada pela linguagem, ele propõe uma saída para a armadilha em que havia se confinado a própria ‘filosofia do sujeito’. Para ele, é absurda, portanto, uma saída que propõe substituir o sujeito auto-referenciado pelo sistema auto-referenciado. Ora, segundo Habermas, “sistemas que funcionam na base da consciência e da comunicação não poderiam constituir mundos circundantes uns para os outros” (Habermas, 1990, p. 345). Para Habermas, o paradigma sistêmico representa uma revisão filosófica da tradição ocidental que se fixa no ser, na verdade e no pensamento. No seu projeto de conhecimento, “a teoria dos sistemas de Luhmann procede um movimento de pensamento que passa da metafísica para a metabiologia ” (idem, p. 339). Segundo Habermas, uma vez que a teoria sistêmica tenha buscado a auto-referência no próprio mundo da vida, ela acaba por renunciar a todo o tipo de pretensão a razão. A crítica da razão, portanto, é uma característica marcante das teorias

4 Não é apenas de Habermas, porém, que a teoria dos sistemas sociais de Luhmann tem sofrido críticas. Segundo Viskovatoff (1999), a natureza das críticas em relação à obra de Luhmann tem sido variada. Primeiro, existem aqueles que rejeitam a teoria como sendo especulativa e não científica, insuficientemente conectada com a verificação empírica. Ora, como se pode ver, esta é uma crítica provinda de teóricos empiristas e positivistas, que desacreditam o arcabouço teórico de Luhmann por ser impossível testá-lo empiricamente. Segundo, há uma crítica da teoria a partir da própria Teoria Geral dos Sistemas, com o argumento de que o constitutivo da sociedade não é a comunicação, mas estruturas neurais ou outras entidades biológicas. E terceiro, pode-se ressaltar como a mais importante crítica aquela provinda de teóricos críticos, dado que a teoria de Luhmann abstrai totalmente do sistema a razão individual e os valores emancipatórios e humanísticos. Habermas é o principal representante desta crítica e desenvolve, sem dúvida, a mais profunda oposição à teoria de sistemas sociais de Luhmann.

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

sistêmicas. Sob o nome de racionalidade sistêmica, a razão desprende-se do sujeito cognoscente para tornar-se o “conjunto das condições proporcionadoras da conservação do sistema” (ide m, p. 339). Tal razão, portanto, limita-se ao papel coadjuvante de reduzir a complexidade. Mas, é apenas por meio da “consciência comum, por muito difusa e em si controversa que seja, que a sociedade global pode ganhar, de modo normativo, distanciamento de si própria e reagir a percepções de crise” (idem, p. 342-343). Como se viu no próprio Luhmann, a teoria sistêmica nega esta possibilidade. Se ao sistema corresponde já uma racionalidade, para a sua sobrevivência bastaria a evolução, o que dispensaria reflexões normativas externas a ele. Luhmann, desta forma, descarta a possibilidade de uma razão substantiva que seja capaz de pensar ética e moralmente a convivência social. Enfim, a substituição da razão cognoscente pela racionalidade sistêmica, a crença na auto-referencialidade do sistema que elabora o seu próprio sentido, a reação em relação à possibilidade de uma razão (substantiva) normativa, a transformação do pensamento metafísico em pensamento metabiológico que transfere para os sistemas sociais modelos cibernéticos dos sistemas orgânicos, seriam traços epistêmicos significativos que surgem nas entrelinhas das abordagens sistêmicas, e que revelam o seu conteúdo conservador, positivista e metafísico.

O problema da analogia com sistemas naturais

Por fim, um último problema do funcionalismo sistêmico e que talvez seja a raiz de todos os outros, diz respeito às inapropriadas analogias feitas pelas ciências sociais com os modos de funcionamento dos sistemas naturais. Como se viu anteriormente, esta recorrência aos conceitos das ciências naturais acompanha o conceito de sistemas desde o funcionalismo clássico até o ‘paradigma da complexidade’, intensificando-se a partir da TGS. Se por um lado no funcionalismo clássico a analogia com os sistemas naturais era utilizada de forma geral para indicar o caráter sistêmico e orgânico da sociedade, por outro, até pelo fato do conceito de ‘sistema’ não ter sido ainda precisado naquela época pelas ciências naturais, ele (o funcionalismo

clássico) não deixou de estabelecer uma teoria sociológica genuinamente social. A partir da TGS, porém, criou-se uma expectativa extremamente pretensiosa, e uma ambição de que a teoria dos sistemas deveria constituir–se numa metanarrativa que, como a ciência mãe de toda uma nova geração de ciências integradas, pretendia ser adequada à análise de

Renato Santos de Souza

qualquer sistema, seja ele social ou natural, material ou abstrato, de um passado remoto ou então atual, que abrangesse desde uma célula até o sistema solar, passando pelos sistemas sociais, pelas economias nacionais, o cérebro ou qualquer outra estrutura organizada que contivesse elementos constituintes interrelacionando-se para realizar um propósito, seja ele qual fosse. Esta é a primeira implicação negativa que a TGS tem sobre o funcionalismo sistêmico. Ou seja, uma ciência que entenda ser produtivo utilizar as mesmas categorias analíticas da ciências naturais (função, homeostase, entropia, autopoiesis, retroação, adaptação, evolução, etc.) para estudar realidades tão distintas como uma organização social, uma floresta, um molusco ou uma célula por exemplo, não pode passar incólume pelo crivo crítico da razão. Assim, pela ambição de querer que tudo caiba em seu escopo teórico, a teoria sistêmica passa a sensação de que nada é capaz de explicar; ela oferece a estrutura, a linguagem, os conceitos, mas as explicações da realidade continuam e continuarão sendo dadas por aquelas disciplinas e métodos que ela própria pretendia combater. Edgar Morin afirmou que “a idéia de sistema social permanece trivial: a sociologia, que usa e abusa do termo sistema, nunca o elucida: explica a sociedade como sistema sem saber explicar o que é um sistema ” (Morin, 1987, p. 98). Isto que Morin vê, a partir do ‘paradigma da complexidade’, como um defeito do funcionalismo clássico, pode -se ver hoje como uma qualidade daquele em relação às construções das teorias sociais e humanas a partir da TGS e do próprio ‘paradigma da complexidade’. Na verdade, a teorização do conceito e das características dos sistemas a partir de Bertalanffy e seus seguidores na cibernética e na TGS, bem como a recolocação destes conceitos pelo próprio Edgar Morin e pelo ‘paradigma da complexidade’ mais recentemente, apenas contribuiu para aprofundar a transposição das regras de funcionamento dos sistemas naturais para as organizações sociais. A partir da TGS, estas regras foram institucionalizadas e sistematizadas como as regras gerais de todos os sistemas. Estas analogias produziram um empobrecimento da teorização social, fazendo com que muitos teóricos sociais tentassem simplesmente enquadrar as categorias encontradas nas organizações sociais naquelas de descrição dos sistemas naturais: Luhmann, por exemplo, comparava as funções e o fluxo das

comunicações nos sistemas sociais ao ‘fluxo de energia’ dos sistemas naturais, e extraiu do conceito de ‘autopoiesis’ dos sistemas vivos biológicos a idéia de auto-organização dos sistemas sociais; outros autores analisaram a tendência à desorganização e ao desvio em relação ao planejado como uma ‘entropia’ (um conceito da termodinâmica) dos sistemas sociais; os papéis

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

em uma organização foram comparados às funções de ‘órgãos em um organismo’ biológico; as concepções de muitos economistas clássicos de que era inútil tentar aumentar o nível de vida da classe trabalhadora foi comparado por Maruyama ao conceito de ‘morfogênese’ da segunda cibernética; Buckley comparou o controle social aos mecanismos de ‘retroação’ da cibernética, e assim por diante. E assim muitas transposições simplistas de conceitos foram feitas das te orias de sistemas para as organizações sociais. Alberto Guerreiro Ramos, em seu célebre livro A Nova Ciência das Organizações, chamou a constante influência que as teorias organizacionais sofriam de toda a ordem de disciplinas de ‘colocação inapropriada de conceitos’. Segundo ele, isto ocorre quando uma disciplina utiliza inapropriadamente conceitos de outras disciplinas, da mesma forma como tem- se defendido aqui. Segundo Ramos (1989), “toda a disciplina deve ter um mínimo de intolerância em suas transações com as outras, ou perderá a sua razão de ser. Ter identidade e caráter é, num certo sentido, ser intolerante” (p.69). Ramos dá uma série de exemplos dos problemas que esta ‘colocação inapropriada de conceitos’ das teorias de sistemas causam para as teorias organizacionais, como por exemplo: (a) é muito comum que percam de vista a necessária tensão entre as pessoas e os sistemas projetados (as empresas, por exemplo) apoiando-se numa concepção de sistemas demasiado holística; (b) reificam o sistema organizacional dando ênfase à dependência das partes sobre o todo, em vez de tratar com precisão da interdependência das partes internas e externas que constituem o todo; (c) os planejadores de sistemas de orientação mecaniscistas e organísmica não questionam as regras operativas inerentes aos sistemas institucionalizados, e a luz do staus quo , tratam de explicar como os grupos humanos tentam se adaptar ou de fato se adaptam ao mundo em que se encontram; e (d) o analista de sistemas (nas teorias sociais) está apenas interessado na capacidade que a comunidade tem de atingir as suas metas, enquanto as dimensões éticas de tais metas não é de seu interesse (Ramos, 1989). Para Guerreiro Ramos, em última análise, nenhuma das teorias sistêmicas funcionalistas é capaz de expressar o que realmente uma pessoa é em sua natureza. Em suas palavras, “uma pessoa não é parte funcional constitutiva de um sistema”. E, citando a definição de Kant, “uma pessoa não

está sujeita a nenhuma outra lei senão aquelas que (isoladamente, ou pelo menos em conjunto com outras pessoas) estabelece para si própria. Desta forma, pode acontecer que uma pessoa se encontre num sistema sem ser, necessariamente, parte funcional dele” (Idem, p. 81)

Renato Santos de Souza

Neste sentido, ao contrário do que pensa Morin, as abordage ns sistêmicas mais modernas aplicadas às teorias sociais empobreceram o próprio funcionalismo, pois descaracterizaram-no como uma construção teórica baseada nas realidades sócio-culturais mesmas, como até certo ponto o funcionalismo clássico fazia. Ou seja , o fato de não terem tentado ‘explicar o que é um sistema’ como sugeriu Morin, permitiu aos sociólogos funcionalistas clássicos prenderem-se minimamente à peculiaridade e singularidade das organizações sociais enquanto agrupamentos de pessoas, mesmo quando buscavam analogias com sistemas naturais. Sem disporem de uma teoria geral de sistemas que proclamasse as leis dos sistemas naturais como leis gerais, os funcionalistas clássicos olhavam primeiro para os sistemas sociais, e identificavam neles algumas similaridades com sistemas naturais. Após a influência da TGS, porém, o ‘novo funcionalismo’ olhava para os sistemas sociais já com a visão viesada pelas leis e regras dos sistemas naturais que esta professava. Assim, apenas fizeram transposições de conceitos (ou ‘colocações inapropriadas de conceitos’ como definiu Ramos), empobrecendo o conteúdo teórico das teorias sociais. A grande pergunta que se faz é, por que razão deveríamos crer que as leis que regem os sistemas naturais servem aos sistemas sociais? Admitir que, em algum nível, esta transposição de conceitos é possível e adequada não implica em ver os sistemas sociais como casos específicos de sistemas naturais? Não implica em admitir um status de naturalidade a qualquer tipo de organização social? Não implica em dissimular a história, destituir o livre arbítrio, a vontade, a intencionalidade e a razão que habita o espírito humano (e não habita as células, os átomos, os planetas ou qualquer outra unidade componente de sistemas naturais)? Não implica, assim como parece ter sido a conclusão de Habermas, uma opção política pela conservação, seja de qualquer ordem dada (e mais, uma conservação não baseada em valores, mas em uma inexorável naturalidade da ordem geral estabelecida)? Ora, imagine se fosse feito o contrário, se fossem transpostos conceitos das teorias sociais para as ciências naturais, isto faria algum sentido? Vamos pensar na tendência à queda da taxa de lucro do Marxismo, ou nos conceitos de cultura e de valores comuns do funcionalismo

clássico. Será que após os biólogos ou físicos estudarem Marx e Parsons por exemplo, eles chamariam a ‘entropia’ da termodinâmica de ‘tendência a queda da taxa de lucro’, ou então chamariam o código genético de ‘cultura, ou de valores comuns’ das células que formam um organismo, em alusão ao conceito de ‘ordem normativa’ de Parsons? Isto faria algum sentido

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

para os cientistas da física ou biologia molecular? Acrescentaria alguma substância ao conhecimento da entropia ou do código genético? Por que, então, tem que fazer sentido para as ciências sociais esta transposição de conceitos no sentido contrário? Qual a razão para pensar que os sistemas sociais se comportam como os sistemas naturais? Na verdade, nenhum autor que fez uso das teorias sistêmicas para transpor conceitos dos sistemas naturais para os sistemas sociais se preocupou em dar explicação sobre isto. As transposições são feitas sem nenhum constrangimento aparentando uma naturalidade imanente, que dispensa explicação. Assim, o paradigma da complexidade, por exemplo, toma como eixo de argumentação todas as novas descobertas em relação aos sistemas naturais na física, na química, na biologia e na termodinâmica para derramar um novo paradigma sobre todas as ciências, sem nunca se perguntar se isto é adequado ou mesmo necessário. Os teóricos dos sistemas não podem oferecer uma justificativa para as suas transposições de conceitos porque ela não existe. Considerar o comportamento dos sistemas sociais como análogo aos sistemas naturais é uma questão de crença; parafrazeando Mintzberg e seus colaboradores, é como crer que as pessoas são felizes: se você crê em felicidade irá encontrá-la em todo o lugar, se não crê, não irá encontrá -la em parte alguma (Mintzberg et al. 2000). Mas, para os teóricos dos sistemas esta é uma crença cômoda, pois eles alimentam a ilusão de que, refugiando-se em leis supostamente ‘naturais’, estão a salvo dos dilemas epistemológicos e morais que assombram as ciências sociais desde o seu nascimento. Porém, o grande pecado desta crença dos teóricos dos sistemas é que, de certa forma, estas transposições de conceitos ‘zeraram’ as ciências sociais, ignorando todo o conhecimento precedentemente acumulado nas suas diferentes áreas no decorrer do tempo, conhecimentos estes baseados em genuína refle xão sobre o social, o cultural e o econômico como espaços singulares de expressão do homem social, político e econômico.

Considerações finais

No presente trabalho, procurou-se traçar a evolução e os desdobramentos do

funcionalismo sistêmico nas teorias sociais, propondo uma linha de identidade onde existe aparente diversidade e mesmo divergência. As noções de sistema, de funções, de integração e de organização, geralmente extraídas de analogias com o funcionamento de sistemas naturais, são as linhas que nos guiam para a identidade dentro da diversidade em que se apresentam tais

Renato Santos de Souza

abordagens. Assim sendo, não há problemas em tratar os teóricos dos sistemas e da complexidade como ‘novos funcionalistas’, mesmo que muitos assim não se considerem. De outro lado, apesar das críticas aqui desenvolvidas em relação ao pensamento funcionalista sistêmico, acredita-se que ele merece um espaço importante dentro das ciências

sociais. Este texto deteve -se mais nas críticas porque as qualidades falam por si. Na verdade, o propósito do funcionalismo de estudar as razões da integração, da organização e da conservação social representa um mérito teórico, afinal, as organizações sociais apresentam estas características, ao menos por algum tempo. A ordem normativa de que nos fala Parsons, portanto, é um elemento essencial desta conservação. Desta forma, não deveria haver uma dicotomização teórica tão grande, com a perspectiva de ‘conflito-mudança’ de um lado e de ‘integração- conservação’ de outro. Como afirmou Ramos (1989), “não existe fluxo indefinido do nada para o nada” (p. 55); “a mera mudança sem conservação é uma passagem do nada para o nada. A mera conservação sem mudança não pode conservar” (Whitehead, citado por Ramos, 1989, p. 55).

Neste sentido, são sábias as palavras de Lockwood (1977) quando diz que “de uma parte

possível conceber a sociedade sem um certo grau de integração por meio de normas comuns; e, portanto, que a teoria sociológica deve preocupar-se com processos que contribuem para a

não se pode conceber a sociedade sem um certo grau

de conflito proveniente da distribuição de recursos raros, e a análise sociológica vê cometer-se- lhe a tarefa de estudar os processos que estruturam e exprimem as divergências de interesse” (p. 212). Não se pode negar, porém, que esta dicotomização exagerada se alimenta de visões de mundo e de interesses políticos e morais diversos, muitas vezes irreconcilháveis, que se escondem por detrás de concepções teóricas aparentemente neutras. Não obstante estes interesses e visões de mundo, ambos os binômios ‘integração- conservação’ e ‘conflito-mudança’ fazem parte de uma organização social, razão pela qual o funcionalismo é útil para a análise destas organizações. O grande problema do funcionalismo sistêmico, porém, reside exatamente no conceito de sistema e nas transposições de conceitos dos sistemas naturais para as organizações sociais. É bem verdade que a idéia de sistema nos trouxe

manutenção dessa ordem. De outra parte

não é

uma visão realmente nova e importante para a metodologia das ciências, ao mostrar as fragilidades do mecaniscismo, do reducionismo e do atomismo que imperavam (e ainda imperam) em todos os campos do conhecimento, e ao mostrar que o saber que se pretende universal mas que perde a noção do contexto, da complexidade e das inter-relações que ocorrem

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

em cada sistema, não pode dar conta da realidade. Este mérito não se pode tirar da abordagem sistêmica e realmente transformou a ciência. Aqui, portanto, é necessário separar ‘abordagem sistêmica’ de ‘teoria de sistemas’. Se por um lado a ‘abordagem sistêmica’ foi fundamental para uma nova visão da ciência, a ‘teoria de sistemas’ trouxe conseqüências não tão saudáveis para as teorias sociais, fundamentalmente porque, forjada a partir da observação do funcionamento dos sistemas naturais, acabou ‘engessando’ as teorias sociais por conceitos supostamente universais. Analisar a conservação em razão da ordem normativa, que implica uma cultura institucionalizada e valores comuns, como fazia Parsons, por exemplo, é muito diferente do que simplesmente transpor para os sistemas sociais conceitos de sistemas naturais, que se conservam e auto-organizam por leis da natureza: autopoiesis, retroação, homeostase, e assim por diante. A ordem normativa, a cultura e os valores são características da socialidade humana, e não têm paralelo nos sistemas naturais por algumas razões simples: o homem pensa, tem livre arbítrio, tem vontade, produz ações intencionais, e é capaz de fazer julgamentos morais e éticos. Por esta razão, a organização humana é antes de tudo uma organização política, e isto não cabe em nenhum conceito de sistema proveniente das ciências naturais. Assim sendo, o ‘novo funcionalismo’ surgido a partir da TGS e do ‘paradigma da complexidade’, empobreceu o próprio funcionalismo, pois concentrou nos conceitos de sistemas oriundos das ciências naturais toda a teoria social. Mesmo as idéias de mudança e conflito trazidas pelos ‘novos funcionalistas’ são extraídas destes conceitos sistêmicos, tornando-se despolitizadas e ahistóricas. Se o funcionalismo sistêmico tem o mérito de concentrar-se nas razões da integração- conservação, tem também o demérito de ter deixado deslizar para dentro dos conceitos de sistemas naturais toda a explicação sociológica, revogando as teorias passadas que se construíam sobre a própria realidade social, e relegando ao próprio funcionalismo clássico o caráter de um mero rascunho das modernas teorias de sistemas sociais. De certa forma, portanto, os novos funcionalistas pretendem ‘zerar’ toda a teoria social para erguer em seu lugar aquilo que, alegam, seria uma teoria verdadeiramente sistêmica, que abranja a complexidade, a incerteza e a multidimensionalidade dos sistemas sociais, tal como a física, a química, a biologia e a

termodinâmica têm caracterizado os sis temas naturais. Face a isto, entende-se que é preciso resgatar a teoria social clássica contra esta subserviência à uma suposta ‘ordem natural de todas as coisas’, e para que voltemos a enxergar as organizações sociais como sistemas singulares, políticos, morais, intencionais, históricos, humanos, compostos de culturas, valores, disputas de

Renato Santos de Souza

poder, enfim, de todas estas características que não cabem aos sistemas naturais. Para o bem do próprio funcionalismo e das teorias sociais e organizacionais.

Referências Bibliográficas

BARNARD, C. As Funções do Executivo. Rio de Janeiro, Atlas, 1976.

BEER, S. Cibernética na Administração. São Paulo, IBRASA, 1979.

BERTALANFFY, L. V.

Teoria Geral dos Sistemas.

In BIRNBAUM, P. & CHAZEL.

Teoria Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

BIRNBAUM, P. & CHAZEL. Teoria Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

BUCHLEY, K. Sociology and Modern Systems Theory. New Jersey, Prentice Hall, 1976.

CASTRO, A. M. & DIAS, E. F. (Orgs.). Paulo, Editora Moraes toda., 1992. 9ª ed.

Introdução ao Pensamento Sociológico.

São

COATS, A. W. Autopoeisis, Estruturas Dissipativas e Processos Históricos em Economia. In Estudos Econômicos, v. 22, nº 3, p.351-373, set.-dez. 1992.

DURKHEIM, E. As Regras do Método Sociológico. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

FADIMA, J. & FRAGER, R. Teorias da Personalidade. São Paulo, Harbra, 1986.

HABERMAS, H. Quixote, 1990.

O Discurso Filosófico da Modernidade.

Lisboa, Publicações Dom

INGRAND, D. Habermas e a Dialética da Razão. Brasília, ed. Da UnB, 1994.

KATZ, D. & KAHN, R. L. Psicologia Social das Organizações. São Paulo, Atlas, 1976.

LAZARSFELD, P.

O Funcionalismo e a Teoria Geral dos Sistemas.

In BIRNBAUM, P.

& CHAZEL. Teoria Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

LOCKWOOD, D. Algumas Observações a Propósito de ‘The Social System’. In

Teoria Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP,

BIRNBAUM, P. & CHAZEL.

1977.

LOCKWOOD, D.

Integração Social e Integração Sistêmica.

In BIRNBAUM, P. &

O Funcionalismo Sistêmico nas Teorias Social e Organizacional: Evolução e Crítica

CHAZEL. Teoria Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

LUHMANN, N.

The Modernithy of Science.

In New German Critique.

Winter, 1994,

issue

61,

p.

9,

16

p. (capturado

na

internet,

em

22.05.00,

endereço

‘http://www.libfl.ru/luhmann/luhmann3.html’).

 

MALINOWSKI, B.

A Teoria Funcional. In BIRNBAUM, P. & CHAZEL.

Teoria

Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

MARCH, J. & SIMON, H. Teoria das Organizações. Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getulio Vargas, 1979.

MARUYAMA, M.

The Second Cibernetics: Deviation-Amplifying Causal Processes. In

American Scientist, 51, 1963.

MATURANA, H. R. & VARELA, E. J. Autopoiesis and Cognition: The realization of the living. Dordrecht, the Netherlands: D. Reidel. 1980.

MERTON, R.

Um Paradigma da Análise Funcional.

In BIRNBAUM, P. & CHAZEL.

Teoria Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

MILLER, J. Living Systems: Basics Concepts. In Behaviour Sciences, July, 1965.

MINTZBERG, H., AHLSTRAND, B. & LAMPEL, J.

Safári de Estratégia : Um Roteiro

pela Selva do Planejamento Estratégico. Porto Alegre, Bookman, 2000.

MORIN, E.

1987.

O Método I: a natureza da natureza. Portugal, Mira-Sintra – Mem Martins,

PARSONS, T.

Um Esboço do Sistema Social. In BIRNBAUM, P. & CHAZEL.

Teoria

Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

PROVOST JR., W. Structure and Change in Complex Systems. (capturado na internet, em 22.05.00, endereço ‘http://www.geocities.com:0080/ñ4bz/Nonlihm.htm’)

RADCLIFFE-BROWN, R. A Natural Science of Society. Glencoe, Free Press, 1957.

RAMOS, A. G.

A Nova Ciência das Organizações.

Getulio Vargas. 1989. 2ª ed.

Rio de Janeiro, Editora da Fundação

ROCHER, G. Talcott Parsons et La Sociologie Americaine. In CASTRO, A. M. & DIAS,

Renato Santos de Souza

E. F. (Orgs.). Introdução ao Pensamento Sociológico. São Paulo, Editora Moraes toda., 1992. 9ª ed.

SÉGUIN, F. & CHANLAT, J.F. Introduction: Les théories de l'organisation: d'un paradigme à l'autre. In: SÉGUIN, F. & CHANLAT, J.F. L'analyse des organisations - une anthologie sociologique. Tome I - Les théories de l'organisation. Boucherville, Québec, 1992. PP. 3-74.

SERVA, M. O Paradigma da Complexidade e a Análise Organizacional. In Revista de Administração de Empresas. São Paulo, Fundação Getulio Vargas, v. 32, nº 2, abr./jun. 1992.

SOROKIN, P. Novas Teorias Sociológicas. Porto Alegre, Globo, 1969.

SPENCER, H. Que é Uma Sociedade?

In BIRNBAUM, P. & CHAZEL.

Teoria

Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

TOLBERT, P. S. & ZUCKER, L. G.

In

CLEGG, S. R. et alii. Handbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e

novas questões em estudos organizacionais. São Paulo, Atlas, 1999.

A Institucionalização da Teoria Institucional.

VISKOVATOFF, A.

Foundation of Niklas Luhmann’s Theory of Social Systems.

In

Philosophy of the Social Sciences. Dec. 1999. Issue 4, p. 481, 36 p.

WATTERS, P. A., BALL, P. J. & CARR, S. C. Social Processes as Dynamical Processes:

qualitative dinamical systems theory in social psychology. In Current Research in Social Psychology. V. 1, nº 7, october 1996.

WORMS,

R.

Organismo

e

Sociedade.

In

BIRNBAUM,

P.

&

CHAZEL.

Teoria

Sociológica. São Paulo, HUCITEC-EDUSP, 1977.

Оценить