Вы находитесь на странице: 1из 9

O nosso imenso e lindo país é um lugar paradisíaco e cheio de gente de

bonito físico que anda quase nua mostrando quase tudo seguindo o famoso e
tradicional ditado: “tudo o que é bonito é pra se mostrar”. Desde os mais
ternos anos, as menininhas são submergidas na cultura da mini-saia, decotes,
salto alto e muito mais.
Os homens são assediados por uma avalanche de mulheres de corpo bonito
que eles apelidam “raimundas...” que fazem com que os mais honestos sofram
uma série de tentações quase sem fim só por ir à feira, ao correio, ao
banco, à farmácia, ao hospital, etc. Sem contar o que se encontra de fotos
de mulheres nuas nas paredes das oficinas e banheiros dos frigoríficos e
outros estabelecimentos freqüentados maiormente por homens. Tanto crianças,
adolescentes, jovens ou adultos hão visto alguma figura nua de uma pessoa do
sexo oposto pelo ao menos uma vez em sua vida. As seções pouco proibidas de
filmes para entretenimento adulto nas vídeolocadoras enchem os olhos de cada
criança que acompanha seus pais ao alugar vídeos para assistir no fim de
semana.
A pornografia tem feito parte da vida de esposos ou esposas
insatisfeitos com o fogo do amor que foi
deixando de arder desde que acabou sua lua de
mel e no intento de apimentar a relação
conjugal, ambos ou algum do dois se acham em
momentos solitários contemplando cenas de sexo
explicito ou com literatura e revistas do mesmo
naipe com a desculpa de aprender novas
técnicas. Por outro lado, muitos jovens se
encontram ilhados do resto do mundo diante de
seus computadores, celulares ou iPods
“deleitando-se” com cenas que jamais
Leia contemplariam diante de seus parentes mais
Mateus queridos como avós e outros. Ao mesmo passo que
5:27-30 criancinhas são iniciadas na pornografia entre
seus coleguinhas de escola ou na rua, na casa
dos vizinhos e às vezes em seus próprios lares
que deveriam ser um pedacinho do Céu e
pervertem sua inocência devido maiormente à
ignorância, a irresponsabilidade ou a falta de
diligencia de seus pais ao cumprir com o seu
dever de educá-los da maneira correta e
instruí-los em um cominho de pureza.

O objetivo desta tema é ver quais são as graves conseqüências da


pornografia e seus efeitos na mente do ser humano que o enferma e afeta,
fazendo um dano irreparável à sua vida. Mas antes disso quero deixar bem
claro de que onde chega o limite do ser humano para recuperar-se, se o mesmo
reconhece que já não tem onde ir e de quem depender e escolhe depender de
Deus e com verdadeiro arrependimento e tristeza pelo pecado se acolhe nos
braços do Terno e Amante Salvador Jesus Cristo, pode alcançar plena vitória
e ser libertado de todo e qualquer vicio que o prenda com cadeias infernais
da morte eterna.
A Bíblia também trata do tema da pornografia vista por Deus que
esquadrinha o coração e a mente do ser humano e Ele é que “trará todas as a
juízo, sejam boas ou más” (Ecl. 12:14). Por isso Jesus disse: “Ouvistes que
foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar
para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.
Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te é
melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado
no inferno. E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de
ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que vá todo o teu
corpo para o inferno.” (Mat. 5:27-30).
Há muitas passagens na Bíblia que falam acerca da sexualidade,
prostituição, fornicação, adultério e pornografia. Estes versículos veremos
na 2a parte do tema: “A pornografia e Seus Efeitos”, com evidências bíblicas
e conselhos a todos aqueles que desejem viver uma vida vitoriosa, livre
deste maldito vicio.

A seguir você lerá um importante artigo que traduzi ao português do


Ph.D Brian Clowes (católico), que reuniu muitos dados de suas pesquisas
feitas em Estados Unidos acerca da pornografia e os assombrosos resultados
de tal prática.

Para você que gosta de receber noticias verídicas, esta sem dúvida lhe
impressionará e tenha o cuidado de seguir as instruções que Brian dá acerca
desta publicação.

*******

OS DANINHOS EFEITOS DA PORNOGRAFIA

Por Brian Clowes, Ph.D.

AVISO: Parte da informação que apresentamos à continuação é de conteúdo


escabroso e não apta para menores de idade nem para pessoas moralmente
vulneráveis a este tema.

"A recuperação do controle moral e o retorno da ordem espiritual hão-se


convertido na atualidade nas condições indispensáveis da supervivência
humana" -- Christopher Dawson, historiador cultural (1).

O que dizem os que sustêm uma ideologia anti-vida: "Não creio que a
pornografia degrade às mulheres. As mulheres que a praticam querem fazê-lo.
Ninguém lhes está apontando com uma pistola à cabeça. Não entendo qual é o
problema" -- Madonna, Sex, 1992 (2).

Outras pessoas, tão despistadas como Madonna, afirmam que a pornografia


é simplesmente uma "válvula de escape" que as pessoas usam para dissipar
seus impulsos sexuais. Seu efeito, dizem elas, é "catártico". Isso quer
dizer, afirmam estes iludidos, que as pessoas que de outra forma houvessem
expressado, por meio de sua atuação, suas violentas fantasias sexuais, desta
maneira, em lugar disso, usam seu material pornográfico sem causar dano.

INTRODUÇÃO
Os nocivos efeitos da pornografia, tanto a mal chamada "leve" como a
forte, são extensos e permanentes. Há grupos de investigadores que têm
realizado mais de 500 estudos sobre estes efeitos e suas conclusões são
concretas, coerentes e irrefutáveis.

Através destes estudos aparecem consistentemente muitas relações


importantes. As seis conclusões em relação com o impacto da pornografia que
se encontram na lista más abaixo também se apresentam no estudo sumario de
David Scott: Pornography, Its Effects on the Family, Community, and Culture
("A pornografia, seus efeitos na família, na comunidade e na cultura") (3).

Observe que estas conclusões não são o resultado de estudos isolados ou


de estudos que hão sido agrupados ao azar. Os números dos estudos que lançam
cada uma das conclusões encabeçam os parágrafos correspondentes através
deste artigo e têm sido tomados da obra de Scott.
A lista de referencias bibliográficas de todos estes estudos aparece
também ao final do livro de Scott. Essa lista seria de grande valor para o
que esteja interessado em levar a cabo uma investigação séria sobre os
efeitos da pornografia.
À continuação oferecemos a lista sumária dos principais efeitos da
pornografia, cada um dos quais é descrito nos parágrafos seguintes:

1. Até a pornografia "leve" faz dano a qualquer pessoa.


2. Toda pornografia insensibiliza ao que a vê.
3. A pornografia causa vicio.
4. A pornografia degrada ao matrimonio.
5. A pornografia aumenta a intenção criminal de delinqüentes perigosos.
6. La pornografia estimula a realizar outros crimes e os facilita.

1. Até a pornografia "leve" faz dano a qualquer pessoa:


Dezoito estudos distintos hão demonstrado que a pornografia "leve", que
exibe atos entre adultos, ainda com seu consentimento, definitivamente
insensibiliza a todos seus espectadores, e pode provocar um comportamento
extremamente violento (4).

A pornografia afeta adversamente a toda pessoa que a vê e não só aos


perigosos criminais sexuais que aparecem nas tirinhas cômicas. A pornografia
interfere nas relações interpessoais e no desenvolvimento moral de todas as
pessoas que a vêem.
De fato, a pornografia "leve" há sido um fator que tem estado presente
em numerosos suicídios de adolescentes varões. O FBI há informado de muitos
casos de jovens que se enforcaram e se haviam masturbado enquanto sustinham
uma revista de pornografia "leve". Não é surpreendente que estas mortes (que
se classificam como "asfixia auto-erótica") freqüentemente não são dadas a
conhecer ao público. Se calcula que ao redor de 1.000 destes suicídios
acidentais ocorrem nos Estados Unidos todos os anos. (5).

Em muitos casos, até têm existido jovenzinhos que sem querê-lo hão
matado a seus amigos e irmãos por seguir as sugestões que se encontravam nas
revistas de pornografia "leve". Isto demonstra que não são somente os
pervertidos e os criminais endurecidos os que têm sido afetados adversamente
pela pornografia. Por exemplo, Zachariah Hurt, de 13 anos, leu uma revista
de pornografia e em seguida colocou com cuidado uns cordões de sapato ao
redor do pescoço de dois meninos: seu irmãozinho de 8 anos, Benjamin, e Todd
Pigg Jr., de 7 anos, logo puxou os cordões e acidentalmente estrangulou aos
garotinhos.

2. Toda pornografia insensibiliza ao que a vê:


Toda pornografia, "leve", forte e até os materiais de "educação" sexual
"neutral", insensibilizam ao espectador e o condicionam aos atos sexuais,
violentos ou não, como parte integral da conduta humana --26 estudos
distintos hão chegado a esta conclusão (4).
Uma pesquisa de Gallup de 1984 lançou que dois terços dos que
responderam acreditavam que o ver violência na televisão era daninho para
outros, porém só o 5% deles acreditavam que era daninho para eles próprios
(4).

Neil Malamuth, Ed Donnerstein e Dolf Zillman, três dos principais


investigadores da violência sexual, hão declarado que, em geral: "A
pornografia insensibiliza. O ver estes materiais, sejam estes violentos ou
não, coativos ou não, aumenta experimentalmente a conduta agressiva do homem
contra a mulher, e diminui a sensibilidade tanto do homem como a mulher, até
o abuso sexual e inclusive a situação deplorável das vítimas.
Tanto os homens como as mulheres, depois de ter visto este material,
crêem que a mulher que ha sido vítima de um abuso sexual tem sido menos
prejudicada, é menos digna e até é responsável de seu próprio sofrimento(6).

Esta investigação demonstrou que, logo de haver visto brevemente um


material pornográfico, as duas terceiras partes dos varões universitários
estariam mais dispostos a obrigar a uma mulher a realizar atos sexuais, se
lhes pudesse assegurar que não seriam presos ou castigados. Um terço dos
estudantes expressou sentir um aumento do desejo de cometer um abuso
sexual(6).

Estas são alterações assustadoras da atitude, tomando em conta que a


maioria dos abusos sexuais não se registram.
A pornografia é particularmente eficaz em insensibilizar a pessoas
emocionalmente perturbadas. Pelo ao menos 26 estudos de pornografia têm
demonstrado em forma definitiva que as pessoas emocionalmente perturbadas e
aquelas com uma tendência aos atos violentos podem chegar a ser
significativamente insensibilizadas durante várias semanas logo de haver
visto vídeos pornográficos e/ou violentas durante três horas (4).

3. A pornografia causa vício:


Vários estudos hão demonstrado que todas as pessoas, normais ou
desajustadas, que vêem pornografia desenvolvem o desejo de ver material
pornográfico cada vez más perverso, assim como os viciados às drogas desejam
drogas cada vez mais fortes. Todas as pessoas fantasiam acerca de materiais
pornográficos e atos mais perversos e até muitos deles os incorporam em suas
relaciones sexuais. Muitas pessoas começam a empregar métodos cada vez mais
violentos em suas relações sexuais.
Os psiquiatras britânicos Martin Roth e Edward Nelson têm declarado que
"longe de ter um efeito purgante, el ver pornografia produz um maior
interesse na desvio sexual" (7).

Donnerstein, Zillman e Malamuth informam que "o ver a pornografia


comumente de maneira prolongada, não violenta e não co-ativa, criou o
apetite de materiais menos usados, extravagantes e desviados, incluindo os
violentos num contexto sexual, como a exibição do sadomasoquismo e a
violação sexual".
Como ocorre com o caso dos viciados em droga, aqueles que consomem
pornografia chegam a sentir que necessitam materiais mais e mais perversos
para manter seu nível anterior de excitação sexual (4).

4. A pornografia degrada ao matrimonio:


Os que consumem pornografia
geralmente vêem material que mostra
mulheres atrativas que realizam quase
qualquer tipo de ato com qualquer
número de homens (ou animais). Os
usuários da pornografia começam a
crer que suas esposas também deveriam
realizar atos que sejam pelo ao menos
um pouquinho mais "aventurados" ou
"experimentais" que aqueles aos quais
estão acostumadas. Quando as esposas
destes irresponsáveis não satisfazem
as fantasias que a pornografia lhes
ha produzido, então tais usuários se
sentem insatisfeitos. Pode ser que se
sintam até mais insatisfeitos com as
imperfeições físicas de suas esposas. As esposas, supostamente, se sentirão
desgostadas e rejeitarão o comportamento cada vez mais pervertido de seus
esposos. Então os esposos com freqüência buscam as prostitutas, as quais
estão acostumas a lidar com estas peticiones tão extravagantes e perversas
(3,8).

5. A pornografia aumenta a intenção criminal de delinqüentes


perigosos:
Há mais de 65 estudos que demonstram que os criminais perigosos
(pederastas, assassinos, estupradores, pais que cometem incestos) não só são
mais propensos a cometer seus delitos se consomem pornografia, senão que
também são mais propensos a usar extensamente a pornografia pouco antes de
cometer seus crimes (4).

Os homens delinqüentes que usam pornografia breve começam a manifestar


um comportamento vicioso e compulsivo. Todos seus mecanismos para liberar
tensão rápido chegam a relacionar-se com as perversões sexuais e sua conduta
se faz cada vez mais criminal.
Cerca de dois milhões de pederastas, estupradores, sádicos e
praticantes de relaciones sexuais com adolescentes ou prostitutas infantis
cometem mais de 2 milhões de delitos por ano. Esta cifra se refere somente
aos incidentes que se registram, o número total é evidentemente muito mais
elevado.
Os ingênuos que crêem que a pornografia "não tem vítimas" deveriam
baixar-se da nuvem em que se encontram dormindo e dar-se conta dos fatos.
Milhares de pessoas têm sido torturadas, estupradas e assassinadas por seres
humanos perturbados como resultado direto da pornografia. Milhares destes
casos abarrotam os arquivos da polícia em todo o país de Estados Unidos.
Jeffrey Dahmer, condenado por pedofilia e ao mesmo tempo um praticante
confesso do homossexualismo, logrou convencer a 17 rapazinhos que fossem a
seu apartamento, uma vez ali, teve relações sexuais com eles e logo os matou
e os desmembrou.
Este indivíduo foi um ativista em organizações que defendem os
"direitos dos homossexuais" e participou em desfiles para promover o
"orgulho gay". A polícia também encontrou uma enorme quantidade de
pornografia forte e de fitas de vídeo em seu apartamento (9).

No dia 24 de janeiro de 1988, o dia antes de ser executado por


assassinato, Ted Bundy declarou, em uma entrevista que lhe fez o Dr. James
Dobson da organização “Enfoque na Família” (Fucus on the Family), que: "Ao
princípio, a pornografia acende este tipo de correntes de pensamento... Como
no caso dos vícios, sentes desejos de algo que seja mais forte, mais forte,
algo que te provoque uma excitação más intensa, até que chegas a um ponto em
que a pornografia já não te oferece mais, chegas a um ponto de salto no qual
começas a perguntar-te se ao melhor praticá-lo te daria aquilo que está mais
além de só lê-lo ou vê-lo".
Quando “Enfoque na Família” publicou os resultados desta importante
entrevista, se encontrou com a burla daqueles que não acabam de aceitar as
daninhas conseqüências da pornografia, porém que no fundo reconheceram quão
certo foi o que lançou o diálogo de Dobson com Bundy. Evidentemente, as
únicas pessoas que atacaram esta entrevista foram aquelas que apóiam ou
lucram imensamente com a pornografia.
Arthur Gary Bishop, que foi executado no estado de Utah, EUA em 1983
por estuprar e matar a cinco garotos, entre as idades de 4 e 13 anos,
declarou o seguinte:
"A pornografia não foi a única influência negativa em minha vida, porém
seus efeitos em mim foram devastadores. Eu sou um homossexual pedófilo
condenado por assassinato, e a pornografia foi o fator determinante de minha
caída".

Os cientistas do FBI de Quântico, Estado de Virginia, fizeram uns


comentários do papel que desempenhou a pornografia e seus efeitos no
estuprador de Miami, Estado da Florida, do caso da "fronha da almofada".
"Adquiriu revistas [pornográficas]... e sonhou com realizar estupros
sexuais.
Logo cruzou o limite que separava a fantasia da realidade dos assaltos
sexuais."
Ray Bauer, um viciado à pornografia de St. Louis, Estado de Missouri, a
miúdo obrigava sua esposa de 29 anos de idade a assistir vídeos de
pornografia forte e logo a atava e a torturava. Finalmente, em abril de
1986, a Sra. Bauer não pôde agüentar mais este maltrato e matou a seu esposo
a tiros depois de um episódio de tortura particularmente violento. Suas
costas, peito e as nádegas tinha profundas marcas de chicotadas. Os agentes
da ordem registraram a casa e encontraram a extensa coleção que seu esposo
tinha de pornografia violenta e sado masoquista, também encontraram
instrumentos de tortura (10).

Os negociantes da pornografia dizem que esta não faz estrago. O


seguinte caso os desmente:
Em janeiro de 1986, Linda Lee Daniels, de 22 anos de idade, de
Albuquerque, estado de Novo México, EUA, foi seqüestrada em pleno dia no
estacionamento de sua própria casa por três jovens, cujo propósito era usá-
la, contra sua vontade, em um filme pornográfico.
O produtor da película, Johnny Zinn, disso aos três seqüestradores, aos
quais ele mesmo havia empregado, que queria um "produto" loiro para seu
filme e que lhes pagaria $1.500 se encontravam uma mulher com essas
características.
Depois de raptar a jovem Daniels, os jovens a drogarem a estupraram
durante toda a noite e filmaram toda a seqüência dos estupros. Os diários
matutinos do dia seguinte mostraram uma foto de Daniels. Então Zinn ordenou
aos seus cúmplices que a matassem. Eles dispararam repetidas vezes contra
ela, enquanto a pobre vítima suplicava que não lhe tirassem a vida.
Condenaram a Zinn à cadeia perpétua. Dos de seus cúmplices, ainda que
os encontraram culpados de estupro, já estão em liberdade rondando pelas
ruas, talvez em busca de mais "produtos" (11).

O FBI ha encontrado que o 80% (29 de 36) dos mais recentes assassinos
em massa utilizaram a pornografia extensamente como parte integral de seus
crimes sexuais, os quais incluíam estupros e assassinatos em série (4).

Alguns destes assassinos fotografavam a suas vítimas já mortas,


recortavam as fotos de seus rostos e os colavam sobre fotos de pornografia
forte como preparação para seu próximo assassinato.
O FBI e a polícia de toda a nação americana hão informado que têm
encontrado extensas coleções de pornografia nas casas de praticamente cada
assassino em massa e pedófilo que hão capturado.
O capítulo 18 do estudo, realizado em 1986, da
Comissão sobre a Pornografia do Fiscal Geral dos Estados
Unidos sinala que as principais revistas pornográficas
para homens (Playboy, Penthouse, Hustler, Chic, Club,
Gallery, Genesis e Oui) possuem uma taxa de circulação
cinco vezes mais elevada nos Estados de Alaska e Nevada
que no de Dakota do Norte (12).

É muito significativo que as taxas de violações


sexuais de Alaska e Nevada são oito vezes mais elevadas
que a de Dakota do Norte. Outros investigadores hão
confirmado que o 64% de todos os pedófilos que são
praticantes do homossexualismo e o 86% de todos os
estupradores usaram pornografia durante o momento em que
cometiam seus crimes ou imediatamente antes.
Uma consulta de mais de 400 criminosos jovens em
prisão demonstrou que os presidiários que haviam visto grandes quantidades
de pornografia eram muito mais propensos a cometer atos violentos e
sexualmente perversos que os outros presidiários que não haviam visto
pornografia (3).

6. La pornografia estimula a realizar outros crimes e os


facilita:
Os que promovem a pornografia também promovem a pedofilia ao vulgarizar
os atos sexuais entre crianças e adultos. Organizações como a Associação de
Norte-américa para o Amor entre Homens e Crianças ou NAMBLA (North American
Man-Boy Love Association) e a Rene Guyon Society estão muito envolvidas no
movimento em prol do homossexualismo e na pornografia forte. Ambas
organizações também se acomodam para que se eliminem as leis que proíbem as
relações sexuais com menores de idade.
É um fato que os magnatas da pornografia usam sua grande riqueza e
influência para promover diretamente os atos ilegais em suas revistas,
incluindo o uso de drogas perigosas. Isso coincide com sua ideologia
hedonista de que "tudo é aceitável".
Segundo a Dra. Judith Reisman, presidenta do Institute for Media
Education (Instituto para o Educação dos Meios de Comunicação Social), com
sede em Washington, DC, a legalização de todos os tipos de uso de drogas ha
sido uma das metas principais, a nível econômico, editorial e legislativo do
império da revista pornográfica Playboy desde 1966. A primeira indicação de
que Playboy ia promover o uso de drogas e sua legalização teve lugar no
número de setembro de 1966 desta revista. Nesse número, a Playboy publicou
uma entrevista que fez a Timothy Leary, na qual a revista se congratulou
sobremaneira com este porta-voz do movimento em prol da legalização das
drogas.
Em 1970, a Fundação Playboy formalmente subscreveu o estabelecimento,
por parte do advogado Keith Stroup, da National Organization for the Repeal
of Marijuana Laws ou NORML (Organização Nacional para a Anulação das Leis
que proíbem o uso da Maconha). A finais de 1871, a Fundação contribuiu com
$100.000, a primeira de uma larga série de donativos periódicos à NORML para
sua campanha em prol das drogas de 1972.
A Playboy tem continuado proporcionando uma grande quantidade de
assistência, tanto editorial como econômica, à legalização das drogas desde
1970. Em 1973 e em 1975, os esforço da NORML, com o respaldo da Playboy,
tiveram um triste êxito ao lograr abolir a criminalidade legal da maconha
nos estados de Oregon e Alaska. A revista Playboy há publicado anedotas
fictícias agasalhando muitíssimo aos que usavam drogas, há imprimido quadros
sinópticos sobre o uso das drogas e há servido de plataforma para numerosos
porta-vozes a favor das drogas, incluindo a Timothy Leary e a estrela
americana de futebol Don Rogers --que logo morreu de uma overdose (13).

Segundo fontes do Congresso dos Estados Unidos, as drogas ilícitas


constituem um negocio de $70 bilhões ao ano. Na atualidade temos 20 milhões
de pessoas que fumam maconha com freqüência, 7 milhões que usam cocaína com
freqüência e meio milhão de viciados à heroína (14).

Nossa sociedade está realmente se afogando num dilúvio de drogas e


nenhuma criança está plenamente protegida das drogas e da pedofilia
(incluindo a sua!). O último que necessitamos é que venha um grupo de
libertinos ricos a instigar aos que promovem o uso de drogas com seus
ilógicos argumentos publicados em custosas revistas a cores.

Brian Clowes, Ph.D. é o Diretor do Instituto de Capacitação Pró vida de


Human Life International e autor da monumental obra em inglés Pro-Life
Activist's Encyclopedia (Stafford, Virginia: American Life League, Inc.,
1993).
Este artigo é a tradução do capítulo 133 desta enciclopédia. A
enciclopédia é distribuída pela American Life League, Inc., P.O. Box 1350,
Stafford, VA 22555, USA, tel.: (540) 659-4171, página de internet:
www.all.org e por Human Life International, 4 Family Life Lane, Front Royal,
VA 22630-6453, USA. Tel. (540) 635-7884. Fax: (540) 636-7363. Email:
hli@hli.org. Página de internet http://www.hli.org. Human Life International
(HLI) é a organização católica mais grande do mundo dedicada à defesa da
vida humana e a família, com mais de 80 escritórios em 5 continentes.

Notas:
1. Christopher Dawson, durante as Conferencias Gifford de 1947, em
Edinburgh, Escócia. Citado na National Federation for Decency Journal
(novembro-dezembro, 1987).
2. Madonna, Sex (1992). Citado em Suzan Bibisi, Los Angeles Daily News,
"Madonna: Sex Has Some Raunchy Text, Artistic Photography." The Vancouver
[Washington] Columbian, 22 de outubro de 1992, B2.
3. David A. Scott, Pornography: Its Effects on the Family, Community and
Culture. Publicado por Child and Family Protection Institute e por Contact
America. Peça seu exemplar (em inglês) à Family Policy Insights, 721 Second
Street NE, Washington, DC 20002.
4. The Hill-Link Minority Report of the Presidential Commission on Obscenity
and Pornography. Este informe se pode pedir à Morality In Media, 475
Riverside Drive, New York, New York 10115.
5. R. Hazelwood, P. Dietz, e A. Burgess. "The investigation of Autoerotic
Fatalities." Journal of Police Science and Administration. September 1981,
404-411. Veja também o Post-Dispatch de St. Louis, 25 de agosto de 1990.
6. P. Zimbardo. "Sexual Murderers." Psychology Today, novembro de 1977, 69-
76 e 148.
7. "Porn Traffickers Share Guilt in Sexual Murders." The Wanderer, 9 de
março de 1989, 2.
8. Frank Morris. "Pornography and the Degradation of Society." The Wanderer,
9 de fevereiro de 1989, 4.
9. Michael C. Buelow. "Police Believe Suspect Killed 17." The Oregonian, 26
de julho, 1991, A1 e A24. Também: "Relative in Dahmer Case Sues." USA Today,
6 de agosto de 1991, 3A. Veja também a Carta, publicada (em inglês)
mensalmente por Focus on the Family, de outubro de 1991.
10. "Woman Kills Porn Addict Husband." National Federation for Decency
Journal, maio-junho, 1986, 7.
11. Dixie L. Gallery, mãe da vítima. "Co-ed Picked at Random is Kidnapped,
Raped, Murdered By Pornographers." National Federation for Decency Journal,
abril, 1987, 5.
12. Final Report of the Attorney General's Commission on Pornography.
Rutledge Hill Press, 513 Third Avenue South, Nashville, Tennessee 37210,
USA, 1986.
13. "American Drug Culture Has Roots in Playboy." National Federation for
Decency Journal, novembro-dezembro de 1986, 4.
14. News of Interest. "Drug Use Continues to Grow." National Federation for
Decency Journal, agosto, 1987, 15.