Вы находитесь на странице: 1из 299

Paulo Cesar

Fernandes
MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Canções

Da

Música

Popular

Brasileira

Página 2 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

CANÇÕES...........................................................................................................................................................2

DA........................................................................................................................................................................2

MÚSICA..............................................................................................................................................................2

POPULAR...........................................................................................................................................................2

BRASILEIRA.....................................................................................................................................................2
CHICO BUARQUE DA HOLLANDA ..........................................................................................................................9
A Rita..........................................................................................................................................................9
Morena dos olhos d'água............................................................................................................................9
JOAO GILBERTO.................................................................................................................................................11
Aos Pés Da Cruz.......................................................................................................................................11
O Barquinho..............................................................................................................................................11
O Pato.......................................................................................................................................................12
CARTOLA.....................................................................................................................................................13
???????? Ensaboa Mulata ???????......................................................................................................13
Tive Sim.....................................................................................................................................................13
ARY BARROSO...................................................................................................................................................14
É Luxo Só..................................................................................................................................................14
ANTONIO CARLOS JOBIM.....................................................................................................................................15
Inútil paisagem.........................................................................................................................................15
CARLOS LYRA...................................................................................................................................................15
Lobo Bobo.................................................................................................................................................15
NOEL ROSA.................................................................................................................................................16
CANÇÃO PRA INGLÊS VER...................................................................................................................16
COM QUE ROUPA?.................................................................................................................................17
CONVERSA DE BOTEQUIM...................................................................................................................18
FEITIÇO DA VILA...................................................................................................................................18
FEITIO DE ORAÇÃO...............................................................................................................................19
FITA AMARELA........................................................................................................................................19
O ORVALHO VEM CAINDO...................................................................................................................20
PALPITE INFELIZ....................................................................................................................................20
ÚLTIMO DESEJO....................................................................................................................................21
PIERRÔ APAIXONADO...........................................................................................................................21
X DO PROBLEMA...................................................................................................................................22
Palpite Infeliz............................................................................................................................................22
GILBERTO GIL...................................................................................................................................................23
A bruxa de mentira...................................................................................................................................23
A ciência em si..........................................................................................................................................23
A coisa mais linda que existe....................................................................................................................24
A Gaivota..................................................................................................................................................25
A linha e o linho........................................................................................................................................25
A luta contra a lata ou A falência do café................................................................................................26
A mão da limpeza......................................................................................................................................27
A novidade................................................................................................................................................28
A paz.........................................................................................................................................................28
A raça humana..........................................................................................................................................29

Página 3 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A rua.........................................................................................................................................................30
A última valsa...........................................................................................................................................31
Abra o olho...............................................................................................................................................31
Afoxé é......................................................................................................................................................32
Água benta................................................................................................................................................34
Água de Meninos......................................................................................................................................36
Alapalá - The myth of Shango..................................................................................................................37
Amarra o teu arado a uma estrela............................................................................................................38
Andar com fé.............................................................................................................................................39
Aquele abraço...........................................................................................................................................41
Aqui & agora............................................................................................................................................42
As coisas...................................................................................................................................................43
As pegadas do amor..................................................................................................................................44
Átimo de pó...............................................................................................................................................45
Axé Babá...................................................................................................................................................46
Babá Alapalá............................................................................................................................................47
Babylon.....................................................................................................................................................48
Back in Bahia............................................................................................................................................49
Baião atemporal.......................................................................................................................................50
Balafon......................................................................................................................................................51
Banda Um.................................................................................................................................................52
Barca grande............................................................................................................................................53
Batmakumba.............................................................................................................................................55
Baticum.....................................................................................................................................................55
Beira mar..................................................................................................................................................58
Bom dia.....................................................................................................................................................59
Brand New Dream....................................................................................................................................60
Buda Nagô................................................................................................................................................61
Cada tempo em seu lugar.........................................................................................................................63
Casinha feliz.............................................................................................................................................65
Cérebro eletrônico....................................................................................................................................66
Chiquinho Azevedo...................................................................................................................................67
Chororô.....................................................................................................................................................68
Chuck Berry fields forever........................................................................................................................70
Cibernética...............................................................................................................................................71
Cidade do Salvador..................................................................................................................................72
Cinema novo.............................................................................................................................................74
Ciranda.....................................................................................................................................................76
Clichê do clichê........................................................................................................................................77
Com medo, com Pedro..............................................................................................................................78
Copo vazio................................................................................................................................................79
Coragem pra suportar..............................................................................................................................80
Cores Vivas...............................................................................................................................................80
Crazy pop rock..........................................................................................................................................82
Cultura e civilização.................................................................................................................................83
Dada.........................................................................................................................................................84
Dança de Shiva.........................................................................................................................................84
De Bob Dylan a Bob Marley um samba provocação...............................................................................86
De leve (Get back)....................................................................................................................................87
De onde vem o baião................................................................................................................................88
De ouro e marfim......................................................................................................................................88
Deixar você...............................................................................................................................................89
Dinamarca................................................................................................................................................90
Doce de carnaval (Candy All)..................................................................................................................91
Doente Morena.........................................................................................................................................92
Do Japão...................................................................................................................................................93

Página 4 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Domingo no parque..................................................................................................................................94
Domingou.................................................................................................................................................95
Dono do pedaço........................................................................................................................................96
Dos pés à cabeça......................................................................................................................................97
Drão..........................................................................................................................................................98
Duas sanfonas...........................................................................................................................................99
Duplo sentido..........................................................................................................................................100
É..............................................................................................................................................................101
Ê povo, ê.................................................................................................................................................102
Edyth Cooper..........................................................................................................................................103
Ela...........................................................................................................................................................104
Elá, poeira..............................................................................................................................................105
Ele e eu...................................................................................................................................................106
Ele falava nisso todo dia.........................................................................................................................106
Ensaio geral............................................................................................................................................107
Era nova..................................................................................................................................................108
Esotérico.................................................................................................................................................109
Essa é pra tocar no rádio........................................................................................................................110
Está na cara, está na cura.......................................................................................................................111
Estrela.....................................................................................................................................................112
Eu e ela estávamos ali encostados na parede.........................................................................................113
Eu te dei meu ané....................................................................................................................................114
Eu vim da Bahia......................................................................................................................................115
Expresso 2222.........................................................................................................................................116
Extra........................................................................................................................................................117
Extra II (O rock do segurança )..............................................................................................................119
Febril......................................................................................................................................................120
Feliz por um triz......................................................................................................................................121
Filhos de Gandhi....................................................................................................................................122
Flora.......................................................................................................................................................123
Fogo líquido............................................................................................................................................125
Frevo rasgado.........................................................................................................................................126
Funk-se quem puder...............................................................................................................................127
Futurível.................................................................................................................................................128
Ganga Zumba (O poder da buginganga)...............................................................................................129
Geléia geral............................................................................................................................................131
Goodbye my girl.....................................................................................................................................132
Graça divina...........................................................................................................................................133
Guerra santa...........................................................................................................................................134
Haiti........................................................................................................................................................135
Here and now..........................................................................................................................................138
I just called to say I love You Stevie Wonder (Vrs. Só chamei porque te amo - Gilberto Gil)................139
Iansã.......................................................................................................................................................141
Indigo Blue..............................................................................................................................................141
Jeca total.................................................................................................................................................143
João Sabino............................................................................................................................................144
Jubiabá...................................................................................................................................................146
Jurubeba.................................................................................................................................................148
Kaô..........................................................................................................................................................148
La lune de Gorée....................................................................................................................................149
Ladeira da Preguiça...............................................................................................................................150
Lady Neyde.............................................................................................................................................151
Lamento de carnaval..............................................................................................................................151
Lamento sertanejo..................................................................................................................................153
Lar hospitalar.........................................................................................................................................154
Lente do amor.........................................................................................................................................154

Página 5 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Lindonéia................................................................................................................................................156
Logos versus logo...................................................................................................................................157
Logunedé.................................................................................................................................................159
Louvação.................................................................................................................................................160
Luar (A gente precisa ver o luar)...........................................................................................................161
Lugar comum..........................................................................................................................................162
Lunik 9....................................................................................................................................................163
Luzia Luluza............................................................................................................................................164
Mamma...................................................................................................................................................165
Mancada.................................................................................................................................................166
Mar de Copacabana...............................................................................................................................167
Mardi x Mars..........................................................................................................................................168
Marginália II...........................................................................................................................................169
Maria......................................................................................................................................................170
Meditação...............................................................................................................................................171
Meio de campo........................................................................................................................................171
Menina do sonho.....................................................................................................................................172
Menina goiaba........................................................................................................................................172
Metáfora.................................................................................................................................................173
Minha ideologia, minha religião............................................................................................................174
Minha Senhora........................................................................................................................................174
Miserere nobis........................................................................................................................................175
Mon tiers monde.....................................................................................................................................176
Morena....................................................................................................................................................177
Move along with me................................................................................................................................178
Mulher de coronel...................................................................................................................................179
Músico simples........................................................................................................................................180
Não chore mais (No woman, no cry)......................................................................................................181
Nega (Photograph blues)........................................................................................................................182
Neve na Bahia.........................................................................................................................................184
Nightingale.............................................................................................................................................185
Ninguém segura este país.......................................................................................................................186
No norte da saudade...............................................................................................................................187
Nos barracos da cidade (Barracos).......................................................................................................188
Nós, por exemplo....................................................................................................................................189
Nossa.......................................................................................................................................................191
Nova........................................................................................................................................................191
O amor daqui de casa.............................................................................................................................192
O bom jogador........................................................................................................................................193
O eterno deus Mu dança.........................................................................................................................193
O fim da história.....................................................................................................................................195
O lugar do nosso amor...........................................................................................................................197
O mar e o lago........................................................................................................................................198
Ó, Maria.................................................................................................................................................199
O compositor me disse............................................................................................................................200
O rouxinol...............................................................................................................................................200
O seu amor..............................................................................................................................................201
O sonho acabou......................................................................................................................................202
O veado...................................................................................................................................................203
Objeto semi-identificado.........................................................................................................................205
Objeto sim, objeto não............................................................................................................................206
Omã Iaô..................................................................................................................................................208
Onde o xaxado tá....................................................................................................................................208
One o'clock last morning, 20th April 1970.............................................................................................209
Opachorô................................................................................................................................................209
Oração pela libertação da África do Sul................................................................................................211

Página 6 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Oriente....................................................................................................................................................212
Oslodum..................................................................................................................................................213
Pai e mãe................................................................................................................................................214
Palco.......................................................................................................................................................215
Panis et circensis....................................................................................................................................217
Parabolicamará......................................................................................................................................217
Pé da roseira...........................................................................................................................................219
Pé quente, cabeça fria............................................................................................................................220
Pega a voga, cabeludo............................................................................................................................221
Pela Internet...........................................................................................................................................221
Pessoa nefasta........................................................................................................................................223
Pílula de alho..........................................................................................................................................225
Pop wu wei..............................................................................................................................................226
Preciso aprender a só ser.......................................................................................................................227
Preciso de você.......................................................................................................................................228
Pretinha..................................................................................................................................................229
Procissão................................................................................................................................................230
Punk da periferia....................................................................................................................................231
Quando...................................................................................................................................................232
Quanta....................................................................................................................................................233
Queremos guerra....................................................................................................................................234
Queremos saber......................................................................................................................................234
Quero ser teu funk...................................................................................................................................235
Questão de ordem...................................................................................................................................238
Rancho da rosa encarnada.....................................................................................................................239
Realce.....................................................................................................................................................240
Rebento...................................................................................................................................................241
Refavela..................................................................................................................................................242
Refazenda................................................................................................................................................245
Refestança...............................................................................................................................................246
Rep..........................................................................................................................................................247
Réquiem pra mãe menininha do Gantois................................................................................................248
Retiros espirituais...................................................................................................................................250
Roda........................................................................................................................................................252
Roque Santeiro, O Rock..........................................................................................................................254
Sala do som.............................................................................................................................................255
Samba de Los Angeles............................................................................................................................256
Sandra.....................................................................................................................................................257
São João, Xangô menino........................................................................................................................258
Sarará Miolo...........................................................................................................................................260
Satisfação................................................................................................................................................261
Sebastian.................................................................................................................................................261
Se eu quiser falar com Deus...................................................................................................................262
Serafim....................................................................................................................................................263
Seu olhar.................................................................................................................................................264
Sítio do pica-pau amarelo.......................................................................................................................266
Sociedade Afluente..................................................................................................................................266
Sonho molhado.......................................................................................................................................267
Soy loco por ti América..........................................................................................................................268
Superhomem - a canção..........................................................................................................................271
Tempo rei................................................................................................................................................271
The three mushrooms..............................................................................................................................273
Toda menina baiana................................................................................................................................274
Toda saudade..........................................................................................................................................275
Touche pas à mon pote............................................................................................................................276
Tradição..................................................................................................................................................278

Página 7 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Trovoada.................................................................................................................................................280
Um sonho................................................................................................................................................280
Umeboshi................................................................................................................................................283
Vamos fugir.............................................................................................................................................285
Vamos passaer no astral.........................................................................................................................286
Viramundo...............................................................................................................................................287
Vitrines....................................................................................................................................................287
Volkswagen blues....................................................................................................................................289
Xote.........................................................................................................................................................291
Zumbi (A felicidade guerreira)...............................................................................................................292
TOQUINHO - VINÍCIUS DE MORAES.....................................................................................................................294
São Demais os Perigos Desta Vida........................................................................................................294
LUIZ HENRIQUE MEJIA GODOY..........................................................................................................................295
Para recordar.........................................................................................................................................295
ZUMBI (A FELICIDADE GUERREIRA)...............................................................................................297
PAULINHO DA VIOLA........................................................................................................................................298
Dança da Solidão...................................................................................................................................298
Coisas do Mundo, Minha Nega..............................................................................................................299

Página 8 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Chico Buarque da Hollanda


A Rita
A Rita levou meu sorriso
No sorriso dela meu assunto
Levou junto com ela
E o que me é de direito
Arrancou-me do peito
E tem mais
Levou seu retrato, seu trapo, seu prato
Que papel!
Uma imagem de Sao Francisco
E um bom disco de Noel
A Rita matou nosso amor
De vingança
Nem herança deixou
Nao levou um tostao
Porque nao tinha não
Mas causou perdas e danos
Levou os meus planos
Meus pobres enganos
Os meus vinte anos
O meu coraçao
E além de tudo
Me deixou mudo
Um violao

Morena dos olhos d'água


Morena dos olhos d'água
Tira os seus olhos do mar
Vem ver que a vida ainda vale
O sorriso que eu tenho
Pra lhe dar

Descansa um meu pobre peito


Que jamais enfrenta o mar
Mas que tem abraço estreito, morena
Com jeito de te agradar
Vem ouvir lindas histórias
Que por seu amor sonhei
Vem saber quantas vitórias, morena
Por mares que só eu sei

Morena dos olhos d'água


Tira os seus olhos do mar
Vem ver que a vida ainda vale
O sorriso que eu tenho
Pra lhe dar

O seu homem foi-se embora


Prometendo voltar já

Página 9 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Mas as ondas nao tem hora, morena


De partir ou de voltar
Passa a vela e vai-se embora
Passa o tempo e vai também
Mas meu canto ainda te implora, morena
Agora, morena, vem

Morena dos olhos d'água


Tira os seus olhos do mar
Vem ver que a vida ainda vale
O sorriso que eu tenho
Pra lhe dar

Página 10 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Joao Gilberto
Aos Pés Da Cruz
Autores : Marino Pinto - Zé da Zilda

Aos pés da Santa Cruz,


voce se ajoelhou
Em nome de Jesus,
um grande amor voce jorou
Jurou, mas nao cumpriu,
fingiu e me enganou
Pra mim voce mentiu,
pra Deus voce pecou

O coraçao tem razoes,


que a própria razao desconhece
Faz promessas e juras depois esquece
Seguindo este princípio,
voce também prometeu
Chegou até a jurar um grande amor,
mas depois esqueceu

O Barquinho
Autores : Roberto Menescal - Ronaldo Boscoli
Arranjo : João Gilberto

Dia de luz, festa de sol,


e um barquinho a deslizar,
no macio azul do mar

Tudo é verão e o amor se faz,


num barquinho pelo mar,
que desliza sem parar . . .

Sem intenção, nossa canção,


vai saindo desse mar e o sol
Beija o barco e luz, dias tão azuis!

Volta do mar desmaia o sol,


e o barquinho a deslizar, e a vontade de cantar!
Céu tão azul ilhas do sul,
e o barquinho, coração, deslizando na canção

Tudo isso é paz, tudo isso traz,


uma calma de verão e então
O barquinho vai, a tardinha cai . . .
O barquinho vai! . . .

Página 11 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O Pato
Autores : Jayme Silva - Neuza Teixera
Arranjo : Joao Gilberto

O pato,
vinha cantando alegremente,
quem, quem,

Quando o marreco sorridente pediu


para entrar também no samba, no samba, no samba,

O ganso gostou da dupla e fez também quem, quem


Olhou pro cisne e disse assim vem, vem,
Que um quarteto ficará bem,muito bom, muito bem

Na beira da lagôa foram ensaiar para começar, o tico-tico no fubá


a voz do pato era mesmo um desacato
jogo de cena com o ganso era mato
mas eu gostei do final quando caíram n'água
ensaiando o vocal
quem, quem, quem, quem
quem, quem, quem, quem
quem, quem, quem, quem

Página 12 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

CARTOLA
???????? Ensaboa Mulata ???????
Bate outra vez
Com esperanças, o meu coração
Pois já vai terminando o verão, enfim
Volta ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar para mim
Queixo- me às rosas, mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente, as rosas exalam o perfume que roubam de ti
Ai,
Devias vir para ver os meus olhos tristonhos
E que sabe, sonhavas o meu sonho,
Por fim...

Tive Sim
Tive, sim
Outro grande amor
Antes do teu
Tive, sim
O que ela sonhava
Eram os meus sonhos
E assim
Fomos vivendo em paz
Nosso lar...
Em nosso lar
Sempre houve alegria
Eu vivia tão contente
Como contente ao teu lado estou
Tive, sim
Mas comparar com teu amor
Seria o fim
Eu vou calar
Pois não pretendo, amor, te magoar

Página 13 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ary Barroso

É Luxo Só
Autores : Ary Barroso - Luiz Peixoto

Olha,
esta mulata quando dança é luxo só
Quando todo o seu corpo se embalança,
é luxo só

Tem um “nao sei qué”


que faz a confusao
o que ela nao tem,
meu Deus é compaixao
eta mulata bamba

Olha esta mulata quando dança


é luxo só
Quando todo o seu corpo se embalança,
é luxo só
Porém seu coraçao quando palpita
e se agita mais ligeiro
nunca vi compasso táo Brasileiro

Éta samba cai pra lá, cai pra cá, cai pra lá, cai pra cá
Mexe com as cadeiras mulata
que o requebrado me maltrata Ai!

Página 14 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Antonio Carlos Jobim


Inútil paisagem
Autores : Antonio Carlos Jobim - Louis Oliveira
English version by Ray Gilbert

Mas pra que,


pra que tanto céu, pra que tanto mar, pra que
De que serve esta onda que quebra e o vento da tarde
De que serve a tarde, inútil paisagem

Pode ser, que nao venhas mais,


que nao venhas nunca mais
De que servem as flôres que nascem
pelos caminhos
Se o meu caminho
sózinho é nada, e nada, e nada

Carlos Lyra
Lobo Bobo
Autores : Carlos Lyra - Ronaldo Bôscoli

Era uma vez um lobo mau,


que resolveu jantar alguém
estava sem vintém mas arriscou
e logo se estrepou
Um Chapéuzinho de maiô,
ouviu buzina e não parou,
mas lobo mau insiste,
e faz cara de triste
mas Chapéuzinho ouviu,
os conselhos da vovó,
dizer que não prá lobo
que com lobo não sai só

Lobo canta, pede, promete tudo até amor


e diz que fraco de lobo,
é ver um Chapéuzinho de maiô
Mas Chapéuzinho percebeu,
que lobo mau se derreteu,
prá ver vocês que lobo
também faz papel de bobo
Só posso lhe dizer,
Chapéuzinho agora traz
um lobo na coleira que não janta nunca mais

Página 15 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

NOEL ROSA
CANÇÃO PRA INGLÊS VER
I love you
Forget sclaine
Maine Hapiru
Morguet Five Underwood
I shell
No bonde Silva Manuel
Manuel...
Manuel...
I love you
To have steven via-Catumbi
Independence lá do Paraguai
Studebaker...Jaceguai!
Yes, my glass
Salada de alface
Fly tox my till
Standard oil...
Forget not me
Oi!..
I love you
Abacaxi, Uísque of chuchu
Malacacheta, Independence Day
No street-Flash me estrepei
Elixir de inhame
Reclame de andaime
Mon Paris je t´aime
Sorvete de creme
My girl, goodnight
Oi!...
Double fight
Isto parece uma canção do Oeste
Coisas horríveis lá do Far West
Do Thomas Meiga
Com manteiga!
My sanduíche
Eu nunca fui Paulo Escriche
Meu nome é Lasky and Claud
- John Philip Carnaud Light and Power
Companhia Limitada...
I! You!
The boy scotch avec
Boi Zebu
Lawrence Tibbet com feijão tutu
Trem de cozinha
Não é trem azul!

Página 16 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

COM QUE ROUPA?


Agora vou mudar minha conduta
eu vou pra luta
pois eu quero me aprumar
Vou tratar você com força bruta
pra poder me reabilitar
pois esta vida não está sopa
e eu pergunto: com que roupa
Com que roupa, eu vou
ao samba que você me convidou

Seu português agora deu o fora


Já foi-se embora
e levou seu capital
Esqueceu quem tanto amou outrora
foi no Adamastor pra Portugal
pra se casar com a cachopa

Eu hoje estou pulando como um sapo


pra ver se escapo
dessa praga de urubu
Já estou coberto de farrapo
eu vou acabar ficando nu
Meu paletó virou estopa
eu nem sei mais com que roupa
Com que roupa, eu vou
ao samba que você me convidou

Agora já não ando mais fagueiro


pois o dinheiro
não é fácil de ganhar
Mesmo sendo um cara trapaceiro
não consigo ter nem pra gastar
Eu já corri de vento em popa
mas agora com que roupa
Com que roupa, eu vou
ao samba que você me convidou?

Página 17 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

CONVERSA DE BOTEQUIM
Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa
Uma boa média que não seja requentada
Um pão bem quente com manteiga à beça
Um guardanapo - e um copo d´água bem gelado
Feche a porta da direita com muito cuidado
Que eu não estou disposto a ficar exposto ao sol
Vá perguntar ao seu freguês do lado
Qual foi o resultado do futebol
Se você vai ficar limpando a mesa
Não me levanto nem pago a despesa
Vá pedir ao seu patrão
Uma caneta, um tinteiro, um envelope e um cartão
Não se esqueça de me dar palito e um cigarro pra espantar mosquito
Vá dizer ao charuteiro
Que me empreste uma revista, um cigarro e um isqueiro
Telefone ao menos uma vez
Para 34-4333
E ordene seu Osório
Que me mande um guarda-chuva aqui pro nosso escritório
Seu garçom, me empreste algum dinheiro
Que eu deixei o meu com o bicheiro
Vá dizer ao seu gerente
Que pendure esta despesa
No cabide ali em frente

FEITIÇO DA VILA
Quem nasce lá na Vila, nem sequer vacila
Ao abraçar o samba
Que faz dançar os galhos do arvoredo
E faz a lua nascer mais cedo
O sol da Vila é triste
Samba não assiste
Porque a gente implora
Sol, pelo amor de Deus não vem agora
Que as morenas vão logo embora
A Vila tem um feitiço sem farofa
Sem vela e sem vintém
Que nos faz bem
Tendo um nome de princesa
Transformou o samba num feitiço decente
Que prende a gente
Lá em Vila Isabel quem é bacharel
Não tem medo de bamba
São Paulo dá café, Minas dá leite
E a Vila Isabel dá samba
Eu sei tudo o que faço
Sei por onde passo
Paixão não me aniquila
Mas tenho que dizer
Modéstia a parte, meus senhores,

Página 18 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu sou da Vila...

FEITIO DE ORAÇÃO
Quem acha, vive se perdendo
Por isso, agora eu vou me defendendo
Da dor tão cruel de uma saudade
Que por infelicidade, meu pobre peito invade
Batuque é um privilégio
Ninguém aprende samba no colégio
Sambar é chorar de alegria
É sorrir de nostalgia dentro da melodia
Por isso agora lá na Penha eu vou mandar
Minha morena pra sambar com satisfação
E harmonia, esta triste melodia
Que é o meu samba em feitio de oração
O samba na realidade não vem do morro
Nem lá da cidade
E quem suportar uma paixão
Sentirá que o samba então
Nasce do coração

FITA AMARELA
Quando eu morrer
Não quero choro nem vela
Quero uma fita amarela
Gravada com o nome dela
Se existe alma
Se há outra encarnação
Eu queria que a mulata
Sapateasse no meu caixão
Não quero flores
Nem coroa com espinho
Só quero choro de flautas
Violão e cavaquinho
Estou contente
Consolado por saber
Que morenas tão formosas
A terra um dia vai comer
Não tenho herdeiros
Não possuo um só vintém
Eu vivi devendo a todos
Mas não paguei a ninguém
Meus inimigos
Que hoje falam mal de mim
Vão dizer que nunca viram
Uma pessoa tão boa assim

Página 19 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O ORVALHO VEM CAINDO


O Orvalho vem caindo
Vai molhar o meu chapéu
E também vão sumindo
As estrelas lá no céu
Tenho passado tão mal
A minha cama é uma folha de jornal
Meu cortinado é um vasto céu de anil
E o meu despertador é o guarda-civil
( Que o salário ainda não viu...)
A minha terra dá banana e aipim
Meu trabalho é achar quem descasque por mim
( Vivo triste mesmo assim...)
Na minha sopa não tem osso nem tem sal
Se um dia passo bem
Dois ou três passo mal
( Isto é muito natural...)
O meu chapéu vai de mal a pior
E o meu terno pertenceu a um defunto maior
( Dez tostões no belchior...)

PALPITE INFELIZ
Quem é você que não sabe o que diz
Meu Deus do céu, que palpite infeliz
Salve Estácio, Salgueiro, Mangueira,
Oswaldo Cruz e Matriz
que sempre souberam muito bem
que a Vila não quer abafar ninguém
Só quer mostrar que faz samba também

Fazer poema lá na Vila é um brinquedo


ao som do samba dança até o arvoredo
Eu já chamei você pra ver
você não viu porque não quis
Quem é você que não sabe o que diz?
A Vila é uma cidade independente
Que tira samba mas não quer tirar patente
Pra que ligar a quem não sabe
aonde tem o seu nariz?
Quem é você que não sabe o que diz?

Página 20 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

ÚLTIMO DESEJO
Nosso amor que eu não esqueço
E que teve o seu começo
Numa festa de São João
Morre hoje sem foguete
Sem retrato e sem bilhete
Sem luar, sem violão
Perto de você me calo
Tudo penso e nada falo
Tenho medo de chorar
Nunca mais quero o seu beijo
Pois meu último desejo
Você não pode negar

Se alguma pessoa amiga


Pedir que você lhe diga
Se você me quer ou não
Diga que você me adora
Que você lamenta e chora
A nossa separação
Às pessoas que eu detesto
Diga sempre que eu não presto
Que meu lar é um botequim
Que eu arruinei sua vida
Que eu não mereço a comida
Que você pagou pra mim

PIERRÔ APAIXONADO
Um Pierrô apaixonado
Que vivia só cantando
Por causa de uma Colombina
Acabou chorando!
Acabou chorando !

A Colombina entrou no botequim


Bebeu...bebeu...saiu assim...assim...
Dizendo: " Pierrô cacete!
Vai tomar sorvete
Com o Arlequim" !

Um grande amor tem sempre um triste fim


Com o Pierrô aconteceu assim
Levando este grande chute
Foi tomar vermute
Com amendoim.

Página 21 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

X DO PROBLEMA
Nasci no Estácio
Fui educado na roda de bumba
Sou diplomado na escola de samba
Independente conforme se vê
Nasci no Estácio
o samba é a corda e eu sou a caçamba
Não acredito que haja muamba
Que possa fazer eu gostar de você

Eu sou diretora da escola Estácio de Sá


Felicidade maior, nesse mundo não há
Já fui convidada para ser estrela do nosso cinema
Ser estrela é bem fácil
Sair do Estácio é que é o X do problema

Você tem vontade


que eu abandone o Largo do Estácio
Para ser a rainha de um grande palácio
Dar um banquete uma vez por semana
Nasci no Estácio
Não posso mudar minha massa de sangue
Você pode crer
Palmeira do mangue
Não vive na areia de Copacabana

Palpite Infeliz
Quem é vocé que não sabe o que diz?
Meu Deus do ceu! Que palpite infeliz!
Salve Estácio Salgueiro e Mangueira,
Oswaldo Cruz e Matriz
Que sempre souberam muito bem,
que a vila não quer abafar ninguém
Só quer mostrar que faz samba também

Fazer poemas lá na vila é um brinquedo,


Ao som do samba dança até o arvoredo
Eu já chamei vocé pra ver,
Vocé não viu porque não quis
Quem é você que não sabe o que diz
A vila é uma cidade independente,
que tira samba mas não quer tirar patente
Quem é você quem não sabe, aonde tem o seu nariz?
Quem é você que não sabe o que diz?

Página 22 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil
A bruxa de mentira

música de João Donato


letra de Gilberto Gil
1975
A bruxa de mentira
Bombom de rapadura
Saborosa figura
A bruxa de mentira
Não vejo a hora de ir
Na barraquinha comprar
Rapadoçura bombom
Bruxinha gostosura
A bruxa de mentira
Bombom de rapadura
Saborosa figura
A bruxa de mentira
Bombom de rapadura
Exdrúxula figura
Bruxinha gostosa
Neném rapadoçura
© Gege Produções

A ciência em si

Gilberto Gil & Arnaldo Antunes


1995
Se toda coincidência
Tende a que se entenda
E toda lenda
Quer chegar aqui
A ciência não se aprende
A ciência apreende
A ciência em si
Se toda estrela cadente
Cai pra fazer sentido

Página 23 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E todo mito
Quer ter carne aqui
A ciência não se ensina
A ciência insemina
A ciência em si
Se o que se pode ver, ouvir, pegar, medir, pesar
Do avião a jato ao jaboti
Desperta o que ainda não, não se pôde pensar
Do sono eterno ao eterno devir
Como a órbita da terra abraça o vácuo devagar
Para alcançar o que já estava aqui
Se a crença quer se materializar
Tanto quanto a experiência quer se abstrair
A ciência não avança
A ciência alcança
A ciência em si

A coisa mais linda que existe

letra de Torquato Neto


música de Gilberto Gil
1968
Coisa mais linda nesse mundo
É sair por um segundo
E te encontrar por aí
E ficar sem compromisso
Pra fazer festa ou comício
Com você perto de mim
Na cidade em que me perco
Na praça em que me resolvo
Na noite da noite escura
É lindo ter junto ao corpo
Ternura de um corpo manso
Na noite da noite escura
A coisa mais linda que existe
É ter você perto de mim
O apartamento, o jornal
O pensamento, a navalha
A sorte que o vento espalha
Essa alegria, o perigo
Eu quero tudo contigo
Com você perto de mim

Página 24 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A Gaivota

Gilberto Gil
1976
Gaivota menina
De asas paradas
Voando no sonho
Díaguas da lagoa
Gaivota querida
Voa numa boa
Que o vento segura
Voa numa boa
Gaivota na ilha
Sem noção da milha
Ficou longe a terra
Gaivota menina
Gaivota querida
Voa numa boa
Que o alento segura
Voa numa boa
Gaivota, te amo e gaivotaria sempre em ti
Gaivotar seria poder te eleger para mim
Eu te quero, e se fosse o caso, quereria mais ainda
Ser, eu mesmo, gaivota sobre mim
Sobrevoar meus temores, meus amores
E alcançar o alto, alto, o mais alto dos teus sonhos
Dos teus sonhos de subir
De subir aos ares
Gaivota querida
Gaivota menina
Pousa perto de mim

A linha e o linho

Gilberto Gil
1983
É a sua vida que eu quero bordar na minha
Como se eu fosse o pano e você fosse a linha
E a agulha do real nas mãos da fantasia
Fosse bordando, ponto a ponto, nosso dia-a-dia
E fosse aparecendo aos poucos nosso amor
Os nossos sentimentos loucos, nosso amor
O ziguezague do tormento, as cores da alegria
A curva generosa da compreensão
Formando a pétala da rosa da paixão

Página 25 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A sua vida, o meu caminho, nosso amor


Você a linha, e eu o linho, nosso amor
Nossa colcha de cama, nossa toalha de mesa
Reproduzidos no bordado a casa, a estrada, a correnteza
O sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza

A luta contra a lata ou A falência do café

Gilberto Gil
1968
Alô, mulatas! Alô, alô, mulatas!
O barulho que vocês estão ouvindo é um barulho de latas!
De latas! Eu disse: "Latas! Latas!"
O exército de latas mil do inimigo
Tomou de assalto as prateleiras e os balcões
Em nome das plebéias chaminés plantadas
Em nossos quintais
Palavras proferidas por um velho dono
De terras roxas de uma vasta região
Em nome das grã-finas tradições plantadas
Em seu coração
(Café! Café! Café! Café!)
Chaminés plantadas nos quintais do mundo
As latas tomam conta dos balcões
Navios de café calafetados
Já não passeiam portos por ai
Rasgados velhos sacos de aninhagem
A grã-finagem limpa seus brasões
Protege com seus sacos de aninhagem
Velha linhagem de quatrocentões
Os sacos de aninhagem já não dão
A queima das fazendas também não
As latas tomam conta do balcão
Vivemos dias de rebelião
Enlate o seu café queimado
Enlate o seu café solúvel
Enlate o seu café soçaite
Enlate os restos do barão
A lata luta com mais forças
Adeus, elite do café

Página 26 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Enlate o seu café solúvel


Enquanto dá pé

A mão da limpeza

Gilberto Gil
1984
O branco inventou que o negro
Quando não suja na entrada
Vai sujar na saída, ê
Imagina só
Vai sujar na saída, ê
Imagina só
Que mentira danada, ê
Na verdade a mão escrava
Passava a vida limpando
O que o branco sujava, ê
Imagina só
O que o branco sujava, ê
Imagina só
O que o negro penava, ê
Mesmo depois de abolida a escravidão
Negra é a mão
De quem faz a limpeza
Lavando a roupa encardida, esfregando o chão
Negra é a mão
É a mão da pureza
Negra é a vida consumida ao pé do fogão
Negra é a mão
Nos preparando a mesa
Limpando as manchas do mundo com água e sabão
Negra é a mão
De imaculada nobreza
Na verdade a mão escrava
Passava a vida limpando
O que o branco sujava, ê
Imagina só
O que o branco sujava, ê
Imagina só
Eta branco sujão

Página 27 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A novidade

música de Bi Ribeiro, Herbert Vianna e João Barone


letra de Gilberto Gil
1986
A novidade veio dar à praia
Na qualidade rara de sereia
Metade, o busto de uma deusa maia
Metade, um grande rabo de baleia
A novidade era o máximo
Do paradoxo estendido na areia
Alguns a desejar seus beijos de deusa
Outros a desejar seu rabo pra ceia
Ó, mundo tão desigual
Tudo é tão desigual
Ó, de um lado este carnaval
Do outro a fome total
E a novidade que seria um sonho
O milagre risonho da sereia
Virava um pesadelo tão medonho
Ali naquela praia, ali na areia
A novidade era a guerra
Entre o feliz poeta e o esfomeado
Estraçalhando uma sereia bonita
Despedaçando o sonho pra cada lado
Ó, mundo tão desigual
Tudo é tão desigual
Ó, de um lado este carnaval
Do outro a fome total

A paz
música de João Donato
letra de Gilberto Gil
1986
A paz
Invadiu o meu coração
De repente, me encheu de paz
Como se o vento de um tufão
Arrancasse meus pés do chão
Onde eu já não me enterro mais
A paz
Fez o mar da revolução
Invadir meu destino; a paz
Como aquela grande explosão
Uma bomba sobre o Japão
Fez nascer o Japão da paz
Eu pensei em mim

Página 28 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu pensei em ti
Eu chorei por nós
Que contradição
Só a guerra faz
Nosso amor em paz
Eu vim
Vim parar na beira do cais
Onde a estrada chegou ao fim
Onde o fim da tarde é lilás
Onde o mar arrebenta em mim
O lamento de tantos "ais"

A raça humana

Gilberto Gil
1982
A raça humana é
Uma semana
Do trabalho de Deus
A raça humana é a ferida acesa
Uma beleza, uma podridão
O fogo eterno e a morte
A morte e a ressurreição
A raça humana é
Uma semana
Do trabalho de Deus
A raça humana é o cristal de lágrima
Da lavra da solidão
Da mina, cujo mapa
Traz na palma da mão
A raça humana é
Uma semana
Do trabalho de Deus
A raça humana risca, rabisca, pinta
A tinta, a lápis, carvão ou giz
O rosto da saudade
Que traz do Gênesis
Dessa semana santa
Entre parênteses
Desse divino oásis
Da grande apoteose
Da perfeição divina
Na Grande Síntese
A raça humana é
Uma semana
Do trabalho de Deus

Página 29 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A rua

Música de Gilberto Gil


Letra de Torquato Neto
1965
Toda rua tem seu curso
Tem seu leito de água clara
Por onde passa a memória
Lembrando histórias de um tempo
Que não acaba
De uma rua, de uma rua
Eu lembro agora
Que o tempo, ninguém mais
Ninguém mais canta
Muito embora de cirandas
(Oi, de cirandas)
E de meninos correndo
Atrás de bandas
Atrás de bandas que passavam
Como o rio Parnaíba
Rio manso
Passava no fim da rua
E molhava seus lajedos
Onde a noite refletia
O brilho manso
O tempo claro da lua
Ê, São João, ê, Pacatuba
Ê, rua do Barrocão
Ê, Parnaíba passando
Separando a minha rua
Das outras, do Maranhão
De longe pensando nela
Meu coração de menino
Bate forte como um sino
Que anuncia procissão
Ê, minha rua, meu povo
Ê, gente que mal nasceu
Das Dores, que morreu cedo
Luzia, que se perdeu
Macapreto, Zé Velhinho
Esse menino crescido
Que tem o peito ferido
Anda vivo, não morreu
Ê, Pacatuba
Meu tempo de brincar já foi-se embora

Página 30 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ê, Parnaíba
Passando pela rua até agora
Agora por aqui estou com vontade
E eu volto pra matar esta saudade
Ê, São João, ê, Pacatuba
Ê, rua do Barrocão
© Gegê Produções Artísticas Ltda. / Warner-Chappell Edições Musicais Ltda.

A última valsa

A ÚLTIMA VALSA
letra de Rogério Duarte
música de Gilberto Gil
1969
A última valsa
Me alça
No astral
A espiral é de fumaça
E o pensamento é de cristal

© Gege Produções

Abra o olho

ABRA O OLHO
Gilberto Gil

1974

Ele disse: "Abra o olho"


Caiu aquela gota de colírio
Eu vi o espelho
Ele disse: "Abra o olho"
Eu perguntei como é que andava o mundo
Ele disse: "Abra o olho"
O telefone tocou
Soando como um grilo de verdade

Página 31 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu ouvi o grilo
O grilo cantando
Tava eu no mato de novo
No mato sem cachorro
Eu pensei: "Tá direito?"
Que eu nunca tive cachorro ao meu lado
Ele disse: "Abra o olho"
Eu disse "aberto", aí vi tudo longe
Ele disse: "Perto"
Eu disse: "Está certo"
Ele disse: "Está tudinho errado"
Eu falei: "Tá direito"
Eu falei: "Tá direito"
Tudo numa gota de colírio
Ele disse: "É delírio
Navegar nas águas de um espelho"
"Meu nego, abra o olho"
Ele disse: "Abra o olho"
Ele disse: "Abra o olho"
Com aquela sua voz suave, amiga e franca
Eu falei "tá direito" de olho fechado e gritei:
"Viva Pelé do pé preto
Viva Zagallo da cabeça branca"

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Afoxé é

Página 32 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

AFOXÉ É
Gilberto Gil

1981

Ê-ô, ê-ô
Ê-ô, ê-ô
É bom pra ioiô
É bom pra iaiá
O afoxé é da gente
Foi de quem quis
É de quem quiser
Sair do Pé do Caboclo
Até a Praça da Sé
O afoxé é semente
Plantou quem quis
Planta quem quiser
Tem que botar fé no bloco
Tem que gostar de andar a pé
Tem que aguentar sol a pino
Tem que passar no terreiro
E carregar o menino, oh, oh
Tem que tomar aguaceiro
Tem que saber cada hino
E cantar o tempo inteiro, oh
O afoxé, seu caminho
Sempre se fez
Sempre se fará
Por onde estiver o povo

Página 33 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Esperando pra dançar


O afoxé vai seguindo
Sempre seguiu
Sempre seguirá
Com a devoção do negro
E a bênção de Oxalá
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Água benta

ÁGUA BENTA
Gilberto Gil

1996

A água benta que batizou


Contaminou o bebê
A medicina e o seu doutor
Nada puderam fazer
O desespero se apoderou
Do padre, do pai, da mãe
Foi quando então alguém se lembrou
De um feiticeiro de Ossãin
Um simples banho de folhas fez
O que não se esperava mais
Depois, depois muitos muitos anos depois
Rapaz, Aquele menino já então rapaz
Se fez, um rei entre os grandes Babalaôs
Dos tais, dos tais como já não se fazem mais
A água benta que ao bel prazer, se desmagnetizou

Página 34 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Desconectada do seu poder


Por um capricho do amor
Amor condutor do elan vital
Que o chinês chama de chi
Que Don Juan chama de nagual
Que não circulava ali
Ali na grã pia batismal
O amor deixara de fluir
Talvez, por mero defeito na ligação
Sutil,entre a essência e a representação
Verbal, que tem que fazer todo coração
Mortal, ao balbuciar sua oração
A água benta que o bom cristão
Contaminou sem querer
A fonte suja que o sacristão
Utilizou sem saber
A força neutra que move a mão
Do assassino o punhal
E o bisturi do cirurgião
O todo total do Tao
Lâmina quântica do querer
Que o feiticeiro sabe ler
Fractal, de olho na fresta da imensidão
Sinal, do mistério na cauda do pavão
Igual, ao mistério na juba do leão
Igual, ao mistério na presa do narval
© Gege Produções

Página 35 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Água de Meninos

ÁGUA DE MENINOS
Letra de Capinan
Música de Gilberto Gil
1966
Na minha terra, Bahia
Entre o mar e a poesia
Tem um porto, Salvador
As ladeiras da cidade
Descem das nuvens pro mar
E num tempo que passou
Toda a cidade descia
Vinha pra feira comprar
Água de Meninos
Quero morar
Quero rede e tangerina
Quero peixe desse mar
Quero vento dessa praia
Quero azul, quero ficar
Com a moça que chegou
Vestida de rendas, ô
Vinda de Taperoá
Por cima da feira, as nuvens
Atrás da feira, a cidade
Na frente da feira, o mar
Atrás do mar, a marinha
Atrás da marinha, o moinho
Atrás do moinho, o governo
Que quis a feira acabar
Dentro da feira, o povo
Dentro do povo, a moça
Dentro da moça, a noiva
Vestida de rendas, ô
Abre a roda pra sambar
Moinho da Bahia queimou
Queimou, deixa queimar
Abre a roda pra sambar
A feira nem bem sabia
Se ia pro mar ou sumia
E nem o povo queria
Escolher outro lugar
Enquanto a feira não via
A hora de se mudar
Tocaram fogo na feira

Página 36 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ah, me diga, minha sinhá


Pra onde correu o povo
Pra onde correu a moça
Vinda de Taperoá
Água de Meninos chorou
Caranguejo correu pra lama
Saveiro ficou na costa
A moringa rebentou
Dos olhos do barraqueiro
Muita água derramou
Água de Meninos acabou
Quem ficou foi a saudade
Da noiva dentro da moça
Vinda de Taperoá
Vestida de rendas, ô
Abre a roda pra sambar
Moinho da Bahia queimou
Queimou, deixa queimar
Abre a roda pra sambar
© Musiclave Editora Musical Ltda.

Alapalá - The myth of Shango

ALAPALA (THE MYTH OF SHANGO)


(Babá Alapalá, de Gilberto Gil)

versão de Gilberto Gil e Carol Rogers

(1979)

Aganju, Shango
Alapala, Alapala, Alapala
Shango, Aganju
A little boy, the age of three
He asked about his family tree:
"Oh, father, who is my grand papa?"
The father said: "My boy, grandpa is dead
And right before he died
He told me who was my grandpapa

Página 37 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

"My grandpapa, your grandpapa’s


Daddy was born in Africa
A king, a tribal king Yoruba
"So you, my boy, you’ve got to be
Yourself a little new Shango"
Oh, Aganju, baba Alapala
Aganju, Shango
Alapala, Alapala, Alapala
Shango, Aganju
Alapala, egun, spirit of the family man
Ancestral soul of our tribe until this day
The tribe of Aganju-Shango, an axe is in his hand
His lightning axe could strike the sky above
And make the sound of crashing
thunders threaten God
And that is why Shango became a God himself
And that is why you should be proud, my boy
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Amarra o teu arado a uma estrela

AMARRA O TEU ARADO A UMA ESTRELA


Gilberto Gil

1988

Se os frutos produzidos pela terra


Ainda não são
Tão doces e polpudos quanto as peras
Da tua ilusão

Página 38 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Amarra o teu arado a uma estrela


E os tempos darão
Safras e safras de sonhos
Quilos e quilos de amor
Noutros planetas risonhos
Outras espécies de dor
Se os campos cultivados neste mundo
São duros demais
E os solos assolados pela guerra
Não produzem a paz
Amarra o teu arado a uma estrela
E aí tu serás
O lavrador louco dos astros
O camponês solto nos céus
E quanto mais longe da terra
Tanto mais longe de Deus
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Andar com fé

ANDAR COM FÉ
Gilberto Gil

1982

Andá com fé eu vou


Que a fé não costuma faiá
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
Que a fé tá na mulher
A fé tá na cobra coral

Página 39 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ô-ô
Num pedaço de pão
A fé tá na maré
Na lâmina de um punhal
Ô-ô
Na luz, na escuridão
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
A fé tá na manhã
A fé tá no anoitecer
Ô-ô
No calor do verão
A fé tá viva e sã
A fé também tá pra morrer
Ô-ô
Triste na solidão
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
Certo ou errado até
A fé vai onde quer que eu vá
Ô-ô
A pé ou de avião
Mesmo a quem não tem fé

Página 40 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A fé costuma acompanhar
Ô-ô
Pelo sim, pelo não
© Gege Produções

Aquele abraço
AQUELE ABRAÇO
Gilberto Gil

1969

O Rio de Janeiro continua lindo


O Rio de Janeiro continua sendo
O Rio de Janeiro, fevereiro e março
Alô, alô, Realengo - aquele abraço!
Alô, torcida do Flamengo - aquele abraço!
Chacrinha continua balançando a pança
E buzinando a moça e comandando a massa
E continua dando as ordens no terreiro
Alô, alô, seu Chacrinha - velho guerreiro
Alô, alô, Terezinha, Rio de Janeiro
Alô, alô, seu Chacrinha - velho palhaço
Alô, alô, Terezinha - aquele abraço!
Alô, moça da favela - aquele abraço!
Todo mundo da Portela - aquele abraço!
Todo mês de fevereiro - aquele passo!
Alô, Banda de Ipanema - aquele abraço!
Meu caminho pelo mundo eu mesmo traço
A Bahia já me deu régua e compasso
Quem sabe de mim sou eu - aquele abraço!

Página 41 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pra você que meu esqueceu - aquele abraço!


Alô, Rio de Janeiro - aquele abraço!
Todo o povo brasileiro - aquele abraço!
© Gege Produções Artísticas Ltda.

Aqui & agora

AQUI E AGORA
Gilberto Gil

1977

O melhor lugar do mundo é aqui


E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
Aqui, onde indefinido
Agora, que é quase quando
Quando ser leve ou pesado
Deixa de fazer sentido
Aqui, onde o olho mira
Agora, que o ouvido escuta
O tempo, que a voz não fala
Mas que o coração tributa
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
Aqui, onde a cor é clara
Agora, que é tudo escuro

Página 42 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Viver em Guadalajara
Dentro de um figo maduro
Aqui, longe, em Nova Deli
Agora, sete, oito ou nove
Sentir é questão de pele
Amor é tudo que move
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
Aqui perto passa um rio
Agora eu vi um lagarto
Morrer deve ser tão frio
Quanto na hora do parto
Aqui, fora de perigo
Agora, dentro de instantes
Depois de tudo que eu digo
Muito embora muito antes
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
© Gege Produções Artísticas LTDA.

As coisas

AS COISAS
letra de Arnaldo Antunes

Página 43 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

música de Gilberto Gil

1993

As coisas têm
Peso, massa, volume
Tamanho, tempo
Forma, cor
Posição
Textura, duração
Densidade
Cheiro
Valor
Consistência
Profundidade, contorno
Temperatura, função
Aparência
Preço, destino, idade
Sentido
As coisas não têm paz
As coisas
© Cíclope (Warner-Chappell Edições Musicais Ltda.) / Gegê Produções Artísticas Ltda.

As pegadas do amor

AS PEGADAS DO AMOR (Tema de Ozias)


Gilberto Gil
2000

Nem um bode pra sangrar


Nem um bé
Uma cobra a esperniar
Um baé

Página 44 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Um porquinho, um bezerrinho
Uma pomba, uma preá
Animal de sangue quente
Atacado a sangue frio
Só pra ver sangue jorrar
Nem um pouco de pesar
De pavor
Nem um cabra a me implorar
Por favor
Nem um corpo a estrebuchar
Ao tremor das minhas mãos
Nem uma marca de horror
No chão do meu coração
Só as pegadas do amor

© Gege Produções (Brasil e América do Sul)


Preta Music (resto do mundo)

Átimo de pó

ÁTIMO DE PÓ
Gilberto Gil & Carlos Rennó

1995

Entre a célula e o céu


O DNA e Deus
O quark e a Via Láctea
A bactéria e a galáxia
Entre agora e o eon
O íon e o Órion
A lua e o magnéton
Entre a estrela e o elétron
Entre o glóbulo e o globo blue
Eu, um cosmos em mim só
Um átimo de pó

Página 45 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Assim: do yang ao yin


Eu e o nada, nada não
O vasto, vasto vão
Do espaço até o spin
Do sem-fim além de mim
Ao sem-fim aquém de mim
Den' de mim
© Gege Produções

Axé Babá

AXÉ, BABÁ
Gilberto Gil

1980

Meu pai Oxalá


Dá-nos a luz do teu dia
De noite a estrela-guia
Da tua paz
Dentro de nós
Meu pai Oxalá
Dá-nos a felicidade
O pão da vitalidade
Do teu axé
Do teu amor
Do teu axé
Do teu amor
Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô
Axé, babá

Página 46 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô
Axé, babá
Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô
Axé, babá
Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Babá Alapalá

BABÁ ALAPALÁ
Gilberto Gil

1976

Aganju, Xangô
Alapalá, Alapalá, Alapalá
Xangô, Aganju
O filho perguntou pro pai:
"Onde é que tá o meu avô
O meu avô, onde é que tá?"
O pai perguntou pro avô:
"Onde é que tá meu bisavô
Meu bisavô, onde é que tá?"
Avô perguntou bisavô:
"Onde é que tá tataravô
Tataravô, onde é que tá?"
Tataravô, bisavô, avô
Pai Xangô, Aganju
Viva egum, babá Alapalá!
Aganju, Xangô

Página 47 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Alapalá, Alapalá, Alapalá


Xangô, Aganju
Alapalá, egum, espírito elevado ao céu
Machado alado, asas do anjo Aganju
Alapalá, egum, espírito elevado ao céu
Machado astral, ancestral do metal
Do ferro natural
Do corpo preservado
Embalsamado em bálsamo sagrado
Corpo eterno e nobre de um rei nagô
Xangô
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Babylon

BABYLON
letra de Jorge Mautner

música de Gilberto Gil

1971

First time I came to Babylon


I felt so lonely
I felt so lonely and people came along
To mistreat me
Calling me so many names in the streets
And I was so shy
That I began to cry
But now
I am so proud

Página 48 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Of whatever should be
Cause I have a silver knife
And my lover is SatanÕs wife
And I donÕt care
If you donÕt dare see
© Gapa Produções Artísticas Ltda. (Adm. por Warner/Chappell Edições Musicais Ltda). / Gegê
Produções Artísticas Ltda.

Back in Bahia

BACK IN BAHIA
Gilberto Gil

1972

Lá em Londres, vez em quando me sentia longe daqui


Vez em quando, quando me sentia longe, dava por mim
Puxando o cabelo
Nervoso, querendo ouvir Cely Campelo pra não cair
Naquela fossa
Em que vi um camarada meu de Portobello cair
Naquela falta
De juízo que eu não tinha nem uma razão pra curtir
Naquela ausência
De calor, de cor, de sal, de sol, de coração pra sentir
Tanta saudade
Preservada num velho baú de prata dentro de mim
Digo num baú de prata porque prata é a luz do luar
Do luar que tanta falta me fazia junto com o mar
Mar da Bahia
Cujo verde vez em quando me fazia bem relembrar

Página 49 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Tão diferente
Do verde também tão lindo dos gramados campos de lá
Ilha do Norte
Onde não sei se por sorte ou por castigo dei de parar
Por algum tempo
Que afinal passou depressa, como tudo tem de passar
Hoje eu me sinto
Como se ter ido fosse necessário para voltar
Tanto mais vivo
De vida mais vivida, dividida pra lá e pra cá
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Baião atemporal

BAIÃO ATEMPORAL
Gilberto Gil

1993

No último pau-de-arara de Irará


Um da família Santana viajará
Levará uma semana até chegar
Junto com mais dois ou três outros cabras que estarão lá
No último pau-de-arara de Irará
Se essa viagem comprida fosse um cordel
Seria boa saída acabar no céu
Só que este conto que eu canto é pra lá de zen
Não tem sentido, não serve pra nada e é pra ninguém
Pra ninguém botar defeito e não ter porém
Basta pensar que Irará poderá não ser

Página 50 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Que os paus-de-arara de lá já não têm porquê


Porque os tempos passaram e passarão
Tudo que começa acaba, e outros cabras seguirão
Cruzando o atemporal do tao do baião
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Balafon

BALAFON
Gilberto Gil

1977

Isso que toca bem, bem


Isso que toca bem, bem
Chama-se balafon
Em cada lugar tem
O nome deve ser outro qualquer
No Camerum
Isso que a gente chama marimba
Tem na África todo mesmo som
Isso que toca bem, bem
Num lugar, não lembro bem
Chama-se balafon
Marim-bajé
Iré-xiré
Balafonjá
Orim-axé
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Página 51 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Banda Um

BANDA UM
Gilberto Gil

1981

BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-iê
Iê-iê-iê-iê
BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-ô
(Iô-iô-iô-iô)
Banda Um que toca um balanço parecendo polka
UmBandaUmBandaUm
Banda Um que toca um balanço parecendo rumba
UmBandaUmBandaUm
Banda Um que é África, que é Báltica, que é Céltica
UmBanda América do Sul
Banda Um que evoca um bailado de todo planeta
UmBandaUm, Banda Um
BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-iê
Iê-iê-iê-iê
BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-ô
(Iô-iô-iô-iô)
Banda pra tocar por aí
No Zanzibar
Pro negro zanzibárbaro dançar
Pra agitar o Baixo Leblon
O Cariri
Pra loura blumenáutica dançar
(Hum...) Banda Um, Banda Um

Página 52 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-iê
Iê-iê-iê-iê
BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô, ô
Banda Um que soa um barato pra qualquer pessoa
UmBanda pessoa afins
Banda Um que voa, uma asa delta sobre o mundo
UmBanda sobre patins
Banda Um surfística nas ondas da manhã nascente
UmBanda, banda feliz
Banda Um que ecoa uma cachoeira desabando
UmBandaUm, bandas mis
BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-iê
Iê-iê-iê-iê
BandaUmBandaUmBandaUmBanda - ô-ô
(Iô-iô-iô-iô)
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Barca grande

BARCA GRANDE
Gilberto Gil
1968

Eu vim aqui pra te ver


Como te vi, vou-me embora
Eu vim aqui pra te ver
Como te vi, vou-me embora
Trabalho na barca grande
Só chego fora de hora
Trabalho na barca grande
Só chego fora de hora

Página 53 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Hoje eu cheguei atrasado


Na barca pra trabalhar
Essa noite eu fui com Rosa
No Recife passear
Rosa nunca tinha ido
No Recife passear
Aproveitei que era noite
Pra Rosa poder gostar
Rosa é minha namorada
Mora com o pai pescador
Pescador de caranguejo
Pai de Rosa, minha flor
Minha flor nasceu no mangue
Nunca pode passear
Nunca pode ver Recife
A cidade, seu sonhar
Eu que já saí do mangue
Já consegui trabalhar
Na barca do Beberibe
Quero Rosa pra casar
Já posso ter um dinheiro
Pra Rosa se divertir
Essa noite eu levei Rosa
Pra Rosa poder sorrir
Hoje à noite eu vou ver Rosa
Ela vai sorrir contente
Recife, seu sonho morto
Ficou vivo de repente
Eu que sou louco por ela
Vou fazer Rosa cantar
Vou também cantar pra ela
Essa ciranda, essa ciranda
Eu vim aqui pra te ver
Como te vi, vou-me embora
Eu vim aqui pra te ver
Como te vi, vou-me embora
Trabalho na barca grande
Só chego fora de hora
Trabalho na barca grande
Só chego fora de hora
© Musiclave

Página 54 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Batmakumba

BATMAKUMBA
Gilberto Gil & Caetano Veloso
1968
Batmakumbayêyê batmakumbaoba
Batmakumbayêyê batmakumbao
Batmakumbayêyê batmakumba
Batmakumbayêyê batmakum
Batmakumbayêyê batman
Batmakumbayêyê bat
Batmakumbayêyê ba
Batmakumbayêyê
Batmakumbayê
Batmakumba
Batmakum
Batman
Bat
Ba
Bat
Batman
Batmakum
Batmakumba
Batmakumbayê
Batmakumbayêyê
Batmakumbayêyê ba
Batmakumbayêyê bat
Batmakumbayêyê batman
Batmakumbayêyê batmakum
Batmakumbayêyê batmakumbao
Batmakumbayêyê batmakumbaoba
© Gegê Produções Artísticas Ltda. / Warner Chappell Edições Musicais Ltda.

Baticum

BATICUM
música de Gilberto Gil

letra de Chico Buarque

1989

Bia falou:
"Ah, claro que eu vou"

Página 55 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Clara ficou
Até o sol raiar
Dadá também
Saracoteou
Didi tomou
O que era pra tomar
Ainda bem
Que Isa me arrumou
Um barco bom
Pra gente chegar lá
Lelê também
Foi e apreciou
O baticum
Lá na beira do mar
Aquela noite
Tinha do bom e do melhor
Tô lhe contando que é pra lhe dar água na boca
Veio Mané
Da Consolação
Veio o Barão
De lá do Ceará
Um professor
Falando alemão
Um avião
Veio do Canadá
Monsieur Dupont
Trouxe o dossier

Página 56 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E a Benetton
Topou patrocinar
A Sanyo
Garantiu o som
Do baticum
Lá na beira do mar
Aquela noite
Quem tava lá na praia viu
E quem não viu jamais verá
Mas se você quiser saber
A Warner gravou
E a Globo vai passar
Bia falou:
"Ah, claro que eu vou"
Clara ficou
Até o sol raiar
Dadá também
Saracoteou
Didi tomou
O que era pra tomar
Isso é que é
Pepe se chegou
Pelé pintou
Só que não quis ficar
O campeão
Da Fórmula 1
No baticum

Página 57 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Lá na beira do mar
Aquela noite
Tinha do bom e do melhor
Eu só tô lhe contando que é pra lhe dar água na boca
Zeca pensou:
"Antes que era bom"
Mano cortou:
"Brother, o que é que há?"
Foi a G.E.
Quem iluminou
E a MacIntosh
Entrou com o vatapá
O JB
Fez a crítica
E o cardeal
Deu ordem pra fechar
O Carrefour
Digo, o baticum
Da Benetton
Não, da beira do mar
© Gege Produções Artísticas LTDA. / Marola

Beira mar

BEIRA-MAR
Letra de Caetano Veloso
Música de Gilberto Gil
1965
Na terra em que o mar não bate
Não bate o meu coração
O mar onde o céu flutua

Página 58 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Onde morre o sol e a lua


E acaba o caminho do chão
Nasci numa onda verde
Na espuma me batizei
Vim trazido numa rede
Na areia me enterrarei
Na areia me enterrarei
Ou então nasci na palma
Palha da palma no chão
Tenho a alma de água clara
Meu braço espalhado em praia
Meu braço espalhado em praia
E o mar na palma da mão
No cais, na beira do cais
Senti meu primeiro amor
E num cais que era só cais
Somente mar ao redor
Somente mar ao redor
Mas o mar não é todo mar
Mar que em todo o mundo exista
Ou melhor, é o mar do mundo
De um certo ponto de vista
De onde só se avista o mar
E a Ilha de Itaparica
A Bahia é que é o cais
A praia, a beira, a espuma
E a Bahia só tem uma
Costa clara, litoral
Costa clara, litoral
É por isso que é o azul
Cor de minha devoção
Não qualquer azul, azul
De qualquer céu, qualquer dia
O azul de qualquer poesia
De samba tirado em vão
É o azul que a gente fita
No azul do mar da Bahia
É a cor que lá principia
E que habita em meu coração
E que habita em meu coração
E que habita em meu coração
© Musiclave Editora Musical Ltda.

Bom dia

Página 59 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

BOM DIA
Gilberto Gil / Nana Caymmi

Madrugou, madrugou
A mancha branca do sol
Acordou o dia
E o dia já levantou
Acorda meu amor,
a usina já tocou
Acorda, é hora
de trabalhar, meu amor
Acorda é hora
o dia veio roubar
Teu sono cansado
É hora de trabalhar
O dia te exige
O suor e o braço
Pra usina do dono
do teu cansaço
Acorda meu amor
é hora de trabalhar
O dia já raiou
é hora de trabalhar
Madrugou, madrugou
A mancha branca do sol
Acordou o dia
E o dia já levantou
Ele sai, ele vai
a usina já tocou
Bom dia, bom dia
até logo, meu amor
© Musiclave

Brand New Dream

BRAND NEW DREAM


Gilberto Gil
1971

Página 60 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Cut that out!


Forget it all, baby
Going crazy, feeling sad
About an impossible love
Is so sad
Gimme your hand and come together
Around the corner we can find a shop
That I know has got
A brand new dream
Above on the shelf
Maybe you like
That dream on the shelf above
Tomorrow maybe
I can call you my love
cut that out!
Bit by bit
Inch by inch
Inch by inch
Inch by inch
Inch by inch
Till you can breath and get peace in your heart

© Gege Produções

Buda Nagô

BUDA NAGÔ
Gilberto Gil

1991

Dorival é ímpar
Dorival é par
Dorival é terra
Dorival é mar
Dorival tá no pé
Dorival tá na mão
Dorival tá no céu

Página 61 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Dorival tá no chão
Dorival é belo
Dorival é bom
Dorival é tudo
Que estiver no tom
Dorival vai cantar
Dorival em CD
Dorival vai sambar
Dorival na TV
Dorival é um Buda nagô
Filho da casa real da inspiração
Como príncipe, principiou
A nova idade de ouro da canção
Mas um dia Xangô
Deu-lhe a iluminação
Lá na beira do mar (foi?)
Na praia de Armação (foi não)
Lá no Jardim de Alá (foi?)
Lá no alto sertão (foi não)
Lá na mesa de um bar (foi?)
Dentro do coração
Dorival é Eva
Dorival Adão
Dorival é lima
Dorival limão
Dorival é a mãe
Dorival é o pai

Página 62 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Dorival é o peão
Balança, mas não cai
Dorival é um monge chinês
Nascido na Roma negra, Salvador
Se é que ele fez fortuna, ele a fez
Apostando tudo na carta do amor
Ases, damas e reis
Ele teve e passou (iaiá)
Teve o mundo aos seus pés (ioiô)
Ele viu, nem ligou (iaiá)
Seguidores fiéis (ioiô)
E ele se adiantou (iaiá)
Só levou seus pincéis (ioiô)
A viola e uma flor
Dorival é índio
Desse que anda nu
Que bebe garapa
Que come beiju
Dorival no Japão
Dorival samurai
Dorival é a nação
Balança, mas não cai
© Gege Produções

Cada tempo em seu lugar

Página 63 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

CADA TEMPO EM SEU LUGAR


Gilberto Gil

1989

Preciso refrear um pouco o meu desejo de ajudar


Não vou mudar um mundo louco dando socos para o ar
Não posso me esquecer que a pressa
É a inimiga da perfeição
Se eu ando o tempo todo a jato, ao menos
Aprendi a ser o último a sair do avião
Preciso me livrar do ofício de ter que ser sempre bom
Bondade pode ser um vício, levar a lugar nenhum
Não posso me esquecer que o açoite
Também foi usado por Jesus
Se eu ando o tempo todo aflito, ao menos
Aprendi a dar meu grito e a carregar a minha cruz
Ô-ô, ô-ô
Cada coisa em seu lugar
Ô-ô, ô-ô
A bondade, quando for bom ser bom
A justiça, quando for melhor
O perdão:
Se for preciso perdoar
Agora deve estar chegando a hora de ir descansar
Um velho sábio na Bahia recomendou: "Devagar"
Não posso me esquecer que um dia
Houve em que eu nem estava aqui
Se eu ando por aí correndo, ao menos

Página 64 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu vou aprendendo o jeito de não ter mais aonde ir


Ô-ô, ô-ô
Cada tempo em seu lugar
Ô-ô, ô-ô
A velocidade, quando for bom
A saudade, quando for melhor
Solidão:
Quando a desilusão chegar
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Casinha feliz

CASINHA FELIZ
Gilberto Gil

1985

Onde resiste o sertão


Toda casinha feliz
Ainda é vizinha de um riacho
Ainda tem seu pé de caramanchão
Onde resiste o sertão
Toda casinha feliz
Ainda cozinha no fogão de lenha
Ou fogareiro de carvão
De dia, Diadorim
De noite, estrela sem fim
É o Grande Sertão: Veredas
Reino da Jabuticaba
As minas de Guimarães Rosa

Página 65 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De ouro que não se acaba


Onde resiste o sertão
Toda casinha é feliz
Porque à tardinha tem Ave Maria
E o beijo da solidão
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Cérebro eletrônico

CÉREBRO ELETRÔNICO
Gilberto Gil 1969
O cérebro eletrônico faz tudo
Faz quase tudo
Quase tudo
Mas ele é mudo
O cérebro eletrônico comanda
Manda e desmanda
Ele é quem manda
Mas ele não anda
Só eu posso pensar se Deus existe
Só eu
Só eu posso chorar quando estou triste
Só eu
Eu cá com meus botões de carne e osso
Hum, hum
Eu falo e ouço
Hum, hum
Eu penso e posso
Eu posso decidir se vivo ou morro

Página 66 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Porque
Porque sou vivo, vivo pra cachorro
E sei
Que cérebro eletrônico nenhum me dá socorro
Em meu caminho inevitável para a morte
Porque sou vivo, ah, sou muito vivo
E sei
Que a morte é nosso impulso primitivo
E sei
Que cérebro eletrônico nenhum me dá socorro
Com seus botões de ferro e seus olhos de vidro
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Chiquinho Azevedo

CHIQUINHO AZEVEDO
Gilberto Gil

1976

Chiquinho Azevedo
Garoto de Ipanema
Já salvou um menino
Na Praia,no Recife
Nesse dia Momó também estava com a gente
Levou-se o menino
Pra uma clínica em frente
E o médico não quis
Vir atender a gente
Nessa hora nosso sangue ficou bem quente

Página 67 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Menino morrendo
Era aquela agonia
E o doutor só queria
Mediante dinheiro
Nessa hora vi quanto o mundo está doente
Discutiu-se muito
Ameaçou-se briga
Doze litros de água
Tiraram da barriga
Do menino que sobreviveu finalmente
Muita gente me pergunta
Se essa estória aconteceu
Aconteceu minha gente
Quem está contando sou eu
Aconteceu e acontece
Todo dia por aí
Aconteceu e acontece
Que esse mundo é mesmo assim
Chiquinho Azevedo
Teve muita coragem
Lá na Boa Viagem
Na praia, no Recife
Nesse dia Momó também estava com a gente
© Gege Produções

Chororô

CHORORÔ

Página 68 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil

1978

Tenho pena de quem chora


De quem chora tenho dó
Quando o choro de quem chora
Não é choro, é chororô
Quando uma pessoa chora seu choro baixinho
De lágrima a correr pelo cantinho do olhar
Não se pode duvidar
Da razão daquela dor
Não se pode atrapalhar
Sentindo seja o que for
Mas quando a pessoa chora o choro em desatino
Batendo pino como quem vai se arrebentar
Aí, penso que é melhor
Ajudar aquela dor
A encontrar o seu lugar
No meio do chororô
Chororô, chororô, chororô
É muita água, é magoa, é jeito bobo de chorar
Chororô, chororô, chororô
É mágoa, é muita água, a gente pode se afogar
Chororô, chororô, chororô
É muita água, é magoa, é jeito bobo de chorar
Chororô, chororô, chororô
É mágoa, é muita água, a gente pode se acabar
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Página 69 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Chuck Berry fields forever

CHUCK BERRY FIELDS FOREVER


Gilberto Gil

1976

Trazidos dÕÁfrica pra Américas de Norte e Sul


Tambor de tinto timbre tanto tonto tom tocou
E neve, garça branca, valsa do Danúbio Azul
Tonta de tanto embalo, num estalo desmaiou
Vertigem verga, a virgem branca tomba sob o sol
Rachado em mil raios pelo machado de Xangô
E assim gerados, a rumba, o mambo, o samba, o rhythm'n'blues
Tornaram-se os ancestrais, os pais do rock and roll
Rock é o nosso tempo, baby
Rock and roll é isso
Chuck Berry fields forever
Os quatro cavaleiros do após-calipso
O após-calipso
Rock and roll
Capítulo um
Versículo vinte
-Sículo vinte
Século vinte e um
Versículo vinte
-Sículo vinte
Século vinte e um

CHUCK BERRY FIELDS FOREVER

Página 70 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Versão de Gilberto Gil

1977

From Africa to both the Americas, North and Latin


A jungle drum was brought and got the white God to get in
A pagan dance until he had no other chance unless the sin
Of black-white day and night, soul and mind magic
The European Goddess fainted under jungle drum's sound
She was fertilized by some afro God while on the ground
So the begotten sons as samba, mambo, rumba,
rhythm'n'blues
Became the ancestrals of what today we call rock and roll
Rock and roll is magic
Rock and roll is mixture
Chuck Berry fields forever
The joyful English four knights of the post-calypso
In the post-calypso age
Rock and roll
The opening page
What is to come next
We don't know the text
No one knows precisely
It's on to progress
Into its funky fullness
Next century
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Cibernética

Página 71 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

CIBERNÉTICA
Gilberto Gil
1974

Lá na alfândega Celestino era o Humphrey Bogart


Solino sempre estava lá
Escrevendo: "Dai a César o que é de César"
César costumava dar
Me falou de cibernética
Achando que eu ia me interessar
Que eu já estava interessado
Pelo jeito de falar
Que eu já estivera estado interessado nela
Cibernética
Eu não sei quando será
Cibernética
Eu não sei quando será
Mas será quando a ciência
Estiver livre do poder
A consciência, livre do saber
E a paciência, morta de esperar
Aí então tudo todo o tempo
Será dado e dedicado a Deus
E a César dar adeus às armas caberá
Que a luta pela acumulação de bens materiais
Já não será preciso continuar
A luta pela acumulação de bens materiais
Já não será preciso continuar
Onde lia-se alfândega leia-se pândega
Onde lia-se lei leia-se lá-lá-lá
Cibernética
Eu não sei quando será
Cibernética
Eu não sei quando será
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Cidade do Salvador

CIDADE DO SALVADOR

Página 72 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil
1973

Dor e dor e dor


Tanta dor
A dor
A dor
A dor
Adormeço
A dor mereço
Agora
A dor
A dor
A dormência
Do sono lunar
Sonho
Sonho
A terra
No sonho
A terra inteira
No sonho
Aterrador
Mar
O mar
O mar
O maremoto
remoto
remoto
motivo
Teria Deus
Pra nos salvar

A fé
A fé
Só a fé
A fé
A felicidade
Cidade do Salvador
dor
dor
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 73 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Cinema novo

CINEMA NOVO
letra de Caetano Veloso

música de Gilberto Gil

1993

O filme quis dizer: "Eu sou o samba"


A voz do morro rasgou a tela do cinema
E começaram a se configurar
Visões das coisas grandes e pequenas
Que nos formaram e estão a nos formar
Todas e muitas: Deus e o Diabo
Vidas Secas, Os Fuzis
Os Cafajestes, O Padre e a Moça, A Grande Feira,
O Desafio
Outras conversas, outras conversas
Sobre os jeitos do Brasil
Outras conversas sobre os jeitos do Brasil
A bossa-nova passou na prova
Nos salvou na dimensão da eternidade
Porém, aqui embaixo "a vida"
Mera "metade de nada"
Nem morria nem enfrentava o problema
Pedia soluções e explicações
E foi por isso que as imagens do país desse cinema
Entraram nas palavras das canções
Entraram nas palavras das canções
Primeiro, foram aquelas que explicavam

Página 74 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E a música parava pra pensar


Mas era tão bonito que parasse
Que a gente nem queria reclamar
Depois, foram as imagens que assombravam
E outras palavras já queriam se cantar
De ordem, de desordem, de loucura
De alma à meia-noite e de indústria
E a terra entrou em transe, ê
No sertão de Ipanema
Em transe, ê
No mar de Monte Santo
E a luz do nosso canto
E as vozes do poema
Necessitaram transformar-se tanto
Que o samba quis dizer
O samba quis dizer: "Eu sou cinema"
O samba quis dizer: "Eu sou cinema"
Aí o anjo nasceu
Veio o Bandido Meteorango
Hitler Terceiro Mundo
Sem Essa, Aranha, Fome de Amor
E o filme disse: "Eu quero ser poema"
Ou mais: "Quero ser filme, e filme-filme"
Acossado no limite da garganta do diabo
Voltar à Atlântida e ultrapassar o eclipse
Matar o ovo e ver a Vera Cruz
E o samba agora diz: "Eu sou a luz"

Página 75 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Da lira do delírio, da alforria de Xica


De toda a nudez de índia
De flor de Macabéia, de Asa Branca
Meu nome é Stelinha, é Inocência
Meu nome é Orson Antônio Vieira Conselheiro de Pixote Super Outro
Quero ser velho, de novo eterno
Quero ser novo de novo
Quero ser Ganga Bruta e clara gema
Eu sou o samba, viva o cinema
Viva o Cinema Novo
© Uns - Natasha / Gege Produções Artísticas LTDA.

Ciranda

CIRANDA
música de Moacir Santos
letra de Gilberto Gil
1994
Vem de um lugar chamado Flores
Esta ciranda
De tantas cores
Vem nos aliviar as dores
Os maus olhados
Os dissabores
Ó, cirandeiro, cirandeiro
Que faz ciranda o tempo inteiro
Só por folia
Só por amor
Vem de um lugar chamado Flores
Esta ciranda
De tantas cores
Vem nos falar dos trovadores
Dos bem-amados
Dos benfeitores
Ó, cirandeiro, cirandeiro
Que faz ciranda o tempo inteiro
E só por isso
Tem seu valor
© Gege Produções Artísticas LTDA

Página 76 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Clichê do clichê

CLICHÊ DO CLICHÊ
música de Vinícius Cantuária

letra de Gilberto Gil

1985

Não vou jogar


Meu destino contra o seu
Num filme piegas sem sal
Não vou chorar
Nem fingir que o amor morreu
Chega de drama banal
Que seja a dor
Nosso amor, nossos ardis
Teatro nô japonês
Onde o ator
É ao mesmo tempo atriz
Vestes da mesma nudez
Eu, Belmondo
Como um Pierrot, le fou
Só no cinema francês
Você, Bardot
Belo anúncio de shampoo
Só fica bem nas TVs
Melhor viver
Nosso papel bem normal
Que a vida nos reservou

Página 77 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Interpretar
Nosso bem e nosso mal
Sem texto e sem diretor
Chega de representar
O que nós não queremos ser
Não vamos nos transformar
Num casal clichê do clichê
© Direto / Gege Produções Artísticas LTDA.

Com medo, com Pedro

COM MEDO, COM PEDRO


Gilberto Gil
1969

Eu agora não tô mais com medo


Tô com Pedro
Eu agora não tô mais com medo
Tô com Pedro
Eu agora já tô mais com Pedro
Do que com medo
Eu agora já tô mais com Pedro
Do que com medo
Deus me livre de ter medo agora
Depois que eu já me joguei no mundo
Deus me livre de ter medo agora
Depois que eu já pus os pés no fundo
Se você cair, não tenha medo
O mundo é fundo
Quem quiser no fundo encontra a porta
Do fim de tudo
Bem junto da porta está São Pedro
No fim do fundo
Findo
Fundo
Findo
Bem depois do fim de tudo o medo
Do fim do mundo

Página 78 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Bem depois do fim do mundo o medo


Do fim de tudo
Bem depois do fim do mundo o medo
Do fim do mundo
Bem depois do fim do mundo o medo
Do fim de tudo

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Copo vazio

COPO VAZIO
Gilberto Gil
1974

É sempre bom lembrar


Que um copo vazio
Está cheio de ar
É sempre bom lembrar
Que o ar sombrio de um rosto
Está cheio de um ar vazio
Vazio daquilo que no ar do copo
Ocupa um lugar
É sempre bom lembrar
Guardar de cor
Que o ar vazio de um rosto sombrio
Está cheio de dor
É sempre bom lembrar
Que um copo vazio
Está cheio de ar
Que o ar no copo ocupa o lugar do vinho
Que o vinho busca ocupar o lugar da dor
Que a dor ocupa a metade da verdade
A verdadeira natureza interior
Uma metade cheia, uma metade vazia
Uma metade tristeza, uma metade alegria
A magia da verdade inteira, todo poderoso amor
A magia da verdade inteira, todo poderoso amor

Página 79 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

É sempre bom lembrar


Que um copo vazio
Está cheio de ar
© Gege Produções

Coragem pra suportar

CORAGEM PRA SUPORTAR


Gilberto Gil
1964
Lá no sertão quem tem
Coragem pra suportar
Tem que viver pra ter
Coragem pra suportar
E somente plantar
Coragem pra suportar
E somente colher
Coragem pra suportar
E mesmo quem não tem
Coragem pra suportar
Tem que arranjar também
Coragem pra suportar
Ou então
Vai embora
Vai pra longe
E deixa tudo
Tudo que é nada
Nada pra viver
Nada pra dar
Coragem pra suportar
© Musiclave Editora Musical Ltda.

Cores Vivas

CORES VIVAS
Gilberto Gil

1980

Tomar pé
Na maré desse verão

Página 80 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Esperar
Pelo entardecer
Mergulhar
Na profunda sensação
De gozar
Desse bom viver
Bom viver
Graças ao calor do sol
Benfeitor
Dessa região
Natural
Da jangada, do coqueiral
Do pescador
De cor azul
Bela visão
Cartão postal
Sabor do mel, vigor do sal
Cores da pena de pavão
Cenas de uma vibração total
Cores vivas
Eu penso em nós
Pobres mortais
Quantos verões
Verão nossos
Olhares fãs
Fãs desses céus
Tão azuis

Página 81 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gege Produções Artísticas

Crazy pop rock

CRAZY POP ROCK


letra de Jorge Mautner

música de Gilberto Gil

1971

From the city runs electricity in my brains


From the cars runs gasoline up in my veins
My blood intoxicated by twenty-seven trips
My eyes hallucinated by the Holy Ghost I met
When I talk
I cannot talk
I only gotta sing loud, loud
A crazy pop rock
From the city runs electricity in my brains
From the cars runs gasoline up in my veins
IÕm part of the problem, IÕ m not the solution
IÕm really the product of city pollution
When I talk
I cannot talk
I only gotta sing loud, loud
A crazy pop rock
From the city runs electricity in my brains
From the cars runs gasoline up in my veins
Baby, baby, baby, I'm the electric man

Página 82 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Come and get a shock, I'm the electric man


When I talk
I cannot talk
I only gotta sing loud, loud
A crazy pop rock
© Warner/Chappell Edições Musicais Ltda. / Gegê Produções Artísticas Ltda.

Cultura e civilização

CULTURA E CIVILIZAÇÃO
Gilberto Gil
1969

A cultura, a civilização
Elas que se danem
Ou não
Somente me interessam
Contanto que me deixem meu licor de genipapo
O papo
Das noites de São João
Somente me interessam
Contanto que me deixem meu cabelo belo
Meu cabelo belo
Como a juba de um leão
Contanto que me deixem
Ficar na minha
Contanto que me deixem
Ficar com minha vida na mão
Minha vida na mão
Minha vida
A cultura, a civilização
Elas que se danem
Ou não
Eu gosto mesmo
É de comer com coentro
Eu gosto mesmo
É de ficar por dentro
Como eu estive algum tempo
Na barriga de Claudina

Página 83 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Uma velha baiana


Cem por cento

© Gegê Produções Artísticas Ltda

Dada

DADA
música de Caetano Veloso

letra de Gilberto Gil

1993

A DEUS
DEUS A
A FRO
DI TE
DE TI
TI VE
VI DA
DA DA
A DEUS
© Gegê Produções Artísticas Ltda e Uns Produções Artísticas LTDA - Natasha Produções e Discos
LTDA.

Dança de Shiva

DANÇA DE SHIVA
Gilberto Gil

1995

Dança de Shiva
Repare a dança de Shiva

Página 84 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Enquanto a reta se curva


Cai chuva da nuvem de pó
Fraude do Thomas
Repare a fraude do Thomas
Os deuses todos em coma
Enquanto Exu não dá o nó
Nó se dá um só
Se dói de dó
Se mói na mó
Pulverizar
Se foi na avó
No neto irá
Não não irá
Quiçá morrerão
Deuses em coma
Homens em vão
Pela ciência
Pela canção
Deuses do sim
Deuses do não
Quem me vir dançar
Verá que quem dança é Shiva
Quem dança, quem dança é Shiva
Quem me vir já não me verá
Verá no Thomas
Por trás da fraude do Thomas
Alguns verazes sintomas

Página 85 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De um passageiro mal-estar
© Gegê Produções Artísticas Ltda

De Bob Dylan a Bob Marley um samba provocação

DE BOB DYLAN A BOB MARLEY - UM SAMBA-PROVOCAÇÃO


Gilberto Gil

1989

Quando Bob Dylan se tornou cristão


Fez um disco de reggae por compensação
Abandonava o povo de Israel
E a ele retornava pela contramão
Quando os povos d'África chegaram aqui
Não tinham liberdade de religião
Adotaram Senhor do Bonfim:
Tanto resistência, quanto rendição
Quando, hoje, alguns preferem condenar
O sincretismo e a miscigenação
Parece que o fazem por ignorar
Os modos caprichosos da paixão
Paixão, que habita o coração da natureza-mãe
E que desloca a história em suas mutações
Que explica o fato da Branca de Neve amar
Não a um, mas a todos os sete anões
Eu cá me ponho a meditar
Pela mania da compreensão
Ainda hoje andei tentando decifrar
Algo que li que estava escrito numa pichação

Página 86 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Que agora eu resolvi cantar


Neste samba em forma de refrão:
"Bob Marley morreu
Porque além de negro era judeu
Michael Jackson ainda resiste
Porque além de branco ficou triste"
© Gegê Produções Artísticas Ltda

De leve (Get back)

DE LEVE
(Get Back, de John Lennon e Paul McCartney)
versão de Gilberto Gil
1977

Jo Jo era um cara que pensava que era


Mas sabia que era não
Saiu de Pelotas, foi atrás da hera
Trepadeira de verão
De leve
De leve
De leve, que é na contramão
De leve
De leve
De leve, que é na contramão
Sweet Loreta Martinica da cuíca
Muito garotão curtiu
Juram que viram Loreta de cueca
Dizem minas lá no Rio
De leve
De leve
De leve, que é na contramão
De leve
De leve
De leve, que é na contramão

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 87 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De onde vem o baião

DE ONDE VEM O BAIÃO


Gilberto Gil
1976

Debaixo do barro do chão da pista onde se dança


Suspira uma sustança sustentada por um sopro divino
Que sobe pelos pés da gente e de repente se lança
Pela sanfona afora até o coração do menino
Debaixo do barro do chão da pista onde se dança
É como se Deus irradiasse uma forte energia
Que sobe pelo chão
E se transforma em ondas de baião, xaxado e xote
Que balança a trança do cabelo da menina, e quanta alegria!
De onde é que vem o baião?
Vem debaixo do barro do chão
De onde é que vêm o xote e o xaxado?
Vêm debaixo do barro do chão
De onde vêm a esperança, a sustança espalhando
o verde dos teus olhos pela plantação?
Ô-ô
Vêm debaixo do barro do chão

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

De ouro e marfim

DE OURO E MARFIM
Gilberto Gil

1995

Aqui estamos reunidos


À beira-mar
Nesta noite de Ano Novo
Nesta festa de Iemanjá

Página 88 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pra prestar nossa homenagem


De coração
Ao patrono dessa ordem
Venerável da canção
Curumim da mata virgem
De ouro e marfim
Brasileiro de Almeida
Antonio Carlos Jobim
Ê, babá, ê, babá, ê
Antonio Carlos Jobim
Ê, babá, ê, babá, ê
Antonio Carlos Jobim
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Deixar você

DEIXAR VOCÊ
lGilberto Gil

1982

Deixar você
Ir
Não vai ser bom
Não vai ser
Bom pra você
Nem melhor pra mim
Pensar que é

Deixar de ver
E acabou
Vai acabar muito pior
Pra que mentir
E
Fingir que o horizonte
Termina ali defronte

Página 89 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E a ponte acaba aqui?


Vamos seguir
Reinventar o espaço
Juntos manter o passo
Não ter cansaço
Não crer no fim
O fim do amor
Oh, não
Alguma dor
Talvez sim
Que a luz nasce na escuridão
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Dinamarca

DINAMARCA
música Milton Nascimento / letra Gilberto Gil

Capitão do mar
Homem tão do mar
Do mar amar, como a um irmão
Capitão do mar
Homem tão do mar
Lembres que o mar também tem coração
Saudades, sim
O mar tem de ti
O mar triste e só
Depois do dia em que tu partistes, ó
Saudades, sim
o nórdico mar
Mar dinamarquês
Pede que venhas navegá-lo outra vez
Capitão do mar
Terás que vir uma vez mais
Nova embarcação,
Nova encarnação,
Nova canção, novo amor, novo cais

Página 90 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O mar e nós
Amigos fiéis
Amigos leais
Aqui a esperar teus novos sinais
O mar e nós
O norte, os confins
A barca, os canais
A Dinamarca e os seus carmins boreais
© Nascimento Edições / Gegê Produções Artísticas Ltda (América do Sul e Brasil) Preta Music
(resto do mundo)

Doce de carnaval (Candy All)

DOCE DE CARNAVAL (CANDY ALL)


Gilberto Gil

1998

A primeira vez que pai me trouxe


Pra que eu fosse batizado
Na religião pagã do carnaval
Eu pedi que mãe me desse um doce
Pra que o batizado fosse
Mais gostoso do que o batizado com sal
Eu tive uma febre aquele dia
De alegria, de euforia, de prazer de viver
E coisa e tal
Pai me trouxe, mãe me deu um doce
Fosse lá qual fosse o doce
Nunca, nunca, nunca mais fiquei normal
Nunca, nunca, nunca, nunca, nunca
Nunca mais perdi o gôsto do doce de carnaval
Nunca, nunca, nunca, nunca, nunca

Página 91 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Nunca mais perdi o bloco que desce do Candeal


Fui batizado com doce
Doce no lugar do sal
Papapai cedo me trouxe
Pra brincar o carnaval
Mamamãe me deu um doce
Doce com mel e etcetera
Com mel etcetera e tal
Ôôô
Ôôô
Ôôô
Do Candeal eu sou
Pro carnaval eu vou
© Gege - Gege Produções Artísticas LTDA

Doente Morena

DOENTE, MORENA
letra de Duda Machado
música de Gilberto Gil
1972

De manhã cedo ela sai


Leva a chave
Me deixa trancado
O dia inteiro
Não ligo
Deito sobre os trilhos
E vejo o trem passar
Entre brinquedos, cigarros
O Tesouro da Juventude
Em não sei quantos volumes
E quando canto
Deixo a imaginação voar
Mas ontem à noite

Página 92 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A mão sobre meus cabelos


Ela me disse:
"Meu bem, não tenha medo
No verão que vem
Nós vamos à praia"
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Do Japão

DO JAPÃO
Gilberto Gil

1988

Do Japão
Quero uma máquina de filmar sonhos
Pra registrar nas noites de verão
Meu corpo astral leve, feliz, risonho
Voando alto como um gavião
Que filme dentro de minha cabeça
Todo pensamento raro que eu mereça
Toda ilusão a cores que apareça
Toda beleza de sonhar em vão
Do Japão
Quero também um trem-bala-de-coco
Pra atravessar túneis do dissabor
Quero um microcomputador barroco
Que seja louco e desprograme a dor
Visitar um templo zen-desbundista
Conversar com um samurai futurista
Que me dê pistas sobre o sol-nascente
Que me oriente sobre o novo amor

Página 93 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Do Japão
Quero uma gueixa que em poucos minutos
Da minha queixa faça uma paixão
Descubra novos sentimentos brutos
E, enfeitiçada, tome um avião
E a gente vá viver num outro mundo
Pra lá do Terceiro ou Quarto ou Quinto Mundo
Onde a rainha seja uma açucena
E a divindade, a pena do pavão
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Domingo no parque

DOMINGO NO PARQUE
Gilberto Gil
1967
O rei da brincadeira - ê, José
O rei da confusão - ê, João
Um trabalhava na feira - ê, José
Outro na construção - ê, João
A semana passada, no fim da semana
João resolveu não brigar
No domingo de tarde saiu apressado
E não foi pra Ribeira jogar
Capoeira
Não foi pra lá pra Ribeira
Foi namorar
O José como sempre no fim da semana
Guardou a barraca e sumiu
Foi fazer no domingo um passeio no parque
Lá perto da Boca do Rio
Foi no parque que ele avistou
Juliana
Foi que ele viu
Juliana na roda com João
Uma rosa e um sorvete na mão
Juliana, seu sonho, uma ilusão
Juliana e o amigo João

Página 94 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O espinho da rosa feriu Zé


E o sorvete gelou seu coração
O sorvete e a rosa - ô, José
A rosa e o sorvete - ô, José
Oi, dançando no peito - ô, José
Do José brincalhão - ô, José
O sorvete e a rosa - ô, José
A rosa e o sorvete - ô, José
Oi, girando na mente - ô, José
Do José brincalhão - ô, José
Juliana girando - oi, girando
Oi, na roda gigante - oi, girando
Oi, na roda gigante - oi, girando
O amigo João - João
O sorvete é morango - é vermelho
Oi, girando, e a rosa - é vermelha
Oi, girando, girando - é vermelha
Oi, girando, girando - olha a faca!
Olha o sangue na mão - ê, José
Juliana no chão - ê, José
Outro corpo caído - ê, José
Seu amigo, João - ê, José
Amanhã não tem feira - ê, José
Não tem mais construção - ê, João
Não tem mais brincadeira - ê, José
Não tem mais confusão - ê, João
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Domingou

DOMINGOU
Letra de Torquato Neto
Música de Gilberto Gil
1967
Da janela a cidade se ilumina
Como nunca jamais se iluminou
São três horas da tarde, é domingo
Na cidade, no Cristo Redentor - ê, ê
É domingo no trolley que passa - ê, ê
É domingo na moça e na praça - ê, ê
É domingo, ê, ê, domingou, meu amor
Hoje é dia de feira, é domingo
Quanto custa hoje em dia o feijão
São três horas da tarde, é domingo
Em Ipanema e no meu coração - ê, ê

Página 95 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

É domingo no Vietnã - ê, ê
Na Austrália, em Itapuã - ê, ê
É domingo, ê, ê, domingou, meu amor
Quem tiver coração mais aflito
Quem quiser encontrar seu amor
Dê uma volta na praça do Lido
O-skindô, o-skindô, o-skindô-lelê
Quem quiser procurar residência
Quem está noivo e já pensa em casar
Pode olhar o jornal, paciência
Tra-lá-lá, tra-lá-lá, ê, ê
O jornal de manhã chega cedo
Mas não traz o que eu quero saber
As notícias que leio conheço
Já sabia antes mesmo de ler - ê, ê
Qual o filme que você quer ver - ê, ê
Que saudade, preciso esquecer - ê, ê
É domingo, ê, ê, domingou, meu amor
Olha a rua, meu bem, meu benzinho
Tanta gente que vai e que vem
São três horas da tarde, é domingo
Vamos dar um passeio também - ê, ê
O bondinho viaja tão lento - ê, ê
Olha o tempo passando, olha o tempo - ê, ê
É domingo, outra vez domingou, meu amor
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Dono do pedaço

DONO DO PEDAÇO
música de Gilberto Gil

letra de Antonio Cicero e Waly Salomão

1982

Sou um gato esperto


Não sou tatu, não
Não sou nem do mato
Quando eu ganho a rua
Eu ganho corpo
Nada eu acho chato

Página 96 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gingo, tiro chinfra


Dono do pedaço
Escrevo e driblo amor e dor
Soberano, traço
Quem eu quero, eu sei ser
Quadro, giz e apagador
Eu e meus amigos
Temos nesta vida
Poderosos aliados
Cor, calor, sabor da rua
E de repente
Um coração que eu já fiz
Que eu já fiz
Tão feliz

© Gegê Produções Artísticas Ltda e Warner / Chappell Edições Musicais Ltda.

Dos pés à cabeça

DOS PÉS À CABEÇA


Gilberto Gil
1974
Eu estou onde está meu corpo
Meu corpo, onde estão os meus pés
Meus pés, onde está o chão
Ou então
Onde a cabeça
Com seu pensar em vão
Eu estou onde tudo esteja
Ou seja
Onde quer que esteja em mim
O céu, o chão, o não, o sim
A vontade de Deus
O meu corpo todo, eu acho
Vale quanto pesa e sente

Página 97 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Como pensa e é imenso


Como deve ser o vôo
Da terra pra lua
E a noite da lua
E a imensa viagem do dia do sol
E a continuação da imensidão
Pelo corredor da enfermaria
Daquele lugar aonde eu ia
Visitar meu namorado internado
Dado por louco
Por pouco, pouco, muito pouco
Pouco mesmo
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Drão

DRÃO
Gilberto Gil

1981

Drão
O amor da gente é como um grão
Uma semente de ilusão
Tem que morrer pra germinar
Plantar nalgum lugar
Ressuscitar no chão
Nossa semeadura
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer!
Nossa caminhadura
Dura caminhada
Pela estrada escura
Drão
Não pense na separação

Página 98 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Não despedace o coração


O verdadeiro amor é vão
Estende-se, infinito
Imenso monolito
Nossa arquitetura
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer!
Nossa caminha dura
Cama de tatame
Pela vida afora
Drão
Os meninos são todos sãos
Os pecados são todos meus
Deus sabe a minha confissão
Não há o que perdoar
Por isso mesmo é que há
De haver mais compaixão
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer
Se o amor é como um grão!
Morrenasce, trigo
Vivemorre, pão
Drão
© Gegê Produções Artísticas Ltda

Duas sanfonas

Página 99 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

DUAS SANFONAS
música de Gilberto Gil
letra de Milton Nascimento

Meu destino, meu caminho


É tanta volta que dá
Que sem esforço, nem nada
Vou descobrindo o que há
Velhas notas, canções novas
Vão renascendo meninas
Vão renascendo meninos
pra garotada cantar
Quebram barreiras de idade
Juntam as vozes do povo
Trazem a felicidade
Haja alegria ou saudade
Dançam bem juntos, sozinhos
Vão espalhando carinho
Os sons são todos tão seus
Como um presente de Deus
Salve o som dessas sanfonas
Que pra essa vida empurrou
A mim e a meu companheiro
Que o destino juntou
© Gegê Produções Artísticas Ltda (América do Sul e Brasil) Preta Music (resto do mundo) /
Nascimento Edições

Duplo sentido

DUPLO SENTIDO
Gilberto Gil
1973

Dessa esquina pelo menos posso ver o movimento dos carros


Vim de casa porque estava insuportável pensar
Dessa esquina pelo menos posso perceber o duplo sentido
O duplo sentido do tráfego e não me incomodar
Dessa esquina pelo menos posso ver o movimento dos carros
Vim de casa porque estava insuportável falar
Por telefone (tão distante) com pessoas que eu não posso ver
Por telefone com pessoas que eu não posso pegar

Página 100 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Dessa esquina pelo menos posso perceber


O duplo sentido de tudo
Em todos que vão a diversos lugares
Primeiros, terceiros, oitavos andares
Vigésimos modos de andar
Dessa esquina pelo menos posso perceber
O duplo sentido de tudo
Na falta de unanimidade
Uns vêm pra cidade como eu
Outros voltam correndo pro lar
Vim de casa porque estava insuportável pensar
Na saudade, na saúde, na fé
Dessa esquina pelo menos posso ver como é
E não me incomodar
O duplo sentido na rua é tão claro
Não há que duvidar
O duplo sentido na rua é tão claro
O apito do guarda é que dá

© Gegê Produções Artísticas Ltda

É
Gilberto Gil
1977

A violência, a injustiça, a traição


Ainda podem perturbar meu coração
Mas já não podem abalar a minha fé
É
Pois eu sou e Deus é
E disso é que resulta toda a criação
É
É
A fome, o verme, a brutalidade boçal
Ainda causam mil tragédias por aí
O sonho de evitá-las é justo sonhar
É
Sonhar é natural
Mas é preciso menos falar, mais agir

Página 101 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

É
É
A impotência, o medo, a perda da razão
Ainda podem ser fantasmas para mim
Pra mim, pessoa: corpo, sensação, pensar
É
Não pra mim como ser
Que não tive começo e nunca terei fim
É
É

© Gege Produções

Ê povo, ê

Ê, POVO, Ê
Gilberto Gil

1975

Tão longe
A alegria estava então
Tão longe
O seu sorriso de verão
Eu sei
Quanto custou ter que esperar
Até
Seu precioso bom humor voltar
Ê, povo, ê, povo, ê
Desabafa o coração
Ê, povo, ê, povo, ê
Viver
É simplesmente um grande balão

Página 102 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Voar
Pro céu azul é a missão
Ê, povo, ê, povo, ê
Pelo amor de deus, cantar
Ê, povo, ê, povo, ê
Pelo bom humor, dançar
Ê, povo, ê, povo, ê
Pelo céu azul voar
Ê, povo, ê, povo, ê-ê
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Edyth Cooper

EDYTH COOPER
Gilberto Gil
1973

Asinhas de anjo barroco


Bochechas de anjo barroco
Nádegas de anjo barroco
Bugigangas, velhos pincéis
Cem mil réis de carne com osso
Cem mil réis de queijo de prato
Cem mil réis de filó barato
Gesso, cola, tintas, telões
Abstrações, visões coloridas
Cena do balé dos anões
No ateliê da louca varrida
Dando, rindo, lendo Camões
Representações de cenas proibidas
Obcenas obsessões
No ateliê da louca varrida
Vivendo, varrendo os salões
Edyth Cooper, Edyth Cooper
Edyth Cooper, vem me consolar
Edyth Cooper, Edyth Cooper

Página 103 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Faz minha vassoura voar


Edyth Cooper, Edyth Cooper
Os morcegos vão me chupar - será?
Edyth Cooper, Edyth Cooper
Sem você eu vou me borrar de tinta
Eu vou me pintar de gesso
Eu vou me engessar de cola
Eu vou descolar de medo

© Gege Produções

Ela

ELA
Gilberto Gil

1975

Ela
Eu vivo o tempo todo com ela
Ela
Eu vivo o tempo todo pra ela
Minha música
Musa única, mulher
Mãe dos meus filhos, ilhas de amor
Cada ilha, um farol
No mar da procela, ela
Ela
Ela que me faz um navegador
Sobretudo ela
Ela que me faz um navegador
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 104 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Elá, poeira

ELÁ, POEIRA
música de Gilberto Gil, Beto Saroldi, Celso Fonseca, Gerson Santos, Jorjão Barreto, Repolho, Rubão
Sabino e Wilson Meirelles

letra de Gilberto Gil

1983

Elá, poeira
Elá, poeira
Poeira, iaiá Maria
Poeira, que levantou
Por causa da ventania
Que o seu samba provocou
Você quando rodopia
É pior que um furacão
Ainda bem que vem da alegria
A poeira desse chão
Elá, poeira
Elá, poeira
Poeira, iaiá Maria
Leva um dia pra assentar
Por causa dessa magia
Que você deixa no ar
Você quando rodopia
É pior que um furacão
Ainda bem que é de alvenaria
Que é feito meu barracão
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Página 105 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ele e eu

ELE E EU
Gilberto Gil

1972

Ele vive calmo


E na hora do Porto da Barra fica elétrico
Eu vivo elétrico
E na hora do Porto da Barra fico calmo
Ele vive eletriconsumida, consumada ou mudamente
Bem mais calmo
Porque curte cada golpe do martelo
Na bigorna do destino
E na hora do Porto da Barra fica firme
Eu vivo calmargalarga, abertamente
Bem mais louco
Porque espero pelo beijo arrependido
Da serpente do começo
E na hora do Porto da Barra fico aflito
E na hora do Porto da Barra fico aflito
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Ele falava nisso todo dia

ELE FALAVA NISSO TODO DIA


Gilberto Gil
1967
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Ele falava nisso todo dia
Ele falava nisso todo dia

Página 106 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A herança, a segurança, a garantia


Pra mulher, para a filhinha, pra família
Falava nisso todo dia
Ele falava nisso todo dia
Ele falava nisso todo dia
O seguro da família, o futuro da família
O seguro, o futuro
Falava nisso todo dia
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Ele falava nisso todo dia
A incerteza, a pobreza, a má sorte
Quem sabe lá o que aconteceria?
A mulher, a filhinha, a família desamparada
Retrata a carreira frustrada de um homem de bem
Ele falava nisso todo dia
O seguro de vida, o pecúlio
Era preciso toda a garantia
Se a mulher chora o corpo do marido
O seguro de vida, o pecúlio
Darão a certeza do dever cumprido
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Ele falava nisso todo dia
Ele falava nisso todo dia
Se morresse ainda forte
Um bom seguro era uma sorte pra família
A loteria
Falava nisso todo dia
Era um rapaz de vinte e cinco anos
Era um rapaz de vinte e cinco anos
Hoje ele morreu atropelado
Em frente à companhia de seguro
Oh! que futuro!
Oh! Rapaz de vinte e cinco anos
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
Alaiá, alaiá, alaiaialeluia
© Gegê Produções Artísticas Ltd

Ensaio geral

ENSAIO GERAL
Gilberto Gil
1966

Página 107 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O Rancho do Novo Dia


O Cordão da Liberdade
E o Bloco da Mocidade
Vão sair no carnaval
É preciso ir à rua
Esperar pela passagem
É preciso ter coragem
E aplaudir o pessoal
O Rancho do Novo Dia
Vem com mais de mil pastoras
Todas elas detentoras
De um sorriso sem igual
O Cordão da Liberdade
Ensaiado com carinho
Pelo Zé Redemoinho
Pelo Chico Vendaval
Oh, que linda fantasia
Do Bloco da Mocidade
Colorida de ousadia
Costurada de amizade
Vai ser lindo ver o bloco
Desfilar pela cidade
Minha gente, vamos lá
Nossa turma vai sair
Nossa escola vai sambar
Vai cantar pra gente ouvir
Tá na hora, vamos lá
Carnaval é pra valer
Nossa turma é da verdade
E a verdade vai vencer
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Era nova

ERA NOVA
Gilberto Gil

1976

Falam tanto numa nova era


Quase esquecem do eterno é
Só você poder me ouvir agora
Já significa que dá pé

Página 108 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Novo tempo sempre se inaugura


A cada instante que você viver
O que foi já era, e não há era
Por mais nova que possa trazer de volta
O tempo que você perdeu, perdeu, não volta
Embora o mundo, o mundo, dê tanta volta
Embora olhar o mundo cause tanto medo
Ou talvez tanta revolta
A verdade sempre está na hora
Embora você pense que não é
Como seu cabelo cresce agora
Sem que você possa perceber
Os cabelos da eternidade
São mais longos que os tempos de agora
São mais longos que os tempos de outrora
São mais longos que os tempos da era nova
Da nova, nova, nova, nova, nova era
Da era, era, era, era, era nova
Da nova, nova, nova, nova, nova era
Da era, era, era, era, era nova
Que sempre esteve e está pra nascer
Falam tanto
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Esotérico

ESOTÉRICO
Gilberto Gil

Página 109 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

1976

Não adianta nem me abandonar


Porque mistério sempre há de pintar por aí
Pessoas até muito mais vão lhe amar
Até muito mais difíceis que eu pra você
Que eu, que dois, que dez, que dez milhões
Todos iguais
Até que nem tanto esotérico assim
Se eu sou algo incompreensível
Meu Deus é mais
Mistério sempre há de pintar por aí
Não adianta nem me abandonar
Nem ficar tão apaixonada, que nada!
Que não sabe nadar
Que morre afogada por mim
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Essa é pra tocar no rádio

ESSA É PRA TOCAR NO RÁDIO


Gilberto Gil

1973

Essa é pra tocar no rádio


Essa é pra tocar no rádio
Essa é pra vencer o tédio
Quando pintar
Essa é um santo remédio
Pro mau humor

Página 110 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Essa é pro chofer de táxi


Não cochilar
Essa é pro querido ouvinte
Do interior
Essa é pra tocar no rádio
Essa é pra tocar no rádio
Essa é pra sair de casa
Pra trabalhar
Essa é pro rapaz da loja
Transar melhor
Essa é pra depois do almoço
Moço do bar
Essa é pra moça dengosa
Fazer amor
Essa é pra tocar no rádio
Essa é pra tocar no rádio
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Está na cara, está na cura

ESTÁ NA CARA, ESTÁ NA CURA


Gilberto Gil
1974

Está na cara
Você não vê
Que a caretice está no medo
Você não vê
Está na cara
Você não vê
Que o medo está na medula
Você não vê
Está na cara

Página 111 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Você não vê
Que o segredo está na cura, está na cara
Está na cura desse medo
Quem tem cara tem medo
Quem tem medo tem cura
Essa história de medo é caretice pura
Vou brincar que ainda é cedo
Que o brinquedo está na cara
Está na cara, está na cara
Que o segredo está na cura do medo

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Estrela

ESTRELA
Gilberto Gil

1980

Há de surgir
Uma estrela no céu
Cada vez que ocê sorrir
Há de apagar
Uma estrela no céu
Cada vez que ocê chorar
O contrário também
Bem que pode acontecer
De uma estrela brilhar
Quando a lágrima cair
Ou então
De uma estrela cadente se jogar
Só pra ver

Página 112 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A flor do seu sorriso se abrir


Hum!
Deus fará
Absurdos
Contanto que a vida
Seja assim
Sim
Um altar
Onde a gente celebre
Tudo o que Ele consentir
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Eu e ela estávamos ali encostados na parede

EU E ELA ESTÁVAMOS ALI ENCOSTADOS NA PAREDE


Texto de José Agrippino de Paula

Musica de Gilberto Gil e Caetano Veloso

(sobre trecho do livro Panamerica, de José Agrippino de Paula)

1976

Eu e ela estávamos ali encostados na parede


Ela estava em silêncio e eu estava em silêncio
Eu sentia o corpo dela junto ao meu
Os dois seios, o ventre, as pernas e os seus braços me envolviam
Eu pensei que ela deveria sentir o calor que eu estava sentindo
Nós dois estávamos imóveis encostados na parede
Eu não me recordo quanto tempo
Mas nós estávamos abraçados
E encostados ali há muito tempo

Página 113 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu não me recordava se eram horas, dias, meses


Nós dois esquecemos naquele momento
Que nós dois pretendíamos a paz
Dentro da violência co mundo
E sem perceber a chegada da paz, nós dois estávamos
Alojados dentro dela
Nós não saímos da parede, e a paz nos encontrou
Subitamente
Não enviou nenhum sinal
E nós não procuramos a paz
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Eu te dei meu ané

EU TE DEI MEU ANÉ


Marlui Miranda e Gilberto Gil
1994
Você dizia que você me queria
Eu te dei meu ané
Eu te dei meu ané
Foi simbora o ané
Foi simbora o ané
Num aperto de mão
Ê Menina de ouro
Menina de prata
Menina de cobre
Menina de lata
Ê Menina direita
Menina suspeita
Menina tão cara
Menina barata
Ê
Você dizia que você me queria
Eu te dei meu ané
Eu te dei meu ané
Foi simbora o ané
Foi simbora o ané
Num aperto de mão

Página 114 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu quero andar ligeiro


Pegar o meu pandeiro
Eu quero o meu dinheiro
Eu quero ter de volta o meu ané
Ê Menina de ouro
Menina de prata
Menina de cobre
Menina de lata
Ê Menina, desgruda
Menina, se muda
Menina, desanda
Menina, desata
Ê
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Eu vim da Bahia

EU VIM DA BAHIA
Gilberto Gil

1965

Eu vim
Eu vim da Bahia cantar
Eu vim da Bahia contar
Tanta coisa bonita que tem
Na Bahia, que é meu lugar
Tem meu chão, tem meu céu, tem meu mar
A Bahia que vive pra dizer
Como é que se faz pra viver
Onde a gente não tem pra comer
Mas de fome não morre
Porque na Bahia tem mãe Iemanjá
De outro lado o Senhor do Bonfim
Que ajuda o baiano a viver

Página 115 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pra cantar, pra sambar pra valer


Pra morrer de alegria
Na festa de rua, no samba de roda
Na noite de lua, no canto do mar
Eu vim da Bahia
Mas eu volto pra lá
Eu vim da Bahia
Mas algum dia eu volto pra lá

© Editora Musical BMG Arabella LTDA.

Expresso 2222

EXPRESSO 2222
Gilberto Gil

1971

Começou a circular o Expresso 2222


Que parte direto de Bonsucesso pra depois
Começou a circular o Expresso 2222
Da Central do Brasil
Que parte direto de Bonsucesso
Pra depois do ano 2000
Dizem que tem muita gente de agora
Se adiantando, partindo pra lá
Pra 2001 e 2 e tempo afora
Até onde essa estrada do tempo vai dar
Do tempo vai dar
Do tempo vai dar, menina, do tempo vai
Segundo quem já andou no Expresso

Página 116 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Lá pelo ano 2000 fica a tal


Estação final do percurso-vida
Na terra-mãe concebida
De vento, de fogo, de água e sal
De água e sal
De água e sal
Ô, menina, de água e sal
Dizem que parece o bonde do morro
Do Corcovado daqui
Só que não se pega e entra e senta e anda
O trilho é feito um brilho que não tem fim
Oi, que não tem fim
Que não tem fim
Ô, menina, que não tem fim
Nunca se chega no Cristo concreto
De matéria ou qualquer coisa real
Depois de 2001 e 2 e tempo afora
O Cristo é como quem foi visto subindo ao céu
Subindo ao céu
Num véu de nuvem brilhante subindo ao céu
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Extra

EXTRA
Gilberto Gil

1983

Baixa

Página 117 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Santo Salvador
Baixa
Seja como for
Acha
Nossa direção
Flecha
Nosso coração
Puxa
Pelo nosso amor
Racha
Os muros da prisão
Extra
Resta uma ilusão
Extra
Resta uma ilusão
Extra
Abra-se cadabra-se a prisão
Baixa
Cristo ou Oxalá
Baixa
Santo ou orixá
Rocha
Chuva, laser, gás
Bicho
Planta, tanto faz
Brecha
Faça-se abrir

Página 118 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Deixa
Nossa dor fugir
Extra
Entra por favor
Extra
Entra por favor
Extra
Abra-se cadabra-se o temor
Eu, tu e todos no mundo
No fundo, tememos por nosso futuro
ET e todos os santos, valei-nos
Livrai-nos desse tempo escuro
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Extra II (O rock do segurança )

EXTRA 2 (O ROCK DO SEGURANÇA)


Gilberto Gil

1984

O segurança me pediu o crachá


Eu disse: "Nada de crachá, meu chapa
Eu sou um escrachado, um extra achado
Num galpão abandonado, nada de crachá
"Sei que o senhor é pago pra suspeitar
Mas eu estou acima de qualquer suspeita
Em meu planeta, todo povo me respeita
Sou tratado assim como um paxá

Página 119 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

"Essa aparência
De um mero vagabundo é mera coincidência
Deve-se ao fato
De eu ter vindo ao seu mundo com a incumbência
De andar a terra
Saber por que o amor, saber por que a guerra
Olhar a cara
Da pessoa comum e da pessoa rara
"Um dia rico, um dia pobre, um dia no poder
Um dia chanceler, um dia sem comer
Coincidiu de hoje ser meu dia de mendigo
Meu amigo, se eu quisesse, eu entraria sem você me ver"
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Febril

FEBRIL
Gilberto Gil

1984

Veio gente me pedir uma esmola


Veio gente reclamar uma escola
Veio gente me aplaudir
Veio gente vaiar
Veio gente dormir nas cadeiras
Veio gente admirar meu talento
Veio gente adivinhar meu tormento
Veio gente me xingar
Veio gente me amar

Página 120 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Veio gente disposta a se matar por mim


E eu cantava aquela música, aquela música
Alucinação
Como se eu fosse um punhado de gente
E aquela gente ali, não
Como se o salão repleto fosse um deserto
E eu fosse mil
Mil troncos de árvores velhas
Árvores velhas de pau-brasil
Tanta gente, e estava tudo vazio
Tanta gente, e o meu cantar tão sozinho
Todo mundo, mundo meu
Meu inferno, meu céu
Meu vizinho

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Feliz por um triz

FELIZ POR UM TRIZ


Gilberto Gil

1984

Sou feliz por um triz


Por um triz sou feliz
Mal escapo à fome
Mal escapo aos tiros
Mal escapo aos homens
Mal escapo ao vírus

Página 121 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Passam raspando
Tirando até meu verniz
O fato é que eu me viro mais que picolé
Em boca de banguelo
Por pouco, mas eu sempre tiro o dedo - é
Na hora da porrada do martelo
E sempre fica tudo azul, mesmo depois
Do medo me deixar verde-amarelo
Liga-se a luz do abajur lilás
Mesmo que por um fio de cabelo
Sou feliz por um triz
Por um triz sou feliz
Eu já me acostumei com a chaminé bem quente
Do Expresso do Ocidente
Seguro que eu me safo até muito bem
Andando pendurado nesse trem
As luzes da cidade-mocidade vão
Guiando por aí meu coração
Chama-se o Aladim da lâmpada neon
E de repente fica tudo bom
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Filhos de Gandhi

FILHOS DE GANDHI
Gilberto Gil

1973

Omolu, Ogum, Oxum, Oxumaré


Todo o pessoal

Página 122 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Manda descer pra ver


Filhos de Gandhi
Iansã, Iemanjá, chama Xangô
Oxossi também
Manda descer pra ver
Filhos de Gandhi
Mercador, Cavaleiro de Bagdá
Oh, Filhos de Obá
Manda descer pra ver
Filhos de Gandhi
Senhor do Bonfim, faz um favor pra mim
Chama o pessoal
Manda descer pra ver
Filhos de Gandhi
Oh, meu Deus do céu, na terra é carnaval
Chama o pessoal
Manda descer pra ver
Filhos de Gandhi
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Flora

FLORA
Gilberto Gil

1979

Imagino-te já idosa
Frondosa toda a folhagem

Página 123 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Multiplicada a ramagem
De agora
Tendo tudo transcorrido
Flores e frutos da imagem
Com que faço essa viagem
Pelo reino do teu nome
Ó, Flora
Imagino-te jaqueira
Postada à beira da estrada
Velha, forte, farta, bela
Senhora
Pelo chão, muitos caroços
Como que restos dos nossos
Próprios sonhos devorados
Pelo pássaro da aurora
Ó, Flora
Imagino-te futura
Ainda mais linda, madura
Pura no sabor de amor e
De amora
Toda aquela luz acesa
Na doçura e na beleza
Terei sono, com certeza
Debaixo da tua sombra
Ó, Flora

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 124 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Fogo líquido

FOGO LÍQUIDO
Gilberto Gil

1996

O fogo tem
A mania de queimar
O que é bom e o ruim
Meu fogo vem
Do meu modo de esfregar
Todas as partes de mim
Seja paixão
Seja o que você quiser
Meu fogo existencial
É a combustão
Da razão do meu viver
Na chama do irracional
O coração
Risca o fósforo do ardor
E a dor, e a dor se inflama voraz
Consumição
Numa fogueira de amor De galhos secos da paz
Bem mais pra lá
Do distante azul do céu
Na escuridão total
Se encontrará
Meu destino junto ao seu

Página 125 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Nas mãos de Deus, afinal


© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Frevo rasgado

FREVO RASGADO
Música e letra de Gilberto Gil
Música de Bruno Ferreira
1967
Foi quando topei com você
Que a coisa virou confusão
No salão
Porque parei, procurei
Não encontrei
Nem mais um sinal de emoção
Em seu olhar
Aí eu me desesperei
E a coisa virou confusão
No salão
Porque lembrei
Do seu sorriso aberto
Que era tão perto, que era tão perto
Em um carnaval que passou
Porque lembrei
Que esse frevo rasgado
Foi naquele tempo passado
O frevo que você gostou
E dançou e pulou
Foi quando topei com você
Que a coisa virou confusão
No salão
Porque parei, procurei
Não encontrei
Nem mais um sinal de emoção
Em seu olhar
A coisa virou confusão
Sem briga, sem nada demais
No salão
Porque a bagunça que eu fiz, machucado
Bagunça que eu fiz tão calado
Foi dentro do meu coração
Porque a bagunça que eu fiz, machucado
Bagunça que eu fiz tão calado
Foi dentro do meu coração

Página 126 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Musiclave Editora Musical L

Funk-se quem puder


FUNK-SE QUEM PUDER
Gilberto Gil

1983

Funk-se quem puder


É imperativo dançar
Sentir o ímpeto
Jogar as nádegas
Na degustação do ritmo
Funk-se quem puder
É imperativo tocar
Fogo nas vértebras
Fogo nos músculos
Música em todos os átomos
A nossa atlântica e atlética
Romântica e poética
República da música
Conclama os físicos, místicos
Bárbaros, pacíficos
Índios e caras-pálidas
Nossos exércitos, políticos
Poder eclesiástico
E o comitê do carnaval
É hora de salvar a pélvis
Soltá-la, libertá-la
Agitá-la como o Elvis

Página 127 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Grande guerreiro e mártir


Da nação do rock'n'roll
Funk-se quem puder
Se é hora da barca virar
Não entre em pânico
Jogue-se rápido
Nade de volta à mãe África
Funk-se quem puder
Se é tudo que resta a fazer
Não perca o ânimo
Chegue mais próximo
Sambe e roque-role o máximo
Na degustação do ritmo
Música em todos os átomos
Nade de volta à mãe África
Sambe e roque-role o máximo

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Futurível

FUTURÍVEL
Gilberto Gil

1969

Você foi chamado, vai ser transmutado em energia


Seu segundo estágio de humanóide hoje se inicia
Fique calmo, vamos começar a transmissão

Página 128 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Meu sistema vai mudar


Sua dimensão
Seu corpo vai se transformar
Num raio, vai se transportar
No espaço, vai se recompor
Muitos anos-luz além
Além daqui
A nova coesão
Lhe dará de novo um coração mortal
Pode ser que o novo movimento lhe pareça estranho
Seus olhos talvez sejam de cobre, seus braços de estanho
Não se preocupe, meu sistema manterá
A consciência do ser
Você pensará
Seu corpo será mais brilhante
A mente, mais inteligente
Tudo em superdimensão
O mutante é mais feliz
Feliz porque
Na nova mutação
A felicidade é feita de metal
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Ganga Zumba (O poder da buginganga)

GANGA ZUMBA (O PODER DA BUGIGANGA)


Gilberto Gil (música) &Waly Salomão (letra)

(para o filme Quilombo, de Carlos Diegues) 1983

Página 129 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Toca atabaque, reboa zabumba


Repica, repica, repica agogô
Tumba Lelê, beber aluá
Se lambuzar na tigela daquele amalá
Toda Palmares recorda da primeira vez
Ganga Zumba dançou alujá
Toda cantiga trovoa, seu eco ecoa
Na voz da Serra da Barriga
Vem, Acotirene, dona do segredo
Ialorixá que chama Ganga Zumba
Lhe oferece o trono da fartura
Toda a formosura e o poder da bugiganga
Fontes e mais fontes
Potes e mais potes
O céu na terra é Aruanda
É assim Palmares
Palmas pelos ares
Cante e dance e abra a roda
Acaiúba, Namba, Canindé
Ana de Ferro, mulher-dama linda da Holanda
Ganga Zumba reina, nunca teve medo
Seu segredo está no raio da justiça
Nunca é permitido mentir
Sempre abençoado o amor
Desejo doido, beber otim
Festejo d'Oxum, d'Obá, d'Oiá

Todo vaso quebra


Toda bugiganga se espedaça
Toda graça lhe abandona
Ganga Zumba desce da montanha
Com veneno na entranha
Acaba a sua zanga Ganga Zumba morre
E a lenda corre
Pelo reino de Aruanda
Nunca é permitido esquecer
Sempre dá no jogo de Ifá
Qual o rei que vai suceder
Salve o reino d'Aruanda
© Gege Produções Artísticas LTDA e EMI Songs do Brasil Edições Musicais LTDA.

Página 130 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Geléia geral

GELÉIA GERAL
Letra de Torquato Neto
Música de Gilberto Gil
1968
Um poeta desfolha a bandeira
E a manhã tropical se inicia
Resplandente, cadente, fagueira
Num calor girassol com alegria
Na geléia geral brasileira
Que o Jornal do Brasil anuncia
Ê, bumba-yê-yê-boi
Ano que vem, mês que foi
Ê, bumba-yê-yê-yê
É a mesma dança, meu boi
A alegria é a prova dos nove
E a tristeza é teu porto seguro
Minha terra é onde o sol é mais limpo
E Mangueira é onde o samba é mais puro
Tumbadora na selva-selvagem
Pindorama, país do futuro
Ê, bumba-yê-yê-boi
Ano que vem, mês que foi
Ê, bumba-yê-yê-yê
É a mesma dança, meu boi
É a mesma dança na sala
No Canecão, na TV
E quem não dança não fala
Assiste a tudo e se cala
Não vê no meio da sala
As relíquias do Brasil:
Doce mulata malvada
Um LP de Sinatra
Maracujá, mês de abril
Santo barroco baiano
Superpoder de paisano
Formiplac e céu de anil
Três destaques da Portela
Carne-seca na janela
Alguém que chora por mim
Um carnaval de verdade
Hospitaleira amizade
Brutalidade jardim

Página 131 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ê, bumba-yê-yê-boi
Ano que vem, mês que foi
Ê, bumba-yê-yê-yê
É a mesma dança, meu boi
Plurialva, contente e brejeira
Miss linda Brasil diz "bom dia"
E outra moça também, Carolina
Da janela examina a folia
Salve o lindo pendão dos seus olhos
E a saúde que o olhar irradia
Ê, bumba-yê-yê-boi
Ano que vem, mês que foi
Ê, bumba-yê-yê-yê
É a mesma dança, meu boi
Um poeta desfolha a bandeira
E eu me sinto melhor colorido
Pego um jato, viajo, arrebento
Com o roteiro do sexto sentido
Voz do morro, pilão de concreto
Tropicália, bananas ao vento
Ê, bumba-yê-yê-boi
Ano que vem, mês que foi
Ê, bumba-yê-yê-yê
É a mesma dança, meu boi
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Goodbye my girl

GOODBYE, MY GIRL
(No Norte da Saudade, de Gilberto Gil,

Moacir Albuquerque e Perinho Santana)

versão de Gilberto Gil

(1979)

Keep on sleeping, girl, itís dawning


Iíll be leaving soon
When you wake up in the morning
I wonít be with you
Good-bye

Página 132 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Please, donít cry


We should try
To get together one more time
So catch a train and you can make the next town
To see the show
I will be singing one more time
And yours will be the only face in the front row
Good-bye, my girl
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Graça divina

GRAÇA DIVINA
Gilberto Gil

1996

Graça divina no dom que a retina tem


De reter a cor
Graça divina no dom que a aspirina tem
De aspirar a dor
A eficácia da graça divina tem
Um pé na farmácia outro no amor
Graça divina no som da buzina diz:
Cuidado, atenção!
Graça divina no olhar da menina diz:
Paz no coração
A voz humana da graça divina diz:
Dou graças pelas coisas que são
São Matheus, Mata de São João

Página 133 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Madredeus, Vitória de Santo Antão


Mata a saudade, quem há de me dar o prazer
Me levar pro sertão!?
Graça divina na vina, no violão
Toda música
Graça divina no tato, na sensação
Toda física
A proteína da graça divina não
Não está na doutrina mas na meditação
Graça divina que a raça bovina dê leite e muito mais
Graça divina que a moça da esquina crê
Que seja um rapaz
Se apaixonando e casando com ela lá
No altar da capela de São Brás
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Guerra santa

GUERRA SANTA
Gilberto Gil

1995

Ele diz que tem, que tem como abrir o portão do céu
Ele promete a salvação
Ele chuta a imagem da santa, fica louco-pinel
Mas não rasga dinheiro, não
Ele diz que faz, que faz tudo isso em nome de Deus
Como um Papa da Inquisição
Nem se lembra do horror da Noite de São Bartolomeu

Página 134 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Não, não lembra de nada não


Não lembra de nada, é louco
Mas não rasga dinheiro
Promete a mansão no paraíso
Contanto que você pague primeiro
Que você primeiro pague o dinheiro
Dê sua doação, e entre no céu
Levado pelo bom ladrão
Ele pensa que faz do amor sua profissão de fé
Só que faz da fé profissão
Aliás em matéria de vender paz, amor e axé
Ele não está sozinho não
Eu até compreendo os salvadores profissionais
Sua feira de ilusões
Só que o bom barraqueiro que quer vender seu peixe em paz
Deixa o outro vender limões
Um vende limões, o outro
Vende o peixe que quer
O nome de Deus pode ser Oxalá
Jeová, Tupã, Jesus, Maomé
Maomé, Jesus, Tupã, Jeová
Oxalá e tantos mais
Sons diferentes, sim, para sonhos iguais
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Haiti

HAITI

Página 135 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

letra de Caetano Veloso

música de Gilberto Gil e Caetano Veloso

1993

Quando você for convidado pra subir no adro da


Fundação Casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos
E outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se olhos do mundo inteiro possam
estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque, um batuque com a pureza de
meninos uniformizados
De escola secundária em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada
Nem o traço do sobrado, nem a lente do Fantástico
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém
Ninguém é cidadão

Página 136 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Se você for ver a festa do Pelô


E se você não for
Pense no Haiti
Reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
E na TV se você vir um deputado em pânico
Mal dissimulado
Diante de qualquer, mas qualquer mesmo
Qualquer qualquer
Plano de educação
Que pareça fácil
Que pareça fácil e rápido
E vá representar uma ameaça de democratização
do ensino de primeiro grau
E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital
E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto
E nenhum no marginal
E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual
Notar um homem mijando na esquina da rua
sobre um saco brilhante de lixo do Leblon
E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo diante da chacina
111 presos indefesos
Mas presos são quase todos pretos
Ou quase pretos
Ou quase brancos quase pretos de tão pobres
E pobres são como podres

Página 137 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E todos sabem como se tratam os pretos


E quando você for dar uma volta no Caribe
E quando for trepar sem camisinha
E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba
Pense no Haiti
Reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
© Gege Produções Artísticas LTDA e Uns Produções Artísticas LTDA - Natasha Produções e Discos
LTDA.

Here and now

HERE AND NOW


(Aqui e Agora, de Gilberto Gil)

versão de Gilberto Gil

(1979)

Here and now, I still can find I belong


Here and now
Here and now, I still can sing out a song
Here and now
Here and now, I guess I know how
To feel as good with or without
Either high up, either low down
It’s all to forget and get out
Here and now, I guess I do fine
Surviving the floods of despair
Where it’s wet, and yet is sunshine
Where it’s at, and yet is nowhere

Página 138 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Here and now, I still can find I belong


Here and now
Here and now, I still can sing out a song
Here and now
Here and now, to rest in my nest
Here and now, the taste is so good
Here and now, to give up my past
Here and now, as fast as I could
Here and now, I guess I know how
Remote and secret that could be
The time when a man can lay down
And the place where he can run free
Here and now, I still can find I belong
Here and now
Here and now, I still can sing out a song
Here and now

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

I just called to say I love You Stevie Wonder (Vrs. Só chamei porque te amo - Gilberto
Gil)

SÓ CHAMEI PORQUE TE AMO


(I Just Called to Say I Love You, de Stevie Wonder)

Versão de Gilberto Gil

1985

Não é natal
Nem ano bom

Página 139 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Nenhum sinal no céu


Nenhum Armagedom
Nenhuma data especial
Nenhum ET brincando aqui no meu quintal
Nada de mais, nada de mal
Ninguém comigo além da solidão
Nem mesmo um verso original
Pra te dizer e começar uma canção
Só chamei porque te amo
Só chamei porque é grande a paixão
Só chamei porque te amo
Lá bem fundo, fundo do meu coração
Nem carnaval
Nem São João
Nenhum balão no céu
Nem luar do sertão
Nenhuma foto no jornal
Nenhuma nota na coluna social
Nenhuma múmia se mexeu
Nenhum milagre na ciência aconteceu
Nenhum motivo, nem razão
Quando a saudade vem não tem explicação
Só chamei porque te amo
Só chamei porque é grande a paixão
Só chamei porque te amo
Lá bem fundo, fundo do meu coração
© Black Bull Music Inc./ Jobete Music Corp./ EMI Entertainment World Inc.

Página 140 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

sub-editora: EMI Songs do Brasil Edições Musicais LTDA.

Iansã

IANSÃ
letra de Caetano Veloso
música de Gilberto Gil
1972

Senhora das nuvens de chumbo


Senhora do mundo
Dentro de mim
Rainha dos raios
Rainha dos raios
Rainha dos raios
Tempo bom, tempo ruim
Senhora das chuvas de junho
Senhora de tudo
Dentro de mim
Rainha dos raios
Rainha dos raios
Rainha dos raios
Tempo bom, tempo ruim
Eu sou um céu
Para as tuas tempestades
Um céu partido ao meio no meio da tarde
Eu sou um céu
Para as tuas tempestades
Deusa pagã dos relâmpagos
Das chuvas de todo ano
Dentro de mim
Rainha dos raios
Rainha dos raios
Rainha dos raios
Tempo bom, tempo ruim

© Gapa (Warner Chappell) / Gegê Produções Arts. Ltda

Indigo Blue

ÍNDIGO BLUE

Página 141 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil

1984

Índigo blue, índigo blue


Índigo blusão
Índigo blue, índigo blue
Índigo blusão
Sob o blusão, sob a blusa
Nas encostas lisas do monte do peito
Dedos alegres e afoitos
Se apressam em busca do pico do peito
De onde os efeitos gozosos
Das ondas de prazer se propagarão
Por toda essa terra amiga
Desde a serra da barriga
Às grutas do coração
Índigo blue, índigo blue
Índigo blusão
Índigo blue, índigo blue
Índigo blusão
Sob o blusão e a camisa
Os músculos másculos dizem respeito
A quem por direito carrega
Essa Terra nos ombros com todo o respeito
E a deposita a cada dia
Num leito de nuvens suspenso no céu
Tornando-se seu abrigo
Seu guardião, seu amigo

Página 142 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Seu amante fiel

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Jeca total

JECA TOTAL
Gilberto Gil

1975

Jeca Total deve ser Jeca Tatu


Presente, passado
Representante da gente no senado
Em plena sessão
Defendendo um projeto
Que eleva o teto
Salarial no sertão
Jeca Total deve ser Jeca Tatu
Doente curado
Representante da gente na sala
Defronte da televisão
Assistindo Gabriela
Viver tantas cores
Dores da emancipação
Jeca Total deve ser Jeca Tatu
Um ente querido
Representante da gente no olimpo
Da imaginação
Imaginacionando o que seria a criação

Página 143 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De um ditado
Dito popular
Mito da mitologia brasileira
Jeca Total
Jeca Total deve ser Jeca Tatu
Um tempo perdido
Interessante a maneira do tempo
Ter perdição
Quer dizer, se perder no correr
Decorrer da história
Glória, decadência, memória
Era de Aquarius
Ou mera ilusão
Jeca Total deve ser Jeca Tatu
Jorge Salomão
Jeca Total Jeca Tatu Jeca Total Jeca Tatu
Jeca Tatu Jeca Total Jeca Tatu Jeca Total

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

João Sabino

JOÃO SABINO
Gilberto Gil

1974

Tava comendo banana pro santo


Pra quem?
Pro santo

Página 144 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pra quem?
Pro santo
Pra quem?
Pro santo espírito senhor
Pai do filho do Espírito Santo
Senhor pai do filho do Espírito Santo
Senhor pai de quem?
Pai do filho do Espírito Santo
Senhor pai de quem?
Pai do filho do Espírito Santo
Filho do Espírito Santo
Filho de uma localidade de lá
Nessa localidade de lá
Uma abertura de si
Uma embocadura pra dó
Sustenindo uma passagem pra ré
Mi bemol
Já traz o som, o eco
A claridade
Ainda um pouco abaixo do horizonte
Atrás do monte
De mi pra fá
Sustenindo, suspendendo
Sustentando, ajudando o sol
Nascer
Aqui na terra
Atrás da serra

Página 145 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Cachoeiro do Itapemirim
O sol nascer
João Sabino, eu imagino
Quando era menino, via assim
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Jubiabá

JUBIABÁ
Gilberto Gil

(para o filme Jubiabá, de Nelson Pereira dos Santos)

1986

Negro Balduíno, belo negro baldo


Filho malcriado de uma velha tia
Via com seus olhos de menino esperto
Luzes onde luzes não havia
Cresce, vira um forte, evita a morte breve
Leve, gira o pé na capoeira, luta
Bruta como a pedra, sua vida inteira
Cheira a manga-espada e maresia
Tinha a guia que lhe deu Jubiabá
Que lhe deu Jubiabá
A guia
Trava com o destino uma batalha cega
Pega da navalha e retalha a barriga
Fofa, tão inchada e cheia de lombriga
Da monstra miséria da Bahia
Leva uma trombada do amor cigano

Página 146 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Entra pelo cano do esgoto e pula


Chula na quadrilha da festa junina
Todo santo de vida vadia
Tinha a guia que lhe deu Jubiabá
Que lhe deu Jubiabá
A guia
Alva como algodão e tão macia
Como algo bom pra lhe estancar o sangue
Como álcool pra desinfetar-lhe o corte
Como cura para a hemorragia
Moça Lindinalva, morta, vira fardo
Carga para os ombros, suor para o rosto
Luta no labor, novo sabor, labuta
Feito a mão e não mais por magia
Tinha a guia que lhe deu Jubiabá
Que lhe deu Jubiabá
A guia
Negro Balduíno, belo negro baldo
Saldo de uma conta da história crua
Rua, pé descalço, liberdade nua
Um rei para o reino da alegria
Tinha a guia que lhe deu Jubiabá
Que lhe deu Jubiabá
A guia

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 147 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Jurubeba
JURUBEBA
Gilberto Gil

1974

Juru juru juru juru juru jurubeba


Beba beba beba beba beba beba juru
Jurubeba
Licor licor licor licor licor de jurubeba
Beba chá de juru, beba chá de jurubeba
Oba, bicharada viva, pé de jurubeba
Jurubeba
Canta, passarada linda, flor de jurubeba
Quem procura acha cura, flor de jurubeba
Quem procura acha na raiz de jurubeba
Tudo que é de bom pro figueredo e que se beba
Feito vinho, feito chá
De licor, de infusão
Jurubeba, jurubeba, planta nobre do sertão

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Kaô

KAÔ
música de Rodolfo Stroeter
letra de Gilberto Gil
1994
Kaô
Obá obá obá obá obá
Obá obá obá obá obá

Página 148 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Obá obá obá obá


Xangô baobá obá Xangô
Kaô
Kabieci lê
Kabieci lê
Kabieci lê
Kabieci lê
Kaô kaô kaô
Baobá
Obá obá obá obá Xangô
Obá obá obá obá obá Xangô
Obá obá obá obá Xangô
Obá obá obá obá obá

© Gege Produções Artísticas LTDA.

La lune de Gorée

LA LUNE DE GORÉE
Gilberto Gil & J.C.Capinan

1995

La lune qui se lève


Sur l’île de Gorée
C’est la même lune qui
Sur tout le monde se lève
Mais la lune de Gorée
A une couleur profonde
Qui n’existe pas du tout
Dans d’autres parts du monde
C’est la lune des esclaves
La lune de la douleur
Et la peau qui se trouve
Sur les corps de Gorée
C’est la même peau qui couvre

Página 149 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Tous les hommes du monde


Mais la peau des esclaves
A une douleur profonde
Qui n’existe pas du tout
Chez des autres hommes du monde
C’est la peau des esclaves
Un drapeau de Liberté
© Gege Produções & Capinan

Ladeira da Preguiça

LADEIRA DA PREGUIÇA
Gilberto Gil
1971

Essa ladeira
Que ladeira é essa?
Essa é a Ladeira da Preguiça
Preguiça que eu tive sempre
De escrever para a família
E de mandar contar pra casa
Que esse mundo é uma maravilha
E pra saber se a menina já conta as estrelas
E sabe a segunda cartilha
E pra saber se o menino já canta cantigas
E já não bota mais a mão na barguilha
E pra falar do mundo, falar uma besteira
Formenteira é uma ilha
Onde se chega de barco, mãe
Que nem lá
Na Ilha do Medo
Que nem lá
Na Ilha do Frade
Que nem lá
Na Ilha de Maré
Que nem lá
Salina das Margaridas

Página 150 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Essa ladeira
Que ladeira é essa?
Essa é a Ladeira da Preguiça
Ela não é de hoje
Ela é desde quando
Se amarrava cachorro com linguiça
© Gegê Produções Arts. Ltda.

Lady Neyde

LADY NEYDE
letra de Antonio Risério

música de Gilberto Gil

1983

Lady Neyde
Pivete dengosa
Candeia de azeite
Escurinha gostosa
Pandeiro de pele de gata
É chinfra de malê, iaô
Persona muitíssimo grata
Convido-te para um melô
Chispa da Rua do Fogo
E vai me ver no meu barracão
Lá na Ladeira do Caminho Novo
Bate o tambor do meu coração
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Lamento de carnaval

Página 151 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

LAMENTO DE CARNAVAL
Gilberto Gil

1998

Para muitos é um pecado, ô, ô, ô


Que od imposto que pagamos ao estado
E do lucro que damos ao mercado
Um pedaço seja destinado ao carnaval
Para outros no entanto, ô, ô, ô
Da magia do tambor, da cor do canto
É que vem o calor que seca o pranto
Em seus olhos já cansados de ver tanto mal
Hoje é dia de folia
Hoje eu canto pra esquecer
Que a escola do bairro está sem professor
Amanhã depois da festa
A cidade que protesta
Entrará pela fresta da porta do corredor
Não adianta fugir
Não adianta fugir, seu doutor
Não adianta trancar a porta
Não adianta fugir, seu doutor
Para alguém neste momento, ô, ô, ô
Sua condição de dor e sofrimento
Deve ser cimentada com o cimento
Do rancor, do desespêro, da exasperação
Para um outro, o lamento, ô, ô, ô
Da triste canção levada pelo vento

Página 152 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pode ser uma luz no firmamento


Uma noite estrelada em seu coração!
© Gege Produções Artísticas LTDA

Lamento sertanejo

LAMENTO SERTANEJO
música de Dominguinhos

letra de Gilberto Gil

1973

Por ser de lá do sertão


Lá do serrado
Lá do interior, do mato
Da catinga, do roçado
Eu quase não saio
Eu quase não tenho amigo
Eu quase que não consigo
Ficar na cidade sem viver contrariado
Por ser de lá
Na certa, por isso mesmo
Não gosto de cama mole
Não sei comer sem torresmo
Eu quase não falo
Eu quase não sei de nada
Sou como rês desgarrada
Nessa multidão boiada
Caminhando a esmo

Página 153 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Lar hospitalar

LAR HOSPITALAR
música Milton Nascimento / letra Gilberto Gil

Eu que empunho armas feitas de poesia e som


Eu que testemunho dramas da canção fugaz
Eu que experimento o quanto a fantasia é bom
Alimento para a paz
E eu mesmo agora, tenho que lhe ouvir gritar
Aos berros que a vida é pura maldição
Que o mundo é feito só para os eleitos
Que houve sempre fraude na tal da eleição
Portanto, só queimando tudo
Só matando meio mundo
Só pondo a outra metade no poder
Você no comando, sempre vigiando
Pra ninguém se corromper
Finda a banda podre, linda a banda nobre
Sobe a velha rampa e altiva vem reinar
Com imunidades contra o vírus da maldade,
Com certeza, com pureza, com limpeza
Hospitalar, hospitalar, no seu lar hospitalar
Lar, hospitalar
Eu que moror onde o pecado mora ao lado
E me visita sempre no verão
Eu que já fui preso por porte de baseado
É basedo nisso que eu lhe digo não, não, não
Não vou fazer seu coro, seu sermão
A não ser que você possa instalar
O chip da ignorância em minha cuca
A não ser que você consiga me reprogramar
Reprogramar, me reprogramar, reprogramar
© Nascimento Edições / Gege (América do Sul e Brasil) Preta Music (resto do mundo)

Lente do amor

Página 154 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

LENTE DO AMOR
Gilberto Gil

1980

Pela lente do amor


Uma grande angular
Vejo ao lado, acima e atrás
Pela lente do amor
Sou capaz de enxergar
Toda moça em todo rapaz
Pela lente do amor
Vejo tudo crescer
Vejo a vida mil vezes melhor
Pela lente do amor
Até vejo você
Numa estrela da Ursa Maior
Abrir o ângulo, fechar o foco sobre a vida
Transcender, pela lente do amor
Sair do cético, encontrar um beco sem saída
Transcender, pela lente do amor
Do amor
Pela lente do amor
Pela lente do amor
Pela lente do amor
Sou capaz de entender
Os detalhes da alma de alguém
Pela lente do amor
Vejo a flor me dizer

Página 155 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Que ainda posso enxergar mais além


Pela lente do amor
Vejo a cor do prazer
Vejo a dor com a cara que tem
Pela lente do amor
Vejo o barco correr
Pelas águas do mal e do bem
Mostrar ao médico, encarar, curar sua ferida
Transcender, pela lente do amor
Cantar o mântrico, pagar o cármico na lida
Transcender, pela lente do amor
Do amor
Pela lente do amor
Pela lente do amor
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Lindonéia

LINDONÉIA
Letra de Caetano Veloso
Música de Gilberto Gil
1968
Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecida
Despedaçados
Atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor

Página 156 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Lindonéia, cor parda


Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo
Segunda-feira
Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor
No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida
© Gege Produções

Logos versus logo

LOGOS VERSUS LOGO


Gilberto Gil

1985

Trocar o logos da posteridade


Pelo logo da prosperidade
Celebra-se, poeta que se é
Durante um tempo a idéia radical
De tudo importar, se para o supremo ser
De nada importar, se para o homem mortal
Abarrotam-se os cofres do saber
Um saber que se torne capital
Um capital que faça o futuro render
Os juros da condição de imortal
(Mas a morte é certa!)

Página 157 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Trocar o logos da posteridade


Pelo logo da prosperidade
E assim por muito tempo busca-se
O cuidadoso esculpir da estátua
Que possa atravessar os séculos intacta
Tornar perpétua a lembrança do poeta
Mas chega-se ao cruzamento da vida
O ser pra um lado, pra outro lado o mundo
Sujeita-se o poeta à servidão da lida
Quando a voz da razão fala mais fundo
E essa voz comanda:
Trocar o logos da posteridade
Pelo logo da prosperidade
E o bom poeta, sólido afinal
Apossa-se da foice ou do martelo
Para investir do aqui e agora o capital
No produzir real de um mundo justo e belo
Celebra assim, mortal que já se crê
O afazer como bem ritual
Cessar da obsessão pelo supremo ser
Nascer do prazer pelo social
E o poeta grita:
Trocar o logos da posteridade
Pelo logo da prosperidade
Eis o papel da grande cidade
Eis a função da modernidade
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Página 158 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Logunedé

LOGUNEDÉ
Gilberto Gil

1979

É de Logunedé a doçura
Filho de Oxum, Logunedé
Mimo de Oxum, Logunedé - edé, edé
Tanta ternura
É de Logunedé a riqueza
Filho de Oxum, Logunedé
Mimo de Oxum, Logunedé - edé, edé
Tanta beleza
Logunedé é demais
Sabido, puxou aos pais
Astúcia de caçador
Paciência de pescador
Logunedé é demais
Logunedé é depois
Que Oxossi encontra a mulher
Que a mulher decide ser
A mãe de todo prazer
Logunedé é depois
É pra Logunedé a carícia
Filho de Oxum, Logunedé
Mimo de Oxum, Logunedé - edé, edé
É delícia

Página 159 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gege Produções Artísticas LTDA.

Louvação

LOUVAÇÃO
Letra de Torquato Neto
Música de Gilberto Gil
1965
Vou fazer a louvação - louvação, louvação
Do que deve ser louvado - ser louvado, ser louvado
Meu povo, preste atenção - atenção, atenção
Repare se estou errado
Louvando o que bem merece
Deixo o que é ruim de lado
E louvo, pra começar
Da vida o que é bem maior
Louvo a esperança da gente
Na vida, pra ser melhor
Quem espera sempre alcança
Três vezes salve a esperança!
Louvo quem espera sabendo
Que pra melhor esperar
Procede bem quem não pára
De sempre mais trabalhar
Que só espera sentado
Quem se acha conformado
Vou fazendo a louvação - louvação, louvação
Do que deve ser louvado - ser louvado, ser louvado
Quem 'tiver me escutando - atenção, atenção
Que me escute com cuidado
Louvando o que bem merece
Deixo o que é ruim de lado
Louvo agora e louvo sempre
O que grande sempre é
Louvo a força do homem
E a beleza da mulher
Louvo a paz pra haver na terra
Louvo o amor que espanta a guerra
Louvo a amizade do amigo
Que comigo há de morrer
Louvo a vida merecida
De quem morre pra viver
Louvo a luta repetida
Da vida pra não morrer

Página 160 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Vou fazendo a louvação - louvação, louvação


Do que deve ser louvado - ser louvado, ser louvado
De todos peço atenção - atenção, atenção
Falo de peito lavado
Louvando o que bem merece
Deixo o que é ruim de lado
Louvo a casa onde se mora
De junto da companheira
Louvo o jardim que se planta
Pra ver crescer a roseira
Louvo a canção que se canta
Pra chamar a primavera
Louvo quem canta e não canta
Porque não sabe cantar
Mas que cantará na certa
Quando enfim se apresentar
O dia certo e preciso
De toda a gente cantar
E assim fiz a louvação - louvação, louvação
Do que vi pra ser louvado - ser louvado, ser louvado
Se me ouviram com atenção - atenção, atenção
Saberão se estive errado
Louvando o que bem merece
Deixando o ruim de lado
© Musiclave Editora Musical Ltda.

Luar (A gente precisa ver o luar)

LUAR (A GENTE PRECISA VER O LUAR)


Gilberto Gil

1980

O luar
Do luar não há mais nada a dizer
A não ser
Que a gente precisa ver o luar
Que a gente precisa ver para crer
Diz o dito popular
Uma vez que é feito só para ser visto

Página 161 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Se a gente não vê, não há


Se a noite inventa a escuridão
A luz inventa o luar
O olho da vida inventa a visão
Doce clarão sobre o mar
Já que existe lua
Vai-se para rua ver
Crer e testemunhar
O luar
Do luar só interessa saber
Onde está
Que a gente precisa ver o luar
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Lugar comum

LUGAR COMUM
música de João Donato

letra de Gilberto Gil

1974

Beira do mar
Lugar comum
Começo do caminhar
Pra beira de outro lugar
Beira do mar
Todo mar é um
Começo do caminhar
Pra dentro do fundo azul

Página 162 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A água bateu
O vento soprou
O fogo do sol
O sal do senhor
Tudo isso vem
Tudo isso vai
Pro mesmo lugar
De onde tudo sai
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Lunik 9

LUNIK 9
Gilberto Gil
1966
Poetas, seresteiros, namorados, correi
É chegada a hora de escrever e cantar
Talvez as derradeiras noites de luar
Momento histórico
Simples resultado
Do desenvolvimento da ciência viva
Afirmação do homem
Normal, gradativa
Sobre o universo natural
Sei lá que mais
Ah, sim!
Os místicos também
Profetizando em tudo o fim do mundo
E em tudo o início dos tempos do além
Em cada consciência
Em todos os confins
Da nova guerra ouvem-se os clarins
Guerra diferente das tradicionais
Guerra de astronautas nos espaços siderais
E tudo isso em meio às discussões
Muitos palpites, mil opiniões
Um fato só já existe
Que ninguém pode negar
7, 6, 5, 4, 3, 2, 1, já!

Página 163 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Lá se foi o homem
Conquistar os mundos
Lá se foi
Lá se foi buscando
A esperança que aqui já se foi
Nos jornais, manchetes, sensação
Reportagens, fotos, conclusão:
A lua foi alcançada afinal
Muito bem
Confesso que estou contente também
A mim me resta disso tudo uma tristeza só
Talvez não tenha mais luar
Pra clarear minha canção
O que será do verso sem luar?
O que será do mar
Da flor, do violão?
Tenho pensado tanto, mas nem sei
Poetas, seresteiros, namorados, correi
É chegada a hora de escrever e cantar
Talvez as derradeiras noites de luar
© Gege Produções

Luzia Luluza

LUZIA LULUZA
Gilberto Gil
1967
Passei toda a tarde ensaiando, ensaiando
Essa vontade de ser ator acaba me matando
São quase oito horas da noite
E eu nesse táxi
Que trânsito horrível, meu Deus
E Luzia, e Luzia, e Luzia
Estou tão cansado, mas disse que ia
Luzia Luluza está lá me esperando
Mais duas entradas, uma inteira, uma meia
São quase oito horas, a sala está cheia
Essa sessão das oito vai ficar lotada
Terceira semana em cartaz James Bond
Melhor pra Luzia, não fica parada
Quando não vem gente, ela fica abandonada
Naquela cabine do Cine Avenida
Revistas, bordados, um rádio de pilha
Na cela da morte do Cine Avenida, a me esperar

Página 164 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

No próximo ano nós vamos casar


No próximo filme nós vamos casar
Luzia, Luluza, eu vou ficar famoso
Vou fazer um filme de ator principal
No filme eu me caso com você, Luluza
No carnaval
Eu desço do táxi, feliz, mascarado
Você me esperando na bilheteria
Sua fantasia é de papel crepom
Eu pego você pelas mãos como um raio
E saio com você descendo a avenida
A avenida é comprida, é comprida, é comprida...
E termina na areia
Na beira do mar
E a gente se casa
Na areia, Luluza
Na beira do mar
Na beira do mar
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Mamma

MAMMA
Gilberto Gil

1971

Am gonna do my best again


Am gonna go my way, mamma
Tomorrow am gonna catch a train
Don't try to hold me down
I wanna put my chest against the wind
From east and west once again
Mamma
Give me your blessing right now
Am gonna get ahead again
Am gonna go my way, mamma

Página 165 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Before you tie me to a chain


Before you close me down
So wide you should stretch your breast
And hold my life inside yourself again
Mamma
Give me your blessing right now
I wanna kiss your face again
Am gonna go my way, mamma
Don't worry, don't cry, don't complain
Don't try to hold me down
How much you want your darling, baby
Clinging to your long skirt again
Oh, mamma
Give me your blessing right now

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Mancada

MANCADA
Gilberto Gil
1966
O dinheiro que eu lhe dei
Pro tamborim
Não vá gastar
Depois jogar a culpa em mim
O dinheiro que eu lhe dei
Não é meu, não
É da escola
Por favor, não mete a mão
Você lembra muito bem
No outro carnaval
Você chorou porque não pôde desfilar

Página 166 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A fantasia que eu mandei você comprar


Não ficou pronta porque o dinheiro que eu lhe dei
Pra costurar
Você (hum, hum)...
Eu nem vou dizer
Pra não lhe envergonhar
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Mar de Copacabana

MAR DE COPACABANA
Gilberto Gil

1983

Já mandei lhe entregar o mar


Que você viu
Que você pediu pra eu dar
Outro dia em Copacabana
Talvez leve uma semana pra chegar
Talvez entreguem amanhã de manhã
Manhã bem seda tecida de sol
Lençol de seda dourada
Envolvendo a madrugada toda azul
Quando eu fui encomendar o mar
O anjo riu
E me pediu pra aguardar
Muita gente quer Copacabana
Talvez leve uma semana pra chegar
Assim que der, ele traz pra você
O mar azul com que você sonhou
No seu caminhão que desce

Página 167 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Do infinito e que abastece o nosso amor


Se o anjo não trouxer o mar
Há mais de mil
Coisas que ele pode achar
Tão lindas quanto Copacabana
Talvez tão bacanas que vão lhe agradar
São tantas bijuterias de Deus
Os sonhos, todos os desejos seus
Um mar azul mais distante
E a estrela mais brilhante lá do céu
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Mardi x Mars

MARDI DIX MARS


Gilberto Gil

1987

Mardi dix mars


Et se la voudra ma poésie
Mardi dix mars
Et se la voudra ma poésie d'amour
Noire qui est toujour été à la recherche
De la passion
La plus profonde à vivre
Je vous dirai malgré
Que je sois bien, bien, bien, bien proche
Il manquera toujours
Un rêve à poursuivre

Página 168 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Et se la voudra
Toujours, toujours il manquera l'amour
À mettre dans l'esclavage un coeur libre
.......................................
Mardi dix mars
Et se la voudra la vie qui viendra
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Marginália II

MARGINÁLIA 2
Letra de Torquato Neto
Música de Gilberto Gil
1967
Eu, brasileiro, confesso
Minha culpa, meu pecado
Meu sonho desesperado
Meu bem guardado segredo
Minha aflição
Eu, brasileiro, confesso
Minha culpa, meu degredo
Pão seco de cada dia
Tropical melancolia
Negra solidão
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo
Aqui, o Terceiro Mundo
Pede a bênção e vai dormir
Entre cascatas, palmeiras
Araçás e bananeiras
Ao canto da juriti
Aqui, meu pânico e glória
Aqui, meu laço e cadeia
Conheço bem minha história
Começa na lua cheia
E termina antes do fim
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo

Página 169 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Minha terra tem palmeiras


Onde sopra o vento forte
Da fome, do medo e muito
Principalmente da morte
Olelê, lalá
A bomba explode lá fora
E agora, o que vou temer?
Oh, yes, nós temos banana
Até pra dar e vender
Olelê, lalá
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo
© Musiclave Editora Musical Ltda.

Maria

MARIA (ME PERDOE, MARIA)


Gilberto Gil
1965
Maria
Me perdoe, Maria
Por não ver em seu riso
O sorriso das flores
E um céu todo azul
Maria
Me perdoe, Maria
Por só ver em seus olhos
A tristeza cinzenta
Das tardes sem sol
Maria
Não se zangue, Maria
E aprenda uma coisa
Uma coisa tão simples
Que vou lhe dizer
Nem todas as flores são flores
Nem toda beleza são cores
Você não sorri como a flor
Mas nem sei se na flor
Há o amor
Que existe em você
Maria
© Editora Musical Arlequim Ltda.

Página 170 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Meditação

MEDITAÇÃO
Gilberto Gil

1975

Dentro de si mesmo
Mesmo que lá fora
Fora de si mesmo
Mesmo que distante
E assim por diante
De si mesmo, ad infinitum
Tudo de si mesmo
Mesmo que pra nada
Nada pra si mesmo
Mesmo porque tudo
Sempre acaba sendo
O que era de se esperar
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Meio de campo

MEIO-DE-CAMPO
Gilberto Gil
1973
Prezado amigo Afonsinho
Eu continuo aqui mesmo
Aperfeiçoando o imperfeito
Dando um tempo, dando um jeito
Desprezando a perfeição
Que a perfeição é uma meta
Defendida pelo goleiro
Que joga na seleção
E eu não sou Pelé nem nada
Se muito for, eu sou um Tostão

Página 171 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Fazer um gol nessa partida não é fácil, meu irmão

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Menina do sonho

MENINA DO SONHO
Gilberto Gil
1981
Hoje a menina do sonho não veio me acordar
Quem sabe até tenha vindo e eu não soube sonhar
Quem sabe até tenha tentado me descobrir
Em meio ao sono pesado a dormir, dormir
Quem sabe até tenha vindo visitar meu sono
E quem sabe era só o abandono da alma dormida na vida
O que havia no fundo de mim pra se ver
Que ela, menina do sonho, ficou comovida
E não fez nada mais que sorrir
Partindo logo em seguida a buscar por aí
Outra morada pro sonho, por ser ela fada
Fadada a viver, com seu corpo no nada
O instante, o espaço, o abraço real da ilusão de existir
Quem terá tido essa noite
O sonhar visitado por ela ou por um querubim
Já que a menina do sonho não veia pra mim?
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Menina goiaba

MENINA GOIABA

Página 172 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil

1974

Na excursão passada
Conquistei o seu amor
Meninada
Menina goiaba, goiabada Cascão
Andei também muito goiaba
E o disco que eu prometi
Não foi gravado, não
Não foi gravado, não
Que eu não soube lembrar
Seu nome que era o nome da canção
Não foi gravado, não
Que eu não pude cantar
Saudade de você cortou meu coração
Vamos ao show, que tá na hora
E o disco que eu prometi
Fica pro São João

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Metáfora

METÁFORA
Gilberto Gil

1981

Uma lata existe para conter algo


Mas quando o poeta diz: "Lata"

Página 173 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pode estar querendo dizer o incontível


Uma meta existe para ser um alvo
Mas quando o poeta diz: "Meta"
Pode estar querendo dizer o inatingível
Por isso, não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata
Na lata do poeta tudonada cabe
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível
Deixe a meta do poeta, não discuta
Deixe a sua meta fora da disputa
Meta dentro e fora, lata absoluta
Deixe-a simplesmente metáfora
© Gege Produções Artísticas LTDA

Minha ideologia, minha religião

MINHA IDEOLOGIA, MINHA RELIGIÃO


Gilberto Gil

1985

Minha ideologia é o nascer de cada dia


E minha religião é a luz na escuridão
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Minha Senhora

MINHA SENHORA
letra de Torquato Neto

Página 174 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

música de Gilberto Gil


1966

Minha senhora
Onde é que você mora?
Em que parte desse mundo?
Em que cidade escondida?
Dizei-me, que sem demora
Lá também quero morar
Onde fica essa morada?
Em que reino, qual parada?
Dizei-me por qual estrada
É que eu devo caminhar
Minha senhora
Onde é que você mora?
Venho da beira da praia
Tantas prendas que eu lhe trago
Pulseira, sandália e saia
Sem saber como entregar
Quero chegar sem demora
Nesta cidade encantada
Dizei-me logo, senhora
Que essa chegança me agrada
Quero chegar sem demora
Nesta cidade encantada
Dizei-me logo, senhora
Que essa chegança me agrada
© Arlequim

Miserere nobis

MISERERE NOBIS
Letra de Capinan
Música de Gilberto Gil
1968
Miserere-re nobis
Ora, ora pro nobis
É no sempre será, ô, iaiá
É no sempre, sempre serão
Já não somos como na chegada
Calados e magros, esperando o jantar
Na borda do prato se limita a janta
As espinhas do peixe de volta pro mar

Página 175 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Miserere-re nobis
Ora, ora pro nobis
É no sempre será, ô, iaiá
É no sempre, sempre serão
Tomara que um dia de um dia seja
Para todos e sempre a mesma cerveja
Tomara que um dia de um dia não
Para todos e sempre metade do pão
Tomara que um dia de um dia seja
Que seja de linho a toalha da mesa
Tomara que um dia de um dia não
Na mesa da gente tem banana e feijão
Miserere-re nobis
Ora, ora pro nobis
É no sempre será, ô, iaiá
É no sempre, sempre serão
Já não somos como na chegada
O sol já é claro nas águas quietas do mangue
Derramemos vinho no linho da mesa
Molhada de vinho e manchada de sangue
Miserere-re nobis
Ora, ora pro nobis
É no sempre será, ô, iaiá
É no sempre, sempre serão
Bê, rê, a - Bra
Zê, i, lê - zil
Fê, u - fu
Zê, i, lê - zil
Cê, a - ca
Nê, agá, a, o, til - ão
Ora pro nobis
© Musiclave Editora Musical Ltda.

Mon tiers monde

MON TIERS MONDE


Gilberto Gil

1989

Pas un instant a perdre!


Plus que la mort
La mort des hommes dans la merde

Página 176 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Mon Tiers Monde s'engage dans la vie


Du fond même de mon coeur
Du fond même de mon coeur
C'est la chaleur, c'est chaleur
Le bonheur de la pluie
Pour le momment ça marche
Ça en fait rien
Rien la réalité sauvage
Mon Tiers Monde s'engage dans la vie
Du fond même d'un sommeil
Du fond même d'un sommeil
J'ai le soleil, j'ai le soleil
Comme mon meilleur ami
Notre jours est consacré
A un Pan universel
Soient les étoiles de mer
Soient les oiseaux du ciel
Soient les choses inanimées
Comme la pierre et l'océan
Soient les nombreaux nommes de Dieu
Comme Oxalá, comme Tupan
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Morena

MORENA
música de Gilberto Gil

letra de Cassiano

Página 177 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

1980

Morena
Morena
Mundo menino pequenino
Não tem cabeça pra pensar
Leva qualquer proposta a perder
Ah, morena, se o mundo cresce, tudo ok, morena
Cresce a esperança, sobe a maré
© Gege Produções Artísticas LTDA e Warner/Chappell Edições Musicais LTDA.

Move along with me

MOVE ALONG WITH ME


Gilberto Gil

1978

Move along with me


Seems to be what the river says
Move along with me
Sings the water spring as it sprays
Move along with me
Plays the sea
Its roaring symphony always
Move along with me
From the tree, the free bird commands
Move along with me
Says the day, as the sun descends
Move along with me
Calls the bell

Página 178 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Spreading gospel in the winds


Here I am, in my groove
Simply following natural streams
On the trends of true love
To the lands of those impossible dreams
Here I am, on the move
There is always beyond to be
Since all the stars above
Move along with me
© Rodra Music Inc.

Mulher de coronel

MULHER DE CORONEL
Gilberto Gil

1989

Ouça o que eu tenho a dizer


Tome o que eu tenho pra dar
Se não servir pra você
Atire tudo no mar
Diga o que você disser
Sei que não vou me importar
Faça o que você fizer
Não deixarei de te amar
Onde você mora
Mora o meu coração
Quando você chora
Chora tudo que é olho

Página 179 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Da minha solidão
Se você namora
Ora, meu Deus
Que feliz deve ser
O mortal que provar
Desse mel que escorrer
Dos teus lábios, então
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Músico simples

MÚSICO SIMPLES
Gilberto Gil
1974

Acordei e o acordeon
Tinha sido tocado num tom muito alto
Desafinei sete vezes na noite
Saí da boate chorando
Sonhos desse tipo são comuns
Para um músico simples dos bares da vida
Sonhos do eco
Do medo
Da culpa
Do erro
Da noite perdida
E tantos outros ecos
Pode um sonho representar
Ressonância
nsia
Reverberação
Coração despedaçado
Dobrado
Choro
Fado
Tango
Triste acordeon

Página 180 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Não chore mais (No woman, no cry)

NÃO CHORE MAIS


(No Woman, No Cry, de B. Vincent)

versão de Gilberto Gil

1977

Bem que eu me lembro


Da gente sentado ali
Na grama do aterro, sob o sol
Ob-observando hipócritas
Disfarçados, rodando ao redor
Amigos presos
Amigos sumindo assim
Pra nunca mais
Tais recordações
Retratos do mal em si
Melhor é deixar prá trás
Não, não chore mais
Não, não chore mais
Bem que eu me lembro
Da gente sentado ali
Na grama do aterro, sob o céu
Ob-observando estrelas
Junto à fogueirinha de papel
Quentar o frio
Requentar o pão

Página 181 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E comer com você


Os pés, de manhã, pisar o chão
Eu sei a barra de viver
Mas se Deus quiser
Tudo, tudo, tudo vai dar pé
Tudo, tudo, tudo vai dar pé
Tudo, tudo, tudo vai dar pé
Tudo, tudo, tudo vai dar pé
Não, não chore mais
Não, não chore mais

© Bob Marley Music/Mercury

Nega (Photograph blues)

NEGA (PHOTOGRAPH BLUES)


Gilberto Gil

1971

Nega
You spent so blissfully
The last few days with me
Nega
I spent so nicely too
The last few days with you
When I met you, it was so fine
I didn't talk a lot to you
I only mentioned your smooth hair
You made a speech about shampoo
We took many, many, many photographs

Página 182 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Downtown
As we passed through
Nega
You spent so blissfully
The last few days with me
Nega
I spent so nicely too
The last few days with you
You've been going just where I've gone
All my people you have seen
I've been doing just what you've done
Now I can dig your cup of mu tea
We let our moments become, become
What they really had to be
Nega
You spent so blissfully
The last few days with me
Nega
I spent so nicely too
The last few days with you
Develop our photographs
As simple dreams that will come true
Perhaps they will make you laugh
Or make you sure about we two
Develop, baby, our photographs
Perhaps they will make you sure
Perhaps they will show you nothing

Página 183 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Nothing, but a shade of blue


© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Neve na Bahia

NEVE NA BAHIA
Gilberto Gil

1991

Xuxa
Bruxa
Ducha de água fria
No fogo do meu plexo solar
Loura
Moura
Neve na Bahia
Um furacão sem fúria no meu mar
Agri-
Doce
Tal um sal de fruta
Vós me agradais quanto vós me agredis
Onça
Garça
Inocente e astuta
Clareza absoluta e mil ardis
Gueixa disfarçada de boneca
Sudanesa travestida de alemã
Por que sois o mistério à luz do dia?
Por que sois sempre a noite de manhã?

Página 184 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ainda bem que sois fruta no meu sonho


A eterna obviedade da maçã
Que escolho e colho e mordo na bochecha, Xuxa
E tendes travo e gosto de avelã
Vick
Vapor
Lenta anestesia
Pimenta na garrafa de isopor
Xuxa
Bruxa
Ouro de alquimia
Sois flecha de um cupido pós-amor
Gueixa disfarçada de boneca
Sudanesa travestida de alemã
Por que sois o mistério à luz do dia?
Por que sois sempre a noite de manhã?
Ainda bem que sois fruta no meu sonho
A eterna obviedade da maçã
Que escolho e colho e mordo na bochecha, Xuxa
E tendes travo e gosto de avelã
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Nightingale

NIGHTINGALE
(O Rouxinol, de Gilberto Gil e Jorge Mautner)

versão de Gilberto Gil

(1979)

Página 185 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

I saw a comet in the sky


Caught it by the tail
When I held it in my hand
It was a nightingale
It was a nightingale
I was happy and took him home
He was hurt and so alone
Water, love and seeds
Those were all his needs
In about a week or so
He was fit to go
He sang a ting, ling, ling, ling, bird song
A swinging, ling, ling, ling, long melody
He sang a ting, ling, ling, ling rock song
A swinging, ling, ling, ling, long song for me
One day at daybreak
He said good-bye
He flew up and he was like
A comet in the sky
A comet in the sky
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Ninguém segura este país

NINGUÉM SEGURA ESTE PAÍS


Gilberto Gil
1975

É moda dizer que baiano está por cima


Que está por cima, meu bem, eu também acho

Página 186 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Segurando a barra dessa rima


Deve haver algum pernambucano por baixo
Um sergipano por fora
Um maranhense de lado
Um rio-grandense de toca
Um carioca pirado
Um paulista ocupado
Um mineiro calado
Um catarinense tímido
Um amazonense úmido
Cada qual no seu perfeito estado natural
Entra baiano, sai ano
Mais um carnaval
De lascar o cano
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

No norte da saudade

NO NORTE DA SAUDADE
música de Gilberto Gil, Moacyr Albuquerque e Perinho Santana

letra de Gilberto Gil

1977

Logo cedo, pé na estrada


Pra não ter porém
Pra não ter noite passada
Pra não ter ninguém
Atrás
Mais ninguém
Vou pra quem
Vai me ver noutra cidade
No norte da saudade, que eu vou ver meu bem
Meu bem, meu bem
Vai me ver noutra cidade

Página 187 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

No norte da saudade, que eu vou ver meu bem


Meu bem, meu bem
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Nos barracos da cidade (Barracos)


NOS BARRACOS DA CIDADE (BARRACOS)
música de Liminha

letra de Gilberto Gil

1985

Nos barracos da cidade


Ninguém mais tem ilusão
No poder da autoridade
De tomar a decisão
E o poder da autoridade
Se pode, não fez questão
Se faz questão, não consegue
Enfrentar o tubarão
Ô-ô-ô, ô-ô
Gente estúpida
Ô-ô-ô, ô-ô
Gente hipócrita
O governador promete
Mas o sistema diz não
Os lucros são muito grandes
Mas ninguém quer abrir mão
Mesmo uma pequena parte
Já seria a solução
Mas a usura dessa gente

Página 188 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Já virou um aleijão
Ô-ô-ô, ô-ô
Gente estúpida
Ô-ô-ô, ô-ô
Gente hipócrita
© Gege Produções Artísticas LTDA e Super-Warner/Chappell Edições Musicais LTDA.

Nós, por exemplo

NÓS, POR EXEMPLO


Gilberto Gil

1976

Nós somos apenas vozes


Nós somos apenas nós
Por exemplo
Apenas vozes da voz
Somos nós, por exemplo
Apenas vozes da voz
Nós somos apenas vozes
Ecos imprecisos do que for preciso
Impreciso agora
Impreciso tão preciso amanhã
Nós, por exemplo, já temos Iansã
Nós, por exemplo, já temos Iansã
Nós somos apenas vozes
Nós somos apenas
Nós, por exemplo
Apenas vozes da voz

Página 189 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Somos nós, por exemplo


Apenas vozes da voz
Nós somos apenas vozes
Do que quer que seja luz no cor-de-rosa
Cor na luz da brasa
Gás no que sustenta a asa no ar
Nós, por exemplo, queremos cantar
Nós, por exemplo, queremos cantar
Nós somos apenas vozes
Nós somos apenas nós
Por exemplo
Apenas vozes da voz
Somos nós, por exemplo
Apenas vozes da voz
Nós somos apenas vozes
Do que foi chamado de "a grande expansão"
Pé no chão da fé
Fé no céu aberto da imensidão
Nós, por exemplo, com muita paixão
Nós, por exemplo, com muita paixão
Nós somos apenas vozes
Nós somos apenas
Nós, por exemplo
Apenas vozes da voz
Somos nós, por exemplo
Apenas vozes da voz
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 190 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Nossa

NOSSA
Gilberto Gil

1981

Agora é me dedicar
Inteiramente ao nosso amor
Cantar nossa música
Agora é só decidir
Aonde queremos ir
Armar nossa tenda
Armar nossa tenda, já
Que a nossa varanda vai ser
A estrada da vida
Por onde o sol passará
E a lua também virá
Contar nossa lenda
E os tempos futuros vão
Saber como foi
Escrever nos muros vão
Nas pedras do chão
A história da nossa ilusão
A história da nossa ilusão
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Nova

NOVA

Página 191 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil & Moreno Veloso

1997

Um brilho no céu
Uma constelação
Bem longe daqui
Uma nova canção
De força maior
Pro universo habitar
Qual sempre a matriz
Supernova será
Água pra benzer
Ouro pra enfeitar
A bela visão
D'um neutrino a bailar
Mãe, ora yeiê
Sua bençao pra mim
Que sempre assim
Eu me lembre em você
© Gege Produções & Uns Produções Artísticas Ltda

O amor daqui de casa

O AMOR DAQUI DE CASA (Tema de Darlene)


Gilberto Gil
2000

A menstruação não desce


A chuva não dá sinal
Quem no mel seu mal padece
Seu bem conserva no sal

Página 192 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Vai doer de novo o parto


Vai secar de novo o açude
Vida aqui tem sala e quarto
Quem não couber que se mude
O amor daqui de casa
Tem um sentimento forte
Que nem gemido na telha
Quando sopra o vento norte
Que nem cheiro de boi morto
Três dias depois da morte
Quem só conhece conforto
Não merece boa sorte
O amor daqui de casa
Tem um sentimento nu
Com gosto de umbú travoso
Com cheiro de couro crú
O amor daqui de casa
Não atrasa no verão (bate asas no verão)
Faz parte da natureza (é parte da natureza)
E arte do coração

© Gege Produções (Brasil e América do Sul)


Preta Music (resto do mundo)

O bom jogador

O BOM JOGADOR
Gilberto Gil
1972
O bom jogador não engana a geral
O bom jogador não engana a geral
Afrouxa quem tem coragem
Deixa de galinhagem
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O eterno deus Mu dança

O ETERNO DEUS MU DANÇA

Página 193 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

música de Celso Fonseca

letra de Gilberto Gil

1989

Sente-se a moçada descontente onde quer que se vá


Sente-se que a coisa já não pode ficar como está
Sente-se a decisão dessa gente em se manifestar
Sente-se o que a massa sente, a massa quer gritar:
"A gente quer mu-dança
O dia da mu-dança
A hora da mu-dança
O gesto da mu-dança"
Sente-se tranqüilamente e ponha-se a raciocinar
Sente-se na arquibancada ou sente-se à mesa de um bar
Sente-se onde haja gente, logo você vai notar
Sente-se algo diferente: a massa quer se levantar
Pra ver mu-dança
O time da mu-dança
O jogo da mu-dança
O lance da mu-dança
Sente-se - e não é somente aqui, mas em qualquer lugar:
Terras, povos diferentes - outros sonhos pra sonhar
Mesmo e até principalmente onde menos queixas há
Mesmo lá, no inconsciente, alguma coisa está
Clamando por mu-dança
O tempo da mu-dança
O sinal da mu-dança
O ponto da mu-dança
Sente-se, o que chamou-se Ocidente tende a arrebentar

Página 194 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Todas as correntes do presente para enveredar


Já pelas veredas do futuro ciclo do ar
Sente-se! Levante-se! Prepare-se para celebrar
O deus Mu dança!
O eterno deus Mu dança!
Talvez em paz Mu dança!
Talvez com sua lança

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O fim da história

O FIM DA HISTÓRIA
Gilberto Gil

1991

Não creio que o tempo


Venha comprovar
Nem negar que a História
Possa se acabar
Basta ver que um povo
Derruba um czar
Derruba de novo
Quem pôs no lugar
É como se o livro dos tempos pudesse
Ser lido trás pra frente, frente pra trás
Vem a História, escreve um capítulo
Cujo título pode ser Nunca Mais
Vem o tempo e elege outra história, que escreve

Página 195 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Outra parte, que se chama Nunca É Demais


Nunca Mais, Nunca É Demais, Nunca Mais
Nunca É Demais, e assim por diante, tanto faz
Indiferente se o livro é lido
De trás pra frente ou lido de frente pra trás
Quantos muros ergam
Como o de Berlim
Por mais que perdurem
Sempre terão fim
E assim por diante
Nunca vai parar
Seja neste mundo
Ou em qualquer lugar
Por isso é que um cangaceiro
Será sempre anjo e capeta, bandido e herói
Deu-se notícia do fim do cangaço
E a notícia foi o estardalhaço que foi
Passaram-se os anos, eis que um plebiscito
Ressuscita o mito que não se destrói
Oi, Lampião sim, Lampião não, Lampião talvez
Lampião faz bem, Lampião dói
Sempre o pirão de farinha da História
E a farinha e o moinho do tempo que mói
Tantos cangaceiros
Como Lampião
Por mais que se matem
Sempre voltarão

Página 196 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

E assim por diante


Nunca vai parar
Inferno de Dante
Céu de Jeová
© Gege Produções Artísticas LTDA.

O lugar do nosso amor

O LUGAR DO NOSSO AMOR


Gilberto Gil

1996

O buraco que ficou


De uma bomba que explodiu
No saguão do nosso amor
Não foi tão grande assim
Nem tão profundo assim
Que lá no fundo fosse o fim do mundo
Lá no fundo o que ficou
Estilhaços de aflição
E pedaços de rancor
Não valem nada não
Não enchem um caminhão
Pegue com sua mão
Jogue no lixo
Deixe limpar seu coração
A bomba que explodiu, meu bem
Não passava de um traque
Tratava-se de um truque

Página 197 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De um mágico de fraque
História de almanaque de ilusões
Não há nada a lamentar
Ficou tudo no lugar
No lugar do nosso amor morar
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O mar e o lago

O MAR E O LAGO
Gilberto Gil

1996

Rugas no rosto moreno


Ondas no lago sereno
Vento repentino
Ares de menino
Fugas de brigas de rua
Luas e luas e luas
Repentina paz
Meu velho rapaz
O velho Mário Lago
O velho, o mar e o lago
O mar e o lago
A alma bem resolvida
A embarcação ancorada
Mar incorporado
Mares do passado
Aqui agora o presente

Página 198 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Lago tranquilo da mente


Paz no coração
Meu amado irmão
O velho Mário Lago
O velho, o mar e o lago
O mar e o lago
© Gege Produções

Ó, Maria

Ó MARIA
Gilberto Gil
1973

Ó, Maria
Faz tempo que você sabe
Que eu também sou da Bahia
Ó, Maria
Quantos anos você tinha
Quando o mato era fechado
Lá na estrada da Rainha
Quando era a céu aberto
Que o batuque se batia?
Ó, Maria
Faz tempo que você sabe
Que eu também sou da Bahia
Ó, Maria
Vê se você me adivinha
Das sete qual é a porta
Pro corredor da Lapinha
De união qual é o traço
Barra-Barris-Barroquinha

Ó, Maria
Faz tempo que você sabe
Que eu também sou da Bahia

Página 199 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gege Produções

O compositor me disse

O COMPOSITOR ME DISSE
Gilberto Gil
1974
O compositor me disse que eu cantasse distraidamente
Essa canção
Que eu cantasse como se o vento soprasse pela boca
Vindo do pulmão
E que eu ficasse ao lado pra escutar o vento
jogando as palavras
Pelo ar
O compositor me disse que eu cantasse ligada no vento
Sem ligar
Pras coisas que ele quis dizer
Que eu não pensasse em mim nem em você
Que eu cantasse distraidamente como bate o coração
E que eu parasse aqui
Assim

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O rouxinol

O ROUXINOL
letra de Jorge Mautner
música de Gilberto Gil

1974

Joguei no céu o meu anzol


Pra pescar o sol
Mas tudo que eu pesquei
Foi um rouxinol
Foi um rouxinol

Página 200 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Levei-o para casa


Tratei da sua asa
Ele ficou bom
Fez até um som
Ling, ling, leng
Ling, ling, leng, ling
Cantando um rock com um toque diferente
Dizendo que era um rock do oriente pra mim
Cantando um rock com um toque diferente
Dizendo que era um rock do oriente pra mim
Depois foi embora
Na boca da aurora
Pássaro de seda
Com cheiro de jasmim
Cheiro de jasmim

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O seu amor

O SEU AMOR
Gilberto Gil

1976

O seu amor
Ame-o e deixe-o
Livre para amar
Livre para amar

Página 201 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Livre para amar


O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
O seu amor
Ame-o e deixe-o brincar
Ame-o e deixe-o correr
Ame-o e deixe-o cansar
Ame-o e deixe-o dormir em paz
O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ser o que ele é
Ser o que ele é
Ser o que ele é

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O sonho acabou

O SONHO ACABOU
Gilberto Gil

1971

O sonho acabou
Quem não dormiu no sleeping-bag nem sequer sonhou

Página 202 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O sonho acabou hoje, quando o céu


Foi de-manhando, dessolvindo, vindo, vindo
Dissolvendo a noite na boca do dia
O sonho acabou
Dissolvendo a pílula de vida do doutor Ross
Na barriga de Maria
O sonho acabou desmanchando
A transa do doutor Silvana
A trama do doutor Fantástico
E o meu melaço de cana
O sonho acabou transformando
O sangue do cordeiro em água
Derretendo a minha mágoa
Derrubando a minha cama
O sonho acabou
Foi pesado o sono pra quem não sonhou
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

O veado

O VEADO
Gilberto Gil

1983

O veado
Como é lindo
Escapulindo pulando
Evoluindo
Correndo evasivo

Página 203 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ei-lo do outro lado


Quase parado um instante
Evanescente
Quase que olhando pra gente
Evaporante
Eva pirante
O veado
Greta Garbo
Garbo, a palavra mais justa
Que me gusta
Que me ocorre
Para explicar um veado
Quando corre
Garbo esplendor de uma dama
Das camélias
Garbo vertiqualidade
Animália
Anamélia
Ó, veado
Quanto tato
Preciso pra chegar perto
Ando tanto
Querendo o teu pulo certo
Teu encanto
Teu porte esperto, delgado
Ser veado
Ser veado

Página 204 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ter as costelas à mostra


E uma delas
Tê-la extraída das costas
Tê-la Eva bem exposta
Tê-la Eva bem à vista
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Objeto semi-identificado

OBJETO SEMI-IDENTIFICADO
texto de Gilberto Gil e Rogério Duarte

música de Rogério Duprat

1969

- Diga lá.
- Digo eu.
- Diga você.
- E línguas como que de fogo tornaram-se invisíveis.
E línguas como que de fogo tornaram-se invisíveis. E se distribuíram e sobre cada um
deles assentou-se uma. E todos eles ficaram cheios de espírito santo e principiaram a
falar em línguas diferentes.
- Eu gosto mesmo é de comer com coentro. Uma moqueca, uma salada, cultura,
feijoada, lucidez, loucura. Eu gosto mesmo é de ficar por dentro, como eu estive na
barriga de Claudina, uma velha baiana cem por cento.
- Tudo é número. O amor é o conhecimento do número e nada é infinito. Ou seja: será
que ele cabe aqui no espaço beijo da fome? Não. Ele é o que existe, mais o que falta.
- O invasor me contou todos os lances de todos os lugares onde andou. Com um sorriso
nos lábios ele disse: "A eternidade é a mulher do homem. Portanto, a eternidade é seu
amor".
Compre, olhe, vire, mexa. Talvez no embrulho você ache o que precisa. Pare, ouça,
ande, veja. Não custa nada. Só lhe custa a vida.

Página 205 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

- Entre a palavra e o ato, desce a sombra. O objeto identificado, o encoberto, o disco-


voador, a semente astral.
- A cultura, a civilização só me interessam enquanto sirvam de alimento, enquanto
sarro, prato suculento, dica, pala, informação.
- A loucura, os óculos, a pasta de dentes, a diferença entre o 3 e o 7. Eu crio.
A morte, o casamento do feitiço com o feiticeiro. A morte é a única liberdade, a única
herança deixada pelo Deus desconhecido, o encoberto, o objeto semi-identificado, o
desobjeto, o Deus-objeto.
- O número 8 é o infinito, o infinito em pé, o infinito vivo, como a minha consciência
agora.
- Cada diferença abolida pelo sangue que escorre das folhas da árvore da morte. Eu sou
quem descria o mundo a cada nova descoberta. Ou apenas este espetáculo é mais um
capítulo da novela "Deus e o Diabo etc. etc. etc."
- O número 8 dividido é o infinito pela metade. O meu objetivo agora é o meu infinito.
Ou seja: a metade do infinito, da qual metade sou eu, e outra metade é o além de mim.
- E fim de papo.
- Tá legal.
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Objeto sim, objeto não

OBJETO SIM, OBJETO NÃO


Gilberto Gil

1969

Um objeto sim
Um objeto não
Um surgindo do céu
Outro vindo do chão
Como Rômulo e Remo
Rômulo e Remo aparecerão
No mesmo dia, na mesma cidade

Página 206 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

No mesmo clarão
Um surgindo do céu
Outro vindo do chão
Um objeto sim
Um objeto não
Eubioticamente atraídos
Pela luz do Planalto Central das Tordesilhas
Fundarão o seu reinado
Dos ossos de Brasília
Das últimas paisagens
Depois do fim do mundo
O reinado de ouro
Depois do fim do mundo
O reino de Eldorado
Depois do fim do mundo
Virão o objeto sim, o objeto não
Os ilumencarnados seres
Que esta terra habitarão
O identifi Si
O identudo Gui
O identido Ni
O identipo Fi
O identado Ka
E mais uma porção
Dos identifisignificados
Novos seres que virão
Do fundo do céu

Página 207 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Do alto do chão
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Omã Iaô

OMÃ IAÔ
Gilberto Gil
1969

Omã omã
Omã iaô
Omã iaô
Omã iaô

Onde o xaxado tá

Onde o xaxado tá
Rodolfo Stroeter / Gilberto Gil
1994
Por onde anda meu xaxado
já que o rock é tão falado
e o xaxado nem se ouviu
ando todo aperreado
prá dançar o tal xaxado
se não tiver xaxado
vou-me embora do Brasil
cumadre disse
cumadre falou que sabe
por favor diga cumadre
onde é que o xaxado vai ser
sou brasileiro
quase fui seminarista
cumadre me dê uma pista preu xaxá até morrer

o xaxado tá
na sandália do safado
na espingarda do soldado
na ordem do delegado
na origem do sistema

Página 208 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

no escurinho do cinema
na comida da jurema
no canto da siriema

onde o xaxado tá
sacoleja toda a gente
coroinha padre e crente
deputado renitente
osório duque estrada
dom pedro um e dois
villa lobos pixinguinha
deixa o resto pra depois

comadre minha tinha filho e mamadeira


criou mais de dez menina
todas elas xaxadeira
xaxa xaxa xaxadeira
chama o macho pro xaxado
que xaxá sem ter um macho
nunca deu bom resultado

onde o xaxado tá
tem uns hôme isquisito
uns são pobre outros são rico
uns são calmo outros aflito
uns tem zóio pro futuro
outros nunca viram isso
uns pronto pra dar sumiço
outos firme pra cantar

onde o xaxado tá
no sertão de Pernambuco
no mundão do Ceará
onde o xaxado tá
onde houver uma cabocla
me tirando pra dançá

© Pau Brasil / Gege Produções Artísticas LTDA.

One o'clock last morning, 20th April 1970

Opachorô

Página 209 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

OPACHORÔ
Gilberto Gil

1995

Oxalá Deus queira


Oxalá tomara
Haja uma maneira
Deste meu Brasil melhorar
Santa Clara queira
Queira Santa Clara
Falte uma besteira
Pr'este céu de anil clarear
Oxalá paz
Opachorô
Haja bem mais
Opachorô
Oxalá nós
Opachorô
Nos banhemos de luz
De luz de luz
De Todos os Santos
E da Guanabara
Tantos mares, tantos
Que as baías possam guardar
Todos os encantos
Tanta coisa rara
Pra enxugar os prantos
Santa Clara clareia o sol

Página 210 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Clarão do Sol
Queira Deus, Oxalá
© Gege Produções

Oração pela libertação da África do Sul

ORAÇÃO PELA LIBERTAÇÃO DA ÁFRICA DO SUL


Gilberto Gil

1985

Se o rei Zulu já não pode andar nu


Se o rei Zulu já não pode andar nu
Salve a batina do bispo Tutu
Salve a batina do bispo Tutu
Ó, Deus do céu da África do Sul
Do céu azul da África do Sul
Tornai vermelho todo sangue azul
Tornai vermelho todo sangue azul
Já que vermelho tem sido todo sangue derramado
Todo corpo, todo irmão chicoteado - iô
Senhor da selva africana, irmã da selva americana
Nossa selva brasileira de Tupã
Senhor, irmão de Tupã, fazei
Com que o chicote seja por fim pendurado
Revogai da intolerância a lei
Devolvei o chão a quem no chão foi criado
Ó, Cristo Rei, branco de Oxalufã
Ó, Cristo Rei, branco de Oxalufã
Zelai por nossa negra flor pagã

Página 211 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Zelai por nossa negra flor pagã


Sabei que o papa já pediu perdão
Sabei que o papa já pediu perdão
Varrei do mapa toda escravidão
Varrei do mapa toda escravidão
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Oriente

ORIENTE
Gilberto Gil

1971

Se oriente, rapaz
Pela constelação do Cruzeiro do Sul
Se oriente, rapaz
Pela constatação de que a aranha
Vive do que tece
Vê se não se esquece
Pela simples razão de que tudo merece
Consideração
Considere, rapaz
A possibilidade de ir pro Japão
Num cargueiro do Lloyd lavando o porão
Pela curiosidade de ver
Onde o sol se esconde
Vê se compreende
Pela simples razão de que tudo depende

Página 212 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De determinação
Determine, rapaz
Onde vai ser seu curso de pós-graduação
Se oriente, rapaz
Pela rotação da Terra em torno do Sol
Sorridente, rapaz
Pela continuidade do sonho de Adão
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Oslodum

OSLODUM
Gilberto Gil
1994
eu vou prá oslo
prá sair no oslodum
um bloco afro
da terra do bacalhau
que todo o ano
caia neve ou faça sol
vai pra avenida
no dia do carnaval

eu vou pra oslo pra ver


a turma do pelô
do pelourinho
pé lourinha
pé lourão

eu vou pra oslo aprender


um canto pra xangô
que lá se chama thor
o filho do trovão

eu vou pra oslo cantar


eu vou pra oslo encantar
aquela moça
a mais bonita do lugar
do pelourinho lourinho
da cabecinha lourinha

Página 213 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

do coração igual ao nosso a palpitar

© Gege Produções Artísticas LTDA.

Pai e mãe

PAI E MÃE
Gilberto Gil

1975

Eu passei muito tempo


Aprendendo a beijar
Outros homens
Como beijo o meu pai
Eu passei muito tempo
Pra saber que a mulher
Que eu amei
Que amo
Que amarei
Será sempre a mulher
Como é minha mãe
Como é, minha mãe?
Como vão seus temores?
Meu pai, como vai?
Diga a ele que não
Se aborreça comigo
Quando me vir beijar
Outro homem qualquer
Diga a ele que eu

Página 214 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Quando beijo um amigo


Estou certo de ser
Alguém como ele é
Alguém com sua força
Pra me proteger
Alguém com seu carinho
Pra me confortar
Alguém com olhos
E coração bem abertos
Pra me compreender

Palco

PALCO
Gilberto Gil

1980

Subo nesse palco


Minha alma cheira a talco
Como bumbum de bebê
De bebê
Minha aura clara
Só quem é clarividente pode ver
Pode ver
Trago a minha banda
Só quem sabe onde é Luanda
Saberá lhe dar valor
Dar valor

Página 215 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Vale quanto pesa


Pra quem preza o louco bumbum do tambor
Do tambor
Fogo eterno pra afugentar
O inferno pra outro lugar
Fogo eterno pra consumir
O inferno fora daqui
Venho para a festa
Sei que muitos têm na testa
O deus Sol como um sinal
Um sinal
Eu, como devoto
Trago um cesto de alegrias de quintal
De quintal
Há também um cântaro
Quem manda é a deusa Música
Pedindo pra deixar
Pra deixar
Derramar o bálsamo
Fazer o canto cântaro cantar
Lalaiá
Fogo eterno pra afugentar
O inferno pra outro lugar
Fogo eterno pra consumir
O inferno fora daqui
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Página 216 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Panis et circensis

PANIS ET CIRCENCIS
Letra de Caetano Veloso
Música de Gilberto Gil
1968
Eu quis cantar
Minha canção iluminada de sol
Soltei os panos sobre os mastros no ar
Soltei os tigres e os leões nos quintais
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e em morrer
Mandei fazer
De puro aço luminoso um punhal
Para matar o meu amor e matei
Às cinco horas na avenida central
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e em morrer
Mandei plantar
Folhas de sonho no jardim do solar
As folhas sabem procurar pelo sol
E as raízes procurar, procurar
Mas as pessoas na sala de jantar
Essas pessoas da sala de jantar
São as pessoas da sala de jantar
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e em morrer
© Warner Chappell Edições Musicais Ltda / Gegê Produções Artísticas Ltda.

Parabolicamará

PARABOLICAMARÁ
Gilberto Gil

1991

Antes mundo era pequeno


Porque Terra era grande
Hoje mundo é muito grande
Porque Terra é pequena

Página 217 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Do tamanho da antena parabolicamará


Ê, volta do mundo, camará
Ê-ê, mundo dá volta, camará
Antes longe era distante
Perto, só quando dava
Quando muito, ali defronte
E o horizonte acabava
Hoje lá trás dos montes, den de casa, camará
Ê, volta do mundo, camará
Ê-ê, mundo dá volta, camará
De jangada leva uma eternidade
De saveiro leva uma encarnação
Pela onda luminosa
Leva o tempo de um raio
Tempo que levava Rosa
Pra aprumar o balaio
Quando sentia que o balaio ia escorregar
Ê, volta do mundo, camará
Ê-ê, mundo dá volta, camará
Esse tempo nunca passa
Não é de ontem nem de hoje
Mora no som da cabaça
Nem tá preso nem foge
No instante que tange o berimbau, meu camará
Ê, volta do mundo, camará
Ê-ê, mundo dá volta, camará
De jangada leva uma eternidade

Página 218 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

De saveiro leva uma encarnação


De avião, o tempo de uma saudade
Esse tempo não tem rédea
Vem nas asas do vento
O momento da tragédia
Chico, Ferreira e Bento
Só souberam na hora do destino apresentar
Ê, volta do mundo, camará
Ê-ê, mundo dá volta, camará
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Pé da roseira

PÉ DA ROSEIRA
Gilberto Gil
1967
O pé da roseira murchou
E as flores caíram no chão
Quando ela chorava, eu dizia:
"Tá certo, Maria
Você tem razão"
Quando ela chorava, eu dizia:
"Tá certo, Maria
Você tem razão"
Maria chorava, eu fugia
Sem ter nada mais pra dizer
O amor terminado, e Maria
Me via partindo, sem saber por quê
Me via partindo e chorava
Me amava e não podia crer
Que o mundo afinal me levava
E nada lhe dava o jeito de entender
Eu também não compreendia
Por que terminava um amor
Nem mesmo se o amor terminava
Só sei que eu andava
E não sentia dor

Página 219 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Me lembro na porta da casa


Lá dentro Maria chorava
Depois, caminhando sozinho
Lembrei da ciranda que meu pai cantava
Depois, caminhando sozinho
Lembrei da ciranda que meu pai cantava
O pé da roseira murchou
E as flores caíram no chão
Quando ela chorava, eu dizia:
"Tá certo, Maria
Você tem razão"
Quando ela chorava, eu dizia:
"Tá certo, Maria
Você tem razão"
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Pé quente, cabeça fria

PÉ QUENTE, CABEÇA FRIA


Gilberto Gil

1976

Pé quente, cabeça fria, dou-lhe uma


Pé quente, cabeça fria, dou-lhe duas
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe três
Saia despreocupado
Você pode conquistar o mundo dessa vez
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe uma
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe duas
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe três
Saia despreocupado
Faça tudo que você queria e nunca fez
Pé quente, cabeça fria, numa boa
Pé quente, cabeça fria, na maior

Página 220 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pé quente, cabeça fria, na total


Saia despreocupado
Mas cuidado porque existe o bem e o mal
Pé quente, cabeça fria, numa boa
Pé quente, cabeça fria, na maior
Pé quente, cabeça fria, na total
Saia despreocupado
Mas se alguém se fizer de engraçado, meta o pau
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Pega a voga, cabeludo

PEGA A VOGA, CABELUDO


Recolhida do folclore amazonense por Juan Arcon
Adaptada por Gilberto Gil e Juan Arcon
1967
Pega a voga, cabeludo
Que eu não sou cascudo
Tenho muito estudo
Pra fazer minha embolada
Cá na batucada não me falta nada
Eu tenho tudo
Tenho uma tinta
Que no dia que não pinta fica feia
Tenho uma barca
Que no dia de fuzarca fica cheia
E a mulata que tem ouro
Que tem prata, que tem tudo
É quem grita: "Pega a voga
Pega a voga, cabeludo"
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Pela Internet

PELA INTERNET
Gilberto Gil

Página 221 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

1996

Criar meu web site


Fazer minha home-page
Com quantos gigabytes
Se faz uma jangada
Um barco que veleje
Que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve um oriki do meu velho orixá
Ao porto de um disquete de um micro em Taipé
Um barco que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve meu e-mail até Calcutá
Depois de um hot-link
Num site de Helsinque
Para abastecer
Eu quero entrar na rede
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tietes de Connecticut
De Connecticut acessar
O chefe da Macmilícia de Milão
Um hacker mafioso acaba de soltar
Um vírus pra atacar programas no Japão
Eu quero entrar na rede pra contactar
Os lares do Nepal, os bares do Gabão
Que o chefe da polícia carioca avisa pelo celular

Página 222 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Que lá na praça Onze tem um vídeopôquer para se jogar


© Gege Produções

Pessoa nefasta

PESSOA NEFASTA
Gilberto Gil

1984

Tu, pessoa nefasta


Vê se afasta teu mal
Teu astral que se arrasta tão baixo no chão
Tu, pessoa nefasta
Tens a aura da besta
Essa alma bissexta, essa cara de cão
Reza
Chama pelo teu guia
Ganha fé, sai a pé, vai até a Bahia
Cai aos pés do Senhor do Bonfim
Dobra
Teus joelhos cem vezes
Faz as pazes com os deuses
Carrega contigo uma figa de puro marfim
Pede
Que te façam propícia
Que retirem a cobiça, a preguiça, a malícia
A polícia de cima de ti
Basta
Ver-te em teu mundo interno

Página 223 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pra sacar teu inferno


Teu inferno é aqui
Pessoa nefasta
Tu, pessoa nefasta
Gasta um dia da vida
Tratando a ferida do teu coração
Tu, pessoa nefasta
Faz o espírito obeso
Correr, perder peso, curar, ficar são
Solta
Com a alma no espaço
Vagarás, vagarás, te tornarás bagaço
Pedaço de tábua no mar
Dia
Após dia boiando
Acabarás perdendo a ansiedade, a saudade
A vontade de ser e de estar
Livre
Das dentadas do mundo
Já não terás, no fundo, desejo profundo
Por nada que não seja bom
Não mais
Que um pedaço de tábua
A boiar sobre as águas
Sem destino nenhum
Pessoa nefasta
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Página 224 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pílula de alho

PÍLULA DE ALHO
Gilberto Gil

1982

Você já ouviu falar


Da pílula de alho?
É uma pílula amarela
Cê toma uma daquela
Nem sabe o que é que sente
Mas a infecção já era
Eu tive dor de dente
Tomei algumas delas
As bichinhas logo agiram
Depois de certo (pouco) tempo
Senti-me melhorado
E os sintomas maus sumiram
A pílula de alho
Feita de alho e calor
É puro óleo de alho
É como a flor de dendê
É mel da planta isenta
De qualquer outro fator
A pílula de alho
Feita de alho e calor
A luminosidade
É de bola de gude

Página 225 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A transparência é cristalina
Vê-se que é coisa pura
Sente-se que é coisa nova
Sabe-se que é coisa fina
A pílula de alho
Da planta antibiótica
Da velha medicina
Que desenvolvimento!
Que belo (lindo) ensinamento
A pílula de alho ensina!
A pílula de alho
Feita de alho e calor
É puro óleo de alho
É como a flor de dendê
É mel da planta isenta
De qualquer outro fator
A pílula de alho
Feita de alho e calor
© Gege Produções

Pop wu wei

POP WU WEI
Gilberto Gil

1995

O movimento está para o repouso


Assim como o sofrimento está para o gozo
O sofrimento está para o gozo

Página 226 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Assim como o movimento está para o repouso


Por isso eu faço tudo pra não fazer nada
Ou então não faço nada pra tudo fazer
Eu gosto de deixar a onda me levar sem nadar
Deixar o barco correr
Mas como o povo diz que Deus teria dito
"Faz a tua parte que eu te ajudarei"
Melhor considerar o dito por não dito e dizer:
"Tudo que eu puder farei"
O movimento está para o repouso
Assim como o sofrimento está para o gozo
O sofrimento está para o gozo
Assim como o movimento está para o repouso
Meu bem
Eu sei que posso estar cantando prosa
E como é perigosa minha afirmação
Sair do movimento bem que pode ser um tormento
Eis outra constatação
O fato é que eu sou muito preguiçoso
Tudo que é repouso me dará prazer
Se Deus achar que eu mereço viver sem fazer nada
Que eu faça por merecer
© Gege Produções

Preciso aprender a só ser

PRECISO APRENDER A SÓ SER

Página 227 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil
1973

Sabe, gente
É tanta coisa pra gente saber
O que cantar, como andar, onde ir
O que dizer, o que calar, a quem querer
Sabe, gente
É tanta coisa que eu fico sem jeito
Sou eu sozinho e esse nó no peito
Já desfeito em lágrimas que eu luto pra esconder
Sabe, gente
Eu sei que no fundo o problema é só da gente
É só do coração dizer não quando a mente
Tenta nos levar pra casa do sofrer
E quando escutar um samba-canção
Assim como
Eu Preciso Aprender a Ser Só
Reagir
E ouvir
O coração responder:
"Eu preciso aprender a só ser"

© Gege Produções

Preciso de você

PRECISO DE VOCÊ
Gilberto Gil

1983

Um dia de glória
Uma triste história de amor
Tudo
Solto na poeira de luz
Atrás do coração

Página 228 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Coração, meu motocross


Das estradas da ilusão
Um dia me acho
Um dia relaxo e gozo
Férias
Paro na soleira da paz
Em frente ao coração
Coração, meu aprendiz
És e hás de ser feliz
Sou a garota papo firme que o Roberto falou
Continuo a merecer
A confiança que essa juventude depositou
No meu jeito de dizer
Tudo que a bondade achar por bem que eu diga
Tudo que a cidade queira ouvir da amiga
E pra que eu prossiga
Eu preciso de você
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Pretinha

PRETINHA
Gilberto Gil , Kátia Falcão e João Donato

1998

Eu queria te encontrar em Salvador, ô, ô


Eu queria te falar desse calor, ô, ô
Minha Preta gostosinha do Pelô
Me diga que você é meu amor

Página 229 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Porque não consigo viver sem você


Eu sei que você sente isso também
Pretinha venha logo viver comigo essa emoção
Cada vez que eu te vejo
Bate forte o meu coração!
Cada vez que eu te amo
Bate forte o meu coração!
© Gege - Gege Produções Artísticas LTDA e Acre ( Emi)

Procissão

PROCISSÃO
Gilberto Gil
1964
Olha lá vai passando a procissão
Se arrastando que nem cobra pelo chão
As pessoas que nela vão passando
Acreditam nas coisas lá do céu
As mulheres cantando tiram versos
Os homens escutando tiram o chapéu
Eles vivem penando aqui na terra
Esperando o que Jesus prometeu
E Jesus prometeu vida melhor
Pra quem vive nesse mundo sem amor
Só depois de entregar o corpo ao chão
Só depois de morrer neste sertão
Eu também tô do lado de Jesus
Só que acho que ele se esqueceu
De dizer que na terra a gente tem
De arranjar um jeitinho pra viver
Muita gente se arvora a ser Deus
E promete tanta coisa pro sertão
Que vai dar um vestido pra Maria
E promete um roçado pro João
Entra ano, sai ano, e nada vem
Meu sertão continua ao deus-dará
Mas se existe Jesus no firmamento
Cá na terra isto tem que se acabar
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 230 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Punk da periferia

PUNK DA PERIFERIA
Gilberto Gil

1983

Das feridas que a pobreza cria


Sou o pus
Sou o que de resto restaria
Aos urubus
Pus por isso mesmo este blusão carniça
Fiz no rosto este make-up pó caliça
Quis trazer assim nossa desgraça à luz
Sou um punk da periferia
Sou da Freguesia do Ó
Ó
Ó, aqui pra vocês!
Sou da Freguesia
Ter cabelo tipo índio moicano
Me apraz
Saber que entraremos pelo cano
Satisfaz
Vós tereis um padre pra rezar a missa
Dez minutos antes de virar fumaça
Nós ocuparemos a Praça da Paz
Sou um punk da periferia
Sou da Freguesia do Ó

Página 231 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ó
Ó, aqui pra vocês!
Sou da Freguesia
Transo lixo, curto porcaria
Tenho dó
Da esperança vã da minha tia
Da vovó
Esgotados os poderes da ciência
Esgotada toda a nossa paciência
Eis que esta cidade é um esgoto só
Sou um punk da periferia
Sou da Freguesia do Ó
Ó
Ó, aqui pra vocês!
Sou da Freguesia
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Quando
QUANDO
letra de Gilberto Gil

música de Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa

1976

Rita Lee, i-i


Rita Lee, i-i
Com todo prazer
Quando a governanta der o bode
Pode crer que eu quero estar com você
Superstar com você

Página 232 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Há muito tempo uma mulher sentou-se e leu na bola de cristal


Que uma menina loira ia vir de uma cidade industrial
De bicicleta, de bermuda, mutante, bonita
Solta, decidida, cheia de vida etc. e tal
Cantando yê-yê-yê-yê-yê-yê-yê
Ho ho
© Gegê Produções Artísticas Ltda. / Gapa Produções Artísticas Ltda.

Quanta
QUANTA
Gilberto Gil

1995

Quanta do latim
Plural de quantum
Quando quase não há
Quantidade que se medir
Qualidade que se expressar
Fragmento infinitésimo
Quase que apenas mental
Quantum granulado no mel
Quantum ondulado do sal
Mel de urânio, sal de rádio
Qualquer coisa quase ideal
Cântico dos cânticos
Quântico dos quânticos
Canto de louvor
De amor ao vento
Vento arte do ar

Página 233 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Balançando o corpo da flor


Levando o veleiro pro mar
Vento de calor
De pensamento em chamas
Inspiração
Arte de criar o saber
Arte, descoberta, invenção
Teoria em grego quer dizer
O ser em contemplação
Cântico dos cânticos
Quântico dos quânticos
Sei que a arte é irmã da ciência
Ambas filhas de um Deus fugaz
Que faz num momento
E no mesmo momento desfaz
Esse vago Deus por trás do mundo
Por detrás do detrás
Cântico dos cânticos
Quântico dos quânticos
© Gege Produções

Queremos guerra

Está com queremos saber - AVISAR

Queremos saber
QUEREMOS SABER
Gilberto Gil
1976

Queremos saber
O que vão fazer

Página 234 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Com as novas invenções


Queremos notícia mais séria
Sobre a descoberta da antimatéria
E suas implicações
Na emancipação do homem
Das grandes populações
Homens pobres das cidades
Das estepes, dos sertões
Queremos saber
Quando vamos ter
Raio laser mais barato
Queremos de fato um relato
Retrato mais sério
Do mistério da luz
Luz do disco voador
Pra iluminação do homem
Tão carente e sofredor
Tão perdido na distância
Da morada do Senhor
Queremos saber
Queremos viver
Confiantes no futuro
Por isso se faz necessário
Prever qual o itinerário da ilusão
A ilusão do poder
Pois se foi permitido ao homem
Tantas coisas conhecer
É melhor que todos saibam
O que pode acontecer
Queremos saber
Queremos saber
Todos queremos saber

Quero ser teu funk

QUERO SER TEU FUNK


música de Gilberto Gil, Dé e Liminha

letra de Gilberto Gil

1991

Quero ser teu funk

Página 235 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Já sou teu fã número um


Agora quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Agora quero ser teu funk
Já - já que sou teu fã número um
Funk do teu samba
Funk do teu choro
Funk do teu primeiro amor
Rio de Janeiro
Bela Guanabara
Quem te viu primeiro, pirou
Chefe Araribóia, que andava
De Araruama a Itaipava
Não cansava de te adorar
Depois te fizeram cidade
Te fizeram tanta maldade
E um Cristo pra te guardar
Quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Agora quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Agora quero ser teu funk
Já - já que sou teu fã número um

Página 236 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Funk do teu morro


Funk do socorro
Que o pivete espera de alguém
Rio de Janeiro
Sou teu companheiro
Mesmo que não fique ninguém
Mesmo que São Paulo te xingue
Porque te cobiça o suingue
O mar, a preguiça, o calor
Lembra da Bahia, que um dia
Já mandou Ciata, a tia
Te ensinar kizomba nagô
Quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Agora quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Quero ser teu funk
Já sou teu fã número um
Agora quero ser teu funk
Já - já que sou teu fã número um
Funk da madruga
Funk qualquer hora
Funk do teu eterno fã
Funk do portuga
Que te amava outrora - e agora
Funk da turista alemã
Rio de Janeiro, Rocinha

Página 237 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Sempre a te zelar, Pixinguinha


Jamelão, Vadico e Noel
Funk são teus arcos da Lapa
Funk é tua foto na capa
Da revista Amiga do céu

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Questão de ordem

QUESTÃO DE ORDEM
Gilberto Gil
1968

Você vai, eu fico


Você fica, eu vou
Daqui por diante
Fica decidido
Quem ficar, vigia
Quem sair, demora
Quem sair, demora
Quanto for preciso
Em nome do amor
Você vai, eu fico
Você fica, eu vou
Se eu ficar em casa
Fico preparando
Palavras de ordem
Para os companheiros
Que esperam nas ruas
Pelo mundo inteiro
Em nome do amor
Você vai, eu fico
Você fica, eu vou
Por uma questão de ordem
Por uma questão de desordem

Página 238 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Se eu sair, demoro
Não mais que o bastante
Pra falar com todos
Pra deixar as ordens
Pra deixar as ordens
Que eu sou comandante
Em nome do amor
Você vai, eu fico
Você fica, eu vou
Os que estão comigo
Muitos são distantes
Se eu sair agora
Pode haver demora
Demora tão grande
Que eu nunca mais volte
Em nome do amor

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Rancho da rosa encarnada

RANCHO DA ROSA ENCARNADA


Gilberto Gil, Geraldo Vandré e Torquato Neto
1966
Vejam quantas coisas novas vamos contar
Nas cantigas mais antigas
Que o meu Rancho da Rosa Encarnada escolheu pra cantar
Pelas calçadas enfeitadas se vê
Tanta gente pra nos receber
Somos cantores
Cantamos as flores
Cantamos amores
Trazemos também
A notícia da grande alegria que vem
Pra durar mais que um dia
E ficar como antigas cantigas
Que não morrem
Que não passam jamais
Como passam sempre os carnavais
© Gegê Produções Artísticas Ltda. / Warner-Chappell Edições Musicais Ltda.

Página 239 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Realce

REALCE
Gilberto Gil

1979

Não se incomode
O que a gente pode, pode
O que a gente não pode, explodirá
A força é bruta
E a fonte da força é neutra
E de repente a gente poderá
Realce, realce
Quanto mais purpurina, melhor
Realce, realce
Com a cor do veludo
Com amor, com tudo
De real teor de beleza
Não se impaciente
O que a gente sente, sente
Ainda que não se tente, afetará
O afeto é fogo
E o modo do fogo é quente
E de repente a gente queimará
Realce, realce
Quanto mais parafina, melhor
Realce, realce

Página 240 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Com a cor do veludo


Com amor, com tudo
De real teor de beleza
Não desespere
Quando a vida fere, fere
E nenhum mágico interferirá
Se a vida fere
Como a sensação do brilho
De repente a gente brilhará
Realce, realce
Quanto mais serpentina, melhor
Realce, realce
Com a cor do veludo
Com amor, com tudo
De real teor de beleza
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Rebento

REBENTO
Gilberto Gil

1979

Rebento, substantivo abstrato


O ato, a criação, o seu momento
Como uma estrela nova e o seu barato
Que só Deus sabe lá no firmamento
Rebento, tudo que nasce é rebento
Tudo que brota, que vinga, que medra

Página 241 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Rebento raro como flor na pedra


Rebento farto como trigo ao vento
Outras vezes rebento simplesmente
No presente do indicativo
Como a corrente de um cão furioso
Como as mãos de um lavrador ativo
Às vezes mesmo perigosamente
Como acidente em forno radioativo
Às vezes, só porque fico nervoso
Às vezes, somente porque eu estou vivo
Rebento, a reação imediata
A cada sensação de abatimento
Rebento, o coração dizendo: "Bata"
A cada bofetão do sofrimento
Rebento, esse trovão dentro da mata
E a imensidão do som
E a imensidão do som
E a imensidão do som desse momento
© Gege Produções Artísticas LTDA

Refavela

REFAVELA
Gilberto Gil

1977

Iaiá, kiriê
Kiriê, iaiá
A refavela

Página 242 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Revela aquela
Que desce o morro e vem transar
O ambiente
Efervescente
De uma cidade a cintilar
A refavela
Revela o salto
Que o preto pobre tenta dar
Quando se arranca
Do seu barraco
Prum bloco do BNH
A refavela, a refavela, ó
Como é tão bela, como é tão bela, ó
A refavela
Revela a escola
De samba paradoxal
Brasileirinho
Pelo sotaque
Mas de língua internacional
A refavela
Revela o passo
Com que caminha a geração
Do black jovem
Do black-Rio
Da nova dança no salão
Iaiá, kiriê
Kiriê, iaiá

Página 243 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

A refavela
Revela o choque
Entre a favela-inferno e o céu
Baby-blue-rock
Sobre a cabeça
De um povo-chocolate-e-mel
A refavela
Revela o sonho
De minha alma, meu coração
De minha gente
Minha semente
Preta Maria, Zé, João
A refavela, a refavela, ó
Como é tão bela, como é tão bela, ó
A refavela
Alegoria
Elegia, alegria e dor
Rico brinquedo
De samba-enredo
Sobre medo, segredo e amor
A refavela
Batuque puro
De samba duro de marfim
Marfim da costa
De uma Nigéria
Miséria, roupa de cetim
Iaiá, kiriê

Página 244 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Kiriê, iáiá
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Refazenda

REFAZENDA
Gilberto Gil

1975

Abacateiro
Acataremos teu ato
Nós também somos do mato
Como o pato e o leão
Aguardaremos
Brincaremos no regato
Até que nos tragam frutos
Teu amor, teu coração
Abacateiro
Teu recolhimento é justamente
O significado
Da palavra temporão
Enquanto o tempo
Não trouxer teu abacate
Amanhecerá tomate
E anoitecerá mamão
Abacateiro
Sabes ao que estou me referindo
Porque todo tamarindo tem
O seu agosto azedo
Cedo, antes que o janeiro
Doce manga venha ser também
Abacateiro
Serás meu parceiro solitário
Nesse itinerário
Da leveza pelo ar
Abacateiro
Saiba que na refazenda
Tu me ensina a fazer renda
Que eu te ensino a namorar
Refazendo tudo
Refazenda

Página 245 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Refazenda toda
Guariroba
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Refestança

REFESTANÇA
Gilberto Gil e Rita Lee

1977

Refestança, dança
Dança, dança, dança quem pode dançar
Refestança, canta
Canta, canta, canta quem pode cantar
Na hora, aqui agora, quando a banda tocar
Senhoras e senhores, crianças, vamos voar
Voar, voar
Podem desatar os cintos de segurança
Que a esperança é vontade
Que a bonança é verdade
Que a verdade é amar
Refestança, dança
Dança, dança, dança quem pode dançar
Refestança, canta
Canta, canta, canta quem pode cantar
Só não pode quem não quiser
Ver que o céu da terra é azul
Ver que o verde é verde
Que a vida viaja
E com a vida a gente vai

Página 246 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Vai, vai, vai


Refestança, dança
Dança, dança, dança quem pode dançar
Refestança, canta
Canta, canta, canta quem pode cantar
© Gege Produções Artísticas LTDA e Warner/Chappell Edições Musicais Ltda.

Rep

REP
Gilberto Gil
1994
O povo sabe o que quer
Mas o povo também quer o que não sabe
O povo sabe o que quer
Mas o povo também quer o que não sabe
O que não sabe, o que não saberia
O que não saboreia porque é só visão
E tão somente cores, a cor do veludo
Ludo, luz, brinquedo, ledo engano, tele
Teletecido à prova de tesoura
Que não corta, não costura, que não veste
Que resiste ao teste da pele, não rasga
Nunca sai da tela, nunca chega à sala
Que é pura fala, que é beleza pura
É a pura privação de outros sentidos tais
Como o olfato, o tato e seus outros sabores
Não apenas cores, mas saliva e sal
Veludo em carne viva, nutritiva
Não apenas realidade virtual
Veludo humano, pano em carne viva
Menos realce, mais vida real
O povo sabe o que quer
Mas o povo também quer o que não sabe
O povo sabe o que quer
Mas o povo também quer o que não sabe
O que não sabe, o que não saberia
Porque morreria sem poder provar
Como provar a pilha com a ponta da língua
Receber o choque elétrico e saber
Poder matar a fome é pra quem come, é claro
Não apenas pra quem vê comer

Página 247 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Assim feito a criança pobre esfarrapada


Come feijoada que vê na TV
Essa criança quer o que não come
Quer o que não sabe, quer poder viver
Assim como viveu um Galileu, um Newton
E outros tantos muitos pais do amanhã
Esses que provam que a Terra é redonda
E a gravidade é a simples queda da maçã
Que dão ao povo os frutos da ciência
Sabores sem os quais a vida é vã
O povo sabe o que quer
Mas o povo também quer o que não sabe
O povo sabe o que quer
Mas o povo também quer o que não sabe
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Réquiem pra mãe menininha do Gantois

RÉQUIEM PRA MÃE MENININHA DO GANTOIS


Gilberto Gil

1986

Foi
Minha mãe se foi
Minha mãe se foi
Sem deixar de ser - ora, iêiê, ô
Dói
Minha alma ainda dói
Minha alma ainda dói
Sem deixar doer - ora, iêiê, ô
Foi
Tão boa pra nós
Tão boa pra nós
Não deixa de ser - ora, iêiê, ô
Mãe

Página 248 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Do orum, do céu
Do orum, do céu
Me ajuda a viver neste ilê aiê
Rara
Ouro
Guarda o tesouro pra nós
Riso
Puro
Porto Seguro pra nós
Vemos
Vivo
O brilho da tua luz
Iluminando nossos corações
Ouve nossa oração
Escuta a demanda de cada um
Manda teu doce axé
Recomenda ao santo o teu candomblé
Fala com cada um
Fala com cada um
Fala com cada filho fiel
Canta pra todos nós
Derrama sobre todos o teu mel
Foi
Minha mãe se foi
Minha mãe se foi
Sem deixar de ser a Rainha do Trono Dourado de Oxum
Sem deixar de ser

Página 249 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Mãe de cada um
Dos filhos pra quem eternamente sempre haverá
Mãe Menininha
Mãe Menininha
Mãe Menininha
Mãe Menininha
Mãe Menininha
© Gege Produções Artísticas L

Retiros espirituais

RETIROS ESPIRITUAIS
Gilberto Gil

1975

Nos meu retiros espirituais


Descubro certas coisas tão normais
Como estar defronte de uma coisa e ficar
Horas a fio com ela
Bárbara, bela, tela de TV
Você há de achar gozado
Barbarela dita assim dessa maneira
Brincadeira sem nexo
Que gente maluca gosta de fazer
Eu diria mais, tudo não passa
Dos espirituais sinais iniciais desta canção
Retirar tudo o que eu disse
Reticenciar que eu juro
Censurar ninguém se atreve

Página 250 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

É tão bom sonhar contigo, ó


Luar tão cândido
Nos meus retiros espirituais
Descubro certas coisas anormais
Como alguns instantes vacilantes e só
Só com você e comigo
Pouco faltando, devendo chegar
Um momento novo
Vento devastando como um sonho
Sobre a destruição de tudo
Que gente maluca gosta de sonhar
Eu diria, sonhar com você jaz
Nos espirituais sinais iniciais desta canção
Retirar tudo que eu disse
Reticenciar que eu juro
Censurar ninguém se atreve
É tão bom sonhar contigo, ó
Luar tão cândido
Nos meus retiros espirituais
Descubro certas coisas tão banais
Como ter problemas ser o mesmo que não
Resolver tê-los é ter
Resolver ignorá-los é ter
Você há de achar gozado
Ter que resolver de ambos os lados
De minha equação
Que gente maluca tem que resolver

Página 251 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Eu diria, o problema se reduz


Aos espirituais sinais iniciais desta canção
Retirar tudo que eu disse
Reticenciar que eu juro
Censurar ninguém se atreve
É tão bom sonhar contigo, ó
Luar tão cândido
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Roda

Letra de João Augusto


Música de Gilberto Gil
1964
Meu povo, preste atenção
Na roda que eu te fiz
Quero mostrar a quem vem
Aquilo que o povo diz
Posso falar, pois eu sei
Eu tiro os outros por mim
Quando almoço, não janto
E quando canto é assim
Agora vou divertir
Agora vou começar
Quero ver quem vai sair
Quero ver quem vai ficar
Não é obrigado a me ouvir
Quem não quiser escutar
Quem tem dinheiro no mundo
Quanto mais tem, quer ganhar
E a gente que não tem nada
Fica pior do que está
Seu moço, tenha vergonha
Acabe a descaração
Deixe o dinheiro do pobre
E roube outro ladrão
Agora vou divertir
Agora vou prosseguir
Quero ver quem vai ficar
Quero ver quem vai sair

Página 252 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Não é obrigado a escutar


Quem não quiser me ouvir
Se morre o rico e o pobre
Enterre o rico e eu
Quero ver quem que separa
O pó do rico do meu
Se lá embaixo há igualdade
Aqui em cima há de haver
Quem quer ser mais do que é
Um dia há de sofrer
Agora vou divertir
Agora vou prosseguir
Quero ver quem vai ficar
Quero ver quem vai sair
Não é obrigado a escutar
Quem não quiser me ouvir
Seu moço, tenha cuidado
Com sua exploração
Se não lhe dou de presente
A sua cova no chão
Quero ver quem vai dizer
Quero ver quem vai mentir
Quero ver quem vai negar
Aquilo que eu disse aqui
Agora vou divertir
Agora vou terminar
Quero ver quem vai sair
Quero ver quem vai ficar
Não é obrigado a me ouvir
Quem não quiser escutar
Agora vou terminar
Agora vou discorrer
Quem sabe tudo e diz logo
Fica sem nada a dizer
Quero ver quem vai voltar
Quero ver quem vai fugir
Quero ver quem vai ficar
Quero ver quem vai trair
Por isso eu fecho essa roda
A roda que eu te fiz
A roda que é do povo
Onde se diz o que diz
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 253 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Roque Santeiro, O Rock

ROQUE SANTEIRO - O ROCK


Gilberto Gil

1984

Outrora, só cabeludo
Agora, o menino é tudo de novo no front
Outrora, só rebeldia
Agora, soberania na noite neon
Outrora, mera fumaça
Agora, fogo da raça, fogoso rapaz
Outrora, mera ameaça
Agora, exige o direito ao respeito dos pais
E tem mais, e tem mais, e tem mais
E tem mais, e tem mais
Outrora, arraia miúda
Agora, lobão de boca bem grande a gritar
Outrora, pirado e louco
Agora, poucos insistem em negar-lhe o lugar
Outrora, frágil autorama
Agora, três paralamas de grande carreta de som
Outrora, simples bermuda
Agora, ultravestido de elegante ultraje a rigor
E o amor, e o amor, e o amor, e o amor
E o amor, e o amor, e o amor
Só quem não amar os filhos
Vai querer dinamitar os trilhos da estrada
Onde passou passarada

Página 254 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Passa agora a garotada, destino ao futuro


Deixa ele tocar o rock
Deixa o choque da guitarra tocar o santeiro
Do barro do motocross
Quem sabe ele molde um novo santo padroeiro
Outrora, o seio materno
Agora, o meio da rua, na lua, nas novas manhãs
Outrora, o céu e o inferno
Agora, o saber eterno do velho sonho dos titãs
Outrora, o reino do Pai
Agora, o tempo do Filho com seu novo canto
Outrora, o Monte Sinai
Agora, sinais da nave do Espírito Santo
E o encanto, e o encanto, e o encanto, e o encanto
E o encanto, e o encanto, e o encanto, e o encanto
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Sala do som

SALA DO SOM
Gilberto Gil

1977

Vou me deitar
Na sala do som
Só quem pode entrar
É Milton
Se ele resolver
Me acordar

Página 255 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Diga que é melhor


Me deixar dormir
E que é pra ele também
Se deitar
Na sala do som
Se ele descansar
Vai ser bom
Amanhã vai ser
De arrasar
Temos que fazer
Cinco ou seis horas de show
E a turma tem
Que deitar
E rolar no som
Temos que escolher
Qual o tom
Pro samba que vai
Encerrar
E uns detalhes mais
Pra acertar
Diga ao Bituca pra ele entrar
Sem bater
© Gege Produções

Samba de Los Angeles

SAMBA DE LOS ANGELES


Gilberto Gil

Página 256 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

1978

Olha que o samba foi


Foi quebrando, foi
Foi quebrando, foi
Foi quebrar
Lá na beira do mar
Tanto que água mole
Em pedra dura bate, que fura
Da pedra rachar
Tanto que racha a rocha
Que relaxa, afrouxa, que vira
Areia do mar
Tanto que a areia arenga
Que a sereia canta pelo pé
Que areia pisar

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Sandra

SANDRA
Gilberto Gil

1976

Maria Aparecida, porque apareceu na vida


Maria Sebastiana, porque Deus fez tão bonita
Maria de Lourdes
Porque me pediu uma canção pra ela
Carmensita, porque ela sussurou: "Seja bem-vindo"
(No meu ouvido)

Página 257 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Na primeira noite quando nós chegamos no hospício


E Lair, Lair
Porque quis me ver e foi lá no hospício
Salete fez chafé, que é um chá de café que eu gosto
E naquela semana tomar chafé foi um vício
Andréia na estréia
No segundo dia, meus laços de fita
Cíntia, porque, embora choque, rosa é cor bonita
E Ana, porque parece uma cigana da ilha
Dulcina, porque
É santa, é uma santa e me beijou na boca
Azul, porque azul é cor, e cor é feminina
Eu sou tão inseguro porque o muro é muito alto
E pra dar o salto
Me amarro na torre no alto da montanha
Amarradão na torre dá pra ir pro mundo inteiro
E onde quer que eu vá no mundo, vejo a minha torre
É só balançar
Que a corda me leva de volta pra ela:
Oh, Sandra
© Gege Produções Artísticas LTDA.

São João, Xangô menino

SÃO JOÃO, XANGÔ MENINO


letra de Caetano Veloso

música de Caetano Veloso e Gilberto Gil

1976

Página 258 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ai, Xangô, Xangô menino


Da fogueira de São João
Quero ser sempre o menino, Xangô
Da fogueira de São João
Céu de estrela sem destino
De beleza sem razão
Tome conta do destino, Xangô
Da beleza e da razão
Viva São João
Viva o milho verde
Viva São João
Viva o brilho verde
Viva São João
Das matas de Oxossi
Viva São João
Olha pro céu, meu amor
Veja como ele está lindo
Noite tão fria de junho, Xangô
Canto tanto canto lindo
Fogo, fogo de artifício
Quero ser sempre o menino
As estrelas deste mundo, Xangô
Ai, São João, Xangô Menino
Viva São João
Viva Refazenda
Viva São João
Viva Dominguinhos

Página 259 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Viva São João


Viva Qualquer Coisa
Viva São João
Gal Canta Caymmi
Viva São João
Pássaro Proibido
Viva São João
© Gapa Produções Artísticas Ltda. / Gegê Produções Artísticas Ltda.

Sarará Miolo

SARARÁ MIOLO
Gilberto Gil

1976

Sara, sara, sara, sarará


Sara, sara, sara, sarará
Sarará miolo
Sara, sara, sara cura
Dessa doença de branco
Sara, sara, sara cura
Dessa doença de branco
De querer cabelo liso
Já tendo cabelo louro
Cabelo duro é preciso
Que é para ser você, crioulo

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Página 260 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Satisfação

SATISFAÇÃO
Gilberto Gil
1975

Agora olhe pro céu


Agora olhe pro chão
Agora repare a luz
Que vem lá do caminhão
Rolling's tão tocando bem
Rolling's tão tocando mal
Rolling's tão tocando mil
Na boca do pessoal
Posso ter não satisfação
Posso ter não satisfação

© Gege Produções

Sebastian

SEBASTIAN
música de Gilberto Gil
letra de Milton Nascimento

Sebastian, Sebastião
Diante da tua imagem
Tão castigada e tão bela
penso na tua cidade
Peço que olhes por ela
Cada parte do teu corpo
Cada flecha envenenada
Flechada por pura inveja
é um pedaço de bairro
é uma praça do Rio
Enchendo de horror quem passa
Oô cidade, oô menino
Que me ardem de paixão
Eu prefiro que essas flechas

Página 261 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Saltem pra minha canção


Livrem da dor meus amados
Que na cidade tranquila
Sarada cada ferida
Tudo se transforme em vida
Canteiro cheio de flores
pra que só chorem, querido,
Tu e a cidade, de amores
© Gege (América do Sul e Brasil) Preta Music (resto do mundo) / Nascimento Edições

Se eu quiser falar com Deus

SE EU QUISER FALAR COM DEUS


Gilberto Gil

1980

Se eu quiser falar com Deus


Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nós
Dos sapatos, da gravata
Dos desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias
Ter a alma e o corpo nus
Se eu quiser falar com Deus
Tenho que aceitar a dor
Tenho que comer o pão
Que o diabo amassou

Página 262 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Tenho que virar um cão


Tenho que lamber o chão
Dos palácios, dos castelos
Suntuosos do meu sonho
Tenho que me ver tristonho
Tenho que me achar medonho
E apesar de um mal tamanho
Alegrar meu coração
Se eu quiser falar com Deus
Tenho que me aventurar
Tenho que subir aos céus
Sem cordas pra segurar
Tenho que dizer adeus
Dar as costas, caminhar
Decidido, pela estrada
Que ao findar vai dar em nada
Nada, nada, nada, nada
Nada, nada, nada, nada
Nada, nada, nada, nada
Do que eu pensava encontrar
© Gege Produções

Serafim

SERAFIM
Gilberto Gil

1983

Quando o agogô soar

Página 263 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

O som do ferro sobre o ferro


Será como o berro do bezerro
Sangrado em agrado ao grande Ogum
Quando a mão tocar no tambor
Será pele sobre pele
Vida e morte para que se zele
Pelo orixá e pelo egum
Kabieci lê - vai cantando o ijexá pro pai Xangô
Eparrei, ora iêiê - pra Iansã e mãe Oxum
"Oba bi Olorum koozi": como Deus não há nenhum
Será sempre axé
Será paz, será guerra, serafim
Através das travessuras de Exu
Apesar da travessia ruim
Há de ser assim
Há de ser sempre pedra sobre pedra
Há de ser tijolo sobre tijolo
E o consolo é saber que não tem fim
Kabieci lê - vai cantando o ijexá pro pai Xangô
Eparrei, ora iêiê - pra Iansã e mãe Oxum
"Oba bi Olorum koozi": como Deus não há nenhum
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Seu olhar

SEU OLHAR
Gilberto Gil

1984

Página 264 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Há no seu olhar
Algo que me ilude
Como o cintilar
Da bola de gude
Parece conter
As nuvens do céu
As ondas brancas do mar
Astro em miniatura
Micro-estrutura estelar
Há no seu olhar
Algo surpreendente
Como o viajar
Da estrela cadente
Sempre faz tremer
Sempre faz pensar
Nos abismos da ilusão
Quando, como e onde
Vai parar meu coração?
Há no seu olhar
Algo de saudade
De um tempo ou lugar
Na eternidade
Eu quisera ter
Tantos anos-luz
Quantos fosse precisar
Pra cruzar o túnel
Do tempo do seu olhar

Página 265 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gege Produções Artísticas LTDA

Sítio do pica-pau amarelo

SÍTIO DO PICA-PAU-AMARELO
Gilberto Gil

1976

Marmelada de banana
Bananada de goiaba
Goiabada de marmelo
Sítio do Pica-pau-amarelo
Boneca de pano é gente
Sabugo de milho é gente
O sol nascente é tão belo
Sítio do Pica-pau-amarelo
Rios de prata piratas
Vôo sideral na mata
Universo paralelo
Sítio do Pica-pau-amarelo
No país da fantasia
Num estado de euforia
Cidade Polichinelo
Sítio do Pica-pau-amarelo
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Sociedade Afluente

SOCIEDADE AFLUENTE

Página 266 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Gilberto Gil
1973

No final da noite
Depois que todos comeram
Depois que os pratos sujaram
Depois que os copos secaram
Depois que os discos tocaram
Depois que todos já foram
Ainda a lata do lixo
Pra pôr na porta da rua
Que amanhã é outro dia
Como todo e qualquer dia
Dia da Limpeza Pública
Mandar seu carro alegórico
Recolher nosso tributo
Bem cedo, antes que os detritos
Do banheiro e da cozinha
Encham os olhos da vizinha
E ela coma do presunto
Que ficou na geladeira
Muito mais de uma semana
No final da noite
Depois que todos comeram
Depois que os pratos sujaram
Depois que os copos secaram
Depois que os discos desceram
Depois que todos já foram
Ainda a lata do lixo
Pra pôr na porta da rua

© Gege Produções

Sonho molhado

SONHO MOLHADO
Gilberto Gil

1979

Faz muito tempo que eu não tomo chuva


Faz muito tempo que eu não sei o que é me deixar molhar

Página 267 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Bem molhadinho, molhadinho de chuva


Faz muito tempo que eu não sei o que é pegar um toró
De tá na chuva quando a chuva cair
De não correr pra me abrigar, me cobrir
De ser assim uma limpeza total
De tá na rua e ser um banho
Na rua
Um banho
De ser igual quando a gente vai dormir
Que a gente sente alguém acariciar
Depois que passa o furacão de prazer
Ficar molhado e ser um sonho
Molhado
Um sonho
Eu vou dormir (enxutinho)
E acordo molhadinho de chuva
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Soy loco por ti América

SOY LOCO POR TI, AMÉRICA


letra de Capinan

música de Giberto Gil

1967

Soy loco por ti, América


Yo voy traer una mujer playera
Que su nombre sea Marti
Que su nombre sea Marti

Página 268 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Soy loco por ti de amores


Tenga como colores la espuma blanca de Latinoamérica
Y el cielo como bandera
Y el cielo como bandera
Soy loco por ti, América
Soy loco por ti de amores
Sorriso de quase nuvem
Os rios, canções, o medo
O corpo cheio de estrelas
O corpo cheio de estrelas
Como se chama a amante
Desse país sem nome, esse tango, esse rancho,
esse povo, dizei-me, arde
O fogo de conhecê-la
O fogo de conhecê-la
Soy loco por ti, América
Soy loco por ti de amores
El nombre del hombre muerto
Ya no se puede decirlo, quién sabe?
Antes que o dia arrebente
Antes que o dia arrebente
El nombre del hombre muerto
Antes que a definitiva noite se espalhe em Latinoamérica
El nombre del hombre es pueblo
El nombre del hombre es pueblo
Soy loco por ti, América
Soy loco por ti de amores

Página 269 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Espero a manhã que cante


El nombre del hombre muerto
Não sejam palavras tristes
Soy loco por ti de amores
Um poema ainda existe
Com palmeiras, com trincheiras, canções de guerra,
quem sabe canções do mar
Ai, hasta te comover
Ai, hasta te comover
Soy loco por ti, América
Soy loco por ti de amores
Estou aqui de passagem
Sei que adiante um dia vou morrer
De susto, de bala ou vício
De susto, de bala ou vício
Num precipício de luzes
Entre saudades, soluços, eu vou morrer de bruços
nos braços, nos olhos
Nos braços de uma mulher
Nos braços de uma mulher
Mais apaixonado ainda
Dentro dos braços da camponesa, guerrilheira,
manequim, ai de mim
Nos braços de quem me queira
Nos braços de quem me queira
Soy loco por ti, América
Soy loco por ti de amores

Página 270 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Musiclave Editora Musical Ltda.

Superhomem - a canção

SUPERHOMEM - A CANÇÃO
Gilberto Gil

1979

Um dia
Vivi a ilusão de que ser homem bastaria
Que o mundo masculino tudo me daria
Do que eu quisesse ter
Que nada
Minha porção mulher, que até então se resguardara
É a porção melhor que trago em mim agora
É que me faz viver
Quem dera
Pudesse todo homem compreender, oh, mãe, quem dera
Ser o verão o apogeu da primavera
E só por ela ser
Quem sabe
O Superhomem venha nos restituir a glória
Mudando como um deus o curso da história
Por causa da mulher
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Tempo rei

TEMPO REI
Gilberto Gil

Página 271 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

1984

Não me iludo
Tudo permanecerá do jeito que tem sido
Transcorrendo
Transformando
Tempo e espaço navegando todos os sentidos
Pães de Açúcar
Corcovados
Fustigados pela chuva e pelo eterno vento
Água mole
Pedra dura
Tanto bate que não restará nem pensamento
Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei
Transformai as velhas formas do viver
Ensinai-me, ó, pai, o que eu ainda não sei
Mãe Senhora do Perpétuo, socorrei
Pensamento
Mesmo o fundamento singular do ser humano
De um momento
Para o outro
Poderá não mais fundar nem gregos nem baianos
Mães zelosas
Pais corujas
Vejam como as águas de repente ficam sujas
Não se iludam
Não me iludo
Tudo agora mesmo pode estar por um segundo

Página 272 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei


Transformai as velhas formas do viver
Ensinai-me, ó, pai, o que eu ainda não sei
Mãe Senhora do Perpétuo, socorrei
© Gege Produções Artísticas LTDA

The three mushrooms

THE THREE MUSHROOMS


letra de Gilberto Gil e Jorge Mautner

música de Gilberto Gil

1971

The first mushroom


Makes room for my mind
To get inside the magic room
Of Dionysus' house
Time is over
War is over
I am safe and sound
I live and love
I drink and eat
I can leap and bound
Now I am dying all my life away
As well as I am being reborn
Day after day
The second mushroom
Makes room for my body
To get inside the tragic room

Página 273 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Of Dionysus' house
Time is on
War is all
I am busy and sad
From mists of pain
I rise and fall
Like an endless rain
Now I am doing what I have to do
Fulfilling all my will of conquest
Moon after moon
The last mushroom
Makes room for the unknown
I get inside the secret room
Of an unthinkable house
In which I feel the grace
In which I get to be the space
From which I see the earth
Exploding into a light
That the last mushroom aroused
The last mushroom
Atomic mushroom
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Toda menina baiana

TODA MENINA BAIANA


Gilberto Gil

1979

Página 274 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Toda menina baiana tem um santo, que Deus dá


Toda menina baiana tem encanto, que Deus dá
Toda menina baiana tem um jeito, que Deus dá
Toda menina baiana tem defeito também que Deus dá
Que Deus deu
Que Deus dá
Que Deus entendeu de dar a primazia
Pro bem, pro mal, primeira mão na Bahia
Primeira missa, primeiro índio abatido também
Que Deus deu
Que Deus entendeu de dar toda magia
Pro bem, pro mal, primeiro chão na Bahia
Primeiro carnaval, primeiro pelourinho também
Que Deus deu
Que Deus deu
Que Deus dá
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Toda saudade

TODA SAUDADE
Gilberto Gil

1984

Toda saudade é a presença


Da ausência de alguém
De algum lugar
De algo enfim
Súbito o não

Página 275 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Toma forma de sim


Como se a escuridão
Se pusesse a luzir
Da própria ausência de luz
O clarão se produz
O sol na solidão
Toda saudade é um capuz
Transparente
Que veda
E ao mesmo tempo
Traz a visão
Do que não se pode ver
Porque se deixou pra trás
Mas que se guardou no coração
© Gege Produções Artísticas LTDA

Touche pas à mon pote

TOUCHE PAS À MON POTE


Gilberto Gil

1985

Touche pas à mon pote


Ça veut dire quoi?
Ça veut dire peut être
Que l’Être qui habite chez lui
C’est le même qui habite chez toi
Touche pas à mon pote
Ça veut dire quoi?

Página 276 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ça veut dire que l’Être


Qui a fait Jean-Paul Sartre penser
Fait jouer Yannik Noah
Touche pas à mon pote
Il faut pas oublier que la France
A déjà eu la chance
De s’imposer sur la terre
Par la guerre
Les temps passés ont passé
Maintenant nous venons ici
Chercher les bras d’une mère
Bonne mère
Touche pas à mon pote
Touche pas à mon pote
Ça veut dire quoi?
Ça veut dire peut être
Que l’Être qui habite chez lui
C’est le même qui habite chez toi
Touche pas à mon pote
Ça veut dire quoi?
Ça veut dire que l’être
Qui a fait Jean-Paul Sartre penser
Fait jouer Yannik Noah
Il fait chanter Charles Aznavour
Il fait filmer Jean-Luc Goddard
Il fait jolie Brigitte Bardot
Il fait petit le plus grand Français

Página 277 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Et fait plus grand le petit Chinois


Touche pas à mon pote
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Tradição

TRADIÇÃO
Gilberto Gil

1973

Conheci uma garota que era do Barbalho


Uma garota do barulho
Namorava um rapaz que era muito inteligente
Um rapaz muito diferente
Inteligente no jeito de pongar no bonde
E diferente pelo tipo
De camisa aberta e certa calça americana
Arranjada de contrabando
E sair do banco e, desbancando, despongar do bonde
Sempre rindo e sempre cantando
Sempre lindo e sempre, sempre, sempre, sempre, sempre
Sempre rindo e sempre cantando
Conheci essa garota que era do Barbalho
Essa garota do barulho
No tempo que Lessa era goleiro do Bahia
Um goleiro, uma garantia
No tempo que a turma ia procurar porrada (*)
Na base da vã valentia
No tempo que preto não entrava no Bahiano

Página 278 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Nem pela porta da cozinha


Conheci essa garota que era do Barbalho
No lotação de Liberdade
Que passava pelo ponto dos Quinze Mistérios
Indo do bairro pra cidade
Pra cidade, quer dizer, pro Largo do Terreiro
Pra onde todo mundo ia
Todo dia, todo dia, todo santo dia
Eu, minha irmã e minha tia
No tempo quem governava era Antonio Balbino
No tempo que eu era menino
Menino que eu era e veja que eu já reparava
Numa garota do Barbalho
Reparava tanto que acabei já reparando
No rapaz que ela namorava
Reparei que o rapaz era muito inteligente
Um rapaz muito diferente
Inteligente no jeito de pongar no bonde
E diferente pelo tipo
De camisa aberta e certa calça americana
Arranjada de contrabando
E sair do banco e, desbancando, despongar do bonde
Sempre rindo e sempre cantando
Sempre lindo e sempre, sempre, sempre, sempre, sempre
Sempre rindo e sempre cantando
____________________________________________
Variante: (*) No tempo que a turma ia só jogar pernada

Página 279 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Trovoada

TROVOADA
Parte A Gilberto Gil / Parte B Milton Nascimento

Parte A

O ronco da trovoada
Estremece os corações
Nas capitais dos estados
Nos pequenos povoados
Lá pros lados dos sertões
Quando o tempo faz zoada
Na voz grave dos trovões
Eu acho que alguém já disse
Que é como então se abrisse
a jaula para os leões
Estremecem os corações
Parte B

Acredite se quiser
Que o Cavaleiro das luas e das estrelas
Abriu o céu, desceu e me ofertou
Um livro aberto na página brilhante
Que nesse instante uma poeira iluminada
me assustou
Falva de Andrômeda,
A dona da constelação do Escorpião,
Falou da outra estrela na ponta do Cruzeiro,
Falou das quatro luas
A nova, a que cresce, a cheia e a que diminui
Que a primeira, quando se esconde na escuridão,
é de mentira, pra nos tomar o coração
Me ensinou coisas que vi
E que nem são daqui
E, de repente, acordei com o ronco...
© Gege (América do Sul e Brasil) Preta Music (resto do mundo) / Nascimento Edições

Um sonho

Página 280 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

UM SONHO
Gilberto Gil

1977

Eu tive um sonho
Que eu estava certo dia
Num congresso mundial
Discutindo economia
Argumentava
Em favor de mais trabalho
Mais emprego, mais esforço
Mais controle, mais-valia
Falei de pólos
Industriais, de energia
Demonstrei de mil maneiras
Como que um país crescia
E me bati
Pela pujança econômica
Baseada na tônica
Da tecnologia
Apresentei
Estatísticas e gráficos
Demonstrando os maléficos
Efeitos da teoria
Principalmente
A do lazer, do descanso
Da ampliação do espaço
Cultural da poesia

Página 281 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Disse por fim


Para todos os presentes
Que um país só vai pra frente
Se trabalhar todo dia
Estava certo
De que tudo o que eu dizia
Representava a verdade
Pra todo mundo que ouvia
Foi quando um velho
Levantou-se da cadeira
E saiu assoviando
Uma triste melodia
Que parecia
Um prelúdio bachiano
Um frevo pernambucano
Um choro do Pixinguinha
E no salão
Todas as bocas sorriram
Todos os olhos me olharam
Todos os homens saíram
Um por um
Um por um
Um por um
Um por um
Fiquei ali
Naquele salão vazio
De repente senti frio

Página 282 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Reparei: estava nu
Me despertei
Assustado e ainda tonto
Me levantei e fui de pronto
Pra calçada ver o céu azul
Os estudantes
E operários que passavam
Davam risada e gritavam:
"Viva o índio do Xingu!
"Viva o índio do Xingu!
Viva o índio do Xingu!
Viva o índio do Xingu!
Viva o índio do Xingu!"
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Umeboshi

UMEBOSHI
Gilberto Gil
1973

Umeboshi é fruto da flor


Como a flor de lótus é
Uma bomba poderosa
Como a pomba-gira é
Estimulante do apetite
Elixir contra a bronquite
Regulador da mulher
Base da saúde púbica
Saúde dois mil e única
Saída contra a maré
Umeboshi cura qualquer saúde
Umeboshi cura qualquer doença
Umeboshi cura tudo porque veio do Japão

Página 283 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Foi cultivada na terra


Onde teve uma explosão
"Eu quero paz e arroz
Amor é bom e vem depois"
Como disse o meu amigo Jorge muito Ben
No mais é Deus no céu da boca e nada mais
(Conheci meu amigo na beira do cais
Perguntei se ele iria
Ele disse: "O Senhor vai
Descer do céu na terra uma vez mais"
Eu pensei: "Quem diria"
Ele disse: "O Senhor vai"
Eu falei qualquer coisa
Ele sumiu do cais
Partiu dali para sempre
Para nunca mais
E quando eu chego em casa
Dá, pai
Dá, mãe
Dá cá
Dá cá
Dá cacun dá, dá, dá
Dá cacunda, dá, dá
Dá cacunda pro menino
Pro menino não chorar
Faz a cama da menina
Que a menina quer deitar
Dá cacunda, dá, pai
Dá cacunda, dá, mãe
Dá cacunda pro menino
Pro menino não chorar
Faz a cama da menina
Que a menina quer deitar)
Umeboshi
Ameixinha salgada
Três anos curtida
Três anos curada
No sal
De curtida
De curada
Cura
Cura qualquer doença
Cura qualquer saúde

Página 284 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Umeboshi
Ameixinha salgada
(Salgada paca)
Umeboshi é fruto da flor
Como a flor de lótus é
Uma bomba poderosa
Como a pomba-gira é

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Vamos fugir

VAMOS FUGIR
(Gimme Your Love, de Gilberto Gil e Liminha)

versão de Gilberto Gil

1984

Vamos fugir
Deste lugar, baby
Vamos fugir
Tô cansado de esperar
Que você me carregue
Vamos fugir
Proutro lugar, baby
Vamos fugir
Pronde quer que você vá
Que você me carregue
Pois diga que irá
Irajá, Irajá
Pronde eu só veja você
Você veja a mim só
Marajó, Marajó

Página 285 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Qualquer outro lugar comum


Outro lugar qualquer
Guaporé, Guaporé
Qualquer outro lugar ao sol
Outro lugar ao sul
Céu azul, céu azul
Onde haja só meu corpo nu
Junto ao seu corpo nu
Vamos fugir
Proutro lugar, baby
Vamos fugir
Pronde haja um tobogã
Onde a gente escorregue
Todo dia de manhã
Flores que a gente regue
Uma banda de maçã
Outra banda de reggae
© Gege Produções Artísticas LTDA e Super-Warner/Chappell Edições Musicais LTDA.

Vamos passaer no astral

VAMOS PASSEAR NO ASTRAL


Gilberto Gil
1972
Vamos passear no astral
Com o duplo etérico furado
Com você do meu lado, menina
Não vai ter problema nenhum
Vamos passear no astral
Com o intelecto pirado
Caetanaves do ano passado vão pintar
Pra levar todo mundo pelo espaço
Pra levar todo mundo pro planeta Carnaval

Página 286 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Pelo menos, menina, por um dia


Vamos passear no astral

Viramundo

VIRAMUNDO
Letra de Capinan
Música de Gilberto Gil
1965
Sou viramundo virado
Nas rondas da maravilha
Cortando a faca e facão
Os desatinos da vida
Gritando para assustar
A coragem da inimiga
Pulando pra não ser preso
Pelas cadeias da intriga
Prefiro ter toda a vida
A vida como inimiga
A ter na morte da vida
Minha sorte decidida
Sou viramundo virado
Pelo mundo do sertão
Mas inda viro este mundo
Em festa, trabalho e pão
Virado será o mundo
E viramundo verão
O virador deste mundo
Astuto, mau e ladrão
Ser virado pelo mundo
Que virou com certidão
Ainda viro este mundo
Em festa, trabalho e pão
© Editora Musical BMG Arabella Ltda. / Gegê Produções Artísticas Ltda.

Vitrines

VITRINES
Gilberto Gil

1969

As vitrines são vitrines


Sonhos guardados perdidos

Página 287 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Em claros cofres de vidro


Um astronauta risonho
Como um boneco falante
Numa pequena vitrine
De plástico transparente
Uma pequena vitrine
A escotilha da cabine
Mundo do lado de fora
Do lado de fora, a ilha
A ilha Terra distante
Pequena esfera rolante
A Terra bola azulada
Numa vitrine gigante
O cosmonauta, a vitrine
No cosmos de tudo e nada
De éter de eternidade
De qualquer forma vitrine
Tudo que seja ou que esteja
Dentro e fora da cabine
Eter-cosmo-nave-nauta
Acoplados no infinito
Uma vitrine gigante
Plataforma de vitrines
Eu penso nos olhos dela
Atrás das lentes azuis
Dos óculos encantados
Que ela viu numa vitrine

Página 288 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Óculos que eu dei a ela


Num dia de muita luz
Os óculos são vitrines
Seus olhos azuis, meu sonho
Meu sonho de amor perdido
Atrás de lentes azuis
Vitrines de luz, seus olhos
Infinitamente azuis
As vitrines são vitrines
Sonhos guardados perdidos
Em claros cofres de vidro

© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Volkswagen blues

VOLKS-VOLKSWAGEN BLUE
Gilberto Gil
1969

Zeca, meu pai, comprou


Um Volks-Volkswagen blue
Zeca, meu pai, comprou
Um carrinho todo azul
Para Beto, para Dina
Chega bênção de Claudina
Anda minha mãe mofina
Que saudade, que saudade das meninas
Duas marinaravilhas
Minha cara, duas filhas

Página 289 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Minha caravela, ê
Vai seguindo rumo, ê
Minha cara Bela, ê
Vai seguindo rumo, ê
Viva Bela, ê, ê, camará
Vida bela, ê, ê, camará
Margarida, ê
Me criou pra valer
Morena, morenê, camará
Vou ficar com você
Vou viver com você, camará
Com Jesus vou morrer
Zeca, meu pai, comprou
Um VW mais novo
Zeca, meu pai, mandou
Um beijo, um abraço saudoso
Zeca, meu pai, comprou
Um VW mais novo
Zeca, meu pai, mandou
Um beijo, um abraço gostoso
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

VOLKSWAGEN BLUES
(Volks-Volkswagen Blue, de Gilberto Gil)
versão de Gilberto Gil
1971
Let me present to you
My Volks-Volkswagen blues
Ready to carry me away
A long way to reach the moon
Let me present to you
My Volks-Volkswagen blues

Página 290 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Ready to carry me away


A long way to reach the moon
Such an idea fills my daydream
Such an idea brings a moon beam
Such a floating light thread
Hangs on my little cabin, lonely cabin
My lunar Volkswagen cabin
With no men, no dog, no bag in
Such an idea thrills my soul
Breaks down my self control
So I haste away to find
Accelerating my mind
Now my cabin floats holding me in
I've got the space under my skin
Such an idea thrills my soul
Breaks down my self control
But I feel like a yolk in a egg
On the way to the moon
Thrown high in the sky by my dream
In my Volkswagen blues
Let me present to you
My Volks-Volkswagen blues
Ready to carry me away
A long way to reach the moon
Let me present, let me sing to you
My Volks-Volkswagen blues
Ready to carry me away
A long way to reach the moon
© Gegê Produções Artísticas Ltda.

Xote

XOTE
música de Rodolfo Stroeter
letra de Gilberto Gil
1994
Foi quando a chuva fez a curva no horizonte
Deixando o Monte da Viúva sem molhar
Que eu me dei conta que a santa lá da fonte
Ficou três dias sem beata pra rezar
Ficou três dias sem beata pra cantar a cantoria
Que há dez anos todo dia vêm cantar
As rezadeiras, todas filhas de Maria
Todas vindas da Bahia com promessas pra pagar
Rezadeiras, todas filhas de Maria
Todas elas com um bocado de promessas pra pagar

Página 291 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Aquela fonte permanece desaguando


De um milagre que há dez anos acontece no lugar
Ela não brota de uma grota, de uma pedra
Nunca medra como qualquer fonte costuma medrar
Bem na caatinga, onde quase nunca pinga
Nessa fonte sempre chove todo dia sem falhar
Esse fenômeno de fato inusitado
Parece que é provocado pela firme devoção
Das rezadeiras que vêm sempre em romaria
De Alagoas, Pernambuco, Paraíba e região
Mas todos sabem se a oração não principia
Com uma moça da Bahia, então chover, não chove, não
Algumas moças rezadeiras que vieram
De outros lugares sem ligar pra tradição
Cantaram tudo, tudo, tudo que puderam
Mas nos três dias não choveu no lajedão
Nesses três dias sem as moças da Bahia
Pra cantar a cantoria, todo mundo percebeu
Não adianta, pirulito é pirulito
Piriquito é piriquito, mito é mito, Deus é Deus
© Gege Produções Artísticas LTDA.

Zumbi (A felicidade guerreira)

ZUMBI (A FELICIDADE GUERREIRA)


letra de Waly Salomão & música de Gilberto Gil
(para o filme Quilombo)
1983

Zumbi, comandante guerreiro


Ogunhê, ferreiro-mor capitão
Da capitania da minha cabeça
Mandai a alforria pro meu coração

Minha espada espalha o sol da guerra


Rompe mato, varre céus e terra
A felicidade do negro é uma felicidade guerreira
Do maracatu, do maculelê e do moleque bamba

Minha espada espalha o sol da guerra


Meu quilombo incandescendo a serra
Tal e qual o leque, o sapateado do mestre-escola de samba
Tombo-de-ladeira, rabo-de-arraia, fogo-de-liamba

Página 292 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Em cada estalo, em todo estopim, no pó do motim


Em cada intervalo da guerra sem fim
Eu canto, eu canto, eu canto, eu canto, eu canto, eu canto assim:

A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!


A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!
A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!

Brasil, meu Brasil brasileiro


Meu grande terreiro, meu berço e nação
Zumbi protetor, guardião padroeiro
Mandai a alforria pro meu coração
© Gege Produções Artísticas LTDA e EMI Songs do Brasil Edições Musicais LTDA.

Página 293 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Toquinho - Vinícius de Moraes

São Demais os Perigos Desta Vida

São demais os perigos desta vida,


Prá quem tem paixão
principalmente,
Quando uma lua chega de repente,
E se deixa no céu, como esquecida.
E se ao luar que atua desvairado,
Vem se unir uma música qualquer
Aí então é preciso ter cuidado,
Porque deve andar perto uma mulher.
Aí então é preciso ter cuidado,
Porque deve andar perto uma mulher.
Deve andar perto uma mulher que é feita
De música, luar e sentimento,
E que a vida não quer, de tão perfeita.
Uma mulher que é como a própria Lua:
Tão linda que só espalha sofrimento,
Tão cheia de pudor que vive nua.
Tão linda que só espalha sofrimento,
Tão cheia de pudor que vive nua, São demais,
São demais os perigos desta vida,
Prá quem tem paixão ...

Página 294 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Luiz Henrique Mejia Godoy

Para recordar

Recordas el viejo patio


De nuestra casa en el pueblo
Donde un geranio sembro
Nuestra madre y nunca muerto
Com sus manos cariñosas de mujer nicaraguense
Com las mismas que amasso el pan,
El pan que todos comemos

Recordas tambien al viejo


Constuyendo sus marimbas
Y mar adentro cantando
Su sueño de mariñero
Todo aquel malabarismo
De navegar contra el viento
Para ganar el futuro
Hay que soñarlo primero

Y hoy que andamos los caminos


Y hay ceniza en nuestro pelo
Nuestros hijos han crescido
Como crescem los recuerdos
Recuerdos para escribir
Em la mitad del sendero
Para recordar tambien
Es preciso estar despierto

Recordas la processon
El nazareno golpeado
Que el jueves santo mostraban
Como preso torturado
Y lloravamos por suelto
Para no estar en pecado
Desde su mansion de oro
A diuda del deputado
El señor cura gitando
Desde el pulpito a mi pueblo
Para votar a favor
Del partido en el govierno
Y el diablo quien era lerdo
Mas que dia no era viejo
Desde la outra oposicion
Ofrecia el miesmo cielo

Página 295 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Y hoy que andamos los caminos


Y hay cenizas en nuestro pelo
Nuestros hijos han crescido
Como crescem los recuerdos
Recuerdos para escribir
Em la mitad del sendero
Para recordar tambien
Es preciso estar despierto

Recordas quantos colores


En noches de griteria
En los ojos de mi pueblo era fugaz fantasia
De poder gritar com todos
“Quien causa tanta alegria”
Para mañana seguir gañando el pan cuesta arriba

Recuerdas Carlos nuestras sonrisas


Detrás de los clarineros
Desde entonces saliran
El canto libre del pueblo
Y la vuella fresca aun
De una sol de aguacero
De un barrillete que ayer
Se enamoro de su vuelo

Y han florescido en las tejas


De nuestra casa vazia
Apesar de tanta ausencia
Un milhar de golondrinas

Y hoy que andamos los caminos


Y hay cenizas en nuestro pelo
Nuestros hijos cantaran
Lo que no pudo el abuelo
Y hoy que andamos los caminos
Y hay cenizas en nuetro pelo
Nuestros hijos han crescido
Como crescem los recuerdos
Recuerdos para escribir
Em la mitad del sendero
Para llorar y reir
Sempre tendremos un tiempo.

Página 296 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

ZUMBI (A FELICIDADE GUERREIRA)


letra de Waly Salomão & música de Gilberto Gil
( para o filme Quilombo – 1983 )

Zumbi, comandante guerreiro


Ogunhê, ferreiro-mor capitão
Da capitania da minha cabeça
Mandai a alforria pro meu coração

Minha espada espalha o sol da guerra


Rompe mato, varre céus e terra
A felicidade do negro é uma felicidade guerreira
Do maracatu, do maculelê e do moleque bamba

Minha espada espalha o sol da guerra


Meu quilombo incandescendo a serra
Tal e qual o leque, o sapateado do mestre-escola de samba
Tombo-de-ladeira, rabo-de-arraia, fogo-de-liamba

Em cada estalo, em todo estopim, no pó do motim


Em cada intervalo da guerra sem fim
Eu canto, eu canto, eu canto, eu canto, eu canto, eu canto assim:

A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!


A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!
A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!

Brasil, meu Brasil brasileiro


Meu grande terreiro, meu berço e nação
Zumbi protetor, guardião padroeiro
Mandai a alforria pro meu coração
© Gege Produções Artísticas LTDA e EMI Songs do Brasil Edições Musicais LTDA.

Página 297 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Paulinho da Viola

Dança da Solidão
Álbum : Dança da Solidão 1972
Canta : Paulinho da Viola

Solidão é lava que cobre tudo


Amargura em minha boca
Sorri seus dentes de chumbo
Solidão, palavra cavada no coração
Resignado e mudo no compasso da desilusão
Desilusão, desilusão,
Danço eu, dança você na dança da solidão (bis)
Camélia ficou viúva
Joana se apaixonou
Maria tentou a morte por causa de seu amor
Meu pai sempre me dizia :
Meu filho tome cuidado,
Quando eu penso no futuro não esqueço meu passado
Desilusão, desilusão,
Danço eu, dança você na dança da solidão (bis)
Quando chega a madrugada,
Meu pensamento vagueia
Corro os dedos na viola
Contemplando a lua cheia
Apesar de tudo existe uma fonte de água pura
Quem beber daquela água não terá mais amargura
Desilusão, desilusão,
Danço eu, dança você na dança da solidão (bis)

Página 298 de 299 Paulo Cesar Fernandes


MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Coisas do Mundo, Minha Nega


Canta : Paulinho da Viola

Hoje eu vim minha nega


Como venho quando posso
Na boca as mesmas palavras
No peito o mesmo remorso
Nas mãos a mesma viola onde gravei o teu nome (bis)
Venho do Samba há tempo, nega
Venho parando por ai
Primeiro achei Zé Fuleiro que me falou de doença
Que a sorte nunca lhe chega
Que está sem amor e sem dinheiro
Perguntou se não dispunha de algum que pudesse dar
Puxei então da viola
Cantei um Samba para ele
Foi um Samba sincopado
Que zombou de seu azar
Hoje eu vim, minha nega
Andar contigo no espaço
tentar fazer em teus braços um Samba puro de amor
Sem melodia ou palavra para não perder o valor (bis)
Depois encontrei seu Bento, nega
Que bebeu a noite inteira
Estirou-se na calçada
Sem ter vontade qualquer
Esqueceu do compromisso que assumiu com a mulher
Não chegar de madrugada
e não beber mais cachaça
Ela fez até promessa
Pagou e se arrependeu
Cantei um Samba para ele que sorriu e adormeceu
Hoje eu vim, minha nega
Querendo aquele sorriso
Que tu entregas para o céu
Quando eu te aperto em meus braços
Guarda bem minha viola, meu amor e meu cansaço (BIS)
Por fim achei um corpo, nega
Iluminado ao redor
Disseram que foi bobagem
Um queria ser melhor
Não foi amor nem dinheiro a causa da discussão
Foi apenas um pandeiro
Que depois ficou no chão
Não tirei minha viola
Parei, olhei, fui-me embora
Ninguém compreenderia um Samba naquela hora
Hoje eu vim, minha nega
Sem saber nada da vida
Querendo aprender contigo a forma de se viver
As coisas estão no mundo só que eu preciso aprender (bis)

Página 299 de 299 Paulo Cesar Fernandes

Оценить