You are on page 1of 4

CURSO DE MONITOR NIVEL 1

AULA 6

Acoplador Ótico

Após a partida e oscilação, a tendência de toda fonte chaveada é


subir cada vez mais. Então para evitar isso usamos os circuitos
reguladores. Existem fontes que trabalham com ou sem
acoplador ótico. As que utilizam acoplador ótico são mais
eficientes na regulagem pois trabalham com referência do
secundário da fonte. As que não utilizam acoplador ótico são
menos eficientes pois retiram a referência do próprio primário.

Vamos estudar aqui uma fonte chaveada que utiliza acoplador


ótico na regulagem:
CURSO DE MONITOR NIVEL 1

Quando o transistor chaveador que está ligado no pino 11 do


primário do chopper recebe uma pequena tensão em sua base,
começa a circular uma corrente entre os pinos 9 e 11 do chopper,
com isso aparece uma corrente também no enrolamento dos 14 e
16 do primário. Se inicia então a oscilação da fonte e aparecem
tensões no secundário do chopper. Só que estas tensões tendem a
subir cada vez mais. Para corrigir isso é retirada uma amostra da
tensão que sai do diodo que está ligado no pino 2 do secundário
do chopper. Quando esta tensão subir subirá também a tensão no
terminal B do integrado IC1. Este integrado parace muito com
um zener no esquema elétrico com a diferença de que possui 3
terminais. Quando a tensão no terminal B deste integrado
aumentar, ele vai conduzir mais fazendo aumentar a corrente no
diodo interno do acoplador ótico. Com isso o transistor interno
do acoplador ótico também conduz mais, polarizando mais o
transistor PNP que está ligado na base do transistor chaveador,
levando assim a base do chaveador mais à massa e diminuido a
fonte.
Então resumindo; sempre que a fonte subir, o acoplador ótico vai
levar a base do transistor chaveador à massa.

Este tipo de circuito não estraga muito fácil quando trabalhando


em condições normais porém costuma estragar com raio. As
vezes acontece de um raio não danificar nada no circuito
primário, e sim estragar apenas o IC1, que fica isolado no
secundário. Com o IC1 em curto o diodo interno do
acoplador ótico conduz no máximo e faz a fonte parar. Um
técnico pode perder muitas horas procurando o defeito no
primário da fonte quando na verdade o defeito está no
secundário. Também é comum o acoplador ótico entrar em curto
(transistor interno) e com isso ocorrer o mesmo defeito.

IMPORTANTE: NUNCA LIGUE O MONITOR SEM O ACOPLADOR


ÓTICO OU COM UM DE SEUS TERMINAIS FORA DA PLACA.
ISSO PODE CAUSAR SÉRIOS DANOS AO APARELHO. MAIS A
FRENTE NESTE CURSO IREMOS INDICAR CUIDADOS ESPECIAIS
PARA SE FAZER ISSO.
CURSO DE MONITOR NIVEL 1

Ao invés do circuito integrado IC1, muitos aparelhos utilizam


transistores no secundário da fonte para pegar a referência. O
princípio é o mesmo. Na figura acima uma fonte do secundário
está ligada ao zener. Quando a fonte aumenta polariza mais a ba-
se do transistor Q1 e com isso o mesmo conduz mais entre
coletor e emissor, com isso aumenta a corrente no diodo interno
do acoplador ótico.

Este transistor também costuma entrar em curto coletor-emissor,


principalmente com raios, o que faz a fonte parar. Porém se o
transistor entrar em curto base-emissor, a fonte vai subir muito e
se não houver proteção no horizontal poderá haver sérios danos.

Questionário

1- O que acontece com as fontes do secundário se o monitor for


ligado sem o acoplador ótico ?

2- O que acontece com as fontes se o IC1 entrar em curto,


levando o pino 2 do ótico a massa ?

3- Porque as fontes reguladas com acoplador ótico são mais


eficientes que que não usam ?
CURSO DE MONITOR NIVEL 1

4- O que acontece se for aplicado um jumper entre os pinos 3 e 4


do ótico ?

5- O que acontece se for aplicado um jumper entre os pinos 1 e 2


do ótico ?