Вы находитесь на странице: 1из 1

little

portugal

Paulo Anunciação EM LONDRES

twitter @PMNSAnunciacao

38 Opinião

EM LONDRES twitter @PMNSAnunciacao 38 Opinião A SUPERLIGA QUE NINGUÉM VÊ >> Com várias

A SUPERLIGA QUE NINGUÉM VÊ

>> Com várias corridas canceladas em 2011, a Superleague Formula enfrenta cada vez mais contrariedades. FC Porto e Sporting tiveram uma participação efémera entre 2008 e 2010.

Q uem entrar no sítio ofi- cial da Superleague Formula na Internet en- contra este anúncio no topo da página, em

grandes parangonas: “Racing like you’ve never seen” [Corridas como nunca viu]. Este slogan não podia ser mais apropriado: na época de 2011, os adeptos desta modalidade auto- móvel tiverampouquíssimas oportu- nidades para ver estas corridas. O ca- lendário inicial incluía oito provas a disputar entre Junho e Dezembro em

Somos em primei- ro lugar um clube de futebol. A Superleague não nos interessa para nada. Além disso é uma prova onde não teríamos qual- quer controlo sobre os carros

Henrivan derAat, director do Ajax
Henrivan
derAat,
director
do Ajax

quatro continentes. Mas depois das corridas de Assen (Holanda, em Ju- nho) e Zolder (Bélgica, em Julho) não se realizou qualquer outra. A Super- league Formula de 2011 entrou em hibernação, com vários cancelamen- tos e múltiplas alterações do calendá- rio. No dia 13, o director da prova, Ro- bin Webb, anunciou que as três corri- das previstas para Pequim (29/30 de Outubro), Xangai (5/6 de Novembro) e Coreia do Sul (12/13 de Novembro)

tinham sido canceladas por “falta de acordo com as autoridades locais”. Na prática, o campeonato de 2011 che- gava, desta forma, ao fim. Nas últimas semanas, a organização cancelara igualmente as duas corridas marca- das para a América do Sul e a grande final que deveria ter lugar em Dezem- bro, na Nova Zelândia. Motivo: falta de patrocínios. Concebida originaria- mente como uma competição de car- ros associados a clubes de futebol – “uma prova que combina a paixão do futebol com a emoção do automobi- lismo” –, a Superleague Formula so-

freudesdeoiníciocomaausênciados

maiores nomes do futebol europeu. “Não estamos interessados em inte- grar qualquer prova de automobilis-

mo. Nós somos em primeiro lugar um clube de futebol. Além disso, a Super- league é uma prova onde não tería- mos qualquer controlo sobre a quali- dade e a gestão dos carros”, explicou

o director comercial do Ajax, Henri

van der Aat. O FC Porto participou nas três primeiras edições (2008, 2009 e 2010) e o Sporting em 2009 e 2010.

O campeonato de 2011 arrancou

sem portugueses e com apenas seis clubes sobreviventes (Anderlecht, Atlético de Madrid, Bordéus, Gala- tasaray, PSV e Sparta) a que se jun- taram equipas nacionais represen- tativas de países como o Brasil, a Rússia ou o Japão. “Já temos planos muito avançados e em breve anun- ciaremos mais detalhes sobre a edi- ção muito melhorada da Superlea- gue Formula de 2012”, garante Webb, sempre optimista.

PORTUGUESES > Sporting e FC Porto abandonaram, sobrando seis clubes de segunda linha e três
PORTUGUESES > Sporting e
FC Porto abandonaram,
sobrando seis clubes de
segunda linha e três selecções

Concebida originariamente como uma provaque combina a paixão do futebol com a emoção do automobilismo, aSuperleague sofreudesde o início com a ausência dos maiores nomes do futebol europeu

início com a ausência dos maiores nomes do futebol europeu M€ 2,7 Preço de venda da
M€ 2,7
M€ 2,7

Preço de venda da moradia de Sven-Goran Eriksson em Figueira do Guincho, perto da Malveira da Serra, nos arredores de Lisboa. O sueco continua sem sorte no mercado português.A“VivendaJoli”estáàvenda

desde2009masnãoencontracomprador.

Na segunda-feira, o treinador sueco foi despedidopelafamíliaRaksriaksorn, proprietária do Leicester City, da divisão secundáriainglesa. Erikssondurouapenas 13 meses no cargo e deixa a equipa na segunda metade da tabela, com 20 pontos perdidos em 13 jornadas. Numa coluna publicada no “The Independent” da semana passada,otreinadordescreveuPortugal como “a terra mais preciosa do mundo, comclima,comidaeculturaúnicos”.Agora Erikssonterámaistempoparadesfrutar.

 

5ª COLUNA

COLUNA

Joel Neto neto.joel@gmail.com

Tenham juízo

 

a

OOOOestádioestádioestádioestádiomai’mai’mai’mai’lindolindolindolindo

 

Comovido com os festejos do oi- tavo aniversário do Estádio do

 

SL Benfica, Rui Costa não conte- ve a hipérbole: “É difícil encon- trar um estádio com esta bele- za.” Bom, é difícilporque vivemos em tempo de crise e as passa- gens aéreas estão caras. De res- to, é só apanhar o avião – e eis todo um mundo de maravilhas da arquitectura com que o Ben- fica, como o FC Porto ou o Spor- ting, só podem sonhar. Já nem falo dos estádios de outras mo- dalidades, como o japonês Yoyo-

gi

National Gymnasium, o Cen-

tro Nacional Aquático de Pe-

 

quim, o Qi Zhong Stadium, de Xangai, ou o Yas Marina Circuit, no Abu Dhabi. Mesmo no fute- bol,oOlympiastadion(Munique),

o

Oita Stadium (Oita), o Allianz

Arena (Munique), o batidíssimo Emirates Stadium (Londres), o velhinho Canada Olympic Sta- dium (Montreal) ou o novo Nou Mestalla (Valência) – todos eles são francamente mais bonitos, tão funcionais e em alguns casos até maiores do que a Luz. E não é por Rui Costa ter tido agora a oportunidade de uma interven- ção institucional, dando a cara

 

por uma certa ideia de unidade, que vão deixar de ser.

“Você

me mata”

a

MauMauMauMaugostogostogostogostoinfantilinfantilinfantilinfantil

 

Fui ouvir “Ai Se Eu Te Pego”, a regravação de Michel Teló que

 

pôs Cristiano Ronaldo (e antes dele Neymar) a dançar, e gelei. Não é a banalidade melódica ou

o

absoluto esquematismo da le-

tra ou sequer a pobreza da co- reografia lúdico-sensual: é isso

 

tudo ao mesmo tempo. Numa palavra: música pimba e da pior (afinal foram cinco palavras).

Depois, porém, lembrei-me do cabelo loiro de Hulk, das roupas “gangsta rappa” com que Djaló voltou de Nice e mesmo do par- que automóvel que rodeia qual- quer campo de treinos durante

a

semana – e tranquilizei-me.

São apenas miúdos a brincar, os futebolistas de hoje em dia. Se calhar, sempre foram. E, prova-

 

velmente, ainda bem.

Perguntinha

a

MaisMaisMaisMais umumumumescândaloescândaloescândaloescândalo

 

O

que verdadeiramente se pas-

sa com Jorge Costa?