Вы находитесь на странице: 1из 7

APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

QUESTÃO ATUAL DA LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO

Acordo Ortográfico1: visa unificar a escrita do português os países que o


adotam como língua oficial. Ele foi firmado em 1990, pela CPLP - Comunidade
dos Países de Língua Portuguesa. A mudança, que consiste basicamente na
alteração das regras de acentuação, trema e hífem, deveria entrar em vigor em
2008, mas a ratificação foi novamente adiada. Um dos países mais reticentes é
justamente a matriz da língua: Portugal. Embora muito criticado por alguns
educadores e jornalistas, o acordo tem a intenção de incrementar o “Valor de
Mercado” da Língua Portuguesa. Um dos requisitos que afere a importância
econômica de um idioma é o número total de falantes no mundo dos negócios.

Falantes:
• 250 milhões de pessoas falam o português
• 450 milhões falam espanhol
• 1 bilhão de pessoas estuda o idioma inglês no mundo

O idioma oficial da Globalização é o inglês, mas o português é a língua que


mais cresce na internet. Nos últimos 7 anos cresceu mais de 500%, mas isso
ainda representa apenas 4% dos usuários da rede.

Países que compõem a CPLP:

1- Portugal
2- Brasil
3- Angola
4- Moçambique
5- Cabo Verde
6- Guiné-Bissau
7- São Tomé e Príncipe
8- Timor Leste

CONCEITOS – PRIMEIRA PARTE2

Linguagem: é a propriedade que temos de nos comunicar, exteriorizando o


nosso pensamento. A linguagem indica o pensamento. Há 3 tipos:

• Linguagem falada, glótica: é aquela realizada com sons orais.


Curiosidade: Fala é o resultado das vibrações das cordas vocais.
Glote é o nome dado à abertura entre as cordas vocais, na parte
superior da laringe.

• Linguagem mímica: é aquela feita por gestos.


1
Revista Veja. Edição 2025, de 12 de setembro.
2
Fonte dos conceitos: sintetizadas do Curso de Português Dr. Napoleão Mendes de Almeida, autor do
Dicionário de Questões Vernáculas.

PROFESSORA DEISE MARQUES


APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

• Linguagem escrita ou gráfica: é a linguagem feita por sinais,


marcas, gravações etc.

Palavra: é a parte de que se compõe a linguagem, e pode ser constituída por


um simples som ou pela combinação de sons, ou, ainda, pela representação
desses mesmos sons. As palavras indicam as partes do pensamento, ou seja,
as idéias.

• Vocábulo: é a palavra como representação material (som ou


grafia). Ex.: “Pronunciar bem um vocábulo (ou palavra)”. Aspecto
externo: número de sílabas, acentuação, forma gráfica, etc.

• Termo: é a palavra como índice de idéia. Ex.: “Falar em bom


termo”. Aspecto interno da palavra: o seu conteúdo, o sentido.

Vocabulário: é a reunião de vocábulos.

Frase: é a reunião de termos. A FRASE CONSTITUI O ELEMENTO


FUNDAMENTAL DA LINGUAGEM. A frase não afirma nem nega nada. Ex.: O
livro de Pedro.

Oração: é quando a frase encerra uma declaração, isto é, afirma ou nega


alguma coisa. Ex.: O livro de Pedro é grande.

Período3: contém um pensamento completo que, se relacionando com os


anteriores ou se ampliando com as posteriores, forma um sentido completo.
Pode ser simples ou composto:

• Simples – uma oração


• Composto – várias orações, porém interligadas (coordenação e
subordinação)

Parágrafo4: são várias idéias reunidas que se relacionam entre si, com
unidade e coerência. Podem-se ter várias idéias dentro do parágrafo, desde
que elas, reunidas, formem uma idéia ainda maior.

Léxico ou dicionário: é a reunião de vocábulos em ordem alfabética,


acompanhados de suas significações.

Língua ou Idioma: É a linguagem própria de um povo, de um país.

• Língua Viva: é a língua atualmente falada por seu povo.

3
Fonte: Novo Manual de Português, de Celso Pedro Luft.
4
Fonte: Novo Manual de Português, de Celso Pedro Luft.

PROFESSORA DEISE MARQUES


APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

• Língua Morta: é a língua que não é usada por nenhum povo,


mas sobrevive em documentos. Ex. : Latim (Lácio, Roma) e
Sânscrito (índia).

• Língua Extinta: é a língua que não é falada e nem deixou provas


de sua existência. Ex.: a língua dos Etruscos, Celtas, dos povos
primitivos, afinal, alguma língua eles falavam, embora não
saibamos.

Vernáculo: como substantivo quer dizer: “idioma próprio de um povo”; já como


adjetivo quer dizer: “o que se relaciona com esse idioma”.

Dialeto5: é uma variação regional da língua, com diferentes pronúncias,


vocabulário ou significados para dificultar sua compreensão. Muitos dialetos
podem se transformar em línguas. Curiosidade: o português, o francês, o
espanhol e o italiano já foram dialetos do latim usados pelo império romano.

Gramática: é a reunião metódica dos fatos de uma língua. Ou seja, é o


conjunto de regras, normas, princípios e ensinamentos de um idioma, para o
seu perfeito uso. Ela pode ser geral ou particular. Ex. de gramática geral:
Gramática das línguas Romanas. Ex. de particular: Gramática da Língua
Portuguesa, francesa, inglesa etc.

• Linguagem gramatical histórica: ocupa-se exclusivamente da


origem de uma língua e dos processos de sua formação.

• Linguagem gramatical expositiva: visa os fatos atuais de uma


língua, mostrando e ensinando as regras vigentes para o seu
perfeito manuseio, sem cogitar da sua formação.

• Linguagem popular6: é a linguagem do povo expressa nos meios


de comunicação de massa como jornal, rádio, televisão e em
grupos nos quais a sociedade se divide.

• Três são as grandes partes da gramática:

1- Fonética: é a parte que estuda os vários sons ou fonemas


lingüísticos. (A análise fonética estuda a palavra quanto ao som).
2- Morfologia: é a parte que estuda a palavra em si, quer na forma,
quer no conteúdo, idéia. (A análise morfológica estuda a palavra
quanto a grafia, classe, flexão etc).
3- Sintaxe: é a parte que estuda a palavra em relação às outras que
com ela se unem para exprimir o pensamento. (A análise sintática
estuda a frase com relação às outras da mesma oração. A sintaxe da
frase estuda a concordância e a regência verbal e nominal).
5
Fonte: guia dos curiosos – Língua Portuguesa, de Marcelo Duarte.
6
No dicionário do professor Napoleão não consta “Linguagem Popular’’, mas ele sintetiza o que pensa
sobre isso em “Linguagem do jovens”.

PROFESSORA DEISE MARQUES


APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

Ortografia: é a parte da gramática que ensina a escrever corretamente.


(pontuação, acentuação, maiúscula, minúscula, siglas, abreviaturas, etc).

Prosódia7: é a parte da gramática que se preocupa com a pronúncia correta


das palavras, de acordo com a acentuação.

Homófonas: são as palavras que têm o mesmo som, a mesma pronúncia, mas
a grafia e o sentido muito diferentes. Ex. Concerto (acordo, ajuste, harmonia) e
conserto (consertar, reparar) / Buxo (um tipo de arbusto) por bucho (estômago
de mamífero). / Xá: Soberano, na língua persa; Título do antigo soberano do
Irã. / Chá: plantas que preparamos em infusão, entre outras formas, para
beber.

Etimologia: é o estudo da origem e formação das palavras de determinada


língua. Origem de uma palavra ou vocábulo, étimo.

Retórica: é o conjunto de regras relativas à eloqüência. Curiosidade:


Aristóteles definiu o estudo da retórica como ‘processo da persuasão’.

Eloqüência: é a faculdade de falar ou escrever de modo persuasivo e


comovente.

Semântica: cuida do estudo das transformações de sentido das palavras e da


evolução do significado das palavras no tempo e no espaço. É neste estudo
que encontramos as figuras de pensamento que dá extensão de sentido às
palavras. Ao contrário da ênfase, que restringe os sentidos.

• As figuras de pensamento também são chamadas de figuras de


retórica. As principais são as seguintes: sinédoque, metonímia,
metáfora, eufemismo, hipérbole, prosopopéia, perífrase.
• Sinédoque e Metonímia: a definição é bem parecida: consiste
no emprego de uma palavra no lugar de outra, na qual está
compreendida. Ex.1: Pão, por alimento. / Uma cidade pode
denominar os produtos industrializados. Ex. 2: um vestido feito em
Damasco, pode receber o mesmo nome.
• Metáfora: consiste no emprego de uma palavra no lugar de outra,
por semelhança real ou imaginária. A palavra é modificada por
comparação, mas a palavra nova mantém relação com a sua
origem etimológica. Ex. Pé de mesa.
• Eufemismo: é a adocicação dos termos. Em vez do termo
próprio, que podia repugnar por qualquer razão, emprega-se outro
mais brando. Ex. : dizer “passamento, em vez de morte”. (Muito
utilizado atualmente como politicamente correto e para mascarar
pudores).

7
Deste item até Lingüística, a fonte é a seguinte: Dicionário Michaelis

PROFESSORA DEISE MARQUES


APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

• Hipérbole: consiste no emprego de palavra ou frase com sentido


exagerado, para dar maior força, maior impressão, para mais ou
para menos. Ex. : Ele se lançou com a velocidade de uma flexa.
• Prosopopéia: é a figura que dá vida, ação, movimento e voz a
coisas inanimadas ou a pessoas mortas ou ausentes. Ex.:
Fábulas
• Perífrase: consiste no uso excessivo de palavras, também
chamado de circunlóquio. É o rodeio de palavras, é o emprego de
locuções em vez de formas simples correspondentes. Ex.: Se lá
no assento etéreo onde subistes (no céu).

Lingüística: é o estudo das línguas nas suas mútuas relações e nos seus
princípios, leis fonéticas e semânticas, morfologia e sintaxe.

Língua portuguesa: o português é uma língua latina, de origem românica,


desenvolvida a partir do século III a.C. na província da Lusitânia, que hoje
corresponde a uma parte dos atuais territórios de Portugal e Espanha.

• Curiosidade8: No Brasil existem cerca de 192 línguas vivas.


Destas, 42 estão praticamente extintas e 91 têm alto risco de
extinção.

Redação: redigir, escrever: é uma técnica que implica no domínio das


capacidades lingüísticas.

Competência lingüística: Dominar a forma culta do idioma, e saber comunicar


e expressar o seu conhecimento, traz muitos benefícios:
Pessoais:
• Aumenta o vocabulário e as habilidades de comunicação
• Ensina a dizer o que precisa de forma lógica e racional
• Desenvolve aptidão para trabalhar em grupo
• Permite alcançar e manter o sucesso profissional
• Permite a ascensão salarial
Sociais:
• Fortalece a identidade do país
• Evidencia as ferramentas da cultura do seu povo
• Protege das ‘armadilhas’ utilizadas na política
• Evidencia a ideologia da sociedade (meios de comunicação de
massa)
• Amplia a participação do país nos intercâmbios econômicos
mundiais

8
Fonte: guia dos curiosos – Língua Portuguesa, de Marcelo Duarte.

PROFESSORA DEISE MARQUES


APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

CONCEITOS – SEGUNDA PARTE

(Conjugação Verbal9)

Verbo: trata-se da palavra que exprime o que se passa, ou seja, um processo


representado no tempo. Ex. : Ele fechou aporta. / Anoitece. O verbo pode ser
flexionado para indicar:

• Número (singular/ plural)


• Pessoa (1ª, 2ª e 3ª – eu, tu, eles)

Modos verbais:

• Indicativo. O fato é certo: Eu viajo


• Subjuntivo. O fato é duvidoso: Duvido que ele viaje
• Imperativo: Expressa ordem: saia daqui!

Formas nominais:

• Gerúndio. Ação em curso


• Particípio. Ação terminada
• Infinitivo. Sem situar a ação no tempo

Tempos verbais:

• Simples. Tem uma forma verbal: ex.: canto


• Composto, Formado pelo verbo ter e haver, mais o verbo principal no
particípio

Elementos da forma verbal:

• Radical. Significado básico do verbo, que não muda.


• Desinência. Designa número (sing. ou plural) e pessoa (1ª, 2ª e 3ª)
• Tema. É o radical seguido da vogal temática, a qual indica a conjugação.
São 3 as conjugações:
1º) vogal temática a: falar, cantar
2º) vogal temática e: vender, comer
3º) vogal temática i: partir, sentir

Classificação dos verbos:

• Regulares: não têm alteração no radical. Ex.: Falar, vender e sentir

9
Fonte: Tira-dúvidas, de Douglas Tufano. Ed. Moderna.

PROFESSORA DEISE MARQUES


APOSTILA

PORTUGUÊS ESSENCIAL - LÍNGUA E LINGUAGEM

• Irregulares: apresentam alterações no radical ou na desinência.Ex.


querer, dizer, fazer
• Defectivos: não têm conjugação completa. Ex.: falir, reaver, abolir
• Unipessoais:
- verbos que exprimem fenômenos da natureza (ventar, nevar, trovejar
etc)
- verbos que exprimem ações próprias a determinados animais
(relinchar, rosnar, latir, miar)
- verbos que indicam acontecimentos ou necessidades. Ex. : ocorrer,
suceder etc. / Ex. Amanheci resfriado
• Abundantes: representam mais de uma forma com o mesmo valor. Ex.:
construir. / ao lado do particípio é que ocorrem formas equivalentes,
como ex.: prender-prendido (part. regular)- preso (part. irregular).
• Auxiliares: Ter, haver, ser e estar

Vozes do verbo:

• Ativa – o sujeito é o agente, pratica a ação expressa pelo verbo.


• Reflexiva – o sujeito é agente e paciente. Neste caso o verbo é
acompanhado de um pronome pessoal oblíquo átono.
• Passiva – o sujeito é paciente, recebe a ação. A voz passiva pode ser
formada por 2 processos:
1- passiva analítica: verbo ser + particípio. Ex.: O trabalho foi feito por
mim.
2- passiva sintética: forma-se com verbo na 3ª pessoa acompanhado do
pronome. Ex.: vendem-se casas.

PROFESSORA DEISE MARQUES