Вы находитесь на странице: 1из 3

história da Ética

Conceitos sobre comportamento e moral mudaram


ao longo dos séculos
Antonio Carlos Olivieri*
Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

»Religião, moral e razão


»Do século 19 às questões contemporâneas

Todo mundo quer ser feliz. Isso é ponto


pacífico. No entanto, o que é a felicidade? A
resposta a essa questão é certamente matéria
de muita discussão e controvérsia. Para uns a
felicidade está na buscar do prazer. Para
outros, o prazer tem como conseqüência a
instabilidade, a dor e o sofrimento. Por isso, o
ideal seria não dar asas às paixões e controlá-
las.

Também há quem pense que a perfeita


felicidade só se encontra numa vida futura,
que deve existir após deixarmos este "vale de
lágrimas". Para outros, ainda, não é a
Platão (à esquerda) e seu felicidade que conta, o que importa é agir
discípulo Aristóteles conforme o dever, ainda que isso exija muito
desgosto.

Essas questões - que qualquer pessoa sempre acaba se colocando


algumas vezes, de um modo ou de outro - também têm sido preocupação
de muitos filósofos, através dos tempos. Ao tratarmos dos valores, vimos
que geralmente nos referimos às regras de conduta aceitas por um grupo
ou uma pessoa, quando falamos em moral.

O bem e o mal
Ora, ao se comportar moralmente, uma das preocupações do homem é
saber distinguir o bem do mal, já que agir moralmente é atuar de acordo
com o bem. Portanto, ao perguntar como deve agir em determinada
situação, o indivíduo ou sujeito moral não está somente se colocando uma
dúvida prática, mas também se aproximando de outras questões de
caráter teórico e abstrato, tais como:

em que consiste o bem?


qual é o fundamento da ação moral?
qual é a natureza do dever?

A colocação dessas questões é o ponto de partida da ética, entendida


como a teoria que realiza uma reflexão crítica sobre a experiência moral,
com a finalidade de discutir as noções e princípios que fundamentam a
conduta moral.

Antigüidade grega
A reflexão ética do mundo ocidental se iniciou na Grécia antiga, no século
5 a.C., quando as interpretações mitológicas do mundo e da realidade
foram sendo desacreditadas e substituídas por teorias que privilegiavam
as explicações naturais.

Sábios e retóricos gregos do século 5 a.C, que vendiam seus


ensinamentos filosóficos, atuando como professores, os sofistas rejeitaram
o fundamento religioso da moral, considerando que os princípios morais
são resultado das convenções sociais. Nessa mesma época, o famoso
filósofo Sócrates se contrapôs à posição dos sofistas, buscando os
fundamentos da moral não nas convenções, mas na própria natureza
humana.

As idéias do filósofo grego Sócrates (470-399 a.C) nos chegaram através


dos textos de um de seus discípulos, o filósofo Platão (427-347 a.C), que,
no diálogo chamado "Eutífron", mostra Sócrates questionando as ações do
homem ímpio ou santo, em sua conformidade com a ordem constituída,
para então perguntar em que consiste a impiedade e a santidade em si,
independentemente dos casos concretos.

Para o filósofo que os sucedeu, Aristóteles (384-322 a.C), todas as


atividades humanas aspiram a algum bem, dentre os quais o maior é a
felicidade. Segundo esse filósofo, entretanto, a felicidade não consiste em
prazeres ou riquezas. Aristóteles considerava que o pensar é aquilo que
mais caracteriza o homem, concluindo daí que a felicidade consiste numa
atividade da alma que esteja de acordo com a razão.

A filosofia do prazer
Já os adeptos do hedonismo (do grego "hedoné" = "prazer"), acreditavam
que o bem se encontra no prazer. No entanto, convém esclarecer que o
principal representante do hedonismo grego, no século 3 a.C., o filósofo
Epicuro, considerava que os prazeres do corpo são causa de ansiedade e
sofrimento. Segundo ele, para a alma permanecer imperturbável, é preciso
desprezar os prazeres materiais privilegiando-se os prazeres espirituais.

Genericamente, pode-se dizer que a nossa civilização contemporânea é


hedonista, pois identifica a felicidade com o prazer, obtido principalmente
pela aquisição de bens de consumo: ter uma bela casa, carro, boas
roupas, boa comida, múltiplas experiências sexuais sem compromisso, etc.
E, também, na dificuldade de suportar qualquer desconforto: doenças,
problemas nos relacionamentos pessoais, o fato de a morte ser inevitável,
etc.

Estoicismo
Na mesma época dos hedonistas, Zenão de Cício fundava o pensamento
estóico, desprezando os prazeres em geral, por considerar que deles
decorrem muitos males. Segundo ele, deve-se buscar eliminar as paixões,
que só produzem sofrimento. O homem sábio vive de acordo com a
natureza e a razão. Desse modo, deve aceitar com resignação a
adversidade e o sofrimento. "Suporta e abstém-te", era a sua máxima.

O estoicismo foi uma corrente filosófica que vigorou por cinco séculos,
encontrando seu apogeu na Roma imperial. Seu conteúdo seduzia tanto
escravos, como Epitecto (50-127 d.C), quanto imperadores, como Marco
Aurélio (121-180 d.C). Um de seus maiores expoentes foi Sêneca, que,
entre outras coisas, foi o tutor do imperador Nero. O objetivo de sua moral
é chegar à ataraxia, a ausência total de perturbação do espírito.
O ideal estóico originou a noção de ascese que consiste no
aperfeiçoamento da vida espiritual por meio de práticas de mortificação do
corpo, como jejum, abstinência e flagelação. O ideal ascético foi muito bem
aceito pelo cristianismo medieval, que via no sofrimento uma forma de
aproximação com Cristo.

* Antonio Carlos Olivieri é escritor, jornalista e diretor da Página 3


Pedagogia & Comunicação.