Вы находитесь на странице: 1из 8
Cartilha de Educação Financeira

Cartilha de Educação Financeira

O que é planejamento financeiro pessoal?

3

A influência do meio em que vivemos…………………………………………

3

Armadilhas do Crédito Fácil……………………………………………………

3

Cuidado com as Compras a Prazo……………………………………………

4

Cartão de Crédito …………………………………………………………………

5

Dicas da Serasa para Defender seu Crédito Pessoal ………………………

5

Renegociação de dívida………………………………………………………….

6

Dicas para quem perdeu o controle …………………………………………….

6

O

Que é a Serasa…………………………………………………………………

7

Dez Passos para não cair na armadilha da inadimplência …………………

7

Durante muitos anos os brasileiros enfrentaram tempestades econômicas, época em que o desafio era comprar mais rápido do que o aumento dos preços e se defender do próximo plano econômico.

Hoje, no entanto, vivemos numa nova era de estabilidade e de mudança nos hábitos de consumo. Mas a maioria dos consumidores ainda precisa de uma educação financeira que os ajude a crescer neste momento.

A finalidade dessa cartilha é fornecer orientações sobre uma melhor administração

do seu salário e de como multiplicar com segurança as sobras orçamentárias, sem preocupações com dívidas e sim com sua vida pessoal e com o seu trabalho.

A educação financeira não é uma maneira de ganhar dinheiro e sim de aprender a

administrar o dinheiro que você possui.

O que é Planejamento Financeiro Pessoal?

Significa ordenar a nossa vida financeira de tal maneira que possamos sempre ter reservas para os imprevistos da vida e sistematicamente, vagarosamente, construir um patrimônio (financeiro e imobiliário), que garanta na aposentadoria fontes de renda suficientes para termos uma vida tranqüila e confortável.

A influência do meio em que vivemos

Segundo os consultores financeiros, o meio em que vivemos exerce uma enorme influência sobre a forma como lidamos com o dinheiro. Se nossos amigos e colegas de trabalho são consumidores ingênuos, há uma forte tendência em seguirmos o padrão. Na família, conceitos sobre poupança e investimento passam de pai para filho. No Brasil ainda há poucos textos sobre finanças pessoais e a maior parte da cultura financeira de uma família ainda é adquirida de uma maneira informal.

Os consultores ressaltam que as pressões da sociedade e pessoas que nos cercam são determinantes. Nos tornamos consumistas, desejando muitas vezes adotar estilos de vida que não são os nossos, apenas para nos igualarmos a pessoas que admiramos. Os consultores alertam que devemos conhecer perfeitamente nossas limitações e viver de acordo com nossas receitas, o que geralmente não acontece.

Armadilhas do Crédito Fácil

Você já reparou no número de anúncios publicitários, na televisão, em jornais, no rádio, ou mesmo na internet que oferecem “dinheiro fácil”?

São tantas as vantagens oferecidas, como crédito por telefone, dinheiro em domicílio, liberação de crédito em até cinco minutos ou sem garantias que você pode se deixar levar por impulso.

Analise se as vantagens oferecidas atendem às suas reais necessidades. Informe-se previamente se as taxas de juros cobradas não irão elevar demais o valor total do empréstimo.

Certifique-se de que as parcelas não irão comprometer o seu orçamento, dificultando o pagamento de outras despesas.

Cuidado com as Compras a Prazo

Estudos nacionais da Serasa revelam que quanto maior o número de parcelas oferecido ao consumidor maior é o risco de inadimplência.

De acordo com os estudos, houve um alongamento nos prazos de recebimento de

cheques pré-datados nos últimos anos.

O aumento da inadimplência com o passar do tempo pode ser atribuído, de um

lado, a uma parte dos lojistas, que, ao esticar os prazos, não usa metodologias adequadas de análise de crédito, e, de outro, ao consumidor, que não planeja o seu orçamento.

Quanto ao consumidor, o que se observa é que, aparentemente, a maioria não faz planejamento a longo prazo. Quando compra os presentes, no Dia das Crianças, em outubro, em seis parcelas, ele não costuma parar para pensar que, em dezembro, haverá mais despesas com o Natal e, em janeiro e fevereiro, terá gastos extras, como IPVA, uniforme e material escolar. Além disso, não trabalha com a possibilidade de um imprevisto, como doença ou desemprego.

O

Código de Defesa do Consumidor determina que o cliente deve receber todas

as

informações tais como: o preço à vista, a entrada, o número e a periodicidade

das parcelas, o total a prazo, e as taxas de juros, o IOF (imposto sobre Operações

Financeiras), a TAC (Taxa de Abertura de Crédito) e os acréscimos legalmente previstos decorrentes da falta de pagamento.

Compare tanto o preço à vista quanto a taxa de juros cobrada em cada estabelecimento. Nem sempre a menor taxa de juros implica numa mercadoria mais barata, pois se o preço à vista for mais alto, o total financiado será mais elevado.

A legislação também prevê que o consumidor possa liquidar sua dívida

antecipadamente mediante a redução proporcional dos juros e dos demais acréscimos. Isso significa que se houver dinheiro para quitar o empréstimo, a financeira deve dar um desconto no valor total que falta pagar.

Cartão de Crédito

Quem usa o parcelamento no cartão de crédito deve ter cuidado dobrado, já que os juros são mais elevados. Além de só comprar neste parcelamento quando as empresas não adicionarem juros às mensalidades, é preciso pagar a fatura integral no vencimento, já que as administradoras também cobraram taxas elevadas que chegam a 10% ao mês para quem entra no chamado rotativo.

Dicas da Serasa para Defender seu Crédito Pessoal

1. Cheque é uma ordem de pagamento à vista. Ao emiti-lo, lembre-se de que ele poderá ser descontado imediatamente.

2. Não circule com talões de cheques, ande apenas com a quantidade de folhas que pretende utilizar no dia. Faça o mesmo com os cartões de crédito, leve apenas o que vai utilizar.

3. Ao sustar o cheque, você não estará livre da obrigação de pagamento, nem de ser protestado pelo fornecedor de produtos e serviços, exceto nos casos de perda, furto ou roubo, e mediante a apresentação de boletim de ocorrência.

4. Cheque pré-datado é uma forma de se obter crédito com o compromisso de que nos dias combinados o valor anotado poderá ser sacado pelo credor. Lembre-se de controlar esses cheques em seu orçamento, anotando os valores e respectivas datas.

5. Em caso de roubo ou extravio de cheques, comunique imediatamente a sua agência bancária e faça um boletim de ocorrência. Você também poderá prevenir-se contra fraudes, ligando, de qualquer lugar do País, para o plantão Serasa, telefone 11 33 Serasa. A Serasa manterá um cadastro provisório que ficará disponível para empresas usuárias. Lembre-se que esse Serviço Gratuito de Proteção ao Cidadão é provisório, protegendo o cidadão contra o uso indevido dos cheques. Portanto, assim que o seu Banco abrir, dirija-se à sua Agência para sustar oficialmente os cheques.

6. Assuma compromissos financeiros, considerando o seu orçamento doméstico, com a certeza de poder honrá-los.

7. Não empreste seu nome para terceiros. Evite assumir compromisso cujo pagamento futuro será responsabilidade de outros.

8. Caso tenha alguma dificuldade para honrar o compromisso no vencimento, negocie com o seu credor outra forma de pagamento para a dívida vencida.

9. Conheça os prazos de atrasos em pagamentos utilizados pelos credores (Financeiras, Administradoras de Cartão de Crédito e outros) para cadastrar as pendências financeiras nos bancos de dados de proteção ao crédito.

10. Mantenha seu endereço de correspondência sempre atualizado nas Instituições ou empresas com as quais mantém relacionamento de crédito.

11. Não forneça dados pessoais por telefone.

12. Quando fizer compras com cartão de crédito, acompanhe a operação do pagamento não perdendo o cartão de vista.

13. Se o boleto de compra com cartão de crédito apresentar carbono, inutilize-o após a assinatura.

14. Se fizer compras pela Internet, procure saber se o site é confiável e faz uso de algum sistema de segurança para fazer a transação sem risco.

15. O cartão de crédito é pessoal. Nunca o empreste a terceiros.

Renegociação de dívida

Quem está com as prestações em atraso e não consegue resolver o problema, nem com o corte de despesas, pode tentar renegociar sua dívida com a financeira na qual pegou o crédito. A renegociação é apontada por especialistas da área financeira como uma tendência de mercado.

Muitas instituições fazem campanhas de renegociação com os clientes inadimplentes, inclusive oferecendo descontos. Para as financeiras é interessante renegociar por duas razões: tentar diminuir o prejuízo, que já é um fato, e permitir que essa mesma pessoa, ao regularizar sua situação no mercado, possa voltar a comprar a prazo.

Os consultores orientam o consumidor a sempre analisar a conveniência da proposta e verificar se não está trocando seis por meia dúzia. O idela é procurar especialistas ou o Procon para conferir a renegociação.

Dicas para quem perdeu o controle

Se desfaça de um bem, o carro, por exemplo, para eliminar uma dívida.

Pratique a avareza. Neste caso não é pecado.

Corte a TV a cabo e o celular, prefira um pré-pago.

Passe um ano sem comprar roupas novas.

Volte a freqüentar o sapateiro da esquina, tire do baú os modelitos que aposentou

na última estação.

Passe longe dos shopping centers.

Renegocie dívidas, quando nem o corte de despesas não-essenciais resolver o problema. Cuidado para não cair num golpe e não trocar uma dívida por outra.

Saia do cheque especial e busque um empréstimo pessoal, mas antes confirme se

os juros e as condições são favoráveis. A mesma dica é dada para quem está com

dívida no cartão de crédito. Ou procure um empréstimo familiar.

Adquira o hábito de comprar à vista e adie a compra enquanto não tiver o dinheiro todo.

O Que é a Serasa

A Serasa é uma empresa privada que possui um dos maiores Bancos de Dados

do mundo e dedica sua atividade à prestação de serviços de interesse geral. A

instituição é reconhecida pelo Código de Defesa do Consumidor como uma entidade de caráter público (Lei 8.078/90, artigo 43, parágrafo 4º).

Em seus computadores são armazenados dados cadastrais de empresas e cidadãos, bem como apontamentos que indicam dívidas vencidas e não pagas, além de registros de protestos de títulos, ações judiciais, cheques sem fundos e outros registros provenientes de fontes públicas e oficiais. Os dados de dívidas vencidas são enviados sob convênio com credores/fornecedores, indicando os dados do devedor.

As informações da Serasa são fornecidas aos bancos, às lojas do comércio, às pequenas, médias e grandes empresas, com o objetivo de dar apoio às decisões

de crédito e, assim, tornar os negócios mais baratos, rápidos e seguros.

Dez Passos para não cair na armadilha da inadimplência

O primeiro passo é se conscientizar que o dinheiro não é elástico, por isso é

importante saber o que é imprescindível e guardar uma parte. Nós somos os responsáveis pelo nosso futuro.

O segundo é reunir a família. Faça um levantamento de todos os gastos, inclusive

com o cafezinho. O casal deve sempre decidir em conjunto onde cortar gastos,

quanto guardar e onde pôr o dinheiro.

O terceiro é traçar objetivos: metas de curto, médio e longo prazos.

O

quarto é Utilizar racionalmente o telefone celular.

O

quinto é Pesquisar preços antes de comprar qualquer produto. Não ter vergonha

de

sair da loja e comprar no vizinho que é mais barato.

O

sexto é Ficar atento aos preços das tarifas públicas, como água e luz, que têm

sofrido reajustes elevados.

O sétimo é não avançar no limite do cheque especial – já que as taxas de juros

são elevadas. É bom não esquecer que esse limite não é um salário a mais.

O oitavo é ter atenção com Cheque pré-datado: ao utilizá-lo, faça constar do

pedido ou da nota fiscal os números dos cheques pré-datados e as datas previstas

para os descontos. - Os valores deverão fazer parte do orçamento do consumidor.

O

nono é não parcelar as compras no cartão de crédito, para não arcar com juros

de

cerca de 8% e 9% ao mês, respectivamente, ou taxas de 152% a 181% ao ano.

O

décimo é controlar o Cartão de crédito: o controle das despesas realizadas com

cartão exige cuidados. O consumidor deve verificar a conveniência de ter mais de um cartão (alguns consultores são contra ter mais de um), não se esquecendo de incluir, nas despesas, as anuidades. Convém o pagamento integral da fatura. Os juros cobrados no parcelamento são elevados.