Вы находитесь на странице: 1из 3

Resenha do prefacio do livro Educação pelo argumento:

Educação pelo argumento, de Bernardo Gustavo.


2ed.rev.e ampliada.Rio de Janeiro : Rocco,2007.p.11-22.
Gustavo Bernardo, nascido no Rio de Janeiro é Doutor em
Literatura Comparada e professor de Teoria da Literatura
na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Publicou
ensaios e romances.
Em Educação pelo argumento, o professor e pesquisador
Bernardo propõe uma ousada reformulação nos critérios
de ensino e avaliação dos alunos da rede escolar. Segundo
ele, os professores ensinam de maneiro errada e avaliam
erroneamente também e isso, pois não há estimulo à
argumentação imprescindível ao raciocínio. O que o autor
propõe está anos-luz à frente do atual modelo de ensino e
seria um eixo interdisciplinar onde todas as disciplinas
seriam trabalhadas de forma a desenvolver a capacidade
argumentativa dos alunos.

A principio o autor destaca duas idéias que se repetem em


discursos sobre a escola que são:
Todos os professores de todas as disciplinas ensinam
Língua Materna, ou seja, ensinam a raciocinar.
E todos os professores de todas as disciplinas ensinam
Matemática, ou seja, ensinam a raciocinar.
Contudo disciplinas que possuem tanto em comum não
são trabalhadas na prática de forma concisa. O autor
afirma ainda que, a prioridade que se empresta ao ensino
de Matemática assenta-se em um pressuposto equivocado
já que a Língua Materna surge antes e é através dela que a
Matemática pode ser transmitida e trabalhada, não sendo a
Matemática menos importante e sim um instrumento que
surge posteriormente e é dependente da Língua Materna.
No livro há a intenção de deixar bem claro que o valor
exagerado dado à sintática acaba deixa de lado o valor da
semântica, tanto na Língua Materna quanto na Matemática
transformando o ensino de ambas igualmente áridas ao
invés de útil.
O autor denota a ênfase do argumento no ensino
chamando a atenção para a necessidade do diálogo como
forma de orientação ao invés da repressão que a escola
impõe aos alunos. Com isso Bernardo compara a escola à
prisão cujo papel é o de vigiar e punir e uma das bases
dessa estrutura precária é a avaliação mentirosa e contínua
por meio de provas e testes. Educação pelo argumento é a
solução proposta pelo autor para corrigir o sistema de
ensino.
Neste segundo momento do livro Bernardo traz à tona,
ainda, um procedimento muito utilizado na escola: a cola,
tornando explícito que esse é um tema preocupante, à
medida que influencia diretamente na formação do caráter
do cidadão. A proposta dele é avaliação escolar “centrada
em textos argumentativos e que transforma a cola
consentida em consulta necessária”. A idéia tem base no
hábito da cola que, segundo Bernardo, faz parte da
identidade da escola.
Admito que, na prática, a proposta do autor representa
mais trabalho para o professor na avaliação das provas,
mas o professor deveria ter dedicação exclusiva à escola
para poder orientar melhor o aluno. Um professor que
precisa dar aula durante três turnos não é capaz de dar a
atenção devida às suas classes.
Em resumo seria extraordinária a implantação de uma
educação verdadeiramente interdisciplinar e com todas as
suas práticas centradas no desenvolvimento da
argumentação.
Contudo é um desejo visionário para atual condição
escolar e por isso mesmo o trabalho de Bernardo é tão
importante e deveria estar disponível tanto para alunos
quanto para professores em todas as instituições de ensino.
Infelizmente a escola não utiliza do construtivismo para
articular o ensino das disciplinas através de opções
epistemológicas e não factuais buscando o valor
instrumental que cada disciplina possui e isso ocorre, pois
a escola não fomenta discussões temendo a perda do
controle. Sendo assim o livro Educação pelo Argumento
trás à tona todas as questões importantes e problemas que
assolam a educação.

(Joyce Sousa, 27 maio. 2011)